Ebury Gestão do risco cambial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ebury Gestão do risco cambial"

Transcrição

1 Ebury Gestão do risco cambial Apresentado por Duarte Líbano Monteiro Diretor Geral para Península Ibérica ebury.pt

2 2 Agenda 01 Ebury: soluções de câmbios à medida da sua empresa 02 Gestão do risco cambial 03 Casos de estudo: Exportador para o Brasil Importador da China

3 01 Ebury: Soluções de câmbios à medida da sua empresa ebury.pt

4 4 Serviços de câmbio para PME Somos especialistas em pagamentos, cobranças internacionais e gestão de câmbios, funcionando como uma alternativa aos bancos tradicionais na gestão e cobertura de troca de moeda para empresas. Fundada em Londres em 2009 Equipas locais em +10 países apoiando +12,000 clientes por toda a Europa Mercado de câmbios Fornecedor de liquidez No mercado português desde 2015, contando já com +180 clientes Estratégias de gestão Taxas de câmbio competitivas Serviço personalizado Acesso a +140 moedas Ebury Cliente +360 colaboradores em toda a Europa

5 5 Capacidades tecnológicas próprias que potenciam os nossos serviços... Fornecedores de liquidez Banco Banco Banco etc Especialistas em divisas Conectividade Cliente Ecossistema Reconciliação e matching automáticos Países com acesso à rede de pagamentos Reino Unido Setor bancário Infraestrutura inteligente de pagamentos através de corredores bancários e não bancários otimizados para a velocidade Península Ibérica Setor não bancário Países Baixos Outros Mais de transações por mês em mais de 140 divisas

6 6 resultam num crescimento exponencial Os nossos mais de 12,000 clientes (400 novos clientes a cada mês) Provenientes de cerca de 20 países diferentes Fazem negócios em mais de 180 países E executam mais de transações por mês

7 02 Gestão do risco cambial ebury.pt

8 Através de uma adequada gestão de risco cambial a empresa tem a possibilidade de eliminar o risco se realizar uma compra ou venda antecipada de moeda, protegendo-se contra as variações das taxas de câmbio.

9 9 Gestão do risco cambial através de: Pagamentos em +140 moedas & cobranças internacionais em +60 Tornar os pagamentos internacionais mais simples e rápidos, mesmo em moedas de mercados emergentes com restrições de liquidez Cobrar pagamentos a clientes de diferentes países Cobertura do risco cambial até 3 anos Grande diversidade de soluções para cobertura do risco cambial Estratégias personalizadas de acordo com as necessidades, exposição e divisas utilizadas

10 10 Proporcionando soluções para: RECEÇÃO DE COBRANÇAS DE CLIENTES DO ESTRANGEIRO (GBP, USD, ) REPATRIAÇÃO DE FUNDOS MOVIMENTO DE FUNDOS ENTRE EMPRESAS SUBSIDIÁRIAS PAGAMENTO DE FATURAS OU SALÁRIOS NA MOEDA LOCAL

11 11 Serviço personalizado: Que solução de gestão de divisas necessita? Recebe os pagamentos dos seu clientes de moeda estrangeira na sua conta em EUR? Tem contas bancárias nas moedas dos países para qual exporta (ou onde tem projectos)? Sim Não Sim Não Conhece o volume exacto de moeda estrangeira que terá de converter nos próximos X meses? Sim Pretende assegurar 100% da sua exposição ou apenas uma percentagem? Sim Não Não Solução personalizada

12 03 Casos de estudo ebury.pt

13 Caso de estudo Empresa exportadora do sector industrial Enquadramento Uma empresa portuguesa do setor industrial exportava mercadorias para o Brasil. Com grande regularidade, tinha de cobrar aos seus clientes nesse país em reais brasileiros (BRL). Necessidade A empresa precisava de uma solução que lhe cobrisse o risco de exportar para uma economia emergente com restrições rígidas nos seus câmbios, como é o caso do Brasil. Com efeito, a empresa estava desprotegida a nível do preço de venda. Isto porque, ao emitir faturas em reais brasileiros, tornava-se facilmente vulnerável à variação cambial EUR/BRL até ao momento em que recebia a fatura, ou seja, 90 dias, podendo afetar a margem das suas exportações.

14 14 Caso de estudo: empresa exportadora industrial Estratégia seguida: NDF A empresa, que emite faturas de cerca de 2M de reais, por mês, passou a fixar as taxas de câmbio através de Non-Deliverable Forwards (NDF) no momento da negociação com o seu cliente e da respetiva emissão da Vantagens A empresa passou a estar protegida das flutuações cambiais Passou a assegurar a sua margem de negócio fatura. Eliminou a incerteza Quantidade assegurada: 2M BRL (venda BRL) Periodo: 3 meses Taxa de câmbio do NDF: 4 EUR/BRL Passou a conhecer de antemão o valor das suas vendas internacionais Exemplo de Evolução do EUR/BRL Liquidação por diferenças: Câmbio = Se o câmbio na maturidade do NDF é 5: Ebury paga a diferença Se câmbio na maturidade do NDF é 3,5: a empresa paga a diferença

15 Caso de estudo Empresa importadora do setor têxtil Necessidade Uma empresa portuguesa do setor têxtil importava mercadorias desde a China. Com grande regularidade, tinha de fazer pagamentos aos seus fornecedores internacionais nesse país, algo que fazia em USD. Oportunidade A empresa cedo se apercebeu que teria uma vantagem competitiva caso conseguisse negociar as suas faturas também na moeda local chinesa (CNY). Com efeito, devido à recente valorização do USD, a possibilidade de pagar as suas faturas em yuan chineses permitir-lhe-ia poupar cerca de 4%, ao converter diretamente os euros em yuans, em vez de efetuar a operação em dólares. Isto porque muitos fornecedores colocam um custo adicional de até 5%, nas suas faturas em USD, devido a custos e riscos que assumem com a taxa de câmbio.

16 16 Caso de estudo: empresa importadora do setor têxtil Estratégia seguida: Forward Aberto Para aceder a taxas de câmbio mais competitivas que as da banca, e para ter acesso ao CNY esta empresa têxtil recorreu aos serviços da Ebury e começou a negociar os preços com os seus fornecedores, em CNY. Para eliminar totalmente a incerteza das taxas de câmbio nos seus pagamentos, a empresa contratou um forward aberto (que consiste num contrato que permite fazer disposições à taxa previamente acordada durante uma janela temporal), para assegurar o preço de compra do CNY para a próxima temporada de compras. Cambio =

17 Informação de contato ebury.pt

Código Revisão Data Emissão Aprovação POL /05/2017 GEFIN RCA

Código Revisão Data Emissão Aprovação POL /05/2017 GEFIN RCA Código Revisão Data Emissão Aprovação POL 09.00002 1.0 03/05/2017 GEFIN RCA Título: Política de Gestão de Derivativos Sumário 1 OBJETIVO... 2 2 ABRANGÊNCIA... 2 3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 2 4 DEFINIÇÕES...

Leia mais

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA 1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS ANO LECTIVO 2008/2009 ÉPOCA NORMAL Duração: 1,5 horas Já com a tolerância Atenção: Não se esqueça de indicar

Leia mais

Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML) São Paulo, 27 de outubro de 2016

Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML) São Paulo, 27 de outubro de 2016 Sistema de Pagamentos em Moeda Local (SML) São Paulo, 27 de outubro de 2016 Sumário Antecedentes e Características Funcionamento Vantagens e Custos Próximos passos Estatísticas 2 Antecedentes e Características

Leia mais

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO e Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 04 Contratos Futuro e a Termo

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP. Aula 04 Contratos Futuro e a Termo DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA DA FEA/USP EAC 0466 Precificação de Derivativos e Outros Produtos Aula 04 Contratos Futuro e a Termo Ciências Atuariais 2017 Programa 2. Mercado a Termo Mercado

Leia mais

Aprendendo a Exportar Formação do Preço de Exportação e Faturamento da Exportação Conex

Aprendendo a Exportar Formação do Preço de Exportação e Faturamento da Exportação Conex Aprendendo a Exportar Formação do Preço de Exportação e Faturamento da Exportação Conex Grupo Jéssica Scarance, Mário Frasson, Nina França, Isadora de Gorga, Mariane Miguel, Cecília Robalinho, Thaís Camargo

Leia mais

Bem-vindo ao curso sobre moedas

Bem-vindo ao curso sobre moedas Bem-vindo ao curso sobre moedas. 6-1-1 Neste tópico, discutiremos como definir moedas no processo de implementação. Explicaremos as consequências das escolhas na definição de moedas no processo de contabilidade

Leia mais

05/06/2017. Câmbio. Agenda da Aula Mercado Cambial. Câmbio. Mercado Cambial. Mercado Cambial

05/06/2017. Câmbio. Agenda da Aula Mercado Cambial. Câmbio. Mercado Cambial. Mercado Cambial Carlos R. Godoy 1 Mercado Financeiro I RCC 0407 Agenda da Aula - 09 Carlos R. Godoy 2 1. Política Cambial e Reservas 2. Intermediação Bancária 3. Operações a Vista e Futuras 4. Arbitragem de Câmbio Câmbio

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 21 de Agosto 2017 O Preçário

Leia mais

Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75

Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75 Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução...23 1.1. Visão geral das Finanças Internacionais...23 1.2. A Globalização dos Mercados...27 1.2.1. Os Grandes Blocos do

Leia mais

Tipo de custo Situação Condições Unidade Notas

Tipo de custo Situação Condições Unidade Notas Comissão de custódia Gratuito A tramitação de eventos corporativos, quer sejam voluntários ou obrigatórios Gratuito Conversão cambial 2,5% % de mark-up sobre o par cambial utilizado na conversão dos ganhos

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Seguro de Crédito à Exportação Conceito, Oportunidades e Estratégias

Seguro de Crédito à Exportação Conceito, Oportunidades e Estratégias Seguro de Crédito à Exportação Conceito, Oportunidades e Estratégias Daniel Nobre Diretor Presidente 14 / 10 / 14 Agenda Credito y Caución Atradius Seguro de Crédito Conceito Estratégias com Seguro de

Leia mais

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel IX: Como financiar suas exportações Fortaleza, 07 de julho Wagner Parente CEO, Barral M Jorge Wagner.parente@barralmjorge.com.br Matheus Andrade Consultor,

Leia mais

Regulação Sobre Moeda Estrangeira Brasil. Gianluigi Comini Caio Bonaldi Sousa Pereira Alvaro Antonio Tocchio

Regulação Sobre Moeda Estrangeira Brasil. Gianluigi Comini Caio Bonaldi Sousa Pereira Alvaro Antonio Tocchio Regulação Sobre Moeda Estrangeira Brasil Gianluigi Comini - 9051949 Caio Bonaldi Sousa Pereira 8966152 Alvaro Antonio Tocchio - 8964000 Tópicos Proibida a livre circulação de moeda estrangeira no Brasil

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre Reconciliação interna

Bem-vindo ao tópico sobre Reconciliação interna Bem-vindo ao tópico sobre Reconciliação interna. 4-2-1 Neste tópico, abordaremos como utilizar o processo de reconciliação interna, tanto do sistema quanto de usuário, em contas contábeis e parceiros de

Leia mais

Na hora de investir, conte com o conhecimento e a segurança do maior grupo financeiro de Portugal.

Na hora de investir, conte com o conhecimento e a segurança do maior grupo financeiro de Portugal. Na hora de investir, conte com o conhecimento e a segurança do maior grupo financeiro de Portugal. 1 Grupo Caixa Geral de Depósitos A CGD é o maior grupo financeiro português e detém a maior plataforma

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Financeiros. 11 de Abril de 2013

Política de Gestão de Riscos Financeiros. 11 de Abril de 2013 Política de Gestão de Riscos Financeiros 11 de Abril de 2013 Índice Objetivos da Política Atribuições Riscos Financeiros Gerenciamento de Riscos Financeiros Gerenciamento de Dívida e Indicadores Financeiros

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais MFEE FGV 2010 Finanças Internacionais Estudo de Caso 2 O dólar continuará sendo a principal moeda internacional? Prof. Marcio Janot 1 Motivação Quais são os principais fatores determinantes do uso de uma

Leia mais

VTM Visa Travel Money

VTM Visa Travel Money VTM Visa Travel Money Cartão Pré-Pago internacional recarregável em USD ou EUR que pode ser utilizado para compras* ou saques. Segurança para quem viaja e tranquilidade para quem fica. Adquirido através

Leia mais

4. CHEQUES (PARTICULARES)

4. CHEQUES (PARTICULARES) 4.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) (3) (4) (5) (6) 1.1 À ordem standard - Com data de validade

Leia mais

ECONOMIA TEORIA MONETÁRIA DEFINIÇÃO DE CONCEITOS: FUNÇÕES DA MOEDA: Meio de Troca Unidade de Conta Reserva de Valor 1 DEFINIÇÃO DE CONCEITOS: BANCO CENTRAL: SIGLA = BACEN Possui a PRIMAZIA (MONOPÓLIO)

Leia mais

Questões frequentes sobre o Cartão Pré-Pago Unicâmbio

Questões frequentes sobre o Cartão Pré-Pago Unicâmbio Questões frequentes sobre o Cartão Pré-Pago Unicâmbio Quais as vantagens do Cartão Pré-Pago Unicâmbio em relação aos Cartões de Crédito ou Débito? O Cartão Pré-Pago Unicâmbio é seguro! É do conhecimento

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO

SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO A REPRETEC TRADING A Repretec Trading está localizada na cidade de Itajaí - SC, há mais de 10 anos no mercado, contamos com profissionais

Leia mais

INFORMATIVO PACOTE 07 DE ATUALIZAÇÃO VERSÃO 8.0. Nº. 07 Mês/Ano: 14/03/2011 ATÉ: 10/06/2011. Revisão 001. Gestão de Conteúdo R&D

INFORMATIVO PACOTE 07 DE ATUALIZAÇÃO VERSÃO 8.0. Nº. 07 Mês/Ano: 14/03/2011 ATÉ: 10/06/2011. Revisão 001. Gestão de Conteúdo R&D INFORMATIVO PACOTE 07 DE ATUALIZAÇÃO VERSÃO 8.0 Nº. 07 ATÉ: 10/06/2011 Revisão 001 ÍNDICE 1. PACOTE DE ATUALIZAÇÃO 07...3 1.1. VERSÃO 8.0...3 1.1.1. Novas Funcionalidades...3 1.1.1.1. Módulo de Câmbio...3

Leia mais

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel VIII: Como financiar suas exportações Campo Grande, 19 de julho Matheus Andrade Consultor, Barral M Jorge Matheus.andrade@barralmjorge.com.br A Barral

Leia mais

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Equivalente 10.000,00 Conta Corporativa PLUS Equivalente 10.000,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES

Leia mais

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES)

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES) 12.1. Requisição e entrega de módulos de cheque Personalizado Self - Chequ e 1. Cheque cruzado Nota (1) (2) 1.1 À ordem standard - Com data de validade Nº de : 5 11,00 11,00 8,00 11,00 11,00 8,00 Nº de

Leia mais

Operações Cambiais de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias AVISO N.º 19/12 de 19 de Abril

Operações Cambiais de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias AVISO N.º 19/12 de 19 de Abril Operações Cambiais de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias AVISO N.º 19/12 de 19 de Abril Luanda, 10 de Julho de 2012 Agenda 1. Normas e Procedimentos para Liquidação Cambial de Mercadorias

Leia mais

Certificação CPA20 V 9.8

Certificação CPA20 V 9.8 3.5 Derivativos... 2 3.5.1 Termo, Futuros, Swaps e Opções: Características Formais dos Derivativos... 2 3.5.1.1 Contratos a Termo... 2 3.5.1.2 Contratos Futuros... 4 3.5.1.3 Contrato de SWAP... 5 3.5.1.4

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

Hedge Accounting. Eduardo Flores

Hedge Accounting. Eduardo Flores Hedge Accounting Eduardo Flores Financial Hedge Economic Hedge Natural Hedge Hedge Accounting / IAS 39 CPC 38 Contabilidade de Operações de Hedge Finalidade do Hedge: Todo derivativo deve ser marcado a

Leia mais

Custos de Financiamento

Custos de Financiamento Custos de Financiamento CFDs sobre Acções e Índices No final de cada dia de negociação (17h00 de Nova Iorque), as posições abertas podem estar sujeitas a custos de financiamento, uma vez que a negociação

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

3-O conceito associado à especialização de cada país na produção de alguns produtos e aquisição dos restantes ao Resto do Mundo intitula-se...

3-O conceito associado à especialização de cada país na produção de alguns produtos e aquisição dos restantes ao Resto do Mundo intitula-se... Para cada uma das questões, selecione a alternativa correta: 1-Um país detém uma vantagem absoluta na produção de um bem... (A) quando produz esse bem com um custo relativo inferior a outro país. (B) quando

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

Ajustando o Balanço de Pagamentos

Ajustando o Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Ajustando o Balanço de Pagamentos Desvalorização cambial Elevação das tarifas de importação Estabelecimento de cotas de importação Concessão de subsídios às exportações Controle de capitais

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Transportadoras Aéreas Dez-16

Prospecto Informativo Invest Transportadoras Aéreas Dez-16 Prospecto Informativo Invest Transportadoras Aéreas Dez-16 Dezembro de 2016 Designação: Classificação: Caracterização do Produto: Invest Transportadoras Aéreas Dez-16 Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO. Santa Maria da Feira 24 de Setembro de 2015

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO. Santa Maria da Feira 24 de Setembro de 2015 ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Santa Maria da Feira 24 de Setembro de 2015 PRIMEIROS PASSOS: PERGUNTAS FREQUENTES ????? 1 O porquê de Internacionalizar a minha empresa? Motivações? 2 O meu serviço/produto

Leia mais

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES)

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES) 12.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) 1.1 À ordem standard - Com data de validade Nº de cheques:

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR NBA DUAL EURUSD PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR NBA DUAL EURUSD PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR NBA DUAL EURUSD 2016-2018 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação EUR NBA DUAL EURUSD 2016-2018 Classificação Caracterização do produto Produto Financeiro Complexo Depósito Dual

Leia mais

Síntese Obrigações de Caixa BPI USD BRIC Abril 2008

Síntese Obrigações de Caixa BPI USD BRIC Abril 2008 Síntese Obrigações de Caixa BPI USD BRIC 80 + 8 2008-2010 Abril 2008 A presente síntese não dispensa nem substitui a leitura do Final Terms disponibilizado ao investidor OBJECTIVO DE INVESTIMENTO: Permitir

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 23 ECONOMIA ABERTA: REGIMES CAMBIAIS, DETERMINAÇÃO DA RENDA E IMPACTOS DA POLÍTICA ECONÔMICA Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia,

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Bear USD Série I

Prospecto Informativo - ATLANTICO Bear USD Série I Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO Bear USD Série I Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 18 meses (540 dias),

Leia mais

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1 - PLANEJAMENTO Novos mercados Mais lucros Mais empregos Maior escala de produção e vendas Separar uma parte da produção para o mercado interno

Leia mais

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011

Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação. Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 Mobilização Empresarial pela Inovação Internacionalização e Inovação Frederico Curado / Embraer SP - 17 junho 2011 OBJETIVOS Consolidar o entendimento de que a internacionalização das empresas brasileiras,

Leia mais

OPERAÇÕES DE HEDGE. Artur Alves Igor Soares Vinicius Hatano

OPERAÇÕES DE HEDGE. Artur Alves Igor Soares Vinicius Hatano ECONOMIA E O SISTEMA JURÍDICO DO ESTADO - FEAUSP DERIVATIVOS E OPERAÇÕES DE HEDGE Artur Alves - 9320125 Igor Soares - 9319867 Vinicius Hatano - 9319940 O QUE SÃO DERIVATIVOS Eles podem ser definidos como

Leia mais

Lei n.º /2015. de de

Lei n.º /2015. de de Lei n.º /2015 de de Considerando o impacto significativo que as alterações do comportamento do preço do barril de petróleo no mercado internacional têm, ao nível das finanças públicas e do mercado cambial,

Leia mais

O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178. Aula 7

O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178. Aula 7 O SETOR EXTERNO Bibliografia: capítulo 6 de Bacha (2004), p. 151 a 158; 165 a 175; 177 e 178 1 Setor externo e modelos econômicos O setor externo é um dos quatro agentes que compõem os modelos macroeconômicos.

Leia mais

Orientações finais. Orientações revistas sobre a especificação adicional dos indicadores de importância sistémica global e sua divulgação

Orientações finais. Orientações revistas sobre a especificação adicional dos indicadores de importância sistémica global e sua divulgação EBA/GL/2016/01 13 de janeiro de 2016 Orientações finais Orientações revistas sobre a especificação adicional dos indicadores de importância sistémica global e sua divulgação Natureza das presentes Orientações

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

Aprendendo a Exportar Formas de Comercialização e Modalidades de Pagamento MEDE

Aprendendo a Exportar Formas de Comercialização e Modalidades de Pagamento MEDE Aprendendo a Exportar Formas de Comercialização e Modalidades de Pagamento MEDE Grupo Renata Buscato, Ana Carolina Arantes, Thássio Rocha, João Paulo Teodoro, Rodrigo Fagundes César, Caio Mitidieiro e

Leia mais

CAPÍTULO 5 GESTÃO DA EXPORTAÇÃO

CAPÍTULO 5 GESTÃO DA EXPORTAÇÃO CAPÍTULO 5 GESTÃO DA EXPORTAÇÃO 5.1 PORQUÊ EXPORTAR? EXPORTAÇÃO: A FORMA MAIS COMUM DE INTERNACIONALIZAÇÃO PORQUÊ? FACTORES CONDUCENTES À EXPORTAÇÃO (A) ASPECTOS INTERNOS Características do Produto/Serviço

Leia mais

MANUAL INTRODUÇÃO. Breve explicação do Mercado Cambial FOREX

MANUAL INTRODUÇÃO. Breve explicação do Mercado Cambial FOREX MANUAL INTRODUÇÃO Breve explicação do Mercado Cambial FOREX +ÍNDICE + O que é o FOREX? + Características do Mercado FOREX + Riscos do Mercado FOREX + Negociações em Forex + Principais indicadores económicos

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAÇÃO SEGURA

SEMINÁRIO EXPORTAÇÃO SEGURA SEMINÁRIO EXPORTAÇÃO SEGURA ÍNDICE Enquadramento - Novos Mercados Riscos no Comércio Internacional Soluções para Mercado Externo BPI Exportação Segura Soluções para Mercados Estratégicos Solução mais Adequada

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Range Accrual WTI Crude 1M (Ser. 10/7)

Prospecto Informativo Invest Range Accrual WTI Crude 1M (Ser. 10/7) Prospecto Informativo Invest Range Accrual WTI Crude 1M (Ser. 10/7) Dezembro de 2010 Designação: Invest Range Accrual WTI Crude 1M (Ser. 10/7) Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital:

Leia mais

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Sumário PARTE I O Ambiente Financeiro Internacional 1 Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Globalização e criação de valor na empresa multinacional 3 A teoria da vantagem comparativa 4 O

Leia mais

Caixa Geral de Depósitos, SA

Caixa Geral de Depósitos, SA 164 Relatório e Contas 2011 CGD 1.13. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Balanços Individuais (*) 31.12.2011 Pro forma 31.12.2010 Pro forma 01.01.2010 ATIVO Notas (a) Ativo bruto Provisões,

Leia mais

Conteúdo. Participante 2

Conteúdo. Participante 2 Versão: 22/08/2011 Conteúdo 1 - Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio... 3 1.1 - DPOSICAO Estratégia de Renda Fixa e Opções Flexíveis... 3 1.2 - Recibo de Registro de Contrato de Opção Flexível... 10 2

Leia mais

PREÇÁRIO BANCO VALOR S.A. Instituição Financeira Bancária TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS ANEXO I. Data de entrada em vigor: 29/06/2017

PREÇÁRIO BANCO VALOR S.A. Instituição Financeira Bancária TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS ANEXO I. Data de entrada em vigor: 29/06/2017 PREÇÁRIO BANCO VALOR S.A. Instituição Financeira Bancária TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS ANEXO I Data de entrada em vigor: 29/06/2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões do Banco Valor S.A. e em

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

Obrigações de Caixa BPI USD BRIC

Obrigações de Caixa BPI USD BRIC Obrigações de Caixa BPI USD BRIC 80 + 8 2008-2010 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) Abril 2008 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE EMITENTE: OBJECTO DE INVESTIMENTO: PERFIL DO AFORRADOR: GARANTIA

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

IMPORTAÇÃO DIRETA MAIOR RENTABILIDADE PARA VOCÊ IMPORTAÇÃO DIRETA

IMPORTAÇÃO DIRETA MAIOR RENTABILIDADE PARA VOCÊ IMPORTAÇÃO DIRETA MAIOR RENTABILIDADE PARA VOCÊ A importação direta é a venda direta entre o fornecedor e clientes com a intervenção da Kasvi no processo entre as partes envolvidas, bem como no processo operacional de

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Stock Exchanges Abr-17

Prospecto Informativo Invest Stock Exchanges Abr-17 Prospecto Informativo Invest Stock Exchanges Abr-17 Abril de 2017 Designação: Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração: Factores de Risco: Invest Stock Exchanges

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo MOÇAMBIQUE Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores Sector Externo CATEGORIA DE DADOS: Agregados da Balança de Pagamentos Descritor Nacional (no caso de diferente, precisar): PRINCIPAIS INDICADORES:

Leia mais

O novo IOF e o fim da cobertura cambial para exportadores

O novo IOF e o fim da cobertura cambial para exportadores OPINIÃO O novo IOF e o fim da cobertura cambial para exportadores Marcelo de Oliveira Passos * RESUMO - O artigo analisa a institucionalização do novo imposto sobre movimentações financeiras e das novas

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO USD Opportunity

Prospecto Informativo - ATLANTICO USD Opportunity Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO USD Opportunity Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 6 meses, denominado em

Leia mais

Economia Financeira Internacional Ano lectivo de 2000/2001

Economia Financeira Internacional Ano lectivo de 2000/2001 Economia Financeira Internacional Ano lectivo de 2000/2001 PAEF 2001/07/23 Duração: 2 horas PARTE A (Sem consulta 60 minutos) 1. O senhor Augusto é armazenista de presuntos e enchidos. Tem vários armazéns

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Blockchain Out-17

Prospecto Informativo Invest Blockchain Out-17 Prospecto Informativo Invest Blockchain Out-17 Outubro de 2017 Designação: Classificação: Caracterização do Produto: Invest Blockchain Out-17 Produto financeiro complexo Depósito indexado. Depósito indexado

Leia mais

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA

EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA EXAME COLÉGIO DE ESPECIALIDADE DE CONTABILIDADE FINANCEIRA Observações: 1. Deve arbitrar os dados que, em seu entender, faltem ou não estejam suficientemente clarificados. 2. Cotação da prova: Parte teórica:

Leia mais

FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA

FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA 2012 FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA N.º 29 Abril 2013 L i s b o a, 3 d e M a i o d e 2 0 1 1 FATURA ENERGÉTICA PORTUGUESA 2012 Índice 1. Sumário Executivo... 2 2. Mercados Petrolíferos: Preços... 3 2.1 Mercados

Leia mais

CAPÍTULO 5 A EXPORTAÇÃO

CAPÍTULO 5 A EXPORTAÇÃO CAPÍTULO 5 A EXPORTAÇÃO 5.1 PORQUÊ EXPORTAR? EXPORTAÇÃO: A FORMA MAIS COMUM DE INTERNACIONALIZAÇÃO PORQUÊ? FACTORES CONDUCENTES À EXPORTAÇÃO ASPECTOS INTERNOS Características do Produto/Serviço Características

Leia mais

5. Transferências (PARTICULARES)

5. Transferências (PARTICULARES) 5.1. Ordens de transferência Escalões Canal de receção da ordem de transferência NBdireto NBnet Particulares* e NBapp ** Outras condições 1. Ordens de Transferência 1.1 - Para conta domiciliada na própria

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº /09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 06 para ITG 06 e de outras normas citadas: de NBC T 7 para NBC TG 02; de NBC T 19.11 para NBC TG 23; e de NBC

Leia mais

13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES)

13. TRANSFERÊNCIAS (OUTROS CLIENTES) 13.1. Ordens de transferência 1. Ordens de Transferência 1.1 - Para conta domiciliada na própria instituição de crédito (ordens emitidas) - 1.1.1 - Pontuais - Mesmo ordenante e beneficiário - Ordenante

Leia mais

G4-PR5 105 llllllllll L. G4-PR6 llllllllll Não aplicável. L G4-PR7 llllllllll Não material L Customer Privacy

G4-PR5 105 llllllllll L. G4-PR6 llllllllll Não aplicável. L G4-PR7 llllllllll Não material L Customer Privacy EDP - Energias de, S.A. G4-PR5 105 35. Dívida Financeira Marketing Communications Esta rubrica é analisada como segue: G4-PR6 Não aplicável. G4-PR7 Não material Customer Privacy Grupo Individual Milhares

Leia mais

MÓDULO 7 A política brasileira para exportar

MÓDULO 7 A política brasileira para exportar MÓDULO 7 A política brasileira para exportar Sob o ponto de vista da economia nacional, um dos principais motivos para um país exportar é a necessidade que ele tem para pagar suas importações. Já, analisando

Leia mais

OVERVIEW DE MERCADOS 2017

OVERVIEW DE MERCADOS 2017 OVERVIEW DE MERCADOS 2017 Dezembro 2016 DISCLAIMER As opiniões expressas são da inteira responsabilidade dos seus autores, refletindo apenas os seus pontos de vista e podendo não coincidir com a posição

Leia mais

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014 Seminário Financiamento à Exportação Brasileira 2 de Dezembro de 2014 África: Nosso Cartão Postal 1 Visão Geral do Grupo Presença na África Estabelecido em 1862; ICBC, o maior banco chinês, detém participação

Leia mais

Índices ponderados: Laspeyres. ! Para um índice de preços, é: Σ Pn Qo Σ Po Qo. Ln, 0 = A ponderação é feita pela época inicial 0

Índices ponderados: Laspeyres. ! Para um índice de preços, é: Σ Pn Qo Σ Po Qo. Ln, 0 = A ponderação é feita pela época inicial 0 Aula de hoje! Revisão: Índices Laspeyres e Paasche! Números-índices de valor! Relações entre Números-Índices! O índice Gini! Conceito de Taxa de Câmbio Nominal! Variações Cambiais! Lei do Preço Único!

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Título com saldo médio diário superior a 0 (zero) no

Leia mais

Exportação Passo a Passo

Exportação Passo a Passo Sumário 3 4 5 6 1. INTRODUÇÃO 7 2. IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE EXPORTADORA POR QUE EXPORTAR? 9 2.1. A internacionalização da empresa 10 2.2. Etapas da internacionalização da empresa 2.3. Considerações importantes

Leia mais

Diagnóstico flash. Internacionalização. Síntese Estatística

Diagnóstico flash. Internacionalização. Síntese Estatística Diagnóstico flash Internacionalização Síntese Estatística Índice Índice... 2 Índice de Ilustrações... 3 1. Caraterização das empresas participantes... 4 2. Processo de Internacionalização... 6 2.1 Mercados

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Autos Set-16

Prospecto Informativo Invest Autos Set-16 Prospecto Informativo Invest Autos Set-16 Setembro de 2016 Designação: Classificação: Caracterização do Produto: Invest Autos Set-16 Produto financeiro complexo Depósito Indexado. Depósito indexado pelo

Leia mais

XIV. EXEMPLOS DE PREENCHIMENTO DA COE

XIV. EXEMPLOS DE PREENCHIMENTO DA COE Anexo à Instrução nº 1/96 XIV. EXEMPLOS DE PREENCHIMEN DA COE O conjunto de exemplos que a seguir se apresenta visa ilustrar o preenchimento da COE - Comunicação de Operação com o Exterior. Embora não

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO EURUSD&CRUDE HYBRID Série I

Prospecto Informativo - ATLANTICO EURUSD&CRUDE HYBRID Série I Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou Variáveis Subjacentes ou Associados ATLANTICO EURUSD&CRUDE HYBRID Série

Leia mais

Como fazer negócios com o Grupo Caixa no Brasil NOVEMBRO 2016

Como fazer negócios com o Grupo Caixa no Brasil NOVEMBRO 2016 Como fazer negócios com o Grupo Caixa no Brasil NOVEMBRO 2016 01 Grupo Caixa o seu parceiro financeiro no Brasil Brasil BANCO CAIXA GERAL BRASIL O Banco Caixa Geral Brasil é um banco de direito Brasileiro,

Leia mais

GESTÃO DE CONTRATOS FICHA INFORMATIVA

GESTÃO DE CONTRATOS FICHA INFORMATIVA FICHA INFORMATIVA GESTÃO DE CONTRATOS Com a VORTAL poderá parar de se preocupar com o trabalho administrativo associado ao crescimento do volume de negócios da sua empresa e passar a concentrar-se no que

Leia mais

Resultados 3T11. * Os dados da ANFAVEA não incluem mais os números da exportação de veículos desmontados (CKD).

Resultados 3T11. * Os dados da ANFAVEA não incluem mais os números da exportação de veículos desmontados (CKD). 1) DESTAQUES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2011 Receita operacional líquida consolidada de R$ 827,0 milhões, um aumento de 35,3% em relação ao terceiro trimestre de 2010; Geração bruta de caixa (EBITDA) de

Leia mais

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 ACC E ACE Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais

Leia mais

No que respeita à informação apresentada no presente Relatório Anual de Disciplina de Mercado, o Conselho de Administração da Fincor, declara:

No que respeita à informação apresentada no presente Relatório Anual de Disciplina de Mercado, o Conselho de Administração da Fincor, declara: Enquadramento Em cumprimento do Aviso 10/2010, do Banco de Portugal, pretende o presente documento prestar informação sobre a actividade da Fincor - Sociedade Corretora, S.A. ( Fincor ou Sociedade ) no

Leia mais

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015 Mitigadores de Riscos 24 de setembro de 2015 1 As trocas comerciais ao nível internacional As empresas quando começam a trabalhar com empresas fora de Portugal têm que ter em consideração novos factores

Leia mais

2T14 RELEASE TRIMESTRAL. Destaques. Grandes Números. Resultados. Grupo Copobras. Grupo Copobras

2T14 RELEASE TRIMESTRAL. Destaques. Grandes Números. Resultados. Grupo Copobras. Grupo Copobras Destaques Grupo Copobras Grupo Copobras São Ludgero, 23 de julho de 2014 O Grupo Copobras, apresenta seus resultados não auditados do segundo trimestre de 2014. O Grupo Copobras compreende as empresas

Leia mais

Câmbio Conceitos básicos. Prof. Reinaldo Gonçalves IE - UFRJ

Câmbio Conceitos básicos. Prof. Reinaldo Gonçalves IE - UFRJ Câmbio Conceitos básicos Prof. Reinaldo Gonçalves IE - UFRJ 1 Sumário 1. Mercado de câmbio e taxa de câmbio nominal 2. Taxa de câmbio de equilíbrio e desequilíbrio 3. Agentes 4. Regime cambial e política

Leia mais