QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98?"

Transcrição

1 QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? RODRIGUES, Rui ( 1 ); BRANDÃO, Cláudia ( 2 )e ÁLVARES, Teresa ( 2 ) RESUMO O território português testemunhou no início do ano hidrológico de 1997/98 a ocorrência de sucessivos episódios de cheia, alguns associáveis a períodos de retorno pluricentenários. Dado o carácter generalizado da incidência das precipitações intensas no território ao longo dos meses de Outubro e Novembro, houve diferentes tipos de bacias hidrográficas afectadas reflectindo-se, nas diferentes respostas hidrológicas, os diferentes graus de modificação humana e as diferentes extensões superficiais drenantes (grandes bacias nacionais e transnacionais). A presente comunicação sintetiza os estudos realizados na Direcção de Serviços de Recursos Hídricos do INAG no domínio da caracterização das situações de cheia mais graves e, dentro destas, aquelas ocorridas apenas no território continental. Os períodos de retorno associados às cheias de Monchique, em Outubro, foram os mais excepcionais ainda que o controlo de cheias na barragem de Alcantara, na parte espanhola da bacia do Tejo, tenha contribuido muito para diminuir a magnitude da cheia natural que afluiria a Portugal (atenuação para cerca de 1/5 da ponta). Palavras chave: Curvas de intensidade-duração-frequência, cheias, período de retorno 1 Chefe da Divisão de Recursos Superficiais, INAG 2 Técnica Superior da Direcção de Serviços de Recursos Hídricos, INAG 1

2 1 - INTRODUÇÃO Pode-se considerar que o ano hidrológico de 1997/98 teve início com as chuvadas intensas que se abateram sobre o território continental português, com maior incidência sobre Lisboa, no dia 18 de Outubro de Também na ilha da Madeira houve cheias intensas (de 19 para 20 de Outubro) descritas num relatório do IGA da Madeira (TEIXEIRA e PEREIRA, 1997), bem como em S. Miguel, nos Açores, com consequências trágicas na Ribeira Quente. Porém, só serão aqui descritas as cheias ocorridas no território continental. Esta abertura retumbante da estação das chuvas seguia-se a um ano hidrológico médio mas incaracterístico (já que havia chovido no verão de 1997 depois de um mês de Março muito seco) o qual, por sua vez, havida sido precedido pelo ano muito húmido de 1995/96. Depois das secas do início da década de 90 instalou-se um pouco o hábito de ver a ocorrência de um ano húmido como algo de excepcionalmente isolado. Quatro meses do corrente ano hidrológico vieram demostrar que os episódios pluviosos extremos são fenómenos de ocorrência aleatória (ainda que com maior probabilidade de ocorrência em determinadas épocas do ano) e, como a experiência deste ano o demonstrou, podem ocorrer em diversas sucessões dentro de um curto período de tempo. É importante ressalvar este aspecto pois um conceito empírico que ficou altamente enraizado nos regantes portugueses, e na sequência do ano hidrológico de 1989/90 (onde choveu torrencialmente mas apenas nos três primeiros meses do ano hidrológico tendo-se, aliás, praticamente iniciado aí a seca dos anos 90), foi o de que a estação das chuvas ficou reduzida e antecipada nestes últimos anos. Ainda aqui, o presente ano hidrológico, com as chuvadas do final de Janeiro/princípio de Fevereiro (quando foi galgada a ensecadeira de Alqueva e alagado o cais de Alcoutim), veio demonstrar que isso não pode ser entendido como uma tendência estatisticamente demonstrável. Se alguma estatística descritiva poderia ser feita (e tomando em conta também as cheias de Lisboa de 1967 e 1983), é a de que as cheias extremas ocorrem com maior probabilidade ao fim-de-semana, e de noite 2 - AS CHEIAS DE OUTUBRO DE 1997 No presente capítulo só serão referidas aquelas cheias mais extraordinárias, ou seja, apesar da definição crua de cheia fazer corresponder esse fenómeno a toda e qualquer subida dos níveis no leito de um rio, não será assim tratada neste artigo, como é evidente Situação em Lisboa Como foi já referido, as precipitações intensas do dia 18 de Outubro deram origem às primeiras cheias do ano hidrológico no território continental português. A situação meteorológica que lhe esteve associada foi uma depressão instalada a NO da península Ibérica, da qual se mostra a sua evolução entre as 12:00 e as 18:00 horas na Figura 1. 2

3 Figura 1 - Situação meteorológica sinóptica do dia 18 de Outubro de As previsões existentes para 5 dias na Europa (Figura 2) apontavam para dois núcleos de alta pluviometria, ambos na fronteira oceâno/continente: um em Portugal, que acabou mais centrado em Lisboa, e; outro em Israel, sendo que Tel-Aviv também foi palco de grandes cheias. Figura 2 - Previsão da precipitação para a Europa no período 18 a 23 de Outubro de 1997 emitida por National Centers for Environmental Prediction (NCEP/NOOA). As máximas intensidades de precipitação do dia 18 de Outubro tiveram um grau de localização muito concentrado, sendo que nos arredores de Lisboa (Cascais e Loures) os totais precipitados foram inferiores a metade daqueles verificados no centro de Lisboa (92.6 mm). 3

4 A Figura 3 apresenta os valores disponibilizados pelo Sistema de Vigilância e Alerta de Cheias do INAG em duas ribeiras da bacia do Trancão, onde fica evidenciada a forma como a subida dos níveis na ribeira da Póvoa (em Ponte Resinga) foi mais estimulada (por maior precipitação já que se encontra mais próxima do centro de Lisboa) do que a subida dos níveis na ribeira de Loures (na Ponte do Pinhal). A mesma Figura 3 é útil para demonstrar como o fenómeno pluvioso do dia 20 de Outubro, apesar de ter tido menor intensidade, beneficiou de uma maior humidade dos solos para provocar maiores subidas limnimétricas na ribeira do Pinhal do que no episódio de 18 de Outubro, e subidas também substanciais na ribeira da Póvoa, ainda que esta esteja mais urbanizada. 0 tempo (horas) i (mm/h) Precipitação em Lisboa de 18 a 20 de Outubro Figura 3 - Precipitação em Lisboa e níveis registados na bacia do Trancão entre 18 e 21 de Outubro de

5 A excepcionalidade das intensidades de precipitação em Lisboa correspondeu, para as durações de 1 a 3 horas, a períodos de retorno entre os 100 e os 115 anos, se usado como instrumento de avaliação a curva de intensidade-duraçãofrequência estabelecida com base na série de 120 anos que aglomera leituras discretas suplementadas por digitalização nos últimos anos (MATOS e SILVA, 1986). Se utilizada a curva estabelecida por BRANDÃO (1995) e recentemente actualizada, os períodos de retorno obtidos para o fenómeno pluviométrico de dia 18 são ligeiramente superiores Situação em Monchique Outro local onde os montantes de precipitação provocaram estragos consideráveis foi em Monchique, na serra do Barlavento Algarvio. Aí, após um dia de precipitação 110 mm no dia 20 de Outubro (valor normal para este local) ocorreu na madrugada de 26 de Outubro, uma queda pluviométrica histórica de 274,7 mm totalizada num dia mas ocorrida praticamente em 5 horas. A Figura 4 mostra a excepcionalidade do fenómeno de dia 26 de Outubro, onde se ultrapassou frequentemente o período de retorno de 100 anos (dos 40 min aos 2 dias). De 2 horas a cerca de 1 dia os valores foram sempre superiores aos esperados para um período de retorno de 500 anos (valor admitido como de referência para o fenómeno diário dado que este correspondeu a um período de retorno de 456 anos). Como já foi referido, o fenómeno foi muito intenso entre as 2:30 e as 10 horas de duração, quando foi ultrapassado o período de retorno de 1000 anos. Ainda que estes valores já correspondam a grandes extrapolações da série registada (66 anos), a fundamentação de uma periodicidade milenar para as intensidade ocorridas parece muito sólida face à Figura 4. P (mm) /10/97 T = 1000 anos T = 500 anos T = 100 anos duração (horas) Figura 4 - Excepcionalidade das precipitações ocorridas em Monchique de 20 a 26/10/97. 5

6 3 - AS CHEIAS DE NOVEMBRO DE Situação em Lisboa Lisboa experimentou novo fenómeno pluvioso extremo na madrugada do dia 2 de Novembro. Apesar dos efeitos em termos de cheias urbanas terem sido menores do que em Outubro, as intensidades de precipitação para algumas horas chegaram a ser superiores às do episódio anterior (Figura 5). i (mm/h) 1000 LISBOA (IGIDL- Instituto Geofísico Infante D. Luís) T= 100 anos T= 50 anos T= 20 anos T= 10 anos 100 T= 5 anos (18/10/97) ( 2/11/97) D (min) Figura 5 - Excepcionalidade das intensidades de precipitação em Outubro e Novembro para Lisboa. Em ambos os episódios foram atingidos períodos de retorno iguais ou superiores aos 100 anos entre 1 e 3 horas de máxima intensidade. O episódio de 2 de Novembro apresentou ainda intensidades de periodicidade elevada para as durações 10 e 30 minutos. A região urbana de Lisboa sofreu nova queda pluviométrica significativa no dia 24/11, tendo sido atingido o nível hidrométrico de 3,7 m na Ponte do Pinhal (ribª Loures) Situação no Alentejo Onde os fenómenos de cheia tiveram maior impacto foi no Alentejo, na transição da noite do dia 5 para a madrugado do dia 6 de Novembro, dado o carácter trágico de que se revestiram. A Figura 6 mostra a distribuição espacial dos locais onde se atingiram valores superiores aos 100 mm, de uma forma geral segundo um alinhamento Barragem de Sta. Clara (rio Mira) Barrancos, com as intensificações em Salvada e Sobral da Adiça. 6

7 Figura 6 - Precipitação das 9 h do dia 5 às 9 h do dia 6 de Novembro de 1997 no Alentejo. Apesar de muitos dos valores da Figura 6 apresentados provirem de udómetros, a maioria da precipitação ocorreu durante cerca de 7 horas, com picos de intensidade superiores a 15 mm em 10 minutos. A Figura 7 visa mostrar a excepcionalidade dos fenómenos na região 7

8 do Alto Sado a Beja, sendo que no Alto Sado (Relíquias e Monte da Rocha) o episódio pluvioso foi quase todo de periodicidade igual ou superior ao centenário, enquanto que, em Beja, os máximos de intensidade centenários só ocorreram entre as 4 e 7 horas de duração. i (mm/h) 100 Curva IDF de ÉVORA-CEMITÉRIO admitida como regional T= 100 anos T= 50 anos T= 20 anos T= 10 anos T= 5 anos BEJA Relíquias Monte da Rocha D (min) Figura 7 - Períodos de retorno associados às precipitações observadas na região próxima ao Garvão e Funcheira (locais mais assolados pelas cheias). Em Sobral da Adiça, no Guadiana, já proximo à fronteira espanhola, os valores udométricos foram superiores a 120 mm, ainda que não se tenham conseguido obter hietogramas do fenómeno pluvioso Situação no Tejo e Guadiana A progressão para Espanha da perturbação meteorológica que se abateu sobre o Alentejo produziu quedas pluviométricas significativas também na Extremadura espanhola (INAG, 1997) com precipitações em 24 horas entre 100 e 150 mm em grandes extensões superficiais. Uma vez que esta região abrange áreas das bacias hidrográficas do Guadiana e do Tejo, os fortes volumes de precipitação acabaram por se traduzir em elevados valores dos caudais afluentes ao território português. No caso do rio Guadiana, o aumento de caudal foi sensível na secção junto ao Caia e nos principais afluentes desde as 7:00 do dia 6 (Figura 8). incremento de caudal verificado ficou apenas a dever-se à contribuição das áreas não controladas por albufeiras, já que não houve qualquer descarga das principais albufeiras espanholas da bacia do Guadiana a montante do Caia. Houve descargas apenas da barragem do 8

9 Chança (já a jusante de Alqueva e do Pulo do Lobo) para aproveitar a baixa mar no estuário do Guadiana, descargas essas que chegaram a atingir 1000 m 3 /s das 14:30 às 17:00 do dia 6 de Novembro. Q (m3/s) 5000 Evolução do caudal no Guadiana à entrada em Portugal no dia 6/11/ tempo (horas) Figura 8 - Caudal afluente a Portugal no açude de Badajoz. Idêntica situação se verificou na bacia do Tejo. De facto a última albufeira espanhola junto à fronteira com capacidade de regularização (a albufeira de Alcântara), não só não lançou (por turbinamento ou descarregadores) qualquer caudal no rio Tejo, como ainda teve a capacidade para encaixar uma ponta de cheia de cerca de m 3 /s (Figura 9), com reflexos no aumento dos volumes armazenados de cerca de 500 hm 3 em 24 horas. O volume total encaixado em Espanha muito amenizou as proporções que as cheias poderiam ter tomado nas bacias do Tejo e Guadiana. Na área da margem esquerda do Tejo entre Alcantara e Cedilho, no prolongamento da região da bacia do Guadiana onde se verificaram precipitações intensas, também foi gerada uma onda de cheia que, por ausência de capacidade de encaixe, passou pelos aproveitamentos a fio de água de Cedilho (na fronteira) e Fratel, já em Portugal. Neste último a ponta ocorreu entre as 10:00 e as 11:00. Foi essa onda de cheia que se propagou pelo rio Tejo (Figura 10), tendo atingido o Baixo Tejo na madrugada de dia 7, provocando inundações na planície. 9

10 Q (m3/s) Volume de cheia que poderia ter atingido a fronteira portuguesa em 6/11/97 5 Nov 6 Nov volume encaixado em Alcantara :00 24:00 volume que passou em Cedilho tempo (horas: início 12:00 5/11/97) 24:00 Figura 9 - Encaixe da cheia afluente à albufeira de Alcantara (Espanha). Q (m3/s) Propagação dos caudais no Tejo na cheia de 6/11/97 Cedilho Fratel Almourol Ómnias ,5 5 5,5 6 6,5 7 tempo (dias) Figura 10 - Propagação desde a fronteira até Santarém da onda de cheia gerada apenas no troço internacional do rio Tejo. 10

11 3.4 - Situação em Águeda Devido à precipitação intensa que se fez sentir em toda a região centro, não só no litoral mas também no interior, entre as 12:00 e as 24:00, houve a concentração de uma cheia cujo pico atingiu, na cidade de Águeda, o valor de 9,2 m cerca das 2:00 já do dia 9 (Fig. 11). Esta situação repetida mais duas vezes até ao final do ano veio demonstrar a necessidade de intensificação dos mecanismos de aviso e alerta de cheias numa bacia sem capacidade de regularização a montante. Neste sentido foram já instalados pela DRA Centro três tele-udómetros na bacia. 9,2m Figura 11 - Cheia na cidade de Águeda e na Ponte Ribeiro, a montante. 4 - AS CHEIAS DE DEZEMBRO DE 1997 Com a progressão do ano hidrológico para Dezembro os teores de humidade do solo atingiram valores tais que qualquer ocorrência pluviosa era eficazmente transformada em escoamento. As chuvadas de Dezembro, mais distribuídas por todo o País, ainda que menos intensas, provocaram cheias significativas, principalmente nas grandes bacias onde as áreas drenantes envolvidas mobilizavam volumes de cheia com prolongadas recessões. 11

12 4.1 - Situação em Lisboa Em Lisboa, no espaço de três dias, ocorreram sete episódios pluviosos de média magnitude que provocaram, na bacia hidrográfica do rio Trancão, idêntico número de cheias com tempos de resposta muito condicionados pelo excessivo grau de humidade dos solos. A Figura 12, retirada do Sistema de Vigilância e Alerta de Cheias (SVAC) do INAG para as três estações-base no rio Trancão, revela a sucessão de cheias verificada. Figura 12 - Sucessão de cheias na bacia do Trancão Situação na bacia do Tejo As precipitações ocorridas em Lisboa tiveram desencadeamentos semelhantes em toda a bacia do Tejo, incluindo a parte espanhola. Basicamente houve duas grandes cheias no espaço de uma semana: as de dia 17/18 e as de dia 21/22, como se exemplifica na Figura 13 que resume as afluências e lançamentos de Alcantara e a progressão do seu armazenamento para valores superiores aos 2750 hm 3. Os dois picos de cheia afluentes foram, respectivamente, de cerca de 6500 e 3000 m 3 /s nesses dois episódios. 12

13 Qe(m3/s) Qs(m3/s) Vol (hm3) /12 18/12 19/12 20/12 21/12 22/12 23/12 24/12 25/12 26/ tempo (horas) Figura 13 - Laminação das cheias efectuadas em Alcântara. Apesar da cheia afluente a Alcantara no dia 17 de Dezembro ter sido superior à de dia 21 de Dezembro, e da contribuição da parte portuguesa da bacia neste último dia ter sido muito semelhante, os valores afluentes a Almourol foram superiores no segundo episódio, mercê não só do maior teor de humidade nos solos como, também da maior contribuição do Zêzere, cuja máxima capacidade de encaixe se viu entretanto atingida. Em suma, os caudais de ponta em Almourol, e para comparação com os da cheia de 5/6 de Novembro, atingiram valores de 3700 m 3 /s, no dia 18 de Dezembro, e 4500 m 3 /s no dia 22 de Dezembro Situação a norte da bacia do Tejo As cheias verificadas no Douro, ainda que não tenha assumido proporções alarmantes no Porto, levaram a algum alagamento no cais da Régua. Novas cheias em Águeda no dia 22 de Dezembro, tendo sido ultrapassados os níveis de Novembro Situação a sul da bacia do Tejo As cheias no rio Sado neste período coincidiram com níveis de armazenamento elevado das barragens hidroagrícolas ainda que, também aqui, tenham sido mitigados os valores dos caudais de ponta naturais pela gestão dos armazenamentos e descargas das albufeiras, gestão 13

14 essa efectuada pelo INAG em estreita colaboração com as Associações de Regantes como forma de se criar alguma capacidade de encaixe nas albufeiras para fins de laminação. 5 - OBSERVAÇÕES FINAIS O ano hidrológico de 1997/98 decerto ficará na história das cheias em portugal não só em termos quer de magnitudes atingidas e perdas de vida mas também como um ano de grande número de réplicas pluviosas sucessivas. Esteve-se perante fenómenos que, em alguns casos, como o de Monchique, se excedeu francamente a periodicidade de fenómenos pentacentenários. Em Lisboa atingiram-se valores centenários, enquanto que no Alto Sado, região de Garvão, apesar dos valores diários serem centenários, as intensidades de curta duração ultrapassaram-nos inequivocamente. Mais ainda, a diferença de intensidades verificadas entre Relíquias e Monte da Ponte na madrugada do dia 6 de Novembro (localidades afastadas apenas algumas dezenas de kilómetros) indicou tratar-se de um fenómeno com fortes intensificações muito localizadas. Tomando ainda como assunto os valores udométricos de Relíquias, refere-se que em Setembro de 1949 houve uma situação muito semelhante, relatada em SANTOS et al. (1988), que vem refrear alguma tentativa de explicação tendencialmente agravada para este tipo de fenómenos, sendo que então o total udométrico diário não foi 105 mm, como agora, mas sim 226 mm. Por último algumas das cheias de génese mais complexa, onde influi o armazenamento e capacidade de laminação de albufeiras, foram muito aliviadas pela gestão efectuada, sendo neste caso de ressalvar a estreita colaboração entre o INAG, a CPPE, as Associações de Regantes e as Confederações espanholas, bem como com os agentes da Protecção Civil. BIBLIOGRAFIA BRANDÃO, C. (1995) - Análise de Precipitações Intensas, Tese de Mestrado, IST, Outubro. INAG (1997) - Relatório da Situação Hidrometeorológica do dia 6 de Novembro de MATOS, R. e SILVA, M. (1986) - Estudos de Precipitação com Aplicação no Projecto de Sistemas de Drenagem Pluvial. ITH 24 do LNEC. SANTOS, M.; CORREIA, F.N.; RODRIGUES, R. (1988) - Risk Assessment of Regional Droughts. In Natural Disasters in European Mediterranean Countries, pp TEIXEIRA, J. e PEREIRA, A. J. (1997) - Relatório à Precipitação Verificada nos dias 19 e 20 de outubro de 1997 na Madeira. IGA, Instituto de Gestão da Água. 14

Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos

Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos Cláudia Brandão & Rui Rodrigues Lisboa, Junho de 1998 1 - OBJECTIVO Esta

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos O QUE É? O Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos - SVARH, permite conhecer em tempo-útil o estado hidrológico dos rios e albufeiras do país (níveis de água, caudais e volumes armazenados)

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS Aquilino RODRIGUES (1) ; Manuela SARAMAGO (1) ; Carlos Miranda RODRIGUES (1) ; Manuel LACERDA (1) e Rui RODRIGUES (1) RESUMO O Sistema de Vigilância

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Simulação do funcionamento de uma albufeira IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL 7670 Diário da República, 1.ª série N.º 202 19 de Outubro de 2007 h) Garantir a gestão de serviços comuns no âmbito das aplicações cuja concretização esteja a cargo do II e promover a sua partilha e reutilização;

Leia mais

HIDRÁULICA APLICADA II

HIDRÁULICA APLICADA II HIDRÁULICA APLICADA II PARTE I 1 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES 2. CICLO HIDROLÓGICO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 5. INTERCEPÇÃO, EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO 6. ESCOAMENTO DE SUPERFÍCIE 2 1 Originada na camada inferior

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Junho de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 2 2 8 10 11 Instituto Português

Leia mais

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS ELABORADO POR: Cláudia Brandão Rui Rodrigues Joaquim Pinto da Costa

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS ELABORADO POR: Cláudia Brandão Rui Rodrigues Joaquim Pinto da Costa DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS ANÁLISE DE FENÓMENOS EXTREMOS PRECIPITAÇÕES INTENSAS EM PORTUGAL CONTINENTAL ELABORADO POR: Cláudia Brandão Rui Rodrigues Joaquim Pinto da Costa Lisboa, Dezembro

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA 0 território português abrange uma área de cerca de 89 300 km 2 e tem forma aproximadamente rectangular com valores máximos do comprimento e da largura de cerca de 560 e 220

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS

INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS CONVENIO DE ALBUFEIRA CONVENÇÃO DE ALBUFEIRA INFORME HIDROMETEOROLÓGICO RÉGIMEN DE CAUDALES RELATÓRIO HIDROMETEOROLÓGICO REGIME DE CAUDAIS ÍNDICE RESUMEN 1 CUENCA HIDROGRÁFICA DEL MIÑO 1 CUENCA HIDROGRÁFICA

Leia mais

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade Conferência Nacional do projeto SUSTAIN Promover a Sustentabilidade Local das Comunidades Costeiras A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

Leia mais

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM PALMEIRIM, José Carlos ( 1 )e FERNANDES, Susana( 2 ) RESUMO As crescentes necessidades de utilização da água a níveis industrial, agrícola

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Vento Tabela Resumo mensal 2 3 4 6 7 8 http://www.ipma.pt Figura

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

Grupo de Trabalho sobre Cheias ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL DA COMUNICAÇÃO ENTRE AS PARTES PARA A GESTÃO DE CHEIAS

Grupo de Trabalho sobre Cheias ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL DA COMUNICAÇÃO ENTRE AS PARTES PARA A GESTÃO DE CHEIAS Grupo de Trabalho sobre Cheias ESPECIFICAÇÃO FUNCIONAL DA COMUNICAÇÃO ENTRE AS PARTES PARA A GESTÃO DE CHEIAS Abril de 2002 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. EQUIPAMENTO... 4 GERAÇÃO DE FICHEIROS... 6 3. DADOS

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

HISTORIAL DO SITE SNIRH

HISTORIAL DO SITE SNIRH Resumo: HISTORIAL DO SITE SNIRH Mariana Marques Drª em Matemáticas Aplicadas, Responsável pelo site SNIRH, DSRH, INAG Felisbina Quadrado Engª do Ambiente, Chefe de Divisão DSRH, INAG Rui Rodrigues Engº

Leia mais

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul.

04-09-2014. A Água: Recurso e Risco Multiescalar. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia. Catarina Ramos catramos@campus.ul. II Jornadas IGOT dos Professores de Geografia A como Recurso Recursos hídricos água nos seus diferentes estados e reservatórios, disponível ou potencialmente disponível, susceptível de satisfazer, em quantidade

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS

MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS OUTUBRO 2003 Rui Rodrigues Manuela Saramago Rosa Gomes Outubro 2003 ÍNDICE 1

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS

AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DOS CORPOS DE ÁGUA EM PORTUGAL CONTINENTAL DURANTE AS ÚLTIMAS TRÊS DÉCADAS Bruno Miguel Meneses Raquel Saraiva Maria José Vale Rui Reis Projeto Alterações de uso e ocupação do solo

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

VERSÃO 1. Prova Escrita de Geografia A. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 719/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP Anaí Floriano Vasconcelos, Juliana Pontes Machado de Andrade 2, Eduardo Mario Mendiondo ³ Escola de Engenharia

Leia mais

PERIGOS NATURAIS DEVIDOS A CAUSAS METEOROLÓGICAS: O CASO DAS CHEIAS E

PERIGOS NATURAIS DEVIDOS A CAUSAS METEOROLÓGICAS: O CASO DAS CHEIAS E PERIGOS NATURAIS DEVIDOS A CAUSAS METEOROLÓGICAS: O CASO DAS CHEIAS E INUNDAÇÕES CATARINA RAMOS Centro de Estudos Geográficos, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Lisboa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 032135.0407xx.MOZ.CON-01.Output9-5.v1 AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 1. Introdução O relatório do "Intergovernmental Panel on Climate Change" (IPCC,

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE SALVATERRA DE MAGOS 2009/2010

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE SALVATERRA DE MAGOS 2009/2010 A Radiação Solar Recursos Hídricos Conceito: Água disponivel em vários estados A água é um bem renovável pois não sai da Terra. A distribuição e a qualidade da água variam Humidade: Percentagem de vapor

Leia mais

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil

Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil Regulamento de Segurança de Barragens e a Protecção Civil bb Luis Sá luis.sa@prociv.pt 1 O Novo RSB O novo Regulamento de Segurança de Barragens (RSB) foi aprovado pelo DL 344/2007 de 15 de Outubro Este

Leia mais

Modelação da Qualidade da Água no rio Tejo

Modelação da Qualidade da Água no rio Tejo Modelação da Qualidade da Água no rio Tejo O Tejo é um rio internacional e na sua bacia hidrográfica localizam-se importantes origens de água para abastecimento humano, assim como, várias fontes de poluição

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA AS 7 OPORTUNIDADES AMBIENTAIS PARA ALÉM DAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS As alterações climáticas e a emissão de gases com efeito de estufa estão na ordem do dia, e muitas vezes não dão

Leia mais

Estudo da cheia de 2014 na bacia do rio Madeira

Estudo da cheia de 2014 na bacia do rio Madeira Estudo da cheia de 214 na bacia do rio Madeira Philippe Vauchel (IRD, engenheiro hidrólogo do programa HYBAM) Abril 214 Estudo da cheia de 214 na bacia do rio Madeira Agradecimentos Este estudo foi realizado

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

AS CHEIAS E A GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. Rodrigo MAIA; A. ÁLVARES RIBEIRO 1

AS CHEIAS E A GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS. Rodrigo MAIA; A. ÁLVARES RIBEIRO 1 AS CHEIAS E A GESTÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Rodrigo MAIA; A. ÁLVARES RIBEIRO 1 RESUMO Pela sua natureza, as cheias são devidas à coincidência aleatória de vários factores meteorológicos; no entanto, o

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

Figura 2.1. Esquema de uma bacia hidrográfica.

Figura 2.1. Esquema de uma bacia hidrográfica. Capítulo 2 Bacia hidrográfica Rita Cabral Guimarães ICAAM - Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas, Escola de Ciência e Tecnologia Universidade de Évora 1. Conceitos gerais A bacia

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE

PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE PREVISÃO HIDROLÓGICA E ALERTA DE ENCHENTES PANTANAL MATO-GROSSENSE Previsão de Níveis do Pantanal MINISTÉRIO DAS MINAS E ENERGIA MME COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS CPRM 1. Descrição da Atividade

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Vicente de Paulo Rodrigues da Silva, Hiran de Melo (Professor DEE/CCT/UFPB), Antônio Heriberto de Castro Teixeira (EMBRAPA

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 11.º/ 12.º anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013-2014) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO PARNAÍBA (CICLO 2013- Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua da Quitanda

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Escola Secundária da Maia

Escola Secundária da Maia Escola Secundária da Maia Introdução Rio Douro Rio Tejo Rio Mondego A causa da poluição dos rios Como evitar a poluição dos rios Consequências da Poluição Conclusão Este trabalho irá falar sobre a poluição

Leia mais

ARTIGO 1.º ARTIGO 2.º

ARTIGO 1.º ARTIGO 2.º Decreto-Lei n.º 48661 Aprova, para ratificação, o Convénio entre Portugal e Espanha para Regular o Uso e o Aproveitamento Hidráulico dos Troços Internacionais dos Rios Minho, Lima, Tejo, Guadiana, Chança

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 5 Guia de Orientação para Elaboração de Planos de Emergência Internos de Barragens

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 5 Guia de Orientação para Elaboração de Planos de Emergência Internos de Barragens CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 5 Guia de Orientação para Elaboração de Planos de Emergência Internos de Barragens EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL INSTITUTO DA ÁGUA JUNHO DE 2009 02 Cadernos Técnicos

Leia mais

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global

Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Alterações Climáticas e Energia Três pontos de vista: Uso de Energia de combustíveis fósseis como principal culpado do Aquecimento Global Impactos ambientais dos sistemas de produção de Energia de origem

Leia mais

Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral

Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral Avaliando os riscos hidrológicos, incertezas e as suas consequências para os sistemas dependentes de energia hidroélectrica na Bacia do Rio

Leia mais

Património Natural local e regional Rios e Biodiversidade

Património Natural local e regional Rios e Biodiversidade Património Natural local e regional Rios e Biodiversidade O que é a Biodiversidade? Área de Projecto 5ºD 2010/2011 Realizado por: Inês, Mariana, Ema, Diana e José do 5ºD Trabalho iniciado com a participação

Leia mais

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA ALAILSON V. SANTIAGO 1, VICTOR C. RIBEIRO 2, JOSÉ F. COSTA 3, NILZA A. PACHECO 4 1 Meteorologista, Dr., Pesquisador, Embrapa Amazônia Oriental (CPATU),

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA

Riscos de situações extremas de origem meteorológica. Nuno Moreira, IPMA Riscos de situações extremas de origem meteorológica Nuno Moreira, IPMA 1º Encontro Riscos Naturais Fundação Calouste Gulbenkian Lisboa, 20 setembro 2012 Resumo Introdução - a meteorologia e o risco Fenómenos

Leia mais

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil J. Marengo, C. Nobre, M Seluchi, A. Cuartas, L. Alves, E. Mendiondo CEMADEN, Brasil jose.marengo@cemaden.gov.br

Leia mais

Definições e Conceitos associados ao Risco Campos de Aplicação em Geotecnia. Laura Caldeira (LNEC)

Definições e Conceitos associados ao Risco Campos de Aplicação em Geotecnia. Laura Caldeira (LNEC) Definições e Conceitos associados ao Risco Campos de Aplicação em Geotecnia Laura Caldeira (LNEC) Definições e conceitos Risco valor(es) (perdas de vida e custos de perdas materiais) obtidos a partir da

Leia mais

Boletim Climatológico Anual - Ano 2010

Boletim Climatológico Anual - Ano 2010 Boletim Climatológico Anual - Ano 2010 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Anual 05 Caracterização Climática Anual 05 Temperatura do Ar 08 Precipitação 11 Factos e Fenómenos Relevantes Figura 1 RESUMO ANUAL Ano 2010

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação

Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Observação do Comportamento Estrutural da Barragem de Beliche após a Realização de Obras de Reabilitação Fernando Pardo de Santayana Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), Lisboa, Portugal RESUMO:

Leia mais

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB Elisângela do Rego Lima INTRODUÇÃO As inundações (freqüência e magnitude); Alagoa Grande (332,6 km²); Maior enchente

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça Hidrologia e Drenagem Aula 2 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ ESALQ/USP LEB 1440 HIDROLOGIA E DRENAGEM Prof. Fernando Campos Mendonça SISTEMA DE DRENAGEM E PRECIPITAÇÕES (PARTE 1) 1) Sistema

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO

SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DEPARTAMENTO DE ÁGUAS E ENERGIA ELÉTRICA DIRETORIA DE PROCEDIMENTOS DE OUTORGA E FISCALIZAÇÃO Elaboração de Material Didático e a Realização de Cursos de Capacitação

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

Cheias de 18 de Fevereiro de 2008. Instituto de Meteorologia, *ECMWF MONITORIZAMOS

Cheias de 18 de Fevereiro de 2008. Instituto de Meteorologia, *ECMWF MONITORIZAMOS Cheias de 18 de Fevereiro de 2008 Instituto de Meteorologia, *ECMWF MONITORIZAMOS O TEMPO O CLIMA A ACTIVIDADE SÍSMICA CONTRIBUÍMOS Nuno Moreira, Álvaro Silva, Fernando Prates*, João Ferreira, Jorge Neto,

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

Figura 1 O relevo. [Fonte: Adaptado de Tomaz, P., 2010]

Figura 1 O relevo. [Fonte: Adaptado de Tomaz, P., 2010] 1. O relevo O relevo corresponde ao conjunto das irregularidades existentes na superfície terrestre, e varia de acordo com a altitude, forma e inclinação das vertentes (Figura 1). Figura 1 O relevo. [Fonte:

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

4º Trabalho. Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente

4º Trabalho. Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente 4º Trabalho Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente Plano de trabalhos Sem.: a) Cálculo da precipitação de projecto; Cálculo do tempo de concentração da bacia hidrográfica;

Leia mais

DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DOCE

DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DOCE DISPONIBILIDADE DE ÁGUA DOCE A vulnerabilidade e a escassez de água doce são reais em Portugal? CÉSAR PINHEIRO - DIOGO MENDES JOANA MATOS JOÃO MOTA LUÍS FERNANDES RUI PINHEIRO Equipa: 216 César Pinheiro

Leia mais

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016)

DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) DIRETRIZES PARA AS REGRAS DE OPERAÇÃO DE CONTROLE DE CHEIAS - BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO (CICLO 2015-2016) Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação Rua Júlio

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais