Precisa arte e engenho até... :

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Precisa arte e engenho até... :"

Transcrição

1 Precisa arte e engenho até... : um estudo sobre a composição do personagem-tipo através das burletas de Luiz Peixoto Daniel Marques da Silva Dissertação de Mestrado Março / 1998 I

2 II

3 DANIEL MARQUES DA SILVA Precisa arte e engenho até... : um estudo sobre a composição do personagem-tipo através das burletas de Luiz Peixoto Dissertação apresentada ao curso de Mestrado em Teatro da Universidade do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Teatro. Área de Concentração: Estudos da História do Teatro e do Texto Teatral Orientadora: Prof a. Dr a. Maria de Lourdes Rabetti Giannella (Beti Rabetti) Rio de Janeiro Centro de Letras e Artes da Uni-Rio 1998 III

4 Dedico esta dissertação a meu filho Tiago, meu ai Ioiô... IV

5 AGRADECIMENTOS A realização de um trabalho como este só é possível, no meu entender, com a efetiva e preciosa ajuda de colegas, parentes, amigos e até mesmo, de desconhecidos. Tal qual o galo lembrado pelo poeta pernambucano que necessita de outros galos para tecer a manhã, também fui ajudado por uma rede de colaboradores para tecer esta dissertação. Eles não só auxiliaram, direta ou indiretamente, essa pesquisa, como ainda, com sua ajuda, aliviaram a solidão inerente ao ato de escrever. O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq - concedeu-me bolsa de Mestrado por intermédio do Mestrado em Teatro e do Programa de Pós-Graduação da Universidade do Rio de Janeiro. À Prof a. Dr a. Beti Rabetti, minha orientadora, devo todo o empenho, cuidado, dedicação e, muitas vezes, paciência, com que sempre conduziu a orientação deste trabalho. Beti conseguiu transmitir alegria e prazer a cada nova conquista da pesquisa (pois ela sabe que saber e sabor têm a mesma raiz...). Sua postura sempre me motivou, e, sem sua ajuda, esse trajeto teria sido, certamente, mais árduo. Durante o curso de Mestrado, devo destacar a atuação da Prof a. Dr a. Maria Helena Werneck, que, em sua gestão na Coordenação do referido curso, reverteu o quadro desfavorável em que ele se encontrava com seu trabalho e sua dedicação. Ainda no âmbito da Escola de Teatro, agradeço as preciosas colaborações do Prof. Dr. Luiz Arthur Nunes e da Prof a. Ausônia Bernardes que participaram da Comissão de Avaliação de meu Projeto, tornando aquela reunião não só fértil como, também, prazerosa. V

6 O grupo de trabalho do projeto vinculado, composto pelos pesquisadores Ana Carneiro, Paulo Ricardo Meriz, Elza Andrade e, muito especialmente, Filomena Chiaradia, tornou essa trajetória mais agradável, fecunda, proveitosa, e, certamente, muito mais alegre. Aos funcionários do Centro de Letras e Artes, Aristides, secretário do Mestrado, e seu Luiz, técnico em iluminação da Escola de Teatro, agradeço a dedicação no cumprimento de suas tarefas, feitas com tal cuidado, que transformaram obrigação em amizade. Minha gratidão às Prof as. Dr as. Evelyn Lima e Neyde Veneziano pela simpatia com que aceitaram fazer parte da banca de avaliação desta dissertação. A Marina Martins, Vilma Melo e Bruno Rodrigues devo o empenho e a seriedade com que se dedicaram aos trabalhos envolvendo os Encontros Experimentais com Atores; sem eles teria sido difícil perceber as regras da arte. À Sr a. Sara Halinck Machado, sobrinha-neta de Luiz Peixoto e zelosa guardiã do acervo pessoal do autor, agradeço a forma com que me abriu sua casa, me possibilitando encontrar preciosos manuscritos das burletas estudadas. Examinar as pastas com escritos, desenhos, pinturas, fotos, revistas, tomando o brasileiríssimo cafezinho e ouvindo histórias agradáveis sobre Luiz Peixoto foi um emocionante momento dessa pesquisa e me colocou, tenho certeza, muito mais perto daquele autor. Às pesquisadoras da cultura popular carioca Prof as. Dr as. Monica Pimenta Velloso e Edinha Diniz, devo agradecer a gentileza e a solicitude com que sempre me atenderam. Agradeço muitíssimo a João Carlos Levy Argel, meu prontosocorro informático, sempre atencioso e disposto a resolver os problemas e as dificuldades que eu tive com o computador. VI

7 Devo a Carlos Augusto Didati a localização de República de Itapiru, no acervo do Arquivo Nacional. Carlos Augusto é um amigo constante, que certamente muito se alegra com essa nova realização. A Maria Helena Torres agradeço a rigorosa revisão final deste trabalho. A meus pais, Dilson e Elvira, que souberam criar em casa um ambiente onde os livros e o conhecimento, mais do que obrigação eram alegria, sempre nos apoiando - a mim e a meus irmãos -, e que nos momentos mais difíceis da pesquisa me prestaram socorro emocional, material e espiritual, todo meu amor e gratidão. A Angela, companheira incansável, que soube dividir comigo as alegrias, vitórias, decepções e frustrações que se alternaram neste trabalho; que me encorajou e incentivou, mas também criticou quando necessário; que, enfim, sempre esteve presente onde, quando e do modo que precisei. Mais do que gratidão, devo o registro de que este trabalho também é um pouco seu. VII

8 RESUMO A dissertação de mestrado Precisa arte e engenho até... : um estudo sobre a composição do personagem-tipo através das burletas de Luiz Peixoto contribui para a compreensão dos procedimentos existentes na construção do tipo cômico pelo autor dramático e sua posterior composição por parte do ator, utilizando-se dos personagens-tipo presentes nas burletas de Luiz Peixoto. Distintos dos mecanismos que envolvem outras formas de composição atorial, os atores que trabalham com tipos cômicos se baseiam em repertórios próprios, constituídos, de maneira muito particular, ao longo de sua carreira. VIII

9 SUMÁRIO Introdução... 1 Capítulo I Luiz Peixoto e suas burletas O Rio de Janeiro - cidade real x cidade imaginária Os intelectuais boêmios e o Rio das reformas O teatro musicado carioca O personagem-tipo no teatro musicado carioca O personagem-tipo e o trabalho do ator Capítulo II 2.1. As burletas de Luiz Peixoto Forrobodó (1911) Dança de Velho (1916) Morro da Favela (1916) Flor do Catumbi (1918) Saco do Alferes (1918) República de Itapiru (1919) Instrumentos de comicidade presentes nas burletas de Luiz Peixoto A comicidade das diferenças A ridicularização das profissões IX

10 O exagero cômico O malogro da vontade O fazer alguém de bobo Os alogismos Os instrumentos linguísticos da comicidade Os caracteres cômicos Os personagens-tipo na burleta de Luiz Peixoto O mulato pernóstico A mulata O malandro O mulato capoeira O português O coronel do interior O padre Outros personagens-tipo Considerações finais Capítulo III A seleção dos personagens-tipo O relator - dramaturg Os atores Os Encontros Experimentais: laboratórios atoriais X

11 3.5.Considerações finais Conclusão Anexos Ponto de fusão, por Marina Martins Diário de trabalho do ator Bruno Rodrigues Encontros Experimentais - roteiro de atividades Cena extraída e adaptada de Forrobodó Fotos dos Encontros Experimentais Bibliografia 1. Livros Revistas e outros Jornais XI

12 INTRODUÇÃO Eu vi o nome da favela Na luxuosa Academia. Mas a favela pro doutô É morada de malandro E não tem nenhum valor! Assis Valente As manifestações de origem popular têm enfrentado, infelizmente ainda, certos preconceitos por parte de determinados segmentos da intelectualidade. A desconfiança de Assis Valente, expressa na música Minha embaixada chegou, de 1935, é, portanto, justificada. O julgamento apressado dessas manifestações como espontâneas ou naturais tem impedido maior aprofundamento das questões nelas envolvidas. Ao olhar para essas manifestações é necessário, ao menos, tentar vislumbrar suas origens, seu modo de produção, as possíveis formas regulares de procedimento presentes em sua elaboração. Felizmente os estudos da cultura popular e do teatro popular têm-se intensificado, o que possibilita melhor apreensão - e compreensão - desses fenômenos. Se à época de Assis Valente apenas um pequeno grupo de intelectuais cariocas tentava estabelecer elementos de ligação entre os diversos segmentos da sociedade - os intelectuais boêmios, como será visto no decorrer desta pesquisa -, hoje, tanto no Brasil quanto no exterior, a cultura popular vem sendo pesquisada com procedimentos que, cada vez 1

13 mais, procuram atentar para os problemas ligados ao âmbito das curiosidades folclóricas. Principalmente os estudos de Vladimir Propp, Mikhail Bakhtin, Carlo Ginzburg, Peter Burke e Paul Zumthor permitem colocar em xeque as verdades que envolviam a cultura popular. No Brasil podem ser destacados os trabalhos de Mário de Andrade - pioneiro em tentar compreender a sofisticada produção que envolve as músicas popular e folclórica -, José Jorge de Carvalho, José Ramos Tinhorão, Ari Vasconcelos e Roberto Moura. No campo da pesquisa teatral é enorme a contribuição da crítica literária Flora Sussekind em seu estudo das revistas de ano de Arthur Azevedo. No âmbito deste estudo, a produção das pesquisadoras Monica Pimenta Velloso, em relação à cultura popular carioca, e Neyde Veneziano, no estudo do teatro ligeiro brasileiro, é extremamente elucidadora e acompanha, mesmo que, às vezes, de maneira um pouco distante, todas as discussões e questões propostas. A presente dissertação insere-se nesse quadro de questões e, voltada para o campo especificamente teatral, pretende contribuir para a compreensão dos processos de elaboração e dos mecanismos de composição do personagem-tipo, a partir das burletas escritas por Luiz Peixoto entre 1911 e 1919; e, mediante a observação do exercício de sua construção posterior, por parte do trabalho do ator. 2

14 Nesse sentido, apresentam-se como fértil foro os exercícios laboratoriais com atores, desenvolvidos no decorrer deste trabalho, por pretenderem vislumbrar os mecanismos de composição de que um ator - determinado tipo de ator - se vale no processo de construção do personagem-tipo. É oportuno lembrar que esta dissertação segue a Linha de Pesquisa Teatro e Cultura Popular do Mestrado em Teatro da Uni-Rio e faz parte de um projeto de pesquisa a ela vinculado, Um estudo sobre o cômico: o teatro popular no Brasil entre ritos e festas 1, coordenado pela Prof a. Dr a. Maria de Lourdes Rabetti Giannella (Beti Rabetti), orientadora desta dissertação de Mestrado. O projeto possibilita campo privilegiado de debates e de troca de informações entre os vários trabalhos individuais de pesquisa de dissertação a ele ligados, guardando as especificidades de cada um deles e propiciando, assim, o enriquecimento dos vários projetos individuais e da totalidade da pesquisa sobre o cômico. Nesse sentido, cabe destacar a dissertação de Mestrado de Maria Filomena Vilela Chiaradia, A Companhia de Revistas e Burletas do Teatro São José: a menina-dos-olhos de Paschoal Segreto, defendida em novembro de 1997, que apresenta diversos pontos de contato com o presente trabalho. 1 Para mais informações a repeito, ver RABETTI, Beti (coord.). Um estudo sobre o cômico: o teatro popular no Brasil entre ritos e festas. Caderno de pesquisa em teatro: ensaios. Rio de Janeiro, Uni-Rio; Centro de Letras e Artes; Programa de Pós-Graduação e Pesquisa; Mestrado em Teatro, n. 3,

15 CAPÍTULO I Em livro publicado em 1908, A alma encantadora das ruas 2, reunindo crônicas anteriormente publicadas na Gazeta de Notícias e na revista Kosmos, Paulo Barreto - sob seu pseudônimo mais famoso, João do Rio - faz uma descrição sentimental e muito particular do Rio de Janeiro do início do século. Convidando o leitor a com ele flanar pelas ruas da cidade, afirma que cada uma delas tem suas características e sua identidade - sua alma. Procedendo assim, faz da cidade, que naquele momento construía sua própria identidade - deixando de ser fluminense e tornando-se carioca, e com isso determinando também a identidade e a naturalidade de seus cidadãos - o grande personagem do livro. Dando a cada rua personalidade distinta, o autor traça o perfil proteiforme - para empregar adjetivo usado com freqüência por João do Rio - da então capital federal. Ora, esta cidade, que traz dentro de si tantos e tão afastados universos, seduz exatamente por sua identidade múltipla, que o autor tenta captar em flagrantes nas crônicas de seu livro. É curioso registrar as várias faces desta cidade-personagem - ora a de uma dama elegante dos salões de Botafogo, ora de uma mulata 2 RIO, João do. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura,

16 requebrando um maxixe 3 em algum clube-dançante da Cidade Nova -, porque suas máscaras, naquele momento histórico, são trocadas com rapidez vertiginosa. Esta cidade-personagem será retratada nesse período por uma série de jornalistas, caricaturistas, escritores e autores teatrais que tentavam interpretá-la para seus moradores, exaltando suas qualidades ou apontando seus defeitos, nos jornais, nos periódicos humorísticos e no teatro musicado, principalmente nas revistas e burletas. No teatro ligeiro 4 desfilarão os personagens que a habitam, numa representação, aliás, muito mais fiel à mascarada que a cidade proporciona enquanto personagem do que, de fato, à população real, atônita diante das mudanças ocorridas em seu espaço público. Assim, reelaborados pelos artistas - autores e atores - é que os tipos da cidade figurarão nesses espetáculos, conforme será visto adiante. Luiz Peixoto é um desses autores que, por intermédio de seus tipos - tanto nas charges jornalísticas como nos poemas satíricos e nas burletas e revistas teatrais -, tenta registrar e reinterpretar os personagens 3 O maxixe é uma dança urbana surgida no Rio de Janeiro de fins do século XIX, da qual teve origem o ritmo musical. É considerada a primeira dança genuinamente brasileira, predecessora do samba. Ver HORTA, Luiz Paulo (edit.).dicionário de Música. Rio de Janeiro: Zahar, p A produção teatral no início do século XX poderia ser dividida entre teatro sério e teatro ligeiro. Destinado sobretudo ao entretenimento e à diversão, o teatro chamado ligeiro não correspondia às expectativas da crítica da época, que ansiava por uma atividade teatral vinculada aos movimentos literários naturalista e realista, assim desprezando uma produção voltada, sobretudo, para o então incipiente mercado teatral brasileiro, sem - segundo essa crítica - preocupações artísticas mais elevadas. Revistas, burletas, vaudevilles e mágicas eram os principais subgêneros do teatro ligeiro. Ver CHIARARDIA, Maria Filomena Vilela. A Companhia de Revistas e Burletas do Teatro São José: a menina-dos-olhos de Paschoal Segreto. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Teatro). Centro de Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação, Uni-Rio, p

17 existentes no Rio de Janeiro. Com isso, na verdade, registra - qual o flâneur João do Rio - o personagem que é a própria cidade Luiz Peixoto e suas burletas Falar sobre Luiz Peixoto é falar sobre o teatro, o jornalismo, a poesia e a música popular da primeira metade deste século. Sua produção como chargista na imprensa é vasta, valendo citar sua participação, principalmente, nos seguintes periódicos: O Malho, Jornal do Brasil, Revista da Semana, Zum-Zum, Última Hora, Sete Horas e Hora H, sendo fundador destes quatro últimos. No teatro musicado participa como autor, diretor de companhia, cenógrafo, figurinista e mesmo como ator de conferências humorísticas. Em 1922, revoluciona o teatro de revista 5 trazendo mais bom gosto ao coro de girls e aos figurinos, seguindo o modelo da companhia francesa Ba-ta-clan. Luiz Peixoto passa por várias companhias, acrescentando às várias funções já mencionadas as de letrista e ensaiador; e se tornando uma das figuras de relevância no teatro musicado brasileiro. 5 O espetáculo de teatro de revista, normalmente, compunha-se de quadros interdependentes, ligados à uma tênue trama central, e que se propunha a passar em revista os acontecimentos de um ano. Números musicais, cenas cômicas, apoteoses cenográficas eram costurados em cena pela figura do compadre, um ator que, mediante recurso que pode ser considerado épico, poderia interferir ou tomar partes nas cenas e mesmo comentá-las. Ver CHIARADIA, Maria Filomena Vilela. op. cit.; VENEZIANO, Neyde. Não adianta chorar: teatro brasileiro de revista...oba! Campinas: Unicamp, 1996, e O teatro de revista no Brasil: dramaturgia e convenções. São Paulo: Pontes; Campinas: Unicamp, 1991; e, ainda PAIVA, Salvyano Cavalcanti de. Viva o rebolado!: vida e morte do teatro de revista brasileiro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,

18 Para se demonstrar a importância e a dimensão de sua carreira no teatro ligeiro, onde foi por quase quatro décadas um dos maiores nomes, basta destacar dois momentos, nos quais o autor participa das duas companhias de teatro musicado mais importantes de sua época e que, por isso, podem ser considerados emblemáticos. Nos anos 10 trabalha junto à companhia teatral de maior popularidade então - a Companhia Nacional de Revistas e Burletas do Teatro São José; e nos anos 40 e 50, na Companhia Walter Pinto, à época, a maior companhia de teatro de revista do país. Participa também, em 1927, junto com Heckel Tavares e Álvaro e Eugênia Moreyra, do Teatro de Brinquedo, considerado uma das primeiras manifestações de renovação do teatro dito sério em nosso país. Em relação aos processos de renovação e de modernização do nosso teatro, é importante destacar que os primeiros renovadores do teatro brasileiro moderno - principalmente na década de tinham uma visão internacionalista de cultura que tendeu a desprezar as tradições da cena teatral brasileira; para eles, portanto, ser moderno era romper com as características do teatro brasileiro de então. 6 Analisando o ator Procópio Ferreira, em emocionado ensaio, o crítico Décio de Almeida Prado, observa 6 Ver RABETTI, Beti. Teatro e Cultura: ideários de ruptura e de reelaboração frente à tradição e a universalidade. (inédito), onde a autora traça um perfil do processo de modernização do teatro brasileiro, analisando seus pressupostos culturalistas e internacionalistas. 7

19 que a personalidade e a forma de interpretação do velho ator o colocaram à margem dos mecanismos de modernização da cena brasileira: Tudo o afastava, no entanto, do teatro moderno, desde a obrigação de decorar o papel (Bastos Tigre, já observara com graça que a arte de representar no Brasil não figurava entre as artes decorativas ) até a idéia ridícula de que o ator necessitava de alguém - o encenador - para o guiar na criação do papel. Ele se fizera no palco e ao contato com o público, os únicos mestres que reconhecia como legítimos. 7 Assim, o velho mestre do teatro brasileiro é apresentado pelo mais importante crítico do período de modernidade da cena nacional como uma espécie de emblema do teatro brasileiro do passado. Na sua arte e no seu tempo, Procópio não encontrou quem lhe fizesse sombra; contudo, não soube - ou não quis, observa o crítico paulista - adequar-se às novas técnicas, sendo por elas suplantado. A grande dificuldade que os 7 PRADO, Décio de Almeida. Procópio Ferreira: um pouco da prática e um pouco da teoria. In: Peças, pessoas, personagens: o teatro brasileiro de Procópio Ferreira a Cacilda Becker. São Paulo: Companhia das Letras, p

20 renovadores enfrentavam, então, era fazer com que atores como Procópio percebessem as necessidades que essa nova maneira de fazer teatro lhes exigia 8. Ligados, em sua maioria, aos gêneros ligeiros e tendo por escola o palco e o público, esses profissionais não compreendiam que sua maneira de fazer teatro não fosse considerada por esses renovadores um teatro sério. Essa dicotomia entre os chamados gêneros ligeiros e o teatro considerado sério nunca irá, aliás, preocupar Luiz Peixoto. Em entrevista concedida ao Diário de Notícias, por exemplo, o autor assinala que, apesar de ter uma comédia de sua autoria premiada pela Academia Brasileira de Letras, nunca teve interesse em deixar de escrever gêneros considerados ligeiros, sobretudo revistas. E ainda afirma considerar que o gênero é um dos mais difíceis 9. Nos anos 30 trabalha como diretor artístico do Cassino da Urca, sendo o responsável direto pelo memorável sucesso desse estabelecimento na área de shows, onde figuras da música popular brasileira e do teatro ligeiro alcançam sucesso internacional - sendo o caso mais famoso o da cantora Carmem Miranda, que sai dos espetáculos daquele cassino para a Broadway e daí para Hollywood. 8 Ver: TROTTA, Rosyane. O teatro brasileiro: décadas de In: NUÑEZ, Carlinda Fragale Pate et alii. O teatro através da história. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil: Entourage, v. 2, p CAETANO, Daniel. Luiz Peixoto já escreveu comédia. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 22 mai Apud: PEREIRA, Victor Hugo Adler. Momento Teatral: cultura e poder nos anos quarenta. Rio de Janeiro, Dissertação (Mestrado em Letras). Departamento de Letras da PUC, Anexos, p

21 Autor teatral pródigo - teria escrito nove burletas, 94 revistas teatrais, duas comédias, cinco textos de outros gêneros e ainda realizado três traduções 10 - é um dos sócios fundadores da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, associação da qual participa em várias diretorias, sendo presidente no biênio Ainda para ressaltar sua atuação em campo teatral, cabe lembrar que Luiz Peixoto dirige a Escola Dramática Martins Pena nos anos 60. Como inicia sua carreira artística enquanto caricaturista, ainda muito novo, nos primeiros anos do século XX, tem a oportunidade de manter contato diário com os grandes nomes da imprensa da época, escritores e chargistas ligados ao jornalismo e ao teatro musicado. Nesse grupo - que une boêmia e arte, por meio das quais constrói sua inserção na realidade, como será visto adiante - é que Luiz Peixoto vai encontrar seu mais constante parceiro de sua primeira fase como autor teatral, o jornalista Carlos Bittencourt. A estréia dos dois como dramaturgos se dá com a revista Seiscentos e Seis, no ano de Apesar da pouca repercussão da primeira peça, escrevem no mesmo ano a burleta que será um dos maiores sucessos do teatro popular carioca, Forrobodó, com músicas de Chiquinha Gonzaga, e que, estreando em 1912, inaugura um teatro assumidamente 10 GONÇALVES, Augusto de Freitas Lopes. Os vinte e um fundadores. In: Revista de Teatro da SBAT, Rio de Janeiro, n. 359, 360, p , set./out./nov./dez

22 carioca no linguajar, no tema e nos tipos criados. Inicia-se então uma das carreiras teatrais cariocas mais fecundas da primeira metade do século XX. Serão analisadas neste trabalho as burletas de sua autoria que constituem a primeira fase de sua carreira como autor teatral. É importante ressaltar ainda que os enredos de todas as burletas analisadas se desenvolvem em áreas do Rio de Janeiro esquecidas pela reforma urbanística perpetrada na cidade pelo prefeito Pereira Passos no início deste século O Rio de Janeiro - cidade real x cidade idealizada Sob o comando do prefeito Pereira Passos, a cidade vive, no princípio do século XX, progresso urbanístico que é na verdade um aspecto do agressivo projeto de modernização da sociedade brasileira. Os planos de remodelação da cidade trazem para a capital da recémproclamada República um sonho de transformação e mudança. Tendo por slogan O Rio civiliza-se!, criado pelo jornalista Figueiredo Pimentel na coluna Binóculo, da Gazeta de Notícias 11, esse processo tem por modelo a idéia do cosmopolitismo parisiense, da qual não fazia parte uma perspectiva de reorganização da tradição urbana ou cultural brasileira. 11 Apud.:BROCA, Britto. A Vida Literária no Brasil Rio de Janeiro: MEC, Serviço de Documentação, p

23 Assim, esse ideário de transformação da paisagem urbana se ia refletindo na paisagem social e igualmente no quadro de nossa vida literária. 12 Nessa medida, os sonhos de progresso acabam por fazer com que certos escritores idealizem a cidade. Os escritores superestimavam essa modernização da cidade, atribuindo ao Rio, em contos, romances e crônicas, ambientes e tipos que aqui não existiam. 13 Ao analisar a situação da sociedade brasileira do século XIX, Roberto Schwarz chama a atenção para a disparidade existente entre a produção literária brasileira - cujos autores estão ligados às idéias do liberalismo europeu - e a realidade agrária e escravagista do país 14. Segundo o autor, naquele momento histórico, essa dualidade entre o liberalismo, que orientava os pensamentos da elite, e o modo de produção econômico do país ocorria de maneira tão aguda que - entre diversos outros exemplos dados - nas casas das grandes fazendas as paredes de barro erguidas pelo trabalho escravo ou eram cobertas com papel de parede importado imitando alguma bucólica cena campestre européia, ou - numa exacerbação desse descompasso - pintadas de maneira ilusionista com colunas, capitéis, frisas e volutas com inspiração em pretensa arquitetura greco-romana. Como pode ser observado, o contraste entre o imaginário que orientava a classe dominante 12 Idem. p Idem. p SCHWARZ, Roberto. As idéias fora do lugar. Estudos Cebrap. São Paulo, n.3, p , jan

24 e a realidade da maioria da população brasileira é anterior à virada do século XIX para o XX. Nos ideais dessa ordem de progresso urbano culturalista não estava prevista a participação da população de baixa renda: as partes nobres da cidade eram destinadas às elites, e as camadas populares da população seriam empurradas para os subúrbios e para os morros, criando-se, assim, as primeiras favelas. Botafogo, Laranjeiras, Catete, Glória e as novas grandes avenidas do Centro da cidade representavam o Rio civilizado ; e a Cidade Nova, o Catumbi, a zona portuária, os subúrbios e as favelas, o Rio atrasado : (...) E os requintes de civilização, prevalecendo na parte urbana da metrópole, iam fazendo naturalmente com que os velhos costumes recuassem para a zona suburbana. 15 Os hábitos e comportamentos ligados às tradições brasileiras passam a ser vistos com desconfiança e desprezo pelos reformadores. Assim, os velhos costumes, que representariam a permanência de códigos e valores considerados atrasados, passam a ser alvo de restrições, e 15 BROCA, Brito. op. cit. p

25 as manifestações culturais e religiosas ligadas às camadas populares - como o maxixe, o samba 16 e os terreiros de candomblé - sofrem perseguições policiais. O modelo de civilidade e modernização, nesse período, está relacionado à cultura burguesa européia; as manifestações populares brasileiras consideradas não civilizadas devem ser, portanto, banidas. Nesse projeto, o modelo cultural almejado reforça a ruptura entre a alta cultura - aspirada pela burguesia - e a cultura popular. Sendo assim, as manifestações culturais populares, seus credos, sua música, suas festas e danças são consideradas inferiores, sinais de primitivismo e selvageria. Diante desse modelo excludente de uma espécie de darwinismo social 17, as camadas populares ficam restritas a guetos, e só nessas áreas suas manifestações são toleradas. Escritas entre os anos 1911 e portanto já no fim desse período - as burletas de Luiz Peixoto não mais retratam um Rio atônito diante das vertiginosas mudanças sofridas. A Revolta da Vacina - em que a população carioca levanta barricadas para impedir a campanha de saneamento e vacinação do sanitarista Oswaldo Cruz - e a Revolta da Chibata - dos marinheiros e embarcadiços contra os castigos corporais, liderada pelo negro João Cândido - já haviam chegado ao fim, e seus 16 Dança afro-brasileira e ritmo de música popular. Tornou-se gradativamente um ritmo urbano em fins do século passado e início deste. Ver HORTA, Luiz Paulo (edit.) op. cit. p VELLOSO, Monica. As tradições populares na Belle Époque carioca. Rio de Janeiro: Funarte, p

26 líderes estavam presos. O bota-abaixo do prefeito Pereira Passos, que demoliu cortiços, sobrados coloniais e vielas para dar lugar a extensas avenidas, ao feitio dos boulevards de Paris, já estava concluído. A população pobre das áreas nobres da cidade já tinha sido desalojada e deslocada para os subúrbios e favelas: A intenção era a de tornar o Rio uma Europa possível, e para isso era necessário esconder ou mesmo destruir o que significava atraso ou motivo de vergonha aos olhos das nossas elites. Vielas escuras e esburacadas, epidemias, becos mal afamados, cortiços, povo, pobreza destoavam visivelmente do modelo civilizatório sonhado. 18 Nessas áreas, as populações marginalizadas criarão uma identidade própria, distinta do ideal europeizado imposto. Ainda segundo a pesquisadora Monica Velloso 19, a integração e a sociabilização dessas camadas passará, necessariamente, pela noção de espaço - o seu 18 VELLOSO, Monica. op. cit. p VELLOSO, Monica. As tias baianas tomam conta do pedaço. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 3, n o 6, pp ,

27 pedaço. Tomando como referência a forma de resistência criada pelos grupos negros em que as tias tinham especial importância, a autora destaca o contraste existente entre esses novos canais de integração e o modelo burguês. As casas das tias baianas eram espaços comunitários de transmissão de tradições culturais e religiosas, e a associação a essas famílias não obedecia a um parentesco biológico, mas, sim, étnico. Esses espaços de resistência criados pelas populações marginalizadas distinguem-se ainda do modelo burguês almejado pela classe dominante devido à flexibilidade com que são tratados os limites entre casa e rua. Considerando casa e rua categorias simbólicas do imaginário brasileiro, o antropólogo Roberto Da Matta 20 traça a distinção existente entre esses dois domínios sociais básicos. As regras que regem a casa, onde o respeito se fundamenta nos valores familiares obedecendo às hierarquias de idade e sexo, não servem para a rua, local onde essas regras não valem e onde é necessário ficar atento para não violar regras desconhecidas. A rua seria ainda o local do engano, da malandragem e da trapaça, e a casa, diversamente, o refúgio de tranqüilidade e sossego. Ora, nas áreas onde as populações marginalizadas desenvolvem seus pedaços, casa e rua apresentam espaços de convergências e trocas, zonas de indefinição de limites - parâmetro tão caro ao modelo burguês do Lar 20 DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Guanabara, p

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Maria Odette Monteiro Teixeira Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UNIRIO Doutorando História e Historiografia do Teatro - Or.

Maria Odette Monteiro Teixeira Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UNIRIO Doutorando História e Historiografia do Teatro - Or. Alguns riscos da caricatura no Teatro de Revista Maria Odette Monteiro Teixeira Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UNIRIO Doutorando História e Historiografia do Teatro - Or. Flora Süssekind Resumo:

Leia mais

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE

Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1. Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana Xavier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE Arcoverde: Páginas que Ninguém Leu 1 Aline de Souza Silva SIQUEIRA 2 Adriana avier Dória MATOS 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho se propõe uma jornada Arcoverde adentro

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

O MORRO DO CASTELO E A PRAÇA ONZE: TERRITÓRIOS EM DISPUTA

O MORRO DO CASTELO E A PRAÇA ONZE: TERRITÓRIOS EM DISPUTA O MORRO DO CASTELO E A PRAÇA ONZE: TERRITÓRIOS EM DISPUTA Por Sheille Soares de Freitas * SILVA, Lúcia Helena Pereira da. Luzes e sombras na cidade: no rastro do Castelo e da Praça Onze: 1920/1945. Rio

Leia mais

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira Produção de DANÇA de Autoria Brasileira 1. CONTEXTO A Dança Brasileira vive hoje um novo contexto. Estão ocorrendo mudanças significativas no modo como artistas arquitetam suas criações e essas transformações

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX

AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX IV Reunião Científica de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas AS APRESENTAÇÕES DO TEATRO AMADOR SÃO-JOANENSE - INÍCIO DO SÉCULO XX Maria Tereza Gomes de Almeida Lima (UFSJ) GT:História das Artes do

Leia mais

DO RURAL AO URBANO: GÊNESE E DESENVOLVIMENTO DO SAMBA PAULISTA

DO RURAL AO URBANO: GÊNESE E DESENVOLVIMENTO DO SAMBA PAULISTA GRUPO DE TRABALHO: CULTURA E TRADIÇAO DO RURAL AO URBANO: GÊNESE E DESENVOLVIMENTO DO SAMBA PAULISTA Palavras-chave: samba paulista, samba de bumbo, samba rural, cultura popular, tradição popular. Resumo:

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil

Morro da Favella. Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil Fatos e lendas da primeira favela do Brasil FORMATO: Documentário: 1X 52 HD FULL 16:9 GENERO: Documentário em técnica mista: SINOPSE: Morro da Favella é um documentário

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

História da arte estilo ENEM

História da arte estilo ENEM História da arte estilo ENEM 01 - Assinale a alternativa que menciona o acontecimento a que Oswald de Andrade se reporta para nomear o Movimento Antropofágico. a) A adesão de Graça Aranha ao movimento

Leia mais

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS

HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS HISTÓRIA E NARRAÇÃO NEGRA: O DIÁRIO DE CAROLINA MARIA DE JESUS Aline Cavalcante e Silva (Bolsista PIBIC/CNPq/UFPB) aline.mbz@hotmail.com Orientador: Dr. Elio Chaves Flores (PPGH/UFPB) elioflores@terra.com.br

Leia mais

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento

Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento A organização Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos para a programação de 2014 do projeto Plateias Hospitalares

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária.

Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Projeto São João Literário Promovendo a cultura popular, incentivando a leitura e a produção literária. Histórico e Justificativa No ano de 2012, ao participar de uma quadrilha temática, em homenagem ao

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960

Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960 1 Plano de atividades para pós-doutorado Título: A vocação de escritor e o romance na cidade de São Paulo 1940-1960 Supervisor: Sergio Miceli Pessôa de Barros Resumo A proposta tem por interesse investigar

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

MODERNISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) MODERNISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) O século XX inicia-se no Brasil com muitos fatos que vão moldando a nova fisionomia do país. - progresso técnico - novas fábricas surgidas

Leia mais

1. A TRADIÇÃO REALISTA

1. A TRADIÇÃO REALISTA 1. A TRADIÇÃO REALISTA Se você alguma vez passou os olhos por um livro chamado Raízes do Brasil (1936)*, talvez tenha lido uma passagem famosa, que refere uma característica portuguesa que Sérgio Buarque

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

Programacao. programacao de aniversario

Programacao. programacao de aniversario Programacao programacao de aniversario Teatro de Tabuas comemora 13 anos com temporada em Campinas Duas estruturas itinerantes estarao em atividade O grupo Teatro de Tábuas, sediado na cidade de Campinas,

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL

ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL AULA 10 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO EM PORTUGAL E NO BRASIL I - CONTEXTO HISTÓRICO Na aula passada nós estudamos as principais características do Romantismo e vimos que a liberdade era a mola

Leia mais

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU)

ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) ANEXO II VIVÊNCIAS E TÉCNICAS DE DINÂMICAS DE GRUPO PARA ELABORAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RÁPIDO PARTICIPATIVO URBANO (DRPU) As dinâmicas aqui apresentadas podem e devem ser adaptadas de acordo com os objetivos

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016

RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 RIO DE JANEIRO SELEÇÃO DE PROJETOS ARTÍSTICOS 2015/2016 1. Introdução Doutores da Alegria Arte, Formação e Desenvolvimento informa aos interessados os procedimentos para o envio de projetos artísticos

Leia mais

Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil

Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil Barbosinha Mal-Educado da Silva e a História da Educação no Brasil Adoniran Barbosa, reconhecido compositor paulista, ganhou muita notoriedade na São Paulo dos anos 40 interpretando personagens cômicos

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho.

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. Um filme, como qualquer obra de arte, possibilita várias leituras,

Leia mais

Animação Cultural: Darcy Ribeiro e a Escola Nova para os brasileiros mais pobres

Animação Cultural: Darcy Ribeiro e a Escola Nova para os brasileiros mais pobres Relato Animação Cultural: Darcy Ribeiro e a Escola Nova para os brasileiros mais pobres Rudolf Rotchild Costa Cavalcante 1 (animador cultural e sociólogo) flodur72@yahoo.com.br Numa entrevista dada a um

Leia mais

UM MOVIMENTO POPULAR CHAMADO FREVO

UM MOVIMENTO POPULAR CHAMADO FREVO UM MOVIMENTO POPULAR CHAMADO FREVO Claudia Lima* No século XIX, as transformações das festividades carnavalescas acontecem de forma lenta. Durante o Império, em meados desse século, o carnaval sofre uma

Leia mais

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA

ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA AULA 12 LITERATURA PROFª Edna Prado ROMANTISMO NO BRASIL - PROSA Na aula passada nós estudamos as principais características da poesia romântica no Brasil.Vimos o fenômeno das três gerações românticas:

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR T E A T R O LEIA COM ATENÇÃO 01. Ao receber este caderno de prova verifique se contém 20 questões. Caso contrário, reclame ao fiscal da sala

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos)

PROVA ESCRITA DE EDUCAÇÃO MUSICAL. PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) COLÉGIO PEDRO II DIRETORIA GERAL SECRETARIA DE ENSINO CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSORES DE ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO = 2002 = PRIMEIRA PARTE - QUESTÕES DISCURSIVAS (70 pontos) 1) Escreva uma notação rítmica

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras

A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA. Ficha Autoras: Romance histórico. As autoras A vivência como professoras A Corte Chegou Cândida Vilares e Vera Vilhena PROJETO DE LEITURA 1 As autoras A vivência como professoras foi a base de trabalho das autoras. Na sala de aula, puderam conviver com a realidade de leitura

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS

Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Reciclando Sonhos: o Teatro em Comunidades no Contexto das ONGS Lia Alarcon Lima Programa de Pós-Graduação em Teatro UDESC Mestranda Teatro Or. Profª Dra. Márcia Pompeo Nogueira Resumo: A pesquisa aqui

Leia mais

MORRO DO CASTELO UM LUGAR DE MEMÓRIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

MORRO DO CASTELO UM LUGAR DE MEMÓRIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO MORRO DO CASTELO UM LUGAR DE MEMÓRIA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Cláudia Cristina Andrade de Azevedo Maria Fatima de Souza Silva Podem arrasar as casas, mudar o curso das ruas; as pedras mudam de lugar,

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO

TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO TEATRO NA EDUCAÇÃO: A CENA E O REPERTÓRIO Patricia Neves de Almeida Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade de Sorocaba (UNISO) patricia.almeida@prof.uniso.br Resumo: O presente texto refere-se

Leia mais

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran

O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO. Maria Angélica Zubaran O DIREITO ÀS MEMÓRIAS NEGRAS E A OUTRAS HISTÓRIAS : AS COLEÇÕES DO JORNAL O EXEMPLO Maria Angélica Zubaran Sabemos que, no âmbito das ciências humanas, a memória está relacionada aos processos da lembrança

Leia mais

Os elementos, que fazem parte da montagem de uma peça teatral, ajudam o aluno - e muito! - a se organizar como:

Os elementos, que fazem parte da montagem de uma peça teatral, ajudam o aluno - e muito! - a se organizar como: O TEATRO NA ESCOLA UMA ATIVIDADE COMPLETA O objetivo dessa aula é explicar ao futuro professor a importância de se trabalhar com o teatro desde os primeiros anos de escolaridade da criança. Essa atividade

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA

Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA Plano de Patrocínio LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO A CULTURA ROSA ARMORIAL PROCESSO: 112.504/11 C.E: 032/12 Patrocinadores Há uma obsessão com a idéia de que a única maneira de descrever o mundo seja através

Leia mais

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola)

Há muito tempo eu escuto esse papo furado Dizendo que o samba acabou Só se foi quando o dia clareou. (Paulinho da Viola) Diego Mattoso USP Online - www.usp.br mattoso@usp.br Julho de 2005 USP Notícias http://noticias.usp.br/canalacontece/artigo.php?id=9397 Pesquisa mostra porque o samba é um dos gêneros mais representativos

Leia mais

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas

O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas O Porto do Rio de Janeiro: reflexões sobre sua modernização e seu impacto social frente suas comunidades circunvizinhas NATHÁLIA TOPINI LUCAS * Resumo Esse trabalho tem por objetivo indicar um novo olhar

Leia mais

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges

HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL. Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL Profª Ms. Déborah Rodrigues Borges HERCULE FLORENCE: A DESCOBERTA ISOLADA DA FOTOGRAFIA NO BRASIL o Antoine Hercule Romuald Florence nasceu em Nice, na França, no dia 29

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951)

ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) ANÍSIO TEIXEIRA E AS POLÍTICAS DE EDIFICAÇÕES ESCOLARES NO RIO DE JANEIRO (1931-1935) E NA BAHIA (1947-1951) DÓREA, Célia Rosângela Dantas Universidade do Estado da Bahia UNEB 1. INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

2. Objetivos do Projeto:

2. Objetivos do Projeto: 1. Apresentação: O Projeto Cia de Dança Negra Contemporânea Kina Mutembua consiste numa iniciativa da ONG Ação Comunitária do Brasil do Rio de Janeiro selecionada por um edital da Secretaria de Políticas

Leia mais

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro

CONFEITARIA COLOMBO. Rio de Janeiro CONFEITARIA COLOMBO Rio de Janeiro A Confeitaria Colombo é a memória viva da belle époque do Rio de Janeiro antigo, situada na rua Gonçalves Dias e foi fundada em 1894 pelos portugueses Joaquim Borges

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

Lusófonos e lusófobos: a querela teatral entre brasileiros e portugueses e a proposta de brasilidade teatral de João do Rio

Lusófonos e lusófobos: a querela teatral entre brasileiros e portugueses e a proposta de brasilidade teatral de João do Rio Lusófonos e lusófobos: a querela teatral entre brasileiros e portugueses e a proposta de brasilidade teatral de João do Rio Julio Lucchesi Moraes Programa de Pós-Graduação em História FFLCH-USP Mestrando

Leia mais

A importância da leitura na fase infantil.

A importância da leitura na fase infantil. EDIÇÃO II VOLUME 3 01/04/2011 A importância da leitura na fase infantil. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura.

Palavras-chave: Música caipira. Literatura. Valores. Imaginário. Cultura. A MÚSICA CAIPIRA E A LITERATURA: do imaginário à representação cultural Meire Lisboa Santos Gonçalves Resumo: As manifestações sobre a tradição e cultura caipira e o seu reconhecimento são temáticas muito

Leia mais

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ

RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ 1 Resenha: o que é e como se faz RESENHA: O QUE É E COMO SE FAZ Ronaldo Martins Você já deve saber que o que nós chamamos "texto" corresponde a um conjunto de coisas bastante diversas. Sua certidão de

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS?

A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? A CRIANÇA E O TEATRO - DE QUE CRIANÇAS FALAMOS? É uma contradição, ainda pouco comentada, o fato de a ação educativa e cultural visando a infância e adolescência não serem, como deveriam, prioridade nas

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Helena Beatriz de Moura Belle *

Helena Beatriz de Moura Belle * 196 PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto políticopedagógico da escola. 2 ed. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2002 (Guia da Escola Cidadã, v. 7). Helena Beatriz

Leia mais

Arthur Azevedo. e a criação do teatro nacional

Arthur Azevedo. e a criação do teatro nacional Arthur Azevedo e a criação do teatro nacional 140 Quando eu morrer, não deixarei meu pobre nome ligado a um livro, ninguém citará um verso meu, uma frase que saísse do cérebro; mas com certeza hão de dizer:

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE FOLCLORE

COMISSÃO NACIONAL DE FOLCLORE CARTA DO FOLCLORE BRASILEIRO O VIII Congresso Brasileiro de Folclore, reunido em Salvador, Bahia, de 12 a 16 de dezembro de 1995, procedeu à releitura da Carta do Folclore Brasileiro, aprovada no I Congresso

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira

Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Escritor brasileiro Dados de Identificação: Nomes: Marcelo Lauer, Mariana Matté, Matheus Fernandes, Raissa Reis e Nadine Siqueira Turma: 201 Professora: Ivânia Lamb Romancista brasileiro nascido em São

Leia mais

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO

PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO PROJETO BANDAS E CORAIS NAS ESCOLAS : A EXPERIÊNCIA DO CORAL ENCANTO Rebeca Vieira de Queiroz Almeida Faculdade Saberes Introdução O presente texto é um relato da experiência do desenvolvimento do projeto

Leia mais