CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 1º BIMESTRE 2º SEMESTRE A/B LINGUAGEM JURÍDICA II - PROF. OSVALDO O TEXTO JURÍDICO E SUAS PRINCIPAIS PROPRIEDADES COESÃO REFERENCIAL, RECORRENCIAL E SEQUENCIAL COESÃO DAMIÃO E HENRIQUES A COESÃO PROPORCIONA AO TEXTO UM NEXO SEQUENCIAL DE IDÉIAS ENTRELAÇADAS. REPETIDAS EM OUTRA. EX: QUANDO PALAVRAS EM UMA SENTENÇA SÃO IMPORTÂNCIA INDISCUTÍVEL ENTRETANTO PODE HAVER TEXTO SEM COESÃO A EXISTÊNCIA DE UM TEXTO ESTÁ RELACIONADA COM O CONTEÚDO SIGNIFICATIVO QUE POSSUI E NÃO A FORMA LINGUISTICA COMO TAL CONTEÚDO SE FAZ RECONHECÍVEL. EX: OS DESPACHOS JUDICIAIS EM PROL DA AGILIDADE FREQUENTEMENTE CARECEM DE COESÃO COMO DEFIRO J. SIM, J. CONCLUSOS COMPREENSÍVEIS AO DESTINATÁRIO INSEREM NUM CONTEXTO ESPECÍFICO PRÁTICA FORENSE COERENTE AOS SEUS DESTINATÁRIOS.

2 ELEMENTOS DE COESÃO: QUEÍSMO PROCURAR SUBSTITUIR POR OUTROS TERMOS VISANDO TORNAR O TEXTO COESO. INCLUSÃO OUTROSSIM ADEMAIS CONFORME A EM CONFORMIDADE COM OPOSIÇÃO NÃO OBSTANTE NO ENTANTO ENTRETANTO TODAVIA POR SEU TURNO CONCLUSÃO DESTARTE PELO EXPOSTO POSTO ISTO EM SUMA ASSIM SENDO

3 EXCLUSÃO SEQUER CONTUDO TAMPOUCO SENÃO APENAS AFIRMAÇÃO REALMENTE COM CERTEZA EM VERDADE NO MESMO SENTIDO CERTAMENTE ENUMERAÇÃO PRELIMINARMENTE A PRINCÍPIO PRIMEIRO ANTES DE TUDO COMBINAÇÃO EM DECORRÊNCIA EM SEGUIDA NO CASO EM TELA

4 EM SEGUIDA EXPLICAÇÃO ASSIM SENDO HAJA VISTA A PROPÓSITO EM APERTADA SÍNTESE COESÃO REFERENCIAL CERTOS ITENS NA LÍNGUA TEM A FUNÇÃO DE ESTABELECER REFERÊNCIA NÃO SÃO INTERPRETADOS SEMANTICAMENTE POR SEU SENTIDO PRÓPRIO MAS FAZEM REFERÊNCIA A ALGUMA COISA NECESSÁRIA A SUA INTERPRETAÇÃO. A REFERÊNCIA É O PRIMEIRO GRAU DE ABSTRAÇÃO O LEITOR RELACIONA DETERMINADO SIGNO A UM OBJETO TAL COMO ELE PERCEBE DENTRO DA CULTURA EM QUE VIVE. EX: TIMÃO CORINTHIANS (QUANDO SE FALA EM TIMÃO EM SÃO PAULO NÃO HÁ COMO PENSAR EM PALMEIRAS) COESÃO RECORRENCIAL OCORRE QUANDO HÁ RETOMADA DE ESTRUTURAS ITENS OU SENTENÇAS FAZENDO PROGREDIR O FLUXO INFORMACIONAL.

5 TEM COMO FUNÇÃO LEVAR O DISCURSO ADIANTE E COMO ATUAÇÃO ARTICULADORA DA INFORMAÇÃO NOVA EM RELAÇÃO À INFORMAÇÃO VELHA. LOCUTOR/ESCRITOR. INFORMAÇÃO NOVA NÃO CONHECIDA NA OPINIÃO DO INFORMAÇÃO VELHA CONHECIDA OU PORQUE ESTÁ FISICAMENTE NO CONTEXTO OU PORQUE JÁ HAVIA SIDO MENCIONADA NO DISCURSO. DIVIDE-SE EM: CONHECIDA E ESTÁ SENDO MANTIDA. REITERAÇÃO: INDICA QUE A INFORMAÇÃO JÁ É RECORRÊNCIA: DIFERENCIA-SE DA REITERAÇÃO PORQUE INDICA UMA PROGRESSÃO DE CONTEÚDO. EM CERTOS MOMENTOS A REITERAÇÃO É ÚTIL E EFICAZ EM OUTROS CONTUDO PROVA-SE PREJUDICIAL POIS EM UM OU OUTRO MOMENTO É NECESSÁRIO APRESENTAR INFORMAÇÕES NOVAS E ARTICULÁ-LAS COM O CONTEÚDO JÁ EXPOSTO DE FORMA QUE O LEITOR TENHA UM QUADRO COESO E COERENTE DO TEXTO QUE ACABA DE LER.

6 OS MECANISMOS DE COESÃO RECORRENCIAL PROPICIAM ESSA ARTICULAÇÃO E POR ISSO DEVEMOS CONHECÊ-LOS A FUNDO PARA NOS TORNARMOS LOCUTORES COMPETENTES. COESÃO SEQUENCIAL REFERE-SE A PROCEDIMENTOS LINGUISTICOS POR MEIO DOS QUAIS SE ESTABELECEM ENTRE PARTES DO TEXTO (ENUNCIADOS PARÁGRAFOS) VÁRIOS TIPOS DE RELAÇÕES SEMÂNTICAS (ESTUDO DO SIGNIFICADO) E/OU PRAGMÁTICAS (ESTUDO DA LINGUAGEM EM USO) QUE FAZEM O TEXTO PROGREDIR. EX: EXPRESSÕES COMO: ISTO É, OU SEJA, QUER DIZER, OU MELHOR, EM OUTRAS PALAVRAS, EM SÍNTESE, EM RESUMO, ETC. CONECTIVOS: SE, ENTÃO, BEM COMO, TAMBÉM, QUANDO, AINDA QUE, OU, POR QUE, ETC.

C O E S Ã O REFERENCIAL RECORRENCIAL

C O E S Ã O REFERENCIAL RECORRENCIAL C O E S Ã O REFERENCIAL RECORRENCIAL C O E S Ã O É a conexão, ligação, harmonia entre os elementos de um texto. Percebemos tal definição quando lemos um texto e verificamos que as palavras, as frases e

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre Um texto constitui uma unidade comunicativa, uma unidade de uso da língua. Na sua construção e organização,

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

Ele tomou emprestado sem meu consentimento, ou seja, roubou.

Ele tomou emprestado sem meu consentimento, ou seja, roubou. a paráfrase, que é uma atividade de reformulação de um texto-fonte. Comumente vem marcada por expressões introdutórias como isto é, ou seja, quer dizer, digo, ou melhor, em outras palavras: Ele tomou emprestado

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA COESÃO SEQUENCIAL

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA COESÃO SEQUENCIAL COESÃO SEQUENCIAL As informações contidas no texto jurídico devem progredir em cada parágrafo, fazendo com que o texto caminhe para frente. 1. Conceito de coesão sequencial A coesão sequencial são elementos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino Fundamental Língua Portuguesa 2) Inferir o sentido

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO O que é texto? TEXTO - escrito ou oral; O que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos; TEXTO - dotada de unidade

Leia mais

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de

Plano de Ensino. Meses Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Aulas Regulares Aulas de Identificação Plano de Ensino Curso: Direito Disciplina: Língua Portuguesa Ano/semestre: 2012/01 Carga horária: Total: 80h Semanal: 4h Professor: Michelle Teixeira da Silva Período/turno: matutino e noturno

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre O que é gênero? São as características peculiares a cada tipo de texto ou fala, ou seja, a maneira como

Leia mais

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...)

Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. (...) Podemos tratar a dêixis como o modo mais óbvio de efetivação do elo entre a produção linguística dos falantes e os contextos situacionais em que tal produção ocorre. Ela permite marcar no enunciado as

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

TEMPO DE DURAÇÃO: 1h. Obrigatória entrega no final da aula. PROPOSTA DE REDAÇÃO

TEMPO DE DURAÇÃO: 1h. Obrigatória entrega no final da aula. PROPOSTA DE REDAÇÃO SIMULADO PRESENCIAL ENEM 2010 TEMPO DE DURAÇÃO: 1h. Obrigatória entrega no final da aula. PROPOSTA DE REDAÇÃO Com base na leitura dos textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino

Leia mais

Compreensão e Interpretação de Textos

Compreensão e Interpretação de Textos Língua Portuguesa Compreensão e Interpretação de Textos Texto Texto é um conjunto coerente de enunciados, os quais podem serem escritos ou orais. Trata-se de uma composição de signos codificada sob a forma

Leia mais

LEITURA E PRODUÇÃO ACADÊMICA. Profa. Ana Lúcia Magalhães

LEITURA E PRODUÇÃO ACADÊMICA. Profa. Ana Lúcia Magalhães LEITURA E PRODUÇÃO ACADÊMICA PROGRAMA Níveis de Leitura: Superficial estrutura discursiva Intermediário estrutura narrativa Profundo estrutura profunda Aspectos relevantes da produção textual Correção

Leia mais

TEXTO E ELEMENTOS DE TEXTUALIZAÇÃO. PROF. Nathan Bastos de Souza UNIPAMPA 2017/1

TEXTO E ELEMENTOS DE TEXTUALIZAÇÃO. PROF. Nathan Bastos de Souza UNIPAMPA 2017/1 TEXTO E ELEMENTOS DE TEXTUALIZAÇÃO PROF. Nathan Bastos de Souza UNIPAMPA 2017/1 O QUE É UM TEXTO? Texto é o produto de uma atividade discursiva em que alguém diz algo a alguém (GERALDI,1997,p.98). Um texto

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 2º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 2º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 2º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Reconhecer, no contexto social, diferentes

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Leitura e Produção Textual Professor: Wilma Cléa Ferreira e-mail: wilmaclea@yahoo.com.br Código: Carga Horária: 60 H Créditos:

Leia mais

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

"Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és

Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és "Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és a utilização de expressões multipalavras como marcadores de discurso Rui Sousa Silva sousasrm@aston.ac.uk Idiossincrasias na linguagem Língua: exprime/reflecte

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO JURÍDICA Código da Disciplina: JUR 311 Curso: DIREITO Semestre de Oferta da Disciplina: 2º Faculdade Responsável: DIREITO Programa em vigência

Leia mais

aula COESÃO SEQÜENCIAL

aula COESÃO SEQÜENCIAL COESÃO SEQÜENCIAL METAS AS Apresentar a modalidade coesiva seqüencial; Mostrar os tipos de seqüenciação; Evidenciar a função dessa modalidade na construção de sentidos textuais. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-11 2º 04 Semanal Mensal Nome da Disciplina / Curso LINGUAGEM FORENSE

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-11 2º 04 Semanal Mensal Nome da Disciplina / Curso LINGUAGEM FORENSE Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Curso D-11 2º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina / Curso DIREITO LINGUAGEM FORENSE Noções metodológicas de leitura e interpretação de textos técnicos.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF. OSVALDO ESTUDO DE PEÇAS JURÍDICAS PROCURAÇÃO AD JUDICIA JUÍZO. PROCURAÇÃO

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Identificar padrões numéricos ou princípios

Leia mais

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira

Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Linguística CORRENTES MODERNAS DA LINGUÍSTICA (PARTE I) Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático O Funcionalismo As Funções da Linguagem de Roman Jakobson A Linguística Sistêmica de Michael Halliday

Leia mais

Fundação Sul Mineira de Ensino. Faculdade de Direito do Sul de Minas. 2º Período

Fundação Sul Mineira de Ensino. Faculdade de Direito do Sul de Minas. 2º Período 3/2/2014 Página 1 de 10 1ª Prova Parcial/2017 Turno Diurno 2º Período 06/09/2017 (4ª feira) 08:30 D Instituições de Direito Privado II 11/09/2017 (2ª feira) 08:30 D Economia II 13/09/2017 (4ª feira) 08:30

Leia mais

Prova Escrita de Espanhol

Prova Escrita de Espanhol Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Espanhol 11.º Ano de Escolaridade Iniciação bienal Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 547/1.ª Fase Critérios de Classificação 7 Páginas

Leia mais

" O desarmamento da população pode contribuir para a diminuição da violência. Além disso, o desemprego tem aumentado. Este período composto por duas

 O desarmamento da população pode contribuir para a diminuição da violência. Além disso, o desemprego tem aumentado. Este período composto por duas Coesão e Coerência Ao escrevermos um texto, uma das maiores preocupações é como amarraremos a frase seguinte à anterior. Isso só é possível se dominarmos os princípios básicos de coesão. A cada frase enunciada

Leia mais

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE

ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE NOÇÃO DE TEXTO Texto ou discurso é uma ocorrência linguística falada ou escrita, de qualquer extensão. Para ser considerada um texto, uma ocorrência linguística precisa ser percebida

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

prof.: Pedro Augusto Furasté

prof.: Pedro Augusto Furasté INTERPRETAÇÃO t Coesão Textual prof.: Pedro Augusto Furasté DEFINIÇÃO A COESÃO TEXTUAL é a responsável pelo encadeamento dos elementos componentes do texto, analisa e comenta aspectos relacionados a: a)

Leia mais

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral

REDAÇÃO. Professor Moacir Cabral REDAÇÃO Professor Moacir Cabral Redação (redigir/escrever): ação ou resultado de escrever com ordem e método. Tipos de texto: Narrativo Descritivo Dissertativo Qualidades fundamentais do texto Clareza:

Leia mais

A REDAÇÃO NO ENEM INSTITUTO SANTA LUZIA COMPONENTE CURRICULAR: REDAÇÃO PROFESSOR: EDUARDO BELMONTE 2º ANO ENSINO MÉDIO

A REDAÇÃO NO ENEM INSTITUTO SANTA LUZIA COMPONENTE CURRICULAR: REDAÇÃO PROFESSOR: EDUARDO BELMONTE 2º ANO ENSINO MÉDIO A REDAÇÃO NO ENEM INSTITUTO SANTA LUZIA COMPONENTE CURRICULAR: REDAÇÃO PROFESSOR: EDUARDO BELMONTE 2º ANO ENSINO MÉDIO FATOS SOBRE A PROVA DE REDAÇÃO Todas as redações desenvolvidas no ENEM são avaliadas;

Leia mais

SELEÇÃO PARA NOVOS ALUNOS TURMAS SÃO PAULO

SELEÇÃO PARA NOVOS ALUNOS TURMAS SÃO PAULO SELEÇÃO PARA NOVOS ALUNOS TURMAS SÃO PAULO 2 0 15 CONTEÚDOS DOS TESTES DE SELEÇÃO Para o 1º Ano do Ensino Médio LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LÍNGUA PORTUGUESA Norma ortográfica Grafia de vocábulos

Leia mais

O TEXTO ARGUMENTATIVO

O TEXTO ARGUMENTATIVO O TEXTO ARGUMENTATIVO A argumentação visa a persuadir o leitor acerca de uma posição. Quanto mais polêmico for o assunto em questão, mais dará margem à abordagem argumentativa. Os argumentos devem promover

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2016 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 1º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA CONTEÚDOS Efetuar cálculos com números reais envolvendo as operações

Leia mais

5 - Entre as orações intercaladas: Ex.: A guerra, disse o general, é uma defesa prévia.

5 - Entre as orações intercaladas: Ex.: A guerra, disse o general, é uma defesa prévia. 5 - Entre as orações intercaladas: Ex.: A guerra, disse o general, é uma defesa prévia. A arma de fogo, disse o policial, é minha ferramenta de trabalho. 6 - Para marcar as orações subordinadas adjetivas

Leia mais

Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação, reveja os

Leia mais

COESÃO TEXTUAL. Língua Portuguesa Prof. Samuel KühnK

COESÃO TEXTUAL. Língua Portuguesa Prof. Samuel KühnK COESÃO TEXTUAL Língua Portuguesa Prof. Samuel KühnK A COESÃO DO TEXTO Relações textuais Procedimentos Recursos 1.1. Repetição 1.1.1. Paráfrase 1.1.2. Paralelismo 1. REITERAÇÃO 1.2. Substituição 1.2.1.

Leia mais

Coerência e Coesão. Ponto a ponto. Uma pequena brincadeira... Professor Wlisses Kennet. Uma pequena brincadeira...

Coerência e Coesão. Ponto a ponto. Uma pequena brincadeira... Professor Wlisses Kennet. Uma pequena brincadeira... Uma pequena brincadeira... Coerência e Coesão Ponto a ponto 1) Existe alguma diferença de sentido nos pares de frases a seguir? Explique. a) A sua resposta não teve significado algum. A sua resposta teve

Leia mais

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS Desse modo, a língua de sinais não é uma língua universal, pois adquire características diferentes em cada país e,

Leia mais

COLÉGIO ADVENTISTA DE ALTAMIRA Ementa de Curso para Portfólio

COLÉGIO ADVENTISTA DE ALTAMIRA Ementa de Curso para Portfólio DISCIPLINA:. Língua Portuguesa SÉRIE/ TURMA:. 9º ano A/B BIMESTRE: 4º 1 e 2 - Texto Perder, ganhar, viver. Pag.( 230, 231 e 232) Leitura do texto; discussão; atividade escrita. Pag. ( 232 e 233) - Atividade

Leia mais

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO Outubro 2017 Fevereiro 2018 Goethe-Institut Porto Sprache. Kultur. Deutschland. Cursos de alemão Aprenda alemão com profissionais: O Goethe-Institut do Porto oferece uma vasta

Leia mais

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2015/2016. INFORMAÇÃO Exame a Nível de Escola Equivalente a Nacional. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2015/2016. INFORMAÇÃO Exame a Nível de Escola Equivalente a Nacional. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO Exame a Nível de Escola Equivalente a Nacional ESPANHOL Cont. 11º Ano de Escolaridade Prova 847 2016 Despacho Normativo n.º 1-D/2016 1. Objeto de avaliação A prova a que

Leia mais

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul Escola sede Escola Secundária de S. Pedro do Sul CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Enquadramento legal da avaliação

Leia mais

UNIDADE 1: Linguística, Linguagem e Língua

UNIDADE 1: Linguística, Linguagem e Língua 7 Dedicatória 9 Nota da Autora UNIDADE 1: Linguística, Linguagem e Língua 11 Objectivos da Unidade 11 1. O que é a Linguística? 11 1.1. O que é um linguista? 12 1.2. Qual é a diferença entre a Linguística

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 5º ANO 1º BIMESTRE EIXO CONTEÚDO HABILIDADE ABORDAGEM

LÍNGUA PORTUGUESA 5º ANO 1º BIMESTRE EIXO CONTEÚDO HABILIDADE ABORDAGEM PRÁTIC DE LEITUR ORLIDDE LÍNGU PORTUGUES 5º NO 1º BIMESTRE EIXO CONTEÚDO HBILIDDE BORDGEM Escuta de textos Escutar textos de diferentes gêneros, sobretudo os mais formais, analisando-os criticamente. mpliar

Leia mais

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA COESÃO SEQUENCIAL

PROF. JOSEVAL MARTINS VIANA COESÃO SEQUENCIAL COESÃO SEQUENCIAL As informações contidas no texto jurídico devem progredir em cada parágrafo, fazendo com que o texto caminhe para frente. 1. Conceito de coesão sequencial A coesão sequencial são elementos

Leia mais

Organização da Teleaula. A Significação. Contextualização. Processos Sintáticos e Semânticos em Língua Portuguesa. Teleaula 5. Licenciatura em Letras

Organização da Teleaula. A Significação. Contextualização. Processos Sintáticos e Semânticos em Língua Portuguesa. Teleaula 5. Licenciatura em Letras Processos Sintáticos e Semânticos em Língua Portuguesa Teleaula 5 Prof. Me. Jeferson Ferro tutorialetras@grupouninter.com.br Organização da Teleaula A contribuição das palavras para o significado das sentenças

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Informática Integrado ao Ensino Médio Série/período: 1º ano Carga

Leia mais

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 2009. 1º TEXTO: PRODUZIDO PARA LEITOR- PROFESSOR COM O OBJETIVO DE ESCLARECER O SIGNIFICADO DE LETRAMENTO. Letramento

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Coerência por ser responsável pelo sentido do texto, a coerência é fator fundamental da textualidade. Abrange não só os aspectos lógicos e semânticos,

Coerência por ser responsável pelo sentido do texto, a coerência é fator fundamental da textualidade. Abrange não só os aspectos lógicos e semânticos, ESTÁGIO EM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA AULA 03: REVISANDO ALGUNS CONCEITOS PARA UM TRABALHO PRODUTIVO COM A LÍNGUA PORTUGUESA. TÓPICO 02: PROPRIEDADES DE TEXTUALIDADE Fonte [1] Depois de ler os conceitos

Leia mais

redação e pleno desenvolvimento do tema, atendendo aos limites Atendimento à proposta de propostos. redação e desenvolvimento do

redação e pleno desenvolvimento do tema, atendendo aos limites Atendimento à proposta de propostos. redação e desenvolvimento do Critérios de Correção de Redação Ensino Médio ENSINO MéDIO TExTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO NÍVEL DE DESPENHO E NOTA CORRESPONDENTE Situações que dificultam a correção da produção textual: letra ilegível

Leia mais

> Os elementos de coesão determinam a transição de ideias entre as frases e os parágrafos.

> Os elementos de coesão determinam a transição de ideias entre as frases e os parágrafos. Faculdades de Oliveira FACIJUGO / ISEOL Administração Direito Pedagogia Sistemas de Informação Prof. Ms. João Ribeiro de Barros Fevereiro 2011 COESÃO e COERÊNCIA: Principais padrões da textualidade e do

Leia mais

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais...10

SUMÁRIO. Língua Portuguesa. Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais...10 Língua Portuguesa Leitura e análise de textos... 3 Estruturação do texto e dos parágrafos... 10 Articulação do texto: pronomes e expressões referenciais, nexos, operadores sequenciais...10 Significação

Leia mais

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Como fazer um resumo

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Como fazer um resumo Competências em Literacia da Informação Saber usar a informação de forma eficaz Como fazer um resumo Ana Isabel Roxo 2012 Estudar um tema Principais dificuldades: Saber como planear a realização da tarefa

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA -

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA - AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA - EIXO ESTRUTURANTE: Leitura HABILIDADE H1. Ler palavras com estrutura silábica canônica H2. Ler palavras com estrutura silábica

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014

PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 1 PROVA DE REDAÇÃO NO VESTIBULAR DA UFSM 2014 Prova de redação na perspectiva de gênero textual Com o propósito de avaliar a proficiência dos candidatos na leitura e na escrita pelo uso da língua portuguesa

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

ESPANHOL 1ª e 2ª fase de 2014

ESPANHOL 1ª e 2ª fase de 2014 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL 1ª e 2ª fase de 2014 Prova 15 2014 9ºano de Escolaridade - 3.º Ciclo do Ensino Básico PROVA ESCRITA 50% 1. Objeto de avaliação, características e

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE

UNIDADES TEMÁTICAS PARA A PROVA 1º BIMESTRE - 23/02/2012 DISCIPLINA: PRODUÇÃO DE TEXTO (REDAÇÃO) 1ª SÉRIE DISCIPLINA: MATEMÁTICA 1ª SÉRIE Prova P1 24/02 Progressão Textual 2ª Chamada P1 17/03 Progressão Textual Prova P2 14/03 Elaboração de Narrativa 2ª Chamada P2 31/03 Elaboração de Narrativa Prova P3 04/04 Transposição de Linguagem 2ª Chamada

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA 1 LÍNGUA PORTUGUESA Improcedente. Não se julgam as edições d Os Lusíadas, mas somente as formas variantes. _ 2 LÍNGUA PORTUGUESA NÃO PROCEDE ( ) PROCEDE ( X ) Por proceder o pleito de recorrente, a questão

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 4 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

CONCURSO OFICIAL ESCREVENTE

CONCURSO OFICIAL ESCREVENTE CONCURSO OFICIAL ESCREVENTE Início: 05 /11/13 Previsão de término: 20/12/2013 Período de: 7Semanas Cargos: Oficial Escrevente Horário das aulas segunda à sexta: 19h às 23:00h e possíveis finais de semana.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA 1. Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes manifestações da linguagem verbal e não verbal. 1.2. Depreender, através de leitura do texto,

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE ELEMENTOS COESIVOS NOS TEXTOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

MANIPULAÇÃO DE ELEMENTOS COESIVOS NOS TEXTOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO MANIPULAÇÃO DE ELEMENTOS COESIVOS NOS TEXTOS DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Evanice Ramos Lima Barreto 1 RESUMO: Este trabalho tem por objetivo analisar textos de alunos do ensino fundamental e médio, destacando

Leia mais

COESÃO E COERÊNCIA NOS TEXTOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (COHESION AND COHERENCE IN THE TEXTS OF THE EDUCATION OF THE YOUNG AND ADULTS)

COESÃO E COERÊNCIA NOS TEXTOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (COHESION AND COHERENCE IN THE TEXTS OF THE EDUCATION OF THE YOUNG AND ADULTS) COESÃO E COERÊNCIA NOS TEXTOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (COHESION AND COHERENCE IN THE TEXTS OF THE EDUCATION OF THE YOUNG AND ADULTS) Adriana Aparecida COSSENTINI (Faculdade de Ciências e Letras

Leia mais

Modelagem e Projeto de Banco de Dados I. Caracterização Adicional e Notação

Modelagem e Projeto de Banco de Dados I. Caracterização Adicional e Notação Modelagem e Projeto de Banco de Dados I Caracterização Adicional e Notação Sumário 1 Introdução 2 Estrutura de Generalização e Especialização 3 MCD com Generalização-Especialização 4Agregação 5 Notação

Leia mais

Metodologia Científica - Aula 6 - Fichamento Unidade 2 Seção 3. Profa. Ms. Ana Cabanas 21/03/2016

Metodologia Científica - Aula 6 - Fichamento Unidade 2 Seção 3. Profa. Ms. Ana Cabanas 21/03/2016 Metodologia Científica - Aula 6 - Profa. Ms. Ana Cabanas Fichamento Unidade 2 Seção 3 Comprometimento é tudo! Faça a diferença você também! FICHAMENTO Leitura Leitura Interpretação Escrita Análise crítica

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2017 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO

CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO CURSOS E EXAMES DE ALEMÃO Fevereiro Junho 2017 Goethe-Institut Porto Sprache. Kultur. Deutschland. Cursos de alemão Aprenda alemão com profissionais: O Goethe-Institut do Porto oferece uma vasta gama de

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 1 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre

SOCIEDADE CAMPINEIRA DE EDUCAÇÃO E INSTRUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Média de Qualidade de cada Aspecto por ano/semestre 1º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 1 de19 2º Semestre de 2007 03/08/16 17:03 Pagina 2 de19 1º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 3 de19 2º Semestre de 2008 03/08/16 17:03 Pagina 4 de19 1º Semestre

Leia mais

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ortografia e Produção de Texto Nome:

5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ortografia e Produção de Texto Nome: 5 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de Ortografia e Produção de Texto Nome: Leia este texto e resolva as questões 1 e 2. PÉS NO CHÃO Dos problemas que afligem o Brasil, a educação é o primeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Língua Portuguesa Questão 02 A questão 02 solicita que o candidato reconheça a contradição presente no subtítulo do texto 1 e escolha a alternativa em que há uma correção para essa contradição. O subtítulo

Leia mais

PROJETO DE NIVELAMENTO: REFLEXÕES SOBRE LEITURA, ESCRITA E REGULAÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS DO ALUNO INGRESSANTE

PROJETO DE NIVELAMENTO: REFLEXÕES SOBRE LEITURA, ESCRITA E REGULAÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS DO ALUNO INGRESSANTE 1 PROJETO DE NIVELAMENTO: REFLEXÕES SOBRE LEITURA, ESCRITA E REGULAÇÃO DE PERCURSOS FORMATIVOS DO ALUNO INGRESSANTE COORDENAÇÃO GERAL: PROFª. Drª MARINA PINHEIRO FORTUNATO 1. INTRODUÇÃO O tema deste projeto

Leia mais

Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 8⁰ ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 8⁰ ANO ENSINO FUNDAMENTAL II Excelência acadêmica para a vivência dos valores humanos e cristãos. Admissão de Alunos 2018 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS 8⁰ ANO ENSINO FUNDAMENTAL II CIÊNCIAS 1. A vida nos ambientes Diversidade e evolução

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Contrato de Leitura / Exercício de Expressão Oral Critérios de Avaliação. 1. Domínio da leitura e da escrita (organização e prefácio de uma antologia)

Contrato de Leitura / Exercício de Expressão Oral Critérios de Avaliação. 1. Domínio da leitura e da escrita (organização e prefácio de uma antologia) Contrato de Leitura / Exercício de Expressão Oral Critérios de Avaliação. Domínio da leitura e da escrita (organização e prefácio de uma antologia) Constrói uma antologia, respeitando os pormenores técnicos

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

PROPOSTA DE REDAÇÃO. A importância da solidariedade. Vamos experimentar?

PROPOSTA DE REDAÇÃO. A importância da solidariedade. Vamos experimentar? SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 8 / 0 / 06 III ETAPA PRODUÇÃO DE TEXTO 7.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): N.º: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR:,0 MÉDIA:, RESULTADO:

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e

Quando dividimos uma oração em partes para estudar as diferentes funções que as palavras podem desempenhar na oração e entre as orações de um texto, e MORFOSSINTAXE Quando analisamos a que classe gramatical pertencem as palavras de determinada frase, estamos realizando sua análise morfológica. A morfologia é a parte da gramática que estuda a classificação,

Leia mais

Relatório científico. Abel André C. Recco

Relatório científico. Abel André C. Recco Relatório científico Abel André C. Recco 1. O que é um relatório? Um relatório é uma exposição escrita de um determinado trabalho científico ou experiência realizada no laboratório. Não é apenas uma descrição

Leia mais

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Introdução Relativamente ao Curso Técnico Superior Profissional em Assessoria e Comunicação Organizacional, a área a que se refere o n. 1 do

Leia mais

Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral

Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral Prova de Exame de Equivalência à Frequência de Inglês - (Continuação) Formação Geral Prova 367 2016 10º/11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Introdução O presente documento visa

Leia mais

O EMPREGO DE RECURSOS DE COESÃO EM TEXTOS DE ALUNOS CONCLUINTES DO ENSINO MÉDIO

O EMPREGO DE RECURSOS DE COESÃO EM TEXTOS DE ALUNOS CONCLUINTES DO ENSINO MÉDIO O EMPREGO DE RECURSOS DE COESÃO EM TEXTOS DE ALUNOS CONCLUINTES DO ENSINO MÉDIO Ananias Agostinho da SILVA (UERN) 1 Débora Caruline Pereira SILVA (UERN) 2 Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 15/2015 Campus São João del-rei Tema 01: CONCEPÇÕES DE LÍNGUA E LINGUAGEM Leia os trechos a seguir: [...] a política curricular deve ser entendida como expressão de uma política cultural, na medida em que seleciona conteúdos e práticas

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais