Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero."

Transcrição

1 Pesquisa O setor privado de ensino sob um perspectiva de gênero. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho. O tempo passou e a participação da mulher no mercado de trabalho é uma realidade, muitos pesquisadores inclusive, já utilizam o termo feminização do mercado de trabalho. A inserção da mulher é de extrema importância, pois a atuação profissional possibilita a autonomia dos indivíduos, para a construção de identidade, para o reconhecimento social, para o acesso a bens de consumo, entre outras dimensões, tanto materiais quanto simbólicas, cada vez mais importantes nas sociedades do século XXI. Contudo, são nos ambientes de trabalho que os processos de discriminação e desigualdade se tornam ainda mais evidentes. As conquistas femininas evoluíram, os espaços foram marcados com qualificação e responsabilidade, contudo as desigualdades entre homens e mulheres ainda estão presentes. A herança de uma sociedade patriarcal, onde o papel da mulher é da cuidadora da família é um dos componentes em que está assentado a desigualdade de gênero. Isso justifica a participação feminina no mercado de trabalho ainda estar fortemente vinculada a atividades que reproduzem as ações muito próximas do âmbito familiar, um fato confirmado pela presença da mulher nos setores ligados à educação, à saúde e a atividade social centrada na prestação de serviços. Os nichos mais tradicionais do mercado de trabalho,

2 como o setor industrial, permanecem, em sua grande maioria, destinados ao sexo masculino, o que potencializa ao homem o acesso a salários melhores e a formas de contração normatizadas pela Legislação Trabalhista. Diversos estudos demonstram que as mulheres recebem menos do que os homens, independentemente do cenário econômico, do grau de escolaridade ou da função exercida. Mas essa afirmação é verdadeira quando analisamos setores onde a proporção de mulheres é superior a dos homens? Com objetivo de responder a essa pergunta busca-se analisar no setor privado de ensino no Brasil o tipo de vínculo trabalhista que as docentes possuem juntos as instituições de ensino, indentificando com possíveis desigualdades de gêneros em um setor tradicionalmente feminino. Para isso esse pesquisa está divida em cinco parte: (i) busca se analisar a evolução da participação da mulher no mercado de trabalho brasileiro entre 2001 e 2012, (ii) apresentação da metodologia utilizada na pesquisa, (iii) o perfil da docente, (iv) as características do vinculo trabalhista da docente e (v) considerações finais. A evolução da participação feminina no mercado de trabalho brasileiro Os últimos onze anos consolidaram a participação feminina no mercado de trabalho brasileiro, principalmente a partir de Fatores como a retomada do crescimento econômico, a expansão na oferta de trabalho e a busca por trabalhadores cada vez mais qualificados, possibilitaram que a mulher fortalecesse a sua participação no mercado, passando a atuar em áreas tipicamente masculinas, como a construção civil. Entre 2001 e 2012 a População Economicamente Ativa (PEA), cresceu 19.9%. Entende-se como PEA todos os trabalhadores, a partir dos anos, que estão trabalhando ou a procura de emprego. O crescimento da PEA justifica-se pela o cenário macroeconômico positivo instaurado no país a partir de 2005, fruto da ampliação da produção, expansão do crédito e do consumo interno, crescimento das divisas internacionais e queda nas taxas de juros pelo menos

3 até Contudo, o ritmo de crescimento foi reduzindo ao longo desse período devido principalmente a melhora na renda da população. Na medida em que a renda da população melhorar uma parcela da PEA, estudantes e idoso, migram para a Inatividade. Esse fenômeno também ocorria com as mulheres em períodos anteriores, pois sua participação do mercado de trabalho estava muito relacionada a possibilidade de ampliar a renda familiar. Na medida em que a renda aumentar, a importância da renda feminina no orçamento familiar reduz. Contudo, os dados da Pesquisa Nacional de Domicílios (Pnad), calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), demonstram que a participação da mulher não é momentânea. Em ,4% da PEA era formada por mulheres e 56,6% por homens. Enquanto a taxa da participação das mulheres aumentava a masculina reduzia. Par0cipação&da&População&Economicamente&A0va,&segundo&sexo&no&Brasil&E& 2001&a&2012& 58,1%& 57,6%& 57,3%& 56,9%& 56,6%& 56,3%& 56,5%& 56,5%& 56,1%& 56,7%& 56,6%& 41,9%& 42,4%& 42,7%& 43,1%& 43,4%& 43,7%& 43,5%& 43,5%& 43,9%& 43,3%& 43,4%& 2001$ 2002$ 2003$ 2004$ 2005$ 2006$ 2007$ 2008$ 2009$ 2011$ 2012$ Homem$ Mulher$ Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compatíveis com a série analisada.

4 Quanto a População Ocupada, ou seja, pessoas que exerceram alguma atividade remunerada nos últimos 30 dias, os homens ainda possuem uma participação maior que as mulheres no mercado de trabalho. Entretanto a participação feminina na população ocupada vem crescendo. Em parte isso se justifica pelo elevado número de mulheres que atualmente são chefes de família, ou seja, responsáveis financeiramente pelo sustento da família. A proporção de famílias chefiadas por mulheres, segundo critérios do IBGE, cresceu mais do que quatro vezes nos últimos dez anos. Em relação aos casais sem filhos, o índice de autoridade feminina passou de 4,5% em 2002 para 18,3% em 2012 ; já entre os que possuem filhos, subiu de 3,4% para 18,4% nos respectivos anos. Par1cipação'da'População'Ocupada,'segundo'sexo'no'Brasil'B'2001'a'2012' 59,31%' 58,69%' 58,56%' 58,23%' 57,94%' 57,59%' 57,73%' 57,62%' 57,44%' 57,84%' 57,65%' 40,69%' 41,31%' 41,44%' 41,77%' 42,06%' 42,41%' 42,27%' 42,38%' 42,56%' 42,16%' 42,35%' 2001$ 2002$ 2003$ 2004$ 2005$ 2006$ 2007$ 2008$ 2009$ 2011$ 2012$ Homem$ Mulher$ Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compatíveis com a série analisada. Ao observar a taxa de desocupação, número de pessoas desempregadas, a procura de trabalho, constata-se a situação de vulnerabilidade feminina. As mulheres apresentavam uma taxa de desocupação em 2012 na ordem de 8,2% e os homens 4,6%.

5 Taxa de Desocupação no mercado de trabalho, segundo sexo Brasil 2012/2011 Taxa$de$desocupação$ Total& 6,10% 6,70% Homens 4,60% 4,90% Mulheres& 8,20% 9,10% Fonte: PNAD/IBGE 2012 Daqueles que procuram por emprego no mercado de trabalho 27,44% são mulheres e 20,24% são homens. A taxa mais elevada para as mulheres pode ser explicada pela cultura resistente por parte do setor produtivo no momento da contratação. Muitas empresas ainda associam o trabalho feminino a fatores relacionados a idade reprodutiva da mulheres, a fragilidade da mão de obra e as questões voltadas as responsabilidades familiares.

6 Par1cipação'percentual'da'população'desocupada'no'mercado'de'trabalho',' segundo'sexo'no'brasil'e'2001'a'2012.'' 29,21%' 29,48%' 29,87%' 25,69%' 25,42%' 25,41%' 29,16%' 28,69%' 29,27%' 26,80%' 27,17%' 26,59%' 26,37%' 27,44%' 22,40%' 21,74%' 21,86%' 19,48%' 19,02%' 19,04%' 18,47%' 20,24%' 2001$ 2002$ 2003$ 2004$ 2005$ 2006$ 2007$ 2008$ 2009$ 2011$ 2012$ Homem$ Mulher$ Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compatíveis com a série analisada. É impossível imaginar o crescimento de uma pais e de uma sociedade sem a partição da mulheres nos tempos atuais, como visto nos gráficos anteriores. As mulheres ao longo dos anos se qualificaram para conquistar um lugar no ambiente profissional. Contudo o avanço no grau de instrução não significou uma melhora nos cargos de maior representatividade muito menos melhores salários. As mulheres que trabalham, estudaram em média nove anos. Já os homens passaram oito anos no banco da escola. Em relação a remuneração, em 2012 a mulheres recebia 73% da remuneração masculina, ou seja, se o salario dos homens fosse equivalente a R$100,00 as mulheres, realizando a mesma atividade e carga horaria, receberia, R$73,00. Ao relacionar anos de estudo com rendimento, observa-se que no grupo com 12 anos ou mais de estudo, o rendimento feminino cai para 66% da renda masculina. Assim, à medida em que avança a escolaridade, a desigualdade de rendimento entre homens e mulheres aumenta. Quanto ao tipo de ocupação, quase a metade das mulheres (44,6%) está empregada em trabalhos ligados à educação, saúde e serviços sociais e

7 somente 15,7% dos homens atuam nesses setores. Remuneração+média,+por+sexo+no+Brasil a !R$1.417!!!R$1.589!!!R$1.164!!!R$1.092!!!R$993!!!R$916!!!R$828!!!R$761!!!R$785!!!R$721!!!R$726!!!R$660!!!R$657!!!R$618!!!R$601!!!R$534!!!R$390!!!R$419!!!R$455!!!R$483!!!R$997!!!R$1.116!! 2001! 2002! 2003! 2004! 2005! 2006! 2007! 2008! 2009! 2011! 2012! Fonte:!PNAD/IBGE!! Homem+ Mulher+ Fonte: PNAD/IBGE. Nota: Os dados de 2010 corresponde ao Censo e não são compatíveis com a série analisada. Esses dados demonstram as conquistas femininas no mercado de trabalho. Contudo, cabe lembrar que essa inserção não dependente exclusivamente da demanda do mercado ou de um desejo feminino. A articulação complexa de características pessoais e familiares, tais como a presença de filhos, associada ao ciclo de vida das trabalhadoras, à sua posição no grupo, à necessidade de prover ou complementar o sustento do lar são fatores que estão sempre presentes nas decisões das mulheres de ingressar ou permanecer no mercado de trabalho. Contudo, é possível que em setores onde a participação feminina seja maior que a masculina haja discriminação entre os sexo? Ou os homens estejam em uma situação de inferioridade? É isso que essa pesquisa tem a intenção de responder nas seções que seguem. Metodologia

8 A pesquisa utiliza como técnica uma analise descritiva- quantitativa das informações. A escolha desse método deveu-se a base de dados escolhida para construção da amostra que permite realizar uma análise estatística simples de frequência. A base de dados utilizadas chama-se Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), elaborada e disponibilizada pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). A RAIS registra um serie de informações referente ao vínculo de trabalho daqueles trabalhadores inseridos no mercado formal, ou seja, que possuem carteira de trabalho assinada. O universo a ser pesquisado são os docentes que atuam no setor privado de ensino em três níveis: (i) educação infantil e ensino fundamental, (ii) ensino médio e (iii) educação superior. As variáveis de análise escolhidas, todas classificadas segundo sexo, estão divididas em dois grupos: (i) perfil e (ii) característica do vínculo. No grupo perfil são consideradas as variáveis: número de docentes, idade,escolaridade e nível de ensino que atuam. A característica do vínculo busca identificar junto aos docentes a jornada de trabalho, o tempo de emprego, a remuneração e o tipo e tamanho da instituição. Todas as informações referem-se ao ano de Realizar uma análise por gênero permite identificar as possíveis diferenças entre homens e mulheres em um setor considerado como uma das porta de entrada nas mulheres no mercado de trabalho. Principais Resultados Grupo de análise : Perfil. As diferenças entre os sexos são transferidas para as profissões, o que confere à docência significados femininos, pela associação direta à maternidade e ao ato de cuidar das crianças. No setor de ensino, especificamente na atividade de

9 docente, 76% são mulheres e 24% são homens. As mulheres representam 73% dos vínculos na educação infantil e fundamental e 60% no ensino médio. Já na educação superior ainda há o predomínio dos homens com 53,5%, reflexo do grande número de cursos tradicionalmente vinculados ao universos masculino tais como aqueles ligados as extas. Distribuição dos docentes por sexo no ensino privado - Brasil/ Distribuição+dos+docentes,+segundo+sexo,+no+ensino+privado+6+ Brasil Distribuição dos Docentes por sexo segundo nível de ensino na educação privada Brasil %$ 24%$ Nível1de1Ensino1 Educação1Infantil1e1Ensino1 Fundamental 1Docentes1 Masculino Feminino 27,0% 73,0% Ensino1Médio 39,6% 60,4% Educação1Superior 53,5% 46,5% Masculino$ Feminino$ Em relação a distribuição dos docentes por faixa etária, observa-se uma concentração nas faixas entre 30 e 39 anos, ou seja é uma categoria composta por jovens. No ensino superior chama a atenção o grande número de docentes com idade acima dos 40 anos, em torno de 50% da categoria. A própria trajetória de qualificação exigida pelo Ministério da Educação e pela Instituições de ensino em termos de qualificação contribuem para esse resultado. Um docente no ensino superior possui pelo menos 5 anos mais (mestrado e doutorado) do que um professor na educação básica. A diferenças de gênero em relação a idade é mínima e estatisticamente não faz uma grande diferença. Podemos notar, entretanto, que após os 50 anos a proporção de homens no docência amplia-se, podendo ser explicado pelo regime de aposentadoria especial. Os professores precisam contribuir por 30 anos para a

10 previdência social, e as professoras tem que ter no mínimo 25 anos de contribuição, desde que comprovado por esse período o exercício da docência. Os professores do Ensino Superior não são beneficiados pelo regime especial de aposentadoria, resultando assim em um percentual mais elevado de homens e mulheres acima dos 50 anos em relação aos outros níveis. Participação dos docentes segundo faixa etária e sexo, por nível de ensino na educação privada Brasil/ Nível#de#ensino/Sexo## Faixa#Etária 18#a#24## 25#a#29# 30#a#39# 40#a#49 50#a#64 65#ou#mais Total EDUCAÇÃO#INFANTIL#E#ENSINO#FUNDAMENTAL Masculino 5,61% 17,06% 39,59% 24,01% 12,53% 1,21% 100,00% Feminino 6,74% 17,86% 40,31% 24,08% 10,44% 0,58% 100,00% ENSINO#MÉDIO Masculino 3,35% 13,76% 38,81% 27,82% 14,87% 1,39% 100,00% Feminino 3,72% 13,79% 38,50% 28,59% 14,39% 1,01% 100,00% EDUCAÇÃO#SUPERIOR Masculino 0,47% 6,96% 34,35% 29,29% 24,03% 4,90% 100,00% Feminino 0,62% 8,88% 38,49% 28,88% 20,53% 2,59% 100,00% A qualificação é um dos principais diferenciais femininos no mercado de trabalho em relação aos homens. Não é surpresa o elevado grau de qualificação do docente, dada a exigência da profissão. Optou nessa pesquisa em avaliar apenas os docentes com superior completo, mestrado e doutorado. No ensino superior as mulheres apresentam um grau de qualificação superior ao dos homens, destaca-se o percentual de mulheres com mestrado na ordem de 31%. Já quando observamos os níveis que compõem da educação básica os homens possuem melhor qualificação que as mulheres, principalmente no ensino médio Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino e escolaridade na educação privada - Brasil/ 2013.

11 Escolaridade%após%2005 Sexo%Trabalhador Superior% Completo Mestrado Doutorado Total EDUCAÇÃO%INFANTIL%E%ENSINO%FUNDAMENTAL Masculino 94,10% 5,12% 0,78% 100,00% Feminino 97,37% 2,24% 0,39% 100,00% ENSINO%MÉDIO Masculino 87,28% 8,98% 3,74% 100,00% Feminino 91,93% 5,77% 2,30% 100,00% EDUCAÇÃO%SUPERIOR Masculino 59,17% 28,93% 11,90% 100,00% Feminino 56,60% 31,19% 12,20% 100,00% Não é possível afirmar que há grandes diferenças entre professores e professoras quanto ao seu perfil. Deve-se lembrar que cada nível de ensino possui exigências especificas de qualificação e que inconscientemente há um perfil padrão de profissional a ser contratado pelas instituições que de certa forma reproduz a cultura patriarcal da sociedade. A pequena participação de homens no ensino infantil é fundamental, e a permanência no setor de ensino acima dos 50 anos são exemplos dessa cultura. Grupo de análise: Vínculo. O vínculo que o docente possui com a empresa permite compreender sua inserção no setor de ensino, bem como caracterizar o perfil desse profissional. Uma das variáveis mais importantes para as mulheres é a jornada de trabalho. A busca por exercer sua atividade na educação em parte está relacionada a possibilidade do regime parcial de trabalho. Essa, muitas vezes, é a estratégia adotada pelas mulheres para compatibilizar as tarefas relacionadas aos cuidados da casa, família e atividade profissional. Não há dúvida da ampliação da participação masculina nas responsabilidades familiares, contudo, a mulher ainda dedica um tempo superior a essas atividade quando comparada com os homens. De acordo com dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), divulgados em 2012, as mulheres brasileiras gastam, em média, 26,6 horas semanais em afazeres domésticos, enquanto os homens dedicam apenas 10,5 horas. Os dados do setor privado de ensino revelam um grande número de

12 docentes que exercem atividade parcial. Cerca de 40% das docentes no ensino médio e superior, apresentam jornadas de trabalho de até 12 horas mensais. Entretanto, há um percentual expressivo de mulheres que trabalham em tempo integral. Inclusive 28,65% dos docentes possuem mais de dois vínculos trabalhistas e apresentam jornadas entre 41 e 44 horas semanais, entre as mulheres na educação básica esse percentual chega a 25%. Não há dúvida que essa jornada de trabalho é intensa para homens e mulheres. Todavia, quando observamos o tipo de ocupação exercida pelos docentes é fácil concluir que essa jornada de trabalho é desumana. As atividades extra classe exercidas pelo docentes, a pressão sofrida por parte dos país e das instituições de ensino somada ao tempo em sala de aula e as atividades exercidas com os tidos afazeres domésticos, justificam os sérios problemas de saúde vivenciados pelas docentes. Questões relacionadas ao stress, Síndrome de Burnout, problemas com voz e cansaço, são alguns dos sintomas dificuldades de ser professor. mais evidentes das Participação dos docentes segundo sexo e jornada de trabalho por nível de ensino na educação privada - Brasil/ Faixa-Hora-Contratada-(semanais) Ocupação/Sexo- Até-12-horas 13-a a a a a-44- horas horas horas horas horas Total EDUCAÇÃO-INFANTIL-E-ENSINO-FUNDAMENTAL Masculino 39,06% 4,88% 10,76% 10,78% 4,80% 29,72% 100,00% Feminino 31,63% 5,79% 12,15% 16,62% 5,57% 28,25% 100,00% Total 33,64% 5,54% 11,77% 15,04% 5,36% 28,65% 100,00% ENSINO-MÉDIO Masculino 45,28% 6,24% 9,02% 10,56% 4,08% 24,82% 100,00% Feminino 37,44% 5,59% 12,35% 14,09% 5,16% 25,37% 100,00% Total 40,55% 5,85% 11,03% 12,69% 4,73% 25,15% 100,00% EDUCAÇÃO-SUPERIOR Masculino 49,68% 5,47% 11,71% 8,85% 14,15% 10,14% 100,00% Feminino 46,80% 5,26% 12,47% 10,07% 15,22% 10,18% 100,00% Total 48,34% 5,37% 12,07% 9,41% 14,65% 10,16% 100,00% O tempo de permanência do docente no setor privado de ensino é elevado, indicando a baixa rotatividade existente entre esses profissionais. Essa é inclusive uma das características do setor. No ensino médio e superior mais de 35% das

13 docentes possuem mais de 5 anos de trabalho no mesmo vínculo. A educação infantil e o ensino fundamental destacam-se por apresentar a maior rotatividade entre homens e mulheres e por indicar a inserção mais ampliada de homens na atividade de professor. Do total de homens que se encontram nesse nível de ensino, 22% tem até um ano de emprego. Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino tempo de emprego na educação privada - Brasil/ Faixa&Tempo&Emprego&(Em&meses) Nível&de&Ensino/Sexo&& Ate&2,9&& 3,0&a&5,9& 6,0&a&11,9&& 12,0&a&23,9& 24,0&a&35,9& 36,0&a&59,9&& 60,0&a&119,9&& 120,0&&&ou& mais Total EDUCAÇÃO&INFANTIL&E&ENSINO&FUNDAMENTAL Masculino 2,60% 8,80% 22,02% 17,44% 13,20% 15,05% 13,55% 7,35% 100,00% Feminino 2,23% 7,70% 20,84% 18,03% 12,78% 14,10% 15,24% 9,06% 100,00% Total 2,33% 8,00% 21,16% 17,87% 12,90% 14,36% 14,78% 8,60% 100,00% ENSINO&MÉDIO Masculino 2,31% 8,36% 18,81% 17,03% 12,33% 14,87% 14,76% 11,52% 100,00% Feminino 2,50% 7,08% 17,78% 15,68% 11,86% 14,24% 15,84% 15,00% 100,00% Total 2,43% 7,59% 18,19% 16,22% 12,05% 14,49% 15,41% 13,62% 100,00% EDUCAÇÃO&SUPERIOR Masculino 2,07% 8,19% 12,09% 14,06% 10,49% 14,57% 18,57% 19,96% 100,00% Feminino 2,44% 8,02% 12,57% 14,79% 11,06% 15,17% 18,31% 17,63% 100,00% Total 2,24% 8,11% 12,31% 14,40% 10,75% 14,85% 18,45% 18,88% 100,00% Quanto ao tipo de instituições nas quais os docentes estão vinculados, observase uma predominância naquelas de caráter essencialmente privado. Nessas as mulheres representam 51,74% dos trabalhadores enquanto os homens totalizam cerca de 49% da mão de obra. Essa situação se inverte ao analisarmos as instituições sem fins lucrativos cuja a participação masculina é de 53,4% e a feminina 46,6%. Deve-se lembrar que grande parte das escolas de ensino básico no setor privado brasileiro, são de caráter mercantil. Como o número de professoras que atuam na educação básica é superior ao de professores isso justificaria a concentração de mulheres nas instituições mercantis. Distribuição dos docentes segundo sexo, nível de ensino e natureza jurídica das instituições de ensino na educação privada - Brasil/ 2013.

14 Natureza&Jurídica&Especial Nível&de& Ensino/Sexo& Entidade& Empresa& Privada Entidades&sem& Fins&Lucrativos Total EDUCAÇÃO&INFANTIL&E&ENSINO&FUNDAMENTAL Masculino 78,51% 21,49% 100,00% Feminino 82,29% 17,71% 100,00% ENSINO&MÉDIO Masculino 60,12% 39,88% 100,00% Feminino 52,90% 47,10% 100,00% EDUCAÇÃO&SUPERIOR Masculino 38,55% 61,45% 100% Feminino 40,80% 59,20% 100% Total 40% 60% 100% A diferença de remuneração entre homens e mulheres é uma das principais barreiras a ser quebrada no processo de inserção da mulher no mercado de trabalho. Como visto anteriormente, essa diferença existe mesmo com o grau de instrução mais elevado a favor das mulheres. No ensino infantil e no fundamental a diferença de remuneração ocorre principalmente para aqueles docentes que possuem uma jornada de trabalho entre 31horas e 40 horas semanais. Assim uma professora que possui a mesma carga horaria que um professor, recebe 73,65% do salário dos homens. Remuneração média dos docentes segundo carga horária e sexo na educação infantil e ensino fundamental no setor privado de ensino no Brasil 2013!3.549!! Masculino! Feminino!!1.691!!!1.584!!!1.300!!!1.099!!!1.808!!!1.715!!!2.230!!!2.237!!!2.647!! Até!12!horas! 13!a!15!horas! 16!a!20!horas! 21!a!30!horas! 31!a!40!horas! No ensino médio, as docentes recebem 80% da remuneração dos docentes, em jornadas de trabalho equivalentes entre 30 e 40 horas. Nota-se que a medida

15 que os níveis de ensino vão avançando as diferenças salariais entre homens e mulheres vão reduzindo. Remuneração média dos docentes segundo carga horária e sexo no ensino médio no setor privado de ensino no Brasil % 1.314% Masculino$ 1.299% 1.858% Feminino$ 1.847% 2.223% 2.240% 2.575% 2.715% 3.268% Até$12$horas$ 13$a$15$horas$ 16$a$20$horas$ 21$a$30$horas$ 31$a$40$horas$ No ensino superior, a professora recebe 91,18% dos rendimentos dos professores, o que equivale a dizer que considerando uma remuneração de R$100,00 a docente recebe R$ 91,18. Mesmos nas demais jornadas de trabalho, a diferença salarial é pequena. A menor diferença salarial entre os sexos apresentada nesse nível de ensino pode ser explicada pela adoção de planos de carreira nas instituições de ensino. Os planos de carreira permitem a valorização do professor e estabelecem critérios claros para a progressão na carreira reduzindo sensivelmente a discriminação entre homens e mulheres. Remuneração média dos docentes segundo carga horária e sexo no ensino superior privado no Brasil 2013

16 9.157& 8.349& 2.508& Masculino$ 2.475& Feminino$ 3.635& 3.630& 4.589& 4.277& 5.911& 5.467& Até$12$horas$ 13$a$15$horas$ 16$a$20$horas$ 21$a$30$horas$ 31$a$40$horas$ Nota-se que as diferenças entre homens e mulheres no setor de ensino estão muito mais vinculadas as características da ocupação, ou seja da docência, do que uma visão discriminatória das mulheres. O grande número de mulheres docentes não justifica isoladamente essa situação, com certeza, o número de mulheres que participam da gestão e coordenação de escolas e instituições somadas a aqueles que se encontram organizações de classe, como os sindicatos, fazem a diferença nesse cenário de ensino. Embora algumas pesquisas, entre elas a PNAD, demonstre que mesmo em setores em que as mulheres são maioria, há uma desigualdade maior entre homens e mulheres, isso não se verifica no setor privado de ensino. Considerações Finais A necessidade de compatibilizar as responsabilidades familiares com as atuação profissionais definem a forma de inserção no mercado de trabalho e, principalmente, o tipo de vínculo empregatício.

17 O trabalho das mulheres não depende tão somente da demanda do mercado e das suas qualificações para atendê-la, mas decorre também de uma articulação complexa de características pessoais e familiares. O setor de ensino é tradicionalmente uma das portas de entrada na mulher no mercado de trabalho, pois permite conciliar a dupla jornada. Ao identificar o tipo de vínculo que os docentes possuem no setor de ensino privado no Brasil, podemos inferir sobre as diferença de gênero em um setor no qual 76% da força de trabalho é feminina. Isso significa que a realidade das mulheres que atuam nesse setor é diferente daquelas que atuam em setores tradicionalmente masculino? A resposta da pesquisa indica : I. Conforme avançamos nos níveis de ensino a participação masculina amplia-se e as diferenças entre o vínculo de trabalho feminino e masculino ficam mais acentuadas. II. III. IV. A mulheres possuem escolaridade superior a dos homens no ensino infantil e fundamental, contudo no níveis médio e superior os homens apresentam mais anos de estudo. Não há uma diferença significativa no número de horas trabalhadas entre homens e mulheres no setor privado de ensino. Mais de 50% dos docentes possuem jornadas de trabalho de até 20 horas, independente do sexo. Deve-se considerar que os professores normalmente trabalham em mais de uma instituição o que acaba por justificar a jornada parcial. A participação das mulheres nas instituições de caráter essencialmente privado é maior que a masculina. Dado o caráter mercantil dessas instituições, esse aspecto pode indicar vínculos de trabalho mais frágeis do que aqueles existentes nas instituições sem fins lucrativos. Além disso, deve-se considerar que o maior segmento de instituições da educação básica

18 encontram-se no segmento empresarial, o que justifica a maior inserção dos docentes nessas instituições. V. Quanto ao tamanho do estabelecimento, a maior concentração de docentes encontra nas escolas de pequeno porte que possuem entre 20 e 99 vínculos trabalhista. Já no ensino superior, a atuação das professoras ocorrem em instituições de médio porte. VI. A rotatividade do setor de ensino privado é baixa, dada a própria característica da ocupação. Ao mesmo tempo, observa-se uma renovação do corpo de professores em todos os níveis de ensino registrando uma participação elevada tanto de homens como de mulheres que possuem até um ano de tempo de permanência no emprego. VII. VIII. Não há grandes diferenças nos vínculos trabalhistas entre homens e mulheres em variáveis como: jornada de trabalho, tempo de permanência, escolaridade e tipo de empresa. Contudo ainda constata-se diferenças de remuneração entre homens e mulheres no setor de ensino. Considerando a mesma carga horária para homens e mulheres em todos os níveis de ensino, as mulheres recebem uma remuneração inferior a masculina. Em média, as mulheres recebem cerca de 95% da remuneração dos homens, muito acima dos dados da PNAD (IBGE) que inclui todos os setores econômicos. As possíveis explicação para esse resultado pode estar relacionada a adoção dos chamados planos de carreira que remuneram o professor não somente pelo tempo de serviços e qualificação, mas também por sua produção acadêmica. Quanto a pergunta, se há desigualdade de gênero no setor de ensino, a reposta é NÃO! Mas há um conjunto de pontos em que pode-se avançar. Fonte:

19 1) IBGE. Pesquisa nacional por amostra de domicílio: PNAD: microdados. Rio de Janeiro: IBGE, 2001 a CD ROM. 2) Brasil. MTE. Relação anual de informações Sociais: RAIS: microdados. Brasilia, CD ROM. Elaborado por:

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013

A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 A participação feminina no mercado de trabalho: observações sobre as docentes no ensino privado brasileiro 2013 Qual a importância da discussão de gênero no mercado de trabalho? O campo de atuação profissional

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2

Expediente: Autor: Érika Andreassy Editor Responsável: Érika Andreassy Diagramação: Érika Andreassy Abril/ 2012 2 A mulher no mercado de trabalho e na organização sindical Expediente: Produzido pelo Instituto Latinoamericano de Estudos Socioeconômicos. Praça Padre Manuel da Nóbrega, 16-4º andar. Sé - São Paulo SP.

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE 1 Março 2008 A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO PARANAENSE Ângela da Matta Silveira Martins * Esta nota técnica apresenta algumas considerações sobre a inserção da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL

O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL Abril /2007 O MERCADO DE TRABALHO NO AGLOMERADO URBANO SUL A busca de alternativas para o desemprego tem encaminhado o debate sobre a estrutura e dinâmica

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina

Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa 2012: análise dos principais resultados de Santa Catarina A 5ª edição do Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa é um dos produtos elaborados por meio

Leia mais

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás.

TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. TEMA: A Mulher no Mercado de Trabalho em Goiás. O Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, traz avanços do gênero feminino no mercado de trabalho formal. Segundo informações disponibilizadas

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC

FICHA BIBLIOGRÁFICA. Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC. Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC FICHA BIBLIOGRÁFICA Título: Perfil da Mulher Metalúrgica do ABC Autoria: Subseção DIEESE/Metalúrgicos do ABC Equipe técnica responsável: Fausto Augusto Junior; Zeíra Mara Camargo de Santana; Warley Batista

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2007 O MERCADO DE TRABALHO SOB A ÓPTICA DA RAÇA/COR Os dados da Pesquisa de Emprego e Desemprego permitem diversos tipos de detalhamento

Leia mais

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ

Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Realização: Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política da UFSC, em convênio com a Federação Nacional dos Jornalistas FENAJ Apoio: Fórum Nacional de Professores de Jornalismo FNPJ Associação Brasileira

Leia mais

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos

A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MARÇO 2013 A inserção das mulheres nos mercados de trabalho metropolitanos e a desigualdade nos rendimentos De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013

O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em 2013 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Ano 19 Nº 13 - O Emprego Doméstico na Região Metropolitana de Belo Horizonte em A partir da aprovação da Emenda Constitucional n 72,

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

3Apesar dos direitos adquiridos pelas

3Apesar dos direitos adquiridos pelas objetivo. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres mulheres ao longo do século 20, ainda há considerável desigualdade entre os gêneros no mundo. Em geral, as mulheres sofrem com a

Leia mais

Gênero e trabalho na terceira idade

Gênero e trabalho na terceira idade 97 Gênero e trabalho na terceira idade Norma Herminia Kreling* Com as transformações demográficas ocorridas nos últimos anos, o envelhecimento populacional deixa de ser um fenômeno restrito aos países

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO. Em alusão ao Dia da Consciência Negra OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em alusão ao Dia da

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA OBSERVATÓRIO RH NESC/UFRN PESQUISA INTEGRANTE DO PLANO DIRETOR 2004/2005 ROREHS/MS/OPAS DINÂMICA

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013.

Figura 2 Pirâmide etária em percentual - Goiás, 2013. PNAD 2013: Uma análise para o Estado de A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2013, realizada anualmente pelo Instituto eiro de Geografia e Estatística (IBGE), é dividida em duas partes,

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte

Avaliação Econômica. Programa Escola Integrada. Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Avaliação Econômica Programa Escola Integrada Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte Criado em 2004, o Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, da Fundação Itaú Social, atua em

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO O mercado de trabalho em 2012 Dia Nacional da Consciência Negra A rota de redução de desigualdades na RMSP O crescimento

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013

Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 SEBRAE (Org.) Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Anuário das Mulheres Empreendedoras e Trabalhadoras em Micro e Pequenas Empresas 2013 São Paulo, 2013 SEBRAE (Org.) S492a Anuário

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ESPECIAL NEGROS Novembro de 2008 NOVEMBRO de 2008 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA RMBH EM 2007 Na Região Metropolitana de Belo Horizonte

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013

Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em 2013 EMPREGO DOMÉSTICO NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE ABRIL 2014 Emprego doméstico na Região Metropolitana de Porto Alegre em Em, diminuiu o número de empregadas domésticas na

Leia mais

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente

Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores. Marco Antonio Rossi Presidente Perspectivas & Oportunidades do Mercado Segurador frente aos Novos Consumidores Marco Antonio Rossi Presidente AGENDA I O Universo dos Novos Consumidores 2 O Mundo do Seguros 3- Perspectivas e Oportunidades

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Elas trabalham mais e ganham menos

Elas trabalham mais e ganham menos Estudo Elas trabalham mais e ganham menos Relatório da OIT mostra que, no período de um ano, as mulheres trabalham dez dias a mais que os homens Lídia Borges e Karina Ribeiro 20 de julho de 2012 (sexta-feira)

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE CURITIBA Relatório Especial sobre a Mulher no Mercado de Trabalho de Curitiba-PR Contrato de Prestação de Serviços Nº. 17731/2007 - PMC / DIEESE MARÇO DE 2010 EXPEDIENTE DA

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS INEP Alunos apontam melhorias na graduação Aumenta grau de formação dos professores e estudantes mostram que cursos possibilitam

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Venda Nova 1 Prezado Lojista, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que impõe

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa

DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa São Paulo, 05 de dezembro de 2011 NOTA À IMPRENSA DIEESE e SEBRAE lançam Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa O aumento no número de estabelecimentos de micro e pequenas empresas no Brasil, bem

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A MULHER NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS MARÇO 2008 Especial - Abril 2011 AS CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DOMÉSTICO REMUNERADO NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS Em homenagem ao Dia Nacional

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

MULHER NO MERCADO DE TRABALHO MULHER NO MERCADO DE TRABALHO Tâmara Freitas Barros A mulher continua a ser discriminada no mercado de trabalho. Foi o que 53,2% dos moradores da Grande Vitória afirmaram em recente pesquisa da Futura,

Leia mais

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade?

Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Aumento da participação de mulheres no mercado de trabalho: mudança ou reprodução da desigualdade? Natália de Oliveira Fontoura * Roberto Gonzalez ** A taxa de participação mede a relação entre a população

Leia mais

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual

Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Gênero e Pobreza no Brasil: contexto atual Hildete Pereira de Melo Economia/UFF Projeto SPM/CEPAL Caracterização do tema Gênero: visão diferenciada dos papéis de mulheres e homens na vida econômica e social.

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas

OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas OS EGRESSOS DO BOLSA FAMÍLIA NO MARANHÃO: dimensionamento e impacto sobre suas famílias e suas vidas Profa. Dra. Maria Ozanira da Silva e Silva, GAEPP/UFMA Seminário de Intercâmbio de pesquisas em Políticas

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

o Mercado de Trabalho Formal

o Mercado de Trabalho Formal 2 mercado dinâmico e em evolução O Sindicato de Engenheiros no Estado de Minas Gerais (Senge-MG) reapresenta sua Cartilha do Mercado de Trabalho, contemplando agora os anos de 2011 e 2012. A cartilha tem

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral

GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral GT Grupo de Estudos e Pesquisas em Espaço. Trabalho, Inovação e Sustentabilidade. Modalidade da apresentação: Comunicação oral Emprego Doméstico: Evolução ou Precarização? (2004-2014) Resumo: O presente

Leia mais

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples.

Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Perfil Sócio-Demográfico da Regional Centro - Sul Prezado Associado, Entender os fatores que determinam o sucesso ou o fracasso de uma empresa não é tarefa simples. Além da concorrência assustadora que

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1

Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Principais tendências do mercado de trabalho da região metropolitana de Curitiba RMC 2003 a 2007 1 Eron José Maranho 2 À luz de alguns indicadores gerados pela Pesquisa Mensal de Emprego PME para o período

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

A nova resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para estatísticas de trabalho, ocupação e subutilização da mão de obra.

A nova resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para estatísticas de trabalho, ocupação e subutilização da mão de obra. A nova resolução da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para estatísticas de trabalho, ocupação e subutilização da mão de obra São Paulo 10 de janeiro de 2014 O contexto e a motivação Resumo da

Leia mais

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015

OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2015 OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS E m comemoração ao 20 de novembro, consagrado como o Dia da Consciência Negra, o DIEESE

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra

O mercado de trabalho no biênio 2011-2012. Dia Nacional da Consciência Negra PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2013 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC O mercado de trabalho no biênio 2011-2012 Dia Nacional da Consciência Negra 1. Compreende

Leia mais

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres

Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FORTALEZA MARÇO - 2014 Arrefecimento do mercado de trabalho penalizou mais as mulheres O mercado de trabalho metropolitano de Fortaleza,

Leia mais

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011)

Redução do Trabalho Infantil e Suas Repercussões no Ceará (2001-2011) Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable

Previdência Privada no Mercado Brasileiro. Nobody s Unpredictable Previdência Privada no Mercado Brasileiro Nobody s Unpredictable Objetivos e Características 2 Objetivos e metodologia Metodologia Quantitativa, por meio de pesquisa amostral com questionário estruturado

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais