Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso"

Transcrição

1

2 Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso

3 FINAL DO SÉCULO XIX

4 PANORAMA BRASILEIRO Ciclo do café. Decadência da Monarquia. Abolição (1888). Proclamação da República ( 1889). Governo de Deodoro e a primeira Constituição da República.

5 PARNASIANISMO (Valorização da forma) Invejo o ourives quando escrevo: Imito o amor Com que ele, em ouro, o alto- relevo Faz de uma flor. Torce, aprimora, alteia, lima A frase e, enfim, No verso de ouro engasta a rima, Como um rubim Quero que a estrofe cristalina, Dobrada ao jeito Do ourives, saia da oficina Sem um defeito

6 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Preocupação formal que se revela na busca da palavra exata. Comparação da poesia com as artes plásticas, sobretudo com a escultura. Frequentes alusões a elementos da mitologia grega e latina. Preferência por temas descritivos- cenas históricas, paisagens, objetos, estátuas etc. Enfoque sensual da mulher, com ênfase na descrição de suas características físicas

7 A ARTE NÃO EXISTE EM FUNÇÃO DA HUMANIDADE, DA SOCIEDADE, DA RELIGIÃO, MAS EM FUNÇÃO DE SI MESMA: A ARTE PELA ARTE.

8 A TRINDADE PARNASIANA

9 ALBERTO DE OLIVEIRA O MAIS PARNASIANO

10 RAIMUNDO CORREIA O PARNASIANO FILOSÓFICO

11 OLAVO BILAC O PARNASIANO ROMÂNTICO

12 "ORA ( DlREIS ) OUVIR ESTRELAS! CERTO PERDESTE O SENSO! E EU VOS DIREI, NO ENTANTO, "ORA ( DlREIS ) OUVIR ESTRELAS! CERTO PERDESTE O SENSO! E EU VOS DIREI, NO ENTANTO, QUE, PARA OUVI-LAS, MUITO VEZ DESPERTO E ABRO AS JANELAS, PÁLIDO DE ESPANTO..." QUE, PARA OUVI-LAS, MUITO VEZ DESPERTO E ABRO AS JANELAS, PÁLIDO DE ESPANTO..." Via Láctea -Bilac Via Láctea -Bilac

13 DUALISMO NÃO ÉS BOM, NEM ÉS MAU, ÉS TRISTE E HUMANO... VIVES ANSIANDO, EM MALDIÇÕES E PRECES, COMO SE A ARDER NO CORAÇÃO TIVESSES O TUMULTO E O CLAMOR DE UM LONGO OCEANO.... E, NO PERPÉTUO IDEAL QUE TE DEVORA, RESIDEM JUNTAMENTE NO TEU PEITO UM DEMÔNIO QUE RUGE E UM DEUS QUE CHORA. BILAC

14 A chamada "Trindade parnasiana" no Brasil é constituída pelos seguintes poetas: a) Raimundo Correia, Alberto de Oliveira e Olavo Bilac b) Gonçalves Dias, Castro Alves e Olavo Bilac c) Olavo Bilac, Raimundo Correia e Cruz e Sousa d) Olavo Bilac, Castro Alves e Alberto de Oliveira e) Castro Alves, Gonçalves Dias e Cruz e Sousa

15 A chamada "Trindade parnasiana" no Brasil é constituída pelos seguintes poetas: a) Raimundo Correia, Alberto de Oliveira e Olavo Bilac b) Gonçalves Dias, Castro Alves e Olavo Bilac c) Olavo Bilac, Raimundo Correia e Cruz e Sousa d) Olavo Bilac, Castro Alves e Alberto de Oliveira e) Castro Alves, Gonçalves Dias e Cruz e Sousa

16 Os poetas representativos da escola parnasiana defendiam: a) o engajamento político nas causas históricas da época, fazendo delas matéria para uma poesia inflamada e eloquente. b) a ideia de que a livre inspiração é a garantia maior de que o poema corresponde à expressão direta das emoções mais profundas. c) a simplicidade da arte primitiva, razão pela qual buscavam os temas bucólicos e uma linguagem próxima da fala rústica dos camponeses. d) o abandono das formas fixas, criando, portanto as condições para o posterior surgimento dos poemas em verso livre do Modernismo. e) a disciplina do artista e o trabalho artesanal com a linguagem, de modo a resultar uma obra adequada aos padrões de uma estética clássica.

17 Os poetas representativos da escola parnasiana defendiam: a) o engajamento político nas causas históricas da época, fazendo delas matéria para uma poesia inflamada e eloqüente. b) a idéia de que a livre inspiração é a garantia maior de que o poema corresponde à expressão direta das emoções mais profundas. c) a simplicidade da arte primitiva, razão pela qual buscavam os temas bucólicos e uma linguagem próxima da fala rústica dos camponeses. d) o abandono das formas fixas, criando, portanto as condições para o posterior surgimento dos poemas em verso livre do Modernismo. e) a disciplina do artista e o trabalho artesanal com a linguagem, de modo a resultar uma obra adequada aos padrões de uma estética clássica.

18 "Esta de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia." A poesia que se concentra na reprodução de objetos decorativos, como exemplifica a estrofe de Alberto de Oliveira, assinala a tônica da: a)espiritualidade da vida. b) visão do real. c) arte pela arte. d) moral das coisas. e) nota de intimismo.

19 "Esta de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia." A poesia que se concentra na reprodução de objetos decorativos, como exemplifica a estrofe de Alberto de Oliveira, assinala a tônica da: a)espiritualidade da vida. b) visão do real. c) arte pela arte. d) moral das coisas. e) nota de intimismo.

20 (UF-ES) O ideal parnasiano do culto da "arte pela arte" significa que o objetivo do poeta é criar obras que expressem: a) um conteúdo social, de interesse universal. b) a noção do progresso da sua época. c) uma mensagem educativa, de natureza moral. d) uma lição de cunho religioso. e) belo, criado pelo perfeito uso dos recursos estilísticos.

21 (UF-ES) O ideal parnasiano do culto da "arte pela arte" significa que o objetivo do poeta é criar obras que expressem: a) um conteúdo social, de interesse universal. b) a noção do progresso da sua época. c) uma mensagem educativa, de natureza moral. d) uma lição de cunho religioso. e) belo, criado pelo perfeito uso dos recursos estilísticos.

22 Não caracteriza a estética parnasiana a) a oposição aos românticos e o distanciamento das preocupações sociais realistas. b) a objetividade, advinda do espírito cientificista, e o culto da forma. c) a obsessão pelo o adorno e a contenção lírica. d) a perfeição formal na rima, no ritmo, no metro e a volta dos motivos clássicos. e) a exaltação do "eu" e a fuga da realidade presente.

23 Não caracteriza a estética parnasiana a) a oposição aos românticos e o distanciamento das preocupações sociais realistas. b) a objetividade, advinda do espírito cientificista, e o culto da forma. c) a obsessão pelo o adorno e a contenção lírica. d) a perfeição formal na rima, no ritmo, no metro e a volta dos motivos clássicos. e) a exaltação do "eu" e a fuga da realidade presente.

24 O estilo literário de que Olavo Bilac é representante, sofreu violento ataque de intelectuais ligados a) à semana de Arte Moderna. b) aos poetas - introdutores do romantismo em Portugal. c) aos poetas - introdutores do romantismo no Brasil. d) aos escritores do realismo brasileiro. e) aos poetas do parnasianismo brasileiro.

25 O estilo literário de que Olavo Bilac é representante, sofreu violento ataque de intelectuais ligados a) à semana de Arte Moderna. b) aos poetas - introdutores do romantismo em Portugal. c) aos poetas - introdutores do romantismo no Brasil. d) aos escritores do realismo brasileiro. e) aos poetas do parnasianismo brasileiro.

26 (CENTEC-BA) Todos os itens apresentam características do Parnasianismo, exceto: a) anseio de liberdade criadora. b) prevalência de formas fixas de composição poética. c) preocupação com a perfeição formal. d) gosto pela precisão descritiva. e) ideal de objetividade no tratamento dos temas.

27 (CENTEC-BA) Todos os itens apresentam características do Parnasianismo, exceto: a) anseio de liberdade criadora. b) prevalência de formas fixas de composição poética. c) preocupação com a perfeição formal. d) gosto pela precisão descritiva. e) ideal de objetividade no tratamento dos temas.

28 (CENTEC-BA) Todos os itens apresentam características do Parnasianismo, exceto: a) anseio de liberdade criadora. b) prevalência de formas fixas de composição poética. c) preocupação com a perfeição formal. d) gosto pela precisão descritiva. e) ideal de objetividade no tratamento dos temas.

29 Sem se constituir como forma de realismo na poesia, o Parnasianismo também surge como possibilidade de reação ao Romantismo. Ainda no final do século XIX, a escola Simbolista apresenta outra proposta estética. Enumere a segunda coluna de acordo com a primeira, apontando as características de cada uma das tendências. 1. Parnasianismo 2. Simbolismo ( ) subjetivismo irracionalismo ( ) descritivismo ( ) ( ) espiritualização impessoalidade ( ) alienação ( ) ( ) formalismo A sequência da segunda coluna, de cima para baixo, é

30 Sem se constituir como forma de realismo na poesia, o Parnasianismo também surge como possibilidade de reação ao Romantismo. Ainda no final do século XIX, a escola Simbolista apresenta outra proposta estética. Enumere a segunda coluna de acordo com a primeira, apontando as características de cada uma das tendências. 1. Parnasianismo 2. Simbolismo ( ) subjetivismo ( ) descritivismo ( ) irracionalismo ( ) espiritualização ( ) alienação ( ) impessoalidade ( ) formalismo A sequência da segunda coluna, de cima para baixo, é

31 (Fund.S.André-SP) Poemas como "Anoitecer" e "A cavalgada", de Raimundo Correia, ou "Vaso chinês" e "Vaso grego", de Alberto de Oliveira, exemplificam uma feição típica do Parnasianismo. É ela: a) pendor filosofante. b) a preocupação com temas particulares e individuais. c) descritivismo. d) a valorização da Antigüidade grecolatina. e) a expressão indireta do autor.

32 (Fund.S.André-SP) Poemas como "Anoitecer" e "A cavalgada", de Raimundo Correia, ou "Vaso chinês" e "Vaso grego", de Alberto de Oliveira, exemplificam uma feição típica do Parnasianismo. É ela: a) pendor filosofante. b) a preocupação com temas particulares e individuais. c) descritivismo. d) a valorização da Antigüidade grecolatina. e) a expressão indireta do autor.

33 O autor dos versos que seguem é Olavo Bilac. Leia-os e observe as afirmativas abaixo. "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo perdeste o senso." I- Foi o poeta parnasiano mais conhecido, caracterizando-se pela perfeição de forma, pureza linguística e habilidade de versejar. II- Além de poeta lírico (Via Láctea, Tarde), que chega a abordar o amor de forma sensual, foi também o patriota, o ufanista que cantou o Brasil. III- Devemos a Olavo Bilac a eliminação do conceito "Arte pela Arte" e o abandono da rima. Quais estão corretas? a) apenas I e II. b) apenas III. c) apenas II e III. d) Apenas I. e) I e III.

34 O autor dos versos que seguem é Olavo Bilac. Leia-os e observe as afirmativas abaixo. "Ora (direis) ouvir estrelas! Certo perdeste o senso." I- Foi o poeta parnasiano mais conhecido, caracterizando-se pela perfeição de forma, pureza linguística e habilidade de versejar. II- Além de poeta lírico (Via Láctea, Tarde), que chega a abordar o amor de forma sensual, foi também o patriota, o ufanista que cantou o Brasil. III- Devemos a Olavo Bilac a eliminação do conceito "Arte pela Arte" e o abandono da rima. Quais estão corretas? a) apenas I e II. b) apenas III. c) apenas II e III. d) Apenas I. e) I e III.

35 Complete e marque a correta: O livro _ de Teófilo Dias deu início ao Parnasianismo no Brasil. Precedeu esta tendência o _. Sucedeu o Parnasianismo o. a) O mulato Barroco Romantismo b) Fanfarras Realismo/Naturalismo Simbolismo c) A moreninha Romantismo Modernismo d) Senhora Arcadismo Realismo/Naturalismo

36 Complete e marque a correta: O livro _ de Teófilo Dias deu início ao Parnasianismo no Brasil. Precedeu esta tendência o _. Sucedeu o Parnasianismo o. a) O mulato Barroco Romantismo b) Fanfarras Realismo/Naturalismo Simbolismo c) A moreninha Romantismo Modernismo d) Senhora Arcadismo Realismo/Naturalismo

37 Enumere de acordo: (1) Olavo Bilac (2) Raimundo Correia (3) Alberto de Oliveira ( ) Maranhense, estudou Direito em SP e foi magistrado em vários estados brasileiros. Sua poesia, dentro do movimento parnasiano, representa um momento de descontração e de investigação. ( ) Foi uma espécie de líder do Parnasianismo e, ao mesmo tempo, o poeta que melhor se adequou aos princípios do movimento. Sua poesia é fria e intelectualizada, com um gosto acentuado pelo preciosismo formal e linguístico. ( ) Foi defensor da instrução primária, da educação física e do serviço militar obrigatório. Patriota, escreveu a letra do Hino à Bandeira.

38 Enumere de acordo: (1) Olavo Bilac (2) Raimundo Correia (3) Alberto de Oliveira ( ) Maranhense, estudou Direito em SP e foi magistrado em vários estados brasileiros. Sua poesia, dentro do movimento parnasiano, representa um momento de descontração e de investigação. ( ) Foi uma espécie de líder do Parnasianismo e, ao mesmo tempo, o poeta que melhor se adequou aos princípios do movimento. Sua poesia é fria e intelectualizada, com um gosto acentuado pelo preciosismo formal e linguístico. ( ) Foi defensor da instrução primária, da educação física e do serviço militar obrigatório. Patriota, escreveu a letra do Hino à Bandeira.

39 Mal secreto Se a cólera que espuma, a dor que mora N alma, e destrói cada ilusão que nasce, tudo o que punge, tudo o que devora o coração, no rosto se estampasse; Se se pudesse, o espírito que chora, ver através da máscara da face, quanta gente, talvez, que inveja agora nos causa, então piedade nos causasse! Quanta gente que ri, talvez, consigo guarda um atroz, recôndito inimigo, como invisível chaga cancerosa. Quanta gente que ri, talvez, existe cuja ventura única consiste em parecer aos outros venturosa! (Raimundo Correia) Para o poeta: a) há pessoas que fingem ser felizes. b) há pessoas que não sabem que carregam em si mesmas um inimigo. c) há pessoas que realmente parecem ser venturosas. d) há pessoas que riem por serem venturosas.

40 Mal secreto Se a cólera que espuma, a dor que mora N alma, e destrói cada ilusão que nasce, tudo o que punge, tudo o que devora o coração, no rosto se estampasse; Se se pudesse, o espírito que chora, ver através da máscara da face, quanta gente, talvez, que inveja agora nos causa, então piedade nos causasse! Quanta gente que ri, talvez, consigo guarda um atroz, recôndito inimigo, como invisível chaga cancerosa. Quanta gente que ri, talvez, existe cuja ventura única consiste em parecer aos outros venturosa! (Raimundo Correia) Para o poeta: a) há pessoas que fingem ser felizes. b) há pessoas que não sabem que carregam em si mesmas um inimigo. c) há pessoas que realmente parecem ser venturosas. d) há pessoas que riem por serem venturosas.

PROFESSORA: CAMILA PASQUAL DISCIPLINA : LITERATURA BRASILEIRA PARNASIANISMO (1882/89) ORIGEM - PARIS

PROFESSORA: CAMILA PASQUAL DISCIPLINA : LITERATURA BRASILEIRA PARNASIANISMO (1882/89) ORIGEM - PARIS PROFESSORA: CAMILA PASQUAL DISCIPLINA : LITERATURA BRASILEIRA PARNASIANISMO (1882/89) ORIGEM - PARIS CONTEXTO HISTÓRICO Contemporâneo do Realismo, com ele mantendo afinidades estéticas. Restrito ao campo

Leia mais

O PARNASIANISMO. Por Carlos Daniel Santos Vieira

O PARNASIANISMO. Por Carlos Daniel Santos Vieira O PARNASIANISMO Por Carlos Daniel Santos Vieira CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL Segunda metade do século XIX Progresso, ciência, revolução industrial Desapego à emoção CARACTERÍSTICAS Disciplina do bom gosto

Leia mais

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3:

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3: 2º EM Literatura Carolina Aval. Mensal 18/05/12 Textos para a questão 1: Texto I OS SAPOS O sapo tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: Meu cancioneiro É bem martelado (...) Brada em um assomo O sapo tanoeiro:

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

PARNASIANISMO O PARNASIANISMO O Parnasianismo é um Movimento Literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. Um estilo de época que se desenvolveu na poesia a partir de 1850,

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017. PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

02. (UFG 2009 Segunda fase) Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac.

02. (UFG 2009 Segunda fase) Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2º ano Disciplina: Literatura Data da prova: 06/09/2014. 01.(UFG 2009) Leia o soneto abaixo: XXXI P2-3º BIMESTRE

Leia mais

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta Amor & desamor Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta edição foram garimpados criteriosamente pelo escritor Sergio Faraco, que os editou nos volumes Livro dos sonetos, Livro do corpo, Livro das cortesãs,

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

A poesia defin de siécle: parnasianismo e simbolismo. Profa. Elisângela Lopes

A poesia defin de siécle: parnasianismo e simbolismo. Profa. Elisângela Lopes A poesia defin de siécle: parnasianismo e simbolismo Profa. Elisângela Lopes PARNASIANISMO Academias científicas: centros difusores das correntes científicas Academias de poetas: olhar racional sobre a

Leia mais

Fenômenos Linguísticos: Tipos de Discurso

Fenômenos Linguísticos: Tipos de Discurso Fenômenos Linguísticos: Tipos de Discurso Texto 1 No descomeço era o verbo. Só depois é que veio o delírio do verbo. O delírio do verbo estava no começo, lá onde a criança diz: Eu escuto a cor dos passarinhos

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Correção Atividades. Língua Portuguesa DIREITO CONSTITUCIONAL

Correção Atividades. Língua Portuguesa DIREITO CONSTITUCIONAL Língua Portuguesa DIREITO CONSTITUCIONAL Prof. Pablo Alex L. Gomes Pablito Correção Atividades As Meninas Velazquez 01) Qual comportamento humano é representa, em forma de brincadeira, pela figura acima:

Leia mais

AULA 17 LITERATURA PARNASIANISMO

AULA 17 LITERATURA PARNASIANISMO AULA 17 LITERATURA PROFª Edna Prado PARNASIANISMO I CARACTERÍSTICAS O Parnasianismo foi um movimento literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. É interessante destacar, que

Leia mais

Parnasianismo (1880-1920) Profissão de Fé Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma!

Parnasianismo (1880-1920) Profissão de Fé Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma! Parnasianismo (1880-1920) Profissão de Fé Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma! (Olavo Bilac) Características: O Parnasianismo é a manifestação poética

Leia mais

SMITH, D. Atlas da situação mundial. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2007 (adaptado). (Foto: Reprodução/ENEM)

SMITH, D. Atlas da situação mundial. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2007 (adaptado). (Foto: Reprodução/ENEM) História com prof. André Rosa 1. SMITH, D. Atlas da situação mundial. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2007 (adaptado). (Foto: Reprodução/ENEM) Uma explicação de caráter histórico para o percentual da

Leia mais

Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrados da organização do mundo e da própria identidade.

Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrados da organização do mundo e da própria identidade. Literatura no Enem COMPETÊNCIA DE ÁREA 4 Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrados da organização do mundo e da própria identidade. COMPETÊNCIA DE ÁREA 5 Analisar,

Leia mais

EXERCÍCIOS REVISIONAIS DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO EM Para o dia 16/03 (Valor 0,5) Mal secreto

EXERCÍCIOS REVISIONAIS DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO EM Para o dia 16/03 (Valor 0,5) Mal secreto Rio de Janeiro, 11/03/2016. EXERCÍCIOS REVISIONAIS DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO EM Para o dia 16/03 (Valor 0,5) O texto a seguir refere-se às questões de 1 a 5. Mal secreto Raimundo Correia Se a cólera que

Leia mais

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM

CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM CONTEÚDOS PARA AS PROVAS FINAIS - 2º ANO EM - 2016 PORTUGUÊS FÍSICA Interpretação textual/ Análise de produção textual Diferença entre análise morfológica, sintática e semântica Verbos definição, exemplos,

Leia mais

Parnasianismo e Simbolismo

Parnasianismo e Simbolismo Parnasianismo e Simbolismo Parnasianismo séc. XIX Ocorre no Brasil e na França Principais características parnasianas: Retorno aos clássicos greco-latinos Culto à forma= forma perfeita da poesia Conceito

Leia mais

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Unidade: O Romantismo Inglês Poesia Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Contextualização Histórica O período romântico inglês dura cerca de 40 anos e foi influenciado: Pela Revolução Francesa;

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

José Francisco da Rocha

José Francisco da Rocha Saudação a Poesia Biografia José Francisco da Rocha, nasceu no dia 04 de janeiro de 1932 em Cedro de São João SE. Filho de José Francisco da Rocha e Antônia Maria de Santana. Casado com Carmelita Souza

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

A Literatura no Ensino Médio

A Literatura no Ensino Médio A Literatura no Ensino Médio Ensino Médio no Brasil Um pouco de história 1-Período colonial e monárquico - formação das classes superiores 2-Primeira metade do século XX - preparação para o ensino superior

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

1ª fase modernista ( )

1ª fase modernista ( ) 1ª fase modernista (1922 1930) LIBERDADE DE EXPRESSÃO INCORPORAÇÃO DO COTIDIANO LINGUAGEM COLOQUIAL INOVAÇÕES TÉCNICAS O VERSO LIVRE A DESTRUIÇÃO DOS NEXOS A ENUMERAÇÃO CAÓTICA O FLUXO DE CONSCIÊNCIA A

Leia mais

Português. Eduardo Valladares (Maria Carolina Coelho) 27 e Linguagem Artística

Português. Eduardo Valladares (Maria Carolina Coelho) 27 e Linguagem Artística Linguagem Artística Linguagem Artística 1. A diva Vamos ao teatro, Maria José? Quem me dera, desmanchei em rosca quinze kilos de farinha tou podre. Outro dia a gente vamos Falou meio triste, culpada, e

Leia mais

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

Atividade extra. Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Atividade extra Fascículo 6 Linguagens Unidade 17 Barroco e romantismo Poesia de sentimentos Textos para os itens 1 e 2 I. Pálida, à luz da lâmpada sombria Sobre o leito de flores reclinada, como a lua

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS O texto a seguir refere-se às questões de 1 a 5. Mal secreto Raimundo Correia Se a cólera que espuma, a dor que mora N alma, e destrói cada ilusão que nasce, Tudo o que punge, tudo o que devora O coração,

Leia mais

Exercícios de Parnasianismo

Exercícios de Parnasianismo Exercícios de Parnasianismo 1. (U. Uberaba) Quanto à linguagem parnasiana é incorreto afirmar que: a) Há um excesso de adjetivos e vocábulos perfeitamente dispensáveis. b) O parnasiano emprega uma linguagem

Leia mais

Matéria: Literatura Assunto: parnasianismo Prof. Ibirá costa

Matéria: Literatura Assunto: parnasianismo Prof. Ibirá costa Matéria: Literatura Assunto: parnasianismo Prof. Ibirá costa Literatura Parnasianismo (Séc. XIX) Movimento que nasceu em meados do séc. XIX, na França Anti-romântico O Realismo na poesia Universalismo

Leia mais

ESTILOS LITERÁRIOS Barroco O termo barroco denomina genericamente todas as manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos anos 1700.

ESTILOS LITERÁRIOS Barroco O termo barroco denomina genericamente todas as manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos anos 1700. ESTILOS LITERÁRIOS Barroco O termo barroco denomina genericamente todas as manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos anos 1700. Além da literatura, estende-se à música, pintura, escultura e arquitetura

Leia mais

Engenharia Industrial Elétrica, Engenharia Industrial Mecânica, Engenharia de Produção Civil, Tecnologia em Radiologia e Tecnologia em Normalização e

Engenharia Industrial Elétrica, Engenharia Industrial Mecânica, Engenharia de Produção Civil, Tecnologia em Radiologia e Tecnologia em Normalização e 1 RASCUNHO 2 INSTRUÇÕES Esta prova contém 5 (cinco) questões. Para resolvê-las, fique atento às seguintes instruções e critérios que se seguem: 1- As respostas deverão ser redigidas, obrigatoriamente,

Leia mais

maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas

maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas Exercícios preparatórios para P7 Literatura Prof. Ítalo Puccini 1) I. A terra Esta terra, Senhor, me parece que, da ponta que mais contra o sul vimos até outra ponta que contra o norte vem, de que nós

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 2 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

1. Considere o poema abaixo:

1. Considere o poema abaixo: 1º EM Literatura Carolina Aval. Subs. / Opt. 19/04/12 1. Considere o poema abaixo: ISTO Dizem que finjo ou minto Tudo que escrevo. Não. Eu simplesmente sinto Com a imaginação. Não uso o coração. (Fernando

Leia mais

3º TD de Literatura Data: 18/07/2014

3º TD de Literatura Data: 18/07/2014 Universidade Estadual do Ceará UECEVest Professor: Vinâncio Silva 3º TD de Literatura Data: 18/07/2014 Exercícios 1. Assinale a alternativa falsa: a) O Romantismo é um movimento de expressão universal,

Leia mais

Uso de Metáforas em Poesia e Canção

Uso de Metáforas em Poesia e Canção Uso de Metáforas em Poesia e Canção Ângela Gonçalves Trevisol Tamara dos Santos A partir de observações em sala de aula para a disciplina de Seminário para o ensino de literatura brasileira percebemos

Leia mais

Prof.ª Kalyne Varela

Prof.ª Kalyne Varela Prof.ª Kalyne Varela O ROMANTISMO, estilo literário do século XIX, é a manifestação artística feita para um público consumidor novo: a burguesia. Brasil: 1808 chegada da família real portuguesa no Brasil;

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA - 2016 Nome: Nº 1ª Série Professores : Danilo / Fernando / Nicolas Nota: I Introdução Caro aluno, Neste ano, você obteve média inferior a 6,0 e, portanto, não

Leia mais

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos 1.2 Habilidade: Distinguir e utilizar a linguagem conotativa através das figuras de linguagem de som e de construção de forma textualizada.

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 2º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Processo Seletivo Cursos Semipresenciais 00 Edital Nº 0/00 RECURSO ADMINISTRATIVO CONTRA GABARITO/QUESTÃO PARECERES DA PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Quando surgiu? Durante o século XVIII. Está ligado ao pensamento filosófico do Iluminismo. Como Surgiu? Através de achados arqueológicos durante o século XVIII

Leia mais

Estudo dirigido artes Milton Gomes Segundo ano Ensino Médio. Capítulo 14. A arte no Barroco Europeu. 01 Como foi criado o termo Barroco? R. na p.

Estudo dirigido artes Milton Gomes Segundo ano Ensino Médio. Capítulo 14. A arte no Barroco Europeu. 01 Como foi criado o termo Barroco? R. na p. Estudo dirigido artes Milton Gomes Segundo ano Ensino Médio Capítulo 14 A arte no Barroco Europeu 01 Como foi criado o termo Barroco? R. na p.141 02 No livro, encontramos duas explicações para o surgimento

Leia mais

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

AULA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. 2 29.2 Habilidade: Reconhecer e valorizar a literatura simbolista produzida no Amazonas. 3 REVISÃO Simbolismo no Brasil: contexto histórico. Simbolismo

Leia mais

(...) Eu canto em português errado. Acho que o imperfeito não participa do passado. Troco as pessoas. Troco os pronomes ( ).

(...) Eu canto em português errado. Acho que o imperfeito não participa do passado. Troco as pessoas. Troco os pronomes ( ). (...) Eu canto em português errado Acho que o imperfeito não participa do passado Troco as pessoas Troco os pronomes ( ). (Meninos e Meninas Legião Urbana) ALGUMAS ESCOLHAS LINGUÍSTICAS TORNAM O IDIOMA

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento

Prof. Eloy Gustavo. Aula 4 Renascimento Aula 4 Renascimento Renascimento ou Renascença O florescimento intelectual e artístico que começou na Itália no século XIV, culminou nesse país no século XVI e influenciou enormemente outras partes da

Leia mais

O primeiro suspiro de um poeta insano!

O primeiro suspiro de um poeta insano! 1 O primeiro suspiro de um poeta insano! 2012 2 O primeiro suspiro de um poeta insano Jonas Martins 1ª.Edição..Poesia Todos os direitos reservados ao autor A reprodução total ou parcial desta obra só é

Leia mais

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS Professor Marlos Pires Gonçalves 1 TEORIA DA COMUNICAÇÃO Toda mensagem tem uma finalidade: ela pode servir para transmitir um conteúdo intelectual, exprimir (ou ocultar)

Leia mais

AGENDA ESPÍRITO DEOUTUBRO JOÃO TORDO

AGENDA ESPÍRITO DEOUTUBRO JOÃO TORDO A minha proposta para o mês de Outubro encontra-se enraizada no significado que este mês tem para um sem-número de culturas em todo o mundo: Outubro como um lugar de abertura, um espaço de mudança e de

Leia mais

Prof. Leonardo Rodrigues Ceres, 18 de out. de 2008

Prof. Leonardo Rodrigues Ceres, 18 de out. de 2008 Prof. Leonardo Rodrigues Ceres, 18 de out. de 2008 Olavo Bilac (1865-1918) nasceu no Rio de Janeiro, estudou Medicina e Direito, mas não concluiu nenhum desses cursos. Exerceu as atividades de jornalista

Leia mais

ASPECTOS DE SEMÂNTICA

ASPECTOS DE SEMÂNTICA Aula n ọ 04 ASPECTOS DE SEMÂNTICA 01. Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos resultados inesperados,

Leia mais

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de Comparativos curriculares SM Língua Portuguesa Material de divulgação de Edições SM A Língua Portuguesa e o currículo do Estado do Rio de Janeiro Apresentação Professor, Devido à inexistência de um currículo

Leia mais

LITERATURA. Prof.: Grijó

LITERATURA. Prof.: Grijó LITERATURA Prof.: Grijó BARROCO No Brasil, século XVII, Bahia. Subjetividade / Lirismo amoroso (mulher é anjo e demônio / dualidade) Antítese (jogo de contrastes) Linguagem rebuscada Uso de hipérbatos

Leia mais

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede:

Português. 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Português Leitura de texto 3 os anos Wilton fev/11 Nome: Nº: Turma: 1. Leia os seguintes poemas e faça o que se pede: Longe do estéril turbilhão da rua, Beneditino escreve! No aconchego Do claustro, na

Leia mais

Jimboê. Português. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 2 o bimestre

Jimboê. Português. Avaliação. Projeto. 5 o ano. 2 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 4, 5 e 6 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Português 5 o ano Avaliação 2 o bimestre Avaliação Português NOME:

Leia mais

Modernismo em Portugal

Modernismo em Portugal Modernismo em Portugal Caeiro Campos Fernando Pessoa Pessoa e seus Reis Heterônimos Fernando Pessoa (1888-1935) Grande parte da crítica considera Fernando Pessoa o maior poeta moderno da Língua Portuguesa.

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2012 Disciplina: Literatura Ano: 2012 Professor (a): Felipe Amaral Turma:2º ano FG e ADM Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

ARTES 7 ANO PROF.ª ARLENE AZULAY PROF. LÚCIA REGINA ENSINO FUNDAMENTAL

ARTES 7 ANO PROF.ª ARLENE AZULAY PROF. LÚCIA REGINA ENSINO FUNDAMENTAL ARTES 7 ANO PROF. LÚCIA REGINA ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ARLENE AZULAY CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, movimento e linguagem na era da informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 1.2

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

MODERNISMO NO BRASIL. O modernismo no Brasil teve início com

MODERNISMO NO BRASIL. O modernismo no Brasil teve início com MODERNISMO MODERNISMO NO BRASIL O modernismo no Brasil teve início com a Semana da Arte Moderna em 1922. Época triste a nossa, em que é mais difícil quebrar um preconceito do que um átomo Albert Einsten

Leia mais

Português 2º ano João J. Folhetim

Português 2º ano João J. Folhetim Português 2º ano João J. Folhetim Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito

Leia mais

Alguns Poetrix de TecaMiranda:

Alguns Poetrix de TecaMiranda: POETRIX A palavra Poetrix (neologismo criado a partir de poe, poesia e trix, três) surge pela primeira vez no idioma português no Manifesto Poetrix, publicado no livro TRIX Poemetos Tropi-kais, de Goulart

Leia mais

História das artes e estética. UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2!!! Prof. M.Sc. KAREN KELES!

História das artes e estética. UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2!!! Prof. M.Sc. KAREN KELES! UNIARAXÁ - ARQUITETURA E URBANISMO 2015/2 Prof. M.Sc. KAREN KELES Curso Arquitetura e Urbanismo Carga Horária 80 Horas - 4 horas semanais Ementa: Estética como campo filosófico. 66 horas teórica - prática

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

PLANO DE AULA. Série: Séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Data: 01/02/2011 Professor(a): Leandro Freitas Menezes Duração: 20 min.

PLANO DE AULA. Série: Séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Data: 01/02/2011 Professor(a): Leandro Freitas Menezes Duração: 20 min. PLANO DE AULA 1-IDENTIFICAÇÃO Série: Séries finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio Data: 01/02/2011 Professor(a): Leandro Freitas Menezes Duração: 20 min. 2-CONTEÚDO(S) ESPECÍFICO(S) DA AULA Poesia

Leia mais

Revisando o Pré-Modernismo ( )

Revisando o Pré-Modernismo ( ) Revisando o Pré-Modernismo (1902-1922) Não é escola literária. Conjunto de tendências individuais. É um momento literário de transição. A semelhança é que todos os autores são diferentes. Romantismo Realismo

Leia mais

O Pequeno Gigante Poeta

O Pequeno Gigante Poeta O Pequeno Gigante Poeta 1ª Edição, São Paulo, 2014. 1 O Pequeno Gigante Poeta Autor: Dias, Edinei Fernandes Ano: 2014 - São Paulo, Brasil Gênero: Poesia Palavras Chave: Poesia, Poema, Gigante, Edinei Fernandes

Leia mais

GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS

GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS 1 2 GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS Gonzaga Filho 2011 3 4 Dedico este livro A todos que me fazem feliz ou infeliz, Pois cada um ao seu modo, Faz-me crescer espiritualmente. Fotografia da capa: Sanderson Miranda

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE

LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE P2-4º BIMESTRE 8º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender os aspectos históricos-sociais referentes aos objetos

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

Pós-modernismo brasileiro. Neovanguardas e poesia contemporânea

Pós-modernismo brasileiro. Neovanguardas e poesia contemporânea Pós-modernismo brasileiro Neovanguardas e poesia contemporânea Concretismo O Concretismo começa a despontar no Brasil com a publicação da revista Noigandres pelos três poetas: Décio Pignatari, Haroldo

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

Síntese da unidade 4

Síntese da unidade 4 Síntese da unidade 4 Influências da lírica camoniana (Século XVI) Medida velha/corrente tradicional TEMAS Influência dos temas da poesia trovadoresca. Tópicos de circunstância; a saudade, o sofrimento

Leia mais

Técnico Design Interior

Técnico Design Interior Técnico Design Interior A ARTE NA GRÉCIA Professora Alba Baroni Arquiteta A ARTE NA GRÉCIA Dos povos da antiguidade os gregos apresentaram uma produção cultural mais livre. Não se submeteram as imposições

Leia mais

A cor das vogais. A cor das vogais. Vergílio Alberto Vieira. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho

A cor das vogais. A cor das vogais. Vergílio Alberto Vieira. Fichas de leitura. Criação intelectual: Fátima Patronilho A cor das vogais Vergílio Alberto Vieira Fichas de leitura Criação intelectual: Fátima Patronilho 27 Fichas de leitura Ficha 1 1. Lê os poemas Sofia cotovia, História de um chapéu, O golfinho almirante,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2 PROFESSOR RESPONSÁVEL: Rogério Santana CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 64h CARGA HORÁRIA SEMANAL:

Leia mais

9 Referências bibliográficas

9 Referências bibliográficas 9 Referências bibliográficas ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia Completa, Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1982.. Carta a Alphonsus de Guimaraens, em 03

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Fernanda Disciplina: L.Portuguesa Turma: 2ª Série E. Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE LINGUAGENS 7º ANO CARLA

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE LINGUAGENS 7º ANO CARLA LISTA DE RECUPERAÇÃO DE LINGUAGENS 7º ANO CARLA TEXTO 1. De onde vem a narradora e protagonista do texto? (0,4) 2. Para a autora o que apagava as lembranças de sua infância? (0,4) 3. Retire do texto dois

Leia mais

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA

LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA LITERATURA PROFESSOR LUQUINHA Romantismo e Modernismo Características; Contexto; Abordagens; Enem. LITERATURA LUQUINHA Características da Literatura Romântica A natureza como expressão do eu; A valorização

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSARÁ A 2 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2012. Disciplina: PoRTUGUÊs

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSARÁ A 2 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2012. Disciplina: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSARÁ A 2 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2012 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Leia com atenção o fragmento abaixo para responder

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Planificação Anual GR 300 - Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Módulo 9: Textos Líricos (Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos) 30 horas (40 aulas) Objectivos de Aprendizagem -Distinguir a

Leia mais

A Semana de Arte Moderna, também conhecida como Semana de 1922, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, de 11 a 18 de fevereiro de 1922.

A Semana de Arte Moderna, também conhecida como Semana de 1922, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, de 11 a 18 de fevereiro de 1922. A Semana de Arte Moderna, também conhecida como Semana de 1922, aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo, de 11 a 18 de fevereiro de 1922. Foi um encontro de novas ideias estéticas, que mudaram a arte

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Literatura Fransérgio Av. Trimestral 18/06/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de

Portuguesa. divulgação. Língua. Comparativos curriculares. Material de Comparativos curriculares SM Língua Portuguesa Material de divulgação de Edições SM A Língua Portuguesa e o currículo do Estado de Minas Gerais Apresentação Professor, Devido à inexistência de um currículo

Leia mais

LITERATURA PRÉ-MODERNISMO. Profa. Waleska Gomide Panosso

LITERATURA PRÉ-MODERNISMO. Profa. Waleska Gomide Panosso LITERATURA PRÉ-MODERNISMO Profa. Waleska Gomide Panosso MONTEIRO LOBATO AUGUSTO DOS ANJOS EUCLIDES DA CUNHA LIMA BARRETO GRAÇA ARANHA PRÉ-MODERNISMO O Pré Modernismo no Brasil não se constituiu uma escola

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:31:58

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:31:58 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 02/02/2016 Currículo de Cursos Hora: 10:31:58 Curso: Licenciatura Dupla em Português e Italiano Nível: Ensino Superior Grau Conferido: Licenciado em Língua

Leia mais