Asma na gravidez. Autores Evandro Guimarães de Sousa 1 Publicação: Jun-2005

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Asma na gravidez. Autores Evandro Guimarães de Sousa 1 Publicação: Jun-2005"

Transcrição

1 Asma na gravidez Autores Evandro Guimarães de Sousa 1 Publicação: Jun Qual é a prevalência da asma em grávidas? A asma encontra-se presente em 4% a 7% das mulheres grávidas e constitui uma causa comum de complicação durante este período. De acordo com os resultados da pesquisa realizada, de 1997 a 2001, pelo serviço de saúde pública dos Estados Unidos, estima-se a prevalência desta doença entre 3,7% a 8,4% nas gestantes, o que corresponde a, aproximadamente, a das mulheres na faixa etária de 18 a 44 anos. Entretanto, esse número pode ser maior, devido ao aumento dos casos de asma entre mulheres jovens, em idade fértil. 2 - Quais são as alterações da função respiratória durante a gravidez? A gravidez normal está associada a uma elevação de 20% a 25% do consumo de oxigênio, com aumento do volume minuto, em decorrência, principalmente, de um acréscimo do volume corrente. Essa hiperventilação provoca aumento na tensão arterial do oxigênio, queda no dióxido de carbono e diminuição sérica compensatória do bicarbonato. Portanto, uma alcalose respiratória discreta é considerada normal na gravidez. erca de 75% das grávidas apresentam uma sensação subjetiva de falta de ar, possivelmente devido à percepção dessa hiperventilação fisiológica, o que ocorre com mais freqüência durante o terceiro mês da gestação. No final da gravidez, observa-se uma diminuição da capacidade residual funcional devido à elevação do diafragma pela compressão do útero aumentado. ontudo, as incursões diafragmáticas permanecem normais, mantendo a capacidade vital inalterada. Os fluxos aéreos não apresentam alterações durante toda a gestação. 3 - omo a gravidez pode alterar a evolução da asma? De acordo com estudos realizados, 35% a 42% das asmáticas pioram durante a gestação, 33% a 40% permanecem estáveis e 28% melhoram. De uma maneira mais prática, pode ser utilizada a "regra do terço", considerando que 1/3 das pacientes melhoram, em outro terço os sintomas se agravam e em uma mesma proporção a asma continua estável. Os mecanismos envolvidos com estas alterações ainda são pouco conhecidos, porém, a melhora das crises tem sido relacionada especialmente com os níveis de progesterona, cortisol livre, prostaglandina E2, dentre outros. Das condições que pioram os sintomas, destacam-se os níveis de prostaglandina F2 e outras situações que ocorrem em asmáticas não-grávidas, tais como, estresse, doença do refluxo gastroesofágico, infecções viróticas, rinite, sinusite, etc. 4 - omo se comporta o curso da asma durante a gravidez e o parto? De um modo geral, as exacerbações acontecem com maior freqüência entre a 24 a e 36 a semana e a asma torna-se menos intensa nos últimos quatro meses da gravidez. Felizmente, não é usual a piora das crises durante o trabalho de parto. A evolução da asma tende a ser semelhante em gestações sucessivas, pois se verificou que 60% das grávidas apresentavam o mesmo padrão da gestação anterior. erca de 73% das pacientes que apresentaram alteração de sua asma durante a gestação retornam ao estado anterior ao da gravidez, após três meses da realização do parto. 5 - Quais são os efeitos da asma na gestação? Estudos controlados têm demonstrado que a asma materna pode aumentar o risco de óbito perinatal, pré-eclâmpsia, recém-nascidos de baixo peso e prematuros, quando comparado com 1 Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro Professor do Departamento de línica Médica da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Uberlândia Pesquisador do entro de Reabilitação Pulmonar da UNIFESP/Lar Escola São Francisco.

2 grávidas não asmáticas. Os mecanismos postulados para explicar este risco estão relacionados com: hipóxia e outras situações que ocorrem devido a asma mal controlada, tais como, hipocapnia, alcalose, hipertensão arterial e desidratação, que reduzem o fluxo sanguíneo na placenta. Uso de determinados medicamentos, especialmente teofilina e corticosteróides via oral, apesar de não constituir um aspecto relevante de risco. Outros fatores não diretamente associados à doença ou ao tratamento. Dados obtidos de diversos trabalhos indicam que um adequado controle da asma durante a gestação associa-se a um resultado favorável, tanto para a mãe quanto para o feto. 6 - O que pode ocorrer quando a asma é mal controlada durante a gestação? Várias pesquisas já revelaram que a falta de controle da asma ocasiona um aumento de complicações durante a gravidez, tais como pré-eclampsia, hiperemese gravídica, hipertensão arterial e hemorragia vaginal. No feto, observa-se um aumento da incidência de morte perinatal, diminuição do crescimento intra-uterino, prematuridade, hipóxia neonatal e recém-nascido de baixo peso. Nas grávidas portadoras de asma moderada ou grave, observou-se um índice elevado de cesarianas e um aumento no número de hospitalizações, consultas não programadas e uso de corticosteróides por via oral. É interessante ressaltar que aproximadamente 30% das asmáticas portadoras de asma leve podem evoluir para formas moderadas ou graves durante o curso da gestação, o que reafirma a necessidade de um rigoroso controle da paciente durante este período. 7 - Quais são as manifestações clínicas apresentadas pela grávida asmática durante os períodos de exacerbação da doença? Os sintomas são semelhantes àqueles apresentados por asmáticas não-grávidas: piora progressiva da dispnéia, tosse persistente, sibilância, sensação de aperto no peito e, também, manifestações noturnas dessas queixas. 8 - O que deve ser considerado no diagnóstico diferencial da dispnéia apresentada pela grávida? A dispnéia, em algumas gestantes asmáticas, pode estar associada às alterações verificadas no formato da parede torácica, na posição do diafragma e na sensação de desconforto devido ao aumento consciente da hiperventilação pulmonar. É importante considerar outras causas de dispnéia, como edema agudo de pulmão, tromboembolismo pulmonar, pneumotórax, pneumonia, etc. A gestante asmática pode, ainda, apresentar doenças cardíacas ou hematológicas que cursam com dispnéia, como aquelas que ocorrem nas mulheres fora da gravidez. 9 - omo a espirometria e a medida do pico de fluxo expiratório podem auxiliar no controle da evolução de pacientes grávidas portadoras de asma? Devido à possibilidade da mudança do curso da asma durante a gravidez, alterando a classificação inicial baseada na gravidade da doença, recomenda-se uma avaliação mensal da função pulmonar destas gestantes. A espirometria, com a medida do fluxo expiratório forçado no primeiro segundo (VEF 1 ), representa o exame ideal para o monitoramento, devendo ser realizada no primeiro atendimento e nas consultas subseqüentes. Na impossibilidade da paciente ser submetida a esse exame, o controle poderá ser feito pela medida do pico de fluxo expiratório (PEF) pelo menos duas vezes ao dia, pela manhã ao acordar e 12 horas depois Qual é a indicação da ultra-sonografia? Este exame deve ser solicitado entre a 16 a e a 18 a semanas da gestação, com particular atenção para a localização da placenta e a quantidade de líquido amniótico. Exames seriados devem ser realizados, especialmente a partir da 32 a semana, para pacientes asmáticas com controle insatisfatório e nos casos de asma com intensidade moderada ou grave, no sentido de monitorar o desenvolvimento do feto. A ultra-sonografia é considerada de grande utilidade, para avaliação fetal, quando realizada depois da recuperação de um episódio de exacerbação de asma grave.

3 11 - O exame radiológico de tórax pode ser solicitado durante a gravidez? O exame radiológico do tórax pode ser solicitado quando existe suspeita de outra doença associada à asma como pneumonia, pneumotórax, derrame pleural, etc. Os riscos para o feto são pequenos, desde que a dose cumulativa de radiação ionizante durante a gestação não ultrapasse 5 rad. Nenhum dos exames radiológicos mais utilizados em pneumologia ultrapassa este limite. O radiograma de tórax em duas posições, realizado durante a gestação, expõe o feto a 0,00007 rad e a tomografia computadorizada dos pulmões a menos de 0,100 rad. Entretanto, esses exames devem ser evitados entre a 10 a e 17 a semana de gestação devido ao maior risco do desenvolvimento de malformação no sistema nervoso fetal. Raramente, a exposição da grávida à radiação pode ocasionar um discreto aumento na incidência da leucemia na infância e de mutações genéticas afetando futuras gerações. Recomenda-se, durante a realização destes exames, o uso de proteção abdominal de chumbo na gestante para resguardar o feto, com especial atenção para o primeiro trimestre da gravidez omo pode ser classificada a asma nas pacientes gestantes? A asma, durante a gestação, pode ser classificada em intermitente e persistente. Essa última encontra-se dividida em leve, moderada e grave de acordo com parâmetros clínicos e funcionais (tabela 1). Sintomas diários Sintomas noturnos PEF ou VEF 1 Tabela 1. lassificação da gravidade da asma durante a gestação 1 Persistente Intermitente Persistente leve moderada < 2 vezes/semana < 2 dias/semana e > 1 vez ao dia < 2 vezes/mês > de 2 vezes/mês > 80% do previsto Diários > de uma noite / semana Persistente grave ontínuos Freqüentes > 80% do previsto > 60% e < 80% < 60% Variabilidade < 20% 20 a 30% >30% > 30% do PEF 1 Retirado do NAEPP Expert Reference Report. Managing Asthma During Pregnancy: Recommendations for Pharmacologic Treatment, Quais são os objetivos do tratamento da paciente asmática durante a gravidez? O tratamento visa manter um controle adequado da asma, assegurando uma boa qualidade de vida para a gestante, bem como, o desenvolvimento adequado do feto. O controle adequado da asma está relacionado com: ausência ou a presença mínima de sintomas diurnos ou noturnos; nenhuma limitação às atividades; manutenção das provas de função pulmonar normais ou próximas dos valores estabelecidos; prevenção de episódios agudos de asma; uso mínimo de beta 2 agonistas de curta duração; ausência ou a ocorrência mínima de efeitos colaterais com a medicação utilizada; nascimento de uma criança saudável Quais são as etapas do tratamento da grávida asmática? As etapas incluem: avaliação periódica das condições clínicas da mãe do feto, incluindo as provas de função pulmonar; controle da exposição a alérgenos e fatores irritantes de vias aéreas; educação da paciente; apoio psicológico; terapêutica farmacológica.

4 15 - O que deve ser observado durante as consultas da gestante asmática? Durante essas consultas deve-se verificar a freqüência e a intensidade dos sintomas apresentados, pois mulheres portadoras de asma de intensidade moderada ou grave apresentam maiores chances de complicações para a mãe e para o feto. Exames para a avaliação pulmonar são importantes e devem ser solicitados sempre que necessário. A ultra-sonografia deve ser pedida para a verificação do desenvolvimento fetal. A simples contagem diária dos movimentos fetais pela mãe pode servir como marcador da vitalidade fetal, alertando para a necessidade da utilização de outros métodos quando for percebida a diminuição destes movimentos omo poderá ser feito o controle dos fatores que contribuem para a exacerbação da asma? Devem ser identificados, evitados ou controlados todos os fatores alérgicos ou irritantes das vias aéreas que possam agravar os sintomas da asma. Um programa adequado deve ser estabelecido, orientando a paciente a reduzir ou eliminar a exposição à poeira, ao mofo e à fumaça do tabaco. Uma recomendação especial é necessária, no sentido de evitar o contato com animais domésticos e uso de inseticida para o controle de insetos no domicílio. Alguns trabalhos têm indicado uma maior possibilidade da gestante adquirir infecções virais e bacterianas do que a não-grávida, portanto situações que possam provocar o contágio devem ser evitadas. Os beta-bloqueadores estão entre as medicações usadas para o controle da hipertensão arterial na gestação, o que deve ser evitado nas grávidas portadoras de asma Qual a importância de um programa de educação em asma para a gestante? A educação é muito importante no controle da asma. Ela deve desenvolver na paciente as habilidades necessárias para monitorar a doença e reconhecer a piora dos sintomas, bem como usar corretamente os inaladores. A elaboração de um plano de ação individual e de comum acordo com a paciente é fundamental, para que condutas adequadas possam ser adotadas na presença dos sinais e sintomas de exacerbação, inclusive com a indicação precisa de quando procurar um serviço de emergência. Em muitas das vezes a gestante asmática deixa de utilizar a medicação prescrita, ou diminui sua dosagem, por receio de danos ao feto. O médico deve esclarecer que a falta de controle da doença ocasiona mais problemas para o feto do que os medicamentos usados omo apoiar a paciente do ponto de vista psicológico? Os contatos mensais com a paciente pelo seu médico são muito importantes, pois essa simples conduta reduz o estresse emocional da gestante. Durante essas consultas, as dúvidas devem sempre ser esclarecidas, especialmente aquelas relacionadas à evolução de sua gravidez, aos resultados dos exames realizados e à medicação utilizada. A participação do psiquiatra no tratamento estará indicada quando for verificada grave alteração do humor ou na presença de distúrbio do comportamento da paciente omo podem ser classificados os medicamentos usados em grávidas? Os medicamentos são classificados em relação ao risco de determinarem malformações congênitas. Estima-se que malformações congênitas acorram em, aproximadamente, 3% dos recém-nascidos. erca de 60% das malformações são de causa desconhecida, 25% causadas por problemas genéticos, 10% por fatores ambientais e 5% por anormalidade dos cromossomos. Nos fatores ambientais incluem-se as doenças maternas, infecção no feto e a exposição da mãe a agentes químicos, radiação ou medicamentos. Os medicamentos são responsáveis por menos de 1% destas malformações congênitas. A agência Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, estabeleceu uma classificação de medicamentos usados durante a gestação, relacionando-os com o risco de danos para o feto (tabela 2).

5 Tabela 2. lassificação de medicamentos usados na gravidez segundo o FDA (1998) Risco baseado em pesquisas com animais ou ategoria obtido por informações do ocorrido em Interpretação humanos Estudos controlados em mulheres não A demonstraram risco para o feto durante o Não existe risco para uso em primeiro trimestre da gestação, sem evidências seres humanos. de riscos nos outros trimestres. B D X Estudos em animais não indicaram risco para o feto; porém não há estudos controlados em seres humanos. Ou Estudos em animais demonstraram efeito adverso para o feto; entretanto, trabalhos adequados em grávidas não revelaram risco para o feto. Trabalhos em animais revelam efeitos adversos para o feto; porém, não existem estudos adequados em humanos. Ou Não há pesquisa em reprodução animal ou estudos adequados em humanos. Existem evidências de risco para o feto humano, mas os benefícios do uso da medicação em gestantes podem ser aceito de acordo com a gravidade da situação. Estudos em animais ou em humanos demonstraram a evidência de anomalias ou efeitos adversos para o feto. O uso do medicamento em grávidas supera qualquer benefício. Não há evidência de risco em humanos. O risco não pode ser excluído. Significa que, apesar dos riscos, o medicamento pode ser utilizado em situações de extrema gravidade. Não deve ser utilizado durante a gestação. De acordo com o FDA, apenas 0,7% de medicamentos para o uso em gestantes estão incluídos na categoria de risco A e a grande maioria encontra-se relacionada nas categorias B ou. erca de 66% dos medicamentos utilizados durante a gestação estão classificados na categoria Os medicamentos utilizados no tratamento da asma durante a gestação são seguros? Sabe-se que os medicamentos para o tratamento da asma ocupam o quinto lugar no receituário médico para grávidas dos Estados Unidos. As vitaminas, antibióticos, analgésicos e os de uso dermatológico são mais prescritos durante a gestação. A tabela 3 mostra a classificação dos principais medicamentos usados na asma.

6 Tabela 3. Medicamentos utilizados no tratamento da asma e a respectiva categoria de risco estabelecido pelo FDA para uso em grávidas (1998) lasse Medicamentos ategorias de risco beta 2 agonistas Salbutamol Terbutalina B Salmeterol Formoterol Anticolinérgicos Ipatrópio B orticosteróides inalatórios Budesonida B Beclometasona Fluticasona Triancinolona Xantinas Teofilina romonas romoglicato B Antagonistas dos leucotrienos Zefirlucast B Montelucast B 21 - omo podem ser utilizados os beta2 agonistas? Diversos trabalhos já demonstraram a segurança do uso do salbutamol, por via inalatória, durante a gestação; porém, existem poucas pesquisas avaliando a utilização do salmeterol e do formoterol, cujas atuações são mais prolongadas. A ação farmacológica e a toxicidade desses dois medicamentos são similares aos de curta duração, podendo, portanto, ser prescritos durante a gravidez. As dosagens são semelhantes às usadas para mulheres que não estão grávidas. A administração oral ou parenteral de beta 2 agonistas não é recomendada, porque faltam informações sobre os possíveis riscos do seu uso durante o primeiro trimestre da gestação e, também, devido ao potencial efeito inibidor do parto. Tremores e taquicardia são mais freqüentes e intensos quando se utilizam essas vias de administração Existe vantagem em utilizar o brometo de ipratrópio em grávidas asmáticas? Não existem estudos que evidenciem vantagem no uso de ipratrópio nessas pacientes, no lugar dos beta 2 agonistas, que continuam representando a primeira escolha de broncodilatadores. Entretanto, eles podem ser associados nos casos de exacerbações da doença nas mesmas doses usadas em adultos A prescrição de corticosteróide inalatório é segura durante a gravidez? Os corticosteróides inalatórios constituem a medicação recomendada para o tratamento da asma persistente em grávidas. Evidências científicas demonstram que seu uso reduz o risco de exacerbações em asmáticas e melhora os valores obtidos na prova de função pulmonar. Dados obtidos em diversas pesquisas, quando esta medicação foi usada, não registraram aumento de casos de malformações congênitas ou outros problemas ocorridos durante o parto. A maioria dos trabalhos utilizou a budesonida para o tratamento da asma durante a gravidez, considerada como o medicamento de preferência nessa situação. Entretanto, outros corticosteróides inalatórios poderão ser mantidos caso a paciente já esteja em uso antes da gestação. As doses diárias recomendadas de budesonida por inalação de pó seco são: dose baixa: 200 a 600 mcg dose média: entre 600 e mcg dose alta: acima mcg

7 24 - É seguro prescrever corticosteróides por via oral para grávidas? O uso de corticosteróides por via oral durante o primeiro trimestre da gravidez, já foi relacionado com o aumento do número de casos de lábio leporino e de fenda palatina, com um risco estimado de 0,3% casos para os recém-nascidos cujas mães receberam essa medicação, comparado com 0,1% naqueles cujas mães não utilizaram. Porém, em outras publicações mais recentes não foram identificadas significativas correlações entre malformações congênitas e uso deste medicamento por via oral. Já foram relatados casos de aumento da incidência de pré-eclâmpsia, prematuridade e recém-nascidos de baixo peso com a utilização oral de corticosteróides. Outros estudos, relacionados com o uso dessa medicação evidenciaram um maior risco de intolerância à glicose, piora de diabetes gestacional, desencadeamento de manifestações psiquiátricas e episódios de hipertensão arterial. Às vezes, torna-se muito difícil separar os efeitos provocados pelo corticosteróides na mãe ou no feto, daqueles ocasionados pela asma mal controlada ou de grave intensidade Quando está indicado o uso de corticosteróides por via oral? Nas exacerbações, quando não houver reversão do quadro com o uso de beta 2 agonistas, e no controle da asma persistente grave. A dose diária recomendada, por via oral, é de 10 a 60 mg de prednisona ou de prednisolona, por um período de 10 dias. A seguir, inicia-se a administração de corticosteróides inalatórios. Dependendo da gravidade da asma, essa medicação deverá ser mantida por mais tempo, diminuindo a dosagem diária quando possível Em que situação pode-se prescrever a teofilina? O uso da teofilina no tratamento da grávida asmática tem decrescido progressivamente em decorrência dos efeitos colaterais apresentados, tais como náusea, vômitos, diarréia, insônia, irritabilidade, arritmias, cardíacas, hipotensão arterial, convulsões, dentre outros. erca de um terço das pacientes asmáticas apresentam doença do refluxo gastroesofágico e o uso dessa medicação pode agravar seus sintomas e aumentar os episódios das crises de asma. Além do mais, este medicamento atravessa a placenta podendo provocar taquicardia, irritabilidade e vômitos no recém-nascido. As teofilinas de ação prolongada podem ser indicadas como medicação de controle para evitar exacerbações. Quando prescrita, recomenda-se o monitoramento dos seus níveis séricos, que deverá permanecer entre 5 e 12 mcg/ml. Porém, estudos já comprovaram que sua ação é inferior aos dos beta 2 agonistas de longa duração O cromoglicato pode ser usado durante a gravidez? A utilização do cromoglicato durante a gravidez é segura e com raros efeitos colaterais, quando usado nas dosagens indicadas para adultos. Porém, tem as desvantagens de uma ação inferior a dos corticosteróides inalatórios e de ser administrada quatro vezes ao dia Qual é a indicação dos antagonistas dos leucotrienos para o controle da asma em grávidas? Apesar dos poucos estudos realizados em humanos, estes medicamentos podem ser indicados para as grávidas com asma de maior gravidade, que já obtiveram repostas favoráveis com o seu uso em tratamentos anteriores. A dosagem diária é a mesma prescrita para adultos com esta doença.

8 29 - Qual deve ser o esquema do tratamento da asma durante a gestação e a lactação? Tabela 4. Esquema para o tratamento da asma durante a gravidez Gravidade Tratamento beta Intermitente 2 agonista de curta duração. Está indicado para o alívio de sintomas em todas as categorias da asma. Persistente Preferencial: corticosteróide inalatório em baixa dosagem leve Alternativas: antileucotrieno ou cromoglicato Preferencial: corticosteróide inalatório em dose baixa ou média associado a beta Persistente 2 agonista de longa duração. Alternativo: corticosteróide inalatório em alta dose associado a beta moderada 2 agonista de longa duração, com antileucotrieno ou teofilina de ação prolongada Persistente grave Preferencial: altas doses de corticosteróide inalatório associado a beta 2 agonista de longa duração e, se necessário, corticosteróides por via oral. Alternativo: altas doses de corticosteróide inalatório associado a beta 2 agonista de longa duração, mais corticosteróides por via oral, mais antileucotrieno ou teofilina de ação prolongada; NAEPP Expert Reference Report. Managing Asthma During Pregnancy: Recommendations for Pharmacologic Treatment, Qual é a freqüência das crises de asma durante a gestação? De 11% a 18% das asmáticas grávidas são atendidas em serviços de emergência, pelo menos uma vez durante a gravidez; destas, 62% necessitam de internação hospitalar omo deve ser o planejamento terapêutico da gestante nas exacerbações da asma apresentada pela gestante? Os princípios do tratamento são similares ao manejo das crises de asma em pacientes fora do estado de gestação. Os consensos recomendam medidas repetidas da função pulmonar, avaliação dos sinais e sintomas apresentados pela paciente, controle da saturação de oxigênio materno e monitoramento da atividade fetal. O tratamento inicial consiste em prescrever o oxigênio na concentração suficiente para manter a SaO 2 acima de 95% e na administração de 2 a 4 jatos de beta2 agonista, repetidos por três vezes durante 20 minutos. Nas crises mais graves pode-se associar o anticolinérgico visando potencializar o efeito broncodilatador. Os corticosteróides por via oral, utilizados nesta fase do tratamento, podem recuperar com maior rapidez a função pulmonar da gestante. A paciente deve ser avaliada periodicamente devido à possibilidade de alteração na gravidade do quadro Quando a gestante poderá receber alta? Havendo melhora do quadro clínico e dos resultados obtidos pela medida do PEF ou VEF 1 ( > 70% dos valores teóricos previstos), da saturação de oxigênio ( > 95%) e com avaliação normal do feto, a paciente poderá receber alta com a recomendação do uso de beta2 agonista e corticosteróides orais por 7 a 10 dias, iniciando o uso desta medicação por via inalatória, quando possível. A prednisona ou a prednisolona são utilizadas na dose de 40 a 60 mg por dia Quais são as indicações para internação da paciente? A paciente deve ser internada quando não houver melhora dos sintomas e piora da avaliação funcional pulmonar. Nesta etapa deve ser mantida a medicação prescrita e, caso necessário, iniciado o uso de corticosteróides endovenoso. A metilprednisolona é usada na dosagem de 30 a 125 mg a cada 6 horas e a hidrocortisona na de 200 a 500 mg a cada 4 ou 6 horas. A paciente deve ser transferida para uma unidade de terapia intensiva quando se verifica piora do quadro clínico e queda dos valores obtidos nas provas funcionais pulmonares abaixo de 35% do previsto.

9 34 - Quais são os cuidados a serem observados durante o parto? Quando a paciente fez uso de corticosteróide oral por longos períodos, deve ser utilizada esta medicação por via sistêmica, no sentido de prevenir a insuficiência da supra-renal. É recomendado o uso de hidrocortisona, na dose de 100 mg EV a cada 6 ou 8 horas. Ocitocina é considerado o medicamento de escolha para a indução e controle da hemorragia pós-parto. Porém, não devem ser usados análogos da prostaglandina F 2, da metilergonovina ou ergonovina, devido ao risco de provocarem broncoespasmo na paciente. A morfina e a meperidina também não devem ser utilizadas, pois induzem a liberação de histamina. provocando broncoconstricção em asmáticos. Em alguns casos, os antiinflamatórios não hormonais são usados para o alivio da dor, após uma cesariana. O médico, antes de prescrevê-lo, deve investigar se a asmática não é alérgica a este medicamento ou a outro analgésico omo a rinite pode alterar o curso da asma na gestante? A rinite pode ocorrer em 20% das mulheres durante a gravidez e sabe-se que o controle dos sintomas desta doença está associado a uma melhora do quadro clínico da asma destas pacientes. Os corticosteróides intranasais, quando usados nas doses recomendadas, são considerados os medicamentos de escolha para o tratamento da rinite alérgica, com baixo risco de efeitos sistêmicos. Já a loratadina e a cetirizina são os anti-histamínicos de segunda geração mais recomendados para uso em grávidas. Vários autores recomendam evitar a prescrição de descongestionantes nasais durante o primeiro trimestre da gestação, especialmente a pseudoefedrina, que aumenta o risco de gastroquiese, que se caracteriza como uma anormalidade congênita da parede abdominal anterior com herniação das vísceras abdominais. O uso tópico nasal de solução salina pode aliviar a gestante, principalmente antes das refeições e de dormir Qual a relação entre doença do refluxo gastroesofágico com o agravamento das crises de asma durante a gravidez? erca de dois terços das gestantes queixam-se de pirose ou de outras manifestações digestivas altas relacionadas com refluxo gastroesofágico, sintomas que agravam a asma apresentada pela paciente. Recomendações dietéticas, correção da postura no leito e o uso de inibidores da bomba de prótons constituem medidas importantes para a melhora das queixas digestivas e, por conseguinte, das manifestações respiratórias apresentadas. Os medicamentos inibidores da bomba de próton utilizados nas dosagens recomendadas não ocasionaram maiores riscos de teratogênese. Entretanto, o uso do lansoprazol é preferido, devido aos resultados obtidos em experimentos animais e dos relatos em humanos Quem deve participar do atendimento à gestante portadora de asma? Um trabalho conjunto entre o pneumologista e o obstetra é fundamental para evitar exacerbações da asma, resultando em menor número de atendimentos nos serviços de emergências e de internações, conseqüentemente reduzindo os índices de morbidade e de mortalidade da mãe e do feto Leitura recomendada Blaiss MS. Managing asthma during pregnancy. Postgrad Med 2004;115: Bracken MB et al. Asthma symptoms, severity and drug therapy: A prospective study of effects in 2205 pregnancies. Obstet Gynecol 2003;102: lark et al. Asthma in pregnancy. National Asthma Education program Working Group on Asthma and pregnancy. National Heart, Lung and Blood Institute. Obstet Gynecol 1993;82: ydulka RK, Emerman L, Donald S et al. Acute asthma among pregnant woman presenting to the emergency department. Am J Respir rit are 1999;160: Demoly P, Piette V e Dures J-P. Treatment of allergic rhinitis during pregnancy. Drugs 2003;63: Dombroswki MP et al. Asthma during pregnancy. Obstet Gynecol 2004;103:5-12.

10 Fiterman J. Asma brônquica. Pneumoatual. Disponível em: <http://>. Acesso em: 17 de janeiro Hetzel Jl, Hetzel MP. Asma e gestação. In: Silva L, Hetzel JL. Asma brônquica: Manejo clínico. Porto Alegre. ARTMED, p Jardim JR. Asma e gravidez. urso de asma aula 9. Pneumoatual Disponível em:<http://>. Acesso em: 17 de janeiro Källén B, Rydhstroem Q e Åberg A. ongenital malformations after the use of inhaled budesonide in early pregnancy. Obstet Gynecol 1999;93: Kischer S, Schatz M e Long L. Variables affecting asthma course during pregnancy. Ann Allergy Asthma Immunol 2002;89: Kwon HL, Belanger K, Bracken MB. Effect of pregnancy and stage of pregnancy on asthma severity: a systematic review. Am J Obstet Gynecol 2004;190: Liccardi G et al. General strategy for management of bronchial asthma in pregnancy. Respir Med 2003;97: Luskin AT. An overview of the recommendations of the Working Group on Asthma and Pregnancy. J Allergy lin Immunol 1999;103:Part 2:S Millar MM, Greenberger PA. Asthma and pregnancy: a review. Disponível em: <http://www.medscape.com/viewarticle/408598>. Acessado em: 20 de janeiro de Namazy JA et al. use of inhaled steroids by pregnant asthmatic women does not reduce intrauterine growth. J Allergy lin Immunol 2004;133: Namazy JA, Schatz M. Pregnancy and Asthma: Recent Developments. urr Opin Pulm Med 2005;11: Nelson-Piercy. Asthma in pregnancy. Thorax 2001;56: Palmer W, laman HN. Pregnancy and immunology: selected aspects. Ann Allergy Asthma Immunol 2002;89: Quick reference: NAEPP. Expert Panel Report. Managing asthma during pregnancy: Recommendations for pharmacology treatments-2004 update. J Allergy Immunol 2005;115: Richter JE. Gastroesophageal reflux disease during pregnancy. Gastroenterol lin North Am 2003;32: Schatz M et al. The safety of asthma and allergy medications during pregnancy. J Allergy lin Immunol 1997;100: Schatz M. Interrelationship between asthma and pregnancy: a literature review. J Allergy lin Immunol 1999;103:S Schartz M. Breathig for two: Now we can breathe a little easier. J Allergy lin Immunol 2005;115:31-3. Schaltz M et al. Asthma morbidity during pregnancy can be predicted by severity classification. J Allergy lin Immunol 2003;112: Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia. III onsenso Brasileiro no manejo da Asma. J Pneumol 2002;28 (Supl 1):S Theodoropoulos DS, Lockey RF, Boyce HWe Bukantz S. Gastroesophageal reflux and asthma: a review of pathogenesis, diagnosis and therapy. Allergy 1999;54: Toppenberg KS, Hill DA e Miller DP. Safety of radiographic imaging during pregnancy. Am Fam Physician 1999;59: Triche EW et al. Association of asthma diagnosis, severity, symptoms and treatment with risk of preeclampsia. Obstet Gynecol 2004;104: Weiss SR. prescription medication use in pregnancy. Disponível em <http://www.medscape.com/viewarticle/408598>. Acessado em: 20 de janeiro de 2005.

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles

São Paulo, 26 de agosto de 2010. Asma. Paula Meireles São Paulo, 26 de agosto de 2010 Asma Paula Meireles Doença inflamatória crônica Hiper-responsividade Limitação variável ao fluxo aéreo ASMA Definição Episódios recorrentes de sibilância, dispnéia, aperto

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ

GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ GRAVIDEZ EVOLUÇÃO DA ASMA DURANTE A GRAVIDEZ A asma, que afeta 7% das grávidas, é uma doença comum que potencialmente pode complicar, mas, quando é bem controlada, não representa risco significativo para

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos?

PROVA ESPECÍFICA Cargo 48. Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 48 QUESTÃO 26 Na reação de hipersensibilidade imediata do tipo I, qual dos seguintes mediadores é neoformado nos tecidos? a) Heparina. b) Histamina. c) Fator ativador de plaquetas

Leia mais

Aeroflux sulfato de salbutamol guaifenesina

Aeroflux sulfato de salbutamol guaifenesina sulfato de salbutamol guaifenesina Edulito Solução oral sem açúcar FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO edulito é uma solução oral aromatizada e edulcorada, mas isenta de açúcar, apresentada em frasco com

Leia mais

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO

TEMA: SPIRIVA RESPIMAT - TIOTRÓPIO NOTA TÉCNICA 69 /2013 Data: 09/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juíza de Direito JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Número do processo: 0222623-34.2011.8.13.0525 TEMA:

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1

ASMA ASMA ASMA SINTOMAS. Page 1 ASMA SUBSTÂNCIAS IRRITANTES: produtos de limpeza, sprays, tintas, inseticida, perfumes, poluição atmosférica REMÉDIOS:aspirina, certos anti-inflamatórios bloqueadores beta adrenérgicos Asma é uma inflamação

Leia mais

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006)

Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Rinite alérgica e não-alérgica Resumo de diretriz NHG M48 (primeira revisão, abril 2006) Sachs APE, Berger MY, Lucassen PLBJ, Van der Wal J, Van Balen JAM, Verduijn MM. traduzido do original em holandês

Leia mais

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC

AGENDA LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Prevalência da Asma ISAAC XI Curso de Atualização em Pneumologia 15 a 17 de abril de 2010 Rio de Janeiro LACTENTES E PRÉ- ESCOLARES: PODEM USAR BETA-AGONISTAS? Maria de Fátima Bazhuni Pombo March Professora Adjunta de Pediatria

Leia mais

Tratamento no período inter-crise

Tratamento no período inter-crise 1º Curso Itinerante de Alergia e Imunologia da Sociedade Brasiuleira de Pediatria Salvador - Bahia 07 a 09 de abril de 2011 Avanços no tratamento da alergia respiratória: Tratamento no período inter-crise

Leia mais

sulfato de terbutalina

sulfato de terbutalina sulfato de terbutalina União Química Farmacêutica Nacional S.A. Solução injetável 0,5 mg/ml sulfato de terbutalina Medicamento genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA

ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA ALENIA Fumarato de Formoterol/Budesonida 6/100mcg e 6/200mcg Cápsulas FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - ALENIA Embalagem contendo 60 cápsulas de ALENIA (fumarato de formoterol/budesonida) 6/100 mcg

Leia mais

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL

Sulfato de Terbutalina. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,5mg/mL Sulfato de Terbutalina Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,5mg/mL 1 sulfato de terbutalina Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: Sulfato de terbutalina FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C.

0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12.. Nebulizadores. pmdi inalador pressurizado ; PDI inalador de pó seco; CE câmara expansora. Unidade local (SAP/C. PROTOCOLO TERAPÊUTICO Crise de asma 1 Reconhecer a crise Aparecimento/agravamento da dificuldade respiratória Aumento da tosse, principalmente nocturna Intolerância ao exercício Limitação das actividades

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009

RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO. Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DA CRISE ASMÁTICA EM UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO Versão eletrônica atualizada em Novembro 2009 Núcleo de Pediatria Baseada em Evidências Departamento Materno Infantil

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho

Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br. Wilson Rocha Filho Alergia e Pneumologia Pediátrica Hospital Infantil João Paulo II Hospital Felício Rocho www.alergopneumoped.com.br Wilson Rocha Filho De acordo com as normas n o 1.595/2000 do Conselho Federal de Medicina

Leia mais

Aparelho respiratório

Aparelho respiratório DOENÇAS OBSTRUTIVAS Aparelho respiratório Pode ser causada pôr alterações: A- No interior da luz brônquica: : secreções, líquido, l corpo estranho. B- Na parede da via aéreaa rea: : contração do músculo

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE

Page 1 EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO EDUCAÇÃO DA EQUIPE DE ATENDIMENTO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO EM ASMA RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE RELAÇÃO MÉDICO PACIENTE COMUNICAÇÃO ABERTA DESENVOLVIMENTO DE PLANO DE TRATAMENTO CONJUNTO ESTIMULAR O ESFORÇO DO PACIENTE E DA FAMÍLIA NO SENTIDO DA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DOS SINTOMAS EDUCAÇÃO DA EQUIPE

Leia mais

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma

PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA. Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente com asma PROGRAMA CRIANÇA QUE CHIA Orientações para a classificação e o manejo da criança e do adolescente

Leia mais

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins

Métodos de indução do parto. Marília da Glória Martins Métodos de indução do parto Marília da Glória Martins Métodos de indução 1.Indução com análogo da prostaglandina - misoprostol. 2.Indução com ocitocina. 3.Indução pela ruptura das membranas ovulares. Indução

Leia mais

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL

bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL bromidrato de fenoterol Solução Oral/Gotas 5mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE bromidrato de fenoterol Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Solução Oral/Gotas 5mg/mL

Leia mais

O que fazer. Gesso e fraturas.

O que fazer. Gesso e fraturas. DOUTOR,POSSO VOAR? (extraído de http://www.orkut.com.br/main#commmsgs?cmm=17111880&tid=5625830708854803828, em 15/05/2012) Posso viajar de avião se estou com conjuntivite ou depois de me recuperar de um

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO

INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO INFLUENZA H1N1 E GESTAÇÃO ÓBITOS POR SARG POR INFLUENZA SAZONAL E H1N1, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO BRASIL, 2009 ÓBITOS POR SARG PELA NOVA INFLUENZA, SEGUNDO PRESENÇA DE FATORES DE RISCO NO

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

MONTELUCASTE DE SÓDIO. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg

MONTELUCASTE DE SÓDIO. Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg MONTELUCASTE DE SÓDIO Biosintética Farmacêutica Ltda. Comprimidos revestidos 10mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 montelucaste de sódio Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Piemonte (montelucaste de sódio) Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimidos mastigáveis 4 mg e 5 mg

Piemonte (montelucaste de sódio) Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimidos mastigáveis 4 mg e 5 mg Piemonte (montelucaste de sódio) Eurofarma Laboratórios S.A. Comprimidos mastigáveis 4 mg e 5 mg Piemonte montelucaste de sódio Oral Comprimido mastigável 4 mg - USO PEDIÁTRICO DE 2 A 5 ANOS DE IDADE.

Leia mais

Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes

Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes Conselho recomenda medidas para dar segurança a passageiros e tripulantes A Câmara Técnica (CT) de Medicina Aeroespacial do Conselho Federal de Medicina (CFM) divulga recomendações aos médicos, aos passageiros

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1.

Lista completa de excipientes, ver secção 6.1. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Aridol, pó para inalação, cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1 cápsula contém 0 mg, 5 mg, 10 mg, 20 mg, ou 40 mg de manitol

Leia mais

Corticóides na Reumatologia

Corticóides na Reumatologia Corticóides na Reumatologia Corticóides (CE) são hormônios esteróides produzidos no córtex (área mais externa) das glândulas suprarrenais que são dois pequenos órgãos localizados acima dos rins. São produzidos

Leia mais

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo

SAF. Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo SAF Síndrome do Anticorpo Antifosfolipídeo CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: Comissão de Vasculopatias ILUSTRAÇÃO DA CAPA: Gilvan Nunes EDITORAÇÃO: Rian Narcizo Mariano PRODUÇÃO: www.letracapital.com.br Copyright

Leia mais

Gravidez e Doença Tiroideia

Gravidez e Doença Tiroideia Gravidez e Doença Tiroideia Hipertiroidismo Teresa Dias Assistente Hospitalar Graduada em Endocrinologia HSM Assistente Livre FML TIROIDEIA E GRAVIDEZ Alterações Fisiológicas Grávida TBG condiciona aumento

Leia mais

Rivastigmina (Port.344/98 -C1)

Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Rivastigmina (Port.344/98 -C1) Alzheimer DCB: 09456 CAS: 129101-54-8 Fórmula molecular: C 14 H 22 N 2 O 2.C 4 H 6 O 6 Nome químico: (S)-N-Ethyl-3-[(1-dimethylamino)ethyl]-N-methylphenylcarbamate hydrogen

Leia mais

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína

Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína 1 IDENTIFICAÇÃO MEDICAMENTO DO Tylex 7,5 mg / 30 mg comprimidos paracetamol, fosfato de codeína APRESENTAÇÕES Comprimidos de 7,5 mg de fosfato de codeína e 500 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada.

Excipientes: hietelose, sorbitol, glicerol, ácido benzóico, aroma de framboesa, propilenoglicol, ácido tartárico, água purificada. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mucosolvan cloridrato de ambroxol abcd FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Xarope adulto: frascos com 120 ml, acompanhados de copo-medida graduado em 2,5; 5; 7,5 e 10 ml.

Leia mais

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana

CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL. » Precoce antes da 20ª semana» Intermédio - entre 20ª e a 28ª semana» Tardio após 28ª semana CAPÍTULO 21 ÓBITO FETAL Deinição (OMS) - morte do produto da concepção ocorrida antes da expulsão ou de sua extração completa do organismo materno, independentemente da duração da gestação. 1. CLASSIfICAçãO»

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações

Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Unidade de Anestesia Versão eletrônica atualizada em Março 2009 Protocolo de Atendimento de Reação Adversa a Medicações Definições OMS Uma resposta

Leia mais

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina.

Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida. Cada ml de xarope contém 0,3 mg de sulfato de terbutalina. BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 100 ml de xarope + 1 copo medida.

Leia mais

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida

SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida APRESENTAÇÕES SYMBICORT TURBUHALER fumarato de formoterol di-hidratado/budesonida Pó inalante de 6/100

Leia mais

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt

TOSSE CRÔNICA DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO. Dra. Adriana Vidal Schmidt DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL NO ADULTO Dra. Adriana Vidal Schmidt TOSSE Principal queixa respiratória Fumantes não reclamam! Porque vão ao médico por tosse? Prevalência de 3 a 40% Problema terapêutico Thorax

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP

ALERGIA E IMUNOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM HCFMRP-USP 1 PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP 2 Introdução Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes

ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes ANEXO 2: Exemplos de questões e percentual de erro dos participantes Situação/problema Criança com desidratação e diarreia Um menino com 6 anos de idade e com peso de 18 kg, desenvolve quadro de desidratação

Leia mais

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ

TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ TROMBOCITOPENIA NA GRAVIDEZ Ricardo Oliveira Santiago Francisco Herlânio Costa Carvalho INTRODUÇÃO: - Trombocitopenia pode resultar de uma variedade de condições fisiológicas e patológicas na gravidez.

Leia mais

NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml. FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml.

NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml. FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml. NARCAN NEONATAL cloridrato de naloxona 0,02 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E DE APRESENTAÇÃO: Solução injetável. Caixa com 10 ampolas de 2 ml. USO PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO: Cada ml da solução injetável contém:

Leia mais

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004)

Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Aborto espontâneo Resumo de diretriz NHG M03 (março 2004) Flikweert S, Wieringa-de Waard M, Meijer LJ, De Jonge A, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução

Mas se fumar é tão perigoso, por quê as pessoas começam a fumar? Introdução Introdução O tabagismo é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte evitável em todo o mundo. Introdução Introdução Cerca de um terço da população mundial adulta (1

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM CRIANÇAS ASMÁTICAS NA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 10 ANOS ATRAVÉS DO QUESTIONÁRIO SF-36. INTRODUÇÃO Autora: Gláucia Golono Salvador G INESUL FISIOTERAPIA LONDRINA PR Orientadora:

Leia mais

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos.

LABIRIN. dicloridrato de betaistina APSEN. FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. LABIRIN dicloridrato de betaistina APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: 24 mg dicloridrato

Leia mais

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml

BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina. AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope. 0,3 mg/ml BRICANYL BRONCODILATADOR sulfato de terbutalina AstraZeneca do Brasil Ltda. Xarope 0,3 mg/ml BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina I) IDENTIFICAÇÃO DO BRICANYL Broncodilatador sulfato de terbutalina

Leia mais

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR

Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Diretrizes Assistenciais DIRETRIZ DE TRATAMENTO FARMACOLOGICO DA DOR Versão eletrônica atualizada em março/2012 Definição Diretriz que orienta a prescrição de fármacos que visam aliviar a Dor Aguda e Crônica

Leia mais

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP

PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA HCFMRP-USP Introducao Doenças alérgicas afetam atualmente mais que 20% da população brasileira, e são causa importante de doença crônica no mundo inteiro.

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA

TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA TUTORIAL DE ANESTESIA DA SEMANA MONITORIZAÇÃO DOS BATIMENTOS CARDÍACOS FETAIS PRINCIPIOS DA INTERPRETAÇÃO DA CARDIOTOCOGRAFIA Dr Claire Todd Dr Matthew Rucklidge Miss Tracey Kay Royal Devon and Exeter

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Portaria Nº 163 /2011.

PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Portaria Nº 163 /2011. PREFEITURA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Portaria Nº 163 /2011. Regulamenta o Protocolo para tratamento medicamentoso da

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd. Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Abcd Atrovent brometo de ipratrópio 0,250 mg/ml FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução a 0,025% para inalação, frasco com 20 ml USO INALATÓRIO USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO Nº 3203 DE 03 DE ABRIL DE 2012

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO Nº 3203 DE 03 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 3203 DE 03 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para tratamento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC Estável e dá outras providências. O SECRETÁRIO

Leia mais

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura)

Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) CAPÍTULO 23 Ruptura das membranas antes do trabalho de parto (amniorrexe prematura) 1 Introdução 2 Diagnóstico 2.1 Ruptura das membranas 2.2 Exame vaginal 2.3 Avaliação do risco de infecção 2.4 Avaliação

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 DAXAS. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 500 mcg/comprimido (roflumilaste)

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 DAXAS. Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 500 mcg/comprimido (roflumilaste) DAXAS Takeda Pharma Ltda. Comprimido revestido 500 mcg/comprimido (roflumilaste) 1 roflumilaste APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos de 500 mcg de roflumilaste. Embalagens com 30 comprimidos. USO ORAL

Leia mais

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO

REAÇÃO ALÉRGICA AO CONTRASTE IODADO 1 de 7 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial RN, IA 1 Objetivo: Identificar, qualificar e principalmente evitar qualquer tipo

Leia mais

Asma e gravidez: Artigo de revisão

Asma e gravidez: Artigo de revisão Asma e gravidez: Revisão da literatura Revista Portuguesa de Imunoalergologia 2003; XI : 07-16 7 Artigo de revisão/review article Asma e gravidez: Artigo de revisão Asthma and pregnancy: Review article

Leia mais

Carboplatina_150_01 1

Carboplatina_150_01 1 Carboplatina DCB 01754 Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORMAS FARMACÊUTICAS, VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÕES COMERCIALIZADAS Carboplatina é um pó liófilo

Leia mais

Infecção Urinária e Gestação

Infecção Urinária e Gestação I ENCONTRO DA REDE MÃE PARANAENSE Infecção Urinária e Gestação Marcos Takimura UFPR/UniPositivo/HT-SESA Modificações Fisiológicas do Aparelho Urinário na Gestação Compressão mecânica do útero gravídico

Leia mais

Patologias do Líquido Amniótico

Patologias do Líquido Amniótico Patologias do Líquido Amniótico Dr. Dr. Frederico Vitório Lopes Barroso Setor de de Medicina Fetal Fetal do do Serviço de de Obstetrícia e Ginecologia do do HUUFMA Fisiologia do do Líquido Amniótico Função:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL

Cloridrato de Naloxona. Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável. 0,4mg/mL Cloridrato de Naloxona Hipolabor Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,4mg/mL 1 cloridrato de naloxona Medicamento genérico Lei 9.787, de 1999 NOME GENÉRICO: cloridrato de naloxona FORMA FARMACÊUTICA:

Leia mais

Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma

Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Como fazer o step up ou step down no tratamento da asma Marcia Margaret M Pizzichini Professora Associado de Medicina Universidade Federal de Santa Catarina Núcleo de Pesquisa em Asma e Inflamação das

Leia mais

Manual de Boas Práticas na Asma. asma. Programa Nacional de Controlo

Manual de Boas Práticas na Asma. asma. Programa Nacional de Controlo Manual de Boas Práticas na Asma asma Programa Nacional de Controlo DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE Comissão de Coordenação do Programa Nacional de Controlo da Asma Revisto em Novembro 2007 INTRODUÇÃO A Asma constitui

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES TREINAMENTO FUNCIONAL PARA GESTANTES Prof.ª Msc. Clarissa Rios Simoni Mestre em Atividade Física e Saúde UFSC Especialista em Personal Trainer UFPR Licenciatura Plena em Educação Física UFSC Doutoranda

Leia mais

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml.

PULMICORT budesonida. Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. PULMICORT budesonida I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO PULMICORT budesonida APRESENTAÇÕES Suspensão para nebulização de 0,25 mg/ml ou de 0,50 mg/ml em embalagens com 5 ou 20 frascos contendo 2 ml. VIA INALATÓRIA

Leia mais

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015

PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 PLANILHA GERAL - Fundamentos da Clínica IV - 8º - 2º 2015 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo Módulo QUINTA 06/08/2015 Aula Inaugural Med e Fisiopatologia das doenças respiratórias: edema, inflamação,

Leia mais

de eficácia em 1 click. c 1

de eficácia em 1 click. c 1 24h de eficácia em 1 click. 1 Relvar ELLIPTA : 1 100/25 mcg 200/25 mcg 1 inalação 1 vez ao dia de eficácia em 1 click. c 1 24h 4 Inalador ELLIPTA 1 º Abra o inalador ELLIPTA Quando você retirar o inalador

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 ocitocina Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Embalagem contendo 1, 5, 50 ou 100 ampolas de 1 ml com ocitocina a 5 UI. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais