ABASTECIMENTO EM NÚMEROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABASTECIMENTO EM NÚMEROS"

Transcrição

1 ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 2 * Nº 9 * JANEIRO DE 2007 BOLETIM GERENCIAL MENSAL Esta edição disponibiliza as estatísticas atualizadas do mercado, para todo o ano de Além disso, traz dois encartes: artigo sobre o 3º Seminário de Avaliação do Modelo de Abastecimento Nacional de Combustíveis, promovido pela ANP, por intermédio da Superintendência de Abastecimento e com a participação das principais entidades de classe, órgãos públicos e empresas do setor, realizado em dezembro de 2006, em Angra dos Reis, RJ. reprodução do texto do folheto Como Converter o seu Automóvel para o Uso do Gás Natural, produzido pela Petrobras, com apoio técnico do Inmetro, lançado publicamente em 14 de fevereiro de 2007, na Sede do IBP. DIRETOR GERAL Haroldo Borges Rodrigues Lima SUPERINTENDENTE DE ABASTECIMENTO Roberto Furian Ardenghy SUPERINTENDENTE ADJUNTO DE ABASTECIMENTO Carlos Orlando Enrique da Silva GRUPO DE ANÁLISE DE MERCADO Matias Carlos Auel Eduardo Aboim Sande Olímpio Cleidson Pessoa Bastos

2 A Superintendência de Abastecimento (SAB) da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis passa, a partir de junho de 2006, a editar, mensalmente, o boletim gerencial Abastecimento em Números, com estatísticas que retratam o comportamento dos mercados de derivados de petróleo, gás natural e biocombustíveis, além de fornecer dados correlatos de interesse do setor downstream. Afora essas informações, o Boletim faculta, desde a edição nº 2, espaço para matérias de natureza técnica de interesse do setor, originárias da SAB ou de outras fontes, internas ou externas, que desejarem contribuir com a publicação. As fontes de dados e datas limite de captura dos mesmos são as seguintes: FONTES DE DADOS 1. Demonstrativo de Controle de Produto DCP (Portaria CNP-DIPLAN 221/81) 2. Demonstrativo de Produção e Movimentação de Produtos DPMP / SIMP (Resolução ANP 17/2004) DATA DE CAPTURA DOS DADOS Vigésimo dia útil após o final do mês Vigésimo dia útil após o final do mês 3. QUOTAS (Portaria ANP 72/00) Vigésimo quinto dia útil após o final do mês 4. Levantamento de Preços Vigésimo dia útil após o final do mês 5. Alice Web (MDIC) Décimo dia útil após o final do mês 6. MAPA Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 7. Sistema de Informação de Movimentação de Produtos SIMP (Cadastro) Vigésimo dia útil após o final do mês Quinto dia útil após o final do mês Quaisquer modificações ou alterações nos dados (correções de declarações de dados feitas pelos agentes a ANP ou quaisquer outras correlatas) são automaticamente incorporadas na consolidação do mês seguinte.

3 A ANP E OS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÃO DO MODELO DE ABASTECIMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS Superintendência de Abastecimento A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em seu papel de órgão regulador, acompanha as constantes modificações acerca do abastecimento nacional de combustíveis e atualiza a regulamentação em vigor em freqüente diálogo com os agentes do setor objetivando a melhoria da eficiência, do atendimento às demandas ambientais e dos interesses do consumidor. Em agosto de 2001, a ANP promoveu o seminário Abertura do Mercado do Downstream, que buscou o consenso da adequação legal, tributária e regulatória necessárias à implementação do regime de livre mercado. Foi uma oportunidade na qual os impactos das mudanças puderam ser estimados antes mesmo de sua implantação. Como resultado desse processo, foram implementadas significativas inovações entre as quais se destacam: o regime de liberdade de preços em toda a cadeia de comercialização, a extinção dos subsídios, mudanças na tributação (CIDE, PIS/COFINS e ICMS) e a introdução de novos agentes. Passados dez meses do marco da abertura de mercado, em outubro de 2002, a ANP organizou novo seminário, cujo objetivo foi proporcionar a primeira avaliação das aludidas mudanças pelos principais agentes do mercado e órgãos de governo intervenientes na matéria. Com o evento, obteve-se subsídios para a realização de ajustes na regulação, bem como para a continuidade do processo de abertura do mercado. Após quatro anos, percebeu-se a necessidade de se reexaminar o atual modelo a fim de avaliar sua maior ou menor aderência às políticas governamentais para o setor e às práticas de mercado. Assim como em anos anteriores, no final de 2006, a ANP promoveu, por intermédio da Superintendência de Abastecimento e com a participação das principais entidades de classe, órgãos públicos e empresas do setor, o 3º Seminário de Avaliação do Modelo do Abastecimento Nacional de Combustíveis, no período de 06 a 08 de dezembro. O evento abordou tanto problemas gerais ligados ao modelo regulatório e à situação geral do abastecimento de combustíveis no Brasil, como também discutiu os temas mais atuais e urgentes ligados à regulação do setor. O Seminário foi dividido em três módulos. No primeiro módulo, houve duas palestras: O Mercado Nacional de Combustíveis e o Desafio Regulatório e Sistema de Control de Órdenes de Pedido de Combustible SCOP, a primeira apresentada pelo Superintendente de Abastecimento, Roberto Ardenghy, e a outra pelo Gerente de Fiscalização de Combustíveis da OSINERG (Organismo Supervisor de la Inversión de Energia, do Peru), Julio Salvador Jácome. i

4 No segundo módulo, foram organizadas duas Mesas Redondas: A Visão do Setor Privado sobre o Mercado de Combustíveis no Brasil, composta por Petrobras, Copesul, Única, Brasil Ecodiesel, Sindicom, Brasilcom, SindTrr, Fecombustíveis, Sindisolv, IBP, Abeda, Sindilub e Simepetro, e A Visão do Governo sobre o Mercado de Combustíveis no Brasil, composta por MME, Casa Civil, MAPA, MDA, SEAE/MF, SER/RJ, SEFAZ/SP, SEFAZ/BA, SEFAZ/ES, SEFAZ/PE, ANAC, ANP/CDC, ANP/SAB e ANP/SFI. Ambas as mesas foram coordenadas pelo economista Renault de Freitas Castro, a quem coube conduzir os trabalhos, motivar a discussão de temas relevantes, moderar os debates e intervenções e decidir, conclusivamente, sobre as questões de ordem e de natureza procedimental. O terceiro módulo foi o momento de os participantes optarem por um tema de sua preferência a fim de formarem grupos de discussão. Os grupos, coordenados pela ANP, buscaram subsídios nas questões relevantes abordadas nas mesas redondas e apresentaram, por intermédio dos respectivos relatores, os resultados dos seus trabalhos. Os temas dos grupos foram: Ambiente Concorrencial, ao qual coube avaliar as relações comerciais e as regras de negócios entre os agentes do abastecimento; Tributação e Adulteração, que avaliou a legislação tributária relacionada com o abastecimento e seus reflexos na adulteração e outras irregularidades do mercado; e Biocombustíveis (dividido em dois subgrupos: Álcool e Biodiesel), que avaliou a participação do álcool etílico combustível e do biodiesel na matriz energética. Os três grupos tiveram a incumbência de elaborar diagnóstico de cada situação proposta e de sugerir soluções que contribuíssem para a melhoria do funcionamento do mercado sob o ponto de vista concorrencial, sob a ótica da tributação, e para a garantia de suprimento e de qualidade, respectivamente. A principal conclusão do primeiro grupo, Ambiente Concorrencial, é que foi praticamente consenso a necessidade de definição do que seja o Grande Consumidor; foi consenso que não existe necessidade da manutenção da figura do trader para a importação de combustíveis, por distribuidor, observados os aspectos tributários atuais. Ressaltou-se a necessidade de regulamentação do reprocessamento, recuperação ou descarte de resíduos oleosos tendo em vista que os órgãos ambientais não têm liderado essa normalização e que esses resíduos estão sendo utilizados indevidamente como combustíveis, sem atender às especificações técnicas devidas e sem o recolhimento de tributos. Não houve consenso sobre o tema Venda entre Congêneres já que alguns agentes são favoráveis à permissão da venda entre eles (nos moldes atuais) e outros são favoráveis à proibição dessa venda (salvo autorização excepcional da ANP). Ainda há os que são favoráveis ao volume de tolerância de 10% nesse tipo de venda e, finalmente, o Sindicom defende a flexibilidade, que pode ser menor que 10% e incidente sobre o volume de quem vende e sobre o volume de quem compra. Sobre o tema Mudança de Bandeira, destacou-se que a distribuidora deve ser imediatamente informada da mudança cadastral de bandeira dos postos (ou que se desligam da sua marca, ou que informam haver aderido à sua marca); a Fecombustíveis observou que informação não significa aquiescência da distribuidora, nem obsta a mudança cadastral. Houve consenso que a ANP precisa regulamentar imediatamente a figura do Ponto de Abastecimento e que deve buscar formas de impedir a alienação (venda, permuta, dação em pagamento, etc) ii

5 de produtos por estes agentes a terceiros, haja vista as vantagens tributárias, entre outras. Deve-se buscar formas de controle que permitam à ANP e às Secretarias de Fazenda compatibilizar a frota abastecida e o volume consumido. Por fim, houve consonância no grupo acerca do formulador, devendo esse ser mantido fora da cadeia de agentes econômicos do abastecimento. Quanto ao segundo grupo, Tributação e Adulteração, sugeriu-se a unificação do regime de tributação do PIS/COFINS para a cana-de-açúcar e para os álcoois; a regulamentação da Lei nº /03, art. 91, que zera a alíquota de PIS/CONFINS do álcool hidratado no distribuidor; e a equiparação da carga tributária do solvente à da gasolina, desde que devida e comprovadamente assegurada a compensação do tributo ao consumidor industrial. Observou-se, também, que se deve perseverar na reforma tributária, com vistas à unificação de alíquotas do ICMS dos Estados; que deve haver redução da carga tributária para o álcool hidratado e, para o álcool anidro, revogação dos regimes especiais no RJ para retorno da sistemática do diferimento e cobrança do imposto na refinaria. Sobre as ações de Fiscalização, aludiu-se à implementação de controles da produção de álcool em usinas e destilarias e da nota fiscal eletrônica; à regulamentação conjunta ANTT/ANP ou outro tipo de controle do transportador de combustíveis; à intensificação das ações conjuntas da ANP e Secretarias de Fazenda; e à intensificação das ações sobre as operações com diesel marítimo. No subgrupo Álcool, do terceiro grupo, Biocombustíveis, concluiu-se que as Distribuidoras são contrárias à contratação obrigatória, mas houve consenso quanto ao estímulo de negócios na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F). Sobre Abastecimento e Exportação, observou-se que deve haver planejamento, com visão de longo prazo, mas deve-se evitar ruídos que possam comprometer a credibilidade do país para exportar. Advertiu-se sobre a necessidade de um controle rígido da ANP sobre a comercialização, haja vista a probabilidade de haver cerca de dois bilhões de litros na informalidade. Propôs-se ainda a uniformização tributária e o diferimento do ICMS do anidro de acordo com o volume de aquisição de gasolina A, a exemplo de SP. Já no outro subgrupo, Biodiesel, houve consenso quanto à questão da divulgação, que visa a diminuir a assimetria de informação, propondo-se, para isso, o uso de cartilha(s) com a participação da ANP, do MME, do MDA, de secretarias estaduais de fazenda e de entidades de classe. O público-alvo consiste de todos os elos da cadeia e do mercado consumidor. Salientou-se que algumas distribuidoras já estão se estruturando, mas que muitas ainda não aderiram ao Programa, cuja obrigatoriedade de adesão dar-se-á em janeiro de Há, ainda, a preocupação com a produção para consumo próprio, a qual prevê a necessidade de autorização da ANP e implica fiscalização, para que não haja o desvio de finalidade para venda. Foram dois dias integrais de trabalho nos quais, além de apresentações técnicas sobre a realidade do mercado nacional de combustíveis automotivos, houve a oportunidade para discussões e workshops sobre o regime regulatório e experiências internacionais. Essa reavaliação proposta no 3º Seminário contribuiu para intensificar a interação com pares de governo envolvidos com o assunto, especialistas do setor e agentes regulados, além de permitir à ANP extrair subsídios para planejar ajustes futuros na regulamentação, com vistas a maximizar benefícios para a sociedade em consonância com os dispositivos da "Lei do Petróleo" e das diretrizes emanadas do CNPE. iii

6 COMO CONVERTER O SEU AUTOMÓVEL PARA O USO DO GÁS NATURAL * Mais econômico, mais limpo e com potencial para reduzir a poluição ambiental, o Gás Natural Veicular (GNV) é uma alternativa segura e vantajosa para automóveis de todos os tipos. Já são 1,3 milhão de veículos convertidos e a tendência é que esse número continue a crescer. Para que esse mercado desenvolva-se de forma sustentável, a Petrobras publica esse guia, elaborado com o apoio técnico do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro). Veja aqui, passo a passo, todos os itens necessários para que seu veículo aproveite as vantagens do uso do gás natural, respeitando o meio ambiente e garantindo a sua segurança. Kits de conversão Só os kits certificados podem garantir o funcionamento correto do veículo com gás natural, atendendo às normas de emissões de poluentes e mantendo o patamar tecnológico do motor original. Escolha um kit de conversão para GNV legalizado e que possua o Certificado Ambiental para Uso do Gás Natural em Veículos Automotores (CAGN), emitido pelo Ibama. Os modelos de kits adequados ao seu veículo podem ser encontrados no site Verifique se todos os componentes mecânicos de seu kit de conversão (cilindros, válvula do cilindro, invólucro estanque, tubulação de baixa e alta pressão, redutor de pressão, válvula de abastecimento e suporte de cilindro) têm este selo de certificação. Se os componentes forem eletrônicos, eles devem ter também o Certificado Ambiental para Uso do Gás Natural em Veículos Automotores (CAGN). * Reprodução do texto do folheto Como Converter o seu Automóvel para o Uso do Gás Natural, produzido pela Petrobras, com apoio técnico do Inmetro, lançado publicamente em 14 de fevereiro de 2007, na Sede do IBP. iv

7 Tecnologias utilizadas Confira abaixo uma descrição dos diferentes patamares técnicos dos automóveis e as tecnologias de conversão mais adequadas a cada um. 1ª Geração: para veículos carburados, utiliza-se acionamento pneumático para a liberação do fluxo de gás e regulagem mecânica e manual da vazão do gás, com chave comutadora de três estágios; 2ª Geração: nos automóveis com sistema de injeção eletrônica de combustível, é empregada a tecnologia de alimentação do gás através de um mesclador. Possuem emuladores de bicos injetores e de sonda lambda. 3ª Geração: em veículos com sistema de injeção eletrônica de combustível, é aplicado o controle eletrônico da vazão da mistura de GNV e ar, em função da sonda lambda, rotação e carga do motor. A alimentação é acionada eletronicamente por um motor de passo. 4ª Geração: nos carros com sistema de injeção eletrônica de combustível utiliza-se injeção de gás por bicos de forma paralela no coletor de admissão, com redutor de pressão de dois estágios. Essa tecnologia possibilita a eliminação da ocorrência do retorno de chama e permite uma melhora de desempenho com menor perda de potência. 5ª Geração: também voltada para veículos com sistema de injeção eletrônica de combustível. A injeção de gás é feita por bicos injetores de forma seqüencial no coletor de admissão, com redutor de pressão de dois estágios. Além de permitir a eliminação da ocorrência do retorno de chama, garante menor comprometimento de desempenho do motor quanto a emissões e quanto a perda de potência. Segurança O GNV é um dos combustíveis mais seguros, basta que sejam seguidos os padrões de segurança. Além disso, o gás natural é mais limpo e menos tóxico que a gasolina e o álcool. Pressão de trabalho: o gás natural veicular é diferente do gás liquefeito de petróleo (GLP). A pressão de trabalho de um botijão de GLP (gás de cozinha) é em torno de 1,5 MPa (15 bar). Já para o GNV, fica em torno de 20 Mpa (200 bar). Para evitar riscos de explosão, nunca armazene gás natural em botijões de GLP ou em qualquer outro tipo de armazenamento que não seja o cilindro específico. Lembrese sempre que o uso do GLP como combustível em veículos é proibido por uma resolução da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Inflamabilidade: o GNV é mais leve do que o ar, portanto, em caso de vazamento, se dissipa na atmosfera, reduzindo o risco de explosão ou incêndio. Ele se inflama a uma temperatura de 620º C, enquanto a gasolina se inflama a 300º C e o álcool a 200º C. v

8 Cilindro: o local onde ficará armazenado o combustível não deve ter emendas ou soldas, sendo resistente a choques e colisões. O cilindro deve possuir também um dispositivo de segurança que é automaticamente acionado, minimizando o risco de um acidente. Oficinas credenciadas: para instalar seu kit de conversão, procure uma oficina registrada pelo Inmetro. No site há uma listagem de diversas oficinas autorizadas a realizar a conversão. Inspeção da Segurança Veicular: após a conversão ser realizada, exija da instaladora a nota fiscal com descrição de todos os componentes instalados e o número do CAGN do kit utilizado. Em seguida, dirija-se de imediato a um organismo de inspeção acreditado pelo Inmetro. A relação dos mesmos pode ser encontrada no site do Inmetro (www.inmetro.gov.br). Ele atestará a segurança do seu veículo. Fique atento Se o seu veículo tiver sido fabricado após o ano de 1997, o kit a ser utilizado deverá ser, no mínimo, de 3ª geração, de preferência com variador de avanço, evitando uma perda acentuada de potência do veículo. Pronto, agora que você já conhece a melhor forma de converter o seu veículo para o uso do GNV, desfrute esse combustível econômico e colabore para reduzir a poluição ambiental. Medidas que visem à proteção ao consumidor e ao meio ambiente contam com o apoio institucional da ANP. vi

9 Abastecimento em Números Ano 1 * Nº 9 * Dados atualizados até dezembro de 2006 Grupo de Análise de Mercado - Gerência de Abastecimento - SAB - ANP GASOLINA ÓLEO DIESEL * Inclui mistura de 2% de Biodiesel (B2) opcional ÁLCOOL Vendas de Gasolina C pelas Distribuidoras 1,72% Entregas de Gasolina A às Distribuidoras 7,51% Vendas de Diesel pelas Distribuidoras* 0,74% Vendas de AEHC pelas Distribuidoras 25,55% Entregas de Diesel às Distribuidoras 0,49% MARKET SHARE NO ANO Distribuidora Share BR 24,29% GRUPO IPIRANGA 16,13% SHELL / SABBA 11,08% CHEVRON TEXACO 8,95% ESSO 7,74% ALE/ SATELITE 5,67% PETRO SUL 2,50% FIC 1,73% REPSOL YPF 1,28% S.P. 1,24% OUTRAS 19,38% MARKET SHARE NO ANO Fornecedor Share PETROBRAS 88,32% REFAP 6,75% COPESUL 1,08% PQU 0,98% UNIVEN 0,80% BRASKEM 0,76% RPISA 0,74% RPDM 0,57% MARKET SHARE NO ANO Distribuidora Share BR 30,72% GRUPO IPIRANGA 22,76% SHELL / SABBA 11,68% CHEVRON TEXACO 9,10% ESSO 4,61% ALE/ SATELITE 3,15% PETRO SUL 1,69% S.P. 1,04% REPSOL YPF 0,98% FIC 0,95% OUTRAS 13,33% MARKET Entregas SHARE por Tipo DO no MÊS Ano Fornecedor Share PETROBRAS Interior 91,37% REFAP 73,3% 8,10% RPISA 0,53% Metropolitano 25,5% Marítimo 1,2% MARKET SHARE AEHC NO ANO Distribuidora Share BR 15,91% GRUPO IPIRANGA 11,23% SHELL / SABBA 8,96% PETRO SUL 7,78% CHEVRON TEXACO 6,18% PETRONOVA 6,18% TUX 4,78% ESSO 4,11% PETROSOL 2,33% ALE / SATELITE 1,74% OUTRAS 30,80% Vendas por Região no Ano S 20,9% NE 14,9% N 5,2% CO 9,6% CO 11,0% SE 49,4% Vendas por Região no Ano S NE 19,8% 14,9% N 9,2% SE 45,0% Vendas de AEHC por Região no Ano S 14,7% NE 7,1% N 1,0% CO 7,8% Comércio Exterior, Volume Comércio Exterior, Volume SE 69,4% Anidro Adicionado à Gas C* 14,44% Produção de Álcool (AEAC + AEHC) 10,75% * Conforme o percentual legal em vigor (de Jan04 a Fev06: 25%; de Mar06 a 19Nov06: 20%; de 20Nov06 em diante: 23%) Página Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Exportação de Álcool 33,10% Fonte: Ministério do Desenvolv., Ind. e Com. Exterior

10 Ano 1 * Nº 9 * Dados atualizados até dezembro de 2006 mil t GÁS LIQUEFEITO DE PETRÓLEO - GLP Vendas das Distribuidoras 0,80% MARKET SHARE NO ANO Distribuidora Share GRUPO ULTRA 23,62% GRUPO SHV 23,43% LIQUIGAS 21,80% GRUPO NACIONAL 18,52% COPAGAZ 7,48% CONSIGAZ 1,85% FOGAS 1,62% SERVGAS 0,76% AMAZONGAS 0,63% REPSOL GAS 0,09% OUTRAS 0,20% Densidade: 0,552 t/m³ Vendas por Região no Ano S 17,2% NE 21,0% N 5,3% CO 7,8% SE 48,7% 30% 25% 20% 15% 10% 5% Razão entre Importações Líquidas e Consumo Interno 12,61% 0% QUEROSENE DE AVIAÇÃO Comércio Exterior, Receitas milhões US$ mil t Comércio Exterior, Volume Vendas das Distribuidoras 0,78% MARKET SHARE NO ANO Distribuidora Share BR 52,30% SHELL 34,42% ESSO 12,97% AIR BP 0,31% NE 17,1% N 6,5% Vendas por Região no Ano CO 7,4% S 6,9% SE 62,1% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% -5% Razão entre Importações Líquidas e o Consumo Interno 28,0% 12,3% 5,8% Comércio Exterior, Receitas milhões US$ Comércio Exterior, Volume ÓLEO COMBUSTÍVEL Vendas das Distribuidoras 5,00% 409 MARKET SHARE DO ANO Distribuidora Share BR 73,74% SHELL/ SABBA 16,76% CHEVRON TEXACO 4,65% GRUPO IPIRANGA 4,13% OUTRAS 0,73% VENDAS POR REGIÃO NO MÊS Vendas por Região no Ano N 28,2% CO 6,7% NE 14,2% S 10,6% SE 40,4% 250% 200% 150% 100% 50% Razão entre Exportações Líquidas e o Consumo Interno 136,2% 0% milhões US$ Comércio Exterior, Receitas Comércio Exterior, Volume Página

11 Ano 1 * Nº 9 * Dados atualizados até dezembro de 2006 SOLVENTES Produção Total 11,67% Vendas Totais Internas 13,61% 134 Comércio Exterior, Volume (Exportações) 0,46% MARKET SHARE NO ANO** 75 Distribuidora Share 65 BR 17,89% UNIPAR QUÍM. 13,54% 55 CARBONO 7,23% BANDEIRANTE 7,07% IPIRANGA QUÍM. 5,54% 35 BEST 4,36% SHELL 4,34% 25 UNIPAR COM. 3,56% 15 GERAÇÃO 2,69% UNIOIL 2,25% OUTRAS 31,52% ** Cotas Retiradas PREÇOS E FATURAMENTO DE COMBUSTÍVEIS SELECIONADOS Vendas VENDAS Internas POR por TIPO Tipo (FEV) no Ano Outros 13,6% Aguarrás Mineral 7,5% Solventes Alifáticos 8,8% Hexanos 5,9% Tolueno 10,6% Xilenos 7,6% Benzeno 46,0% R$ / l 2,60 Gasolina R$ / l 1,90 Diesel 2,50 2,521 1,85 1,858 1,80 2,40 1,75 2,30 2,20 2,10 2,00 2,186 1,90 1,70 1,65 1,60 1,55 1,50 1,675 1,45 R$ / l Álcool Hidratado R$ / botijão GLP 2,00 34,00 1,90 33,00 33,04 1,80 32,00 1,70 31,00 1,586 1,60 30,00 1,50 29,00 1,40 28,00 1,353 1,30 27,00 26,71 1,20 26,00 1,10 25,00 1,00 24,00 DEZEMBRO - PREÇOS MÉDIOS (R$) VARIAÇÃO ACUMULADA ANO COMBUSTÍVEL Distribuição Revenda Distribuição Revenda DIESEL (l) 1,67 1,86 0,06% -0,43% GASOLINA (l) 2,19 2,52 0,88% 2,69% GLP (botijão) 26,76 33,02 6,27% 9,41% AEHC (l) 1,26 1,49-8,08% -3,74% FATURAMENTO MÉDIO BRUTO APARENTE (R$)* No Mês Acumulado no Ano , , , , , , , ,67 * Preço Médio de Revenda x Volume Vendido pelas Distribuidoras POSTOS DE REVENDA - MARKET SHARE* Esso 4,7% Shell 5,8% Texaco 6,3% AleSat 2,5% Ipiranga 11,4% Outras 11,9% BR 16,7% Branca 40,6% Brasil Agip 2,8% Texaco 5,6% Esso 6,1% Shell 7,7% Ipiranga 9,9% Outras 7,9% BR 15,4% Branca 44,7% Sudeste Charruá 3,4% Shell 4,5% Esso 5,7% Texaco 8,1% Outras 14,5% BR 16,4% Branca 24,8% Ipiranga 22,6% Sul SP 3,9% Outras Shell 13,8% 4,2% Ipiranga 4,9% AleSat 5,7% Texaco 5,7% BR 19,7% Branca 42,1% Nordeste Outras 7,5% Shell Simarelli2,5% 2,7% Agip 4,0% Texaco 6,5% Ipiranga 11,6% BR 15,7% Branca 49,4% Centro-Oeste Outras Equador 7,4% 2,2% DNP 3,9% Branca Ipiranga 49,1% 4,5% Shell 7,1% Texaco 7,4% BR 18,3% Norte * Em número de postos - posição 07/02/2007. Página 03

12 Ano 1 * Nº 9 * Dados atualizados até dezembro de 2006 R$ / m³ / dia GÁS NATURAL VEICULAR - GNV MARKET SHARE - Dez/06 Preço Médio do Combustível 0,32% Companhia Share 1,30 CEG 34,72% 1,257 COMGÁS 23,05% 1,25 CEG RIO 6,27% SCGÁS 4,75% 1,20 BAHIAGÁS 4,41% GASMIG 3,49% 1,15 COPERGÁS 3,27% CEGÁS 3,26% 1,10 POTIGÁS 3,14% SULGÁS 3,01% 1,05 OUTRAS 10,63% Fonte: ABEGÁS Consumo de GNV 20,81% BIODIESEL ASFALTOS Fonte: ABEGÁS Kits Instalados (Milhares) , ,891 SE 71,2% Instalações de Kits GNV 26,01% 1.052, ,336 Consumo por Região - Dez/ , ,610 S 9,0% CO 0,6% NE 19,2% Fonte: ABEGÁS Jan-Dez Frota GNV Fonte: IBP Frota GNV (Milhares) TRR (Óleo Diesel) Unidades Produtoras de Biodiesel - Distribuição por UF mil t MARKET SHARE NO ANO Empresa Share BR 16,50% BETUNEL 15,55% GRECA 15,00% IPIRANGA 13,44% FEAMIG 7,53% BRASQUIMICA 4,06% CALIFORNIA 3,32% NORDESTE 3,13% CENTRO OESTE 2,38% CBB 2,35% Outras 16,74% Vendas pelas Empresas 5,23% Vendas por Região no Ano SE 50,5% CO 9,9% N 6,7% 120 NE 13,1% S 19,8% Vendas de Diesel para TRR's pelas Distribuidoras 7,27% Vendas de Diesel no Ano Posto 57,7% TRR 10,9% MARKET SHARE NO ANO (TRR) MARKET SHARE NO ANO (Posto Rev.) Distribuidora Share Distribuidora Share BR 40,25% BR 24,93% GRUPO IPIRANGA 23,64% GRUPO IPIRANGA 18,13% SHELL / SABBA 14,85% SHELL / SABBA 9,51% CHEVRON TEXACO 14,63% CHEVRON TEXACO 8,62% FIC 1,48% ESSO 6,61% DIBRAPE 1,35% ALE/ SATELITE 4,92% REPSOL YPF 0,74% PETRO SUL 2,92% ESSO 0,62% S.P. 1,58% GLOBAL 0,40% TOTAL 1,43% ALE/ SATELITE 0,26% FIC 1,36% OUTRAS 1,78% OUTRAS 19,97% 295 Outros 31,4% Vendas de Diesel para TRR's por Região no Ano S 29,4% NE 5,3% N 4,9% CO 15,6% SE 44,8% Página 04

13 Ano 1 * Nº 9 * Dados atualizados até dezembro de 2006 MARKET SHARE 100% 90% Líquidos (Gasolina, Álcool & Diesel) 21,1% 20,1% 18,5% 19,0% 100% 90% GLP 1,9% 1,8% 1,8% 1,7% 1,5% 1,5% 1,6% 1,0% 1,2% 1,6% 7,3% 7,4% 7,5% 7,5% 1,6% 1,9% 80% 70% 0,7% 0,9% 0,5% 1,2% 0,9% 1,0% 1,7% 2,6% 1,4% 3,2% 0,8% 3,6% 3,9% 8,8% 7,8% 6,6% 5,7% 1,0% 1,2% 2,5% 80% 70% 18,9% 18,5% 18,3% 18,5% 60% 8,8% 8,8% 8,9% 8,8% 60% 21,5% 21,6% 21,9% 21,8% 50% 10,8% 10,7% 11,1% 11,2% 50% 40% 18,5% 19,0% 19,4% 19,5% 40% 23,6% 23,8% 23,4% 23,4% 30% 30% 20% 20% 10% 26,5% 28,0% 28,1% 27,2% 10% 24,4% 24,1% 23,8% 23,6% 0% BR Ipiranga Shell Chevron Esso Ale Sat Petro Sul FIC S.P. Outras acréscimo ou decréscimo no acumulado do ano em relação ao ano anterior QUANTITATIVO DE AGENTES DO ABASTECIMENTO 0% Ultragaz SHV Gas Brasil Liquigás NGButano Copagaz Consigaz Fogás Outras Posição em 31 de janeiro de Distribuidoras de Combustíveis * Revendedores de GLP ( autorizados) ** Revendedores de Combustíveis ( Bandeira Branca) Ambiente 116 Importadores e Exportadores (Gasolina e Diesel) 101 Agentes do setor de Solventes SAB 152 Importadores e Exportadores (Outros derivados) 21 Distribuidoras de GLP Regulatório 486 TRR Lubrificantes: 32 Distribuidoras 121 Produtores de Asfalto 171 Importadores 16 Rerrefinadores 41 Coletores * Encontram-se em fase de cadastramento, de acordo com PANP 297/2003: MA, PI e DF Já finalizado: PA, RS, SP (exceto capital) ** Até 30/Jan/07 AUTORIZAÇÃO DE DISTRIBUIDORAS AUTORIZAÇÕES CONCEDIDAS NO MÊS Petrobom Distribuidora de Petróleo Ltda. Acompanhamento do número de distribuidoras de combustíveis líquidos derivados de petróleo, álcool combustível, biodiesel, mistura óleo diesel/biodiesel especificada ou autorizada pela ANP e outros combustíveis automotivos. Distribuidoras em Operação / AEA último dia do mês Autorizações revogadas Novas autorizações Portaria 202 Autorizações concedidas judicialmente jan/ AUTORIZAÇÕES REVOGADAS NO MÊS fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ ACUMULADO DO ANO out/ Novas Autorizações 11 nov/ Autorizações via Judicial 13 dez/ Autorizações Revogadas 33 Total Página 05

14 CONTATOS AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS ANP DIRETOR GERAL Haroldo Borges Rodrigues Lima Av. Rio Branco, 65 / 16º andar Ed. Visconde de Itaboraí - Centro Rio de Janeiro, RJ CEP CENTRO DE RELAÇÕES COM O CONSUMIDOR (CRC) SUPERINTENDÊNCIA DE ABASTECIMENTO (SAB) SUPERINTENDENTE Roberto Furian Ardenghy SUPERINTENDENTE ADJUNTO Carlos Orlando Enrique da Silva (21) (21) GRUPO DE ANÁLISE DE MERCADO Matias Carlos Auel Eduardo Aboim Sande Olímpio Cleidson Pessoa Bastos

ABASTECIMENTO EM NÚMEROS

ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 1 * Nº 6 * OUTUBRO DE 2006 BOLETIM GERENCIAL MENSAL Esta edição traz, como encarte, a "Parte II" da metodologia utilizada pela Superintendência de Abastecimento (SAB) para

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 4 * Nº 21 * FEVEREIRO DE 29 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 6 * Nº 29 * FEVEREIRO DE 211 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

VII SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO MERCADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E BIOCOMBUSTÍVEIS. Ano-Base. Superintendência de Abastecimento 16 de fevereiro de 2012

VII SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO MERCADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E BIOCOMBUSTÍVEIS. Ano-Base. Superintendência de Abastecimento 16 de fevereiro de 2012 VII SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DO MERCADO DE DERIVADOS DE PETRÓLEO E BIOCOMBUSTÍVEIS Ano-Base 2011 Superintendência de Abastecimento 16 de fevereiro de 2012 SUMÁRIO Atuação da SAB em 2011 Quantitativo de Agentes

Leia mais

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento EBDQUIM 2014 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento 19 de Março de 2014 Atividades da ANP Números do Setor de Petróleo

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 8 ANO * Nº 43 9 ** Nº DEZEMO 44 * AIL DE 213 214 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 8 * Nº 4 * MARÇO DE 213 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS ANP - Regulação no setor de combustíveis Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento Abril de 2013 O que é a ANP A Agência Nacional

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS Vendas, pelas distribuidoras, dos derivados combustíveis de petróleo por produto -

Leia mais

Informações sobre a comercialização de combustíveis

Informações sobre a comercialização de combustíveis ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 1 8 * Nº 43 47 * DEZEMO FEVEREIRO DE 213 215 BOLETIM GERENCIAL Superintendência de Abastecimento Informações sobre a comercialização de combustíveis A Agência Nacional do Petróleo,

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC SUPERINTEDÊNCIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E DE QUALIDADE DE PRODUTOS SBQ Alexandre de Souza Lima Salvador Junho/2008 AGENTES DO ABASTECIMENTO Posição

Leia mais

Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014) Superintendência de Abastecimento

Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014) Superintendência de Abastecimento Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2015 (Ano-Base 2014) Superintendência de Abastecimento Mercado Nacional de Combustíveis Mercado Nacional de Combustíveis Bloco 1 Visão Geral e Análise

Leia mais

$ $ Sem folga à vista

$ $ Sem folga à vista gasolina Sem folga à vista Nunca se consumiu tanta gasolina no Brasil. Somente em, a demanda cresceu 12%, totalizando 39,7 milhões de metros cúbicos. Um patamar recorde, especialmente se levarmos em conta

Leia mais

Os Preços de Combustíveis no Brasil

Os Preços de Combustíveis no Brasil Seminario Internacional: Política de Precios de la Energía y su impacto en el desarollo sustentable Os Preços de Combustíveis no Brasil Luiz Augusto Horta Nogueira Agência Nacional do Petróleo 3 y 4 diciembre,

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO

MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO FORTALEZA 01-08-2013 1 LEI DO PETRÓLEO LEI Nº 9.478

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

Regulação Mercado de Solventes 6º EBDQUIM

Regulação Mercado de Solventes 6º EBDQUIM Regulação Mercado de Solventes 6º EBDQUIM Bahia, março 2012 Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendência de Abastecimento - SAB Sistema Nacional de Abastecimento de Solventes Produtor Importador Distribuidor

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Conferência biodieselbr 2010

Conferência biodieselbr 2010 Conferência biodieselbr 2010 Construindo o caminho para o B10 Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento Superintendência de Abastecimento - SAB Sistema Nacional de Abastecimento

Leia mais

Informações Úteis Dúvidas Frequentes

Informações Úteis Dúvidas Frequentes Página 0 2013 Informações Úteis Dúvidas Frequentes Organização Rezende Acesse o site: www.organizacaorezende.com.br 19/04/2013 Página 1 DÚVIDAS FREQUENTES: GASOLINAS PETROBRAS 1 - Como são obtidas as gasolinas?

Leia mais

Não abasteça combustível adulterado

Não abasteça combustível adulterado Não abasteça combustível adulterado A maioria das pessoas acha que uma vez que o posto de gasolina tem bandeira (BR, Shell, Texaco, Esso, Ipiranga, etc) a qualidade do combustível está garantida. Não é

Leia mais

$ $ Alto consumo. Nova fase: S10

$ $ Alto consumo. Nova fase: S10 diesel Alto consumo Em 2013, o cenário do mercado de diesel no país prosseguiu trajetória ascendente, assim como em anos anteriores. Impulsionado pela forte demanda pelo combustível, o faturamento do segmento

Leia mais

Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente

Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente Fórum Nacional de Secretários rios de Estado para Assuntos de Energia Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente Alisio Vaz Vice-Presidente Executivo Rio de Janeiro 29 de outubro de 2009 SINDICOM

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

Refinaria Duque de Caxias - REDUC

Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinarias no Brasil 239.000 *Considerando Processamento de GN e LGN, a carga passa a ser 267.300 bbl/dia. Refinaria Duque de Caxias - REDUC Localização : Duque de Caxias

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO NÚCLEO DE ESTUDOS EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento:

Incentivar o Etanol e o Biodiesel. (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: Incentivar o Etanol e o Biodiesel (Promessa 13 da planilha 1) Entendimento: O governo adota medidas econômicas de forma a ampliar relativamente o emprego dos dois combustíveis. O termo ampliar relativamente

Leia mais

Congresso Minas Petro

Congresso Minas Petro Belo Horizonte / MG - 25 e 26 de Outubro Congresso Minas Petro IX Congresso de Postos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais Painel de Debates sobre Perspectivas da Revenda diante da nova Matriz

Leia mais

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório 14 de abril de 2007 Senado Federal Produção Sucroalcooleira: Introdução Agroindústrias: processam um produto agrícola Cana-de-açúcar: Origem

Leia mais

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal

Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Microprodução de Etanol e sua Comercialização Legal Seminário Estadual Álcool, Leite e Cachaça Produção Integrada e Sustentável Belo Horizonte, 29 de novembro de 2011 Crescimento Consumo Aparente Combustíveis

Leia mais

PUBLICADO DOC 16/10/2013, PÁG 159 JUSTIFICATIVA PL 0738/2013

PUBLICADO DOC 16/10/2013, PÁG 159 JUSTIFICATIVA PL 0738/2013 PUBLICADO DOC 16/10/2013, PÁG 159 JUSTIFICATIVA PL 0738/2013 Se exigir, por questões de segurança que, na Cidade de São Paulo no ato do abastecimento dos veículos com sistemas para uso do Gás Natural Veicular

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTOS INOVADORAS. Março 2015

INFRAESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTOS INOVADORAS. Março 2015 Março 2015 INFRAESTRUTURA DE DISTRIBUIÇÃO DE COMBUSTÍVEIS E ESTRATÉGIAS DE SUPRIMENTOS INOVADORAS Março 2015 Você pode nao COMPRAR combustível, mas com certeza PAGA por ele... Agenda Quem somos Infra-estrutura

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS <!ID546934-1> RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE JULHO DE 2006 Estabelece as especificações de óleo diesel e mistura óleo diesel/biodiesel - B2 de uso

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Em busca do fôlego perdido

Em busca do fôlego perdido gnv Em busca do fôlego perdido Distante dos tempos áureos de crescimento Em 2012, o etanol enfrentou safra ruim e preços elevados, em meio a uma crise que se arrasta desde 2008. Por causa disso, motoristas

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 13 FEVEREIRO DE 214 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

Contempla atualizações até 22/01/2007: Leis Ordinárias: Decretos: Instruções Normativas: Atos Declaratórios Interpretativos:

Contempla atualizações até 22/01/2007: Leis Ordinárias: Decretos: Instruções Normativas: Atos Declaratórios Interpretativos: Contempla atualizações até 22/01/2007: 001 Qual a legislação que disciplina a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados,

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Fluxo Integrado da Fiscalização

Fluxo Integrado da Fiscalização Bahia, março de 2012 Fluxo Integrado da Fiscalização ação de fiscalização insubsistência arquivamento auto de infração processo administrativo julgamento 1ª instância (1) pagamento não pagamento (3) subsistência

Leia mais

Kit de 5ª geração. Andrea Tagliavini Landirenzo

Kit de 5ª geração. Andrea Tagliavini Landirenzo Kit de 5ª geração Andrea Tagliavini Landirenzo Conteúdo Sobre o grupo Landirenzo Porque 5ª geração Novas tecnologias no GNV Linha de 5ª geração Landirenzo Sistema dual Diesel-Gás Ações pro 5ª geração Sobre

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

APRESENTAÇÃO SUMÁRIO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis EDIÇÃO N o 91 Agosto/2015 BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO GNV

MANUAL DO USUÁRIO GNV MANUAL DO USUÁRIO GNV Gás Natural Veicular PREZADO CLIENTE: Você acaba de converter seu veículo para o sistema Bi combustível: Gás Natural Veicular, gasolina ou álcool, com equipamentos de alta tecnologia

Leia mais

Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento. Superintendência de Abastecimento - SAB

Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento. Superintendência de Abastecimento - SAB Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento Superintendência de Abastecimento - SAB O MERCADO DE LUBRIFICANTES 1º Semestre de 2011 Dados Preliminares Movimentação de lubrificantes

Leia mais

ANO XIX - 2008-2ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 19/2008 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - CE

ANO XIX - 2008-2ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 19/2008 TRIBUTOS FEDERAIS ICMS - CE ANO XIX - 2008-2ª SEMANA DE MAIO DE 2008 BOLETIM INFORMARE Nº 19/2008 TRIBUTOS FEDERAIS SIMPLES NACIONAL - DECLARAÇÃO ANUAL - 2008 - PROCEDIMENTOS Introdução - Obrigatoriedade de Entrega - Preenchimento

Leia mais

Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios

Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios Retomada do mercado do GNV: Principais Benefícios Professor Edmar de Almeida Grupo de Economia da Energia Instituto de Economia UFRJ PLANO DA APRESENTAÇÃO Contexto atual do mercado de GNV no Brasil Oportunidades

Leia mais

PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS POR PEQUENOS PRODUTORES

PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS POR PEQUENOS PRODUTORES PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS POR PEQUENOS PRODUTORES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos NOVEMBRO/2004 Paulo César Ribeiro

Leia mais

Superintendência de Refino e Processamento de Gás Natural

Superintendência de Refino e Processamento de Gás Natural Superintendência de Refino e Processamento de Gás Natural O R I E N T A Ç Õ E S P A R A A I N S E R Ç Ã O D E D A D O S N O A P L I C A T I V O i - S I M P P E L O S A G E N T E S R E G U L A D O S I N

Leia mais

Allan Kardec Duailibe Diretor

Allan Kardec Duailibe Diretor Allan Kardec Duailibe Diretor Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Minas e Energia 25 de Maio, 2011 A POLÍTICA DOS BIOCOMBUSTÍVEIS NO BRASIL Objetivos definidos na Lei n º 9.478/97: Alargar

Leia mais

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis.

GNV. Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. GNV Combustível de baixo impacto ambiental para frotas de Táxis. REUNIÃO DE ESPECIALISTAS SOBRE TRANSPORTE URBANO SUSTENTÁVEL MODERNIZAR E TORNAR ECOLÓGICA A FROTA DE TÁXIS NAS CIDADES LATINO AMERICANAS

Leia mais

Gás Natural: um novo combustível para o setor de transportes

Gás Natural: um novo combustível para o setor de transportes ABMN 7 o Ciclo de Casos do Destaque no Marketing Gás Natural: um novo combustível para o setor de transportes Rodolpho Sivieri Gerente de Desenvolvimento de Mercado Veicular Gás e Energia Rio de Janeiro,

Leia mais

Evolução Recente da Desconcentração dos Mercados de Distribuição de Gasolina e Diesel no Brasil

Evolução Recente da Desconcentração dos Mercados de Distribuição de Gasolina e Diesel no Brasil Evolução Recente da Desconcentração dos Mercados de Distribuição de Gasolina e Diesel no Brasil Resumo Lúcia Maria Navegantes de Oliveira Bicalho 1 Maria Mendes da Fonseca Gomes 2 O processo de desregulamentação

Leia mais

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA

O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA O EXERCÍCIO REGULAR DA ATIVIDADE DA REVENDA VAREJISTA Diante do elevado número de autuações de postos revendedores pela Agência Nacional do Petróleo ANP, por situações que podem ser evitadas, lembramos

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

$ $ $ $ $ $ $ $ $ Um novo mercado

$ $ $ $ $ $ $ $ $ Um novo mercado diesel Um novo mercado Por mais um ano, as vendas de diesel superaram o desempenho do PIB, encerrando com expansão de 5,2% no volume e respondendo por quase 50% da matriz veicular brasileira. Foram quase

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

Ultrapar Participações S.A. 2T07 1

Ultrapar Participações S.A. 2T07 1 Ultrapar Participações S.A. 2T07 1 Previsões acerca de eventos futuros Este documento pode conter previsões acerca de eventos futuros. Tais previsões refletem apenas expectativas dos administradores da

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

Cartilha da atividade de Transportador-Revendedor-Retalhista (TRR) 2ª Edição

Cartilha da atividade de Transportador-Revendedor-Retalhista (TRR) 2ª Edição Cartilha da atividade de Transportador-Revendedor-Retalhista (TRR) 2ª Edição inclui procedimentos para testes de qualidade do óleo diesel e normas para sua comercialização. Cartilha da atividade de Transportador-Revendedor-Retalhista

Leia mais

Biocombustíveis e a perspectiva de certificação no Brasil 1

Biocombustíveis e a perspectiva de certificação no Brasil 1 Biocombustíveis e a perspectiva de certificação no Brasil 1 Francisco Nelson Castro Neves 2 Apresentação Institucional A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) surgiu, em 1998,

Leia mais

PORTARIA DNC Nº 26, DE 13 DE NOVEMBRO DE 1992 * Resolução ANP nº 23, de 24 de novembro de.2004

PORTARIA DNC Nº 26, DE 13 DE NOVEMBRO DE 1992 * Resolução ANP nº 23, de 24 de novembro de.2004 PORTARIA DNC Nº 26, DE 13 DE NOVEMBRO DE 1992 * Resolução ANP nº 23, de 24 de novembro de.2004 Institui o LIVRO DE MOVIMENTAÇÃO DE COMBUSTÍVEIS (LMC) para registro diário, pelo Posto Revendedor (PR), dos

Leia mais

ABASTECIMENTO EM NÚMEROS

ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ABASTECIMENTO EM NÚMEROS ANO 2 * Nº 11 * MARÇO A JUNHO DE 7 BOLETIM GERENCIAL MENSAL Informamos que alguns dados de comercialização estão temporariamente indisponíveis, o que provocou a interrupção da

Leia mais

Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras

Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras Converter carro para GNV reduz gastos; veja prós e contras Carro com dinheiro no compartimento do combustível: Para quem percorre quilometragens altas, a economia com o GNV pode compensar o custo do kit

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL

RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL CDC Coordenadoria de Defesa da Concorrência RELATÓRIO MENSAL DE ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Setembro de 2014 ÓLEO DIESEL 1. Introdução Neste relatório será apresentado o comportamento dos preços do óleo

Leia mais

P.A.M. PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO BETIM- IBIRITÉ - MG

P.A.M. PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO BETIM- IBIRITÉ - MG P.A.M. PLANO DE AUXÍLIO MÚTUO BETIM- IBIRITÉ - MG 2º SIBRADEN - Simpósio Brasileiro de Desastres Naturais e Tecnológicos 09 a 13 de Dezembro de 2007 Santos - SP Viver é negócio muito perigoso... Guimarães

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel

Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Congresso Nacional Comissão Especial Carro Diesel Brasília, 28 de Outubro de 2015 O que é a APROVE DIESEL Associados: Apoio Institucional: Contexto econômico e tecnológico brasileiro atual difere muito

Leia mais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais

PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000. Das Disposições Gerais AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO PORTARIA Nº 116, DE 5 DE JULHO DE 2000 Regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista de combustível automotivo. O DIRETOR-GERAL da AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ANÁLISE MENSAL DO MERCADO DE BIODIESEL: EDIÇÃO Nº 1 - MARÇO DE 213 A, documento elaborado pela Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais ABIOVE, possui o intuito de levar ao mercado informações

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS RIO DE JANEIRO MARÇO/2008

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS RIO DE JANEIRO MARÇO/2008 OBRIGAÇÕES ESTADUAIS RIO DE JANEIRO MARÇO/2008 5 ICMS/CONTRIBUINTES DE GRANDE PORTE Recolhimento do imposto devido pelos contribuintes relacionados no Decreto 31.235/2002, relativamente ao mês de fevereiro/2008.

Leia mais

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República

Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Seminário INVESTIMENTOS EM BIODIESEL J. H. Accarini Casa Civil da Presidência da República Membro da Comissão Executiva Interministerial e do Grupo Gestor do Biodiesel Consolidação do Programa Nacional

Leia mais

cadeia de abastecimento

cadeia de abastecimento cadeia de abastecimento 90 Relatório Anual da Revenda de Combustíveis 2014 Siglas ABEGÁS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Gás Canalizado ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN Cleciana Raylle Lopes Ferreira¹ ; Dayanne Costa da Silva²; Estefhany Marreiros de Lima³; Robson Garcia da Silva

Leia mais

A ANP e a Resolução CONAMA 315/2002 Waldyr Luiz Ribeiro Gallo Assessor de Diretor - ANP

A ANP e a Resolução CONAMA 315/2002 Waldyr Luiz Ribeiro Gallo Assessor de Diretor - ANP A ANP e a Resolução CONAMA 315/2002 Waldyr Luiz Ribeiro Gallo Assessor de Diretor - ANP Câmara dos Deputados - Comissão de Minas e Energia Audiência Pública 22 de novembro de 2007 Brasília, DF Sumário

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Ltda Capacidade inicial de 15 milhões de litros/ano Expansão em 2011

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

Nova Regulamentação para o setor de Combustíveis

Nova Regulamentação para o setor de Combustíveis Nova Regulamentação para o setor de Combustíveis Cristiane Zulivia de Andrade Monteiro Superintendente-Adjunta de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos, Junho 2012 Superintendência de Biocombustíveis

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a),

A N E X O RESOLUÇÃO ANP Nº 20, DE 3.4.2014 - DOU 4.4.2014. Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), CIRCULAR SINDICOMBUSTÍVEIS-DF Nº 043/2014 Brasília, 04 de abril de 2014. Prezado (a) Revendedor (a), Enviamos, abaixo, cópia da Resolução ANP 20, de 03 de abril de 2014, publicada no DOU de 04.04.2014,

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES

CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES CHECK LIST EM POSTOS REVENDEDORES Material disponibilizado pelo Fecombustíveis para a verificação do atendimento das principais demandas relativas à regulamentação da atividade e fiscalização. 1) Informações

Leia mais

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin

Panorama do Mercado Brasileiro. Richard Nicolas De Jardin Panorama do Mercado Brasileiro Richard Nicolas De Jardin Linha do Tempo Falta de Infraestrutura Poucos Postos Segmento de Taxi Privatizações Crescimento da Infraestrutura Novos mercados Aumento das Vendas

Leia mais

Visão geral das operações

Visão geral das operações Visão geral das operações Visão geral das operações Ipiranga O forte posicionamento no mercado e a sua agilidade comercial permitiram à Ipiranga se beneficiar do bom desempenho do setor automobilístico

Leia mais

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005)

Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050. (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) Resolução CONAMA n 362, de 23 de junho de 20050 Dispõe sobre o Rerrefino de Óleo Lubrificante (Publicação -Diário Oficial da União -27/06/2005) O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS Ministério de Minas e Energia Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Combustíveis Renováveis Departamento de Combustíveis Renováveis BOLETIM MENSAL DOS COMBUSTÍVEIS RENOVÁVEIS EDIÇÃO N o 85 Fevereiro/2015

Leia mais

ANÁLISE DOS POSTOS DE SERVIÇOS NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB: TIPOS DE COMBUSTÍVEIS E TANQUES SUBTERRÂNEOS

ANÁLISE DOS POSTOS DE SERVIÇOS NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB: TIPOS DE COMBUSTÍVEIS E TANQUES SUBTERRÂNEOS ANÁLISE DOS POSTOS DE SERVIÇOS NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE - PB: TIPOS DE COMBUSTÍVEIS E TANQUES SUBTERRÂNEOS Ayrton Flavio Nascimento de Sousa 1 ; Marcos Mesquita da Silva 2 ; Clarice Oliveira da Rocha

Leia mais

URBS. Urbanização de Curitiba S.A

URBS. Urbanização de Curitiba S.A URBS Urbanização de Curitiba S.A Principais Atribuições Planejamento e Gerenciamento dos Serviços de Transporte Transporte Coletivo Urbano Metropolitano Transporte Comercial Transporte Escolar Táxi Principais

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

Maranhão > Novembro/2015

Maranhão > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Maranhão >

Leia mais

PORTARIA ANP Nº 116, DE 5.7.2000 - DOU 6.7.2000 - RETIFICADA DOU 7.7.2000

PORTARIA ANP Nº 116, DE 5.7.2000 - DOU 6.7.2000 - RETIFICADA DOU 7.7.2000 Página 1 de 6 AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS PORTARIA ANP Nº 116, DE 5.7.2000 - DOU 6.7.2000 - RETIFICADA DOU 7.7.2000 Regulamenta o exercício da atividade de revenda varejista

Leia mais