Ebury Gestão do risco cambial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ebury Gestão do risco cambial"

Transcrição

1 Ebury Gestão do risco cambial Apresentado por Duarte Líbano Monteiro Diretor Geral para Península Ibérica ebury.pt

2 2 Agenda 01 Ebury: soluções de câmbios à medida da sua empresa 02 Gestão do risco cambial 03 Casos de estudo: Exportador para o Brasil Importador da China

3 01 Ebury: Soluções de câmbios à medida da sua empresa ebury.pt

4 4 Serviços de câmbio para PME Somos especialistas em pagamentos, cobranças internacionais e gestão de câmbios, funcionando como uma alternativa aos bancos tradicionais na gestão e cobertura de troca de moeda para empresas. Fundada em Londres em 2009 Equipas locais em +10 países apoiando +12,000 clientes por toda a Europa Mercado de câmbios Fornecedor de liquidez No mercado português desde 2015, contando já com +180 clientes Estratégias de gestão Taxas de câmbio competitivas Serviço personalizado Acesso a +140 moedas Ebury Cliente +360 colaboradores em toda a Europa

5 5 Capacidades tecnológicas próprias que potenciam os nossos serviços... Fornecedores de liquidez Banco Banco Banco etc Especialistas em divisas Conectividade Cliente Ecossistema Reconciliação e matching automáticos Países com acesso à rede de pagamentos Reino Unido Setor bancário Infraestrutura inteligente de pagamentos através de corredores bancários e não bancários otimizados para a velocidade Península Ibérica Setor não bancário Países Baixos Outros Mais de transações por mês em mais de 140 divisas

6 6 resultam num crescimento exponencial Os nossos mais de 12,000 clientes (400 novos clientes a cada mês) Provenientes de cerca de 20 países diferentes Fazem negócios em mais de 180 países E executam mais de transações por mês

7 02 Gestão do risco cambial ebury.pt

8 Através de uma adequada gestão de risco cambial a empresa tem a possibilidade de eliminar o risco se realizar uma compra ou venda antecipada de moeda, protegendo-se contra as variações das taxas de câmbio.

9 9 Gestão do risco cambial através de: Pagamentos em +140 moedas & cobranças internacionais em +60 Tornar os pagamentos internacionais mais simples e rápidos, mesmo em moedas de mercados emergentes com restrições de liquidez Cobrar pagamentos a clientes de diferentes países Cobertura do risco cambial até 3 anos Grande diversidade de soluções para cobertura do risco cambial Estratégias personalizadas de acordo com as necessidades, exposição e divisas utilizadas

10 10 Proporcionando soluções para: RECEÇÃO DE COBRANÇAS DE CLIENTES DO ESTRANGEIRO (GBP, USD, ) REPATRIAÇÃO DE FUNDOS MOVIMENTO DE FUNDOS ENTRE EMPRESAS SUBSIDIÁRIAS PAGAMENTO DE FATURAS OU SALÁRIOS NA MOEDA LOCAL

11 11 Serviço personalizado: Que solução de gestão de divisas necessita? Recebe os pagamentos dos seu clientes de moeda estrangeira na sua conta em EUR? Tem contas bancárias nas moedas dos países para qual exporta (ou onde tem projectos)? Sim Não Sim Não Conhece o volume exacto de moeda estrangeira que terá de converter nos próximos X meses? Sim Pretende assegurar 100% da sua exposição ou apenas uma percentagem? Sim Não Não Solução personalizada

12 03 Casos de estudo ebury.pt

13 Caso de estudo Empresa exportadora do sector industrial Enquadramento Uma empresa portuguesa do setor industrial exportava mercadorias para o Brasil. Com grande regularidade, tinha de cobrar aos seus clientes nesse país em reais brasileiros (BRL). Necessidade A empresa precisava de uma solução que lhe cobrisse o risco de exportar para uma economia emergente com restrições rígidas nos seus câmbios, como é o caso do Brasil. Com efeito, a empresa estava desprotegida a nível do preço de venda. Isto porque, ao emitir faturas em reais brasileiros, tornava-se facilmente vulnerável à variação cambial EUR/BRL até ao momento em que recebia a fatura, ou seja, 90 dias, podendo afetar a margem das suas exportações.

14 14 Caso de estudo: empresa exportadora industrial Estratégia seguida: NDF A empresa, que emite faturas de cerca de 2M de reais, por mês, passou a fixar as taxas de câmbio através de Non-Deliverable Forwards (NDF) no momento da negociação com o seu cliente e da respetiva emissão da Vantagens A empresa passou a estar protegida das flutuações cambiais Passou a assegurar a sua margem de negócio fatura. Eliminou a incerteza Quantidade assegurada: 2M BRL (venda BRL) Periodo: 3 meses Taxa de câmbio do NDF: 4 EUR/BRL Passou a conhecer de antemão o valor das suas vendas internacionais Exemplo de Evolução do EUR/BRL Liquidação por diferenças: Câmbio = Se o câmbio na maturidade do NDF é 5: Ebury paga a diferença Se câmbio na maturidade do NDF é 3,5: a empresa paga a diferença

15 Caso de estudo Empresa importadora do setor têxtil Necessidade Uma empresa portuguesa do setor têxtil importava mercadorias desde a China. Com grande regularidade, tinha de fazer pagamentos aos seus fornecedores internacionais nesse país, algo que fazia em USD. Oportunidade A empresa cedo se apercebeu que teria uma vantagem competitiva caso conseguisse negociar as suas faturas também na moeda local chinesa (CNY). Com efeito, devido à recente valorização do USD, a possibilidade de pagar as suas faturas em yuan chineses permitir-lhe-ia poupar cerca de 4%, ao converter diretamente os euros em yuans, em vez de efetuar a operação em dólares. Isto porque muitos fornecedores colocam um custo adicional de até 5%, nas suas faturas em USD, devido a custos e riscos que assumem com a taxa de câmbio.

16 16 Caso de estudo: empresa importadora do setor têxtil Estratégia seguida: Forward Aberto Para aceder a taxas de câmbio mais competitivas que as da banca, e para ter acesso ao CNY esta empresa têxtil recorreu aos serviços da Ebury e começou a negociar os preços com os seus fornecedores, em CNY. Para eliminar totalmente a incerteza das taxas de câmbio nos seus pagamentos, a empresa contratou um forward aberto (que consiste num contrato que permite fazer disposições à taxa previamente acordada durante uma janela temporal), para assegurar o preço de compra do CNY para a próxima temporada de compras. Cambio =

17 Informação de contato ebury.pt

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA 1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS ANO LECTIVO 2008/2009 ÉPOCA NORMAL Duração: 1,5 horas Já com a tolerância Atenção: Não se esqueça de indicar

Leia mais

Bem-vindo ao curso sobre moedas

Bem-vindo ao curso sobre moedas Bem-vindo ao curso sobre moedas. 6-1-1 Neste tópico, discutiremos como definir moedas no processo de implementação. Explicaremos as consequências das escolhas na definição de moedas no processo de contabilidade

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Seguro de Crédito à Exportação Conceito, Oportunidades e Estratégias

Seguro de Crédito à Exportação Conceito, Oportunidades e Estratégias Seguro de Crédito à Exportação Conceito, Oportunidades e Estratégias Daniel Nobre Diretor Presidente 14 / 10 / 14 Agenda Credito y Caución Atradius Seguro de Crédito Conceito Estratégias com Seguro de

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1 - PLANEJAMENTO Novos mercados Mais lucros Mais empregos Maior escala de produção e vendas Separar uma parte da produção para o mercado interno

Leia mais

Certificação CPA20 V 9.8

Certificação CPA20 V 9.8 3.5 Derivativos... 2 3.5.1 Termo, Futuros, Swaps e Opções: Características Formais dos Derivativos... 2 3.5.1.1 Contratos a Termo... 2 3.5.1.2 Contratos Futuros... 4 3.5.1.3 Contrato de SWAP... 5 3.5.1.4

Leia mais

Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS. As suas Poupanças são o nosso Negócio!

Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS. As suas Poupanças são o nosso Negócio! Consultoria em REDUÇÃO DE CUSTOS As suas Poupanças são o nosso Negócio! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar POUPANÇAS SIGNIFICATIVAS, que

Leia mais

4. CHEQUES (PARTICULARES)

4. CHEQUES (PARTICULARES) 4.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) (3) (4) (5) (6) 1.1 À ordem standard - Com data de validade

Leia mais

Questões frequentes sobre o Cartão Pré-Pago Unicâmbio

Questões frequentes sobre o Cartão Pré-Pago Unicâmbio Questões frequentes sobre o Cartão Pré-Pago Unicâmbio Quais as vantagens do Cartão Pré-Pago Unicâmbio em relação aos Cartões de Crédito ou Débito? O Cartão Pré-Pago Unicâmbio é seguro! É do conhecimento

Leia mais

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available

Leia mais

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Equivalente 10.000,00 Conta Corporativa PLUS Equivalente 10.000,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES

Leia mais

Ajustando o Balanço de Pagamentos

Ajustando o Balanço de Pagamentos Alicia Ruiz Olalde Ajustando o Balanço de Pagamentos Desvalorização cambial Elevação das tarifas de importação Estabelecimento de cotas de importação Concessão de subsídios às exportações Controle de capitais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES)

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES) 12.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) 1.1 À ordem standard - Com data de validade Nº de cheques:

Leia mais

IMPORTAÇÃO DIRETA MAIOR RENTABILIDADE PARA VOCÊ IMPORTAÇÃO DIRETA

IMPORTAÇÃO DIRETA MAIOR RENTABILIDADE PARA VOCÊ IMPORTAÇÃO DIRETA MAIOR RENTABILIDADE PARA VOCÊ A importação direta é a venda direta entre o fornecedor e clientes com a intervenção da Kasvi no processo entre as partes envolvidas, bem como no processo operacional de

Leia mais

SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO

SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO SOLUÇÕES COMPLETAS PARA UM MUNDO DE NEGÓCIOS IMPORTAÇÃO EXPORTAÇÃO A REPRETEC TRADING A Repretec Trading está localizada na cidade de Itajaí - SC, há mais de 10 anos no mercado, contamos com profissionais

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO USD Opportunity

Prospecto Informativo - ATLANTICO USD Opportunity Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO USD Opportunity Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 6 meses, denominado em

Leia mais

Lei n.º /2015. de de

Lei n.º /2015. de de Lei n.º /2015 de de Considerando o impacto significativo que as alterações do comportamento do preço do barril de petróleo no mercado internacional têm, ao nível das finanças públicas e do mercado cambial,

Leia mais

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA

REGIMES CAMBIAIS LEITURA OBRIGATÓRIA LEITURA OBRIGATÓRIA CAPÍTULO 23 ECONOMIA ABERTA: REGIMES CAMBIAIS, DETERMINAÇÃO DA RENDA E IMPACTOS DA POLÍTICA ECONÔMICA Pinho, Diva Benevides & Vasconcellos, Marco Antonio S.(Org.), Manual de Economia,

Leia mais

Confirming On-Time Associe vantagens à facilidade de receber

Confirming On-Time Associe vantagens à facilidade de receber Confirming On-Time Associe vantagens à facilidade de receber Índice 1. Confirming On-Time...3 2. Confirming On-Time Garantia... 4 Confirming On-Time Garantia a Funcionar... 5 3. Confirming On-Time Pagamentos...6

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA. 15/junho/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 3ª REVISÃO INÍCIO DA VIGÊNCIA 15/junho/2016 Pg 1 de 6 I. OBJETIVO E ESCOPO 1. O objetivo do Gerenciamento de Riscos da Capitânia é preservar a aderência dos fundos por ela

Leia mais

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy

3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy 3º Trimestre de 2015 Resultados Tupy São Paulo, 13 de novembro de 2015 1 DISCLAIMER Esta Apresentação pode conter declarações prospectivas, as quais estão sujeitas a riscos e incertezas, pois foram baseadas

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL PETRÓLEO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL PETRÓLEO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL PETRÓLEO 2016-2018 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação EUR NB DUAL PETRÓLEO 2016-2018 Classificação Caracterização do produto Produto Financeiro Complexo Depósito Dual

Leia mais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais Númer o 04/2007 Cenário Moveleiro Número 04/2007 1 Cenário Moveleiro Análise econômica e suporte para as decisões empresariais

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Internacionalização das PME Qualificação das PME

Internacionalização das PME Qualificação das PME Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização PME Qualificação das PME Investigação e Desenvolvimento Tecnológico (I&DT) Inovação Empresarial e Empreendedorismo Qualificação e Internacionalização

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro II. Exemplo de um Negocio com Futuros. Possíveis Resultados. Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE

Mercado a Termo e Futuro II. Exemplo de um Negocio com Futuros. Possíveis Resultados. Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE Mercado a Termo e Futuro II Prf. José Fajardo Barbachan FGV-EBAPE Exemplo de um Negocio com Futuros Um investidor adquiere uma posição longa, no 3 de Junho, em 2 contratos futuros de Ouro para Dezembro

Leia mais

Resultados do ano de 2008

Resultados do ano de 2008 Resultados do ano de 2008 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores mobiliários brasileira

Leia mais

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários

Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Política de Compra e Venda de Valores Mobiliários Em atendimento à instrução nº 558 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 26 de março de 2015, a presente política visa apresentar as diretrizes de

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 02 - CUIDADOS A TER Introdução Prosseguindo com o tema abordado há duas semanas, recordamos

Leia mais

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves Câmbio: Mecanismos de hedge Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. Swap 2. Swap cambial reverso 3. Swap inter-bancário de moedas 4. Mercado de futuros (futures) 5. Mercado a termo

Leia mais

Samarco 29º Congresso Nacional de Manutenção e Gestão de Ativos

Samarco 29º Congresso Nacional de Manutenção e Gestão de Ativos Roberto Lucio Nunes de Carvalho Samarco 29º Congresso Nacional de Manutenção e Gestão de Ativos Samarco Tendências que irão impactar a Mineração Desafios para a Mineração Quem é a Samarco? NÓS SOMOS A

Leia mais

2T14 RELEASE TRIMESTRAL. Destaques. Grandes Números. Resultados. Grupo Copobras. Grupo Copobras

2T14 RELEASE TRIMESTRAL. Destaques. Grandes Números. Resultados. Grupo Copobras. Grupo Copobras Destaques Grupo Copobras Grupo Copobras São Ludgero, 23 de julho de 2014 O Grupo Copobras, apresenta seus resultados não auditados do segundo trimestre de 2014. O Grupo Copobras compreende as empresas

Leia mais

Metodologia de gestão de Risco de Mercado

Metodologia de gestão de Risco de Mercado Metodologia de gestão de Risco de Mercado Data Criação: Ago/11 Data última revisão: Jun/13 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Risco de mercado... 3 3. Métodos de gerenciamento de risco... 3 4. Controle de

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

4T14 RELEASE TRIMESTRAL. Destaques. Grandes Números. Resultados. Grupo Copobras

4T14 RELEASE TRIMESTRAL. Destaques. Grandes Números. Resultados. Grupo Copobras Grupo Copobras São Ludgero, 16 de janeiro de 2015 O Grupo Copobras, apresenta seus resultados não auditados do quarto trimestre de 2014. O Grupo Copobras compreende as empresas abaixo: - Copobras S/A Indústria

Leia mais

Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações. realizadas e liquidadas.

Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações. realizadas e liquidadas. Contrato Futuro de Soja com Liquidação Financeira pelo Preço do Contrato Futuro Míni de Soja do CME Group Especificações 1. Definições Contrato (especificações): Taxa de câmbio referencial BM&FBOVESPA:

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico SWOT Porter Roberto César 1 17:09 Análise SWOT Esta análise mostra a situação de uma empresa em um determinado momento, ela é feita de forma integrada levando em consideração os

Leia mais

COMO SANTANDER GERENCIA SEUS RISCOS?

COMO SANTANDER GERENCIA SEUS RISCOS? COMO SANTANDER GERENCIA SEUS RISCOS? Todos os dias, tomamos decisões para deixar nossa vida mais segura. Como quando guardamos a chave ao sair de casa, colocamos o cinto de segurança antes de dirigir e

Leia mais

Resultados 3T11. * Os dados da ANFAVEA não incluem mais os números da exportação de veículos desmontados (CKD).

Resultados 3T11. * Os dados da ANFAVEA não incluem mais os números da exportação de veículos desmontados (CKD). 1) DESTAQUES DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2011 Receita operacional líquida consolidada de R$ 827,0 milhões, um aumento de 35,3% em relação ao terceiro trimestre de 2010; Geração bruta de caixa (EBITDA) de

Leia mais

Internacionalização da Economia Brasileira

Internacionalização da Economia Brasileira ASPECTOS TÉCNICOS DO ACORDO BRASIL ARGENTINA DE PAGAMENTOS EM MOEDA LOCAL Internacionalização da Economia Brasileira Paulo Vieira da Cunha São Paulo, Agosto/2007 1 Agenda 1. Internacionalização da Economia

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão NOTA DE IMPRENSA

Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão NOTA DE IMPRENSA NOTA DE IMPRENSA RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2016 Com inadimplência e provisões sob controle, Santander Brasil alcança lucro líquido de R$ 1,7 bilhão Os bancos, no atual momento da economia, têm um papel fundamental,

Leia mais

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº001/01. Ref.: Contratos a Termo de Moeda Sem Entrega Física.

COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº001/01. Ref.: Contratos a Termo de Moeda Sem Entrega Física. COMUNICADO SISTEMA DE CONTRATOS A TERMO Nº001/01 Aos Participantes do Sistema de Contratos a Termo Ref.: Contratos a Termo de Moeda Sem Entrega Física. A Central de Custódia e de Liquidação Financeira

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Cabaz Europa Maio-2015

Prospecto Informativo Invest Cabaz Europa Maio-2015 Prospecto Informativo Invest Cabaz Europa Maio-2015 Maio de 2015 Designação: Classificação: Caracterização do Depósito: Invest Cabaz Europa Maio-2015 Produto financeiro complexo Depósito Indexado. O depósito

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Outubro/2016 1. Objetivo Esta Política de Gestão de Riscos foi elaborada de acordo com as políticas internas da MAGNETIS GESTORA DE RECURSOS LTDA. ( Gestora ), inclusive o Código

Leia mais

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2

BRASIL. Paulo André de Oliveira. Conjuntura Econômica JUROS. Ciclos de expansão da Economia 1. Ciclos de expansão da Economia 2 UNESP FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS Paulo André de Oliveira Pós Graduação Energia na Agricultura Economista DÓLAR Conjuntura Econômica JUROS BRASIL CRISE FINANCEIRA SETOR INTERNO E EXTERNO Ciclos de

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO N.º 3 DO ARTIGO 9.º DO DESPACHO RELATIVA À DETERMINAÇÃO DO PREÇO REGULADO DE GNL (PRGNL) DOCUMENTO JUSTIFICATIVO

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO N.º 3 DO ARTIGO 9.º DO DESPACHO RELATIVA À DETERMINAÇÃO DO PREÇO REGULADO DE GNL (PRGNL) DOCUMENTO JUSTIFICATIVO PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO N.º 3 DO ARTIGO 9.º DO DESPACHO N.º 10422/2010 RELATIVA À DETERMINAÇÃO DO PREÇO REGULADO DE GNL (PRGNL) ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º

Leia mais

RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO

RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA - FIESC SEMINÁRIO RISCOS DA DESINDUSTRIALIZAÇÃO PALESTRA BRASIL: DESINDUSTRIALIZAÇÃO OU ESTAGNAÇÃO DA INDUSTRIALIZAÇÃO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Florianópolis,

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

Operações Cambiais de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias AVISO N.º 19/12 de 19 de Abril

Operações Cambiais de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias AVISO N.º 19/12 de 19 de Abril Operações Cambiais de Importação, Exportação e Reexportação de Mercadorias AVISO N.º 19/12 de 19 de Abril Luanda, 10 de Julho de 2012 Agenda 1. Normas e Procedimentos para Liquidação Cambial de Mercadorias

Leia mais

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA

> O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA > O MUNDO ESPERA PELA SUA EMPRESA MILLENNIUM TRADE SOLUTIONS > CONQUISTE NOVOS MERCADOS PARA A SUA EMPRESA A Exportação e Importação, bem como a Internacionalização da sua Empresa, exigem conhecimento

Leia mais

O preço do petróleo e o sinal dos tempos

O preço do petróleo e o sinal dos tempos O preço do petróleo e o sinal dos tempos Por Felipe Coutinho* fevereiro/16 As oscilações nos preços do petróleo têm impactado a economia. A frequência e a amplitude dos movimentos são maiores nos últimos

Leia mais

Seminário Gvcev Marcas Próprias: DO MERCADO LOCAL AO MERCADO GLOBAL. Exportação Marca Própria Ana Lúcia Franqueira

Seminário Gvcev Marcas Próprias: DO MERCADO LOCAL AO MERCADO GLOBAL. Exportação Marca Própria Ana Lúcia Franqueira Seminário Gvcev Marcas Próprias: DO MERCADO LOCAL AO MERCADO GLOBAL Exportação Marca Própria Ana Lúcia Franqueira Dez/2005 Apresentação 1. Objetivos da exportação MP; 2. Estratégias para exportação MP

Leia mais

Manual de Ordens da Plataforma GoBulling Pro. Manual Ordens GoBulling Pro_Slide 1/16

Manual de Ordens da Plataforma GoBulling Pro. Manual Ordens GoBulling Pro_Slide 1/16 Manual de Ordens da Plataforma GoBulling Pro Manual Ordens GoBulling Pro_Slide 1/16 Na plataforma GoBulling Pro negoceiam-se Produtos Financeiros Complexos. Um investimento responsável exige que conheça

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Título com saldo médio diário superior a 0 (zero) no

Leia mais

A Entrada da China na OMC- Ameaça ou Oportunidade: O Caso da Indústria Têxtil e de Vestuário no Norte de Portugal

A Entrada da China na OMC- Ameaça ou Oportunidade: O Caso da Indústria Têxtil e de Vestuário no Norte de Portugal A Entrada da China na OMC- Ameaça ou Oportunidade: O Caso da Indústria Têxtil e de Vestuário no Norte de Portugal Mestrado em Economia Industrial e da Empresa Dissertação Realizada por: Eva Soares, PG

Leia mais

9º Fórum da Indústria Têxtil. Os caminhos da ITV Portuguesa no Quadro da Globalização do Sector

9º Fórum da Indústria Têxtil. Os caminhos da ITV Portuguesa no Quadro da Globalização do Sector 9º Fórum da Indústria Têxtil Os caminhos da ITV Portuguesa no Quadro da Globalização do Sector Vila Nova de Famalicão, 23 de Outubro de 2007 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 CENIT CENTRO DE INTELIGÊNCIA TÊXTIL

Leia mais

O que é Barter??? BARTER ou TROCA - é a transação em que cada uma das partes entrega um bem ou presta um serviço para receber da outra parte um

O que é Barter??? BARTER ou TROCA - é a transação em que cada uma das partes entrega um bem ou presta um serviço para receber da outra parte um Barter ll Simpósio de Milho e Soja COPLACANA Barter AGENDA Definição de Barter Por quê o produtor faz Barter? Como aplico a minha lavoura? Que tipo de operações devo fazer? O que é Barter??? BARTER ou

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T16 UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO 1T16 UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO UMA COMPANHIA GLOBAL DE ALIMENTOS São Paulo, 12 de Maio de 2016 RESULTADOS CONSOLIDADOS 2 DESTAQUES CONSOLIDADOS DO RECEITA LÍQUIDA (R$ MILHÕES) LUCRO BRUTO (R$ MILHÕES)

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO. Produto Financeiro Complexo Depósito Dual

PROSPETO INFORMATIVO EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO. Produto Financeiro Complexo Depósito Dual PROSPETO INFORMATIVO EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS 2013-2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação EUR BES DUAL AÇÕES PORTUGUESAS 2013-2016 Classificação Caracterização do produto Garantia de Capital

Leia mais

O preçário pode ainda ser consultado no Portal do Consumidor de Produtos e Serviços Financeiros em

O preçário pode ainda ser consultado no Portal do Consumidor de Produtos e Serviços Financeiros em Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 06 de Junho de 2016 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

A taxa de câmbio ajusta-se automaticamente a movimentos na oferta e demanda de divisas

A taxa de câmbio ajusta-se automaticamente a movimentos na oferta e demanda de divisas )81'$d 2*(78/,29$5*$6 (6&2/$%5$6,/(,5$'($'0,1,675$d 23Ò%/,&$('((035(6$6 0(675$'2(;(&87,92(0*(67 2(035(6$5,$/ ',6&,3/,1$),1$1d$6,17(51$&,21$,6 352)(662552*e5,262%5(,5$ 5(*,0(6&$0%,$,6 Bibliografia: Krugman,

Leia mais

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015 Mitigadores de Riscos 24 de setembro de 2015 1 As trocas comerciais ao nível internacional As empresas quando começam a trabalhar com empresas fora de Portugal têm que ter em consideração novos factores

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 11/03

INSTRUTIVO N.º 11/03 INSTRUTIVO N.º 11/03 ASSUNTO: COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA Funcionamento das Sessões Tendo em vista a necessidade de se definirem os procedimentos referidos no artigo 8º do Aviso nº 10/2003, de

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Operadores do Mercado de Valores Mobiliários Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários SOCIEDADES DISTRIBUIDORAS DE TÍTULOS DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações

Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações Nelson Costa 17 de Dezembro de 2015 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS Vantagens da análise de rácios Permitem diagnosticar a performance das empresas em termos de rentabilidade, solvabilidade, liquidez e equilíbrio financeiro. Possibilitam

Leia mais

Metodologia Conglomerado

Metodologia Conglomerado Metodologia Conglomerado Analisa a influência do controlador e empresas controladas na empresa analisada: composição do grupo e análise do Balanço Consolidado Metodologia Capital Avalia os aspectos econômico-financeiros

Leia mais

MERCADOS A PRAZO. Futuros, Forwards e Swaps

MERCADOS A PRAZO. Futuros, Forwards e Swaps MERCADOS A PRAZO Futuros, Forwards e Swaps Eduardo Sá Silva MERCADOS A PRAZO Futuros, Forwards e Swaps FICHA TÉCNICA Título Mercados a Prazo Futuros, Forwards e Swaps Autor Eduardo Sá Silva Editor Vida

Leia mais

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Sumário PARTE I O Ambiente Financeiro Internacional 1 Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Globalização e criação de valor na empresa multinacional 3 A teoria da vantagem comparativa 4 O

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL EUROPA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL EUROPA PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPETO INFORMATIVO EUR NB DUAL EUROPA 2015-2019 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação Depósito EUR NB DUAL EUROPA 2015-2019 Classificação Caracterização do produto Produto Financeiro Complexo Depósito

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

TECNOLOGIA PROTEGENDO O FUTURO

TECNOLOGIA PROTEGENDO O FUTURO Integratto Family Office INVESTINDO EM TECNOLOGIA PROTEGENDO O FUTURO Integratto Family Office O Integratto Family Office Nasajon é um software integrado que oferece credibilidade e segurança no gerenciamento

Leia mais

Portugal num mundo global. Internacionalizar: Panorama actual

Portugal num mundo global. Internacionalizar: Panorama actual Portugal num mundo global Internacionalizar: Panorama actual Inquérito: Comportamento empresas TIC e New Media face à internacionalização As questões Posicionamento actual Percepção face à expansão Volume

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Janeiro de 2017 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Capitulo 7. Barreiras não tarifárias. Barreiras Não Tarifárias

Capitulo 7. Barreiras não tarifárias. Barreiras Não Tarifárias Capitulo 7 Barreiras Não Tarifárias Barreiras não tarifárias Quotas de importação; Restrições Voluntárias á Exportação (VER); Subsídios á exportação; Outros instrumentos de politica comercial Créditos

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1S16 Agosto, 2016

Teleconferência de Resultados 1S16 Agosto, 2016 Teleconferência de Resultados 1S16 Agosto, 216 AGENDA 1. Destaques do 1S16 2. Ambiente de negócio 3. Desempenho operacional e financeiro Destaques no 1S16 vs 1S15 OPERACIONAL 17.279 t. produção de ligas

Leia mais

MÓDULO 7 A política brasileira para exportar

MÓDULO 7 A política brasileira para exportar MÓDULO 7 A política brasileira para exportar Sob o ponto de vista da economia nacional, um dos principais motivos para um país exportar é a necessidade que ele tem para pagar suas importações. Já, analisando

Leia mais

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. 17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) Entrada em vigor: 06-dez

BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. 17. CONTAS DE DEPÓSITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) Entrada em vigor: 06-dez 17.1. Depósitos à ordem Conta Cliente de Solicitador: O titular é o Solicitador; montante mínimo de abertura: N.A. Conta Cliente de Solicitador < 30.000 0,000% 30.000 a 50.000 0,0625% Períodicidade mensal.

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

Resposta Brasileira à Crise Financeira: O Longo Prazo. Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 21de Setembro de 2009

Resposta Brasileira à Crise Financeira: O Longo Prazo. Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 21de Setembro de 2009 Resposta Brasileira à Crise Financeira: O Longo Prazo Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 21de Setembro de 2009 Perspectiva de Longo Prazo Transição da economia brasileira,

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

XIV Fórum ITV. Vila Nova de Famalicão 28 de Novembro de 2012

XIV Fórum ITV. Vila Nova de Famalicão 28 de Novembro de 2012 XIV Fórum ITV Vila Nova de Famalicão 28 de Novembro de 2012 Conteúdos 1 Evolução das trocas comerciais portuguesas 2 Trocas comerciais portuguesas por país de destino 3 Evolução das exportações da União

Leia mais

5. Transferências (PARTICULARES)

5. Transferências (PARTICULARES) 5.1. Ordens de transferência Escalões Canal de receção da ordem de transferência NBdireto NBnet Particulares* e NBapp ** Outras condições 1. Ordens de Transferência 1.1 - Para conta domiciliada na própria

Leia mais

FINANCIAMENTO DISPONÍVEL PARA TODOS OS SEUS NEGÓCIOS

FINANCIAMENTO DISPONÍVEL PARA TODOS OS SEUS NEGÓCIOS FINANCIAMENTO DISPONÍVEL PARA TODOS OS SEUS NEGÓCIOS com condições exclusivas e únicas Sobre a GRENKE. Somos uma Multinacional Alemã Líder de Mercado Europeu em Financiamento de TI para PMEs, com 35 anos

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Fevereiro 2016 Índice 1. Política Monetária e Financeira... 1 1.1. Evolução dos Agregados Monetários... 1 1.2. Base Monetária (BM)... 1 1.3.

Leia mais

AMÉRICA LATINA - PERÚ

AMÉRICA LATINA - PERÚ AMÉRICA LATINA - PERÚ especialista na produção de soluções integradas para a industria Software hoteleira 32 Anos de experiência em pesquisa & desenvolvimento mais de 3200 instalações em 60 países 50 modulos

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Crude Momentum Série II

Prospecto Informativo - ATLANTICO Crude Momentum Série II Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou Variáveis Subjacentes ou Associados ATLANTICO Crude Momentum Série II Produto

Leia mais

Mudar de tarifário ou serviço de telecomunicações

Mudar de tarifário ou serviço de telecomunicações Mudar de tarifário ou serviço de telecomunicações CANCELAR CONTRATO Quero cancelar o meu contrato de TV, Internet, telefone e telemóvel. Mesmo que mude para outro operador e este lhe diga que trata de

Leia mais