MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DAS CIDADES, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE INSTITUTO DA ÁGUA DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE RECURSOS HIDRICOS OUTUBRO 2003

2 Rui Rodrigues Manuela Saramago Rosa Gomes Outubro 2003

3 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO AQUISIÇÃO DE DADOS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS COM TELETRANSMISSÃO REGISTADOR DE DADOS SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO E PROTECÇÕES SISTEMA DE TELETRANSMISSÃO ARMÁRIO AMBIENTAL ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA ESTAÇÕES DE QUALIDADE DA ÁGUA E HIDROMÉTRICAS ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS, UDOMÉTRICAS E METEOROLÓGICAS FLUTUANTES FOTOGRAFIAS DE ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DO SVARH MANUTENÇÃO PROCESSAMENTO CENTRAL PROCESSOS QUE CONSTITUEM O SVARH CENTRAL DE COMANDO DO SVARH DISPONIBILIZAÇÃO DOS DADOS - RIOS APRESENTAÇÃO DOS DADOS NAVEGAÇÃO POR BACIAS RIOS MOBILE

4 1 INTRODUÇÃO O Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos - SVARH, permite conhecer em tempo-útil o estado hidrológico dos rios e albufeiras do país (níveis de água, caudais, volumes armazenados e parâmetros de qualidade da água) e informação meteorológica relevante, possibilitando ainda a antevisão da sua possível evolução. Este sistema é constituído por uma rede de estações automáticas com teletransmissão, que medem variáveis hidrometeorológicas e de qualidade da água, e por uma estrutura informática para armazenamento e disseminação da informação. As estações que constituem o SVARH estão situadas em pontos críticos na vigilância de cheias, secas e acidentes de poluição. O SVARH tem como principais utilizadores entidades que necessitam de informação hidrológica actualizada para o acompanhamento de situações de risco: Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, CCDRs, Universidades e Consultores, entre outros. O SVARH encontra-se dividido em três grandes módulos: Aquisição de dados estações automáticas com teletransmissão; Processamento central sistema informático de recolha de dados das estações automáticas e seu armazenamento, com modelos hidrológicos e hidráulicos acoplados; Disponibilização software de disponibilização em tempo-real dos dados das estações automáticas. GSM Internet Aquisição Processamento central Disponibilização Fig. 1 Módulos que compõem o SVARH 3

5 2 AQUISIÇÃO DE DADOS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS COM TELETRANSMISSÃO Uma estação automática é um local de recolha de dados, seja este uma estação hidrométrica, udométrica, de qualidade da água ou albufeira. As estações do SVARH possuem teletransmissão, ou seja, têm um modem para a transferência de dados. O SVARH é composto por cerca de 170 estações automáticas com teletransmissão, das redes hidrométrica, de qualidade da água e meteorológica. Cada estação automática é composta por um dispositivo para armazenamento de dados (o registador de dados), sensores, sistema de alimentação solar e sistema de teletransmissão. Funcionam de forma autónoma, necessitando apenas de manutenção mensal ou trimestral para limpeza e calibração de sensores. Apresenta-se seguidamente uma descrição das principais características dos equipamentos que constituem uma estação automática com teletransmissão. 2.1 REGISTADOR DE DADOS O registador de dados é o cerne de uma estação automática pois é o elemento responsável pela leitura dos sensores e armazenamento de dados. As suas principais características técnicas são: - Porta RS-232 para ligação a PC e a Modem. - Elevada capacidade de memória capacidade para armazenar cerca de valores. - Permite alguns cálculos estatísticos. - Backup de memória de programas e dados. - Modo de funcionamento de baixo consumo. - Teclado com visor permite operações de configuração de parâmetros e visualização de dados. - Capacidade de se auto-reprogramar em função dos valores de entrada podem ser definidos diferentes ritmos de amostragem e de armazenamento dependentes das leituras dos sensores. - Capacidade de emitir alarmes para a central de comando. 4

6 Fig. 2 - Registador de dados 2.2 SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO E PROTECÇÕES O sistema de alimentação é constituído por um painel solar e uma bateria. Está dimensionado de modo a garantir o funcionamento da estação automática durante, pelo menos, seis dias sem sol. Consumo/dia (Ah/dia) Estações c/ GSM s/ GSM dias sem sol Udométrica 0,58 0,1 12 Hidrométrica 0,41 0,2 14 Hidrométrica com Qualidade da Água 2,81 2,19 6 Meteorológica 0,71 0,17 10 Fig. 3 - Tabela de consumos por tipo de estação Todo o sistema possui um modo de funcionamento de baixo consumo: - O registador de dados possui consumo zero entre operações de leitura ou transmissão de dados. - Os sensores apenas são activados no momento de leitura. Deste modo não há consumo entre leituras. - O modem é o elemento que possui consumo mais elevado. No entanto, tem um modo de funcionamento de baixo consumo quando não está em transmissão. 5

7 Fig. 4- Painel solar e Bateria As estações automáticas possuem um conjunto de protecções contra sobretensões e descargas atmosféricas. Todos os cabos de entrada dos sensores, do painel solar e da antena GSM são blindados e possuem ligações à terra SISTEMA DE TELETRANSMISSÃO O sistema de teletransmissão adoptado foi o GSM, comunicações móveis, por ser aquele que garante maior fiabilidade na transmissão dos dados. Foram efectuados testes utilizando rede fixa e rede móvel; verificou-se que na rede fixa a taxa de avarias era elevada linhas avariadas devido a tempestades, actos de vandalismo sobre os cabos das linhas telefónicas, ruído nas linhas, entre outras. Na comunicação móvel os problemas atrás descritos não se verificam por ser uma comunicação sem fios, o que aumenta a fiabilidade das comunicações. No entanto, nalguns pontos onde não foi possível garantir cobertura GSM foi instalada rede fixa, como pro ex. nestação hidrométrica do Pulo do Lobo. Fig. 5 - Modem GSM com cartão SIM e antena 6

8 Os principais problemas registados nas comunicações foram: cobertuta fraca e perda temporária de rede GSM. Para obviar estes problemas foram instaladas antenas GSM de alto ganho e, no segundo caso, foi implementada uma função de reset ao modem, no registador de dados. As comunicações GSM no período de cheias são mais frequentes, sendo realizadas pela central de comando uma média de chamadas por mês; esta média baixa para aproximadamente /mês fora desse período. A fiabilidade das comunicações GSM é elevada, não se registando congestionamentos, mesmo em épocas de grande tráfego na rede GSM, como o Natal e final do ano. Existem cerca de 10 estações automáticas a funcionar em Roaming; são estações situadas junto à fronteira onde a rede GSM espanhola é mais forte ARMÁRIO AMBIENTAL O armário ambiental é uma caixa metálica estanque, com protecção IP65, que abriga o registador de dados, o modem GSM, a bateria, o sistema de protecções e todos os cabos que ligam ao registador de dados. Fig. 6 - Armário Ambiental 2.5 ESTAÇÃO HIDROMÉTRICA As estações hidrométricas destinam-se a medir a altura da água num determinado ponto do rio ou numa albufeira. A medição é efectuada com uma sonda de pressão. Este sensor é mergulhado na água e permanece estático, medindo a pressão que a água exerce sobre ele e convertendo-a em altura da coluna de água. É um sensor robusto e com uma precisão elevada. 7

9 Fig. 7 Sonda de Pressão 2.6 ESTAÇÕES DE QUALIDADE DA ÁGUA E HIDROMÉTRICAS As estações de qualidade da água e hidrométricas são constituídas por uma sonda multiparâmetro que efectua a medição de alguns parâmetros físico-químicos da água e por uma sonda de pressão. A sonda multiparâmetro mede temperatura, condutividade, oxigénio dissolvido, ph e turbidez. Fig. 8 - Sonda multiparâmetro 2.7 ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS, UDOMÉTRICAS E METEOROLÓGICAS FLUTUANTES As estações udométricas medem precipitação, direcção do vento e velocidade do vento. As estações meteorológicas medem precipitação, direcção e velocidade do vento, temperatura do ar, humidade relativa, radiação solar, evaporação e temperatura da água da tina evaporimétrica. As estações meteorológicas flutuantes estão instaladas numa plataforma flutuante no espelho de água de algumas albufeiras do sul do país e medem todos os parâmetros medidos nas estações meteorológicas mais os seguintes: direcção e velocidade do 8

10 vento a 5 e 8 metros de altura, vento vertical, pressão, temperatura da água da albufeira às profundidades 5, 10, 15 e 20 metros. Fig. 9 - Sensores de Direcção e Velocidade do Vento, colocados a 2m de altura do solo Fig Sensor de Temperatura e Humidade Relativa Fig. 11- Sensor de Radiação Solar Fig. 12-Tina evaporimétrica e sensor de evaporação Fig. 13-Sensor de velocidade do vento vertical Fig.14- Udómetro e o seu interior 9

11 2.8 - FOTOGRAFIAS DE ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DO SVARH As estações udométricas estão situadas em locais expostos sem obstáculos em altura e ocupam uma área vedada de 2.5 x 2.5 m. Fig. 15 Estação udométrica As estações meteorológicas estão situadas em locais expostos sem obstáculos em altura e ocupam uma área vedada de 5 x 5 m. Fig. 16 Estação meteorológica 10

12 As estações meteorológicas flutuantes estão instaladas em plataformas flutuantes com 30 m 2 de área, no espelho de água de algumas albufeiras do sul do país de forma a medir efeitos microclimáticos induzidos pela massa de água. A jangada é fixa por meio de cabos com poitas assentes no fundo da albufeira. Fig. 17 Estações meteorológicas flutuantes Fig Estação Hidrométrica e de Qualidade da Água 11

13 Fig Estações Hidrométricas 2.9- MANUTENÇÃO O equipamento instalado nas estações está preparado para funcionar em contínuo sem necessidade de vigilância. A manutenção preventiva das estações está dependente de vários factores, tais como a qualidade da água. Este é um dos factores que condiciona grandemente o intervalo de tempo entre duas manutenções preventivas nas estações de qualidade da água. Desta forma, analisados os factores que afectam o funcionamento das estações, estabeleceu-se um intervalo de tempo entre cada manutenção, para cada tipo de estação: Estações hidrométricas 3 meses Estações de qualidade da água 1 mês Estações meteorológicas 1 mês Estações udométricas 3 meses Todas as estações são sujeitas a uma manutenção geral que é comum a todos os tipos de estações, que inclui a limpeza de sensores, recolha de dados e limpeza do local onde se encontra a estação. As acções de manutenção incluem o preenchimento de uma ficha de manutenção com todos os dados relevantes para a análise dos dados armazenados pela estação automática. Anexam-se a este documento algumas ficha de manutenção. Para além desta 12

14 manutenção base, cada tipo de estação tem uma manutenção específica. Durante estas manutenções, por vezes, torna-se necessário proceder à substituição do equipamento, devido a avaria ou vandalismo. Estações hidrométricas estas estações têm um sensor muito robusto, pelo que a manutenção preventiva não necessita de ser efectuada em intervalos muito curtos. Nestas estações dá-se especial atenção à leitura do sensor, verificando se coincide com a leitura da escala hidrométrica. Quando necessário o sensor pode ser recalibrado utilizando um equipamento próprio. Fig Equipamento para calibrar o sensor de pressão Estações de qualidade da água a manutenção neste tipo de estações é realizada mensalmente, pois a sonda multiparâmetro é constituída por sensores muito sensíveis que necessitam de uma manutenção mais frequente. Estas estações têm uma manutenção mais demorada, pois é necessário verificar a medição dos sensores através dos valores registados com o Kit de calibração. Sempre que for necessário, a sonda multiparâmetro pode ser calibrada em laboratório. Neste caso, na visita de manutenção a sonda é substituída por outra, garantindo-se deste modo o funcionamento ininterrupto da estação. 13

15 Fig Kit de calibração para os sensores de oxigénio dissolvido, ph, condutividade e temperatura da água Fig. 22 Kit de calibração da turbidez Estações meteorológicas as manutenções neste tipo de estações estão directamente relacionadas com a zona onde se encontra instalada a estação. Tratando-se de uma zona em que durante o período de verão a temperatura atinja valores muito elevados, a manutenção é feita com intervalos de 15 dias, para evitar que a tina evaporimétrica fique sem água. Durante a manutenção é dada especial atenção ao sensor de precipitação, pois entope facilmente. Estações Udométricas são estações que não necessitam de uma manutenção muito apertada, tendo como único ponto crítico o sensor de precipitação, pois entope facilmente. 3 PROCESSAMENTO CENTRAL Os dados armazenados pelo registador de dados em cada uma das estações automáticas do SVARH, são transferidos para o INAG através da aplicação Gealog para Windows, com comunicação GSM. Cada estação possui, ligado ao registador de dados, um modem GSM com um cartão SIM para transmissão de dados. Através de GSM o Gealog para Windows dialoga com a estação e faz a recolha dos dados. 14

16 A transferência dos dados para o INAG, o seu armazenamento e posterior disponibilização, têm por base a execução de múltiplos processos, que são executados automáticamente e em intervalos de tempo definidos pelo gestor do SVARH. A intervenção de um operador apenas é necessária quando ocorre alguma avaria no sistema. Para uma melhor compreensão do funcionamento do SVARH, é apresentado no próximo ponto um esquema e uma descrição sumária dos processos que constituem o SVARH PROCESSOS QUE CONSTITUEM O SVARH No diagrama representado na figura 23 encontram-se representados todos os processos que constituem o SVARH. DIAGRAMA DE PROCESSOS DE SOFTWARE DO SVARH 1.1 Registador Gealog Gealog para Windows INAG32 GFiltro 4.1 LeCPPE ZEUS 4.2 GeraUlt Autómato do Maranhão 2.4 Maranhão 2.5 Pmaran Base de Dados 3.3 Rios Server 4.3 Geramed 3.4 CPPE Script 4.4 Pspain 1.3 CHT server 3.5 CHT Script 4.5 Rios6 LEGENDA: G CPPE server 3.2 Base de Dados Processo em tempo-real Processo off-line Nível 1 Nível 2 Nível 4 Fig Esquema dos processos que compõem o SVARH 15

17 Nível 1: processos situados fora do INAG para aquisição de dados 1.1 Registador de dados Gealog Registador de dados ligado aos sensores hidrometeorológicos e de qualidade da água, com modem GSM, para teletransmissão e sistema de alimentação. (ver cap. 2 para uma descrição mais completa) 1.2 Autómato de uma hidroagícola piloto do Maranhão Autómato programável que regista parâmetros hidráulicos e mecânicos da barragem do Maranhão. São disponibilizados os seguintes parâmetros: Nível da albufeira, posição da comporta na TARI, caudal no caudalímetro, Caudal turbinado, caudal na TARI. 1.3 Servidor de dados CHT- Confederação Hidrográfica do Tejo Disponibiliza ficheiros ASCII com dados de estações udométricas e de albufeiras pertencentes à bacia do Tejo espanhol. A frequência da disponibilização dos ficheiros é horária. 1.4 Servidor de dados da CPPE Disponibiliza ficheiros ASCII com a situação das albufeiras das barragens exploradas pela CPPE (Grupo EDP). Os parâmetros disponibilizados são: cota, volume, caudal afluente, caudal turbinado e caudal descarregado. Nível 2: processos para aquisição de dados 2.1 Gealog para Windows Software de interrogação em tempo-real ou off-line das estações automáticas. Permite parametrizar completamente o registador quer local (por cabo série) quer remotamente (por modem). Para cada estação é definido, pelo gestor do SVARH, um conjunto de parâmetros, de onde se destacam: - intervalo de interrogação frequência com que o software faz uma chamada para uma estação, para recolha de dados. A frequência de interrogação numa situação normal é horária para qualquer tipo de estação, podendo aumentar até aos cinco minutos, dependendo da situação. 16

18 - níveis de alarme é possível definir mais dois intervalos de interrogação, condicionados pelos valores que são medidos pelos sensores. Assim, caso ocorra um valor anómalo o software pode aumentar a frequência de interrogação de uma estação automaticamente. O Gealog para Windows faz a gestão dos alarmes enviados pelas estações automáticas. Tal como descrito no ponto 2.1, a estação tem capacidade de emitir, para um número telefónico definido na sua memória, a ocorrência de um alarme. Em resposta a esta notificação a aplicação faz de imediato uma chamada para essa estação, para recolha de dados. Os parâmetros definidos no registador de dados estão também armazenados no PC que faz a interrogação das estações automáticas, sendo deste modo possível ler correctamente os dados que são transferidos da estação. O software tem a capacidade de emular o registador de dados, o que permite alterar os parâmetros de qualquer estação remotamente. 2.2 INAG32 Módulo de conversão em tempo-real do formato dos dados do Gealog para Windows para ASCII. Esta aplicação funciona em conjunto com o Gealog para Windows. Sempre que o esta aplicação efectua uma chamada para uma estação e actualiza os dados, o INAG32 processa automaticamente os dados dessa estação e cria um ou mais ficheiros ASCII com esses dados. Na aplicação INAG32 pode-se definir o nome do ficheiro de cada estação. Geralmente dá-se o nome que a estação tem no Gealog para Windows. Pode-se também definir o nº de dias que os ficheiros de saída contêm. O programa vai apagando os dados mais antigos, de forma que os ficheiros têm sempre os últimos n dias de dados. Geralmente usa-se o valor de 3 dias, porque se o computador parar durante um fim-de-semana ou um feriado, ao reiniciar, consegue-se recuperar todo o período em que esteve inactivo. 2.3 GFiltro Converte os ficheiros ASCII resultantes do módulo INAG32 no formato do SVARH e coloca na base de dados, em tempo-real. Esta aplicação funciona em conjunto com a Gealog para Windows e com a INAG32. O GFIltro processa os ficheiros do INAG32 e gera os ficheiros diários da base de dados do SVARH. 2.4 Maranhão Software de interrogação em tempo-real do autómato da barragem do Maranhão. 17

19 2.5 Pmaran Converte os ficheiros ASCII do formato dos dados do Maranhão para o SVARH, em tempo-real. Nível 3: processos a correr no servidor 3.1 Zeus- Servidor Unix Neste servidor são executados diversos processos que se descrevem seguidamente. Os dados das estações automáticas do SVARH são armazenados neste servidor, para posterior consulta através da aplicação Rios, utilizando o protocolo FTP para transferência de dados. 3.2 G960 Servidor Windows Neste servidor são executados diversos processos que se descrevem seguidamente. Os dados das estações automáticas do SVARH são também armazenados neste servidor, para posterior consulta através da aplicação Rios, utilizando o protocolo HTTP. Neste servidor está igualmente instalado um gateway de SMS e um modem GSM, para envio de alarmes das estações automáticas por SMS. É igualmente possível enviar os alarmes ocorridos por correio electrónico. 3.3 CPPE Script Script de UNIX para transferir os dados do servidor da CPPE, através do protocolo de transferência de dados FTP. Este processo é executado de hora a hora. Os ficheiros transferidos por este Script são posteriormente lidos e convertidos pela aplicação LeCPPE. 3.4 Server Rios Aplicação servidora do programa "Rios". Componente de servidor da aplicação Rios, gera diariamente e a cada 3 minutos os ficheiros necessários ao Rios para sincronização dos dados. 3.5 CHT Script Script de UNIX para transferir os dados do servidor da CHT, através do protocolo de transferência de dados FTP. Este processo é executado de hora a hora. O ficheiro resultante desta transferência é posteriormente lido e convertido pela aplicação Pspain. 18

20 Nível 4: processos sobre a base de dados 4.1 LeCPPE Aplicação que lê os ficheiros vindos da CPPE e os formata e insere na base de dados do SVARH. 4.2 GeraUlt O GeraULT percorre todos os ficheiros diários gerados pelos processos descritos no nível 2, e compõe os.ult com a última linha de cada ficheiro. Os ficheiros.ult são lidos pela aplicação Rios para a disponibilização dos dados mais recentes. 4.3 GeraMed Aplicação que gera em tempo-real ou off-line ficheiros de médias até 24 horas. O cálculo da média é efectuado sobre as variáveis nível hidrométrico e caudal. Os ficheiros gerados por esta aplicação são utilizados por modelos de previsão hidrológica e para a gestão do funcionamento da Central Termo-eléctrica do Pego. 4.4 Rios 6 Aplicação para visualização dos dados em tempo-real em ambiente Windows. Permite aceder às bases de dados dos servidores. Acede por FTP à base de dados do servidor UNIX Zeus e por HTTP ao servidor Windows G960 (Ver capítulo 4) CENTRAL DE COMANDO DO SVARH Alguns dos processos descritos anteriormente são executados em PC s da Central de Comando do SVARH. A central de comando do SVARH é composta por três PCs em Rack, um servidor Windows, dois PC s desktop, modems GSM, sistema de videoconferência, projector de vídeo, televisor e vídeogravador VHS e sistema de backup de alimentação. Dois dos PCs em Rack têm instaladas as aplicações Gealog para Windows, INAG32 e Gfiltro, e estão dedicados à interrogação das estações automáticas do SVARH. Um dos PC s interroga as estações automáticas das grandes bacias (Tejo, Guadiana, Douro, etc), e o outro as pequenas bacias ( Vouga, Sorraia, Lima, Trancão, etc). Cada PC está ligado a 4 modems GSM para que se possam efectuar comunicações simultâneas para várias estações. 19

21 O terceiro PC em rack faz o processamento dos dados - Gerault, LeCPPE, Geramed - que são disponibilizados pelo Gealog para Windows, transformando-os no formato da aplicação de consulta Rios. Fig Central de Comando computadores em Rack, sofware Gealog para Windows. O equipamento de videoconferência permite efectuar reuniões virtuais com entidades como o Serviço Nacional de Bombeiros e Protecção Civil, Instituto de Meteorologia, Confederações Hidrográficas do Tejo, Douro e Guadiana (Espanha), entre outras entidades intervenientes na gestão de uma situação de risco. Todos os equipamentos da Central de comando estão ligados a uma UPS com capacidade de 5 KVA e ao barramento de emergência do INAG. Deste modo, garante-se que em caso de falta de energia o sistema se mantém em funcionamento. 4 - DISPONIBILIZAÇÃO DOS DADOS - RIOS O programa Rios é a aplicação que disponibiliza, em tempo-real, informação hidrometreorológica e de qualidade da água recolhida pelas estações automáticas com teletransmissão, dados das albufeiras geridas pela CPPE e alguns dados hidrometeorológicos espanhóis. São disponibilizados os seguintes parâmetros: i) estações hidrométricas altura hidrométrica, caudal, cota. 20

22 ii) iii) estações de qualidade da água temperatura, condutividade, oxigénio dissolvido, ph e turbidez. albufeiras cota, volume, caudal afluente, caudal efluente. Os dados das estações automáticas são armazenados em dois servidores do INAG Zeus e G960; através da aplicação Rios e com um acesso à Internet é possível aceder a um destes servidores para a consulta dos dados. O início de uma sessão do Rios é feito mediante uma autenticação de utilizador e palavra-passe. Para cada utilizador é definido um conjunto de permissões: bacias e distritos a que pode aceder, possibilidade de guardar os dados localmente, possibilidade de ser notificado em caso de alarme. Estas definições são efectuadas pelo gestor da aplicação Rios, podendo ser alteradas sempre que for necessário. Fig Página inicial do Rios APRESENTAÇÃO DOS DADOS Portugal encontra-se dividido em bacias hidrográficas (Sotavento, Barlavento, Arade, Mira, Guadiana, Sado, Rib. Alentejo, Tejo, Oeste, Lis, Mondego, Vouga, Douro, Ave, Lima e Cávado), e em Distritos. A informação disponibilizada nos Distritos é sintetizada, permitindo apenas tomar conhecimento do estado de alerta em que se encontram as estações pertencentes ao Distrito seleccionado. 21

23 Fig 26 Navegação por distritos NAVEGAÇÃO POR BACIAS Ao seleccionar uma bacia, tem-se acesso a uma representação esquemática do rio principal e alguns dos seus afluentes. Estas páginas possuem uma configuração pré-definida: caixas com os dados das estações automáticas com teletransmissão pertencentes a essa bacia, hiperligações para outras bacias e coluna do lado direito com um pequeno mapa de Portugal divido por bacias hidrográficas, tal como é ilustrado na fig. 27. Fig Representação esquemática do rio Tejo, com as estações automáticas 22

24 O programa rios possui diversas funcionalidades: - representação gráfica das diferentes variáveis hidrometeorológicas e de qualidade da água. - acesso às imagens de satélite da MeteoFrance, bem como às previsões do Instituto de Meteorologia. - elaboração de relatórios sinópticos e históricos das estações automáticas, em HTML. Isto permite uma maior flexibilidade na formação dos relatórios. - Podem ser definidos dois níveis de alarme - amarelo e vermelho - para cada variável. Sempre que ocorre um alarme numa estação, o símbolo e a bacia a que pertence a estação mudam para a cor do alarme - disponibiliza informação histórica da estação, por ex. registos de cheias ocorridas, estradas que ficam cortadas a uma determinada cota. - Disponibiliza informação sobre as características das barragens Volume máximo, caudal turbinado máximo, NPA, etc. - Permite fazer filtragem por tipo de estação que se pretende visualizar. Esta funcionalidade permite, por exemplo, que um operador que está a fazer o acompanhamento de uma situação de cheia visualize no Rios apenas as estações hidrométricas e de precipitação. Fig Perfil da Albufeira de Castelo de Bode e da estação hidrométrica do Tramagal 23

25 Fig Gráfico Fig. 30 Imagem de Satélite Fig Ilustração de duas bacias em alarme amarelo e vermelho, juntamente com a estação que está em alarme O programa Rios participou no Concurso de Software 2003 da Microsoft, tendo recebido o 3º Prémio na categoria de Gestão RIOS MOBILE A introdução de mobilidade no Rios surge como resposta à necessidade dos técnicos efectuarem a gestão de situações de risco, independentemente do local onde se encontram. Deste modo, num local remoto sem recorrer a computadores, modems etc., é possível aceder aos dados de qualquer estação do 24

26 SVARH, analisar uma situação particular e verificar os alarmes ocorridos. O Rios mobile transformase numa ferramenta de gestão de cheias e de acidentes de poluição da água sem fios, utilizando as comunicações móveis GPRS. A utilização do GPRS possibilita uma transferência mais rápida da informação até 19.2 Kbps. Fig. 32 Entrada no Rios Fig. 33 Página Inicial do Rios Mobile Rios versão Pocket PC Phone Edition possui as mesmas funcionalidades do Rios para PC. Existem apenas algumas alterações: intervalo de tempo para a representação gráfica dos dados é mais reduzido, os perfis esquemáticos dos rios são visíveis apenas visualização dos dados de várias estações em simultâneo. Fig Representação Esquemática do Rio Tejo Fig Perfil esquemático de uma estações hidrométrica Fig. 36 Perfil esquemático de uma albufeira 25

27 Fig 37 Gráficos 26

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos

Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos O QUE É? O Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos - SVARH, permite conhecer em tempo-útil o estado hidrológico dos rios e albufeiras do país (níveis de água, caudais e volumes armazenados)

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS

EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS EVOLUÇÃO RECENTE DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA E ALERTA DE CHEIAS Aquilino RODRIGUES (1) ; Manuela SARAMAGO (1) ; Carlos Miranda RODRIGUES (1) ; Manuel LACERDA (1) e Rui RODRIGUES (1) RESUMO O Sistema de Vigilância

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA

MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA MODERNIZAÇÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DAS ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO HIDRO METEOROLÓGICA Lisboa, 18 de julho de 2014 Cláudia Brandão APA Missão Propor, desenvolver e acompanhar a gestão

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas

Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas DIRECÇÃO DOS SERVIÇOS DE RECURSOS HÍDRICOS Relatório da Convenção sobre cooperação para protecção e o aproveitamento sustentável das águas das bacias hidrográficas Luso-Espanholas Ano Hidrológico de 2001/02

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM

UNIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS DE CONTAGEM ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 441 27 de abril de 2012 Página 2 de 13 ÍNDICE Registo das revisões... 4 1. Objectivo... 5 2. Âmbito... 5 3. Referências... 5 3.1. Externas... 5 3.2. Internas... 5 4. Definições

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Datalogger de fluxo e de pressão com GPRS

Datalogger de fluxo e de pressão com GPRS Datalogger de fluxo e de pressão com GPRS Sebalog Dx Monitorização da rede via GSM/GPRS Comunicação sem fios Transmissão automática de dados e de alarmes 5 anos de funcionamento autónomo Deteção do impulso

Leia mais

Sistema de Detecção de Raios

Sistema de Detecção de Raios Tela do Sistema Apresentação Fig A O "Sistema de Detecção de Raios é um sistema de computador desenvolvido em conjunto com um sensor que mede o campo elétrico das descargas atmosféricas e tem a finalidade

Leia mais

Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua

Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua Um sistema de gestão de frotas que lhe permite o controlo, a localização em tempo real e a comunicação permanente com todos os veículos da sua empresa. Um sistema que gere e controla toda a actividade

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

Solução STS para gestão de águas WATERMANAGER

Solução STS para gestão de águas WATERMANAGER Solução STS para gestão de águas WATERMANAGER STS watermanager solution Pretende ganhar flexibilidade e eficiência nos custos e na monitorização de água? A STS tem a solução. 1/12 Supervisione o fluxo

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) Reliance - Ashtech e Suas Aplicações Em SIG (Carlos Antunes) INTODUÇÃO O Sistema Reliance baseia-se na utilização do

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice

Guia de Rede. Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Guia de Rede 1 2 3 4 Configuração do Windows Utilizar um Servidor de Impressão Monitorizar e Configurar a Impressora Apêndice Leia este manual cuidadosamente antes de utilizar o equipamento e mantenha-o

Leia mais

A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG

A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG A rede de Estações Meteorológicas Automáticas (EMAs) da DRAPALG Paulo Oliveira (Engº Mecânico / Termodinâmica) 1. Introdução (situação actual e historial da rede) A nível mundial o funcionamento das redes

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura.

Dispositivo ZigBee. Desta forma obtêm-se redes maiores, mais robustas e com alto rendimento por ponto de leitura. Dado que o planeta onde vivemos tem como principal característica a abundância de água, fomos ao longo dos anos explorando esse recurso essencial à nossa vida. Por outro lado, este elemento de qualidade

Leia mais

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis

GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis GeoMob: Solução de Gestão e Controlo de Bens e Recursos Móveis Luis Cabral IDC - Mobility & RFID, CCB 26 de Fevereiro de 2008 1 Miguel Setas GeoMob Gestão de Bens e Recursos Móveis Apresentação divida

Leia mais

Sugestões importantes

Sugestões importantes Sugestões importantes Comuns ao N91 e N91 8GB Nokia PC Suite (especialmente para o Nokia Audio Manager) O Nokia PC Suite foi optimizado para a gestão dos dados existentes na memória do telefone [C:]. O

Leia mais

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. ComServer ComServer Linux A Restauração do Séc. XXI Copyright 2001-2005 GrupoPIE Portugal, S.A. 1. WinREST ComServer...5 1.1. Licença...5 1.2. Instalação e upgrade...6 1.3. Licenciamento...7 1.4. Interface...8

Leia mais

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM

DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM DETECÇÃO DE CORPOS DE ÁGUA EM IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 5TM PALMEIRIM, José Carlos ( 1 )e FERNANDES, Susana( 2 ) RESUMO As crescentes necessidades de utilização da água a níveis industrial, agrícola

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

INFORAD-M1. Localizador/avisador de radar Para MOTOS. Guia de utilização rápida

INFORAD-M1. Localizador/avisador de radar Para MOTOS. Guia de utilização rápida INFORAD-M1 Localizador/avisador de radar Para MOTOS Guia de utilização rápida Guia de utilização rápida O INFORAD aumenta a segurança na condução, ao provocar uma redução da velocidade por parte dos condutores.

Leia mais

1 Ajuda da Internet M vel Clix

1 Ajuda da Internet M vel Clix 1 Ajuda da Internet M vel Clix Descrição geral Esta aplicação permite Ligar/Desligar por intermédio de uma PC Card / Modem USB. Janela principal da Internet M vel Clix Indica o estado de roaming Minimizes

Leia mais

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( 1 6 0 1 2 0 ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( 1 0 5 4 0 3 )

A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E O L I V E I R I N H A ( 1 6 0 1 2 0 ) E S C O L A B Á S I C A D E O L I V E I R I N H A ( 1 0 5 4 0 3 ) DISCIPLINA: TIC ANO: 9º TURMAS: A, B e C ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Â O A N U A L - T I C UNIDADE DIDÁTICA 1: Tecnologias da Informação e Comunicação AULAS PREVISTAS: 9 x 90 Minutos Rentabilizar

Leia mais

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBADA MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES

Leia mais

Guia de Rede MediCap USB300

Guia de Rede MediCap USB300 Guia de Rede MediCap USB300 Aplica-se às versões de firmware 110701 e mais recentes 1 Introdução... 2 Instruções Preliminares... 2 Como Configurar o Acesso Através da Rede ao Disco Rígido do USB300...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Automatização do processo de Controlo Ambiental Auto-controlo ambiental Sendo a Indústria que detém fontes poluidoras (Cimenteiras, Produção de energia, Incineradoras, etc.), uma das mais intervenientes

Leia mais

DATA LOGGER DE CAMPANHA Manual Técnico

DATA LOGGER DE CAMPANHA Manual Técnico DATA LOGGER DE CAMPANHA Manual Técnico Contents 1. Hardware... 1.1. Bateria... 1.2. Regulador de carga... 1.. Disjuntores... 1.4. Modem e placa de circuito impresso... 1.5. Interruptor de Pressão... 4

Leia mais

VRM Monitor. Ajuda Online

VRM Monitor. Ajuda Online VRM Monitor pt Ajuda Online VRM Monitor Índice pt 3 Índice 1 Introdução 3 2 Vista geral do sistema 3 3 Getting started 4 3.1 Iniciar o VRM Monitor 4 3.2 Iniciar o Configuration Manager 4 4 Configurar

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

COMO LIGAR E CONFIGURAR

COMO LIGAR E CONFIGURAR 1 2 GUIA DE INSTALAÇÃO RÁPIDA COMO LIGAR E CONFIGURAR carregar a bateria O utilizador deverá, em primeiro lugar, carregar a bateria do sistema. A primeira carga deverá ter um tempo ininterrupto de 6 horas.

Leia mais

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano

Planificação Anual. Planificação de Médio Prazo (1.º Período) Tecnologias da Informação e Comunicação. 9º Ano Escola Básica do 2º e 3º Ciclos João Afonso de Aveiro Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Secção de Informática Planificação Anual (1.º Período) Ano lectivo 2010/2011 Tecnologias da Informação

Leia mais

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual NetOp Remote Control Versão 7.65 Adenda ao Manual Mover a perícia - não as pessoas 2003 Danware Data A/S. Todos os direitos reservados Revisão do Documento: 2004009 Por favor, envie os seus comentários

Leia mais

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação

Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Básica 2, 3 de Lamaçães Planificação Anual 2007/08 Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade de Ensino/Aprendizagem Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios Conceitos

Leia mais

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR

Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR Série de CÂMARA IR EM REDE EXTERIOR MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES 1.1 Conteúdo

Leia mais

QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98?

QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? QUAL O GRAU DE EXCEPCIONALIDADE DAS CHEIAS OCORRIDAS NO INÍCIO DO ANO HIDROLÓGICO DE 1997/98? RODRIGUES, Rui ( 1 ); BRANDÃO, Cláudia ( 2 )e ÁLVARES, Teresa ( 2 ) RESUMO O território português testemunhou

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO

CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO CÂMARA DE VIGILÂNCIA DE REDE AVANÇADA COM ABÓBODA MANUAL DE INSTALAÇÃO Ler estas instruções na sua totalidade antes de colocar em funcionamento e devem ser guardadas para consulta futura. 1. GENERALIDADES

Leia mais

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR

GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR GT GPRS RASTREADOR VIA GPS COM BLOQUEADOR O GT GPRS é um equipamento wireless que executa a função de recepção e transmissão de dados e voz. Está conectado à rede de telefonia celular GSM/GPRS, para bloqueio

Leia mais

Sem fios (somente em alguns modelos)

Sem fios (somente em alguns modelos) Sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation nos EUA. Bluetooth

Leia mais

Todos os dados de medição. Sempre disponíveis. Em qualquer dispositivo.

Todos os dados de medição. Sempre disponíveis. Em qualquer dispositivo. Análise e relatórios Camara este 14.09.2014 até 16.09.2014 Apresentação gráfica 14/09/2014 15/09/2014 16/09/2014 Data logger 1 ( C) Data logger 2 ( C) Data logger 3 ( C) Apresentação em tabela Alarmes

Leia mais

Mobile Business. Your sales on the move.

Mobile Business. Your sales on the move. Pág/02 O PRIMAVERA é um produto destinado a empresas que utilizem processos de auto-venda e/ou pré-venda com Equipas de Vendas que necessitem de um conjunto de informação e funcionalidades avançadas, disponíveis

Leia mais

DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO JCN

DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO JCN DESCRIÇÃO DO SISTEMA DE MONITORAMENTO JCN Parte 1: Sobre o hardware utilizado no veículo O rastreador utilizado é fabricado pela Quanta Tecnologia e os modelos homologados em nosso sistema até o momento

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS

MONITORAMENTO WIRELESS EM TEMPERATURA, UMIDADE, PRESSÃO & GPS 1 AR AUTOMAÇÃO EMPRESA & SOLUÇÕES A AR Automação é uma empresa especializada no desenvolvimento de sistemas wireless (sem fios) que atualmente, negocia comercialmente seus produtos e sistemas para diferentes

Leia mais

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns.

Internet ou Net. É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Internet Internet ou Net É uma rede mundial de computadores ligados entre si através s de linhas telefónicas comuns. Como Comunicam os computadores Os computadores comunicam entre si utilizando uma linguagem

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2

Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Manual Passo a Passo do Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Microsoft Corporation Autor: Anita Taylor Editor: Theresa Haynie Resumo Este manual fornece instruções detalhadas para instalar

Leia mais

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas

Conceitos Sistema da informação e comunicação N.º de Aulas PLANIFICAÇÃO AGRUPAMENTO ANUAL - DE TECNOLOGIAS ANO ESCOLAS LECTIVO DR. VIEIRA DE CARVALHO 9º ANO 2008/2009 DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Tecnologias 1º Período Conceitos Sistema da informação e comunicação

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro Manual de Utilizador CNCVisual Julho de 2006 Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica Autor: Bruno Lameiro Introdução: A existência do manual de utilizador da aplicação CNCVisual tem como objectivo

Leia mais

Rastreador Veicular por GPS (GPS + GSM + SMS/GPRS) Manual do usuário Modelo Coban TK103

Rastreador Veicular por GPS (GPS + GSM + SMS/GPRS) Manual do usuário Modelo Coban TK103 Rastreador Veicular por GPS (GPS + GSM + SMS/GPRS) Manual do usuário Modelo Coban TK103 Por favor, verifique os acessórios antes de usar. As imagens são para indicação e ilustração. Por favor, leia com

Leia mais

WaterMind. Know-how na gestão de grandes consumidores

WaterMind. Know-how na gestão de grandes consumidores Water WaterMind Know-how na gestão de grandes consumidores > Inteligência no ponto de medida > Análise de consumo e auditoria de funções do contador > Aplicação multi utilizador As entidades gestoras em

Leia mais

Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Param. Mensagem

Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Param. Mensagem Minha habitação Aplicação para telemóvel Manual de instalação e utilização PT Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Mensagem Índice 1- Apresentação...............................................3

Leia mais

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica.

Este manual utiliza duas unidades de medição. Este equipamento utiliza a versão métrica. Guia de Rede Para uma utilização segura e correcta, certifique-se de que lê as Informações de Segurança em "Referência de Cópia" antes de utilizar o equipamento. Introdução Este manual contém instruções

Leia mais

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB

DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB DATA LOGGER PARA REGISTO DE TEMPERATURAS COM LIGAÇÃO USB AVISO PRÉVIO A partir de 1 de Janeiro de 2014 os data loggers deixam de ser fornecidos com CD-ROM com software. O software continua a ser gratuito

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO TUBARÃO SC FLORIANÓPOLIS OUTUBRO 2011 1 O presente documento é o resultado da viagem solicitada pelo chefe do Ciram Edson Silva

Leia mais

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0

SEGURANÇA DE DADOS 1/1. Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 SEGURANÇA DE DADOS 1/1 Copyright Nokia Corporation 2002. All rights reserved. Ver. 1.0 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ARQUITECTURAS DE ACESSO REMOTO... 3 2.1 ACESSO POR MODEM DE ACESSO TELEFÓNICO... 3 2.2

Leia mais

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006

EIC. Projecto I. Manual do Utilizador. Vídeo Vigilância Abordagem Open Source. Curso: Engenharia de Informática e Comunicações Ano Lectivo: 2005/2006 EIC Engenharia de Informática e Comunicações Morro do Lena, Alto Vieiro Apart. 4163 2401 951 Leiria Tel.: +351 244 820 300 Fax.: +351 244 820 310 E-mail: estg@estg.iplei.pt http://www.estg.iplei.pt Engenharia

Leia mais

Monitorização e Controle de Deformações

Monitorização e Controle de Deformações TcpControl Monitorização e Controle de Deformações Esta potente aplicação permite realizar uma auscultação em tempo real sobre pontos de controle empregando estações totais robotizadas e outros dispositivos.

Leia mais

Referência de Scanner

Referência de Scanner Manual do Utilizador Referência de Scanner 1 2 3 4 5 6 Enviar Ficheiros de Digitalização por E-mail Enviar Ficheiros de Digitalização Utilizando a Função Digitalizar para Pasta Entrega de Ficheiros de

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Guia de funcionamento do projector em rede

Guia de funcionamento do projector em rede Guia de funcionamento do projector em rede Tabela de conteúdos Preparação...3 Ligar o projector ao seu computador...3 Ligação sem fios (para alguns modelos)... 3 QPresenter...5 Requisitos mínimos do sistema...5

Leia mais

DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II

DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II Modos de programação de registo; Intervalos de registo programáveis; Capacidade de memória para 240.000 medidas; Alimentação por pilhas alcalinas; Ligação a computador

Leia mais

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome

I. INTRODUÇÃO. SEINON Sistema Energético INtegral ONline. A melhor energia é a que não se consome I. INTRODUÇÃO SEINON Sistema Energético INtegral ONline A melhor energia é a que não se consome O sistema SEINON é uma ferramenta de gestão de consumo de energia que permite de forma simples e automática

Leia mais

Global Energy Meter - G.E.M.

Global Energy Meter - G.E.M. Global Energy Meter - G.E.M. Solução de Monitorização de Consumos de Energia Elétrica Reduzir o consumo de energia é visto hoje em dia como algo positivo e necessário não só para o ambiente mas também

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR ZTE MF190J

MANUAL DO UTILIZADOR ZTE MF190J MANUAL DO UTILIZADOR ZTE MF190J Modem USB ZTE Manual do Utilizador Copyright 2012 ZTE Corporation Todos os direitos reservados Da presente publicação, ou de qualquer parte da mesma, não poderão ser retirados

Leia mais

LIDACO. Solução Integral para a gestão de atividades ruidosas GESTÃO TOTAL DAS ATIVIDADES RUIDOSAS, SEM NECESSIDADE DE DESLOCAÇÃO

LIDACO. Solução Integral para a gestão de atividades ruidosas GESTÃO TOTAL DAS ATIVIDADES RUIDOSAS, SEM NECESSIDADE DE DESLOCAÇÃO D_LIDACO_v0006_20141223_PT LIDACO Solução Integral para a gestão de atividades ruidosas Características Solução COMPLETA para a gestão de atividades ruidosas. GESTÃO TOTAL DAS ATIVIDADES RUIDOSAS, SEM

Leia mais

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS

Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Apresentação de SISTEMAS OPERATIVOS Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO III Sistema Operativo Servidor Duração: 52 tempos Conteúdos (1) Efectuar o levantamento

Leia mais

Sectores de aplicação: Estações de comunicação, repetidores telefónicos, parques eólicos, etc.

Sectores de aplicação: Estações de comunicação, repetidores telefónicos, parques eólicos, etc. novidades Comunicação segurança vía IP e Sectores de aplicação: UNIDADE EXTERIOR/BOTONEIRA ÁUDIO E VÍDEO A CORES ALEA VIA IP 1 BOTÃO DE CHAMADA. A botoneira PDV501SIP da GUINAZ permite uma gestão das comunicações

Leia mais

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections

IBM SmartCloud para Social Business. Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud Connections IBM SmartCloud para Social Business Manual do Administrador do IBMSmartCloudEngageeIBM SmartCloud

Leia mais

Índice. 1. Introdução. 3. 2. Glossário...4. 3. Conceito... 5. 4. Vantagens da Assistência GPS...5. 5. Funcionamento da Assistência GPS...

Índice. 1. Introdução. 3. 2. Glossário...4. 3. Conceito... 5. 4. Vantagens da Assistência GPS...5. 5. Funcionamento da Assistência GPS... DMI_AUTO06_20JUL2015 GUIA DA ASSISTÊNCIA GPS Índice 1. Introdução. 3 2. Glossário.....4 3. Conceito.... 5 4. Vantagens da Assistência GPS....5 5. Funcionamento da Assistência GPS.... 5 6. Tratamento de

Leia mais

Software para Controlo de Assiduidade

Software para Controlo de Assiduidade Innux Time O cenário de constante mudança que caracteriza o mercado globalizado tem um impacto profundo na forma como as empresas gerem os seus recursos humanos. Reduzir custos, aumentar os níveis de desempenho,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2003 MANTENHA-SE INFORMADO Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para ser informado sempre que existirem actualizações a esta colecção ou outras notícias importantes sobre o Internet Explorer. *

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3/S DRªA MARIA JUDITE SERRÃO ANDRADE

ESCOLA E.B. 2,3/S DRªA MARIA JUDITE SERRÃO ANDRADE ESCOLA E.B. 2,3/S DRªA MARIA JUDITE SERRÃO ANDRADE Planificação 9ºAno Ano lectivo 2007/2008 Tecnologias de Informação e Comunicação COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS TEÓRICO/PRÁTICOS TEMPO PREVISTO Unidade de Ensino/Aprendizagem

Leia mais

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0

CCI.Courier. Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal. Manual de instruções. Referência: CCI.Courier v2.0 CCI.Courier Troca de dados de encomenda entre o PC da quinta e o terminal Manual de instruções Referência: CCI.Courier v2.0 Copyright 2014 Copyright by Competence Center ISOBUS e.v. Albert-Einstein-Str.

Leia mais

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB MOBILE SECURITY 7.0 ENTERPRISE EDITION http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741532

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB MOBILE SECURITY 7.0 ENTERPRISE EDITION http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741532 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para KASPERSKY LAB MOBILE SECURITY 7.0 ENTERPRISE. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo

Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo Rede Automática de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais do Estado de São Paulo O que é monitoramento automático da qualidade das águas? É o acompanhamento contínuo (em tempo real) da qualidade

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Luís Filipe A. C. Nunes

Luís Filipe A. C. Nunes Luís Filipe A. C. Nunes INTRODUÇÃO A instalação e exploração de uma estação meteorológica, clássica ou automática-ema, é relativamente simples, mas pode complicarse nalgumas circunstâncias; Não existem

Leia mais

Consulte a contra-capa para uma instalação rápida.

Consulte a contra-capa para uma instalação rápida. Manual do Utilizador Consulte a contra-capa para uma instalação rápida. Protegemos mais pessoas das crescentes ameaças on-line do que qualquer outra empresa no mundo. Preocupa-se com o nosso Ambiente,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 8º TICT2 ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/9

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 8º TICT2 ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/9 ANO: 8º TICT2 ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/9 Módulo 1 Tecnologias da Informação e Comunicação 1.1 Conceitos Essenciais Conceitos Básicos o Informática o Tecnologias da Informação o Tecnologias da Informação

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento 2 Uma Única Solução para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

Função visualizar cartão de memória

Função visualizar cartão de memória Manual de utilizador Função visualizar cartão de memória Este é o manual da função visualizar cartão de memória. Leia este manual atentamente antes de operar com a função visualizar cartão de memória.

Leia mais

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Índice :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Pág. 1 Introdução O Pocket Genbeef Base é uma aplicação

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Manual de utilizador. Função Memory Viewer. Índice

Manual de utilizador. Função Memory Viewer. Índice Manual de utilizador Função Memory Viewer Este é o manual da função Memory Viewer. Leia este manual atentamente antes de operar com a função Memory Viewer. Primeiro, leia o manual de utilizador do projector

Leia mais