Leitura: o mundo além das palavras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leitura: o mundo além das palavras"

Transcrição

1

2 Leitura: o mundo além das palavras

3

4 Leitura: o mundo além das palavras Organizadoras: Ana Gabriela Simões Borges Andressa Grilo Assagra Clarice Guterres López de Alda

5 Realização Técnica: Instituto RPC Coordenação e edição: Ana Gabriela Simões Borges, Andressa Grilo Assagra e Clarice López de Alda Produção de textos e fotografia: Brisa Teixeira Revisão de Textos: Adamastor Marques Apoio técnico: Everton Renaud e Gustavo Viana Projeto gráfico e diagramação: Sintática Comunicação L533 Leitura: o mundo além das palavras / Instituto RPC. Organizado por Ana Gabriela Simões Borges, Andressa Grilo Assagra e Clarice López de Alda. Curitiba: Instituto RPC, p. ISBN: Educação Alfabetização. 2. Leitura Práticas de leituras Ensaios. 3 Leitura Ensino Fundamental. CDD 370.7

6 Sumário Leitura e Cidadania Um país que não lê Introdução Capítulo 1 - Alfabetização e Letramento Formação do leitor aprendiz Boneco do Conhecimento Capítulo 2 - Apropriação da Leitura Crítica A crítica dos sentidos Ponte entre a escola e o mundo Capítulo 3 - Práticas de Leitura no Ensino Fundamental Por que e para que ensinar a leitura? Atualidade no currículo Capítulo 4 - Literatura Infantil e Contação de Histórias na Escola Leitura literária na escola Quando o faz de conta inspira o mundo real Capítulo 5 - Leitura Significativa e Contextualizada Produtores de significado Adolescentes Editores de Jornal Capítulo 6 - Práticas de Leitura na Comunicação e na Educação Novas referências para o saber Por um mundo menos desigual Capítulo 7 - Leituras, Literaturas e Escola Ler é atribuir sentidos Cada aula, uma novidade Capítulo 8 - Ciberleitura Ciberleitura no contexto educacional Ligados nesta arte

7 Leitura e Cidadania A Gazeta do Povo criou o Projeto Ler e Pensar, que hoje é coordenado pelo Instituto RPC, porque acredita que o jornal é um eficiente recurso para projetos didáticos criativos voltados à promoção da leitura e cidadania. Reconhecido como um dos meios de comunicação mais completos, independentes e plurais, que aprofunda e analisa informações, possui e emite opinião, o jornal, por suas características, agrega valor ao processo de ensino-aprendizagem e amplia horizontes e compreensão de mundo. Na plataforma impressa ou digital, todos os dias o jornal publica textos diversificados (reportagens, notícias, artigos, opinião etc.) sobre temas como cultura, educação, política, esportes, economia, cidadania e serviços, bem como utiliza fotos e outros recursos gráficos que o tornam atrativo e confiável. Uma fonte quase inesgotável de informação e pesquisa sobre fatos e assuntos da atualidade. Os conteúdos do jornal levam o mundo para dentro da sala de aula e estimulam a prática da reflexão, comparação, análise, síntese e conclusão. Ou seja, a leitura constante e sistemática dos conteúdos do jornal, comprovadamente, conduz o aluno a contextualizar o aprendizado escolar e a entender melhor o seu papel na sociedade. Além disso, quando incorporado às práticas pedagógicas da escola, o jornal propicia e favorece o cumprimento do propósito maior da educação, que é formar seres humanos capazes de compreender sua realidade e nela interferir de maneira positiva. 6

8 Afirmações que não são nossas, e sim dos professores que vêm desenvolvendo o Ler e Pensar ao longo dos anos. De acordo com seus relatos, o uso do jornal no ambiente escolar tem sido determinante para a formação de alunos leitores habituais, bem informados e críticos. Crianças e jovens que, com toda a certeza, estão e estarão prontos para conduzir seu destino e o futuro das suas comunidades e até da Nação. Nelson Souza Filho Diretor de Redação do Jornal Gazeta do Povo 7

9 Um país que não lê Em um século onde saber expressar-se fazer-se entender e ser entendido nos mais diferentes contextos e situações é sinônimo de sobrevivência e inclusão social. Enfrentar e combater o decrescente interesse do jovem e adolescente pela leitura é um dos maiores desafios do Brasil. Uma guerra de proporções gigantescas composta de muitas batalhas que precisam ser encaradas com urgência pela sociedade como um todo e pelas instituições de ensino de modo particular. Comunicar-se é uma habilidade adquirida e aperfeiçoada ao longo da vida. Talento que se desenvolve principalmente a partir da leitura, um testemunho oral da palavra escrita que se tornou uma atividade extremamente importante para o homem civilizado, atendendo a múltiplas finalidades. Ler, porém, é um hábito que rapidamente vem sendo substituído pela facilidade e superficialidade das informações eletrônicas, os chamados hipertextos, cada vez mais sintéticos e em linguagem cifrada. Se é sabido que ninguém consegue aperfeiçoar a habilidade de expressão e comunicação manuseando e ouvindo expressões pouco letradas, cabe à escola ambiente da educação formal ensinar e estimular a prática da leitura significativa e contexualizada. Até porque, é na escola que a sociedade deposita a responsabilidade de reverter o ciclo do analfabetismo total e funcional que vem se perpetuando no Brasil dos últimos séculos. Pesquisas publicadas em 2009 pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) e pelo Instituto Pró-Livro revelam dados no mínimo preocupantes em relação à leitura no País. Nada menos que 45% da população brasileira não leem sequer um livro por ano. E desse percentual, 53% dos pesquisados dizem simplesmente não ter inte- 8

10 resse enquanto outros 42% admitem ter dificuldade de ler. Ou seja, somos uma Nação de não leitores. Portanto, por analogia, seguindo o raciocínio inicial, somos uma nação de não comunicadores. Um país de pessoas com dificuldade para entender e se fazer entender, que, apesar de todos os avanços já atingidos, continua transitando na contramão da compreensão exigida pela sociedade contemporânea. Existem várias justificativas para o reduzido número de leitores no Brasil. Nós da Rede Paranaense de Comunicação concordamos com análise da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e acreditamos que o pouco valor simbólico atribuído aos livros; o fato de poucas famílias brasileiras terem o hábito da leitura; e ainda termos poucas escolas efetivamente investindo em programas de leitura são os fatores preponderantes para o desenho desse cenário. Sobre o primeiro fator valor simbólico do livro, temos pouca influência. Mas como grupo de comunicação temos condições de fomentar o hábito de ler entre as famílias e facilitar o desenvolvimento de programas de leitura nas escolas. Com o projeto Ler e Pensar, a RPC coloca a força da comunicação a serviço da educação, democratiza o acesso à informação e dá a sua contribuição efetiva para reverter as estatísticas que ainda classificam o brasileiro como um povo com pouca intimidade com a leitura. Mariano Lemanski Presidente do IRPC 9

11 Introdução Uma utopia possível A leitura de jornal conecta professor e aluno numa eficiente e prazerosa forma de ensinar e aprender há séculos conhecida dos filósofos gregos e orientais: usar fatos cotidianos para explicar e dar sentido ao assunto em discussão. Usar a realidade para contextualizar os conteúdos curriculares ou discutir temas de relevância social exigem a presença de mestres dispostos a inovar seus métodos de ensino em favor de níveis de excelência elevados e da formação de cidadãos críticos, leitores assíduos. Jovens e adolescentes com opinião própria, motivados ao questionar e ansiosos por aprender cada vez mais. A publicação que você tem em mãos se propõe a unir os fundamentos pedagógicos do Ler e Pensar às experiências práticas adotadas por professores em diversos níveis e contextos escolares, montando uma instigante arquitetura exploratória de possibilidades educacionais. Para conduzir e amarrar os universos da academia e da escola, facilitando o diálogo entre a perspectiva pedagógica e a relevância social, a obra foi dividida em oito capítulos: Alfabetização e Letramento, Apropriação da Leitura Crítica, Práticas de Leitura no Ensino Fundamental, Literatura Infantil e Contação de História na Escola, Leitura Significativa e Contextualizada, Práticas de Leitura na Comunicação e na Educação, Leituras e Literatura na Escola e Ciberleitura. 10

12 As oito abordagens são complementares e ao mesmo tempo independentes. Revelam possibilidades que podem ser adotadas de forma integrada ou isolada por professores de todos os níveis, sempre com resultados eficientes e eficazes. Por tudo isso, acreditamos que esta publicação seja inspiradora, e convidamos você a copiar, sem medo de plágio, cada ideia criativa aqui registrada. Afinal, elas não pertencem ao Ler e Pensar e sim a corajosos professores que, mesmo sendo de diferentes formações e enfrentando diferentes realidades, enxergam a educação como meio de transformação social e decidiram arriscar novas receitas na prática docente usando os ingredientes da confiança, estímulo à criatividade, identificação e desenvolvimento de habilidades e competências dos alunos. Uma utopia possível. Boa leitura! 11

13 Capítulo 1 Alfabetização e Letramento

14 O capítulo inicial deste livro é tido por muitos professores como um desafio sem igual: o incentivo à leitura durante o período de alfabetização. Quem encara o desafio de teorizar sobre o assunto é a professora Angela Mari Gusso, doutora em Estudos Linguísticos, ex-professora da Rede Municipal de Ensino de Curitiba e docente em cursos de graduação e pós-graduação. Pesquisadora de Aquisição da Escrita, Angela Gusso tem diversas publicações sobre o tema em anais de eventos do ramo da Linguística e em periódicos da área de ensino. A teoria apresentada no ensaio de Angela relaciona-se com a prática desenvolvida pela professora Elenice da Cruz Gonçalves, que atua na Escola Rural Municipal de Santa Bárbara de Cima, localizada no município de Palmeira. Em 2009, ela foi premiada no Concurso Cultural Ler e Pensar. Seu trabalho com jornal, aplicado a alunos em fase inicial de alfabetização, destaca-se pelo uso de elementos lúdicos, como o Boneco do Conhecimento com o qual alunos e professores aprendem juntos a cada leitura realizada. A proposta simples vem obtendo grandes resultados no âmbito da leitura e da escrita nos primeiros anos escolares. O ensaio de Angela e a prática de Elenice nos mostram que é possível incentivar a leitura antes mesmo de a criança entender o significado da sopa de letrinhas à qual começam a ter acesso. 13

15 Formação do leitor aprendiz Angela Mari Gusso Vivemos rodeados de uma grande quantidade de materiais que trazem impressas informações gráficas, muitas vezes associando linguagem verbal e imagem, com os mais diferentes propósitos. Esses materiais se fazem presentes em larga escala no nosso cotidiano e, embora, muitas vezes, não nos demos conta da presença intensa da leitura na vida diária, ela é um fato. Note-se que já no momento em que acordamos, na hora da higiene matinal, precisamos ler os frascos que estão no banheiro: shampoo, creme de enxágue, creme dental, desodorante... Na cozinha, é necessário identificar o pote onde se guarda o açúcar e o café; verificar a validade do leite, do requeijão cremoso, ler as instruções para a nova dieta que se pretende iniciar na segundafeira da semana seguinte. Ao sair para o trabalho, outras leituras são realizadas, agora para identificar a linha de ônibus, para ativar o telefone celular, e assim vai o dia inteiro. São leituras de diferentes textos, para múltiplas finalidades, em interação com múltiplos interlocutores, cada uma realizada de modo específico leitura rápida, minuciosa, silenciosa, em voz alta, mista... Os textos circulam propagados em uma gama variada de suportes: embalagens de produtos, placas, outdoors, cartazes, panfletos, tabuletas, jornais, revistas, livros, camisetas, paredes e muros, telas de computador, dentre outros. A sociedade, à medida que cria novas tecnologias, favorece possibilidades inusitadas de expressão gráfica, gerando novos gêneros textuais, transmutando outros, e, por outro lado, vai exigindo do cidadão novas capacidades leitoras. Merece destaque 14 Capítulo 1 - Alfabetização e Letramento

16 o fato de que na década de 1990 ocorreu acentuada aceleração da produção e troca de informações, devido ao fenômeno da globalização e ao advento de uma série de novas tecnologias. Uma vez que o modo de uso da língua escrita é dinâmico, o conjunto de competências e habilidades que caracterizam um leitor proficiente também precisa modificar-se, para atender a tal demanda. Foi bem diferente, por exemplo, a época em que a elite brasileira se reunia em palacetes para ouvir leitura de poemas; nesse contexto histórico o comportamento do bom leitor era a realização de leitura expressiva, com boa fluência, com entonação apropriada, para permitir aos ouvintes acompanharem o ritmo dos versos. Sem dúvida, ainda hoje se espera de alguém, ao realizar leitura oral em um evento, que o faça com boa fluência, velocidade e volume de voz compatíveis com o contexto. Por exemplo, a leitura de um discurso de formatura, voltado a um grande público, será diferente do modo de ler uma história para uma criança, na hora de ela se deitar para dormir. No entanto, há de se convir que circunstâncias como essas são eventuais. Mas há inúmeras outras situações de leitura comuns na vida cidadã e que, necessariamente, precisam ser dominadas por toda a população de uma sociedade letrada, quando se pensa em cidadania. Para uma pessoa alcançar a proficiência de leitura desejável, ela depende, nos momentos iniciais do processo de aprendizagem da leitura e da escrita, de dois requisitos: apropriação da tecnologia da escrita pelo processo da alfabetização e vivência de práticas variadas de leitura e escrita para possibilitar a apreensão dos usos e funções dessa modalidade linguística pelo processo de letramento. Na sequência, essas práticas precisam ser perseveradas, pois, por se tratar de um processo, pressupõe desenvolvimento contínuo. A partir dessas premissas, conclui-se que o percurso necessário para a formação de um leitor inicia antes da escolarização, passa por um 15

17 ensino sistematizado nos bancos escolares e se prolonga vida afora. Levando-se em conta que a constituição de leitores é um processo cujo início acontece antes do ensino formal da língua escrita, a criança que vive situações sociais nas quais a prática de leitura se faz presente está então, por meio dessa experiência, desenvolvendo o aprendizado das competências necessárias para a prática leitora. Dados empíricos revelam que no mundo contemporâneo a leitura é uma aprendizagem social, antes de ser escolar, pois seu valor social de comunicação é apreendido no convívio com os materiais escritos circulantes na vida cotidiana das famílias. Rótulos, etiquetas, letreiros de lojas, catálogos, Bíblia, receita médica ou culinária, livros, revistas, jornais são alguns exemplos de materiais comumente encontrados em nossa sociedade e que propiciam a inserção dos sujeitos no mundo da escrita. Apesar da larga produção de escritos, não se pode ignorar que são bastante desiguais os modos como as crianças pertencentes aos diferentes grupos sociais vivem práticas que as beneficiam como ouvintes e, posteriormente, como autoras dos atos de leitura. A criança que vive nos meios onde se faz uso constante da leitura tem condições distintas daquela cujo ambiente social está pouco vinculado à escrita, isso é, onde essa modalidade de linguagem está funcionalmente ausente. E, sem dúvidas, a desigualdade de oportunidades gera impacto na formação de leitores, haja vista os grupos sociais construírem suas experiências afetivas e sociais com a leitura de modos particulares. Assim, sabendo-se dessa inter-relação, assume caráter fundamental, já no início da escolarização, proporcionar às crianças, cujo acesso à escrita é restrito, experiências que lhes permitam avaliar o valor social conferido a essa modalidade de linguagem. Também a leitura do leitor experiente está vinculada a dados culturais. Quando lemos, para conseguir produzir sentidos para um texto em questão, precisamos das leituras anteriores. Os sentidos dos textos 16 Capítulo 1 - Alfabetização e Letramento

18 advêm daquilo que foi lido antes dele, da bagagem cultural, dos valores sociais vigentes na época. Portanto, um texto é sempre complementado pelo leitor, que interage produtivamente com ele para a produção de sentidos; para essa interação, lança mão de conhecimentos prévios e estratégias cognitivas relevantes (em especial, a antecipação de conteúdo e realização de inferências), associando-as às pistas e sinalizações deixadas pelo autor. Pesquisas recentes têm indicado que a familiaridade com materiais escritos é antes uma condição para o êxito no acesso ao mundo da escrita, do que uma consequência dessa experiência. Através das leituras que ouve, a criança começa a perceber que a modalidade escrita difere do oral usado no cotidiano, em diversos aspectos: organização do texto, vocabulário, construção das frases. Por exemplo, um conto de fadas não tem a mesma estrutura do bate-papo; o vocabulário usado nas conversas familiares é diferente do empregado em uma instrução de jogo; há algumas estruturas sintáticas próprias da escrita, praticamente não usadas na fala, que, por meio da escuta de textos lidos pelo outro, vão sendo incorporadas e, posteriormente, quando já se tornarem familiares, passarão a ser empregadas nos escritos. Além disso, no manuseio de materiais impressos, na simples exploração incidental de uma página qualquer, a visão percebe os espaços em branco entre as palavras, bem como os demais recursos gráficos que se somam às letras, tais como os acentos e os sinais de pontuação, facultando, intuitivamente, a apreensão de certas características do sistema de escrita. O fato de atualmente estar assegurado a todos os brasileiros o acesso à escola aos 6 anos pode e deve ser aproveitado por essa instituição para dar prosseguimento ao processo de inserção da criança na cultura escrita, a partir do estágio em que ela se encontrar quando do seu ingresso. No ambiente escolar, ao contrário das experiências proporcionadas por outras esferas sociais, esse processo deverá ser 17

19 sistematizado, com base em um planejamento que contemple princípios linguísticos, psicológicos e pedagógicos, sob pena de não lograr o êxito almejado. O grande desafio da educação linguística (área de conhecimento que engloba oralidade, leitura e escrita) é permitir a desmistificação do letramento. O mundo letrado deve ser algo real para que a criança possa ir, gradativamente, ampliando sua condição de acesso e usufruto dos bens culturais atrelados à escrita. Para tanto, não basta que as pessoas, sejam crianças ou adultos, tenham acesso à tecnologia da escrita, isso é, à apropriação do conjunto de técnicas dessa modalidade linguística: conhecer o alfabeto e desenvolver habilidades para codificar fonemas em grafemas, decodificar grafemas em fonemas, bem como manipular os materiais usados (lápis, caderno, borracha, livros didáticos, computador). Apesar de esse domínio ser requisito indispensável, ele não é suficiente, uma vez que permite ao sujeito tornar-se alfabetizado, mas não lhe confere a condição de quem sabe ler e escrever e pratica de modo competente a leitura e escrita na vida cidadã. Alfabetização é um termo que, atualmente, está associado ao processo individual de habilidades requeridas para leitura e escrita que ocorre nos anos iniciais de escolarização. Já letramento refere-se aos aspectos sociais da apropriação da escrita, ao valor conferido a ela nos mais variados contextos sociais e áreas do conhecimento; a condição de letrado dos sujeitos é, dialeticamente, causa e consequência de transformações sócio-históricas. Foi no início deste século que o contexto educacional incorporou o termo e passou-se, então, a falar em letramento escolar. Com isso, a escola começou a se dar conta de que mais do que responsável pelo ensino e aprendizagem da técnica de escrita, a ela cabe também possibilitar as condições para que o sujeito desenvolva as competências requeridas para usar leitura e escrita nas práticas sociais, respondendo adequa- 18 Capítulo 1 - Alfabetização e Letramento

20 damente às demandas sociais do ler e escrever. Apesar disso, convém não esquecer de que a escola não é a única responsável pela promoção do letramento, pois outras esferas sociais (família, igreja, ambientes de trabalho e de lazer etc.) também possibilitam a promoção dessa condição aos seus respectivos grupos, porém, informalmente. Uma vez que as demandas dos indivíduos e dos grupos sociais dos quais eles fazem parte são variadas e que as condições históricas e de estágio de desenvolvimento dos grupos também são diferenciadas, há de se falar em letramentos, no plural, pois as formas de leitura, escrita e uso da linguagem em geral são heterogêneas, variam no tempo e no espaço. Quando se fala em letramentos, portanto, leva-se em conta a linguagem verbal em sua totalidade ouvir, falar, ler e escrever, e as demais linguagens. Além disso, diz respeito, ainda, ao domínio dos mais diversos instrumentos tecnológicos, ou seja, estende o uso do lápis e papel, em decorrência do surgimento e ampliação das tecnologias digitais que exerceram impacto sobre as condições de produzir e circular textos na sociedade, bem como no modo de ler os novos gêneros textuais delas decorrentes. Um exemplo é o infográfico, gênero textual recente, mas que ganhou largo uso nos jornais e revistas (são quadros informativos que misturam texto e ilustração para divulgar uma informação visualmente). Se, por um lado, esse gênero surgiu graças aos recursos tecnológicos e exigências atuais de inovação na comunicação, por outro, impôs ao seu público-alvo um novo comportamento enquanto leitor. Nele, a leitura não precisa, necessariamente, ser realizada no sentido vertical, da esquerda para a direita; como são várias as possibilidades de organizar as informações, a sequência dos quadros não é imposta de modo rígido, tal como exige a sequência cronológica das histórias em quadrinhos, por exemplo. Ele se caracteriza por facultar ao leitor maior liberdade do que a permitida pelos textos informativos exclusivamente verbais. 19

21 Como as formas e os recursos de escrita vêm se modificando e determinando inusitadas condições ao ato de ler e escrever, as pesquisas relativas a essa área também têm se multiplicado. A produção científica sobre os temas da alfabetização, letramento e ensino de língua materna tem trazido, nas últimas três décadas, um conjunto de saberes solidamente estabelecido a respeito da natureza, função e usos tanto da linguagem oral, como da escrita. Esses conhecimentos teóricos permitem ao professor criar estratégias de ação mais adequadas, mais produtivas para alavancar a competência socioverbal dos alunos, em todos os níveis de escolaridade. A título de exemplo, pode-se mencionar a contribuição trazida pelos estudos referentes à questão dos gêneros textuais ou gêneros discursivos, dependendo da vertente dos estudos sobre texto. Pesquisadores dessa área contribuíram significativamente para desmistificar a ideia de que há uma capacidade geral para a leitura, isso é, de que o leitor que lê satisfatoriamente um determinado gênero textual terá esse mesmo desempenho diante de todos os textos, sejam quais forem os gêneros ou esferas sociais a que eles pertencerem. Estudos comprovam que a capacidade de compreensão não é transferível através dos gêneros, ou seja, ter proficiência na leitura de contos ou crônicas, por exemplo, não assegura domínio dos requisitos necessários para ler textos didáticos, poemas, propagandas ou outros. Cada gênero exige estratégias diferentes, que só são apreendidas no contato sistemático com ele. As particularidades dos gêneros textuais se justificam pelo fato de eles serem forjados historicamente, de acordo com a necessidade dos grupos sociais e de suas respectivas práticas de letramento que envolvem leitura e escrita. Cada gênero emerge em uma dada esfera social (acadêmica, jornalística, jurídica, religiosa etc.) para atender às necessidades e atividades socioculturais particulares, portanto seus propósitos são distintos informar, opinar, divertir, instruir etc. logo, 20 Capítulo 1 - Alfabetização e Letramento

22 sua estrutura composicional, conteúdo temático e estilo, necessariamente, serão diferenciados. Sendo assim, por natureza, os gêneros são dinâmicos e alteram-se, principalmente, como consequência das inovações tecnológicas; nesse sentido, pode-se postular que nenhum leitor atingirá o grau máximo de letramento (qual será ele?), pois sempre haverá novos desafios, mesmo para leitores proficientes. Em função disso, todas as propostas de renovação de língua materna têm insistido na importância de a escola ficar alerta para a necessidade de, desde os anos iniciais, trabalhar com gêneros variados, trazendo para as aulas de todas as áreas do conhecimento os textos que circulam nas diferentes esferas da sociedade, evidentemente, respeitando o nível de experiência dos leitores. Por exemplo, o jornal é um suporte que pode ser usado desde os anos iniciais, porém sempre se levando em conta tanto na escolha do assunto como na do gênero a competência leitora do estudante. Assim, para crianças de níveis escolares mais avançados, notícias, anúncios, entrevistas, agenda cultural, reportagens, entre outros, se constituem em materiais interessantes para serem explorados pelas diversas áreas de conhecimento; já para iniciantes em leitura, são mais acessíveis, por exemplo, as legendas de fotos, manchetes, notas jornalísticas, além de cartas e s publicados no suplemento infantil. Quando se trata de pensar em modos de promover práticas de letramento nos momentos iniciais de escolarização, vale lembrar dos textos que exploram a sonoridade das palavras, tais como parlendas, poemas, quadrinhas, trava-línguas, textos não verbais (placas, logomarcas, tiras), gêneros que associam linguagem verbal e não verbal (histórias em quadrinho, cartas enigmáticas, propagandas, legendas de fotos jornalísticas), além de textos informativos publicados em revistas, jornais, enciclopédias e sites destinados ao público infantil, textos de circulação na esfera cotidiana (bilhetes, rótulos, convites, receitas, provérbios, anedotas, avisos, letras de músicas), entre outros. 21

23 Na exploração desses materiais, paralelamente, o professor promoverá atividades para a criança ir se apropriando do sistema convencional de escrita e desenvolvendo habilidades de uso desse sistema em atividades de leitura e escrita, nas práticas sociais. O trabalho com o sistema de escrita carece de abordagem sistemática, explícita e direta, pois é um conhecimento que, para ser construído pelo aprendiz de escrita, depende da mediação do professor. Sem essa condição, o percurso será muito mais lento e difícil, o que para alguns alunos tornase desanimador a ponto de julgarem-se incapazes de se apropriarem desse bem cultural. O sistema de escrita usado em nossa sociedade é alfabético e ortográfico, do que decorre seu caráter convencional e arbitrário; em função disso, naturalmente, sua apropriação se caracteriza por uma relativa complexidade. Para a escola favorecer o alcance do domínio sobre seu funcionamento, é importante diversificar os estímulos, com a exploração de situações que promovam a ação e a busca intelectual das crianças. Brincadeiras coletivas ou em pequenos grupos com palavras que rimam e que iniciam com o mesmo som, realização de jogos contemplando sílabas, letras, palavras (bingo, boliche, baralho, dominó, quebra-cabeças) constituem recursos valiosos para o desenvolvimento da consciência fonológica (capacidade para focalizar os sons da fala), para identificação das letras e percepção da relação entre fonemas e grafemas. Atividades dessa natureza substituem com indiscutível supremacia os exercícios mecânicos, de mera repetição de letras, sílabas, palavras e frases, tradicionalmente usados pelos métodos cartilhescos. Vale, porém, insistir que só o trabalho com o sistema de escrita será insuficiente para a formação de leitores. É indispensável que a alfabetização se caracterize na perspectiva do letramento para que mais cedo, e de forma mais eficaz, as crianças aprendam a ler e a escrever, porém compreendendo o que leem e produzindo textos para finalidades diversas, em situações de usos reais da escrita na sociedade. 22 Capítulo 1 - Alfabetização e Letramento

24 Para saber mais Alfabetização e linguagem. Pró-letramento. Disponível em: www. portal.mec.gov.br/ COSTA, Marta Moraes da. Sempreviva, a leitura. Curitiba: Aymará, KLEIMAN, Angela. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Disponível em: REGO, Lúcia Browne. Descobrindo a língua escrita antes de aprender a ler. Em: Kato, Mary Aysawa. A concepção da escrita pela criança. Campinas, SP: Pontes, ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, br/portal/ 23

25 Boneco do Conhecimento Professora: Elenice da Cruz Gonçalves Instituição: Escola Rural Municipal Santa Bárbara de Cima Cidade: Palmeira

26 Bem aventurado é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Quem acredita que o jornal é um suporte pedagógico útil apenas nas séries finais do Ensino Fundamental precisa conhecer o trabalho da professora Elenice da Cruz Gonçalves com alunos do primeiro ano. Atuando na Escola Rural Municipal Santa Bárbara de Cima, no município de Palmeira, Elenice criou um método simples e lúdico de trabalhar com o jornal e fazer com que seus alunos pudessem compreender, na prática, a importância da leitura como fonte de conhecimento. A atividade que consiste na leitura diária de uma notícia publicada no jornal, seguida de um momento de conversação no qual os alunos são estimulados a opinar sobre o texto lido fez com que todos pudessem tirar dúvidas, aprender juntos e refletir sobre notícias importantes que já tinham tido contato pela televisão ou rádio. Ao final de cada atividade, os alunos têm o direito de regar a cabeça do Boneco do Conhecimento, um brinquedo ecológico confeccionado pelas próprias crianças que, quando molhado, fazia brotar as sementes colocadas em seu interior. A leitura e a conversação foram acompanhadas por mudanças no boneco, que inicialmente era careca e passou a ter cabelos verdes. Usei o Boneco para fazer uma analogia entre o crescimento das plantas e o do conhecimento das pessoas. Disse aos alunos que, assim como as plantas precisam de água para brotar e crescer, o conhecimento precisa da leitura e da informação para se desenvolver. Cada leitura que fazemos é como se estivéssemos regando o nosso conhecimento. Ele vai crescendo, fazendo com que fiquemos diferentes, mais espertos, mais informados e mais bonitos, assegura Elenice. 25

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18).

1ª a 5ª série. (Pró-Letramento, fascículo 1 Capacidades Linguísticas: Alfabetização e Letramento, pág.18). SUGESTÕES PARA O APROVEITAMENTO DO JORNAL ESCOLAR EM SALA DE AULA 1ª a 5ª série A cultura escrita diz respeito às ações, valores, procedimentos e instrumentos que constituem o mundo letrado. Esse processo

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA

QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA CONSTRUÇÃO A PARTIR DO PROCESSO DE LEITURA E ESCRITA Camila Escarlety Costa 1, Jaciara Serafim De Souza 2, Lídia Thaislene Dos Santos 3, Nora Lucia Corrêa 4. 1 Universidade

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade III ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Aula anterior O fim das cartilhas em sala de aula; Comunicação e linguagem; Sondagem da escrita infantil; Ao desenhar, a criança escreve;

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

Educação Infantil, que espaço é este?

Educação Infantil, que espaço é este? Educação Infantil, que espaço é este? O material do sistema de ensino Aprende Brasil de Educação Infantil foi elaborado a fim de oferecer subsídios para reflexões, informações e sugestões que auxiliem

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p.

RESENHA/REVIEW. ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. RESENHA/REVIEW ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009. 128 p. Resenhado por/by: Acir Mario KARWOSKI (Universidade Federal do Triângulo Mineiro)

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez.

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. PROJETO DE LEITURA E ESCRITA Era uma vez... E conte outra vez. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO TEMA; PROJETO DE LEITURA E ESCRITA. Era uma vez... E conte outra vez. INSTITUIÇÃO Escola Estadual Lino Villachá

Leia mais

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Vera Masagão Ribeiro 1 A definição sobre o que é analfabetismo vem sofrendo revisões nas últimas décadas. Em 1958, a Unesco definia como alfabetizada uma

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL. A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades: OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL V - 2012 A prática da educação infantil deve se organizar de modo que as crianças desenvolvam as seguintes capacidades:

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Secretaria da Educação Coordenadoria de Cooperação com os Municípios PROGRAMA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA PAIC Caro (a) professor (a), ORIENTAÇÕES DIDÁTICAS PARA O 2º ANO Cientes

Leia mais

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1

CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONHECIMENTOS E CAPACIDADES ENVOLVIDOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA

LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA LETRAMENTO DIGITAL: REFLEXÕES SOBRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NA CIBERCULTURA INTRODUÇÃO Silvane Santos Souza(UNEB/Lusófona) No contexto atual em que a educação encontra-se inserida, surgem muitas inquietações

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola

APRENDER A ESCREVER. Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola http://luizsoaresdecassia.blogspot.com.br APRENDER A ESCREVER Como ajudar as crianças a se alfabetizar no início da vida escola Todos os anos, milhares de meninos e meninas do ensino fundamental de todo

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I

NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I NOME DO PROJETO PROJETO MERGULHANDO NA LEITURA 2013 PÚBLICO ALVO Educação Infantil e Ensino Fundamental I OBJETIVOS GERAIS: Promover o hábito da leitura entre os alunos; Proporcionar ao aluno o prazer

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento

Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Formas de organização do trabalho de alfabetização e letramento Isabel Cristina Alves da Silva Frade(1) Introdução Como realizar um planejamento de trabalho de alfabetização e letramento com crianças de

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS.

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: UMA ANÁLISE ACERCA DOS CONCEITOS. Gersivalda Mendonça da Mota (Universidade Tiradentes) historiagerssyn@hotmail.com Carlos Vinícius de Farias (Universidade Tiradentes) Alfabetizar

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG)

QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) 1 QUEM É O PROFESSOR QUE ALFABETIZA NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE BELO HORIZONTE? Maria do Socorro Macedo (FAE/UFMG) Este trabalho tem por objetivo traçar um perfil dos professores alfabetizadores da rede

Leia mais

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE

Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Propaganda institucional e formação cidadã no Colégio Pedro II: diálogo relevante nas aulas de E/LE Viviane C. A. Lima (CPII/ UGF/ PG-UFRJ) 1. Considerações preliminares Há algumas décadas, o ensino da

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários.

PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS. Palavras Chaves: Alfabetização, Letramento e Gêneros Literários. PROJETO A HORA DO CONTO: ALFABETIZANDO COM OS GÊNEROS LITERÁRIOS Zeni Aguiar do Nascimento Alves i Zênio Hélio Alves ii O SESC LER Zona Norte de Natal desenvolve atividades que evidenciam a questão da

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926

/(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 /(,785$(&,'$'$1,$ $d (6&2/$%25$7,9$6( 352&(6626)250$7,926 CONSELHO EDITORIAL Luiz Percival Leme Britto (Universidade Federal do Oeste do Pará) Diógenes Buenos Aires de Carvalho (Universidade Estadual do

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004

Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Oficinas de Cidadania, Alfabetização e Letramento Área Temática em Educação Resumo O projeto, que buscou

Leia mais

LEITURA FORMAÇÃO DE MEDIADORES

LEITURA FORMAÇÃO DE MEDIADORES LEITURA FORMAÇÃO DE MEDIADORES 1ª Parte CONCEITOS DE MEDIADOR O conceito de mediador pode ser entendido em duas vertentes: a) O conceito tradicional: professor, alfabetizador, educador profissional voltado

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

A MultiRio na formação do leitor

A MultiRio na formação do leitor A MultiRio na formação do leitor Há 18 anos, a MultiRio presta relevantes serviços, enfrentando o desafio de participar da formação de educadores e alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro,

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL

CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL CAIXA DE LEITURA - UM MUNDO DE FANTASIAS E DESCOBERTAS: UMA EXPERIÊNCIA DE CAMPO NUMA CRECHE MUNICIPAL Márcia da Silva Cavalcanti, Graduanda de Pedagogia, UEPB O trabalho, Caixa de leitura um mundo de

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita

Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita I n t e r v e n ç ã o E d u c a t i v a O acompanhamento musical do canto e da dança permite enriquecer e diversificar a expressão musical. Este acompanhamento pode ser realizado pelas crianças, pelo educador

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

Content Area: Língua Portuguesa Grade 1 Quarter I

Content Area: Língua Portuguesa Grade 1 Quarter I Content Area: Língua Portuguesa Grade 1 Quarter I 1- Produção de escrita 1.1- Escrita livre 1.2 - Listas (animais, brinquedos, alimentos, etc); 1.3 - Narrações sequenciadas com apoio de ilustrações; 1.4

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

Atividades Práticas em Leitura e Escrita

Atividades Práticas em Leitura e Escrita Atividades Práticas em Leitura e Escrita Andréa Carla Machado Elaine Cristina dos Santos 2015 Andréa Carla Machado; Elaine Cristina dos Santos Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM

EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO DE LINGUAGEM COMUNICAÇÃO FASE I FASE II ORALIDADE Transmitir recados simples. Formar frases com seqüência. Argumentar para resolver conflitos. Verbalizar suas necessidades e

Leia mais

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno,

Aula 03. o ato de ler. Leitura e conhecimento. Os poemas. Caríssimo aluno, Aula 03 o ato de ler Caríssimo aluno, A leitura é componente fundamental do processo de aprendizagem, pois está relacionada a todas as disciplinas de seu curso. Convidamos você para fazermos algumas reflexões

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃO CADA UM NO SEU QUADRINHO VIDEIRA, JUNHO DE 2008 ERMELINA PIRES FERREIRA GISLAINE GONZALEZ SIRLEI MUNZLINGER

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais