A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase"

Transcrição

1 O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro precipitação, e estações mais equipadas onde se medem também outras variáveis meteorológicas como a temperatura e a humidade do ar, a velocidade e direcção do vento, a radiação solar, a insolação e a evaporação, grandezas físicas importantes para a elaboração de balanços hídricos. A rede de medição de precipitação, assim, é uma particularização da rede meteorológica onde as estações de medição mais completas, as estações meteorológicas, são consideradas apenas ao nível pluviométrico. 11

2 COMO SE MEDEM AS VARIÁVEIS DA FASE ATMOSFÉRICA DO CICLO HIDROLÓGICO? O equipamento convencional anemómetro udógrafo radiómetro Estação Meteorológica termómetros psicrómetro udómetro heliógrafo tina evaporimétrica TEMPERATURA HUMIDADE RELATIVA INSOLAÇÃO EVAPORAÇÃO Abrigo: termómetros psicrómetro heliógrafo tina evaporimétrica 12

3 A dependência da actual rede meteorológica da proximidade humana é catavento um dos factores mais condicionantes da disponibilização e verificação da Estação Udométrica vedação udómetro informação proveniente desta rede. A autonomia das medições é por isso um objectivo prioritário na modernização da rede meteorológica. PRECIPITAÇÃO receptor receptor recipiente udómetro tambor registador recipiente udógrafo A utilização do moderno equipamento com funcionamento automático permite espaçar as visitas às estações meteorológicas, com a vantagem de fornecer a informação em intervalos de tempo que podem ir até ao minuto. 13

4 COMO SE MEDEM AS VARIÁVEIS DA FASE ATMOSFÉRICA DO CICLO HIDROLÓGICO? Esquema da estação meteorológica com equipamento automático Sensor de direcção do vento Sensor de velocidade do vento Sensor de radiação solar Colector de precipitação Sensor de precipitação Sensor de temperatura do ar Sensor de humidade do ar Registador de dados Sistema de alimentação Painel solar Sensor de nível Tina evaporimétrica 14

5 PARA QUE SERVE? Evaporação A rede meteorológica de referência tem Precipitação Evapotranpiração Precipitação como função a recolha de informação de base fidedigna para: Escoamento subterrâneo Armazenamento superficial Infiltração o estabelecimento de relações entre os diferentes dados hidrometeorológicos; a caracterização da distribuição dos fenómenos meteorológicos no tempo e no espaço; a avaliação das disponibilidades hídricas nacionais através de balanços hídricos; Precipitação Distribuição espacial da precipitação média Evapotranspiração Escoamento a modelação dos fenómenos hidrológicos. precipitação precipitação caudal medido caudal simulado caudal tempo 15

6 PRINCÍPIOS DA RESTRUTURAÇÃO Automatização das estações da rede meteorológica com o objectivo se obter maior autonomia nas medições, pela dispensa de deslocações ao local de medição e leituras diárias, efectuadas actualmente por observadores das cercanias, permitindo o armazenamento da informação em formato digital e em intervalos de tempo adaptados aos objectivos das medições. Esta autonomia facilita a utilização da informação, obviando trabalhos intermédios morosos como a digitalização dos inúmeros udogramas, anemogramas, higrogramas e demais registos gráficos. Incorporação da medição da velocidade e direcção do vento em todas as estações de precipitação e não apenas nas estações meteorológicas, variáveis que servem de factor correctivo da captura da precipitação. Implementação de estações em zonas não abrangidas pela rede actual em que a análise espacial do conteúdo informativo da rede revelou a necessidade de quantificação da precipitação para a caracterização climática das bacias hidrográficas ou o desenvolvimento e a propagação de fenómenos convectivos. 16

7 1 9 Desactivação de estações com dados de fraca qualidade ou com informação supérflua face àquela recolhida noutras estações muito próximas por vezes com número de registos alargado m precipitação anual (mm) /81 82/83 84/85 86/87 88/89 9/91 92/93 94/95 96/97 Implementação de estações meteorológicas em corpos de água considerados de importância estratégica para a gestão dos recursos hídricos, para o efectivo conhecimento dos processos hidrológicos nestas zonas. Utilização da teletransmissão em estações onde o objectivo principal é o apoio às previsões de cheia em tempo real e/ou avaliação de secas, que se constituem na componente meteorológica do Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos (SVARH). Estação A INAG Estação B Estação C 17

8 ESTAÇÃO POR TIPO DE MEDIÇÃO Dois tipos de estações com funcionamento automático: estações de precipitação e meteorológicas. Medição das variáveis precipitação, velocidade e direcção do vento, evaporação, radiação solar, temperatura e humidade relativa do ar nas estações meteorológicas. O equipamento utilizado consiste de um sensor para cada uma das variáveis meteorológicas, um registador de dados e um sistema de alimentação. As estações de precipitação constituem uma simplificação da estação meteorológica tipo, onde se monitoriza apenas a precipitação, a velocidade e a direcção do vento. Os equipamentos considerados são: sensor de precipitação, sensor de direcção do vento, sensor de velocidade do vento, registador de dados e sistema de alimentação. Estação meteorológica flutuante com telemetria - Albufeira do Maranhão 18

9 Equipamento adicional é considerado quando a estação tem telemetria. O sistema de teletransmissão é constituído por uma entidade central de processamento e armazenamento da informação, localizado no INAG, e um módulo de comunicação instalado na estação. Autonomia de um a dois meses e ritmos de amostragem e de armazenamento de entre 1 minuto e 24 horas. A telemetria tem frequência de amostragem de um minuto e frequência de envio de 15 minutos em situação de alarme até 24 horas em funcionamento normal. Estação meteorológica com telemetria - Campilhas 19

10 PROCESSO DE RESTRUTURAÇÃO A altitude é um dos aspectos importantes a considerar na distribuição das estações da rede meteorológica, por ser um dos factores mais determinantes das características da precipitação em Portugal Continental, de maior variabilidade de influência do que outras grandezas físicas, como por exemplo a temperatura. A localização das estações de medição de precipitação com grau de reprodução ponderada das variações de altitude das bacias hidrográficas é um dos aspectos estruturantes do desenho da rede meteorológica. maior representatividade é associada às áreas com altitudes até 4 m 2 18 a maior expressão da concentração de estações em altitudes menos elevadas é reflexo da maior concentração populacional junto ao litoral e da necessidade de caracterizar as implicações urbanas dos fenómenos hidrológicos. Área (km 2 ) Nº Estações Classes de Altitude (m) Distribuição área-altitude de Portugal continental Nºest ações r ede pr opost a 2

11 Rede em 2 convencional 1 Norte 9,2 estações/1 km 2 udográfica Rede restruturada automática 5 udométrica 1 Norte 9, estações/1 km 2 automática 1 Cent r o 6,7 estações/1 km LVT 7,9 estações/1 km Cent r o 6,6 estações/1 km Alent ejo 4,7 estações/1 km LVT 7,4 estações/1 km Alent ejo 5, estações/1 km Alga r ve 8,4 estações/1 km 2 1 Alga r ve 5 9,6 estações/1 km 2 5 Densidades por Direcção Regional de Ambiente e Ordenamento do Território 21

12 PROCESSO DE RESTRUTURAÇÃO A rede em 2 vs. a rede restruturada Convencional Automática Rede ano 2 Udométrica 456 Udográfica 8 Rede restruturada Meteorológica 73 1 Precipitação 493 Precipitação com telemetria Meteorológica 59 Meteorológica com telemetria 12 O funcionamento automático é previsto na grande maioria das estações INAG/DRAOT, eliminando-se as estações convencional. As densidades: A densidade da rede em implementação é aproximada à da rede em funcionamento no ano 2, cerca de 7 estações por 1 km 2. A densidade de estações meteorológicas passa de,82 para 1,2 estações por 1 km 2 (mais 18 estações). Meteorológica flutuante 9 Meteorológica flutuante com telemetria Densidade nº estações por 1 km 2 6,87 6,95 1 A densidade de estações com capacidade de transmissão em tempo real (estações com telemetria), passa de,16 para,52 estações por 1 km 2 (mais 32 estações). 22

13 Rede Meteorológica Alterações Está previsto colocar em funcionamento 31 novas estações em locais onde se considera imprescíndivel a monitorização meteorológica. A desactivação de 24 estações teve por base a análise da qualidade da informação disponível e a comparação desses dados com os registados nas estações das cercanias. Nas albufeiras de Alqueva, Alvito, Bravura, Caia, Maranhão, Odeleite, Pego do Altar e Roxo vão ser medidos os parâmetros meteorológicos no espelho de água para a real quantificação das variáveis meteorológicas nos balanços hidrológicos das massas de água. Áreas já monitorizadas por outras entidades foram avaliadas e não foram consideradas para a implementação de novas estações. 23

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos O QUE É? O Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos - SVARH, permite conhecer em tempo-útil o estado hidrológico dos rios e albufeiras do país (níveis de água, caudais e volumes armazenados)

Leia mais

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo

metro Anemómetro Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo Instrumentos Um dos instrumentos utilizados na medição da velocidade do vento à superfície são os anemómetros metros de conchas (um tipo particular de anemómetros metros de rotação), em que três ou mais

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais

Luís Filipe A. C. Nunes

Luís Filipe A. C. Nunes Luís Filipe A. C. Nunes INTRODUÇÃO A instalação e exploração de uma estação meteorológica, clássica ou automática-ema, é relativamente simples, mas pode complicarse nalgumas circunstâncias; Não existem

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS

MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS OUTUBRO 2003 Rui Rodrigues Manuela Saramago Rosa Gomes Outubro 2003 ÍNDICE 1

Leia mais

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial Marco Freire Nuno de Sousa Neves A gestão dos recursos naturais requer um conhecimento

Leia mais

Eng. Civil Nadia Bernardi Bonumá. Pelotas - RS Novembro de 2010

Eng. Civil Nadia Bernardi Bonumá. Pelotas - RS Novembro de 2010 Seminário Nacional de Gestão e Uso da Água IV Reunião de Estudos Ambientais II Encontro Nacional de Engenharia Hídrica MINICURSO MONITORAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ICAS: 1 - Introdução e conceitos básicos

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Projecto AGRO nº 5 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE AVISOS DE REGA NOS PERÍMETROS DE REGA DO ALENTEJO Boletim Informativo nº1 Beja, Agosto de 2002 Nesta Edição 1- Introdução 1- INTRODUÇÃO 2- Objectivos 3-

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS Aquilino RODRIGUES (1) ; Manuela SARAMAGO (1) ; Carlos Miranda RODRIGUES (1) ; Manuel LACERDA (1) e Rui RODRIGUES (1) RESUMO O Sistema de Vigilância

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A Influência da Indústria em Meio Urbano Metodologia de Estudo Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A metodologia de avaliação da influência da indústria na qualidade do ar em meio

Leia mais

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes

Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE. 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Bloco B: ESPAÇOS VERDES E SUSTENTABILIDADE 1.1 A água no solo; 1.2 Monitorização da água no solo; 1.3 Uso eficiente da água nos espaços verdes Maria Isabel Valín Sanjiao Ponte de Lima 16 Maio- 2012 isabelvalin@esa.ipvc.pt

Leia mais

MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS

MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS MEDIDAS NECESSÁRIAS HOJE PARA PREVISÕES CONFIÁVEIS SOBRE A FUTURA DISPONIBILIDADE E QUALIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS Como prever? MODELOS MATEMÁTICOS TIPO DE USO PARA A ÁGUA Concentração admissível BACIA

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas

Recursos Hídricos. Produtos e Equipamentos. Anexo III-d. Prospecção Tecnológica. Síntese de Painel de Especialistas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Recursos Hídricos Anexo III-d Produtos e Equipamentos Síntese de Painel de Especialistas 1 Contexto A necessidade de equipamentos

Leia mais

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe

Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe Análise da rede de monitoramento hidrometeorológico do estado de Sergipe George Alves Monteiro 1 & Ana Paula Barbosa Ávila Macêdo 2 RESUMO: Este trabalho faz uma análise da rede de monitoramento hidrometeorológico

Leia mais

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de PM10 em pedreiras Paulo de Pinho Sérgio Lopes Luís Lemos Departamento de Ambiente da Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

Aluvião a 20 de fevereiro de 2010 na RAM

Aluvião a 20 de fevereiro de 2010 na RAM Aluvião a 20 de fevereiro de 2010 na RAM Aluviões = Fluxos de Detritos = Enxurradas; Movimentos de vertente rápidos por ação da água e com transporte de material sólido em concentrações elevadas; Fenómenos

Leia mais

Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos

Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA CENTRO DE ESTUDOS FLORESTAIS Base de dados fisiológicos e micro- meteorológicos Projecto MODNET, Tarefa 2 Lisboa, 2010 INDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA...

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos

Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Precipitações Intensas em Portugal Continental para Períodos de Retorno até 1000 anos Cláudia Brandão & Rui Rodrigues Lisboa, Junho de 1998 1 - OBJECTIVO Esta

Leia mais

HIDRÁULICA APLICADA II

HIDRÁULICA APLICADA II HIDRÁULICA APLICADA II PARTE I 1 SUMÁRIO 1. GENERALIDADES 2. CICLO HIDROLÓGICO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 5. INTERCEPÇÃO, EVAPORAÇÃO E EVAPOTRANSPIRAÇÃO 6. ESCOAMENTO DE SUPERFÍCIE 2 1 Originada na camada inferior

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO POR CARTÃO CC MANAGER SISTEMAS DE CONTROLO CENTRAL

SISTEMA DE CONTROLO POR CARTÃO CC MANAGER SISTEMAS DE CONTROLO CENTRAL SISTEMA DE CONTROLO POR CARTÃO CC MANAGER O CC Manager é um sistema de programação para permitir aos profissionais de rega controlarem a programação dos seus clientes, sem estarem fisicamente no local.

Leia mais

A Importância da Meteorologia na Agricultura

A Importância da Meteorologia na Agricultura Jornadas Técnicas A Importância da Meteorologia na Agricultura Beja, 28 de Março de 2008 A importância da meteorologia no uso eficiente da água na agricultura 1 - Introdução Jorge Maia 1 Marta Santos 2

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

Comunicado113 Técnico

Comunicado113 Técnico Comunicado113 Técnico ISSN 1808-6802 Novembro, 2011 Bento Gonçalves, RS Foto: Dalton Zat. 50 Anos de Informações Meteorológicas de Bento Gonçalves, RS Análise Descritiva Ana Beatriz Costa Czermainski 1

Leia mais

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira

Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010. Rodrigo Proença de Oliveira Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos 2009 / 2010 Rodrigo Proença de Oliveira Simulação do funcionamento de uma albufeira IST: Hidrologia, Ambiente e Recursos Hídricos Rodrigo Proença de Oliveira, 2009

Leia mais

O CLUBE DE CIENTISTAS. Disciplinas intervenientes Ciências Físico-Químicas, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Matemática.

O CLUBE DE CIENTISTAS. Disciplinas intervenientes Ciências Físico-Químicas, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Matemática. Disciplinas intervenientes Ciências Físico-Químicas, Ciências da Natureza, Educação Visual e Tecnológica, Matemática. 1 Motivação Realização de visita a um dos seguintes locais (ver Lista de Contactos):.

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG

A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG Paulo Oliveira (Engº Mecânico / Termodinâmica) 1. Introdução (situação actual e historial da rede) A nível mundial o funcionamento das redes

Leia mais

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m

PERGUNTA 2. Figura 2. Arade Alcantarilha Quarteira. 0m 5000m 10000m PERGUNTA 1 O aquífero de Escusa está localizado no pleno coração do Parque Natural da Serra de S. Mamede, na bacia hidrográfica do rio Tejo, tem uma extensão de cerca de 8 km 2 e é constituído por rochas

Leia mais

Funcionalidades. Conteúdo da Caixa POR

Funcionalidades. Conteúdo da Caixa POR POR Funcionalidades A ASA-30 pode ser usada como um sirene adicional ao seu sistema de alarme ou como uma sirene independente ligada a um controlo remoto e/ou detectores sem fios. - Ligação sem fios para

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS SUMÁRIO 1 Introdução...5 2 Sistema de monitoramento climático Ressonare...7 2.1 A rede de monitoramento...8 2.2 A coleta, o armazenamento e o acesso aos

Leia mais

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE

II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE II SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO SUL-SUDESTE Redes Integradas de Monitoramento Rede Hidrometeorológica Básica do Estado do Rio de Janeiro Monitoramento de Quantidade e Qualidade de Água REDES DE MONITORAMENTO

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

ENERESCOLAS. Monitorizar, Experimentar e Aprender!

ENERESCOLAS. Monitorizar, Experimentar e Aprender! ENERESCOLAS Monitorizar, Experimentar e Aprender! Enquadramento As escolas são uma fracção não desprezável do consumo energético. A aprendizagem em âmbito escolar, tem efeitos multiplicativos em casa e

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS Centro de Monitorização e Controlo do Espectro 12 de Julho de 2011 Em 2011-07-12, e em complemento à análise de cobertura TDT solicitada para efeitos de

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO

TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO TEMA 4 VAPOR DE ÁGUA, NÚVENS, PRECIPITAÇÃO E O CICLO HIDROLÓGICO 4.1 O Processo da Evaporação Para se entender como se processa a evaporação é interessante fazer um exercício mental, imaginando o processo

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

Instituto Tecnológico SIMEPAR

Instituto Tecnológico SIMEPAR Evolução e Aspectos Institucionais Missão e Foco de Atuação Modelo Institucional Sistemas de Monitoramento e Previsão Produtos, Serviços e Sistemas Áreas de Pesquisa & Desenvolvimento Ações Estratégicas

Leia mais

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL

CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL CAPÍTULO VI ESCOAMENTO SUPERFICIAL 6.0.Considerações: O escoamento superficial é a fase do ciclo hidrológico que resulta do excedente das águas precipitadas que não se infiltraram ou evaporaram; e que

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98?

QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? RODRIGUES, Rui ( 1 ); BRANDÃO, Cláudia ( 2 )e ÁLVARES, Teresa ( 2 ) RESUMO O território português testemunhou

Leia mais

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde:

A Informação Geográfica aplicada à área. da Saúde: A Informação Geográfica aplicada à área da Saú: O papel das Infra-Estruturas Informação Geográfica na sua aquisição Epimiologia Rita Nicolau Índice Epimiologia Introdução Exemplos utilização Informação

Leia mais

Sistema Integrado de Videovigilância Florestal

Sistema Integrado de Videovigilância Florestal Sistema Integrado de Videovigilância Florestal 1 O INOV e a Videovigilância Projectos Protocolo ICN-PNPG 94/95 Projecto AÇOR 96/97 Projecto CONDOR 97/00 Estudo ICN-PNARNES 00 Projecto ÁGUIA 00/01 Instalações

Leia mais

SNIRH: AS SUAS NOVAS FUNCIONALIDADES

SNIRH: AS SUAS NOVAS FUNCIONALIDADES SNIRH: AS SUAS NOVAS FUNCIONALIDADES Rui Rodrigues Engº Civil, PhD, Director dos Serviços de Recursos Hídricos (DSRH), INAG João Ribeiro da Costa Engº Civil, PhD, Director Chiron, Sistemas de Informação,

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros

O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros O Sistema de Monitoramento Hidrológico dos Reservatórios Hidrelétricos Brasileiros Carlos Alexandre Cernach Silveira 2 Gabrielle Rodrigues de Macedo 2 Ludimila Lima da Silva 1 Mauro Silvio Rodrigues 2

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 5 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA As variações no clima de um local para outro, determinadas por uma série de combinações ambientais, tanto bióticas como abióticas, produzem, correspondentemente, uma variedade

Leia mais

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista

SISTEMA DE ALERTA. por. Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista SISTEMA DE ALERTA por Prof. Dr. Ademar Cordero, Engenheiro Hidrólogo Prof. MSc. Dirceu Luís Severo, Meteorologista 1 a Parte. O MONITORAMENTO DOS NIVEIS E DA CHUVA 1.1 - Histórico Após a ocorrência da

Leia mais

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente Parte I e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias Capítulo 1 12 Capítulo 1. PRINCIPAIS TERMOS HIDROLÓGICOS Na análise hidrológica aqui apresentada, destaca-se a importância do conhecimento das metodologias

Leia mais

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica.

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. GESTÃO DE ACTIVOS Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. A EPAL caracteriza-se por ser uma empresa

Leia mais

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO

CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO CAPÍTULO 7 EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO ÍNDICE DE TEXTO VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO...219 217 218 VII. EVOLUÇÃO DA ÁREA NA AUSÊNCIA DO PROJECTO O presente capítulo tem como

Leia mais

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas BCI HIDROGRÁFIC (Obs: Este material é uma compilação de assuntos, não devendo ser adotado como única forma de estudo da disciplina. O mesmo não substitui a bibliografia apresentada no primeiro dia de aulas.

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1

RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA. Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 RECURSOS NATURAIS SISTEMA ANEXO B APÊNDICE 1 ADENDA H RECURSOS NATURAIS - ATMOSFERA Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 A-A-1 Estratégia Nacional para o Mar 2013-2020 B-1-H-2 RECURSOS NATURAIS (ATMOSFERA)

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

Boletim climatológico mensal novembro 2011

Boletim climatológico mensal novembro 2011 Boletim climatológico mensal novembro 2011 CONTEÚDOS 14:50 UTC 14:55 UTC 15:00 UTC 15:05 UTC 15:10 UTC 15:15 UTC IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

REDE DE ESTAÇÕES HIDROMETEOROLÓGICAS DA EPAGRI

REDE DE ESTAÇÕES HIDROMETEOROLÓGICAS DA EPAGRI REDE DE ESTAÇÕES HIDROMETEOROLÓGICAS DA EPAGRI Marcelo Martins da Silva 1, Renato Bréa Victoria 2 RESUMO A rede de estações hidrometeorológicas automáticas e convencionais da Epagri, tem como objetivo

Leia mais

Transpiração: é a evaporação devida a ação fisiológica dos vegetais, ocorrida, principalmente, através dos estômatos.

Transpiração: é a evaporação devida a ação fisiológica dos vegetais, ocorrida, principalmente, através dos estômatos. CAPÍTULO 6. EVAPORAÇÃO E TRANSPIRAÇÃO 6.1. Introdução O conhecimento da perda d água de uma superfície natural é de suma importância nos diferentes campos do conhecimento científico, especialmente nas

Leia mais

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO 6. CONCLUSÕES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO O presente capítulo apresenta as principais conclusões retiradas da investigação desenvolvida e identifica algumas lacunas e limitações do trabalho realizado

Leia mais

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P.

SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA. Benvindo Maçãs INRB, I.P. Instituto Nacional de Investigação Agrária Instituto Nacional de Recursos Biológicos, I.P. SEMINÁRIO REGA DE CEREAIS PRAGANOSOS / OS CEREAIS REGADOS NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DE ALQUEVA Benvindo Maçãs INRB,

Leia mais

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo O que é monitoramento automático da qualidade das águas? É o acompanhamento contínuo (em tempo real) da qualidade

Leia mais

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação)

Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Balanço de Volume, Sal e Calor nos Oceanos (Princípios de Conservação) Conservação de Volume O princípio de conservação de volume ou Equação de Continuidade deriva do facto de a compressibilidade da água

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI RELATÓRIO MENSAL DE ATIVIDADES MONITORAMENTO HIDROLÓGICO EM ATENDIMENTO AO CONVÊNIO CASAN BACIA DA LAGOA DO PERI ABRIL/2006 CONVÊNIO 09.02.06.00.100.925/2000 CASAN Companhia Catarinense de Águas e Saneamento

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN

CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN CÁLCULO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA DE FORMA AUTOMÁTICA PELO MÉTODO DE THIESSEN Paulo Jarbas Camurça 1, Robson Franklin Vieira Silva 2, Mosefran Barbosa Macedo Firmino 2, 3, Eduardo Sávio Passos Rodrigues Martins

Leia mais

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE

Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Francis Lacerda MUDANÇAS CLIMÁTICAS E IMPACTOS NO ARARIPE Introdução O recém divulgado relatório do IPCC AR5 sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que

Leia mais

NOTAS, NOTÍCIAS E RECENSÕES

NOTAS, NOTÍCIAS E RECENSÕES territorium 18 NOTAS, NOTÍCIAS E RECENSÕES PLATAFORMA INTEGRADA DE GESTÃO E ACCIONAMENTO DE CENÁRIOS* 279 Luís Manuel Guerra Neri Presidente do Serviço Regional de Protecção Civil, IP-RAM luis.neri@procivmadeira.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS

AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 032135.0407xx.MOZ.CON-01.Output9-5.v1 AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO SECTOR DE RECURSOS HÍDRICOS 1. Introdução O relatório do "Intergovernmental Panel on Climate Change" (IPCC,

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS LABORATÓRIO DE CLIMATOLOGIA E ANÁLISE AMBIENTAL Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais