Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula"

Transcrição

1 78 Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula A literatura relata que os recursos e técnicas oriundas da Odontologia Legal são empregados e aceitos em cortes internacionais há mais de 100 anos. No Brasil, contudo, muitos operadores do direito desconhecem o potencial e as possibilidades de seu emprego, realidade agravada pela ausência de Peritos Odontolegistas em muitos IMLs. A ausência do odontolegista nos quadros desses Institutos tem como consequência a não constatação de fatos de interesse a Justiça, relevantes na conclusão de um caso concreto. Muitas vezes, mesmo quando constatados, são imprecisamente analisados, como nos casos que são realizados por profissionais não inseridos no mister da perícia odontológica, ou ainda, pela falta de estrutura técnico-científica que assegure a adequada realização dos exames. Identificação Humana por Método Odontológico A identificação humana é, sem dúvida, a mais conhecida aplicação da Odontologia no campo forense. Entre as principais vantagens do método odontológico estão a sua simplicidade, acurácia e baixo custo, características que o tornam processo quase sempre presente nos protocolos de identificação. Pode ser empregado em indivíduos vivos (geralmente desorientados e incapacitados), em cadáveres bem preservados, e também, pelo fato dos dentes serem as estruturas mais resistentes do corpo humano, em situações em que os demais métodos de identificação tendem a se tornar menos eficazes, como nos casos de identificação de cadáveres carbonizados, restos esqueletizados, corpos submersos por um longo período de tempo, ou ainda, em avançado estado de decomposição. No caso específico de cadáveres carbonizados, mudanças estruturais dos dentes e dos materiais utilizados nos tratamentos dentários fornecem dados importantes na es-

2 Capítulo 5 Odontologia Legal Carlos Eduardo Palhares Machado Marta Regina Pinheiro Flores Pablo Lioi Ricardo Henrique Alves da Silva 79 timativa da temperatura a qual o corpo foi exposto. A presença de fissuras, o enegrecimento das raízes, a perda da coroa e a pulverização são alterações dentárias gradativas decorrentes da sua exposição ao calor. O estudo do comportamento dos materiais odontológicos expostos a altas temperaturas permite estimar a quantidade de calor a que um corpo foi submetido, a partir de dados como a temperatura de fundição e a diferença de resistência entre os materiais. O primeiro registro de emprego dos achados dentais para fins de identificação remonta ao século I D.C., quando o imperador romano Nero, ao presentear uma de suas amantes com a cabeça de sua esposa sobre uma bandeja, teria utilizado um dente escurecido da vítima para confirmar a sua identidade. Os relatos da literatura dão conta de que a Odontologia também foi procedimento decisivo na identificação de casos contemporâneos famosos, como a do ditador alemão Adolf Hitler que, num primeiro momento, teria sido apenas reconhecido por meio de suas vestes e bigode, mas posteriormente, teve sua identificação confirmada por exames detalhados realizados pelas equipes russas, entre os mais Figura 1 À esquerda, vemos imagem de Adolf Hitler durante um de seus discursos. À direita, uma radiografia do crânio de uma das vítimas encontradas no Bunker bombardeado pelos Soviéticos em 1945, onde supostamente estaria o ditador. A necropsia realizada pela equipe soviética confirmou a identificação do corpo com base no método odontológico (Imagem Bowers M., 2004). minuciosos e relevantes, os exames dos arcos dentais (Figura 1). A identificação odontológica consiste em um procedimento comparativo, que encontra suas bases no fato de não existirem dois indivíduos com uma mesma constituição dental. Todos, mesmo os gêmeos idênticos, aqueles que compartilham o mesmo material genético (DNA), possuem características dentais distintas, que se tornam cada vez mais evidentes durante o processo de crescimento e a progressiva exposição dos indivíduos aos fatores ambientais, como os possíveis traumas bucais da infância e da vida adulta, os diversos tipos de tratamentos odontológicos, os hábitos nutricionais, entre outros. Como resultado, são milhares as possibilidades de combinações quanto ao número de dentes presentes na cavidade bucal, quantidade de faces dentais restauradas, tratamentos de canal realizados, diferentes tipos de desgaste dental, anomalias ósseas e dentais, além de muitas outras características detectáveis ao exame clínico e radiográfico. Resumidamente, a identificação odontológica pode ser descrita como um procedimento que compreende três fases: (1) o exame dos vestígios presentes nos corpos ou indivíduos que se pretende identificar, também chamadas de informações post mortem (PM) ou questionadas; (2) a coleta e exame das informações de referência sobre os indivíduos desaparecidos, também chamadas de dados ante mortem (AM) ou dados padrão; e, por fim, (3) o processo de comparação ou confronto entre os dados questionados e padrão, quando o odontolegista realiza o minucioso exame das convergências e divergências entre as informações, considerando o conjunto de características bucais e faciais de forma quantitativa e qualitativa para a chegada de conclusões.

3 80 Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula Por se tratar de processo comparativo, é fundamental compreender que só se pode esperar o seu êxito a partir do momento que existirem duas informações a serem comparadas. Ou seja, para que a identificação odontológica chegue a resultados conclusivos, deve-se dar atenção não apenas à coleta, preservação e exame dos fragmentos dentais presentes nos corpos não identificados, mas, também, à coleta do máximo de informações referentes aos indivíduos que se pretende identificar. De modo diverso ao observado no método papiloscópico, em que se pode contar com um banco de dados com informações sobre toda a população brasileira civilmente identificada, a identificação odontológica estará diretamente condicionada à existência das informações de referência dos indivíduos desaparecidos e ao trabalho prévio de pesquisa dessas informações, sem as quais o confronto se torna inviável. Os familiares das vítimas são os grandes aliados das equipes de identificação no fornecimento dos dados de referência sobre seus entes desaparecidos. Por vezes, torna- -se necessário o contato com os dentistas e técnicos de prótese dentária para a obtenção de informações técnicas ou esclarecimentos de dúvidas. Deve-se destacar, contudo, que cabe aos organismos policiais ou de identificação a adequada instrução dos familiares sobre os registros que são relevantes para o processo de identificação. Entre eles, citam- -se as radiografias odontológicas, as tomografias de cabeça, as fotografias de sorriso, os modelos de gesso, os aparelhos ortodônticos e as próteses dentais removíveis, ou seja, o prontuário odontológico. Pela importância do esclarecimento dos familiares quanto à documentação necessária, é altamente recomendável que todo o processo de coleta de material seja estreitamente acompanhado por profissional da área de odontologia. Quando da ausência de material prévio para comparação, é relevante traçar o perfil odontológico post mortem, procurando estabelecer elementos genéricos para uma identificação. Esse traçado permite a obtenção de informações como a idade, a ancestralidade, o sexo e a condição socioeconômica do indivíduo. Em alguns casos, permite ainda levantar informações sobre a ocupação, os hábitos alimentares, o comportamento e ocasionalmente, a presença de doenças dentais ou sistêmicas, informações essas importantes na reconstrução do perfil individual na busca por uma identificação positiva. De posse da documentação odontológica de referência, parte-se para o processo de comparação, onde o odontolegista analisará detalhadamente as similaridades e discrepâncias entre os registros AM e PM. As discrepâncias poderão ser classificadas em dois grupos: aquelas que podem ser explicadas e aquelas que não podem, também chamadas de incompatibilidades. As discrepâncias explicáveis geralmente estão relacionadas ao lapso temporal decorrido entre os dois registros como, por exemplo, a extração de um dente, o surgimento de um tratamento de canal ou o aumento no tamanho de uma ou mais restaurações. As discrepâncias inexplicáveis, por outro lado, são aquelas diferenças que incompatibilizam os dois registros, como o aparecimento de um dente que não existia ou o desaparecimento de uma restauração que estava presente no registro anterior. A simples constatação de características desse último tipo, desde que averiguada a veracidade dos registros AM, levam à identificação negativa dos registros comparados. Como resultado da fase de comparação, pode-se chegar às seguintes conclusões: Identificação positiva: quando as informações AM e PM apresentam fortes similaridades, em quantidade e qualidade suficientes para que se vinculem as

4 Capítulo 5 Odontologia Legal Carlos Eduardo Palhares Machado Marta Regina Pinheiro Flores Pablo Lioi Ricardo Henrique Alves da Silva 81 duas informações, sem que nenhuma incompatibilidade tenha sido constatada (discrepância não explicável); Identificação possível (compatível): quando são encontradas similaridades entre os registros e nenhuma incompatibilidade, contudo, as informações AM ou PM não se apresentam em quantidade ou qualidade suficientes para uma identificação positiva. Sem elementos (inconclusivo): quando não se possuem dados suficientes para a formação das bases para uma conclusão. Identificação negativa (exclusão): quando é encontrada uma ou mais incompatibilidades entre os registros AM e PM. Não existe um número mínimo de pontos de concordância ou características similares para que se chegue a uma identificação positiva pelo método odontológico. Em muitos casos, um único dente ou radiografia será o suficiente para fornecer informações necessárias a uma identificação positiva. Por outro lado, uma série completa de radiografias dentais pode não revelar informações satisfatórias a uma conclusão positiva. As Figuras 2 e 3 mostram casos em que se chegou à identificação positiva das vítimas pelo método odontológico. Figura 2: As quatro imagens superiores correspondem a radiografias tiradas do corpo (dados post mortem). Abaixo, vemos uma radiografia panorâmica do indivíduo desaparecido (informação ante mortem) com as regiões de correspondência nas quadrículas amarelas. O referido confronto resultou em identificação positiva. (Ilustração: Carlos Eduardo Palhares Machado). Figura 3: À esquerda, vemos as imagens radiográficas ante mortem (AM) e post mortem (PM) de uma vítima identificada. Ao centro, as imagens foram tratadas por programa de computador, para melhor visualização das estruturas dentárias e implantes. À direita, observa-se sobreposição dos quadros centrais AM e PM, em que se constata a perfeita concordância das informações. (Ilustração: Carlos Eduardo Palhares Machado).

5 Capítulo 12 Genética Forense Eduardo Filipe Avila Silva Guilherme Silveira Jacques Gustavo Chemale Pablo Abdon Francez 247 sias são uma excelente demonstração da utilidade e eficiência da genética forense como ferramenta investigativa. Tais dados são apresentados a seguir. Casuística dos exames de DNA no Brasil No Brasil, a maior parte dos exames de DNA é realizada para atender a demanda da justiça cível, na investigação de paternidade, a qual é feita por diversos laboratórios, públicos e privados. Os exames de DNA realizados para fins criminais, por outro lado, são realizados nos laboratórios das instituições de perícia oficial dos estados e da União, englobando uma maior variedade de aplicações, dentre as quais destacam-se: 1. Violência Sexual: Nestes exames, amostras questionadas coletadas diretamente do corpo da vítima (secreção vaginal, anal, oral, manchas, cabelos, etc.), de objetos (preservativos, vestes, lençóis, etc.), do local do crime (manchas de sangue, saliva, sêmen, pelos, etc.) ou mesmo do corpo do suspeito (manchas de sangue, saliva, secreções, pelos, etc.) são confrontadas com amostras de referência coletadas da vítima e de um ou mais suspeitos, buscando identificar compatibilidades entre estas amostras que possam confirmar a autoria do crime. 2. Paternidade Criminal: Se um caso de violência sexual resultar em uma gravidez e no consequente nascimento de uma criança, uma menor de 14 anos engravidar de um adulto ou em casos de suspeitas de trocas de bebes em maternidades é indicado a realização do exame de paternidade, maternidade ou parentesco para apontar os possíveis vínculos de parentesco biológico existentes entre os envolvidos no caso criminal. 3. Identificação de Cadáver: Em alguns casos de cadáver desconhecido em que os métodos tradicionais de identificação humana (Papiloscopia, Antropologia Forense, Odontologia Legal, etc.) não possam ser aplicados ou não tragam resultado satisfatório, pode-se utilizar as técnicas de genética forense para confrontar o perfil genético obtido no cadáver com o perfil genético obtido de familiares de uma pessoa desaparecida ou mesmo de uma amostra de referência direta do desaparecido (escova de dente, dentadura, etc.), auxiliando no esclarecimento da identidade deste cadáver. 4. Amostras de Local de crime: Muitas vezes os peritos criminais coletam amostras biológicas em diferentes locais de crimes (arrombamento, morte violenta, local de estupro, etc.) e solicitam o confronto com uma amostra de referência da vítima ou do suspeito. Em alguns casos os peritos solicitam que o Laboratório de DNA avalie os perfis genéticos em diferentes amostras coletadas em um mesmo local de crime com intuito de auxiliar na inferência da dinâmica dos eventos no local ou avaliar o número de pessoas que se encontravam neste local de crime. A Genética Forense também vem sendo empregada em análises de amostras não humanas, com destaque para a identificação molecular de material animal (em casos de tráfico de animais silvestres, pesca ou caça ilegal, roubo de gado, transporte ou utilização de partes, produtos ou subprodutos de animais silvestres, biopirataria, identificação de organismos patogênicos, entomologia forense molecular, identificação de paternidade ou pedigree de animais domésticos, etc.), vegetal (corte, transporte e utilização de madeira ilegal, biopirataria, plantio ilegal de variedades protegidas ou transgênicos e tráfico de entorpecentes) e mesmo para identificação de microorganismos patogênicos (bioterrorismo).

6 248 Ciências Forenses Uma Introdução às Principais Áreas da Criminalística Moderna Jesus Antonio Velho Gustavo Caminoto Geiser Alberi Espindula O Brasil é um país continental, multiétnico e multicultural, e em razão desta diversidade, a casuística dos exames de genética forense apresenta grande variação entre os diferentes centros periciais do país. Na maioria dos estados investigados, observa-se uma elevada demanda por exames de genética forense em casos de violência sexual e paternidade criminal, a exemplo dos estados do Amapá, Ceará e Minas Gerais, que chegam a apresentar entre 50% e 70% dos exames de DNA criminal concentrados nestas duas áreas. A grande concentração dos exames de DNA em casos de violência sexual e paternidade criminal observada em alguns estados podem ser explicadas por fatores sócio-culturais e por uma boa interação entre os setores de investigação das polícias civis e os órgãos periciais. Outros estados, a exemplo do Rio de Janeiro e do Pará, apresentam uma demanda elevada de casos de identificação de cadáveres desconhecidos, percentuais que chegam a mais de 80% dos exames de genética forense realizados no estado do Rio de Janeiro. Mas recentemente, desastres naturais, tais como os ocorridos na região serrana do Rio de Janeiro, bem como o engajamento do Laboratório de DNA da perícia carioca no projeto Localizar (de identificação de pessoas desaparecidas), também aumentaram substancialmente demanda por exames de DNA em casos de identificação de cadáveres. Os exames de DNA em amostras coletadas em local de crime pelas equipes da criminalística ou mesmo pela polícia civil exigem também um importante grau de interação interinstitucional (Polícia Civil, Instituto de Medicina Legal, Instituto de Criminalística, Instituto de Identificação, Laboratório Forense, Laboratório de DNA) além de equipamentos e reagentes apropriados (luz forense, luminol, etc.) para localizar, coletar, identificar, acondicionar e conservar amostras biológicas presentes em local de crime. Neste aspecto, novamente o estado de Minas Gerais se destaca, pois ao longo do período analisado, em média 30% da demanda atendida pelo laboratório de DNA deste estado foi de amostras coletadas em local de crime. Um dos pontos de grande relevância na cadeia de interações necessárias para o sucesso dos exames de DNA associados a amostras coletadas em local de crime são a coleta, identificação e conservação de material de referência de todos os cadáveres vítimas de homicídio que dão entrada nos institutos de medicina legal, pois muitas vezes a arma do crime ou outro objeto que por ventura apresente material biológico da vítima pode ser localizado com um suspeito, transcorrido dias ou meses após o crime. Tendo a amostra de referência da vítima é possível a realização de um confronto genético. Caso contrário só a exumação do cadáver ou a utilização de amostras de parentes diretos da vítima (pais, filhos, irmãos, avós, etc.) poderia ser empregado para confronto com a amostra questionada. Em relação à Polícia Federal, as principais demandas do Laboratório de Genética Forense do Instituto Nacional de Criminalística são justamente de casos relacionados a local de crime contra o patrimônio (sobretudo em órgãos federais, como bancos, universidades e Correios), homicídios, tráfico de drogas e pedofilia, mas também apresentam uma demanda importante referente a exames genéticos para identificação de material de origem animal relacionadas ao combate à caça e pesca ilegal, tráfico de animais silvestres e transporte ilegal de produtos e subprodutos de origem animal. O laboratório de DNA do INC também atua na identificação de cadáveres desconhecidos, tendo atualmente como principal demanda nesta área a identificação de ossadas de crianças para implantação de um banco nacional de crianças e adolescentes desaparecidos, assim como a identificação de vítimas da ditadura militar.

7 Capítulo 12 Genética Forense Eduardo Filipe Avila Silva Guilherme Silveira Jacques Gustavo Chemale Pablo Abdon Francez 249 Figura 12- Faca utilizada em caso de homicídio e encontrada na casa do suspeito. Após exame de DNA foi confirmada a presença de sangue da vítima na faca. Fonte: POLITEC-AP. Figura 13 Esqueletos encontrados em uma embarcação a deriva na costa do Amapá e encaminhadas para exame de DNA na POLITECA-AP. Figura 14 Preservativo encontrado em local de estupro e encaminhado para exame de DNA. Fonte: POLITEC-AP. Figura 15 Veste íntima infantil empregada em exame de DNA que incriminou um suspeito de cometer crimes sexuais contra menores no município de Santana-AP. Fonte: POLITEC-AP Figuras 16 e 17 Exame de paternidade criminal realizado para elucidar uma suposta troca de bebês em uma maternidade da cidade de Macapá-AP Fonte: POLITEC-AP.

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

Especialidades Odontológicas

Especialidades Odontológicas Especialidades Odontológicas Urubatan Medeiros Doutor (USP) - Professor Titular do Departamento de Odontologia Preventiva e Comunitária (UERJ/UFRJ) - Consultor do Ministério da Saúde I - Introdução A Odontologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* REPUBLICAÇÃO** CÓD. PERICIA CO-N-SE

PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* REPUBLICAÇÃO** CÓD. PERICIA CO-N-SE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* REPUBLICAÇÃO** CÓD. PERICIA CO-N-SE Os currículos e as fichas de cadastro deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA

A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA A Experiência do IML de São Paulo em ACIDENTE DE MASSA Shopping Center Osasco 11 de junho de 1996 Shopping Center Osasco VÍTIMAS Lesão Corporal 380 Óbitos Local Hospital 36 5 Shopping Center Osasco Reconhecimento

Leia mais

Relato. Nome da Prática inovadora: Implementação de metodologia para análise botânica em carvão vegetal.

Relato. Nome da Prática inovadora: Implementação de metodologia para análise botânica em carvão vegetal. Relato Nome da Prática inovadora: Implementação de metodologia para análise botânica em carvão vegetal. Caracterização da situação anterior: A despeito de sua importância ambiental, grande parte da vegetação

Leia mais

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011

LOCALÍSTICA FORENSE. Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 LOCALÍSTICA FORENSE Rogéria M. Ventura, Ph D FMU - 2011 PERÍCIA CRIMINAL INVESTIGAÇÃO DO CRIME Chegada do perito investigador ao local do crime e certificação da preservação; Reconhecimento inicial da

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS

IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS IDENTIFICAÇÃO FORENSE DE RESTOS MORTAIS FOLHETO Ed Ou/CICV INTRODUÇÃO A identificação de restos mortais é importante por motivos humanitários e de ordem jurídica. A presente publicação propicia aos leigos

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL Este manual tem por objetivo esclarecer os procedimentos relacionados à identificação criminal solicitados pelas Delegacias de Polícia, pelo Poder Judiciário e demais órgãos

Leia mais

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES:

AV. TAMBORIS ESQUINA COM RUA DAS PEROBAS, S/Nº - SETOR SÃO LOURENÇO CEP 76530-000 MUNDO NOVO GOIÁS FONES: SAÚDE BUCAL INTRODUÇÃO A evolução da Odontologia enquanto ciência da saúde é uma realidade incontestável. Dentro deste contexto de mudanças de paradigma, no qual a Promoção de Saúde toma o lugar da prática

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade

Leia mais

SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA!

SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA! SORRISO BONITO E SAUDÁVEL PARA TODA A VIDA! INTRODUÇÃO Um sorriso bonito, saudável e harmônico faz toda a diferença! Na autoestima traz diversos benefícios, pois quem sorri abertamente acredita em si mesmo

Leia mais

A Odontologia Legal e a ciência do Direito

A Odontologia Legal e a ciência do Direito A Odontologia Legal e a ciência do direito Revista Brasileira de Odontologia Legal RBOL Odontologia Legal A Odontologia Legal e a ciência do Direito Moacyr da Silva* Thiago Leite Beaini ** * Professor

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS

CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS CRIMINALIDADE NO BRASIL DIAGNÓSTICO E CUSTOS Ministério da Justiça Departamento de Pesquisa, Análise da Informação e Formação de Pessoal em Segurança Pública DIAGNÓSTICO DA CRIMINALIDADE 24 Evolução dos

Leia mais

12/20/2010. Introdução - Criminalística. Perícia Federal. Perito Criminal. Treinamento & desenvolvimento. Gestão pericial.

12/20/2010. Introdução - Criminalística. Perícia Federal. Perito Criminal. Treinamento & desenvolvimento. Gestão pericial. Introdução - Criminalística Polícia Federal Diretoria Técnico-Científica Instituto Nacional de Criminalística Perícia Federal Perito Criminal Treinamento & desenvolvimento Gestão pericial Clênio Guimarães

Leia mais

Direito à Identidade #Right2Identity. Problemas globais Soluções no Brasil

Direito à Identidade #Right2Identity. Problemas globais Soluções no Brasil Direito à Identidade #Right2Identity Problemas globais Soluções no Brasil #Right2Identity Sobre o sua anfitriã Lívia Ferolla Formada em Relações Internacionais e mestranda em Ciências Sociais Geneva for

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL

Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP) PERÍCIA CRIMINAL POP nº 2.1 - GENÉTICA FORENSE Publicado em SET/2013 COLETA DE MATERIAL BIOLÓGICO REFERÊNCIA

Leia mais

COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO. Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V.

COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO. Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V. COMO ELABORAR O PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO E A IMPORTÃNCIA DO SEU CORRETO PREENCHIMENTO Ribeiro S.; Canettieri, A.C.V. Curso de Odontologia, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade do Vale do Paraíba

Leia mais

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44

Escrito por Administrator Ter, 02 de Fevereiro de 2010 09:14 - Última atualização Qua, 10 de Março de 2010 08:44 Mitos e Verdades da Odontologia Mitos: Quanto maior e colorida for nossa escova dental, melhor! Mentira. A escova dental deve ser pequena ou média para permitir alcançar qualquer região da nossa boca.

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Saúde Bucal Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 %Escova dentes 2x ou + p/dia...

Leia mais

DESASTRE EM MASSA. Prof. Ugo Osvaldo Frugoli. ufrugoli@terra.com.br

DESASTRE EM MASSA. Prof. Ugo Osvaldo Frugoli. ufrugoli@terra.com.br DESASTRE EM MASSA Prof. Ugo Osvaldo Frugoli ufrugoli@terra.com.br Histórico Até o século s XIX em regra, a morte apresentava-se como f fato unitário. Conflitos BélicosB Envolvimento de centenas ou milhares

Leia mais

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA.

ANEXO I REGRAS PARA COLETA, ACONDICIONAMENTO, PRESERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE MATERIAIS BIOLÓGICOS PARA ANÁLISE BIOLÓGICA. Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa do Cidadão Instituto Geral de Perícias Instituto de Análises Laboratoriais Laboratório de Genética Forense ANEXO I REGRAS PARA

Leia mais

Base de Dados de Perfis Genéticos

Base de Dados de Perfis Genéticos Base de Dados de Perfis Genéticos Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Instituto Nacional de Medicina Legal Cadeira: Medicina Legal e Ciências Forenses Janeiro de 2010 Introdução Definição Conjunto

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos?

Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? Pode a Química ajudar a resolver crimes e apanhar criminosos? As investigações criminais têm um aliado poderoso na descoberta dos criminosos e na resolução dos crimes, a QUÍMICA. Na cena do crime, um perito

Leia mais

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia.

Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Linha 1: Resposta biológica nas terapias em Odontologia. Descrição. O entendimento dos processos fisiológicos, celulares e moleculares associados com o uso de diversos materiais, medicamentos e demais

Leia mais

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações

A SituAção da 2015 PAternidAde no Mundo: resumo e recomendações Situação a 2015 aternidade o Mundo: esumo e ecomendações ais são importantes. As relações pai-filho/a, em todas as comunidades e em todas as fases da vida de uma criança, têm impactos profundos e abrangentes

Leia mais

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE PROMOÇÃO E PREVENÇÃO DE CÁRIE EM ESCOLARES ADOLESCENTES DO CASTELO BRANCO DIAS, Larissa Nadine Silva 1 FARIAS, Luciana Lombardi Pedrosa de 2 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 3 RESUMO A adolescência

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

Autor (s) Andrea Lessa. Título da Pesquisa

Autor (s) Andrea Lessa. Título da Pesquisa Autor (s) Andrea Lessa Título da Pesquisa Avaliação da demanda de peritos em Antropologia Forense para aprimoramento e modernização das instituições periciais Ministério de Justiça Secretaria Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 5, DE 29 DE MAIO DE 2014. Dispõe sobre a instituição da Comissão da Qualidade, e os requisitos técnicos para a realização de auditorias nos laboratórios e bancos que compõem a Rede Integrada

Leia mais

10/7/2012. Parecer médico legal

10/7/2012. Parecer médico legal Parecer médico legal São pareceres emitidos por médicos de reconhecido renome na área médica ou médico forense, mediante consulta, que serão utilizados para dirimir dúvidas Relatório médico legal É o documento

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS

PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS PROTOCOLO PARA INVESTIGAÇÃO DE SURTOS Proposta Final Salvador, Agosto de 2011 1 PROTOCOLO DE AÇÃO PARA AS SITUAÇÕES DE SURTOS CLASSIFICADOS COMO EMERGÊNCIA EM SAÚDE PÚBLICA O conceito de emergência de

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC. RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO FINAL (Observação: as informações prestadas neste relatório poderão, no todo ou em parte, ser publicadas pela FAPESC.) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO (item a ser preenchido pela

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

PARECER CREMEC nº 19/2013 20/09/2013

PARECER CREMEC nº 19/2013 20/09/2013 PARECER CREMEC nº 19/2013 20/09/2013 PROCESSO-CONSULTA Protocolo CREMEC nº 6924/2013 INTERESSADO: Médico Perito Legista ASSUNTO: CAUSA MORTIS INDETERMINADA PARECERISTA: DR. HELVÉCIO NEVES FEITOSA DA CONSULTA

Leia mais

FORENSIC Training Seminars

FORENSIC Training Seminars FORENSIC Training Seminars FORENSIC Training Seminars Temos o prazer de apresentar a nossa proposta comercial para um programa de treinamento abaixo discriminado, que julgamos pó ser útil à sua organização:

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

DISCENTE: EFRAYN PEREIRA

DISCENTE: EFRAYN PEREIRA DISCENTE: EFRAYN PEREIRA CÂMARA BRASILEIRA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM EMPRESARIAL - CBMAE ARBITRAGEM: MEDICINA VETERINÁRIA Trabalho de conclusão do Curso de Capacitação da CBMAE Campo Limpo Paulista, Tutor

Leia mais

Sala 14 Ciências Humanas e da Natureza EM Integral. Escola Estadual Alexandre Von Humboldt

Sala 14 Ciências Humanas e da Natureza EM Integral. Escola Estadual Alexandre Von Humboldt O USO DAS CIÊNCIAS FORENSES COMO FERRAMENTA NA CONTEXTUALIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DE QUÍMICA E MATEMÁTICA Sala 14 Ciências Humanas e da Natureza EM Integral Escola Estadual Alexandre Von Humboldt Professoras

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio

Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes: Um Desafio à Primeira Década do Novo Milênio A exploração é caracterizada pela relação sexual de criança ou adolescente com adultos, mediada por

Leia mais

PROJETO SEMPRE-VIVA Campanha de erradicação de violência Doméstica Ênfase Projeto Sempre-Viva.

PROJETO SEMPRE-VIVA Campanha de erradicação de violência Doméstica Ênfase Projeto Sempre-Viva. PROJETO SEMPRE-VIVA Campanha de erradicação de violência Doméstica Ênfase Projeto Sempre-Viva. TERESA CRISTINA CABRAL SANTANA RODRIGUES DOS SANTOS Juíza de Direito da 2ª Vara Criminal de Santo André Projeto

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Autonomia da perícia Pec 499/10-altera o art. 144-CF(Dep. Paulo Pimenta) ec 325/09- órgão essencial a justiça(dep.

AUDIÊNCIA PÚBLICA Autonomia da perícia Pec 499/10-altera o art. 144-CF(Dep. Paulo Pimenta) ec 325/09- órgão essencial a justiça(dep. AUDIÊNCIA PÚBLICA Autonomia da perícia Pec 499/10-altera o art. 144-CF(Dep. Paulo Pimenta) ec 325/09- órgão essencial a justiça(dep. Valtenir Pereira) Comissão Especial destinada a proferir parecer à Proposta

Leia mais

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

18 de Maio. Denuncie. Faça sua parte! Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes 18 de Maio Dia Nacional de Combate ao Abuso e a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. Denuncie. Faça sua parte! Ficha Técnica União Norte Brasileira

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Odontologia Departamento de Odontopediatria e Ortodontia DISCIPLINAS DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ODONTOPEDIATRIA 1. ODONTOPEDIATRIA PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Observatório de Violências e Acidentes Observatório de Violações de Direitos de Crianças e Adolescentes Carnaval 2015 Bahia RELATÓRIO CONSOLIDADO 6º DIA DO CARNAVAL 2015 Salvador-BA Revisado 24-02-15 Das 18 horas de 12/02/2015 às 06 horas de 17/02/2015 foram consolidados/analisados pelo Observatório um total de 1126 atendimentos:

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur

Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: a análise dos casos registados. Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Gabinetes de Atendimento da Mulher e da Criança: análise dos casos registados Margarita Mejia, Conceição Osório, Maria José Arthur Publicado em Outras Vozes, nº 7, Maio de 2004 A WLSA Moçambique concluiu

Leia mais

Importância do exame radiográfico

Importância do exame radiográfico Exames e Indicações Importância do exame radiográfico O exame radiográfico de rotina associado ao exame clínico é a maneira mais efetiva de se obter o índice diagnóstico de 100% de cárie (segundo Estevam

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE TRANSGÊNICOS JULHO 2001 OPP 081 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL - Levantar junto a população da área em estudo opiniões sobre os transgênicos. - Brasil.

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA SETOR DE CRIMES CONTRA A VIDA

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA SETOR DE CRIMES CONTRA A VIDA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS DEPARTAMENTO DE POLÍCIA TÉCNICO-CIENTÍFICA SETOR DE CRIMES CONTRA A VIDA FORMULÁRIO DE LOCAL DE CRIME CONTRA A VIDA / ENCONTRO DE CADÁVER DATA: / /

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO

PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PLANO DE RESPOSTA DA PROVA DISSERTATIVA PARA O CARGO DE DELEGADO PEÇA D E S P A C H O 1. Autue-se o Auto de Prisão em Flagrante; 2. Dê-se o recibo de preso ao condutor; 3. Autue-se o Auto de Apresentação

Leia mais

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético TPNIs usam DNA livre de células. Amostra de sangue materno cfdna materno cfdna fetal TPNIs usam DNA livre

Leia mais

Densidade de ocorrências de mortes violentas

Densidade de ocorrências de mortes violentas de mortes violentas Temporalidade e espaços dos homicídios dolosos na capital paulista Sérgio Adorno* No Município de São Paulo, a distribuição de ocorrências de homicídio doloso, segundo o período do

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo.

Artigo 1º - Fica autorizado o Poder Executivo a criar o Programa de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo. PROJETO DE LEI Nº 173, DE 2015 Autoriza a criação do Programa Estadual de Acessibilidade e Segurança da População LGBTT no Estado de São Paulo e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Núcleo de Apoio Profissional de Serviço Social e Psicologia Corregedoria Geral da Justiça EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO AUXILIAR DA CORREGEDORIA GERAL DA JUSTIÇA. Interessado: Assistentes Sociais e Psicólogos da [...] Circunscrição do Estado de São Paulo [...] Assunto: Atendimento às vítimas,

Leia mais

Pesquisa Nacional Sobre as Centrais Disque Denúncia no Brasil. Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública

Pesquisa Nacional Sobre as Centrais Disque Denúncia no Brasil. Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública Pesquisa Nacional Sobre as Centrais Disque Denúncia no Brasil Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública Considerando necessidade de: Portaria SENASP/MJ nº 10 de 25/04/2011 Intensificar

Leia mais

CASUÍSTICA DE GRAFOTECNIA

CASUÍSTICA DE GRAFOTECNIA FLS. 1 CASUÍSTICA DE GRAFOTECNIA D-511 No mês de março deste ano de 2015, foram encaminhados ao Instituto de Criminalística do Paraná, por uma Delegacia de Polícia do interior do Estado, três livros de

Leia mais

BIOLOGIA 2ª Série do Ensino Médio Atividades direcionadas Prova final - 2011

BIOLOGIA 2ª Série do Ensino Médio Atividades direcionadas Prova final - 2011 Para a prova final da 2ª Série do Ensino Médio, o aluno deverá ser capaz de: Interpretar árvores filogenéticas; Identificar as principais características dos grupos vegetais; Identificar as principais

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a saúde bucal (dentes e gengivas) e assistência odontológica.

Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a saúde bucal (dentes e gengivas) e assistência odontológica. Módulo U. Saúde Bucal Neste módulo, vamos fazer perguntas sobre a saúde bucal (dentes e gengivas) e assistência odontológica. U1. Com que frequência o(a) sr(a) escova os dentes? 1. Nunca escovei os dentes

Leia mais

IV Mostra de Iniciação Científica no Pantanal

IV Mostra de Iniciação Científica no Pantanal A IV MOSTRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO PANTANAL organizada pelo Centro de Educação e Investigação em Ciências e Matemática (CEICIM) e coordenada pelos docentes do Departamento de Matemática da Universidade

Leia mais

OPERAÇÃO PORTAS ABERTAS SEMANA DA POLÍCIA FEDERAL NO BOULEVARD SHOPPING

OPERAÇÃO PORTAS ABERTAS SEMANA DA POLÍCIA FEDERAL NO BOULEVARD SHOPPING OPERAÇÃO PORTAS ABERTAS SEMANA DA POLÍCIA FEDERAL NO BOULEVARD SHOPPING POLÍCIA FEDERAL MOSTRA A MAIS MODERNA TECNOLOGIA DE SEGURANÇA NO BOULEVARD SHOPPING Robôs que desativam bombas, traje antifragmentação

Leia mais

EDITAL 011/2014 TERMO DE REFERÊNCIA PRODUTO INTERNACIONAL

EDITAL 011/2014 TERMO DE REFERÊNCIA PRODUTO INTERNACIONAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS COORDENAÇÃO-GERAL DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PROJETO BRA 07/019 - Direitos Humanos para Todos: Reestruturando a SEDH para Trabalhar com Novos Temas

Leia mais

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME

São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME São Paulo, 8 de setembro de 1999. BOLETIM GERAL PM 171 1 - DIRETRIZES A SEREM SEGUIDAS NO ATENDIMENTO DE LOCAIS DE CRIME Resolução SSP- 382, de 1/9/99 O Secretario da Segurança Pública Considerando que

Leia mais

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd

Cré d. Cód Sem Módulo Ementa Créd Conselho Universitário - CONSUNI Câmara de Ensino Curso de Graduação em Odontologia da UNIPLAC Quadro de Equivalência para Fins de Aproveitamento de Estudos entre duas Estruturas Curriculares Modulares

Leia mais

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três

disponibilidade do proprietário. Em geral, a melhor forma de profilaxia consiste na escovação dentária diária em animais de pequeno porte e, três Perfil do proprietário de cães e gatos da cidade de Jataí GO em relação aos cuidados odontológicos de seus animais RESENDE, Lara Gisele¹; PAIVA, Jacqueline de Brito¹; ARAÚJO, Diego Pereira¹; CARVALHO,

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

RESOLUÇÃO. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 51/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ODONTOLOGIA, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática

Indicador 24. Cobertura de primeira consulta odontológica programática Indicador 24 Cobertura de primeira consulta odontológica programática É o percentual de pessoas que receberam uma primeira consulta odontológica programática no Sistema Único de Saúde (SUS), A primeira

Leia mais