MPE INDICADORES Pequenos Negócios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPE INDICADORES Pequenos Negócios"

Transcrição

1 MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

2 Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta anual de R$ 60 mil a R$ 360 mil PEQUENA EMPRESA Receita bruta anual de R$ 360 mil a R$ 3,6 milhões De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei nº 123/2006) 2

3 Micro e pequenas empresas na economia brasileira MPE Indicadores 99% do total de empresas no País 25% do PIB 52% do saldo de empregos formais 70% das novas vagas geradas por mês 40% da massa salarial 1% das exportações 3

4 Distribuição geográfica dos pequenos negócios MPE Indicadores 4

5 Divisão por setores dos pequenos negócios MPE Indicadores DIVISÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS POR SETORES: Indústria 15% Construção Civil 5% Comércio 49% Serviços 31% (fonte: Receita Federal) 1 em cada 2 empresas de MPE estão no comércio 5

6 Projeção de crescimento MPE Indicadores MPE+MEI MEI Fonte: Sebrae a partir de dados da Receita Federal 6

7 Perfil do Empreendedor Pequenos Negócios no Brasil 7

8 27 milhões de empreendedores Perfil do Empreendedor 1 em cada 4 brasileiros têm um negócio próprio ou estão envolvidos na criação de sua empresa 27% da população adulta do Brasil 3º país em número de empreendedores 27 milhões superior à população de 135 países 1º China 373,5 milhões 2º Estados Unidos 41,3 milhões 3º BRASIL 27 milhões 7º Japão º Argentina º Alemanha º Reino Unido º Espanha º Uruguai º França Fonte: Pesquisa GEM Global Entrepreneurship Monitor (Sebrae/IBQP) 8

9 15 milhões de pessoas em novos negócios Perfil do Empreendedor Estabelecidos 45% Nascentes 15% Tempo de atividade Estimativa Iniciais Nascentes: até 3 meses Novos: 3 meses a 3 anos e meio 4 milhões 11 milhões Novos 40% Estabelecidos Mais de 3 anos e meio TOTAL 12 milhões 27 milhões 55% Iniciais Fonte: Pesquisa GEM Global Entrepreneurship Monitor (Sebrae/IBQP) 9

10 Empreendedor brasileiro é da classe C Perfil do Empreendedor CLASSES 55,2% Idade Média 39 anos FAIXA ETÁRIA Empreendedores 48,7% 37,5% 28,8% 22,4% 7,3% AB C DE Até 30 anos 31 a 49 anos 50 anos ou mais Fonte: Sebrae/Data Popular 10

11 Empregos e Salários Pequenos Negócios no Brasil 11

12 Empregos nas micro e pequenas empresas Empregos e Salários 52% dos empregos formais no país 40% da massa salarial 9 milhões 9,5 9,8 10, ,6 12, ,6 14,7 milhões

13 Salários crescem mais nas MPE Empregos e Salários Aumento real de salários 3 vezes superior ao das empresas de maior porte Porte Ano 2000 Ano 2010 Variação Acumulada Micro e pequenas R$ 961 R$ ,4% Médias e grandes R$ R$ ,4% Valores em 31/dezembro, já descontada a inflação - INPC/IBGE Queda da diferença: de 43,8% para 38,4% na média salarial dos segmentos 13

14 Simples Outras empresas Empregos e salários crescem mais entre optantes do Simples Empregos e Salários 8,9% 7,2% EMPREGOS 7,4% 11,1% 6,6% SALÁRIOS 10,0% 9,6% 9,4% 8,4% 8,7% 7,3% 3,7%

15 Taxa de Sobrevivência Pequenos Negócios no Brasil 15

16 2 primeiros anos até dezembro / 2008 Taxa de Sobrevivência 76,4% 73,1% 71,7% BRASIL Há 10 anos: 50% Atualmente: 73% 69,1% 68,3% 66,0% Sudeste BRASIL Sul Nordeste Centro-Oeste Norte 16

17 Ambiente Legal Pequenos Negócios no Brasil 17

18 Evolução da legislação Ambiente Legal 2006 Lei Geral da Micro e Pequena Empresa 2007 Super 2009 Simples Micro Empreendedor Individual Redução de 40% dos impostos, em média 2011 Atualização dos limites de faturamento do Simples 18

19 Arrecadação do supersimples Ambiente Legal União Estados Municípios TOTAL 2007 seis meses R$ 6,04 bilhões R$ 1,78 bilhões R$ 541 milhões R$ 8,38 bilhões 2012 R$ 35,2 bilhões R$ 7,5 bilhões R$ 3,8 bilhões R$ 46,5 bilhões Acumulado desde 2007 R$ 137,4 Bilhões R$ 32,5 bilhões R$ 13,6 bilhões R$ 183,5 bilhões 19

20 Compras Governamentais Governo Federal Ambiente Legal R$ 2 bilhões R$ 15,2 bilhões % de participação das Micro e Pequenas Empresas 30% de participação das Micro e Pequenas Empresas 20

21 Perfil do MEI Pequenos Negócios no Brasil 21

22 Quem é o microempreendedor individual (MEI)? Perfil do MEI * Categoria criada em julho de Fruto da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa * Fatura em média R$ 5 mil/mês (no máximo R$ 60 mil/ano) * Paga carga reduzida de impostos: R$ 31 a R$ 37/mês (5% do salário mínimo + ICMS + ISS) DIREITOS DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Aposentadoria Auxílio-doença Licença-maternidade e outros CIDADANIA EMPRESARIAL CNPJ Emissão de Nota Fiscal Crédito para Pessoa Jurídica etc. 22

23 Características do MEI Perfil do MEI Homens e mulheres Têm entre 25 e 39 anos Ensino médio ou técnico completo Vivem no Sudeste Trabalham em casa Trabalham com serviços e comércio Não possuem outra fonte de renda Se formalizaram para ter CNPJ e nota fiscal Recomendam a formalização Pretendem crescer e faturar mais de R$ 60 mil/ano 23

24 Principais atividades Destaque para setor de Serviços Grande participação de Mulheres Perfil do MEI Atividades Nº % do total Mulheres 1º Venda de roupas 214 mil 10,4% 75% 2º Cabeleireiros 151 mil 7,3% 77% 3º Obras de alvenaria 62 mil 3,0% 3% 4º Lanchonetes 59 mil 2,9% 56% 5º Minimercados, mercearias e armazéns 54 mil 2,6% 47% Fonte: Sebrae a partir de dados da Receita Federal 24

25 Ter empresa formal é principal motivo para registro como MEI Perfil do MEI 2012 Ter uma empresa formal 42% Benefícios do INSS 31% Emitir nota fiscal 11% Crescer mais como empresa 8% Benefícios do registro formal 69% Benefícios do INSS 31% Facilidade de abrir a empresa Conseguir empréstimo como empresa Vender para outras empresas 2% 1% 6% Fonte: Sebrae 25

26 MEI: impacto após formalização Perfil do MEI Aumentou Faturamento Melhorou Controle Financeiro Ampliou Investimentos 55% 52% 54% Fonte: Sebrae 26

27 Índice de Confiança dos Pequenos Negócios (ICPN) Pequenos Negócios no Brasil 27

28 Índice de confiança das micro e pequenas empresas Índice de Confiança dos Pequenos Negócios ICPN: Pesquisa nacional sobre faturamento e ocupação nos pequenos negócios SITUAÇÃO FATURAMENTO no mês, comparado ao anterior? PESSOAS OCUPADAS no mês, comparado ao anterior? EXPECTATIVA FATURAMENTO nos PRÓXIMOS 3 MESES, comparado com os últimos 3 meses? PESSOAS OCUPADAS nos PRÓXIMOS 3 MESES, comparado ao nível atual? O ICPN varia de 0 a 200, sendo que acima de 100 indica uma tendência de expansão das atividades e abaixo de 100 indica retração. 28

29 Índice de confiança dos pequenos negócios no Brasil Índice de Confiança dos Pequenos Negócios abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 Fonte: Sebrae/FIPE 29

30 Encadeamento Produtivo Pequenos Negócios no Brasil 30

31 Benefícios para pequenos negócios Melhorar articulação entre as cadeias produtivas Encadeamento Produtivo COMPETITIVIDADE fortalecida das pequenas empresas INOVAÇÃO e incentivo para expansão dos fornecedores locais DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL nas regiões que abrigam pequenos empreendimentos CRESCIMENTO nas economias locais MAIS EMPREGOS as MPE são as maiores geradoras de trabalhadores formalizados no Brasil PRODUTIVIDADE aprimoramento dos processos 31

32 Benefícios para as grandes empresas Melhorar articulação entre as cadeias produtivas Encadeamento Produtivo MELHORES PREÇOS garantidos pela maior competitividade do fornecedor FLEXIBILIDADE E AGILIDADE garantidos pela maior competitividade do fornecedor VISIBILIDADE nacional do ponto de vista da sustentabilidade econômica, social e ambiental REDUÇÃO DE CUSTOS de transportes e de logística OTIMIZAÇÃO de investimentos para o desenvolvimento da base fornecedora AUMENTO do potencial de inovação 32

33 Parcerias atuais de encadeamento produtivo Encadeamento Produtivo Projeto Serralheiros Portfólio com 101 projetos empresas beneficiadas Investimento R$ 109 milhões Estimativa de negócios R$ 3 bilhões 33

99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA

99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil

MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013

Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae. Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do Sistema Sebrae SEBRAE 2022 Pio Cortizo Unidade de Gestão Estratégica Sebrae Nacional Milão, 15 de julho de 2013 Programa de Desenvolvimento de Lideranças do

Leia mais

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA

REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA REUNIÓN DEL COMITÉ TÉCNICO DE ALIDE PARA EL FINANCIAMIENTO DE LA MIPYME RURAL Y URBANA ENCADENAMIENTO PRODUCTIVO Estrategia de Actuación para el sistema SEBRAE Paulo Alvim Gerente, Unidad de Acceso a Mercados

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Luiz Barretto - Presidente ENCADEAMENTO PRODUTIVO Luiz Barretto - Presidente MISSÃO DO SEBRAE Promover a competividade e o desenvolvimento sustentável dos pequenos negócios e fomentar o empreendedorismo para fortalecer a economia

Leia mais

MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA E PERNAMBUCANA

MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA E PERNAMBUCANA MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA E PERNAMBUCANA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta anual

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA DE VALOR APRESENTAÇÃO O

Leia mais

Resultados de novembro

Resultados de novembro Em novembro de sobre novembro de 2015, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 2,9% no faturamento, descontando a inflação. Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

Resultados de novembro

Resultados de novembro Resultados de novembro Em novembro de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 15,9% no faturamento real sobre novembro de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período,

Leia mais

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos

produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos micro e pequenos empreendimentos Formalização recente em pequenas unidades de 1. Contexto geral 2. Ciclos da formalização produção no Brasil 3. Panorama da formalização nas MPE s 4. Políticas públicas de formalização para o segmento dos

Leia mais

Resultados de fevereiro

Resultados de fevereiro Em fevereiro de sobre fevereiro de 2016, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 3,3% no faturamento real (descontando a inflação). O resultado de fevereiro/17 ocorreu após

Leia mais

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA GESTOR EMPRESARIAL SETOR DE SERVIÇOS GESTOR DE PROJETOS SETOR DE SERVIÇOS CURSO

Leia mais

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006)

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) REALIZAÇÕES SEBRAE BAHIA - 2015 Onde essas empresas estão Os Pequenos Negócios representam

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 99% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás Perfil do Microempreendedor Individual 2015 Sebrae Goiás Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais no Brasil; 384 Microempreendedores Individuais em Goiás; Entrevistas

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de novembro de 2012) Janeiro/13 Destaques No mês de novembro de 2012 o faturamento real das micro e pequenas empresas (MPEs) apresentou aumento

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012

abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012 abril/13 CNC -Divisão Econômica Rio de Janeiro Dezembro/2012 ÍNDICE DE CONFIANÇA DO EMPRESÁRIO DO COMÉRCIO Índice 127,6 126,9 126,5 Condições Atuais do Empresário do Comércio 102,2-1,1% -3,9% Economia

Leia mais

A Importância para o Desenvolvimento Nacional da Participação das PYMES nas Compras Públicas. Santo Domingo República Dominicana 27 de Abril de 2015

A Importância para o Desenvolvimento Nacional da Participação das PYMES nas Compras Públicas. Santo Domingo República Dominicana 27 de Abril de 2015 A Importância para o Desenvolvimento Nacional da Participação das PYMES nas Compras Públicas Santo Domingo República Dominicana 27 de Abril de 2015 SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

Leia mais

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg

Depois do pesadelo. Luís Paulo Rosenberg Depois do pesadelo Luís Paulo Rosenberg 25.11.2008 O Velho Mundo Valor de mercado dos bancos minguando 300 250 200 150 100 50 0 255 36,5 216 115 165 140 116 116 100 43 61 44 Citigroup Bank of America JP

Leia mais

Ambiente econômico nacional e internacional

Ambiente econômico nacional e internacional Ambiente econômico nacional e internacional Apresentação para elaboração do documento referencial 2015-19 no Ministério do Turismo Manoel Pires - MF Cenário internacional O mundo se recupera da crise,

Leia mais

EMPREENDEDORES EMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Funk FORMALIZADOS 11 LOCAL: RIO DE JANEIRO

EMPREENDEDORES EMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Funk FORMALIZADOS 11 LOCAL: RIO DE JANEIRO ANO PROGRAMA 20 11 LOCAL: RIO DE JANEIRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDORES do Funk FORMALIZADOS 1. 2. 3. O que é o Empreendedor Individual? O Empreendedor Individual é a pessoa que trabalha por conta

Leia mais

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil.

Audiência Pública. Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal. Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil. Audiência Pública Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil Abril de 2013 Sumário executivo A perspectiva para o cenário externo continua

Leia mais

(resultados de dezembro de 2013) Fevereiro/14

(resultados de dezembro de 2013) Fevereiro/14 (resultados de dezembro de 2013) Fevereiro/14 Destaques Em 2013, o faturamento real das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentou aumento de 2,0% sobre 2012. Por setores, no mesmo período,

Leia mais

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016

Os sérios desafios da economia. Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 Os sérios desafios da economia Econ. Ieda Vasconcelos Reunião CIC/FIEMG Maio/2016 1 Os números da economia brasileira que o novo governo precisa enfrentar 11,089 milhões Número de desempregados no Brasil,

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Prestação de Contas - LRF Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 Prestação de Contas - LRF

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Bons negócios conectando pequenas e grandes empresas

ENCADEAMENTO PRODUTIVO. Bons negócios conectando pequenas e grandes empresas ENCADEAMENTO PRODUTIVO Bons negócios conectando pequenas e grandes empresas en ca d e a m en tos p rod u t i vos ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

CAMPANHA SALARIAL PERSPECTIVAS PARA Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios

CAMPANHA SALARIAL PERSPECTIVAS PARA Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios CAMPANHA SALARIAL PERSPECTIVAS PARA 2016 Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios Conjuntura Econômica Variação real anual do PIB (em %) Brasil, 2003 a 2016* 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0-2,0 1,1 5,8 3,2

Leia mais

EVOLUÇÃO DO EMPREGO E IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO PESADA NA ECONOMIA

EVOLUÇÃO DO EMPREGO E IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO PESADA NA ECONOMIA EVOLUÇÃO DO EMPREGO E IMPACTOS DA CONSTRUÇÃO PESADA NA ECONOMIA Base dados: Abril 2017 (RAIS/CAGED), 4º Trimestre 2016 (PNAD Contínua) Atualizados em: 17/05/2017 Sumário Executivo Emprego na construção

Leia mais

artesanato Cartilha do Empreendedor Individual

artesanato Cartilha do Empreendedor Individual artesanato Cartilha do Empreendedor Individual 1 1. 5. Bom dia, Luiza! você que é artesã já pensou em ser uma empresária? Ser empresária para quê? E, como artesã, posso me registrar? Claro, existe uma

Leia mais

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012

Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 Cenário macroeconômico e a construção civil 29/5/2012 O papel da construção no desenvolvimento sustentado Há cinco anos, o setor da construção iniciou um ciclo virtuoso de crescimento: Esse ciclo foi pavimentado

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Roteiro Distorções do Sistema Tributário 2 Carga Tributária

Leia mais

Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de O setor de serviços,

Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de O setor de serviços, Novembro de 2015 1 Na média de 2015, a economia brasileira fechou mais de 525,3 mil postos de trabalho em relação aos dez primeiros meses de 2014. O setor de serviços, contudo, continuou abrindo vagas.

Leia mais

Construção civil: balanço e perspectivas 2/12/2013

Construção civil: balanço e perspectivas 2/12/2013 Construção civil: balanço e perspectivas 2/12/2013 Balanço 2013 As expectativas eram modestas Lançamentos e vendas no mercado imobiliário voltam a crescer; Investimentos em infraestrutura crescem mais

Leia mais

(resultados de fevereiro de 2014) Abril/14

(resultados de fevereiro de 2014) Abril/14 (resultados de fevereiro de 2014) Abril/14 Destaques Em fevereiro de 2014, o faturamento real das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentou aumento de 9,7% sobre fevereiro de 2013. Por setores,

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio.

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. 2 Apresentação Milhões de brasileiros já estão aproveitando os benefícios de ser um Microempreendedor Individual.

Leia mais

(resultados de janeiro de 2014) Março/14

(resultados de janeiro de 2014) Março/14 (resultados de janeiro de 2014) Março/14 Destaques Em janeiro de 2014, o faturamento real das micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentou aumento de 12,3% sobre janeiro de 2013. Foi a segunda

Leia mais

e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Junho de 2012

e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Junho de 2012 Notícias do Comércio Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Junho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Resultados de dezembro

Resultados de dezembro Resultados de dezembro Em, as MPEs paulistas apresentaram queda de 0,6% no faturamento real sobre 2013 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento foram: indústria

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES

O m ercado de crédito e o papel do B N D ES O m ercado de crédito e o papel do B N D ES Demian Fiocca Presidente do BNDES FELABAN 13 DE NOVEMBRO DE 2006 www.bndes.gov.br 1 O CRÉDITO NA AMÉRICA LATINA A relação Crédito/PIB na América Latina é expressivamente

Leia mais

SEMINÁRIO SIMPLES NACIONAL PARA O SETOR VITIVINÍCOLA CRESCER SEM MEDO. Bento Gonçalves / RS 19 de outubro de 2017

SEMINÁRIO SIMPLES NACIONAL PARA O SETOR VITIVINÍCOLA CRESCER SEM MEDO. Bento Gonçalves / RS 19 de outubro de 2017 SEMINÁRIO SIMPLES NACIONAL PARA O SETOR VITIVINÍCOLA CRESCER SEM MEDO Bento Gonçalves / RS 19 de outubro de 2017 Limitações Burocracia e Crédito Motivos alegados pelos empreendedores para que a empresa

Leia mais

O ajuste econômico: 2016/2018

O ajuste econômico: 2016/2018 O ajuste econômico: 2016/2018 São Paulo, maio de 2016 80 70 60 50 40 30 20 2 set-93 set-94 set-95 set-96 set-97 set-98 set-99 set-00 set-01 set-02 set-03 set-04 set-05 set-06 set-07 set-08 set-09 set-10

Leia mais

GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR. Agosto/2017

GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR. Agosto/2017 GEM SÃO PAULO 2016 GLOBAL ENTREPRENEURSHIP MONITOR Agosto/2017 A pesquisa é realizada desde 1999. O Brasil passou a fazer parte do projeto GEM em 2000. 65 países em 2016-69% da população global e 84% do

Leia mais

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC

Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social. Florianópolis - SC Programa de Formalização do Micro Empreendedor Individual Sustentabilidade Social Florianópolis - SC 27 de outubro de 2014 A INFORMALIDADE NO BRASIL A INFORMALIDADE Pesquisa ECINF IBGE Pertencem ao setor

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Novembro/2017 Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2016 FOB - US$

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Abril de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro)

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL (ICPN) Fevereiro/2013 (dados até Janeiro) Características da pesquisa Objetivo: - medir o impacto da conjuntura econômica nos Pequenos Negócios e suas

Leia mais

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013

Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas. Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 Importância do Setor de P&G para Micro e Pequenas Empresas Paulínia Petróleo e Gás 2013 21 e 22 de Agosto 2013 INSTITUCIONAL VISÃO Ter excelência no desenvolvimento dos pequenos negócios, contribuindo

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA JANEIRO DE 2016 PRODUTOS MERCADO NACIONAL DE INFORMÁTICA - 2012 35% Aladi ex-argentina 1,7% exportação 34% Argentina Informática Faturamento

Leia mais

Conjuntura Econômica e o Mercado Imobiliário

Conjuntura Econômica e o Mercado Imobiliário Conjuntura Econômica e o Mercado Imobiliário Ricardo Yazbek Vice Presidente do Secovi-SP IBAPE - 16/09/2016 Economia Produto Interno Bruto do Brasil (%) 0,5% 4,4% 1,4% 3,1% 1,1% 5,8% 3,2% 4,0% 6,1% 5,1%

Leia mais

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda

A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda A economia brasileira em 2013 Guido Mantega Ministro da Fazenda Encontro Nacional dos Novos Prefeitos e Prefeitas Brasília, 30 de janeiro de 2013 1 Crescimento do PIB acelerando PIB, crescimento anual,

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Brasil Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Atualmente, no Brasil, há pelo menos três definições utilizadas para limitar o que

Leia mais

Evolução recente da indústria e importância do varejo de materiais de construção

Evolução recente da indústria e importância do varejo de materiais de construção Evolução recente da indústria e importância do varejo de materiais de construção Walter Cover (Presidente Executivo - ABRAMAT) Evento Fórum Momentos e Tendências do Varejo Brasileiro Para Materiais de

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Fevereiro/2018 Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2017 FOB - US$

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Junho de 2016 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Panorama do Setor de HPPC 2016

Panorama do Setor de HPPC 2016 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto próximo a 11,4% aa nos últimos 20 anos, tendo passado de um faturamento

Leia mais

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS

O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS O SETOR DE PRÉ-FABRICADOS Sumário BALANÇO DE 2016 SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO PERSPECTIVAS 2 Como começamos 2016 BALANÇO 2016 Inflação de preços livres se manteve

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA

PLANO DE NEGÓCIOS. Plano de Negócios Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA PLANO DE NEGÓCIOS "Plano de Negócios" Empreendedor(a): WALKYRIA NOBREGA DE OLIVIRA Março/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores 1.3 Empreendimento

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Realização Parceria Técnica Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Daniel Latorraca Ferreira daniel@imea.com.br Agenda Análise de mercado Escopo do trabalho Metodologia de composição dos clusters Resultados

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

RANCHOdo CRÉDITO RURAL. BALCÃOdoMICROCRÉDITO

RANCHOdo CRÉDITO RURAL. BALCÃOdoMICROCRÉDITO RANCHOdo CRÉDITO RURAL BALCÃOdoMICROCRÉDITO QUEM SOMOS O SEBRAE-SP é uma entidade privada e de interesse público, que apoia a abertura e expansão dos pequenos negócios e transforma a vida de milhões de

Leia mais

IBGE DIVULGA ATUALIZAÇÃO DO RETRATO DO COMÉRCIO BRASILEIRO

IBGE DIVULGA ATUALIZAÇÃO DO RETRATO DO COMÉRCIO BRASILEIRO IBGE DIVULGA ATUALIZAÇÃO DO RETRATO DO COMÉRCIO BRASILEIRO Pesquisa Anual de Comércio radiografou as principais variáveis do comércio no Brasil ao fim do ciclo de forte expansão do setor. Entre 2007 e

Leia mais

COMO FORMALIZAR SEU NEGÓCIO E OS BENEFÍCIOS DE SER UM MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

COMO FORMALIZAR SEU NEGÓCIO E OS BENEFÍCIOS DE SER UM MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDER EM ALIMENTOS E BEBIDAS VOLUME 2 COMO FORMALIZAR SEU NEGÓCIO E OS BENEFÍCIOS DE SER UM MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PROJETO DE DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA COM ATUAÇÃO

Leia mais

IAPC VALE DO PARANHANA

IAPC VALE DO PARANHANA IAPC VALE DO PARANHANA SÍNTESE DOS INDICADORES DA PESQUISA Indicador Variação de Fevereiro de 2013 em relação a Janeiro 2013 (%) Variação da produção de Fevereiro de 2013 em relação a Fevereiro de 2012

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL. Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Paulo Safady Simão - Presidente da CBIC A CÂMARA BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - CBIC FOI FUNDADA EM 1957 É A, REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação

Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação Microempreendedor Individual MEI: Constituição e Tributação Quem é o Microempreendedor Individual? É a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário. Para ser um microempreendedor

Leia mais

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014

Janeiro/ BRASIL. Análise do emprego. Brasil Janeiro/2014 Janeiro/2014 - BRASIL Análise do emprego Brasil Janeiro/2014 2014. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Junho de 2013 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação VI. Boxes 2 I. Introdução

Leia mais

SINCOR-SP 2018 JANEIRO 2018 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2018 JANEIRO 2018 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS SINCOR-SP 2018 JANEIRO 2018 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS SINCOR-SP 2018 Sumário SINCOR-SP 2018 Palavra do presidente... 4 Objetivo... 5 1. Carta de Conjuntura... 6 2. Estatísticas dos Corretores

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE MARÇO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do setor

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

TEMA : SIMPLIFICAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO. REGIONAL OESTE Ação: SALA DO EMPRESÁRIO EM CASCAVEL PR. 1.Breve caracterização municipal

TEMA : SIMPLIFICAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO. REGIONAL OESTE Ação: SALA DO EMPRESÁRIO EM CASCAVEL PR. 1.Breve caracterização municipal TEMA : SIMPLIFICAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO REGIONAL OESTE Ação: SALA DO EMPRESÁRIO EM CASCAVEL PR 1.Breve caracterização municipal Cascavel é considerado a capital do Oeste do Estado do Paraná devido a sua

Leia mais

Perspectivas para de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP

Perspectivas para de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP Perspectivas para 2007 13 de dezembro de 2006 DEPECON/FIESP Crescimento Econômico em 2005 = +2,3% CENÁRIOS O desempenho da economia em 2005 dependerá da política econômica a ser adotada. A) Redução de

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015

1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 1º semestre de 2015 Curitiba, 05 de agosto de 2015 PIB em trajetória de queda; Produção em retração; Crescimento do desemprego; Aumento dos juros; Inflação em crescimento; Retração dos investimentos; Queda

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE OUTUBRO 2014 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

Força das Micro e Pequenas Empresas CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRANSFORMANDO MERCADOS

Força das Micro e Pequenas Empresas CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRANSFORMANDO MERCADOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRANSFORMANDO MERCADOS IMPACTO DA TECNOLOGIA Fundamentos Soma de esforços Diminuição de entraves Igualdade de oportunidades para todos os 27 Polos (PDI) Multiplicação de soluções CIÊNCIA

Leia mais

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO

PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO 1 PIB DO BRASIL (VARIAÇÃO ANUAL) 1984-2014 2 2 FONTE: IBGE ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO DESAFIOS DA ECONOMIA BRASILEIRA: DEMOGRAFIA, MERCADO DE TRABALHO E AMBIENTE EXTERNO 3 3 O BAIXO DESEMPREGO NO

Leia mais

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança.

SUMÁRIO. Empresas no Simples. Inadimplência. Síntese. Inflação PIB. Crédito. Empreendedorismo. Juros. Expediente. Emprego. Confiança. Setembro/2017 < > 02 SUMÁRIO Síntese Inflação 03 05 Empresas no Simples Inadimplência 09 PIB Juros 04 06 10 Exportações Confiança Emprego 07 08 11 Crédito 15 Empreendedorismo 13 Expediente Núcleo de Inteligência

Leia mais

Workshop IBBA : Classe C

Workshop IBBA : Classe C (*) Veja última página para informações de investidor e completa listagem da equipe. Workshop IBBA : Classe C Ilan Goldfajn Economista-chefe Itaú Unibanco Roteiro Cenário internacional de ajuste de transações

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Novembro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida

O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida O Desafio do Ajuste Fiscal: onde estamos? Mansueto Almeida Checklist dos Desafios na Área Fiscal Controlar o crescimento da despesa pública;à NÃO Recuperar o superávit primário para, no mínimo, 2,5% do

Leia mais

Compras Públicas como Investimento Social

Compras Públicas como Investimento Social Compras Públicas como Investimento Social a) Importância das MPES para a Economia Brasileira Micro e pequenas empresas (MPEs) representam 99% das empresas formalizadas no Brasil, 52% dos empregos formais

Leia mais

Crescimento do empreendedorismo no Brasil.

Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia 1 Conceito Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação

Leia mais

SOBRE O MEI. EXPERIENCIA Quem supera grandes desafios tem muito a ensinar. GUIA DEFINITIVO GRADUAÇÃO TRADICIONAL DIREITO ADMINISTRAÇÃO

SOBRE O MEI. EXPERIENCIA Quem supera grandes desafios tem muito a ensinar. GUIA DEFINITIVO GRADUAÇÃO TRADICIONAL DIREITO ADMINISTRAÇÃO VESTIBULAR 2017/1 EXPERIENCIA Quem supera grandes desafios tem muito a ensinar. GUIA DEFINITIVO SOBRE O MEI 1 GRADUAÇÃO TRADICIONAL DIREITO ADMINISTRAÇÃO vestibulararnaldo.com.br 3524-5151 / 99391-1115

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/17

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/17 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL INDICADORES CONJUNTURAIS JULHO/17 RESUMO DE DESEMPENHO Julho -2017 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior mês do ano anterior

Leia mais

Balanço 2016 Perspectivas PIB e Performance do Agronegócio

Balanço 2016 Perspectivas PIB e Performance do Agronegócio PIB e Performance do Agronegócio 15 16 Balanço 2016 Perspectivas 2017 Perspectivas 2017 MESMO COM A ECONOMIA BRASILEIRA VOLTANDO PARA OS EIXOS EM 2017, O AGRONEGÓCIO NOVAMENTE DEVERÁ SER O SETOR COM MAIOR

Leia mais