CRIS ANDERSON PESSANHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CRIS ANDERSON PESSANHA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Programa de Formação de Conselheiros Nacionais Curso de Especialização em Democracia Participativa, República e Movimentos Sociais CRIS ANDERSON PESSANHA A ATUAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL: uma análise da gestão dos recursos do PRONAF como instrumento de prosperidade social no litoral sul paraibano JOÃO PESSOA/PB 2010

2 CRIS ANDERSON PESSANHA A ATUAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL: uma análise da gestão dos recursos do PRONAF como instrumento de prosperidade social no litoral sul paraibano Monografia apresentada à Universidade Federal de Minas Gerais como requisito parcial para obtenção do título de especialista em Democracia Participativa, República e Movimentos Sociais. Orientadora Profª. Drª. Luzia C. Costa Becker JOÃO PESSOA/PB 2010

3

4 O povo não tem amigos. O único amigo do povo é o próprio povo, quando organizado. Graciliano Ramos

5 RESUMO Esta monografia tem como objetivo investigar o tema das desigualdades sociais e do desenvolvimento sustentável, por meio da atuação dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável na gestão dos recursos do Programa Nacional de Fortalecimento à Agricultura Familiar como instrumento de prosperidade social em quatro municípios do litoral sul do Estado da Paraíba. Essa problemática é investigada, considerando o debate sobre o desenvolvimento desigual do país no qual o Nordeste veio se configurar em uma das regiões periféricas, marcada por contrastes e fatores de exclusão social, política, econômica e cultural bem como de corrupção. Dessa forma, através da revisão bibliográfica e fundamentado na reflexão teórica sobre os principais temas dessa problemática, a pesquisa de campo nos municípios de Alhandra, Caaporã, Conde e Pitimbu, revela a evolução do ideário geral de gestores públicos, ONGs e lideranças da população, no sentido de se buscar métodos e estratégias que favoreçam a seleção de alternativas que aperfeiçoem as possibilidades de sustentabilidade e de desenvolvimento social na região Nordeste com o objetivo de superar a sua condição de periferia. Palavras-chave: Conselhos Municipais; Desenvolvimento Rural; Desigualdades Sociais; Sustentabilidade; PRONAF.

6 ABSTRACT This research, expertise in participatory democracy and the social movements, aims at examining the relevance of the great theme of social inequality and sustainable development, given the role of so-called Municipal Councils for Sustainable Rural Development (CMDRSs), considering the focus of analysis on the procedures of resource management PRONAF - National Building Family Agriculture - as an instrument of social wealth, performed in four municipalities of the south coast of Paraíba state, within the context determined by need to discuss the perpetuation of the Northeast Brazil, among others in Brazil, too marked by contrasts and factors of social exclusion, political, economic and cultural, is crucial in view of the well-known, either as still aspects "enigmatic" especially when it comes to national taint of corruption and corruptibility, which historically has been diverting resources materials and other types of poor populations. Thus, the aim is, essentially the methodology of the literature, but also by deepening the theme of the empirical results derived from field research applied to municipalities of the Alhandra, Caaporã, Conde and Pitimbu, enter into consideration, also by means of observation and critical to address multiple aspects linked to the nuclear issue theme, and correlations required by the dynamics and scientific relevance of the topic under review, the quo. Permission is granted to the author, book, and expected results of the efforts begun here by offering the general evolution of ideas, public managers, ONGs and leaders of the population, in order to seek methods and strategies that favor the selection of alternatives that further improve the chances of sustainability and social development. Keywords: Municipal Councils; Rural Development; Socials Inequalities; Sustainability; PRONAF.

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DESIGUALDADE REGIONAL E DESENVOLVIMENTO Desenvolvimento e sustentabilidade Justiça Social: Guia Ético do Desenvolvimento Sustentável O Princípio político do desenvolvimento sustentável: Participação Social Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável: CMDRS DESENVOLVIMENTO SOCIAL BRASILEIRO: UM DESAFIO O Desenvolvimento e a exclusão-inclusão do Nordeste PRONAF: UMA PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTAVEL Participação Social e Desenvolvimento Rural Os Municípios de Alhandra, Caapora, Conde e Pitimbu: um território comum? A Família e a Agricultura Familiar O PRONAF e o Desenvolvimento Local Sustentável CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...35

8 7 1 INTRODUÇÃO Brasil, um país de todos..., de todas as desigualdades? O questionamento feito, a partir do slogan do governo Lula, aponta para o fato de que o país apresenta desigualdades múltiplas tais como social, racial, regional, de gênero, entre outras. A análise do desenvolvimento de um país com características históricas como as do Brasil, quando foca especificamente a região do Nordeste, faz surgir o tema do desenvolvimento desigual. Nem sempre a situação real de desigualdade é abordada com a profundidade e a seriedade necessária, bastando considerar como exemplo a visita do então ministro do Turismo, João Dória Júnior, na década de 1990, ao sítio geográfico do Brejo das Freiras e município de Souza, no sertão paraibano. Surpreendido pela gravidade da seca prolongada, ao percorrer o Vale dos Dinossauros, de enorme valor paleontológico, fez publicar em noticiário nacional a infeliz frase de que a miséria regional nordestina deveria ser explorada, como atração turística... Vinte anos depois, o valioso sítio continua quase desconhecido e abandonado, apesar de constar em guias do mundo inteiro como notável logradouro turístico, assim como a região nordestina, que apesar de seus inúmeros valores regionais, ainda segue nos dias de hoje sem que a sociedade e poder público se dêem conta que a Região Nordeste continua mergulhada em desigualdades crudelíssimas que nos remetem à busca por alternativas que possam vir a contribuir para um cenário de transformação, onde a melhoria da qualidade de vida da população seja a meta efetivamente perseguida pela sociedade organizada e Estado, juntos. Outra situação de descaso para com as desigualdades sociais no Nordeste é evidenciada quando o litoral nordestino é visitado pelos turistas das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste (além dos estrangeiros, de toda parte) que, acessando somente as praias, enxergam e desfrutam das paisagens, da culinária, da hospitalidade, mas pouco ou nada constatam a respeito da miséria do povo que, a partir de um raio de 20 quilômetros dos locais de hospedagem, vivem amontoados nas periferias das capitais regionais e indescritivelmente em agonia no interior sertanejo. Diante desse quadro, se os programas governamentais de caráter emergencial serviram para dar certa visibilidade ao desenvolvimento desigual do Nordeste, do Norte e, eventualmente, de bolsões mais isolados da miserabilidade por todo o país. Também é verdade que, infelizmente, renovaram os padrões eleitoreiros que os antigos coronéis

9 8 exploraram e continuam ainda explorando, sobretudo, através das lideranças municipais, base primeira da permanência dos desnivelamentos regionais. O conceito de prosperidade social faz parte do ambiente de peculiaridades de cada nação. A prosperidade social é um patrimônio muito valioso, porém nem sempre bem conservado por este ou aquele povo, por um ou outro grupo de lideranças governamentais, e assim, o que deveria ser difuso e universal, pode significar meta atingível somente para algumas nações de privilegiados. Para promover a prosperidade social de forma igual e harmônica em um país é preciso haver ações públicas e privadas compromissadas com o desenvolvimento sustentável, um paradigma que irá bater de frente com o modelo de desenvolvimento gerador das desigualdades até aqui ressaltadas pela negligência pública e privada em regiões como o Nordeste. Enquanto as desigualdades vão reforçando os contornos dos mapas das regiões, tendo o Sudeste como a região central e as demais, em específico, o Nordeste, caracterizadas como periferias, a problemática a ser investigada nesta monografia tem a ver com o tema do desenvolvimento sustentável local, delimitando uma porção menor da região Nordeste no caso em estudo, quatro municípios do litoral sul do Estado da Paraíba em face do fenômeno da descentralização administrativa e política, representada, por sua vez, pela atuação dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável. A presente pesquisa, na região foco, procura compreender e interpretar a atuação dos chamados Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRSs), espaços idealizados como democráticos, para promover a transformação da realidade local e regional. O estudo busca debater os aspectos envolvidos na gestão dos recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), como instrumento de prosperidade social no litoral sul paraibano, centrando-se nos municípios de Alhandra, Caapora, Conde e Pitimbu. Para tanto, no primeiro capítulo, apresento os conceitos e reflexões que irão fundamentar e orientar a pesquisa proposta nesta monografia. No segundo capítulo, apresento o PRONAF como uma política pública voltada para o desenvolvimento local sustentável tendo como foco o contingente social historicamente excluído do processo de desenvolvimento do país. No terceiro capítulo, analiso a formulação, implementação e resultados do PRONAF em quatro municípios do litoral paraibano, tomados como estudo de caso.

10 9 Finalmente, apresento algumas considerações sobre os achados na pesquisa realizada no que concerne à capacidade dos programas criados pelo governo federal de promover a inclusão socioeconômica de seguimentos sociais no campo e, mais do que isso, de promover a sustentabilidade do desenvolvimento, rompendo com as mazelas herdadas do passado, bem como com a geografia da desigualdade.

11 10 2 DESIGUALDADE REGIONAL E DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento no Brasil, por vários motivos, não se deu de maneira igual. Conforme aponta Becker (2009, pg. 28), a questão do desenvolvimento desigual entre regiões têm mobilizado sociólogos, geógrafos, estadistas, dentre outros, na compreensão e possível superação desta problemática no processo de formação e desenvolvimento das nações. No que concerne à mobilização das autoridades para dar cabo da questão da desigualdade regional no Brasil, há vários estudos realizados. Dentre eles, Jatobá (1979 apud Becker: 2009, pg. 28) apresenta um grande número de trabalhos, tanto aqueles que analisam a questão de uma perspectiva mais global, como aqueles que a vinculam a planos, programas e ações governamentais específicas. Uma das conclusões apresentadas pelo autor é que a problemática regional no desenvolvimento brasileiro tem sido abordada por meio de ações setoriais ainda muito compartimentalizadas (...), as interven ções governamentais nas regiões periféricas têm carecido de uma maior articu lação explícita com as estratégias que são desenvolvidas para os objetivos se toriais e macroeconômicos a nível nacional (... ), o caráter compensatório que têm assumido [a política regional] decorre da perda de eficácia dos programas regionais em função da neutralização a ela imposta pelos efeitos perversos das políticas setoriais e macroeconômicas (... ), o Estado aparenta ter assumido mais a postura de viabilizador da expansão capitalista tanto no núcleo hegemônico da economia, quanto nas áreas periféricas do que o de atenuador das desigualdades pessoais ao nível inter e intra-regional. O resultado deste posicionamento estatal, indica boa parte da literatura, tem sido os fracos rebatimentos sociais dos programas governamentais, se não o agravamento em algumas dimensões particulares tais como a de renda e do emprego. Nesta perspectiva, questiona-se qual o rebatimento social do PRONAF em quatro municípios do litoral paraibano cuja formulação ocorre sob os preceitos normativos do desenvolvimento sustentável? Esta questão nos leva a tratar do tema do desenvolvimento. 2.1 Desenvolvimento e Sustentabilidade Segundo Almeida (1998, pg.44), a sustentabilidade relacionada ao desenvolvimento se configura como um tema bastante polêmico, com diferentes definições ainda pouco precisas, sendo necessária a construção de um novo desenvolvimento que possa efetivamente ser visto como sustentável, através de benefícios que possam ser congregados por toda a sociedade.

12 11 De acordo com Carmo (1998, pg.217), a dificuldade em operacionalizar o desenvolvimento sustentável está nos interesses econômicos e classes sociais envolvidas e na necessidade de compatibilizar o que deve sustentar-se com o que deve desenvolver-se. Ainda segundo a autora, o termo sustentável se encontra, de certa maneira, configurado em uma idéia de imutabilidade no tempo e no espaço, indo, diferentemente de sua filosofia, de encontro ao termo desenvolvimento, sendo também registrado pela autora, a preocupação com a banalização do termo sustentabilidade, uma vez que tal cenário pode implicar em prejuízos à seriedade necessária ao uso e operacionalização de tal terminologia. Sob esta perspectiva, pode-se dizer que os programas sociais no Brasil têm sido formulados visando preencher expectativas tecnocráticas como se fosse possível reverter as estatísticas da desigualdade da noite para o dia sem atender direta e permanentemente as famílias e as demandas advindas dos movimentos sociais organizados. Por isto mesmo, os paradigmas do desenvolvimento sustentável e em amplo espectro da democracia participativa, são tão relevantes (VIEIRA, 2009, p. 43). Peixoto et al (2008) refere, em complemento: [...] O conceito de sustentabilidade possui uma significativa conotação de agregação de valor em seus mais amplos sentidos, uma vez que sugere em sua base primordial, a expressão de desejos e atendimento às necessidades de quem o busca. Assim, o crescimento sustentável, em suas mais diversas definições, traz em sua amplitude, a busca pela conquista de um objetivo social qualificado que saiba conciliar o crescimento com conservação e os seus resultados, minimizando todas as ocorrências inerentes ao processo de desenvolvimento e que de alguma forma possam acarretar prejuízos à sociedade. Desta forma, a temática envolvendo a questão do desenvolvimento sustentável certamente se configura como uma das maiores nuances do desenvolvimento em toda a sociedade, uma vez que esta engloba o processo pelo qual se busca avaliar e aplicar alternativas, estratégias e ações de desenvolvimento que tenham como principal objetivo, a amenização e/ou eliminação de problemas de cunho social e ambiental, promovendo assim, mudanças de paradigmas na relação do homem com a terra. No contexto do debate acerca das desigualdades, Binswanger (2002, p.41) enfatiza que o desenvolvimento sustentável tem por objetivo qualificar o crescimento e reconciliar o desenvolvimento econômico com a necessidade de se preservar o meio ambiente. Conforme exposto, em 1987, pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, o desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz as necessidades da

13 12 geração presente sem comprometer as possibilidades de gerações futuras em satisfazer as suas necessidades. A partir desta máxima, para alcançar o bem-estar da sociedade de hoje e de amanhã, necessita-se garantir também a conciliação das dimensões: social, política, cultural e econômica. Conforme aponta Goulet (2002, p.78): [...] A viabilidade econômica depende de um uso de recursos que não os esgote irreversivelmente e de um padrão de manejo de lixo resultante da produção que não destrua a vida. A sustentabilidade política se baseia em dar a todos os membros da sociedade, uma responsabilidade na sua sobrevivência: isto não pode ser conseguido, a menos que todos gozem de liberdade, direitos pessoais invioláveis, algum mínimo de segurança econômica e acreditem que o sistema político no qual vivem, persegue algum bem comum, e não meros interesses particulares. O autor finaliza seu argumento, entendendo que: [...] se o desenvolvimento é para ser social e culturalmente sustentável, os fundamentos da vida comunitária e os sistemas simbólicos de significação devem ser protegidos, e não cozinhados em banho-maria até o esquecimento sob o pretexto de submissão às exigências de alguma racionalidade tecnológica impessoal. (GOULET, 2002, ps ). Sob esta perspectiva, pode-se dizer que a sustentabilidade do desenvolvimento requer satisfazer algumas condições. Segundo Sachs (2002 apud Becker: 2009, p. 43) a sustentabilidade do desenvolvimento apresenta-se sob quatro as dimensões. A primeira dimensão refere-se à equidade social, ao pacto entre as atuais gerações. A sustentabilidade econômica refere-se não só à necessidade de manter fluxos regulares de investimentos, mas também a uma preocupação dominante nos planos de desenvolvimento tradicionais e à gestão eficiente dos recursos produtivos. A sustentabilidade ecológica refere-se às ações para evitar danos ao meio ambiente causados pelos processos de desenvolvimento. Finalmente, a sustentabilidade cultural refere-se ao respeito que deve ser dado às diferentes culturas e às suas contribuições para a construção de modelos de desenvolvimento apropriados às especificidades de cada cultura e de cada local. Todas essas dimensões, argumenta Becker (2008), implicam ainda a sustentabilidade política ligada à participação da sociedade na gestão territorial.

14 Segundo Buarque (2002, p.25), para que o desenvolvimento local seja sustentável, ele necessita mobilizar e explorar as potencialidades locais: 13 [...] contribuindo assim, para ampliar as oportunidades sociais e a viabilidade e competitividade da economia local, ao mesmo tempo em que deve assegurar a conservação dos recursos naturais locais, que são a mesma base das suas potencialidades e condição para a qualidade de vida da população local. Desta forma, vislumbra-se que pequenas comunidades organizadas podem sim alcançar novos níveis de desenvolvimento a partir de seus esforços locais, utilizando-se do potencial de sua região, seus aspectos culturais e da mobilização coletiva na busca por melhores padrões de vida. Tal ponto de partida, portanto, fará com que as portas para o desenvolvimento sejam abertas por iniciativa da própria comunidade, através da elaboração de projetos e ações que foquem nos seus interesses e necessidades. Para tanto, é necessário que todos os atores envolvidos no processo persigam, com rigor, a melhoria na dinâmica da economia e riqueza locais através de atividades econômicas adequadas à vocação natural da região, pois somente com uma economia eficiente, agregando riqueza local, é que se pode efetivamente vislumbrar um desenvolvimento sustentável, na literalidade que o termo requer em sua ideologia. 2.2 Justiça Social: Guia Ético do Desenvolvimento Sustentável Para que as estratégias dos gestores públicos e privados tenham eficácia e excelência na promoção da justiça social, é preciso ir além dos programas emergenciais que tanto o Estado quanto o setor privado propõem. Este último é pautado no que se convencionou chamar de responsabilidade social. Considerando o argumento de Toledo et al (2007), pode-se afirmar que fazer justiça social é permitir a instauração de oposições, de forma regrada por dispositivos legais difusos e universais, porém sem que o guia ético seja imposto sistematicamente por ações e programas sempre elaborados e ditados pelos governantes. Argumenta o autor que [...] há regras de educação jurídica, e também sociológica, elementares, que se praticam naturalmente, para, no fim da instrução e da apreciação dos procedimentos legais ou sociológicos intentados pelas várias partes envolvidas, interessadas em determinada meta, o processo e os resultados desejados sejam devidamente julgados e tidos como pertinentes, não somente em bons termos técnicos, mas, sobretudo funcionando como um guia ético. (TOLEDO et al, 2007, 117).

15 14 É necessário entender que são os fundamentos éticos que viriam implicar na eficácia e na excelência das ações e programas criados tanto pelo setor público quanto pelo setor privado para promover a justiça social. Na visão de Toledo et al, [...] no Brasil hodierno nem se fazem pré-questionamentos éticos suficientes, nas definições dos programas oficiais dos governos, nem se auscultam suficientemente as populações supostamente tidas como interessadas nos benefícios teorizados pelos tecnocratas, nem antes, nem durante, muito menos após a implantação, quase sempre açodada e desintegrada, dos programas de fomento, seja visando estimular a agricultura familiar, ou o ingresso em campanhas de saúde, ou na inclusão educacional, digital, etc. (TOLEDO et al, 2007, ps ). A imposição de programas e políticas públicas sem considerar o público alvo nas suas diversas vicissitudes, nos leva a pensar que sem suficientes questionamentos prévios, os teóricos vão elocubrando e tentando conciliar regras e siglas aos programas, muitas vezes meramente embasados em teorias, distantes das necessidades e das expectativas das comunidades como ocorre, por exemplo, com os programas destinados às famílias produtoras do campo. Afirma Toledo et al a esse respeito que: [...] como se os slogans governamentais do tipo Brasil, um país de todos, Programa Nacional de Fortalecimento à Agricultura Familiar, PRÓ-UNI, Fome Zero, etc. etc., tivessem o condão, por mágica, de impor costumes, revitalizar mentalidades, promover mudanças estruturais no jeito de pensar, comunicar-se e agir do povo, assim como são ilusórias as visitas dos presidentes da república de sempre e de resto dos demais governantes, a sítios distantes dos seus palácios, mandando que se limpem as ruas e se pintem as guias das calçadas para que sejam recebidas suas comitivas, que quando deixam os logradouros pobres, nunca mais retornarão a abordar as mazelas constatadas assim de forma tão superficiosa. (TOLEDO et al, 2007, p grifo dos autores). Justiça social é ética e, como tal, o exercício diário da cidadania e da democracia pressuporia formação continuada de lideranças, identificadas e surgidas e motivada no seio da população em geral e não subtraídas de membros somente de grupos já sob privilégios desta ou daquela tipologia. Além do fundamental compromisso ético dos representantes políticos e econômicos da sociedade com a justiça social, há que resguardar o compromisso com todos os efetivos desdobramentos para que a se alcance, incluindo aí, o direito à participação da sociedade nos processos de relevância para seus interesses comuns.

16 O Princípio político do desenvolvimento sustentável: Participação Social A Constituição Federal, promulgada no Brasil em 1988, trouxe a definição de um novo conceito de gestão, o qual em diretrizes legais, buscou permitir que o processo de tomada de decisões de interesse da sociedade, fosse com ela compartilhado. Assim, nos anos 90, a configuração das políticas sociais no país passou a incluir a constituição dos Conselhos Participativos e de Gestão, os quais apresentam, como principal objetivo, o redesenho das novas relações entre os diferentes setores da sociedade e as esferas do governo, buscando um cenário onde as decisões de interesse coletivo fossem compartilhadas entre ambos. Em linhas gerais, os Conselhos de políticas públicas são definidos pela literatura, como espaços públicos institucionalizados pelo Estado, com o objetivo de promover a participação da sociedade civil na formulação e no controle das políticas públicas. Compostos por representantes do Poder Executivo e da sociedade, estes órgãos configuram-se como instituições híbridas, que procuram intermediar estes dois campos (TATAGIBA, 2004). Obedece-se assim o princípio constitucional da descentralização política. O conceito de descentralização política é de amplo espectro, real e crítico e neste sentido, os Conselhos Municipais podem então ser conceituados como órgãos criados num sistema paritário de representação governo/sociedade, que teria o papel de articular e processar os diferentes interesses e transformá-los em propostas de programas a serem incluídos na agenda local (ANDRADE,1999). Assim, a figura dos Conselhos Municipais se estabelece, em sua ideologia, e se bem trabalhada, como uma importante ferramenta na tomada de decisões participativa, a partir da consolidação de um espaço democrático de debates entre a sociedade e os demais atores de ordem governamental, indo ao encontro de um grande potencial de transformação política, permitindo a entrada de temas políticos, em seus vários sentidos e desdobramentos, na vida de indivíduos ou grupos organizados que até então se encontravam às margens desta discussão (ABRAMOVAY, 2001).

17 Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável - CMDRS Os Conselhos Participativos inseridos na gestão pública devem se estabelecer como instituições mistas, formadas em parte por representantes do Estado, em parte por representantes da sociedade civil, com poderes consultivos e/ou deliberativos, que reúnem, a um só tempo, elementos de democracia representativa e da democracia direta (AVRITZER, 2000,p.18). Neste contexto de gestão social, a participação da sociedade, através de seus diversos setores, deve estar presente em todas as etapas da definição, implantação e consolidação das ações públicas priorizadas. E é com este raciocínio que os Conselhos Municipais se apresentam como um fórum democrático que permite, sobretudo, a inclusão social, seja de forma direta ou indireta. Assim, segundo o argumento de Tenório (1998), a gestão social pode ser como aquela que se efetiva através da relação sociedade-estado quando os governos institucionalizam modos de elaboração de políticas públicas que não se refiram ao cidadão como alvo, meta, cliente de suas ações ou, quando muito, avaliador de resultados, mas sim como participante ativo no processo de elaboração dessas políticas. O processo de democratização política, vivenciado especificamente no Brasil a partir do final do século XX, com uma origem pautada sobretudo através da pressão de movimentos populares, propiciou a abertura deste espaço consultivo e/ou deliberativo, com a estruturação dos conselhos municipais de gestão, como os de saúde, os de educação, e, posteriormente, os de desenvolvimento rural sustentável (LABRA e FIGUEIREDO,2002). Especificamente no que diz respeito aos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRSs), há de se registrar que estes apresentam sua estrutura diretamente relacionada à implantação de Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), o qual inseriu novos parâmetros na elaboração de políticas públicas voltadas especificamente ao desenvolvimento rural (Marques e Flexor, 2006), privilegiando a agricultura familiar neste contexto. Em linhas gerais, os CMDRSs apresentam então, a função de colaborar na elaboração e implementação de políticas públicas de desenvolvimento rural, pautadas nas oportunidades de inclusão social, sugerindo e apoiando projetos que tragam benefícios para o homem do campo e para toda a sociedade.

18 17 3 DESENVOLVIMENTO SOCIAL BRASILEIRO: UM DESAFIO Como forma de relacionar a importância da busca pela transformação da realidade de uma dada região através de ações e políticas sociais sérias, se faz necessária uma rápida abordagem sobre a história do desenvolvimento social no país, sob a ótica da exclusão social e dificuldades atravessadas nos aspectos da geração de renda e emprego sobretudo aos agricultores familiares e mini e pequenos produtores rurais observando-se que a realidade brasileira é marcada por grandes desigualdades sociais, as quais se formaram e se estruturaram desde o seu processo de ocupação e povoamento do seu território, e ainda perduram até os dias contemporâneos, sobretudo na Região Nordeste. De forma simultânea à ocupação das terras do país, destacando-se aquelas localizadas na região do sertão Nordestino, dava-se início a um processo de estruturação fundiária oriundo da má distribuição de terras, onde um número reduzido de famílias se apropriou da maior parte das terras existentes. Em decorrência desse processo de ocupação do nosso território em suas vertentes políticas, econômicas e geográficas, formou-se em boa parte do Brasil, uma sociedade de base agrária-escravocrata, a qual apresentava em seu topo, os denominados senhores de terra, proprietários da atividade açucareira e/ou de café, além dos grandes pecuaristas. Nas camadas intermediárias da sociedade fazia-se distinção entre os mercadores, os profissionais liberais, a camada administrativa, integrantes das forças armadas e o clero. Já nas camadas menos favorecidas das áreas rurais do país, faziam-se presentes os posseiros, vaqueiros, arrendatários, canoeiros e barqueiros, enquanto pedreiros, portuários, mecânicos, artesãos, entre outros, compunham a representatividade da classe menos favorecida das áreas urbanas. Assim, em linhas gerais ficava definido o quadro social brasileiro, onde de um lado ficavam os desfavorecidos com sua força de trabalho, e do outro, os grandes proprietários de terra, denominados latifundiários, com o seu poderio econômico. Do final do Império até o período da República Velha, a qual tem seu término culminando com a Revolução de 1930, a economia do nosso país era pautada pela atividade de origem agro-exportadora, tendo o café como seu principal produto da base econômica. Com o advento da crise de âmbito internacional, em 1929, a economia do país fica significativamente afetada e aqueles capitais oriundos da atividade de cafeicultura passam a ser incorporados ao processo de industrialização, sendo incentivados pelo quadro de vantagens de ordem econômica, oferecidas pela conjuntura mundial da época, sendo a região

19 18 Sudeste, a mais beneficiada desse processo de transformações no Brasil, através dos investimentos industriais conquistados. Se até aquele momento, a região Nordeste do país era integrada ao quadro do desenvolvimento brasileiro, a partir de atividades específicas como o algodão, o fumo, a canade-açúcar e o cacau, dava-se na conjuntura econômica nacional, um relevante processo de transformação, o qual testemunhava a fase de transição de um Brasil essencialmente agrário para uma economia industrial, tendo que conviver - e não sabendo administrar a estruturação econômica e social de regiões com diferentes oportunidades e características. De um lado, as regiões Nordeste e Norte com o fornecimento de matérias-primas para a região Central e Sul do país e tendo que figurar como importadoras de produtos manufaturados oriundos desta mesma região, já havendo aí, por si só, uma relação extremamente desigual, onde o preço da matéria-prima vendida saía a um preço bem menor do aquele comparado ao que era pago por essas regiões para consumir de volta, os produtos industrializados, contribuindo desta forma, para o outro lado, caracterizado pela solidificação da concentração econômica no Centro-Sul. Responsáveis também pela cessão de boa parte da mão-de-obra que contribuiu para o desenvolvimento do Centro-Sul brasileiro, os Estados do Nordeste em especial, estabeleceram uma forte conexão com aquela região que seria o eixo de desenvolvimento do país, a qual ocorria principalmente pelo sistema viário, através das BR 116 e 101, integrando posteriormente, a faixa litorânea do continente. A articulação do comércio estabelecida entre estas regiões evoluiu ao longo das décadas posteriores, tomando forma de um sistema de integração produtiva, fruto da transferência de capitais do centro industrializado para outras regiões do Brasil. Com a observância dessa relação com pesos diferentes, vê-se acelerar o movimento de migração do nordestino ao encontro da Região Centro-Sul, tendo em vista ser aquela a propiciá-los, em tese, melhores condições de vida e maiores oportunidades de emprego e aquisição de renda. Concomitantemente, agravaram-se os níveis de pobreza na zona rural dos 9 Estados Nordestinos - enfraquecidos na base da relação econômica - e o sertão, em especial e à revelia das políticas públicas estaduais e federais, recebia a atenção de seus governantes, somente nas situações declaradas como de calamidade pública. Para simbolizar tal referência, pode-se exemplificar o referido cenário através das ações ditas como de combate à seca, de caráter assistencial e paliativo em quase sua totalidade, característica esta, marcante das políticas sociais desenvolvidas no Nordeste (e em quase todo o Brasil), no período de referência, a qual se estende até nossos dias mais atuais. Ressalte-se que a Região Nordeste

20 19 tem de forma expressiva, na pobreza, um forte componente regional - sobretudo nas áreas rurais - onde a incidência de piores condições de vida é mais elevada. A partir dos anos 50, o Governo Federal estabelece planos de desenvolvimento direcionados à integração nacional, através de investimentos de capitais e da incorporação das regiões brasileiras ao mercado nacional, como tentativa de produzir a diminuição da concentração econômica nas regiões Sul e Sudeste, objetivando assim, uma transformação para se reduzir as desigualdades socioeconômicas brasileiras. No entanto, a macro-visão do processo não resultou em benefícios sociais para a totalidade da população brasileira - tendo em vista as fortes raízes de concentração de riqueza, renda e privilégios já citados mas atingindo somente algumas regiões e espaços que apresentavam maior dinâmica social e econômica. Mais uma vez a população da zona rural ficava às margens do processo de modernização do país, sendo excluída do novo formato de organização do aparelho estatal brasileiro, cabendo a mesma situação de exclusão às regiões mais atrasadas do país, onde estas continuavam sem poder usufruir, nas mesmas condições de outras regiões, dos benefícios intrínsecos ao crescimento industrial e urbano brasileiro. Relegada a um segundo plano, a mão-de-obra do campo perde sua força social e passa a constituir parte do crescente setor informal da economia urbana. No campo das políticas sociais, quando os planejadores estabeleceram um intervalo de tempo entre a expansão e a distribuição dos benefícios desse crescimento, o país não se estruturava para a distribuição de renda, cada vez mais concentrada, baseado na concepção de crescer para depois dividir. Não seria pois, na fase recessiva, que a distribuição de renda seria iniciada. Assim, o país chega aos anos 80 deflagrado por uma forte crise econômica com dimensões de caráter internacional e com índices de inflações longe do aceitável, regendo ainda neste espaço de tempo, a transição política de 20 anos do regime militar para um regime democrático, o qual fora organizado pela sociedade brasileira mobilizada através de suas diversas categorias sociais e políticas, buscando de forma gradual, uma nova ordem social, na busca de preceitos mais equânimes. Fruto dos desdobramentos dessa transição, se chega à elaboração da Constituição de 1988 e algumas conquistas sociais reivindicadas há muito pelos trabalhadores do campo e da cidade, são incorporadas à redemocratização do país, em especial, os direitos sociais dos trabalhadores rurais ao sistema de aposentadoria e pensões. O balanço da década de 80 vem a revelar melhorias conquistadas em determinados setores como: a queda da taxa do analfabetismo e da mortalidade infantil, ampliação do número de domicílios dotados de infra-estrutura adequada (água e esgoto), entre outros. No entanto,

21 20 ficaram em número expressivo, indícios de que o contraste entre ricos e pobres teria aumentado, multiplicando-se assim os sinais da exclusão social. Com o início dos anos 90, acompanhando a dinâmica da economia mundial rumo à globalização, o modelo de desenvolvimento econômico então implantado no país, perde força com a exigência e necessidade da abertura do mercado brasileiro ao mercado internacional. Na busca pela adequação à nova ordem econômica mundial estabelecida, o Brasil volta-se para a implantação de novas formas de descentralização administrativa e política, com a desestatização de empresas públicas e desburocratização da máquina estatal. Em 1994, com o advento da implantação do plano de estabilização econômica Plano Real a população do país ganha num primeiro momento, o aumento de seu poder de compra, a partir da rápida queda da inflação e seu controle, contribuindo para suavizar os níveis e contingentes de pobreza no plano nacional, propiciando à sociedade brasileira, uma inclusão de mais itens na sua cesta básica e o aumento da aquisição de equipamentos eletroeletrônicos, destacadamente. Desde então, após ter o controle da inflação, a realização de investimentos e a busca de parcerias com os setores privados da sociedade podem constituir-se como ações-base para permitir uma atuação mais eficaz do Estado, no sentido de reduzir os índices existentes de desemprego, elevar o nível de renda e de educação das famílias e erradicar a pobreza, melhorando assim, as condições de vida da população brasileira. As mudanças que vêm se instalando no nível mundial em setores financeiros, empresarial, científico, industrial e tecnológico, impõem e simultaneamente permitem uma redefinição de grande alcance do modelo de desenvolvimento do Brasil no que diz respeito à busca por uma estrutura produtiva dotada de maior poder de competitividade e mais integrada ao mundo. Se por um lado, as ações a serem desenvolvidas podem trazer benefícios consideráveis para todos, por outro, as mudanças ocorridas podem tornar mais latentes as históricas desigualdades e criar novas vulnerabilidades, afetando de forma negativa, determinadas regiões e grupos sociais do país. Resta, portanto, a busca por um modelo de desenvolvimento que conjugue a tendência e trajetória de modernização da economia e a redução das desigualdades regionais e sociais. Revelam-se assim, os Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável como uma potencial ferramenta na contribuição a este paradigma social.

22 O Desenvolvimento e a exclusão-inclusão do Nordeste Delimitar a temática da presente pesquisa, qual seja, a desigualdade regional do país, compreendida pelas variáveis que colocam o nordeste brasileiro em um dos fulcros da denominada exclusão social, paradoxalmente, é muito fácil, mas de difícil indicação acertada das medidas para reverter o quadro. Segundo Unger (2009), quatro premissas justificam a busca de uma ação de superação da questão regional no país a qual não pode se dar sem passar pelo Nordeste. [...] A primeira delas é que não há solução para o Brasil sem solução para o Nordeste. A segunda: falta, hoje, projeto para o Nordeste. A terceira premissa desta iniciativa é que assim como não há solução para o Brasil sem solução para o Nordeste, não há solução para o Nordeste sem solução para o semi-árido. A quarta premissa desta iniciativa é que o Projeto Nordeste deve começar por instrumentalizar as duas grandes forças construtivas manifestas na realidade nordestina hoje. Unger (2009) entende que muito melhor partir daquelas forças construtivas, e do esforço de equipá-las, do que partir de dogmas e de a prioris. (...), entre as quais uma merece atenção especial. Uma das principais dessas forças é um empreendedorismo emergente: [...] Seus veículos mais importantes são dezenas de milhares de pequenas e médias empresas. Seu agente social é a segunda classe média, mestiça, que vem de baixo, luta para abrir e manter pequenos negócios, estuda à noite, filia-se a novas igrejas e a novos clubes e constrói cultura de autoajuda e de iniciativa. Fazem milagres os empreendimentos criados por essa segunda classe média, esfomeados de acesso a crédito, a tecnologia, a conhecimentos e a práticas avançadas e a mercados nacionais e globais. O autor argumenta ainda que quase um terço da Nação vive no Nordeste. É nessa região que se concentram muitas das áreas mais pobres e das populações mais carentes do país. A renda per capita e a remuneração média do trabalho continuam substancialmente abaixo das médias brasileiras, ainda que algumas partes do Nordeste (como o cerrado do oeste da Bahia e do sul do Piauí) figurem hoje entre as áreas que mais crescem (Unger, 2009, Grifos meus).

23 22 Observa-se então que ao mesmo tempo em que o Nordeste apresenta muitos dos problemas nacionais em sua forma mais concentrada, essa região reúne elementos indispensáveis às soluções nacionais, inclusive a força da identidade coletiva e o acúmulo dos vínculos associativos. No Nordeste, segundo Unger (2009), mais do que em qualquer outra parte do país, o Brasil afirma sua originalidade e apresenta características no seu tecido social que permitem inovar nas propostas de desenvolvimento local e regional. É neste contexto que irá surgir o Programa Nacional de Agricultura Familiar.

24 4 PRONAF: UMA PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO LOCAL SUSTENTÁVEL 23 Criado em 1995, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) se configura, desde então, como uma das mais importantes políticas públicas ativas no país voltada diretamente à agricultura familiar, servindo como ferramenta de apoio ao desenvolvimento rural através do fortalecimento da agricultura como segmento gerador de postos de trabalho e renda, sendo executado de forma descentralizada e tendo como protagonistas os agricultores familiares e suas organizações. Fruto da mobilização dos agricultores familiares e motivado pela necessidade de acesso ao crédito exigida pelas lideranças sindicais dos trabalhadores rurais, o PRONAF é uma ferramenta de extrema relevância. Na condição de política pública, o Programa tem por objetivo principal, contribuir para a promoção do desenvolvimento rural sustentável, alcançando as necessidades e anseios dos agricultores familiares, através de taxas de juros subsidiadas para financiamento a empreendimentos para produtores rurais, de acordo com sua renda anual. Neste contexto, a criação do PRONAF passa a representar então, o reconhecimento e a legitimação do Estado, em relação às peculiaridades da nova categoria social os agricultores familiares que até então era designada por termos semelhantes como pequenos produtores, produtores familiares, produtores de baixa renda ou agricultores de subsistência. Expressando uma das concretizações da Constituição de 1988, o PRONAF se encontra direcionado a três grandes linhas de ação, a saber: crédito rural, desenvolvimento municipal e assistência técnica, pautando-se, ainda, na descentralização e baseando-se na parceria entre governos municipais, estaduais e federal e iniciativa privada, tendo como principais atores sociais, os agricultores familiares e suas organizações constituídas (IBASE, 1999: 26). Desta forma, o Programa promove negociações de políticas públicas com órgãos setoriais, o financiamento de infra-estrutura e serviços públicos nos municípios, o financiamento da produção da agricultura familiar através do crédito rural e a profissionalização dos agricultores familiares, tudo coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) por meio da Secretaria da Agricultura Familiar. No que diz respeito ao seu público-alvo, o PRONAF tem como beneficiários aqueles agricultores familiares, sejam proprietários de terra, assentados, posseiros ou arrendatários que façam uso da mão-de-obra familiar e não possuam mais que 2 (dois) empregados permanentes, sendo observada ainda a limitação de que no mínimo 80% (oitenta por cento) da

25 24 renda bruta anual familiar seja oriunda de atividade agropecuária e não-pecuária exercida no seu estabelecimento rural no qual o agricultor deve efetivamente residir ou morar próximo. Em relação às linhas de crédito disponibilizadas diretamente às pessoas físicas dos agricultores familiares enquadrados e beneficiados no Programa, o PRONAF se divide primeiramente em dois grandes grupos, a saber: créditos de custeio destinados ao financiamento das atividades agropecuárias e de beneficiamento ou industrialização de produção própria ou de terceiros familiares enquadrados no Programa. Créditos de investimento voltados ao financiamento da implantação, ampliação ou modernização da infraestrutura de produção e serviços agropecuários ou não agropecuários no estabelecimento rural. Entre as linhas de investimento, o PRONAF segrega as diversas finalidades que o Programa contempla, de acordo com as principais categorias elencadas a seguir: a) Pronaf Agroindústria financiamentos voltados a investimentos, incluindo aqueles relacionados à infraestrutura, que visem o beneficiamento, processamento e/ou a comercialização de produção de origem agropecuária, de produtos florestais e do extrativismo, ou de produtos artesanais e a exploração do turismo rural. b) Pronaf Agroecologia linha de crédito destinada a financiamento para investimentos a sistemas de produção agroecológicos ou orgânicos, incluindo os custos relativos à implantação e manutenção do empreendimento. c) Pronaf Eco programa de crédito que financia investimentos em técnicas que minimizem o impacto da atividade rural ao meio ambiente, bem como possam permitir ao agricultor, um melhor convívio com o bioma do qual sua propriedade rural faz parte. d) Pronaf Semi-Árido financiamentos direcionados a projetos que permitam melhores condições de convivência com o semi-árido, com foco na sustentabilidade dos agroecossistemas, conferindo prioridade às infraestruturas de ordem hídrica. e) Pronaf Mulher linha de crédito voltada a operações de investimento de propostas de crédito rural para a mulher agricultora, inclusive em caráter complementar a possíveis créditos já adquiridos pelo cônjuge. f) Pronaf Jovem financiamentos de investimentos a propostas de créditos apresentadas por jovens agricultores e agricultoras que possuam formação técnica no meio rural.

26 25 Verifica-se portanto, em suas linhas de crédito atuais, que o PRONAF apresenta de forma muito intrínseca aos seus objetivos, a premissa do desenvolvimento, não só sustentável, mas também inclusivo, seja através do financiamento às atividades desenvolvidas pelos agricultores, como também pelo próprio público segregado pelo Programa, como bem exemplificado através das linhas de crédito do PRONAF Mulher e PRONAF Jovem, motivo pelo qual o tema aqui trazido se torna de fundamental relevância para melhor compreensão deste trabalho monográfico. 4.1 Participação Social e Desenvolvimento Rural O Brasil, em específico a região Nordeste, diante do quadro de desigualdades, argumento, precisa de planos, programas e políticas públicas com objetivos mais ousados para ir ao encontro dos anseios das novas classes sociais identificadas por Unger (2009) anteriormente. Ações e medidas fruto, meramente, das concepções e retóricas teóricas, temporárias, burocráticas e, em algumas situações, voltadas para o exótico (desconexas da verdadeira realidade das populações-alvo dos programas oficiais), não irão resolver o problema da desigualdade do desenvolvimento na região. As ações e medidas para tal feito precisam, necessariamente, brotar do povo e serem empreendidas pelos governantes. Sob esta perspectiva, apresento a pesquisa realizada para esta monografia, tendo como viés crítico-analítico os princípios normativos da sustentabilidade e como viés metodológico a observações participantes no âmbito de quatro municípios do litoral sul paraibano, sendo tais observações realizadas através da participação do autor da presente pesquisa em 19 reuniões dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável dos quatro municípios objetos do estudo, ao longo dos anos de 2008 e A participação social e o desenvolvimento rural nestes municípios podem se tornar referência para o resto do país, na medida em que buscam a superação da desigualdade, tendo como norte ético os princípios normativos do desenvolvimento sustentável. Os municípios de Caaporã, Alhandra, Pitimbu e Conde, lutam, de certa forma exemplar e desafiadora, para conciliar suas vocações com relação aos valores do ambiente rural e ao desenvolvimento sustentável pleiteado por suas gentes, ainda que em muitos aspectos as famílias são frustradas por desvios programáticos.

27 Os municípios de Alhandra, Caapora, Conde e Pitimbu: um território comum? Pertencentes a uma mesma faixa de extensão territorial, abrangendo o litoral sul do Estado da Paraíba, os municípios de Alhandra, Caaporã, Conde e Pitimbu possuem, juntos, cerca de habitantes, conforme dados do último censo do IBGE. Apresentam uma economia predominantemente turística e rural, destacando-se, entre as atividades ligadas à agricultura familiar, a pecuária, a fruticultura e a pesca artesanal. Com problemas em comum e com uma forte predominância da sua população concentrada na zona rural, estes municípios enfrentam, como outros municípios de nosso país, a desigualdade social atrelada à baixa dinamicidade de suas economias, a baixa escolaridade de seus habitantes, dentre outros problemas de ordem socioeconômica. Especificamente no que diz respeito ao meio rural, estes municípios tentam, em sua história mais recente, de forma organizada, se mobilizar através de seus Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável, buscando minimizar os problemas relacionados ao homem do campo. A partir de Fórum regionalizado versando sobre o tema Desenvolvimento Rural, no ano de 2007, estes quatro municípios, contemplando inclusive alianças em sua esfera política, se organizaram através dos Conselhos de Desenvolvimento Rural Sustentáveis, já devidamente constituídos há alguns anos, buscando soluções para problemas relacionados ao crédito voltado para os seus agricultores familiares. Criado em 2001, o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável de Alhandra PB conta atualmente com 16 titulares representantes dos órgãos e diversas Associações que compõem o Colegiado, sendo 1 representante da EMATER; 1 da Prefeitura Municipal; 1 do Banco do Nordeste do Brasil S.A; 1 do Banco do Brasil S.A; 1 do Sindicato dos Trabalhadores Rurais; 1 da Igreja Católica; 1 da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar do Estado da Paraíba (FETAG-PB); 1 da Câmara Municipal de Vereadores e outros 8 representantes das Associações/Comunidades Rurais do município, além é claro, do mesmo número de vagas reservadas aos suplentes já devidamente constituídos em uma eventual impossibilidade de participação do respectivo titular, situação esta que se estende à realidade de todos os outros Conselhos abordados no presente trabalho. Já o CMDRS de Caaporã PB, constituído em 2001, possui 12 assentos, sendo 1 reservado ao representante da EMATER; 1 ao Banco do Brasil S.A; 1 ao Banco do Nordeste do Brasil S.A.; 1 ao representante do Poder Executivo Municipal; 1 a representante do Poder

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará

ações de cidadania ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará ações de cidadania Onde o sol nasce ONG estimula o protagonismo de jovens para que eles atuem transformando a realidade de região castigada pela seca no Ceará O triste cenário já é um velho conhecido por

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO AVALIAÇÃO SOBRE GOVERNANÇA AMBIENTAL NOS MUNICÍPIOS DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO Aristides Pereira Lima Green 1 Frederico Cavadas Barcellos 2 Deborah Moreira Pinto 3 I. Introdução As regiões semi-áridas se

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SESAN Fórum de debates sobre a pobreza e a segurança alimentar Campinas, 13 de outubro

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada

Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar e representar a sociedade local, para construirmos em conjunto uma visão compartilhada Fórum da Agenda 21 de Guapimirim Aprender a APRENDER e a FAZER. Aprender a CONVIVER, e Aprender a SER Cidadãos Participativos, Éticos e Solidários Este Fórum Local da Agenda 21 se propõe a escutar, mobilizar

Leia mais

Mapa da Educação Financeira no Brasil

Mapa da Educação Financeira no Brasil Mapa da Educação Financeira no Brasil Uma análise das iniciativas existentes e as oportunidades para disseminar o tema em todo o País Em 2010, quando a educação financeira adquire no Brasil status de política

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário?

Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário. O que é e para quem é o Comércio Justo e Solidário? Documento base sobre Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário Este é um documento que objetiva apresentar a proposta do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário, sua importância, benefícios

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL

A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL A EXTENSÃO RURAL NA REGIÃO SUL: PERSPECTIVA E SITUAÇÃO DOS PAÍSES BRASIL Argileu Martins da Silva Secretário Adjunto/Diretor do DATER A FASE DA INOVAÇÃO Um Jeep, um homem, uma mulher desafiam os costumes

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza

Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza Comunidade Solidária: parcerias contra a pobreza OConselho da Comunidade Solidária foi criado em 1995 com base na constatação de que a sociedade civil contemporânea se apresenta como parceira indispensável

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva

Mostra de Projetos 2011. Cozinha Escola Borda Viva Mostra de Projetos 2011 Cozinha Escola Borda Viva Mostra Local de: São José dos Pinhais Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Desafios para as lideranças na criação de ambientes favoráveis à leitura Lucila Martínez Cáceres Educadora, Mestre em Biblioteconomia e Informação Especialização em Desenvolvimento Sustentável Local e

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014

Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família. Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil e o Programa Bolsa Família Junho 2014 Estratégia de Desenvolvimento no Brasil Estratégia de desenvolvimento no Brasil Crescimento econômico com inclusão social e

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

1 de 9 ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META S AO PLN0002 / 2006 - LDO Página: 2355 de 2392 1 de 9 ESPELHO DE S DE AUTOR DA 27 Valorizar a diversidade das expressões culturais nacionais e regionais 1141 Cultura, Educação e Cidadania 5104 Instalação

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA

SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA SAÚDE COMO UM DIREITO DE CIDADANIA José Ivo dos Santos Pedrosa 1 Objetivo: Conhecer os direitos em saúde e noções de cidadania levando o gestor a contribuir nos processos de formulação de políticas públicas.

Leia mais

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social

Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS Programa de Práticas Sócio-Jurídicas PRASJUR Curso de Serviço Social PAPER DA CARTILHA DO FÓRUM INTERSETORIAL DE CONSELHOS DE POLÍTICAS PÚBLICAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais