APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

2 CONHEÇA O SEPRORGS Entidade Patronal Fundado em 04 de Julho de anos Defender os interesses das empresas de TIC do RS Representar mais de 7 mil empresas vinculadas 300 empresas associadas Convenção Coletiva do Trabalho - Equilíbrio entre Patronal e Laboral Fortalecer as empresas de TI do RS 16 diretores nomeados

3 Negócio Representatividade. Missão Promover a união de todos os agentes do setor de economia digital, defendendo os interesses e a sustentabilidade das empresas. Valores e Princípios Participação dos empresários Renovação das lideranças Representatividade Sustentabilidade Ética e transparência Inovação Valorização das pessoas Visão Ser reconhecido pela sociedade gaúcha como a entidade representativa das empresas do setor de economia digital do Rio Grande do Sul, até Política da Qualidade Atender as necessidades e expectativas das empresas representadas, pela melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade, garantindo o cumprimento da missão institucional.

4

5 Atuação Legal - Convenção coletiva do Trabalho (CCT) - Declarações de Exclusividade (para licitações e outros fins) - Projetos de Lei de interesse do Setor de TIC - Pesquisa Salarial Atuação Política - Municipal, estadual e federal - Participação na construção da legislação do setor - Definições de políticas públicas - Participação em Polos e Parques Tecnológicos - Participação em Conselhos e Câmaras Atuação no Mercado - Eventos, palestras, convênios - Grupos empresariais: Automação comercial, Setorial e outros - Fonte para a imprensa, locação de espaços - Prêmio Destaque Universitário

6 Enquadramento Sindical e Suas Consequências nas Convenções Coletivas de Trabalho Aplicáveis Por Marice Fronchetti

7 CNAE - forma de padronizar, em todo o território nacional, os códigos de atividades e os critérios de enquadramento usados pelos mais diversos órgãos da administração tributária do Brasil.

8 Escolha CNAE Cadastro de empresas na sua abertura. Atividade preponderante.

9 Impactos Importantes Enquadramento Tributário Enquadramento Sindical Desoneração Folha Pagamento Enquadramento Sistema Unificado Tributação Simples Nacional

10 O objeto social, para efeito de certificação da atividade econômica explorada, prevalece sobre o código da CNAE.

11 Para efeito da determinação da CNAE - fiscal, atividade econômica principal (preponderante) é aquela com maior contribuição para o valor faturado.

12 CNAE por ser uma informação de enquadramento com o fisco, tem total importância para determinar: Impostos a serem pagos; Obrigações acessórias a serem enviadas; Usufruir de incentivos fiscais.

13 Importante (Resposta à consulta nº 605, de 07 de agosto de 2000) Cumpre esclarecer que, devido à ampla abrangência da CNAE, torna-se obrigatória a consideração da atividade econômica desenvolvida para o adequado enquadramento de qualquer estabelecimento no respectivo código, independentemente de sua natureza jurídica. Em se tratando de estabelecimento que desenvolve mais de uma atividade econômica, será considerada aquela de maior preponderância econômica para o seu enquadramento, assim entendida aquela que apresente o maior faturamento, respeitado para esse fim, o nível de classificação mais agregado na seguinte ordem hierárquica: Seção, Divisão, Grupo, Classe e Subclasse.

14 Correto Enquadramento Sindical O enquadramento sindical é outro ponto importante determinado pelo CNAE. Neste caso, é usado o CNAE indicado como atividade principal. O enquadramento sindical vai determinar qual a Convenção Coletiva de Trabalho sua empresa deve seguir na contratação de funcionários.

15 Simples Nacional Os impostos também são determinados pelo CNAE ainda mais se sua empresa estiver enquadrada no Simples Nacional. No caso de serviços, você pode ter uma empresa enquadrada em cada uma destas tabelas de acordo com o CNAE, sendo tributadas com alíquotas diferentes.

16 Enquadramento no CNAE Reflexos no Direito do Trabalho Por Marcelo Aquini

17 Enquadramento incorreto da atividade empresarial no CNAE e o enquadramento sindical. Art. 570 da CLT: Os sindicatos constituir-se-ão, normalmente, por categorias econômicas ou profissionais, específicas, na conformidade da discriminação do quadro das atividades e profissões a que se refere o artigo 577 ou segundo as subdivisões que, sob proposta da Comissão do Enquadramento Sindical, de que trata o art. 576, forem criadas pelo Ministro do Trabalho, Indústria e Comércio. Atividade Preponderante. Art. 577 da CLT: O Quadro de Atividades e Profissões em vigor fixará o plano básico do enquadramento sindical.

18 Contribuição sindical. A Classificação em Grupo para dimensionamento da CIPA: NR 5, Quadros I, II e III

19 Acidente de trabalho Responsabilidade objetiva e responsabilidade subjetiva do empregador Grau de Risco: FPAS e NR-4.

20 Autuações pelo Ministério do Trabalho e Emprego CIPA (art. 201 CLT) Serviço Especializado em Engenharia e Medicina do Trabalho (art. 201 CLT) Contribuições Sindicais (art. 598 CLT)

21 OBRIGADO!

22

Contribuição e Enquadramento Sindical: algumas dúvidas

Contribuição e Enquadramento Sindical: algumas dúvidas Contribuição e Enquadramento Sindical: algumas dúvidas Contribuição Sindical Benefícios de recolher a Contribuição Sindical Patronal: A empresa contribuirá para o fortalecimento da sua categoria econômica;

Leia mais

É um tributo estabelecido no artigo 579 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de pagamento obrigatório, recolhido uma vez por ano.

É um tributo estabelecido no artigo 579 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de pagamento obrigatório, recolhido uma vez por ano. INFORMATIVO DE CONTRIBUIÇÃO SINDICAL O QUE É A CONTRIBUIÇÃO SINDICAL É um tributo estabelecido no artigo 579 da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), de pagamento obrigatório, recolhido uma vez por

Leia mais

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG

Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais FIEMG Vídeo: A Força de quem FAZ O SISTEMA FIEMG A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais representa as indústrias do Estado e atua na defesa

Leia mais

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas

esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas esocial Sistema de Escrituração das Obrigações Fiscais, Previdênciárias e Trabalhistas O que é o esocial? O que é o esocial? O Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e

Leia mais

PORTFÓLIO. Alimentos

PORTFÓLIO. Alimentos Alimentos QUEM SOMOS? Entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de micro e pequeno porte aqueles com faturamento bruto anual de até R$ 3,6 milhões.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S

CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S Apresentamos nesta cartilha os esclarecimentos necessários sobre contribuições sindical patronal

Leia mais

Aula 12 Constituição Formal de Empresa

Aula 12 Constituição Formal de Empresa Considerações iniciais Todas as sociedades empresariais e entidades, independente do seu objeto social e porte econômico, estão sujeitas às regras estabelecidas pelo MTE, quando tiverem pessoas físicas

Leia mais

A UNIÃO EM PROL DAS EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO

A UNIÃO EM PROL DAS EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO A UNIÃO EM PROL DAS EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO ÍNDICE O SINDICEREAL Certidão do Ministério do trabalho Vantagens de ser Associado/Filiado do SINDICEREAL PR: Pg.5 Pg.6 Pg.7 O que é um Sindicato? Quem o SINDICEREAL

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Empresa detentora de dois códigos FPAS para um mesmo estabelecimento 09/12/14

Orientações Consultoria De Segmentos Empresa detentora de dois códigos FPAS para um mesmo estabelecimento 09/12/14 Orientações Consultoria De Segmentos 09/12/14 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1 IN 971 DE 2009... 3 3.2 IN 1071 DE

Leia mais

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO

SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO SIMPLES NACIONAL PARA 2018 ALTERAÇÕES DA LEGISLAÇÃO Apresentador: Márcio Schuch Silveira, Contador, Mestre em Ciências Contábeis, Empresário Contábil, Vice-Presidente Técnico do CRCRS e professor universitário.

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Normas Regulamentadoras MÄdulo 3 NR 04

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Normas Regulamentadoras MÄdulo 3 NR 04 Curso Técnico Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras MÄdulo 3 NR 04 O dimensionamento dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho vincula-se à gradação do risco

Leia mais

Porque fazer parte do SINDIOMAS O representante da Escola de Ensino de Idiomas que fizer parte do Quadro Associativo do SINDIOMAS poderá: Votar e ser

Porque fazer parte do SINDIOMAS O representante da Escola de Ensino de Idiomas que fizer parte do Quadro Associativo do SINDIOMAS poderá: Votar e ser Quem somos O SINDIOMAS é o Sindicato Patronal que representa as Escolas de Idiomas no Estado do RS e o enquadramento sindical está fundamentado no Quadro Anexo do art. 577 da CLT 2º Grupo Empresas de Difusão

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S

CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S Apresentamos nesta cartilha os esclarecimentos necessários sobre contribuições sindical patronal

Leia mais

2. Transcreve-se a seguir as informações constantes no Despacho: Solicito parecer jurídico em relação ao assunto.

2. Transcreve-se a seguir as informações constantes no Despacho: Solicito parecer jurídico em relação ao assunto. Parecer Jurídico nº 14/2015 Interessado: CAU/DF. Assunto: Questionamento sobre a obrigatoriedade do pagamento da contribuição sindical Ementa: Direito Administrativo. Questionamento sobre a obrigatoriedade

Leia mais

R.: A contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional.

R.: A contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional. DÚVIDAS FREQÜENTES: 1. QUEM DEVE PAGAR A CONTRIBUIÇÃO R.: A contribuição sindical é devida por todos aqueles que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional. 2. EMPRESA NÃO FILIADA

Leia mais

A retenção previdenciária em face das recentes mudanças legais na contratação de serviço: MEI, empresas, desoneração e contribuintes individuais

A retenção previdenciária em face das recentes mudanças legais na contratação de serviço: MEI, empresas, desoneração e contribuintes individuais com Alexandre Matias Silva A retenção previdenciária em face das recentes mudanças legais na contratação de serviço: MEI, empresas, desoneração e contribuintes individuais Das 09h às 11h - Sede do Sindcont-SP

Leia mais

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017.

Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 2017. Agenda de Contribuições, Tributos e Obrigações. Mês de Fevereiro de 17. DIAS OBRIGAÇÕES D E S C R I Ç Ã O FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 17.01 à 17.03.17 03 06 RAIS SALÁRIOS SECONCI O Ministério do Trabalho e Emprego,

Leia mais

esocial Oportunidades de Negócios Relatos de Implantação nas Empresas Belém PA

esocial Oportunidades de Negócios Relatos de Implantação nas Empresas Belém PA esocial Oportunidades de Negócios Relatos de Implantação nas Empresas Belém PA 27.11.2015 OBRIGADO! EU VOLTEI! Currículo Sou Diretor de Negócios da Convite I Convite II Cadastre seu currículo no nosso

Leia mais

NR4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

NR4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho NR4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho A NR 4 diz respeito aos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT)e tem como finalidade

Leia mais

Curitiba/PR

Curitiba/PR XXXI JORNADA PARANAENSE DE SAÚDE OCUPACIONAL IV CONGRESSO PARANAENSE DE MEDICINA DO TRABALHO II ENCONTRO IBEROAMERICANO II SIMPÓSIO PARANAENSE DE HIGIENE OCUPACIONAL FISCALIZAÇÕES E DOCUMENTOS E PADRÕES

Leia mais

Revisão de Procedimentos Fiscais FIEMG. Âmbito Federal

Revisão de Procedimentos Fiscais FIEMG. Âmbito Federal Revisão de Procedimentos Fiscais FIEMG Âmbito Federal Cenário Tributário Complexo 1.Grande número de tributos e contribuições 2. Variedade e complexidade das obrigações acessórias + multas de 75% ou até

Leia mais

1. Quem deve pagar a Contribuição Sindical (C.S.)? R.: Todas as empresas que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional.

1. Quem deve pagar a Contribuição Sindical (C.S.)? R.: Todas as empresas que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional. 1. Quem deve pagar a Contribuição Sindical (C.S.)? R.: Todas as empresas que participarem de uma determinada categoria econômica ou profissional. 2. Empresa não filiada ao sindicato é obrigada a pagar

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 Excerto da CCT assinada entre o sindicato profissional e a FECOMERCIO SP, por procuração e nas cláusulas que se aplicam ao SINCOMAVI Por este instrumento e na melhor

Leia mais

SPED EFD BLOCO K CONTROLE DA PRODUÇÃO E DO ESTOQUE

SPED EFD BLOCO K CONTROLE DA PRODUÇÃO E DO ESTOQUE SPED EFD BLOCO K CONTROLE DA PRODUÇÃO E DO ESTOQUE O SISTEMA INDÚSTRIA relações do trabalho internacionalização energia elétrica inovação medicina do trabalho telecomunicações transporte educação mercado

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição adicional devida ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI)

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição adicional devida ao Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Aprendizagem Industrial (SENAI) 13/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 3.1 Normas Legais... 4 3.1.1 IN RFB nº 566/2005...

Leia mais

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT

COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT COE COMMUNICATION ON ENGAGEMENT ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DO SETOR PRIVADO DE EMPREGO E DE RECURSOS HUMANOS 1. DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO AO UN GLOBAL COMPACT A APESPE RH- Associação Portuguesa

Leia mais

UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA Consultoria Jurídica Contribuição Sindical

UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA Consultoria Jurídica Contribuição Sindical UNIÃO ESPÍRITA MINEIRA 2017 Contribuição Sindical O que é a Contribuição Sindical: É a contribuição devida por aqueles que participam de uma determinada categoria econômica ou profissional em favor do

Leia mais

GRCS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

GRCS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL GRCS CONTRIBUIÇÃO SINDICAL O MTE Ministério do Trabalho e Emprego em http://portal.mte.gov.br/co nt_sindical/, descreve que: A contribuição sindical está prevista nos artigos 578 a 591 da CLT. Possui natureza

Leia mais

DATA DE PAGAMENTO DE SALÁRIO O pagamento dos salários permanecerá no último dia útil do mês.

DATA DE PAGAMENTO DE SALÁRIO O pagamento dos salários permanecerá no último dia útil do mês. Itu, 21 de Julho de 2015. ACORDO COLETIVO 2015/2016 REGIME DE TRABALHO ESTATUTÁRIO Cláusula 1ª INCORPORAÇÃO Os empregadores promoverão estudos para a incorporação do valor pago como vantagem pecuniária

Leia mais

O SISTEMA SINDICAL BRASILEIRO EM NÚMEROS

O SISTEMA SINDICAL BRASILEIRO EM NÚMEROS O SISTEMA SINDICAL BRASILEIRO EM NÚMEROS Prezados, Diante o cenário turbulento que o setor empresarial sindical atravessa nesse momento é importante termos números sólidos para embasar a discussão da importância

Leia mais

esocial na prática Cenário do mercado - Impactos e soluções

esocial na prática Cenário do mercado - Impactos e soluções esocial na prática Cenário do mercado - Impactos e soluções Marco Histórico Mudança 360º.na Gestão Muitas empresas já soaram os alarmes e outras ainda buscam compreender o tamanho do tsunami que vem por

Leia mais

Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro. Resultados

Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro. Resultados Planejamento Estratégico Conselho Moveleiro Resultados PROPÓSITO DO CONSELHO Articular a indústria moveleira para obter: sucesso, excelência, qualificação e informação. Articular de politicas e ações estratégicas

Leia mais

NOSSA SOLUÇÕES VALORES Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores.

NOSSA SOLUÇÕES VALORES  Solidez: Buscar crescimento sustentável com geração de valores. Escritório Paulista Soluções Contábeis, Empresariais e Tributárias, localizado à Avenida dos Ferroviários, 596 - Vila Xavier (Próximo a Caixa Econômica da Alameda Paulista), empresa de prestação de serviços

Leia mais

INSPETOR. defesa da sociedade. Importante aliado na DO CREA SP ANOS INSPETORES

INSPETOR. defesa da sociedade. Importante aliado na DO CREA SP ANOS INSPETORES INSPETOR DO CREA SP Importante aliado na defesa da sociedade ANOS C O M V O C Ê INSPETORES 1 Inspetor do Crea-SP: nosso importante aliado na defesa da sociedade Para garantir a segurança da sociedade e

Leia mais

CNAE Experiência brasileira. Seminário CAE rev. 3. Lisboa Portugal, 23 de outubro de 2007

CNAE Experiência brasileira. Seminário CAE rev. 3. Lisboa Portugal, 23 de outubro de 2007 Seminário CAE rev. 3 Lisboa Portugal, 23 de outubro de 2007 CNAE implantada em todos os estados, em 22 capitais e vários outros municípios MANAUS RIO BRANCO BELÉM SÃO LUÍS FORTALEZA NATAL JOÃO PESSOA PORTO

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 254, DE 24 DE SETEMBRO DE DOU DE 25/09/2009

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 254, DE 24 DE SETEMBRO DE DOU DE 25/09/2009 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 254, DE 24 DE SETEMBRO DE 2009 - DOU DE 25/09/2009 Dispõe sobre a publicação dos índices de freqüência, gravidade e custo, por atividade econômica, considerados para

Leia mais

Como ser PJ. Cartilha com orientações para abrir uma firma e trabalhar como PJ.

Como ser PJ. Cartilha com orientações para abrir uma firma e trabalhar como PJ. Como ser PJ Cartilha com orientações para abrir uma firma e trabalhar como PJ. Como virar PJ Você acabou de ser contratado em uma bela oportunidade profissional, e atuará como pessoa jurídica. Ou por algum

Leia mais

REFORMA TRABALHISTA Prof. Antonio Daud

REFORMA TRABALHISTA Prof. Antonio Daud REFORMA TRABALHISTA Prof. Antonio Daud www.facebook.com/adaudjr @prof.antoniodaudjr VACATIO LEGIS Negociado x legislado O que pode negociar? O que não pode? Negociado x legislado Exercício Em quais dos

Leia mais

Com fulcro nas considerações as parte abaixo qualificadas formalizam o presente termos:

Com fulcro nas considerações as parte abaixo qualificadas formalizam o presente termos: MINUTA CARTA DE INTENÇÕES CONSIDERAÇÃO: 1- Considerando que o SINEAC Sindicato Patronal regularmente constituído, pessoa jurídica em fase de registro junto ao Ministério do Trabalho e Emprego carece do

Leia mais

Boletim Mensal - Outubro/2015

Boletim Mensal - Outubro/2015 Boletim Mensal - Outubro/2015 Fiscal Contábil RH Notícias Calendário Obrigações Fiscal Medida provisória aumenta imposto sobre ganho de capital. A atual alíquota, prevista pela Lei nº 8.981/1995, é de

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2017/2018 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002368/2017 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/07/2017 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039881/2017 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012988/2017-11 DATA

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSP-MESP

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSP-MESP ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 REGIME DE TRABALHO CELETISTA Cláusula 1ª. REPOSIÇÃO SALARIAL. Os empregadores concederão a título de reposição salarial, o percentual correspondente a 5.62% (cinco

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO "EMPREGADOS EM EDIFÍCIOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E MISTOS" PARTES: SINDICATO DOS EMPREGADOS EM EDIFÍCIOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS E COMERCIAIS DE SÃO BERNARDO

Leia mais

S-1070 Tabela de Processos Administrativos/ Judiciais

S-1070 Tabela de Processos Administrativos/ Judiciais S-1070 Tabela de Processos Administrativos/ Judiciais Para realizarmos a configuração da tabela S-1070 - Tabela de Processos Administrativos/Judiciais devemos seguir alguns procedimentos, porém vamos entender

Leia mais

Setor Gráfico. Rio de Janeiro 3 de dezembro de 2013

Setor Gráfico. Rio de Janeiro 3 de dezembro de 2013 Setor Gráfico Rio de Janeiro 3 de dezembro de 2013 1. OBJETIVOS, PREMISSAS, ESTRUTURA E PARTICIPANTES DA REUNIÃO 2. BOA PRÁTICA DO SIGRAF/RJ CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA FSC (FOREST STEWARDSHIP COUNCIL)

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO "EMPREGADOS EM EDIFÍCIOS E CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS, COMERCIAIS E MISTOS" PARTES: SINDICATO DOS EMPREGADOS DE EDIFÍCIOS, ZELADORES, PORTEIROS, CABINEIROS, VIGIAS, FAXINEIROS,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Estratégias para reduzir custos fiscais Estaduais e Federais de sua empresa

Estratégias para reduzir custos fiscais Estaduais e Federais de sua empresa Encontro Jurídico Tributário Estratégias para reduzir custos fiscais Estaduais e Federais de sua empresa Novembro / 2016 Qual é o caminho para reduzir a carga tributária de sua empresa? Planejamento e

Leia mais

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa

Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Instituto Sindipeças de Educação Corporativa 2016 Instituto Sindipeças de Educação Corporativa Missão Oferecer soluções educacionais para elevar a competitividade e a sustentabilidade do setor de autopeças.

Leia mais

Norma Regulamentadora 04. Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 1.

Norma Regulamentadora 04. Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 1. Norma Regulamentadora 04 Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 1.0 - jun/13 Informação Este material foi elaborado com base na Norma Regulamentadora

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FERRAMENTA DE AVANÇO NA RELAÇÃO DO FISCO E CONTRIBUINTES: REFLEXO NA CONTABILIDADE

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FERRAMENTA DE AVANÇO NA RELAÇÃO DO FISCO E CONTRIBUINTES: REFLEXO NA CONTABILIDADE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO FERRAMENTA DE AVANÇO NA RELAÇÃO DO FISCO E CONTRIBUINTES: REFLEXO NA CONTABILIDADE Edilson Bezerra da Silva 1 Elder José Costa¹ RESUMO A crescente demanda por informações que auxilie

Leia mais

b) Fomentar e apoiar a criação líquida de postos de trabalho;

b) Fomentar e apoiar a criação líquida de postos de trabalho; RATIO LEGIS a SUL Medida Contrato-Emprego Por Carla Lima A Portaria n.º 34/2017, de 18 de janeiro, regula a criação da medida Contrato- Emprego, que consiste na concessão, à entidade empregadora, de um

Leia mais

Norma Regulamentadora 04. Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 2.

Norma Regulamentadora 04. Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 2. Norma Regulamentadora 04 Matéria: Saúde e Segurança no Trabalho/Benefício e Assist. Social Professora: Debora Miceli Versão: 2.0 - dez/15 Informação Este material foi elaborado com base na Norma Regulamentadora

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Introdução A Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores Públicos dos Municípios da Região Metropolitana da Grande Vitória COOPMETRO é uma entidade

Leia mais

ASSOCIE-SE AO SINDAP. e fortaleça a indústria brasileira

ASSOCIE-SE AO SINDAP. e fortaleça a indústria brasileira ASSOCIE-SE AO SINDAP e fortaleça a indústria brasileira HISTÓRIA DO SINDICATO Fundado em 23 de outubro de 1998 na cidade de Cascavel A base é composta por 53 municípios e tem 483 indústrias do seguimento,

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP

SINDICATO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO MUNICIPAL DE ITU FILIADO A FESSPMESP 1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 - CELETISTA Pelo presente instrumento particular de Acordo Coletivo de Trabalho de um lado o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Itu, entidade

Leia mais

superior a 40% (quarenta por cento). Não se aplica a alíquota de 4% (quatro por cento) nas operações interestaduais

superior a 40% (quarenta por cento). Não se aplica a alíquota de 4% (quatro por cento) nas operações interestaduais 1 COMPARATIVO ENTRE AS CLÁUSULAS DO AJUSTE SINIEF 19/12 E DO CONVÊNIO ICMS 38/13 Cláusula Ajuste SINIEF 19/12 Convênio ICMS 38/13 Primeira A tributação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

CONVITE PARA A AUDIÇÃO PÚBLICA, POR INICIATIVA DO GRUPO PARLAMENTAR DO PCP, A REALIZAR NO DIA 15 DE MAIO DE 2017 SEGUNDA-FEIRA

CONVITE PARA A AUDIÇÃO PÚBLICA, POR INICIATIVA DO GRUPO PARLAMENTAR DO PCP, A REALIZAR NO DIA 15 DE MAIO DE 2017 SEGUNDA-FEIRA Página 1 de 6 CONVITE PARA A AUDIÇÃO PÚBLICA, POR INICIATIVA DO GRUPO PARLAMENTAR DO PCP, A REALIZAR NO DIA 15 DE MAIO DE 2017 SEGUNDA-FEIRA «HORÁRIOS DE TRABALHO: COMBATE À DESREGULAÇÃO, 35 HORAS, RESPEITAR

Leia mais

Professores do Ensino Profissional

Professores do Ensino Profissional Professores do Ensino Profissional Regime jurídico - Decreto-Lei 4/98 de 8 de Janeiro Art 2 1 As escolas profissionais são, salvo o disposto no número seguinte, estabelecimentos privados de ensino. Art.

Leia mais

Contribuições previdenciárias no âmbito da saúde suplementar e suas questões controversas

Contribuições previdenciárias no âmbito da saúde suplementar e suas questões controversas Contribuições previdenciárias no âmbito da saúde suplementar e suas questões controversas 1. Contribuição patronal 2. Contribuição autônomos 3. RAT/FAP 4. Cooperativas 5. Terceiros (sesc, sebrae...) Interpretação

Leia mais

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS

EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS a EXIGÊNCIAS/ASPECTOS TRIBUTÁRIOS PARA AS CONTRATAÇÕES DE SERVIÇOS DA ALCOA & COLIGADAS I) Dados cadastrais a) Razão Social: b) CNPJ: c) Inscrição Estadual: d) Inscrição Municipal: e) Endereço: f) Cidade:

Leia mais

Experiência na preparação do Grupo Marista para o ambiente do esocial

Experiência na preparação do Grupo Marista para o ambiente do esocial Experiência na preparação do Grupo Marista para o ambiente do esocial Sistema de Gestão de RH Data para estar no esocial: jan/2016 Versão antiga de sistema Necessidade de implantar novamente Diferentes

Leia mais

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA GESTOR EMPRESARIAL SETOR DE SERVIÇOS GESTOR DE PROJETOS SETOR DE SERVIÇOS CURSO

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI /2011 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONCEITO NO CONTEXTO DA LEI 12.546/2011 COMÉRCIO VAJERISTA / CRITÉRIO DE APLICAÇÃO POR CNAE Os segmentos de comércio varejista, ficam sob a alíquota de 1%, cujas atividades

Leia mais

NOVO CURSO DE RETENÇÃO NA FONTE DE TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS NA CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS (IRRF/PIS/COFINS/CSLL/INSS/ICMS/ISS)

NOVO CURSO DE RETENÇÃO NA FONTE DE TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS NA CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS (IRRF/PIS/COFINS/CSLL/INSS/ICMS/ISS) NOVO CURSO DE RETENÇÃO NA FONTE DE TRIBUTOS E CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS NA CONTRATAÇÃO DE BENS E SERVIÇOS (IRRF/PIS/COFINS/CSLL/INSS/ICMS/ISS) Situações Especiais na Contratação de Serviços Aplicação aos Órgãos

Leia mais

REGIME JURÍDICO-FISCAL APLICÁVEL À RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL

REGIME JURÍDICO-FISCAL APLICÁVEL À RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL REGIME JURÍDICO-FISCAL APLICÁVEL À RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL RESIDÊNCIA NÃO-HABITUAL Regime fiscal mais favorável com o objectivo de atrair factores de produção para Portugal A base do regime é a tributação

Leia mais

Associação ou Sindicatos: Qual a diferença entre estas duas entidades. O que são os SINDICATOS

Associação ou Sindicatos: Qual a diferença entre estas duas entidades. O que são os SINDICATOS Associação ou Sindicatos: Qual a diferença entre estas duas entidades O que são os SINDICATOS Pp Antonieta Rosalina da Silva Salvador CRPP SINDICAL - Nº 010 Graduada em Letras pela UNIFACS, Teologia Bacharelado

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM TRABALHO E PREVIDÊNCIA CAPITULO I - DIREITO DO TRABALHO -- Princípios do Direito do Trabalho -- Relação de Trabalho e Relação de Emprego Natureza jurídica:

Leia mais

Planejamento Fiscal Previdenciário. Fábio Zambitte

Planejamento Fiscal Previdenciário. Fábio Zambitte Planejamento Fiscal Previdenciário Fábio Zambitte SAT SEGURO DE ACIDENTES DO TRABALHO CONCEITO: Contribuição social previdenciária incidente sobre o total das remunerações pagas, devidas ou creditadas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 10 DE JUNHO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 10 DE JUNHO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 10 DE JUNHO DE 2011 * Publicada no DOE em 01/07/2011 Dispõe sobre a transmissão da Declaração de Informações Econômico-Fiscais (DIEF), por pessoas físicas ou jurídicas inscritas

Leia mais

CENÁRIOS E PERSPECTIVAS

CENÁRIOS E PERSPECTIVAS SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO CENÁRIOS E PERSPECTIVAS GUSTAVO NICOLAI VISÃO SISTÊMICA EM SST: ALTA COMPLEXIDADE GRANDE TRANSPARÊNCIA 1. Sistema de Gestão Integrada de QMSR 2. Política de QMSR 3. Estrutura

Leia mais

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores

Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Associação Nacional das Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores Christiano G. Becker - Diretor 1 ANPROTEC Nossa Missão Agregar, representar e defender os interesses das entidades gestoras de

Leia mais

Tecnologia da Informação e Contabilidade: Sped Fiscal dentro a Organização.

Tecnologia da Informação e Contabilidade: Sped Fiscal dentro a Organização. Tecnologia da Informação e Contabilidade: Sped Fiscal dentro a Organização. Wéberson da Silva wsp_web@hotmail.com Adriana Pereira adriana.ds.pereira@gmail.com Afonso Luis afonsomoreira1@hotmail.com Luciana

Leia mais

DECRETO Nº 3.615, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013

DECRETO Nº 3.615, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 DECRETO Nº 3.615, DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 Institui a nota fiscal de serviços eletrônica, o sistema eletrônico de escrituração fiscal, e dá outras providências. O SENHOR PREFEITO MUNICIPAL DA ESTÂNCIA

Leia mais

Desoneração Tributária de Negócios: eficiência na redução de custos. Edelcio Smargiassi

Desoneração Tributária de Negócios: eficiência na redução de custos. Edelcio Smargiassi Desoneração Tributária de Negócios: eficiência na redução de custos Edelcio Smargiassi edelciosmargiassi@gmail.com 1 - A evolução da fiscalização Tributária Antes (década de 80) Conferencia manual Repressiva

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO. Presidente Joilson Barcelos

PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO. Presidente Joilson Barcelos PROPOSTA DE PLANO DE AÇÃO DA NOVA GESTÃO Presidente Joilson Barcelos RESGATANDO NOSSA HISTÓRIA 1963 1964 a 2015 2016 Fundada em 30 de maio, fruto de um movimento nacional, com a finalidade de fortalecer

Leia mais

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir uns para com os outros com espírito de fraternidade.

Leia mais

Condomínios enquadramento e obrigações fiscais

Condomínios enquadramento e obrigações fiscais Condomínios enquadramento e obrigações fiscais O enquadramento fiscal dos condomínios e respetivas obrigações fiscais é um tema que levanta sempre dúvidas. No presente artigo vamos abordar os principais

Leia mais

I - comissão escolhida pelas partes, integrada, também, por um representante indicado pelo sindicato da respectiva categoria;

I - comissão escolhida pelas partes, integrada, também, por um representante indicado pelo sindicato da respectiva categoria; LEI N o 10.101, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000. Conversão da MPv nº 1.982-77, de 2000 Texto compilado Dispõe sobre a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa e dá outras providências.

Leia mais

Esclareça as dúvidas mais frequentes sobre o recolhimento da Contribuição Sindical Patronal

Esclareça as dúvidas mais frequentes sobre o recolhimento da Contribuição Sindical Patronal Senhores Empresários, Esclareça as dúvidas mais frequentes sobre o recolhimento da Contribuição Sindical Patronal 1 O que é Contribuição Sindical Patronal? Definição e amparo legal. A contribuição sindical

Leia mais

TRANSFORMANDO O FUTURO DA SUA EMPRESA

TRANSFORMANDO O FUTURO DA SUA EMPRESA TRANSFORMANDO O FUTURO DA SUA EMPRESA QUEM SOMOS O SINDIPLAST SINDICATO DA INDÚSTRIA DE MATERIAL PLÁSTICO DO ESTADO DE SÃO PAULO REPRESENTA HOJE, MAIS DE 5.000 EMPRESAS EM TODO O ESTADO DE SÃO PAULO, QUE

Leia mais

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO >Quais as formas de apuração do lucro >Compensação de Prejuízos acumulados >Imposto de Renda e Contribuição Social >As alterações

Leia mais

LEI Nº , DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI Nº , DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 PLR 79 LEI Nº 10.101, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Dispõe sobre a participação dos trabalhadores nos lucros ou resultados da empresa e dá outras providências. Faço saber que o PRESIDENTE DA REPÚBLICA adotou

Leia mais

LISTA DE EXERCÌCIOS 1

LISTA DE EXERCÌCIOS 1 Faculdade Anhanguera de Guarulhos Rua do Rosário, 300, Centro - Guarulhos SP. Data: / / 2014 Nota: Nome RA Assinatura Ergonomia e Segurança do Trabalho José Jorge Alcoforado Curso/Turma Disciplina Professor

Leia mais

esocial: Para o empresário, trabalhador e governo.

esocial: Para o empresário, trabalhador e governo. esocial: Para o empresário, trabalhador e governo. DECRETO O Diário Oficial da União publicou no dia 12 de dezembro de 2014, o decreto que institui o chamado, sistema que vai unificar o envio das informações

Leia mais

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES CIRCULAR N 12/2009 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2009 Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução

Leia mais

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014

Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Relatório de boas práticas de governo societário - ano de 2014 Exmos Senhores, A Lei nº 50/2012 de 31 de agosto aprovou o regime jurídico da atividade empresarial local e das participações locais. A EPRM

Leia mais

Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto)

Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto) Relações de Trabalho (Marlene Melo, Antônio Carvalho Neto e José Francisco Siqueira Neto) Relações industriais, relações trabalhistas, relações sindicais ou relações profissionais: interações entre assalariados,

Leia mais

COMO ABRIR UMA IGREJA

COMO ABRIR UMA IGREJA COMO ABRIR UMA IGREJA Este ebook tem por finalidade proporcionar um esclarecimento sobre como as igrejas são vistas pelo governo, quais tributos ela deve pagar e como deve ser constituída. As igrejas,

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO

DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO EMENTA DIREITO DO TRABALHO E DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO DISCIPLINA: Teoria Geral do Direito do Trabalho CARGA-HORÁRIA: 10 horas EMENTA: Estudo sobre a introdução ao direito do trabalho, analisando

Leia mais

INSTITUCIONAL CS Terceirização e Trabalho Temporário

INSTITUCIONAL CS Terceirização e Trabalho Temporário CS TERCEIRIZAÇÃO INSTITUCIONAL A CS Terceirização e Trabalho Temporário foi fundada em 2010 por profissionais que acompanham a evolução deste mercado há mais de 20 anos. Toda a experiência adquirida ao

Leia mais

Quem somos. Caro empresário,

Quem somos. Caro empresário, Caro empresário, Écom satisfação que apresentamos aqui o SINDINFOR Sindicato das Empresas de Informática de Minas Gerais. Descreveremos brevemente os principais benefícios que sua empresa pode ter ao se

Leia mais

BUDDYWIN FOLHA DE PAGAMENTO

BUDDYWIN FOLHA DE PAGAMENTO BUDDYWIN FOLHA DE PAGAMENTO ESOCIAL MANUAL DE ORIENTAÇÃO Última Versão 1.0.0.0.0 Índice Índice... 3 Objetivo... 4 Apresentação... 4 esocial... 5 BuddyWin Folha De Pagamento... 5 1. Registro: S-1000: Informações

Leia mais

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas;

adequadas ao contexto econômico-financeiro e institucional das empresas; 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas do Sistema Eletrobrás, através da integração da logística de suprimento de bens e serviços, visando o fortalecimento de seu poder de compra

Leia mais

SPED Um ano de grandes mudanças

SPED Um ano de grandes mudanças SPED 2016 - Um ano de grandes mudanças Palestra: EFD-REINF Luis Claudio Palese Março 2016 O que é EFD-Reinf? Quem está obrigado? Blocos EFD-Reinf esocial vs. EFD-Reinf Estrutura EFD-Reinf vs esocial Integração

Leia mais

Para facilitar o entendimento sobre o BENEFÍCIO SOCIAL FAMILIAR, segue abaixo: 1. Página inicial da Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2017; 2.

Para facilitar o entendimento sobre o BENEFÍCIO SOCIAL FAMILIAR, segue abaixo: 1. Página inicial da Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2017; 2. Para facilitar o entendimento sobre o BENEFÍCIO SOCIAL FAMILIAR, segue abaixo: 1. Página inicial da Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2017; 2. Cláusula específica do Benefício Social Familiar; 3. Manual

Leia mais

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica

Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1 Princípios Básicos do Setor de Energia Elétrica 1 Modelo atual do setor elétrico brasileiro a partir de 2004 2 Marcos Regulatórios do Novo

Leia mais

Boletim Mensal - Fevereiro/2017

Boletim Mensal - Fevereiro/2017 Boletim Mensal - Fevereiro/2017 Fiscal Contábil RH Calendário Obrigações l Contábil Fiscal Receita Federal esclarece questões sobre o Programa de Regularização Tributária (PRT). Em entrevista coletiva

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Histórico e Fundamentos Legais. Maio/2008

SIMPLES NACIONAL. Histórico e Fundamentos Legais. Maio/2008 SIMPLES NACIONAL Histórico e Fundamentos Legais Maio/2008 1 FUNDAMENTOS LEGAIS Dispositivos Constitucionais: Art. 179 Art. 146, III, d e único (redação da EC 42/2003) Art. 94 do ADCT LC 123/2006 - Estatuto

Leia mais