Sonetos influência portuguesa na literatura brasileira.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sonetos influência portuguesa na literatura brasileira."

Transcrição

1 Sonetos influência portuguesa na literatura brasileira. Apesar do termo soneto já existir na França provençal (son ou sô designava ária da canção), o gênero ganhou notoriedade em Portugal, com Sá de Miranda e Luis de Camões, autores que influenciaram várias gerações de poetas brasileiros, como Olavo Bilac, Vinicius de Moraes e Glauco Mattoso. Exemplos: 12 Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento Etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te Alguma cousa a dor que me ficou Da mágoa sem remédio de perder-te, Roga a Deus, que teus anos encurtou, Que tão cedo de cá me leve a ver-te, Quão cedo de meus olhos te levou. 39 Grão tempo há já que soube da Ventura A vida que me tinha destinada, Que a longa experiência da passada Me dava claro indício da futura. Amor fero, cruel, Fortuna dura, Bem tendes vossa força exp'rimentada; Assolai, destruí, não fique nada, Vingai-vos desta vida que inda dura. Soube Amor, da Ventura, que a não tinha, E, porque mais sentisse a falta dela, De imagens impossíveis me mantinha. Mas vós, Senhora, pois que minha estrela Não foi melhor, vivei nesta alma minha, Que não tem a Fortuna poder nela. Sonetos de Camões Disponível em: Acesso 09 de Abr 2011.

2 Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma a si e vou tresvaliando, como em sonho. Isto passado, quando me desponho, e me quero afirmar se foi assi, pasmado e duvidoso do que vi, m'espanto às vezes, outras m'avergonho. Que, tornando ante vós, senhora, tal, Quando m'era mister tant' outr' ajuda, de que me valerei, se alma não val? Esperando por ela que me acuda, e não me acode, e está cuidando em al, afronta o coração, a língua é muda. Soneto de Sá de Miranda Disponível em: Acesso 09 de Abr De forma fixa, 14 versos dispostos em dois quartetos e dois tercetos, os sonetos geralmente são dodecassílabos (alexandrinos) ou decassílabos. Exemplos: Sin to que há na mi nha al ma um vá cuo i men so e fun do De tu do ao meu a mor se rei a ten to Verso de Machado de Assis. Verso de Vinicius de Morais As rimas são importantes porque compõem a musicalidade dos sonetos. Elas podem ser entrelaçadas, no esquema abba, ou seja, o primeiro verso rima com o último, e o segundo verso rima com o terceiro. "Quando em teus braços, meu amor, te beijo, se me torno, de súbito, tristonho, é porque às vezes, com temor, prevejo que esta alegria pode ser um sonho..." Estrofe de Martins Fontes.

3 Podem ser emparelhadas, no esquema aabb, ou seja, o primeiro verso rima com o segundo, e o terceiro verso rima com o quarto. "No rio caudaloso que a solidão retalha, na funda correnteza na límpida toalha, deslizam mansamente as garças alvejantes; nos trêmulos cipós de orvalho gotejantes..." Estrofe de Fagundes Varela. Podem ainda ser alternadas, no esquema abab, ou seja, o primeiro verso rima com o terceiro, e o segundo verso rima com o quarto. Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada E triste, e triste e fatigado eu vinha. Tinhas a alma de sonhos povoada, E a alma de sonhos povoada eu tinha Estrofe de Olavo Bilac. A forma fixa foi obviamente parodiada e criticada pelos modernistas e pelos poetas visuais. Os poetas pregavam a liberdade da forma e da rima, portanto o gênero parecia sufocar a inventividade da época. Vale conferir os poemas visuais de Aderrio Surré e Avelino Araújo; O poeta Glauco Mattoso, que inicialmente se envolveu com os experimentalismos da poesia marginal e gráfica, começou a compor sonetos quando foi perdendo a visão, devido à facilidade de memorizar o gênero. Hoje o poeta já conta com mais de 4000 sonetos, todos disponíveis para a leitura no seu site oficial O autor colabora com várias revistas. Na Caros Amigos, por exemplo, os sonetos são de cunho mais político, bem distante do lirismo clássico de Camões. Note como o trabalho de Mattoso é bastante atual e crítico e como ele burla a métrica, sem, contudo, perder a musicalidade do verso.

4 #2116 PARA A RESERVA DE MERCADO [25/1/2008] Será o Legislativo necessário? De fato, só governa o Executivo, a menos que o Poder Judiciário não mande uma demanda para o arquivo. E quanto ao Parlamento? Há quem compare-o a mero valhacouto seletivo, e quem ali não seja réu primário será estelionatário compulsivo. Em sendo assim, melhor fechar a Casa, revelam as pesquisas, pois só vaza a imagem do desvio de dinheiro... Se agora é do Mercado a ditadura, três bons profissionais estão à altura: ladrão, publicitário e marqueteiro. #2101 PARA JANEIRO [14/1/2008] Janeiro é mês de contas. Já não sobra nem cheiro dos assados natalinos... Agora é só boleto que me cobra o carro, a casa, a escola dos meninos... Duríssimo, sem margem de manobra, descasco abacaxis, corto pepinos... Ninguém, mais do que eu driblo, se desdobra em meio a proprietários e inquilinos... Tentei guardar o décimo terceiro, mas quem falou que fica algum dinheiro no saldo, se a vidinha anda tão braba? Das férias volto até mais estressado... Só tem, de positivo, o mês um lado: faltando apenas onze, um ano acaba... Acesso em 10 Abr 2011 Acesso 10 Abr 2011.

5 #2106 PARA JUNHO [14/1/2008] Junina ou joanina, não importa. Qualquer que seja o termo, as festas dão ensejo a lembrar gente que conforta: São Pedro, Santo Antônio e São João. Se a moça casadoira o santo exorta por fé, pede o político ladrão que o santo aos cofres-fortes lhe abra a porta a fim de que ele, impune, meta a mão. Forró, fogueira, fogos e balão: de luzes e barulho uma explosão folclórica os noturnos ares corta. Nem tudo vale comemoração: meu próprio aniversário põe-me tão tristonho, que parece data morta.. Acesso 10 Abr Glauco Mattoso é poeta, ficcionista, ensaísta e articulista em diversas mídias. Pseudônimo de Pedro José Ferreira da Silva (paulistano de 1951), o nome artístico trocadilha com "glaucomatoso" (portador de glaucoma, doença congênita que lhe acarretou perda progressiva da visão, até a cegueira total em 1995), além de aludir a Gregório de Matos, de quem é herdeiro na sátira política e na crítica de costumes. Exercício Proposto (para casa) Trecho da biografia do autor. Disponível em: Acesso 10 de Abr Pesquise e analise pelo menos dois sonetos de cada um dos autores listados: Gregório de Matos; Olavo Bilac; Gilka Machado; Manuel Bandeira; Vinicius de Moraes.

Quando eu, senhora...

Quando eu, senhora... Quando eu, senhora... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

QUANDO EU, SENHORA...

QUANDO EU, SENHORA... QUANDO EU, SENHORA... Sá de Miranda Quando eu, senhora, em vós os olhos ponho, e vejo o que não vi nunca, nem cri que houvesse cá, recolhe-se a alma em si e vou tresvariando, como em sonho. Isto passado,

Leia mais

A arte de escrever um soneto

A arte de escrever um soneto A arte de escrever um soneto Em primeiro lugar, não se ensina um poeta a escrever. Ele tira da alma o que sua mão escreve. Porém, a tarefa de escrever um soneto, uma obra considerada pelos intelectuais

Leia mais

Introdução à Literatura

Introdução à Literatura L.E. Semana 3 Sexta Feira Introdução à Literatura Gênero Lírico Gênero Lírico Lírico vem do latim lyricu e quer dizer lira, um instrumento musical grego. Áudio: Musique de la Gréce Antique Épitaphe de

Leia mais

Luís Vaz de Camões Retrato pintado em Goa, 1581.

Luís Vaz de Camões Retrato pintado em Goa, 1581. Luís Vaz de Camões +- 1524-1580 Retrato pintado em Goa, 1581. Vida Provavelmente nasceu e faleceu em Lisboa Um dos maiores poetas da literatura de língua portuguesa Frequentou a corte de D. João III 1755:

Leia mais

1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse

1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse 1) Soneto: Enquanto quis Fortuna que tivesse Enquanto quis Fortuna que tivesse Esperança de algum contentamento, O gosto de um suave pensamento Me fez que seus versos escrevesse. Porém, temendo Amor que

Leia mais

Literatura 1º ano João J. Classicismo

Literatura 1º ano João J. Classicismo Literatura 1º ano João J. Classicismo LITERATURA 1º ANO Tema: CLASSICISMO O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A

Leia mais

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3:

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3: 2º EM Literatura Carolina Aval. Mensal 18/05/12 Textos para a questão 1: Texto I OS SAPOS O sapo tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: Meu cancioneiro É bem martelado (...) Brada em um assomo O sapo tanoeiro:

Leia mais

RENASCIMENTO David de Michelangelo (1504) CLASSICISMO INFLUÊNCIA TRADICIONAL VS INFLUÊNCIA CLÁSSICA OU RENASCENTISTA. A influência / corrente tradicional A influência / corrente clássica CORRENTE TRADICIONAL

Leia mais

CARGO: Professor de Matemática

CARGO: Professor de Matemática PREFEITURA DE DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 005/2013 10 DE MARÇO DE 2013 CARGO: Professor de Matemática INSTRUÇÕES Este Caderno de Questões contém 25

Leia mais

Introdução à Literatura

Introdução à Literatura L.E. Semana 3 Sexta Feira Introdução à Literatura Gênero Lírico II - continuação - A rima segundo a tonicidade Agudas ou masculinas: quando a rima acontece entre palavras oxítonas ou monossilábicas. Exemplos:

Leia mais

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS Conceito; Origem; Classificação. OS GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO; LÍRICO OU POÉTICO; DRAMÁTICO OU TEATRAL. O GÊNERO

Leia mais

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta Amor & desamor Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta edição foram garimpados criteriosamente pelo escritor Sergio Faraco, que os editou nos volumes Livro dos sonetos, Livro do corpo, Livro das cortesãs,

Leia mais

COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA. Programa de Recuperação Final

COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA. Programa de Recuperação Final COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Programa de Recuperação Final 3ª Etapa 2010 Disciplina: Professor (a): Carlos Kalani Aluno (a): Valor: 10 pontos Ano: 2 Turma: 2AD-FG Nota: Caro aluno, você está recebendo

Leia mais

Soneto a quatro mãos

Soneto a quatro mãos Soneto a quatro mãos Circus do Suannes "Aonde quer que eu vá, eu descubro que um poeta esteve lá antes de mim". Sigmund Freud Não sou de dar lição a ninguém, pois meu tempo de magistério pertence à História

Leia mais

O texto poético Noções de versificação

O texto poético Noções de versificação O texto poético Noções de versificação Género lírico métrica, rima, composição Introdução A poesia é uma arte muito antiga e sabe-se que todas as literaturas começaram com textos em versos. Quando ouvimos

Leia mais

FIGURAS DE SINTAXE. h) i)

FIGURAS DE SINTAXE. h) i) FIGURAS DE SINTAXE 1. Identifique, nas frases e nos anúncios seguintes, as figuras de sintaxe. Atenção: há frases em que ocorrem duas figuras. a) Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser,

Leia mais

CHICÃO É UM RIO BONITO

CHICÃO É UM RIO BONITO CHICÃO É UM RIO BONITO Local: Bom Jesus da LAPA Data: 23/01/2001 Estúdio:10/12/2008. Estilo: Forró Tom: G (Sol maior) VOCÊ É UM RIO BONITO QUE LEVA O MEU AMOR E ME TRAZ O SEU SORRISO. NAVEGANDO NO SEU

Leia mais

Classicismo em Portugal

Classicismo em Portugal Classicismo em Portugal Contexto Histórico Desenvolvimento do comércio; Reforma Protestante; Desenvolvimento científico-tecnológico Navegações Antropocentrismo Imprensa Nas artes valorização dos clássicos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 21/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Síntese da unidade 4

Síntese da unidade 4 Síntese da unidade 4 Influências da lírica camoniana (Século XVI) Medida velha/corrente tradicional TEMAS Influência dos temas da poesia trovadoresca. Tópicos de circunstância; a saudade, o sofrimento

Leia mais

A vista incerta, Os ombros langues, Pierrot aperta As mãos exangues De encontro ao peito. (Manuel Bandeira)

A vista incerta, Os ombros langues, Pierrot aperta As mãos exangues De encontro ao peito. (Manuel Bandeira) SONORIDADE: FIGURAS E SENTIDO Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. (Luís de Camões) A vista incerta, Os

Leia mais

( ) A literatura brasileira da fase colonial é autônoma em relação à Metrópole.

( ) A literatura brasileira da fase colonial é autônoma em relação à Metrópole. 3º EM Literatura Carolina Aval. Subs. / Opt. 23/04/12 1. Sobre o Quinhentismo brasileiro, assinale V para verdadeiro e F para falso. Em seguida, explicite o erro das afirmações julgadas falsas. (Os itens

Leia mais

LITERATURA BRASILEIRA Textos literários em meio eletrônico Gregório de Matos

LITERATURA BRASILEIRA Textos literários em meio eletrônico Gregório de Matos LITERATURA BRASILEIRA Textos literários em meio eletrônico Gregório de Matos Texto-fonte: Obra Poética, de Gregório de Matos, 3ª edição, Editora Record, Rio de Janeiro, 1992. Crônica do Viver Baiano Seiscentista

Leia mais

CARGO: Professor de Séries Iniciais

CARGO: Professor de Séries Iniciais PREFEITURA DE DOUTOR MAURÍCIO CARDOSO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N.º 005/2013 10 DE MARÇO DE 2013 CARGO: Professor de Séries Iniciais INSTRUÇÕES Este Caderno de Questões contém

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos Textos para os itens 1 e 2 I. Pálida, à luz da lâmpada sombria Sobre o leito de flores reclinada, como a lua

Leia mais

Elementos Estruturais da Poesia

Elementos Estruturais da Poesia Elementos Estruturais da Poesia ÍNDICE Estrofe Classificação da estrofe Ritmo Metrificação Classificação do verso Rima Classificação de rima Estrofe Parte de um poema consistindo de uma série de linhas

Leia mais

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este Vivo num sonho que não é realidade Faz parte do meu viver Crescer sonhando esquecendo os planos Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este EU Hoje deixei pra lá me esqueci de tudo Vivo minha vida sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO. O nome do projeto DANÇANDO PARA NÃO DANÇAR é criativo, descontraído e atraente, abrange tanto o sentido da língua culta como o da gíria.

RESOLUÇÃO. O nome do projeto DANÇANDO PARA NÃO DANÇAR é criativo, descontraído e atraente, abrange tanto o sentido da língua culta como o da gíria. RESOLUÇÃO PORTUGUÊS QUESTÃO 01 Manuel Bandeira, poeta do modernismo brasileiro, canta a liberdade. Pasárgada seria o lugar criado e escolhido para exercê-la. Não se refere ao exílio ou à pátria, à infância,

Leia mais

urn Exercício de Análise

urn Exercício de Análise urn Exercício de Análise Maria Lúcia de Barros Camargo Andaló * "Peregrinação" Bandeira, Manuel. "Estrela da Tarde", Poesia Completa e Prosa, Rio,Aguilar 1974, p. 326. Quando olhada de face, era um abril.

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

Romantismo no Brasil 2ª e 3ª Geração

Romantismo no Brasil 2ª e 3ª Geração Texto para as questões 1 e 2. Minha terra Todos cantam sua terra, Também vou cantar a minha, Nas débeis cordas da lira Hei de fazê-la rainha; Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá (Gonçalves Dias)

Leia mais

Fabiana Medeiros Júlio Balisa

Fabiana Medeiros Júlio Balisa Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Letras Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID Escola Estadual José Fernandes Machado Subprojeto: Língua Portuguesa Fabiana

Leia mais

ALMA CRUCIFICADA. A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar

ALMA CRUCIFICADA. A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar ALMA CRUCIFICADA A alma que o próprio Senhor Quis voltar seu olhar E quis revelar seus mistérios Prá nela habitar Recebe do Crucificado A prova de amor Forjada aos pés do madeiro Sentirá também sua dor

Leia mais

SONETO. SONETO Fagundes Varela ( )

SONETO. SONETO Fagundes Varela ( ) SONETO Fagundes Varela (1841-1875) Desponta a estrela d alva, a noite morre. Pulam no mato alígeros cantores, E doce a brisa no arraial das flores Lânguidas queixas murmurando corre. Volúvel tribo a solidão

Leia mais

Luís de Camões (1524?-1580?)

Luís de Camões (1524?-1580?) Prof. André de Freitas Barbosa Análise literária Luís de Camões (1524?-1580?) SONETOS (1595) Aspectos da lírica camoniana Luís de Camões é o maior expoente do Classicismo literário e, por extensão, do

Leia mais

Teoria Literária I Profª Angela Catonio

Teoria Literária I Profª Angela Catonio Teoria Literária I Profª Angela Catonio VERSIFICAÇÃO PROSA É o texto em linguagem natural e espontânea, a expressão do não-eu. A estrutura do texto não possui forma especial de composição, compõese em

Leia mais

CECÍLIA MEIRELLES CIRANDA CULTURAL 2º ANO A/2011 CIRANDA CULTURAL_POEMAS

CECÍLIA MEIRELLES CIRANDA CULTURAL 2º ANO A/2011 CIRANDA CULTURAL_POEMAS CECÍLIA MEIRELLES 1901-1964 CIRANDA CULTURAL_POEMAS 2º ANO A/2011 CIRANDA CULTURAL 2º ANO A/2011 ILUSTRADORES: AILA, ANA LUIZA VIANNA, LIVIA MARIA, VITÓRIA Uma Palmada Bem Dada Cecília Meireles É a menina

Leia mais

PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Processo Seletivo Cursos Semipresenciais 00 Edital Nº 0/00 RECURSO ADMINISTRATIVO CONTRA GABARITO/QUESTÃO PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz

Universidade Estadual de Santa Cruz A ÉTICA DA PAIXÃO Universidade Estadual de Santa Cruz GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA JAQUES WAGNER - GOVERNADOR SECRETARIA DE EDUCAÇÃO OSVALDO BARRETO FILHO - SECRETÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA - 2016 Nome: Nº 1ª Série Professores : Danilo / Fernando / Nicolas Nota: I Introdução Caro aluno, Neste ano, você obteve média inferior a 6,0 e, portanto, não

Leia mais

ESTUDO DO POEMA ESTRUTURA

ESTUDO DO POEMA ESTRUTURA ESTUDO DO POEMA ESTRUTURA O que é escansão? Escansão significa dividir o verso em sílabas métricas ou poéticas. VERSO Cada linha do poema Sete anos de pastor Jacó servia ESTROFE É o conjunto de vários

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DA UNIDADE II PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS

LÍNGUA PORTUGUESA AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DA UNIDADE II PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS DA UNIDADE II PONTUAÇÃO: 7,5 PONTOS Questão 01 Leia este trecho: Ninguém esquece um episódio de Os Simpsons Aquela estupidez memorável do Homer não sai da sua cabeça? Questão 01 Você não é o único. Seriado

Leia mais

AULA 2 TEORIA LTERÁRIA Profª: Nichele Antunes

AULA 2 TEORIA LTERÁRIA Profª: Nichele Antunes AULA 2 TEORIA LTERÁRIA Profª: Nichele Antunes GÊNERO LÍRICO: é a manifestação literária em que predominam os aspectos subjetivos do autor. É, em geral, a maneira de o autor falar consigo mesmo ou com um

Leia mais

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo,

*O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, * *O Amor é o principal tema de toda a lírica camoniana - como é n'os Lusiadas, uma das grandes linhas que movem, organizam e dão sentido ao universo, elevando os heróis à suprema dignidade de, através

Leia mais

Aula A POESIA BRASILEIRA PARNASIANA: META OBJETIVOS. Leitura da aula 1, 2, 3, 4, 5 e 8.

Aula A POESIA BRASILEIRA PARNASIANA: META OBJETIVOS. Leitura da aula 1, 2, 3, 4, 5 e 8. A POESIA BRASILEIRA PARNASIANA: META OBJETIVOS Leitura da aula 1, 2, 3, 4, 5 e 8. Literatura brasileira II Prezado aluno, vamos estudar a poesia brasileira parnasiana que consolidar o Parnasianismo no

Leia mais

Vanguarda europeia Modernismo português

Vanguarda europeia Modernismo português Vanguarda europeia Modernismo português A Semana de Arte Moderna, realizada em São Paulo no ano de 1922, representou um marco no movimento modernista, mas não foi um acontecimento único nem isolado. O

Leia mais

Demos tiempo al tiempo: para que ele vaso rebose hay que llenarlo primero. Antonio Machado

Demos tiempo al tiempo: para que ele vaso rebose hay que llenarlo primero. Antonio Machado José Saramago Oo Nota da 2. a edição Aparece esta edição de Os Poemas Possíveis dezasseis anos depois da primeira. Não é assim tanto, comparando com os dezasseis séculos que sinto ter juntado à minha idade

Leia mais

MONÓLOGO MAIS UMA PÁGINA. Por Ana Luísa Ricardo Orlândia, SP 2012

MONÓLOGO MAIS UMA PÁGINA. Por Ana Luísa Ricardo Orlândia, SP 2012 MONÓLOGO MAIS UMA PÁGINA Por Ana Luísa Ricardo Orlândia, SP 2012 FUNDO PRETO CHEIO DE ESTRELAS. UM BANQUINHO UM VIOLÃO ÚNICO PERSONAGEM QUE SERÁ TRATADO COMO O CANTOR E ESTARÁ VESTIDO COMO CANTOR DE BARZINHO.

Leia mais

Leia: É uma Partida de Futebol

Leia: É uma Partida de Futebol ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA LÍNGUA PORTUGUESA PROFESSOR (A): Juliana B. Stoll TURMA: 7º Ano Matutino REVISÃO Leia: É uma Partida de Futebol Bola na trave não altera o placar Bola na área sem ninguém

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

I HAVE A HOPE. Verse 1 Eu tenho uma esperança

I HAVE A HOPE. Verse 1 Eu tenho uma esperança I HAVE A HOPE Verse 1 Eu tenho uma esperança Tenho uma esperança, Tenho um futuro Tenho um destino que ainda está a me esperar Minha vida não acabou, um novo começo começou Tenho uma esperança, Tenho essa

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento Aula 4 Renascimento Renascimento ou Renascença O florescimento intelectual e artístico que começou na Itália no século XIV, culminou nesse país no século XVI e influenciou enormemente outras partes da

Leia mais

01. SENHOR AMADO (GERMANO GUILHERME) PARA OS TEMPOS QUE ESTAVAS NO MUNDO

01. SENHOR AMADO (GERMANO GUILHERME) PARA OS TEMPOS QUE ESTAVAS NO MUNDO 01. SENHOR AMADO (GERMANO GUILHERME) PARA OS TEMPOS QUE ESTAVAS NO MUNDO MANDARAM TE CHAMAR NA CASA DA MÃE SANTÍSSIMA, PARA TI, PARA TI TE APRESENTAR. SENHORA MÃE SANTÍSSIMA, EU VIM ME APRESENTAR. ATENDER

Leia mais

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti!

Saudades. Quantas vezes, Amor, já te esqueci, Para mais doidamente me lembrar, Mais doidamente me lembrar de ti! Durante as aulas de Português da turma 10.º 3, foi lançado o desafio aos alunos de escolherem poemas e tentarem conceber todo um enquadramento para os mesmos, o que passava por fazer ligeiras alterações

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra

Classicismo. Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Classicismo Literatura brasileira 1ª EM Prof.: Flávia Guerra Contexto O século XV traz o ser humano para o centro dos acontecimentos, relegando para segundo plano o deus todopoderoso do período medieval.

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Noite)

Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) Resolução de Questões do ENEM (Noite) 1.TEXTO I Versos de amor A um poeta erótico Oposto ideal ao meu ideal conservas. Diverso é, pois, o ponto outro de vista Consoante

Leia mais

O que é que tem sentido nesta vida? VINICIUS DE MORAES

O que é que tem sentido nesta vida? VINICIUS DE MORAES Troca do Livro Lições de Português e História 4º ano 4º A e B 4º C Semana de 22 a 26 de maio de 2017. quarta-feira segunda-feira Leia o texto a seguir para realizar as lições de Língua Portuguesa desta

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA CONSOLO E ENCORAJAMENTO

IGREJA CRISTÃ MARANATA CONSOLO E ENCORAJAMENTO 3300 DAS PROFUNDEZAS A TI CLAMO, Ó SENHOR (Am) 3301 TODA A MINHA DOR JESUS LEVOU (C) G G G G G F F F E G / A A A A B C A C A G / B B B B A A A A G / G F G A F E F G E Coro: C G G G G A G F F E F / B A

Leia mais

Ziraldo O SEGREDO DE. (com desenhos especiais de Célio César)

Ziraldo O SEGREDO DE. (com desenhos especiais de Célio César) Ziraldo O SEGREDO DE (com desenhos especiais de Célio César) http://groups.google.com/group/digitalsource Era uma vez uma letra que era muito interessante e que se chamava Úrsula. Parece nome de estrela

Leia mais

Madrinha Percília Percília Matos da Silva

Madrinha Percília Percília Matos da Silva Madrinha Percília Percília Matos da Silva Tema 2012: Flora Brasileira Bougainvillea spectabilis 1 www.hinarios.org 2 01 NOSSO MESTRE NOS ENSINA Nosso mestre nos ensina Nós devemos aprender A doutrina do

Leia mais

Madrinha Percília. Percília Matos da Silva. Tema 2012: Flora Brasileira Bougainvillea spectabilis

Madrinha Percília. Percília Matos da Silva. Tema 2012: Flora Brasileira Bougainvillea spectabilis Madrinha Percília Percília Matos da Silva Tema 2012: Flora Brasileira Bougainvillea spectabilis 1 www.hinarios.org 2 01 NOSSO MESTRE NOS ENSINA Nosso mestre nos ensina Nós devemos aprender A doutrina do

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo Bárbara da Silva Literatura Parnasianismo O Parnasianismo foi um movimento essencialmente poético, surgido na segunda metade do século XIX, reagindo contra o sentimentalismo e o subjetivismo dos românticos.

Leia mais

TROVADORISMO. Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010

TROVADORISMO. Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010 TROVADORISMO Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010 Em meados do século XII, Portugal se constitui como um estado independente = início de sua história literária. http://lh6.google.com/c.alberto.vaz

Leia mais

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular.

Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Mulher lendo Renoir, c. 1895, óleo sobre tela, 32 x 28 cm. Coleção particular. Poesia Miguel Reale Eterna juventude Quando em meus olhos os teus olhos pousas vejo-te jovem como via outrora: luz interior

Leia mais

Reportório de Janeiras do Grupo Coral Paroquial Letras: Henriqueta Santos / Maria do Carmo Lomba

Reportório de Janeiras do Grupo Coral Paroquial Letras: Henriqueta Santos / Maria do Carmo Lomba Reportório de Janeiras do Grupo Coral Paroquial Letras: Henriqueta Santos / Maria do Carmo Lomba "Vimos Cantar as Janeiras" Música: "mãe querida, mãe querida" Feliz de quem, Nos quer ouvir, P'ra começar

Leia mais

Encarte

Encarte Encarte e letras disponíveis em Encarte www.encartedigitalmk.com.br e letras disponíveis em Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais

Leia mais

Pela luz dos olhos teus

Pela luz dos olhos teus Pela luz dos olhos teus Sumário 10 Poema dos olhos da amada 13 Soneto do maior amor 14 A mulher que passa 17 Ternura 20 Soneto do Corifeu 21 Carne 22 A brusca poesia da mulher amada 23 Soneto do amor

Leia mais

A MANUEL ANTÓNIO PINA POESIA REUNIDA ASSÍRIO & ALVIM

A MANUEL ANTÓNIO PINA POESIA REUNIDA ASSÍRIO & ALVIM A 351941 MANUEL ANTÓNIO PINA POESIA REUNIDA ASSÍRIO & ALVIM ÍNDICE AINDA NÃO É O FIM NEM O PRINCÍPIO DO MUNDO CALMA É APENAS UM POUCO TARDE (i974) I. AINDA NÂO É O FIM NEM O PRINCÍPIO DO MUNDO CALMA É

Leia mais

VIVA O OUTONO. INTÉRPRETES um Avô e dois netos

VIVA O OUTONO. INTÉRPRETES um Avô e dois netos VIVA O OUTONO INTÉRPRETES um Avô e dois netos ANA Que estás a fazer, Avô? Não ouves, Avô? AVÔ Quê?.. Estás aí?.. Estou a tocar, não vês?... Não ouves? ANA Bem vejo, bem oiço, mas não é tocar por tocar,

Leia mais

Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto

Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Verso = cada linha da poesia Estrofes = cada conjunto de verso. Rima = coincidência de sons, geralmente no final dos versos. De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que

Leia mais

A passagem do tempo na cultura digital

A passagem do tempo na cultura digital A passagem do tempo na cultura digital "Tempus fugit", o tempo voa, é uma inscrição em latim encontrada em muitos relógios. Para mim, voa. E para você? Voa para todos, parece. Essa sensação de estar perdendo

Leia mais

Falando de amor e ilusão.

Falando de amor e ilusão. Falando de amor e ilusão. Sérgio Batista 2 Falando de amor e ilusão Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 3 Titulo Original Falando de amor e ilusão Primeira Edição Copyright

Leia mais

Mês Vocacional & Festa da Assunção de Nsa. Senhora

Mês Vocacional & Festa da Assunção de Nsa. Senhora Mês Vocacional & Festa da Assunção de Nsa. Senhora Entrada: EIS-ME AQUI SENHOR! EIS-ME AQUI SENHOR! (2x) PRA FAZER TUA VONTADE PRA VIVER NO TEU AMOR PRA FAZER TUA VONTADE PRA VIVER NO TEU AMOR EIS-ME AQUI

Leia mais

Maurits Cornelis Escher (Holandês)

Maurits Cornelis Escher (Holandês) Poesia Maurits Cornelis Escher 1898 1972 (Holandês) O MUNDO É GRANDE Carlos Drummond de Andrade O mundo é grande e cabe nesta janela sobre o mar. O mar é grande e cabe na cama e no colchão de

Leia mais

Santa Missa. Mestre Raimundo Irineu Serra

Santa Missa. Mestre Raimundo Irineu Serra Santa Missa Mestre Raimundo Irineu Serra 1. SENHOR AMADO Para os tempos que estavas no mundo Mandaram te chamar Na casa da Mãe Santíssima Pra ti pra ti te apresentar Senhora Mãe Santíssima Eu vim me apresentar

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

1 O sol cobre de sangue o horizonte e a pálida lua, trêmula, lança seu pungente olhar sobre a terra.

1 O sol cobre de sangue o horizonte e a pálida lua, trêmula, lança seu pungente olhar sobre a terra. HAI KAI Victor Knoll Universidade de São Paulo (USP). 1 O sol cobre de sangue o horizonte e a pálida lua, trêmula, lança seu pungente olhar sobre a terra. 2 O poder do Astro Rei desfalece no horizonte

Leia mais

AMA QUE É BOM! AMA, AMA QUE É BOM! AMA, AMA QUE VEM DE DOM! AMA, AMA QUE É BOM! AMA, AMA QUE VEM DE DOM!

AMA QUE É BOM! AMA, AMA QUE É BOM! AMA, AMA QUE VEM DE DOM! AMA, AMA QUE É BOM! AMA, AMA QUE VEM DE DOM! AMA QUE É BOM! Lugar: Itacaré (BA) Data: 10/12/2009. Estilo: Fado baiano Tom: Fá sustenido menor (F#m) Estúdio: 18/12/11 QUE É BOM! QUE VEM DE DOM! QUE É BOM! QUE VEM DE DOM! UM POUCO MAIS QUEM AMA NA

Leia mais

FIGURAS DE LINGUAGEM

FIGURAS DE LINGUAGEM FIGURAS DE LINGUAGEM Figuras de linguagem figura do latim aspecto, forma, aparência. Exercem papel preponderante na construção do sentido do texto literário. QUAIS AS FIGURAS DE LINGUAGEM MAIS COMUNS?

Leia mais

Alguns Poetrix de TecaMiranda:

Alguns Poetrix de TecaMiranda: POETRIX A palavra Poetrix (neologismo criado a partir de poe, poesia e trix, três) surge pela primeira vez no idioma português no Manifesto Poetrix, publicado no livro TRIX Poemetos Tropi-kais, de Goulart

Leia mais

HINOS DE CONCENTRAÇÃO

HINOS DE CONCENTRAÇÃO HINOS DE CONCENTRAÇÃO 73 1. FIRMEZA (Padrinho Sebastião - 03) Firmeza firmeza no amor Firmeza firmeza aonde estou Eu estou firme com meu Jesus Eu estou firme nesta luz Aonde estou Firmeza firmeza no amor

Leia mais

Revisão com aprofundamento: Barroco e Arcadismo

Revisão com aprofundamento: Barroco e Arcadismo Revisão com aprofundamento: Barroco e Arcadismo Revisão com aprofundamento: Barroco e Arcadismo 1. (VUNESP) Sermão do Mandato Começando pelo amor. O amor essencialmente é união, e naturalmente a busca:

Leia mais

UM OLHAR ENTRE DOIS POETAS

UM OLHAR ENTRE DOIS POETAS UM OLHAR ENTRE DOIS POETAS 1 2 CARLA DETOMI RODRIGO PICON UM OLHAR ENTRE DOIS POETAS 3 Título UM OLHAR ENTRE DOIS POETAS É proibida a reprodução desta obra, em parte ou totalmente, por meio eletrônico,

Leia mais

Deixo meus olhos Falar

Deixo meus olhos Falar Tânia Abrão Deixo meus olhos Falar 1º Edição Maio de 2013 WWW.perse.com.br 1 Tânia Abrão Biografia Tânia Abrão Mendes da Silva Email: Tania_morenagata@hotmail.com Filha de Benedito Abrão e Ivanir Abrão

Leia mais

FIGURAS DE CONSTRUÇÃO

FIGURAS DE CONSTRUÇÃO FIGURAS DE CONSTRUÇÃO As figuras de construção ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade ao significado. Assim, a lógica da frase é substituída pela maior expressividade que se dá ao sentido.

Leia mais

TOQUES DA VIDA FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES

TOQUES DA VIDA FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES TOQUES DA VIDA FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES ÍNDICE 2 Afeição, Alívio, Amizade, Amor, Benfeitor, Caso Estranho... 04 Cochichos, Comparação, Compromisso, Condicionamento, Confia Sempre, Desejo...

Leia mais

HINÁRIO. Ana de Souza Ana de Souza Brito A ALVORADA. 01 OH! MEU DIVINO PAI 02 VOU SEGUINDO

HINÁRIO. Ana de Souza Ana de Souza Brito A ALVORADA.  01 OH! MEU DIVINO PAI 02 VOU SEGUINDO HINÁRIO A ALVORADA Ana de Souza Ana de Souza Brito www.hinarios.org 1 2 01 OH! MEU DIVINO PAI 3X 02 VOU SEGUINDO 3X Oh! Meu divino pai Vós mandou me chamar Eu vivo aqui sozinha Saí a procurar Eu vou seguindo,

Leia mais

HINÁRIO. Ana de Souza A ALVORADA. Ana de Souza Brito

HINÁRIO. Ana de Souza A ALVORADA. Ana de Souza Brito HINÁRIO A ALVORADA Ana de Souza Ana de Souza Brito 1 www.hinarios.org 2 01 OH! MEU DIVINO PAI 3X Oh! Meu divino pai Vós mandou me chamar Eu vivo aqui sozinha Saí a procurar 1 02 VOU SEGUINDO 3X Eu vou

Leia mais

VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU

VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU VIGÍLIA DE ORAÇÃO POR QUEM NOS MORREU PARÓQUIA DE NOSSA SENHORA DA HORA 2010-2011 P = Presidente: Aquele que preside à oração. Qualquer pessoa o pode fazer, desde que tenha gosto e capacidade para tal.

Leia mais

Meu Diário em Sextetos (2016) Ives Gandra da Silva Martins. Poeta Ives Gandra da Silva Martins, que é jurista e filósofo

Meu Diário em Sextetos (2016) Ives Gandra da Silva Martins. Poeta Ives Gandra da Silva Martins, que é jurista e filósofo Meu Diário em Sextetos (2016) Ives Gandra da Silva Martins Poeta Ives Gandra da Silva Martins, que é jurista e filósofo Ives Gandra da Silva Martins nasceu em São Paulo, em 1935 === MEU DIÁRIO EM SEXTETOS

Leia mais

INVASORA DOS MEUS SONHOS

INVASORA DOS MEUS SONHOS Gonzaga Filho Página 1 Gonzaga Filho Página 2 Gonzaga Filho INVASORA DOS MEUS SONHOS Primeira Edição Guamaré - RN 2015 Gonzaga Filho Página 3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara

Leia mais

Dentro da noite escura

Dentro da noite escura Novembro de 2009 - Nº 6 Dentro da noite escura Alexandre Bonafim * a Donizete Galvão!O noche amable más que la alborada! San Juar de La Cruz I O silêncio, feito correnteza de instantes amordaçados, corta

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2017 / 2018

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2017 / 2018 DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS 2017 / 2018 PLANIFICAÇÃO PORTUGUÊS -12º ANO Unidade 0 Diagnose. Artigo de opinião..texto de opinião. Identificar temas e ideias principais. Fazer inferências. Texto poético: estrofe,

Leia mais

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos Comigo mais poesia Comigo mais poesia Nelson Martins Reflexões e Sentimentos Apresentação A poesia de Nelson Martins conduz o leitor à territorialidade da existência humana, como memória grifada de cada

Leia mais

Título original Poemas, Maurício Ribeiro: Espírito e Alma.

Título original Poemas, Maurício Ribeiro: Espírito e Alma. 1 Título original Poemas, Maurício Ribeiro: Espírito e Alma. Todos os direitos reservados: nenhuma parte dessa publicação pode ser reproduzida ou transmitida por meio eletrônico, mecânico, fotocópia ou

Leia mais