Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE"

Transcrição

1

2

3

4 Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

5

6 Definição de Microseguros Critério Renda Per Capita Classes % Pop E DE CDE SM SM SM Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

7 Taxa Marginal de Acesso a Seguros por Centésimo de Renda Per Capita - % Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

8 Desigualdade de Seguro DESPESAS COM SEGUROS População total* Média Theil Gini Elasticidade-Renda Renda Per Capita 832,85 0,6748 0, Despesa Total 23,96 2,4829 0,9349 1,6207 Seguro Saúde 16,80 2,6358 0,9448 1,6379 Seguro de Veiculo 3,22 3,7643 0,9812 1,7010 Seguro de Vida 2,17 4,0792 0,9860 1,7094 Previdência Privada 1,03 6,3212 0,9985 1,7311 Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE * parcela da população acima de 15 anos que responderam a questão de seguros A desigualdade da despesa de seguro (Gini de 0,94) é próxima de 1, quando uma só pessoa deteria todo o seguro do Brasil.

9 % da População com despesa de Seguro por Classe Econômica Brasil Indivíduos Classe Seguros Plano / Seguro- Saúde Seguro de Veículo Seguro de Vida Previdência Privada Aberta ou Fechada Outros Classe E 1,45 0,76 0,05 0,29 0,01 0,44 Classe D 4,19 2,64 0,09 1,01 0,13 0,74 Classe C 15,69 12,07 1,15 3,74 0,2 1,56 Classe AB 46,17 36,65 13,84 12,88 1,91 2,43 Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

10 Matriz de Acesso a Seguros SAUDE VEÍCULO VIDA PREVIDENCIA OUTROS SAÚDE VEÍCULO VIDA PREVIDÊNCIA OUTROS Matriz de Acesso a Seguros Classe CDE SAUDE VEÍCULO VIDA PREVIDENCIA OUTROS SAÚDE VEÍCULO VIDA PREVIDÊNCIA OUTROS Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

11 Matriz de Correlação (controlada#) de Acesso a Seguros SAUDE VIDA VEÍCULO PREVIDENCIA OUTROS TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL Saúde ** ** ** ** Vida ** ** ** ** Veiculo ** ** ** Previdência ** ** ** Outros ** ** ** ** Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Matriz de Correlação (controlada#) de Acesso a Seguros Classe CDE # controlada por sexo, cor, posição na família, anos de estudo, classe econômica, região domiciliar, uf, contribuição previdenciária, posição na ocupação * Estatisticamente significante ao nível de confiança de 90%. ** Estatisticamente significante ao nível de confiança de 95%. SAUDE VIDA VEÍCULO PREVIDENCIA OUTROS CLASSE CDE CLASSE CDE CLASSE CDE CLASSE CDE CLASSE CDE Saúde ** ** ** ** Vida ** ** ** ** Veiculo ** ** ** Previdência ** ** ** ** Outros ** ** ** Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE # controlada por sexo, cor, posição na família, anos de estudo, classe econômica, região domiciliar, uf, contribuição previdenciária, posição na ocupação * Estatisticamente significante ao nível de confiança de 90%. ** Estatisticamente significante ao nível de confiança de 95%.

12 Modelo STEPWISE de seleção das variáveis Tem Despesa com Seguros ORDEM ENTRADA NO MODELO Seguros Microsseguros Classe Econômica 1 3 Tem Cartão de Crédito 2 1 Contribui para Previdência 3 2 Posição na Família 4 5 Anos de estudo 5 6 UF 6 7 Faixas etárias 7 9 Tem Despesa com Automóvel 8 10 Posição na Ocupação 9 8 Tem automóvel 10 4 Área - Região Domiciliar Freq. Escola ou Creche - 12 Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

13 Simulador de Acesso e de Despesas

14 Quais são os determinantes da demanda por Microsseguro? Importância de variáveis econômicas vis a vis sóciodemográficas e espaciais. Classes E, D, C e AB Raça e religião não desempenham papel uma vez que se controla pelas demais variáveis. Sexo depende do seguro: saúde mais feminino e os demais mais masculinos Há um planalto na demanda depois dos 50 anos Há relação de complementaridade entre outros seguros privados e sociais e a demanda por seguro específico A renda que importa não é a do indivíduo, mas a da família, como na definição de microsseguro Mais renda familiar causa mais demanda por seguro

15 Razão de Chances de Acesso a Seguros Razão Condicional de Acesso a Seguro - Total Razão Condicional de Acesso a Seguro - Saúde Razão Condicional - Total Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801 Razão Condicional de Acesso a Seguro - Vida Razão Condicional - Saúde Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801 Razão Condicional de Acesso a Seguro - Veículo Razão Condicional - Vida Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801 Razão Condicional - Veículo Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801

16 Razão de Chances de Acesso a Microsseguros Razão condicional de acesso a Microsseguros (Classes CDE ) - Total Razão condicional de acesso a Microsseguros (Classes CDE ) - Saúde Razão Condicional - Total Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801 Razão condicional de acesso a Microsseguros (Classes CDE ) - Vida Razão Condicional - Saúde Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801 Razão condicional de acesso a Microsseguros (Classes CDE ) - Veículo ao compararmos pessoas com atributos observáveis exatamente iguais em São Paulo e Rio de Janeiro, a primeira possui mais chance de ter acesso a seguro do que a segunda identificando mercado promissor Potencial. Razão Condicional - Vida Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801 Razão Condicional - Veículo Até 0,300 0,300 a 0,450 0,451 a 0,600 0,601 a 0,800 Mais de 0,801

17 DECOMPOSIÇÃO DA VARIAÇÂO DA TAXA DE ACESSO A SEGUROS CENÁRIO FINANCEIRO: REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da PNAD, PME e POF / IBGE

18 Qual é a taxa atual de acesso a seguro? Entre 2003 e 2008, 32 milhões de pessoas, meia França, foram incorporadas às classes A, B ou C. efeito-renda no período de 15,6% mais o crescimento populacional de 9% no período. Efeito inovação financeira seria de 14,6% se cada brasileiro, mantendo a sua respectiva renda, passasse a ter o acesso a seguro observado na Região Metropolitana de São Paulo, a mais desenvolvida Neste caso o aumento acumulado de 2003 a 2009 da taxa de acesso a seguro privado no Brasil seria de 44,3%.

19 A Promessa do Microsseguro O microsseguro guarda a promessa de ser na próxima década o que o microcrédito foi no mundo nas últimas duas. A maior previsibilidade gera ganhos de bem-estar, sem implicações fiscais, o que torna o efeitoestabilidade do seguro particularmente atraente. O boom recente deu os pobres emergentes ao mercado segurador falta agora dar os mercados aos mais pobres através da criação de um marco institucional apropriado.

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Agentes de Crédito e Grupos Solidários Segurado Segurador Agente de Seguro Segurado Segurado Definição de Microseguros Critério Renda Per Capita % Pop E 13.48 DE 34.96 83.83 1 SM 51.05 2 SM 74.82 3 SM

Leia mais

A Nova Classe Média e a Demanda por: Seguros. Marcelo Neri mcneri@fgv.br

A Nova Classe Média e a Demanda por: Seguros. Marcelo Neri mcneri@fgv.br A Nova Classe Média e a Demanda por: Seguros Marcelo Neri mcneri@fgv.br www.fgv.br/cps/ncm2014 021 98681211 marcelo.neri@fgv.br www.fgv.br/cps Quem são os Emergentes? Desigualdade Horizontal Em Queda 2001-09

Leia mais

Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por Seguro Privado pela População de Baixa Renda. Resumo

Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por Seguro Privado pela População de Baixa Renda. Resumo Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por Seguro Privado pela População de Baixa Renda Fundação Getulio Vargas Coordenador: Marcelo Cortes Neri Resumo (Principais Pontos do Sumário Executivo

Leia mais

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA

COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Desigualdade e Pobreza no Brasil Metropolitano Durante a Crise Internacional: Primeiros COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Brasília, 4 de agosto de 2009 Brasil:

Leia mais

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea 2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea Evolução segundo a ótica do Relatório Stiglitz-Sen: http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/rapport_anglais.pdf Recomendações Enfatizarrenda

Leia mais

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM

O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM 1.00.00.00-3 CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA 1.02.00.00-2 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA O MERCADO DE MICROSSEGUROS NO BRASIL: REGULAÇÃO E MODELAGEM AUTOR: GABRIEL LOPES DOS SANTOS FILIAÇÃO: CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide Marcelo Neri mcneri@fgv.br Percentil de da Distribuição Mundial de Renda Comparando Distribuições de Renda Países Selecionados e o Mundo

Leia mais

Os Emergentes de Curitiba

Os Emergentes de Curitiba Os Emergentes de Curitiba Marcelo Neri mcneri@fgv.br Centro de Políticas Sociais Fundação Getulio Vargas www.fgv.br/cps www.fgv.br/cps/brics Quem São os Emergentes Curitibanos? -Desigualdade Horizontal

Leia mais

Renato Meirelles. renato@datapopular.com.br @DataPopularRM 55 11 3218-2222

Renato Meirelles. renato@datapopular.com.br @DataPopularRM 55 11 3218-2222 O CONSUMIDOR EMERGENTE E A DEMANDA POR INCLUSÃO FINANCEIRA Renato Meirelles renato@datapopular.com.br @DataPopularRM 55 11 3218-2222 Critério de Classificação Social Calculado a partir da renda domiciliar

Leia mais

A Nova Classe A1: Determinantes e Projeções. Marcelo Neri

A Nova Classe A1: Determinantes e Projeções. Marcelo Neri A Nova Classe A1: Determinantes e Projeções Marcelo Neri Diagrama TIPOS E ESFERAS DE AÇÕES NA ANÁLISE EMPÍRICA TIPOS DE AÇÔES DISTRIBUIÇÂO/ COMUNICAÇÂO MONITORAMENTO DO MERCADO DEFINIÇÃO DE PREÇOS E PRODUTOS

Leia mais

Dispositivos Interativos

Dispositivos Interativos Dispositivos Interativos Sitio da Pesquisa O sítio da pesquisa www.fgv.br/cps/crag disponibiliza bancos de dados interativos que permitem a cada um decompor e analisar os níveis e as mudanças sociais,

Leia mais

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi FenaPrevi e o Mercado de Seguros e Previdência 1 Agenda 1. Linha do Tempo 2. Mercado Brasileiro 3. Indicadores de Desenvolvimento 4. Cenários 5. O Agregado de Oportunidades 6. Seguros

Leia mais

Orçamento Familiar e Despesas Digitais Estatística - média Total Acesso a microcomputador

Orçamento Familiar e Despesas Digitais Estatística - média Total Acesso a microcomputador Orçamento Familiar e Despesas Digitais Estatística - média Total Acesso a microcomputador Não Sim Amostra - domicílios 16060 15165 895 População - domicílios 12544069 11673578 870491 Gasto Total 991.48

Leia mais

Impactos Sociais do Bilhete Único Intermunicipal no Grande Rio

Impactos Sociais do Bilhete Único Intermunicipal no Grande Rio Impactos Sociais do Bilhete Único Intermunicipal no Grande Rio Sítio da Pesquisa www.fgv.br/cps/bu Impactos do Bilhete Único Inter Municipal Bilhete Único IMPACTOS DIRETOS IMPACTOS INDIRETOS Orçamento

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

CASA PRÓPRIA: CAPITAL RESIDENCIAL & QUALIDADE DE VIDA

CASA PRÓPRIA: CAPITAL RESIDENCIAL & QUALIDADE DE VIDA CASA PRÓPRIA: CAPITAL RESIDENCIAL & QUALIDADE DE VIDA Marcelo Neri Brasília, 14 de novembro de 2013 CASA PRÓPRIA: CAPITAL RESIDENCIAL E QUALIDADE DE VIDA Marcelo Neri (Ipea e SAE/PR) Com o apoio de: Fábio

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013.

Educação e desenvolvimento. Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Educação e desenvolvimento Professor: Jorge Abrahão de Castro Período: Julho de 2013. Circuito de influencia Fatores do desenvolvimento Ampliação da participação política e social Consumo (Novo padrão

Leia mais

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil

Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Sobre a queda recente na desigualdade de renda no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) Brasília, agosto de 2006 Entre 2001 e 2004 a

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

U M P A Í S C H A M A D O C L A S S E M É D I A P R E S E N T E E F U T U R O D O C R E S C I M E N T O B R A S I L E I R O

U M P A Í S C H A M A D O C L A S S E M É D I A P R E S E N T E E F U T U R O D O C R E S C I M E N T O B R A S I L E I R O U M P A Í S C H A M A D O C L A S S E M É D I A P R E S E N T E E F U T U R O D O C R E S C I M E N T O B R A S I L E I R O Sobre o Data Popular 2 Origem em 2001 Pioneiros no conhecimento sobre a Classe

Leia mais

A emergência da classe média no Brasil

A emergência da classe média no Brasil División América Departamento Econômico André Loes A emergência da classe média no Santander, 06 de julho de 2007 : um Campeão da Desigualdade de renda Coeficiente de Gini no mundo (0 = igualdade absoluta,

Leia mais

Diagnóstico da Evolução dos Indicadores Sociais em Curitiba 1

Diagnóstico da Evolução dos Indicadores Sociais em Curitiba 1 Diagnóstico da Evolução dos Indicadores Sociais em Curitiba 1 Coordenação: Marcelo Cortes Neri mcneri@fgv.br Rio, 30 de Maio de 2011 1 Este trabalho corresponde a parte do projeto realizado para a Fundação

Leia mais

Marco Antonio Rossi. A Economia Brasileira Atual com Foco na Área de Benefícios

Marco Antonio Rossi. A Economia Brasileira Atual com Foco na Área de Benefícios Marco Antonio Rossi A Economia Brasileira Atual com Foco na Área de Benefícios 1 Agenda 1. Linha do Tempo 2. Mercado Brasileiro 3. Cenários Indicadores de Desenvolvimento 4. Desafios e Oportunidades 5.

Leia mais

Microsseguros. Série Pesquisas. Volume 2

Microsseguros. Série Pesquisas. Volume 2 Microsseguros Série Pesquisas Volume 2 i ii ESCOLA NACIONAL DE SEGUROS FUNENSEG Microsseguros Série Pesquisas Volume 2 Coordenação Editorial CLAUDIO CONTADOR Rio de Janeiro 2010 iii Escola Nacional de

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por Seguro Privado pela População de Baixa Renda. Coordenador: Marcelo Cortes Neri

Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por Seguro Privado pela População de Baixa Renda. Coordenador: Marcelo Cortes Neri 1 Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por Seguro Privado pela População de Baixa Renda Coordenador: Marcelo Cortes Neri 2 Microsseguros: Risco de Renda, Seguro Social e a Demanda por

Leia mais

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas

Sumário Executivo. Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Sumário Executivo Redistribuição à Brasileira: Ingredientes Trabalhistas Seguindo a analogia culinária tradicional, o bolo dos brasileiros pobres cresceu nos últimos dez anos, apesar do crescimento ter

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010

Tabela 1.1 - Expectativa de vida dos indivíduos menores de 1 ano de idade segundo Brasil, Pará e Regiões de Integração 2006-2010 Apresentação O Mapa de Exclusão Social do Pará elaborado pelo Instituto do Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará IDESP e pela Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO MONOGRAFIA DE FINAL DE CURSO A RELAÇÃO ENTRE CRÉDITO CONSIGNADO E CONSUMO DE BENS DURÁVEIS NA TERCEIRA IDADE 2003 A 2009 Camille Valverde Serra da Fonseca

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência

Censo Demográfico 2010. Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Censo Demográfico 2010 Características Gerais da População, Religião e Pessoas com Deficiência Rio de Janeiro, 29 de junho de 2012 A presente publicação dá continuidade à divulgação dos resultados do Censo

Leia mais

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social PANORAMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL Seminário Técnico - CPLP Timor Leste, 06 e 07 de fevereiro de 2008 ASPECTOS CONCEITUAIS

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco

Estudo Estratégico n o 4. Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco Estudo Estratégico n o 4 Como anda o desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro? Valéria Pero Adriana Fontes Luisa de Azevedo Samuel Franco PANORAMA GERAL ERJ receberá investimentos recordes da ordem

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

Bolsa Familia e o Novo Federalismo Social Marcelo Neri SAE e IPEA

Bolsa Familia e o Novo Federalismo Social Marcelo Neri SAE e IPEA Bolsa Familia e o Novo Federalismo Social Marcelo Neri SAE e IPEA Visão de Longo Prazo Desigualdade de Renda Per Capita 62 0,607% 6 0,589% 0,594% 0,58 0,581% Desigualdade (Gini) 0,56 0,54 0,52 0,535% 0,552%

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2012 Uma análise das condições de vida da população brasileira RJ, 28/11/2012 Síntese de Indicadores

Leia mais

Pesquisa de Opinião Pública sobre radares Rio Grande do Sul - Out/2002

Pesquisa de Opinião Pública sobre radares Rio Grande do Sul - Out/2002 Pesquisa de Opinião Pública sobre radares OBJETIVO LOCAL Levantar junto à população da área em estudo opiniões sobre radares. Rio Grande do Sul PERÍODO DE CAMPO 13 a 16 de outubro de 2002. UNIVERSO A pesquisa

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil José Aparecido Carlos Ribeiro Técnico da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA São Paulo, outubro/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS Retratos do Cárcere 2 PRESIDIÁRIO CARIOCA O Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (CPS/IBRE/FGV) realizou um breve levantamento dos presídios cariocas, que

Leia mais

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello

Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Elaboração: Maurício Tadeu Barros Morais Workshop Seguros de Pessoas: Desafios e Oportunidades Sincor-MG - 10dez2012 Hélio Marcelino Loreno João Paulo Moreira de Mello Agenda 1. Mercado Brasileiro principais

Leia mais

A natureza da inserção feminina e dos diferenciais por gênero no mercado de trabalho da região metropolitana de São Paulo

A natureza da inserção feminina e dos diferenciais por gênero no mercado de trabalho da região metropolitana de São Paulo NOTAS TÉCNICAS A natureza da inserção feminina e dos diferenciais por gênero no mercado de trabalho da região metropolitana de São Paulo Ricardo Paes de Barros*, Carlos H. Corseuil e Daniel D. Santos**

Leia mais

Crédito baseado em Resultados, Cadastro Social Único e Universalização de Serviços de Utilidade Pública no Brasil

Crédito baseado em Resultados, Cadastro Social Único e Universalização de Serviços de Utilidade Pública no Brasil Crédito baseado em Resultados, Cadastro Social Único e Universalização de Serviços de Utilidade Pública no Brasil Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais Fundação Getúlio Vargas Adriana Peres Instituto

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza

Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009. Pedro H. G. Ferreira de Souza Desigualdade e pobreza no Brasil 1995-2009 Pedro H. G. Ferreira de Souza Renda domiciliar per capita (R$ setembro/2009) 700 600 500 400 521 1995 2003: 1% a.a. 2003 2009: +4.8% a.a 637 300 200 100 0 1995

Leia mais

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas

PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas Nº 66 PNAD 2009 - Primeiras análises: Situação da educação brasileira - avanços e problemas 18 de novembro de 2010 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro

Leia mais

Políticas Sociais no Brasil

Políticas Sociais no Brasil Políticas Sociais no Brasil Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, agosto/2010 Algumas características: Políticas sociais são formas mais ou menos

Leia mais

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae)

Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Rafael de Farias Costa Moreira (Sebrae) Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais feitas em abril de 2015. Análise da base de dados do Microempreendedor Individual

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

Minha Casa, Meu Capital

Minha Casa, Meu Capital Sumário Executivo A casa própria é o ativo físico mais decisivo no processo de acumulação de capital das famílias. Ele desempenha papel de reserva de valor para fazer face às incertezas e a necessidades

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 24 de setembro de 2008 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais

Acesso a Transferências de Renda de Programas Sociais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Equidade e Eficiência na Educação

Equidade e Eficiência na Educação Equidade e Eficiência na Educação Marcelo Neri Centro de Políticas Sociais /IBRE, REDE e EPGE Fundação Getulio Vargas O PAC Educacional recém-lançado pelo Governo Federal tenta colocar o tema educação

Leia mais

Financiamento da Educaçã. ção o para o Desenvolvimento. Marcio Pochmann. Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea.

Financiamento da Educaçã. ção o para o Desenvolvimento. Marcio Pochmann. Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea. Financiamento da Educaçã ção o para o Desenvolvimento Marcio Pochmann Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - Ipea Julho/2011 Tópicos 1 A Virtuosidade do Gasto Público em Educação 2 Universalização

Leia mais

Microsseguro Situação Atual e Perspectivas. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2010

Microsseguro Situação Atual e Perspectivas. Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2010 Microsseguro Situação Atual e Perspectivas Francisco Galiza www.ratingdeseguros.com.br Agosto/2010 Estudos na área: Desde 2004, o microsseguro tem sido motivo de crescente interesse do governo federal

Leia mais

A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007

A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007 A desigualdade de renda inter-regional paulista: 1990-2007 Rosycler Cristina Santos Simão 1 Sandro Eduardo Monsueto 2 Resumo Este artigo tem por objetivo fazer uma breve descrição da distribuição de renda

Leia mais

ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013

ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013 ACESSO E USO DE BASES PÚBLICAS DE DADOS SECUNDÁRIOS EM NUTRIÇÃO E SAÚDE: PESQUISA NACIONAL DE SAÚDE, 2013 CRISTIANO SIQUEIRA BOCCOLINI - ICICT/Fiocruz cristiano.boccolini@icict.fiocruz.br Concepção Metodologia

Leia mais

Motivos da Evasão Escolar

Motivos da Evasão Escolar 1 Motivos da Evasão Escolar APÊNDICE 1. Ranking de Motivos da Evasão Escolar... 61 1.1 Faixa Etária: anos... 61 a. Unidades da Federação... 61 b. Macro-Regiões... 62 c. Regiões Metropolitanas... 62 1.2

Leia mais

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais).

Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Tópico: RBC e o Trabalho (questões éticas, políticas e empíricas relacionadas aos mercados laborais formais e informais). Título: MERCADO DE TRABALHO NO BRASIL: EVOLUÇÃO RECENTE, DESAFIOS E COMBATE À POBREZA

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

PNAD 2011. Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal PNAD 2011 Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Rio de Janeiro, 16/05/2013 1 Características Em 2011 foram visitados 146 mil domicílios e entrevistadas 359 mil pessoas. 2

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças. Mauricio Blanco e Tatiana Amaral

Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças. Mauricio Blanco e Tatiana Amaral Considerações sobre as barreiras de acesso as microfinanças Mauricio Blanco e Tatiana Amaral Objetivos Identificar os principais entraves ao acesso a serviços de microfinanças pela população de baixa renda;

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Lena Lavinas (IE/UFRJ)

Lena Lavinas (IE/UFRJ) Status e direitos para galvanizar oportunidades: desafios do combate à miséria frente às incertezas da conjuntura econômica Lena Lavinas (IE/UFRJ) ENAP/MDS Seminário internacional PROTEÇÃO SOCIAL E CIDADANIA

Leia mais

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

Miséria, Desigualdade e Estabilidade: O Segundo Real

Miséria, Desigualdade e Estabilidade: O Segundo Real Miséria, Desigualdade e Estabilidade: O Segundo Real Coordenação: Marcelo Cortes Neri cps@fgv.br Equipe do CPS: Luisa Carvalhaes Coutinho de Melo Samanta dos Reis Sacramento Ana Beatriz Urbano Andari Ana

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS, RENDA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE

POLÍTICAS SOCIAIS, RENDA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE POLÍTICAS SOCIAIS, RENDA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE Marcelo Neri* & Wagner L Soares *Centro Políticas Sociais e EPGE Fundação Getúlio Vargas (FGV) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

As transferências não são a causa principal da redução na desigualdade

As transferências não são a causa principal da redução na desigualdade As transferências não são a causa principal da redução na desigualdade Rodolfo Hoffmann 1 De acordo com dados das últimas PNAD ( Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), diminuiu a desigualdade da

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução V Pedreiros e Vendedores 1 Introdução No contexto da análise dos trabalhadores por conta própria, tendo em vista a destacada participação nos grupamentos de atividades da construção (17,4%) e do comércio

Leia mais

Uso do Crédito (consumidores) Setembro 2012

Uso do Crédito (consumidores) Setembro 2012 Uso do Crédito (consumidores) Setembro 2012 METODOLOGIA Plano amostral Público alvo: Consumidores de todas as Capitais do Brasil. Tamanho amostral da Pesquisa: 623 casos, gerando um erro máximo de 3,9%

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

23/02/2010. Tarcísio José Massote de Godoy

23/02/2010. Tarcísio José Massote de Godoy 23/02/2010 Tarcísio José Massote de Godoy Agenda Grupo Segurador Brasil e Mercado Segurador Mundial Mercado de Seguros na América Latina Mercado de Seguros, Previdência e Capitalização Seguros e Previdência

Leia mais

DESIGUALDADE, ESTABILIDADE E BEM ESTAR SOCIAL

DESIGUALDADE, ESTABILIDADE E BEM ESTAR SOCIAL N o 637 ISSN 0104-8910 DESIGUALDADE, ESTABILIDADE E BEM ESTAR SOCIAL Marcelo Neri Dezembro de 2006 Os artigos publicados são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões neles emitidas não

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

A política de seguro desemprego no contexto do mercado de trabalho brasileiro

A política de seguro desemprego no contexto do mercado de trabalho brasileiro 1 A política de seguro desemprego no contexto do mercado de trabalho brasileiro Ernesto F. L. Amaral (amaral@fafich.ufmg.br) Aline N. M. Mourão (alinenmmourao@gmail.com) Mariana E. Almeida (mariana.almeida88@gmail.com)

Leia mais

Diversidade: Retratos das Religiões no Brasil. www.fgv

Diversidade: Retratos das Religiões no Brasil. www.fgv Diversidade: Retratos das Religiões no Brasil Brasil: Diversidade Religiosa - Desagregada As 10 religiões menos representativas de 140 Grupos Neoxamânica Declaração Múltipla de Católico/Candomblé Outras

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

Sistema de Proteção Social e estratégia de desenvolvimento no Brasil. Abril 2014

Sistema de Proteção Social e estratégia de desenvolvimento no Brasil. Abril 2014 Sistema de Proteção Social e estratégia de desenvolvimento no Brasil Abril 2014 Estratégia de desenvolvimento brasileiro Crescimento econômico com inclusão social e desenvolvimento regional Fortalecimento

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais