O PARNASIANISMO. Por Carlos Daniel Santos Vieira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PARNASIANISMO. Por Carlos Daniel Santos Vieira"

Transcrição

1 O PARNASIANISMO Por Carlos Daniel Santos Vieira

2

3 CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL Segunda metade do século XIX Progresso, ciência, revolução industrial Desapego à emoção

4 CARACTERÍSTICAS Disciplina do bom gosto Perfeição formal A Arte como o espaço do Belo Arte pela arte Preciosismo formal Revalorização das formas fixas Olhar impessoal (postura impassível) Resgate de temas da Antiguidade Clássica Poesia descritiva Alienação social

5 VASO GREGO Esta de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o poeta de Teos que a suspendia Então, e, ora repleta ora esvasada, A taça amiga aos dedos seus tinia, Toda de roxas pétalas colmada. Depois... Mas o lavor da taça admira, Toca-a, e do ouvido aproximando-a, às bordas Finas hás-de lhe ouvir, canora e doce, Ignota voz, qual se da antiga lira Fosse a encantada música das cordas, Qual se essa voz de Anacreonte fosse. (Alberto de Oliveira)

6 PRINCIPAIS PARNASIANOS BRASILEIROS Olavo Bilac Ainda permite um pouco a expressão emotiva Raimundo Correia Alberto de Oliveira Vicente de Carvalho

7 (ORA DIREIS) OUVIR ESTRELAS Ora ( direis ) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto Que, para ouví-las, muitas vezes desperto E abro as janelas, pálido de espanto E conversamos toda a noite, enquanto A Via-Láctea, Como um pálio aberto, Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto, Inda as procuro pelo céu deserto. Direis agora: "Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo? " E eu vos direi: "Amai para entendê-las! Pois só quem ama pode ter ouvido Capaz de ouvir e de entender estrelas! (Olavo Bilac)

8 O SIMBOLISMO Por Carlos Daniel Santos Vieira

9 CONTEXTO HISTÓRICO-CULTURAL Final do século XX Lumière inventa a fotografia colorida Começa a crise europeia que causará, no futuro, as duas Grandes Guerras Nota importante: tanto o Parnasianismo quanto o Simbolismo organizaram-se para combater uma sociedade tecnocrata e cientificista

10 CARACTERÍSTICAS Pessimismo e descrença na Razão Filiação platônica Fuga para o mundo das ideias Valorização do desconhecido Valorização dos sentidos e das sensações Concepção mística do mundo Alienação social

11 ANTÍFONA (TRECHO) Ó Formas alvas, brancas, Formas claras De luares, de neves, de neblinas! Ó Formas vagas, fluidas, cristalinas... Incensos dos turíbulos das aras Formas do Amor, constelarmante puras, De Virgens e de Santas vaporosas... Brilhos errantes, mádidas frescuras E dolências de lírios e de rosas... (...) Infinitos espíritos dispersos, Inefáveis, edênicos, aéreos, Fecundai o Mistério destes versos Com a chama ideal de todos os mistérios. (Cruz e Sousa)

12 A LINGUAGEM SIMBOLISTA Misto de imagens e sons Linguagem sugestiva Intenção: que o leitor se desligue do sentido (da realidade) e embarque num mundo de perfumes, sons e cores Preferência por sinestesias Uso de maiúsculas alegorizantes

13 ALUCINAÇÃO DE CRUZ E SOUSA Ó solidão do Mar, ó amargor das vagas, Ondas em convulsões, ondas em rebeldia, Desespero do Mar, furiosa ventania, Boca em fel dos tritões engasgada de pragas. Velhas chagas do sol, ensanguentadas chagas De ocasos purpurais de atroz melancolia, Luas tristes, fatais, da atra mudez sombria Da trágica ruína em vastidões pressagas. Para onde tudo vai, para onde tudo voa, Sumido, confundido, esboroado, à-toa, No caos tremendo e nu dos tempo a rolar? Que Nirvana genial há de engolir tudo isto - - Mundos de Inferno e Céu, de Judas e de cristo, Luas, chagas do sol e turbilhões do Mar?! (Cruz e Sousa)

14 PRINCIPAIS SIMBOLISTAS Em Portugal: Camilo Pessanha No Brasil: Cruz e Sousa Alphonsus de Guimaraens

15 EXERCÍCIOS Sobre o Parnasianismo P. 451, ex. 1-3 P. 454, ex. 1-3 Sobre o Simbolismo P. 470, ex. 1-4 P. 480, ex. 1-3

2) Explique o que foi o chamado "Pré-Modernismo). (1 ponto)

2) Explique o que foi o chamado Pré-Modernismo). (1 ponto) 2º EM Literatura Fransergio Av. Mensal 14/05/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo

Bárbara da Silva. Literatura. Parnasianismo Bárbara da Silva Literatura Parnasianismo O Parnasianismo foi um movimento essencialmente poético, surgido na segunda metade do século XIX, reagindo contra o sentimentalismo e o subjetivismo dos românticos.

Leia mais

A poesia defin de siécle: parnasianismo e simbolismo. Profa. Elisângela Lopes

A poesia defin de siécle: parnasianismo e simbolismo. Profa. Elisângela Lopes A poesia defin de siécle: parnasianismo e simbolismo Profa. Elisângela Lopes PARNASIANISMO Academias científicas: centros difusores das correntes científicas Academias de poetas: olhar racional sobre a

Leia mais

PARNASIANISMO O PARNASIANISMO O Parnasianismo é um Movimento Literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. Um estilo de época que se desenvolveu na poesia a partir de 1850,

Leia mais

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta

Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta Amor & desamor Uma grande parte dos sonetos incluídos nesta edição foram garimpados criteriosamente pelo escritor Sergio Faraco, que os editou nos volumes Livro dos sonetos, Livro do corpo, Livro das cortesãs,

Leia mais

POÉTICAS DO SÉCULO XIX

POÉTICAS DO SÉCULO XIX POÉTICAS DO SÉCULO XIX (3) Origens Precursor Edgar Allan Poe (1809-1849) Origens Charles Baudelaire (1821-1867) B RINDE Nada, esta espuma, virgem verso A não designar mais que a copa; Ao longe se afoga

Leia mais

Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso

Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso Anton Raphael Mengs Apolo e as musas no Parnaso FINAL DO SÉCULO XIX PANORAMA BRASILEIRO Ciclo do café. Decadência da Monarquia. Abolição (1888). Proclamação da República ( 1889). Governo de Deodoro e a

Leia mais

Aula A POESIA BRASILEIRA PARNASIANA: META OBJETIVOS. Leitura da aula 1, 2, 3, 4, 5 e 8.

Aula A POESIA BRASILEIRA PARNASIANA: META OBJETIVOS. Leitura da aula 1, 2, 3, 4, 5 e 8. A POESIA BRASILEIRA PARNASIANA: META OBJETIVOS Leitura da aula 1, 2, 3, 4, 5 e 8. Literatura brasileira II Prezado aluno, vamos estudar a poesia brasileira parnasiana que consolidar o Parnasianismo no

Leia mais

Parnasianismo e Simbolismo

Parnasianismo e Simbolismo Parnasianismo e Simbolismo Parnasianismo séc. XIX Ocorre no Brasil e na França Principais características parnasianas: Retorno aos clássicos greco-latinos Culto à forma= forma perfeita da poesia Conceito

Leia mais

Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome LÍNGUA PORTUGUESA.

Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome LÍNGUA PORTUGUESA. Prezado (a) candidato (a) Coloque seu número de inscrição e nome no quadro abaixo: Nº de Inscrição Nome LÍNGUA PORTUGUESA Texto I Meninos Carvoeiros Manuel Bandeira Os meninos carvoeiros Passam a caminho

Leia mais

Língua Portuguesa (Olavo Bilac)

Língua Portuguesa (Olavo Bilac) Língua Portuguesa (Olavo Bilac) Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela... Amo-te assim, desconhecida

Leia mais

José Francisco da Rocha

José Francisco da Rocha Saudação a Poesia Biografia José Francisco da Rocha, nasceu no dia 04 de janeiro de 1932 em Cedro de São João SE. Filho de José Francisco da Rocha e Antônia Maria de Santana. Casado com Carmelita Souza

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Simbolismo

Bárbara da Silva. Literatura. Simbolismo Bárbara da Silva Literatura Simbolismo O Simbolismo surge num momento em que a Europa passava por uma decadência econômica, as últimas décadas do século XIX, em que todas as esperanças no positivismo e

Leia mais

Direis agora: Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo?

Direis agora: Tresloucado amigo! Que conversas com elas? Que sentido Tem o que dizem, quando estão contigo? VIA LÁCTEA XIII Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Perdeste o senso! E eu vos direi, no entanto, Que, para ouvi-las, muita vez desperto E abro as janelas, pálido de espanto... E conversamos toda a noite,

Leia mais

Soneto de fidelidade. E assim quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Soneto de fidelidade. E assim quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama Nós já vimos várias manifestações poéticas. Vimos os poemas do Padre Anchieta, do poeta barroco Gregório de Matos, de poetas românticos, de Machado de Assis. Agora vamos estudar outro momento importante

Leia mais

PROFESSORA: CAMILA PASQUAL DISCIPLINA : LITERATURA BRASILEIRA PARNASIANISMO (1882/89) ORIGEM - PARIS

PROFESSORA: CAMILA PASQUAL DISCIPLINA : LITERATURA BRASILEIRA PARNASIANISMO (1882/89) ORIGEM - PARIS PROFESSORA: CAMILA PASQUAL DISCIPLINA : LITERATURA BRASILEIRA PARNASIANISMO (1882/89) ORIGEM - PARIS CONTEXTO HISTÓRICO Contemporâneo do Realismo, com ele mantendo afinidades estéticas. Restrito ao campo

Leia mais

Matéria: Literatura Assunto: parnasianismo Prof. Ibirá costa

Matéria: Literatura Assunto: parnasianismo Prof. Ibirá costa Matéria: Literatura Assunto: parnasianismo Prof. Ibirá costa Literatura Parnasianismo (Séc. XIX) Movimento que nasceu em meados do séc. XIX, na França Anti-romântico O Realismo na poesia Universalismo

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2017. PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

AULA 17 LITERATURA PARNASIANISMO

AULA 17 LITERATURA PARNASIANISMO AULA 17 LITERATURA PROFª Edna Prado PARNASIANISMO I CARACTERÍSTICAS O Parnasianismo foi um movimento literário essencialmente poético, contemporâneo do Realismo-Naturalismo. É interessante destacar, que

Leia mais

QUESTÕES. 2. Quais os principais autores e obras do movimento naturalista?

QUESTÕES. 2. Quais os principais autores e obras do movimento naturalista? 2º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 21/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

ASPECTOS DE SEMÂNTICA

ASPECTOS DE SEMÂNTICA Aula n ọ 04 ASPECTOS DE SEMÂNTICA 01. Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequado a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos resultados inesperados,

Leia mais

Matéria: Literatura Assunto: simbolismo Prof. Ibirá costa

Matéria: Literatura Assunto: simbolismo Prof. Ibirá costa Matéria: Literatura Assunto: simbolismo Prof. Ibirá costa Literatura Simbolismo (Séc. XIX) Origens A estética simbolista surgiu no final do século XIX, por volta de 1880, na França. Recusando-se aos princípios

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA EM LÍNGUA PORTUGUESA

FORMAÇÃO CONTINUADA EM LÍNGUA PORTUGUESA FORMAÇÃO CONTINUADA EM LÍNGUA PORTUGUESA ROTEIRO DE ATIVIDADES Versão do Aluno 1º ciclo do 3º bimestre da 2ª série Eixo bimestral: POESIA NO PARNASIANISMO Gerência de Produção Luiz Barboza Coordenação

Leia mais

A Literatura no Ensino Médio

A Literatura no Ensino Médio A Literatura no Ensino Médio Ensino Médio no Brasil Um pouco de história 1-Período colonial e monárquico - formação das classes superiores 2-Primeira metade do século XX - preparação para o ensino superior

Leia mais

Parnasianismo (1880-1920) Profissão de Fé Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma!

Parnasianismo (1880-1920) Profissão de Fé Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma! Parnasianismo (1880-1920) Profissão de Fé Assim procedo. Minha pena Segue esta norma, Por te servir, Deusa serena, Serena Forma! (Olavo Bilac) Características: O Parnasianismo é a manifestação poética

Leia mais

Presente Perfeito A. D. Feldman

Presente Perfeito A. D. Feldman Presente Perfeito A. D. Feldman Encontramo-nos em algum lugar de um pequeno planeta e observamos a beleza fria e ao mesmo tempo arrebatadora do infinito em sua profundeza impenetrável. Lá a morte e a vida

Leia mais

SMITH, D. Atlas da situação mundial. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2007 (adaptado). (Foto: Reprodução/ENEM)

SMITH, D. Atlas da situação mundial. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2007 (adaptado). (Foto: Reprodução/ENEM) História com prof. André Rosa 1. SMITH, D. Atlas da situação mundial. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 2007 (adaptado). (Foto: Reprodução/ENEM) Uma explicação de caráter histórico para o percentual da

Leia mais

MODERNISMO 2ª GERAÇÃO. Por Carlos Daniel S. Vieira

MODERNISMO 2ª GERAÇÃO. Por Carlos Daniel S. Vieira MODERNISMO 2ª GERAÇÃO Por Carlos Daniel S. Vieira CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL CONTEXTO HISTÓRICO-SOCIAL Duas guerras mundiais Crack da bolsa (1929) Instabilidade social e política O homem busca esperanças......

Leia mais

PORTUGUÊS - 2 o ANO MÓDULO 38 SIMBOLISMO PARTE 2

PORTUGUÊS - 2 o ANO MÓDULO 38 SIMBOLISMO PARTE 2 PORTUGUÊS - 2 o ANO MÓDULO 38 SIMBOLISMO PARTE 2 Fixação (Alphonsus de Guimaraens) Soneto Hão de chorar por ela os cinamomos, Murchando as flores ao tombar do dia. Dos laranjais hão de cair os pomos,

Leia mais

DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série

DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série DISCIPLINA DE LITERATURA OBJETIVOS: 1ª Série Possibilitar reflexões de cunho histórico-cultural por meio da literatura, entendendo o processo de formação desta no Brasil e no ocidente. Explorar variedades

Leia mais

Literatura LISTA DE RECUPERAÇÃO

Literatura LISTA DE RECUPERAÇÃO LISTA DE RECUPERAÇÃO Professor: Carlos Literatura SÉRIE: 3º ANO DATA: 17 / 10/ 2016 01. (PUCCAMP-SP) "Como ostentasse certa arrogância, não se distinguia bem se era uma criança, com fumos de homem, se

Leia mais

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos 1.2 Habilidade: Distinguir e utilizar a linguagem conotativa através das figuras de linguagem de som e de construção de forma textualizada.

Leia mais

Prof. Leonardo Rodrigues Ceres, 18 de out. de 2008

Prof. Leonardo Rodrigues Ceres, 18 de out. de 2008 Prof. Leonardo Rodrigues Ceres, 18 de out. de 2008 Olavo Bilac (1865-1918) nasceu no Rio de Janeiro, estudou Medicina e Direito, mas não concluiu nenhum desses cursos. Exerceu as atividades de jornalista

Leia mais

02. (UFG 2009 Segunda fase) Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac.

02. (UFG 2009 Segunda fase) Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac. Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Daniel Série: 2º ano Disciplina: Literatura Data da prova: 06/09/2014. 01.(UFG 2009) Leia o soneto abaixo: XXXI P2-3º BIMESTRE

Leia mais

Estilo de Época e Estilo Individual

Estilo de Época e Estilo Individual Estilo de Época e Estilo Individual Estilo de Época e Estilo Individual Texto 1 Morte (hora de delírio) Pensamento gentil de paz eterna Amiga morte, vem. Tu és o termo De dous fantasmas que a existência

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações:

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel. Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Simbolismo: a linguagem da músicam

Simbolismo: a linguagem da músicam Simbolismo: a linguagem da músicam Insatisfeitos com a onda de cientificismo e materialismo a que esteve submetida a sociedade industrial européia na segunda metade do século XIX, os simbolistas representam

Leia mais

AULA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 30.1 Conteúdo: O Parnasianismo e o Simbolismo no Amazonas. 2 29.2 Habilidade: Reconhecer e valorizar a literatura simbolista produzida no Amazonas. 3 REVISÃO Simbolismo no Brasil: contexto histórico. Simbolismo

Leia mais

As Leis Divinas, o Diapasão de Deus!

As Leis Divinas, o Diapasão de Deus! 1 As Leis Divinas, o Diapasão de Deus! Os Espíritos do Senhor, que são as virtudes dos Céus, qual imenso exército que se movimenta ao receber as ordens do seu comando, espalham-se por toda a superfície

Leia mais

Revisão de Literatura PARNASIANISMO SIMBOLISMO. 2ª série Prof. Ana Santa Felicidade

Revisão de Literatura PARNASIANISMO SIMBOLISMO. 2ª série Prof. Ana Santa Felicidade Revisão de Literatura PARNASIANISMO SIMBOLISMO 2ª série Prof. Ana Santa Felicidade PARNASIANISMO arte pela arte = poetas davam extrema importância à perfeição formal A poesia, para o parnasiano, é sinônimo

Leia mais

Exercícios de Parnasianismo

Exercícios de Parnasianismo Exercícios de Parnasianismo 1. (U. Uberaba) Quanto à linguagem parnasiana é incorreto afirmar que: a) Há um excesso de adjetivos e vocábulos perfeitamente dispensáveis. b) O parnasiano emprega uma linguagem

Leia mais

SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S): A, B, C e D DISCIPLINA: Literatura IV BIMESTRE. Parnasianismo. 1. (FUND. UNIV. RIOGRANDE) Marque a afirmativa correta:

SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S): A, B, C e D DISCIPLINA: Literatura IV BIMESTRE. Parnasianismo. 1. (FUND. UNIV. RIOGRANDE) Marque a afirmativa correta: SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2ª TURMA(S):

Leia mais

simbolismo Realismo Naturalismo Parnasianismo Simbolismo Coexistência Dissidência

simbolismo Realismo Naturalismo Parnasianismo Simbolismo Coexistência Dissidência Simbolismo Coexistência simbolismo Realismo Naturalismo Parnasianismo Simbolismo Dissidência O Simbolismo é, antes de tudo, antipositivista, antinaturalista e anticientificista. Isto significa que, contrariando

Leia mais

LITERÁRIOS. Soneto, ode, etc. Lírica. POESIA Épica. Poema, poemeto, epopéia... Conto, novela, romance. PROSA

LITERÁRIOS. Soneto, ode, etc. Lírica. POESIA Épica. Poema, poemeto, epopéia... Conto, novela, romance. PROSA POESIA & PROSA GÊNEROS LITERÁRIOS ESPÉCIES FORMAS Lírica Soneto, ode, etc. POESIA Épica Poema, poemeto, epopéia... PROSA Conto, novela, romance. É uma questão antiga! Para muitos é insolúvel!!! O problema

Leia mais

A Descoberta da Radiação Cósmica de Fundo

A Descoberta da Radiação Cósmica de Fundo A Descoberta da Radiação Cósmica de Fundo mailto:ronaldo@astro.iag.usp.br http://www.astro.iag.usp.br/ ronaldo/intrcosm/notas/index.html 21 de junho de 2007 Os Primeiros Passos Relevância do Estudo da

Leia mais

Fascículo 2 Linguagens Unidade 4 Descrevendo pessoas, objetos, lugares... o mundo!

Fascículo 2 Linguagens Unidade 4 Descrevendo pessoas, objetos, lugares... o mundo! Atividade extra Fascículo 2 Linguagens Unidade 4 Descrevendo pessoas, objetos, lugares... o mundo! Questão 1 A casa era grande, branca e antiga. Em sua frente havia um pátio quadrado. À direita havia um

Leia mais

Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac para responder à questão 1.

Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac para responder à questão 1. EXERCÍCIOS DE REVISÃO/ 2014 Recuperação 1º semestre Nome: Nº 3º ano / Ensino Médio Turma: Disciplina(s): LITERATURA Data: Professor(a): Milene Ribeiro Nota: Leia os poemas de Cora Coralina e Olavo Bilac

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE ESTUDO PARA RECUPERAÇÃO. 1º Semestre

ORIENTAÇÕES DE ESTUDO PARA RECUPERAÇÃO. 1º Semestre Estrada do Açude, 250 - Alto da Boa Vista Rio de Janeiro RJ CEP. 20.531-330 Tels.: 2492-2124 /2492-2243 -www.marcelinas. com.br -email:colegiorj@marcelinas.com.br ORIENTAÇÕES DE ESTUDO PARA RECUPERAÇÃO

Leia mais

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos

Comigo mais poesia. Nelson Martins. Reflexões e Sentimentos Comigo mais poesia Comigo mais poesia Nelson Martins Reflexões e Sentimentos Apresentação A poesia de Nelson Martins conduz o leitor à territorialidade da existência humana, como memória grifada de cada

Leia mais

Objetivos. Parnasianismo: origens. Letras. Prof: Silvio Pereira da Silva. Literaturas e suas estruturas narrativas: Parnasianismo e Simbolismo

Objetivos. Parnasianismo: origens. Letras. Prof: Silvio Pereira da Silva. Literaturas e suas estruturas narrativas: Parnasianismo e Simbolismo Letras Prof: Silvio Pereira da Silva Literaturas e suas estruturas narrativas: Parnasianismo e Simbolismo Objetivos Refletir, com base em textos críticos e literários, sobre o Parnasianismo e o Simbolismo;

Leia mais

PORTUGUÊS - 2 o ANO MÓDULO 36 PARNASIANISMO PARTE 2

PORTUGUÊS - 2 o ANO MÓDULO 36 PARNASIANISMO PARTE 2 PORTUGUÊS - 2 o ANO MÓDULO 36 PARNASIANISMO PARTE 2 Fixação Fantástica Erguido em negro mármor luzidio, Portas fechadas, num mistério enorme, Numa terra de reis, mudo e sombrio, Sono de lendas um palácio

Leia mais

Modernismo em Portugal

Modernismo em Portugal Modernismo em Portugal Caeiro Campos Fernando Pessoa Pessoa e seus Reis Heterônimos Fernando Pessoa (1888-1935) Grande parte da crítica considera Fernando Pessoa o maior poeta moderno da Língua Portuguesa.

Leia mais

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para

Eis que chega meu grande amigo, Augusto dos Anjos, ele com seu jeitão calado e sempre triste, me fala que não irá existir palavra alguma para Oceano em Chamas Querida, Tentei em vão, fazer um poema a você, não consegui. Me faltavam palavras para descrever-te, então pedi aos poetas do universo para me ajudarem. O primeiro com quem conversei,

Leia mais

Literatura. Ana Cláudia Vaso grego. Esta, de áureos relevos, trabalhada. De divas mãos, brilhante copa, um dia,

Literatura. Ana Cláudia Vaso grego. Esta, de áureos relevos, trabalhada. De divas mãos, brilhante copa, um dia, Literatura Ana Cláudia 1 10 01 Vaso grego Esta, de áureos relevos, trabalhada De divas mãos, brilhante copa, um dia, Já de aos deuses servir como cansada, Vinda do Olimpo, a um novo deus servia. Era o

Leia mais

Pingos da Língua Portuguesa...

Pingos da Língua Portuguesa... Pingos da Língua Portuguesa... Pequenas doses de Gramática, Literatura e Redação para você... no Rio Branco/Campinas Vol. 7 2011 Você sabe o que é o REALISMO??? Existe, na literatura brasileira, um momento

Leia mais

1ª fase modernista ( )

1ª fase modernista ( ) 1ª fase modernista (1922 1930) LIBERDADE DE EXPRESSÃO INCORPORAÇÃO DO COTIDIANO LINGUAGEM COLOQUIAL INOVAÇÕES TÉCNICAS O VERSO LIVRE A DESTRUIÇÃO DOS NEXOS A ENUMERAÇÃO CAÓTICA O FLUXO DE CONSCIÊNCIA A

Leia mais

Encarte

Encarte Encarte e letras disponíveis em Encarte www.encartedigitalmk.com.br e letras disponíveis em Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais

Leia mais

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3:

(PUC-Rio/2005 Adaptada) Texto para as questões 2 e 3: 2º EM Literatura Carolina Aval. Mensal 18/05/12 Textos para a questão 1: Texto I OS SAPOS O sapo tanoeiro, Parnasiano aguado, Diz: Meu cancioneiro É bem martelado (...) Brada em um assomo O sapo tanoeiro:

Leia mais

Seus Escritos no Site da Magrià a Antonio Márcio Uma rosa para a minha Rosa

Seus Escritos no Site da Magrià a Antonio Márcio Uma rosa para a minha Rosa Seus Escritos no Site da Magrià a Antonio Márcio Uma rosa para a minha Rosa Apanhei esta rosa Para o teu olhar. Apanhei esta rosa Para as tuas mãos. Apanhei esta rosa Para o teu olfato. Apanhei esta rosa

Leia mais

Astronomia e Literatura: fragmentos e autores Professora Maria José Barros Fidelis de Moura

Astronomia e Literatura: fragmentos e autores Professora Maria José Barros Fidelis de Moura XIII EANE- Encontro de Astronomia do Nordeste Astronomia e Literatura: fragmentos e autores Professora Maria José Barros Fidelis de Moura Centro de Estudos Astronômicos de Alagoas Secretaria Municipal

Leia mais

SONETO. SONETO Fagundes Varela ( )

SONETO. SONETO Fagundes Varela ( ) SONETO Fagundes Varela (1841-1875) Desponta a estrela d alva, a noite morre. Pulam no mato alígeros cantores, E doce a brisa no arraial das flores Lânguidas queixas murmurando corre. Volúvel tribo a solidão

Leia mais

Eugénio de Andrade AS PALAVRAS INTERDITAS ATÉ AMANHÃ. Nuno Júdice ASSÍRIO & ALVIM. prefácio de

Eugénio de Andrade AS PALAVRAS INTERDITAS ATÉ AMANHÃ. Nuno Júdice ASSÍRIO & ALVIM. prefácio de Eugénio de Andrade AS PALAVRAS INTERDITAS ATÉ AMANHÃ prefácio de Nuno Júdice ASSÍRIO & ALVIM UM ARTISTA DA LINGUAGEM Publicados respectivamente em 1951 e 1956, As Palavras Interditas e Até Amanhã são livros

Leia mais

Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração

Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração Romantismo Poesia 1ª e 2ª Geração Minha terra Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá Todos cantam sua terra, Também vou cantar a minha, Nas débeis cordas da lira Hei de fazê-la rainha; Hei de dar-lhe

Leia mais

Oficina 8: Astronomia

Oficina 8: Astronomia Oficina 8: Astronomia O dia e a noite, o brilho das estrelas, o nascer do sol... Há tempos o homem observa o céu. Mas, por que ele faz isso? Seria apenas fascínio? Seria especulação? Seria pela necessidade

Leia mais

Como sabemos, em situações informais, usamos uma linguagem informal e, em situações formais, usamos

Como sabemos, em situações informais, usamos uma linguagem informal e, em situações formais, usamos Atividade extra Fascículo 2 Linguagens Unidade 4 A norma culta e suas ramificações Como sabemos, em situações informais, usamos uma linguagem informal e, em situações formais, usamos uma linguagem formal.

Leia mais

PROPOSTA PARA EVIDENCIAR COMPETÊNCIAS DE LEITURA

PROPOSTA PARA EVIDENCIAR COMPETÊNCIAS DE LEITURA PROPOSTA PARA EVIDENCIAR COMPETÊNCIAS DE LEITURA NOTA: LEIA ATENTAMENTE ESTE DOCUMENTO QUE CONTÉM UMA PARTE TEÓRICA E UMA PARTE PRÁTICA: UM EXEMPLO DAQUILO QUE DEVEM FAZER INTRODUÇÃO: PARTE UM: TEORIA

Leia mais

Três. Three. Eucanaã Ferraz 1

Três. Three. Eucanaã Ferraz 1 Três Three Eucanaã Ferraz 1 I A primavera segue monótona em torno da casa: formigas, hera, à maneira de maré que não recuasse, a tal ponto que seguisse também sobre a lua e sobre o rosto, noites marinhas,

Leia mais

IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS. Nelyse Ap. Melro Salzedas

IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS. Nelyse Ap. Melro Salzedas IMAGEM E REPRESENTAÇÃO: VENDO ESTRELAS Nelyse Ap. Melro Salzedas serranoepg@ig.com.br 1 Resumo: Ver e representar a imagem das estrelas: uma questão texto e imagem entre a pintura, a poesia e a música:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 63/2002

RESOLUÇÃO Nº 63/2002 RESOLUÇÃO Nº 63/2002 Estabelece a relação de obras literárias do Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação nos anos letivos de 2004, 2005 e 2006. O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

ADRIANO DE ALVARENGA AZEVEDO. Sonetos Livres

ADRIANO DE ALVARENGA AZEVEDO. Sonetos Livres 1 ADRIANO DE ALVARENGA AZEVEDO Sonetos Livres 1 2 Copyright 2014 Editora Perse 2 3 Capa e Projeto Gráfico Carlos Neves Sonetos Livres Autor: ADRIANO DE ALVARENGA AZEVEDO EDIÇÃO 2014 OLINDA -PE 3 4 Apresentação:

Leia mais

A vista incerta, Os ombros langues, Pierrot aperta As mãos exangues De encontro ao peito. (Manuel Bandeira)

A vista incerta, Os ombros langues, Pierrot aperta As mãos exangues De encontro ao peito. (Manuel Bandeira) SONORIDADE: FIGURAS E SENTIDO Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. (Luís de Camões) A vista incerta, Os

Leia mais

Professora titular de Filosofia da educação da UERJ. Autora, entre outros, de Os enigmas da educação. Rio de Janeiro: Autêntica, 2002.

Professora titular de Filosofia da educação da UERJ. Autora, entre outros, de Os enigmas da educação. Rio de Janeiro: Autêntica, 2002. Cornelius Castoriadis: pistas luminosas para pensar o humano Lílian do Valle «Ouvindo coisas»? Perdoem-me se volto ainda, ao final do primeiro dia de atividades deste encontro, a seu título, tão sugestivo,

Leia mais

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel

GOIÂNIA, / / PROFESSOR: Daniel GOIÂNIA, / / 2017. PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Simbolismo - autores e características

Simbolismo - autores e características GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

Encontre Deus na próxima esquina As coisas da graça ou a graça das coisas O tipo de fé que Jesus admira Viver pela fé é viver consciente do amor de Deus Diante dos dramas da vida Um dos textos bíblicos

Leia mais

Contexto cultural. Prevalência dos Ismos : Por outro lado, o início da queda da verdade científica. Determinismo Positivismo Materialismo Darwinismo

Contexto cultural. Prevalência dos Ismos : Por outro lado, o início da queda da verdade científica. Determinismo Positivismo Materialismo Darwinismo Simbolismo Contexto cultural Prevalência dos Ismos : Determinismo Positivismo Materialismo Darwinismo Por outro lado, o início da queda da verdade científica. Contexto filosófico Henri Bergson: Intuicionismo

Leia mais

seres da natureza quanto os homens são cópias sensíveis de modelos originais inteligíveis. A partir desta teoria Platão

seres da natureza quanto os homens são cópias sensíveis de modelos originais inteligíveis. A partir desta teoria Platão Atividade extra Fascículo 3 Filosofia Unidade 5 Questão 1 Em sua teoria da ideias, Platão divide a realidade em dois universos distintos: o inteligível e o sensível. O primeiro é constituído pelas formas

Leia mais

Teoria das Cores Cor Pigmento

Teoria das Cores Cor Pigmento Cores Primárias Teoria das Cores Cor Pigmento Cores Secundárias Cores Terciárias Cores Quentes Cores Neutras Cores Frias 1 Cores Complementares Cores Análogas Análogas do amarelo Análogas do verde Análogas

Leia mais

Português. Eduardo Valladares (Maria Carolina Coelho) 27 e Linguagem Artística

Português. Eduardo Valladares (Maria Carolina Coelho) 27 e Linguagem Artística Linguagem Artística Linguagem Artística 1. A diva Vamos ao teatro, Maria José? Quem me dera, desmanchei em rosca quinze kilos de farinha tou podre. Outro dia a gente vamos Falou meio triste, culpada, e

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este

Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este Vivo num sonho que não é realidade Faz parte do meu viver Crescer sonhando esquecendo os planos Sou eu quem vivo esta é minha vida Prazer este EU Hoje deixei pra lá me esqueci de tudo Vivo minha vida sobre

Leia mais

1 O sol cobre de sangue o horizonte e a pálida lua, trêmula, lança seu pungente olhar sobre a terra.

1 O sol cobre de sangue o horizonte e a pálida lua, trêmula, lança seu pungente olhar sobre a terra. HAI KAI Victor Knoll Universidade de São Paulo (USP). 1 O sol cobre de sangue o horizonte e a pálida lua, trêmula, lança seu pungente olhar sobre a terra. 2 O poder do Astro Rei desfalece no horizonte

Leia mais

Falando de amor e ilusão.

Falando de amor e ilusão. Falando de amor e ilusão. Sérgio Batista 2 Falando de amor e ilusão Primeira Edição Editora do Livre Pensador Recife, Pernambuco 2013 3 Titulo Original Falando de amor e ilusão Primeira Edição Copyright

Leia mais

GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS

GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS 1 2 GUAMARÉ, RETALHOS POÉTICOS Gonzaga Filho 2011 3 4 Dedico este livro A todos que me fazem feliz ou infeliz, Pois cada um ao seu modo, Faz-me crescer espiritualmente. Fotografia da capa: Sanderson Miranda

Leia mais

9 Referências bibliográficas

9 Referências bibliográficas 9 Referências bibliográficas ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia Completa, Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1982.. Carta a Alphonsus de Guimaraens, em 03

Leia mais

QUESTÕES. Leia o seguinte trecho da obra O Cortiço, de Aluísio Azevedo, e responda ao que se pede.

QUESTÕES. Leia o seguinte trecho da obra O Cortiço, de Aluísio Azevedo, e responda ao que se pede. 3º EM Literatura Klaus Av. Dissertativa 21/09/16 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

Parnasianismo. Introdução

Parnasianismo. Introdução SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 2º ano

Leia mais

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia

Alguns autores escrevem de acordo com o novo A. O., outros segundo a antiga ortografia Olhar de Amor - COLECTÂNEA DE POESIA - VÁRIOS AUTORES Título Olhar de Amor Colectânea de Poesia - Edição Tecto de Nuvens, Edições e Artes Gráficas, LDA. Rua Camilo Pessanha, 152, 4435-638 Baguim do Monte

Leia mais

Bárbara da Silva. Literatura. Modernismo I

Bárbara da Silva. Literatura. Modernismo I Bárbara da Silva Literatura Modernismo I O Modernismo é marcado por inúmeros avanços tecnológicos, no início do século XX, mas também por questões políticas e sociais. A Europa, berço do modernismo, começa

Leia mais

Ô Ogum! Ô Ogunhê, iê, iê! Ô Ogum! Ogum Xoroquê!

Ô Ogum! Ô Ogunhê, iê, iê! Ô Ogum! Ogum Xoroquê! Ô Ogum! Ô Ogunhê, iê, iê! Ô Ogum! Ogum Xoroquê! Meu senhor das estradas, Ogunhê! Abra meus caminhos, Ogunhê! Meu senhor da porteira, Ogunhê! Ele é meu pai, Ogum Xoroquê! ESTOU OUVINDO O LINDO TOQUE DO

Leia mais

Na Terra, a sinfonia e a melodia não são mais que ecos débeis e deformados dos concertos celestes. Nossos instrumentos, mesmo os mais perfeitos,

Na Terra, a sinfonia e a melodia não são mais que ecos débeis e deformados dos concertos celestes. Nossos instrumentos, mesmo os mais perfeitos, Na Terra, a sinfonia e a melodia não são mais que ecos débeis e deformados dos concertos celestes. Nossos instrumentos, mesmo os mais perfeitos, sempre têm qualquer coisa de mecânico e de áspero, enquanto

Leia mais

Pergaminho dos Sonhos

Pergaminho dos Sonhos Pergaminho dos Sonhos Michel R.S. Era uma vez um poeta... Um jovem poeta que aprendera a amar e deixar de amar. E de uma forma tão simples, assim como o bem e o mal, O amor tornou-se o objetivo de suas

Leia mais

Características do Simbolismo

Características do Simbolismo SIMBOLISMO O simbolismo foi um movimento que se desenvolveu nas artes plásticas, teatro e literatura. Surgiu na França, no final do século XIX, em oposição ao Naturalismo e ao Realismo. Características

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

Domingos de Leers Guimaraens. Caminhos imaginativos: Do simbolismo ao modernismo e além. Dissertação de Mestrado

Domingos de Leers Guimaraens. Caminhos imaginativos: Do simbolismo ao modernismo e além. Dissertação de Mestrado Domingos de Leers Guimaraens Caminhos imaginativos: Do simbolismo ao modernismo e além Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras da PUC-Rio como requisito parcial

Leia mais

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite

Emília Amaral. Ricardo Silva Leite coleção Nov s P l vr s N O V A E D I Ç Ã O Nov s P l vr s Nov e ıç o 2 Ricardo Silva Leite Emília Amaral Mestre em Teoria Literária e doutora em Educação pela Unicamp, professora do Ensino Médio e Superior

Leia mais

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração

Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Maria Helena Morais Matos Coisas do Coração Primeira Edição Curitiba 2012 PerSe Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) ÍN Matos, Maria Helena Morais

Leia mais