Planificação 2º Período GR Disciplina Ciências Físico-Químicas 8ºAno

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planificação 2º Período GR Disciplina Ciências Físico-Químicas 8ºAno"

Transcrição

1 Planificação 2º Período GR Disciplina Ciências Físico-Químicas 8ºAno Conteúdos Capítulo 1- Som 1.1- Produção do som A origem do Atributos do Competências Gerais Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos compreender a realidade e abordar situações e problemas do quotidiano. Usar adequadame nte linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e Competências específicas Definir acústica como o ramo da física que estuda o som Associar a vibração de um corpo à origem de um Definir vibração como o movimento repetitivo de um corpo, ou de uma parte dele, em torno da sua posição de equilíbrio. Indicar que o som produzido por um instrumento de: 1. sopro resulta da vibração de colunas de ar; 2. cordas resulta da vibração de cordas; 3. percussão resulta da vibração de peles ou de partes metálicas. Construir, com material do dia-a-dia, instrumentos musicais. Pesquisar em diferentes fontes informação sobre os diferentes tipos de instrumentos musicais utilizados nas diferentes regiões do País, analisar a sua evolução e o papel da tecnologia nesse processo. Definir fonte sonora como todo o corpo que produz Dar exemplos do quotidiano de fontes sonoras. Identificar em situações concretas a fonte da vibração. Reconhecer que a produção de sons pelo ser humano resulta da vibração das suas cordas vocais. Verificar experimentalmente que um som resulta de vibrações Identificar altura, timbre e intensidade como atributos de um Associar a intensidade do som a sons fracos e fortes. Reconhecer que a cada vibração corresponde uma amplitude. Definir amplitude como o afastamento máximo do corpo Termos / Conceitos Acústica sopro, cordas e precursão. Vibração Posição de equilíbrio Fontes sonoras Altura, intensidade e timbre. Sons fortes e fracos. Metodologia Exploração de figuras. Exploração do manual. Exploração do caderno de actividades. Análise de textos. Resolução de exercícios Análise de gráficos. Realização de experiências. Visualização de filmes. Utilização de software interactivo. Exploração dos conteúdos através da Escola Virtual. Critérios e Avaliação A avaliação far-se-á nos domínios: Saber (60%); Saber - Fazer (20%); Ser - Estar (20%). Esta avaliação é de acordo com os parâmetros aprovados em Conselho Pedagógico. avaliação: Fichas formativas. Trabalhos de pesquisa Fichas de trabalho. Trabalhos de casa. Questões orais. Questões de aula. Aulas (45 min) 3 5 8

2 tecnológico se expressar. Usar de forma adequada a Língua Portuguesa comunicar e estruturar pensamento próprio. Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões. Pesquisar, seleccionar e relativamente à posição de equilíbrio. Reconhecer que quanto maior for a amplitude de vibração maior é a energia envolvida. Verificar experimentalmente que quanto maior for a energia transferida a fonte sonora, maior será a sua amplitude de vibração e mais intenso será o som produzido. Associar o termo «forte» a uma grande amplitude de vibração e «fraco» a uma pequena amplitude de vibração. Verificar experimentalmente que uma caixa de ressonância aumenta a intensidade do Explicar por que razão as caixas de ressonância amplificam os sons. Definir frequência como o número de vibrações por unidade de tempo. Indicar o Hz como unidade do Sistema Internacional (SI) de frequência. Determinar a frequência de vibração de um corpo. Associar a altura de um som à frequência de vibração da respetiva fonte sonora. Distinguir sons baixos de sons altos, ou sons graves de sons agudos. Indicar o significado da designação «som alto» na linguagem científica e na linguagem comum. Reconhecer que a altura de um som depende da espessura, do comprimento e da tensão da fonte sonora. Verificar experimentalmente que a altura de um som depende do comprimento e da tensão da fonte sonora. Indicar de que modo a variação da espessura, do comprimento e da tensão de uma fonte sonora altera a altura do som produzido. Explicar por que motivo as vozes masculinas são, em geral, mais graves do que as vozes femininas. Amplitude. Frequência. Altura do som Alto/agudo Baixo/grave

3 1.2. Propagação do Mecanismo de propagação do som organizar informação transformar em conheciment o mobilizável. Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões. Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa. Cooperar com outros em tarefas e Definir o timbre de um som como o atributo que permite distinguir sons com a mesma altura e intensidade produzidos por fontes diferentes. Indicar que o timbre de uma fonte sonora depende de diferentes caraterísticas da fonte, como o material e a forma. Reconhecer que o som se propaga em diferentes meios materiais, mas não no vazio. Verificar experimentalmente que o som não se propaga no vácuo. Explicar o mecanismo de propagação do som ao longo de um meio material. Construir um telefone de cordel com material do dia-a-dia. Reconhecer que a propagação da vibração é acompanhada de transferências de energia cinética da fonte sonora as sucessivas partículas constituintes do meio onde o som se propaga. Reconhecer a formação de zonas de compressão e rarefação ao longo da propagação de uma vibração. Caracterizar as zonas de compressão e as zonas de rarefação. Reconhecer que ao longo da propagação de uma vibração não há transporte de matéria, mas apenas transferência de energia. Verificar experimentalmente que ao longo da propagação de uma vibração não há transporte de matéria. Simular a propagação do som no ar. Reconhecer que quanto maior for a distância da fonte sonora ao recetor mais fraco é o som que se ouve. Relacionar a amplitude de vibração das partículas do meio com a distância a que essas se encontram da fonte sonora. Explicar por que motivo são percecionados sons mais fracos quanto maior for a distância à fonte sonora. Vazio Velocidade do som Meio material Vibração Transferência de energia sonora. Zonas de compressão e de descompressão

4 Velocidade do projectos comuns. Relacionar harmoniosa mente o corpo com os espaços, numa perspectiva pessoal e interpessoal promotora da saúde e da qualidade de vida. Explicar por que motivo com uma corneta acústica se percecionam sons mais intensos. Identificar, num esquema do ouvido humano, os vários elementos. Indicar a função do ouvido externo, médio e interno. Explicar a propagação do som no interior do ouvido. Indicar o intervalo de tempo que tem de decorrer entre dois sons poderem ser distinguidos pelo ser humano Reconhecer que a velocidade de propagação do som depende do meio em que este se propaga. Indicar que a velocidade de propagação do som num dado meio depende da temperatura desse meio. Relacionar, um dado meio, a variação da temperatura com a variação da respetiva agitação corpuscular e a variação da velocidade de propagação Indicar que, de um modo geral, quanto mais denso for um meio maior será a velocidade de propagação do som nesse meio. Distinguir meio elástico de meio inelástico. Dar exemplos ou identificar em situações concretas meios elásticos e meios inelásticos. Descrever o método utilizado no século XVIII determinar a velocidade de propagação do Identificar a fonte de erro na determinação da velocidade do som pelo método anterior. Definir velocidade de propagação. Indicar as unidades no SI de distância, de tempo e de velocidade. Converter velocidades expressas em km/h em m/s, ou vice--versa. Determinar experimentalmente a velocidade do Reconhecer que existem velocidades superiores à do Determinar velocidades em Mach em diferentes meios. Velocidade do som Agitação corpuscular Velocidade de propagação Densidade Meio elástico meio inelástico Velocidade supersónica 5

5 Indicar o significado de velocidades expressas em Mach em diferentes meios. Converter velocidades, expressas em Mach, em m/s. Pesquisar em diversas fontes informação sobre dificuldades encontradas atingir velocidades supersónicas Deteção de sons pelo ser humano Definir espectro sonoro. Classificar como ultra-sons todos os sons com frequência superior a Hz. Classificar em infra-sons todos os sons com frequência inferior a 20 Hz. Identificar fontes de infra-sons e de ultra-sons. Reconhecer que um som ser audível pelo ser humano tem de ter frequência e intensidade adequadas. Indicar a unidade do nível de intensidade sonora. Distinguir limiar de audição de limiar de dor. Denominar por sonómetro o aparelho que regista níveis de intensidade sonora. Classificar os sons em audíveis e não audíveis tendo em conta a sua frequência e o seu nível de intensidade sonora. Interpretar audiogramas. Pesquisar sobre aplicações tecnológicas, quer na indústria quer na saúde, de sons inaudíveis pelo ser humano. Espetro sonoro Ultra sons Infra sons Sons audível Limiar da audição sonómetro 4 Durante o segundo período, pretende-se utilizar 3 blocos de 90 minutos (6 aulas) promover a avaliação formativa escrita. Os professores: Rosa Celeste (8ºH) Manuela Caldas ( 8ºH, I, J) Paula Fernandes (8º G) Fátima Pinho (8º A,B,C,D,E) Vítor Reis (8ºF,H,I,J)

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ Disciplina: Físico-Química Ano: 8.º Professores: Ana Padilha e Alberto Morgado Ano Letivo: 2016-2017 Índice 1. Previsão do número de aulas de 45

Leia mais

Planificação anual. C. Físico-Químicas (8º Ano)

Planificação anual. C. Físico-Químicas (8º Ano) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA ES Lousada (Sede) AE Lousada Centro Escola Secundária de Lousada Ano letivo de 2012/2013 Planificação anual de C. Físico-Químicas (8º Ano) Reações químicas Sub tema Competências

Leia mais

MATEMÁTICA 6º ANO A/B. Números e cálculo. Geometria

MATEMÁTICA 6º ANO A/B. Números e cálculo. Geometria 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS MATEMÁTICA 6º ANO A/B COMPETÊNCIAS GERAIS Cger1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do

Leia mais

O SOM E A ONDA SONORA

O SOM E A ONDA SONORA O SOM E A ONDA SONORA Complementar com a leitura das páginas 94 a 101 Todos os sons são ondas em meios materiais. Na origem de qualquer onda sonora está sempre a vibração de partículas, que se transmite

Leia mais

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação).

O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. O Som. Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som Todos os sons resultam de uma vibração (ou oscilação). O Som O som é uma onda mecânica, pois necessita de um meio material para se propagar. As ondas sonoras são longitudinais. Resultam de compressões

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS ESCOLA E.B. /3 DE PEDROUÇOS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA º CICLO PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA 6º ANO Ano

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA : 6ºano ANO LECTIVO: 2007/2008 PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( )

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( ) P R O G R A M A Ç Ã O C U R R I C U L A R DO 6 0 A N O COMPETÊNCIAS GERAIS ORG. APRENDIZAGEM COMP. ESPECÍFICAS DE EDUCAÇÃO MUSICAL SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM -Mobilizar saberes culturais, científicos e

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 FÍSICO-QUÍMICA

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 FÍSICO-QUÍMICA 7º ano Espaço Materiais Energia Atividades Práticas Compreender globalmente a constituição e a caracterização do Universo e do Sistema Solar e a posição que a Terra ocupa nesses sistemas. Saber associar

Leia mais

ESPANHOL 7ºAno Manual: PASAPALABRA 7 Nível I (Porto Editora) Planificação Anual -2016/2017 7ºANO/NÍVEL I

ESPANHOL 7ºAno Manual: PASAPALABRA 7 Nível I (Porto Editora) Planificação Anual -2016/2017 7ºANO/NÍVEL I ESPANHOL 7ºAno Manual: PASAPALABRA 7 Nível I (Porto Editora) Planificação Anual -2016/2017 7ºANO/NÍVEL I Competências Gerais Competências Específicas Conteúdos Temáticos Conteúdos Gramaticais Estratégias

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS - Grupo 500 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Matemática _ 7º ano 2016/2017 Início Fim

Leia mais

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1

ACÚSTICA. Professor Paulo Christakis, M.Sc. 05/09/2016 1 ACÚSTICA 05/09/2016 1 O QUE É ACÚSTICA? Acústica é o ramo da Física que estuda a propagação das ondas sonoras. O som é originado a partir da vibração da matéria em camadas de compressão e rarefação, sendo

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Terra em transformação o aluno deve ser capaz de: Compreender a diversidade das paisagens geológicas (meta 1); Compreender

Leia mais

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS

CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS CAPÍTULO VII ONDAS MECÂNICAS 7.1. INTRODUÇÃO As ondas mecânicas são fenómenos ondulatórios que necessitam de um meio material para se propagarem. Como exemplos destas ondas, vamos estudar neste capítulo

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância Fialho de Almeida, Cuba Ano Lectivo 2007/2008 Planificação Anual da Área Curricular de História e Geografia de Portugal 5º Ano 1. Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas

Leia mais

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano

DISCIPLINA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS - Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável. (C. G. 6) - Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano

ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 2013/2014. Planificação a Longo Prazo. Matemática 9º ano ESCOLA EB 2,3 DR. ANTÓNIO CHORA BARROSO ANO LETIVO 203/204 Planificação a Longo Prazo Matemática 9º ano Finalidades, avaliação e organização temporal Grupo Disciplinar 500 Departamento de Matemática e

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 500 Planificação Anual / Critérios de Avaliação Disciplina: Matemática _ 9.º ano 2016 / 2017 Início Fim

Leia mais

Como o maestro consegue distinguir tantos sons simultaneamente?

Como o maestro consegue distinguir tantos sons simultaneamente? Como o maestro consegue distinguir tantos sons simultaneamente? http://www.iicnewyork.esteri.it/iic_newyork/webform/..%5c..%5ciicmanager%5cupload%5cimg%5c%5cnewyork%5cfilarmonica_web.jpg Definindo onda

Leia mais

Planificação Anual. 0,5 Geometria no plano e no espaço II. 32 Avaliações escritas e respetivas correcções. 5 Auto-avaliação

Planificação Anual. 0,5 Geometria no plano e no espaço II. 32 Avaliações escritas e respetivas correcções. 5 Auto-avaliação 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola Secundária de Castro Daire Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2012 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo:

Planificação Anual. Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: Planificação Anual Professora: Dulce Direitinho Disciplina: Educação Tecnológica Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Domínio/Objetivos Descritores de Desempenho Atividades/Estratégias Avaliação Representação

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Diversidade de seres vivos e suas interações com o meio, o aluno deve ser capaz de: Interpretar as características dos

Leia mais

EXAME SUPLETIVO 2013 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO ENSINO MÉDIO FÍSICA

EXAME SUPLETIVO 2013 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO ENSINO MÉDIO FÍSICA SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO DAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS CENTRO EXECUTIVO DE EXAMES SUPLETIVOS GOVERNADOR SÉRGIO LORETO EXAME SUPLETIVO 2013

Leia mais

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno

Critérios de Avaliação de Educação Tecnológica 5ºAno Técnica T5 Dominios Aptidões /Capacidades/Conhecimentos 1.1: Identificar o conceito de tecnologia e diferenciá-lo da noção de técnica Reconhecer o papel da tecnologia. Discriminar a relevância do objeto

Leia mais

Electrónica Fundamental 11º ano

Electrónica Fundamental 11º ano Planificação Anual 2016/2017 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Electrónica Fundamental 11º ano 1 MÓDULO 5: Transístores Bipolares em Regime Estático 21 aulas de 45 =

Leia mais

Princípios do programa de Expressão Musical

Princípios do programa de Expressão Musical Princípios do programa de Expressão Musical Voz: Dizer, entoar e cantar rimas e lengalengas; cantar canções; experimentar sons vocais. Corpo: Experimentar percussão corporal; acompanhar canções e gravações

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO ANO LECTIVO 2009/ 2010

ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO ANO LECTIVO 2009/ 2010 ESCOLA SECUNDÁRIA DE ODIVELAS MATRIZ DO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO ANO LECTIVO 2009/ 2010 Objecto da avaliação: A prova de exame tem por referência os temas organizadores

Leia mais

Planificação Diária Data: 04/01/2012

Planificação Diária Data: 04/01/2012 Instituto Superior Educação e Ciências Instituição Formadora: ISEC Prática Pedagógica Supervisionada III Supervisor Científico e Pedagógico: Doutora Ana Saldanha Instituição Intervenção: EB1/ Profº Agostinho

Leia mais

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino

Ondulatória Parte 1. Física_9 EF. Profa. Kelly Pascoalino Ondulatória Parte 1 Física_9 EF Profa. Kelly Pascoalino Nesta aula: Introdução; Ondas mecânicas; Ondas sonoras. INTRODUÇÃO Ondas de vários tipos estão presentes em nossas vidas. Lidamos com os mais diversos

Leia mais

o Descrever as diferentes fases da evolução da informática o Gerir e organizar sistemas de informação

o Descrever as diferentes fases da evolução da informática o Gerir e organizar sistemas de informação Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ano lectivo 2011/2012 Prof. Carla Granadeiro Curso de Educação e Formação (CEF) Tipo 3 Operador de Sistemas Informáticos Planificação Anual da disciplina

Leia mais

Janeiro. Março/Abril

Janeiro. Março/Abril Outubro Jogos de exploração da voz Planificação Anual Expressão e Educação Musical 1.º ano 1º Período 2º Período 3º Período Dizer e entoar rimas e lengalengas Experimentar sons vocais (todos os que a criança

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diagnose da turma. -Trabalho individual

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Diagnose da turma. -Trabalho individual ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES CURSO PROFISSIONAL Técnico de Instalações Elétricas DISCIPLINA: FÌSICA e QUÌMICA TURMA: G ANO: 12º ANO LETIVO 2011/2012 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

Leia mais

CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS. O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados:

CIÊNCIAS NATURAIS 8º ANO ANO LETIVO 2015/2016 PLANO DE ESTUDOS. O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados: PLANO DE ESTUDOS O aluno, no final do 8.º ano, deve atingir os objetivos em seguida apresentados: 1.º PERÍODO DOMÍNIO SUBDOMÍNIO / CONTEÚDOS 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o

Leia mais

Ondas sonoras. Qualidades fisiológicas de uma onda sonora

Ondas sonoras. Qualidades fisiológicas de uma onda sonora Ondas sonoras As ondas mecânicas que propiciam o fenômeno da audição aos seres vivos são chamadas de ondas sonoras. Como todas as ondas mecânicas, as ondas sonoras podem se propagar nos mais diversos meios,

Leia mais

Planificação Anual de Ciências Naturais 8ºano

Planificação Anual de Ciências Naturais 8ºano Planificação Anual de Ciências Naturais 8ºano Colégio Teresiano 2011*2012 COMPETÊNCIAS GERAIS A DESENVOLVER: (1) Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para

Leia mais

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano

Identificação de Princípios e Leis da Física em aplicações tecnológicas inseridas no cotidiano PROCESSO SELETIVO FÍSICA 1. EIXO TEMÁTICO: PRINCÍPIOS E LEIS QUE REGEM A FÍSICA Objetivo Geral: Compreensão dos Conceitos, Princípios e Leis da Física no estudo do movimento dos corpos materiais, calor,

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade

ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS. Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas. 8ºAno de escolaridade ESCOLA BÁSICA 2º e 3º CICLOS INFANTE D. PEDRO BUARCOS Currículo da disciplina de Ciências Físico Químicas 8ºAno de escolaridade BLOCO 1 A ENERGIA (Tema: Terra em Transformação) Unidade Conteúdo Nº de FONTES

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas)

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) Disciplina: Química Trimestre: 1º Professor(a): Rodrigo Valério e Georgia Monique. Série: 1º Turmas: 101,102,103,104. Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) 1-

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2015/2016 5º Ano de escolaridade

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 2015/2016 5º Ano de escolaridade Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade Agrupamento de Escolas Dr. Francisco Sanches Departamento de Matemática e Ciências Experimentais PLANO DE ESTUDO MATEMÁTICA 05/06 5º Ano de escolaridade

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Física II Código da Disciplina: NDC157 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: Faculdade responsável: NÚCLEO DE DISCIPLINAS COMUNS (NDC) Programa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO

PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS ATIVIDADES AVALIAÇÃO. Reconhecer e identificar elementos espáciotemporais que se referem a acontecimentos, factos, marcas da história pessoal e familiar, da história

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Tema B- Terra em Transformação Nº aulas prevista s Materiais Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Relacionar aspectos do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p.1/ Disciplina: Tecnologias Aplicadas Módulo 1 Higiene e Segurança no Trabalho PLANIFICAÇÃO Grupo Disciplinar: 540 Duração: 15 h / 10 blocos Ano Lectivo: 008/009 Organização Industrial e Profissional

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

O Espetro Sonoro é o conjunto de frequências de vibração que podem ser produzidas pelas diversas fontes sonoras:

O Espetro Sonoro é o conjunto de frequências de vibração que podem ser produzidas pelas diversas fontes sonoras: O Espetro Sonoro O Espetro Sonoro é o conjunto de frequências de vibração que podem ser produzidas pelas diversas fontes sonoras: Imagem do livro "FQ8 - Sustentabilidade na Terra - Edições ASA". Sons Audíveis

Leia mais

NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim APRESENTAÇÃO

NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim APRESENTAÇÃO NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORA-AUTORA: Marina Valentim ONDAS E ÓTICA FÍSICA TERMODINÂMICA, APRESENTAÇÃO A disciplina aborda conteúdos como hidrostática, termodinâmica, ondas e

Leia mais

PROVA DE FÍSICA 2 o TRIMESTRE DE 2015

PROVA DE FÍSICA 2 o TRIMESTRE DE 2015 PROVA DE FÍSICA 2 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma série de exercícios que têm, como base, o que foi trabalhado em sala de aula durante todo o ano.

Leia mais

Estudo das ondas. Modelo corpuscular de transferência de energia. v 1. v = 0. v 2. Antes do choque. Depois do choque

Estudo das ondas. Modelo corpuscular de transferência de energia. v 1. v = 0. v 2. Antes do choque. Depois do choque Estudo das ondas Estudo das ondas Modelo corpuscular de transferência de energia v = 0 v 1 v v 2 Antes do choque Depois do choque Estudo das ondas Modelo ondulatório A Pulso da onda B Modelo ondulatório

Leia mais

UNIDADE 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES 9 tempos de 45 minutos

UNIDADE 1 ESTATÍSTICA E PROBABILIDADES 9 tempos de 45 minutos EBIAH 9º ANO PLANIFICAÇÃO A LONGO E MÉDIO PRAZO EBIAH PLANIFICAÇÃO A MÉDIO PRAZO 9º ANO - 1º Período Integração dos alunos 1 tempo ESTATÍSTICA A aptidão para entender e usar de modo adequado a linguagem

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 9.º ano CFQ

PLANO DE ESTUDOS 9.º ano CFQ PLANO DE ESTUDOS 9.º ano CFQ 2015-2016 O aluno, no final do 9.º ano, deve ser capaz de: - Compreender movimentos no dia-a-dia, descrevendo-os por meio de grandezas físicas. - Compreender a ação das forças,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230. Planificação Anual / Critérios de Avaliação

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE. DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230. Planificação Anual / Critérios de Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Grupo 230 Planificação Anual / Critérios de Avaliação Disciplina: Matemática 6.º ano 2016 / 2017 Domínio (Unidade/ Tema) Subdomínio/ Conteúdos Meta de

Leia mais

I.1.2. RAPIDEZ MÉDIA E VELOCIDADE

I.1.2. RAPIDEZ MÉDIA E VELOCIDADE Ciências Físico-químicas - 9º ano de escolaridade Quão rápido és tu? COMPETÊNCIAS Definir rapidez média, indicar a respetiva unidade SI e aplicar a definição em movimentos com trajetórias retilíneas ou

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 10 Equilíbrio de ácido-base.

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação. Teste Diagnóstico prova teórico-prática ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: EDUCAÇÃO VISUAL ANO: 8º ANO LECTIVO 010/011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Escola Básica da Senhora da Hora. 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012. Tipologia Textual - O Texto Poético.

Escola Básica da Senhora da Hora. 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012. Tipologia Textual - O Texto Poético. Escola Básica da Senhora da Hora 5º ano Sequência Didáctica Língua Portuguesa Ano lectivo 2011/2012 ipologia extual - O exto Poético explícito da língua Compreensão do oral Leitura Escrita Expressão oral

Leia mais

Escola Secundária c/3º CEB de Lousada

Escola Secundária c/3º CEB de Lousada Escola Secundária c/3º CEB de Lousada Planificação Anual da Disciplina de Matemática 9º Ano Ano Lectivo: 2011/2012 CONTEÚDOS 1º PERÍODO OBJECTIVOS E COMPETÊNCIAS Nº de Tempos (45min.) Equações -Equações

Leia mais

Prever qual é a altura máxima atingida após o ressalto de uma bola que é deixada cair de uma determinada altura.

Prever qual é a altura máxima atingida após o ressalto de uma bola que é deixada cair de uma determinada altura. ACTIVIDADE LABORATORIAL FÍSICA 0.º ANO ALF 2.2 BOLA SALTITONA O que se pretende Prever qual é a altura máxima atingida após o ressalto de uma bola que é deixada cair de uma determinada altura. Para tal

Leia mais

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo

Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo Critérios de Avaliação da Disciplina de Geografia - 3º Ciclo A função de avaliação corresponde à análise cuidada das aprendizagens conseguidas relativamente às planeadas, devendo traduzir-se numa descrição

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

Teste Sumativo 2 C - 11/12/2012

Teste Sumativo 2 C - 11/12/2012 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2012/2013 Ciências Físico-químicas 8º an o Teste Sumativo 2 C - 11/12/2012 Nome Nº Turma 1. O som produzido pelo sino de uma igreja

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU

ESCOLA SECUNDÁRIA DE EMÍDIO NAVARRO VISEU MATRIZ DA PROVA ESCRITA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE FÍSICA E QUÍMICA B FORMAÇÃO CIENTÍFICA CÓDIGO 167 11º Ano de Escolaridade Cursos Tecnológicos Duração da prova escrita: 90 minutos Ano Lectivo:

Leia mais

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros:

Os conteúdos programáticos serão trabalhados de acordo com os seguintes parâmetros: 3º ciclo Oferta Complementar: Apoio ao estudo da disciplina de Português Domínios Ponderação Componente cognitiva (capacidades e conhecimentos) Oralidade Leitura Escrita Gramática 80% Componente socioafetiva

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 MATEMÁTICA (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 MATEMÁTICA (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Operações e Medida Tratamento de Dados Efetuar com números racionais não negativos. Resolver problemas de vários passos envolvendo com números racionais representados por frações, dízimas,

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 7

Problemas de Mecânica e Ondas 7 Problemas de ecânica e Ondas 7 P 7. Considere que as vagonetas de massa m e m (ver figur podem ser representadas por dois pontos materiais localizados nos centros de massa respectivos, para efeito da descrição

Leia mais

ONDULATÓRIA. Neste capítulo vamos definir e classificar as ondas quanto à sua natureza e estudar alguns fenômenos ondulatórios.

ONDULATÓRIA. Neste capítulo vamos definir e classificar as ondas quanto à sua natureza e estudar alguns fenômenos ondulatórios. AULA 19 ONDULATÓRIA 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo vamos definir e classificar as ondas quanto à sua natureza e estudar alguns fenômenos ondulatórios. 2- DEFINIÇÃO Onda é qualquer perturbação que se propaga

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS ENSINO RECORRENTE DE NÍVEL SECUNDÁRIO POR MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS CURSO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS DISCIPLINA : MATEMÁTICA A ANO: 10.º - CONJUNTO DOS MÓDULOS 1-2-3 DURAÇÃO

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples.

1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. PROVA DE INGRESSO ANO LECTIVO 2016/2017 QUÍMICA 1. Reconhecer o átomo de hidrogénio como o Átomo mais simples. 2. Conhecer o espectro de emissão de hidrogénio. 3. Compreender como os resultados do estudo

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

Introdução. Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro.

Introdução. Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro. Capitulo 16 Ondas I Introdução Perturbação no primeiro dominó. Perturbação se propaga de um ponto a outro. Ondas ondas é qualquer sinal (perturbação) que se transmite de um ponto a outro de um meio com

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS ASSUNTOS IMPORTANTES PARA INICIANTES DA MÚSICA E DO VIOLÃO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É A MÚSICA... 02 AS TRÊS PARTES DA MÚSICA... 02 NOTAS MUSICAIS...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS Planificação Anual FÍSICO- QUÍMICA - 3º CICLO 8º ANO Ano letivo 2016/2017 Calendarização Subdomínio Nº de aulas previstas (blocos de 45 ) Domínio: Reações químicas Metas Curriculares 1º Período Início:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 8º ANO ANO LETIVO

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 8º ANO ANO LETIVO PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICA 8º ANO ANO LETIVO 2016-2017 Domínio 1: Reações químicas Subdomínio 1: Explicação e representação de reações químicas 1. Reconhecer a Indicar que a

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa Elaborando um projeto de pesquisa A pesquisa é a realização concreta de uma investigação planeada, desenvolvido e redigida de acordo com as normas das metodologias consagradas pela ciência; Requerida quando

Leia mais

Palavras-chave: Ficheiros associados: 1. Objetivo Geral. 2. Metas Específicas. 3. Comenta rios. 4. Material AL 2.2. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM

Palavras-chave: Ficheiros associados: 1. Objetivo Geral. 2. Metas Específicas. 3. Comenta rios. 4. Material AL 2.2. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM Ficha do professor AL 2.2. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM Autora: Fernanda Neri TI-Nspire Palavras-chave: Velocidade do som; onda mecânica; onda longitudinal Ficheiros associados: Velocidade do som_atividade_aluno;

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 Terra, um planeta com vida Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta com vida conhecida no Sistema Solar 1.1. Identificar a posição

Leia mais

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA. Física e Química A - 11ºAno

4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA. Física e Química A - 11ºAno 4ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos Turma: 11ºA Física e Química A - 11ºAno Professora Paula Melo Silva Data: 4 de dezembro 2015 Ano Letivo: 2015/2016 135 + 15 min 1. Produz-se uma onda harmónica numa

Leia mais

Tema 0: Módulo Inicial Nº de Aulas Previstas (90 m): 18

Tema 0: Módulo Inicial Nº de Aulas Previstas (90 m): 18 Planificação Anual Matemática A 0º Ano Ano Lectivo 0/0 Tema 0: Módulo Inicial Nº de Aulas Previstas (90 m): 8 (BLOCOS DE 90M) Revelar espírito crítico, de rigor e confiança nos seus raciocínios. Abordar

Leia mais

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Objetivos. O que é a luz? Como se propaga? O que é a luz?

Unidade 1 SOM E LUZ. Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade. Objetivos. O que é a luz? Como se propaga? O que é a luz? Ciências Físico-químicas - 8º ano de escolaridade Unidade 1 SOM E LUZ Objetivos Como se propaga? Concluir que a visão dos objetos implica a propagação da luz, em diferentes meios, desde a fonte de luz

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2013 / 2014

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2013 / 2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2013 / 2014 CURSO: Instalação e Operação de Sistemas Informáticos ANO: 1.º DISCIPLINA: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES DOCENTE: HORÁCIO SILVA COMPETÊNCIAS

Leia mais

Boa Prova e... Aquele Abraço!!!!!!!! Virgílio.

Boa Prova e... Aquele Abraço!!!!!!!! Virgílio. PROVA DE FÍSICA 3 o TRIMESTRE DE 2015 PROF. VIRGÍLIO NOME Nº 9º ANO Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma série de exercícios que têm, como base, o que foi trabalhado em sala de aula durante todo o ano.

Leia mais

Ano Letivo 2012/2013 2º Ciclo 5º Ano

Ano Letivo 2012/2013 2º Ciclo 5º Ano AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Anual EDUCAÇÃO MUSICAL Ano Letivo 2012/2013 2º Ciclo 5º Ano Unidade Didática/Tema* Conceitos/Conteúdos Organizadores/Competências Específicas

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de ondas numa corda Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 4 Circuitos elétricos. Modalidade

Leia mais

PERFIL DO ALUNO APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - 5.ºANO

PERFIL DO ALUNO APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - 5.ºANO EB 2.3 DE SÃO JOÃO DO ESTORIL 2016/17 MATEMÁTICA PERFIL DO ALUNO PERFIL DO ALUNO APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS - 5.ºANO /DOMÍNIOS NUMEROS E OPERAÇÕES NO5 GEOMETRIA E MEDIDA GM5 ALG5 ORGANIZAÇÃO E TRATAMENTO

Leia mais

DOCENTE: MICAEL ALVES

DOCENTE: MICAEL ALVES Planificação anual Curso Vocacional de Ensino Básico Ano letivo 2015 / 2016 CURSO VOCACIONAL DE INFORMÁTICA E MULTIMÉDIA ANO: 9.º DISCIPLINA: APLICAÇÕES DE ESCRITÓRIO DOCENTE: MICAEL ALVES COMPETÊNCIAS

Leia mais