O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se:"

Transcrição

1 Convenções Referências Burge, Tyler, On knowledge and convention, The Philosophical Review, 84 (2), 1975, pp Chomsky, Noam, Rules and Representations, Oxford, Blackwell, Davidson, Donald, Communication and convention, in Inquiries into Truth and Interpretation, Oxford, Oxford University Press, 2001, pp Grice, Paul, Meaning revisited, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mass.), Harvard University Press, 1989, pp Laurence, Stephen, A Chomskian alternative to convention-based Semantics, Mind, 105 (418), 1996, pp Lewis, David, Convention, Oxford, Blackwell, Lewis, David, Languages and Language, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press, 2001, pp Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Clarendon Press, Wilson, Deirdre, and Sperber, Dan, Truthfulness and relevance, Mind, 111 (443), 2002, pp Convenções (segundo Lewis), são regularidades arbitrárias que se auto-perpetuam num determinado grupo, e resultam da solução de problemas de coordenação. Num jogo de coordenação, cada jogador tem de procurar reproduzir as razões que o(s) outro(s) têm para tomar uma decisão; esta reprodução forma parte das suas próprias razões para agir e pensar; e cada um pode reproduzir a reprodução (por outro) das suas razões, e incorporá-la nas suas próprias razões para agir. O resultado desejado é uma situação de equilíbrio. Convenções são regularidades na acção, ou na acção e nas crenças, que são arbritrárias mas se perpetuam porque servem alguma espécie de interesse humano. A conformidade passada [às convenções] alimenta a conformidade futura porque dá razões a 1

2 cada um para continuar a conformar-se, mas há sempre alguma regularidade alternativa que teria servido em seu lugar, e ter-se-ia perpetuado da mesma maneira, bastando para isso que se tivesse iniciado (Lewis, Languages and language ) O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se: (1) Todos conformam-se a R. (2) Todos acreditam que os outros conformam-se a R. (3) A crença de que os outros conformam-se a R dá, a cada um, uma razão boa e decisiva para conformar-se a R. (4) Há uma preferência geral pela conformidade geral a R do que pela conformidade ligeiramente-menos-que-geral. (5) R não é a única regularidade a obedecer às condições (3) e (4). Há pelo menos uma regularidade R que se poderia ter perpetuado em seu lugar (arbitrariedade das convenções). (6) As condições (1)-(5) são objecto de conhecimento comum : são conhecidas por todos, todos sabem que são conhecidas por todos, todos sabem que todos sabem que são conhecidas por todos, etc. 2

3 Lewis: linguagem (sistema formal) e linguagem (rede de práticas) Língua como sistema formal: Uma função que associa frases a significados. O significado de uma frase é, para Lewis, o conjunto dos mundos possíveis em que a frase é verdadeira. Língua como rede de práticas: Conjunto de regularidades (algumas delas convencionais) vigentes numa determinada população, e que consistem na actividade verbal racional, através da qual são comunicadas crenças e realizadas acções. Síntese: o uso de uma língua por uma população. Uma língua é usada por uma população P se e somente se prevalece em P uma convenção de veracidade e confiança em, mantida por um interesse na comunicação (Lewis, Languages and language). Convenção de veracidade e verdade: veracidade da parte do falante e confiança, por parte do ouvinte, de que o falante está a ser veraz. 3

4 Como os papéis de falante e ouvinte se alternam, haverá assim razão para se manter a convenção de veracidade e verdade no interesse de todos. Schiffer (Meaning, 1972): conceito de convenção em Lewis proposto como solução para o projecto de Grice de explicar o significado da frase em termos do significado do falante. Basicamente, o significado da frase, que é independente do contexto, seria a resultante das regularidades com que os falantes usam determinadas expressões em várias ocasiões ( querer dizer ). Essas regularidades também orientariam as expectativas de falantes e ouvintes. A noção de conhecimento mútuo em Schiffer é uma adaptação da noção de conhecimento comum em Lewis. Mas é importante notar que Grice mostrou-se céptico relativamente a uma abordagem puramente convencionalista da significação. Para Grice, a convenção pode ser um dos modos de fixar o significado, mas não é o único. O essencial é que o significado da frase seja visto como o uso óptimo de uma frase para querer dizer algo. ( Meaning revisited, 1982). 4

5 Objecções à abordagem de Lewis (1) As convenções podem não ser o resultado de regularidades de comportamento. Podem ser simplesmente estipuladas. Resposta de Lewis: a sua abordagem é indiferente em relação ao modo como se estabelecem as convenções. Uma convenção, para Lewis, é caracterizada pelo modo como persiste através do tempo, não pelo modo como é criada. Assim, há convenções que são estipuladas, enquanto há outras (como as da linguagem) que emergem a partir de regularidades. Note-se que a abordagem de Lewis foi proposta para evitar o paradoxo da primeira língua: se as convenções fossem definidas como estipulações, como é que os criadores da primeira língua poderiam deliberar para criá-la, se já não falassem uma outra língua? (esta é por exemplo a objecção clássica de Quine à ideia de que a linguagem é convencional). (2) Se o significado de uma frase corresponde às suas condições de verdade, não faz sentido falar em convenções de veracidade e confiança. Falar uma língua implicaria naturalmente expectativas de veracidade e confiança. Resposta de Lewis: Sem dúvida, não faz sentido falar de convenções de veracidade e confiança em geral. O conceito de convenção é sempre relativo a uma língua. Ou seja, as convenções são convenções de veracidade e confiança em. Imagine-se que uma população seguisse a convenção de mentir 5

6 sistematicamente numa determinada língua. Na verdade, estar-seia a seguir a convenção de falar a verdade numa outra língua, em que as condições de verdade das frases seriam o inverso. As expectativas de veracidade e confiança seriam condições essenciais (e não convencionais) para o uso da linguagem em geral. Mas sempre usamos uma língua particular, e neste caso aplica-se, de acordo com Lewis, a abordagem em termos de convenções. (3) (Tyler Burge) As convenções não são fundamentadas exclusivamente por critérios de racionalidade, mas devem-se em muitos casos à pura inércia do hábito. Possível resposta de Lewis: Uma acção pode ser racional (explicada em termos das crenças e desejos do agente) mesmo quando ela é habitual e o agente não pensa nas crenças e desejos que a motivam. Mas se o hábito deixasse de satisfazer os desejos do agente com base nas suas crenças, ele deve ser capaz, ao menos em princípio, de corrigi-lo com base num raciocínio consciente. 6

7 Objecções mais sérias (e sem resposta) Chomsky: Sem dúvida há convenções no uso da linguagem, mas é no mínimo questionável que elas sejam sempre explicadas em termos das razões que as pessoas teriam para segui-las (semelhante à objecção de Burge). Mas mesmo se aceitarmos esta posição, a noção de regularidades aplica-se a um domínio muito restrito do uso efectivo de uma língua, dado que as probabilidades de enunciação de uma frase a qualquer momento são sempre muito reduzidas. Davidson: Há convenções no uso da linguagem, mas elas não são condições necessárias para a comunicação. A comunicação envolve a convergência entre as expectativas de falante e ouvinte, e isso pode dar-se mesmo nos casos em que falante e ouvinte não atribuem o mesmo significado à mesma palavra ou frase. Em suma, em princípio pode haver comunicação mesmo na ausência de convenções. A relação de significação é arbitrária, mas não convencional. Stephen Laurence: Imagine-se uma população isolada. Para esta população, a língua que fala nada tem de convencional. Não se aplicam as condições (5) e (6) da definição de convenção (ou seja, é do conhecimento comum que há pelo menos uma regularidade R alternativa). E a própria convenção de veracidade e confiança é questionável. 7

8 Quando um falante [desta população isolada] produz uma elocução, os outros falantes simplesmente reconhecem que ela tem tais e tais propriedades linguísticas. Eles não têm de acreditar que o falante acredita no conteúdo daquilo que diz [convenção de veracidade e confiança]. Eles não têm de acreditar que o falante acredita que o ouvinte acredita que o falante acredita no conteúdo daquilo que diz [e assim sucessivamente] (Laurence, A Chomskian alternative to convention-based Semantics ). Wilson & Sperber: É simplesmente falso que os falantes e ouvintes estejam a obedecer a uma convenção de veracidade e confiança. A comunicação envolve essencialmente expectativas de relevância (e as expectativas de veracidade, quando se verificam, derivam das expectativas de relevância). Em muitos casos, se não a grande maioria, será mais apropriado dizer algo literalmente falso mas mais relevante (em termos de efeitos cognitivos e esforço de processamento) do que algo estritamente verdadeiro. Exemplos: Que horas são, por favor? São seis e meia (quando são 6h29min32seg; é falso, mas pode ser o mais apropriado em termos de comunicação) Tenho de correr para o banco antes que feche (Se não for a correr, a frase é falsa; mas em termos de comunicação é perfeitamente apropriada) Preciso de um Kleenex (Se aceitar qualquer lenço de papel que não seja um Kleenex, a frase é falsa; mas em termos de comunicação ela é apropriada) 8

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções.

Grice: querer dizer. Projecto de Grice: explicar a significação em termos de intenções. Grice: querer dizer Referências: Grice, Paul, Meaning, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 213-223. Schiffer, Stephen, Meaning, Oxford, Oxford University

Leia mais

Metáfora. Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1998, pp

Metáfora. Companion to the Philosophy of Language, Oxford, Blackwell, 1998, pp Metáfora Referências: Aristóteles, Retórica, Lisboa, INCM, 2005. Black, Max, More about metaphor, in Ortony, Andrew (ed.), Metaphor and Thought (2 nd ed.), Cambridge, Cambridge University Press, 1993,

Leia mais

Searle: Intencionalidade

Searle: Intencionalidade Searle: Intencionalidade Referências: Searle, John, The background of meaning, in Searle, J., Kiefer, F., and Bierwisch, M. (eds.), Speech Act Theory and Pragmatics, Dordrecht, Reidel, 1980, pp 221-232.

Leia mais

Grice, o que é dito e o que é comunicado

Grice, o que é dito e o que é comunicado Grice, o que é dito e o que é comunicado Referências: Grice, Paul, Logic and conversation, in Studies in the Way of Words, Cambridge (Mas.), Harvard University Press, 1989, pp 22-40. Grice, Paul, Meaning,

Leia mais

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press,

Leia mais

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Sintaxe do Português I 1º semestre de 2015 sim, ele chegou! Finalmente! Prof. Dr. Paulo Roberto

Leia mais

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION%

RELAÇÕES%DE%PRESSUPOSIÇÃO%E%ACARRETAMENTO%NA%COMPREENSÃO% DE%TEXTOS% PRESUPPOSITION%AND%ENTAILMENT%RELATIONS%IN%TEXT% COMPREHENSION% RELAÇÕESDEPRESSUPOSIÇÃOEACARRETAMENTONACOMPREENSÃO DETEXTOS PRESUPPOSITIONANDENTAILMENTRELATIONSINTEXT COMPREHENSION KarinaHufdosReis 1 RESUMO: Partindo das definições de pressuposição e acarretamento,

Leia mais

CONTRA O EMPIRISMO DE QUINE

CONTRA O EMPIRISMO DE QUINE DAVIDSON CONTRA O EMPIRISMO DE QUINE Guilherme José Afonso de Carvalho Mestrado Universidade e São Judas Tadeu Bolsista CAPES guilherme.j@gmail.com INTRODUÇÃO É possível dizer que Quine avalia seu próprio

Leia mais

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL)

OPERADORES MODAIS (NA INTERFACE LÓGICA E LINGUAGEM NATURAL) OPERDORES MODIS (N INTERFCE LÓGIC E LINGUGEM NTURL) Jorge Campos & na Ibaños Resumo: É muito comum que se fale em lógica em seu sentido trivial e no uso cotidiano da nossa linguagem. Mas, como se supõe

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Wittgenstein e o Princípio do Contexto

Wittgenstein e o Princípio do Contexto Wittgenstein e o Princípio do Contexto Ana Falcato, IFL FCSH/UNL FLUP 7 de Dezembro de 2012 O Princípio do Contexto Frege, 1882: Introdução aos Fundamentos da Aritmética: «Nunca (devemos) perguntar pelo

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos UM ESTUDO DESCRITIVO E COMPARATIVO DAS PRINCIPAIS PROPOSTAS GERATIVAS Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com RESUMO O presente artigo procura desenvolver um breve estudo descritivo e comparativo

Leia mais

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: http://www.revel.inf.br/pt/edicoes/?mode=especial&id=13

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO: UMA QUESTÃO PRAGMÁTICA

CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO: UMA QUESTÃO PRAGMÁTICA GEDRAT, Dóris Cristina. Construção do significado: uma questão pragmática. Resenha do livro Construção da impessoalidade em sala de aula, de Fátima Cabral Bruno. Revista Virtual de Estudos da Linguagem

Leia mais

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1

ÉTICA E MORAL. O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 ÉTICA E MORAL O porquê de uma diferenciação? O porquê da indiferenciação? 1 Ética e Moral são indiferenciáveis No dia-a-dia quando falamos tanto usamos o termo ética ou moral, sem os distinguirmos. Também

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE 1. INTRODUÇÃO

WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE 1. INTRODUÇÃO WITTGENSTEIN E A NOÇÃO MINIMALISTA DA VERDADE PEREIRA, Julio Henrique Carvalho ; DO CARMO, Juliano Santos Universidade Federal de Pelotas juliohenrique-pereira@hotmail.com Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB

RESUMO. Filosofia. Psicologia, JB RESUMO Filosofia Psicologia, JB - 2010 Jorge Barbosa, 2010 1 Saber se o mundo exterior é real e qual a consciência e o conhecimento que temos dele é um dos problemas fundamentais acerca do processo de

Leia mais

GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO

GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO GESTO E FALA NA LINGUAGEM DA CRIANÇA COM AUTISMO Flávia Gonçalves Calaça de Souza UFPB flavia.ufpb@hotmail.com Juciane Nóbrega Lima UFPB jucy.nobrega@gmail.com INTRODUÇÃO O presente artigo tem como o objetivo

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Contextualismo e anti-contextualismo

Contextualismo e anti-contextualismo Contextualismo e anti-contextualismo Referências: Cappelen, Herman, and Lepore, Ernie, Insensitive Semantics, Oxford, Blackwell, 2005. Kaplan, David, Demonstratives, in Almog, J., Perry, J., and Wettstein,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 1º BIMESTRE 2º SEMESTRE A/B LINGUAGEM JURÍDICA II - PROF. OSVALDO O TEXTO JURÍDICO E SUAS PRINCIPAIS PROPRIEDADES COESÃO REFERENCIAL, RECORRENCIAL

Leia mais

design > comunicação visual Profa. Julie Pires

design > comunicação visual Profa. Julie Pires design > comunicação visual Profa. Julie Pires Teorias do Design 1 [BAV105] DESIGN Design é inventar, projetar, programar, coordenar uma longa lista de fatores humanos e técnicos, traduzir o invisível

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

Descartes e o Raciona. Filosofia 11ºAno Professor Paulo Gomes

Descartes e o Raciona. Filosofia 11ºAno Professor Paulo Gomes Descartes e o Raciona Filosofia 11ºAno Professor Paulo Gomes http://sites.google.com/site/filosofarliberta/ O RACIONALISMO -O Racionalismo é uma corrente que defende que a origem do conhecimento é a razão.

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras ISSN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN

VI Seminário de Iniciação Científica SóLetras ISSN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA POR DIANE LARSEN FREEMAN Beatriz Ferrari Crivari (G UENP/campus Jac) beatrizfcrivari@uol.com.br Caroline Arlindo (G UENP/campus Jac.) carolarlindo@hotmail.com

Leia mais

18 Introdução à. Semântica

18 Introdução à. Semântica 18 Introdução à Semântica 5 Introdução UNIDADE 1: O significado 9 1. Objectivos da Unidade 1 9 1.1. Em busca do sentido 13 1.2. A semiótica 22 1.3. A semântica 30 1.4. A semântica e a cognição UNIDADE

Leia mais

PRAGMÁTICA ILOCUCIONÁRIA E SIGNIFICAÇÃO Lucrécio Araújo de Sá Júnior 1

PRAGMÁTICA ILOCUCIONÁRIA E SIGNIFICAÇÃO Lucrécio Araújo de Sá Júnior 1 PRAGMÁTICA ILOCUCIONÁRIA E SIGNIFICAÇÃO Lucrécio Araújo de Sá Júnior 1 Resumo: Durante o período clássico, filósofos e gramáticos desenvolveram uma teoria ideacional do significado de acordo com as sentenças

Leia mais

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

Saúde Baseada em Evidências Tomada de decisões em saúde baseada em evidências. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Março 2010

Saúde Baseada em Evidências Tomada de decisões em saúde baseada em evidências. Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Março 2010 Saúde Baseada em Evidências Tomada de decisões em saúde baseada em evidências Verônica Abdala BIREME/OPAS/OMS Março 2010 O que é Saúde (Medicina) Baseada em Evidências? MBE (SBE) é o uso consciente, explícito

Leia mais

Nada disto. Sintomas característicos:

Nada disto. Sintomas característicos: Nada disto. Sabemos hoje que a Perturbação de Hiperactividade com Défice da Atenção tem uma base essencialmente neuropsicológica. Assim, compreendemos que o comportamento destas crianças resulta das suas

Leia mais

Sistemas especialistas Fuzzy

Sistemas especialistas Fuzzy Sistemas Fuzzy Sistemas especialistas Fuzzy Especialistas Senso comum para resolver problemas Impreciso, inconsistente, incompleto, vago Embora o transformador esteja um pouco carregado, pode-se usá-lo

Leia mais

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Msc. Saulo Popov Zambiasi (saulopz@gmail.com) Informação - ICPG - Criciuma - SC 1 Conceitos de Inteligência e Inteligência Artificial.

Leia mais

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa

Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa SINTAXE DO PORTUGUÊS I AULA 1-2015 Tema: (i) Introdução ao curso de sintaxe do português de base gerativa Profa. Dra. Márcia Santos Duarte de Oliveira FFFLCH-DLCV/ USP marcia.oliveira@usp.br n O linguista

Leia mais

Análise das Interacções verbais Abordagens antropológica, linguística e sociológica

Análise das Interacções verbais Abordagens antropológica, linguística e sociológica Análise das Interacções verbais Abordagens antropológica, linguística e sociológica Sessão 7 Condicionamentos, regras e normas das interacções verbais FCSH 2º semestre 2011-2012 FIGURAÇÃO ( FACEWORK )

Leia mais

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

AULA 2. Texto e Textualização. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º AULA 2 Texto e Textualização Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br O QUE É TEXTO? Para Costa Val, texto = discurso. É uma ocorrência linguística falada ou escrita,

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010 UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO MICROECONOMICS 2009/2010 References: - Gibbons, R. (1992), A Primer in Game Theory, Harvester Wheatsheaf (G) - Mas-Collel, A., M.

Leia mais

Formador Residente, Maurício Ferreira

Formador Residente, Maurício Ferreira A Compreensão do Oral A compreensão do oral consiste na atribuição de significado a cadeias fónicas produzidas de acordo com a gramática da língua. Formador Residente, Maurício Ferreira Factores de compreensão

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO

TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO TEXTO E TEXTUALIDADE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO O que é texto? TEXTO - escrito ou oral; O que as pessoas têm para dizer umas às outras não são palavras nem frases isoladas, são textos; TEXTO - dotada de unidade

Leia mais

O método interrogativo. António Rosado

O método interrogativo. António Rosado O método interrogativo António Rosado O método Interrogativo Baseia-se na aprendizagem com base em perguntas feitas ao formando e posterior correcção do formador. Método demorado e muito exigente. Pode

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Mundos sucientes e tempo, aula 2 de Aulas Informais de Semântica Formal (Bach 1987) Luiz Arthur Pagani

Mundos sucientes e tempo, aula 2 de Aulas Informais de Semântica Formal (Bach 1987) Luiz Arthur Pagani Mundos sucientes e tempo, aula 2 de Aulas Informais de Semântica Formal (Bach 1987) Luiz Arthur Pagani 1 Que tipo de estrutura de modelos é apropriada ou adequada para as línguas naturais? (p. 15) gramática

Leia mais

A Revolução Marginalista. Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível I do CNPq.

A Revolução Marginalista. Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível I do CNPq. A Revolução Marginalista Prof. José Luis Oreiro Departamento de Economia UnB Pesquisador Nível I do CNPq. Uma Revolução Paradigmática A descoberta simultânea do conceito de utilidade marginal decrescente

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL

INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A Inteligência Computacional (IC), denominada originalmente de Inteligência Artificial (IA), é uma das ciências

Leia mais

Descartando Descartes

Descartando Descartes Descartando Descartes Este livro foi criado com o proposito de ser independente e de ser, pessoalmente, o meu primeiro trabalho como escritor. Isaac Jansen - 2015 Quem foi René Descartes? Dono da razão,

Leia mais

Pensamento e Comportamento controlado por Regras. Psicologia Comportamental. Definição de Auto regras. Definição de Regras

Pensamento e Comportamento controlado por Regras. Psicologia Comportamental. Definição de Auto regras. Definição de Regras Psicologia Comportamental Pensamento e Comportamento controlado por Regras Sugestão de discussão: Comportamento sob controle de regras na clínica comportamental Luciana Verneque Definição de Regras Comportamento

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação O uso consciente da tecnologia para o gerenciamento Prof. Msc. Christien Lana Rachid Organização 1. Vínculo Administração-Tecnologia 2. Introdução a sistemas 3. Empresas e Sistemas

Leia mais

antropologia & cultura

antropologia & cultura antropologia & cultura carlos joão correia estudos africanos filosofia artes & humanidades 2011-2012/2ºsemestre Dopamina Serotonina Acetilcolina Glutamato Opiáceos (ex: endorfinas) Noradrelanina... a presença

Leia mais

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner

A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Perspectiva Ecológica do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner A Ecologia do Desenvolvimento Humano O Microsistema O Mesosistema O Exosistema O Macrosistema Copyright, 2005 José Farinha, Prof.

Leia mais

produziu mais cedo será sempre anterior ao que se produziu mais tarde. Quanto aos conceitos temporais, Elias escreve:

produziu mais cedo será sempre anterior ao que se produziu mais tarde. Quanto aos conceitos temporais, Elias escreve: 5 O Conceito Tempo Entender e conceituar o tempo sempre foi um desafio para o homem. Isaac Newton (1643 1727) criou o conceito de tempo absoluto, verdadeiro, matemático que flui constante e uniformemente.

Leia mais

Teoria Geral dos Sistemas

Teoria Geral dos Sistemas Teoria Geral dos Sistemas Sistemas de Informação SIN0001 Turma B Prof. Ricardo Jose Pfitscher Material cedido por: Prof. Gerson Volney Lagemann Cronograma Introdução Sistemas Leis Universais dos Sistemas

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive

O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive 1 O Futuro da Auditoria Interna: Tendências e requisitos fundamentais do Chief Audit Executive DEFINIÇÃO DE AUDITORIA INTERNA "A auditoria interna é uma atividade independente, de garantia objetiva e consultiva,

Leia mais

O Positivismo de Augusto Comte. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior

O Positivismo de Augusto Comte. Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior O Positivismo de Augusto Comte Professor Cesar Alberto Ranquetat Júnior Augusto Comte (1798-1857). Um dos pais fundadores da Sociologia. Obras principais: Curso de Filosofia Positiva. 6 volumes. (1830-1842).

Leia mais

O MITO DO FALANTE NATIVO E A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE DE FUTUROS PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

O MITO DO FALANTE NATIVO E A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE DE FUTUROS PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA O MITO DO FALANTE NATIVO E A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADE DE FUTUROS PROFESSORES DE LÍNGUA INGLESA COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Paula Carolina Fernandes Montenegro Adelaide Augusta Oliveira Universidade do Estado

Leia mais

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social Preâmbulo A Associação Central das Indústrias Electrónicas e Electrotécnicas, associação registada, (ZVEI) e as suas empresas afiliadas reconhecem

Leia mais

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ

Metodologia de Dissertação II. Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Metodologia de Dissertação II Renata Lèbre La Rovere IE/UFRJ Definição Análise de Conteúdo Análise de Conteúdo se define como um "conjunto de técnicas de análise das comunicações e aposta no rigor do método

Leia mais

A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS

A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS A RECUSA DE UMA RELAÇÃO DE DETERMINAÇÃO NAS INVESTIGAÇÕES FILOSÓFICAS Raphaela Silva de Oliveira Universidade Ferderal de São Paulo Mestranda Resumo: Pretendo expor panoramicamente, a partir da apresentação

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (Carga horária:

Leia mais

"Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és

Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és "Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és a utilização de expressões multipalavras como marcadores de discurso Rui Sousa Silva sousasrm@aston.ac.uk Idiossincrasias na linguagem Língua: exprime/reflecte

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

Técnicas de Animação Pedagógica. gica

Técnicas de Animação Pedagógica. gica Técnicas de Animação Pedagógica gica Educação SéniorS 1 A intervenção educativa com idosos deve incluir-se no quadro da educação de adultos. Idoso Adulto Segregação Categoria abrangente Áreas de Intervenção

Leia mais

O que é a Qualidade?

O que é a Qualidade? O que é a Qualidade? 1 Sumário O que é a Qualidade? Definições de qualidade Porque é que a qualidade é importante? A evolução da qualidade A gestão pela qualidade total Conclusões Bibliografia 2 O que

Leia mais

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Filosofia Teste Intermédio Filosofia Duração do Teste: 90 minutos 22.02.2011 10.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Utilize apenas caneta ou esferográfica

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

5 AULA. Teorias Axiomáticas LIVRO. META: Apresentar teorias axiomáticas.

5 AULA. Teorias Axiomáticas LIVRO. META: Apresentar teorias axiomáticas. 1 LIVRO Teorias Axiomáticas 5 AULA META: Apresentar teorias axiomáticas. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Criar teorias axiomáticas; Provar a independência dos axiomas de uma

Leia mais

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS.

METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. METÁFORA: ANALISANDO COMO A METAFORA É PRATICADA EM SALA DE AULA E COMO PODERIA SER TRABALHADA EM SALA DE AULA. COMPREENDENDO TEORIAS. Nome dos autores: Leane da Silva Ferreira, Dieysa Kanyela Fossile.

Leia mais

NATUREZA DO CONHECIMENTO

NATUREZA DO CONHECIMENTO NATUREZA DO CONHECIMENTO CONHECER E PENSAR Conhecer e pensar são uma necessidade para o ser humano e indispensável para o progresso. Sabemos que existimos porque pensamos. Se nada soubéssemos sobre o universo

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano (Carga horária: Português

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER

RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER RESENHA A HISTÓRIA DAS IDÉIAS NA PERSPECTIVA DE QUENTIN SKINNER Vander Schulz Nöthling 1 SKINNER, Quentin. Meaning and Understand in the History of Ideas, in: Visions of Politics, Vol. 1, Cambridge: Cambridge

Leia mais

A Acção e os Valores

A Acção e os Valores Módulo II A Acção Humana e os Valores Vimos no módulo anterior que a Filosofia se apresenta como reflexão crítica sobre o homem enquanto inserido num complexo tecido de relações com o mundo (natural e

Leia mais

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia

RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia RAFAEL RIBEIRO SILVA PROJETO DE PESQUISA Linha de Pesquisa: Metafísica e Epistemologia Salvador 2010 RAFAEL RIBEIRO SILVA ASCE SÃO SEMÂ TICA E O PRI CÍPIO DO CO TEXTO A OBRA DE MICHAEL DUMMETT Salvador

Leia mais

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein

Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein Algumas considerações sobre a primeira pessoa segundo a filosofia intermediária de Wittgenstein NOME DO AUTOR: Priscilla da Veiga BORGES; André da Silva PORTO. UNIDADE ACADÊMICA: Universidade Federal de

Leia mais

ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS ANO DE ESCOLARIDADE 4º ANO 1º ANO 3º ANO 2º ANO

ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS ANO DE ESCOLARIDADE 4º ANO 1º ANO 3º ANO 2º ANO ACTIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA ORIENTAÇÕES PROGRAMÁTICAS DE ESCOLARIDADE ÁREA FÍSICAS DESPORTIVAS AVALIAÇÃO MATÉRIAS 1 - Exploração da Natureza Descoberta do meio ambiente, através da sua exploração. 2

Leia mais

A pontualidade e o uso dos conectivos temporais em PL2E: entendendo a cultura para entender a gramática

A pontualidade e o uso dos conectivos temporais em PL2E: entendendo a cultura para entender a gramática A pontualidade e o uso dos conectivos temporais em PL2E: entendendo a cultura para entender a gramática Adriana ALBUQUERQUE (PUC-Rio, Rio de janeiro Brasil) 1. Introdução O processo de ensino e aprendizagem

Leia mais

Senhor Presidente, Senhores Deputados, Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente, Senhores Deputados, Senhores Membros do Governo Intervenção proferida pelo Deputado Aires Reis, na Assembleia Regional no dia 20 de Fevereiro de 2003, sobre a necessidade de um Plano de Intervenção e de Desenvolvimento para cada uma das ilhas dos Açores.

Leia mais

Carreira bem sucedida: Sorte ou Planejamento? Wilson Gellacic

Carreira bem sucedida: Sorte ou Planejamento? Wilson Gellacic Carreira bem sucedida: Sorte ou Planejamento? 1 Agenda 1. O contexto atual 2. O que é sucesso profissional 3. Competências necessárias 4. Uma visão sistêmica 5. A diferença que faz a diferença 6. Roadmap

Leia mais

Explanans Explanandum

Explanans Explanandum MODELO NOMOLÒGICO-DEDUTIVO O que é uma explicação científica? Estrutura básica de uma explicação QUESTÃO Explanans Explanandum São as razões/justificações explicativas do facto O facto a seu explicado

Leia mais

Sobre Pragmática e Semântica. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º

Sobre Pragmática e Semântica. Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º Sobre Pragmática e Semântica Prof. Daniel Mazzaro Vilar de Almeida 2013/1º daniel.almeida@unifal-mg.edu.br OLIVEIRA, Roberta Pires de. O campo da semântica Fazendo ciência do significado. In:. Semântica

Leia mais

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo

NOÇÕES DE PRAGMÁTICA. Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo NOÇÕES DE PRAGMÁTICA Introdução aos Estudos de Língua Portuguesa II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo 17.08.2015 Situando a Pragmática no seio das disciplinas da Linguística O aspecto pragmático

Leia mais

HEITOR AUGUSTO S. FERREIRA MARIANA SILVA INÁCIO THAIS SEIDEL TEORIA DOS JOGOS

HEITOR AUGUSTO S. FERREIRA MARIANA SILVA INÁCIO THAIS SEIDEL TEORIA DOS JOGOS HEITOR AUGUSTO S. FERREIRA MARIANA SILVA INÁCIO THAIS SEIDEL TEORIA DOS JOGOS Trabalho apresentado à disciplina de Teoria das Relações Internacionais. Curso de Graduação em Relações Internacionais, turma

Leia mais

Intra empreendedorismo Eva Vieira

Intra empreendedorismo Eva Vieira Intra empreendedorismo Eva Vieira contato@evavieira.com.br Um empreendedor é uma pessoa imaginativa,caracterizada por uma capacidade de fixar alvos e objetivos Filion (1986) O empreendedor não perde a

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Aula de 12/08/2013 Introdução 1 2 Grade Curricular para Ciência da Computação 3 Grade Curricular para Engenharia da Computação Grade Curricular para Sistemas de Informação

Leia mais

Competência comunicativa e comunicação interpessoal

Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência comunicativa e comunicação interpessoal Competência Definição de competência comunicativa O comunicador competente A relação competente Melhorar a competência comunicativa COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL

Leia mais

SEXUALIDADE - definição

SEXUALIDADE - definição A sexualidade SEXUALIDADE - definição É uma energia que nos motiva a procurar o amor, contacto, ternura, intimidade; que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos, e somos tocados; é ser-se

Leia mais

5 mentiras que contamos para não sair da zona de conforto

5 mentiras que contamos para não sair da zona de conforto 5 mentiras que contamos para não sair da zona de conforto Você já adiou por muito tempo algum empreendimento ou atividade e depois acabou sendo forçado a tomar uma atitude? Talvez você se veja nessa situação

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE

CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE CONHECIMENTO, REALIDADE E VERDADE SERÁ QUE TUDO QUE VEJO É REAL e VERDADEIRO? Realidade Realismo A primeira opção, chamada provisoriamente de realismo : supõe que a realidade é uma dimensão objetiva,

Leia mais

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid

Racionalismo. René Descartes Prof. Deivid Racionalismo René Descartes Prof. Deivid Índice O que é o racionalismo? René Descartes Racionalismo de Descartes Nada satisfaz Descartes? Descartes e o saber tradicional Objetivo de Descartes A importância

Leia mais

Sistemas Baseados em Conhecimento

Sistemas Baseados em Conhecimento Sistemas Baseados em Conhecimento Profa. Josiane M. P. Ferreira Baseado no capítulo 2 do livro Sistemas Inteligentes Fundamentos de Aplicações, organizadção: Solange Oliveira Rezende, ed. Manole, 2005.

Leia mais

Comportamentalismo e Teoria da Aprendizagem Social. Psicologia da Educação II UAB Profa. Simone Paludo

Comportamentalismo e Teoria da Aprendizagem Social. Psicologia da Educação II UAB Profa. Simone Paludo Comportamentalismo e Teoria da Aprendizagem Social Psicologia da Educação II UAB Profa. Simone Paludo Comportamentalismo É possível modificar o indivíduo, condicionando seus comportamentos através de estímulos

Leia mais

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus?

Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? A ESSÊNCIA DE TUDO, O Que Significa Ser Feito à Imagem de Deus? Nº3 Você já se perguntou o que significa ser feito à imagem e semelhança de Deus? Em Gênesis 1:26 27 (ESV), a Bíblia diz: E disse Deus: Façamos

Leia mais

Lógica e Raciocínio. Introdução. Universidade da Madeira.

Lógica e Raciocínio. Introdução. Universidade da Madeira. Lógica e Raciocínio Universidade da Madeira http://dme.uma.pt/edu/ler/ Introdução 1 Lógica... é a ciência que estuda os princípios e aproximações para estabelecer a validez da inferência e demonstração:

Leia mais