ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SÃO JOSÉ CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Fábio Mattos de Barros Acadêmico Paulo Roberto Riccioni Gonçalves Professor orientador São José, junho de 2005

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO SÃO JOSÉ CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Sistemas Distribuídos Fábio Mattos de Barros Acadêmico Proposta de trabalho apresentada ao Responsável pela Coordenação de Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação da Universidade do Vale do Itajaí - São José, para o desenvolvimento durante as disciplinas de Trabalho de Conclusão de Curso I e II. São José, junho de 2005

3 FÁBIO MATTOS DE BARROS ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO : UMA ANÁLISE DAS PROPOSIÇÕES TECNOLÓGICAS COM FOCO NA AUTOMAÇÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado como requisito parcial para a obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação, tendo sido aprovado pelo Curso de Ciência da Computação, Centro de Educação São José da Universidade do Vale do Itajaí (SC). São José, 19 de dezembro de Prof. Esp. Alecir Pedro da Cunha Responsável pela Coord. do TCC Prof. M. Eng. Fernanda dos Santos Cunha Coordenadora do Curso Apresentada à Banca Examinadora formada pelos professores: Orientador Prof. Msc. Paulo Roberto Riccioni Gonçalves Profa. Dra. Eliza Coral Prof. Msc. Paulo Henrique de Souza Bermejo

4 SUMÀRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização Justificativa Objetivos Objetivo Geral Objetivos Específicos Metodologia Delimitações da Pesquisa ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS (SOA) Serviços Definindo a SOA Evolução da Arquitetura de Sistemas Os Elementos da SOA SOA e Web Services A GESTÃO DE PROCESSO DE NEGÓCIOS - BPM Processos de Negócios Gerenciando Processos Evolução dos Sistemas de Informação frente à adequação dos Processos de Negócios BPM versus WFMS Processo de Desenvoilvimento BPM versus RUP BUSINESS PROCESS MANAGEMENT SYSTEMS BPMS UTILIZANDO SOA COM BPMS Critérios para Avaliação de BPMS MODELANDO E EXECUTANDO PROCESSOS Identificação dos Processos Definição do Modelo de Referência Modelos de Referência e Padrões para Processos SCOR - Supply Chain Operations Reference Model RosettaNet Captura e Identificação dos Processos Elaboração dos Processos Colaboração de Negócio Definição das Transações de Negócio Linguagens e Notações para Modelagem em nível de Execução A Linguagem BPEL Elementos da Linguagem BPEL PROJETO DE DEMONSTRAÇÃO DE USO DA ARQUITETURA Metodologia Ferramentas e aplicações de infra-estrutura tecnológica Análise dos Processos Definição do Modelo de Referência Definição das Áreas de Negócio...96

5 5.3.3 Definição das Áreas de Processos Identificação dos Processos Elaboração de Processos de Negócio Transação de Negócios Especificação dos Serviços Serviço de Vendas Serviço Gerenciamento de Estoque Serviço de Compras CONCLUSÃO REFERÊNCIAS...109

6 RESUMO Atualmente, o modelo globalizado e altamente competitivo dos negócios sugere a adoção de sistemas de informações altamente adaptáveis às mudanças nos processos organizacionais. Desta forma, para agilizar a disponibilização de serviços computacionais, é necessária a reutilização otimizada dos sistemas existentes, partindo-se da idéia que utilizar elementos de sistemas legados é mais rápido do que refazê-los dentro de um processo de desenvolvimento de software. Assim, esta pesquisa tem como objetivo analisar os elementos pertinentes a Arquitetura Orientada a Serviços bem como os elementos do Gerenciamento de Processos de Negócios como abordagens para a concepção de sistemas de tecnologia da informação em ambientes onde os processos de negócios são altamente suscetíveis a mudanças e a diversidade de plataformas de software é presente no parque tecnológico da organização. Assim, a primeira parte da pesquisa irá abordar os elementos da SOA e da plataforma Web Service. Em uma segunda etapa, serão apresentados os elementos do BPM bem como a definição dos servidores que suportam a automação dos processos de negócios, designados como BPM Systems. Em seguida propõe-se o estudo de metodologias para identificação e modelagem de processos de negócios, juntamente com padrões e modelos que podem ser utilizados em tais atividades. Finalmente, compete também a esta pesquisa, a implementação de uma aplicação de teste que terá como objetivo fornecer dados para uma análise prática da utilização das tecnologias apresentadas.

7 LISTA DE FIGURAS Figura 2-1 Acessando e combinando serviços Figura Sistema de equipamentos de Áudio e Vídeo...22 Figura Alinhamento dos serviços SOA com os serviços oferecidos pela organização...25 Figura Diferentes implementações da SOA...26 Figura Evolução da Arquitetura de Sistemas...27 Figura 2-6 Crescimento Horizontal de Disponibilização de Aplicações...29 Figura Elementos da SOA Figura Componentes de uma descrição de serviço usando WSDL...34 Figura Estrutura UDDI...35 Figura Composição da SOA com a plataforma Web Service...36 Figura Composição de Processos...38 Figura Disciplinas do BPM...43 Figura Separação da Lógica dos Processos de Negócio Figura 3-4 Processos em Sistemas Legados Figura Processos no ERP Figura Funções de um Sistema de Gerenciamento de Workflows...47 Figura Integração de processos internos e externos...49 Figura Comparação Disciplinas BPM versus RUP...50 Figura 3-8- Diferentes Visões dos Fornecedores de BPMS...52 Figura Modelo Simplificado de um BPMS Figura Ferramenta de Modelagem de Processos Microsoft BizTalk Server...53 Figura Esquema de um servidor de regras de negócio Figura Painel de Indicadores Chave de Performance...56 Figura 3-13 Estrutura padrão de distribuição de sistemas...57 Figura 3-14 Inclusão da camada de serviços...58 Figura 3-15 Adicionando a camada de processo de negócio...59 Figura Evolução Contínua das soluções BPMS Figura 3-17 Detalhamento dos elementos de um BPMS em cada nível de evolução do produto...62 Figura SCOR: Nível de Configuração...69 Figura 4-2 Detalhamento do SCOR Nível Figura 4-3 Nível de Implementação do Modelo SCOR...71 Figura 4-4 Estrutura dos Elementos de Processo (RosettaNet)...73 Figura 4-5 Diagrama Conceitual de Processo PIP 3A Figura 4-6 Processo Públicos e Privados (PIP)...75 Figura 4-7 Documentos de apoio para Identificação de Processos Figura Detalhamento de Processo...77 Figura Elaboração dos Processos...78 Figura Colaboração dos Processos...79 Figura Diagrama de Atividades de Colaboração entre Processos...80 Figura Transação de Negócio...80 Figura Diagrama de Atividades de Transações de Negócio...81 Figura Esquema Genérico de Linguagens de Automação de Processos para Web Services...82 Figura 4-15 Tcnologias de Automação de Processos...83 Figura Integração BPEL com Web Services...85 Figura Orquestração versus Coreografia de Serviços...86

8 Figura Mapeamento de participantes BPEL WSDL...89 Figura Definição de Variáveis BPEL e WSDL...91

9 LISTA DE TABELAS Tabela 3-1- Funcionalidades do BPMS...51 Tabela Objetivos de um Modelo de Referência para Processos...66 Tabela Elementos e Objetivos do Modelo de Referência...67 Tabela Conjuntos do Modelo RosettaNet...73

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ATM - Automatic Teller Machine B2B Business to Business BAM Business Activity Monitoring BPEL Business Processo Execution Language BPM Business Process Management BPMS Business Process Management System CICS - Customer Information Control System COBOL - Common Business Oriented Language CORBA - Common Object Request Broker Architecture ERP Enterprise Resource Planing HTTP - HyperText Transfer Protocol IMS - Information Management System J2EE Java 2 Platform, Enterprise Edition JMS Java Messaging System KPI Key Performance Indicator MSMQ Microsoft Message Queuing PL/I - Programming Language One SCOR Suplly-Chain Operations Reference SGDB Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados SOA Service Oriented Arquitecture SOAP - Simple Object Access Protocol TI Tecnologia da Informação UDDI - Universal Description, Discovery, and Integration UDP - User Datagram Protocol UML Unified Model Language WFMS Workflow Management System WS Web Service WS-I Web Service Interoperability Organization WSDL Web Servoce Description Language XML Extensive Markup Language XSD XML Schema Definition XSLT - Extensible Stylesheet Language Transformation

11 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização O desenvolvimento de soluções integradas para grandes corporações sempre implicará em desafios para todos os colaboradores envolvidos nas tarefas de análise e projeto de arquitetura de sistemas. Em muitos casos, um destes desafios resume-se em um complicado problema antagônico: ao mesmo tempo em que se procura reduzir os custos e maximizar a utilização de sistemas legados, a estrutura de TI 1 deve continuadamente oferecer melhores serviços para os clientes, incrementando a competitividade e adequando-se às prioridades estratégicas da empresa. Uma dicotomia que se estrutura então, em uma necessidade de prover maiores facilidades aos consumidores frente à exigência de investir-se menos recursos financeiros. Dentro deste cenário, surgem duas características fundamentais que o mercado exige de uma arquitetura de sistemas de grande porte : Heterogeneidade e Adaptabilidade. Atualmente encontram-se, no cotidiano das maiores empresas, uma série de sistemas, arquiteturas e aplicações, implantadas em diferentes épocas e desenvolvidas com tecnologias diversas, definindo um ambiente heterogêneo. Assim, a Heterogeneidade é definida por uma infra-estrutura de tecnologia da informação que abriga sistemas concebidos em plataformas e linguagens de programação distintas. Contudo, adotar tecnologia de um único fornecedor, para o alcance de uma infraestrutura tecnológica homogênea, também não é uma abordagem recomendada, pois as suítes de aplicativos e o suporte oferecido muitas vezes não são flexíveis o suficiente para adequarse ao modelo de negócio da organização. 1 Tecnologia da Informação

12 12 A Adaptabilidade torna-se uma característica necessária devido ao alto dinamismo do mercado, imposto pela economia neoliberal. A globalização e a adoção do comércio eletrônico estão, gradualmente, acelerando o ritmo das mudanças dos processos comerciais. O mercado competitivo induz as empresas a reduzirem o ciclo de vida de seus produtos, aumentando a diversidade das ofertas dos mesmos. Isto também acaba causando mudanças rápidas das necessidades dos clientes, em relação aos produtos. Como é inquestionável o impacto que mudanças inseridas nos processos comerciais, produtivos e operacionais causam na estrutura de TI que os suportam, é imprescindível a adoção de uma arquitetura de sistema altamente adaptável, que responda rapidamente a todas estas mudanças, em curto ou longo prazo. Neste contexto, a Arquitetura Orientada a Serviços (SOA 1 ) vem ganhando destaque como uma solução para transpor a dificuldade pertinente ao desenvolvimento e integração de sistemas em ambientes tecnológicos heterogêneos e suscetíveis a mudanças. Como muitas das abordagens reconhecidas como padrão, a SOA é um desenvolvimento contínuo de um conjunto de práticas e técnicas, não possuindo um marco temporal para sua criação, podendo também ser considerada como uma evolução da Arquitetura de Componentes. Assim sendo, muitas soluções projetadas desde meados da década de noventa já utilizam alguns conceitos básicos da SOA, mesmo assim, a mesma é considerada uma tecnologia emergente, pois os esforços para a padronização da arquitetura caracterizam-se em projetos recentes. Na SOA, os serviços interagem entre si localmente ou remotamente, utilizando uma abordagem de comunicação do tipo passagem de mensagem ou orientada a documentos. Tal abordagem garante uma grande facilidade de manutenção da interoperabilidade entre os serviços distribuídos. O conjunto de serviços propostos pela SOA, aliado a padrões e técnicas destinadas a elaboração coerente de um projeto de arquitetura, podem oferecer uma solução de projeto ágil e adequado para a implementação de sistemas em ambientes heterogêneos. Paralelamente aos conceitos de SOA, o termo Gestão de Processos de Negócios (BPM 1 ), comumente utilizado em publicações destinadas ao estudo da Ciência da Administração, está sendo introduzido na indústria de Tecnologia da Informação. 1 Service Oriented Architecture

13 13 Enquanto Gerenciar Processos para os administradores está relacionado com a análise, projeto e tomada de decisões referentes à manutenção dos processos organizacionais, na indústria de software tal atividade se refere à automação e formalização dos processos, bem como as regras de negócios associadas aos mesmos. Retornando ao conceito evolutivo, o BPM primeiramente surgiu como uma melhoria de projeto em arquiteturas de três camadas. Esta caracteriza-se por uma separação lógica ou física dos componentes de apresentação, de negócios e de acesso a dados. Para Putte (2000,p. 4), o BPM foi concebido como o próximo passo em ambientes de três camadas, onde a idéia principal foi extrair a lógica e as regras da camada de negócio e estruturá-las em uma aplicação baseada em workflow, mostrando graficamente os vários passos inclusos nos processos de negócio. Em cada nó de um workflow, as regras de negócio são utilizadas para a definição do próximo nó, executando uma seqüência lógica do negócio. Como conseqüência da implantação do BPM para automatizar os processos de negócios, as regras de negócio tornam-se explícitas, mais visíveis e adaptáveis a mudanças, sendo uma prática indicada para atender ao critério Adaptabilidade de um sistema distribuído. Atualmente, existe um grande esforço de fornecedores de tecnologia para prover componentes de middleware 2 capazes de facilitar o desenvolvimento de aplicações utilizando o BPM. Tais componentes são empacotados em aplicativos denominados BPM Systems e oferecem serviços centralizados que implementam e gerenciam as chamadas de início e fim do processo de negócio automatizado. Em um desenvolvimento de um sistema BPM, os processos de negócios são modelados graficamente e seus fluxos podem ser facilmente convertidos em uma linguagem de automação de processos. Isto tende a agilizar desenvolvimento de um sistema, pois o script 3 de linguagem de automação executado no BPM System pode substituir a codificação dos algoritmos de serviços de negócios em uma arquitetura SOA. É fato que as distintas conceituações de BPM e SOA abordam diretamente as vantagens da utilização das mesmas, mas devido ao caráter inovador em que se encontram 1 Business Process Management 2 Aplicativo que contem um conjunto de bibliotecas e componentes que dão suporte ao desenvolvimento de sistemas distribuídos. 3 Procedimentos escritos em uma determinada linguagem que podem ser executados passo a passo por um processo computacional.

14 14 em relação às demais soluções arquitetônicas de TI, não existe uma metodologia unificada para o desenvolvimento de sistemas que os utilizem. Cada fornecedor de TI atuante no novo mercado de produtos para BPM e SOA sugere uma abordagem própria de desenvolvimento, além disto, os padrões e especificações técnicas dos componentes das tecnologias são elaborados por consórcios distintos, dentre eles W3C 1, OASIS 2 e BPMI 3, e muitas vezes existem soluções técnicas diferentes para o mesmo caso, de forma redundante. Neste contexto, quaisquer projetos que queiram utilizar-se dos benefícios do BPM e da SOA implicarão na problemática da escolha ou da elaboração de procedimentos, ferramentas e técnicas que apóiem o desenvolvimento coerente do sistema. Assim, o problema de pesquisa, pode ser definido da seguinte forma : Quais os procedimentos, ferramentas e técnicas necessárias para suportar o projeto e a implementação de um sistema distribuído altamente adaptável e interoperável, utilizando a automação facilitada pelo BPM em uma arquitetura SOA? 1 World Wide Web Consortium (Consórcio da Rede de Abrangência Mundial) 2 Organization for the Advancement of Structured Information Standards (Organização para a Evolução de Padrões de Informações Estruturadas) 3 Business Process Management Initiative (Iniciativa para a Gestão de Processos de Negócios)

15 Justificativa A relevância do projeto de pesquisa apresentado pode ser delineada analisando suas possíveis contribuições técnicas e científicas, bem como a importância dada aos objetos de pesquisa na mídia especializada. No contexto da contribuição técnica, o problema de pesquisa proposto sugere o levantamento de procedimentos, ferramentas e técnicas para projeto e implantação de BPM em uma arquitetura SOA. Sendo assim, os dados levantados resultantes da necessidade desta busca poderão consolidar um guia inicial para a adoção destas tecnologias em um ambiente de produção. Profissionais de TI que assumem o papel de arquitetos poderão encontrar informações para o auxílio de tomadas de decisões de projeto, escolha de produtos disponibilizados no mercado e conhecimento das melhores práticas já adotadas em projetos bem sucedidos. Outra justificativa associada a este projeto de pesquisa é a própria relevância que profissionais do meio científico e mercadológico de tecnologia da informação estão atribuindo e atestando à SOA e ao BPM. Relevância comprovada por estudos e relatórios de renomados institutos de pesquisa, como o Gartner Group, que apontam a SOA e o BPM como tecnologias que proporcionarão um alto retorno de investimento, definindo-as como emergentes e de utilização a longo prazo (FERGUSON, 2005). Finalmente, é importante ressaltar a existência de poucas publicações nacionais sobre o tema desta pesquisa. Portanto, qualquer projeto envolvendo SOA e BPM torna-se importante para promover a diminuição da latência entre as publicações estrangeiras e a produção científica brasileira.

16 Objetivos Objetivo Geral Demonstrar elementos e características pertinentes aos conceitos de SOA e BPM, definindo um relacionamento entre os mesmos, enumerando e analisando os procedimentos, ferramentas e técnicas atreladas ao desenvolvimento de um projeto que utiliza tais conceitos Objetivos Específicos Os objetivos específicos definidos para este projeto são: a) Estudar os elementos da SOA visando o entendimento do funcionamento macro e global da tecnologia. b) Apresentar as proposições teóricas relacionadas à tecnologia BPM, bem como os seus componentes comuns e a interação entre os mesmos; c) Apresentar os aspectos referentes às atividades envolvidas no projeto de sistemas utilizando o BPM, em nível de processos e padrões de projetos; d) Analisar o conceito de BPM System e algumas soluções oferecidas pelos fornecedores da tecnologia; e) Apresentar as opções de linguagens de automação de processos, bem como as vantagens e desvantagens relacionadas à utilização das mesmas; e f) Definir um processo de negócio fictício, para ser utilizado em uma implementação de um aplicativo para teste da arquitetura.

17 Metodologia Este projeto será composto por uma etapa de pesquisa bibliográfica, seguida por uma implementação prática que servirá como prova de conceito. Com base nos resultados e informações obtidos, será feita uma análise conclusiva que buscará as respostas do problema de pesquisa. Em relação à coleta de informações para a revisão bibliográfica, serão consultados principalmente: a) os livros e artigos publicados que abordem os conceitos de Arquitetura de Sistemas, BPM, WebService e SOA; b) as especificações de padrões tecnológicos dos elementos pertinentes a SOA, BPM e Web Service; e c) As publicações de fornecedores de soluções tecnológicas para os objetos de pesquisa. A implementação prática será constituída pela análise, especificação e construção de uma pequena aplicação de demonstração utilizando SOA e BPM. Pretende-se na análise e especificação da aplicação, utilizar as metodologias abordadas na revisão bibliográfica que sejam específicas para o desenvolvimento de softwares arraigados nestes dois objetos de pesquisa. Quando forem necessários outros métodos e documentos de especificação, não inerentes aos temas principais da pesquisa, serão utilizados os elementos do processo unificado (RUP) e os artefatos da UML. A aplicação de demonstração será projetada e construída para operar em uma solução de um fornecedor de produtos para BPM e utilizando a linguagem de automação de processos escolhida como mais representativa no conceito de padrão de mercado. 1.5 Delimitações da Pesquisa Em relação à pesquisa bibliográfica, os seguintes tópicos serão considerados de pequena relevância neste projeto e, portanto, passíveis de não serem abordados: a) Detalhamento dos elementos tecnológico de qualidade de serviço, como controle de acesso, gerenciamento de segurança e política de utilização, controle de transação.

18 18 b) Detalhamento de protocolos de comunicações e de processamento remoto, como por exemplo HTTP 1, SOAP 2, UDP 3. c) Tópicos relacionados a desempenho e performance de aplicações. d) Tópicos relacionados a infra-estrutura tecnológica, como sistemas operacionais, gerenciamento e topologia de redes e gerenciamento de banco de dados. As delimitações de pesquisa bibliográfica também serão refletidas para a construção da aplicação de demonstração. Assim, a mesma deverá ter poucas funcionalidades e atender a uma pequena quantidade de processos simples. Para isto, será elaborado um problema fictício para subsidiar a coleta dos requisitos funcionais necessários. Ressalta-se então, que os processos modelados não terão validade no contexto de uma utilização produtiva em uma organização real. Neste mesmo sentido, questões de performance computacional, segurança, performance de rede, transação e integridade dos dados serão ignoradas tanto em tempo de análise e especificação quanto em tempo de análise conclusiva da aplicação. Assim, o esforço deste projeto de pesquisa estará mais concentrado no estudo e na análise de conceitos e proposições relativas às tecnologias SOA e BPM, do que na implementação prática. 1 Hyper Text Transfer Protocol 2 Simple Object Access Protocol 3 User Datagram Protocol

19 19 2 ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS (SOA) Primordialmente, uma determinada tecnologia ou metodologia de implementação de sistema distribuído era comumente definida apenas pelo conjunto de seus elementos computacionais e pela forma de comunicação entre os mesmos. Porém, diante do cenário atual, onde as decisões tomadas na área de TI estão ganhando uma grande importância no planejamento estratégico das organizações, observa-se uma preocupação dos autores em introduzir, na definição, considerações relacionadas - aos benefícios que tal tecnologia provê e às diferentes formas e motivos para utilização da mesma. Neste sentido, Erl (2004, p. 482), considera que : A Arquitetura Orientada a Serviços pode ser definida em diversas perspectivas : uma arquitetura técnica, uma abordagem de modelagem de negócio, um recurso de integração e um novo meio de visualizar as unidades de automação da empresa. Esta primeira conceituação, apesar de ser muito vaga, torna-se útil para reforçar que ainda não existe uma definição única e formal para SOA. Percebe-se que uma definição de SOA pode ser fundada somente em uma das perspectivas enumeradas por Erl, ou em todas elas concomitantemente. Outro fator que justifica a existência de diversas linhas de definição é o próprio estado inovador em que a SOA se apresenta no contexto atual. Dentro deste contexto, buscar-se-á neste capítulo apresentar os conceitos de SOA de forma a seguir uma única linha de definição, permeando entre textos de vários autores para o alcance desta, ou seja, ao invés de mostrar as várias definições divergentes sobre um tema, serão apresentadas somente aquelas que se adaptam melhor ao alcance do problema de pesquisa proposto.

20 Serviços Para um completo e fácil entendimento da SOA, primeiramente faz-se necessário definir o termo serviço. Este pode ser visto sob duas perspectivas distintas, a de negócio e a de arquitetura de sistemas. Na perspectiva de negócio, as organizações oferecem vários tipos de serviços aos seus stakeholders, dentre eles: consumidores, clientes, cidadãos, funcionários, fornecedores e empresas parceiras. Como exemplo, Newcomer (2004) cita uma agência bancária que dispõe de vários caixas para oferecer diferentes serviços, sendo alguns destes especializados para só atenderem certos tipos de solicitação. Dentre os serviços oferecidos incluem-se : criação e cancelamento de contas; empréstimos; retiradas, depósitos e transferências; serviços de câmbio, seguros; entre outros. Muitos dos caixas oferecem paralelamente o mesmo tipo de serviço, para otimizar o atendimento aos clientes, ao mesmo tempo em que um procedimento complexo pode requerer que o cliente passe por diversos atendentes, conseqüentemente implementando um fluxo de processo de negócio. Por trás dos serviços oferecidos estão os sistemas de TI que automatizam os processos que suportam os mesmos. Uma abordagem eficiente de definição de tais sistemas consiste em alinhar os projetos de TI com as funcionalidades, serviços e os processos de negócio, promovendo que a infraestrutura de TI suporte os objetivos da organização e adapte-se facilmente para prover os mesmos serviços através de diferentes canais, como atendentes, ATM s e aplicações Web (NEWCOMER, 2004). Na Figura 2-1, apresenta-se um esquema de acesso aos serviços bancários através dos sistemas de TI. Figura 2-1 Acessando e combinando serviços. FONTE: NEWCOMER (2004)

21 21 Alinhando o conceito de serviço em uma perspectiva de negócio, Endrei (2004, p.28) aponta que em uma Arquitetura Orientada a Serviços, cada serviço mapeia as funções de negócio que são identificadas durante o processo de análise. Tais serviços podem ser acessados de acordo com uma política definida pelo negócio, determinando quem ou qual sistema está autorizado a utilizar o serviço, quando o serviço estará disponível, o custo de utilização do serviço, o nível de disponibilidade do serviço, os níveis de segurança e a performance, em termos de tempo de resposta (NEWCOMER 2004). Em um primeiro momento, pode parecer que a determinação de tais políticas de utilização dos serviços é algo pertinente a um nível técnico ou de implementação de sistemas. Mas pensando no contexto em que foram definidas, torna-se claro que as políticas são orientadas pelo negócio, podendo também ser aplicadas a serviços disponibilizados por agentes humanos. Em uma perspectiva de arquitetura de sistemas, (NEWCOMER 2004) define: Um serviço da SOA consiste em um recurso de sistema que possui uma interface muito bem definida, separando claramente a interface externa e acessível do serviço de sua implementação técnica. Tal separação possibilita o desacoplamento entre o requerente e o provedor do serviço, assim, ambos podem evoluir independentemente desde que o contrato do serviço mantenha-se inalterado. A interface do serviço possibilita que o mesmo possa ser publicado, localizado e invocado. Pode-se optar por publicar os serviços externamente, para serem utilizados por sistemas B2B, ou internamente, servindo como um elemento participante da estrutura de TI utilizada dentro da organização. Barry (2003), complementa ao observar que um serviço não depende do contexto ou do estado que se encontra um outro serviço, fazendo uma analogia interessante a um sistema de equipamentos de áudio e vídeo (Figura 2-2).

22 22 Figura Sistema de equipamentos de Áudio e Vídeo Cada equipamento é autônomo e tem suas funções básicas definidas pela indústria. Um usuário, por exemplo, não necessita de um vídeo cassete (VCR) para escutar um CD de áudio. Assim, os componentes tornam-se independentes entre si. A televisão não precisa estar ligada para o VCR gravar um programa. É claro que se o usuário der o comando para a leitura da fita gravada com a televisão desligada, o mesmo não conseguirá assistir ao conteúdo que gravou, mas mesmo assim, o VCR cumpre sua função enviando o sinal para a TV sem se preocupar com o estado que a mesma se encontra. Segundo (NEWCOMWER,2004), em uma SOA o serviço deve possuir as seguintes características chaves : a) Fraco Acoplamento O acoplamento do serviço pode ser distinguido em três categorias : acoplamento de interface, acoplamento de tecnologia e acoplamento de processo. O acoplamento de interface mede o nível de dependência que o provedor do serviço impõe no serviço requerente. Quanto menor for a dependência, mais fraco será o acoplamento. A interface deve encapsular todos os detalhes de implementação, tornando-o irrelevante para o requerente. O acoplamento de tecnologia define o quanto um serviço depende de uma tecnologia, produto ou plataforma de desenvolvimento (sistema operacional, servidores de aplicação, frameworks e middlewares). Os serviços estando intimamente acoplados a uma plataforma específica limitam sua extensão, em termos de requerentes que o acessam e de desenvolvimento por outras equipes (outsourcing). Estrategicamente, isto poderia ocasionar uma dependência da organização a um único fornecedor de tecnologia proprietária. Assim, o acoplamento de tecnologia define a interoperabilidade que o serviço irá oferecer.

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços

Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços Arquitetura de Software: Uma Central para Gestão da execução de serviços ADILSON FERREIRA DA SILVA Centro Paula Souza São Paulo Brasil afs.software@gmail.com Prof.a. Dr.a. MARILIA MACORIN DE AZEVEDO Centro

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento.

acoplamento Exprime o grau de conexão entre os módulos; os módulos de um software devemapresentar um baixo coeficiente de acoplamento. SOA Arquitetura Orientada a Serviços Conceitos e Aplicações Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com/ http://edilms.eti.br Gestão de TI Conceitode SOA SOA - Service OrientedArchitecture (Arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 14 SOA e ESB Service-Oriented

Leia mais

Porque adotar SOA. (Service Oriented Architecture) SOA. Por Ricardo de Castro Barbosa. Publicado Setembro/2008. 1 Portal BPM - www.portalbpm.com.

Porque adotar SOA. (Service Oriented Architecture) SOA. Por Ricardo de Castro Barbosa. Publicado Setembro/2008. 1 Portal BPM - www.portalbpm.com. SOA Porque adotar SOA (Service Oriented Architecture) Por Ricardo de Castro Barbosa Publicado Setembro/2008 Ricardo de Castro Barbosa é sócio da SOA- Savoir Faire (www.soa-savoirfaire.com.br) empresa dedicada

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1

Cliente/Servidor. Conceitos Gerais. Graça Bressan. Graça Bressan/LARC 2000 1 Cliente/Servidor Conceitos Gerais Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Forças de marketing que conduzem à arquitetura cliente/servidor "Cliente/Servidor é um movimento irresistível que está reformulando

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

Comunicado Técnico 11

Comunicado Técnico 11 Comunicado Técnico 11 ISSN 2177-854X Maio. 2011 Uberaba - MG Web Services e XML Comunicação Inteligente entre Sistemas Responsáveis: Daniela Justiniano de Sousa E-mail: dsol_dani21@hotmail.com Graduada

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira

SOA - Service Oriented Architecture. Marcelo Canevello Ferreira SOA - Service Oriented Architecture Marcelo Canevello Ferreira Índice Arquitetura baseada em componentes Introdução a SOA Principais conceitos de SOA SOA Framework Abordagem de integração Conclusões Evolução

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

1. P06 Recursos Tecnológicos. Plataformas de ECM e BPMS P06.005

1. P06 Recursos Tecnológicos. Plataformas de ECM e BPMS P06.005 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.005 Revisão v. 2015 2. PUBLICAÇÃO Plataformas de ECM e BPMS Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2015 02 de outubro de 2015 PORTARIA N

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com Mecanismos de Comunicação Protocolos de Aplicação Mecanismos de comunicação

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 PID - Projeto de Interoperabilidade

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1. Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE 1 Kellen Kristine Perazzoli 2 ; Manassés Ribeiro 3 INTRODUÇÃO Atualmente empresas de diversos portes estão encontrando nos web services soluções para seus

Leia mais

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações

PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto. O Produto Internet e suas Aplicações Universidade de São Paulo Escola Politécnica Programa de Educação Continuada em Engenharia PROGRAMA DE MBA em Gestão e Engenharia do Produto O Produto Internet e suas Aplicações Tecnologias de Informação

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping;

2. Gerar um arquivo XSD e referenciá-lo no WSDL, fazendo com que seja possível catalogar o XML Schema no catálogo de XML Schemas da e-ping; Guia de Orientação para Implementação de Web Services Este documento apresenta alguns direcionamentos referentes à implementação de web services. É uma versão preliminar da construção do Guia de Orientação

Leia mais

Integração Orientada a Serviços

Integração Orientada a Serviços Integração Orientada a Serviços Porto Alegre, Agosto de 2006 Agenda Sobre a e-core SOA O que é? Web Services x SOA Principal Motivação - Integração SOI ESB BPEL JBI ServiceMix Solução Proposta A Empresa

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

Serviços Web: Arquitetura

Serviços Web: Arquitetura Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

Arquitetura SOA SCP. Sistema de Controle Patrimonial. Pandora Tech Soluções em Software Livre. Versão Atual 1.0. Data Versão Descrição Autor

Arquitetura SOA SCP. Sistema de Controle Patrimonial. Pandora Tech Soluções em Software Livre. Versão Atual 1.0. Data Versão Descrição Autor SCP Pandora Tech Soluções em Software Livre Versão Atual 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autor 24/02/2010 1.0 Criação do Documento Fernando Anselmo Parte Conceito O uso de tecnologias

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Relato de Experiência da ATI-PE WCGE 2010 20/07/2010 1 Introdução 2 Sobre a ATI Agência Estadual de Tecnologia

Leia mais

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL

PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Universidade Federal de Santa Maria Sistemas de Informação ELC1093 Modelagem de Processos de Negócio PROCESSOS DE NEGÓCIOS: UMA VISÃO GERAL Profa. Lisandra Manzoni Fontoura Objetivos da Aula: Processos

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Serviços Web: Introdução

Serviços Web: Introdução Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Maranhão Objetivos Nesta aula

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO

INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE. Kellen Kristine Perazzoli 1, Manassés Ribeiro 2 RESUMO INTEGRAÇÃO DE APLICAÇÕES UTILIZANDO WEB SERVICE Kellen Kristine Perazzoli, Manassés Ribeiro RESUMO O grande avanço tecnológico vivenciado nos últimos anos, os web services vem sendo utilizados trazendo

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados.

Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Copyright e-core LTDA, 2010. Todos os direitos reservados. Arquitetura Orientada a Serviços (SOA) Visão Geral e-coree Estabelecida em 1999 Escritórios rios no Brasil e EUA Aproximadamente 100 profissionais Atua em prestação de serviços offshore desde 2004 Roteiro

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Programação Cliente em Sistemas Web

Programação Cliente em Sistemas Web Programação Cliente em Sistemas Web WEBSERVICES Cap 18. - Sistemas distribuídos e serviços web em Deitel, H.M, Sistemas Operacionais, 3 ª edição, Pearson Prentice Hall, 2005 Fonte: Rodrigo Rebouças de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1

Desenvolvimento Cliente-Servidor 1 Desenvolvimento Cliente- 1 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 Ambientes de Desenvolvimento Avançados

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Gerenciamento baseado na Web Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento baseado

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais

Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Modelos e Arquiteturas de Sistemas Computacionais Prof. Ricardo J. Rabelo UFSC Universidade Federal de Santa Catarina DAS Departamento de Automação e Sistemas SUMÁRIO Importância da definição da Arquitetura

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura

Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Diferenciais do ERP TECNICON: Um caso da área de manufatura Juliano Hammes (FAHOR) jh000697@fahor.com.br Gustavo Gerlach (FAHOR) gg000675@fahor.com.br Édio Polacinski (FAHOR) edio.pk@gmail.com.br Resumo

Leia mais

Tendências da Arquitetura na Produção de Software

Tendências da Arquitetura na Produção de Software Tendências da Arquitetura na Produção de Software Prof. Dr. Ivanir Costa icosta11@terra.com.br mai-08 IC TECNOLOGIA EM SOFTWARE LTDA 1 Prof. Dr. Ivanir Costa Bacharel em Física pela USP Pós-Graduado em

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES MAXMES EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE MES White Paper Maxmes # 01 07/2009 MAXMES www.maxmes.com.br 1.0 Introdução A AMR Research conceituou o MES em 1990 como um sistema de informação que residia entre a automação

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal

: : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal : : Interoperabilidade entre Sistemas de Informação baseados na WEB - uma abordagem Multicanal Sérgio Magalhães mgi01020@fe.up.pt As vantagens competitivas ganham-se muitas vezes por ser o primeiro a chegar

Leia mais

Iniciando um Framework de

Iniciando um Framework de c o l u n a Ricardo Ferreira (ricardo.ferreira@redhat.com): Trabalha na Red Hat do Brasil atuando como Solutions Architect e é especialista em Middleware, SOA e BPM. Com mais de 11 anos de experiência,

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos

Arquiteturas Orientadas a Serviços ESB. Enterprise Service Bus. Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos ESB Enterprise Service Bus Prof. Ricardo J. Rabelo DAS5316 Integração de Sistemas Corporativos Resumo Introdução Definição Problemas atuais e Vantagens Evolução do ESB ESB versus EAI, MOM, Workfow, SOA

Leia mais