Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Índice Geral. Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios...75"

Transcrição

1 Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução Visão geral das Finanças Internacionais A Globalização dos Mercados Os Grandes Blocos do Comércio Internacional G8 e G A Organização Mundial do Comércio OMC A Integração Financeira Internacional Transformações do Sistema Monetário e Financeiro Internacional Funcionamento do Sistema Financeiro Internacional Principais Instituições Financeiras do SMI Banco Mundial BM Banco Central Europeu BCE Fundo Monetário Internacional FMI BIS (Bank of International Settlements) Negócios e Estratégias de Internacionalização A internacionalização das empresas portuguesas Negociação Internacional...70 Capítulo II - Mercados Financeiros Internacionais 2.0. Introdução Mercado de Câmbios

2 Funções básicas Características do Mercado Cambial Intervenientes no Mercado Cambial Dados Estatísticos sobre o Mercado Cambial Formas de Negociação Cambial Mercado Monetário Internacional Evolução dos Euromercados Mercado das Eurodivisas (eurocurrency markets) Mercado dos Eurocréditos e Euronotes Mercado Internacional de Obrigações Instrumentos Financeiros nos Mercados de EuroBonds/ Euro-Obrigações Mercado Internacional de Ações Principais Bolsas Exemplo Mercado de Derivados Financeiros Mercado internacional do ouro Centros Financeiros Internacionais Bancos Comerciais e de Investimento Internacionais Capítulo III - Financiamento do Comércio Internacional 3.0. Introdução Instrumentos Financeiros Tradicionais no Comércio Internacional Processos de Exportação e de Importação Operações de Comércio Internacional e Formas de Liquidação Infraestruturas de Processamento de Pagamentos e Regulamentação Operações Documentárias Remessas Simples...136

3 Remessas Documentárias Desconto e Adiantamento de Remessas de Exportação Pagarés Créditos Documentários Standby Letter of Credit Financiamentos Externos Forfaiting Garantias Bancárias e Seguros de Crédito Garantias Bancárias (Externas) Seguros de Crédito Countertrade Casos práticos Capítulo IV - O mercado de câmbios 4.0 Introdução Definição de mercado cambial. Agentes e ativos negociáveis Definição de mercado cambial Agentes do mercado cambial Agentes privados não financeiros Bancos comerciais Bancos centrais Corretores Ativos negociáveis no mercado cambial As divisas Transferência bancária (swift transfer) Letra de câmbio Numerário Caracterização, organização e funcionamento do mercado cambial

4 4.2.1 Características do mercado cambial Segmentação funcional Mundialidade Continuidade Convenções nos câmbios As funções do mercado cambial Transferência do poder de compra Cobertura do risco cambial Financiamentos Organização e funcionamento do mercado de câmbios à vista Definição de Taxa de Câmbio à vista Características do mercado à vista Organização e funcionamento do mercado de câmbios a prazo Definição de Taxa de Câmbio a prazo O prémio e o desconto Características do mercado a prazo Comportamentos de base no mercado cambial Especulação Arbitragem Cobertura de risco Determinantes da taxa de câmbio Balança de Pagamentos: definição e caracterização Movimentos de mercadorias e de capitais Movimentos de bens e serviços e a taxa de câmbio Movimentos de capitais e a taxa de câmbio Determinantes da taxa de câmbio no mercado à vista (spot) Teoria da paridade dos poderes de compra Taxas de juro e taxas de câmbio

5 4.3.4 Determinantes da taxa de câmbio no mercado a prazo (forward) Efeito de Fisher Efeito internacional de Fisher Teoria da paridade das taxas de juro As previsões das taxas de câmbio Variáveis económicas e previsões das taxas de câmbio Métodos de previsão das taxas de câmbio Análise de casos Capítulo V - Riscos Financeiros 5.0. Introdução Acordos de Basileia Risco de crédito Risco Crédito Caraterização do mercado de crédito em Portugal Risco de crédito Gestão do risco de crédito Considerações Finais Riscos de mercado Risco taxa de juro Risco Cambial Risco Cotações / Índices Risco de Liquidez Risco Operacional Outros Riscos Risco de Spread Risco de Concentração

6 Risco Imobiliário Risco da contraparte Risco moral Risco contingencial Risco de compliance Risco de reputação Modelos de Avaliação de Risco VAR Value-at-Risk Métodos de Estimação do VAR Análise de casos Capítulo VI - Gestão do risco de câmbio a partir dos mercados de derivados 6.0 Introdução Produtos derivados Contratos de futuros Contratos de opções Contratos de swaps Gestão do risco de preço das matérias-primas Principais mercados a prazo de matérias-primas Gestão do risco de preço das matérias-primas com recurso aos contratos de futuros Gestão do risco de preço das matérias-primas com recurso aos contratos de opções Mercado over-the-counter OTC e gestão do risco de preço Contratos de preço com entrega a posteriori Swaps de matérias primas Caps, Floors e Collars Gestão do risco de câmbio A problemática do risco de câmbio

7 6.3.2 Técnicas de redução da exposição ao risco de câmbio Escolha da moeda de faturação As cláusulas monetárias Alteração de prazos O netting (compensação) Gestão do risco de câmbio com recurso ao mercado a prazo de divisas Gestão do risco de câmbio com recurso aos swaps sobre divisas Gestão do risco de câmbio com recurso a contratos de futuros Custos dos futuros Limitações dos futuros Gestão do risco de câmbio com recurso a contratos de opções Vantagens das opções Limitações e inconvenientes das opções Gestão do risco da taxa de juro Natureza e extensão do risco de juro Gestão do risco de juro com recurso a contratos de futuros Gestão do risco de juro com recurso a contratos de opções Gestão do risco de juro com recurso ao mercado over-the-counter Os swaps sobre taxas de juro Forward Rate Agreement (FRA) Caps, Floors e Collars Análise de casos Capítulo VII - Investimento Internacional 7.0. Introdução Teoria e Estratégia de Investimento Direto no/do Exterior Evolução do Investimento Direto Estrangeiro

8 Formas de Internacionalizar Políticas públicas de apoio ao Investimento Externo Avaliação de Projetos Internacionais O risco país Rating Agências de rating e classificações Credit Default Swaps Análise de casos Capítulo VIII - Instrumentos de Financiamento e Apoio à Internacionalização 8.0. Introdução Medidas de Apoio à Internacionalização Mecanismos de financiamento e gestão de risco Linhas de crédito PME Investe Protocolos de colaboração com bancos Linhas de crédito para a cooperação bilateral Linhas de crédito comercial (Rússia, Moçambique, CGD e BEI/PME) Linha de crédito ao importador para o apoio à exportação portuguesa Seguros de crédito com garantia do Estado e facilidades Apoios financeiros à internacionalização sob a forma de capital de risco Apoios Setoriais Apoios vários Medidas recentes de apoio à internacionalização Conclusão Referências bibliográficas

MERCADOS A PRAZO. Futuros, Forwards e Swaps

MERCADOS A PRAZO. Futuros, Forwards e Swaps MERCADOS A PRAZO Futuros, Forwards e Swaps Eduardo Sá Silva MERCADOS A PRAZO Futuros, Forwards e Swaps FICHA TÉCNICA Título Mercados a Prazo Futuros, Forwards e Swaps Autor Eduardo Sá Silva Editor Vida

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19

SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 19 CAPÍTULO I VISÃO GERAL & FUNDAMENTOS BÁSICOS... 23 A origem da agricultura...24 A disseminação das lavouras comerciais...25 A importância da agricultura...26 As crises de alimentos...26

Leia mais

RISCO DE TESOURARIA. Gestão de Operações e. 2ª Edição Curso Prático. Inscreva-se em OSEUFORMADOR

RISCO DE TESOURARIA. Gestão de Operações e. 2ª Edição Curso Prático. Inscreva-se em OSEUFORMADOR 2ª Edição Curso Prático Gestão de Operações e RISCO DE TESOURARIA SAIBA COMO REALIZAR UMA GESTÃO EFICIENTE, REDUZIR OS RISCOS E CONTROLAR O CASH FLOW OSEUFORMADOR Lisboa, 21, 22 e 23 de Novembro de 2016

Leia mais

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

Finanças e Gestão de Riscos Internacionais

Finanças e Gestão de Riscos Internacionais Eduardo Sá Silva Carlos Mota Mário Queirós Adalmiro Pereira Finanças e Gestão de Riscos Internacionais Índice Geral Capítulo I - Introdução às Finanças Internacionais 1.0. Introdução...23 1.1. Visão geral

Leia mais

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2

Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Sumário PARTE I O Ambiente Financeiro Internacional 1 Capítulo 1 Globalização e a Empresa Multinacional 2 Globalização e criação de valor na empresa multinacional 3 A teoria da vantagem comparativa 4 O

Leia mais

A Importância dos Métodos Quantitativos aplicados ao Mundo Financeiro

A Importância dos Métodos Quantitativos aplicados ao Mundo Financeiro A Importância dos Métodos Quantitativos aplicados ao Mundo Financeiro Marco Aurélio Sanfins GET - Departamento de Estatística IME Instituto de Matemática e Estatística UFF Universidade Federal Fluminense

Leia mais

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves

Câmbio: Mecanismos de hedge. Reinaldo Gonçalves Câmbio: Mecanismos de hedge Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com 1 Sumário 1. Swap 2. Swap cambial reverso 3. Swap inter-bancário de moedas 4. Mercado de futuros (futures) 5. Mercado a termo

Leia mais

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007

Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Como Funciona o Sistema Financeiro Nacional José Reynaldo de Almeida Furlani Abril de 2007 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL

Leia mais

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS

1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS INSTITUTO SUPERIOR DE GESTÃO BANCÁRIA 1º TESTE INTERMÉDIO DE INTRODUÇÃO AOS MERCADOS FINANCEIROS ANO LECTIVO 2008/2009 ÉPOCA NORMAL Duração: 1,5 horas Já com a tolerância Atenção: Não se esqueça de indicar

Leia mais

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Equivalente 10.000,00 Conta Corporativa PLUS Equivalente 10.000,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES

Leia mais

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA

NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA NORGARANTE A MELHOR GARANTIA PARA A SUA EMPRESA APOIO AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS A Norgarante é uma Sociedade de Garantia Mútua que: Apoia Micro, Pequenas e Médias Empresas da zona Norte e Centro Norte

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

Sumário. Prefácio, xiii PARTE I AMBIENTE FINANCEIRO, 1

Sumário. Prefácio, xiii PARTE I AMBIENTE FINANCEIRO, 1 Prefácio, xiii PARTE I AMBIENTE FINANCEIRO, 1 1 Origem da Moeda e Intermediação Financeira, 3 1.1 Atividade econômica, 4 1.2 Primeiro estágio: economia de escambo, 10 1.3 Segundo estágio: introdução da

Leia mais

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS

MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS MBA em FINANÇAS EMPRESARIAIS 1) OBJETIVO O objetivo do MBA é proporcionar ao participante os conhecimentos e as técnicas indispensáveis à Gestão Financeira da empresa. Nas últimas décadas, a atuação do

Leia mais

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available

Leia mais

MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários. Conhecer os Objectos de um Banco; Analisar os comportamentos dos Clientes

MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários. Conhecer os Objectos de um Banco; Analisar os comportamentos dos Clientes MÓDULOS # 1: Clientes, Produtos e Serviços Bancários Conhecer os Objectos de um Banco; Compreender a necessidades dos clientes a recorrem aos Bancos; Analisar os comportamentos dos Clientes Identificar

Leia mais

RIO DE JANEIRO, 29 DE SETEMBRO DE Internacionalização das Empresas Brasileiras Espanha como Plataforma e Destino de Investimento

RIO DE JANEIRO, 29 DE SETEMBRO DE Internacionalização das Empresas Brasileiras Espanha como Plataforma e Destino de Investimento RIO DE JANEIRO, 29 DE SETEMBRO DE 2015. Internacionalização das Empresas Brasileiras Espanha como Plataforma e Destino de Investimento QUEM SOMOS A CESCEBRASIL é uma empresa especializada em Seguro Garantia

Leia mais

Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil

Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil Risco de Taxa de Juros da Carteira Banking (IRRBB): Revisão da Abordagem e Implicações no Brasil Agenda Histórico da abordagem IRRBB Standards Modelos Internos Implicações Dúvidas Histórico da Abordagem

Leia mais

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1

Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 Sumário Prefácio, xiii i Objetivos e instrumentos de política econômica, 1 1. Objetivo do estudo de economia, 2 2. Objetivos de política econômica, 3 2.1 Crescimento da produção e do emprego, 3 2.2 Controle

Leia mais

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO AOS FUTUROS

MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO AOS FUTUROS MERCADOS E INVESTIMENTOS FINANCEIROS INTRODUÇÃO AOS FUTUROS Mercados à vista Valores mobiliários: acções, obrigações, títulos de participação, etc. Obrigações dos contraentes cumpridas no momento da transacção

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps

Módulo 8. Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 Estratégias de Investimento com Swaps Módulo 8 1.1 - Introdução ao Mercado de Swaps O que são Swaps? Exemplos Swaps & Forwards Intervenientes e Organização do Mercado de Swaps 1.2 - Swaps de Taxa

Leia mais

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca

Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Objetivos Gerais: Gestão do Crédito e Risco - Especial Banca Este curso tem como objetivo dotar os participantes das competências que lhes permitam compreender as diferentes abordagens de avaliação de

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15

ÍNDICE. Prefácio à presente edição 7. Prefácio à 3. 8 edição 9. Prefácio à 2.- edição 13. Prefácio à 1.* edição 15 ÍNDICE Prefácio à presente edição 7 Prefácio à 3. 8 edição 9 Prefácio à 2.- edição 13 Prefácio à 1.* edição 15 1. Introdução e fases do crescimento português 19 Resumo 19 1.1. As fases do crescimento económico

Leia mais

NIM, líquida de provisões

NIM, líquida de provisões Brasil 26 Var. M 15 / M 14 +6% / 4T'14 Volumes 1 +2% / 4T'14 Atividade Margem Líquida de Juros NIM 6,5% 6,3% 5,9% 5,7% 5,8% Milhões de EUR L&P 1T15 %4T14 %1T14 * NII + receita de tarifas 2.997 2,2 5,2

Leia mais

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial)

Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2008 Curso de Extensão: Noções de Macroeconomia para RI (Política Cambial) Eloi Martins Senhoras

Leia mais

COMO SANTANDER GERENCIA SEUS RISCOS?

COMO SANTANDER GERENCIA SEUS RISCOS? COMO SANTANDER GERENCIA SEUS RISCOS? Todos os dias, tomamos decisões para deixar nossa vida mais segura. Como quando guardamos a chave ao sair de casa, colocamos o cinto de segurança antes de dirigir e

Leia mais

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo

MOÇAMBIQUE. Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores. Sector Externo MOÇAMBIQUE Quadro B. Categorias de Dados e Indicadores Sector Externo CATEGORIA DE DADOS: Agregados da Balança de Pagamentos Descritor Nacional (no caso de diferente, precisar): PRINCIPAIS INDICADORES:

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Sistema financeiro nacional. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Sistema financeiro nacional Professor: Msc. Roberto César Sistema Financeiro Consumo Poupança Investimento Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional pode ser definido

Leia mais

ÍNDICE CAPÍTULO ATENDIMENTO

ÍNDICE CAPÍTULO ATENDIMENTO CAPÍTULO 01... 6 Marketing... 6 Conceitos...6 Os 7 P s de Marketing...6 Marketing de Relacionamento...7 Marketing de Serviços...7 Marketing Direto...10 Qualidade no Atendimento...11 ATENDIMENTO 5 ATULIDADES

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO POLÍTICA DE RISCO DE CRÉDITO Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Estrutura da Área... 4 6. Análise de Risco de Crédito...

Leia mais

Roteiro Derivativo Financeiros

Roteiro Derivativo Financeiros Roteiro Derivativo Financeiros PERFIL DOS CLIENTES Pessoa Física: Investidores Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias); Não Financeiros (Exportadores, Tradings, Indústria); Não Residentes

Leia mais

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos

BALANÇA DE PAGAMENTOS Balança de Pagamentos Externos de Portugal Valores Líquidos Base de transacções Balança de Pagamentos Externos ÍNDICE DE QUADROS Parte I ESTATÍSTICAS MONETÁRIAS E FINANCEIRAS Balanço do Banco de Portugal Dez 1947-Dez 1956... 11 Balanço do Banco de Portugal Dez 1957-Dez 1965... 12 Balanço do Banco de Portugal Mar

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 033/2010 Reestrutura o Curso de Pós-Graduação Lato sensu em Economia Empresarial. CONSIDERANDO a solicitação da Coordenação do Curso, conforme processo nº 17069/2010;

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015

Mitigadores de Riscos. 24 de setembro de 2015 Mitigadores de Riscos 24 de setembro de 2015 1 As trocas comerciais ao nível internacional As empresas quando começam a trabalhar com empresas fora de Portugal têm que ter em consideração novos factores

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal março 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2013 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2013 para a apuração dos

Leia mais

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU 29.12.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 348/57 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 14 de Dezembro de 2009 que altera a Decisão BCE/2006/17 relativa às contas anuais do Banco Central Europeu (BCE/2009/29)

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011 Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa Abril/2011 Contribuições do BNDES Pacote de Medidas de Estímulo ao Financiamento de LP Iniciativas do BNDES Novo Programa de Aquisição de Debêntures

Leia mais

Sumário. Parte 1. Capítulo 1 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional. Capítulo 2 Políticas Comerciais

Sumário. Parte 1. Capítulo 1 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional. Capítulo 2 Políticas Comerciais Sumário Parte 1 Capítulo 1 Abordagens Analíticas do Comércio Internacional 1.1. Uma breve abordagem histórica 1.1.1. A Passagem do Protecionismo para o Liberalismo 1.2. Teorias Clássicas 1.2.1. Teoria

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Classificações dos Títulos A classificação mais natural que temos da classificação de títulos é justamente

Leia mais

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz

Mercado Cambial. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Características e Produtos. Ricardo Diz Mercado Cambial Características e Produtos Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Cambial Operações Cambiais Tipos de Operações Cambiais Produtos Cambiais 2 Mercado

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

Investimento para a inovação e competitividade

Investimento para a inovação e competitividade Investimento para a inovação e competitividade Os novos instrumentos de financiamento Pedro Cilínio Fóruns da Garantia Mútua 2015 O presente conteúdo é válido no contexto do presente evento como complemento

Leia mais

MBA Executivo em Mercado de Capitais e Derivativos

MBA Executivo em Mercado de Capitais e Derivativos 1) APRESENTAÇÃO A Escola de Pós Graduação FACAMP e o Instituto Educacional BM&FBOVESPA firmaram parceria para oferecerem diversos cursos de pós graduação. Destinado a profissionais que já atuam no mercado

Leia mais

Metodologia de gestão de Risco de Mercado

Metodologia de gestão de Risco de Mercado Metodologia de gestão de Risco de Mercado Data Criação: Ago/11 Data última revisão: Jun/13 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Risco de mercado... 3 3. Métodos de gerenciamento de risco... 3 4. Controle de

Leia mais

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades:

A BAF aplica as seguintes metodologias para a gestão suas atividades: POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS A BAF Investimentos Ltda. ("BAF") tem como filosofia ser conservadora em sua atuação, visando à gestão eficiente dos riscos intrínsecos as suas atividades. Nesse sentido, os

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006

Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 Cenário Macroeconômico 2006 Janeiro de 2006 1 Cenário Econômico Regra básica: Cenário Internacional é dominante. Oscilações de curto prazo são determinadas exogenamente. 2 Cenário Internacional União monetária

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA DA EMPRESA E DA CONCORRÊNCIA PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise Macroeconómica 1. Introdução à Macroeconomia 2. Medição da Actividade Económica

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino 06/02/ :21

Relatório - Plano de Ensino 06/02/ :21 Página: 1/5 MERCADO FINANCEIRO EMENTA Sistema Financeiro Nacional. Mercados Financeiros: Monetário, Crédito, Capitais e Cambial. Produtos Financeiros. Risco da Taxa de Juros na Carteira de Títulos de Renda.

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II

Leia mais

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos)

BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 (Montantes expressos em milhares de Kwanzas Angolanos) ACTIVO 2013 2012 Disponibilidades 50,707,848 53,115,360 Aplicações de liquidez - Operações no Mercado Monetário

Leia mais

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ).

O Sistema de Metas de Inflação No Brasil. - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil ( ). O Sistema de Metas de Inflação No Brasil - Como funciona o sistema de metas e seus resultados no Brasil (1999-2007). - Desempenho recente: a relação juros-câmbio. - Aceleração do crescimento econômico

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular 2011/2012

Ficha da Unidade Curricular 2011/2012 1 de 5 09-09-2011 16:17 Ficha da Unidade Curricular 2011/2012 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Designação: Economia Monetária e Financeira Última alteração: 2011-09-02 09:47:00 ECTS: 5 Língua de leccionação:

Leia mais

Teorias, paradigma e tendências em Negócios Internacionais

Teorias, paradigma e tendências em Negócios Internacionais Teorias, paradigma e tendências em Negócios prof.danilopastorelli@saojudas.br Mestre em Economia Graduado em História e Pedagogia Teorias, paradigma e tendências em Negócios Estrutura empresarial que desenvolve

Leia mais

Fatores Determinantes do

Fatores Determinantes do Fatores Determinantes do Balanço de Pagamentos Abordagem pela Absorção Abordagem pelos Movimentos de Capital Abordagem Monetária http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Contabilidade das relações externas

Leia mais

Taxa Anual Efectiva (TAE) Spread Base 1,25% a 2,75% 8,266%

Taxa Anual Efectiva (TAE) Spread Base 1,25% a 2,75% 8,266% Entrada em vigor: 09-dezembro-2016 20.1. Linhas de Crédito e Contas Correntes Taxa Anual Nominal (TAN) (TAE) Empréstimos a taxa variável Crédito de Curto Prazo em Conta Corrente Crédito de Curto Prazo

Leia mais

Seguro de Crédito Cristina Salazar Vice Presidente Comissão de Crédito e Garantia da CNSeg Diretora Executiva da CESCEBRASIL

Seguro de Crédito Cristina Salazar Vice Presidente Comissão de Crédito e Garantia da CNSeg Diretora Executiva da CESCEBRASIL Seguro de Crédito Cristina Salazar Vice Presidente Comissão de Crédito e Garantia da CNSeg Diretora Executiva da CESCEBRASIL SEGURO DE CRÉDITO Proteção para as vendas a prazo de produtos ou prestação de

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Maio 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de maio de 2011 para a apuração dos preços

Leia mais

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS

AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS AULA 3 INTRODUÇÃO AO MERCADO DE CAPITAIS Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio

Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Moeda, taxas de juros e taxas de câmbio Referência: Cap. 15 de Economia Internacional: Teoria e Política, 6ª. Edição Paul R. Krugman e Maurice Obstfeld Economia Internacional II - Material para aulas (3)

Leia mais

Novo PD CEA. Vigência a partir de 01/04/2017

Novo PD CEA. Vigência a partir de 01/04/2017 Novo PD CEA Vigência a partir de 01/04/2017 Módulo I: Revisão PD CEA e início da vigência Exclusão dos Códigos ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para: (i) Serviços Qualificados ao Mercado de Capitais;

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Dezembro de Unid. Fonte Notas 2010 Evolução 2004-2010 Actualizado em Dezembro de 2010 Unid. Fonte 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 Notas 2010 População a Milhares Hab. INE 10.509 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.638 3º Trimestre

Leia mais

PRINCIPAIS INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

PRINCIPAIS INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS PRINCIPAIS INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS Introdução Sistema Financeiro Brasileiro Faz a intermediação e distribuição de recursos no mercado Advindos de poupança e destinados ao financiamento de investimentos

Leia mais

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA

4. OS ELEMENTOS FUNDAMENTAIS DA OFERTA E DA PROCURA Licenciatura em Comunicação Social, 2 ano 2002/2003 PROGRAMA de ECONOMIA 1. UNIDADE LECTIVA PRELIMINAR 1.1 Conceitos matemáticos 1.1.1 Conceito de função; funções lineares 1.1.2 Construção e leitura de

Leia mais

Matriz Curricular Faculdade Cenecista de Sete Lagoas- Administração

Matriz Curricular Faculdade Cenecista de Sete Lagoas- Administração Matriz Curricular Faculdade Cenecista de Sete Lagoas- Administração 1º Teorias da Administração 60 60 1º Estudos Socioantropológicos 60 60 1º Economia 60 60 1º Matemática Básica 60 60 1º Leitura e Interpretação

Leia mais

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

NEGÓCIOS INTERNACIONAIS NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Aula 01 - Fundamentos teóricos, parte I. Economia internacional Vs Comércio exterior. Teorias do Comércio Internacional (liberalismo vs protecionismo) COMÉRCIO INTERNACIONAL Onde

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DIRECIONAL ENGENHARIA S.A.

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. DIRECIONAL ENGENHARIA S.A. VERSÃO 3.0 APROVADA NA RCA DE 04 / JUL / 2016 Índice OBJETIVO... 3 A) Política para Contratação de Financiamentos... 3 B) Política de Aplicações Financeiras... 4 VERSÃO 3.0 APROVADA

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior

Provas de Acesso ao Ensino Superior Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 05 Exame de Economia Tempo para a realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: material de escrita, caneta

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: MERCADO DE CAPITAIS Código: CTB 000 Pré-requisito: ------- Período Letivo: 2016.1 Professor:

Leia mais

Como fazer negócios com o Grupo Caixa em Timor-Leste NOVEMBRO 2016

Como fazer negócios com o Grupo Caixa em Timor-Leste NOVEMBRO 2016 Como fazer negócios com o Grupo Caixa em Timor-Leste NOVEMBRO 2016 01 Grupo Caixa o seu parceiro em Timor-Leste Timor-Leste SUCURSAL DE TIMOR / BNU Timor Em Timor-Leste, a CGD está presente através de

Leia mais

TÉCNICO BANCÁRIO - ESPECIFÍCA nº INSCRIÇÃO QUESTÃO STATUS PARECER

TÉCNICO BANCÁRIO - ESPECIFÍCA nº INSCRIÇÃO QUESTÃO STATUS PARECER TÉCNICO BANCÁRIO - ESPECIFÍCA nº INSCRIÇÃO QUESTÃO STATUS PARECER 8057 37 INDEFERIDO 28932 37 INDEFERIDO A NOTA FISCAL ESTÁ PLENAMENTE CONTIDA NO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III DO EDITAL NO ITEM 3, PORTANTO

Leia mais

PROGRAMA CARGA HORÁRIA: 60 HORAS PERÍODO: 6º PROFESSOR: ALEXANDRE WERNERSBACH NEVES SEMESTRE: 2015/1

PROGRAMA CARGA HORÁRIA: 60 HORAS PERÍODO: 6º PROFESSOR: ALEXANDRE WERNERSBACH NEVES SEMESTRE: 2015/1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos Introdução Pelo presente documento, a BC GESTÃO DE RECURSOS LTDA. ( Brasil Capital ), vem, nos termos da Instrução CVM n.º 558/15, do Código de Autorregulação da Associação

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

CIRCULAR Nº Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes.

CIRCULAR Nº Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes. CIRCULAR Nº 1563 Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes. Altera o regulamento do mercado de câmbio de taxas flutuantes - atualização nº 6. A Diretoria do Banco Central

Leia mais

Linha de Crédito CAPITALIZAR

Linha de Crédito CAPITALIZAR A Linha de Crédito Capitalizar é uma Linha de Crédito Protocolado disponibilizada pelo Banco BIC para as empresas poderem aceder a crédito bancário em condições mais favoráveis que lhes permita prosseguir

Leia mais

A taxa de câmbio ajusta-se automaticamente a movimentos na oferta e demanda de divisas

A taxa de câmbio ajusta-se automaticamente a movimentos na oferta e demanda de divisas )81'$d 2*(78/,29$5*$6 (6&2/$%5$6,/(,5$'($'0,1,675$d 23Ò%/,&$('((035(6$6 0(675$'2(;(&87,92(0*(67 2(035(6$5,$/ ',6&,3/,1$),1$1d$6,17(51$&,21$,6 352)(662552*e5,262%5(,5$ 5(*,0(6&$0%,$,6 Bibliografia: Krugman,

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Junho 2016

Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Política de Gestão de Riscos Junho 2016 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. IDENTIFICAÇÃO E DESCRIÇÃO DOS RISCOS... 3 4.

Leia mais

Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão

Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão 1 Contexto operacional O Deutsche Bank S.A. - Banco Alemão está organizado sob a forma de banco múltiplo autorizado a operar com as carteiras comercial, de investimentos e de câmbio. O Banco é uma subsidiária

Leia mais

Prof. Doutor Luis Miguel da Mata Artur Dias Pacheco (Regente)

Prof. Doutor Luis Miguel da Mata Artur Dias Pacheco (Regente) Ficha da Unidade Curricular 2013/2014 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE CURRICULAR Designação: Economia Monetária e Financeira Última alteração: 2013-09-01 15:24:00 ECTS: 5 Língua de lecionação: Português Licenciatura

Leia mais

Modalidades de Pagamento

Modalidades de Pagamento Modalidades de Pagamento Remessa / Pagamento antecipado: Nesta modalidade, o importador realiza o pagamento ao exportador antes do envio da mercadoria. Trata-se da opção mais interessante para o exportador,

Leia mais

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012

Crescimento e competitividade da economia moçambicana João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Crescimento e competitividade da economia moçambicana 2001-2010 João Mosca Lisboa, ISEG/UTL, 22 de Março 2012 Que padrão de crescimento Factores do crescimento e da competitividade (com enfoque macro ex

Leia mais

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO RURAL EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Banco Rural Europa S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

sumário Sumário Prefácio, xiii Nota à 13 a edição, xvii Monetarismo, Liberalismo econômico, Neoliberalismo, 22

sumário Sumário Prefácio, xiii Nota à 13 a edição, xvii Monetarismo, Liberalismo econômico, Neoliberalismo, 22 sumário Sumário Prefácio, xiii Nota à 13 a edição, xvii 1 Intermediação Financeira, 1 1.1 Escassez e rendimentos decrescentes, 1 1.1.1 Curva de possibilidade de produção, 3 1.2 Formas de organização econômica,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

Políticas Comerciais, Financeiras e. Prof. Daniel M. Pinheiro

Políticas Comerciais, Financeiras e. Prof. Daniel M. Pinheiro Políticas Comerciais, Financeiras e Monetárias e Relações Norte-Sul. Prof. Daniel M. Pinheiro Objetivo Compreender o processo de desenvolvimento dos países, especialmente o caso brasileiro, com base nas

Leia mais