ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo."

Transcrição

1 ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo.

2 Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade humana. O Renascimento não surgiu em todos os pontos da Europa ao mesmo tempo; as cidades italianas foram pioneiras neste movimento intelectual, que em alguns países se estendeu até ao século XVII. O Renascimento teve um outro grande centro na região da Flandres. No centro da transformação intelectual renascentista encontra-se a passagem de uma mentalidade teocêntrica (isto é, que colocava Deus no centro da reflexão humana) a uma mentalidade antropocêntrica (que tinha o homem como centro). Esta proposta correspondia a um reconhecimento e a uma crença optimista nas capacidades e no valor do ser humano, contrapondo-se à visão medieval do mundo.

3 O termo Renascimento está ligado ao facto de, neste período, os eruditos europeus terem voltado a sua atenção para as grandes obras da antiguidade clássica, que consideravam terem sido esquecidas durante a Idade Média. Nelas encontravam as raízes das questões básicas que pretendiam desenvolver e respostas a alguns dos seus problemas. As obras clássicas (na arquitectura, na literatura) eram também modelo para as obras que pretendiam criar. O interesse pela cultura clássica está fortemente ligado ao facto de o Renascimento ter tido início em Itália, uma vez que nesse país os vestígios das antigas civilizações eram, mais do que noutros locais da Europa, abundantes. Ao mesmo tempo, as cidades comerciais italianas alcançaram um grau elevado de riqueza; os seus príncipes criaram gosto pelo luxo, pretendendo rivalizar entre si no embelezamento das cidades e no brilho e animação das cortes, chamando a si artistas e figuras intelectuais importantes. A estes apoiantes do desenvolvimento cultural se deu o nome de mecenas.

4 Doutrina centrada nos interesses e valores humanos, sobrepondo-se estes a valores religiosos ou transcendentais. Num sentido mais restrito, o termo designa também um movimento intelectual europeu do Renascimento, que influenciou a cultura da época nas vertentes literária e artística. Caracterizou-se pela valorização do espírito humano e por uma atitude crescentemente individualista e inquiridora, a par de um grande interesse pela redescoberta das obras artísticas e literárias da antiguidade clássica. Estabeleceu-se então o ideal do homem renascentista, que deveria ser simultaneamente um poeta, um erudito e um guerreiro. Erasmo é um exemplo do humanista renascentista. Nesta acepção, o humanismo teve origem nos estudos literários levados a cabo nos séculos XIII e XIV por homens de letras como Petrarca. Na época, o humanismo ganhou maior peso com os estudos de textos literários do passado, resultando na redescoberta, para o ocidente, do grande acervo da literatura grega clássica.

5 Termo cuja utilização se generalizou, ao longo do século XIX, para designar uma tendência estética, geralmente por oposição ao maneirismo e ao barroco, e, mais tarde, ao modernismo. O termo classicismo é ainda, sob uma perspectiva histórica mais alargada, tido como abarcando também o barroco e o maneirismo, considerando-se que apenas o Romantismo introduz concepções artísticas radicalmente diferentes. O classicismo toma por modelos as formas, regras e temas da arte da antiguidade greco-romana (arte como imitação da natureza; cânones de proporção e medida, simetria, equilíbrio; importância da mitologia). A sua linguagem formal, desenvolvida ao longo do século XVI e até finais do século XVIII, encontra paralelismos na pintura, na arquitectura e na literatura, sem, no entanto, corresponder a um movimento unitário ou concertado no tempo ou no espaço.

6 Poema narrativo ou ciclo de poemas cujo tema é um grande feito - frequentemente a fundação de uma nação ou a construção da unidade nacional -, que utiliza muitas vezes temas religiosos e cosmológicos.

7

8

9 Estrutura d Os Lusíadas Estrutura externa, isto é, a arquitectura, o modo como foi construído este vasto poema. O poema está dividido em 10 partes, que Camões intitula de cantos. Cada canto tem um número médio de 110 estrofes, sendo os Lusíadas composto na sua integra por 1102 estrofes. As estrofes são oitavas, isto é, constituídas por 8 versos; cada verso é composto por 10 sílabas métricas, com acento rítmico na 6ª e 10ª sílabas. As estrofes apresentam o seguinte esquema rimático: abababcc, ou seja, trata-se de rima cruzada nos 6 primeiros versos e emparelhada nos 2 últimos.

10 Estrutura Interna: Camões seguiu fielmente os ensinamentos da antiguidade greco-latina no que se refere à estrutura de uma epopeia. Temos então: - Proposição - Invocação - Dedicatória - Narração (iniciada in media Res) A narração inclui: - Intervenção do Maravilhoso: O consílio dos Deuses no Olimpo- C I O consílio dos Deuses no Mar - C VI A ilha dos amores C IX / X - Episódios (narrativas menores) - Narrações retrospectivas, retrocesso no tempo em relação à acção central, i.e, 1498, ano em que efectuou a primeira viagem de Vasco da Gama para Índia: De Vasco da Gama ao Rei de Melinde, contando a história de Portugal desde a sua fundação lendária cantos III e IV

11 De Vasco da Gama ao Rei de Melinde, contando a viagem de Lisboa a Moçambique, já que no canto I a narração começa in media res canto V - Profecias, avanços no tempo em relação à acção central: Profecia de Júpiter a Vénus canto II Profecia dos Rios Indo e Ganges a D. Manuel canto IV, etc. Narradores: - o próprio poeta - Vasco da Gama - Paulo da Gama Quatro Planos Fundamentais entrecruzam-se na narrativa: Plano da Viagem - sobretudo nos cantos I; II; V; VI e VIII Plano dos Deuses - sobretudo nos cantos III; IV e VIII Plano das considerações do Poeta: sobretudo nos cantos finais. Plano da História de Portugal: sobretudo nos cantos III e IV.

O RENASCIMENTO. Tema 5 Expansão e mudança nos séculos XV e XVI Renascimento e Reforma

O RENASCIMENTO. Tema 5 Expansão e mudança nos séculos XV e XVI Renascimento e Reforma RENASCIMENTO 05-02-2017 Tema 5 Expansão e mudança nos séculos XV e XVI 5.2 e Reforma O RENASCIMENTO O que é? É um movimento cultural, que transforma as mentalidades e renova os conhecimentos, valorizando

Leia mais

Os Lusíadas, Consílio dos deuses no Olimpo. Profª Maria Rodrigues

Os Lusíadas, Consílio dos deuses no Olimpo. Profª Maria Rodrigues Os Lusíadas, Consílio dos deuses no Olimpo Profª Maria Rodrigues Bibliografia: Manual (Para)textos 9, Porto Editora Os Lusíadas Luís de Camões, Org. do texto e notas de Amélia Pinto Pais, Areal Editores

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 3º Ciclo. Ano Letivo 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL PORTUGUÊS 9ºANO Documento(s) Orientador(es): Programas de Português do Ensino Básico, Metas Curriculares

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A. 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque. 8.junho.

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A. 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque. 8.junho. ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação 03 de História A 10º Ano Turma D Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 8.junho.2012 NOME:

Leia mais

CANTO I ESTROFES CANTO II ESTROFES

CANTO I ESTROFES CANTO II ESTROFES CANTO I 1-3 -Proposição: Camões propõe-se a cantar os feitos dos Portugueses. 4-5 - Invocação: O poeta invoca as Tágides (ninfas do Tejo). 6-18 -Dedicatória: O poema é dedicado a D. Sebastião. 19 -Narração:

Leia mais

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º Relativos ao programa dos anos transactos e do ciclo de estudos. A História da Língua Portuguesa: do indo-europeu ao português moderno. alguns processos de transformação. o mundo lusófono O Texto Dramático:

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA II (CÓD. ENUN60010) PERÍODO: 2 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA II (CÓD. ENUN60010) PERÍODO: 2 º PERÍODO EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA EXPOSITIVA PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA II (CÓD. ENUN60010) PERÍODO: 2 º PERÍODO TOTAL DE SEMANAS: 20 SEMANAS TOTAL DE ENCONTROS: 20 AULAS Aulas Conteúdos/ Matéria Tipo de aula Textos, filmes e outros

Leia mais

AULA 03 LITERATURA. Classicismo

AULA 03 LITERATURA. Classicismo AULA 03 LITERATURA Classicismo PROFª Edna Prado O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A Era Clássica é formada por

Leia mais

Prof. Hélder Pereira

Prof. Hélder Pereira Prof. Hélder Pereira Pergunta 1 Em que país da Europa surgiu o Renascimento? Itália Portugal França Pergunta 2 Em que séculos este movimento se afirmou? XIII e XIV XV e XVI XVII e XVIII Pergunta 3 Qual

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora, Matosinhos Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Básico INFORMAÇÃO PROVA DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 2016 6º ANO DE ESCOLARIDADE (DECRETO-LEI N.º

Leia mais

RESUMO da Obra OS LUSÍADAS Sérgio Moreira dos Santos:

RESUMO da Obra OS LUSÍADAS Sérgio Moreira dos Santos: RESUMOS DA OBRA OS LUSÍADAS O presente resumo teve por objetivo auxiliar o estudante numa compreensão global de tal obra, e ainda, ajudá-lo a ter um melhor desempenho nas provas em que for objeto da avaliação.

Leia mais

Os Lusíadas Mensagem

Os Lusíadas Mensagem EDIÇÕES ASA A 369723 J. OLIVEIRA MACEDO Sob o signo do Império Os Lusíadas Mensagem LUÍS VAZ DE CAMÕES FERNANDO PESSOA Análise comparativa «O-, índice 1! Parte Os Poetas e os Poemas [11] Sumário [li] I

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA FINAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 65 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Ciências Económicas e Empresariais / Contabilidade Unidade Curricular História da Cultura Portuguesa Semestre: 4 Nº ECTS: 3,0

Leia mais

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18

Índice. A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 Índice PREFÁCIO 11 CAPÍTULO 1 A PRÉ-HISTÓRIA DO TEATRO A «infância» da comunicação 17 «Teatro» ou «Expressão Dramática»? 18 O ritual e a magia reforçam a solidariedade comunitária 18 CAPÍTULO 2 O TEATRO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA PORTUGUESA MODERNA CONTEMPORÂNEA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA PORTUGUESA MODERNA CONTEMPORÂNEA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular HISTÓRIA DA ARQUITECTURA PORTUGUESA MODERNA CONTEMPORÂNEA Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (1º Ciclo) 2. Curso Arquitectura 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro)

Planejamento das Aulas de História º ano (Prof. Leandro) Planejamento das Aulas de História 2016-6º ano (Prof. Leandro) Fevereiro Aula programada (Por que estudamos História?) Páginas Tarefa 1 Lembrar o passado: memória e história 10 e 11 Mapa Mental 3 O tempo

Leia mais

Síntese da unidade 4

Síntese da unidade 4 Síntese da unidade 4 Influências da lírica camoniana (Século XVI) Medida velha/corrente tradicional TEMAS Influência dos temas da poesia trovadoresca. Tópicos de circunstância; a saudade, o sofrimento

Leia mais

Estudo dirigido artes Milton Gomes Segundo ano Ensino Médio. Capítulo 14. A arte no Barroco Europeu. 01 Como foi criado o termo Barroco? R. na p.

Estudo dirigido artes Milton Gomes Segundo ano Ensino Médio. Capítulo 14. A arte no Barroco Europeu. 01 Como foi criado o termo Barroco? R. na p. Estudo dirigido artes Milton Gomes Segundo ano Ensino Médio Capítulo 14 A arte no Barroco Europeu 01 Como foi criado o termo Barroco? R. na p.141 02 No livro, encontramos duas explicações para o surgimento

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

TESOUROS DA JOALHARIA EM PORTUGAL E NO BRASIL

TESOUROS DA JOALHARIA EM PORTUGAL E NO BRASIL TESOUROS DA JOALHARIA EM PORTUGAL E NO BRASIL Prof. Doutor Gonçalo de Vasconcelos e Sousa Professor Catedrático e Director CITAR/EA-UCP RESUMO O conhecimento da História da Joalharia em Portugal e no Brasil

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Final 2ª Etapa 2013 Disciplina: História Ano: 1 Professor (a): Alessandra Turma: FG Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de recuperação. Faça

Leia mais

RENASCIMENTO David de Michelangelo (1504) CLASSICISMO INFLUÊNCIA TRADICIONAL VS INFLUÊNCIA CLÁSSICA OU RENASCENTISTA. A influência / corrente tradicional A influência / corrente clássica CORRENTE TRADICIONAL

Leia mais

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história

» As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história Denis Hendrick » As palavras têm uma história e fazem a história. O peso e o significado das palavras são influenciados pela história» A palavra cultura não tem equivalente na maioria das línguas orais.

Leia mais

Shakespeare. o gênio original

Shakespeare. o gênio original Shakespeare o gênio original Coleção ESTÉTICAS direção: Roberto Machado Kallias ou Sobre a Beleza Friedrich Schiller Ensaio sobre o Trágico Peter Szondi Nietzsche e a Polêmica sobre O Nascimento da Tragédia

Leia mais

Aula observada de Língua Portuguesa

Aula observada de Língua Portuguesa Anexo XIII Aula supervisionada de Língua Portuguesa 9.º CEF ESCOLA SECUNDÁRIA CAMPOS MELO Ano Letivo 2011/2012 Aula observada de Língua Portuguesa 91 D Curso de Educação e Formação de Assistente Administrativo

Leia mais

CURSO APOIO HISTÓRIA RESOLUÇÃO

CURSO APOIO HISTÓRIA RESOLUÇÃO HISTÓRIA CURSO APOIO 15. Renascer diz respeito também a uma afirmação de morte e volta à vida. Essa metáfora foi usada para estabelecer os laços entre a Itália dos séculos XV e XVI e a Antiguidade. (Teresa

Leia mais

A ORIGEM DA FILOSOFIA

A ORIGEM DA FILOSOFIA A ORIGEM DA FILOSOFIA UMA VIDA SEM BUSCA NÃO É DIGNA DE SER VIVIDA. SÓCRATES. A IMPORTÂNCIA DOS GREGOS Sob o impulso dos gregos, a civilização ocidental tomou uma direção diferente da oriental. A filosofia

Leia mais

ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO

ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO INTRODUÇÃO Renascimento: Período de transição entre Idade Média e Idade Moderna; Misturam-se o jeito de ser e pensar de dois momentos da sociedade europeia ocidental; Não é possível

Leia mais

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO)

ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) ARTES E HUMANIDADES Instruções para as Inscrições 2014/2015 (2.º ANO e 3.º ANO) Cumprido o tronco comum, para perfazer os 180 créditos ECTS, o aluno pode optar por um ou dois majors, por um major e dois

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DA ÁREA DISCIPLINAR DE HISTÓRIA História e Geografia de Portugal Informação aos Pais / Encarregados de Educação, turma 3 Programação do 5º ano 1. Aulas previstas (tempos letivos) 5º1 5º2 1º período

Leia mais

Os Docentes: Luís Magalhães, Adélia Silvestre, Anabela Campos e Patrícia Lima PLANIFICAÇÃO ANUAL 10.º ANO DE ESCOLARIDADE OBJETIVOS GERAIS

Os Docentes: Luís Magalhães, Adélia Silvestre, Anabela Campos e Patrícia Lima PLANIFICAÇÃO ANUAL 10.º ANO DE ESCOLARIDADE OBJETIVOS GERAIS A planificação que se apresenta é uma adaptação da que acompanha o manual O Caminho das Palavras. Servirá de matriz a todos os professores que estão a leccionar o 10º, sendo adaptada e reajustada de acordo

Leia mais

A Arte na Roma Antiga

A Arte na Roma Antiga A Arte na Roma Antiga 01 Quais as civilizações que influenciaram Roma no campo artístico? R. na pag. 51 02 Como a arte grego-helenística contribuiu com a expressão artística romana? R. na pag. 52 (na caixa

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE

LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE LISTA DE EXERCÍCIOS ARTE P2-4º BIMESTRE 8º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Compreender os aspectos históricos-sociais referentes aos objetos

Leia mais

MODERNIDADE Renascimento

MODERNIDADE Renascimento MODERNIDADE Renascimento O fim do feudalismo e o início da modernidade: rompimentos e resgates A modernidade Nova Economia Comércio Manufatura Nova política Absolutismo Novas relações sociais Burguesia

Leia mais

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN º PERÍODO SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS

PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN º PERÍODO SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS PLANO DE AULA DISCIPLINA: ÉTICA E CIDADANIA I CÓD. ENUN 60004 1º PERÍODO TOTAL DE ENCONTROS: 20 SEMANAS SEMANA CONTEÚDOS/MATÉRIA TIPO DE AULA TEXTOS, FILMES E OUTROS MATERIAIS 1 UNIDADE I UMA ANÁLISE DA

Leia mais

1 (1,0) Podemos aplicar o termo Idade Média a toda a humanidade? Justifique.

1 (1,0) Podemos aplicar o termo Idade Média a toda a humanidade? Justifique. 1º EM História Rafael Av. Trimestral 27/05/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Complete as sentenças. a) O foi um movimento cultural que surgiu entre as elites das ricas cidades, no século XIV, e se estendeu,

Leia mais

ARTE BRASILEIRA DO SÉCULO XIX

ARTE BRASILEIRA DO SÉCULO XIX ARTE BRASILEIRA DO SÉCULO XIX Pintura Brasileira século XIX Assim como a arquitetura, a pintura irá assimilar as mudanças sociais e políticas. Criaram-se neste período, no Brasil, empresas de mineração,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES - 10.º ANO ANO LECTIVO DE 2010/2011

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES - 10.º ANO ANO LECTIVO DE 2010/2011 PLANIFICAÇÃO ANUAL DE HISTÓRIA DA CULTURA E DAS ARTES - 10.º ANO ANO LECTIVO DE 2010/2011 Módulos/Conteúdos Tronco Comum Módulo inicial Criatividade e Rupturas A Cultura, a Arte e a História; as artes

Leia mais

TEORIA DO DESIGN. Aula 03 Composição e a História da arte. Prof.: Léo Diaz

TEORIA DO DESIGN. Aula 03 Composição e a História da arte. Prof.: Léo Diaz TEORIA DO DESIGN Aula 03 Composição e a História da arte Prof.: Léo Diaz O QUE É ARTE? Definição: Geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa,

Leia mais

História do Direito (d)

História do Direito (d) História do Direito (d) LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. 3ª edição. São Paulo: Atlas, 2008. GILISSEN, J. Introdução Histórica ao Direito. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1988. Formação

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS. Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS. Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17 PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17 1º Período Conteúdos Instrumentos Peso SEQUÊNCIA A Histórias de afetos Leitura e análise de textos

Leia mais

maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas

maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela tudo, por bem das águas Exercícios preparatórios para P7 Literatura Prof. Ítalo Puccini 1) I. A terra Esta terra, Senhor, me parece que, da ponta que mais contra o sul vimos até outra ponta que contra o norte vem, de que nós

Leia mais

Estudo dirigido. Segunda Avaliação. Capitulo 2 A arte no Egito

Estudo dirigido. Segunda Avaliação. Capitulo 2 A arte no Egito Segunda Avaliação Estudo dirigido Capitulo 2 A arte no Egito 01 É do nosso conhecimento que a Civilização Egípcia era socialmente complexa e culturalmente muito rica, mas podemos destacar desse contexto

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CÓD. CURSO CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO CÓD. DISC. 17031461 DISCIPLINA EVOLUÇÃO DAS ARTES VISUAIS I ETAPA 1 CH ANO 2009 CRÉDITOS

Leia mais

NEOCLASSICISMO Neoclassicismo

NEOCLASSICISMO Neoclassicismo NEOCLASSICISMO Movimento cultural do fim do século XVIII, e início do século XIX (1780 1830), o NEOCLASSICISMO está identificado com a retomada da cultura clássica (Grécia e Roma) por parte da Europa Ocidental

Leia mais

Minoicos. Produção: jarros de cerâmica, vasos decorados, objetos refinados em ouro.

Minoicos. Produção: jarros de cerâmica, vasos decorados, objetos refinados em ouro. GRÉCIA CONTEXTO HISTÓRICO O Conhecimento sobre a história de Creta e Micenas deve-se, sobretudo, ás descobertas de dois arqueólogos: Schliemann, que encontrou vestígios de Tróia e as ruínas de Micenas

Leia mais

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes

Filosofia da Arte. Unidade II O Universo das artes Filosofia da Arte Unidade II O Universo das artes FILOSOFIA DA ARTE Campo da Filosofia que reflete e permite a compreensão do mundo pelo seu aspecto sensível. Possibilita compreender a apreensão da realidade

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação.

Ano Lectivo 2015 / ºCiclo 8 ºAno. 8.º Ano 1º Período. Domínios / Subdomínios Objetivos Gerais Competências Específicas Avaliação. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação HISTÓRIA Ano Lectivo 2015 / 2016 3 ºCiclo 8 ºAno 8.º Ano 1º Período DOMÌNIO / TEMA D O contexto europeu dos séculos XII a XIV (recuperação

Leia mais

A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX

A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX A TRANSIÇÃO DO SÉCULO XVIII PARA O SÉCULO XIX Quando surgiu? Durante o século XVIII. Está ligado ao pensamento filosófico do Iluminismo. Como Surgiu? Através de achados arqueológicos durante o século XVIII

Leia mais

Santuários. Arte, Cultura, Peregrinações, Paisagens e Pessoas

Santuários. Arte, Cultura, Peregrinações, Paisagens e Pessoas Santuários Arte, Cultura, Peregrinações, Paisagens e Pessoas O Turismo ou as Peregrinações a Santuários começaram ainda na Pré-História, caso da Gruta de Chovet, com datações de cerca de 31000 BP. Vale

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE SOCIOLOGIA Disciplina: INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Turma I - 3as e 5as feiras, às 8 h Professor: Prof. Dr. Sergio B. F. Tavolaro sergiotavolaro@unb.br

Leia mais

Luís de Camões (1524?-1580?)

Luís de Camões (1524?-1580?) Prof. André de Freitas Barbosa Análise literária Luís de Camões (1524?-1580?) SONETOS (1595) Aspectos da lírica camoniana Luís de Camões é o maior expoente do Classicismo literário e, por extensão, do

Leia mais

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Trovadorismo Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Data 18/08/2016 professora(a); Mirleia Aluno(a); Marcos Vinicius Palmas - To Trovadorismo foi um movimento literário e poético que surgiu na Idade

Leia mais

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3

Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro UNIDADE 3 Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro Estereótipos raciais a partir da escravidão no Brasil: o processo de marginalização do negro O racismo no Brasil:

Leia mais

ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO LÍNGUA PORTUGUESA - 9º ano 1º Período /2012

ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO LÍNGUA PORTUGUESA - 9º ano 1º Período /2012 ESCOLA BÁSICA 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO DE AVEIRO LÍNGUA PORTUGUESA - 9º ano 1º Período - 2011/2012 Total de aulas previstas 78 (aprox.) 10 aulas (uma semanal) para Oficina de CEL 12 aulas (dois blocos

Leia mais

GUIA DA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DAS LICENCIATURAS

GUIA DA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DAS LICENCIATURAS GUIA DA REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR DAS LICENCIATURAS 2016-17 LÍNGUAS, LITERATURAS E CULTURAS Estudos Portugueses e Alemães Estudos Portugueses e Espanhóis Estudos Portugueses e Franceses Estudos Portugueses

Leia mais

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem.

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem. HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS 1ª Série 6LET063 LINGUAGEM COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA Linguagem como manifestação artística, considerando os procedimentos sócio-históricos e culturais.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Documento Orientador de Gestão do Programa de História da Cultura e das Artes

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Documento Orientador de Gestão do Programa de História da Cultura e das Artes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO DIRECÇÃO-GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR ENSINO RECORRENTE DE NÍVEL SECUNDÁRIO Documento Orientador de Gestão do Programa de História da Cultura e das Artes 10º

Leia mais

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. CONTOS A ORIGEM DO CONTO A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. O ato de narrar um acontecimento oralmente

Leia mais

PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA

PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA B 55662 A. PINTO CARDOSO PRESENÇA PORTUGUESA EM ROMA Aguarelas de Sofia C. Macedo 291 ÍNDICE Mapa de Roma Lusitana Apresentação Introdução 6 9 11 I. PARTE AS PESSOAS E OS FACTOS I. PORTUGAL E ROMA NOS

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 2º CICLO HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL 5.º ANO Documento(s) Orientador(es): Programa de História e Geografia de Portugal

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de Julho

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de Julho Ano letivo 2013/2014 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Decreto Lei n.º 139/2012, de 5 de Julho Disciplina: HISTÓRIA DAS ARTES Prova/Código: 124 Ano de Escolaridade: 12ºAno (Curso Tecnológico

Leia mais

O Amor em "Os Lusíadas"

O Amor em Os Lusíadas O Amor em "Os Lusíadas" Cláudio Carvalho Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À LITERATURA PORTUGUESA O AMOR EM OS LUSÍADAS

Leia mais

História da Cultura e das Artes

História da Cultura e das Artes Prova de Exame Nacional de História da Cultura e das Artes Prova 724 2012 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

CONHECIMENTOS CAPACIDADES

CONHECIMENTOS CAPACIDADES Módulo 0 A História: tempos e espaços - Quadros espaço-temporais; períodos históricos e momentos de rutura. - Processos evolutivos; a multiplicidade de fatores. - Permutas culturais e simultaneidade de

Leia mais

Relatório das apresentações do dia 17 de agosto de 2010

Relatório das apresentações do dia 17 de agosto de 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA (IFBA CAMPUS SANTO AMARO) Graduandos: Raphael Alves Lailson dos Santos Lúcio Álvaro Jeanderval Santos Lisandro Gomes Relatório das apresentações do dia

Leia mais

Proposta para PPC. Objetivo:

Proposta para PPC. Objetivo: Proposta para PPC Objetivo: Formar o Bacharel em Turismo com elevada competência em planejamento e gestão, capaz de atuar nos diferentes segmentos e esferas do setor turístico com uma visão sistêmica e

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (As Aulas

Leia mais

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de:

Disciplina: História Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: A herança do Mediterrâneo Antigo Das sociedades recoletoras às primeiras civilizações CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz de: Ensino Básico

Leia mais

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social

3 Unidade 1 Construção da Identidade Social CONTEÚDO DA UNIDADE 3 Unidade 1 Construção da Identidade Social 3 Pré-História 5 A importância da História 6 A contagem do tempo 7 Identificando os séculos 8 Fontes históricas 10 Os primeiros habitantes

Leia mais

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43

AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21. INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37. Geografia 39 História Civil ~ 43 AGRADECIMENTOS 17 PREFÁCIO 21 INTRODUçAo 33 I PARTE - GEOGRAFIA E HISTÓRIA CIVIL 37 Geografia 39 História Civil ~ 43 11PARTE - HISTÓRIA ECLESIÁSTICA - I PERÍODO.47 Os Dominicanos na Insulíndia 49 Capítulo

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 6. º Ano Ano letivo

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 6. º Ano Ano letivo Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 6. º Ano Ano letivo-2015-2016 Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 13 13 13 2.º período 10 10 10 11 11 3.º período

Leia mais

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Lista de Recuperação do II Trimestre / 2 º ano/arte Professor(a): Márcio Data: / setembro / 2016. 1-Sobre a Arte no Realismo, julgue os itens a seguirem(c) CERTOS

Leia mais

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos

Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL. Margarida Filipe Ramos Bem público-valor público A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL Margarida Filipe Ramos 30.01.13 Apresentação do Museu da Água da EPAL Reservatório da Mãe d Água das Amoreiras Reservatório

Leia mais

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico

MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico MATRIZ PROVA EXTRAORDINÁRIA DE AVALIAÇÃO HISTÓRIA Maio de 2016 Prova de 2016 8.º Ano 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as caraterísticas da prova extraordinária

Leia mais

1B Aula 01. O Iluminismo

1B Aula 01. O Iluminismo 1B Aula 01 O Iluminismo O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação

Leia mais

Análise de Tensões em Placas, Cascas e Reservatórios

Análise de Tensões em Placas, Cascas e Reservatórios Análise de Tensões em Placas, Cascas e Reservatórios J.F. Silva Gomes Professor Catedrático Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto Edições INEGI Porto, 2007 Edição e Distribuição INEGI-Instituto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. JOÃO V ESCOLA SECUNDÁRIA c/ 2º e 3º CICLOS D. JOÃO V GRUPO DISCIPLINAR DE HISTÓRIA HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL Informação aos Pais / Encarregados de Educação Programação do 5º ano Turma 1 1. Aulas previstas (Tempos letivos) 2. Conteúdos a leccionar

Leia mais

A Administração na História

A Administração na História A Administração na História As primeiras organizações - Egito A administração é praticada desde que existem os primeiros agrupamentos humanos; Na História Antiga o exemplo melhor documentado são as pirâmides

Leia mais

Orquestra Clássica do Centro em Cabo Verde para inaugurar Conservatório das Artes

Orquestra Clássica do Centro em Cabo Verde para inaugurar Conservatório das Artes Pesquisa... HOME COIMBRA ACADÉMICA POLÍTICA ENSINO SAÚDE ECONOMIA JUSTIÇA O SEXO E A CIDADE LAZER PUBLICAÇÕES OFICIAIS COIMBRA LAZER Orquestra Clássica do Centro em Cabo Verde para inaugurar Conservatório

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

O texto poético Noções de versificação

O texto poético Noções de versificação O texto poético Noções de versificação Género lírico métrica, rima, composição Introdução A poesia é uma arte muito antiga e sabe-se que todas as literaturas começaram com textos em versos. Quando ouvimos

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo

Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo Unidade Sociabilidade e Diagnose O aluno: Comunicação oral: -

Leia mais

e) ( ) V V F F F c) ( ) V F V V F

e) ( ) V V F F F c) ( ) V F V V F 7º História Rafael / Carol Av. Trimestral 07/08/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

O NOME DAQUELE QUE NÃO TEM NOME. sessenta e três poemas de KABIR. versões de. Jorge Sousa Braga ASSÍRIO & ALVIM

O NOME DAQUELE QUE NÃO TEM NOME. sessenta e três poemas de KABIR. versões de. Jorge Sousa Braga ASSÍRIO & ALVIM O NOME DAQUELE QUE NÃO TEM NOME sessenta e três poemas de KABIR versões de Jorge Sousa Braga ASSÍRIO & ALVIM Pouco se sabe sobre a vida de Kabir, para além do que deixam adivinhar os seus poemas, as hagiografias

Leia mais