Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos"

Transcrição

1 Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Orientadora: Professora PhD Silva Shimakura Universidade Federal do Paraná Novembro de 2014

2 Sumário Resultados Conclusão

3 Sumário Dados: Amostra de 193 pacientes portadores de HIV diagnosticados entre 1986 até 2000, no Instituto de Pesquisa Cĺınica Evandro Chagas, Fiocruz, RJ.

4

5 Estudar potencias fatores prognósticos para sobrevivência em pacientes HIV positivos; Qual o tempo médio de sobrevivência destes pacientes? A sobrevivência muda de acordo com o tipo de tratamento? A sobrevivência muda para o sexo? E a escolaridade?

6 Análise de Sobrevivência São métodos em que a variável resposta é o tempo até algum desfecho de interesse, ou seja, o tempo de sobrevivência. Exemplo: tempo entre o diagnóstico até a cura da doença. Censura: observações incompletas que ocorreram enquanto o estudo estava em andamento. Exemplo: mudança de localidade do paciente, não ocorrer desfecho de interesse.

7 Análise exploratória dos dados Tabelas de frequências conforme o sexo, status (censura ou óbito), escolaridade e tipo de tratamento.

8 Sexo Feminino Masculino 23% 76% Status Censura Óbito 53% 47% Escolaridade Sem estudo Ens. Fundamental Ens. Médio Ens. Superior 33% 24% 30% 13% Tipo tratamento Sem tratamento Monoterapia Combinada Potente 23% 52% 18% 7%

9 Função de Sobrevivência Probabilidade de um paciente sobreviver a um tempo maior que t S(t) = P (T > t) Estimador de sobrevida para dados censurados (Kaplan-Meier) Ŝ(t) = i:ti t R(ti) N(ti) R(ti) Onde: R(ti): número pessoas em risco no tempo t N(ti) : eventos ocorridos em t

10 Estimação Registros Eventos Mediana

11 Estimação conforme o sexo Registros Eventos Mediana Feminino NA 1 Masculino Não foi possível calcular o tempo mediano para as mulheres, mais de 50% delas permaneceram vivas.

12 Estimação conforme a escolaridade Registros Eventos Mediana Sem estudo Ens. Fund Ens. Médio Ens. Superior

13 Estimação conforme o tipo de tratamento Registros Eventos Mediana Sem trat Monoterapia Combinada Potente 14 1 NA

14 Teste para comparação das curvas de sobrevivência Teste Peto & Peto Este teste atribui mais peso ao início das curvas, local onde se concentra a maioria dos dados. Indicado quando as curvas se cruzam.

15 Teste Peto & Peto para a escolaridade Peto & Peto para a escolaridade (O E) 2 E (O E) 2 V N Observed Expected Sem = Ens. Fund.= Ens. Médio = Ens. Superior = χ 2 = 1.3 com 3 graus de liberdade, p = Não se rejeita a hipótese de igualdade das curvas, ou seja, não podemos concluir que existe diferença na sobrevivência de pacientes HIV positivos com diferentes níveis de escolaridade.

16 Teste Log-Rank Sumário O Teste Log-rank não atribui maior peso no início das curvas. Indicado quando as curvas não se cruzam.

17 Teste Log-Rank Sumário O Teste Log-rank não atribui maior peso no início das curvas. Indicado quando as curvas não se cruzam. Log-rank para o sexo (O E) 2 E (O E) 2 V N Observed Expected Fem = Mas = χ 2 = 4 com 1 graus de liberdade, p = Rejeita-se a hipótese de igualdade das curvas, há diferença significativa nas curvas de sobrevivência conforme o sexo.

18 Log-rank para o tipo de tratamento (O E) 2 E (O E) 2 V N Observed Expected Sem= Monoterapia = Combinada = Potente = χ 2 = 69 com 3 graus de liberdade, p < Rejeitamos a hipótese de igualdade das curvas de sobrevida para os diversos tratamentos

19 Sumário A diferença na sobrevivência de acordo com o escolaridade não foi significativa; Conforme o sexo, os homens sobreviverem menos que as mulheres, podendo assim haver um incentivo em programas de prevenção; O tratamento interfere no tempo de sobrevivência dos pacientes.

20 Referências Bibliográficas CARVALHO, Marilia Sá; et al. Análise de sobrevivência: Teoria e aplicações na saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005 Programa Estatístico R ( pacote survival, funções survfit e survdiff)

21 Obrigado!

Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 21

Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 21 Outline 1 Cap 1 Introdução 2 Cap 2 O tempo 3 Cap 3 Funções de Sobrevida 4 Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 21 Estimação Não-Paramétrica Estimadores de sobrevida e risco Kaplan-Meier e Nelson Aalen Intervalos

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA. Airlane P. Alencar IME-USP Alessandra C. Goulart FM-USP

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA. Airlane P. Alencar IME-USP Alessandra C. Goulart FM-USP ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Airlane P. Alencar IME-USP Alessandra C. Goulart FM-USP Objetivo Estudar o tempo desde um instante inicial até a ocorrência de um evento (alha). Estudar o tempo de sobrevida de

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA M Eduarda D. S. Matos Coimbra, 9 de Abril de O que é a análise de sobrevivência? A análise de sobrevivência é um conjunto de processos estatísticos, utilizados na análise dos dados,

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX

ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER Modelo de Riscos proporcionais de COX Renato Azeredo Teixeira (UFMG / SES-MG) Prof a. Arminda Lucia Siqueira (UFMG) Ana Paula Azevedo Travassos (UFMG) Fonte

Leia mais

Análise de Sobrevivência

Análise de Sobrevivência Análise de Sobrevivência Modelagem paramétrica Valeska Andreozzi 1 valeska.andreozzi@fc.ul.pt & Marilia Sá Carvalho 2 cavalho@fiocruz.br 1 Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa,

Leia mais

Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência

Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência 1 XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Internamentos Hospitalares por VIH/SIDA em Portugal 2006: Modelos de Fragilidades na Sobrevivência S. Dias 1,2, R. O. Martins 2, V. Andreozzi 3, J. Torgal 1 sdias@isegi.unl.pt

Leia mais

Modelos de Análise de Sobrevivência

Modelos de Análise de Sobrevivência 1 Modelos de Análise de Sobrevivência Ernesto F. L. Amaral Magna M. Inácio 02 de dezembro de 2010 Tópicos Especiais em Teoria e Análise Política: Problema de Desenho e Análise Empírica (DCP 859B4) TAXA

Leia mais

Análise de Sobrevivência

Análise de Sobrevivência Análise de Sobrevivência Covariável Tempo-dependente Valeska Andreozzi 1 valeska.andreozzi@fc.ul.pt & Marilia Sá Carvalho 2 cavalho@fiocruz.br 1 Centro de Estatística e Aplicações da Universidade de Lisboa,

Leia mais

Cap 7 Modelo de Cox. Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. 5 Modelo de Cox. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22

Cap 7 Modelo de Cox. Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. 5 Modelo de Cox. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22 Outline Cap 7 Modelo de Cox 1 Cap 1 Introdução 2 Cap 2 O tempo 3 Cap 3 Funções de Sobrevida 4 Cap 4 Não-Paramétrica 5 Modelo de Cox Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22 Riscos Proporcionais Cap 7 Modelo

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Teoria e aplicações em saúde. Caderno de Respostas Capítulo 3 Funções Básicas de sobrevivência

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Teoria e aplicações em saúde. Caderno de Respostas Capítulo 3 Funções Básicas de sobrevivência ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA Teoria e aplicações em saú Carno Respostas Capítulo 3 Funções Básicas sobrevivência Capitulo 3 - Funções básicas sobrevivência Exercício 3.1: A figura abaixo mostra uma curva sobrevivência.

Leia mais

RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS?

RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS? RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS? HENRIQUE FARIA BRAGA 1,2 ; HELOISA DE ANDRADE CARVALHO 1 ; ANDRE TSIN CHIH CHEN

Leia mais

ESTUDO DE CONFIABILIDADE DE MOTORES DIESEL DE CAMINHÕES FORA DE ESTRADA

ESTUDO DE CONFIABILIDADE DE MOTORES DIESEL DE CAMINHÕES FORA DE ESTRADA ESTUDO DE CONFIABILIDADE DE MOTORES DIESEL DE CAMINHÕES FORA DE ESTRADA Adriano Gonçalves dos Santos Ribeiro 1 Gean Carlo Feliciano de Almeida 1 1 Introdução Uma grande empresa do ramo de exploração de

Leia mais

TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS

TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS Les-0773: ESTATÍSTICA APLICADA III TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS AULA 3 26/05/17 Prof a Lilian M. Lima Cunha Maio de 2017 Revisão... Teste dos Sinais A Comparar valores de medianas de uma amostra com um valor

Leia mais

MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência

MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência MÓDULO V: Análise Bidimensional: Correlação, Regressão e Teste Qui-quadrado de Independência Introdução 1 Muito frequentemente fazemos perguntas do tipo se alguma coisa tem relação com outra. Estatisticamente

Leia mais

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Slide 1 Teste de ajustamento do Qui-quadrado Testes de independência e de homogeneidade do Qui-quadrado Testes dos sinais e de Wilcoxon Teste de Mann-Whitney Teste

Leia mais

Estimação e Testes de Hipóteses

Estimação e Testes de Hipóteses Estimação e Testes de Hipóteses 1 Estatísticas sticas e parâmetros Valores calculados por expressões matemáticas que resumem dados relativos a uma característica mensurável: Parâmetros: medidas numéricas

Leia mais

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica

Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Capítulo 6 Estatística não-paramétrica Slide 1 Teste de ajustamento do Qui-quadrado Testes de independência e de homogeneidade do Qui-quadrado Algumas considerações Slide 2 As secções deste capítulo referem-se

Leia mais

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia

Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Métodos Estatísticos Avançados em Epidemiologia Análise de Sobrevivência - Conceitos Básicos Enrico A. Colosimo Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais http://www.est.ufmg.br/

Leia mais

Enquadramento e Racional

Enquadramento e Racional LungOS Advanced non-small cell Lung cancer treatment patterns and Overall Survival: real-world outcomes research study from the Southern Portugal Cancer Registry (ROR-SUL). Enquadramento e Racional O cancro

Leia mais

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa

XXIII Jornadas ROR-SUL. 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa XXIII Jornadas ROR-SUL 15, 16 e 17 Fevereiro 2016 Lisboa Estudo de Alta Resolução Linfomas Maria Gomes da Silva Objetivos 1. Descrever a epidemiologia dos diferentes tipos de linfomas na região do ROR

Leia mais

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína

ESTUDOS DE COORTE. Baixo Peso Peso Normal Total Mãe usuária de cocaína UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA PREVENTIVA DISCIPLINA DE EPIDEMIOLOGIA ESTUDOS DE COORTE 1) Com o objetivo de investigar

Leia mais

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS

Leia mais

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48)

Estimação parâmetros e teste de hipóteses. Prof. Dr. Alberto Franke (48) Estimação parâmetros e teste de hipóteses Prof. Dr. Alberto Franke (48) 91471041 Intervalo de confiança para média É um intervalo em que haja probabilidade do verdadeiro valor desconhecido do parâmetro

Leia mais

ESTATÍSTICA E BIOESTATÍSTICA

ESTATÍSTICA E BIOESTATÍSTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE ESTATÍSTICA E BIOESTATÍSTICA Cursos: Licenciaturas Bi-etápicas em Enfermagem e em Fisioterapia Época Normal o Ano/3 o Semestre 003/004 Data: 6

Leia mais

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05

Estatística - aulasestdistrnormal.doc 13/10/05 Distribuição Normal Introdução O pesquisador estuda variáveis. O estatístico diz que essas variáveis são aleatórias porque elas têm um componente que varia ao acaso. Por exemplo, a variabilidade dos pesos

Leia mais

RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO

RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO RADIOTERAPIA EXTERNA CONFORMACIONAL 3D NO TRATAMENTO DE CARCINOMAS DA NASOFARINGE: EXPERIÊNCIA DE UM SERVIÇO Centro Hospitalar Lisboa Norte Serviço de Radioterapia SUMÁRIO Introdução Objetivos Material

Leia mais

MORTALIDADE DE IDOSOS POR DOENÇAS CARDIOLÓGICAS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB

MORTALIDADE DE IDOSOS POR DOENÇAS CARDIOLÓGICAS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB MORTALIDADE DE IDOSOS POR DOENÇAS CARDIOLÓGICAS NA CIDADE DE JOÃO PESSOA-PB Msc. Elídio Vanzella- Ensine Faculdades; Estácio. INTRODUÇÃO No ano de 1990 o governo brasileiro, pelo menos no campo das intenções,

Leia mais

Viviana das Graças Ribeiro Lobo 1 Dirley Moreira dos Santos 2

Viviana das Graças Ribeiro Lobo 1 Dirley Moreira dos Santos 2 Modelo de Regressão Logística aplicado a dados do Setor de Ergometria e Reabilitação Cardíaca do HUAP-UFF: identificação de fatores associados à Hipertensão Arterial Viviana das Graças Ribeiro Lobo 1 Dirley

Leia mais

MODELAGEM E ESCOLHA ENTRE EMBALAGENS USANDO TÉCNICAS DE CONFIABILIDADE E ANÁLISE DE

MODELAGEM E ESCOLHA ENTRE EMBALAGENS USANDO TÉCNICAS DE CONFIABILIDADE E ANÁLISE DE Revista da Estatística da UFOP, Vol I, 2011 - XI Semana da Matemática e III Semana da Estatística, 2011 ISSN 2237-8111 MODELAGEM E ESCOLHA ENTRE EMBALAGENS USANDO TÉCNICAS DE CONFIABILIDADE E ANÁLISE DE

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MODELOS DE FRAGILIDADES APLICADOS A DADOS DE LEUCEMIA LINFOBLASTÍCA

INTRODUÇÃO AOS MODELOS DE FRAGILIDADES APLICADOS A DADOS DE LEUCEMIA LINFOBLASTÍCA INTRODUÇÃO AOS MODELOS DE FRAGILIDADES APLICADOS A DADOS DE LEUCEMIA LINFOBLASTÍCA Roseane de Alcântara Costa (1); Manoel Joaquim Isidro (1); Tiago Almeida de Oliveira (4) Universidade Estadual da Paraíba,

Leia mais

Introdução à Bioestatística Turma Nutrição

Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Introdução à Bioestatística Turma Nutrição Aula 1: O Papel da Estatística nas Ciências da Saúde Conceitos Básicos

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

Princípios de Bioestatística

Princípios de Bioestatística Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Princípios de Bioestatística Aula 1 O Papel da Estatística nas Ciências da Saúde Conceitos Básicos Tipos de

Leia mais

Estatística Vital Aula 1-07/03/2012. Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística UFPB

Estatística Vital Aula 1-07/03/2012. Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística UFPB Estatística Vital Aula 1-07/03/2012 Hemílio Fernandes Campos Coêlho Departamento de Estatística UFPB Programa proposto Noções de estatística descritiva Noções de probabilidade Noções de Intervalo de confiança

Leia mais

SOBREVIDA DE PACIENTES ADULTOS QUE RECEBERAM TRANSPLANTE DE FÍGADO NO SUS NO PERÍODO

SOBREVIDA DE PACIENTES ADULTOS QUE RECEBERAM TRANSPLANTE DE FÍGADO NO SUS NO PERÍODO SOBREVIDA DE PACIENTES ADULTOS QUE RECEBERAM TRANSPLANTE DE FÍGADO NO SUS NO PERÍODO 2001-2011 Eliza Antonia de Queiroz (CEDEPLAR/FACE/UFMG e IFMG/Campus Sabará) Mônica Viegas Andrade (CEDEPLAR/FACE/UFMG)

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS

REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS REDE BRASILEIRA DE PESQUISAS NEONATAIS RELATÓRIO ANUAL 2011 2 RELATÓRIO ANUAL 2011... 1 INTRODUÇÃO... 3 Informações Referentes ao Pré-Natal... 4 Quadro 1 Dados maternos... 4 Quadro 2 - Corticóide Antenatal...

Leia mais

RESUMO DE DADOS. Lucas Santana da Cunha Universidade Estadual de Londrina. 24 de abril de 2017

RESUMO DE DADOS. Lucas Santana da Cunha  Universidade Estadual de Londrina. 24 de abril de 2017 RESUMO DE DADOS Lucas Santana da Cunha lscunha@uel.br http://www.uel.br/pessoal/lscunha/ Universidade Estadual de Londrina 24 de abril de 2017 e gráficos Apresentação de dados A apresentação de dados estatísticos

Leia mais

Modelo de Regressão de Cox

Modelo de Regressão de Cox MAE 514 - à Análise de Sobrevivência e Aplicações O modelo de Cox com taxas de falhas proporcionais MAE 514 - à Análise de Sobrevivência e Aplicações IME-USP MAE 514 - à Análise de Sobrevivência e Aplicações

Leia mais

Análise da história de pacientes HIV positivos: abordagem de modelos markovianos multi-estados

Análise da história de pacientes HIV positivos: abordagem de modelos markovianos multi-estados Análise da história de pacientes HIV positivos: abordagem de modelos markovianos multi-estados Silvia Shimakura Raquel V.C. de Oliveira Dayse Campos mailto:silvia.shimakura@ufpr.br Universidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DO TEMPO DE ENTREGA DE LAUDOS PERICIAIS EM ATENDIMENTOS DE LOCAIS DE CRIME PELO INSTITUTO DE CRIMINALÍSTICA DE CURITIBA

ANÁLISE DO TEMPO DE ENTREGA DE LAUDOS PERICIAIS EM ATENDIMENTOS DE LOCAIS DE CRIME PELO INSTITUTO DE CRIMINALÍSTICA DE CURITIBA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Fabiano da Cruz ANÁLISE DO TEMPO DE ENTREGA DE LAUDOS PERICIAIS EM ATENDIMENTOS DE LOCAIS DE CRIME

Leia mais

Métodos Avançados de Análise de Sobrevivência. Cronograma Introdução. O Tempo Capítulo 2

Métodos Avançados de Análise de Sobrevivência. Cronograma Introdução. O Tempo Capítulo 2 Cap Introdução Introdução à Análise de Introdução à Análise de Marilia Sá Carvalho Dayse Pereira Campos Raquel de V.C. de Oliveira Fundação Oswaldo Cruz, Brasil Introdução Capítulo O Tempo Capítulo 2 Funções

Leia mais

MORTALIDADE POR DE CÂNCER DE MAMA NO ESTADO DA PARAÍBA ENTRE 2006 E 2011

MORTALIDADE POR DE CÂNCER DE MAMA NO ESTADO DA PARAÍBA ENTRE 2006 E 2011 MORTALIDADE POR DE CÂNCER DE MAMA NO ESTADO DA PARAÍBA ENTRE 2006 E 2011 Tayná Lima dos Santos; Ideltonio José Feitosa Barbosa Universidade Federal da Paraíba. Email: taynalima95@hotmail.com Universidade

Leia mais

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística

Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Modelos de Probabilidade e Inferência Estatística Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba Prof. Tarciana Liberal (UFPB) Aula Probabilidade Condicional 03/14 1 / 48 É provável que você

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Antonio

Leia mais

Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados.

Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados. TESTES NÃO PARAMÉTRICOS Testes não paramétricos são testes de hipóteses que não requerem pressupostos sobre a forma da distribuição subjacente aos dados. Bioestatística, 2007 15 Vantagens dos testes não

Leia mais

MAE116 Noções de Estatística

MAE116 Noções de Estatística Exercício 01 MAE116 Noções de Estatística base freq. absoluta Antes do treinamento freq. relativa (%) densidade de freq. freq. absoluta Depois do treinamento freq relativa (%) densidade de freq. 0 -- 2

Leia mais

7/26/2011 MEDIDAS DE POSIÇÃO

7/26/2011 MEDIDAS DE POSIÇÃO BIOESTATÍSTICA 5 As medidas de tendência central são assim denominadas por indicarem um ponto em torno do qual se concentram os dados. Este ponto tende a ser o centro da distribuição dos dados. 1 São as

Leia mais

EXAME DE ESTATÍSTICA / ESTATÍSTICA I

EXAME DE ESTATÍSTICA / ESTATÍSTICA I INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE EAME DE ESTATÍSTICA / ESTATÍSTICA I Cursos: Licenciatura em Enfermagem e Licenciaturas Bi-etápicas em Fisioterapia e em Terapia da Fala Época de

Leia mais

Estimação de curvas de sobrevivência para estudos de custo-efetividade

Estimação de curvas de sobrevivência para estudos de custo-efetividade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Estimação de curvas de sobrevivência para estudos de custo-efetividade Autora: Letícia Herrmann Orientadora:

Leia mais

Inferência Estatística

Inferência Estatística Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Inferência Estatística Profa. Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Plano da Apresentação Duas distribuições importantes Normal T- Student Estimação

Leia mais

Análise de dados para negócios. Cesaltina Pires

Análise de dados para negócios. Cesaltina Pires Análise de dados para negócios Cesaltina Pires Janeiro de 2003 Índice geral 1 Representação grá ca de dados 1 1.1 Variáveis discretas e contínuas.......................... 1 1.2 Distribuições de frequência

Leia mais

Idade (anos) n % n % , , , , , , ,167 Total

Idade (anos) n % n % , , , , , , ,167 Total Lista suplementar 1 A questão 1 foi elaborada com base na Tese de Doutorado de Suely Godoy Agostinho Gimeno, defendida no Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, FSP/USP, 1996. Um dos objetivos do

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística

Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Questionário- Teste de Conhecimento de Bioestatística Este inquérito está inserido no trabalho de investigação Statistical interpretation of studies among doctors and medical students. Tem como objetivo

Leia mais

Inferência Estatística. Estimação

Inferência Estatística. Estimação Inferência Estatística Estimação Inferência Estatística fazer inferências tirar conclusões fazer inferência estatística tirar conclusões sobre uma população com base em somente uma parte dela, a amostra,

Leia mais

A prevenção de comportamentos suicidas na juventude

A prevenção de comportamentos suicidas na juventude A prevenção de comportamentos suicidas na juventude José Manoel Bertolote Departamento de Neurologia, Psicologia e Psiquiatria Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Australian Institute for Suicide Research

Leia mais

Indicadores de Saúde Prevalência e incidência

Indicadores de Saúde Prevalência e incidência PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Escola de Ciências Agrárias e Biológicas Epidemiologia e Saúde Pública Indicadores de Saúde Prevalência e incidência Prof. Msc. Macks Wendhell a) Calcule a taxa

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

GRASIELLE VIEIRA CARNEIRO LEVANTAMENTO DA INCIDÊNCIA DE AGENESIAS DENTÁRIAS ENTRE 7 A 16 ANOS EM PACIENTES NA REGIÃO DE CAMPO GRANDE - MS

GRASIELLE VIEIRA CARNEIRO LEVANTAMENTO DA INCIDÊNCIA DE AGENESIAS DENTÁRIAS ENTRE 7 A 16 ANOS EM PACIENTES NA REGIÃO DE CAMPO GRANDE - MS GRASIELLE VIEIRA CARNEIRO LEVANTAMENTO DA INCIDÊNCIA DE AGENESIAS DENTÁRIAS ENTRE 7 A 16 ANOS EM PACIENTES NA REGIÃO DE CAMPO GRANDE - MS CAMPO GRANDE - MS 2008 GRASIELLE VIEIRA CARNEIRO LEVANTAMENTO DA

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

BIOESTATÍSTICA. Prof ª Marcia Moreira Holcman

BIOESTATÍSTICA. Prof ª Marcia Moreira Holcman BIOESTATÍSTICA Prof ª Marcia Moreira Holcman mholcman@uol.com.br Bibliografia VIEIRA S. Introdução à Bioestatística, Editora Campus Rio de Janeiro, 1998. CALLEGARI-JACQUES SIDIA M. Bioestatísticos Princípios

Leia mais

- Testes Qui-quadrado. - Aderência e Independência

- Testes Qui-quadrado. - Aderência e Independência - Testes Qui-quadrado - Aderência e Independência 1 1. Testes de Aderência Objetivo: Testar a adequabilidade de um modelo probabilístico a um conjunto de dados observados Exemplo 1: 1 Genética Equilíbrio

Leia mais

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro

Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Perfil dos nascidos vivos de mães residentes na área programática 2.2 no Município do Rio de Janeiro Ana Lucia A. de Toledo Carla R. Fernandes 1 Ana Claudia S. Amaral -NESC/UFRJ-SMS/RJ) Vania da S. Cardoso

Leia mais

Métodos Quantitativos em Medicina

Métodos Quantitativos em Medicina Métodos Quantitativos em Medicina Comparação de Duas Médias Terceira Aula 009 Teste de Hipóteses - Estatística do teste A estatística do teste de hipótese depende da distribuição da variável na população

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES

RELATÓRIO SOBRE A DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES RELATÓRIO SOBRE A DIFERENÇA SALARIAL ENTRE HOMENS E MULHERES Divisão de Gestão de Recursos Humanos Direção de Recursos ÍNDICE Introdução... 3 Finalidade do relatório... 4 Diferenciações Salariais uma análise

Leia mais

BENEFIT e CHAGASICS TRIAL

BENEFIT e CHAGASICS TRIAL BENEFIT e CHAGASICS TRIAL Estudos Clínicos em Chagas Patricia Rueda Doença de Chagas Terceira doença parasitária mais comum do mundo (Malária e Esquistossomose) Cardiopatia chagásica é a forma mais comum

Leia mais

Curso de Especialização em Saúde da Família Modalidade a Distância. Módulo 3 - Epidemiologia

Curso de Especialização em Saúde da Família Modalidade a Distância. Módulo 3 - Epidemiologia Curso de Especialização em Saúde da Família Modalidade a Distância Módulo 3 - Epidemiologia Prevalência e Incidência MEDIDAS DE FREQUÊNCIA Prevalência e Incidência Ao contrário da incidência, que se refere

Leia mais

Filho, não é um bicho: chama-se Estatística!

Filho, não é um bicho: chama-se Estatística! Paulo Jorge Silveira Ferreira Filho, não é um bicho: chama-se Estatística! Estatística aplicada uma abordagem prática FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Paulo Ferreira TÍTULO: Filho, não é um bicho: chama-se Estatística!

Leia mais

6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução

6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA Introdução 6.3. INFECÇÃO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA 6.3.1. Introdução O diagnóstico da situação relativo à infecção pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) na região Norte (RN) foi elaborado com base

Leia mais

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA)

DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTATÍSTICA APLICADA) 1. Sabe-se que o nível de significância é a probabilidade de cometermos um determinado tipo de erro quando da realização de um teste de hipóteses. Então: a) A escolha ideal seria um nível de significância

Leia mais

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa

Conceitos Básicos Teste t Teste F. Teste de Hipóteses. Joel M. Corrêa da Rosa 2011 O 1. Formular duas hipóteses sobre um valor que é desconhecido na população. 2. Fixar um nível de significância 3. Escolher a Estatística do Teste 4. Calcular o p-valor 5. Tomar a decisão mediante

Leia mais

DIAGNÓSTICO. Processo de decisão clínica que baseia-se, conscientemente ou não, em probabilidade. Uso dos testes diagnósticos

DIAGNÓSTICO. Processo de decisão clínica que baseia-se, conscientemente ou não, em probabilidade. Uso dos testes diagnósticos Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia Testes

Leia mais

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA NO ESTUDO DAS HEPATITES EM LAVRAS-MG

ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA NO ESTUDO DAS HEPATITES EM LAVRAS-MG ANÁLISE DE SOBREVIVÊNCIA NO ESTUDO DAS HEPATITES EM LAVRAS-MG ROSSICLEY RANGEL DE PAIVA 1 ; GUIDO GUSTAVO HUMADA GONZALEZ 2, GILBERTO RODRIGUES LISKA 3 RESUMO: A partir do momento da descoberta que se

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2009 Altera a Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, para incluir a pesquisa de biomarcadores entre as ações destinadas à detecção precoce das neoplasias malignas de mama

Leia mais

Avaliação da sobrevida global de pacientes com câncer de mama atendidas em Barbacena, MG

Avaliação da sobrevida global de pacientes com câncer de mama atendidas em Barbacena, MG ARTIGO ORIGINAL Avaliação da sobrevida global de pacientes com câncer de mama atendidas em Barbacena, MG Evaluation of overall survival of breast cancer patients in Barbacena, MG Fernanda Villela Alvarenga¹,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE SATISFAÇÃO COM A DEMOCRACIA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE SATISFAÇÃO COM A DEMOCRACIA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE SATISFAÇÃO COM A DEMOCRACIA SETEMBRO DE 2015 JOB1250 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O principal objetivo desse projeto é monitorar a satisfação com

Leia mais

Análise Estatística de Sobrevivência: um estudo de pacientes com câncer de mama tratados no município de Curitiba

Análise Estatística de Sobrevivência: um estudo de pacientes com câncer de mama tratados no município de Curitiba Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Estatística Ana Flávia do Carmo Santos Felipe Werner Análise Estatística de Sobrevivência: um estudo de pacientes com câncer de mama

Leia mais

Julyana Kelly Tavares de Araújo PERFIL DOS PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL GERAL SANTA ISABEL DE JOÃO PESSOA - PB

Julyana Kelly Tavares de Araújo PERFIL DOS PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL GERAL SANTA ISABEL DE JOÃO PESSOA - PB Julyana Kelly Tavares de Araújo PERFIL DOS PACIENTES INTERNADOS NO HOSPITAL GERAL SANTA ISABEL DE JOÃO PESSOA - PB João Pessoa-PB Dezembro-2006 UFPB Universidade Federal da Paraíba CCEN Centro De Ciências

Leia mais

HEP-5800 BIOESTATÍSTICA. Capitulo 2

HEP-5800 BIOESTATÍSTICA. Capitulo 2 HEP-5800 BIOESTATÍSTICA Capitulo 2 NOÇÕES DE PROBABILIDADE, DISTRIBUIÇÃO BINOMIAL, DISTRIBUIÇÃO NORMAL Nilza Nunes da Silva Regina T. I. Bernal MARÇO DE 2012 2 1. NOÇÕES DE PROBABILIDADE 1. DEFINIÇÃO Considere

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência

Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência Modelos Lineares Generalizados - Modelos log-lineares para tabelas de contingência Erica Castilho Rodrigues 2 de Agosto de 2013 3 Modelos de Poisson podem ser usados para analisar tabelas de contingência.

Leia mais

Ementa Cursos de Verão do Núcleo de Epidemiologia e Bioestatística (NEB) 2005

Ementa Cursos de Verão do Núcleo de Epidemiologia e Bioestatística (NEB) 2005 Ementa Cursos de Verão do Núcleo de Epidemiologia e Bioestatística (NEB) 2005 Índice Bioética 2 Estatística descritiva 3 Análise de Sobrevivência I 4 Consistência em Banco de Dados utilizando o SPSS 5

Leia mais

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta

Exemplo (tabela um) distribuições marginais enquanto que. Distribuição Conjunta Distribuição Conjunta Suponha que se queira analisar o comportamento conjunto das variáveis = de Instrução e = Região de procedência. Neste caso, a distribuição de freqüências é apresentada como uma tabela

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES COM NEOPLASIA DE MAMA EM TRATAMENTO COM TRANSTUZUMABE EM HOSPITAL NO INTERIOR DE ALAGOAS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES COM NEOPLASIA DE MAMA EM TRATAMENTO COM TRANSTUZUMABE EM HOSPITAL NO INTERIOR DE ALAGOAS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES COM NEOPLASIA DE MAMA EM TRATAMENTO COM TRANSTUZUMABE EM HOSPITAL NO INTERIOR DE ALAGOAS Andreia Herculano da Silva Casa de Saúde e Maternidade Afra Barbosa Andreiah.silva@hotmail.com

Leia mais

Exemplos Equações de Estimação Generalizadas

Exemplos Equações de Estimação Generalizadas Exemplos Equações de Estimação Generalizadas Bruno R. dos Santos e Gilberto A. Paula Departamento de Estatística Universidade de São Paulo, Brasil giapaula@ime.usp.br Modelos Lineares Generalizados dos

Leia mais

Desenho de Estudos. Enrico A. Colosimo/UFMG enricoc. Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1/28

Desenho de Estudos. Enrico A. Colosimo/UFMG  enricoc. Depto. Estatística - ICEx - UFMG 1/28 1/28 Introdução à Bioestatística Desenho de Estudos Enrico A. Colosimo/UFMG http://www.est.ufmg.br/ enricoc Depto. Estatística - ICEx - UFMG 2/28 Perguntas Relevantes Os grupos são comparáveis? As variáveis

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Licenciatura em Matemática

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Licenciatura em Matemática 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Licenciatura em Matemática Modelo Weibull Aplicado a Análise de Confiabilidade Marcílio Ramos Pereira Cardial

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 09 de dezembro de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Brasil, com o objetivo de consultar à população sobre avaliação de uma possível intervenção

Leia mais

Testes Diagnósticos. Enrico A. Colosimo

Testes Diagnósticos. Enrico A. Colosimo Introdução à Bioestatística Testes Diagnósticos Enrico A. Colosimo Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais http://www.est.ufmg.br/~enricoc 1 / 36 Testes Diagnósticos Uma das experiências

Leia mais

Bioestatística F Testes Diagnósticos

Bioestatística F Testes Diagnósticos Bioestatística F Testes Diagnósticos Enrico A. Colosimo Departamento de Estatística Universidade Federal de Minas Gerais http://www.est.ufmg.br/~enricoc 2011 1 / 36 Testes Diagnósticos Uma das experiências

Leia mais

Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento. Paula de Oliveira e Sousa

Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento. Paula de Oliveira e Sousa Prevenção as DST/AIDS e Envelhecimento Paula de Oliveira e Sousa Dados do Boletim de 2012 No Estado de São Paulo de 1980 a 2012 são 217.367 casos de AIDS Queda de 33,7% de 2000 a 2010 A taxa de incidência

Leia mais

ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS SOBRE DIABETES PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS SOBRE DIABETES PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA ESTRATÉGIAS EDUCATIVAS SOBRE DIABETES PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA Maria Gleiciane Gomes Jorge 1, Lorena Victória Lima de Andrade 2, Paula Marciana Pinheiro de Oliveira 3 Resumo: Objetivou-se

Leia mais

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística

Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos 1º Semestre de 2013 Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Capítulo 3 Introdução à Probabilidade e à Inferência Estatística Introdução ao Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Agora,

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Medidas de Epidemiologia Geral Parte I

Medidas de Epidemiologia Geral Parte I Medidas de Epidemiologia Geral Parte I Faculdade de Ciências Médicas de Cacoal FACIMED Profª Gracian Li Pereira Habilidades Gerais VI Epidemiologia Geral 2012.2 Tipos de frações utilizadas para descrever

Leia mais

1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia e suas áreas de interesse 3) Medidas em epidemiologia 4) Freqüência absoluta versus relativa

1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia e suas áreas de interesse 3) Medidas em epidemiologia 4) Freqüência absoluta versus relativa Saúde Coletiva e Ambiental Aula 7 Medidas da Saúde Coletiva Prof. Ricardo Mattos Bibliografia de Referência: Medronho, 2008 (Cap. 2) UNIG, 2009.1 Sumário da Aula 1) Introdução à Epidemiologia 2) Epidemiologia

Leia mais

Case Processing Summary

Case Processing Summary 17. O ficheiro Banco.sav encerra informação relativa a 474 empregados contratados por um banco, entre 1969 e 1971. Este banco esteve envolvido num processo judicial no âmbito da Igualdade de Oportunidade

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS ECONÔMICOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS ECONÔMICOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS ECONÔMICOS MAIO DE 2015 JOB1845-5 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA O estudo tem por objetivo geral levantar o sentimento do consumidor em relação

Leia mais

Pirâmide Etária Brasil

Pirâmide Etária Brasil Análise Demográfica Brasil, Paraná e curitiba (1997-7) 1) Estrutura Etária no Brasil, Parana e Curitiba 1997 e 7 A partir das tabelas de população residente por sexo e, foram calculadas algumas medidas

Leia mais