Dispositivos Interativos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dispositivos Interativos"

Transcrição

1 Dispositivos Interativos Sitio da Pesquisa O sítio da pesquisa disponibiliza bancos de dados interativos que permitem a cada um decompor e analisar os níveis e as mudanças sociais, microfinanceiras e trabalhistas dos microempresários nordestinos. Os panoramas e simuladores existentes permitem uma verificação detalhada das diferenças e avanços dos microempreendedores e de seus negócios, com foco especial à clivagem rural e urbana e à análise dos resultados do Programas Agroamigo e Crediamigo. O objetivo é permitir a cada um analisar as suas questões desde uma perspectiva própria, sendo ela de interesse urbano ou vinda do campo. Com base nos diferentes públicos e áreas de atuação do Banco, preparamos sites específicos para cada um dos Programas: e Estes três sítios contemplam dispositivos interativos diversos que estão apresentados nas páginas que se seguem. 1

2 Apresentação dos resultados Sistemas de informação para subsidiar a decisão de gestores Os sistemas de informações, interativos e amigáveis, são desenvolvidos para subsidiar a tomada de decisão dos gestores do programa e como ferramenta para auxiliar o monitoramento do acesso a microcrédito e o desempenho microempresarial da população local. Alguns desses instrumentos podem ser adaptados como material didático para o programa, como, por exemplo, simuladores e panoramas. Simuladores Um sistema de simuladores de probabilidades foi desenvolvido a partir de modelos multivariados aplicados às variáveis de interesse contínuas (como lucro do negócio) ou discretas (por exemplo, atraso nas prestações), controlado por atributos individuais e geográficos derivados de várias fontes de microdados. Os resultados estimados permitem identificar, por exemplo, vários fatores relativos ao atraso no empréstimo e seus impactos. Uma vez encontrados, todos esses fatores são sintetizados num único indicativo de probabilidade. Esse exercício permite aos gestores do programa, ou a um público mais geral, calcular a probabilidade de um indivíduo ter acesso a crédito, dadas as suas características sociodemográficas, geográficas e econômicas. Vide seção específica sobre Dispositivos Interativos. Panoramas O panorama permite obter uma visão bastante ampla de indicadores diversos, cruzados com características gerais da população (demográficas, socioeconômicas e espaciais). Com ele é possível saber, por exemplo, que fração de indivíduos de determinado segmento é inadimplente. O censo possibilita a abertura da taxa de contribuição por esses atributos no nível de municípios e distritos. Esse instrumento otimiza e facilita a consulta, o processamento e a análise dos dados georeferenciados. Vide lista de Dispositivos Interativos a seguir. 2

3 Dispositivos Interativos Índice Sitio da Pesquisa Completa Site de Avaliação do Crediamigo Site de Avaliação do Agroamigo Simulador de Desempenho dos Clientes do Agroamigo Simulador de Atraso dos Clientes do Agroamigo Simulador da Agricultura Familiar Nordestina Simulador de Desempenho dos Clientes do Crediamigo Simulador de Ativos Totais dos Clientes do Crediamigo Panorama de Desempenho dos Clientes do CrediAMIGO Panorama de Mobilidade das Classes Econômicas - Clientes do CrediAMIGO Panorama de Evolução Individual Panorama do Produtor Rural Panorama de Renda e Pobreza Panorama de Decomposição da Renda (Rural e Urbana) em Diferentes Fontes Simulador de Lucro e Participação dos Microempresários Simulador de Capacidade de Geração de Renda Panorama da Decomposição da Renda (via Mercado de Trabalho) Panorama de Evolução das Classes Econômicas: Nordeste e Sudeste Metropolitano Panorama de Mobilidade das Classes Econômicas: Nordeste e Sudeste Metropolitano Panorama de Despesas com Crédito Panorama de Acesso a Microsseguro Panorama de Microseguro dos Pequenos Produtores Panorama das Comunidades de Baixa Renda Cidade do Rio de Janeiro Panorama do Cadastro Social único Cidade do Rio de Janeiro 3

4 Simulador de Desempenho dos Clientes do Agroamigo Construímos a partir dos dados cadastrais dos clientes do Agroamigo, uma ferramenta capaz de simular variáveis de desempenho dos negócios, tais como: lucro, receita, custo e reembolso. Basta selecionar a combinação de atributos individuais ligados ao microempreendedor e o negócio rural, incluindo sexo, acesso à assistência, estado civil, superintendência a que pertence, condição uso/posse terra, pertencente à organização social e tipo de dedicação da atividade. Após definir as características desejadas no formulário abaixo, basta dar início à simulação. Os gráficos apresentados mostram, na ordem: Receita, Rédito Operacional, Custo e Reembolso. Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, Cenário Anterior, apresenta a simulação anterior. 4

5 Simulador de Atraso dos Clientes do Agroamigo Construímos também um simulador de Atraso (%) com os dados de clientes do Agroamigo. Basta selecionar a combinação de atributos e dar início à simulação. O gráfico apresentado aponta a probabilidade de atraso, dadas as características selecionadas. Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, Cenário Anterior, apresenta a simulação anterior. 5

6 Simulador da Agricultura Familiar Nordestina Utilizamos o Censo Agropecuário para construir a próxima ferramenta. O dispositivo é capaz de simular Performance e do Uso do Crédito dos empreendimentos agropecuários nordestinos. As variáveis simuladas são existência de lucro, média de lucro e de prejuízo, além a existência de utilização de crédito. Basta selecionar a combinação de atributos individuais ligados ao microempreendedor e o negócio rural no formulário abaixo: Ao simular, os gráficos mostram as médias e probabilidades estimadas de cada uma das variáveis citadas: Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, Cenário Anterior, apresenta a simulação anterior. 6

7 Simulador de Desempenho dos Clientes do Crediamigo Construímos a partir de dados cadastrais e operacionais dos clientes do Crediamigo, ferramenta capaz de simular variáveis de desempenho dos negócios, em níveis de Fluxo (Receitas Operacionais, Lucro Bruto, Custo Operacional, Lucro Operacional, Despesa da Família) e Estoque (Ativo Circulante, Ativo da Família, Passivo Total, Passivo Circulante). Basta selecionar a combinação de atributos individuais ligados ao microempreendedor e o negócio urbano, incluindo sexo, idade, educação, tamanho do negócio, área e numero de empregados, estado a que pertence e ano do cadastro, e dar início à simulação: Os gráficos mostram as médias estimadas de cada uma das variáveis citadas: Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, Cenário Anterior, apresenta a simulação anterior. 7

8 Simulador de Ativos Totais dos Clientes do Crediamigo Construímos também um simulador de Ativo Total com os dados de clientes do Agroamigo. Basta selecionar a combinação de atributos e dar início à simulação. O gráfico apresentado aponta a probabilidade de atraso, dadas as características selecionadas. Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, Cenário Anterior, apresenta a simulação anterior. 8

9 Panorama de Desempenho dos Clientes do Crediamigo Construído a partir dos dados cadastrais do programa, disponibilizamos no site da pesquisa um panorama completo da clientela do CrediAMIGO. Com ele podemos medir o desempenho financeiro dos negócios, com base em indicadores de Fluxo (Receitas Operacionais, Lucro Bruto, Total dos Custos Operacionais, Lucro Operacional, Outras Despesas da Família) e Estoque (Ativo Total, Ativo Circulante, Ativo da Família, Passivo Total, Passivo Circulante). Você pode combinar suas escolhas conforme desejar. Os cruzamentos disponíveis são: ano de entrada, grupo (recebe ou não o Bolsa-Família), além do produto oferecido (Crediamigo original ou o comunidade) que podem ser vistos de forma conjunta ou separada. As informações podem ser vistas para o conjunto geral de clientes ou por subgrupos, com base nas seguintes características: i. Características do Proprietário, Características do Negócio, Características Espaciais, Características do Empréstimo. 9

10 Panorama de Mobilidade das Classes Econômicas - Clientes do Crediamigo Disponibilizamos também um Panorama de Mobilidade que permite obter a proporção de indivíduos que entram e saem de cada uma das classes econômicas. É necessário que se escolha, primeiramente, qual o período de análise, ou seja, o ano em que foi realizada a primeira operação do cliente e em seguida qual grupo econômico o mesmo se encontrava nesse período. Lembrando que os resultados apresentados nas colunas correspondem a proporção de indivíduos em cada classe econômica no segundo momento, já que a classe inicial foi fixada antes da simulação. 10

11 Panorama de Evolução Individual Com periodicidade anual, a PNAD nos permite monitorar a evolução de diversos indicadores individuais, sob as óticas rural e urbana. Analisamos em detalhe os microempresários formados por trabalhadores conta-própria e empregadores com até 5 empregados. O panorama permite analisar uma série de indicadores, tais como renda individual, desigualdade e acesso à ativos de produção ou consumo desde o início da década de 90. Cada uma dessas variáveis pode ser analisada para o conjunto geral da população ou por subgrupos abertos: i) características sóciodemográficas, como: sexo, idade, anos de estudo, raça e posição na família; ii) características do produtor, como: posição na ocupação, contribuição previdenciária, educação e acesso a ativos digitais; iii) características do consumidor, como: acesso a bens de consumo e serviços; e iv) atributos espaciais. Como: local de moradia, área (metropolitana, urbana não metropolitana e rural), estados, e de forma inovadora, capitais e periferias. 11

12 Panorama do Produtor Rural A PNAD nos permite também analisar em maior detalhe os empreendedores na área rural e de grupamentos agrícolas do país, com perguntas como associativismo, tipo de tarefas, estabelecimentos, entre outras. No panorama disponível no site da pesquisa podemos, por exemplo, analisar cada uma dessas informações nas diferentes áreas (exploramos em detalhes a divisão Nordeste e Sudeste). Variáveis específicas dos produtores rurais podem ser analisadas para o conjunto geral de microempresários ou por subgrupos abertos: i. características sócio-demográficas, como: sexo, idade, anos de estudo, raça e posição na família; ii. características do produtor, como: posição na ocupação, contribuição previdenciária, educação e acesso a ativos digitais; iii. características do consumidor, como: acesso a bens de consumo e serviços; e iv. atributos espaciais. Como: local de moradia, área (metropolitana, urbana não metropolitana e rural), estados, e de forma inovadora, capitais e periferias. 12

13 Panorama de Renda e Pobreza Com periodicidade anual, a PNAD nos permite monitorar a evolução detalhada da renda entre os microempresários. Damos destaque aqui às mudanças recentes em termos de pobreza, desigualdade e classes econômicas. Todos os indicadores podem ser analisados para o conjunto geral de microempresários ou por subgrupos abertos: i) características sócio-demográficas, como: sexo, idade, anos de estudo, raça e posição na família; ii) características do produtor, como: posição na ocupação, contribuição previdenciária, educação e acesso a ativos digitais; iii) características do consumidor, como: acesso a bens de consumo e serviços; e iv) atributos espaciais como: local de moradia, área (metropolitana, urbana não metropolitana e rural), estados, e de forma inovadora, capitais e periferias. 13

14 Panorama de Decomposição da Renda (Rural e Urbana) em Diferentes Fontes A página da pesquisa na internet disponibiliza um banco de dados interativo que permite a cada um, decompor e analisar os níveis e as mudanças de diferentes fontes de renda no campo e na área urbana, desde uma perspectiva própria. Com informações disponíveis para diferentes classes econômicas desde 1992, é possível analisar o crescimento da renda desagregada dos microempresários por atributos sóciodemográficos, espaciais e aspectos do consumidor e do produtor. Basta escolher ano, grupo e corte regional e classe econômica para gerar tabelas e gráficos de forma interativa e amigável. 14

15 Simulador de Lucro e Participação dos Microempresários É a ferramenta utilizada para simular a probabilidade de ser microempresário e o respectivo salário médio, através da combinação de atributos individuais ligados ao trabalhador e a região em que vive (Nordeste ou Sudeste). Para isso, basta definir as características desejadas no formulário abaixo e dar início à simulação. Os gráficos apresentados mostram, na ordem: - Lucro e % Conta-Própria ou Empregador Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, Cenário Anterior, apresenta a simulação anterior. Simulador de Capacidade de Geração de Renda Ferramenta utilizada para simular a capacidade de geração de renda da população rural, através da combinação de atributos individuais: demográficos, do 15

16 consumidor, do produtor e, em particular, ativos produtivos rurais. Para isso, selecione as suas características no formulário abaixo e clique em Simular. Os gráficos apresentados mostram a renda domiciliar total, na ordem: - Lucro e % Conta-Própria ou Empregador Uma das barras representa o Cenário Atual, com o resultado segundo as características selecionadas; a outra, o Cenário Anterior, que apresenta a simulação anterior. 16

17 Panorama da Decomposição da Renda (via Mercado de Trabalho) A riqueza de informações da PNAD permite decompor também a renda dos microempresários rurais e urbanos em diversos pedaços trabalhistas, assim como compará-las com a população total de cada lugar. Utilizamos aqui uma metodologia que mapeia os impactos de cada um dos principais ingredientes trabalhistas em termos do total de renda auferida individualmente por cada um. Nesse caso, a renda aqui é resultado da multiplicação de diferentes fatores como: RENDA DE TODAS AS FONTES DE RENDA / RENDA DE TODOS TRABALHOS SALÁRIO / JORNADA * EDUCAÇÃO NÍVEL DE EDUCAÇÃO JORNADA NÚMERO DE OCUPADOS / POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA) POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA (PEA) / POPULAÇÃO TOTAL A fim de facilitar a análise, criamos um dispositivo para consulta aos dados, que nos permite comparar o desempenho trabalhista daqueles que vivem no campo. A seguir, um quadro das variáveis disponíveis para cruzamento. Para saber mais sobre a característica analisada, basta clicar com o mouse em cima do item a ser analisado, que aparecerá a pergunta que deu origem à variável, exatamente da forma como foi pesquisada. 17

18 Panorama de Evolução das Classes Econômicas: Nordeste e Sudeste Metropolitano O panorama das classes econômicas, construído com base na PME (Pesquisa Mensal do Emprego) mede a proporção de indivíduos que estão em cada uma das classes econômicas entre microempresários e ocupados. Além das proporções, é possível analisar também os níveis de renda auferidos por cada universo. Conteúdo do Panorama: Escolha o universo de análise (microempresários ou ocupados entre 15 e 60 anos). Em seguida, é possível varias o período e a Região de interesse. Com bases nessas escolhas iniciais você pode cruz 18

19 Panorama de Mobilidade das Classes Econômicas: Nordeste e Sudeste Metropolitano O Panorama de Mobilidade permite obter a proporção de indivíduos que entram e saem de cada uma das classes econômicas, aberto por diferentes atributos sócio-econômicos. Conteúdo do Panorama: Escolha entre população total, microempresários ou ocupados aquele grupo que você quer analisar (todos entre 15 e 60 anos). Depois de escolher o período, é necessário que se aponte qual grupo econômico o indivíduo pertencia neste ano escolhido. Com dados para Nordeste e Sudeste, permitem saber a proporção de indivíduos em cada classe econômica no segundo momento. Lembrando que a classe inicial foi fixada antes da simulação. 19

20 Panorama de Despesas com Crédito A POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) é realizada a cada 6-7 anos pelo IBGE. Além das informações referentes à estrutura orçamentária, a POF investiga ainda várias características particulares dos domicílios e de seus indivíduos, como idade, nível de escolaridade e outras informações detalhadas sobre as condições de vida. O Panorama construído a partir de POF é um banco de dados interativo que permite avaliar a renda e despesa média com empréstimos em termos mensais. Dada riqueza de informações e cruzamento possíveis, disponibilizamos no site da pesquisa um panorama regional, onde podemos analisar o perfil dos microempresários e as necessidades especificas de cada lugar. Essas informações estão disponíveis para a população total e diferentes grupos de renda que vão desde as classes econômicas ate os grupos de renda mais baixa, calculados por diferentes conceitos. Dentre os cruzamentos possíveis destacamos, i) Características Demográficas como sexo, escolaridade, raça, posição na família, idade, ii) Características Sócio-Econômicas como posição na ocupação, classe econômica, contribui para previdência pública, posse de ativos financeiros, iii. Características Espaciais, iv) Avaliação de Condição de Vida como renda familiar, quantidade e tipo de alimento consumido, acesso a serviços, condições de moradia, e problemas locais. 20

21 Panorama de Acesso a Microsseguro O Panorama construído a partir de POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) é um banco de dados interativo que permite avaliar o acesso e a despesa média com diferentes itens de seguro a partir do cruzamento simples das variáveis. Apresentamos estas informações em níveis individual e coletivo (familiar): i. quando a despesa com determinado seguro foi computada em cadernetas individuais do questionário, apresentamos no quesito de despesa familiar a soma das despesas de todas as pessoas do domicílio, imputando a média familiar para aqueles que não responderam ao questionário de despesa por motivo de ausência. ii. no caso oposto, quando a despesa é coletiva por natureza, nas despesas individuais rateamos igualmente o valor per capita para cada um dos membros do domicílio. Com as despesas expressas em termos mensais, além das taxa de acesso e da média dos gastos, o panorama permite avaliar tais informações para cada um dos Estados e Capitais nordestinas. 21

22 Panorama de Microseguro dos Pequenos Produtores O Panorama construído a partir de ECINF (Economia Informal Urbana) é um banco de dados interativo que permite avaliar o acesso a diferentes itens de seguro e os motivos apresentados por aqueles que não têm, a partir do cruzamento simples das variáveis. i. avaliamos o acesso a diferentes modalidades de seguro, tais como: Seguro de vida; Previdência privada; Imóvel / Instalação do negócio; Saúde / Dental; Residência; Outros. ii. entre os que não possuem seguro, avaliamos os motivos apresentados, que se dividem em Não achava necessário; Achava caro; Os produtos não eram adequados; Desconhecia a oferta desses produtos; Outros motivos. O panorama permite avaliar tais informações para cada um dos Estados nordestinos. 22

23 Panorama das Comunidades de Baixa Renda Rio de Janeiro O Panorama das Comunidades de Baixa Renda Cariocas foi desenvolvido com base na PNAD. A pesquisa permite-nos monitorar a evolução de diversos indicadores sociais baseados em renda, sob duas clivagens (aglomerados subnormais x restante da cidade). Com ele podemos analisar uma série de indicadores, tais como miséria (a partir de diferentes linhas e conceitos), classes econômicas (agregadas ou desagregadas), renda, desigualdade e acesso à ativos de produção ou consumo desde

24 Cadastro Social Único - CadÚnico Criado em julho de 2001, o Cadastro Único para programas Sociais (CadÚnico) tem por objetivo o cadastramento e a manutenção de informações atualizadas das famílias brasileiras com renda per capita inferior a ½ salário mínimo (SM) ou renda familiar total de até 3 SMs em todos os municípios brasileiros. Recentemente, o CadÚnico passou por uma nova transformação na passagem da sua versão 6 (V6) para a versão 7 (V7), com diversos avanços em particular computacionais por colocar o cadastro on line na internet. Os municípios são os responsáveis pela realização do cadastramento. São as prefeituras que o planejam, definem as equipes de cadastradores, realizam as entrevistas junto às famílias, compilam todas as informações e as remetem para o governo federal. Além disso, cabe também ao município manter o registro das famílias atualizado, monitorar e informar a inclusão ou exclusão de cadastrados e zelar pela qualidade das informações. Atualmente, o Cadastro Único conta com mais de 19 milhões de famílias inscritas. Ele deve ser obrigatoriamente utilizado para seleção de beneficiários e integração de programas sociais do Governo Federal, como o Bolsa Família. Suas informações podem também ser utilizadas pelos governos estaduais e municipais para obter o diagnóstico socioeconômico das famílias cadastradas, possibilitando a análise das suas principais necessidades. As informações sobre as condições de vida das famílias podem ser organizadas em seis dimensões: 1) vulnerabilidade composição demográfica das famílias, inclusive com a indicação de mulheres grávidas e amamentando (nutrizes), e também de pessoas com necessidades especiais; 2) acesso ao conhecimento; 3) acesso ao trabalho; 4) disponibilidade de recursos (renda e despesa familiar per capita e despesas com alimentação); 5) desenvolvimento infantil; e 6) condições habitacionais (acesso a serviços públicos básicos como água, saneamento e energia elétrica). 24

25 Descrição das Bases de Dados e Técnicas Bases de Dados Base do Programa Agroamigo O Agroamigo tem por base a forte atuação e presença local do assessor de microcrédito e sua capacidade de avaliação do cliente, considerando intenções e potencialidades que resultam na elaboração de propostas de crédito adequadas às necessidades de cada cliente. O programa destina-se a agricultores familiares enquadrados no PRONAF Grupo B que exploram parcela de terra na condição de proprietários, posseiros, arrendatários ou parceiros; que residam na propriedade rural ou em local próximo; obtenham no mínimo 30% de renda familiar da exploração agropecuária ou não agropecuária do estabelecimento; tenham o trabalho familiar como base na exploração do estabelecimento; e possuam renda bruta anual de até R$ 6.000,00. Tendo início em 2005, o Programa está presente em 160 unidades do Banco, atendendo a municípios do Nordeste brasileiro e Norte de Minas Gerais. Além da confiabilidade das informações, a principal vantagem de utilizar esta base de dados é a riqueza de variáveis disponíveis, acerca dos clientes tomadores de crédito e a possibilidade de compará-los ao longo do tempo. Com o universo de 73,5 mil clientes, além de informações sobre de desempenho financeiro (como lucro, receita, custos, etc...), a pesquisa disponibiliza uma série de outras estatísticas sobre os clientes e seus negócios, tais como Acesso a assistência, localização, Tipo de dedicação, infraestrutura disponível, acesso a ativos, bancarização, acesso a programas governamentais, Programas de Assistência e Associativismo, Técnicas empregadas na produção, formalização, entre outras. Base do Programa CrediAmigo e do Comunidade A base de microdados do CrediAmigo também fornece diversos ingredientes que um pesquisador empírico poderia almejar. Primeiro, pelo tamanho de sua amostra que abrange todos os 805 mil clientes ativos em dezembro de A data de entrada de cada cliente no programa varia, mas a data final é fixa, dezembro de

26 A base acompanha balanços e demonstrativos de resultados completos dos mesmos negócios ao longo do tempo. Inclui dados de estoques de ativos e de fluxo de despesas e rendas familiares permite calcular a riqueza líquida e capacidade de emancipação da pobreza das pessoas físicas e jurídicas de maneira integrada. Os programas incluídos são: (i) GIRO INDIVIDUAL, (ii) GIRO SOLIDARIO, (iii) GIRO POPULAR SOLIDARIO, (iv) INVESTIMENTO FIXO e (v) Crediamigo Comunidade. São inúmeras as informações disponíveis que englobam desde características dos proprietários (como sexo, idade, escolaridade, etc) até as características e localização espacial dos negócios (estrutura física, tipo de venda, quantidade de trabalhadores, tipo de controle de contas). Outras informações de suma importância são as características do empréstimo concedido (descrição do produto, quantidade de prestações, periodicidade de pagamentos, entre outras). Essas informações são complementadas por diferentes itens que revelam a performance do empreendimento (receita, lucro, custo, ativo, passivo, etc...). Uma das vantagens dessa base de dados no que diz respeito à confiabilidade é que, diferente de outras bases, os interrogadores têm total incentivo a extrair informações as mais verdadeiras possíveis, uma vez que é com base nas informações fornecidas pelos clientes que o empréstimo é fornecido, e a remuneração do funcionário que realiza o cadastro depende do desempenho do tomador. Censo Agropecuário No Censo agropecuário a unidade investigada é o estabelecimento agropecuário, enquanto unidades produtivas, diferentes das pesquisas domiciliares onde a investigação está centrada no domicilio (PNAD) e na unidade de orçamento (POF). No Brasil, como a maioria das atividades de produção agropecuárias está no setor das famílias, existe uma boa relação entre o domicílio (família) e o estabelecimento agropecuário e, sendo assim, é razoável estabelecermos uma relação direta, embora um estabelecimento possa ter mais de um domicílio ou família relacionada e um domicilio mais de um estabelecimento. A dificuldade de tratar o estabelecimento agropecuário apenas como unidade produtiva ou negócio está no fato de que as finanças são de difícil separação entre a origem e o destino, ou seja, o que é gerado e apropriado do negócio daquilo que é 26

27 exclusivamente da família. Neste caso as despesas e as receitas se misturam, e não se sabe se os gastos com luz, gasolina, água, dentre outros são do estabelecimento ou da família. Da mesma forma as receitas independentes da sua origem, se da família ou do próprio estabelecimento, tem destino diversos, o que chamamos de rendimento misto. Esta é uma dificuldade em se estudar e se fazer uma análise enquanto negócio destes tipos de estabelecimentos agropecuários chamados de agricultura familiar. Neste caso, devemos olhar não apenas para o negócio, mas para a capacidade de pagamento e alavancagem tomando a ótica da família, isto é, olhando para os diferentes tipos de ativos que fazem o produtor, a sua família e o seu negócio prosperarem. O Censo Agropecuário adotou o conceito de agricultura familiar conforme a Lei de 24 de julho de 2006 (IBGE 2009b) possibilitando enquadramento do estabelecimento agropecuário segundo critérios legalmente estabelecidos a partir das variáveis coletadas como área e de aspectos da produção agrícola e renda familiar, utilizando o método de exclusão sucessivas e complementares, ou seja, para o estabelecimento ser classificado como de agricultura familiar precisava atender simultaneamente a todas as condições estabelecidas. No entanto, a elaboração do questionário do censo agropecuário é anterior ao sancionamento da Lei e, portanto, a delimitação do público da agricultura familiar pelo IBGE seguiu os procedimentos metodológicos procurando se enquadrar; Da mesma forma com que fez com a Lei , procurando enquadrar o estabelecimento de acordo com as características que atendem esse segmento, o Censo Agropecuário também construiu um algoritmo com inúmeras variáveis procurando enquadrar o estabelecimento agropecuário segundo as características dos beneficiários de acordo com a Declaração de Aptidão ao Programa (DAP). Censo demográfico O Censo Demográfico é a mais complexa operação estatística realizada por um país, quando são investigadas as características de toda a população e dos domicílios do Território Nacional. É uma pesquisa domiciliar que ocorre de 10 em 10 anos, e procura entrevistar 10% da população brasileira em todo o território nacional. O desenho amostral adotado compreende a seleção sistemática e com eqüiprobabilidade, dentro de cada setor censitário, de uma amostra dos domicílios particulares e das famílias ou 27

28 componentes de grupos conviventes recenseados em domicílios coletivos, com fração amostral constante para setores de um mesmo município. O Censo 2010 compreendeu um levantamento minucioso de todos os domicílios do país, visitando 67,6 milhões de domicílios nos municípios brasileiros para colher informações sobre quem somos, quanto somos, onde estamos e como vivemos. A coleta do Censo Demográfico 2010 foi realizada no período de 1º de agosto a 30 de outubro de A pesquisa concernente aos domicílios permite traçar um perfil as tendências de longo prazo da população e da renda. Detalha características pessoais e ocupacionais de todos os membros dos domicílios e dispõe de informações detalhadas sobre fontes de renda, acesso a moradia, serviços públicos e bens duráveis, entre outros. Por pesquisarem todos os domicílios do país, constituem a única fonte de referência para o conhecimento das condições de vida da população em todos os municípios e em seus recortes territoriais internos - distritos, subdistritos, bairros e classificação de acordo com a localização dos domicílios em áreas urbanas ou rurais. No último Censo, foram utilizados os dois tipos de questionário padrões (Questionário Básico e Questionário da Amostra). Além da maior abertura geográfica, outra inovação apresentada pelo último censo é o detalhamento inédito de aspectos importantes da infraestrutura urbana, com destaque para duas importantes dimensões - a circulação e o meio ambiente. Esta base é relevante em nosso projeto com a virtude de captar a operação da economia informal, o que é particularmente relevante para a análise em questão. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) é coletada anualmente pelo IBGE desde Abrange todo o Brasil, com a exceção das áreas rurais de Rondônia, Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá, e só não é realizada nos anos do censo demográfico, como 1980, 1991 e 2000, para evitar sobreposição de dados. A partir de 1992, a Pnad foi reformulada, o questionário foi aumentado e foram realizadas mudanças conceituais, cujos impactos ainda não foram completamente definidos. A Pnad tem uma amostra probabilística de cerca de 100 mil famílias e contém informações sobre diversas características demográficas e socioeconômicas da população. Especificamente: 28

A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza

A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza A Pesquisa de Orçamentos Familiares e os Usos na Linha de Pobreza Isabel Cristina Martins Santos Montovideo, 09 de setembro de 2009 Pesquisa de Orçamentos Familiares Despesas e Rendimentos monetários e

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO Suzana Cavenaghi José Eustáquio Diniz Alves Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS

Leia mais

Subsídios para elaboração do PPA Municipal

Subsídios para elaboração do PPA Municipal Município: São Luís / MA Apresentação Este Boletim de Informações Municipais tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas, sociais e

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios IBGE Gustavo Leal Laboratório de Economia da UFJF Introdução O sistema de pesquisas domiciliares foi implantado progressivamente no Brasil, a partir de 1967,

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

POF 2014/2015 Metodologia, temas principais e temas secundários

POF 2014/2015 Metodologia, temas principais e temas secundários 2014/2015 Metodologia, temas principais e temas secundários 17 de dezembro de 2013 Identificação dos Objetivos Investigar os Orçamentos Familiares combinados com outras informações sobre as Condições de

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

BNB - Segmentação de Clientes

BNB - Segmentação de Clientes BNB - Segmentação de Clientes Grande Pirâmide dos Empreendedores (Formais ou Informais) FORMAL Médio Pequeno MICROEMPRESA INFORMAL EMPREENDEDOR URBANO EMPREENDEDOR RURAL SERVIÇO INDÚSTRIA COMÉRCIO ATIVIDADES

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS?

QUAIS INSTRUMENTOS SÃO USADOS NO MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS? COMO SE FAZ NO BRASIL: PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE MONITORAMENTO DE PROGRAMAS SOCIAIS COMO SE FAZ O MONITORAMENTO? O monitoramento de programas envolve as seguintes etapas:» 1ª etapa: Coleta regular de

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07

DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010. Nota Metodológica nº 07 DIRETORIA DE PESQUISAS DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais Brasil Referência 2010 Nota Metodológica nº 07 As Famílias no Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal

Acesso à Internet e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto eiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Acesso

Leia mais

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Agentes de Crédito e Grupos Solidários Segurado Segurador Agente de Seguro Segurado Segurado Definição de Microseguros Critério Renda Per Capita % Pop E 13.48 DE 34.96 83.83 1 SM 51.05 2 SM 74.82 3 SM

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas

Anuário das MULHERES. Empreendedoras. e Trabalhadoras em Micro e. Pequenas Empresas Anuário das MULHERES Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE

Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Fonte: CPS/FGV a partir dos microdados da POF/IBGE Definição de Microseguros Critério Renda Per Capita Classes % Pop E 13.48 DE 34.96 CDE 83.83 1 SM 51.05 2 SM 74.82 3 SM 84.68 Fonte: CPS/FGV a partir

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena 2010 / 2011. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2010 / 2011 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente

Leia mais

Minha Casa, Meu Capital

Minha Casa, Meu Capital Sumário Executivo A casa própria é o ativo físico mais decisivo no processo de acumulação de capital das famílias. Ele desempenha papel de reserva de valor para fazer face às incertezas e a necessidades

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD Variáveis do Núcleo Básico do SIPD e Rendimentos

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD Variáveis do Núcleo Básico do SIPD e Rendimentos Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD Variáveis do Núcleo Básico do SIPD e Rendimentos Oitavo fórum com usuários Rio de Janeiro, 09 de julho de 2010 Objetivos da apresentação Abrir discussão

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos

BOLETIM. Taxa de desemprego anual na RMSP é a menor em 20 anos A taxa média anual de desemprego, na Região Metropolitana de São Paulo RMSP, diminuiu de 11,9% para 10,5%, entre 2010 e 2011, atingindo seu menor valor nos últimos 20 anos. Essa é uma das informações divulgadas

Leia mais

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO

A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA NA CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRO ÚNICO Com um registro único para programas sociais é possível saber quem são as pessoas mais vulneráveis, suas necessidades e onde elas moram. É possível

Leia mais

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009

Demonstrativo da extrema pobreza: Brasil 1990 a 2009 Campinas, 29 de fevereiro de 2012 AVANÇOS NO BRASIL Redução significativa da população em situação de pobreza e extrema pobreza, resultado do desenvolvimento econômico e das decisões políticas adotadas.

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008

A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 A Importância dos Incentivos para que Famílias e Empregadores Contribuam com o Sistema de Saúde POF 2002 e 2008 Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho se propõe

Leia mais

2 A Realidade Brasileira

2 A Realidade Brasileira 16 2 A Realidade Brasileira 2.1. A Desigualdade Social no Brasil De acordo com o levantamento do IBGE, embora a renda per capita no país seja relativamente elevada para os padrões internacionais, a proporção

Leia mais

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar

Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Cartão do Cidadão: ajudar sem humilhar Todos os benefícios sociais numa só conta OGoverno Federal lançou o Cartão do Cidadão, em junho de 2002, um cartão amarelo, de plástico e magnético, como os usados

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil***

1 INTRODUÇÃO. Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** BOLSA FAMÍLIA, ESCOLHA OCUPACIONAL E INFORMALIDADE NO BRASIL* Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa** Carlos Henrique L. Corseuil*** 1 INTRODUÇÃO O Bolsa Família (BF) é um programa assistencialista que visa

Leia mais

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone

Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone Análise dos resultados Apesquisa suplementar sobre acesso à Internet e posse de telefone móvel celular para uso pessoal ampliou a investigação rotineira da PNAD, que restringe o levantamento sobre o assunto

Leia mais

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar Valter Bianchini 1 Com o lançamento do Programa Brasil Sem Miséria volta ao debate a caracterização da tipologia da agricultura familiar situada abaixo

Leia mais

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa

namicro e Pequena Anuário do Trabalho Empresa Anuário do Trabalho namicro e Pequena Empresa 2014 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Robson Braga de Andrade Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo

O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA. Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo O BOLSA FAMÍLIA E A SUPERAÇÃO DA POBREZA Experiências do Banco do Nordeste: Programas Crediamigo e Agroamigo Banco do Nordeste: o Maior Banco de Microfinanças da América do Sul Objetivos de atuação do

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. Capacitação Novos Formulários do Cadastro Único

Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. Capacitação Novos Formulários do Cadastro Único Capacitação Novos Formulários do Cadastro Único 1 O que é o Cadastro Único? O Cadastro Único para Programas Sociais (Cadastro Único) é instrumento de identificação e caracterização socioeconômica das famílias

Leia mais

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações

ipea A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL 1 INTRODUÇÃO 2 METODOLOGIA 2.1 Natureza das simulações A EFETIVIDADE DO SALÁRIO MÍNIMO COMO UM INSTRUMENTO PARA REDUZIR A POBREZA NO BRASIL Ricardo Paes de Barros Mirela de Carvalho Samuel Franco 1 INTRODUÇÃO O objetivo desta nota é apresentar uma avaliação

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2012 Uma análise das condições de vida da população brasileira RJ, 28/11/2012 Síntese de Indicadores

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

As ações estratégicas relacionadas com a implementação do Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares - SIPD

As ações estratégicas relacionadas com a implementação do Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares - SIPD As ações estratégicas relacionadas com a implementação do Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares - SIPD 6o. Fórum do SIPD Rio de Janeiro, 10 de julho de 2009 SIPD - motivações O SIPD é a resposta

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação Nesta 17ª Carta de Conjuntura da Saúde Suplementar, constam os principais indicadores econômicos de 2011 e uma a n á l i s e d o i m p a c t o d o crescimento da renda e do emprego sobre o

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Nova Série do Produto Interno Bruto dos Municípios referência 2002 (versão para informação e comentários) Versão 1 Apresentação O Instituto

Leia mais

RELATÓRIO AVALIATIVO DA QUALIDADE DA BASE DE DADOS DO SISTEMA DE CADASTRO ÚNICO MUNICIPAL

RELATÓRIO AVALIATIVO DA QUALIDADE DA BASE DE DADOS DO SISTEMA DE CADASTRO ÚNICO MUNICIPAL PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE OSASCO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO, TRABALHO E INCLUSÃO (SDTI) DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS (DIEESE) PROGRAMA OSASCO DIGITAL OBSERVATÓRIO

Leia mais

Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1

Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1 Pobreza e distribuição espacial de grupos sociais na metrópole de São Paulo 1 Eduardo Cesar Marques Haroldo da Gama Torres Esse artigo apresenta informações sobre pobreza e segregação em São Paulo em período

Leia mais

Microcrédito, Mobilidade Social e Avaliação de Impactos do Agroamigo e do Crediamigo. Sumário Executivo

Microcrédito, Mobilidade Social e Avaliação de Impactos do Agroamigo e do Crediamigo. Sumário Executivo Microcrédito, Mobilidade Social e Avaliação de Impactos do Agroamigo e do Crediamigo Sumário Executivo 1 Microcrédito, Mobilidade Social e Avaliação de Impactos do Agroamigo e do Crediamigo / Coordenação

Leia mais

Universalização de Direitos Sociais no Brasil: a experiência da previdência rural nos anos 90

Universalização de Direitos Sociais no Brasil: a experiência da previdência rural nos anos 90 Universalização de Direitos Sociais no Brasil: a experiência da previdência rural nos anos 90 Guilherme C. Delgado* e José Celso Cardoso Jr.* pelos autores (2000) Universalização de Direitos Sociais no

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 1) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia

55% da população mundial vive em zonas rurais. 70% da população mundial muito pobre é rural. 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia A pobreza rural 55% da população mundial vive em zonas rurais 70% da população mundial muito pobre é rural 1,4 bilhão vive com menos de U$ 1,25/ dia 1,0 bilhão passa fome 80% dos lugares mais pobres dependem

Leia mais

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

IBGE. Ministério da Saúde. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística p a esquisa n mostra de acional por d omicílios A cesso e u tilização de S erviços de s aúde 2003 Ministério da Saúde IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-1 - Proposta de uso do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA. n. 3

CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA. n. 3 CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS DE EFEITOS DE POLÍTICA DE TRANSFERÊNCIA DIRETA n. 3 Salvador ago. 211 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE A POBREZA NA BAHIA: TENDÊNCIAS E ESTIMATIVAS

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa

ANUÁRIO DO TRABALHO. namicro e. Pequena. Empresa ANUÁRIO DO TRABALHO namicro e Pequena Empresa 2013 SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Presidente do Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA

CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA CONSEQÜÊNCIAS E CAUSAS IMEDIATAS DA QUEDA RECENTE DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1. INTRODUÇÃO Ricardo Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IPEA) Samuel Franco (IPEA) Rosane Mendonça (UFF) A boa notícia

Leia mais

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família

Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família Uma Análise dos Determinantes da Focalização do Programa Bolsa Família BRASÍLIA-DF Março, 2013 Introdução Motivação Revisão de Literatura Metodologia Resultados Considerações Finais 2 Introdução Transferência

Leia mais

A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009.

A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009. A qualidade do emprego agrícola/ não agrícola entre os residentes rurais nas regiões metropolitanas brasileiras: Uma análise por gênero 2009. Taciana Letícia Boveloni Ciências Econômicas Centro de Economia

Leia mais

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA

XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA XIII SEMINARIO INTERNACIONAL DO COMITÉ DE INTEGRACIÓN LATINO EUROPA-AMÉRICA AMÉRICA PAINEL: Políticas de Facilitação de Créditos para o Desenvolvimento das Pequenas e Médias Empresas (PMES). HENRIQUE Jorge

Leia mais

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar)

Desoneração da carga tributária. (versão preliminar) CONTAG Coletivo Nacional de Política Agrícola Desoneração da carga tributária sobre os produtos alimentícios (versão preliminar) Brasília, 24 de abril de 2009. Objetivo geral: subsidiar a proposta de discussão

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares

Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares Acesso ao Sistema Financeiro: alternativas à exclusão O caso dos Bancos Populares 1. Introdução Por Larissa Yuri Ushizima Quem pode abrir uma conta bancária? Como pessoas de baixa renda podem ter acesso

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

Orçamento Familiar e Despesas Digitais Estatística - média Total Acesso a microcomputador

Orçamento Familiar e Despesas Digitais Estatística - média Total Acesso a microcomputador Orçamento Familiar e Despesas Digitais Estatística - média Total Acesso a microcomputador Não Sim Amostra - domicílios 16060 15165 895 População - domicílios 12544069 11673578 870491 Gasto Total 991.48

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO

PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO IBOPE PESQUISA DE OPINIÃO SOBRE A REDE PARTICULAR DE ENSINO FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ESCOLAS PARTICULARES DEZEMBRO - 2005 DIVULGAÇÃO JANEIRO - 2006 Proibida reprodução total ou parcial sem autorização expressa

Leia mais

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RENDA, TRABALHO E EMPREENDEDORISMO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO NOTA CONJUNTURAL Nº35 2015 PANORAMA GERAL O ano de 2015 se inicia com grandes incertezas com relação à economia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS

TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS TERMO DE REFERÊNCIA RIO EM DADOS 1. INTRODUÇÃO O Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos pretende contratar instituição de pesquisa com a finalidade de produção de análises estatísticas e econômicas

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4)

INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) 1 INDICADORES SOCIAIS (AULA 4) Ernesto Friedrich de Lima Amaral Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia ESTRUTURA DO CURSO 2 1. Conceitos básicos relacionados a indicadores

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média

Perguntas e Respostas sobre a Definição da Classe Média Perguntas e Respostas sobre a Definição da 1 Sumário Afinal, o que é classe média?... 3 Por que a SAE/PR propôs uma definição de classe média?... 3 Para que serve uma definição de classe média?... 3 O

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD. Oitavo fórum com usuários Rio de Janeiro, 09 de julho de 2010

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD. Oitavo fórum com usuários Rio de Janeiro, 09 de julho de 2010 Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares SIPD Oitavo fórum com usuários Rio de Janeiro, 09 de julho de 2010 SIPD resposta para as seguintes questões Otimizar recursos frente à demanda crescente Assegurar

Leia mais

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS

Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS Oficina O Uso dos Sistemas de Informação como Ferramentas de Gestão Local do SUAS O Cadastro Único e a Gestão do SUAS: Essa ferramenta auxilia no processo de planejamento das ações socioassistenciais?

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA

Produtos Bancários CAIXA Produtos Bancários CAIXA Item 1- Programa Minha Casa Minha Vida Programa do Governo Federal, lançado em abril de 2009. Gerido pelo Ministério das Cidades e operacionalizado pela CAIXA. Produtos Bancários

Leia mais

Programas Sociais. A recente experiência paulistana

Programas Sociais. A recente experiência paulistana Programas Sociais A recente experiência paulistana DIAGNÓSTICO A cidade tem hoje mais de um milhão de desempregados e perdeu, entre 1991 e 2000, 570 mil postos de trabalho na indústria Na última década,

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2009 Desafios do Programa Habitacional Minha Casa Minha Vida Profa. Dra. Sílvia Maria Schor O déficit habitacional brasileiro é

Leia mais