Cronograma dos Programas de Acção

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cronograma dos Programas de Acção"

Transcrição

1 P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas 1. Participação, a nível internacional, nos trabalhos de implementação e eventuais ajustamentos decorrentes da revisão do actual quadro normativo 2. Participação na definição de procedimentos harmonizados para aplicação do novo pacote regulamentar DAE, Direcções DAE, Direcções 3. Definição de indicadores de qualidade de serviço DSM, DGE, DPI, 4. Análise dos desenvolvimentos dos mercados DSM, DPI, DRC, DCD 5. Colaboração e parceria entre o ICP-ANACOM e a Autoridade da Concorrência DCD Direcções P.2 Implementação do quadro legal do comércio electrónico 1. Desenvolvimento de trabalhos no quadro da produção legislativa e regulamentar, bem como da articulação com legislação adjacente e complementar 2. Estabelecimento de relações externas, designadamente com supervisores centrais e sectoriais homólogos, a nível nacional e internacional Área-Comércio electrónico Área-Comércio electrónico P.3 Aplicação do novo quadro regulamentar ao sector postal 1. Participação, a nível internacional, nos trabalhos de implementação do quadro regulamentar, tendo em conta os desenvolvimentos ocorridos no sector 2. Definição das fases de implementação do novo quadro regulamentar DAE, Direcções DSM, DPI, DRC, DAE, 3. Análise dos desenvolvimentos do mercado DSM, DPI, DRC 44

2 P.4 Regulação e supervisão das obrigações de oferta de rede aberta e das obrigações dos operadores com poder de mercado significativo 1. Análise das Ofertas de Referência de Interligação 2. Análise da Oferta de Referência para Acesso ao Lacete Local 3. Adequação das ofertas grossistas à evolução e interesses do mercado 4. Verificação dos princípios gerais SCA interligação 5. Análise da conformidade dos sistemas de contabilidade analítica dos prestadores de SFT e dos Operadores de Serviço de Circuitos Alugados com PMS 6. Monitorização dos indicadores de qualidade de serviço do SFT e dos circuitos alugados dos operadores com PMS DPI, DRC, DGE, GACRE, DSM, DPI, DRC, DGE, GACRE, DSM, DPI, DRC, DGE, GACRE, DSM, DPI, DRC, DGE, GACRE, DSM,, GACRE P.5 Acompanhamento e análise de mercados relevantes e estudo do grau de concorrência efectiva, com vista à identificação de eventual necessidade de acção regulatória adicional 1. Identificação e definição dos mercados relevantes (incluindo a dimensão geográfica dos mercados de produtos e serviços) 2. Análise do grau de concorrência efectiva nos mercados relevantes 3. Notificação das entidades detentoras de poder de mercado significativo nos mercados relevantes 4. Definição de medidas regulatórias ex-ante aplicadas às entidades designadas com PMS 5. Monitorização/análise dos desenvolvimentos ao nível da estrutura do mercado 6. Monitorização/análise dos desenvolvimentos do mercado ao nível da oferta de serviços 7. Monitorização/análise dos desenvolvimentos do mercado ao nível do comportamento dos operadores e prestadores, GTMR, GTMR, GTMR, GTMR DSM, DPI, DRC, GTMR DSM, DPI, DRC,, GTMR DSM, DPI, DRC,, GTMR 45

3 P.6 Numeração, endereçamento, portabilidade e pré-selecção 1. Atribuição directa e por via electrónica dos recursos de numeração: implementação das condições necessárias - definição de taxas, estabelecimento de BD, etc. 2. Portabilidade geográfica: lançamento de consulta pública e aplicação dos resultados 3. ENUM: aplicação dos resultados decorrentes da consulta pública; realização de workshop; acompanhamento da evolução desta matéria, quer em termos regulatórios, quer em termos técnicos, nomeadamente impacto no PNN 4. PNN: observação das condições de utilização do PNN e eventual reajustamento dos princípios e regras associados à atribuição e gestão dos recursos; realização de workshop 5. Portabilidade de Operador: escolha de outra empresa como ER ou renegociação do contrato com a existente. 6. Estudo comparativo sobre as condições de oferta em outros países da UE P.7 Desenvolvimento e Regulação dos Mercados de Equipamentos e Infraestruturas de Telecomunicações DGE, DRC, DSM, DPI, DFA, GACRE DGE, DSM, DRC, DPI, GACRE DGE, DRC, DSM, GACRE, DPI DGE, DRC, DSM, GACRE, DPI DGE, GACRE, DSM, DPI, DRC DGE, GACRE, DSM, DPI, DRC 1. Implementação de novos procedimentos no âmbito dos laboratórios 2. Alargamento da oferta laboratorial no âmbito das medidas no exterior (no local da instalação) 3. Actualização do contexto tecnológico referenciado no regulamento ITED - acompanhamento e coordenação da actividade das entidades certificadoras 4. Promoção da formação de técnicos ITED 5. Acompanhamento do mercado de equipamento terminal para Televisão Digital 6. Verificação da conformidade da actividade das entidades envolvidas com as obrigações resultantes do regime ITED 7. Verificação da conformidade da actividades das entidades envolvidas com as obrigações resultantes do regime da R&TTE e Compatibilidade Electromagnética, DFA, GACRE, DRC,, GACRE,, DRC,, DRC, 46

4 P.8 Fiscalização das obrigações das entidades reguladas e procedimento contra-ordenacional 1. Verificação da conformidade da actividade das entidades envolvidas com as obrigações resultantes do regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais 2. Verificação da conformidade da actividade das entidades envolvidas com as obrigações resultantes do regime de acesso e exercício da actividade de comunicações electrónicas DSM, DRC DSM, DRC 3. Verificação das condições de oferta de serviços DSM, DRC 4. Fiscalização, residual e sectorial, das disposições legais estabelecidas no âmbito dos conteúdos disponíveis em rede e respectivo procedimento contra-ordenacional; resolução provisória de conflitos Área-Comércio electrónico P.9 Redução da assimetria de informação entre o regulador e a empresa regulada 1. Acompanhamento dos desenvolvimentos dos novos sistemas de acesso rádio de Banda Larga (p.ex. MWS, BRAN, UWB) 2. UMTS: acompanhamento do desenvolvimento das redes e análise de eventuais problemas de compatibilidade 3. T-DAB: planificação nacional da banda L de acordo com as decisões tomadas na Reunião Multilateral de Maastrich DGE, DSM DGE, DSM DGE 4. DVB-T: acompanhamento do desenvolvimento de redes DGE, DSM, 5. SMRP: acompanhamento do desenvolvimento das redes (TETRA, CDMA, outros) DGE, DSM 6. FWA: Acompanhamento do desenvolvimento das redes DGE, DSM, 7. Estudo sobre linhas orientadoras com vista ao aperfeiçoamento do sistema de contabilidade analítica 8. Acompanhamento da evolução nacional e internacional das condições de oferta da indústria de telecomunicações. Acompanhamento das tendências, nacionais e internacionais, ao nível das actividades de I&D por parte de operadores e prestadores de serviços 9. Realização de estudos sobre o impacto no mercado e as implicações de natureza regulamentar dos novos serviços e tecnologias que lhes estão associadas DSM, DPI,, DCD, DGE DSM, DPI,, DCD, DGE 47

5 10. Desenvolvimento de um Sistema de Gestão de Informação e de uma base de dados do mercado e respectivos processos e procedimentos de suporte 11. Levantamento e cadastro das infra-estruturas das comunicações electrónicas DSM, DPI, DFA, Direcções DCD, DGE,, DSM 12. Plataforma de Convergência DCD, GACRE 13. Estudo do impacto no mercado dos desenvolvimentos a nível tecnológico, nomeadamente da TDT, UMTS e Wi-Fi DCD P.10 Aplicação dos princípios e metodologias da gestão do espectro 1. Actualização dos procedimentos de licenciamento, incluindo a aplicação do novo tarifário 2. Disponibilização, em ambiente web, dos meios que permitam o processamento, pré-análise de pedidos de licenciamento e a simulação da respectiva taxa de utilização de espectro, bem como reclamações de interferências e outras 3. Operacionalização do SIGE (Actualização das ferramentas de software no âmbito da Engenharia de Radiocomunicações, bem como as necessidades de informação digital do terreno) 4. Projecto de monitorização integrada 5. Clarificação de competências e reforço da articulação com entidades que têm responsabilidades na gestão do espectro DGE, DFA DGE, DFA, GACRE, DGE, DFA DGE, DFA, DAC, DMD, DNT DGE, DRC 6. Estudo sobre as necessidades espectrais; análise e aplicação das conclusões DGE 48

6 P.11 Garantia de um serviço Universal 1. Estudo/Auditoria sobre metodologias e resultados apresentados pela PTC no âmbito do apuramento de custos líquidos do serviço universal 2. Monitorização da qualidade de serviço (Indicadores de qualidade de serviço e reclamações) DPI, DRC DPI, DRC 3. Análise dos Planos de Desenvolvimento DPI, DRC 4. Auditoria aos sistemas de contabilidade analítica DPI, DRC 5. Análise do Tarifário do Serviço Fixo de Telefone 6. Análise do Tarifário de Circuitos Alugados 7. Definição da oferta do conjunto mínimo de circuitos alugados e analisar as condições da oferta de circuitos alugados, GACRE 8. Negociação do Convénio de Preços Postal DPI, DRC 9. Análise do tarifário de correios DPI, DRC 10. Controlo e monitorização das obrigações da rede postal pública DPI P. 12 Consumidor/ Utilizador bem informado 1. Imagem da ANACOM e informação aos consumidores 2. Resposta integrada e coordenada a solicitações externas, oriundas de entidades nacionais e estrangeiras GACRE, Direcções, AI GACRE, Direcções 3. Biblioteca Virtual GACRE, DFA 49

7 4. Elaboração e publicação da evolução de preços e comparações internacionais de preços do serviço de correios 5. Elaboração e publicação de estudos relativos à evolução de preços e comparações internacionais de preços de SFT e circuitos alugados 6. Análise sistemática de diversos indicadores sobre a oferta dos serviços do sector das telecomunicações 7. Divulgação de informação no âmbito do ITED, R&TTE e Compatibilidade Electromagnética junto dos consumidores e de outros agentes económicos DPI, GACRE DPI, GACRE DSM, DFA, GACRE, DFA, GACRE, 8. Inquérito aos consumidores sobre TIC DCD, DSM, GACRE 9. Acções de formação e informação sobre o comércio electrónico; Marketing dos novos serviços, novos conceitos e novas missões 10. Acções de sensibilização no âmbito das facilidades de acesso para Cidadãos com Necessidades Especiais Área-Comércio electrónico, GACRE DCD, GACRE 11. Acções de informação / formação para a 3ª idade DCD, GACRE 12. Divulgação dos desenvolvimentos em matéria de privacidade e segurança DCD,, GACRE 13. Promoção da actividade laboratorial, GACRE P.13 Promoção da qualidade de serviços 1. Auditoria aos Indicadores de Qualidade de Serviço e ao sistema de reclamações DPI, 2. Realização de estudos, testes e obtenção de indicadores 3. Estudos de percepção de qualidade sobre: Serviço Fixo de Telefone; Serviço Móvel Terrestre; Serviço de Acesso à Internet; Distribuição de Televisão por Cabo; Serviços Postais 4. Aferição dos indicadores de qualidade do Serviço Móvel Terrestre - GSM e UMTS DSM, DGE, GACRE,., DSM, DGE, GACRE, DSM, DGE, GACRE, 50

8 5. Aferição dos indicadores de qualidade do Serviço de Acesso à Internet P.14 Acompanhamento e análise dos desenvolvimentos da problemática dos efeitos das radiações não ionizantes 1. Desenvolvimento de estudos e acompanhamento e análise dos desenvolvimentos no âmbito desta problemática aos níveis internacional e nacional DSM, DGE, GACRE,, DGE,, GACRE 2. Análise do cumprimento do requisito essencial para os equipamentos de radiocomunicações abrangidos pela R&TTE para os quais exista norma harmonizada,, GACRE P.15 Telecomunicações de Emergência 1. Elaboração do Plano Nacional de Telecomunicações de Emergência no âmbito do PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA do SNPC 2. Acompanhar os operadores públicos de telecomunicações com vista à introdução do 112L (identificação da localização do originador da chamada de emergência) DGE, DSM, DPI, DRC DGE, DSM, DPI, DRC DGE, DSM, DPI, DRC P.16 Estudo e promoção de condições de acesso generalizado à banda larga 1. Estudo sobre a Internet em Portugal 2. Realização de estudos e iniciativas relacionadas com as comunicações electrónicas DSM, DPI, DGE, GACRE DCD 3. Cooperação com a UMIC DCD 4. Análise da introdução do IPv6 pelos operadores e ISP (participação na task force UMIC), bem como identificação e proposta de soluções para eventuais constrangimentos de natureza regulatória 5. Identificação e caracterização das soluções de rede em função das condições geográficas e de desenvolvimento de infra-estruturas ao longo do país 6. Caracterização e promoção de infra-estruturas tecnológicas em edifícios, para acesso às diversas redes cabladas e de radiocomunicações, com possibilidade de utilização da banda larga DGE, DSM, DCD, DPI, DRC, DFA, GACRE DGE, DSM, DCD, DPI, DRC, DFA, GACRE, DCD 51

9 P.17 Promoção de novas competências 1. Divulgação e promoção da Normalização 2. Nova abordagem em termos de Regulação técnica 3. Criação de um forum de debate tecnológico envolvendo o ICP-ANACOM, operadores, indústria, associações e universidades DGE,, DCD, GACRE P.18 Sistema de Gestão pela Qualidade Total (SGQT) 1. Sistema de Gestão por Processos DFA, Direcções 2. Sistema de Gestão de Competências DFA, Direcções 3. Sistema de Indicadores de Gestão (BSC) DFA, Direcções 52

CRONOGRAMA DOS PROGRAMAS DE ACÇÃO

CRONOGRAMA DOS PROGRAMAS DE ACÇÃO E1.1 Revisão do quadro regulamentar aplicável às telecomunicações quer ao nível comunitário, quer nacional e adaptação da actividade do ICP ao novo enquadramento 1. Participação, na esfera comunitária,

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL TERRESTRE

SERVIÇO MÓVEL TERRESTRE SERVIÇO MÓVEL TERRESTRE FINALIDADES: Recolha de informação para permitir o acompanhamento da evolução do mercado no âmbito do Regulamento de Exploração dos Serviços de Telecomunicações de Uso Público.

Leia mais

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis.

Proporcionar acesso apropriado aos serviços básicos de comunicações electrónicas a preços razoáveis. CAPÍTULO III OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E PROJECTOS PRIORITÁRIOS OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS Em termos de Objectivos estratégicos manteve-se o definido no Plano anterior, ou seja existem três vectores que se

Leia mais

Comunicações e media na era digital Tendências e novos modelos de negócio

Comunicações e media na era digital Tendências e novos modelos de negócio AICEP CaboVerde, 28 e 29 de Abrilde 2014 Comunicações e media na era digital Tendências e novos modelos de negócio João Confraria Anacom Universidade Católica Portuguesa 1 Comunicações na era digital Concorrência

Leia mais

Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez.

Jan. Fev. Mar. Abr. Mai. Jun. Jul. Ago. Set. Out. Nov. Dez. http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=270402 Data de publicação 11.3.2008 Durante o ano 2007, foram recebidas na ANACOM, por escrito, 24.745 reclamações, 575 pedidos de informação, 79 petições,

Leia mais

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA

LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA http://www.anacom.pt/template15.jsp?categoryid=115179 LISTA DE NORMAS E/OU ESPECIFICAÇÕES PARA REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E RECURSOS E SERVIÇOS CONEXOS DOCUMENTO PARA CONSULTA Documento

Leia mais

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 NOTA TÉCNICA Universo de referência Organismos da Administração Pública Central Realização

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A.

CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. CONSULTA PÚBLICA: PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR COMENTÁRIOS REN REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. Considerações Gerais: Esta consulta pública, essencialmente centrada nas temáticas associadas

Leia mais

Desafios para a Regulação

Desafios para a Regulação Desafios para a Regulação Pedro Duarte Neves Preparado para a Conferência 20 ANOS DEPOIS: REGULAR PARA QUÊ? Setembro de 2009 Desafios para a Regulação 1. Implementação do Quadro Regulamentar 2. Condições

Leia mais

5. Lista de ações. Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos CALENDARIZAÇÃO

5. Lista de ações. Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos CALENDARIZAÇÃO 5. Lista de ações CALENDARIZAÇÃO Nº Ações 2016 2017 2018 2019 Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T Eixo de atuação - Supervisionar e considerar

Leia mais

Nota de Abertura Estrutura do Relatório

Nota de Abertura Estrutura do Relatório 000 Nota de Abertura Estrutura do Relatório Nota de Abertura Nota de Abertura A actividade de regulação do ICP Autoridade Nacional de Comunicações (ICP-ANACOM), no que se refere às comunicações electrónicas,

Leia mais

3. Lista de ações. Ações Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos DIREÇÕES CALENDARIZAÇÃO

3. Lista de ações. Ações Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos DIREÇÕES CALENDARIZAÇÃO 3. Lista de ações DIREÇÕES Nº Prioridade Ações 2016 CALENDARIZAÇÃO 2017 2018 2019 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos Eixo de atuação - Supervisionar

Leia mais

ARTIGO 29.º - GRUPO DE PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS

ARTIGO 29.º - GRUPO DE PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS ARTIGO 29.º - GRUPO DE PROTECÇÃO DE DADOS PESSOAIS 10750/02/PT/Final WP 58 Parecer 2/2002 sobre a utilização de identificadores únicos nos equipamentos terminais de telecomunicações: o exemplo do IPv6

Leia mais

6. ANEXO I LISTA DE AÇÕES

6. ANEXO I LISTA DE AÇÕES 6. ANEO I LISTA DE AÇÕES Nº Objetivo Ações CALENDARIZAÇÃO 2018 2019 2020 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T 1T 2T 3T 4T Garantir e proteger os direitos dos utilizadores e dos cidadãos Eixo de atuação - Supervisionar

Leia mais

PARECER DA ANACOM. (emitido nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 6º dos Estatutos)

PARECER DA ANACOM. (emitido nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 6º dos Estatutos) http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=51239 PARECER DA ANACOM (emitido nos termos da alínea a) do nº 1 do artigo 6º dos Estatutos) A OniWay Infocomunicações, S.A. (OniWay) apresentou uma exposição

Leia mais

Administração Pública Central

Administração Pública Central Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO

Leia mais

Data de publicação RELATÓRIO ECSI PORTUGAL 2007 ÍNDICE NACIONAL DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE SÍNTESE

Data de publicação RELATÓRIO ECSI PORTUGAL 2007 ÍNDICE NACIONAL DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE SÍNTESE Data de publicação 14.7.2008 RELATÓRIO ECSI PORTUGAL 2007 ÍNDICE NACIONAL DE SATISFAÇÃO DO CLIENTE SÍNTESE 1. ENQUADRAMENTO Em mercados progressivamente concorrenciais, a informação sobre as características

Leia mais

Mestrado Profissionalizante

Mestrado Profissionalizante Mestrado Profissionalizante Curso de Especialização Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDL) - Ano Letivo 2015/2016 2.º Semestre Disciplina de REGULAÇÃO DA ECONOMIA PROGRAMA Regente Luís Silva

Leia mais

e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC)

e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC) Regulação dos serviços públicos e interesses dos consumidores em Portugal Vital Moreira (CEDIPRE, FDUC) Sumário 1. Os beneficiários dos serviços públicos 2. O impacto da liberalização dos serviços públicos

Leia mais

Seminário de Regulação AICEP Macau Março A Regulação na Era Digital

Seminário de Regulação AICEP Macau Março A Regulação na Era Digital Seminário de Regulação AICEP Macau 21-22 Março 2016 A Regulação na Era Digital João Confraria Autoridade Nacional de Comunicações Universidade Católica Portuguesa 21 março 2016 AICEP Macau jc 1 Regulação

Leia mais

Telecomunicações: Vital Moreira. Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) Centro de Estudos de Direito Público e Regulação (CEDIPRE)

Telecomunicações: Vital Moreira. Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) Centro de Estudos de Direito Público e Regulação (CEDIPRE) Vital Moreira Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra (FDUC) Centro de Estudos de Direito Público e Regulação (CEDIPRE) Telecomunicações: os novos desafios regulatórios 1. Do monopólio público

Leia mais

OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO DO SÉCULO XXI. O Papel da Regulação no Mundo Atual Futuro Organizacional dos Reguladores PRAIA, OUTUBRO

OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO DO SÉCULO XXI. O Papel da Regulação no Mundo Atual Futuro Organizacional dos Reguladores PRAIA, OUTUBRO OS DESAFIOS DA REGULAÇÃO DO SÉCULO XXI O Papel da Regulação no Mundo Atual Futuro Organizacional dos Reguladores PRAIA, 14-15 OUTUBRO 2013 Agenda 1. Introdução 2. O Papel da Regulação no Mundo Atual i.

Leia mais

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira

Anexo III Plano de negócios. Plano de negócios da instituição financeira Constituição de IF Bancária Anexo III Plano de negócios Plano de negócios da instituição financeira De forma a aferir o cumprimento dos requisitos legais estabelecido na Lei das Instituições Financeiras,

Leia mais

Solução Integrada para Gestão de Projectos. para Entidades de I&DT APRESENTAÇÃO

Solução Integrada para Gestão de Projectos. para Entidades de I&DT APRESENTAÇÃO Solução Integrada para Gestão de Projectos para Entidades de I&DT APRESENTAÇÃO Sistemas de Informação Produtos e serviços na área dos sistemas de informação ERP Software Apoio à Gestão Engenharia de Software

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 005/2008 de 08 de Julho

DELIBERAÇÃO Nº 005/2008 de 08 de Julho DELIBERAÇÃO Nº 005/2008 de 08 de Julho Nos termos do artigo 2º dos Estatutos da ANAC, aprovado pelo Decreto Lei nº 31 / 2006, a Agência Nacional das Comunicações tem por finalidade principal a actividade

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE O presente questionário contém informação necessária ao acompanhamento pela ANACOM da evolução da funcionalidade da portabilidade e do cumprimento pelas empresas

Leia mais

Mobilidade: implicações económicas. Prof. João Confraria ( UCP )

Mobilidade: implicações económicas. Prof. João Confraria ( UCP ) Mobilidade Uma presença pervasiva no quotidiano das sociedades modernas 21 de Outubro de 2004 Hotel Le Meridien Mobilidade: implicações económicas Prof. João Confraria ( UCP ) Patrocínio Organização Mobilidade:

Leia mais

3. Clientes de serviços prestados em pacote

3. Clientes de serviços prestados em pacote QUESTIONÁRIO TRIMESTRAL DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM LOCAL FIXO E VOIP NÓMADA Serviço Telefónico Fixo (STF) Serviço VoIP nómada Serviço de Acesso à Internet (SAI) Serviço de Televisão por

Leia mais

Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto

Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto Anacom, Dividendo Digital 2 e TDT Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto 14 de Julho de 2016 Missão, atribuições, poderes Missão Regular o sector das comunicações, incluindo as comunicações

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE A QUALIDADE DO SERVIÇO TELEFÓNICO FIXO 1ºTRIMESTRE DE 2013

INFORMAÇÃO SOBRE A QUALIDADE DO SERVIÇO TELEFÓNICO FIXO 1ºTRIMESTRE DE 2013 INFORMAÇÃO SOBRE A QUALIDADE DO SERVIÇO TELEFÓNICO FIXO 1ºTRIMESTRE DE 2013 Indicadores de Qualidade de Serviço 1º trimestre 2013 Índice 1. Introdução... 5 2. Qualidade de serviço relativa às ofertas de

Leia mais

Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de 2008

Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de 2008 Data de publicação 24.9.2008 Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de 2008 Durante o primeiro semestre de 2008, foram recebidas na ANACOM, por escrito, 15.257 reclamações, 229 pedidos de informação,

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

CRONOLOGIA DAS COMUNICAÇÕES

CRONOLOGIA DAS COMUNICAÇÕES CRONOLOGIA DAS COMUNICAÇÕES Índice: Cronologia das comunicações 2017... 3 Cronologia das comunicações 2016... 9 Cronologia das comunicações 2015... 23 Cronologia das comunicações 2014... 33 Cronologia

Leia mais

9. Nesta conformidade, foi solicitado à PTC, em 17/10/00, que procedesse a uma revisão da proposta apresentada de acordo com o seguintes pontos:

9. Nesta conformidade, foi solicitado à PTC, em 17/10/00, que procedesse a uma revisão da proposta apresentada de acordo com o seguintes pontos: http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=207182 Deliberação de 14.6.2002 DECISÃO SOBRE AS CONDIÇÕES DE DISPONIBILIZAÇÃO DO SERVIÇO DE LISTAS TELEFÓNICAS E SERVIÇO INFORMATIVO, PREVISTOS NO ARTIGO

Leia mais

Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada. Preâmbulo

Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada. Preâmbulo Questionário trimestral dos serviços de comunicações electrónicas em local fixo e VoIP nómada 1. Tendo a conta a necessidade de: Preâmbulo Reformular a informação estatística recolhida trimestralmente

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, SG-Greffe (2004) D/203936

COMISSÃO EUROPEIA. Bruxelas, SG-Greffe (2004) D/203936 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 3.09.2004 SG-Greffe (2004) D/203936 Autoridade Nacional de Comunicações Avenida José Malhoa nº 12 P-1099-017 Lisboa PORTUGAL Ao cuidado de: Sr. Álvaro Dâmaso, Presidente do

Leia mais

ECC/DEC/(04)01 - Decisão de SRDs para detecção de vítimas de avalanches (457 khz)

ECC/DEC/(04)01 - Decisão de SRDs para detecção de vítimas de avalanches (457 khz) http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=183307 Capítulo 1 TABELA DE ATRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIAS 5 DOCUMENTOS RELEVANTES DA CEPT, UIT E UE Documentos da UIT Decisões CEPT/ECC ECC/DEC/(05)12 - Decisão

Leia mais

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ELECTROMAGÉTICA: APLICAÇÕES AOS TELEMÓVEIS

EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ELECTROMAGÉTICA: APLICAÇÕES AOS TELEMÓVEIS Professor Doutor Luís Correia Instituto de Telecomunicações Instituto Superior Técnico EXPOSIÇÃO A RADIAÇÃO ELECTROMAGÉTICA: APLICAÇÕES AOS TELEMÓVEIS Aborda-se a exposição de pessoas à radiação electromagnética,

Leia mais

Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (em local fixo)

Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet (em local fixo) http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=262742 Deliberação de 19.12.2007 Decisão relativa ao conjunto de elementos estatísticos a remeter ao ICP-ANACOM pelos prestadores do Serviço de Acesso à Internet

Leia mais

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PRESCRIÇÕES E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 CONSIDERAÇÕES PRÉVIAS 1.1 CONTEXTO NORMATIVO Na elaboração do presente Manual ITED foram consideradas as Normas Europeias aplicáveis, nomeadamente: EN 50083 - Sistemas

Leia mais

CIRCUITOS ALUGADOS E MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DOS SEGMENTOS TERMINAIS E DE TRÂNSITO DE CIRCUITOS ALUGADOS

CIRCUITOS ALUGADOS E MERCADOS DE FORNECIMENTO GROSSISTA DOS SEGMENTOS TERMINAIS E DE TRÂNSITO DE CIRCUITOS ALUGADOS RESPOSTA DA ZON AO PROJECTO DE DECISÃO DO ICP-ANACOM RELATIVO À DEFINIÇÃO DOS MERCADOS DO PRODUTO E MERCADOS GEOGRÁFICOS, AVALIAÇÃO DE PMS E IMPOSIÇÃO, MANUTENÇÃO, ALTERAÇÃO OU SUPRESSÃO DE OBRIGAÇÕES

Leia mais

QUADRO REGULATÓRIO ACTUAL E DESAFIOS FUTUROS & ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS RADIOELÉCTRICAS. Eng. Hilário Tamele Director de Radiocomunicações & Tecnologia

QUADRO REGULATÓRIO ACTUAL E DESAFIOS FUTUROS & ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS RADIOELÉCTRICAS. Eng. Hilário Tamele Director de Radiocomunicações & Tecnologia QUADRO REGULATÓRIO ACTUAL E DESAFIOS FUTUROS & ESPECTRO DE FREQUÊNCIAS RADIOELÉCTRICAS Eng. Hilário Tamele Director de Radiocomunicações & Tecnologia Estrutura Regulatória Governo Regulador Consumidores

Leia mais

Porto Salvo, 22 de Novembro de Assunto: Projecto de Regulamento de alteração ao Regulamento nº 46/2005, de 14 de Junho

Porto Salvo, 22 de Novembro de Assunto: Projecto de Regulamento de alteração ao Regulamento nº 46/2005, de 14 de Junho Exmo. Senhor Professor Doutor José Amado da Silva Presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional das Comunicações Avª. José Malhoa, 12 1099-017 Lisboa Porto Salvo, 22 de Novembro de 2006

Leia mais

3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE

3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE DOCT/3463/CSE/S 3ª DELIBERAÇÃO DA SECÇÃO PERMANENTE DE ESTATÍSTICAS SOCIAIS RELATÓRIO DO GRUPO DE TRABALHO DAS ESTATÍSTICAS DA SAÚDE Considerando que: - as Linhas Gerais da Atividade Estatística Nacional

Leia mais

4. ACTIVIDADES DE COMUNICAÇÃO, TRATAMENTO DE SOLICITAÇÕES E ATENDIMENTO

4. ACTIVIDADES DE COMUNICAÇÃO, TRATAMENTO DE SOLICITAÇÕES E ATENDIMENTO 4. ACTIVIDADES DE COMUNICAÇÃO, TRATAMENTO DE SOLICITAÇÕES E ATENDIMENTO 4.1 Comunicação externa A publicação e divulgação de informação relevante sobre o sector das comunicações, o mercado e os seus intervenientes

Leia mais

Questão 1 Inicio de Prestação do SMRP com Recurso ao CDMA

Questão 1 Inicio de Prestação do SMRP com Recurso ao CDMA Questão 1 Inicio de Prestação do SMRP com Recurso ao CDMA Na perspectiva do potencial interesse que os novos serviços inerentes ao sistema tecnológico CDMA têm para o mercado, que comentários se oferecem

Leia mais

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola

Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Victor Ceita Advogado sócio FBL - Advogados Angola Estado actual da legislação de telecomunicações e suas tendências futuras Enquadramento Fases essenciais das telecomunicações em Angola:. Fase do controlo

Leia mais

Desta forma, as entidades que pretendam desenvolver a actividade de certificação das ITED estão sujeitas a registo no ICP-ANACOM.

Desta forma, as entidades que pretendam desenvolver a actividade de certificação das ITED estão sujeitas a registo no ICP-ANACOM. Procedimentos de Registo de Entidades Certificadoras ANACOM, 2ª edição Julho de 2004 INTRODUÇÃO A certificação constitui uma peça fundamental do regime estabelecido pelo Decreto-Lei nº 59/2000, de 19 de

Leia mais

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN

Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN Respostas a questões das IC s sobre a Linha de Crédito PME Investe II / QREN 1. Beneficiários 1.1. As regras de enquadramento que se aplicam às empresas são as correspondentes à da região onde se localiza

Leia mais

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga

Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Regulação e Concorrência no Mercado de Banda Larga Pedro Duarte Neves Preparado para o painel "A Sociedade da Informação em Portugal: Situação e Perspectivas de Evolução" Fórum para a Sociedade da Informação

Leia mais

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia

REGULAMENTOS. L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia L 51/2 Jornal Oficial da União Europeia 25.2.2011 REGULAMENTOS REGULAMENTO (UE) N. o 176/2011 DA COMISSÃO de 24 de Fevereiro de 2011 relativo às informações a fornecer antes da criação e da modificação

Leia mais

COMENTÁRIO DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO EM MATÉRIA DE «MUST CARRY» I ENQUADRAMENTO GERAL

COMENTÁRIO DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO EM MATÉRIA DE «MUST CARRY» I ENQUADRAMENTO GERAL COMENTÁRIO DA CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DE MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL À PROPOSTA DE DELIBERAÇÃO EM MATÉRIA DE «MUST CARRY» I ENQUADRAMENTO GERAL O projecto de deliberação sobre «especificação de obrigações

Leia mais

ENCONTRO ENTIDADES FORMADORAS

ENCONTRO ENTIDADES FORMADORAS ENCONTRO ENTIDADES FORMADORAS LISBOA 11/12/2007 O SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES ENTIDADES FORMADORAS PROBLEMAS / SUGESTÕES ENCONTRO ENTIDADES FORMADORAS LISBOA 11/12/2007 ENTIDADE FORMADORA ENTIDADE CERTIFICADORA

Leia mais

Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas

Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação nas Empresas - 2002 Principais resultados UMIC - Observatório da Inovação e Conhecimento Instituto Nacional de Estatística Maio de

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Anexos [ Voltar ao Índice ]

Anexos [ Voltar ao Índice ] 06. Anexos 06. Anexos 34 Anexo I Acções Estratégicas para o Triénio 2010-2012 Acções associadas ao Objectivo Estratégico 1: Promover mercados abertos e concorrenciais I II III IV I II III IV 1.1. Realizar

Leia mais

RELATÓRIO DE REGULAÇÃO

RELATÓRIO DE REGULAÇÃO RELATÓRIO DE REGULAÇÃO Edição ICP - Autoridade Nacional de Comunicação ISBN: 972-786-013-3 Design e Produção Foote Cone & Belding Pre-press RPO Impressão Fernandes e Terceiro Tiragem 500 exemplares Depósito

Leia mais

A Net Neutrality no Novo Quadro Regulamentar para as Comunicações Electrónicas

A Net Neutrality no Novo Quadro Regulamentar para as Comunicações Electrónicas A Net Neutrality no Novo Quadro Regulamentar para as Comunicações Electrónicas Fórum para a Sociedade da Informação Governação da Internet 8 de Julho de 2010 Pedro Ferreira As primeiras intervenções regulatórias

Leia mais

REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA

REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA REGULAÇÃO DAS ACTIVIDADES DE PRODUÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DE CARTOGRAFIA João Cordeiro Fernandes jcordeiro@igeo.pt Workshop Regulamentação da Cartografia a utilizar nos Instrumentos de Gestão Territorial Ordem

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:50737-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Programa de informação e empresarial da UE em Hong Kong e Macau 2014/S 032-050737

Leia mais

S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005

S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS. Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005 S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Aviso n.º 196/2005 de 1 de Março de 2005 Serviços [x] O concurso está abrangido pelo Acordo sobre Contratos Públicos (ACP)? SCÇÃO I: NTIDAD ADJUDICANT I.1) DSIGNAÇÃO NDRÇO OFICIAIS

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009

QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (2010) Informação referente ao ano 2009 QUESTIONÁRIO ANUAL DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS (200) Informação referente ao ano 2009 PARTE II - INDICADORES FINANCEIROS E DE ACTIVIDADE DOS OPERADORES/PRESTADORES DE REDES E SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES

Leia mais

RELATÓRIO E CONT 03 AS

RELATÓRIO E CONT 03 AS Abril 2003 / Março 2004 03 RELATÓRIO E CONTAS 03 RELATÓRIO E CONTAS MENSAGEM DO PRESIDENTE 5 03 RELATÓRIOS E CERTIFICAÇÃO LEGAL 49 01 PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS 6 1.1 2003 na Vodafone Portugal 8 1.2 Crescimento

Leia mais

de chamadas na rede telefónica pública num local fixo Observações apresentadas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 3, da Directiva 2002/21/CE 1

de chamadas na rede telefónica pública num local fixo Observações apresentadas ao abrigo do artigo 7.º, n.º 3, da Directiva 2002/21/CE 1 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 25/05/2010 C(2010)3338 SG-Greffe (2010) D/7167 Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa n.º 12 P-1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado de: Eng.º José Manuel

Leia mais

A Nova Recomendação sobre Mercados Relevantes Os mercados que saem e os que ficam na nova lista de mercados susceptíveis de regulação ex ante

A Nova Recomendação sobre Mercados Relevantes Os mercados que saem e os que ficam na nova lista de mercados susceptíveis de regulação ex ante MASTER CLASS Revisão do Novo Pacote Regulamentar das Comunicações Electrónicas (Revisão 2006) A Nova Recomendação sobre Mercados Relevantes Os mercados que saem e os que ficam na nova lista de mercados

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Cuiabá, fevereiro de 2015 Evolução da penetração do acesso domiciliar à Internet Fonte: IBGE,

Leia mais

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado.

3. BENEFICIÁRIOS Podem ser beneficiários dos apoios previstos na acção 3.1.3, Pessoas singulares ou colectivas de direito privado. 1. OBJECTIVOS DAS INTERVENÇÕES Os apoios previstos no âmbito do presente regulamento visam desenvolver o turismo e outras actividades de lazer como forma de potenciar a valorização dos recursos endógenos

Leia mais

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE

QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE QUESTIONÁRIO SEMESTRAL DE PORTABILIDADE O presente questionário contém informação necessária ao acompanhamento pela ANACOM da evolução da funcionalidade da portabilidade e do cumprimento pelas empresas

Leia mais

OBJECTIIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO

OBJECTIIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO OBJECTIIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO 2011-2013 13 OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO 2011-2013 OBJECTIIVOS ESTRATÉGICOS E ACÇÕES PARA O TRIÉNIO 2011-2013 14 4. Objectivos estratégicos

Leia mais

O Mercado das Telecomunicações Progressos e Desafios

O Mercado das Telecomunicações Progressos e Desafios O Mercado das Telecomunicações Progressos e Desafios João Cadete de Matos 25.10.2017 Indice 1. Progressos 1.1 Cobertura de redes 1.2 Penetração de serviços 2. Desafios 2.1 Comércio eletrónico 2.2 Neutralidade

Leia mais

Relatório da Sondagem sobre o sítio do Instituto das Comunicações de Portugal www.icp.pt

Relatório da Sondagem sobre o sítio do Instituto das Comunicações de Portugal www.icp.pt Relatório da Sondagem sobre o sítio do Instituto das Comunicações de Portugal www.icp.pt 1 Índice Introdução 1. - Ano de Nascimento...6 2. - De onde está a aceder ao sítio do ICP? Região...9 3. - Nível

Leia mais

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO

O QUE É COMPROMISSO IMPACTO 1 AGENDA DIGITAL 2015 O QUE É A Agenda Digital 2015 é um programa de acção inserido no âmbito do Plano Tecnológico que traduz uma aposta determinada na melhoria dos serviços prestados às pessoas e aos

Leia mais

Portugal-Porto: Serviços de auditoria 2016/S Anúncio de concurso sectores especiais. Serviços

Portugal-Porto: Serviços de auditoria 2016/S Anúncio de concurso sectores especiais. Serviços 1 / 5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:295595-2016:text:pt:html Portugal-Porto: Serviços de auditoria 2016/S 164-295595 Anúncio de concurso sectores especiais

Leia mais

Qualidade dos Serviços de Telecomunicações

Qualidade dos Serviços de Telecomunicações Qualidade dos Serviços de Telecomunicações Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 24 de setembro de 2013 Agenda Contextualização do Setor Qualidade Indicadores

Leia mais

Jornadas sobre a Regulação dos Mercados de Telecomunicações

Jornadas sobre a Regulação dos Mercados de Telecomunicações Jornadas sobre a Regulação dos Mercados de Telecomunicações A Telefonia Móvel Lisboa, 5 de Novembro de 2002 Conteúdo Introdução O mercado móvel actual O que muda com o UMTS? O papel do Regulador 2 Introdução

Leia mais

TDT Televisão Digital Terrestre

TDT Televisão Digital Terrestre TDT Televisão Digital Terrestre Carlos Lages DPT/PLT carlos.m.lages@telecom.pt TDT Televisão Digital Terrestre Índice Introdução à tecnologia Desenvolvimento da TDT em Portugal O que vai a PT disponibilizar

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N.

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONDICIONADO N. EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: Aviso n.º 1/REB/AC REQUALIFICAÇÃO DA REDE ESCOLAR DE 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO E DA EDUCAÇÃO PRÉ- ESCOLAR AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Leia mais

AVISO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSA PARA PÓS-DOUTORAMENTO

AVISO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSA PARA PÓS-DOUTORAMENTO AVISO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSA PARA PÓS-DOUTORAMENTO Referência 01_2016_DAC-AE Encontra-se aberto concurso para a atribuição de uma Bolsa para Pós-Doutoramento no âmbito do projeto de investigação, com

Leia mais

Reclamações sobre serviços de comunicações

Reclamações sobre serviços de comunicações Reclamações sobre serviços de comunicações Comunicações eletrónicas Serviços postais Análise do ano 2015 Data de publicação: 5 de maio de 2016 Índice 1. Sumário... 3 2. Evolução das reclamações... 4 3.

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010

PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS PARA. 21 de Dezembro de 2010 PROCEDIMENTOS PARA ACREDITAÇÃO DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO ITED E ITUR PARA ENGENHEIROS E ENGENHEIROS TÉCNICOS 21 de Dezembro de 2010 Anexo B Descrição dos Conteúdos Programáticos dos Módulos de Formação 2 ITED

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107

Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações políticas ao nível europeu 2016/S 114-202107 1 / 7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:202107-2016:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Auditoria financeira e de conformidade de partidos políticos e fundações

Leia mais

Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas

Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas 2013-01-22 Sistema da Indústria Responsável Entidades Acreditadas DL 169/2012, de 1 de agosto Artº 10 - Entidades acreditadas 1 As entidades acreditadas pelo IPAC, I. P., podem, nos termos do disposto

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização

Regimes ITUR - ITED. Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Regimes ITUR - ITED Paulo Mourato Mendes / Duarte Alves Direcção de Fiscalização Santarém, 4 de Julho de 2011 Regime ITUR Criação de condições para o livre acesso às infra-estruturas por parte dos diferentes

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO RELATIVO À ALTERAÇÃO DOS CANAIS DE FUNCIONAMENTO DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE

PROJECTO DE DECISÃO RELATIVO À ALTERAÇÃO DOS CANAIS DE FUNCIONAMENTO DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE PROJECTO DE DECISÃO RELATIVO À ALTERAÇÃO DOS CANAIS DE FUNCIONAMENTO DA TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE 1. No termo do concurso público, aberto pelo Regulamento n.º 95-A/2008, de 25 de Fevereiro, foi, por

Leia mais

Transição da tecnologia analógica para a tecnologia digital na televisão terrestre porquê?

Transição da tecnologia analógica para a tecnologia digital na televisão terrestre porquê? Transição da tecnologia analógica para a tecnologia digital na televisão terrestre porquê? Um recurso público escasso impõe que a sua utilização seja cada vez mais eficiente. Neste âmbito em 2005 a Comissão

Leia mais

O evento INTEGRADO da Água, em Portugal. Agentes de mudança rumo à eficiência e sustentabilidade TAGUSPARK, OEIRAS. ORGANIZAÇÃO Uma Publicação

O evento INTEGRADO da Água, em Portugal. Agentes de mudança rumo à eficiência e sustentabilidade TAGUSPARK, OEIRAS. ORGANIZAÇÃO Uma Publicação TAGUSPARK, OEIRAS Agentes de mudança rumo à eficiência e sustentabilidade O evento INTEGRADO da Água, em Portugal ORGANIZAÇÃO Uma Publicação PATROCÍNIOS O evento INTEGRADO da Água, em Portugal APRESENTAÇÃO

Leia mais

RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO

RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO RECONHECIMENTO MÚTUO PORTUGAL - ESPANHA GUIA DE REQUISITOS DOS CENTROS DE MANUTENÇÃO DE MATERIAL CIRCULANTE FERROVIÁRIO ÍNDICE 1. Âmbito de aplicação... 3 2. Objeto... 3 3. Gestão de riscos... 3 4. Procedimento

Leia mais

ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa MHz para a implementação harmonizada de sistemas BWA.

ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa MHz para a implementação harmonizada de sistemas BWA. 7.4 DOCUMENTOS RELEVANTES DA CEPT, UIT E UE Documentos da CEPT Decisões CEPT/ECC ECC/DEC/(07)02 - Decisão sobre a disponibilidade de frequências na faixa 3400 3800 MHz para a implementação harmonizada

Leia mais

Overview das Principais Mudanças

Overview das Principais Mudanças MASTER CLASS Revisão do Pacote Regulamentar das Comunicações Electrónicas ( Revisão 2006 ) Overview das Principais Mudanças A Origem da Revisão 2006 ÍNDICE O Calendário da Revisão 2006 Temas Polémicos

Leia mais

Consulta pública sobre os cenários de evolução da rede de Televisão Digital Terrestre. Comentários da OPTIMUS Comunicações, S.A.

Consulta pública sobre os cenários de evolução da rede de Televisão Digital Terrestre. Comentários da OPTIMUS Comunicações, S.A. Consulta pública sobre os cenários de evolução da rede de Televisão Digital Terrestre Comentários da OPTIMUS Comunicações, S.A. (OPTIMUS) Fevereiro de 2013 I. Introdução A OPTIMUS Comunicações, S.A (doravante

Leia mais

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico Licenciamento Administrativo de Operação Urbanística Espaço reservado aos Serviços Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal do Bombarral Nome Contribuinte fiscal n.º, B.I. n.º, Cartão do Cidadão, com

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2014-2016 E ORÇAMENTO

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2014-2016 E ORÇAMENTO PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2014-2016 E ORÇAMENTO 2014 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2014-2016 E ORÇAMENTO 2014 ÍNDICE 1. Sumário executivo... 2 2. Enquadramento compromisso regulatório... 8 3. Enquadramento

Leia mais

Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas. Consulta pública n.º 3/2016

Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas. Consulta pública n.º 3/2016 Projeto de Regulamento de Procedimentos Regulatórios - síntese das principais propostas Consulta pública n.º 3/2016 Enquadramento legal e estatutário Lei Quadro das Entidades Reguladoras Por forma a prosseguirem

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E AO COMITÉ DAS REGIÕES COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 1.6.2016 COM(2016) 361 final ANNEXES 1 to 2 ANEXOS da COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU, AO CONSELHO EUROPEU, AO CONSELHO, AO COMITÉ ECONÓMICO E SOCIAL EUROPEU E

Leia mais

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO

O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO A MISSÃO DO REGULADOR FERROVIÁRIO HOJE E NUM CONTEXTO DE UMA REDE ONDE PODERÃO CIRCULAR MÚLTIPLOS OPERADORES FERROVIÁRIOS DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO

Leia mais

Administração Pública Central

Administração Pública Central Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação 2002 INSTRUMENTO DE NOTAÇÃO Inquérito Estatístico registado sob o n.º 9391, válido até 31 de Dezembro

Leia mais