GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GLAUCOMA PRIMÁRIO DE ÂNGULO ABERTO (GPAA)"

Transcrição

1 Prof. F. Falcão dos Reis 2006 DEFINIÇÃO Um suspeito de glaucoma é um indivíduo com achados físicos e/ou uma constelação de factores de risco que indicam uma probabilidade elevada de desenvolver Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (GPAA). A definição exclui causas secundárias conhecidas com potencial para glaucoma de ângulo aberto como pseudo esfoliação, dispersão de pigmento, e ressecção de ângulo traumática. Achados Físicos Característicos Os achados clínicos que definem um suspeito de glaucoma num indivíduo com ângulos da câmara anterior abertos na gonioscopia são um ou mais do que um dos seguintes: Aparência do disco óptico ou da camada de fibras nervosas retiniana que é suspeita de lesão glaucomatosa. Um campo visual com suspeita de lesão glaucomatosa. Elevações consistentes da pressão intra ocular (PIO) com aparência normal do disco óptico e da camada de fibras nervosas retinianas e com testes de campos visuais normais. Principais Factores de Risco para a Conversão em Glaucoma Medição de PIO elevada Idade avançada História familiar de glaucoma Ascendência Africana ou Hispânica/Latina Espessuras centrais corneanas reduzidas 1

2 POPULAÇÃO DE DOENTES A população de doentes inclui adultos com ângulos de câmara anterior abertos na gonioscopia com um ou mais dos achados clínicos listados na Definição. PLANO DE ACTIVIDADE Identificação e tratamento de pacientes suspeitos de GPAA. PROPÓSITO O propósito do tratamento é preservar a função visual e melhorar a saúde do paciente e a sua qualidade de vida detectando a lesão glaucomatosa do nervo óptico precocemente e diminuir a PIO em pacientes com um risco elevado de perda da função visual. OBJECTIVOS Identificar pacientes com um risco elevado de desenvolver lesão glaucomatosa do nervo óptico. Estabelecer uma linha de base para comparação futura (exemplo: medições da PIO; medição da espessura central da córnea, campos visuais, disco óptico e camada de fibras nervosas). Identificar pacientes que desenvolvem lesão glaucomatosa do nervo óptico numa fase inicial (manifestado por anomalias típicas ou progressivas do nervo óptico ou camada de fibras nervosas ou então por perdas glaucomatosas dos campos visuais), e tratá las de acordo. Identificar um subgrupo de suspeitos de glaucoma que apresentam um risco particularmente elevado de desenvolver neuropatia óptica glaucomatosa. Neste grupo estão incluídos dois tipos de indivíduos: i) aqueles sem neuropatia óptica glaucomatosa mas em que é razoável esperar que venham a desenvolver lesão devido à presença de um ou mais achados clínicos ou factores de risco e ii) aqueles que podem já apresentar neuropatia óptica glaucomatosa mas que ainda não pode ser diagnosticada com certeza porque os resultados das técnicas de exame actualmente disponíveis não são conclusivos. 2

3 Considerar tratamento em indivíduos de alto risco para prevenir ou retardar o desenvolvimento de neuropatia óptica glaucomatosa. Minimizar os efeitos secundários do tratamento e o seu impacto na visão do paciente, saúde e qualidade de vida em geral. Educar e envolver o paciente no tratamento da sua doença. DETECÇÃO As alterações consistentes com a definição de suspeito de GPAA podem ser identificadas durante uma avaliação médica ocular. A frequência com que é recomendado o exame ocular para a população em geral baseada na idade e na presença de factores de risco consta da tabela 1. Estas linhas de orientação representam um consenso de um painel de especialistas na ausência de evidência científica conclusiva na literatura. PRINCIPAIS RECOMENDAÇÕES Diagnóstico A avaliação inicial de um suspeito de glaucoma (história e exame físico) inclui todos os componentes da avaliação ocular médica do adulto juntamente com uma atenção especial aos factores que são fundamentais para o diagnóstico, curso e tratamento dos suspeitos de glaucoma. História A avaliação inicial de um suspeito de glaucoma inclui a revisão dos antecedentes oculares, sistémicos e familiares. Inclui também uma avaliação do impacto da função visual nas actividades quotidianas; revisão dos registos pertinentes com referência particular ao estado do nervo óptico, campos visuais e PIO; cirurgia ocular; medicação ocular e sistémica em curso; intolerância a fármacos, quer sistémicos quer oculares; gravidade e resultados em familiares com glaucoma, incluindo história de perda visual por glaucoma. 3

4 Exame Físico Pupila As pupilas são examinadas para pesquisar um defeito pupilar aferente. Segmento anterior O exame ocular do segmento anterior por lâmpada de fenda pode fornecer evidência de achados físicos associados com ângulos estreitos, patologia corneana, ou um mecanismo secundário responsável pelo aumento da PIO como a pseudo esfoliação, dispersão de pigmento, neovascularização do ângulo ou da íris ou inflamação intraocular. Pressão intraocular A PIO é medida em cada olho utilizando preferencialmente um método de aplanação de contacto (tipicamente um tonómetro de Goldmann) antes da gonioscopia ou da dilatação pupilar. A hora deve ser registada devido à variação diária da PIO. Espessura central da córnea A medição da espessura central da córnea (paquimetria) ajuda na interpretação dos resultados da medição da PIO e na estratificação do risco. Os métodos de medição incluem a paquimetria óptica e ultrassónica. Gonioscopia O diagnóstico de suspeita de GPAA requer a avaliação da câmara anterior para excluir ângulo fechado ou causas secundárias de elevação da PIO tais como recuo do ângulo, dispersão de pigmento, sinéquias anteriores periféricas, neovascularização e precipitados trabeculares. Cabeça do nervo óptico e camada de fibras nervosas da retina A técnica preferida para a avaliação do nervo óptico e da camada de fibras nervosas retinianas envolve a visualização ampliada e estereoscópica (com o biomicroscópio de lâmpada de fenda) preferencialmente através de uma pupila dilatada. A 4

5 Impossibilidade de dilatar a pupila (ou motivos médicos para não dilatar) deve ser registada. A estereofotografia a cores ou a análise imagiológica computorizada da cabeça do nervo óptico e da camada de fibras nervosas retinianas são actualmente os melhores métodos de documentação da morfologia do disco óptico e devem ser efectuadas. Na ausência destas tecnologias, uma fotografia não estereoscópica ou um desenho detalhado da cabeça do nervo óptico devem ser registados, no entanto estas são alternativas menos desejáveis do que a estereofotografia ou a imagiologia computorizada. Fundo ocular O exame do fundo ocular, através de uma pupila dilatada quando possível, inclui a procura de outras anomalias que podem ser a causa de defeitos dos campos visuais se presentes (palidez do nervo óptico, disco inclinado, drusas no disco, fossetas do nervo óptico, hipoplasia do nervo óptico, doença neurológica, degenerescência macular e outras doenças da retina. Campos visuais A técnica preferencial para a avaliação dos campos visuais é a perimetria automatizada estática com uma estratégia de limiar utilizando ou o estímulo brancosobre branco padrão ou o estímulo de comprimento de onda curto (shortwavelength automated perimetry SWAP, azul sobre amarelo). Outras causas para a perda de campos visuais por outros motivos que não a neuropatia óptica glaucomatosa devem ser pesquisados e avaliados durante a história clínica e o exame físico. Campos visuais não fidedignos ou que mostrem um possível novo defeito glaucomatoso, devem ser objecto de nova avaliação confirmatória. É importante utilizar sempre a mesma estratégia de exames quando os testes de campos visuais são repetidos. 5

6 AVALIAÇÃO NO FOLLOW-UP As linhas de orientação para a frequência de consultas no follow up estão especificadas na tabela 2. Estas linhas de orientação representam o consenso de um painel de especialistas na ausência de evidências científicas conclusivas na literatura. A interacção entre o paciente e a doença é única para cada paciente. O seguimento deve ser individualizado tendo isto em mente. História História ocular no período entre as consultas História clínica sistémica no período entre as consultas e qualquer alteração na medicação sistémica Efeitos secundários da medicação ocular se o doente a estiver a ser tratado Frequência e hora da última medicação hipotensora e revisão da utilização medicamentosa se o paciente estiver a ser tratado Exame Físico Acuidade visual Biomicroscopia com lâmpada de fenda PIO e hora do dia da medição A avaliação e documentação da cabeça do óptico e a avaliação dos campos visuais devem ser efectuadas, pelo menos, com a periodicidade recomendada na Tabela 2. A gonioscopia é recomendada quando há suspeita de um componente de ângulo fechado, câmara anterior baixa, anomalias angulares da câmara anterior, ou se houver uma alteração não explicada na PIO. A gonioscopia deve ser efectuada periodicamente (isto é, cada 1 5 anos). 6

7 CONVERSÃO DE SUSPEITO DE GPAA PARA GPAA Qualquer doente que apresente evidência de deterioração do nervo óptico baseado na aparência da cabeça do nervo óptico, aumento da escavação do disco óptico, perda da camada de fibras nervosas retiniana ou alterações dos campos visuais consistentes com lesão glaucomatosa devem ser classificados como tendo desenvolvido GPAA e tratados de acordo. RECOMENDAÇÕES AOS DOENTES / REFERENCIAÇÃO Deve ser dada informação ao doente sobre o processo da doença e sobre a razão e os objectivos da terapêutica, o estado da sua condição e os benefícios relativos e riscos de intervenções alternativas de forma a poder participar no desenvolvimento de um plano de acção apropriado. Os doentes devem ser encorajados a alertar o oftalmologista para mudanças físicas ou emocionais que ocorram quando estiverem a fazer medicação para o glaucoma. O oftalmologista deve ser sensível a estes problemas e dar o suporte necessário. Tabela 1 Frequência recomendada para A avaliação médica ocular completa Idade (anos) Com factores de risco para Glaucoma Sem factores de risco conhecidos meses 1 2 anos anos 1 3 anos anos 2 4 anos < anos 5 10 anos Tabela 2 Frequências recomendadas para Consulta de Follow up e Avaliação da Cabeça do Nervo Óptico e dos Campos Visuais Tratamento PIO alvo atingida Alto Risco Intervalo entre consultas (meses) Intervalo para avaliação CNO e FO (meses) Não n/d Não Não n/d Sim Sim Sim Sim Sim Não Sim CNO Cabeça do Nervo Óptico; FO Fundo Ocular; PIO Pressão Intra Ocular. 7

Conselho Internacional de Oftalmologia. Instruções Clínicas Internacionais. Fechamento Angular Primário (Avaliação Inicial e Tratamento)

Conselho Internacional de Oftalmologia. Instruções Clínicas Internacionais. Fechamento Angular Primário (Avaliação Inicial e Tratamento) Abril de 2007 Conselho Internacional de Oftalmologia Instruções Clínicas Internacionais Fechamento Angular Primário (Avaliação Inicial e Tratamento) (Classificações: A: importantíssimo, B: importância

Leia mais

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares

Dr. Marcelo Palis Ventura. Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi. Volume 1. Conceito e Diagnóstico. Volume 2. Exames complementares Introdução Glaucoma pode ser definido como um grupo complexo de doenças caracterizadas pela degeneração progressiva das células ganglionares da retina e perda progressiva da visão, sendo a pressão ocular

Leia mais

1 a 2 % Introdução. Panorama Mundial. A prevalência do glaucoma no mundo é de aproximadamente

1 a 2 % Introdução. Panorama Mundial. A prevalência do glaucoma no mundo é de aproximadamente Coleção Glaucoma Coordenador: Dr. Carlos Akira Omi Volume 1. Conceito e Diagnóstico Volume 2. Exames complementares Volume 3. Tratamento clínico Volume 4. Tratamento cirúrgico Introdução O glaucoma é uma

Leia mais

A PREVENÇÃO faz a diferença

A PREVENÇÃO faz a diferença A Visão é um dos órgãos dos sentidos mais importantes Teve uma importância essencial no processo de desenvolvimento humano. A relação do homem com o mundo ganhou maior abrangência e segurança ao adquirir

Leia mais

SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA

SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA S. Pina, A. R. Azevedo, F. Silva, A. Gonçalves, S. Alves, D. Cavalheiro, F. Vaz, P. Kaku, F. Esperancinha SERVIÇO DE OFTALMOLOGIA HOSPITAL PROF. DR. FERNANDO FONSECA Director Serviço: Dr. António Melo

Leia mais

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Introdução Estes são os pontos de referência para as diretrizes dos Padrões de Práticas Preferenciais (PPP) da Academia. A série

Leia mais

Medição da Pressão Intra-Ocular

Medição da Pressão Intra-Ocular Hospital Professor Doutor Fernando da Fonseca Internato Complementar de Oftalmologia Medição da Pressão Intra-Ocular Mário Ramalho Consulta de Glaucoma: Dr. Florindo Esperancinha; Dr. Paulo Kaku; Dr. Fernando

Leia mais

Ana Cláudia Matos 1 Cristiana Gaspar 1 Marisa Alexandra Duarte 1 Patrícia Alexandra Marques 1 Ilda Maria Poças 2 Carina Silva Fortes 2

Ana Cláudia Matos 1 Cristiana Gaspar 1 Marisa Alexandra Duarte 1 Patrícia Alexandra Marques 1 Ilda Maria Poças 2 Carina Silva Fortes 2 Ana Cláudia Matos 1 Cristiana Gaspar 1 Marisa Alexandra Duarte 1 Patrícia Alexandra Marques 1 Ilda Maria Poças 2 Carina Silva Fortes 2 1.Ortoptistas 2.Docentes da ESTeSL. Lisboa, Outubro de 2011 1 Introdução

Leia mais

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES

Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES Mini ebook DOENÇAS OFTALMOLÓGICAS NA TERCEIRA IDADE ALERTAS E RECOMENDAÇÕES A manutenção da saúde ocular está diretamente relacionada com os exames de rotina realizados por um médico oftalmologista, em

Leia mais

de 5 ml) Anexos - Relato detalhado do médico assistente. Obrigatórios - Formulários médico e farmacêutico, devidamente preenchidos

de 5 ml) Anexos - Relato detalhado do médico assistente. Obrigatórios - Formulários médico e farmacêutico, devidamente preenchidos GLAUCOMA Portaria SAS/MS n 1279 19/11/2013 CID 10 H40.1; H40.2; H40.3; H40.4; H40.5; H40.6; H40.8; Q15.0 Medicamento BIMATOPROSTA BRIMONIDINA BRINZOLAMIDA DORZOLAMIDA Apresentação 0,3 mg/ml solução 2,0

Leia mais

INSTITUI A "CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

INSTITUI A CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Projeto de Lei Nº 38/2010 INSTITUI A "CAMPANHA MUNICIPAL DE PREVENÇÃO DO GLAUCOMA" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Santa Bárbara d Oeste decreta: Art. 1 - Fica instituída a CAMPANHA MUNICIPAL

Leia mais

Ectasias Tratamento Cirurgia Refractiva a LASER Sim ou Não?? Paulo Torres Departamento de Córnea e Superfície Ocular Hospital Santo António CHP U.P., ICBAS Cirurgia Refractiva a Laser Contraindicações

Leia mais

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA

BIOMICROSCOPIA ÓPTICA Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Serviço de Oftalmologia Director de Serviço: Dr. António Melo BIOMICROSCOPIA ÓPTICA 15 de Junho de 2012 Catarina Pedrosa, Susana Pina, Ana Azevedo, Cristina Santos,

Leia mais

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide

Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Normas de cuidados para as pessoas com artrite reumatóide Tradução para: Feita por: E mail: NdC 1 As pessoas com sintomas de AR devem ter acesso atempado a um médico / profissional de saúde competente

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

Óculos poderão detectar glaucoma antes do surgimento dos sintomas

Óculos poderão detectar glaucoma antes do surgimento dos sintomas Pesquisadores da Universidade Duke e da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e da National Chiao Tung, na China, desenvolveram uma tecnologia inédita de realidade virtual capaz de realizar o

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

pupila Íris ESCLERA CORPO CILIAR COROIDE ÍRIS HUMOR VÍTREO LENTE RETINA CÓRNEA NERVO ÓPTICO

pupila Íris ESCLERA CORPO CILIAR COROIDE ÍRIS HUMOR VÍTREO LENTE RETINA CÓRNEA NERVO ÓPTICO ANÁTOMO-FISIOLOGIA Prof a. Dr a. Aline A. Bolzan - VCI/FMVZ/USP REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DO OLHO BULBO DO OLHO TÚNICAS ou CAMADAS Pupila Íris Fibrosa (externa) córnea e esclera Vascular (média) úvea ou

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde

Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências. Avaliação de Tecnologias em Saúde Câmara Técnica de Medicina Baseada em Evidências Avaliação de Tecnologias em Saúde Sumário de evidências e recomendações para o uso de tomografia de coerência óptica em pacientes com glaucoma Porto Alegre,

Leia mais

Formação para Agentes de Desporto Novembro Ilda Maria Poças

Formação para Agentes de Desporto Novembro Ilda Maria Poças Novembro 2015 Ortoptista Prof. Coordenadora Especialista Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Sumário Campos visuais conceitos Campimetria - Objectivos - O Exame A Via Óptica Alterações do

Leia mais

O PREDNIOCIL pomada oftálmica, possui na sua composição como única substância activa o Acetato de Prednisolona na concentração de 5 mg/g.

O PREDNIOCIL pomada oftálmica, possui na sua composição como única substância activa o Acetato de Prednisolona na concentração de 5 mg/g. PROJECTO DE FOLHETO INFORMATIVO PREDNIOCIL ACETATO DE PREDNISOLONA POMADA OFTÁLMICA Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.

Leia mais

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 DEGENERESCÊNCIA

Leia mais

MCDT realizados e Tempos de Espera (conforme n.º 6 do Despacho n.º 10430/2011 do Sr. Secretário de Estado da Saúde)

MCDT realizados e Tempos de Espera (conforme n.º 6 do Despacho n.º 10430/2011 do Sr. Secretário de Estado da Saúde) Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE MCDT realizados e Tempos de Espera (conforme n.º 6 do Despacho n.º 10430/2011 do Sr. Secretário de Estado da Saúde) Informação a 30-06-2016 Tempo de espera Os Tempos

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Testes Diagnósticos. Necessidade dos testes. Foco principal

Fazer um diagnóstico. Testes Diagnósticos. Necessidade dos testes. Foco principal Testes Diagnósticos Avaliação Crítica Fazer um diagnóstico tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver

Leia mais

Glaucoma. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Glaucoma. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Glaucoma Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho GLAUCOMA O Glaucoma é uma doença causada pela lesão do nervo óptico relacionada a pressão ocular alta. Glaucoma Crônico e agudo Crônico:

Leia mais

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal

Fazer um diagnóstico. Necessidade dos testes. Foco principal. Variabilidade do teste. Diminuição das incertezas definição de normal Fazer um diagnóstico Avaliação Crítica tentativa de tomar uma decisão adequada usando informações inadequadas resultado de testes diminuir a incerteza do diagnóstico Ideal saber viver com a incerteza saber

Leia mais

RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico

RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico Resumo das Diretrizes dos Padrões de Práticas Preferenciais Introdução... 1 Glaucoma Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (Avaliação

Leia mais

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA

HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA 10. PATOLOGIAS DO NERVO ÓPTICO HIPERTENSÃO INTRACRANIANA IDIOPATICA O OCT pode ser útil no diagnóstico e no seguimento clínico do edema papilar. OCT: Saliência papilar, fibras nervosas com espessamento

Leia mais

Formação Contínua em Oftalmologia

Formação Contínua em Oftalmologia Fundamentação Um estudo recente revela que 85% das pessoas tem mais medo de perder a visão do que os outros quatro sentidos. 87% dos inquiridos acredita que os exames oftalmológicos regulares são importantes,

Leia mais

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença

DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE. A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença DEGENERAÇÃO MACULAR RELACIONADA A IDADE Paulo Augusto de Arruda Mello Filho INTRODUÇÃO A degeneração macular relacionada à idade (DMRI) é a doença ocular que acomete as regiões da retina e coróide responsáveis

Leia mais

Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares

Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares Patrick Tzelikis 1, Fernando Trindade 1-2 e Leonardo Akaishi 3 1 Diretor de Cursos da Sociedade

Leia mais

Oftalmoscopia Indireta

Oftalmoscopia Indireta Melhorar a visualização do fundo ocular sem dilatação António Filipe Macedo macedo@fisica.uminho.pt António Manuel Gonçalves Baptista abaptista@fisica.uminho.pt Docentes e Investigadores em Optometria

Leia mais

Interferómetro IRAS GT (Randwal)

Interferómetro IRAS GT (Randwal) Interferómetro IRAS GT (Randwal) 14 de Dezembro de 2012 =2= 2013/2014 Percepção Visual 1 Manual do instrumento e indicações do fabricante O primeiro passo no exame de um indivíduo consiste em identificar

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR

MICROSCÓPIO ESPECULAR MICROSCÓPIO ESPECULAR Avaliação e paquimetria Auxilia nas Instituições de Ensino de Benefícios de Adaptação a Lentes de Contato, Ajuda em Avaliações Pré e Pós-Cirúrgicas. MICROSCÓPIO ESPECULAR O design

Leia mais

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra

Osteoporose secundária. Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Osteoporose secundária Raquel G. Martins Serviço de Endocrinologia, IPO de Coimbra Definição Osteoporose causada por um distúrbio subjacente (doenças, fármacos ) Epidemiologia Provavelmente subdiagnosticada.

Leia mais

Proposta de Estágio Opcional em. Anestesiologia Oftalmológica / Desenvolvimento da Componente da Anestesia Loco-regional

Proposta de Estágio Opcional em. Anestesiologia Oftalmológica / Desenvolvimento da Componente da Anestesia Loco-regional Serviço de Anestesiologia do Centro Hospitalar Lisboa Norte 1 Proposta de Estágio Opcional em Anestesiologia Oftalmológica / Desenvolvimento da Componente da Anestesia Loco-regional Preparado para: Colégio

Leia mais

3248 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Maio de 2004

3248 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Maio de 2004 3248 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 119 21 de Maio de 2004 Escolaridade (em horas semanais) Unidades curriculares Tipo Observações Aulas teórico- Aulas teóricas Aulas práticas Seminários Estágios -práticas

Leia mais

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos.

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos. PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 9/13 PARECER CFM Nº 7/13 INTERESSADO: Ministério Público Federal ASSUNTO: Uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recém-nascidos RELATOR: Cons. José Fernando Maia

Leia mais

Dispositivo de Medição Ocular

Dispositivo de Medição Ocular Dispositivo de Medição Ocular Câmara para Retina Portátil Torna a portabilidade possível. A câmara para retina portátil do Pictor Plus pode levar a sua clínica a vários locais. Da sala de exames para análises

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite Idiopática Juvenil Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE AIJ 2.1 Existem tipos diferentes da doença? Existem várias formas de AIJ. Distinguem-se principalmente

Leia mais

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax

Rua do Platão nº. 147 Zambujal São Domingos de Rana Tel Fax Rua do Platão nº. 147 Zambujal 2785 698 São Domingos de Rana Tel. 214 549 200 Fax. 214 549 208 E-mail: anea@anea.org.pt PONTO DE VISTA DE UMA ASSOCIAÇÃO DE DOENTES A ESPONDILITE ANQUILOSANTE, O QUE É?

Leia mais

Segunda-feira, 20 de março de 2017

Segunda-feira, 20 de março de 2017 Segunda-feira, 20 de março de 2017 07h30-08h00 08h00-09h00 Registro e recepção OLHO: UMA VISÃO EVOLUTIVA Anatomia: Osteologia do crânio e face - dr. Pedro Ronaldo Anatomia: Osteologia do crânio e face

Leia mais

Saúde Ocular do Idoso

Saúde Ocular do Idoso Saúde Ocular do Idoso Norma Helen Medina Centro de Oftalmologia Sanitária CVE CCD/SES SP dvoftal@saude.sp.gov.br Classificação de deficiência visual Organização Mundial da Saúde CID 10 Cegueira Acuidade

Leia mais

Teoria tricromática de Young-Helmholtz

Teoria tricromática de Young-Helmholtz ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Teoria tricromática de Young-Helmholtz Prof. Nelson Luiz Reyes Marques É um agente físico capaz de sensibilizar os nossos órgãos visuais. Dispersão

Leia mais

SABER MAIS SOBRE RETINOPATIA DIABÉTICA

SABER MAIS SOBRE RETINOPATIA DIABÉTICA SABER MAIS SOBRE RETINOPATIA DIABÉTICA FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 RETINOPATIA DIABÉTICA O que é a retinopatia

Leia mais

SABER MAIS SOBRE GLAUCOMA

SABER MAIS SOBRE GLAUCOMA SABER MAIS SOBRE GLAUCOMA FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 GLAUCOMA O que é o glaucoma? O glaucoma corresponde

Leia mais

MAGNETISMO e ESPIRITISMO

MAGNETISMO e ESPIRITISMO Sociedade Espírita Os Mensageiros da Paz Departamento Doutrinário MAGNETISMO e ESPIRITISMO GRUPO de ESTUDO ANO 3 2016 AULA 30 NOVO SITE SEMP INTEGRA INFORMAÇÕES DO MAGNETISMO *Todas palestras - Incluído

Leia mais

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE

PARÉSIA MONOMÉLICA COMPLICAÇÃO RARA E GRAVE Reunião do Núcleo de Acessos Vasculares SPACV - 2014 Mª TERESA VIEIRA Cirurgia Vascular CHLN Isquémia distal complicação conhecida da cirurgia dos acessos Incidência varia de 1 a 6% Sintomas variam desde

Leia mais

Electroconvulsivoterapia de Continuação e Manutenção

Electroconvulsivoterapia de Continuação e Manutenção Electroconvulsivoterapia de Continuação e Manutenção Ricardo Coentre Assistente Hospitalar de Psiquiatria Curso Teórico-Prático de Electroconvulsivoterapia Hospital Beatriz Ângelo, Loures, Portugal 10

Leia mais

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS (Reviewed by Luiz Lima, MD Traduzido por Elite Tradução em 2016)

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS (Reviewed by Luiz Lima, MD Traduzido por Elite Tradução em 2016) RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS (Reviewed by Luiz Lima, MD Traduzido por Elite Tradução em 2016) Índice Analítico Resumo de Referências para Diretrizes dos Padrões

Leia mais

RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico

RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico Resumo das Diretrizes dos Padrões de Práticas Preferenciais Introdução... 1 Glaucoma Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (Avaliação

Leia mais

Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos

Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos Resumo dos Grandes Ensaios Clínicos Adaptado do Terminology and Guidelines for Glaucoma II Edition European Glaucoma Society Artigo revisado pela Dra. Luciana Meirelles (Belo Horizonte MG) I. Ensaios Randomizados

Leia mais

Avaliação Inicial do Doente - Importância e Realidade

Avaliação Inicial do Doente - Importância e Realidade do Doente - Importância e Realidade Jorge Pontes Gestor da Qualidade do CHAA Casa da Qualidade do CHAA Joint Joint Commission Commission GLD ECA P D QPS Planeamento / Melhoria Requisitos e Normas Legais

Leia mais

RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico

RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico RESUMO DAS DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Índice Analítico Resumo das Diretrizes dos Padrões de Práticas Preferenciais Introdução:... 1 Glaucoma Glaucoma Primário de Ângulo Aberto (Avaliação

Leia mais

Referenciação à Consulta de Reumatologia

Referenciação à Consulta de Reumatologia Referenciação à Consulta de Reumatologia O Serviço de Reumatologia do HSM é responsável pela assistência em ambulatório de doentes com patologia da sua especialidade. Contudo dada a enorme prevalência

Leia mais

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS

RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS RESUMO DE REFERÊNCIAS PARA DIRETRIZES DOS PADRÕES DE PRÁTICAS PREFERENCIAIS Introdução Estes são os pontos de referência para as diretrizes dos Padrões de Práticas Preferenciais (PPP) da Academia. A série

Leia mais

Estudo comparativo do efeito do timolol, do betaxolol e do levobunolol sobre a curva diária de pressão intra-ocular de pacientes glaucomatosos

Estudo comparativo do efeito do timolol, do betaxolol e do levobunolol sobre a curva diária de pressão intra-ocular de pacientes glaucomatosos Estudo comparativo do efeito do timolol, do betaxolol e do levobunolol sobre a curva diária de pressão intra-ocular de pacientes glaucomatosos Comparative study of timolol, betaxolol and levobunolol by

Leia mais

Protocolos para exames complementares em oftalmologia

Protocolos para exames complementares em oftalmologia Protocolos para exames complementares em oftalmologia Regulamentar as indicações absolutas para a requisição dos 31 exames complementares oftalmológicos. É necessário entender que cada profissional poderá

Leia mais

Intervenção (Global e Comunitária) no Primeiro Surto Psicótico (IPSP) 10º Edição

Intervenção (Global e Comunitária) no Primeiro Surto Psicótico (IPSP) 10º Edição Intervenção (Global e Comunitária) no Primeiro Surto Psicótico (IPSP) 10º Edição 2001 Relatório Mundial da Saúde 2005 Conferência Ministerial Europeia da OMS sobre Saúde Mental Plano de formação em serviços

Leia mais

Síndrome de Dispersão Pigmentar: Abordagens Diagnósticas e Terapêuticas

Síndrome de Dispersão Pigmentar: Abordagens Diagnósticas e Terapêuticas Oftalmologia - Vol. 36: pp.141-145 Artigo Original Síndrome de Dispersão Pigmentar: Abordagens Diagnósticas e Terapêuticas Ana Martinho Silva 1, Rui Fialho 1, Filipe Braz 1, José António Dias 2, José Fernandes

Leia mais

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica

Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Comissão Técnica da competência em Acupunctura Médica Admissão à Competência de Acupunctura Médica Após terminar com aproveitamento um Curso de Formação Pós-Graduada em Acupunctura reconhecida pela Ordem

Leia mais

Ferramenta de Apoio ao Diagnóstico de Pontes e Viadutos de Betão

Ferramenta de Apoio ao Diagnóstico de Pontes e Viadutos de Betão 2.º Congresso Rodoviário Português Ferramenta de Apoio ao Diagnóstico de Pontes e Viadutos de Betão V. Cóias e Silva Pedro Lança OZ, Ld.ª 1 Base de Dados PonTec 2 1. INTRODUÇÃO 2. PATOLOGIA DAS OBRAS DE

Leia mais

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Test este Xpert MTB/RIF Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Esta ferramenta destina-se a ser utilizado por pessoal / consultores que realizam visitas de monitorização

Leia mais

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental.

VISÃO SISTEMA NERVOSO SENSORIAL. A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. SISTEMA NERVOSO SENSORIAL Sunol Alvar A visão é o processo pelo qual a luz refletida dos objetos no nosso meio é traduzida em uma imagem mental. 1 OLHOS Os olhos são órgãos complexos dos sentidos. Cada

Leia mais

Problemas O almológicos na Terceira Idade

Problemas O almológicos na Terceira Idade Problemas O almológicos na Terceira Idade A s pessoas que enxergam bem, normalmente, só procuram um médico o almologista quando a visão começa a falhar. Queixas como sensação de vista cansada, coceira

Leia mais

2.1. Formação de Nível I ( corresponde a 36 meses do período de formação).

2.1. Formação de Nível I ( corresponde a 36 meses do período de formação). PROGRAMA DE FORMAÇÃO DO INTERNATO MÉDICO DE RADIOLOGIA (Versão para publicação sob a forma de Portaria) A formação específica no Internato Médico de Radiologia tem a duração de 60 meses (5 anos, a que

Leia mais

Programas Nacionais. Doenças Crónicas

Programas Nacionais. Doenças Crónicas Programas Nacionais Relacionados com a Prevenção e Controlo de Doenças Crónicas 3 de Novembro de 2006 Director de Serviços de Prestação de Cuidados de Saúde Programas: Porquê? Magnitude epidemiológica

Leia mais

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide

08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF X Corticoide DIA 17/3/2017 - SEXTA-FEIRA AUDITÓRIO SÉRGIO BERNARDES 08:30-10:00 RETINA - Encontro SBRV-SNNO 08:30-08:35 Abertura 08:35-08:55 A definir 08:55-09:15 Debate - Tratamento do edema de macula - Anti-VEGF

Leia mais

Visão. Iluminação. Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS

Visão. Iluminação. Fernando Gonçalves Amaral. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Visão Iluminação Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS 1 1 esfera φ 20 mm Movimento do globo por músculos extrínsecos Cristalino lente do olho Retina possui

Leia mais

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares Artigo de Opinião N.º 5 10 de julho de 2017 Rubrica Nutricional A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares O que é uma alergia alimentar? A alergia alimentar é uma reação

Leia mais

SABER MAIS SOBRE QUERATOCONE - ANÉIS INTRACORNEANOS

SABER MAIS SOBRE QUERATOCONE - ANÉIS INTRACORNEANOS SABER MAIS SOBRE QUERATOCONE - ANÉIS INTRACORNEANOS FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 QUERATOCONE - ANÉIS INTRACORNEANOS

Leia mais

IRIDOTOMIA/IRIDECTOMIA A LASER E IRIDOPLASTIA A LASER

IRIDOTOMIA/IRIDECTOMIA A LASER E IRIDOPLASTIA A LASER Capítulo 1 IRIDOTOMIA/IRIDECTOMIA A LASER E IRIDOPLASTIA A LASER Coordenadores: Maurício Della Paolera e Niro Kasahara Auxiliares: Wilma Lellis Barboza, Renato Klingelfus Pinheiro, Alberto Diniz Filho

Leia mais

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo

FISIOLOGIA DA VISÃO PERCEPÇÃO VISUAL. Le2cia Veras Costa- Lotufo FISIOLOGIA DA VISÃO Le2cia Veras Costa- Lotufo PERCEPÇÃO VISUAL Localização Espacial Medida de Intensidade Discriminação das Formas Detecção do Movimento Visão a Cores 1 9/22/10 FUNÇÃO RECEPTORA E NEURAL

Leia mais

Sem luz não existe cor

Sem luz não existe cor Estudo da cor Sem luz não existe cor Aristóteles, um filósofo grego, que viveu de 384 a 322 ac, parece ter sido o primeiro a perceber que os olhos não podem ver a cor sem luz. A cor está presente na nossa

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL NOTA TÉCNICA 141/2014 Solicitante Emerson Chaves Motta Juíza de Direito - Comarca de Teófilo Otoni - MG. Processo número: 0686 14 010142-5 Data: 18/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Relação entre a espessura corneana e a gravidade de defeito de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto

Relação entre a espessura corneana e a gravidade de defeito de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto Relação entre a espessura corneana e a gravidade de defeito de campo visual no glaucoma primário de ângulo aberto Relationship between corneal thickness and severity of visual field loss in primary open-angle

Leia mais

glaucoma Informações essenciais para preservar sua visão Dr. Remo Susanna Jr.

glaucoma Informações essenciais para preservar sua visão Dr. Remo Susanna Jr. glaucoma Informações essenciais para preservar sua visão Dr. Remo Susanna Jr. GLAUCOMA Informações essenciais para preservar sua visão Copyright 2013 by Remo Susanna Jr. Direitos desta edição reservados

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

Enquadramento e Racional

Enquadramento e Racional LungOS Advanced non-small cell Lung cancer treatment patterns and Overall Survival: real-world outcomes research study from the Southern Portugal Cancer Registry (ROR-SUL). Enquadramento e Racional O cancro

Leia mais

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Enxergue bem durante toda a sua vida

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Enxergue bem durante toda a sua vida Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento Enxergue bem durante toda a sua vida Alterações da visão Talvez você perceba algumas alterações com o envelhecimento. Muitas alterações são comuns

Leia mais

A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública

A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública A Saúde da Visão no idoso institucionalizado: Identificação de necessidades em saúde pública Carla Costa Lança (1), Ana Costa Veiga (2), Maria

Leia mais

AVALIAÇÃO POR IMAGEM DA COLUNA LOMBAR: INDICAÇÕES E IMPLICAÇÕES CLINICAS

AVALIAÇÃO POR IMAGEM DA COLUNA LOMBAR: INDICAÇÕES E IMPLICAÇÕES CLINICAS AVALIAÇÃO POR IMAGEM DA COLUNA LOMBAR: INDICAÇÕES E IMPLICAÇÕES CLINICAS UNIDADE CLINICA AUTONOMA DE NEURORRADIOLOGIA SERVIÇO DE IMAGIOLOGIA 8 de Novembro de 2012 a)aguda (< 6 semanas) b)subaguda (>6 semanas

Leia mais

MAIOR CONTRO. Informação De Segurança Importante Sobre PRILIGY. 1 Informação para o médico

MAIOR CONTRO. Informação De Segurança Importante Sobre PRILIGY. 1 Informação para o médico MAIOR CONTRO Informação De Segurança Importante Sobre PRILIGY 1 Informação para o médico 2 A Ejaculação Precoce e PRILIGY PRILIGY é um medicamento oral aprovado para o tratamento da Ejaculação Precoce

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa I Jornadas de Enfermagem e Ortóptica do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental João Ferreira, Wilson Quintino, Carla Lança e Manuel Oliveira Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa É um problema de

Leia mais

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST

Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Curso Avançado em Gestão Pré-Hospitalar e Intra-Hospitalar Precoce do Enfarte Agudo de Miocárdio com Supradesnivelamento do Segmento ST Perante a suspeita clínica de Síndrome coronária aguda (SCA) é crucial

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11

PG 05. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos 1 / 11 1 / 11 METODOLOGIA PARA INFRA-ESTRUTURAS: Acção Responsabilidade Documentos 1 Os perigos são identificados com base em: Actividades de rotina e fora da rotina; Actividades desenvolvidas pelos colaboradores;

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia. Testes Diagnósticos ANA PAULA SAYURI SATO

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia. Testes Diagnósticos ANA PAULA SAYURI SATO Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Epidemiologia Testes Diagnósticos ANA PAULA SAYURI SATO Objetivos da aula Definir validade de testes de rastreamento (screening) e diagnóstico

Leia mais

Dr. Elcio Roque Kleinpaul Médico Oftalmologista CPF CRM 92380/SP

Dr. Elcio Roque Kleinpaul Médico Oftalmologista CPF CRM 92380/SP Dr. Elcio Roque Kleinpaul Médico Oftalmologista CPF 389.496.440-53 CRM 92380/SP 11075-003, SP, Santos, Av. Senador Pinheiro Machado, 863 (13) 32255226 / (13) 991913524 elcioroq@yahoo.com.br OBJETIVO: Médico

Leia mais

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL

Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Capítulo 15 Perinatologia PATOLOGIA PERINATAL Tanto as patologias como as anomalias que têm origem no período perinatal estão classificadas no capítulo 15 da CID-9-MC e categorias 760 779. LOCALIZAÇÃO

Leia mais