Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75"

Transcrição

1 Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução Visão geral das Finanças Internacionais A Globalização dos Mercados Os Grandes Blocos do Comércio Internacional G8 e G A Organização Mundial do Comércio OMC A Integração Financeira Internacional Transformações do Sistema Monetário e Financeiro Internacional Funcionamento do Sistema Financeiro Internacional Principais Instituições Financeiras do SMI Banco Mundial BM Banco Central Europeu BCE Fundo Monetário Internacional FMI BIS (Bank of International Settlements) Negócios e Estratégias de Internacionalização A internacionalização das empresas portuguesas Negociação Internacional...70 Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios

2 Funções básicas Características do Mercado Cambial Intervenientes no Mercado Cambial Dados Estatísticos sobre o Mercado Cambial Formas de Negociação Cambial Mercado Monetário Internacional Evolução dos Euromercados Mercado das Eurodivisas (eurocurrency markets) Mercado dos Eurocréditos e Euronotes Mercado Internacional de Obrigações Instrumentos Financeiros nos Mercados de EuroBonds/ Euro-Obrigações Mercado Internacional de Ações Principais Bolsas Exemplo Mercado de Derivados Financeiros Mercado internacional do ouro Centros Financeiros Internacionais Bancos Comerciais e de Investimento Internacionais Capítulo III - Financiamento do Comércio Internacional 3.0. Introdução Instrumentos Financeiros Tradicionais no Comércio Internacional Processos de Exportação e de Importação Operações de Comércio Internacional e Formas de Liquidação Infraestruturas de Processamento de Pagamentos e Regulamentação Operações Documentárias Remessas Simples...136

3 Remessas Documentárias Desconto e Adiantamento de Remessas de Exportação Pagarés Créditos Documentários Standby Letter of Credit Financiamentos Externos Forfaiting Garantias Bancárias e Seguros de Crédito Garantias Bancárias (Externas) Seguros de Crédito Countertrade Casos práticos Capítulo IV - O mercado de câmbios 4.0 Introdução Definição de mercado cambial. Agentes e ativos negociáveis Definição de mercado cambial Agentes do mercado cambial Agentes privados não financeiros Bancos comerciais Bancos centrais Corretores Ativos negociáveis no mercado cambial As divisas Transferência bancária (swift transfer) Letra de câmbio Numerário Caracterização, organização e funcionamento do mercado cambial

4 4.2.1 Características do mercado cambial Segmentação funcional Mundialidade Continuidade Convenções nos câmbios As funções do mercado cambial Transferência do poder de compra Cobertura do risco cambial Financiamentos Organização e funcionamento do mercado de câmbios à vista Definição de Taxa de Câmbio à vista Características do mercado à vista Organização e funcionamento do mercado de câmbios a prazo Definição de Taxa de Câmbio a prazo O prémio e o desconto Características do mercado a prazo Comportamentos de base no mercado cambial Especulação Arbitragem Cobertura de risco Determinantes da taxa de câmbio Balança de Pagamentos: definição e caracterização Movimentos de mercadorias e de capitais Movimentos de bens e serviços e a taxa de câmbio Movimentos de capitais e a taxa de câmbio Determinantes da taxa de câmbio no mercado à vista (spot) Teoria da paridade dos poderes de compra Taxas de juro e taxas de câmbio

5 4.3.4 Determinantes da taxa de câmbio no mercado a prazo (forward) Efeito de Fisher Efeito internacional de Fisher Teoria da paridade das taxas de juro As previsões das taxas de câmbio Variáveis económicas e previsões das taxas de câmbio Métodos de previsão das taxas de câmbio Análise de casos Capítulo V - Riscos Financeiros 5.0. Introdução Acordos de Basileia Risco de crédito Risco Crédito Caraterização do mercado de crédito em Portugal Risco de crédito Gestão do risco de crédito Considerações Finais Riscos de mercado Risco taxa de juro Risco Cambial Risco Cotações / Índices Risco de Liquidez Risco Operacional Outros Riscos Risco de Spread Risco de Concentração

6 Risco Imobiliário Risco da contraparte Risco moral Risco contingencial Risco de compliance Risco de reputação Modelos de Avaliação de Risco VAR Value-at-Risk Métodos de Estimação do VAR Análise de casos Capítulo VI - Gestão do risco de câmbio a partir dos mercados de derivados 6.0 Introdução Produtos derivados Contratos de futuros Contratos de opções Contratos de swaps Gestão do risco de preço das matérias-primas Principais mercados a prazo de matérias-primas Gestão do risco de preço das matérias-primas com recurso aos contratos de futuros Gestão do risco de preço das matérias-primas com recurso aos contratos de opções Mercado over-the-counter OTC e gestão do risco de preço Contratos de preço com entrega a posteriori Swaps de matérias primas Caps, Floors e Collars Gestão do risco de câmbio A problemática do risco de câmbio

7 6.3.2 Técnicas de redução da exposição ao risco de câmbio Escolha da moeda de faturação As cláusulas monetárias Alteração de prazos O netting (compensação) Gestão do risco de câmbio com recurso ao mercado a prazo de divisas Gestão do risco de câmbio com recurso aos swaps sobre divisas Gestão do risco de câmbio com recurso a contratos de futuros Custos dos futuros Limitações dos futuros Gestão do risco de câmbio com recurso a contratos de opções Vantagens das opções Limitações e inconvenientes das opções Gestão do risco da taxa de juro Natureza e extensão do risco de juro Gestão do risco de juro com recurso a contratos de futuros Gestão do risco de juro com recurso a contratos de opções Gestão do risco de juro com recurso ao mercado over-the-counter Os swaps sobre taxas de juro Forward Rate Agreement (FRA) Caps, Floors e Collars Análise de casos Capítulo VII - Investimento Internacional 7.0. Introdução Teoria e Estratégia de Investimento Direto no/do Exterior Evolução do Investimento Direto Estrangeiro

8 Formas de Internacionalizar Políticas públicas de apoio ao Investimento Externo Avaliação de Projetos Internacionais O risco país Rating Agências de rating e classificações Credit Default Swaps Análise de casos Capítulo VIII - Instrumentos de Financiamento e Apoio à Internacionalização 8.0. Introdução Medidas de Apoio à Internacionalização Mecanismos de financiamento e gestão de risco Linhas de crédito PME Investe Protocolos de colaboração com bancos Linhas de crédito para a cooperação bilateral Linhas de crédito comercial (Rússia, Moçambique, CGD e BEI/PME) Linha de crédito ao importador para o apoio à exportação portuguesa Seguros de crédito com garantia do Estado e facilidades Apoios financeiros à internacionalização sob a forma de capital de risco Apoios Setoriais Apoios vários Medidas recentes de apoio à internacionalização Conclusão Referências bibliográficas

MERCADOS A PRAZO. Futuros, Forwards e Swaps

MERCADOS A PRAZO. Futuros, Forwards e Swaps MERCADOS A PRAZO Futuros, Forwards e Swaps Eduardo Sá Silva MERCADOS A PRAZO Futuros, Forwards e Swaps FICHA TÉCNICA Título Mercados a Prazo Futuros, Forwards e Swaps Autor Eduardo Sá Silva Editor Vida

Leia mais

Gestão de Operações e RISCO DE TESOURARIA SAIBA COMO REALIZAR UMA GESTÃO EFICIENTE, REDUZIR OS RISCOS E CONTROLAR O CASH FLOW

Gestão de Operações e RISCO DE TESOURARIA SAIBA COMO REALIZAR UMA GESTÃO EFICIENTE, REDUZIR OS RISCOS E CONTROLAR O CASH FLOW 4 ª Edição Lisboa, 06, 07 e 08 de Março de 2018 Gestão de Operações e RISCO DE TESOURARIA SAIBA COMO REALIZAR UMA GESTÃO EFICIENTE, REDUZIR OS RISCOS E CONTROLAR O CASH FLOW O SEU FORMADOR Dr. João Luís

Leia mais

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos financeiros respeitantes à remuneração

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013

MERCADO DE CÂMBIO. Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO e Prof.Nelson Guerra Ano 2012 / 2013 MERCADO DE CÂMBIO CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão do Banco Central. Os compradores

Leia mais

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS 2.1. Introdução 2.2. Posições 2.3. Padronização dos Contratos 2.4. Margem e Ajustes Diários 2.5. Custos Operacionais 2.6.

Leia mais

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Sumário PARTE I O Ambiente Financeiro Internacional 1 Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Globalização e criação de valor na empresa multinacional 3 A teoria da vantagem comparativa 4 O

Leia mais

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Equivalente 10.000,00 Conta Corporativa PLUS Equivalente 10.000,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES

Leia mais

05/06/2017. Câmbio. Agenda da Aula Mercado Cambial. Câmbio. Mercado Cambial. Mercado Cambial

05/06/2017. Câmbio. Agenda da Aula Mercado Cambial. Câmbio. Mercado Cambial. Mercado Cambial Carlos R. Godoy 1 Mercado Financeiro I RCC 0407 Agenda da Aula - 09 Carlos R. Godoy 2 1. Política Cambial e Reservas 2. Intermediação Bancária 3. Operações a Vista e Futuras 4. Arbitragem de Câmbio Câmbio

Leia mais

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA 1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS ANO LECTIVO 2008/2009 ÉPOCA NORMAL Duração: 1,5 horas Já com a tolerância Atenção: Não se esqueça de indicar

Leia mais

Na hora de investir, conte com o conhecimento e a segurança do maior grupo financeiro de Portugal.

Na hora de investir, conte com o conhecimento e a segurança do maior grupo financeiro de Portugal. Na hora de investir, conte com o conhecimento e a segurança do maior grupo financeiro de Portugal. 1 Grupo Caixa Geral de Depósitos A CGD é o maior grupo financeiro português e detém a maior plataforma

Leia mais

A Importância dos Métodos Quantitativos aplicados ao Mundo Financeiro

A Importância dos Métodos Quantitativos aplicados ao Mundo Financeiro A Importância dos Métodos Quantitativos aplicados ao Mundo Financeiro Marco Aurélio Sanfins GET - Departamento de Estatística IME Instituto de Matemática e Estatística UFF Universidade Federal Fluminense

Leia mais

RISCO DE TESOURARIA. Gestão de Operações e. 2ª Edição Curso Prático. Inscreva-se em OSEUFORMADOR

RISCO DE TESOURARIA. Gestão de Operações e. 2ª Edição Curso Prático. Inscreva-se em OSEUFORMADOR 2ª Edição Curso Prático Gestão de Operações e RISCO DE TESOURARIA SAIBA COMO REALIZAR UMA GESTÃO EFICIENTE, REDUZIR OS RISCOS E CONTROLAR O CASH FLOW OSEUFORMADOR Lisboa, 21, 22 e 23 de Novembro de 2016

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19 CAPÍTULO I VISÃO GERAL & FUNDAMENTOS BÁSICOS... 23 A origem da agricultura...24 A disseminação das lavouras comerciais...25 A importância da agricultura...26 As crises de alimentos...26

Leia mais

O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS

O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS 2017 O BPI E O SEGMENTO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS ÍNDICE 1. O BPI E O APOIO ÀS EMPRESAS E NEGÓCIOS Pág. 3 2. OFERTA BPI EMPRESAS Pág. 6 3. GRUPO BPI Pág. 13 2 1.

Leia mais

EMPRESAS E INSTITUCIONAIS

EMPRESAS E INSTITUCIONAIS EMPRESAS E INSTITUCIONAIS 2017 EMPRESAS E INSTITUCIONAIS ÍNDICE 1. AS EMPRESAS BPI Pág. 3 2. OFERTA BPI EMPRESAS Pág. 6 3. GRUPO BPI Pág. 13 2 1. AS EMPRESAS BPI PRESENÇA NACIONAL O BPI tem equipas dedicadas

Leia mais

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves Câmbio: Mecanismos de hedge Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. Swap 2. Swap cambial reverso 3. Swap inter-bancário de moedas 4. Mercado de futuros (futures) 5. Mercado a termo

Leia mais

Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil

Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil Agenda Histórico da abordagem IRRBB Standards Modelos Internos Implicações Dúvidas Histórico da Abordagem

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires Índice geral Prefácio ix 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos nanceiros........................ 1 1.2 Escolha intertemporal e taxa de

Leia mais

Finanças e Gestão de Riscos Internacionais

Finanças e Gestão de Riscos Internacionais Eduardo Sá Silva Carlos Mota Mário Queirós Adalmiro Pereira Finanças e Gestão de Riscos Internacionais Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução...23 1.1. Visão geral

Leia mais

Sumário. Parte I Administração Financeira e Mercados Financeiros, 1

Sumário. Parte I Administração Financeira e Mercados Financeiros, 1 Sumário Prefácio à 12 a Edição, xvii Parte I Administração Financeira e Mercados Financeiros, 1 1 Introdução à Administração Financeira, 3 1.1 Administração financeira nas empresas, 3 1.1.1 Objetivos das

Leia mais

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves

Balanço de pagamentos. Reinaldo Gonçalves Balanço de pagamentos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. BOP: Definição 2. BOP: Estrutura básica 3. BOP: Determinantes de curto prazo 4. BOP: Brasil 5. Posição do investimento

Leia mais

Sistema financeiro, globalização e crise internacional. Reinaldo Gonçalves

Sistema financeiro, globalização e crise internacional. Reinaldo Gonçalves Sistema financeiro, globalização e crise internacional Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. Funções e atores 2. Globalização financeira 3. Crises econômica global (2008...) 4. Síntese

Leia mais

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA APOIO AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS A Norgarante é uma Sociedade de Garantia Mútua que: Apoia Micro, Pequenas e Médias Empresas da zona Norte e Centro Norte

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa

O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa O potencial analítico da balança de pagamentos para a compreensão da economia portuguesa ISEG - LISBON SCHOOL OF ECONOMICS & MANAGEMENT 16 maio 2017 1 Enquadramento metodológico 2 Indicadores de vulnerabilidades

Leia mais

Comércio Internacional para Concursos Guia de estudos Série Teoria e Questões

Comércio Internacional para Concursos Guia de estudos Série Teoria e Questões Comércio Internacional para Concursos Guia de estudos Série Teoria e Questões CAPÍTULO 1 POLÍTICAS COMERCIAIS. PROTECIONISMO E LIVRE CAMBISMO. COMÉRCIO INTERNACIONAL E CRESCIMENTO ECONÔMICO. BARREIRAS

Leia mais

3-O conceito associado à especialização de cada país na produção de alguns produtos e aquisição dos restantes ao Resto do Mundo intitula-se...

3-O conceito associado à especialização de cada país na produção de alguns produtos e aquisição dos restantes ao Resto do Mundo intitula-se... Para cada uma das questões, selecione a alternativa correta: 1-Um país detém uma vantagem absoluta na produção de um bem... (A) quando produz esse bem com um custo relativo inferior a outro país. (B) quando

Leia mais

Exportação Passo a Passo

Exportação Passo a Passo Sumário 3 4 5 6 1. INTRODUÇÃO 7 2. IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE EXPORTADORA POR QUE EXPORTAR? 9 2.1. A internacionalização da empresa 10 2.2. Etapas da internacionalização da empresa 2.3. Considerações importantes

Leia mais

Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil

Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil Agenda Histórico da abordagem IRRBB Standards Modelos Internos Implicações Dúvidas Histórico da Abordagem

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS

INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS INTERNACIONALIZAR AS PME DO ALGARVE DESAFIOS E OPORTUNIDADES O DESAFIO DA INTERNACIONALIZAÇÃO: NOVOS CAMINHOS NERA, 25 de novembro de 2016 Internacionalização Enquadramento Desafios da Internacionalização

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

Sumário. ) Importações de Bens e de Serviços Não-Fatores (M nf

Sumário. ) Importações de Bens e de Serviços Não-Fatores (M nf Sumário CAPÍTULO 1 BALANÇO DE PAGAMENTOS... 1 1.1 Conceitos Introdutórios... 1 1.1.1 Definição... 1 1.1.2 Meios (formas) Internacionais de Pagamento... 3 1.1.3 Apresentação da Estrutura Antiga do Balanço

Leia mais

3. Sistema Financeiro

3. Sistema Financeiro 3. Sistema Financeiro 3.1 Mercados e Instrumentos Financeiros Brasil Mercado de Câmbio Bibliografia Feijó, C. et al. (2011), caps. 7 e 8 PMF 6 e 11 1 Câmbio Câmbio é a operação de troca de moeda de um

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE

INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA CERTIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS PQO ROTEIRO DE ESTUDOS ÁREA DE BACKOFFICE 1. Sistema Financeiro Nacional SFN 1.1. Definição e estrutura 1.2. Papel, função e classificação

Leia mais

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal.

A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. A Caixa como um instrumento de apoio à competitividade de Portugal. Comissão Parlamentar de Assuntos Económicos, Inovação e Desenvolvimento Regional Rodolfo Lavrador Colóquio Respostas da Economia Portuguesa

Leia mais

Curso de Pós Graduação

Curso de Pós Graduação Curso de Pós Graduação Lecionado no quadro de Protocolo de Cooperação Científica entre o IDEFF da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública

Leia mais

Capítulo 1 Conceitos. Capítulo 2 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional

Capítulo 1 Conceitos. Capítulo 2 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional Sumario Capítulo 1 Conceitos 1.1. Importação 1 1.2. Nacionalização 2 1.3. Exportação 3 1.4. Industrialização 4 1.5. Reexportação 5 1.6. Reimportação 6 1.7. Admissão Temporária 7 1.8. Relações de Troca

Leia mais

Economia Internacional e Comércio Exterior I. Prof. Ary Jr.

Economia Internacional e Comércio Exterior I. Prof. Ary Jr. Economia Internacional e Comércio Exterior I Prof. Ary Jr. 1 Bloco I : Introdução e Teorias do Comércio Internacional Bibliografia: KRUGMAN, P. R. e OBSTTFELD, M. Economia internacional: teoria e política.

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAÇÃO SEGURA

SEMINÁRIO EXPORTAÇÃO SEGURA SEMINÁRIO EXPORTAÇÃO SEGURA ÍNDICE Enquadramento - Novos Mercados Riscos no Comércio Internacional Soluções para Mercado Externo BPI Exportação Segura Soluções para Mercados Estratégicos Solução mais Adequada

Leia mais

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO AOS FUTUROS

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO AOS FUTUROS MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO AOS FUTUROS Mercados à vista Valores mobiliários: acções, obrigações, títulos de participação, etc. Obrigações dos contraentes cumpridas no momento da transacção

Leia mais

Crises cambiais e ataques especulativos. Reinaldo Gonçalves

Crises cambiais e ataques especulativos. Reinaldo Gonçalves Crises cambiais e ataques especulativos Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Crise cambial 2. Expectativas, juros e fluxos internacionais de capitais 3. Especulação cambial 4. Especulação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

OPERAÇÕES DE HEDGE. Artur Alves Igor Soares Vinicius Hatano

OPERAÇÕES DE HEDGE. Artur Alves Igor Soares Vinicius Hatano ECONOMIA E O SISTEMA JURÍDICO DO ESTADO - FEAUSP DERIVATIVOS E OPERAÇÕES DE HEDGE Artur Alves - 9320125 Igor Soares - 9319867 Vinicius Hatano - 9319940 O QUE SÃO DERIVATIVOS Eles podem ser definidos como

Leia mais

Linhas de Apoio ao Investimento. e à Exportação. Millennium bcp

Linhas de Apoio ao Investimento. e à Exportação. Millennium bcp Linhas de Apoio ao Investimento e à Exportação Millennium bcp Junho 2010 1 Linha PME Investe VI Junho 2010 2 I. Principais Características (preliminares) Linha Geral 900 Milhões de euros Linha das Micro

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo MOÇAMBIQUE Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores Sector Externo CATEGORIA DE DADOS: Agregados da Balança de Pagamentos Descritor Nacional (no caso de diferente, precisar): PRINCIPAIS INDICADORES:

Leia mais

Mercado Cambial: Uma Abordagem de Ativos Financeiros

Mercado Cambial: Uma Abordagem de Ativos Financeiros Mercado Cambial: Uma Abordagem de Ativos Financeiros Taxas de Câmbio e Transações Internacionais A taxa de câmbio pode ser definida de duas maneiras: Em termos diretos O preço de uma unidade de moeda estrangeira

Leia mais

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL

Leia mais

1. Agenda: Assunto 30min Políticas Comercial e Políticas de Renda 30min Política Fiscal 30min Cenários 30min Atividade o Devolutivas

1. Agenda: Assunto 30min Políticas Comercial e Políticas de Renda 30min Política Fiscal 30min Cenários 30min Atividade o Devolutivas INTRODUÇÃO À ECONOMIA MACROECONOMIA: Principais Política e Instrumentos de Política Econômica Introdução: MANKIW, G. Introdução à Economia. RJ: Campus, 1999, cap. 22. WORLD BANK. World Development Indicator

Leia mais

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin

Unidade III ECONOMIA E MERCADO. Prof. Rodrigo Marchesin Unidade III ECONOMIA E MERCADO Prof. Rodrigo Marchesin Introdução Macroeconomia: Grandes questões econômicas; Comportamento global do sistema; Análise dos grandes agregados econômicos. Estrutura básica

Leia mais

Clearings B3. Diretoria de Liquidação INFORMAÇÃO PÚBLICA

Clearings B3. Diretoria de Liquidação INFORMAÇÃO PÚBLICA Clearings B3 Diretoria de Liquidação INFORMAÇÃO SÃO PAULO, 20 PÚBLICA DE ABRIL DE 2017 Clearings B3 Função de CCP Clearing B3 Função de CCP Infraestrutura da Pós Negociação Negociação e Registro Bolsas

Leia mais

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available

Leia mais

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) Remessas documentárias

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) Remessas documentárias 16.1. Remessas documentárias Remessas de Extação 2. Pagarés 0,20% 50,00 / 250,00 3. Alteração/ Prorrogação / Franco Pagamento / Devolução 30,00 4. Manutenção - falta de aceite ou pagamento 30 dias após

Leia mais

Parte IV: Transformações Econômicas nos Anos Recentes

Parte IV: Transformações Econômicas nos Anos Recentes Parte IV: Transformações Econômicas nos Anos Recentes Capítulo 20: O Brasil e o Fluxo de Capitais: Dívida Externa, sua Crise e Reinserção nos anos 90. Parte IV Capítulo 20 Gremaud, Vasconcellos e Toneto

Leia mais

Mercados Financeiros Mercado Monetário Crise fin. Investimentos. António M. R. G. Barbosa. Dia 2: 03/Fev/12

Mercados Financeiros Mercado Monetário Crise fin. Investimentos. António M. R. G. Barbosa. Dia 2: 03/Fev/12 Investimentos António M. R. G. Barbosa Dia 2: 03/Fev/12 António Barbosa (IBS) Investimentos Dia 2: 03/Fev/12 1 / 19 Sumário 1 Mercados Financeiros Classificação 2 Mercado Monetário Bilhetes do Tesouro

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Introdução Relatório elaborado em concordância com as recomendações do Comitê de Supervisão Bancária de Basiléia e com as determinações do Banco Central do Brasil (Circular

Leia mais

Cap. 8,9,11 Carvalho & Silva (1999) Salvatore, D. Economia Internacional Capitulo 14 e 15

Cap. 8,9,11 Carvalho & Silva (1999) Salvatore, D. Economia Internacional Capitulo 14 e 15 BIBLIOGRAFIA BÁSICA Cap. 8,9,11 Carvalho & Silva (1999) Salvatore, D. Economia Internacional. 1998. Capitulo 14 e 15 COMPLEMENTARES: Gonçalves et al (1999). Capitulo 10. A Taxa de câmbio Sayad, J. Comércio

Leia mais

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002

CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2002 CRÉDITO INDUSTRIAL, TAXA DE JUROS E SPREAD BANCÁRIO O PRIMEIRO SEMESTRE DE 22 Os últimos dados sobre a evolução do crédito no Brasil mostram que o crédito no país continua caro, escasso e de prazo reduzido.

Leia mais

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

16. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 16.1. Remessas documentárias Remessas documentárias de Importação 1. Cobrança Contra Pagamento Contra Aceite e Devolução Contra Aceite e Pagamento Franco Pagamento Fixa de Processamento 2. Aviso de Situação

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: Direito 2. Código: 14/ Turno(s) Diurno X Noturno X

PROGRAMA DE DISCIPLINA. 1. Curso: Direito 2. Código: 14/ Turno(s) Diurno X Noturno X Universidade Federal do Ceará Pró-Reitoria de Graduação Coordenadoria de Projetos e Acompanhamento Curricular Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular PROGRAMA DE DISCIPLINA 1. Curso: Direito 2.

Leia mais

Curso de Atualização de Economia

Curso de Atualização de Economia 1 Curso de Atualização de Economia CACD 2017 O Edital de 2017 veio com várias mudanças, sendo que, em termos de conteúdo programático, a disciplina de Economia surpreendeu a todos. Estruturalmente, pouca

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: https://works.bepress.com/eloi/134/

Leia mais

ORIENTAÇÕES. (3) Tornando-se necessário, por conseguinte, alterar em conformidade a Orientação BCE/2011/23, Artigo 1. o.

ORIENTAÇÕES. (3) Tornando-se necessário, por conseguinte, alterar em conformidade a Orientação BCE/2011/23, Artigo 1. o. L 41/28 18.2.2016 ORIENTAÇÕES ORIENTAÇÃO (UE) 2016/231 DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 26 de novembro de 2015 que altera a Orientação BCE/2011/23 relativa às exigências de informação estatística do Banco Central

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 21 de Agosto 2017 O Preçário

Leia mais

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA

BANCO DE PORTUGAL Eurosistema CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA BANCO DE PORTUGAL Eurosistema ESTATÍSTICAS STICAS DA CENTRAL DE BALANÇOS CONSELHO SUPERIOR DE ESTATÍSTICA, TÓPICOS 1. A do 2. Resultados da intervenção do sobre os dados individuais das empresas 3. Principais

Leia mais

Manual Prático de Financiamento da Atividade e do Investimento para a Fileira da Construção

Manual Prático de Financiamento da Atividade e do Investimento para a Fileira da Construção Manual Prático de Financiamento da Atividade e do Investimento para a Fileira da Construção Projeto n.º POCI-02-0853-FEDER-016131 Sistema de Apoio a Ações Coletivas - Qualificação Programa Operacional

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

O CUSTO DO CAPITAL NA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

O CUSTO DO CAPITAL NA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS O CUSTO DO CAPITAL NA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS João Carvalho das Neves Professor Management, Corporate Finance and Real Estate jcneves@iseg.ulisboa.pt PÓS GRADUAÇÃO E MESTRADO EM GESTÃO E

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

BIZ VALOR Sociedade Corretora, S.A. RELATÓRIO DE DISCIPLINA DE MERCADO 2014

BIZ VALOR Sociedade Corretora, S.A. RELATÓRIO DE DISCIPLINA DE MERCADO 2014 BIZ VALOR Sociedade Corretora, S.A. RELATÓRIO DE DISCIPLINA DE MERCADO 2014 Abril de 2015 1. Introdução O presente documento tem subjacente uma óptica eminentemente prudencial, visando o cumprimento do

Leia mais

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS 1) OBJETIVO O objetivo do MBA é proporcionar ao participante os conhecimentos e as técnicas indispensáveis à Gestão Financeira da empresa. Nas últimas décadas, a atuação do

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015 Mitigadores de Riscos 24 de setembro de 2015 1 As trocas comerciais ao nível internacional As empresas quando começam a trabalhar com empresas fora de Portugal têm que ter em consideração novos factores

Leia mais

KPR INVESTIMENTOS LTDA.

KPR INVESTIMENTOS LTDA. POLÍTICA DE CONTROLE DE RISCOS KPR INVESTIMENTOS LTDA. CNPJ/MF 23.361.939/0001-87 NIRE 35.229.490.246 São Paulo POLÍTICA DE CONTROLE DE RISCOS 1. O presente Capítulo dispõe acerca da política de controle

Leia mais

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU 29.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 348/57 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 14 de Dezembro de 2009 que altera a Decisão BCE/2006/17 relativa às contas anuais do Banco Central Europeu (BCE/2009/29)

Leia mais

Estatísticas da Dívida Pública

Estatísticas da Dívida Pública Estatísticas da Dívida Pública José Sérgio Branco 20 de março de 2015 Conselho Superior de Estatística Estatísticas da dívida pública ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO I. Enquadramento II. Principais resultados

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

ECONOMIA TEORIA MONETÁRIA DEFINIÇÃO DE CONCEITOS: FUNÇÕES DA MOEDA: Meio de Troca Unidade de Conta Reserva de Valor 1 DEFINIÇÃO DE CONCEITOS: BANCO CENTRAL: SIGLA = BACEN Possui a PRIMAZIA (MONOPÓLIO)

Leia mais

Como fazer negócios com o Grupo Caixa em São Tomé e Príncipe DEZEMBRO 2016

Como fazer negócios com o Grupo Caixa em São Tomé e Príncipe DEZEMBRO 2016 Como fazer negócios com o Grupo Caixa em São Tomé e Príncipe DEZEMBRO 2016 01 Grupo Caixa o seu parceiro em S. Tomé e Príncipe S. Tomé e Príncipe BANCO INTERNACIONAL DE S. TOMÉ E PRÍNCIPE Fundado em 1993,

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM ENQUADRAMENTO LEGAL E NORMATIVO XIII FORUM REGAR, BAHÍA (BRASIL) António Gaspar 16 e 17 Outubro 2008 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO Poupança 2 ACTIVIDADE 3 Garantias

Leia mais

12. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO

12. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO 12. OPERAÇÕES COM O ESTRANGEIRO 12.1. REMESSAS DOCUMENTÁRIAS Importação Contra Pagamento 1,25% 1.000,00 Na liquidação. I.S.-3,5% Contra Aceite e Devolução 0,25% 500,00 Na liquidação. I.S.-3,5% Contra Aceite

Leia mais

Estatísticas sobre ativos financeiros internacionais dos bancos portugueses em base consolidada

Estatísticas sobre ativos financeiros internacionais dos bancos portugueses em base consolidada N.º 13 novembro 215 Estatísticas sobre ativos financeiros internacionais dos bancos portugueses em base consolidada O Banco de Portugal inicia hoje a publicação, no Boletim Estatístico (quadros C.5.1 a

Leia mais

Como fazer negócios com o Grupo Caixa na China JANEIRO 2017

Como fazer negócios com o Grupo Caixa na China JANEIRO 2017 Como fazer negócios com o Grupo Caixa na China JANEIRO 2017 01 Grupo Caixa o seu parceiro financeiro na China Macau BNU MACAU O BNU - Macau iniciou atividade em 1902 sendo o primeiro banco comercial em

Leia mais

Economia Financeira Internacional Ano lectivo de 2000/2001

Economia Financeira Internacional Ano lectivo de 2000/2001 Economia Financeira Internacional Ano lectivo de 2000/2001 PAEF 2001/07/23 Duração: 2 horas PARTE A (Sem consulta 60 minutos) 1. O senhor Augusto é armazenista de presuntos e enchidos. Tem vários armazéns

Leia mais

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6

Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 Escola Secundária Cacilhas-Tejo MATRIZ DE EXAME (AVALIAÇÃO DO REGIME NÃO PRESENCIAL E AVALIAÇÃO DE RECURSO) Disciplina Economia A Módulo 4,5,6 ENSINO RECORRENTE MÓDULOS CAPITALIZÁVEIS Duração da Prova:

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

CIRCULAR Nº 2568 DECIDIU:

CIRCULAR Nº 2568 DECIDIU: CIRCULAR Nº 2568 Altera a classificação de fatores de risco de operações ativas, bem como os procedimentos para contabilização de operações de cessão de crédito e de receitas e despesas a apropriar. A

Leia mais

Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento

Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento Instrução n. o 5/2017 BO n. o 3 2.º Suplemento 03-04-2017 Temas Supervisão Elementos de Informação Índice Texto da Instrução Anexo I Informação financeira Anexo II Informação sobre os fundos próprios e

Leia mais

Fatores Determinantes do

Fatores Determinantes do Fatores Determinantes do Balanço de Pagamentos Abordagem pela Absorção Abordagem pelos Movimentos de Capital Abordagem Monetária http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Contabilidade das relações externas

Leia mais

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz Mercado Cambial Características e Produtos Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Cambial Operações Cambiais Tipos de Operações Cambiais Produtos Cambiais 2 Mercado

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Financeiros. 11 de Abril de 2013

Política de Gestão de Riscos Financeiros. 11 de Abril de 2013 Política de Gestão de Riscos Financeiros 11 de Abril de 2013 Índice Objetivos da Política Atribuições Riscos Financeiros Gerenciamento de Riscos Financeiros Gerenciamento de Dívida e Indicadores Financeiros

Leia mais

L 36/46 Jornal Oficial da União Europeia

L 36/46 Jornal Oficial da União Europeia L 36/46 Jornal Oficial da União Europeia 5.2.2009 ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 11 de Dezembro de 2008 que altera a Orientação BCE/2006/16 relativa ao enquadramento jurídico dos processos contabilísticos

Leia mais

Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg

Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg L-Bank: com garantia explícita, incondicional e irrevogável Agência de Desenvolvimento do Estado de Baden-Württemberg desde 1 de dezembro de 1998 1 Baden-Württemberg: o Estado 10% do território da Alemanha

Leia mais

Balança de Pagamentos 1

Balança de Pagamentos 1 NOTA INFORMATIVA SECTOR EXTERNO Balança de Pagamentos 1 As contas externas apresentam uma evolução desfavorável no 1º trimestre 217. As reservas internacionais líquidas do país registaram uma redução de

Leia mais

MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários. Conhecer os Objectos de um Banco; Analisar os comportamentos dos Clientes

MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários. Conhecer os Objectos de um Banco; Analisar os comportamentos dos Clientes MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários Conhecer os Objectos de um Banco; Compreender a necessidades dos clientes a recorrem aos Bancos; Analisar os comportamentos dos Clientes Identificar

Leia mais