RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%"

Transcrição

1 RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento, pretendemos neste artigo relacionaressesfenômenosaoexercíciodacompreensãodetextos.essarelaçãotemaintençãode unirateorialinguísticaàpráticadoensinodalíngua,observandoaimportânciadaanáliselinguística para o exercício de interpretação. Em seguida, apresentaremos a prática em forma de exemplos comuns a fim de reunir o conhecimento desses fenômenos linguísticos no aprimoramento das técnicasdecompreensãotextualbemcomonoseumétododeensino. Palavrasdchave:pressuposição;acarretamento;interpretaçãodetextos. ABSTRACT: Based on the definitionsof presupposition and entailment, in this article we intend to relatethesephenomenatotheexerciseofreadingcomprehension.thisrelationshipintendstounite the linguistic theory to the practice of language teaching,observing the importance of linguistic analysis for the interpretation exercise. Next, we present the practice in the form of common examples in order to gather knowledgeof these linguistics phenomena in the improvement of the techniquesofreadingcomprehensionaswellasinitsteachingmethod.' Keywords:presupposition;entailment;textinterpretation. 1.INTRODUÇÃO Existemdiversasmaneirasdeinterpretarmosassentençasqueouvimosoude proporcionarefeitoàssentençasqueproferimosnocotidiano.essasmaneirasestão relacionadasaoconhecimentoextralinguísticoexistentedeformaparticularemcada!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 1 GraduandaemLetrasPortuguêsdInglês,UTFPR. REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 71!

2 ouvinte, leitor ou falante. Como explica Cançado (2012), o conhecimento extralinguístico é o conteúdo prévio que permite ao indivíduo reagir ante uma determinada afirmação, negação ou questionamento. Ele pode ser constituído dos significadospurosdassentençasqueoindivíduoapreendeaolongodesuavida,ou tambémconstituídodossignificadosqueresultamdousodedeterminadasexpressões contidasnasentença,cujoteornãoserestringeaoliteral. Esses conteúdos resumem duas propriedades da abordagem referencial da linguagem chamadas acarretamento e pressuposição. Observemos a definição apresentadaporcançado(2012,p.31): O acarretamento é uma noção estritamente semântica, que se relaciona somente comoqueestácontidonasentença,independentementedousodesta.anoçãode pressuposição relacionadse com o sentido de expressões lexicais contidas na sentença,mastambémserefereaumconhecimentoprévio,extralinguístico,queo falanteeoouvintetêmemcomum;podedsedizerqueapressuposiçãoéumanoção semânticodpragmática.(cançado,2012,p.31). Convivemos diariamente com a dificuldade na compreensão de textos, seja na escola, no trabalho, ou em qualquer outro contexto em que seja necessária a interpretação.observamosqueosfenômenoslinguísticosapresentadosestãocontidos nasafirmações,negaçõesouquestionamentosentreinterlocutores.asoluçãoparaa dificuldade de compreensão de uma sentença ouvida ou lida pode ser encontrada, portanto,naprópriasentença,poiselafornecesubsídiosmuitasvezessuficientespara tal entendimento, por meio de deduções semânticas e pragmáticas que contribuem decisivamenteparaacompreensãodotexto. A partir de uma análise sobre acarretamento e pressuposição em sentenças comuns,épossívelconcluiralgoalémdoqueestáescritoouatémesmoevitarcertas conclusões.oconhecimentodemundopermitiráqueoouvinte/leitorselecioneessas inferências na sentença e se aproxime da intenção do falante/autor. O que os interlocutorescompartilhaméessencialparaacompreensãododiscurso: REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 72!

3 Podemserconsideradasimplícitastodasasinformaçõesqueumasentençaveicula, sem que o falante se comprometa explicitamente com sua verdade. Essas informaçõesprecisamentãoser inferidas apartirdasentençapormeiodealgum raciocínioquepartedaprópriasentença.éoqueocorrenoscasosdapressuposição edoacarretamento(ilari,2004,p.85,grifodoautor). Na seção 2, discutiremos as noções de acarretamento e pressuposição, para analisarmos,naseçãoseguinte,comotaisnoçõescontribuemparaainterpretaçãode umtexto.naseção4,apresentamosnossasconclusões. 2.PRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTO ' Para podermos incluir as ideias de pressuposição e acarretamento em um contextoespecífico,énecessárioinicialmentequefaçamosumabuscadetalhadanas definiçõesdessaspropriedades.começaremospeladefiniçãodeacarretamento,quese baseianoconhecimentosemânticodoselementosdasentença.cançado(2012)inicia asdefiniçõesdeacarretamentopeloentendimentodoquevemaserumarelaçãode hiponímia. A hiponímia pode ser entendida como uma relação estabelecida entre palavras, quando o sentido de uma está incluído no sentido de outra. (CANÇADO, 2012,p.32).Podemospensaremumarelaçãodeconjuntos:dentrodecertoconjunto existemoutrosmenores.oconjuntoqueabrangeoutrosconjuntoséohipônimo,um item lexical específico que abrange outros muitos. Esses outros são os hiperônimos, conjuntosmenorescontidosnohipônimo.porexemplo: (1)Eletrodomésticos:Liquidificador Em (1) o item liquidificador está contido no conjunto dos eletrodomésticos. Portantotemosem(1)arelaçãohipônimo hiperônimo. REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 73!

4 Dadaestadefiniçãoparaamenorunidadeexistenteemumasentença,umitem lexical, Cançado (2012) diz que podemos expandir essa ideia para a sentença completa. A relação de inclusão de sentidos de uma sentença em outra sentença é chamada, então, acarretamento. Observemos o exemplo a seguir para compreendermosessaideiadeinclusãodesentidos: (2)a.MariatemumaBíbliaemcasa. b.mariatemumlivroemcasa. Acima,observamosqueasentença(2a)estáincluídanasentença(2b)devidoà relaçãodesentidodoitem(2a)bíbliaedoitemde(2b)livro,ouseja,umarelaçãode hipônimo hiperônimo.temos,assim,queasentença(2a)acarreta(2b). Vamos analisar um exemplo no qual não ocorre a relação de acarretamento, paramostraradiferençaentreessesaspectos: (3)a.Mariatemumacadeiraemcasa. b.mariatemumobjetodemadeiraemcasa. A ideia de cadeira não está incluída no sentido de objeto de madeira, embora haja essa possibilidade. Temos acarretamento toda vez que a verdade de uma sentença implica a verdade de uma outra, simplesmente pela significação de suas palavras. (ILARI,2004,p.85).Observamosquenãoocorreessarelaçãodeverdadeem (3), pois a partir da sentença (3a) não podemos inferir a sentença (3b). Portanto, a sentença(3)nãocumpreoscritériosparaarelaçãodeacarretamento,jáque(3a)não estáincluídaem(3b),ouvicedversa. Comovimosanteriormente,aideiadepressuposiçãonãoestáligadasomenteà relação semântica de duas ou mais sentenças como ocorre no fenômeno de REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 74!

5 acarretamento.anoçãodepressuposiçãoexigequeanalisemosumasentençanãosóa partir dos sentidos literais da língua, como no acarretamento, mas também a partir dos sentidos atribuídos à língua pelo uso. Por isso, Cançado (2012) assume que as pressuposiçõestratamdeumanoçãosemânticodpragmática.paraessanoção,devemos incluiraideiadecriatividade,nosentidodequeofalantedalínguanãodecorauma lista de sentenças do seu diadaddia para fazer relações lógicas. Para isso, ele deve extrair de cada sentença a essência da semântica e da pragmática, isto é, elementos queopermitamadquirirconhecimentosdemundo.oliveira(2001)tratadoassunto dacriatividadenacompreensãodesentenças: A criatividade é nossa capacidade de entender (e produzir) sentenças novas. A referencialidadedizrespeitoaofatodequeusamosalínguaprafalarsobreo(s) mundo (s) (inclusive o mundo interior, o dos sonhos, o da ficção). A rede de sentençasdizrespeitoaofatodequesaberumasentençaésabermuitasoutras, porqueassentençasdeumalínguaseinterdrelacionam(oliveira,2001,p.50). Dessaformatemosqueanossacriatividadeservecomoapoionacompreensão dediscursoslidosououvidosnodiadaddia.vamosaosexemplosparaquepossamos compreendermelhoranoçãodepressuposição: (4)a.Pedroparoudeeconomizardinheiro. b.pedroeconomizavadinheiro. De(4a)podemosinferir(4b)eissosedápelousodaexpressãoparoude,que nostrazaideiadeque,antesdessemomentodefala,oeventoacontecia.oeventode economizardinheiroacontecia.percebemosomesmofenômenoem(5): (5)a.Marialevouabonecadelaparaasaladeaula. b.mariatemumaboneca. REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 75!

6 Esse exemplo nos faz inferir que Maria possui uma boneca, já que o fragmentoabonecadeladeixaclaroquemariapossuitalobjeto.frege(1892, apudcançado,2012,p.37)consideraqueassentençaspossuemumconteúdo quenãosealteracomasuanegação,interrogaçãoouinversãoparaaformade condicionalidade. Esse conteúdo permaneceria com o mesmo sentido se passássemos uma sentença afirmativa para essas outras formas. Para avaliarmos se uma sentença possui esse conteúdo é necessário antes desmembrarmos a oração principal nas formas de negação, interrogação e condicionalidade.écomoseasentençaemquestãopossuísseumafamíliade outrassentenças.assim,poderemosinferirumasegundasentença,tomandoda comoverdadeounão.observeodesmembramento,ouafamília,deumadas sentençasdadasanteriormente: (4)a.Pedroparoudeeconomizardinheiro. a.pedronãoparoudeeconomizardinheiro. a.pedroparoudeeconomizardinheiro? a.sepedroparoudeeconomizardinheiro,nãovaipodercomprar aquelecarro. Percebemosqueem(4)nenhumadasproposiçõesalterouapropostade quepedroeconomizavadinheiro,ouseja,quandodizemos(4a ),(4a )e(4a )a verdadede(4b)semantém.assimtemosque(4a)pressupõe(4b).damesma formaissoocorrecomasentença(5)dadaanteriormente:sefizermosoteste comsuafamília,apressuposiçãoem(5b)semantém. A família de uma sentença é que vai confirmar se uma segunda é pressuposta por ela ou não. Cançado (2012, p. 39) define a família de uma REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 76!

7 sentençacomoasquatroformasqueelapodeassumir:aproposiçãoafirmativa, anegaçãodessamesmaafirmação,ainterrogaçãoecondição.comissoaautora apresenta a seguinte condição: só ocorrerá a relação de pressuposição se todasasquatroformasdeumadeterminadasentença(a),ouseja,seafamília de (a) tomar uma determinada sentença (b) como verdade. E continua alertandoque seumadassentençasdafamíliade(a)nãotomarcomoverdade asentença(b),nãoexistiráarelaçãodepressuposiçãoentreassentenças(a)e (b). A família de uma sentença de fato serve como teste para uma pressuposição e esclarece a diferença entre esse fenômeno e o do acarretamento:enquantoanegação,ainterrogaçãoeacondicionalnãoalteram apressuposiçãotomadacomoverdadepelasentença,anegação,porsisó,já nãogaranteoacarretamento.assim,enquantoasentença(2a)acarreta(2b),a negaçãode(2a)bloqueiaoacarretamento,comovemosaseguir. (2)a.MarianãotemumaBíbliaemcasa. b.mariatemumlivroemcasa. SegundoMoura(2000),issoocorreporquenoacarretamento aproposiçãoaé uma condição (suficiente, mas não necessária) para a verdade de b. e na pressuposição a proposição b já deveria ser aceita como verdadeira pelos interlocutoresindependentementedeaserverdadeiraounão.éporissoquesediz que pressuposição deve ser parte do conhecimento compartilhado entre os interlocutores. Dessaforma,Cançado(2012)colocaqueofalantefazusodealgumasexpressões dalínguaparaincutirsignificadosnãoapenassemânticos.algunsrecursoslinguísticos presentesemumaconversaouemumtextofazemoouvinte,ouoleitor,suporoutras REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 77!

8 informações,quenãoaquelasexpressasemumadeterminadasentença.aautoracita como desencadeadoras de pressuposição as estruturas clivadas (Foi fulano que fez X...), as orações subordinadas temporais e comparativas, o uso de verbos factivos (esquecer,saber,etc.)edeexpressõesquedenotammudançasdeestado(iniciarem, parar de). Mas afirma que o relevante é sabermos aplicar a definição para conseguirmos estabelecer ou não a pressuposição entre as sentenças (CANÇADO, 2012,p.44). 3.ANÁLISE Nestaseção,construiremosumaanálisedassentençaspresentesemumtexto 2,a fim de refletir sobre determinadas estruturas e expressões usadas na língua, relacionandodasàteoriaapresentadaanteriormente. Não era com a sua filha que Pedro estava preocupado. Ele não sabia se Cláudia estava se divorciando de Osvaldo, até esquecera que ela havia ligado. Ele simplesmente deixou o problema de sua filha para o outro dia, e foi repousar. Pedroadmitiraaculpa,agorateriaqueesperar.Ocorreuque,nooutrodia,oreal culpado desmentiu não ter atropelado a velhinha. Agora ele ia parar de pensar nisso, estava otimista. Era hora de certificardse de que Cláudia não havia se divorciado.masomaridojáhaviaidoemboraquandopedroligouparaela. Paraanálisedotextoacima,consideraremosalgumasproposiçõesquepoderiam ser utilizadas em sala de aula em uma atividade de Verdadeiro/Falso, a fim de observarquaissentençasseriamascorretasapartirdoqueselênotexto: (6)Pedronãoresolveuoproblemanahora. (7)Houveumacidente.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! 2 Baseadonotextodisponívelem:http://www.analisedetextos.com.br/2010/09/atividadedpraticad sobredpressupostosde.html.acessoem13set REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 78!

9 (8)Avelhinhamorreu. Vejamos se a sentença proposta em (6) estabelece uma relação de acarretamentocomoqueestásendoafirmadonotexto: (6)a.Eledeixouoproblemadesuafilhaparaoutrodia. b.pedronãoresolveuoproblemanahora. Aplicando o teste de acarretamento em (6), vemos que a sentença (6b) é necessariamenteverdadese(6a)forrealmenteverdade.portanto,temosquearelação deacarretamentoéestabelecida. Vejamos outro caso encontrado no texto em que podemos inferir uma informaçãoimplícita: (7)a.Orealculpadodesmentiunãoteratropeladoavelhinha. b.houveumacidente. Analisandoalocuçãoverbalem(7a), teratropelado,inferimosainformaçãode queocorreuumacidente.consideramosaquiqueatropelarestádentrodoconjuntode acidentes.assim,temosumarelaçãodeacarretamento. No momento em que tentamos compreender um texto, além de termos dificuldades em inferir novas informações não implícitas, muitas vezes temos conclusõesequivocadasdedeterminadasafirmações.ocasoaseguiréumexemplode umainterpretaçãoequivocada: (8)a.Orealculpadodesmentiunãoteratropeladoavelhinha. b.avelhinhamorreu. REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 79!

10 Nada no texto nos informa sobre a possível morte da velhinha. Isso pode ter ocorrido,massófazpartedomundodepossibilidades.negandoasentença(8b)não tomamos a informação em (8a) como sendo falsa. A relação de acarretamento, portanto,nãoéestabelecida. Vejamos agora os casos do texto em que podemos analisar as relações de pressuposiçãonoprocessodecompreensão.asproposiçõesabaixoserãoanalisadas nasequência. (9)Pedroestavapreocupado. (10)Pedroligouparaela. (11)Cláudiahaviasedivorciado. (12)CláudiaeracasadacomOsvaldo. (13)Pedroiaparardepensarnoatropelamento. Abaixoatentaremosparaumaestruturadalínguaquefavoreceapressuposição, aschamadasestruturasclivadas.lembremosqueotestedepressuposiçãoérealizado pelaavaliaçãodosmembrosdafamíliadasentençaoriginal: (9)a.NãoeracomasuafilhaquePedroestavapreocupado. a.eracomasuafilhaquepedroestavapreocupado. a.nãoeracomasuafilhaquepedroestavapreocupado? a.senãoeracomasuafilhaquepedroestavapreocupado... b.pedroestavapreocupado. Vemosnocaso(9)queaproposiçãofeitaapartirdasentençaoriginaldotextoé confirmada ao explicitar os membros da família de (9a), ou seja, nenhum desses REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 80!

11 membrosafetaainterpretaçãoem(9b).podemos,assim,considerarqueasentença (9a)pressupõeaafirmaçãoem(9b).Cançado(2012)afirmaquecertasestruturasna língua, como a clivada que foi apresentada acima, favorece a pressuposição. Outra estrutura que desencadeia esse tipo de implicatura é a encontrada nas orações subordinadas temporais. Observe o exemplo tirado do texto e a proposição feita a partirdoqueotextoafirma: (10)a.OmaridojáhaviaidoemboraquandoPedroligouparaela. a.omaridoaindanãohaviaidoemboraquandopedroligouparaela. a.omaridojáhaviaidoemboraquandopedroligouparaela? a.seomaridojáhaviaidoemboraquandopedroligouparaela... b.pedroligouparaela. Aestruturaem(10a)trazproblemasfrequentesdeinterpretação,poisveicula umnúmeromaiordeinformações,dificultandotiraralgumaconclusão.explicitandoa família de (10a) vemos que nenhum membro torna duvidosa a afirmação feita em (10b).Dessaformaquearelaçãodepressuposiçãoéestabelecida. Vejamosocasodaproposição(11): (11)a.ErahoradecertificardsedequeCláudianãohaviasedivorciado. a.nãoerahoradecertificardsedequecláudianãohaviasedivorciado. a.erahoradecertificardsedequecláudianãohaviasedivorciado? a.seerahoradecertificardsedequecláudianãohaviasedivorciado... b.cláudiahaviasedivorciado. Não podemos dizer que a proposição (11b) é uma verdade devido ao fato de que,quandoexplicitamosafamíliadasentença(11a),umdosmembrospõeemdúvida REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 81!

12 suaveracidade.quandoissoocorrenotestedepressuposição,temosqueessarelação deimplicaturanãoéestabelecida. Certas palavras ou expressões também são considerados por Cançado (2012) como desencadeadores da pressuposição. Abaixo analisaremos um caso encontrado notexto: (12)a.ElenãosabiaseCláudiaestavasedivorciandodeOsvaldo. a.elesabiasecláudiaestavasedivorciandodeosvaldo. a.elenãosabiasecláudiaestavasedivorciandodeosvaldo? a.seelenãosabiasecláudiaestavasedivorciandodeosvaldo... b.cláudiaeracasadacomosvaldo. Observe o verbo flexionado divorciando. O uso desse verbo implica em um estado anterior de estar casado. Este estado anterior é o que propõe a sentença (12b). Vemos também que todos os membros da família de (12a) tomam essa proposição como sendo verdadeira. A relação de pressuposição, por conseguinte, ocorreentre(12a)e(12b). Outro desencadeador lexical de pressuposição são as expressões que definem umamudançadeestado,comoaqueéencontradanotextoetranscritaabaixopara análise: (13)a.Eleiaparardepensarnisso. a.elenãoiaparardepensarnisso. a.eleiaparardepensarnisso? a.seeleiaparardepensarnisso... b.elepensavanoatropelamento. REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 82!

13 Aexpressão pararde indicaqueoeventodocomplementoseguinteacontecia anteriormente,oqueépropostopelasentença(13b).oquepodemoscompreenderna sentença tirada do texto é essa mudança de estado. Colocando o estado anterior na sentença como proposição, e aplicando o teste da pressuposição, como feito acima, observamos que tal afirmação pode ser inferida. Todos os membros de (13a) permanecemcomamesmaideiaqueestásendoapresentadaem(13b). Essesforamoscasosdeacarretamentoepressuposiçãoencontradosnotexto, cujostestesservemcomoformadeanáliseeinterpretação.assim,estabelecemosuma reflexãosobrearelaçãodosusosdalínguaeseussignificadosimplícitosnotexto.a aplicaçãodessestestescertamentefacilitaacompreensãodeumtextoquecontenha muitasinformações,edevemserfeitosàmedidaqueasdificuldadesdeinterpretação vãoaparecendo. 4.CONSIDERAÇÕESFINAIS Osproblemasenfrentadosnacompreensãodetextospodemsersolucionadosa partirdaanáliseminuciosadasoraçõesnelecontidas.observamosissoapósanalisar que muitas informações estão implícitas nos enunciados. Atribuindo nosso conhecimento extralinguístico e linguístico na sua leitura, isto é, saber a função de determinadas expressões da língua e possíveis significados a elas atribuídos, é possívelcompreenderoqueumaafirmaçãoestátrazendo,defato,aoleitor. Percebemosquecertosusosdalínguafavorecemapressuposição,comosãoos casos de orações subordinadas, estruturas clivadas e verbos factivos. Estes são utilizadospelofalantecomopropósitodiscursivodelevaracertainterpretaçãoenão aoutra.essesrecursosselecionaminformaçõescontidasnodiscursoeimplicamasua verdade ou não. Para clarear o número de informações contidas em um enunciado REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 83!

14 analisamos as relações de acarretamento entre uma proposição e sua sentença original.dessaformaconseguimosestabelecerarelaçãodedependênciaentreoque estásendoveiculadoeoqueéproposto. Poresseviésdeanálisetentamospropormétodosdeinterpretaçãoquedevem sercolocadosdiantedoalunocomoformadeexploraredesenvolverconhecimentos dalínguaqueconstroemnovossentidosesignificados. REFERÊNCIAS CANÇADO,M.ManualdeSemântica:noçõesbásicaseexercícios.SãoPaulo:Contexto,2012. ILARI,R.IntroduçãoàSemântica:brincandocomagramática.5.ed.SãoPaulo:Contexto,2004. OLIVEIRA,R.P.Semânticaformal:umabreveintrodução.2.ed.Campinas:MercadodeLetras,2001. MOURA,H.M.M.Significaçãoecontexto:umaintroduçãoaquestõesdesemânticaepragmática.2.ed. Florianópolis:Insular,2000. SOUZA,Rogério.Atividadepráticasobrepressupostoseimplícitos:Análisedetextos.SãoPaulo,2013. Disponívelem: <http://www.analisedetextos.com.br/2010/09/atividadedpraticadsobredpressupostosde.html> Acessoem:13set.de2013. REIS, Karina H. Relações de pressuposição... 84!

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS Disciplina: Língua Portuguesa IV UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Plano de Curso 2011 Ano / Período: 4 ano 1. EMENTA Introdução aos estudos semânticos e do léxico da língua portuguesa. Abordagem sobre a

Leia mais

REVISÃO: ACARRETAMENTO E PRESSUPOSIÇÃO

REVISÃO: ACARRETAMENTO E PRESSUPOSIÇÃO Maria Leonor dos Santos Mariana Escarpinete Miquéias Vitorino REVISÃO: ACARRETAMENTO E PRESSUPOSIÇÃO Semântica da Língua Portuguesa 2010.2 Acarretamento Ocorre quando, num par de sentenças, a verdade da

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 1º BIMESTRE 2º SEMESTRE A/B LINGUAGEM JURÍDICA II - PROF. OSVALDO O TEXTO JURÍDICO E SUAS PRINCIPAIS PROPRIEDADES COESÃO REFERENCIAL, RECORRENCIAL

Leia mais

O CONTEXTO NO DISCURSO JORNALÍSTICO. Mõnica Mano TRINDADE. Introdução

O CONTEXTO NO DISCURSO JORNALÍSTICO. Mõnica Mano TRINDADE. Introdução O CONTEXTO NO DISCURSO JORNALÍSTICO Introdução Mõnica Mano TRINDADE Diante de um jornal, o leitor é induzido - até mesmo pela estrutura visual - a ler as manchetes, que lhe fornecem uma noção prévia do

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1

NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 NOTAS DE AULA CONSTRUÇÃO DO MARCO TEÓRICO CONCEITUAL 1 Profa. Gláucia Russo Um projeto de pesquisa pode se organizar de diversas formas, naquela que estamos trabalhando aqui, a problematização estaria

Leia mais

Português. Inferência. Professor Carlos Zambeli.

Português. Inferência. Professor Carlos Zambeli. Português Inferência Professor Carlos Zambeli www.acasadoconcurseiro.com.br Português INFERÊNCIA Que que é isso? INFERÊNCIA ideias implícitas, sugeridas, que podem ser depreendidas a partir da leitura

Leia mais

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...)

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...) Podemos tratar a dêixis como o modo mais óbvio de efetivação do elo entre a produção linguística dos falantes e os contextos situacionais em que tal produção ocorre. Ela permite marcar no enunciado as

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Departamento de Administração Escolar

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Departamento de Administração Escolar Documentação: Objetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução 002/CUn/2007, de 02 de março de 2007 O Curso de Licenciatura em Letras/LIBRAS é uma iniciativa da Universidade Federal de Santa Catarina, com

Leia mais

Informação Prova Final a Nível de Escola

Informação Prova Final a Nível de Escola ESCOLA E.B. 2,3 DE MARCO DE CANAVESES Informação Prova Final a Nível de Escola Português - 2º Ciclo 51 1. Introdução Ano Letivo 2014/2015 Prova Escrita abril 2015 O presente documento divulga informação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI 1 DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE Por Claudio Alves BENASSI D uarte, pesquisador da linguística da Língua Brasileira de Sinais, dá uma importante contribuição para o avanço

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA 1. Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes manifestações da linguagem verbal e não verbal. 1.2. Depreender, através de leitura do texto,

Leia mais

A G R U P A M ENTO DE ESC O L A S A N S ELMO D E A N D R A D E

A G R U P A M ENTO DE ESC O L A S A N S ELMO D E A N D R A D E A G R U P A M ENTO DE ESC O L A S A N S ELMO D E A N D R A D E DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS - Grupo de Português Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português Ensino Profissional 12º. Ano

Leia mais

Lógica Proposicional

Lógica Proposicional Lógica Proposicional Lógica Computacional Carlos Bacelar Almeida Departmento de Informática Universidade do Minho 2007/2008 Carlos Bacelar Almeida, DIUM LÓGICA PROPOSICIONAL- LÓGICA COMPUTACIONAL 1/28

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

Competências globais a serem adquiridas na série

Competências globais a serem adquiridas na série PLANO DE ENSINO - 2016 Disciplina: Língua Portuguesa 9º ANO Professor: Ricardo Andrade Competências globais a serem adquiridas na série.fundamentar uma aprendizagem significativa, desenvolvendo múltiplas

Leia mais

A MODALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA NA CONSTRUÇÃO DO HUMOR

A MODALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA NA CONSTRUÇÃO DO HUMOR A MODALIZAÇÃO COMO FERRAMENTA NA CONSTRUÇÃO DO HUMOR CRÍTICO Wdiônatas Andrade Santos (FCB) wdionatas@hotmail.com Elaine Cristina Medeiros Frossard (FCB) 1. Introdução Quando se estuda o humor e suas implicações

Leia mais

PRESSUPOSTO E SUBENTENDIDO

PRESSUPOSTO E SUBENTENDIDO PRESSUPOSTO E SUBENTENDIDO Eu gosto de catar o mínimo e o escondido. Onde ninguém mete o nariz, aí entra o meu, com a curiosidade estreita e aguda que descobre o encoberto. MACHADO DE ASSIS.Obra completa.v.3.rio

Leia mais

1 Introdução. Federico García Lorca

1 Introdução. Federico García Lorca 1 Introdução Granada ama o diminuto. A linguagem do povo põe as palavras no diminutivo. Nada tão incitante para a confidência e o amor. (...) Diminutivo assustado como um pássaro, que abre câmaras secretas

Leia mais

Nome: Data: Semestre: Curso: TADS Disciplina: Matemática Aplicada à Computação Professor: Shalimar Villar. Noções de Lógica

Nome: Data: Semestre: Curso: TADS Disciplina: Matemática Aplicada à Computação Professor: Shalimar Villar. Noções de Lógica Nome: Data: Semestre: Curso: TADS Disciplina: Matemática Aplicada à Computação Professor: Shalimar Villar Noções de Lógica Proposição: É uma sentença declarativa, seja ela expressa de forma afirmativa

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino

Leia mais

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO O que é texto? TEXTO - escrito ou oral; O que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos; TEXTO - dotada de unidade

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL RELAÇÃO

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo NOÇÕES DE PRAGMÁTICA Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo 17.08.2015 Situando a Pragmática no seio das disciplinas da Linguística O aspecto pragmático

Leia mais

Metáfora. Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1998, pp

Metáfora. Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1998, pp Metáfora Referências: Aristóteles, Retórica, Lisboa, INCM, 2005. Black, Max, More about metaphor, in Ortony, Andrew (ed.), Metaphor and Thought (2 nd ed.), Cambridge, Cambridge University Press, 1993,

Leia mais

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS

GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS GOVERNADOR DE MINAS GERAIS FERNANDO DAMATA PIMENTEL SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO MACAÉ MARIA EVARISTO DOS SANTOS SECRETÁRIO ADJUNTO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO ANTÔNIO CARLOS RAMOS PEREIRA CHEFE DE GABINETE

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2016 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA CONTEÚDOS Efetuar cálculos com números reais envolvendo as operações

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Tipologia textual: texto conversacional. Variação e normalização linguística. Língua padrão (traços específicos). Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos 1º Período

Leia mais

Linguagem com sintaxe e semântica precisas: lógica. Mecanismo de inferência: derivado da sintaxe e da

Linguagem com sintaxe e semântica precisas: lógica. Mecanismo de inferência: derivado da sintaxe e da istemas de Apoio à Decisão Clínica, 09-1 1 Linguagem com sintaxe e semântica precisas: lógica. Mecanismo de inferência: derivado da sintaxe e da semântica. Importante: distinguir entre os fatos e sua representação

Leia mais

Funções gramaticais: Complemento e adjunto. Luiz Arthur Pagani (UFPR)

Funções gramaticais: Complemento e adjunto. Luiz Arthur Pagani (UFPR) Funções gramaticais: Complemento e adjunto (UFPR) 1 1 Tradição gramatical termos essenciais termos acidentais: intaxe: um adjunto é um `elemento opcional', enquanto um complemento é um `elemento obrigatório'.[2,

Leia mais

Funções e gráficos num problema de freagem

Funções e gráficos num problema de freagem Funções e gráficos num problema de freagem Adaptado do artigo de Geraldo Ávila Há situações concretas das quais o professor pode extrair, de maneira espontânea e natural, conceitos importantes e muito

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino Fundamental Língua Portuguesa 2) Inferir o sentido

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Inglês Instrumental Curso: Licenciatura em Ciências Biológicas Período: Optativa Carga Horária total: 50h Pré-requisito: não possui EMENTA Conscientização do processo

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 3º Ano Oralidade O3 Comprensão do oral Expressão oral Escutar para aprender e construir conhecimentos Produzir um discurso oral

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES

LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES LÍNGUA PORTUGUESA DESCRITORES 1. BIMESTRE - 2015 4.º ANO - LEITURA Inferir uma informação implícita em um Localizar informações explícitas em um 5.º ANO - LEITURA Estabelecer relações entre partes de um

Leia mais

Aula 02 Introdução à Lógica. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes

Aula 02 Introdução à Lógica. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes Aula 02 Introdução à Lógica Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes Agenda da Aula Conceitos Iniciais sobre Lógica; Argumento; Inferência; Princípios. Contextualização: Situação

Leia mais

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo.

Quanto aos textos de estrutura narrativa, identificam personagem, cenário e tempo. Língua Portuguesa - Ensino Médio SISPAE 2013 01 Abaixo do Básico 1º e 2º ano até 200 pontos Neste Padrão de Desempenho, os estudantes se limitam a realizar operações básicas de leitura, interagindo apenas

Leia mais

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz

LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? LINGUAGEM: qual sua Importância no Mundo Jurídico? Kelly Graziely da Cruz Asociedade depende fundamentalmente da linguagem. O que é a linguagem, porém?

Leia mais

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL

ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL ENSINO DE LÍNGUA MATERNA: ABORDAGENS DA PROBLEMÁTICA ATUAL Autora: DINIZ, Ana Maria C. Almeida Universidade Estadual da Paraíba UEPB e-mail: ana_diniz_4@hotmail.com 1 RESUMO O presente artigo objetiva

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA

Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Variação sociolinguistica e aquisição semântica: um estudo sobre o perfil lexical pelo teste ABFW numa amostra de crianças em Salvador-BA Palavras-chave: Desenvolvimento Infantil; Linguagem; Sociedades.

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA GREGO MAIO 2017 Prova - 322

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA GREGO MAIO 2017 Prova - 322 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA GREGO MAIO 2017 Prova - 322 Escrita 12º Ano de Escolaridade (Portaria n.º 243/2012, de 10 de agosto - C. Humanísticos) Línguas e Humanidades O presente documento

Leia mais

Lógica Dedutiva e Falácias

Lógica Dedutiva e Falácias Lógica Dedutiva e Falácias Aula 3 Prof. André Martins Lógica A Lógica é o ramo do conhecimento humano que estuda as formas pelas quais se pode construir um argumento correto. O que seria um raciocínio

Leia mais

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias

Estatística Básica. Introdução à Análise Exploratória de Dados. Renato Dourado Maia. Instituto de Ciências Agrárias Estatística Básica Introdução à Análise Exploratória de Dados Renato Dourado Maia Instituto de Ciências Agrárias Universidade Federal de Minas Gerais Pergunta Inicial O que é Estatística? 2/26 Contexto

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 20 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UM ESTUDO DESCRITIVO E COMPARATIVO DAS PRINCIPAIS PROPOSTAS GERATIVAS Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com RESUMO O presente artigo procura desenvolver um breve estudo descritivo e comparativo

Leia mais

Expressões e enunciados

Expressões e enunciados Lógica para Ciência da Computação I Lógica Matemática Texto 2 Expressões e enunciados Sumário 1 Expressões e enunciados 2 1.1 Observações................................ 2 1.2 Exercício resolvido............................

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Identificar padrões numéricos ou princípios

Leia mais

ANEXO I. (Edital de Concurso Público nº 001.6/2016, de 21 de março de 2016) JULGAMENTO DOS RECURSOS INTERPOSTOS

ANEXO I. (Edital de Concurso Público nº 001.6/2016, de 21 de março de 2016) JULGAMENTO DOS RECURSOS INTERPOSTOS ANEXO I (Edital de Concurso Público nº 001.6/2016, de 21 de março de 2016) JULGAMENTO DOS RECURSOS INTERPOSTOS RECURSO QUANTO À QUESTÃO 11 PROFESSOR DE INGLÊS INDEFERIDO No recurso impetrado o candidato

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL

A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL 00604 Resumo A ORGANIZAÇÃO DOS DESCRITORES NA PROVINHA BRASIL Célia Aparecida Bettiol Arliete Socorro Da Silva Neves O presente texto faz parte de um trabalho em andamento e se constitui em pesquisa documental,

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

A Importância da Lógica para o Ensino da Matemática

A Importância da Lógica para o Ensino da Matemática Universidade do Estado do Rio Grande do Norte FANAT - Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Mater Christi Curso de Sistemas de Informação A Importância da Lógica para o Ensino

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância

Colégio Valsassina. Modelo pedagógico do jardim de infância Colégio Valsassina Modelo pedagógico do jardim de infância Educação emocional Aprendizagem pela experimentação Educação para a ciência Fatores múltiplos da inteligência Plano anual de expressão plástica

Leia mais

Português Língua Não Materna (A2)

Português Língua Não Materna (A2) Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (A2) Prova 28/739 2009 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei Tema 01: CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E LINGUAGEM Leia os trechos a seguir: [...] a política curricular deve ser entendida como expressão de uma política cultural, na medida em que seleciona conteúdos e práticas

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação da prova de equivalência à frequência de Francês Prova 16 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa

Leia mais

Projeto Testes Intermédios 2011/2012

Projeto Testes Intermédios 2011/2012 Projeto Testes Intermédios 2011/2012 3.º Ciclo INGLÊS INFORMAÇÃO N.º 2 Republicação OBJETO DE AVALIAÇÃO No projeto de construção e aplicação de testes intermédios de Inglês, no 3.º ciclo do ensino básico,

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Referir actividades relacionadas com as férias e os tempos livres. Saber orientar-se num aeroporto. Falar sobre a importância da língua inglesa

Referir actividades relacionadas com as férias e os tempos livres. Saber orientar-se num aeroporto. Falar sobre a importância da língua inglesa AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS LÌNGUA ESTRANGEIRA I (Inglês 9º Ano) 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS ( 38 a 41 ) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2010/2011 Competências

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de INGLÊS I Nível 5 (Código da Prova 21) 2016

Informação - Prova de Equivalência à Frequência de INGLÊS I Nível 5 (Código da Prova 21) 2016 Informação - Prova de Equivalência à Frequência de INGLÊS I Nível 5 (Código da Prova 21) 2016 3ºCiclo - 9º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes. Unidade I:

Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes. Unidade I: Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes Unidade I: 0 Unidade: Proposições Logicamente Equivalentes Nesta unidade, veremos a partir de nossos estudos em tabelas-verdade as proposições logicamente

Leia mais

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO

LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO 2009.3 Aquiles Burlamaqui Conteúdo Programático Unidade I Linguagens Formais Linguagens Formais Sigma Álgebras Relação entre Linguagens Formais e Sigma Álgebras Sigma Domínios

Leia mais

G A B A R I T O PH SISTEMA DE ENSINO. Prova ph P-01. Tipo H4-05/2015

G A B A R I T O PH SISTEMA DE ENSINO. Prova ph P-01. Tipo H4-05/2015 PH SISTEMA DE ENSINO Prova ph P-01 Tipo H4-05/2015 G A B A R I T O 01. D 11. D 21. C 31. D 02. C 12. B 22. B 32. A 03. D 13. D 23. D 04. A 14. A 24. C 05. B 15. A 25. A 00 06. A 16. B 26. B 00 07. D 17.

Leia mais

Compreender estruturas lógicas é, antes de tudo, compreender o que são proposições.

Compreender estruturas lógicas é, antes de tudo, compreender o que são proposições. Caros alunos, Antes de darmos início a nossa aula demonstrativa, vamos às apresentações pessoais e profissionais: meu nome é Letícia Protta, sou agente administrativo do Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

Uso de Metáforas em Poesia e Canção

Uso de Metáforas em Poesia e Canção Uso de Metáforas em Poesia e Canção Ângela Gonçalves Trevisol Tamara dos Santos A partir de observações em sala de aula para a disciplina de Seminário para o ensino de literatura brasileira percebemos

Leia mais

Alex Lira. Olá, pessoal!!!

Alex Lira. Olá, pessoal!!! Olá, pessoal!!! Seguem abaixo os meus comentários das questões de Lógica que foram cobradas na prova para o cargo de Agente da Polícia Federal, elaborada pelo Cespe, realizada no último final de semana.

Leia mais

Método arvore semântica. Alunos: Cláudio Moisés Carlos Dória David Cláudio Neymar

Método arvore semântica. Alunos: Cláudio Moisés Carlos Dória David Cláudio Neymar Método arvore semântica Alunos: Cláudio Moisés Carlos Dória David Cláudio Neymar Método arvore semântica Já teve varios nomes Semantic ableaux Semantic ableau Semantic trees Usa-se hoje habitualmente o

Leia mais

PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA

PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA PERFIS DE SAÍDA DOS ESTUDANTES DA 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL, COMPONENTE CURRICULAR LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDOS EIXO TEMÁTICO COMPETÊNCIAS ESPERADAS Variedades lingüísticas; Diálogo; Turnos. Gênero

Leia mais

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as

significados que pretende comunicar em um determinado contexto sócio-cultural. A Linguística Sistêmico-Funcional (LSF) leva em consideração que as 1 Introdução No nosso dia-a-dia, estamos a todo momento emitindo opiniões, defendendo ideias. Opinamos em casa, no trabalho, na escola, na rua, em todos os lugares. Opinar, argumentar, persuadir o outro

Leia mais

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita.

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita. MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA PAEBES ALFA 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental Tópicos Competências Descritores Níveis de Complexidade 1º ANO 2º ANO 3º ANO T1- Reconhecimento de convenções do

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 6º ano Usar a Língua Portuguesa como língua materna, para integrar e organizar o mundo e a própria identidade com visão empreendedora e como pensador capaz de

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer situações didáticas que enfatizem (ou não) a funcionalidade do gênero.

OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: reconhecer situações didáticas que enfatizem (ou não) a funcionalidade do gênero. A FUNCIONALIDADE DOS GÊNEROS Aula 3 META Esta aula enfatiza a abordagem funcional que deve predominar nas aulas sobre gêneros. Traz exemplos do cotidiano escolar que suscitam uma discussão sobre a efi

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

Uso da Taxonomia de Bloom na Elaboração dos Objetivos Educacionais

Uso da Taxonomia de Bloom na Elaboração dos Objetivos Educacionais Uso da Taxonomia de Bloom na Elaboração dos Objetivos Educacionais Angela Christina Lucas alucas@fei.edu.br Centro Universitário FEI, São Bernardo do Campo, Brasil Apresentação ENANGRAD 2016 - Campinas

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1

PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 1 PÊCHEUX E A PLURIVOCIDADE DOS SENTIDOS 1 Silmara Cristina DELA-SILVA Universidade Estadual Paulista (Unesp)... as palavras, expressões, proposições etc., mudam de sentido segundo as posições sustentadas

Leia mais

CONCURSO OFICIAL ESCREVENTE

CONCURSO OFICIAL ESCREVENTE CONCURSO OFICIAL ESCREVENTE Início: 05 /11/13 Previsão de término: 20/12/2013 Período de: 7Semanas Cargos: Oficial Escrevente Horário das aulas segunda à sexta: 19h às 23:00h e possíveis finais de semana.

Leia mais

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS

HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE os ANOS HABILIDADES DO 1 o TRIMESTRE DE 2015 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA 1 Analisar a norma padrão em funcionamento no texto. 2 Distinguir os diferentes recursos da linguagem, utilizados em variados sistemas de

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico e Metas Curriculares de Português do Ensino Básico

Leia mais

A intenção com que se lê o texto é tida pela autora como os objetivos da leitura: a necessidade e vontade do leitor serão os objetivos da leitura

A intenção com que se lê o texto é tida pela autora como os objetivos da leitura: a necessidade e vontade do leitor serão os objetivos da leitura FATI_ARAPOTI PR ADMINISTRAÇÃO XVI PROJETO REENCONTRANDO O PORTUGUÊS 08/2013 PROF PAULO ROBERTO BARBOSA CONCEITO DE LEITURA A importância da leitura na nossa vida, a necessidade de se cultivar o hábito

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 02 O candidato alega que, na questão 02, tanto a alternativa E como a alternativa A apresentam-se corretas, visto que as linhas 12 e 13 mostram que os violinistas mais relaxados também tinham

Leia mais

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência.

4 AULA. Regras de Inferência e Regras de Equivalência LIVRO. META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. 1 LIVRO Regras de Inferência e Regras de Equivalência 4 AULA META: Introduzir algumas regras de inferência e algumas regras de equivalência. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de:

Leia mais

MAC425/5739 Inteligência Artificial 6. Agentes lógicos

MAC425/5739 Inteligência Artificial 6. Agentes lógicos MAC425/5739 Inteligência Artificial 6. Agentes lógicos Denis Deratani Mauá (largamente baseado no material de aula dos Profs. Edileri de Lima e Leliane de Barros) REPRESENTAÇÃO DE CONHECIMENTO Busca (cega,

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais