Desafios para a Regulação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios para a Regulação"

Transcrição

1 Desafios para a Regulação Pedro Duarte Neves Preparado para a Conferência 20 ANOS DEPOIS: REGULAR PARA QUÊ? Setembro de 2009

2 Desafios para a Regulação 1. Implementação do Quadro Regulamentar 2. Condições actuais no sector 3. Desafios para a Regulação 2

3 Desafios para a Regulação 1. Implementação do Quadro Regulamentar 2. Condições actuais no sector 3. Desafios para a Regulação 3

4 1. Implementação do Quadro Regulamentar Vasto conjunto de intervenções regulamentares: Oferta do Lacete Local; Oferta de Referência do Serviço de Circuitos Alugados; Preços de Referência de Interligação; Price-cap para garantir a acessibilidade dos preços; Redução das terminações móveis; Regulamentos de portabilidade, de selecção e de pré-selecção; Oferta de realuguer da Linha de Assinante; Tarifa Plana de Interligação; Oferta de Referência de Acesso a Condutas. 4

5 1. Implementação do Quadro Regulamentar A intervenção do regulador criou condições competitivas: A generalidade das ofertas grossistas apresenta condições de preço abaixo das praticadas, em termos médios, na UE; Existência de uma maior amplitude de ofertas grossistas em relação à generalidade dos países da UE. 5

6 Desafios para a Regulação 1. Implementação do Quadro Regulamentar 2. Condições actuais no sector 3. Desafios para a Regulação 6

7 2. Condições actuais no sector O sector das comunicações electrónicas proporciona ofertas de serviços que, em termos de: PREÇOS QUALIDADE DIVERSIDADE PENETRAÇÃO compara favoravelmente com os níveis médios europeus. 7

8 2. Condições actuais no sector Preços retalhistas: Cabaz Fixo Residencial Baixa utilização 6º em 12 11º em 19 Média utilização 4º em 12 7º em 19 Alta utilização 3º em 12 7º em 14 Banda Larga Preços mínimos de 2 MBs 3º em 10 Preços mínimos de 4 MBs 1º em 9 Preços mínimos de 8 MBs 7º em 11 Mensalidade mínima operador histórico 3º em 13 Mensalidade 2 MBs operador histórico 2º em 8 Mensalidade 6 MBs operador histórico 1º em 3 8

9 2. Condições actuais no sector Preços retalhistas: Bundles Internet + voz fixa medianos ou dos mais baixos Internet + televisão dos mais baixos Triple-play dos mais baixos Cabaz móvel baixa utilização 5º em 12 média utilização 5º em 12 alta utilização 6º em 12 9

10 2. Condições actuais no sector Preços retalhistas (conclusão) Os níveis de preços estão próximos, mas geralmente abaixo, dos níveis de preços médios praticados nos países da UE. Em particular, é muito raro encontrar preços no quartil superior (i.e. 25 % de preços mais altos), predominando as situações do segundo quartil, ou mesmo, no caso da banda larga, do primeiro quartil (i.e. 25% dos preços mais baixos) 10

11 2. Condições actuais no sector ECTA Regulatory Scorecard 2008 ÍNDICE DE CONDIÇÕES DE MERCADO Avalia: Efectividade de concorrência nos principais mercados; Aplicação e implementação de regulação de acesso; Aplicação de remédios grossistas que favoreçam a concorrência; Preços de retalho; Incentivo do modelo ladder of investment 11 i. Serviços de voz de banda estreita 10º em 20 ii. Serviços móveis 11º em 20 iii. Serviços de acesso para empresas 2º em 20 iv. Serviços de banda larga 1º em 20

12 Desafios para a Regulação 1. Implementação do Quadro Regulamentar 2. Condições actuais no sector 3. Desafios para a Regulação 12

13 3. Desafios para a Regulação Fiscalização e supervisão das condições de funcionamento das ofertas grossistas, assegurando que as decisões do regulador são executadas nas condições e prazos definidos, para desta forma assegurar os melhores resultados para os consumidores e, também, uma utilização eficiente das infra-estruturas existentes. 13

14 3. Desafios para a Regulação Monitorar, avaliar e fiscalizar adequadamente os níveis de qualidade e de acessibilidade efectivamente assegurados aos consumidores, de forma a assegurar permanentemente um nível apropriado de confiança nas aquisições de serviços de comunicações electrónicas, reduzindo o nível de conflitualidade e de litigância que têm existido no sector. 14

15 3. Desafios para a Regulação 15 Estabelecimento de enquadramentos regulamentares adequados para os novos sistemas de tarifação final, o que requer uma rigorosa avaliação de (a) se o desenvolvimento generalizado de ofertas combinadas (bundling) afecta, ou não, as condições de concorrência, já que os operadores não estão em condições de igualdade para o desenvolvimento destas ofertas, e (b) se as condições grossistas são adequadas, em termos de igualdade para os operadores, para a prática também generalizada de tarifas planas (flat rates).

16 3. Desafios para a Regulação Assegurar condições equilibradas no mercado móvel, em termos de (a) preços praticados ao consumidor final neste mercado oligopolista, (b) incentivos ao investimento e desenvolvimento de plataformas tecnológicas eficientes, e (c) equilíbrio de condições de acesso e de utilização entre plataformas fixas e plataformas móveis, num contexto de instrumentos de regulação visivelmente escassos. 16

17 3. Desafios para a Regulação Desenvolvimento de um quadro regulamentar apropriado para o estabelecimento e desenvolvimento das Novas Redes de Acesso, de forma a potenciar a inovação na prestação de serviços aos cidadãos e da promoção de concorrência, em condições de não discriminação. 17

18 Desafios para a Regulação 18 Pedro Duarte Neves Preparado para a Conferência 20 ANOS DEPOIS: REGULAR PARA QUÊ? Setembro de 2009

A Nova Recomendação sobre Mercados Relevantes Os mercados que saem e os que ficam na nova lista de mercados susceptíveis de regulação ex ante

A Nova Recomendação sobre Mercados Relevantes Os mercados que saem e os que ficam na nova lista de mercados susceptíveis de regulação ex ante MASTER CLASS Revisão do Novo Pacote Regulamentar das Comunicações Electrónicas (Revisão 2006) A Nova Recomendação sobre Mercados Relevantes Os mercados que saem e os que ficam na nova lista de mercados

Leia mais

Nota de Abertura Estrutura do Relatório

Nota de Abertura Estrutura do Relatório 000 Nota de Abertura Estrutura do Relatório Nota de Abertura Nota de Abertura A actividade de regulação do ICP Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), no que se refere às comunicações electrónicas,

Leia mais

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis.

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis. CAPÍTULO III OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROJECTOS PRIORITÁRIOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Em termos de Objectivos estratégicos manteve-se o definido no Plano anterior, ou seja existem três vectores que se

Leia mais

OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO DO SÉCULO XXI. O Papel da Regulação no Mundo Atual Futuro Organizacional dos Reguladores PRAIA, OUTUBRO

OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO DO SÉCULO XXI. O Papel da Regulação no Mundo Atual Futuro Organizacional dos Reguladores PRAIA, OUTUBRO OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO DO SÉCULO XXI O Papel da Regulação no Mundo Atual Futuro Organizacional dos Reguladores PRAIA, 14-15 OUTUBRO 2013 Agenda 1. Introdução 2. O Papel da Regulação no Mundo Atual i.

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, SG-Greffe (2004) D/203936

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, SG-Greffe (2004) D/203936 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 3.09.2004 SG-Greffe (2004) D/203936 Autoridade Nacional de Comunicações Avenida José Malhoa nº 12 P-1099-017 Lisboa PORTUGAL Ao cuidado de: Sr. Álvaro Dâmaso, Presidente do

Leia mais

Análise de mercados relevantes Quadro síntese das medidas adoptadas

Análise de mercados relevantes Quadro síntese das medidas adoptadas Análise de mercados relevantes Quadro síntese das medidas adoptadas Medidas adoptadas Mercados Avaliação PMS Obrigações a impor aos operadores identificados com PMS em cada mercado relevante Mercados retalhistas

Leia mais

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=115179 LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA Documento

Leia mais

Seminário de Regulação AICEP Macau Março A Regulação na Era Digital

Seminário de Regulação AICEP Macau Março A Regulação na Era Digital Seminário de Regulação AICEP Macau 21-22 Março 2016 A Regulação na Era Digital João Confraria Autoridade Nacional de Comunicações Universidade Católica Portuguesa 21 março 2016 AICEP Macau jc 1 Regulação

Leia mais

Cronograma dos Programas de Acção

Cronograma dos Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas 1. Participação, a nível internacional, nos trabalhos de implementação e eventuais ajustamentos decorrentes da revisão do actual quadro

Leia mais

O ECOSSISTEMA DIGITAL: REGULAÇÃO PARA Steffen Hoernig. Conferência Anacom 22 Setembro 2015

O ECOSSISTEMA DIGITAL: REGULAÇÃO PARA Steffen Hoernig. Conferência Anacom 22 Setembro 2015 O ECOSSISTEMA DIGITAL: REGULAÇÃO PARA 2020 Steffen Hoernig Conferência Anacom 22 Setembro 2015 De onde chegámos Nos últimos 20 anos, os mercados de comunicações electrónicas viveram uma autêntica revolução

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 Sessões 15/16:

Leia mais

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Estado actual da legislação de telecomunicações e suas tendências futuras Enquadramento Fases essenciais das telecomunicações em Angola:. Fase do controlo

Leia mais

Telecomunicações: Vital Moreira. Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) Centro de Estudos de Direito Público e Regulação (CEDIPRE)

Telecomunicações: Vital Moreira. Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) Centro de Estudos de Direito Público e Regulação (CEDIPRE) Vital Moreira Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) Centro de Estudos de Direito Público e Regulação (CEDIPRE) Telecomunicações: os novos desafios regulatórios 1. Do monopólio público

Leia mais

O papel da regulação no mundo atual e o futuro organizacional do regulador

O papel da regulação no mundo atual e o futuro organizacional do regulador papel da regulação no mundo atual e o futuro organizacional do regulador Luís Manica Direção de Regulação de Mercados raia, Cabo Verde 14 de outubro de 2013 Índice 1. papel da regulação no mundo atual

Leia mais

QUADRO REGULATÓRIO ACTUAL E DESAFIOS FUTUROS & ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS RADIOELÉCTRICAS. Eng. Hilário Tamele Director de Radiocomunicações & Tecnologia

QUADRO REGULATÓRIO ACTUAL E DESAFIOS FUTUROS & ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS RADIOELÉCTRICAS. Eng. Hilário Tamele Director de Radiocomunicações & Tecnologia QUADRO REGULATÓRIO ACTUAL E DESAFIOS FUTUROS & ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS RADIOELÉCTRICAS Eng. Hilário Tamele Director de Radiocomunicações & Tecnologia Estrutura Regulatória Governo Regulador Consumidores

Leia mais

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica)

Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética. O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) Regulação, Sustentabilidade e Eficiência Energética O PPEC (Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica) IV Conferência Anual da RELOP Vitor Santos Brasília, 1 de Julho de 2011 Agenda

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.6.2016 COM(2016) 361 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E

Leia mais

- a garantia de condições de concorrência efectiva nos mercados relevantes, tudo princípios pelos quais esta empresa, de há muito, vem pugnando.

- a garantia de condições de concorrência efectiva nos mercados relevantes, tudo princípios pelos quais esta empresa, de há muito, vem pugnando. POSIÇÃO DA MobiZAPP, Comunicações Electrónicas S.A. CONSULTA PÚBLICA RELATIVA AO PROJECTO DE DECISÃO SOBRE A LIMITAÇÃO DO NÚMERO DE DIREITOS DE UTILIZAÇÃO DE FREQUÊNCIAS NAS FAIXAS DOS 450, 800, 900, 1800,

Leia mais

Mestrado Profissionalizante

Mestrado Profissionalizante Mestrado Profissionalizante Curso de Especialização Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) - Ano Letivo 2015/2016 2.º Semestre Disciplina de REGULAÇÃO DA ECONOMIA PROGRAMA Regente Luís Silva

Leia mais

VI Conferência Anual da RELOP

VI Conferência Anual da RELOP VI Conferência Anual da RELOP Novos Desafios para a Regulação do Setor Energético Vitor Santos, Presidente da ERSE Luanda, 30 de Maio de 2013 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do sector

Leia mais

Mecanismos De Fixação De Preços

Mecanismos De Fixação De Preços Regulação Económica Mecanismos De Fixação De Preços Universidade do Mindelo Mindelo, 12 de Outubro 2012 João Renato Lima A performance macroeconómica é o resultado de empresas e sectores vitalizados e

Leia mais

De 1997 a 2007, foi Conselheiro Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, órgão regulador de telecomunicações no Brasil.

De 1997 a 2007, foi Conselheiro Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, órgão regulador de telecomunicações no Brasil. Objetivos Estratégicos da Anatel e Agenda Regulatória para 2007 Este tutorial apresenta os Objetivos Estratégicos da Anatel e a Agenda Regulatória. São apresentadas as estratégias de abordagem que a Anatel

Leia mais

Portugal Telecom apresenta o novo MEO

Portugal Telecom apresenta o novo MEO Portugal Telecom apresenta o novo MEO Date : 11 de Janeiro de 2013 A Portugal Telecom apresentou hoje o novo MEO, o qual inclui o reposicionamento da marca e o lançamento do primeiro serviço quadruple

Leia mais

IFSC - São José. TELEFONIA 1 Fábio Alexandre de Souza Professor

IFSC - São José. TELEFONIA 1 Fábio Alexandre de Souza Professor IFSC - São José TELEFONIA 1 Fábio Alexandre de Souza Professor Planos Telefônicos Planos de Numeração Encaminhamento Transmissão Tarifação Sinalização Plano de Numeração Anexo à Resolução 85 de 30/12/1998

Leia mais

A Telefónica está à frente do setor com negócios inovadores baseados na tecnologia ADSL que alavancarão o crescimento do negócio de Banda larga.

A Telefónica está à frente do setor com negócios inovadores baseados na tecnologia ADSL que alavancarão o crescimento do negócio de Banda larga. Marcando tendências A Telefónica está à frente do setor com negócios inovadores baseados na tecnologia ADSL que alavancarão o crescimento do negócio de Banda larga. Nos últimos anos a Telefónica vem se

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Ex. ma Senhora,

COMISSÃO EUROPEIA. Ex. ma Senhora, COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 4.8.2014 C(2014) 5698 final Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa, n.º 12 1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado de: Fátima Barros Presidente Fax: +351

Leia mais

COMENTÁRIO DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO EM MATÉRIA DE «MUST CARRY» I ENQUADRAMENTO GERAL

COMENTÁRIO DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO EM MATÉRIA DE «MUST CARRY» I ENQUADRAMENTO GERAL COMENTÁRIO DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO EM MATÉRIA DE «MUST CARRY» I ENQUADRAMENTO GERAL O projecto de deliberação sobre «especificação de obrigações

Leia mais

Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do sector do gás natural. Aspectos chave dos comentários da Endesa Portugal

Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do sector do gás natural. Aspectos chave dos comentários da Endesa Portugal Audição Pública sobre a proposta de regulamentação do sector do gás natural Aspectos chave dos comentários da Endesa Portugal Ramón Ordás Badía Lisboa, 26 de Julho 2006 Conteúdo 1. Comentário prévio 2.

Leia mais

Evolução de preços dos serviços de comunicações eletrónicas Análise contextualizada

Evolução de preços dos serviços de comunicações eletrónicas Análise contextualizada Evolução de preços dos serviços de comunicações eletrónicas Análise contextualizada Índice 1. Introdução... 3 2. A evolução real dos preços dos serviços de comunicações eletrónicas... 3 3. A evolução do

Leia mais

IX Seminário TelComp 2016 Perspectivas para as Telecomunicações em Momento Regulatório

IX Seminário TelComp 2016 Perspectivas para as Telecomunicações em Momento Regulatório IX Seminário TelComp 2016 Perspectivas para as Telecomunicações em 2017 Momento Regulatório Novembro/2016 Aspectos Constitucionais Constituição de 1988: Art. 21. Compete à União: (...) XI - explorar, diretamente

Leia mais

Um dos principais desafios é o fato que a regulamentação e os ambientes institucionais podem evoluir tão rapidamente como o mercado

Um dos principais desafios é o fato que a regulamentação e os ambientes institucionais podem evoluir tão rapidamente como o mercado Um dos principais desafios é o fato que a regulamentação e os ambientes institucionais podem evoluir tão rapidamente como o mercado Entrevista de Elena Scaramuzzi, Program manager da Cullen International

Leia mais

Lançamento do relatório de pesquisa: Understanding what is happening in ict in mozambique

Lançamento do relatório de pesquisa: Understanding what is happening in ict in mozambique Lançamento do relatório de pesquisa: Understanding what is happening in ict in mozambique Francisco Mabila Director do Centto de Informática da UEM mabila@uem.mz Maputo, Novembro 2014 Conteúdo da apresentação

Leia mais

O Mercado das Telecomunicações Progressos e Desafios

O Mercado das Telecomunicações Progressos e Desafios O Mercado das Telecomunicações Progressos e Desafios João Cadete de Matos 25.10.2017 Indice 1. Progressos 1.1 Cobertura de redes 1.2 Penetração de serviços 2. Desafios 2.1 Comércio eletrónico 2.2 Neutralidade

Leia mais

PARECER DA ANACOM. (emitido nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 6º dos Estatutos)

PARECER DA ANACOM. (emitido nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 6º dos Estatutos) http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=51239 PARECER DA ANACOM (emitido nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 6º dos Estatutos) A OniWay Infocomunicações, S.A. (OniWay) apresentou uma exposição

Leia mais

ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações

ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=79170 ICP-ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações CONSULTA PÚBLICA SOBRE O PROCESSO DE DEFINIÇÃO DE MERCADOS RELEVANTES, AVALIAÇÃO DE PMS E IMPOSIÇÃO DE

Leia mais

Evolução tecnológica e novos serviços

Evolução tecnológica e novos serviços Evolução tecnológica e novos serviços Desafios para o Serviço Público Eduardo Cardadeiro Outubro 2007 ÍNDICE Serviço Público: o modelo conceptual face à convergência e aos padrões de consumo Competências

Leia mais

A Perspectiva da Competição no Mercado de Telefonia Fixa A Visão da GVT

A Perspectiva da Competição no Mercado de Telefonia Fixa A Visão da GVT A Evolução na Dinâmica dos Negócios das Telecomunições Brasileiras A Perspectiva da Competição no Mercado de Telefonia Fixa A Visão da GVT Amos Genish CEO Painel Telebrasil Costa do Sauípe, 26 de junho

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA CONTRIBUIÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMAS TARIFÁRIOS PARA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS ELÉTRICOS

TÍTULO: ANÁLISE DA CONTRIBUIÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMAS TARIFÁRIOS PARA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS ELÉTRICOS 16 TÍTULO: ANÁLISE DA CONTRIBUIÇÃO DOS MODELOS DE SISTEMAS TARIFÁRIOS PARA EFICIÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DOS SISTEMAS ELÉTRICOS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS 2008

RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS 2008 RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS 2008 - Julho de 2009 Servir a Concorrência ÍNDICE 1. Sumário Executivo... 4 2. Objecto e Método... 7 3. Sector das Comunicações

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 1/PAR-ER/2012

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 1/PAR-ER/2012 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 1/PAR-ER/2012 Assunto: Parecer sobre uma operação de concentração relativa à aquisição da carteira de clientes residenciais

Leia mais

Rui Cunha MARQUES, CESUR, IST, Portugal Pedro SIMÕES, CESUR, IST, Portugal

Rui Cunha MARQUES, CESUR, IST, Portugal Pedro SIMÕES, CESUR, IST, Portugal A REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS AEROPORTUÁRIOS NA EUROPA Rui Cunha MARQUES, CESUR, IST, Portugal Pedro SIMÕES, CESUR, IST, Portugal Congresso Brasileiro de Regulação Rio de Janeiro Maio, 2009 Agenda 1. Introdução

Leia mais

A Net Neutrality no Novo Quadro Regulamentar para as Comunicações Electrónicas

A Net Neutrality no Novo Quadro Regulamentar para as Comunicações Electrónicas A Net Neutrality no Novo Quadro Regulamentar para as Comunicações Electrónicas Fórum para a Sociedade da Informação Governação da Internet 8 de Julho de 2010 Pedro Ferreira As primeiras intervenções regulatórias

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A.

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. Considerações Gerais: Esta consulta pública, essencialmente centrada nas temáticas associadas

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

NOVA POLÍTICA PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES. Secretaria de Telecomunicações

NOVA POLÍTICA PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES. Secretaria de Telecomunicações NOVA POLÍTICA PÚBLICA DE TELECOMUNICAÇÕES Secretaria de Telecomunicações PANORAMA STFC Declínio no interesse Fim das concessões Bens reversíveis Convergência tecnológica SMP e SCM: interesse e expansão

Leia mais

133 anos de Serviço Universal de Telecomunicações em Portugal

133 anos de Serviço Universal de Telecomunicações em Portugal ORDEM DOS ENGENHEIROS AVEIRO 133 anos de Serviço Universal de Telecomunicações em Portugal MsC. Raquel Castro Madureira Prof. Dr. A. Manuel de Oliveira Duarte Prof.ª Dr.ª Raquel Matias-Fonseca Raquel Castro

Leia mais

MERCADO DE TRÂNSITO NA REDE TELEFÓNICA PÚBLICA NUM LOCAL FIXO DEFINIÇÃO DO MERCADO RELEVANTE E AVALIAÇÃO DE PMS DECISÃO

MERCADO DE TRÂNSITO NA REDE TELEFÓNICA PÚBLICA NUM LOCAL FIXO DEFINIÇÃO DO MERCADO RELEVANTE E AVALIAÇÃO DE PMS DECISÃO MERCADO DE TRÂNSITO NA REDE TELEFÓNICA PÚBLICA NUM LOCAL FIXO DEFINIÇÃO DO MERCADO RELEVANTE E AVALIAÇÃO DE PMS DECISÃO ICP-ANACOM Maio 2005 ÍNDICE: I ENQUADRAMENTO... 2 II ANÁLISE... 4 A. Definição de

Leia mais

Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados

Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização de Dados Auditoria ao Guia de Medição, Leitura e Disponibilização Auditoria promovida pela EDP Distribuição nos termos estabelecidos no Regulamento de Relações Comerciais 2010 Enquadramento As regras e os procedimentos

Leia mais

O Setor de Telecomunicações

O Setor de Telecomunicações O Setor de Telecomunicações 2ª CODE Conferência do Desenvolvimento IPEA/2011 Brasília, 25 de novembro de 2011 Eduardo Levy 83 empresas representadas 17 empresas associadas Serviços de telefonia fixa Serviços

Leia mais

CIRCUITOS ALUGADOS E MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DOS SEGMENTOS TERMINAIS E DE TRÂNSITO DE CIRCUITOS ALUGADOS

CIRCUITOS ALUGADOS E MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DOS SEGMENTOS TERMINAIS E DE TRÂNSITO DE CIRCUITOS ALUGADOS RESPOSTA DA ZON AO PROJECTO DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À DEFINIÇÃO DOS MERCADOS DO PRODUTO E MERCADOS GEOGRÁFICOS, AVALIAÇÃO DE PMS E IMPOSIÇÃO, MANUTENÇÃO, ALTERAÇÃO OU SUPRESSÃO DE OBRIGAÇÕES

Leia mais

***I POSIÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU

***I POSIÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU Parlamento Europeu 2014-2019 Documento legislativo consolidado 6.4.2017 EP-PE_TC1-COD(2016)0185 ***I POSIÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU aprovada em primeira leitura em 6 de abril de 2017 tendo em vista a adoção

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

Telecomunicações e Concorrência

Telecomunicações e Concorrência Conferência APDC. Lisboa, 14 de Novembro de 2006 Telecomunicações e Concorrência As telecomunicações são fundamentais para a competitividade das empresas e para o desenvolvimento tecnológico do país e

Leia mais

A Regulação do Sector Energético

A Regulação do Sector Energético A Regulação do Sector Energético Apresentação realizada na FEUC Vítor Santos 25 de Maio de 2012 Agenda 1. Dimensões estratégicas da liberalização do setor energético 2. Liberalização do sector Energético

Leia mais

RESPOSTA DA ZON À CONSULTA PÚBLICA DO ICP-ANACOM RELATIVA AO ETHERNET (ORCE) CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS

RESPOSTA DA ZON À CONSULTA PÚBLICA DO ICP-ANACOM RELATIVA AO ETHERNET (ORCE) CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS RESPOSTA DA ZON À CONSULTA PÚBLICA DO ICP-ANACOM RELATIVA AO SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO SOBRE AS ALTERAÇÕES À OFERTA DE REFERÊNCIA DE CIRCUITOS ALUGADOS (ORCA) E À OFERTA DE REFERÊNCIA DE CIRCUITOS ETHERNET

Leia mais

Telefone Fixo. Serviço Móvel. Acesso à Internet

Telefone Fixo. Serviço Móvel. Acesso à Internet Telefone Fixo Serviço Móvel Acesso à Internet I ÍNDICE I - INTRODUÇÃO...1 II SERVIÇO TELEFONE FIXO...2 2.1- Operadores no mercado...2 2.2- Parque cliente activo...2 2.3- Taxa de penetração telefonia fixa...3

Leia mais

A Entidade Reguladora da Saúde. Porto, 6 de Março de 2012

A Entidade Reguladora da Saúde. Porto, 6 de Março de 2012 A Entidade Reguladora da Saúde Porto, 6 de Março de 2012 Agenda 1. Natureza e objectivos 2. Actividades 3. Impacto da ERS 4. Regulação adicional 2 Natureza e objectivos Regime jurídico da Entidade Reguladora

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013 Marco Regulatório Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013 Panorama do Setor Em 1997, na corrida pelo usuário, a telefonia fixa era o destaque

Leia mais

Painel Telebrasil Novo modelo: Migração para autorizações e Novas regras para o espectro

Painel Telebrasil Novo modelo: Migração para autorizações e Novas regras para o espectro Painel Telebrasil 2017 Novo modelo: Migração para autorizações e Novas regras para o espectro Setembro/2017 Fonte: Smart Insights Demanda e Investimentos Fonte: The Boston Consulting Group, com adaptações.

Leia mais

ENQUADRAMENTO REGULATÓRIO DA ACTIVIDADE DOS OPERADORES MÓVEIS VIRTUAIS (MVNO)

ENQUADRAMENTO REGULATÓRIO DA ACTIVIDADE DOS OPERADORES MÓVEIS VIRTUAIS (MVNO) http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=234406 Deliberação de 9.2.2007 ENQUADRAMENTO REGULATÓRIO DA ACTIVIDADE DOS OPERADORES MÓVEIS VIRTUAIS (MVNO) A. Enquadramento 1. No âmbito do processo de

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA ELETRÓNICA

A EVOLUÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA ELETRÓNICA A EVOLUÇÃO DA CONTRATAÇÃO PÚBLICA ELETRÓNICA 17 de dezembro de 2014 Fernando Oliveira Silva Presidente do Conselho Diretivo A Contratação Eletrónica nas Diretivas de 2004 Diretiva 2004/18/CE, de 31 MAR

Leia mais

O serviço de Postos Públicos

O serviço de Postos Públicos COMENTÁRIOS DA NOVIS À CONSULTA PÚBLICA OFERTA DE POSTOS PÚBLICOS PELO PRESTADOR DE SERVIÇO UNIVERSAL A Novis enquanto operador de telecomunicações vem por este meio tecer alguns comentários ao documento

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS

RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS 2004 Julho de 2005 1 Prefácio Ao abrigo dos poderes de supervisão de mercados, a Autoridade da Concorrência tem levado a cabo

Leia mais

Projecto de Decisão relativo à oferta pela Radiomóvel Telecomunicações, de dois novos serviços de comunicações electrónicas.

Projecto de Decisão relativo à oferta pela Radiomóvel Telecomunicações, de dois novos serviços de comunicações electrónicas. Carta enviada por protocolo Ao Conselho de Administração do ICP-Autoridade Nacional de Comunicações Av. José Malhoa, 12 1099-017 Lisboa N/ Refª. Anacom_HZone_JC20080328_Radiomóvel Lisboa, 28 de Março de

Leia mais

Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva. Andréa Farias Cavalcanti

Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva. Andréa Farias Cavalcanti Direito de Energia Professora Responsável: Doutora Suzana Tavares da Silva Andréa Farias Cavalcanti CIDADES INTELIGENTES Não há uma definição consensual em relação ao conceito de cidade inteligente, existindo

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ORGANISMO NACIONAL DE EXECUÇÃO DO REGULAMENTO (UE) Nº 181/2011, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 16 DE FEVEREIRO,

RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ORGANISMO NACIONAL DE EXECUÇÃO DO REGULAMENTO (UE) Nº 181/2011, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 16 DE FEVEREIRO, RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO ORGANISMO NACIONAL DE EXECUÇÃO DO REGULAMENTO (UE) Nº 181/2011, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 16 DE FEVEREIRO, RESPEITANTE AOS DIREITOS DOS PASSAGEIROS NO TRANSPORTE

Leia mais

de chamadas na rede telefónica pública num local fixo Observações apresentadas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 3, da Directiva 2002/21/CE 1

de chamadas na rede telefónica pública num local fixo Observações apresentadas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 3, da Directiva 2002/21/CE 1 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25/05/2010 C(2010)3338 SG-Greffe (2010) D/7167 Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa n.º 12 P-1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado de: Eng.º José Manuel

Leia mais

6. ANEXO I LISTA DE AÇÕES

6. ANEXO I LISTA DE AÇÕES 6. ANEO I LISTA DE AÇÕES Nº Objetivo Ações CALENDARIZAÇÃO 2018 2019 2020 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos Eixo de atuação - Supervisionar

Leia mais

Entre as medida propostas destacam-se:

Entre as medida propostas destacam-se: Sr. Secretário de Estado, Dr. Sérgio Monteiro, Sr. Presidente da APDC, professor Rogério Carapuça, Sr. Presidente do 23.º Congresso das Comunicações, professor Roberto Carneiro, boa tarde a todos Gostava

Leia mais

REGULAMENTO nº 01/2016 De 20 de Outubro de Regulamento Tarifário para o Transporte Marítimo de Passageiros Inter-Ilhas

REGULAMENTO nº 01/2016 De 20 de Outubro de Regulamento Tarifário para o Transporte Marítimo de Passageiros Inter-Ilhas A g ê n c i a M a r í t i m a e P o r t u á r i a Av. Marginal, Edifício do Ex-Comando Naval, C.P.: nº 7 Mindelo São Vicente Cabo Verde Telef: + 238 2324342 Fax: + 238 2324343 Email: info@amp.cv Website:

Leia mais

Banco de Portugal Open day

Banco de Portugal Open day Banco de Portugal Open day 1 março 2016 Hélder Rosalino O Eurosistema Alemanha Áustria Bélgica Chipre Eslováquia Eslovénia Espanha Estónia Finlândia França Grécia Irlanda Itália Letónia Lituânia Luxemburgo

Leia mais

Custos de contexto: Uma dimensão da competitividade da economia

Custos de contexto: Uma dimensão da competitividade da economia Custos de contexto: Uma dimensão da competitividade da economia Apresentação do - INE João Amador 14 de Outubro de 2015 Estrutura da apresentação Sumário 1. Dos custos de contexto ao crescimento económico,

Leia mais

Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto 14 de Julho de 2016 Missão, atribuições, poderes Missão Regular o sector das comunicações, incluindo as comunicações

Leia mais

Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital

Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital Redes e Serviços Convergentes para o Brasil Digital Telebrasil 2007 - Costa do Sauípe - Bahia Antônio Carlos Valente 01 de Junho de 2007 Indicadores das maiores operadoras européias Telefonia Fixa Banda

Leia mais

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE O presente questionário contém informação necessária ao acompanhamento pela ANACOM da evolução da funcionalidade da portabilidade e do cumprimento pelas empresas

Leia mais

Plano Estratégico da Multimédia. Lisboa, 12 de Dezembro de 2007

Plano Estratégico da Multimédia. Lisboa, 12 de Dezembro de 2007 Plano Estratégico da Multimédia Lisboa, 12 de Dezembro de 2007 DISCLAIMER O presente documento é uma apresentação sumária do plano estratégico da Multimédia até ao ano de 2010. O documento inclui previsões

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC)

Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Elétrica (PPEC) Workshop Quercus - Eficiência Energética - Desafios e Oportunidades para Portugal Paulo Oliveira, ERSE 6 de março de 2015 Agenda 1.

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA UIR REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS UNIDADE DE IMPLEMENTAÇÃO DA REFORMA Avenida Cónego Manuel das Neves n o 234 R/C * Luanda Angola DISCUSSÃO PÚBLICA SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

Leia mais

(Texto relevante para efeitos do EEE)

(Texto relevante para efeitos do EEE) 30.6.2016 L 173/47 REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) 2016/1055 DA COMISSÃO de 29 de junho de 2016 que estabelece normas técnicas de execução no que se refere às modalidades técnicas para a divulgação pública

Leia mais

Universidade de Aveiro 2010/02/05

Universidade de Aveiro 2010/02/05 Universidade de Aveiro 2010/02/05 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

e Desafios das Empresas Conferência Preocupações, Desafios e Oportunidades para as Empresas Fórum Tecnológico Lisboa

e Desafios das Empresas Conferência Preocupações, Desafios e Oportunidades para as Empresas Fórum Tecnológico Lisboa NOVO REGULAMENTO DE PROTEÇÃO DE DADOS Preocupações e Desafios das Empresas Regulamento Europeu de Proteção de Dados (GDPR), publicado a 25 Maio 2016, relativo à proteção das pessoas físicas no que respeita

Leia mais

MESA DE ABERTURA PLENÁRIA INICIAL

MESA DE ABERTURA PLENÁRIA INICIAL MESA DE ABERTURA PLENÁRIA INICIAL TRILHA 1 Revisão do modelo de prestação de serviços de telecomunicações no Brasil Coordenadores Flávia Lefèvre e Eduardo Parajo Os integrantes da Câmara de Universalização

Leia mais

http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=57929 ÍNDICE 1. SUMÁRIO... 1 2. OBJECTIVO...2 3. ENQUADRAMENTO REGULAMENTAR... 3 4. EVOLUÇÃO DOS PREÇOS DO CORREIO AZUL E CORREIO NORMAL... 5 4.1 METODOLOGIA...

Leia mais

Promoção da Eficiência no Consumo de Energia O programa PPEC

Promoção da Eficiência no Consumo de Energia O programa PPEC Promoção da Eficiência no Consumo de Energia O programa PPEC Pedro Verdelho Seminário: Conservação de Energia e Energias Renováveis no Sector Doméstico Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 21 de Maio

Leia mais

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE O presente questionário contém informação necessária ao acompanhamento pela ANACOM da evolução da funcionalidade da portabilidade e do cumprimento pelas empresas

Leia mais

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA

PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS (PPP) UMA FORMA ALTERNATIVA DE PENSAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM ANGOLA ÍNDICE CONTEXTO ACTUAL A NOVA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA O QUE SÃO PPP? MODELOS DE CONTRATAÇÃO PÚBLICA QUAIS

Leia mais

Uma estratégia para as pessoas e para o planeta: assegurando uma transição justa para empregos verdes dignos?

Uma estratégia para as pessoas e para o planeta: assegurando uma transição justa para empregos verdes dignos? Uma estratégia para as pessoas e para o planeta: assegurando uma transição justa para empregos verdes dignos? Judith Kirton-Darling Secretária Confederal da CES A actual situação é insustentável Socialmente:

Leia mais

Porto Salvo, 22 de Novembro de Assunto: Projecto de Regulamento de alteração ao Regulamento nº 46/2005, de 14 de Junho

Porto Salvo, 22 de Novembro de Assunto: Projecto de Regulamento de alteração ao Regulamento nº 46/2005, de 14 de Junho Exmo. Senhor Professor Doutor José Amado da Silva Presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional das Comunicações Avª. José Malhoa, 12 1099-017 Lisboa Porto Salvo, 22 de Novembro de 2006

Leia mais

Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento

Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento CONNECTING INNOVATION TO PEOPLE 5 de Junho de 2009 Seminário WAVE A Estratégia de Lisboa e o Desenvolvimento GABINETE DO COORDENADOR NACIONAL DA ESTRATÉGIA DE LISBOA E DO PLANO TECNOLÓGICO TOPICOS Estratégia

Leia mais

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes

Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n /13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Antitruste no Setor Portuário frente às inovações da Lei n. 12.815/13 Victor Oliveira Fernandes Regulação e Concorrência: o planejamento de mercados Aproximações e distanciamentos Importância

Leia mais

RELATÓRIO DE REGULAÇÃO

RELATÓRIO DE REGULAÇÃO RELATÓRIO DE REGULAÇÃO Edição ICP - Autoridade Nacional de Comunicação ISBN: 972-786-013-3 Design e Produção Foote Cone & Belding Pre-press RPO Impressão Fernandes e Terceiro Tiragem 500 exemplares Depósito

Leia mais

15T1. 16T1 / 15T4 16T1 / 15T1 Total de subscritores de pacotes de serviços ,7% 8,3%

15T1. 16T1 / 15T4 16T1 / 15T1 Total de subscritores de pacotes de serviços ,7% 8,3% Número de Subscritores 15T1 15T4 16T1 16T1 / 15T4 16T1 / 15T1 Estações móveis ativas/ assinantes STM 16.455 16.790 16.770-0,1% 1,9% Estações móveis ativas com utilização efetiva 12.755 12.779 12.781 0,0%

Leia mais

DECISÃO MERCADOS GROSSISTAS DE TERMINAÇÃO DE CHAMADAS VOCAIS EM REDES MÓVEIS INDIVIDUAIS OBRIGAÇÃO DE CONTROLO DE PREÇOS

DECISÃO MERCADOS GROSSISTAS DE TERMINAÇÃO DE CHAMADAS VOCAIS EM REDES MÓVEIS INDIVIDUAIS OBRIGAÇÃO DE CONTROLO DE PREÇOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=206823 DECISÃO MERCADOS GROSSISTAS DE TERMINAÇÃO DE CHAMADAS VOCAIS EM REDES MÓVEIS INDIVIDUAIS OBRIGAÇÃO DE CONTROLO DE PREÇOS ICP-ANACOM Fevereiro 2005

Leia mais

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro

Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social. Programa EaSI. Antonieta Ministro Programa EaSI É um instrumento de financiamento, a nível europeu, gerido diretamente pela Comissão Europeia, para apoiar o emprego, a política social e a mobilidade profissional em toda a UE Visa contribuir

Leia mais

TELEBRASIL. Os impactos do Triple Play nas Telecomunicações Brasileiras. Costa do Sauípe, Junho de diamondcluster

TELEBRASIL. Os impactos do Triple Play nas Telecomunicações Brasileiras. Costa do Sauípe, Junho de diamondcluster TELEBRASIL Os impactos do Triple Play nas Telecomunicações Brasileiras Costa do Sauípe, Junho de 2005 Mundo convergente Quando uma operadora de TV a cabo puder oferecer... Quando uma distribuidora de energia

Leia mais

Jornadas sobre a Regulação dos Mercados de Telecomunicações

Jornadas sobre a Regulação dos Mercados de Telecomunicações Jornadas sobre a Regulação dos Mercados de Telecomunicações A Telefonia Móvel Lisboa, 5 de Novembro de 2002 Conteúdo Introdução O mercado móvel actual O que muda com o UMTS? O papel do Regulador 2 Introdução

Leia mais

PACOTES DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM PORTUGAL

PACOTES DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM PORTUGAL PACOTES DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM PORTUGAL ÍNDICE ÍNDICE DE GRÁFICOS... II ÍNDICE DE FIGURAS... III ÍNDICE DE TABELAS... IV 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... - 1-2. INTRODUÇÃO... - 6-3. DEFINIÇÃO

Leia mais

Questão 1 Inicio de Prestação do SMRP com Recurso ao CDMA

Questão 1 Inicio de Prestação do SMRP com Recurso ao CDMA Questão 1 Inicio de Prestação do SMRP com Recurso ao CDMA Na perspectiva do potencial interesse que os novos serviços inerentes ao sistema tecnológico CDMA têm para o mercado, que comentários se oferecem

Leia mais