A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO"

Transcrição

1 A Influência da Indústria em Meio Urbano Metodologia de Estudo Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A metodologia de avaliação da influência da indústria na qualidade do ar em meio urbano passa, entres outros aspectos, pela identificação dos factores que mais afectam a contribuição da actividade industrial nos valores medidos em áreas urbanas, nomeadamente com base na modelação da dispersão de poluentes emitidos para a atmosfera, e estimativa dos níveis de poluentes ao nível do solo. Os valores estimados por modelação poderão ser comparados com valores validados de qualidade do ar, medidos em estações da Rede de Qualidade do Ar da Agência Portuguesa do Ambiente, ou em estações privadas pertencentes a unidades industriais ou a laboratórios públicos ou privados. A metodologia de análise dos resultados consiste na comparação, hora a hora, entre o valor estimado e o valor medido em cada estação de medição, tendo em conta as condições meteorológicas observadas. Esta análise permitirá determinar a fracção do valor medido que, em cada hora, corresponde à concentração estimada pelo modelo, resultante unicamente das emissões da unidade fabril. Alguns aspectos influenciam significativamente os resultados quando se pretende analisar a contribuição da indústria para a qualidade do ar nas áreas urbanas, com destaque para a fiabilidade e representatividade dos dados introduzidos no modelo de qualidade do ar, as condições meteorológicas registadas, a topografia e uso do solo da envolvente, as emissões e condições de emissão, a distância das fontes à área urbana e as incertezas associadas ao modelo de dispersão e aos equipamentos de medição de poluentes pertencentes às Estações de Qualidade do Ar utilizadas para comparação com os dados estimados. Todos estes aspectos poderão ser conhecidos ou estimados, possibilitando a selecção prévia da localização mais adequada para implantação de uma determinada unidade industrial. Este tipo de estudos reveste-se de particular relevância nos processos de Avalização de Impacte Ambiental e nos Instrumentos de Gestão do Território, nomeadamente a Avaliação Ambiental Estratégica, já que permite gerir o território de forma integrada face a todos os intervenientes e factores que determinam a evolução futura de um determinado meio urbano.

2 INTRODUÇÃO A aplicação de modelos matemáticos de dispersão atmosférica às emissões provenientes de diversas indústrias, muitas das quais localizadas na envolvente de áreas urbanas, é prática corrente nos Estudos de Impacte Ambiental ou processos de licenciamento. Os estudos realizados permitem apurar o impacte das emissões das indústrias, existentes ou futuras, nas áreas urbanas mais próximas. A metodologia de avaliação da influência da indústria em meio urbano passa, entres outros aspectos, pela identificação dos factores que mais afectam a contribuição da actividade industrial nos valores de qualidade do ar medidos em áreas urbanas. A avaliação deve incidir sobre os poluentes primários, emitidos directamente pela instalação, ou secundários, formados posteriormente na atmosfera (Ozono), que estejam abrangidos pela legislação Portuguesa em vigor ou outras referências, como Directivas Comunitárias ou valores guia da Organização Mundial de Saúde, e que sejam medidos nas Estações de Qualidade do Ar, com equipamentos devidamente calibrados e com plano de manutenção estabelecido e cumprido. APLICAÇÃO DOS MODELOS DE QUALIDADE DO AR Os estudos de dispersão atmosférica aplicáveis à determinação da influência da indústria em áreas urbanas são realizados geralmente considerando um domínio de escala local, com domínios típicos de 15 a 20 km de extensão (225 a 400 km 2 de área). Contudo, uma indústria de dimensões relevantes também produz efeitos a uma escala regional, que pode atingir os km 2. A análise ao nível regional procura avaliar eventuais repercussões do impacte decorrente da exploração da indústria em meios urbanos mais distantes, no que diz respeito à poluição fotoquímica. Os poluentes NOX e O3 têm um papel interveniente na poluição fotoquímica, sendo portanto alvo de avaliação regional. O modelo de escala local recomendado pela United States Environmental Protection Agency (US EPA) como modelo regulatório é o AERMOD. Este modelo é o mais

3 amplamente utilizado em estudos de dispersão atmosférica de escala local, sendo também o mais robusto e o que produz resultados mais consistentes. [1] A nível de impactes regionais, podem indicar-se dois modelos, o CALPUFF - Long Range Transport Air Dispersion Model e o TAPM The Air Pollution Model. O Calpu! é um modelo 3D, não estacionário, recomendado pela EPA, aplicável a escalas da ordem das dezenas às centenas de quilómetros. Inclui as variações no espaço e no tempo das variáveis meteorológicas relevantes para o transporte e dispersão dos poluentes, bem como efeitos de remoção dos poluentes por deposição seca e húmida e transformações químicas, com possibilidade de previsão de formação de poluentes secundários. Tem a vantagem de poder simular em condições de terreno e campos de vento complexos, como os encontrados nas zonas costeiras, mas mantendo a capacidade de modelação para um ano de dados, o que facilita a comparação dos resultados com a legislação aplicável. Não possui, no entanto a capacidade de previsão da formação de ozono. [1] O TAPM é um modelo desenvolvido pela CSIRO Marine and Atmospheric Research, que inclui um módulo meteorológico de mesoscala, que permite a estimar dados meteorológicos para um determinado local, e um módulo de dispersão de poluentes, incluindo a formação fotoquímica de poluentes secundários, nomeadamente de ozono. O módulo meteorológico permite fazer o prognóstico de um ano de dados meteorológicos para um determinado local a partir da base de dados europeia do respectivo ano em estudo. [2] DESCRIÇÃO DOS DADOS UTILIZADOS: EMISSÕES, METEOROLOGIA E QUALIDADE DO AR Nos modelos matemáticos de dispersão atmosférica são introduzidos, sempre que possível, dados reais de emissão da indústria, produzindo resultados de concentração de poluentes que possibilitem a posterior comparação quer com valores resultantes de medições reais, e com os valores limite aplicáveis. Com vista à melhoria da representatividade dos dados utilizados opta-se, nos casos em que a informação se encontre disponível, por considerar a informação horária das emissões das fontes fixas existentes, baseada nas medições em contínuo efectuadas ao efluente. Nos casos em que essa informação não exista, são consideradas as emissões médias ou máximas das medições pontuais efectuadas durante o período de estudo. Os dados meteorológicos horários inseridos no modelo devem coincidir com o período de emissões considerado. Sempre que possível é privilegiada a utilização de informação meteorológica local. Esta informação deve ser sempre obtida em fontes fidedignas, e ser

4 o mais representativa possível da realidade meteorológica do domínio em estudo. Por este motivo os dados meteorológicos horários inseridos no modelo devem ser enquadráveis na Normal Climatológica considerada representativa da região em estudo. Quer ao nível de emissões, quer ao nível de dados meteorológicos, é considerado no mínimo o período de um ano, de forma a abranger a sazonalidade meteorológica e a eventual variabilidade das emissões associadas à actividade antropogénica. Para além das emissões, condições de emissão, e da meteorologia, outros factores têm um papel relevante na dispersão de poluentes, como os obstáculos próximos, o uso do solo e a topografia, devendo esta informação ser considerada pelo modelo para a estimativa das concentrações ao nível do solo. No que diz respeito à qualidade do ar, as Estações de Medição são classificadas segundo o local de implantação. As estações podem ser de tráfego, industriais e de fundo. São também classificadas pelo tipo de ambiente/zona em que estão inseridas, podendo este ser do tipo urbano, suburbano ou rural. A área de representatividade de um determinado tipo de estação varia com a localização da mesma. Para uma estação de tráfego localizada num ponto crítico, por exemplo, a representatividade espacial pode ser inferior a 10 metros de raio. A área de representatividade específica de um determinado ponto de medição é de difícil determinação, requerendo a realização de medições extensas na envolvente da estação em estudo, ou a aplicação de modelos de dispersão baseados em inventários de emissão criteriosos. [3] [4] Para os objectivos preconizados pelos estudos que pretendem apurar a influência de uma ou várias unidades industriais em meio urbano, a comparação entre valores estimados e valores medidos deve ser sempre efectuada em estações cuja área de representatividade seja alargada e alcance, no mínimo, a indústria em estudo e as restantes fontes consideradas na modelação. INCERTEZAS ASSOCIADAS AOS VALORES ESTIMADOS E MEDIDOS A aplicação dos modelos de qualidade do ar apresenta incertezas, quer ao nível dos dados de entrada, baseados na sua maioria em resultados de equipamentos de medição com uma incerteza associada (concentrações medidas nas fontes fixas e dados meteorológicos), quer ao nível das lacunas de informação, o que obriga a aproximações da realidade. Desta forma, pode afirmar-se que os modelos matemáticos de dispersão de poluentes têm uma incerteza significativa associada aos resultados que deve ser tida em conta na avaliação e análise efectuadas, sendo certo que os resultados obtidos poderão estar maximizados ou minimizados. Por esta razão, as aplicações passam, sempre que

5 existem dados disponíveis, por um processo de validação, bem como uma análise conservativa dos valores estimados. O Decreto-Lei nº 111/2002 estipula os valores de incerteza/exactidão que devem estar associados aos valores estimados pelos modelos de dispersão de poluentes atmosféricos (Tabela 1). Tabela 1 Objectivos de Qualidade para a modelação indicados no Decreto-Lei nº 111/2002 [5] DECRETO-LEI Nº 111/2002 SO2 E NO2 (EXACTIDÃO) PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO (EXACTIDÃO) BENZENO (INCERTEZA) CO (INCERTEZA) Médias 1H 50-60% Médias 8H % Médias 24H 50% Ainda não definidas Médias Anuais 30% 50% 50% -- Os dados de qualidade do ar medidos em contínuo nas Estações de Medição têm, à semelhança dos dados estimados, uma incerteza/exactidão associada aos equipamentos de medição, cujos valores máximos aplicáveis aos valores anuais se encontram legislados no Decreto-Lei nº 111/2002 (Tabela 2). Tabela 2 Objectivos de Qualidade para a medição em contínuo indicados no Decreto-Lei nº 111/2002 [5] DECRETO-LEI Nº 111/2002 SO2 E NO2 (EXACTIDÃO) PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO E CHUMBO (EXACTIDÃO) BENZENO (INCERTEZA) CO (INCERTEZA) Exactidão 15% 25% Incerteza % 15% Taxa mínima de recolha Período mínimo de amostragem 90% 90% 90% 90% % em meio urbano e em locais de tráfego 90% em meios industriais -- ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS A análise da relação Valor Estimado / Valor Medido deve ser feita hora à hora, conjuntamente com as condições meteorológicas observadas, para cada ponto de medição. Esta análise deve permitir determinar a fracção do valor medido que, em cada hora, corresponde à concentração estimada pelo modelo, resultante unicamente das emissões da unidade fabril em estudo. A interpretação dos resultados deve ser feita tendo em conta:

6 A caracterização da qualidade do ar do meio urbano em estudo; nomeadamente, se os valores medidos excedem ou não os valores limites legislados para o ar ambiente; O inventário de emissões da área urbana, discriminado por tipo de fonte. Para tal, será necessário efectuar um levantamento das principais fontes emissoras existentes na área em estudo. A APA disponibiliza uma base de dados com as emissões por concelho, relativas ao ano 2005, que poderá ser utilizada para este efeito; O tipo de representatividade espacial da Estação de Medição a ser estudada: tráfego, industrial ou de fundo. Nas Estações de tráfego será à partida mais visível o impacte sobre poluentes tipicamente de origem industrial, como o SO2, dado que a emissão deste poluente pelos veículos automóveis é considerada negligenciável. No caso de poluentes como o NO2, CO ou PM10 a contribuição de uma unidade industrial, em termos percentuais, poderá não ser tão elevada, se o tráfego verificado nas vias rodoviárias envolventes à estação for muito intenso. Por seu lado, a influência da actividade industrial junto de uma estação industrial poderá será muito elevada, se a indústria se localizar na envolvente próxima da estação. Contudo, a contribuição expectável em pontos de medição situados fora da área de influência da indústria é bastante menor, e os valores de medição serão, nesse caso, imputados maioritariamente à zona industrial onde se encontra inserido. As Estações de fundo são geralmente as mais favoráveis à verificação da influência da Indústria, dado não estarem fortemente afectadas por outras fontes, e apresentarem uma maior representatividade espacial; A representatividade e fiabilidade dos valores de emissão: A utilização de um factor de emissão variável ao longo do período analisado é preferível à utilização de um valor de emissão constante ao longo do ano. Os dados deverão ser medidos em equipamentos calibrados e sujeitos a uma manutenção periódica; A representatividade e fiabilidade do ano meteorológico considerado. Deve ser medido preferencialmente numa estação local, calibrada e sujeita a uma manutenção periódica, numa zona sem obstruções à livre passagem do ar, e com elevada representatividade espacial; A localização da indústria face à área urbana, no que diz respeito à direcção de vento dominante (direcção de vento que se fez sentir, no ano estudado, com maior frequência), assim como a velocidade de vento registada. Com a indústria localizada a montante da cidade (massas de ar provenientes da zona de implantação da indústria) e com velocidades de vento de intensidade fraca ou moderada, é expectável uma

7 contribuição significativa da actividade da indústria nos valores medidos nas estações de qualidade do ar. Por sua vez, com a instalação a jusante, ou com ventos calmos, será expectável que a actividade industrial pouco afecte a qualidade do ar em meio urbano; A topografia local. A topografia afecta o campo de ventos e a estabilidade atmosférica, e consequentemente a dispersão de poluentes. Numa área de relevo pouco acentuado será expectável que a pluma proveniente das fontes industriais se propague com maior facilidade até à área urbana mais próxima, contudo, com terreno de relevo mais complexo, pode acontecer que a pluma não chegue a atingir a população mais próxima, ou, se esta se encontrar num ponto elevado, seja pelo contrário bastante afectada pelas emissões da indústria. CONCLUSÕES Em síntese, no que toca à contribuição da indústria para a deterioração da qualidade do ar nas áreas urbanas, salientam-se alguns aspectos fundamentais que podem influenciar significativamente os resultados: 1. A qualidade do ar da área urbana resultante de outras fontes, nomeadamente, se os valores limite legislados são excedidos; 2. A fiabilidade e representatividade dos dados introduzidos no modelo de qualidade do ar, particularmente no que diz respeito às emissões das indústrias e aos dados meteorológicos; 3. As condições meteorológicas registadas. A meteorologia é um factor determinante na capacidade de dispersão do meio, nas reacções de transformação e de remoção dos poluentes da atmosfera, e no transporte dos poluentes para áreas afastadas das fontes emissoras; 4. A topografia da envolvente, com influência decisiva no percurso das massas de ar, e o uso do solo (com influência também na estabilidade da atmosfera e no processo de dispersão); 5. As emissões e condições de emissão. Para além dos valores de concentração no efluente, são particularmente relevantes os valores de velocidade de emissão, temperatura, pressão, e a altura de emissão; 6. A distância das fontes à área urbana; 7. As incertezas associadas ao modelo e aos equipamentos de medição de poluentes pertencentes às Estações de Qualidade do Ar.

8 A avaliação da influência da actividade industrial no meio urbano reveste-se de particular relevância nos processos de Avaliação de Impacte Ambiental e nos Instrumentos de Gestão do Território, que permitem efectuar avaliações prévias da adequação da localização de determinadas fontes emissoras face aos futuros receptores em meio urbano. Destes últimos, é particularmente relevante a Avaliação Ambiental Estratégica, na sua vertente de qualidade do ar, já que permite gerir o território com base no que existe e nas orientações para o futuro, de forma integrada face a todos os intervenientes e factores que determinam a evolução do uso do solo. REFERÊNCIAS [1] [2] [3] [4] Larssen, S.; Sluyter, R.; Helmis, C., 1999, Criteria for Euroairnet The EEA Air Quality Monitoring and Information Network, Agência Europeia do Ambiente [5] Decreto-Lei nº 111/2002, de 16 de Abril

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização

Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Enquadramento da rede de monitorização da qualidade do ar na Região Centro e sua monitorização Cristina Taliscas Novembro 2011 Poluentes atmosféricos e seus efeitos Legislação da qualidade do ar ambiente

Leia mais

II - QUALIDADE DO AR JANEIRO 2009

II - QUALIDADE DO AR JANEIRO 2009 JANEIRO 2009 II - QUALIDADE DO AR FICHA TÉCNICA O Plano Municipal de Odivelas foi elaborado por iniciativa do Município de Odivelas, em resultado da deliberação, de 2001, da então Comissão Instaladora

Leia mais

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO ASCENDI AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA - RESUMO NÃO TÉCNICO - - ADITAMENTO - JUNHO 2010 CERTINOR Engenharia e Consultoria, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA Av. da República, n.º 2503, Sala

Leia mais

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de PM10 em pedreiras Paulo de Pinho Sérgio Lopes Luís Lemos Departamento de Ambiente da Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase

A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase O QUE É? A rede meteorológica é o conjunto dos pontos onde se medem as variáveis de estado da fase atmosférica do ciclo hidrológico. Compreende estações udométricas, onde se mede apenas o hidrometeoro

Leia mais

MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO RESUMO NÃO TÉCNICO

MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO RESUMO NÃO TÉCNICO Câmara Municipal de Viana do Castelo MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO Novembro de 2008 MAPA DE RUÍDO DO TERRITÓRIO MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO Equipa Técnica: José F. G. Mendes,

Leia mais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais

Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais Guia de Apoio à Realização de Inspecções Ambientais 1-Introdução As inspecções ambientais são o garante da implementação e cumprimento da legislação ambiental por parte das empresas que exercem actividades

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS. Centro de Monitorização e Controlo do Espectro AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM ARRUDA DOS VINHOS Centro de Monitorização e Controlo do Espectro 12 de Julho de 2011 Em 2011-07-12, e em complemento à análise de cobertura TDT solicitada para efeitos de

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10 ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 501-1998; Fax: (0xx21) 241-1354 FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE

Leia mais

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO Autor:Marcelo Camilli Landmann Aluno de doutorado do PROCAM/USP Programa de Ciência Ambiental Universidade de

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Edvan Casagrande dos Santos¹; Alice César Fassoni de Andrade¹; Rita de Cássia Marques Alves¹ Norton

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2002 de 16 de Abril

Decreto-Lei n.º 111/2002 de 16 de Abril Decreto-Lei n.º 111/2002 de 16 de Abril O regime geral da gestão da qualidade do ar ambiente consta actualmente do Decreto-Lei n.º 276/99, de 23 de Julho. Este diploma reformou o quadro legislativo aplicável

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO NORTE E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA (2005 2010) SÍNTESE

EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO NORTE E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA (2005 2010) SÍNTESE EVOLUÇÃO DA QUALIDADE DO AR NA REGIÃO NORTE E APLICAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA (2005 2010) SÍNTESE Setembro de 2011 1. Avaliação da Qualidade do Ar entre 2005 e 2010 Da análise efectuada aos resultados

Leia mais

Plano Básico Ambiental

Plano Básico Ambiental Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e Plano Básico Ambiental SEÇÃO VI - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO RADIOLÓGICO Projeto 4 Monitoramento Meteorológico 0 Emissão inicial 14/06/2010

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

SUMÁRIO. ESTUDOS DE ODORES Análise olfatométrica Enquete Júri fixo e júri móvel Medição de eficiência

SUMÁRIO. ESTUDOS DE ODORES Análise olfatométrica Enquete Júri fixo e júri móvel Medição de eficiência SUMÁRIO ESTUDOS DE MODELAGEM Modelagem de dispersão com AERMOD Modelagem de dispersão com CALPUFF Investigação através de técnicas estatísticas e interpretação gráfica Modelagem CMAQ Modelagem WRF Modelagem

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.281.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.208.04 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX

CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX CARACTERIZAÇÃO CLIMÁTICA DA ZONA LESTE DE SÃO PAULO, UM EXEMPLO DE INTERAÇÃO ENTRE A EACH-USP E O BAIRRO JARDIM KERALUX Rita Yuri Ynoue Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo.

Leia mais

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Qualidade do Ar Fontes de

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA

AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA AVALIAÇÃO DA COBERTURA TDT EM BUCELAS, FREIXIAL E CHAMBOEIRA DGE1 - Centro de Monitorização e Controlo do Espectro Xxxxx xxxxxxxxxx Xxx x xx xxxxxxx Xxxx xxxxx Xxxx xxxxxxxx Xxxxxx xxxxxxxx 12 de Junho

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO

QUALIDADE DE SERVIÇO DE NATUREZA TÉCNICA NO SECTOR ELÉCTRICO QUALIDADE DE SERVIÇO TÉCNICA A qualidade de serviço de natureza técnica no sector eléctrico está associada à análise dos seguintes aspectos: Fiabilidade do fornecimento da energia eléctrica (continuidade

Leia mais

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso

ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso ANA Aeroportos de Portugal Aeroportos e Ruído: Uma Gestão de Compromisso O ruído tem vindo a assumir um lugar de destaque no conjunto de preocupações dos cidadãos em matéria ambiental. De acordo com informação

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo BASE LEGAL Decreto Estadual nº 59.113 de 23 de abril de 2013 Resolução CONAMA 03/90 PONTOS IMPORTANTES Novos padrões de qualidade do ar, conforme

Leia mais

24/05/2015. Seminário Energia e Ambiente 19 Maio 2015. Seminário Energia e Ambiente, 2/37

24/05/2015. Seminário Energia e Ambiente 19 Maio 2015. Seminário Energia e Ambiente, 2/37 Seminário Energia e Ambiente 19 Maio 2015 Cláudia Trindade claudiatrindade@sondar.net Sara Capela sara@uvw.pt 2/37 1 3/37 Solução? SONDAR.i Efluentes Gasosos SONDARLAB Medições da Qualidade Ar Exterior

Leia mais

Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes.

Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes. Utilização de imagens de satélite e modelagem numérica para determinação de dias favoráveis a dispersão de poluentes. Claudinéia Brazil Saldanha Rita de Cássia Marques Alves Centro Estadual de Pesquisas

Leia mais

Luís Filipe A. C. Nunes

Luís Filipe A. C. Nunes Luís Filipe A. C. Nunes INTRODUÇÃO A instalação e exploração de uma estação meteorológica, clássica ou automática-ema, é relativamente simples, mas pode complicarse nalgumas circunstâncias; Não existem

Leia mais

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990.

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. São Paulo, 6 de fevereiro de 2014 Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. Considera-se a iniciativa

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA METEOROLOGIA NA DISPERSÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR.

A INFLUÊNCIA DA METEOROLOGIA NA DISPERSÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR. A INFLUÊNCIA DA METEOROLOGIA NA DISPERSÃO DOS POLUENTES ATMOSFÉRICOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR. Autor: Diógenes Ganghis Pimentel de Lyra Engenheiro Químico da Cetrel S.A, Doutorando em Engenharia

Leia mais

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira.

Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Limites de emissão para poluentes atmosféricos gerados em processos de geração de calor a partir da combustão de derivados da madeira. Artigo - Ficam aqui definidos os limites máximos para a emissão de

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DE TRANSPORTES ESCOLARES Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de Azambuja de 19 de Setembro de 2012, publicada pelo Edital n.º 77/2012, de 26 de Outubro de 2012. Em vigor desde

Leia mais

MANUAL DE MÉTODOS E DE PROCEDIMENTOS OPERATIVOS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO AR. Amostragem e Análise

MANUAL DE MÉTODOS E DE PROCEDIMENTOS OPERATIVOS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO AR. Amostragem e Análise MANUAL DE MÉTODOS E DE PROCEDIMENTOS OPERATIVOS DAS REDES DE MONITORIZAÇÃO DA QUALIDADE DO AR Amostragem e Análise Laboratório de Referência do Ambiente REVISÃO 1/2010 Maio 2010 Título: MANUAL DE MÉTODOS

Leia mais

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda.

Volkswagen Autoeuropa, Lda. Volkswagen Autoeuropa, Lda. 5.º Aditamento à LICENÇA AMBIENTAL nº 1/2004 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 5.º Aditamento à Licença Ambiental do operador Volkswagen

Leia mais

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador

Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Jorge Mendonça e Costa jmcosta@cogenportugal.com Manual de Apoio ao Cogerador Simulador do Cogerador Manual de Apoio ao Cogerador: Motivação Manual de

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS LABORATÓRIO DE CLIMATOLOGIA E ANÁLISE AMBIENTAL Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora

Leia mais

Inventário de Emissões

Inventário de Emissões . Betina Alcobia, nº 15822 Carlos Netto, nº 15441 Luís Mendes, nº 14386 Pedro Baptista, nº 15493 Poluição e Gestão do Ar (Prof. Dr. Francisco Ferreira) Inventário de Emissões.......... Contabilização de

Leia mais

Evolução da qualidade do ar em Portugal entre 2001 e 2005

Evolução da qualidade do ar em Portugal entre 2001 e 2005 Evolução da qualidade do ar em Portugal entre 21 e Relatório Amadora 28 Ficha técnica: Título: Evolução da qualidade do ar em Portugal entre 21 e Relatório Autoria: Agência Portuguesa do Ambiente [Departamento

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos)

PLATAFORMA LOGÍSTICA DE LEIXÕES PÓLO 2 GATÕES / GUIFÕES (Área de Serviços Logísticos) ! " Capítulo I Introdução Geral Capítulo II Antecedentes do Projecto Capítulo III Conformidade com a DIA Capítulo IV Planos de Monitorização Ambiental Capítulo V Conclusões ANEXOS TÉCNICOS BIBLIOGRAFIA

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

Eco-Routing. Desenvolvimento de um sistema inteligente de suporte à decisão na escolha de rotas

Eco-Routing. Desenvolvimento de um sistema inteligente de suporte à decisão na escolha de rotas Eco-Routing Desenvolvimento de um sistema inteligente de suporte à decisão na escolha de rotas Margarida C. Coelho 1, Jorge Bandeira 1, Tânia Fontes 1, Sérgio Pereira 1, Oxana Tchepel 2, Daniela Dias 3,

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz

Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO... 2 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 3 3.1. Definição do Âmbito e Objectivos do Estudo... 3 3.2. Aquisição

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e Resolução CONAMA nº XX, de XX de XXXX, de 20XX Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a resolução CONAMA nº 3/1990. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA,

Leia mais

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Portaria n.º 827/2005, de 14 de Setembro Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) Estabelece as condições de venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) O Decreto-Lei n.º 134/2005, de 16 de Agosto, que permite a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM)

Leia mais

Aplicação de filtros de partículas em veículos pesados

Aplicação de filtros de partículas em veículos pesados Resultados dos testes realizados Francisco Ferreira, Hugo Tente, Pedro Gomes FCT-UNL Luísa Nogueira CCDR-LVT Carlos Borrego, Ana Isabel Miranda, Jorge H. Amorim, Pedro Cascão, Anabela Carvalho UAVR-CESAM

Leia mais

Avaliação do Modelo Dispersão de Contaminantes CALPUFF em Condições de Vento Forte

Avaliação do Modelo Dispersão de Contaminantes CALPUFF em Condições de Vento Forte Avaliação do Modelo Dispersão de Contaminantes CALPUFF em Condições de Vento Forte Franco Caldas Degrazia Doutorando em Engenharia Mecânica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica - UFRGS franco_degrazia@uniritter.edu.br

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL

CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉCTRICA A PRODUTORES EM REGIME ESPECIAL Entre EDP Serviço Universal, S.A., com sede na Rua Camilo Castelo Branco, 43, em Lisboa, com o capital social de 10 100 000 (dez

Leia mais

Conceitos. SERVIÇOS CENTRAIS Av. da Liberdade 194, 1269-051 Lisboa Tel.: 21 317 92 00 Fax: 21 317 92 16/7. Página 1

Conceitos. SERVIÇOS CENTRAIS Av. da Liberdade 194, 1269-051 Lisboa Tel.: 21 317 92 00 Fax: 21 317 92 16/7. Página 1 Conceitos Página 1 Ficha1. Plano de Actividades O que é o Plano de Actividades? O Plano de Actividades integra o processo de planeamento e constitui uma peça fundamental, a partir da qual, se define para

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS ABASTECIMENTO DE ÁGUA, SANEAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS E GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS O setor de serviços de águas compreende: as atividades de abastecimento de água às populações urbanas e rurais e às atividades

Leia mais

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES

UVW 9. SÍNTESE DE IMPACTES 9. SÍNTESE DE IMPACTES Um dos objectivos fundamentais deste Estudo de Ambiental é o de identificar os impactes diferenciais da utilização de RIP como combustíveis alternativos. Assim, a existência ou não

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.170.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Mega-Cidades. K. M. Longo, S. R. Freitas. http://www.cptec.inpe.br/meio_ambiente

Mega-Cidades. K. M. Longo, S. R. Freitas. http://www.cptec.inpe.br/meio_ambiente Qualidade do Ar e Mudanças Climáticas na América do Sul: da Escala Regional para Mega-Cidades K. M. Longo, S. R. Freitas http://www.cptec.inpe.br/meio_ambiente Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa M. Fátima Reis Unidade de Saúde Ambiental 1 ESTRUTURA 1. Enquadramento 2. Vigilância Epidemiológica Fundamentação Componentes

Leia mais

INSPEÇÃO VEICULAR & SAÚDE I/M-SP DIESEL 2011 LPAE/FMUSP

INSPEÇÃO VEICULAR & SAÚDE I/M-SP DIESEL 2011 LPAE/FMUSP Introdução O impacto de ações ambientais ou o desenvolvimento e comparação de cenários de intervenção ambiental requerem a combinação de um conjunto de diferentes técnicas para quantificar indicadores

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES

BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES BOLETIM DE ENSAIO - AVALIAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO DE POLUENTES EDP Valor Setúbal Data de emissão: 27-Set-2010 Índice 1. Sumário... 4 2. Metodologia... 4 3. Avaliação da concentração de poluentes... 4 3.1.

Leia mais

Localização em Redes Móveis Celulares. Ivo Sousa

Localização em Redes Móveis Celulares. Ivo Sousa Localização em Redes Móveis Celulares Ivo Sousa Novembro de 28 1. Motivação e objectivos do trabalho Grande vulgarização dos telemóveis desde os anos noventa Aumento do número de chamadas de emergência

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO A preencher pela entidade formadora Entidade Acção Distribuição, Comercialização e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Nº Local Duração 9 horas Data a Laboral Pós-Laboral

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente Tema: As questões ambientais da Região Metropolitana de São Paulo Palestra: Estratégias de Proteção da Qualidade do Ar na RMSP Debatedor: Nelson Nefussi Consultor

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Automatização do processo de Controlo Ambiental Auto-controlo ambiental Sendo a Indústria que detém fontes poluidoras (Cimenteiras, Produção de energia, Incineradoras, etc.), uma das mais intervenientes

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA)

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) WORKSHOP Análise e Monitorização Química do Estado da Água Perspectivas para os Laboratórios Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) Directiva das Águas Subterrâneas Decreto Lei nº 208/2008 Implementação

Leia mais

Manual de Apoio ao Preenchimento do formulário único SIRAPA Dados PRTR. Agrupamento 9. Emissões Solo

Manual de Apoio ao Preenchimento do formulário único SIRAPA Dados PRTR. Agrupamento 9. Emissões Solo Manual de Apoio ao Preenchimento do formulário único SIRAPA Dados PRTR Agrupamento 9 Emissões Solo Agência Portuguesa do Ambiente FICHA TÉCNICA TÍTULO MANUAL DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ÚNICO

Leia mais

PROJECTO TER TOTAL ENERGY ROCKS

PROJECTO TER TOTAL ENERGY ROCKS PROJECTO TER 15 DE DEZEMBRO DE 2009 Projecto desenvolvido por: Professora Ana Mafalda Henriques Alunos Adriano Félix Ana Filipa Gonçalves Ana Rita Castelão André Gomes Lady Burrell Lauro Espanhol Marta

Leia mais

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS

ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS ORIENTAÇÕES NO ÂMBITO DA ELABORAÇÃO DA DECLARAÇÃO AMBIENTAL E RESPETIVAS I. Objetivo ATUALIZAÇÕES As Declarações Ambientais (DA) elaboradas no âmbito do Sistema Comunitário de Ecogestão e Auditoria, devem

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ PORTARIA SEMA/IAP Nº 001, DE 09 DE JANEIRO DE 2008 (D.O.E.PR. Nº 0000 DE 00/01/2008) Aprova e determina o cumprimento da Instrução Normativa IAP/DEPAM nº 001/2008, referentes às diretrizes para apresentação

Leia mais

Poluição atmosférica Avaliação local integrada

Poluição atmosférica Avaliação local integrada Ana Isabel Miranda Poluição atmosférica Avaliação local integrada Diretiva Quadro da Qualidade do Ar Where... the levels of pollutants in ambient air exceed any limit value or target value... Member States

Leia mais

Monitorização e Auditoria

Monitorização e Auditoria Monitorização e Auditoria Duas fases no processo de AIA, enquanto processo de planeamento e gestão ambiental: - A fase preditiva da pré-decisão e; - A fase de gestão da pós-decisão. A avaliação da capacidade

Leia mais

Impacto das emissões dos nossos automóveis no quotidiano

Impacto das emissões dos nossos automóveis no quotidiano Dia Mundial da Metrologia Medições na Vida Quotidiana Impacto das emissões dos nossos automóveis no quotidiano Alexandra Costa e André Ramalho ISQ Visão geral Fundado em 1965. Empresa privada, sendo uma

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DO CURSO DE PREPARAÇÃO PARA REVISORES OFICIAIS DE CONTAS PREÂMBULO Na sequência da transposição para o ordenamento jurídico nacional da Directiva n.º 2006/43/CE, do Parlamento Europeu e do

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global

A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global Pedro M A Miranda www.cgul.ul.pt Contribuições Projecto CLIMAAT (E B Azevedo) Projecto SIAM (M A Valente, A Tomé, R Trigo, M F Coelho, A Aguiar,

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO DE ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA A FIXAÇÃO DE UNIDADES INDUSTRIAIS, COMERCIAIS E/OU DE SERVIÇOS NA ÁREA DO MUNICÍPIO DE VIEIRA DO MINHO Nos últimos anos a Câmara Municipal de Vieira do

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO AERMET E CALMET

ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO AERMET E CALMET ESTIMATIVA DA ALTURA DA CAMADA DE MISTURA DA BACIA ÁREA (III) DA RMRJ: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS RESULTADOS DO E Davi Pegado Gomes, Mauricio Soares da Silva, Bruno D Aiuto da Cunha, José Francisco

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização II 1 setembro 2014 31 outubro Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais