Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais"

Transcrição

1 Anais do I Simpósio sobre Estudos de Gênero e Políticas Públicas, ISSN Universidade Estadual de Londrina, 24 e 25 de junho de 2010 GT 7. Gênero e Trabalho Coord. Anne Grace Gomes Mulher e trabalho: um debate necessário no contexto das políticas neoliberais Mariucci Elza Marques da Silva Carla Cecília Rodrigues Almeida Resumo As recentes transformações nas relações de gênero e trabalho vêm atingindo todos os estratos e segmentos sociais no contexto brasileiro das políticas neoliberais. Hobsbawm(1996) afirma que a maior revolução social ocorrida no curto século XX é a das mulheres. O objetivo geral do presente estudo é identificar algumas alterações no mundo do trabalho feminino sob a hegemonia neoliberal nos anos 1990 a 2000 segundo dados da PNAD/ IBGE. Os processos sócio-ocupacionais vêm contribuir na compreensão dos mecanismos de segregação através das novas formas de inserção e organização no trabalho - feminização, precarização e rearranjos familiares. A análise das variáveis em suas correlações poderão aproximar as(os) assistentes sociais da reflexão sobre o trabalho feminino no Brasil e suas possíveis intervenções. Palavras- chave: mulher; trabalho; contexto neoliberal Universidade Estadual de Maringá. Universidade Estadual de Maringá. 25

2 1. Introdução Historicamente, no Brasil, a mulher é considerada objeto sexual do homem colonizador e proprietário, em papel de sujeição ao pai ou ao marido. No entanto, a partir do século XX, principalmente, a partir dos anos de 1970, incorporada aos modernos avanços tecnológicos há maior abertura no mercado de trabalho pelo suposto desenvolvimento econômico e a deterioração dos níveis de renda real nas camadas mais pobres e médias inferiores. As reestruturações produtivas como forma de garantir a própria reprodução do capital vêm fragilizando cada vez mais as condições de trabalho tanto para o homem quanto para a mulher. No entanto, se torna mais incisiva a exploração da mão de obra feminina. Marx( s/d) destaca que antes, o trabalhador vendia o trabalho do qual dispunha formalmente como pessoa livre. Agora vende mulher e filhos. As recentes transformações nas relações de gênero e trabalho feminino vêm atingindo todos os estratos e segmentos sociais no contexto das políticas neoliberais. Os processos sócio-ocupacionais nos estados brasileiros têm enorme importância na compreensão dos mecanismos de segregação. A inserção das mulheres no mercado de trabalho é uma das múltiplas expressões que favorece a identificação das desigualdades. Hobsbawm(1996) afirma que a maior revolução social ocorrida no curto século XX é a das mulheres. Especificamente, as mulheres conquistam direitos legais, se inserindo no espaço público( mundo do trabalho), com alterações na esfera privada( maior autonomia nas escolhas afetivas e enfraquecimento da hierarquia de gênero nas relações conjugais, composição e estruturação). O Movimento Feminista tem papel fundamental nessas novas dinâmicas. Se percebe também que as novas configurações refletem uma assimetria das dinâmicas urbanas geradas pela globalização e pelas políticas neoliberais adotadas nos anos 1990, exacerbando os processos de dualização, polarização, desigualdades e fragmentação sociais. Um relacionamento que é marcado pela desigualdade entre duas categorias são socialmente construídas por gênero nos espaços públicos(mundo do trabalho) e privados, hierarquizando os lugares no interior desses espaços. É útil e necessário ao sistema capitalista manter um exército de reserva de mão-de-obra barata, necessário à manutenção do próprio sistema, principalmente quando ocorre crise econômica. No conflito capital e trabalho se transpõe os limites das relações de produção através da mudança na composição da própria classe trabalhadora com a inserção das mulheres no mercado de trabalho. 26

3 O presente estudo buscará tecer algumas considerações sobre as mulheres ao identificar algumas alterações no mundo do trabalho sob a hegemonia neoliberal nos anos 1990 a 2000 segundo dados da PNAD/ IBGE. Em Araújo & Scalon(2005, p. 20), as relações de gênero se realizam num ambiente mediado também pela já mencionada dinâmica externa das relações de produção e reprodução e por dimensões ideológicas e culturais mais gerais da sociedade. As variáveis selecionadas são as taxas de atividade segundo faixas de idade e sexo; algumas características da ocupação feminina em posições mais precárias; a distribuição dos ocupados por sexo e faixas de rendimento; por sexo e horas semanais de trabalho na ocupação principal e por distribuição de ocupados por sexo e posição na ocupação. 2. Mulher e mundo do trabalho: algumas considerações A mercantilização da força de trabalho vem caracterizar a mulher no mundo do trabalho pela queda de fecundidade e pelos novos arranjos familiares e com a mulher complementando a renda familiar são eixos a serem clarificados por dados do IBGE. Não só as mulheres pobres estão se inserindo no mercado de trabalho, mas também as mais instruídas e das camadas médias. O movimento feminista contribuiu para o atual papel social da mulher atuante nos espaços públicos. O primeiro recenseamento brasileiro em 1872 vem clarificar que 45,5% da população economicamente ativa é composta de mulheres. Nos anos de 1920 e 1940 há a redução dessa participação para 15,3 e 15,9, respectivamente. Especificamente, em 1940 há uma lei autorizando o pagamento de 10% a menos para as mulheres em relação aos homens. Nos anos de 1990 a 2000 se tem uma leve diminuição nas taxas de atividade masculina em todas as faixas de idade e um aumento significativo nas taxas de atividade das mulheres a partir dos 20 anos. 27

4 A tabela acima vem reiterar a mulher ampliando sua participação no mercado de trabalho. Dados de 1970 referenciam apenas 19% e 15% das mulheres com idade entre 40 e 49 anos e 50 e 59 anos, respectivamente, em atividade no mercado de trabalho. Especificamente, no ano de 1990, 49,5% e 34,5% e em, 2002, cerca de 66,7% e 50,1% permanecem ativas, respectivamente, nessa mesma faixa etária. Interessante é perceber que há uma inflexão de percentual das mulheres de 40 a 59 anos no mesmo ano de 1998 e 60 anos e mais nos anos de 1995 e 1998, correspondendo, portanto, ao período da matriz de cunho ultraliberal de Fernando Henrique Cardoso. 28

5 Os dados a serem considerados estão, primeiramente, no fato das trabalhadoras domésticas até 29 anos terem saído dessa ocupação incisivamente ao se comparar o ano de 1990 e 2002, principalmente até os 19 anos. E há que se relacionar a tabela anterior com o aumento das taxas de atividade, principalmente, das mulheres dos 30 aos 59 anos 29

6 e a percepção de que também ocorre nessa mesma faixa etária um aumento extremamente significativo na ocupação de trabalhadoras domésticas. O fato da trabalhadora não possuir carteira de trabalho vem acentuada nos anos de 1995 a 2002, retomando ao aspecto de desregulamentação das relações trabalhistas. No Brasil, o IBGE até recentemente classificava os afazeres domésticos como inatividade econômica. Em 1992, foi feita uma questão específica- " realizou ou não afazeres domésticos na semana anterior?", que tem permitido conhecer e avaliar melhor a realização dessas tarefas, não mais entendendo-as apenas como uma categoria de inatividade. Porém, grande parte das trabalhadoras ainda se encontram no emprego doméstico, no trabalho domiciliar e em atividades não remuneradas. Ainda persiste a desigualdade dos rendimentos femininos em relação aos masculinos. O maior aumento de percentual segundo a faixa de rendimento para as mulheres nos anos de 1990 e 2000 é a faixa de 1 a 2 salários- mínimos, de 20,8 a 25,6%. A diminuição no percentual se percebe na faixa de rendimento de 2 a 5 salários mínimos e mais de 5, respectivamente, de 21,9% e 12,5% a 14,6% e 6,1%. O rendimento de até um salário mínimo ainda mantém no decorrer do período estudado e as mulheres sem rendimento passam de 11% a 14,3%. Os anos de 1993 e 1995 acentuam esse trabalho não remunerado e invisível. Especificamente, os homens também ampliam a faixa de rendimento de 1 a 2 salários mínimos no período de 1990 a 2202, de 20,3% a 27%, respectivamente. E, como as mulheres, têm diminuido a faixa de rendimento de 2 a 5 salários mínimos e, significativamente, em mais de 5 30

7 salários mínimos. No que se refere a homens sem rendimento, o percentual passou de 7% a 8,1%, mas, bem menos atingidos que as mulheres no contexto neoliberal. Atualmente, os homens estão em sua maioria na faixa de rendimento de 1 a 2 salários mínimos e, em seqüência, de 2 a 5 salários mínimos e, as mulheres, em sua maioria, 32,2% recebem até 1 salário mínimo. No que se refere a horas semanais trabalhadas, as mulheres aumentaram na faixa de até 39 horas, com o percentual de 38,7% a 44,7% nos anos de 1990 a Há relevância na diminuição de 40 a 48 horas semanais trabalhadas, passando de 46,6% a 42,1%, bem como a diminuição menos expressiva de 49 horas ou mais, de 14,6% a 13,2%. Em 2002, a maioria dos homens estão na faixa de horas semanais trabalhadas de 40 a 48 horas, com 54%. Essa faixa declinou o percentual, considerando o ano de 1990, com 59,6% e aumentando nas horas semanais trabalhadas até 39 horas, de 13,9 a 19,4. 31

8 A categoria divisão sexual do trabalho permite compreender o processo de constituição das práticas sociais a partir de uma base material. No ano de 2002, a distribuição dos ocupados por sexo tem quase a metade das mulheres predominando na ocupação de empregadas, com 47% e menos como empregadoras, somente 2,7%. No entanto, em 1990, o percentual era de 66,7 mulheres empregadas. Os homens, em 2002, também se ocupam mais como empregados, 59,4%, e menos como empregados domésticos, 0,9%. Proporcionalmente, os homens são o dobro na ocupação de empregadores em relação às mulheres, 5,4%. Há um aumento nos anos de 1990 e 2002 dos homens com ocupação autônoma/ conta própria, de 23,8 para 26,5% e no que se refere às mulheres, em 1990, não se computava tal ocupação com as mesmas e em 2002, há o percentual significativo de 16,2%. A precarização do trabalho vem sinalizando o trabalho autônomo/ conta própria que perpassa a desproteção social e a perda de postos de trabalho. Considerações finais Existem vários significados e práticas no contexto neoliberal no mundo do trabalho que destacam o capital se apropriando das diferenças entre os sexos. As relações de gênero vem sendo determinadas pelas relações sociais de produção e permeando toda a vida. A evolução da taxa de participação das mulheres revela avanço na busca por autonomia, podendo as mesmas suprirem a si, complementarem a renda da família ou provê- la totalmente. Há mais mulheres acima dos 30 anos trabalhando, mas, também há maior percentual na ocupação de trabalhadoras domésticas nessa mesma faixa etária. Tanto homens quanto mulheres têm um rendimento mensal baixo, podendo se afirmar que o contexto neoliberal fragiliza e explora indistintamente os sexos, aumentando a pobreza e a segregação social. A flexibilização do trabalho vem intensivamente ampliando empregos precários e sem proteção social. Há o aumento de postos de trabalho informais. No que se refere a ocupados por sexo e horas semanais de trabalho na ocupação principal, se percebe um declínio no maior número de horas para as mulheres. Nas sociedades modernas, o uso do tempo se define pelos interesses da acumulação capitalista, o tempo que conta é o que produz mais- valia, do cuidado com a reprodução como nos trabalhos domésticos. A conotação é de uma maior participação das mulheres na esfera produtiva e com posição secundária em relação aos homens mesmo 32

9 quando têm mais estudo ou quando trabalham igual número de horas. Outros dados já assegurados pelo IBGE exprime que o aumento da participação das mulheres no mercado de trabalho pode ter como determinante a sua maior capacitação, maior escolaridade, havendo discrepâncias na valoração desses itens. Melhorar a condição de vida não está ligada, necessariamente, a um maior número de anos de estudo. O fato é que as relações de gênero vem determinando valores diferentes para profissionais no mercado de trabalho. As novas configurações no mundo do trabalho vem deixando de ser fator de inclusão, solidificando a segregação e a desigualdade. Essa dinâmica nada mais é que o fortalecimento e continuidade do processo de dominação, atendendo aos interesses do capital. A mplementação de políticas sociais efetivas respaldadas na realidade concreta pode transpor ações pontuais e emergenciais, podendo minimizar as excessivas desigualdades no mercado de trabalho a partir da categoria gênero, visto a preocupação em gerar postos de trabalho formal dos formuladores de políticas públicas e também o fortalecimento das organizações políticas das mulheres para minimizar as dicotomias existentes. Bibliografia ACOSTA, A. R. & VITALE, M.A.F.. Família-Redes, Laços e Políticas Públicas. PUC-SP: Cortez, ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? São Paulo: Cortez,1996. ARAUJO, Clara; SCALON, Celi. Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV,2005. BIHR,Alain. A problemática da reprodução do capital em O Capital. Lutas Sociais, n. 9/10, São Paulo, NEILS- Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais, BOTTOMORE, Tom. Dicionário do Pensamento Marxista.- Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed.,2001. CALDEIRA, Teresa P. R. Cidade de Muros-Crime, Segregação e Cidadania em São Paulo. EDUSP, s/d CARDOSO, Irede A. Mulher e Trabalho. São Paulo: Cortez(s.d.) CARLOTTO, Cássia. Gênero, reestruturação produtiva e trabalho feminino. Disponível em: Acessado em 25 de maio de

10 CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão salarial. Petrópolis: Vozes, Consórcio de Informações Sociais. Disponível em: Acessado em 20 de maio de 2010 ENGELS, F. A origem da família, da propriedade e do Estado. Brasília: Civilização Brasileira,(s.d.) Fundação Carlos Chagas. Disponível em: series_historicas. Acessado em 30 de maio de 2010 GONÇALVES, Renata. Dinâmica sexista do capital: feminização do trabalho precário. Lutas Sociais, n. 9/10, NEILS- Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais, HIRATA, Helena. Nova divisão sexual do trabalho? São Paulo:Ed. Boitempo,2002 HOBSBAWM, Eric J. Era dos Extremos- O breve século XX. São Paulo: Editora Companhia das Letras,1996. IBGE. Síntese dos Indicadores Sociais. Rio de janeiro,ibge.www.pnad.ibge.gov.br. Acessado em 13 de maio de LIMA, Maria Ednalva Bezerra(org.). Um debate crítico a partir do feminismo: reestruturação produtiva, reprodução e gênero. São Paulo: CUT,2002 LAKATOS, Eva Maria & Marconi, Marina Andrade Metodologia do Trabalho. Cientifico Editora Atlas 2002 São Paulo SP. LESBAUPIN, Ivo. O desmonte das nações em dados.-petrópolis, RJ:Vozes,2002. MARX, K. (1968). O Capital (Crítica da Economia Política). Livro I, Vol. 1, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social, teoria método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/METRODATA. IPPUR- UFRJ/FASE. Disponível em: Acesso em set Revista Iniciação Científica CESUMAR.Volume 8-N.1-Edição Especial. Maringá: CESUMAR,

11 RIBEIRO, L.C.Q. As metrópoles e a questão social brasileira.-rio de Janeiro:Revan, Fase, Metrópoles: entre a coesão e a fragmentação, a cooperação e o conflito. São Paulo:Editora Fundação Perseu Abramo; Rio de Janeiro:FASE- Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional, Observatório das Metrópoles,2004. SERVIÇO SOCIAL: direitos e competências profissionais.- Brasília: CFESS/ABEPSS, V. 1 SILVA, Marcos Antonio. Normas para elaboração e apresentação de trabalhos acadêmicos na UCG. Goiânia, GO: Ed. da UCG, SOUZA, Hebert José de Souza. Como se faz análise de conjuntura. Petrópolis, RJ: Vozes,

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução

As relações de gênero entre os trabalhadores da área da saúde. Introdução A presença da mulher nos cuidados em saúde ST. 27 Elenice Pastore Luisa Dalla Rosa Universidade de Passo Fundo Palavras-Chave: Relações de gênero flexibilização do trabalho saúde As relações de gênero

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil

Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Políticas laborais de igualdade de gênero: o Programa Pró-Equidade de Gênero no Brasil Débora de Fina Gonzalez Introdução A consolidação da participação feminina no mercado de trabalho coloca em pauta

Leia mais

A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social

A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social A FAMÍLIA BRASILEIRA E MARANHENSE: mudanças nas configurações sociofamiliares e continuidade da desigualdade social Maria Jacinta Carneiro Jovino da Silva 1 RESUMO Aborda a desigualdade social entre as

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

Verinotio revista on-line

Verinotio revista on-line Verinotio revista on-line de educação e ciências humanas A situação da mulher na família e no mercado de trabalho RMSP (2007 a 2008) Espaço de interlocução em ciências humanas n. 11, Ano VI, abr./2010

Leia mais

Mulheres, Reestruturação Produtiva e Pobreza

Mulheres, Reestruturação Produtiva e Pobreza SÓLO PARA PARTICIPANTES Comisión Económica para América Latina y el Caribe CEPAL Proyecto gobernabilidad democrática e igualdad de género en América Latina y el Caribe SEMINARIO INTERNACIONAL Políticas

Leia mais

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil

As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil MÓDULO 4 - Relações Étnico-Raciais unidade 2 TEXTO 4 As especificidades da desigualdade étnicoracial no cenário das desigualdades no Brasil Você já pensou em como as desigualdades raciais muitas vezes

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO

MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E SEUS IMPACTOS NO TRABALHO MASCULINO E FEMININO Watfa Abou Chami Pereira PPGTE-Universidade Tecnológica Federal do Paraná Nilson Marcos Dias Garcia PPGTE/DAFIS-Universidade

Leia mais

FASCÍCULO VII BIBLIOGRAFIA E WEBGRAFIA DE REFERÊNCIA

FASCÍCULO VII BIBLIOGRAFIA E WEBGRAFIA DE REFERÊNCIA BIBLIOGRAFIA E WEBGRAFIA DE REFERÊNCIA Com a colaboração de: BIBLIOGRAFIA AMÂNCIO, Lígia, Masculino e feminino: a construção social da diferença. Porto, Edições Afrontamento, 1994 ALMEIDA, Ana Nunes et

Leia mais

O direito à diferença na reprodução do urbano

O direito à diferença na reprodução do urbano O direito à diferença na reprodução do urbano COSTA, Carmem Lúcia Professora do Departamento de Geografia UFG/Catalão Programa de Pós-Graduação em Geografia UFG/Catalão Dialogus Estudos Interdisciplinares

Leia mais

SOBRE A ORIGEM DA OPRESSÃO DA MULHER

SOBRE A ORIGEM DA OPRESSÃO DA MULHER A condição da mulher na sociedade de classes: o machismo a serviço do capital Danielle Sampaio Albuquerque Niágara Vieira Soares Cunha O presente artigo tem como objetivo por em evidência a constituição

Leia mais

PERFIL DOS/AS ACADÊMICOS/AS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA FAMMA-FACULDADE METROPOLITANA DE MARINGÁ.

PERFIL DOS/AS ACADÊMICOS/AS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA FAMMA-FACULDADE METROPOLITANA DE MARINGÁ. PERFIL DOS/AS ACADÊMICOS/AS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA FAMMA-FACULDADE METROPOLITANA DE MARINGÁ. Marcia Vieira de Souza Martins, Sonia Maria Mendes Queiroz do Vale, FAMMA - Faculdade Metropolitana de

Leia mais

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1 MONTALI, L.; LIMA, T.. Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI. Artigo aprovado para ser publicado como capítulo de livro sobre a Região Metropolitana de São Paulo que integra

Leia mais

Aspectos culturais e relações de gênero 1

Aspectos culturais e relações de gênero 1 Aspectos culturais e relações de gênero 1 Objetivo da Aula A questão de gênero realiza-se culturalmente por ideologias que tomam formas específicas em cada momento histórico e, tais formas, estão associadas

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2011 Estabelece medidas de proteção a mulher e garantia de iguais oportunidades de acesso, permanência e remuneração nas relações de trabalho no âmbito rural ou urbano.

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO

A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO A DIVISÃO SEXUAL NO TRABALHO E A DESVALORIZAÇÃO DO TRABALHO FEMININO Janaina Bezerra de Queiroz Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Resumo No contexto histórico, a divisão sexual do trabalho é um fenômeno,

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO. Semestre Letivo 2015 2º Professor(es) UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE FILOSOFIA, SOCIOLOGIA E POLÍTICA CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS PLANO DE ENSINO Ano Semestre Letivo 2015 2º 1. IDENTIFICAÇÃO: Código: 1.1. Disciplina:

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO. Key Words: woman, market of work, discrimination

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO. Key Words: woman, market of work, discrimination 1 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Rosangela Saldanha Pereira * Danielle Almeida dos Santos ** Waleska Borges *** RESUMO O presente artigo examina as características da evolução da participação da mulher

Leia mais

Planejamento Familiar: Conflitos e Soluções

Planejamento Familiar: Conflitos e Soluções Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Planejamento Familiar: Conflitos e Soluções Maria Aparecida Rodrigues de Oliveira Lima (Prefeitura Municipal de Piraí);

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO UFMA PÓS GRADUAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS MESTRADO Claudia Archer Tema da Pesquisa: A BUROCRACIA E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL, A PARTIR DE 2003:

Leia mais

CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹

CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹ CCSVP: ESTRATÉGIA DO SERVIÇO SOCIAL NA GARANTIA DE DIREITOS COM MULHERES CHEFES DE FAMÍLIAS.¹ TASCHETTO, Ketheni Machado²; MARQUES, MARQUES Nadianna Rosa ³ ; KAEFER Carin Otília 4 ¹Trabalho desenvolvido

Leia mais

7 Referências bibliográficas

7 Referências bibliográficas 7 Referências bibliográficas ABRAMO, L. Um olhar de gênero: visibilizando precarizações ao longo das cadeias produtivas. In: Congresso Latino-americano de Sociologia do Trabalho. Anais. Águas de Lindóia,

Leia mais

I Seminário Nacional de Trabalho e Gênero Sessão Temática: Industrialização, precarização e trabalho feminino

I Seminário Nacional de Trabalho e Gênero Sessão Temática: Industrialização, precarização e trabalho feminino 1 I Seminário Nacional de Trabalho e Gênero Sessão Temática: Industrialização, precarização e trabalho feminino Título do trabalho: A divisão sexual do trabalho: a inserção da mulher no mundo do trabalho

Leia mais

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL 15 setembro de 2014 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores MUDANÇA REGIONAL E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria Executiva

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 Qual a importância da discussão de gênero no mercado de trabalho? O campo de atuação profissional

Leia mais

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria

Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Mulheres e Exclusão na América Latina Nalu Faria Gerações e gerações viveram uma realidade em que as mulheres eram consideradas inferiores aos homens. Como isso era encarado como parte do destino das mulheres

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS POLÍCAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL RESUMO

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS POLÍCAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL RESUMO PARTICIPAÇÃO SOCIAL NAS POLÍCAS DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL RESUMO Maria Ozanira da Silva e Silva * O Artigo aborda a Participação no âmbito das Políticas de Segurança Alimentar e Nutricional.

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM

O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM O IMPACTO DAS MUDANÇAS NO MUNDO DO TRABALHO E OS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM Salete Beatriz Scheid 1 Neide Tiemi Murofuse 2 INTRODUÇÃO: Vivemos atualmente numa sociedade marcada pelas intensas e rápidas

Leia mais

Elas trabalham mais e ganham menos

Elas trabalham mais e ganham menos Estudo Elas trabalham mais e ganham menos Relatório da OIT mostra que, no período de um ano, as mulheres trabalham dez dias a mais que os homens Lídia Borges e Karina Ribeiro 20 de julho de 2012 (sexta-feira)

Leia mais

RELACIONANDO CIDADANIA FEMININA E GEOGRAFIA: COMO MEDIAR NO ENSINO FUNDAMENTAL?

RELACIONANDO CIDADANIA FEMININA E GEOGRAFIA: COMO MEDIAR NO ENSINO FUNDAMENTAL? RELACIONANDO CIDADANIA FEMININA E GEOGRAFIA: COMO Resumo MEDIAR NO ENSINO FUNDAMENTAL? ALMEIDA, Andressa Cristiane Colvara FURG andressacolvara@yahoo.com.br MARTINS, Everton Bandeira - FURG evertonmartins@furg.br

Leia mais

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013 Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 1. Desenvolvimento, crises e implicações sobre o mundo trabalho

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima

REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA, TRANSFORMAÇÕES NO MUNDO DO TRABALHO E SUAS INFLEXÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Profa. Dra. Tereza Cristina Pinheiro de Lima OBJETIVO Situar o cenário da reestruturação produtiva na

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

O Ofício de Mestre Queijeiro

O Ofício de Mestre Queijeiro Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Ana Elizabeth Santos Alves (UESB) Mestre queijeiro; Ato de trabalhar; Gênero ST 25 - Perspectivas profissionais e

Leia mais

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*

A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* Rafael Loures Ogg¹ Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg² Palavras-chave: Violação; Criança;

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012.

Edição Nº. 1, Vol. 1, jan-jun. 2012. A DUPLA JORNADA DE TRABALHO: REFLEXÃO SOBRE O VÍNCULO DA MULHER COM O TRABALHO DOMÉSTICO EM CONTEXTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE SOCIOLOGIA PARA O NÍVEL MÉDIO 1 Natalia Taiza Schmidt 2 RESUMO: O presente

Leia mais

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR

TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO ARCO OCUPACIONAL SAÚDE DO PROJOVEM TRABALHADOR CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO, SAÚDE E EDUCAÇÃO: A PERCEPÇÃO DOS EGRESSOS DO

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

UMA POBREZA DIFERENTE?

UMA POBREZA DIFERENTE? UMA POBREZA DIFERENTE? Mudanças no padrão de consumo da população de baixa renda Haroldo da Gama Torres Renata Mirandola Bichir Thais Pavez Carpim RESUMO A partir dos dados da PNAD 2004, este artigo aponta

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro

Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Os gargalos para o ingresso e a permanência das mulheres no mercado de TI, no Brasil Bárbara Castro Dra. em Ciências Sociais (UNICAMP) Bom dia, Primeiramente gostaria de cumprimentar a todos e a todas

Leia mais

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva

Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020. Recursos Humanos: Desafios para uma Região Inclusiva CONFERÊNCIA Plano de Ação Regional Algarve 2014-2020 Desafios Regionais no contexto da Europa 2020 Estrutura de Apresentação 3. Perspetivas para o Crescimento Inclusivo no contexto da Estratégia Europa

Leia mais

As desigualdades de sexo no mercado de trabalho de Goiânia

As desigualdades de sexo no mercado de trabalho de Goiânia As desigualdades de sexo no mercado de trabalho de Goiânia Aline Tereza Borghi Leite Marta Rovery de Souza Palavras-chave: mundo do trabalho; trabalho feminino; dados secundários; Goiânia. Resumo No contexto

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (I): A queda da pobreza no Brasil no último decênio

outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (I): A queda da pobreza no Brasil no último decênio 06 outubro de 2013 Fundação Perseu Abramo - Partido dos Trabalhadores Os intocáveis (I): A queda da pobreza no Brasil no último decênio Expediente Esta é uma publicação da Fundação Perseu Abramo. Diretoria

Leia mais

Estudos do Trabalho. Ano I Número 1-2007 Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org

Estudos do Trabalho. Ano I Número 1-2007 Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Presença feminina no Mundo do Trabalho: História e Atualidade Reginaldo Guiraldelli 1 O presente ensaio tem a intenção de contextualizar a presença feminina no mundo do trabalho com vistas a compreender

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA.

11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. 11º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM TRABALHO INFANTIL E O PROJETO BRINCADEIRAS COM MENINOS E MENINAS DE E NA RUA. Luisa de Oliveira Demarchi Costa (apresentadora) 1 Cléia Renata Teixeira Souza (coordenadora)

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL: A MANUTENÇÃO DA

POLÍTICA SOCIAL: A MANUTENÇÃO DA POLÍTICA SOCIAL: A MANUTENÇÃO DA DESIGUALDADE Ednéia Maria Machado * Resumo: A política social tem sua origem no modo capitalista de produção da vida social, não como uma política do capital e, sim, como

Leia mais

O perfil das ONGs no neoliberalismo *

O perfil das ONGs no neoliberalismo * O perfil das ONGs no neoliberalismo * Elton Alcantara eltonluizcosta@gmail.com Gustavo Palmares gupalmaresrj@hotmail.com Letícia Chahaira leticiachahaira@yahoo.com.br Rafael Teixeira rafaelteixeira_ufrj@yahoo.com.br

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

O TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES NO MUNDO PRODUTIVO DO BRASIL Claudia Mazei Nogueiras, Brasil

O TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES NO MUNDO PRODUTIVO DO BRASIL Claudia Mazei Nogueiras, Brasil O TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES NO MUNDO PRODUTIVO DO BRASIL Claudia Mazei Nogueiras, Brasil I Uma breve evolução do trabalho feminino Com a emergência da sociedade capitalista, o trabalho feminino

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Observatórios do Trabalho

Observatórios do Trabalho Observatórios do Trabalho O que são? Ferramentas de estudo, análise e de apoio ao diálogo social e à elaboração de políticas públicas de emprego, trabalho e renda e de desenvolvimento local / regional.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1.

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1 A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NO SÉCULO XXI: o trabalho feminino nas empresas terceiras em Catalão (GO) 1. 1. INTRODUÇÃO Laudicéia Lourenço de Araújo 2 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão laudiceia.geografia@gmail.com

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Consultor/a Local Mulheres no mercado de trabalho e os impactos da crise econômica

Consultor/a Local Mulheres no mercado de trabalho e os impactos da crise econômica PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES CCBB SCES, Trecho 2, Lote 22 Edifício Tancredo Neves, 1º andar Cep 70200-002 Brasília / DF Telefone (61) 3313-7101 Central de Atendimento

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA

AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA RESUMO AS CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA DE RENDA BÁSICA Antônio Dimas Cardoso 1 Vânia Cássia Miranda Mota 2 As condicionalidades são instrumentos primordiais de controle social para acesso e manutenção

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

PALAVRA DO PRESIDENTE

PALAVRA DO PRESIDENTE PALAVRA DO PRESIDENTE A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria CNTI por meio da Secretaria para Assuntos do Trabalho da Mulher, do Idoso e da Juventude, dando seguimento ao nosso trabalho

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL, QUESTÃO SOCIAL E GÊNERO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DA FORMAÇÃO E INTERVENÇÃO PROFISSIONAL

SERVIÇO SOCIAL, QUESTÃO SOCIAL E GÊNERO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DA FORMAÇÃO E INTERVENÇÃO PROFISSIONAL DOI: 10.4025/4cih.pphuem.729 SERVIÇO SOCIAL, QUESTÃO SOCIAL E GÊNERO: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DA FORMAÇÃO E INTERVENÇÃO PROFISSIONAL Vanda Micheli Burginski Universidade Federal do Tocantins UFT A questão

Leia mais

A Metrópole e a Questão Social

A Metrópole e a Questão Social A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades Bem-Estar Social Renda Urbana Oportunidades A Metrópole e a Questão Social Território Desigualdades

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. AUTORES DO TEXTO: Adiliane Valéria Batista F. da Silva; Zélia Maria Pereira da Silva

III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA. AUTORES DO TEXTO: Adiliane Valéria Batista F. da Silva; Zélia Maria Pereira da Silva III SEMINÁRIO POLÍTICAS SOCIAIS E CIDADANIA AUTORES DO TEXTO: Adiliane Valéria Batista F. da Silva; Zélia Maria Pereira da Silva (In) visibilidade e (Des) valorização do trabalho da mulher no âmbito da

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

OS REFLEXOS DA CRISE FINANCEIRA DE 2008 NO PERFIL DOS NOVOS POSTOS DE TRABALHO CRIADOS EM CAXIAS DO SUL NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A SETEMBRO DE

OS REFLEXOS DA CRISE FINANCEIRA DE 2008 NO PERFIL DOS NOVOS POSTOS DE TRABALHO CRIADOS EM CAXIAS DO SUL NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A SETEMBRO DE 1 OS REFLEXOS DA CRISE FINANCEIRA DE 2008 NO PERFIL DOS NOVOS POSTOS DE TRABALHO CRIADOS EM CAXIAS DO SUL NO PERÍODO DE SETEMBRO DE 2008 A SETEMBRO DE 2009. RESUMO Adalberto Ayjara Dornelles Filho 1 David

Leia mais

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama

Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Perfil dos jovens das Comunidades do Real Parque e Jardim Panorama Objetivo da Pesquisa Coletar informações para diagnosticar a demanda dos jovens das Comunidades Real Parque e Jardim Panorama, quanto

Leia mais

VIDA COTIDIANA E O USO DO TEMPO PELAS MULHERES

VIDA COTIDIANA E O USO DO TEMPO PELAS MULHERES VIDA COTIDIANA E O USO DO TEMPO PELAS MULHERES Maria Betânia Ávila * O tempo é um bem escasso na dinâmica da vida social moderna. O que chamamos aqui de tempo é o sistema padronizado de regulação dos períodos

Leia mais

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB

PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB PERSPECTIVAS DE ANÁLISE DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA MULHER: MAPEAMENTO DAS DENÚNCIAS ENTRE OS ANOS DE 2010 E 2011 NA CIDADE DE CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Antonio Pereira Cardoso da Silva Filho Universidade

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais