Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos"

Transcrição

1 DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos Cláudia Brandão & Rui Rodrigues Lisboa, Junho de 1998

2 1 - OBJECTIVO Esta Publicação tem como objectivo imediato munir os técnicos presentemente envolvidos no planeamento de recursos hídricos, com expressões de cálculo de precipitações intensas para a obtenção de hidrogramas de cheia nos diversos ambientes geográficos das bacias em estudo, através da modelação hidrológica. Por extensão, a informação agora disponibilizada torna-se também acessível a toda a comunidade técnica envolvida em projectos de obras hidráulicas que requeiram a verificação do dimensionamento para caudais de cheia com períodos de retorno até ao milenar. A necessidade de uma rápida disponibilização deste tipo de informação para os consórcios faz com que esta publicação ainda não possa ser considerada na sua versão final, devendo ser encarada apenas como provisória. Isto não significa, porém, que esteja incompleta quanto ao objectivo principal que é o de possibilitar a avaliação de precipitações extremas associadas a períodos de retorno de projecto de até 1000 anos, informação essa até hoje nunca disponibilizada de forma sistemática e abrangente em termos do território continental. Outro aforismo para uma publicação deste tipo é o de que ela nunca estará concluída, estando sempre sujeita a permanente actualização. No caso da realidade nacional, ainda que esta premissa seja verdadeira, a actualização verdadeiramente utilitária dependerá mais da inclusão de novos pontos de observação à medida que a vasta informação de base dos arquivos do INAG e de outras instituições vá sendo trabalhada do que da inclusão de mais anos hidrológicos. 2 BREVE HISTORIAL Apesar das redes de medição de precipitação em Portugal serem mais do que centenárias, a generalização de expressões de cálculo de precipitações extremas para o território continental para durações de chuvada inferiores ao dia não constitui um procedimento rotineiro ( ao contrário de outros países europeus). Mesmo as expressões de cálculo publicadas mais frequentemente para durações diárias (LOUREIRO e MACEDO, 1981) enfermam geralmente de algumas imprecisões (RODRIGUES, 1990), o que contribuiu para algum descrédito na sua aplicação. Neste ambiente constituíram excepção e marco de referência os trabalhos de MATOS e SILVA (1986) e de GODINHO (1987; 1989) e, mais recentemente, BRANDÃO (1995). No estudo de MATOS e SILVA (1986) é feita uma das primeiras tentativas de sistematização espacial da variabilidade dos fenómenos pluviosos intensos. A Figura 1 resume esse mapeamento baseado na análise de 20 postos, 11 dos quais com informação processada inferior a uma hora, onde se nota uma preocupação em reproduzir, no zonamento dos máximos de intensidade pluviosa, o zonamento próprio dos volumes totais médios anuais precipitados que, por corresponderem a integrações de diversos fenómenos pluviosos, provenientes de diferentes estímulos (térmico, nos fenómenos convectivos, altimétrico nos fenómenos orográficos, ou de circulação, nos fenómenos frontais) poderão não reflectir situações meteorológicas específicas associadas aos máximos.

3 Outro aspecto merecedor de alguma reflexão no zonamento proposto é a disposição contígua de zonas extremas sem faixas de transição, no Norte do País. Fig. 1 Zonamento pluviométrico proposto por MATOS e SILVA (1986). No estudo do Sotavento Algarvio, RODRIGUES (1990) põe em causa a uniformidade de comportamento pluviográfico entre a região de Lisboa e o Sotavento Algarvio como preconizado em MATOS e SILVA (1986). De facto, no Sotavento Algarvio predominam os fenómenos convectivos, reconhecidos como menos sensíveis ao efeito de altitude. RODRIGUES (1990) chega mesmo a estipular a hipótese de independência dos fenómenos pluviosos extremos do efeito de altitude em zonas escudadas. A Figura 2, extraída de RODRIGUES (1990), demonstra como o efeito de altitude se vai afirmando, no Sotavento Algarvio, apenas com a progressão dos fenómenos pluviosos para intervalos de tempo maiores, mais relacionados com totalizações volumétricas do que com intensidades de precipitação.

4 Fig. 2 Aderência da configuração das isoietas centenárias à disposição das cumeadas principais da serra do Caldeirão para durações superiores ao dia no Sotavento Algarvio (extraído de RODRIGUES, 1990).

5 Para o seu estudo MATOS e SILVA (1986) usaram os dados de base compilados por Rocha Faria e Sousa Machado e utilizados num estudo similar em 1978 (GODINHO, 1987, op. cit.) que compreendia 20 postos, dos quais 13 com séries entre 10 e 28 anos, e sete com séries inferiores a 10 anos. Como o melhoramento das estimativas por inclusão de mais postos se mostrasse demorada, GODINHO (1987) limita a leitura dos gráficos à determinação do máximo em 60 minutos e, com esta simplificação, aumenta a rede de base em mais 11 postos, actualizando ainda as séries da rede primitiva. Assim, sem a preocupação de determinação de máximos para durações inferiores a uma hora, surgem novas estimativas baseadas numa rede de 31 postos, 18 dos quais com séries superiores a 20 anos, nove postos com séries entre os 13 e os 20 anos, e quatro postos com séries inferiores a 13 anos. Com esta nova rede publica mapas de relações entre os máximos com durações de 60 minutos e os máximos diários, bem como entre os máximos em 6 horas e os máximos diários, quer para os valores médios da amostra (T = 2,33), quer para o período de retorno de 100 anos. Para as determinações de máximos em durações inferiores a uma hora GODINHO (1987) propõe a utilização das relações médias estabelecidas com os máximos de 60 minutos preconizadas no Guia de Práticas Hidrológicas da OMM. Uma nova actualização das estimativas de GODINHO (1989), com um aditamento em 1991, dá também origem a uma actualização dos mapeamentos anteriormente referidos. São estas novas estimativas que se apresentam nas Figuras 3 a 6. Para as estimativas sub-horárias continua a ser preconizada a utilização dos coeficientes de redução que, nesta nova versão, aparecem referidos a um zonamento sumário do território continental (Fig. 7). Com o estudo de BRANDÃO (1995) foi possível começar a conhecer mais em detalhe os fenómenos extremos devido à digitalização sistemática de todos os hietogramas. Desta feita passaram a obter-se estimativas seguras para durações horárias e sub-horárias que, até aí, estavam muitas vezes confinadas aos dias de maior volume total de precipitação. Esta independência relacional conferida pela digitalização sistemática permitiu, numa primeira fase, analisar a adequabilidade das expressões de redução sub-horária dos totais de 60 minutos já referidas. A Figura 8 resume a confrontação efectuada para quatro postos com extensa série de registos onde se notam ligeiros afastamentos entre os valores médios observados e os valores médios propostos no Guia de Práticas Hidrológicas da OMM, afastamento esse mais pronunciado quando estão envolvidos dados de locais onde existe maior predominância de fenómenos convectivos. Na mesma figura são sobrepostos os afastamentos a estas relações médias das relações máximas e mínimas observadas, havendo aí grande dispersão. Ainda que não haja uma função proporcional bem definida entre os máximos afastamentos ao comportamento médio e os maiores períodos de retorno, parecer haver alguma tendência para uma relação directa entre os mesmos uma vez que, em Lisboa, três das cinco maiores relações entre máximos de durações 15 e 60 minutos (superiores ao limiar 0,8) situavam-se nos 18,5% superiores da série de máximos, sendo que a maior dessas relações correspondia ao terceiro maior máximo já registado.

6 Fig. 3 Percentagem dos máximos em 60 minutos em função dos totais diários para a média da amostra (extraído de GODINHO, 1989).

7 Fig. 4 Percentagem dos máximos em 60 minutos em função dos totais diários para um período de retorno de 100 anos (extraído de GODINHO, 1989).

8 Fig. 5 Percentagem dos máximos em 6 horas em função dos totais diários para a média da amostra (extraído de GODINHO, 1989).

9 Fig. 6 Percentagem dos máximos em 6 horas em função dos totais diários para um período de retorno de 100 anos (extraído de GODINHO, 1989).

10 Fig. 7 Percentagem de redução dos máximos em 60 minutos para durações sub-horárias relativa a valores médios da amostra (adaptado e modificado de GODINHO, 1989).

11

12 3 - EXPRESSÕES PARA PROJECTO HIDRÁULICO (T=1000ANOS) Uma das grandes limitações das metodologias de MATOS e SILVA (1986) e de GODINHO (1989), em termos da sua utilização para o projecto hidráulico, é a ausência de expressões para períodos de retorno superiores a 100 anos. Compreensivelvamente, já que os estudos estatísticos de suporte a expressões de cálculo de precipitações intensas para períodos de retorno superiores aos 100 anos necessitam de séries amostrais extensas e requerem maior cuidado na análise estatística, principalmente na rejeição de máximos da amostra como outliers. Neste último caso a admissão de hipóteses de misturas de distribuições tem que ser devidamente explorada, principalmente quando os máximos de precipitação num local provêm, quer de fenómenos frontais, quer de fenómenos convectivos (RODRIGUES, 1990). Na ausência de funções IDF correspondentes a um período de retorno de 1000 anos para uma malha densa de pontos no território continental português, complementadas com zonamentos da sua aplicabilidade regional (à semelhança do que foi efectuado para o Sotavento Algarvio em RODRIGUES, 1990), e face à necessidade premente de possibilitar o cálculo de máximos de precipitação milenares, apresentam-se neste estudo os primeiros resultados dos estudos do INAG neste domínio, devendo estes ser entendidos como apenas uma primeira contribuição para a colmatação da ausência metodológica sentida. Os resultados aqui apresentados são, portanto, provisórios. No estabelecimento das curvas IDF para períodos de retorno de até 1000 anos foi utilizado um núcleo principal de postos udográficos sobre o qual se efectuou uma digitalização sistemática dos udogramas. Procurou-se que o número de anos de registo digitalizados destes postos se situasse entre os 30 e os 40 anos. À informação deste grupo foi acrescentada outra proveniente de um segundo grupo de postos onde a leitura dos udogramas não foi sistemática (podendo, portanto, os máximos correspondentes a curtas durações estar sub-avaliados). No Quadro I são apresentados os postos que foram alvo de análise, com indicação do período analisado, bem como do número de valores das amostras e do método de leitura utilizado. Quadro I - Postos utilizados no estudo de caracterização de máximos em várias unidades de tempo, e restante informação apropriada. Número de máximos anuais Estação udográfica Período estudado Metodologia Bragança Leitura discreta Vila Real Leitura discreta Porto (Serra do Pilar) Leitura discreta Aveiro (Universidade) Digitalização sistemática Caramulo Leitura discreta Penhas Douradas Digitalização sistemática Covilhã Digitalização sistemática Coimbra Leitura discreta Fonte Boa Leitura discreta Lisboa (IGIDL) Digitalização+Leitura discreta Évora-Cemitério Digitalização sistemática Catraia Digitalização não sistemática S. Brás de Alportel Digitalização não sistemática Figueirais Digitalização não sistemática Praia da Rocha Leitura discreta Monchique Por inferência diária Faro Digitalização sistemática

13 No Quadro II são apresentadas as funções IDF para cada um dos postos utilizados. Quadro II Expressões IDF propostas Curva IDF (I (mm/h) =at b (min) ) Estação udográfica Parâmetros Bragança a b Vila Real a b Porto (Serra do Pilar) a b Aveiro (Universidade) a b Caramulo a b Penhas Douradas a b Covilhã a b Coimbra a b Fonte Boa a b Lisboa (IGIDL) a b Évora-Cemitério a b Catraia a b S. Brás de Alportel a b Figueirais a b Praia da Rocha a b Monchique a b Faro a b

14 4 ZONAMENTO ESPACIAL DAS EXPRESSÕES DE CÁLCULO Como anteriormente foi referido, não existe ainda informação udográfica digitalizada de um número suficiente de postos para se estabelecer uma regionalização das curvas IDF anteriormente identificadas. Para obviar a esse facto, e dada a urgência em prover os consórcios dos planos de bacia com uma metodologia de âmbito nacional, foi efectuado um estudo de verificação dos zonamentos propostos por GODINHO (1989) para o período de retorno de 100 anos, concretamente: o zonamento das relações entre as estimativas de precipitação em 60 minutos e as estimativas de precipitação em 24 horas (Fig. 4), e; o zonamento das relações entre as estimativas de precipitação em seis horas e as estimativas da precipitação em 24 horas (Fig. 6). O facto de se possuírem estimativas baseadas na digitalização sistemática para alguns postos coincidentes com os dessas figuras permitiu constactar alguma sub-avaliação dessas relações (principalmente em Faro, Évora, Lisboa e Coimbra). Na zona da serra da Estrêla, por se adicionar também neste estudo informação relativa ao posto da Covilhã, foi possível definir melhor a variabilidade das relações entre os máximos de 6 e 24 horas, admitindo-se a existência de dois núcleos de abaixamento dessa relação no maciço da serra, um nas encostas a barlavento, e outro nas encostas a sotavento, à semelhança, aliás, do que o próprio GODINHO (1989) propõe para as relações dos 60 minutos com as 24 horas. No Algarve existe um núcleo de abaixamento das relações 60 min/24 hr também no sotavento, e não só no barlavento como propõe GODINHO (1989). Este último núcleo do barlavento foi confirmado no presente estudo com os dados de Monchique. Outras subavaliações encontradas poderão advir do facto de alguns máximos publicados para 24 horas corresponderem a leituras das 0 às 24 horas (efectuadas sobre o udograma) enquanto que outros provêm de leituras das 9 às 9 horas, coexistência essa verificada, por vezes, dentro de uma mesma série. No presente estudo todos os valores foram padronizados e referenciados das 9 às 9 horas por ser esse o intervalo de totalização geralmente adoptado na generalidade das leituras de udómetros. Aliás, a leitura das 0 às 24 horas, assim como a das 9 às 9 horas, não significa que se reproduza o máximoocorrido em 24 horas mas, tão somente, máximos diários (com o dia como unidade de truncatura). O máximo em 24 horas poderá ocorrer entre a uma hora de um dia e a uma hora do dia seguinte (corrompendo o valor das 0 às 24 horas), ou entre as 8 horas de um dia e as 8 horas do dia seguinte (corrompendo o valor das 9 às 9 horas) ou, como é óbvio, entre qualquer outro intervalo de 24 horas. De qualquer forma o intervalo das 9 às 9 horas não só é o praticado pelos observadores nacionais como não quebra eventuais efeitos da maré lunar na precipitação. Depois de efectuada a verificação dos zonamentos de GODINHO (1989) para o período de retorno de 100 anos, com introdução das alterações acima mencionadas, foi feita uma inferência sobre o zonamento dessas mesmas relações para o período de retorno de 1000 anos. Dado que as relações milenares pouco diferem das centenárias foi admitido como válido a generalização dos zonamentos de 100 anos para períodos de retorno superiores. As Figuras 9 e 10 resumem os procedimentos de desagregação de estimativas de 24 horas podendo ser utilizadas em conjunção com o ábaco proposto por GODINHO (1989) para obtenção das curvas IDF ou apenas como inferência do grau de regionalização das expressões pontuais do Quadro II.

15 Fig. 9 Percentagem dos máximos em 60 minutos em função dos totais diários para um período de retorno de 1000 anos (adaptado e modificado de GODINHO, 1989).

16 Fig. 10 Percentagem dos máximos em 6 horas em função dos totais diários para um período de retorno de 1000 anos (adaptado e modificado de GODINHO, 1989).

17 5 BIBLIOGRAFIA BRANDÃO, C Análise de Precipitações Intensas. Dissertação para a obtenção do grau de Mestre em Hidráulica e Recursos Hídricos. IST, Lisboa. GODINHO, S Valores Máximos de Quantidade de Precipitação. Estimativa dos Valores Relativos a Durações Inferiores a 24 Horas (II). Divisão de Hidrometeorologia, INMG, Lisboa. GODINHO, S Valores Máximos de Quantidade de Precipitação. Estimativa dos Valores Relativos a Durações Inferiores a 24 Horas (II). Nota Técnica de Meteorologia e Geofísica Nº 10. INMG, Lisboa. LOUREIRO, J. MIMOSO; MACEDO, M. Van ZELLER 1981 Precipitação Máxima em 24 Horas para Diferentes Períodos de Retorno. Recursos Hídricos vol. 2, nº 2, pp APRH, Lisboa. RODRIGUES, R, 1990 Caracterização de Episódios Meteorológicos Extremos: O Sotavento Algarvio. Publicação Nº 10/90, Direcção dos Serviços de Hidrologia. DGRN/MARN, Lisboa.

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS ELABORADO POR: Cláudia Brandão Rui Rodrigues Joaquim Pinto da Costa

DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS ELABORADO POR: Cláudia Brandão Rui Rodrigues Joaquim Pinto da Costa DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS ANÁLISE DE FENÓMENOS EXTREMOS PRECIPITAÇÕES INTENSAS EM PORTUGAL CONTINENTAL ELABORADO POR: Cláudia Brandão Rui Rodrigues Joaquim Pinto da Costa Lisboa, Dezembro

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

HIDRÁULICA APLICADA II

HIDRÁULICA APLICADA II HIDRÁULICA APLICADA II PARTE I 1 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES 2. CICLO HIDROLÓGICO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 5. INTERCEPÇÃO, EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO 6. ESCOAMENTO DE SUPERFÍCIE 2 1 Originada na camada inferior

Leia mais

QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98?

QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? RODRIGUES, Rui ( 1 ); BRANDÃO, Cláudia ( 2 )e ÁLVARES, Teresa ( 2 ) RESUMO O território português testemunhou

Leia mais

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP

ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP ANÁLISE QUALITATIVA DE EVENTOS DE PRECIPITAÇÃO INTENSA NA BACIA DO GREGÓRIO, SÃO CARLOS - SP Anaí Floriano Vasconcelos, Juliana Pontes Machado de Andrade 2, Eduardo Mario Mendiondo ³ Escola de Engenharia

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM PALMEIRIM, José Carlos ( 1 )e FERNANDES, Susana( 2 ) RESUMO As crescentes necessidades de utilização da água a níveis industrial, agrícola

Leia mais

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA

TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA TIPOLOGIA DE RIOS EM PORTUGAL CONTINENTAL NO ÂMBITO DA IMPLEMENTAÇÃO DA DIRECTIVA QUADRO DA ÁGUA I - Caracterização abiótica JANEIRO DE 2008 MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO ASCENDI AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA - RESUMO NÃO TÉCNICO - - ADITAMENTO - JUNHO 2010 CERTINOR Engenharia e Consultoria, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA Av. da República, n.º 2503, Sala

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 6. CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO O presente capítulo apresenta as principais conclusões retiradas da investigação desenvolvida e identifica algumas lacunas e limitações do trabalho realizado

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Maio de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 1 2 2 5 7 8 Instituto Português

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst volume 2 número 3 p - Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst Amândio Furtado 1 João Negreiros 2 A utilização dos métodos de interpolação espacial

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Janeiro de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Vento Tabela Resumo mensal 2 3 4 6 7 8 http://www.ipma.pt Figura

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Junho de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Tabela Resumo mensal 2 2 8 10 11 Instituto Português

Leia mais

Modelação espacial da precipitação da fachada oriental da Ilha de Santiago.

Modelação espacial da precipitação da fachada oriental da Ilha de Santiago. Modelação espacial da precipitação da fachada oriental da Ilha de Santiago. M. Carmo Nunes 1, Fernando L. Costa 1 e A. Jorge Sousa 2 1 Instituto de Investigação Científica Tropical (IICT) Trav. Conde da

Leia mais

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM

WWW.PORTAL-ENERGIA.COM estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito

Leia mais

HISTORIAL DO SITE SNIRH

HISTORIAL DO SITE SNIRH Resumo: HISTORIAL DO SITE SNIRH Mariana Marques Drª em Matemáticas Aplicadas, Responsável pelo site SNIRH, DSRH, INAG Felisbina Quadrado Engª do Ambiente, Chefe de Divisão DSRH, INAG Rui Rodrigues Engº

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA. Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ

ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA. Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ ATUALIZAÇÃO DO MÉTODO DAS ISOZONAS PARA A REGIÃO AMAZÔNICA Simei Héber Nunes Pontes - IC Iria Vendrame Fernandes - PQ RESUMO A partir de séries históricas de chuvas horárias e de 24 horas para um grupo

Leia mais

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas

Boas Práticas Ambientais. Hotéis e Pousadas Hotéis e Pousadas 2008 Índice Introdução Principais Resultados Utilização Racional de Energia Gestão de Resíduos Uso Eficiente da Água Certificação Ambiental Conceitos 2 Introdução A estratégia nacional

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS Aquilino RODRIGUES (1) ; Manuela SARAMAGO (1) ; Carlos Miranda RODRIGUES (1) ; Manuel LACERDA (1) e Rui RODRIGUES (1) RESUMO O Sistema de Vigilância

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Março de 2013 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Radiação Índice NAO Tabela Resumo mensal 2 2 4 9 10 11

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Boletim Climatológico Anual - Ano 2010

Boletim Climatológico Anual - Ano 2010 Boletim Climatológico Anual - Ano 2010 CONTEÚDOS IM 01 Resumo Anual 05 Caracterização Climática Anual 05 Temperatura do Ar 08 Precipitação 11 Factos e Fenómenos Relevantes Figura 1 RESUMO ANUAL Ano 2010

Leia mais

II - QUALIDADE DO AR JANEIRO 2009

II - QUALIDADE DO AR JANEIRO 2009 JANEIRO 2009 II - QUALIDADE DO AR FICHA TÉCNICA O Plano Municipal de Odivelas foi elaborado por iniciativa do Município de Odivelas, em resultado da deliberação, de 2001, da então Comissão Instaladora

Leia mais

Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais

Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais INSTITUTO PORTUGUÊS DO MAR E DA ATMOSFERA, IPMA Apoio Meteorológico Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais RELATÓRIO MENSAL JUNHO 2013 Caracterização Meteorológica e Climatológica Índices de Risco

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014

Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Relatório Condições meteorológicas do dia 19 de abril de 2014 Introdução O presente documento pretende explicar o mais exato possível as condições meteorológicas que afetaram as soltas no dia 19ABR14.

Leia mais

Capítulo 2 DIMENSIONAMENTO HIDROLÓGICO

Capítulo 2 DIMENSIONAMENTO HIDROLÓGICO Capítulo 2 DIMENSIONAMENTO HIDROLÓGICO Dimensionamento hidrológico 2.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS Por forma a assegurar a necessária fiabilidade, o dimensionamento hidrológico de passagens hidráulicas, deve

Leia mais

Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade

Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade Do total das despesas das famílias em 2006, Habitação, Alimentação e Transportes representavam mais de metade O Instituto Nacional de Estatística, de 5 em 5 anos, recolhe informação sobre os orçamentos

Leia mais

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS

RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS RELAÇÕES INTENSIDADE-DURAÇÃO-FREQUÊNCIA DAS CHUVAS INTENSAS DE LAGES-SC A PARTIR DA ANÁLISE DE PLUVIOGRAMAS OBSERVADOS CÉLIO O. CARDOSO 1, CARLOS A. P. SAMPAIO 2, CAMILA S. PRAZERES 3, CRIZANE HACKBARTH

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

Boletim meteorológico para a agricultura

Boletim meteorológico para a agricultura CONTEÚDOS Boletim meteorológico para a agricultura Nº 49, janeiro 2015 IPMA,I.P. 01 Resumo 02 Situação Sinóptica 03 Descrição Meteorológica 05 Informação Agrometeorológica 12 Previsão 12 Situação agrícola

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

AULA 5. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário RESERVATÓRIOS

AULA 5. PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário RESERVATÓRIOS PROJECTO DE SANEAMENTO Aula 5 - Sumário AULA 5 RESERVATÓRIOS Função dos reservatórios. Tipos de Reservatórios. Localização. Aspectos construtivos. Órgãos e Acessórios e Instrumentação. Dimensionamento

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE

A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE A PARTICIPAÇÃO PÚBLICA E A REGIÃO NORTE Autores: 1 Gabriela Azevedo e Rita Ramos Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS No âmbito dos procedimentos da Avaliação

Leia mais

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012

Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 Boletim climatológico mensal fevereiro 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

Luís Filipe A. C. Nunes

Luís Filipe A. C. Nunes Luís Filipe A. C. Nunes INTRODUÇÃO A instalação e exploração de uma estação meteorológica, clássica ou automática-ema, é relativamente simples, mas pode complicarse nalgumas circunstâncias; Não existem

Leia mais

O SIG COMO INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro José CLEMENTE DOS REIS (1) Jorge Manuel SILVA GONÇALVES (2) Paulo Marco C.

O SIG COMO INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro José CLEMENTE DOS REIS (1) Jorge Manuel SILVA GONÇALVES (2) Paulo Marco C. O SIG COMO INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Pedro José CLEMENTE DOS REIS (1) Jorge Manuel SILVA GONÇALVES (2) Paulo Marco C.RODRIGUES (3) RESUMO A presente comunicação, embora focando o desenvolvimento

Leia mais

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência,

Leia mais

4º Trabalho. Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente

4º Trabalho. Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente 4º Trabalho Obtenção de hidrogramas de cheia. Amortecimento de ondas de cheia afluente Plano de trabalhos Sem.: a) Cálculo da precipitação de projecto; Cálculo do tempo de concentração da bacia hidrográfica;

Leia mais

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe George Alves Monteiro 1 & Ana Paula Barbosa Ávila Macêdo 2 RESUMO: Este trabalho faz uma análise da rede de monitoramento hidrometeorológico

Leia mais

A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos

A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos Rui Figueira Museu Nacional de História Natural e CERENA Centro de Recursos Naturais do IST Objectivo Reflectir e discutir os princípios de

Leia mais

Boletim Climatológico Mensal

Boletim Climatológico Mensal ISSN 2183-1076 Boletim Climatológico Mensal Portugal Continental Novembro de 2015 CONTEÚDOS Resumo Situação Sinóptica Temperatura do Ar Precipitação Monitorização da Seca Radiação Tabela Resumo mensal

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão

Taxa de ocupação e. no consumo per capita. As cidades representam demandas. Conexão 46 Hydro Janeiro 2013 Conexão Taxa de ocupação e o consumo per capita O crescimento da população urbana, o aumento do consumo per capita e a perspectiva de redução da oferta de água impõem a necessidade

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/1.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Medindo a Terra com Sombras

Medindo a Terra com Sombras Projecto apresentado no XI Encontro Nacional de Estudantes de Física, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, 27 Fevereiro - 1 Março de 2009, resultante de uma parceria entre a Sociedade Portuguesa

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Planificação a longo prazo

Planificação a longo prazo A Terra: Estudos e Representações 1º Período / 2º Período Planificação a longo prazo Professores: Carlos Naré e Isabel Rodrigues Ano letivo: 2015-2016 Número de aulas previstas (3 x 45 minutos / semana)

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

A INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E A SUA EVOLUÇÃO

A INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E A SUA EVOLUÇÃO A INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIA POLÍTICA E A SUA EVOLUÇÃO Alexandre Homem de Cristo A ciência política cresceu e afirmou-se enquanto disciplina científica em Portugal, desde os anos 1990, sendo a face mais evidente

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA Entidade Auditada: BIBLIOTECA MUNICIPAL SANTA MARIA DA FEIRA Tipo de Auditoria: Auditoria Interna Data da Auditoria: 09.12.2014 Duração: 1 dia Locais Auditados: Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa / 4520-606

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO DE GEOGRAFIA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro

Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Sistema Integrado de Informação Geográfica da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro BRAVO, Nuno; SEABRA, Cristina; SILVA, Leonor Resumo No âmbito das suas competências, estabelecidas

Leia mais

Evolução do Número de Beneficiários do RSI

Evolução do Número de Beneficiários do RSI Evolução do Número de Beneficiários do RSI Carlos Farinha Rodrigues De acordo com os dados do Instituto da Segurança Social (ISS), em Julho houve 269.941 pessoas a receber o Rendimento Social de Inserção,

Leia mais

Implementação do Web SIG para o PGRH

Implementação do Web SIG para o PGRH Implementação do Web SIG para o PGRH ARH Centro, I.P. Requisitos do Sistema Ref.: 30/11/2010 FICHA TÉCNICA Referência: Projecto: Implementação do Web SIG para o PGRH Gestor de Projecto: Miguel Rodrigues

Leia mais

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde:

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde: A Informação Geográfica aplicada à área da Saú: O papel das Infra-Estruturas Informação Geográfica na sua aquisição Epimiologia Rita Nicolau Índice Epimiologia Introdução Exemplos utilização Informação

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL

SUMÁRIO EXECUTIVO 4/101 ENQUADRAMENTO GERAL I SUMÁRIO EXECUTIVO I.I ENQUADRAMENTO GERAL O ICP-Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) realizou, pela segunda vez, um estudo de aferição da qualidade, na perspectiva do utilizador, dos serviços

Leia mais

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas Fenômenos Estatísticos Classificam-se em: Fenômenos Coletivos ou de Massa - Não podem ser definidos por uma simples observação (natalidade, mortalidade, preço médio de veículos usados em Curitiba, etc.).

Leia mais

Metodologia. Método de recolha de dados

Metodologia. Método de recolha de dados Amigas dos Idosos Entidade Promotora/co-financiadora Entidades Co-Financiadoras Metodologia Método de recolha de dados O processo de recolha de dados que foi desenvolvido no âmbito do projeto cidades envolveu

Leia mais

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007

Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 Documentos indexados no ISI Web of Knowledge, 2000-2007 - Universidades do CRUP - Institutos Politécnicos públicos - Hospitais H. Nouws, J.T. Albergaria, E.S. Vieira, C. Delerue-Matos, J.A.N.F. Gomes Relatório

Leia mais

CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC*

CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC* CONVERSÃO DOS PREÇOS DE ESCUDOS PARA EUROS: ESTIMATIVA QUANTITATIVA DO SEU EFEITO SOBRE O IPC* Daniel Santos**, Rui Evangelista**, Teresa Nascimento*** e Carlos Coimbra*** 1. INTRODUÇÃO * As opiniões expressas

Leia mais

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS

VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS VENTILAÇÃO NATURAL EM EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS Manuel Pinto 1 e Vasco Peixoto de Freitas 2 RESUMO As recomendações técnicas sobre ventilação existentes em vários países propõem

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade

Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade DESAFIO CINCOS 10 Análise de soluções construtivas com recurso à Metodologia de Avaliação Relativa da Sustentabilidade Outubro de 2010 Fábio Ribas Fernandes» fabio.ribas@ua.pt « ÍNDICE I. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA

SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA SITUAÇÃO GEOGRÁFICA E CLIMA 0 território português abrange uma área de cerca de 89 300 km 2 e tem forma aproximadamente rectangular com valores máximos do comprimento e da largura de cerca de 560 e 220

Leia mais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais

Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais Cypecad Cálculo de esforços de uma estrutura com introdução manual de acções verticais e horizontais CAD 2 Rua Comendador Santos da Cunha, 304, Ap. 2330 4701-904 Braga Tel: 00 351 253 20 94 30 Fax: 00

Leia mais

MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal

MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal Resumo O texto apresenta o modelo de imputação de custos a projectos

Leia mais

ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL

ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL ATLAS COSTEIRO DE PORTUGAL CONTINENTAL Índice 1 Introdução 2 2 - Metodologia 2 3 Índice de Sensibilidade Ambiental (ISA) 3 3.1 Classificação inicial 5 3.2 Levantamento de campo 9 3.3 Critérios de classificação

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

FICHA TÉCNICA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E. Profissional Agrária

FICHA TÉCNICA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E. Profissional Agrária 3 FICHA TÉCNICA - FORMAFUTURO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGRÁRIA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E Título FUTURO: - ACÇÃO N.º 1 BD-Base de Dados da FPA Formação Profissional Agrária Autoria Coordenação

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

O Futuro do Transporte de Mercadorias

O Futuro do Transporte de Mercadorias O Futuro do Transporte de Mercadorias A diminuição dos custos de transacção na economia portuguesa é fundamental para o aumento de nossa competitividade. Tal diminuição joga-se fundamentalmente no transporte

Leia mais