A RELAÇÃO SIGNIFICANTE E SIGNIFICADO EM SAUSSURE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A RELAÇÃO SIGNIFICANTE E SIGNIFICADO EM SAUSSURE"

Transcrição

1 CUNHA, Raquel Basílio. A relação significante e significado em Saussure. ReVEL. Edição especial n. 2, ISSN [www.revel.inf.br]. A RELAÇÃO SIGNIFICANTE E SIGNIFICADO EM SAUSSURE Raquel Basílio da Cunha 1 RESUMO: Este artigo discutirá a relação entre significante e significado a partir das notas escritas por Ferdinand de Saussure antes de 1900 e as notas preparatórias para os Cursos de Lingüística Geral. Verificaremos nesta relação como a idéia de valor apresenta um ponto de vista adequado para se abordar o sistema lingüístico conforme desenvolvido por Saussure e, conseqüentemente pensar a relação língua e sujeito. PALAVRAS-CHAVE: significante; significado; valor; sujeito. UM BALÃO NO AR Com o objetivo de discernir a questão fundamental deste artigo relação entre significante e significado deveremos partir da noção de signo que nos conduzirá conseqüentemente à questão dos valores do sistema lingüístico e do sujeito. O signo é um conceito freqüentemente revisto nas teorias lingüísticas. O termo signo, que designa a face fonológica da linguagem, pertence a uma antiga tradição metafísica que vigorava nos séculos XVII e XVIII. Mas, será principalmente após a apresentação feita por F. de Saussure do par famoso, significante/significado, que as discussões em torno do signo serão mais freqüentes. Signo é empregado por Saussure, ao longo das aulas ministradas em Genebra entre 1907 e 1911, o que compreende três cursos sobre Lingüística Geral, e seus escritos, que incluem notas de aula e escritos para um futuro livro jamais escrito, em duas acepções: como entidade lingüística global, composta de uma face fonológica e outra conceitual; e como designando apenas a face fonológica desta entidade. A razão desta dupla acepção reside numa tradição que usa o termo signo das duas maneiras explicitadas. 1 Doutoranda em Letras do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba, sob orientação da professora Dra. Mônica Nóbrega. 1

2 Apesar de se existir o termo signo, há uma inquietude do mestre genebrino que parece não satisfeito com termo conhecido, ele está convencido de que qualquer palavra escolhida para denominar a parte significante da entidade global composta de uma face fonológica e de uma face semântica está naturalmente sujeita a um deslizamento, tendendo infalivelmente a se referir à entidade global (BOUQUET, 2004, p. 229). Em notas escritas por Saussure é possível ver claramente como ele estava preocupado com a impossibilidade de obter termos adequados. O professor numa longa nota discutindo a questão disse: mostrar que termo tem sido tão incapaz quanto signo de guardar um sentido material ou inversamente. [...]. Nesta questão difícil de adoção de uma palavra que deturpa mais ou menos (SAUSSURE in BOUQUET e ENGLER, 2002, p. 96). Dessa forma, vemos que o signo saussuriano é um conceito escorregadio, como cita Bouquet (2004). Ao realizar a aula de 2 de maio de 1911, época do último curso, ao desenvolver a idéia de arbitrário, ainda há certa confusão entre os alunos no entendimento do termo signo: Uma questão que confessamos não conseguir resolver é chegar a um entendimento neste ponto: chamaremos de signo o total, a combinação do conceito com a imagem [acústica]? Ou a própria imagem acústica [...] podese chamar signo?[...] Seria preciso dispor de duas diferentes palavras. Nós faremos o possível para evitar as confusões, que poderiam ser muito graves. (SAUSSURE apud BOUQUET idem) Será apenas na aula de 19 de maio de 1911, no seu último curso, que Saussure introduzirá o par significante/significado. A intenção era de desfazer dúvidas deixadas na aula de 2 de maio do mesmo ano, quando o genebrino fala do princípio da arbitrariedade do signo. A partir de então, Saussure usará com mais freqüência o termo signo para designar a entidade global composta de significante e significado, ou seja, a partir desse instante o signo saussuriano será caracterizado pela associação entre um significante e um significado. Porém, dizer que o signo é significante e significado não nos diz tudo sobre a natureza do signo. Saussure acreditava ser muito importante para os estudos lingüístico compreender a natureza do signo. Ele nos diz: O signo, soma, sema, etc. Só se pode, verdadeiramente, dominar o signo, segui-lo como um balão no ar, com certeza de reavê-lo, depois de entender completamente a sua natureza, natureza dupla que não consiste nem no envoltório e também não no espírito, no ar hidrogênio que insufla e que nada 2

3 valeria sem o envoltório. O balão é o sema e o envoltório o soma, mas isso está longe da concepção que diz que o envoltório é o signo, e o hidrogênio a significação, sendo que o balão, por sua vez, nada é. Ele é tudo para o aerosteiro, assim como o sema é tudo para o lingüista. (SAUSSURE, 2002, p ). Segundo as palavras do professor, a sua natureza não está nem na forma, nem na idéia. Aqui o professor denomina o signo de sema e a forma, ou o significante, de soma, o que demonstra claramente a dificuldade de denominar o signo. A metáfora do balão no ar demonstra como o conceito de signo é escorregadio, ou difícil de apreender. O signo é um balão no ar, e este por sua vez, nada é. Para ele, mesmo ao dominar o signo, ou seja, ao compreender a sua natureza, o lingüista só pode segui-lo como um aerosteiro segue um balão no ar, que só pode reavê-lo em terra, quando o balão deixa de ser. Como podemos seguir este balão no ar? 1. SEGUINDO O BALÃO NO AR Primeiramente a metáfora que vimos sobre o signo comparado ao balão no ar nos apresenta a preocupação de Saussure em identificar a natureza dupla do signo. Mas, ao definir isto, ele diz: natureza dupla que não consiste nem no envoltório e também não no espírito, no ar hidrogênio que insufla e que nada valeria sem o envoltório (idem). A natureza do signo é dupla, mas em que consiste esta duplicidade? Um significante está irremediavelmente colado a um significado que lhe é correspondente? Tal idéia retomaria a questão antes postulada por Aristóteles de uma língua como nomenclatura, uma lista de termos que correspondem a uma lista de coisas na realidade. Apesar de retirar uma referência direta a realidade, a idéia nuclear de Aristóteles ainda estaria presente na reflexão saussuriana. Em escritos sobre a semiologia, o professor critica claramente os filósofos que fazem pensar que a linguagem poderia ser uma nomenclatura: Três coisas estão invariavelmente ausentes do dado que um filósofo acredita ser o da linguagem. Em primeiro lugar, a verdade, em que nem mesmo insistimos, de que o âmago da linguagem não é constituída de nomes [...] Mas existe, implicitamente, uma tendência, que não podemos nem deixar passar, a respeito do que seria, em definitivo a linguagem: a saber, uma nomenclatura de objetos. Antes, o objeto, depois o signo; portanto (o negaremos sempre) base exterior dada ao signo e representação da linguagem por essa relação: 3

4 Enquanto a verdadeira representação é: a b c, fora de qualquer relação efetiva como * - a, baseada em um objeto. Se um objeto pudesse, onde quer que seja, ser o termo sobre o qual é fixado o signo, a lingüística deixaria instantaneamente de ser o que ela é, do topo até a base (SAUSSURE, 2002, p ). A citação acima deixa-nos observar claramente o repúdio do estudioso à idéia de uma língua como nomenclatura. Saussure retira de modo radical a referência a uma realidade. A língua da reflexão saussuriana não é um espelho da realidade, nem mesmo um espelho opaco do mundo das idéias. A questão que ainda existe é: as duas faces que compõe o signo lingüístico não estariam irremediavelmente coladas? A noção de arbitrariedade nos permite responder que um significante não está colado a um significado correspondente. Isso porque não há razões para tal união, ela é sempre imotivada, mesmo quando Saussure fala de uma arbitrariedade relativa, ela é relativa a outro signo que é absolutamente arbitrário. O exemplo fornecido na edição de 1916 é da palavra dezenove, motivada por dez e nove que por sua vez são absolutamente imotivadas (SAUSSURE, 1996, p ). Em conseqüência ao princípio de arbitrariedade, podemos dizer que um signo pode desfazer a sua união, que um significante pode unir-se a outro significado qualquer, reciprocamente. Dessa forma a união que resulta num signo não é eterna, um significante não está colado a um significado, isso permite que uma língua se transforme, permite a variabilidade de sons e sentidos. Como não há razões explicáveis para um significante unir-se a um significado, podemos pensar se esta relação ocorre quando um significante é proporcional a um determinado significado. O gráfico comumente conhecido de Saussure a respeito do signo nos ajuda a responder a questão. Vejamos o gráfico do professor: (SAUSSURE, 2002, p. 249). Este esquema foi esboçado por Saussure nas suas notas preparatórias para os cursos de Lingüística Geral. O gráfico mais famoso do signo saussuriano está na edição de 1916 de uma forma um pouco diferente desta que podemos ver acima. Nele podemos 4

5 perceber que não há as duas setas em sentidos opostos indicando uma relação talvez de reciprocidade ou de proporcionalidade como na edição de Vejamos o esquema: (SAUSSURE, 1996, p. 80). As setas nessa imagem permitem-nos a leitura de que o conceito (significado) e a imagem acústica (significante) são correspondentes, proporcionais, um irremediavelmente atrelado ao outro, numa dicotomia. Não apenas as setas, mas a cela que encerra o signo faz brotar a idéia de unidade fechada. Porém os escritos saussurianos deixam ver algo que está apenas sutilmente colocado na edição de 1916 através da questão do valor lingüístico, ou seja, a natureza dessa relação. 2. O BALÃO EM TERRA A diferença essencial de um balão em terra para um balão no ar é que em terra o aerosteiro pode dissecá-lo, como um corpo sem vida. Para entender a natureza dessa relação entre significantes e significados, devemos dissecar o signo, como um balão sem vida. Saussure, porém, nos adverte: Mas há, entretanto, o perigo de que um cadáver continua coisa organizada em sua anatomia, enquanto que, na palavra, anatomia e fisiologia se confundem por causa do princípio da convencionalidade (SAUSSURE in BOUQUET; ENGLER, 2002, p.96). O professor refere-se ao princípio da arbitrariedade que coloca a natureza do signo na sua fisiologia, ou seja, no seu funcionamento que se confunde com o que ele é: sua anatomia. Primeiramente vamos entender essa relação e depois nos deteremos em o que faz essa relação, o que coloca este balão no ar. Em seus escritos sobre a essência dupla da linguagem, Saussure nos aponta uma resposta: Supõe-se que existem termos duplos que comportam uma forma, um corpo, um ser fonético e uma significação, uma idéia, um ser, uma coisa espiritual. 5

6 Dizemos, antes de tudo, que a forma é a mesma coisa que a significação. E que esse ser é quádruplo. (SAUSSURE, 2002, p. 42). Este gráfico que Saussure constrói em suas notas nos apresenta a negação de que a natureza dupla da linguagem se resumisse a dois termos, significação e forma. A visão habitual, como ele diz, é a união de uma forma e uma idéia, mas ele rompe com este conceito estóico ao propor algo a mais, a diferença. Saussure, conhecido pelo desenho do signo, o coloca, mas apenas para negá-lo, para dizer que há algo distinto, som e sentido, mas não é apenas isso a natureza do signo. A unidade lingüística é uma coisa dupla (SAUSSURE, 1996, p. 79). Porém, segundo Saussure, a duplicidade está baseada em quatro diferenças, e não quatro termos definidos. Podemos observar que o quadro que traz a visão proposta por Saussure nos apresenta algo mais complexo. Primeiro as unidades de Saussure não são significação e forma, que ele chama de visão habitual. As unidades que o professor trabalha não são positivas, nem mesmo é uma unidade convencional, mas cada uma das unidades que se opõe só existem pela diferença, e esta diferença, por sua vez, só existe em virtude das demais diferenças que lhe opõe. O professor continua a usar a oposição significação e forma, mas nos diz que a unidade está na diferença geral das significações, sob a diferença geral das formas, 6

7 sendo que cada unidade formada de diferenças gerais só existe segundo a diferença do seu oposto. Assim, a diferença geral das significações está para uma significação (relativa a uma forma), e a diferença geral das formas está para uma forma (sempre relativa a uma significação). Podemos perceber a unidade lingüística de Saussure como relativa e diferencial. A teoria do professor não estava no signo, pois esta teoria é bem anterior à Saussure, a visão proposta como nos diz o quadro na citação acima é explicada da seguinte forma: Declaramos que expressões como A forma, A idéia; A forma e A idéia; O signo e A significação, são, para nós, sinais de uma concepção diretamente falsa da língua. Não existe a forma e uma idéia correspondente; não há a significação e um signo correspondente. Há formas e significações possíveis (nunca correspondentes); há, apenas, em realidade, diferenças de formas e diferenças de significações; por outro lado, cada uma dessas ordens de diferenças (por conseguinte, de coisas já negativas em si mesmas) só existe como diferenças graças à união com a outra (SAUSSURE, idem). Devemos atentar para o fato de que ele altera a questão dos signos ao dizer que o significante e o significado nunca são correspondentes. O traço que separa a idéia da forma, para Saussure, não indica proporcionalidade, segundo ele, ela indica uma separação, um não corresponde ao outro, ela indica uma distinção de duas ordens diferentes. Nem mesmo o signo seria formado apenas de significante e significado, mas de relações de diferenças relativas, diferenças que só existem graças à união dessas diferenças já negativas em si mesmas. O que seguimos no ar não são signos como os pensadores estóicos formularam, mas valores. A anatomia se confunde com a fisiologia, como nos advertiu Saussure. Ou seja, o signo só existe em funcionamento, enquanto valor, ele não teorizava sobre signos, mas sobre valores. Para o professor, só existem valores, signos são abstrações teóricas necessárias ao lingüista, pois permitem enxergar o que é puramente negativo de um ponto de vista positivo. Ou seja, permite dizer o que é a natureza da língua, graças à união de diferenças. 7

8 3. O AEROSTEIRO Saussure nos diz ao comparar o signo a um balão no ar: o balão, por sua vez, nada é. Ele é tudo para o aerosteiro, assim como o sema é tudo para o lingüista (SAUSSURE in BOUQUET e ENGLER, 2002, p ). O aerosteiro é aquele que ama o balão no ar, que o espera voltar, mas é ele também que o coloca no ar. Saussure compara o trabalho do lingüista ao do aerosteiro, no sentido apenas de que ele o segue e o espera descer ao chão. Mas o que coloca o signo no ar? Com certeza não é o lingüista, em sua função de lingüista. Lingüistas não fazem signos, não criam um sistema lingüístico, não dão vida a nenhuma língua, pois a vida da língua reside em outro lugar. A edição de 1916 nos diz sobre isso: Quem cria uma língua, a tem sob domínio enquanto ela não entra em circulação; mas desde o momento em que ela cumpre a sua missão e se torna posse de todos, foge-lhe ao controle. O esperanto é um ensaio desse gênero; se triunfar, escapará à lei fatal? Passado o primeiro momento, a língua entrará muito provavelmente em sua vida semiológica; trasmitir-se-á segundo leis que nada têm de comum com as de sua criação reflexiva, e não se poderá retroceder (SAUSSURE, 1996, p. 91). Chegamos assim à perturbadora pergunta: o que une estas quatro diferenças, o que faz o signo estar no ar? Saussure: Podemos começar a pensar em uma resposta por meio das seguintes palavras de Aqui, ao contrário, é muito crítico começar a falar da diversidade do signo na IDÉIA una em vez de falar de sua diversidade no emprego uno ou significação una [ ]: porque isso é cair no erro de acreditar que haja, anteriormente estabelecidas, quaisquer categorias ideais em que aconteçam depois, secundariamente, os acidentes do signo (SAUSSURE, 2002, p. 51). Essas palavras apresentam a idéia de não anterioridade do signo. Levam-nos a pensar que um signo só existe no momento de seu emprego, ou seja, apenas por meio de um sujeito que o emprega. Para Saussure é um erro acreditar que existam categorias ideais antes do signo, ou seja, eles são acidentes, só existem no momento em que se emprega. A cada momento, ao falar, um sujeito comente um acidente. Isso resulta num sistema cuja complexidade impede qualquer definição simplista do que seria o signo, pois ele só pode reavê-lo quando ele está em terra, ou seja, fora de seu uso, e nesse momento ele não existe, pois, ele se faz no momento do corte, e este corte não está no passado, mas é realizado a todo o momento que um signo é empregado. Isto nos 8

9 conduz a pensar numa não anterioridade total, nada antes do corte estabelecido nas massas amorfas que vemos na edição de 1916: (SAUSSURE, 1996, p. 131). Sobre este corte, que é realizado a todo o momento, podemos pensar que é a partir dele que o signo se constitui como quatro relações diferenciais, ou, quatérnion final, como Saussure escreve: A primeira expressão da realidade seria dizer que a língua (ou seja, o sujeito falante) não percebe nem a idéia a, nem a forma A, mas apenas a relação a/ A; essa expressão seria, ainda, completamente grosseira. Ela só percebe, na verdade, a relação entre as duas relações a/ahz e abc/a, [...]. É isso que chamamos de QUATÉRNION FINAL e, considerando o quatro termos em suas relações: a tripla relação irredutível. É, talvez, sem razão que renunciamos a reduzir essas três relações a uma só; mas nos parece que essa tentativa começaria a ultrapassar a competência do lingüista. [...] Observa-se que não há, portanto, nenhum ponto de partida nem qualquer ponto de referência fixo na língua (SAUSSURE in BOUQUET e ENGLER, 2002, p. 39, 40). Quatérnion final nos alude a quatro tempos de um compasso. Na música, um compasso é feito de quatro tempos, ou seja, é necessário que existam quatro tempos para que se constitua um compasso. De modo semelhante, a relação do signo é feita de quatro, três para um, como observamos na visão proposta por Saussure no gráfico anteriormente colocado. Como na música, a tripla relação irredutível resume-se a três elementos em oposição a um, que só existe em função das outras diferenças. Ou seja, uma forma existe na medida em que se pode perceber sua oposição à diferença geral das significações sob a diferença geral das formas e a podemos perceber como relativa a uma significação. Essa relação fundada em quatro diferenças, negativas em si mesmas, é o que o professor chama de realidade da língua. Estas considerações estão em documentos escritos antes de 1900, porém, em notas preparatórias para os cursos de Lingüística Geral, posteriores a 1900, ainda podemos ver a mesma determinação do professor: 9

10 [...] eu não pretendo dizer que palavra seja estabelecida por Ao dizer que a idéia é apenas um dos elementos, eu não quero dizer que eles sejam dois ao todo, por exemplo: Seja qual for a sua natureza mais particular, a língua, como outros tipos de signos, é, antes de tudo, um sistema de valores, e é isso que estabelece seu lugar no fenômeno (SAUSSURE, 2002, p. 249,250, grifo do autor). Esta definição acima citada nos leva a perceber que as unidades da língua não são signos, ela mesma é um signo, e um signo comporta quatro termos diferenciais, ou seja, um sistema de valores. O que podemos perceber na língua é sempre uma relação de quatro termos, ao seja, uma relação fundamentada em diferenças entre termos que não existem sozinhos, apenas existem por meio da diferença. Esta constatação nos conduz a observar a língua como um sistema de valores. Ele diz na primeira citação que renuncia reduzir o signo a apenas uma relação. Ou seja, o signo, do ponto de vista saussuriano, não é uma relação binária, mas uma relação quaternária de dois termos, esse não é um ponto de vista simples do signo e consequentemente da língua. Isto nos explica porque a edição de 1916 nos diz que a língua é um sistema de signos, mas depois nos diz que a língua é um sistema de valores puros (SAUSSURE: 1996:130). A aparente mudança sem maiores explicações deve-se ao fato de que, para o professor as unidades empíricas da língua são valores, que teoricamente podem ser lidos como signos. Ainda nos resta a questão do significante. É evidente que em todos os esquemas elaborados por Saussure e na edição de 1916, podemos ver o significado acima do significante, isto remeteria uma anterioridade das idéias sob as formas? Em uma nota de 1897, aproximadamente, Saussure nos diz: Na mesma medida em que ouvimos, nós falamos. Sim, Senhores, sem dúvida, mas sempre a partir da impressão acústica, não apenas recebida, mas recebida em nosso espírito e soberana para decidir o que executamos. É ela que dirige tudo e basta considerá-la para saber que será executada, mas eu repito que isso é necessário para que haja aí uma determinada unidade a executar. (SAUSSURE, 2002, p. 211, 212, grifo do autor). 10

11 Esta relação, colocada no esquema acima por meio de cortes verticais é baseada nunca numa equivalência, mas numa desarmonia entre idéias e imagens acústicas, sobre isto Saussure nos ensina: É a evidência absoluta, até mesmo a priori, de que não haverá jamais um único fragmento de língua que possa ter fundamento sobre alguma coisa, como princípio último, que não seja a sua não-coincidência, ou grau dessa não-coincidência, com o resto [...] esse grau é inteiramente igual a zero [...] a instituição linguagem [...] não provém, já na origem, de uma harmonia visível entre a idéia e o meio de expressão (SAUSSURE, 1996, p. 188) O que definiria o corte então? O som, ou a impressão acústica não está ligada por um vínculo de complementaridade com o significado, a questão ainda reside no que conduz a essa união. A resposta talvez esteja nestas palavras escritas pelo professor: Chama-se figura vocal que é determinada para a consciência dos sujeitos falantes. (A segunda menção é, na realidade, supérflua, porque nada existe além do que existe para a consciência; então, se uma figura vocal é determinada, ela o é imediatamente.) (SAUSSURE in BOUQUET e ENGLER, 2002, p.47, grifo do autor). A questão sobre o que une o signo está centrada numa questão de qual é a relação do sujeito com os signos que ele fala. É significativo que o professor tenha usado a consciência dos sujeitos como pedra de toque, como prova final da existência desse balão, que nada é, se não há quem o coloque no ar. Talvez por isso, por fixar sua teoria na consciência do sujeito, que Saussure diga que nos parece que essa tentativa começaria a ultrapassar a competência do lingüista (SAUSSURE, 2002, p. 40). UNDE EXORIAR? Concluímos esta breve reflexão sobre as questões hoje levantadas sobre o sistema lingüístico saussuriano com a questão que o próprio Saussure se fez: Unde exoriar?- É a essa questão pouco pretensiosa e, até mesmo, terrivelmente positiva e modesta que se pode colocar antes de tentar abordar, por algum ponto, a substância deslizante da língua. Se o que pretendo dizer a respeito disso é verdade, não há um único ponto de partida evidente (SAUSSURE in BOUQUET; ENGLER, 2002, p. 240). 11

12 Saussure responde a questão unde exoriar de um modo surpreendente para aqueles que leram a edição de Apesar de não haver um só ponto de apoio fixo na língua ou na linguagem, nenhum ponto de partida evidente, o professor se apóia na consciência dos sujeitos falantes para definir as unidades da língua. Claro que um sistema desse modo descrito só poderia conduzir o lingüista à busca de um balão no ar. A língua como um sistema de valores negativos, é isso que Saussure nos aponta. Na verdade ele descreve um sistema que jamais poderia ser definido como fechado em si mesmo, pois a todo o momento há novos cortes nas massas amorfas, nada é preexistente, nada é positivo, pois só existe enquanto diferenças de negatividades. Devemos parar um pouco para pensar. O signo é comparado a um balão no ar, mas o balão, por sua vez, nada é (SAUSSURE, 2002, p. 103), nos diz o professor; ou seja, o signo nada é sem que exista alguém que o perceba como realidade. Essa língua fundada na não-coincidência entre significante e significados conduz a uma perplexidade diante de tamanha complexidade. Sobre esse sistema Saussure nos diz: Mas esse sistema consiste em uma diferença confusa de idéias que se movem sobre a superfície de uma diferença [ ] de formas, sem que jamais, talvez, uma diferença da primeira ordem corresponda a uma diferença da segunda (SAUSSURE in BOUQUET; ENGLER, 2002, p. 75, grifo do autor). Saussure insiste nesta questão, o signo não é uma relação simples entre significante e significado, mas numa diferença, ou mais, em quatro termos diferentes, nunca coincidentes, ou correspondentes, que não existem antes, mas só depois de seu emprego, o signo reúne de modo positivo as diferenças, que são valores. Esses valores só existem baseados na consciência de sujeitos falantes, pois apenas percebem as diferenças, ou seja, só há consciência dos valores. Isso coloca a questão do sujeito como aquele que percebe os valores, mudando a questão da dicotomia para a questão de um sistema dialético, extremamente complexo, deslizante, como nos ensina o professor, que permite perceber o sujeito no movimento desse sistema. As conseqüências dessas constatações não são calculáveis inicialmente. A primeira conseqüência, talvez, que se coloca diante de nós, é que um sistema baseado na percepção de sujeitos, que se forma a cada momento que se fala, não pode ser homogêneo ou parado. Um sistema assim não pode ser fechado, pronto e acabado, mas é um sistema plural, em constante movimento de mudanças e transformações que caminham lentamente dia-a-dia. 12

13 Longe de ser uma abstração, o professor fundamenta as unidades do sistema lingüístico na consciência dos sujeitos, ou seja, isto é o que dá permissão a falar de signos como um fato da realidade, para nós nada é mais concreto do que aquilo que podemos perceber. Unde exoriar? De onde começar é uma questão extremamente difícil ao pensar nessa natureza intensamente relativa da língua. Essas rápidas considerações da reflexão do professor nos levam a colocar o sujeito como aquele que coloca o signo no ar, ou seja, lhe confere vida semiológica, e esta força vital, o ar em que o balão desliza nos ensina Saussure está na capacidade de ele ser transmitido. Assim, concluímos com as palavras do professor em sua primeira conferência na Universidade de Genebra, em novembro de 1891: O que é claro, como se repetiu mil vezes, é que o homem sem a linguagem seria, talvez, o homem, mas não um ser que se comparasse, mesmo que aproximadamente, ao homem que nós conhecemos e que nós somos (SAUSSURE, 2002, p. 128, grifo do autor). REFERÊNCIAS: 1. BOUQUET, Simon. Introdução à leitura de Saussure. 9. ed. Tradução de Carlos A. L. Salum e Ana Lúcia Franco. São Paulo: Cultrix, SAUSSURE. BOUQUET, Simon.; ENGLER, Rudolf (Orgs. e Eds.). Escritos de Lingüística Geral. São Paulo: Cultrix, SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral. Tradução Antônio Chelini et al. 25a edição. São Paulo: Cultrix, RESUMO: Este artigo discutirá a relação entre significante e significado a partir das notas escritas por Ferdinand de Saussure antes de 1900 e as notas preparatórias para os Cursos de Lingüística Geral. Verificaremos nesta relação como a idéia de valor apresenta um ponto de vista adequado para se abordar o sistema lingüístico conforme desenvolvido por Saussure e, conseqüentemente pensar a relação língua e sujeito. PALAVRAS-CHAVE: significante; significado; valor; sujeito. ABSTRACT: This article will discuss the relation between signifier and signified based on the notes written by Saussure himself before 1900 and his preparatory notes for the courses on General Linguistics. We intend to verify how the idea of value can present an adequate point of 13

14 view to approach the linguistic system as developed by Saussure s ideas and, consequently, to think about the relation between language and subject. KEYWORDS: signifier; signified; value; subject. 14

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET

É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais. Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET É necessário (re)ler Ferdinand de Saussure nos manuscritos originais Entrevista de Laurent Wolf com Simon BOUQUET Nessa entrevista Simon Bouquet fala da importância de se retornar aos escritos originais

Leia mais

ESCRITA: UM SISTEMA LINGÜÍSTICO

ESCRITA: UM SISTEMA LINGÜÍSTICO SOBRAL, Paula Oliveira. Escrita: um sistema lingüístico. ReVEL. Edição especial n. 2, 2008. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. ESCRITA: UM SISTEMA LINGÜÍSTICO Paula Oliveira Sobral 1 sobralpaula@yahoo.com.br

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática -

PLANO DE ENSINO. Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS. Carga Horária Prática - PLANO DE ENSINO LETRAS (PORTUGUÊS-INGLÊS) Turno: Noturno Currículo: 2003 INFORMAÇÕES BÁSICAS Período 2013/1 Natureza: Unidade curricular INICIAÇÃO AOS ESTUDOS LINGUISTICOS Teórica 60 Carga Horária Prática

Leia mais

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006

O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 O Signo: Significado e Significante Ana Catarina Gentil FBAUL, 2006 Índice Resumo. 1 Introdução 1 Desenvolvimento... 1 1. Análise a Saussure... 2 1.1 Arbitrariedade do Signo. 3 1.2 Linearidade do Signo.

Leia mais

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais, que possibilita

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

SAUSSURE E O CURSO DE LINGUÍSTICA GERAL: UMA RELAÇÃO DE NUNCA ACABAR 1

SAUSSURE E O CURSO DE LINGUÍSTICA GERAL: UMA RELAÇÃO DE NUNCA ACABAR 1 CRÔNICAS E CONTROVÉRSIAS SAUSSURE E O CURSO DE LINGUÍSTICA GERAL: UMA RELAÇÃO DE NUNCA ACABAR 1 Maria Iraci Sousa Costa 2 O Curso de Linguística Geral, as notas dos alunos, os escritos de Saussure e muitas

Leia mais

A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE

A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE Daniela Araujo * RESUMO: Este trabalho escreve sobre a importância dos estudos em Lingüística, enfatizando os estudos de Ferdinand de Saussure(1974), fazendo um breve panorama

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

Apresentar as definições de signo, bem como as suas características, conforme a perspectiva saussurreana.

Apresentar as definições de signo, bem como as suas características, conforme a perspectiva saussurreana. 3 aula O SIGNO NA PERSPECTIVA SAUSSURREANA Meta Apresentar as definições de signo, bem como as suas características, conforme a perspectiva saussurreana. Objetivos Ao final desta aula, você deverá ser

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987)

O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) O REAL DA LÍNGUA O REAL DA HISTÓRIA considerações a partir do texto La Lengua de Nunca Acabar. Pêcheux e Gadet (1987) Blanca de Souza Viera MORALES (UFRGS) Para Pêcheux e Gadet a lingüística não pode reduzir-se

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

A linguagem como representação

A linguagem como representação Letras: Português/Espanhol Profa. Dra.: Andréa da Silva Pereira Estudo de duas formas de tratamento para o signo linguístico A linguagem como representação Objetivos da aula: 1. Estudar o signo linguístico

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA REFLEXÃO PALAVRAS AULA 02: O ESTRUTURALISMO

TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA REFLEXÃO PALAVRAS AULA 02: O ESTRUTURALISMO TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA AULA 02: O ESTRUTURALISMO TÓPICO 02: A TEORIA DO SIGNO LINGUÍSTICO E A RELAÇÃO LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA VERSÃO TEXTUAL Caro(a) aluno(a), seja bem vindo(a) ao tópico

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

SUJEITO E SISTEMA EM SAUSSURE: UMA RELAÇÃO POSSÍVEL?

SUJEITO E SISTEMA EM SAUSSURE: UMA RELAÇÃO POSSÍVEL? NÓBREGA, Mônica. Sujeito e sistema em Saussure: uma relação possível?. ReVEL. Edição especial n. 2, 2008. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. SUJEITO E SISTEMA EM SAUSSURE: UMA RELAÇÃO POSSÍVEL? Mônica

Leia mais

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser

Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Sujeito do desejo, sujeito do gozo e falasser Luis Francisco Espíndola Camargo 1 lfe.camargo@gmail.com Resumo: A noção de sujeito do desejo não inclui a substância gozante. Na clínica, tal característica

Leia mais

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA Branco, Natieli Luiza Trabalho de Iniciação Científica/financiamento PET/Conexões de Saberes/MEC Universidade Federal de Santa Maria/Curso de

Leia mais

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1

(Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 (Re)buscando Pêcheux: algumas reflexões in-certas 1 Beatriz Maria ECKERT-HOFF 2 Doutoranda em Lingüística Aplicada/UNICAMP Este texto se insere no painel 04, intitulado Mises au point et perspectives à

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

FERDINAND DE SAUSSURE E O OBJETO DA LINGUÍSTICA

FERDINAND DE SAUSSURE E O OBJETO DA LINGUÍSTICA FERDINAND DE SAUSSURE E O OBJETO DA LINGUÍSTICA Neila Barbosa de Oliveira Bornemann 1 INTRODUÇÃO Considerando os estudos de Ferdinand de Saussure quando afirma que a língua é o palco de fenômenos relevantes

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini

Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Este, Esse ou Aquele Autora: Maria Tereza de Queiroz Piacentini Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número: este, esse, aquele. Existem três invariáveis:

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS

O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS O DISCURSO EXPOSITIVO ESCRITO NO ENSINO FUNDAMENTAL. UM ENFOQUE COGNITIVISTA E SEUS DESDOBRAMENTOS DIDÁTICOS Luís Passeggi Universidade Federal do Rio Grande do Norte RESUMO: Propomos uma análise do discurso

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 MODERNA

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

DO ACONTECIMENTO DISCURSIVO À NARRATIVA DO ACONTECIMENTO: UMA ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DO PARADIGMA SAUSSURIANO NO BRASIL

DO ACONTECIMENTO DISCURSIVO À NARRATIVA DO ACONTECIMENTO: UMA ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DO PARADIGMA SAUSSURIANO NO BRASIL DO ACONTECIMENTO DISCURSIVO À NARRATIVA DO ACONTECIMENTO: UMA ANÁLISE DA REPRESENTAÇÃO DO PARADIGMA SAUSSURIANO NO BRASIL Marco Antonio Almeida Ruiz 1 1. Introdução Sabemos que Saussure é conhecido e reconhecido

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano

2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano 2 O tempo e o espaço na filosofia moderna e a origem do argumento kantiano Spinoza nos Pensamentos Metafísicos estabelece a distinção entre duração e tempo, isto é, do ente em ente cuja essência envolve

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

Puzzle de Investigação

Puzzle de Investigação Atividades: Puzzle de Investigação Nivel de ensino: 9º, 10º, 11º e 12º Duração: 30 min de preparação + 30 minutos de atividade Objetivos: Figura 1- Esquema acerca do processo de investigação Compreender

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO

ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A) NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO ANÁLISE SEMÂNTICA E PRAGMÁTICA DOS SIGNIFICANTES NEGUINHO (A), E NEGO (A)" NO SÉCULO XIX E NO MUNDO CONTEMPORÂNEO Gabriel Nascimento dos Santos (UESC) gabrielnasciment.eagle@hotmail.com Maria D Ajuda Alomba

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO

GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO GRÁFICOS E FUNÇÕES NOS NÍVEIS FUNDAMENTAL E MÉDIO João Paulo G. Vassallo ( FEVRE) Marcus Vinicius F. Soares (FEUFF) Projeto Fundão IM/UFRJ pfundao@im.ufrj.br 1. Histórico O conceito de função vem sendo

Leia mais

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso

CAPÍTULO 4. A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso CAPÍTULO 4 A Produção de Significados para a Noção de Base: Um Estudo de Caso 77 4. Um Estudo Preliminar Na primeira fase de elaboração das atividades do estudo de caso, tentamos reunir alguns elementos

Leia mais

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL

RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL RESISTÊNCIA E DESAFIO: TRAÇOS DO PENSAMENTO DE PÊCHEUX NO BRASIL Luiz Francisco DIAS Universidade Federal de Minas Gerais Passados 20 anos da morte de Michel Pêcheux, os estudos em torno das suas idéias

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

ORGANIZAR. Fernando Pessoa ORGANIZAR

ORGANIZAR. Fernando Pessoa ORGANIZAR Fernando Pessoa ORGANIZAR ORGANIZAR As palavras organizar, organização e organizador pode dizer-se que constituem o estribilho teórico da nossa época. E, se o são em quase todas as matérias, sobretudo

Leia mais

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.)

III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) III MOVIMENTO DE QUEDA LIVRE (M.Q.L.) 1. INTRODUÇÃO Ao caminhar por praias do Nordeste brasileiro, uma pessoa, com certeza, passa junto de coqueiros bem carregados de cocos verdes. Em meio à bela paisagem,

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar

O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos. Luciana Aleva Cressoni. PPGPE/UFSCar O discurso sobre a profissão docente: construindo sentidos Luciana Aleva Cressoni PPGPE/UFSCar Depois de uma palavra dita. Às vezes, no próprio coração da palavra se reconhece o Silêncio. Clarice Lispector

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA

RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE MARIA NAZARÉ DE CARVALHO LAROCA QUADROS, Emanuel Souza. Resenha de Manual de morfologia do português, de Maria Nazaré de Carvalho Laroca. ReVEL, vol. 7, n. 12, 2009. [www.revel.inf.br]. RESENHA DE MANUAL DE MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS, DE

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO

REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO REFLEXÕES SOBRE OS CONCEITOS DE RITMO E ANDAMENTO E SUAS POSSÍVEIS APLICAÇÕES NA CENA TEATRAL Ernani de Castro Maletta Universidade Federal de Minas Gerais UFMG Ritmo, andamento, encenação. O ritmo é um

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 123

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 123 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos 123 O SIGNO E O VALOR LINGUÍSTICOS EM SAUSSURE: UMA LEITURA REFLEXIVA POSSÍVEL Geraldo José da Silva (UEMS/UFRGS) gera.silva@terra.com.br 1. Introdução

Leia mais

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social

A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Congresso de Psicologia Infantil Gente Pequena, Grandes Causas Promovido pela Associação Lumière Cinema S. Jorge, Lisboa A importância dos projectos artísticos no desenvolvimento pessoal e social Mais

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

parte ASPECTOS GERAIS DA PSICOPATOLOGIA

parte ASPECTOS GERAIS DA PSICOPATOLOGIA parte 1 ASPECTOS GERAIS DA PSICOPATOLOGIA 1 Introdução geral à semiologia psiquiátrica Um dia escrevi que tudo é autobiografia, que a vida de cada um de nós a estamos contando em tudo quanto fazemos e

Leia mais

Um olhar filosófico sobre a questão dos significados nas matemáticas escolar e da rua

Um olhar filosófico sobre a questão dos significados nas matemáticas escolar e da rua Um olhar filosófico sobre a questão dos significados nas matemáticas escolar e da rua Denise Silva Vilela Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação Universidade de Campinas UNICAMP Financiamento:

Leia mais

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS

ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS ORALIDADE E ESCRITA: ANÁLISE DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS Ana Letícia Vaz Pereira 1 Natália Canuto do Nascimento 2 Orientador Prof. Ms. Artarxerxes Modesto RESUMO: Este trabalho tem como objetivo analisar

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana

Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Uma perspectiva para compreender os gêneros discursivos: a Escola Norte-Americana Lucas Piter Alves Costa 1 Por que estudar gêneros? Como estudá-los? Qual a importância que o domínio de seus estudos pode

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito

Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Linha de Pesquisa: Possibilidades de Definição e Tipos de Utilização do Conceito Paulo Rogério Meira Menandro A iniciativa da Revista de Administração Contemporânea (RAC) de acolher uma discussão sobre

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ

O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ O ENSINO DE LINGUÍSTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNOCHAPECÓ Daniele Reinke 1 ; Cristian Rolin de Moura 2 ; Mary Neiva Surdi da Luz 3. RESUMO: Objetivamos com este projeto identificar quais são as teorias

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 1

Gerenciamento de Riscos em Projetos. Aula 1 Gerenciamento de Riscos em Projetos Aula 1 Set/2013 A Gerência de Riscos Gerenciar riscos riscos é uma uma abordagem explícita e sistemática usada usada para para identificar, analisar e controlar riscos.

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

PARA A CIÊNCIA PARA A TECNOLOGIA PARA A SOCIEDADE

PARA A CIÊNCIA PARA A TECNOLOGIA PARA A SOCIEDADE PARA A CIÊNCIA PARA A TECNOLOGIA PARA A SOCIEDADE Essas são atividades de grande influência no desenvolvimento humano. Procura entender os fenômenos e criar teorias adequadas que possam explicar os acontecimentos.

Leia mais

O ensino de língua inglesa para crianças

O ensino de língua inglesa para crianças O ensino de língua inglesa para crianças Débora Leffa Dimer 1 Adriana Soares 2 Resumo: No presente artigo, iremos analisar como ocorre o aprendizado de uma língua estrangeira, no caso, a Língua Inglesa,

Leia mais

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011).

Resenha. Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Resenha Informar não é comunicar (WOLTON, Dominique. Porto Alegre: Sulinas, 2011). Bruno Ribeiro NASCIMENTO 1 Dominique Wolton costuma nadar contra a corrente: quando os críticos da indústria cultural

Leia mais

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências

Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO Fundamentos Históricos e Filosóficos das Ciências Prof. Nelson Luiz Reyes Marques O que é ciência afinal? O que é educação em ciências? A melhor maneira

Leia mais

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf

Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf Vox4all Manual de Utilização http://arca.imagina.pt/manuais/manual Vox4all BR.pdf A voz ao seu alcance! Software de comunicação aumentativa e alternativa para smartphone e tablet Projeto co financiado

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO

VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO VERSÃO DEMO DO MÉTODO DE GUITARRA: CURE SEU IMPROVISO: MODOS GREGOS POR ROBERTO TORAO CURE SEU IMPROVISO - MODOS GREGOS. Primeiramente, muito obrigado por apoiar meu trabalho e depois do grande sucesso

Leia mais

PST PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES

PST PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES PST PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES 2015.1 NOME DO CANDIDATO: Nº DE INSCRIÇÃO: PROCESSO SELETIVO PARA TUTORES CURSO DE LETRAS (LICENCIATURA) LÍNGUA PORTUGUESA - EAD Modalidade Tutor a Distância Quadro I

Leia mais

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes

A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes A dúvida cartesiana dos sentidos na primeira meditação como elemento fundamental para compreensão das meditações metafísicas de Descartes Juliana Abuzaglo Elias Martins Doutoranda em Filosofia pela UFRJ

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA LINGUAGEM MATEMÁTICA: METODOLOGIAS QUE PODEM SER USADAS NA SALA DE AULA

A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA LINGUAGEM MATEMÁTICA: METODOLOGIAS QUE PODEM SER USADAS NA SALA DE AULA A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA NA LINGUAGEM MATEMÁTICA: METODOLOGIAS QUE PODEM SER USADAS NA SALA DE AULA Nathália Ferreira dos Santos (FACIG) nathalia.do.santos72@gmail.com Andréia Almeida Mendes

Leia mais

Rachel Cecília de Oliveira Costa Imagem como língua: uma leitura flusseriana

Rachel Cecília de Oliveira Costa Imagem como língua: uma leitura flusseriana Rachel Cecília de Oliveira Costa Imagem como língua: uma leitura flusseriana Introdução Dentro do escopo de minhas pesquisas sobre o filósofo Vilém Flusser, a imagem aparece no mesmo nível da ciência,

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

Muitas vezes a leitura do Curso de Lingüística Geral1 (doravante

Muitas vezes a leitura do Curso de Lingüística Geral1 (doravante Cadernos de Letras da UFF Dossiê: Patrimônio cultural e latinidade, n o 35, p. 117-135, 2008 117 OBRAS INTRODUTÓRIAS À LEITURA DE SAUSSURE: O QUE FALAM E COMO FALAM DO CLG? RESUMO Gláucia da Silva Henge

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58

ÁGORA Revista Eletrônica ISSN 1809 4589 Página 54-58 ABORDAGEM FENOMENOLÓGICO-HERMENÊUTICAS Henriqueta Alves da Silva 1 RESUMO O presente artigo elege a abordagem fenomenológico-hermenêutica como um dos métodos mais importantes para a elaboração de pesquisas

Leia mais