Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas"

Transcrição

1 Tábuas de Vida de Múltiplo Decremento: ganhos potenciais em expectativa de vida no RS, em 2005, relativos aos óbitos por Causas Externas Marilene Dias Bandeira Setembro 2008

2 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO ALGUMAS DEFINIÇÕES: Causas externas Tábua de vida Tábua de vida de múltiplo decremento PANORAMA DAS CAUSAS DE MORTALIDADE RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS

3

4 FONTE DOS DADOS Óbitos: Secretaria Estadual da Saúde/Rio Grande do Sul População 2005 : estimativas feitas pela População 2005 : estimativas feitas pela Fundação de Economia e Estatística, Rio Grande do Sul

5 CAUSAS EXTERNAS ACIDENTES DE TRÂNSITO QUEDAS HOMICÍDIOS SUICÍDIOS AFOGAMENTOS

6 80 % Mortalidade proporcional por causas externas e idade, RS ,8 73,2 57,6 46,0 43,3 37,1 32,9 23,9 22,8 22,8 10,0 5,3 6,6 4,7 3,6 2,4 1,9 < 1 ano 1 a 4 5 a 9 10 a a a a a a a a a a a a a e + IDADE

7 Mortalidade proporcional por principais grupos de causas e faixa etária, RS FAIXA ETÁRIA 1a. Posição 2a. Posição 3a. Posição <1 ano 1 a 4 5 a 9 10 a a 19 Perinatal Causas externas Causas externas Causas externas Causas externas Anomalias congênitas Anomalias congênitas Neoplasias Neoplasias Neoplasias Causas externas Aparelho respiratório Sistema nervoso Sistema nervoso Sistema nervoso 55,9 23,9 37,1 46,0 71,8 23,1 15,0 17,1 15,8 6,7 5,3 13,5 11,7 7,6 4,4 20 a 24 Causas externas Infecciosas e parasitárias Neoplasias 73,2 6,6 5,0 25 a 29 Causas externas Infecciosas e parasitárias Neoplasias 57,6 16,5 6,0 30 a 34 Causas externas Infecciosas e parasitárias Neoplasias 43,3 21,2 10,6 35 a 39 Causas externas Infecciosas e parasitárias Neoplasias 32,9 16,5 13,7 40 a 44 Causas externas Neoplasias Aparelho circulatório 22,8 20,0 16,6 45 a 49 Neoplasias Aparelho circulatório Causas externas 24,3 22,4 15,4 FONTE: Secretaria Estadual da Saúde/RS.

8 Mortalidade proporcional por principais grupos de causas e faixa etária, RS FAIXA ETÁRIA 1a. Posição 2a. Posição 3a. Posição 4a. Posição 50 a a a 64 Neoplasias Neoplasias Neoplasias Ap. circulatório Ap. circulatório Ap. circulatório Causas externas Ap. respiratório Ap. respiratório Ap. digestivo Ap. digestivo Endócrinas e metabólicas 28,7 30,7 30,6 25,7 27,2 30,0 10,0 8,7 10,2 7,4 6,8 6,6 65 a 69 Ap. circulatório Neoplasias Ap. respiratório Endócrinas e metabólicas 32,8 28,2 12,6 7,0 70 a 74 Ap. circulatório Neoplasias Ap. respiratório Endócrinas e metabólicas 35,7 25,3 14,0 6,7 75 e mais Ap. circulatório Ap. respiratório Neoplasias Endócrinas e metabólicas 40,2 17,0 16,5 6,3 Todas idades Ap. circulatório Neoplasias Ap. respiratório Causas externas 30,2 20,8 11,9 9,6 FONTE: Secretaria Estadual da Saúde/RS.

9 Mortalidade por grupo de causas Mortalidade por Grupos de Causas e posição relativa, por sexo, Rio Grande do Sul MASCULINO FEMININO GRUPOS DE CAUSAS DO ÓBITO % Posição % Posição Doenças do aparelho circulatório 26,5 1 34,8 1 Neoplasias 20,9 2 20,6 2 Doenças do aparelho respiratório 12,1 4 11,7 3 Causas externas 14,1 3 3,8 7 Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas 4,2 8 7,0 4 Causas mal definidas 5,3 5 5,4 5 Doenças do aparelho digestivo 5,1 6 4,2 6 Algumas doenças infecciosas e parasitárias 4,4 7 3,6 8 Demais causas 7,4-8,9 - Total 100,0-100,0 - FONTE: Secretaria Estadual da Saúde-RS.

10 Posição das principais causas de óbitos e média de perdidos por óbito RS MASCULINO FEMININO Média de Média de Posição Posição GRUPO DE CAUSAS como como causa de perdidos causa de perdidos óbito óbito (por óbito) (por óbito) Causas Externas 3 34,2 7 43,1 Infecciosas e Parasitárias 7 27,9 8 36,5 Mal Definidas 5 18,6 5 27,6 Aparelho Digestivo 6 15,9 6 24,2 Aparelho Respiratório 4 14,8 3 24,2 Neoplasias 2 12,9 2 23,4 Endócrinas, Nutricionais e Metabólicas 8 13,0 4 20,9 Aparelho Circulatório 1 12,2 1 20,1 Fonte: Secretaria Estadual da Saúde/RS.

11 Distribuição dos óbitos em óbitos de homens, sendo por causas externas, cerca de 14% Risco de 106 por cem mil óbitos de mulheres, sendo por causas externas, cerca de 4% Risco de 22 por cem mil

12 Distribuição dos óbitos por causas externas e sexo, RS % MASCULINO FEMININO <1 ano e+ Idade

13 Tábua de vida É um modelo matemático que retrata as condições de mortalidade de uma população num determinado período, fornecendo uma medida de longevidade. É o histórico de um grupo hipotético (coorte) de pessoas que vai diminuindo gradualmente pelas mortes ocorridas. O cálculo inicia ao nascimento de cada membro e continua até que todos tenham morrido.

14 Tábua de vida:principais funções n q x é a probabilidade de morrer entre idade exata x e x + n n q x = 1+ n n nmn x ( 1 a ) x nm n x nm x é a taxa de mortalidade específica por idade na x é o fator de separação.

15 n p x é a probabilidade de sobreviver entre a idade exata x e x +n l x é o número de pessoas sobreviventes à idade exata x n d x é o número de pessoas que morrem entre a idade exata x e x + n n L x é o número de -pessoa vividos entre a idade exata x e x + n T x é o número total de -pessoa vividos após a idade exata x e x é a expectativa de vida na idade x

16 TÁBUA DE VIDA, SEXO MASCULINO, RIO GRANDE DO SUL Faixa etária (x) n q x l x nd x n L x T x e x 0-1 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,8 75 e + 1, ,3

17 TÁBUA DE VIDA, SEXO FEMININO, RIO GRANDE DO SUL Faixa etária (x) nq x l x n d x n L x T x e x 0-1 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,5 75 e + 1, ,3

18 0-0,5-1 nq x por sexo, RS ano ,5-2 -2,5-3 -3,5 LOG nqx HOMENS MULHERES

19 DIFERENCIAL POR SEXO NA EXPECTATIVA DE VIDA AO NASCER- RS 2005 HOMENS: ex=70,5 MULHERES: ex=78,6 DIFERENÇA DE 8,1 ANOS

20 TÁBUA DE VIDA DE MÚLTIPLO DECREMENTO Difere da tábua de vida apenas pelo cálculo de n q x, que representa a probabilidade líquida de morte, isto é, a probabilidade calculada após a exclusão (total ou parcial) de uma causa ou grupo de causas.

21 CÁLCULO DE n p x, PROBABILIDADE DE SOBREVIVER DE x A x+n: x n x n M n a M n a npx + = ) (1 1 1 x n x n M n a + ) (1 1

22 Tábua de vida de múltiplo decremento qxy = 1 npx [( Dx Dxy) / Dx] qx y é a probabilidade líquida de morrer após a exclusão X = 0,1,2,... (idade) y = 1,2,... (causas) Dxy = número de óbitos ocorridos na idade x pelo grupo de causa y Dx = número de óbitos ocorridos na idade x

23 Probabilidades real ( n q x ) e líquida (q xy ) de morte excetuando os óbitos por causas externas, e variação percentual, por sexo e idade, RS Faixa etária SEXO M ASCULINO nq x qxy Variação percentual SEXO FEM ININO (% ) (% ) 0-1 ano 0,011 0,011-5,5 0,009 0,008-4, ,002 0,001-27,4 0,002 0,001-20, ,001 0,001-37,7 0,001 0,001-36, ,002 0,001-55,1 0,001 0,001-33,9 nq x qxy Variação percentual ,007 0,001-81,3 0,002 0,001-42, ,010 0,002-81,5 0,002 0,002-36, ,011 0,003-68,8 0,004 0,003-22, ,013 0,006-51,9 0,005 0,004-19, ,016 0,009-41,0 0,007 0,006-14, ,020 0,014-29,9 0,010 0,009-7, ,030 0,024-20,4 0,016 0,015-5, ,044 0,038-13,0 0,023 0,022-4, ,065 0,060-8,0 0,032 0,031-3, ,098 0,093-5,9 0,049 0,048-2, ,145 0,139-4,2 0,083 0,081-2, ,216 0,210-2,6 0,123 0,121-1,6 75 e + 1,000 1,000-1,000 1,000 -

24 DIFERENÇAS ENTRE PROBABILIDADES REAL E LÍQUIDA DE MORRER % ano HOMENS MULHERES

25 Expectativa de vida real e hipotética, e ganhos potencias na expectativa de vida eliminando-se as mortes por causas externas, por sexo e idade, RS SEXO MASCULINO SEXO FEMININO Faixa etária Expectativa de vida (e x ) real Expectativa de vida hipotética Ganhos potenciais (em ) Expectativa de vida (e x ) real Expectativa de vida hipotética Ganhos potenciais (em ) 0-1 ano 70,5 73,0 2,5 78,6 79,1 0, ,3 72,8 2,5 78,2 78,7 0, ,4 68,9 2,4 74,4 74,8 0, ,5 63,9 2,4 69,4 69,9 0, ,6 59,0 2,3 64,5 65,0 0, ,0 54,1 2,0 59,7 60,0 0, ,5 49,2 1,6 54,8 55,1 0, ,0 44,3 1,3 50,0 50,3 0, ,5 39,6 1,0 45,2 45,5 0, ,1 34,9 0,8 40,5 40,7 0, ,8 30,4 0,6 35,9 36,1 0, ,6 26,1 0,4 31,4 31,6 0, ,7 22,0 0,3 27,1 27,2 0, ,0 18,2 0,2 22,9 23,0 0, ,7 14,8 0,1 19,0 19,0 0, ,8 11,8 0,1 15,5 15,5 0,0 75 e + 9,3 9,3 0,0 12,3 12,3 0,0

26 DIFERENCIAL POR SEXO NA EXPECTATIVA DE VIDA AO NASCER COM ELIMINAÇÃO TOTAL DOS ÓBITOS POR CAUSAS EXTERNAS- RS 2005 HOMENS: ex=73,0 (GANHO DE 2,5 ANOS) MULHERES: ex=79,1(ganho DE 0,5 ANO) DIFERENÇA DE 6,1 ANOS

27 DIFERENCIAL POR SEXO NA EXPECTATIVA DE VIDA AO NASCER COM ELIMINAÇÃO DA METADE DOS ÓBITOS POR CAUSAS EXTERNAS- RS 2005 HOMENS: ex=71,7 (GANHO DE 1,22 ANOS) MULHERES: ex=78,8 (GANHO DE 0,27 ANO) DIFERENÇA DE 7,1 ANOS

28 CONSIDERAÇÕES FINAIS A ELIMINAÇÃO TOTAL DAS DOENÇAS DO APARELHO CIRCULATÓRIO EM 2005 (1a. CAUSA DE MORTE PARA HOMENS E MULHERES) ACRESCENTA: 2,4 na expectativa de vida ao nascer dos homens; 2,0 para as mulheres (SEHN,2006)

29 CONSIDERAÇÕES FINAIS DESAGREGAÇÃO DAS CAUSAS EXTERNAS: Acidentes de trânsito e homicídios empatados em 1o. lugar ambos com 29,5% dos óbitos do Grupo; Suicídios em 3o. lugar, com 15,8% dos óbitos do Grupo.

30 Número de óbitos por causas externas e sexo, RS Homens Mulheres < e+

31 Óbitos por acidentes de trânsito No. DE ÓBITOS < Homens Mulheres e+

32 Óbitos por homicídios No. DE ÓBITOS Homens Mulheres 0 < e+

33 Óbitos por suicídios Homens Mulheres No. DE ÓBITOS < e+

34 Óbitos por afogamento Homens Mulheres No. DE ÓBITOS < e+

35 Óbitos por quedas Homens Mulheres 80 No. DE ÓBITOS < e+

36 Principais categorias-homens No. de óbitos Categorias de óbitos, homens, RS Acidentes de trânsito Quedas Afogamento Suicídios Homicídios 0 < e+ Idade

37 Principais categorias-mulheres < 10 No. de óbitos Categorias de óbitos, mulheres, RS Idade Acidentes de trânsito Quedas Afogamento Suicídios Homicídios e+

38 OBRIGADA! Marilene

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade

Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Indicadores de saúde Morbidade e mortalidade Milene ZS Vosgerau Indicadores epidemiológicos A construção de indicadores de saúde é necessária para: analisar a situação atual de saúde; fazer comparações;

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Mortalidade e Esperança de Vida

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Mortalidade e Esperança de Vida Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Mortalidade

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total População por Gênero SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: Barcarena DEMOGRAFIA População Total 99.859 População por Gênero Masculino 50.346 Participação % 50,42 Feminino 49.513

Leia mais

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu

SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu SIIS - Sistema de Informações de Indicadores Sociais do Estado do Pará Abrangência: São Félix do Xingu DEMOGRAFIA População Total 91.340 População por Gênero Masculino 48.691 Participação % 53,31 Feminino

Leia mais

Medidas de freqüência

Medidas de freqüência Medidas de freqüência IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Professores: Pauline Lorena Kale e Antonio José Leal Costa 2009 Ocorrência de doença Medidas

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9 Tabela de conteúdo 1 Definição 2 Objectivo 3 Estrutura 4 Implementação 5 Publicações 6 Notas 7 Ver também 8 Data da criação desta página e data da última modificação significativa Definição 9ª revisão

Leia mais

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios.

O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. O envelhecimento da população é um dos maiores triunfos da humanidade. É também um dos nossos maiores desafios. Características demográficas do envelhecimento Vera Andrade, 2014 Pirâmide Etária Pirâmide

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Martin Handford, Where s Wally? CST 310: População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Leia mais

Revista Debate Econômico, v.1, n.1, p , jan/jun 2013 Página 78

Revista Debate Econômico, v.1, n.1, p , jan/jun 2013 Página 78 Mortalidade no município de Varginha em 1999 e 2009: análise das taxas específicas de mortalidade, esperanças de vida ao nascer e principais causas de óbito Renata Aparecida Cintra 1 Pamila Cristina Lima

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Martin Handford, Where s Wally? CST 310: População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Leia mais

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013

A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 A evolução da mortalidade dos idosos no Distrito Federal na Periferia Metropolitana de Brasília (PMB) entre 2000 e 2013 Palavras-chave: Idosos; Mortalidade do idoso; Distrito Federal; Periferia Metropolitana

Leia mais

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio

Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio Incidência de síndrome gripal em população institucionalizada, Campinas/SP 2004 a 2005 Ms. Raquel M. R. Duarte Profª Drª Maria Rita Donalísio INTRODUÇÃO As doenças respiratórias estão entre as principais

Leia mais

15º - AUDHOSP ANO 2016

15º - AUDHOSP ANO 2016 15º - AUDHOSP ANO 2016 CID 11 DEBORAH PIMENTA FERREIRA Médica Equipe Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação SMS/SP Set/2016 Breve introdução à CID A CID (Classificação Estatística Internacional

Leia mais

2000 2003 Porto Alegre

2000 2003 Porto Alegre 2000 2003 Porto Alegre 1 Tabela 1- Série histórica do número de óbitos e Coeficientes de Mortalidade Geral (CMG) no Brasil, Rio Grande do Sul e Porto Alegre, 1980-2003 Brasil RS Porto Alegre Ano óbitos

Leia mais

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006

VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 VULNERABILIDADE PARA A MORTE POR HOMICÍDIOS E PRESENÇA DE DROGAS NA OCASIÃO DA OCORRÊNCIA DO ÓBITO 2001 A 2006 BETIM/MG Márcia Dayrell Secretaria Municipal de Saúde de Betim (MG) Serviço de Vigilância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA. Clauceane Venzke Zell 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Clauceane Venzke Zell ÍNDICES DE MAGNITUDE, TRANSCENDÊNCIA, VULNERABILIDADE

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES DE SAÚDE I 2005 Indicadores globais: Coeficiente

Leia mais

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde

Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde MORBILIDADE HOSPITALAR SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE 2004 2005 DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE LISBOA Morbilidade Hospitalar Serviço Nacional de Saúde 2004 2005 Direcção-Geral da Saúde Lisboa Maio 2007 Portugal.

Leia mais

ASPECTOS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DO IDOSO SERGIPANO E DEMANDA POR POLITICAS PÚBLICAS

ASPECTOS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DO IDOSO SERGIPANO E DEMANDA POR POLITICAS PÚBLICAS ASPECTOS DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DO IDOSO SERGIPANO E DEMANDA POR POLITICAS PÚBLICAS Neilson Santos Meneses Departamento de Geografia - Universidade Federal de Sergipe - nmeneses@bol.com.br Introdução Em

Leia mais

Mortalidade por causas externas entre os idosos

Mortalidade por causas externas entre os idosos Mortalidade por causas externas entre os idosos Antonio Benedito Marangone Camargo Palavras-chave: mortalidade, causas externas, idosos. Introdução Entre 1996 e 212, cerca de 3 mil pessoas de 6 anos e

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 2002 e 2012

Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 2002 e 2012 DOI: 10.1590/1414-46X01500010005 Artigo Original Diferenciais de mortalidade entre homens e mulheres: Sul de Minas Gerais, 00 e 01 Mortality differences between men and women: South of Minas Gerais, in

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 399

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 399 TEXTO PARA DISCUSSÃO N 399 GANHOS POTENCIAIS NA ESPERANÇA DE VIDA DECORRENTES DA EXCLUSÃO DOS ÓBITOS ASSOCIADOS AO TABAGISMO EM CURITIBA E BELO HORIZONTE, 2003: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE MÚLTIPLOS DECREMENTOS

Leia mais

MORTALIDADE EM CAMPINAS

MORTALIDADE EM CAMPINAS MORTALIDADE EM CAMPINAS Informe do Projeto de Monitorização dos Óbitos no município de Campinas Boletim de Mortalidade nº. 52 MORTALIDADE POR INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Publicado em Dezembro/2014 Secretaria

Leia mais

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos

RA Vila Isabel. Indicadores Rio Como Vamos 3 RA Vila Isabel Indicadores Rio Como Vamos 1 CARACTERÍSTICAS DA POPULAÇÃO A Região Administrativa (RA) de Vila Isabel faz parte da Área de Planejamento 2. Abaixo podemos observar os gráficos referentes

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde

Organização do Sistema Organização do SUS em Pernambuco Estadual de Saúde Seminário Internacional de Atenção Primária/Saúde da Família Expansão com qualidade e valorização dos Resultados Dr. Jorge Gomes Secretário Estadual de Saúde Organização do Sistema Organização do SUS em

Leia mais

Ana Amélia Camarano (IPEA) Solange Kanso (IPEA)

Ana Amélia Camarano (IPEA) Solange Kanso (IPEA) Ana Amélia Camarano (IPEA) Solange Kanso (IPEA) Brasília, 7 de março de 2007 OBJETIVOS QUESTÕES !"#$"$#%&#!!'"()* Visão geral das tendências de crescimento da população brasileira e dos componentes deste

Leia mais

O extermínio da juventude negra no Maranhão Nota da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH)

O extermínio da juventude negra no Maranhão Nota da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) O extermínio da juventude negra no Maranhão Nota da Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) São Luís abril de 215 O extermínio da juventude negra no Maranhão A criação da CPI da Morte e Desaparecimento

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES ECONÔMICAS, SOCIAIS E ESTATÍSTICAS DAS RELAÇÕES RACIAIS (LAESER) Prof. Dr. Marcelo Jorge de Paula Paixão

LABORATÓRIO DE ANÁLISES ECONÔMICAS, SOCIAIS E ESTATÍSTICAS DAS RELAÇÕES RACIAIS (LAESER) Prof. Dr. Marcelo Jorge de Paula Paixão LABORATÓRIO DE ANÁLISES ECONÔMICAS, SOCIAIS E ESTATÍSTICAS DAS RELAÇÕES RACIAIS (LAESER) Prof. Dr. Marcelo Jorge de Paula Paixão DESIGUALDADES RACIAIS NO BRASIL: análise de indicadores quantitativos e

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Análise espacial dos óbitos por acidentes de. trânsito no município do Rio de Janeiro

Análise espacial dos óbitos por acidentes de. trânsito no município do Rio de Janeiro XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Análise espacial dos óbitos por acidentes de trânsito no município do Rio de Janeiro Vanessa dos Reis de Souza Suzana

Leia mais

ACES Alto Tâmega e Barroso

ACES Alto Tâmega e Barroso Perfil Local de Saúde 2009 Tâmega e Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência

Leia mais

OBJETIVO: Conhecer o perfil de mortalidade infantil e adolescência no estado do Rio de Janeiro(ERJ), município(mrj) e região metropolitana (METRO).

OBJETIVO: Conhecer o perfil de mortalidade infantil e adolescência no estado do Rio de Janeiro(ERJ), município(mrj) e região metropolitana (METRO). 1 TÍTULO: PERFIL DA MORTALIDADE NA INFÂNCIA E NA ADOLESCÊNCIA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, REGIÃO METROPOLITANA E MUNICÍPIO, 1999. AUTORES: Nataly Damasceno; Sheylla de Lima; Kátia Silveira da Silva INTRODUÇÃO:O

Leia mais

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos

Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Análise de sobrevivência aplicada a pacientes HIV positivos Orientadora: Professora PhD Silva Shimakura Universidade Federal do Paraná Novembro de 2014 Sumário Resultados Conclusão Sumário Dados: Amostra

Leia mais

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010

PORTO ALEGRE. Mortalidade por Gerencia Distrital, 2010 Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos Não Transmissíveis PORTO

Leia mais

Desenvolvimento Humano em Porto Alegre

Desenvolvimento Humano em Porto Alegre Desenvolvimento Humano em Porto Alegre Evolução e Indicadores Porto Alegre, julho de 2011. CONCEITOS Desenvolvimento Humano Uma visão holística e multidimensional valorizando diversas dimensões do ser

Leia mais

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira

Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem Brasília, 17 de novembro de 2015 Aspectos Atuais das Doenças Cardiovasculares da População Masculina Brasileira Prof. Dr. Luiz César Nazário Scala Diretor

Leia mais

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011)

Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (2011) Perfil das pessoas mortas na cidade de São Paulo em circunstâncias violentas (0) Sobre o estudo Objetivo: sistematizar conhecimento sobre vitimização por causas violentas na cidade de São Paulo identificando

Leia mais

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul *

Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Evolução da Mortalidade no Rio Grande do Sul * Marilene Dias Bandeira UFRGS - Fundação de Economia e Estatística Palavras-chave: mortalidade; causas de morte; tendências da mortalidade. O objetivo deste

Leia mais

INDICADORES DE MORTALIDADE - Porto Alegre

INDICADORES DE MORTALIDADE - Porto Alegre Prefeitura Municipal de Porto Alegre Secretaria Municipal de Saúde/SMS Coordenadoria Geral de Vigilância da Saúde/CGVS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Agravos e Doenças Não Transmissíveis SUMÁRIO

Leia mais

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia

Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Martin Handford, Where s Wally? População, Espaço e Ambiente Abordagens Espaciais em Estudos de População: Métodos Analíticos e Técnicas de Representação Conceitos Básicos e Medidas em Demografia Antonio

Leia mais

Evolução das Ocorrências de Sinistros de Morte no Feriado de Corpus Christi por Tipo de Veículo

Evolução das Ocorrências de Sinistros de Morte no Feriado de Corpus Christi por Tipo de Veículo Estatísticas Corpus Christi Nos últimos anos, as ocorrências de acidentes envolvendo veículos automotores, no período do feriado de Corpus Christi, cujas indenizações foram solicitadas à Seguradora Líder

Leia mais

Estudos. População e Demografia

Estudos. População e Demografia População e Demografia Prof. Dr. Rudinei Toneto Jr. Guilherme Byrro Lopes Rafael Lima O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), desde 1991, divulga anualmente uma base com a população dos

Leia mais

Aplicação da tabela de múltiplos decrementos para as principais causas de óbitos: uma abordagem para esperança de vida no Brasil

Aplicação da tabela de múltiplos decrementos para as principais causas de óbitos: uma abordagem para esperança de vida no Brasil Aplicação da tabela de múltiplos decrementos para as principais causas de óbitos: uma abordagem para esperança de vida no Brasil Resumo O objetivo deste trabalho foi estudar o comportamento da esperança

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

Parte III Análise por Grupo de População

Parte III Análise por Grupo de População Parte III Análise por Grupo de População PARTE III - ANÁLISE POR GRUPO DE POPULAÇÃO 3.1 A SAÚDE DAS CRIANÇAS MENORES DE CINCO ANOS DE IDADE 3.1.1. COMO NASCEM ESSAS CRIANÇAS É sabido que, a partir de meados

Leia mais

N 91 DINÂMICA DEMOGRÁFICA DA POPULAÇÃO NEGRA BRASILEIRA

N 91 DINÂMICA DEMOGRÁFICA DA POPULAÇÃO NEGRA BRASILEIRA N 91 DINÂMICA DEMOGRÁFICA DA POPULAÇÃO NEGRA BRASILEIRA 12 de maio de 2011 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Wellington Moreira Franco Fundação

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

III JORNADA NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE

III JORNADA NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE III JORNADA NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE ANOS POTENCIAIS DE VIDA PERDIDOS POR VIOLÊNCIA E ESTIMATIVA DAS PERDAS ECONÔMICAS INDIRETAS POR VIOLÊNCIAS EM FORTALEZA NOS PERÍODOS 1981-1983 E 1999-2001 FORTALEZA

Leia mais

CIR DE VALE DO RIBEIRA

CIR DE VALE DO RIBEIRA CIR DE VALE DO RIBEIRA Possui 15 municípios: Barra do Turvo, Cajati, Cananéia, Eldorado, Iguape, Ilha Comprida, Iporanga, Itariri, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Pariquera-Açu, Pedro de Toledo, Registro

Leia mais

28/04/2011. Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG

28/04/2011. Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG Diagnóstico Multiaxial DSM-IV-TR PSICOPATOLOGIA Diagnóstico Multiaxial DSM-IV-TR Profa. Dra. Marilene Zimmer Psicologia - FURG Envolve uma avaliação em diversos eixos Cada qual relativo a um diferente

Leia mais

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Elaboração: 30/01/2012 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208 Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população

Leia mais

Aloísio Joaquim Freitas Ribeiro. Um estudo sobre mortalidade dos aposentados por invalidez do Regime Geral da Previdência Social (RGPS)

Aloísio Joaquim Freitas Ribeiro. Um estudo sobre mortalidade dos aposentados por invalidez do Regime Geral da Previdência Social (RGPS) Aloísio Joaquim Freitas Ribeiro Um estudo sobre mortalidade dos aposentados por invalidez do Regime Geral da Previdência Social (RGPS) Belo Horizonte, MG UFMG / CEDEPLAR 2006 Aloísio Joaquim Freitas Ribeiro

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL E ESTADO DE SÃO PAULO NA DÉCADA DE NOVENTA Aparecida Vieira de Melo 1 INTRODUÇÃO Dados do censo demográfico de 1991 e da contagem populacional de 1996 mostram que

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul

PEC-2939 Diagnóstico e Prognóstico do Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul 6. SAÚDE 6.1 Introdução A mortalidade infantil e o perfil de morbidade são importantes indicadores das condições de saúde de grupos populacionais. Entretanto, as dificuldades na obtenção de estatísticas

Leia mais

Construção de Indicadores de Saúde (Mortalidade) Aplicados ao Ensino de Epidemiologia Descritiva

Construção de Indicadores de Saúde (Mortalidade) Aplicados ao Ensino de Epidemiologia Descritiva Construção de Indicadores de Saúde (Mortalidade) Aplicados ao Ensino de Epidemiologia Descritiva Michelle de Oliveira Bloomfield Fernandes, Helia Kawa,, Edna Massae Eyokoo,, Luciana Tricai Cavalini Instituto

Leia mais

Atualização das Projeções e Estimativas Populacionais para o Rio Grande do Sul e seus Municípios

Atualização das Projeções e Estimativas Populacionais para o Rio Grande do Sul e seus Municípios Atualização das Projeções e Estimativas Populacionais para o Rio Grande do Sul e seus Municípios Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Palavras-Chave: Projeções de população,

Leia mais

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013 Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

TÁBUA DE VIDA DA POPULAÇÃO FEMININA DE RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1973*

TÁBUA DE VIDA DA POPULAÇÃO FEMININA DE RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1973* TÁBUA DE VIDA DA POPULAÇÃO FEMININA DE RIBEIRÃO PRETO, SP (BRASIL), 1973* Clarisse D. G. Carvalheiro * RSPU-B/381 CARVALHEIRO, C. D. G. Tábua de vida da população feminina de Ribeirão Preto, SP (Brasil),

Leia mais

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE 8 de junho de 2011 Sumário Panorama econômico e demográfico mundial; Transição Demográfica;

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2010 MULHER NO MERCADO DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS A Pesquisa Mensal de Emprego PME, implantada em 1980, produz indicadores

Leia mais

Data de elaboração 31/03/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ

Data de elaboração 31/03/2013 CEPI-DSS/ ENSP/FIOCRUZ Ind020208RM Taxa de mortalidade específica por diabete melito na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por diabete melito

Leia mais

Noções Básicas sobre

Noções Básicas sobre Tábua Completa de Mortalidade para o Noções Básicas sobre Brasil - 2011 Rio, 29 de novembro de 2012 Data 00/00/00 HISTÓRICO Mortalidade Infantil Em abril de 2012, o IBGE disponibilizou para sociedade os

Leia mais

61,6 milhões cobertos (59,6%)

61,6 milhões cobertos (59,6%) Previdência Social Brasil - 2013 População Residente: 201,4 milhões (2016 205,9) Urbana: 170,7 milhões Rural: 30,7 milhões População Economicamente Ativa - PEA: 103,4 milhões População Desocupada: 6,7

Leia mais

As doenças cardiovasculares em Portugal e na região Mediterrânica: uma perspetiva epidemiológica

As doenças cardiovasculares em Portugal e na região Mediterrânica: uma perspetiva epidemiológica Evangelista Rocha 1 Paulo Nogueira 2 1 Coordenador da Prevenção Cardiovascular da Sociedade Portuguesa de Cardiologia 2 Diretor da Direção de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Por que desarmar? O universo das armas. No mundo. No Brasil

Por que desarmar? O universo das armas. No mundo. No Brasil Por que desarmar? O universo das armas No mundo Existem 639 milhões de armas de fogo circulando no mundo, 59% nas mãos de civis. Todos os anos morrem 500 mil pessoas por armas de fogo, 200 mil delas civis

Leia mais

Bases de Dados em Saúde

Bases de Dados em Saúde Pesquisas e Fontes de Dados Administrativos para o Ciclo de políticas públicas ANIPES Dezembro - 2010 Bases de Dados em Saúde Denise Porto SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Transição

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007

MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, 2011- Costa Rica II Semestre 2011 pp. 1-15 MORTALIDADE POR CÂNCER NO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL, NO PERÍODO DE 1998 A 2007 Resumo Eva

Leia mais

Índice. Indicadores Demográficos

Índice. Indicadores Demográficos NUT III Península de Índice Densidade Populacional... 3 Esperança de Vida à Nascença... 3 Estrutura Etária da População dos 0 aos 14 anos... 4 Estrutura Etária da População dos 15 aos 24 anos... 4 Estrutura

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL

CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL CURSO DE AUXILIAR DE ACÇÃO MÉDICA / ASSISTENTE OPERACIONAL O amor á profissão pode torná-lo um bom profissional, mas só um diploma pode formar um profissional completo 1. OBJECTIVOS GERAIS O curso Profissional

Leia mais

Análises de Acidentes do Trabalho Fatais MTE SEGUR/RS

Análises de Acidentes do Trabalho Fatais MTE SEGUR/RS Análises de Acidentes do Trabalho Fatais Palestra proferida na SRTE em dezembro de 2008 por Môsiris Roberto Giovanini Pereira Membro da Comissão Organizadora do livro Análises de Acidentes do Trabalho

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama

Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino e de Mama SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE LESTE RH / DESENVOLVIMENTO 1 DENOMINAÇÃO Curso Teórico Prático para Profissionais de Saúde em Ações de Prevenção do Câncer de Colo Uterino

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

Mortalidade dos idosos nas capitais nordestinas: uma abordagem sobre os diferenciais sociodemográficos entre os idosos de 60 a 89 anos em 2000 e 2010

Mortalidade dos idosos nas capitais nordestinas: uma abordagem sobre os diferenciais sociodemográficos entre os idosos de 60 a 89 anos em 2000 e 2010 Mortalidade dos idosos nas capitais nordestinas: uma abordagem sobre os diferenciais sociodemográficos entre os idosos de 60 a 89 anos em 2000 e 2010 Resumo Eliana Mesquita da Silva 1 Anna Karoline Rocha

Leia mais

Carga e Custos da Doença Atribuível ao Tabagismo em Portugal

Carga e Custos da Doença Atribuível ao Tabagismo em Portugal Carga e Custos da Doença Atribuível ao Tabagismo em Portugal Miguel Gouveia Centro de Estudos Aplicados, FCEE, Universidade Católica Portuguesa Margarida Borges, Luís dos Santos Pinheiro, João Costa, Sérgio

Leia mais

Crianças e adolescentes: um perfil demográfico

Crianças e adolescentes: um perfil demográfico ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Crianças e adolescentes: um perfil demográfico Nº 20050601 Junho - 2005 Alcides Carneiro - IPP/Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro PREFEITURA

Leia mais

Mortalidade Perinatal no Estado de São Paulo

Mortalidade Perinatal no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 2 Fevereiro 2011 Mortalidade Perinatal no Estado de São Paulo A taxa de mortalidade perinatal estima o risco de um feto nascer sem qualquer

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

ACES Gondomar. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Gondomar. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

ACES Maia. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar

ACES Maia. Perfil Local de Saúde Aspectos a destacar Perfil Local de Saúde 2009 Índice Aspectos a destacar Ligações Este Perfil Local de Saúde proporciona-lhe um olhar rápido mas integrador, sobre a saúde da população da área geográfica de influência do

Leia mais

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer

O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer O comportamento social pode levar a doenças hepáticas Rute Eduviges Godinho Cecília Polidoro Mamer Os estudos sobre mortalidade com freqüência enfatizam a importância das causas relacionadas às doenças

Leia mais

Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas do coração na população de 15 anos e mais Descrição

Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas do coração na população de 15 anos e mais Descrição Ind020206 Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas do coração na população de 15 anos e mais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de mortalidade específica por doenças isquêmicas

Leia mais

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

Segue quadro comparativo sobre as alterações trazidas pela MP nº 664/2014, no tocante à pensão deixada pelo servidor público federal Lei 8.

Segue quadro comparativo sobre as alterações trazidas pela MP nº 664/2014, no tocante à pensão deixada pelo servidor público federal Lei 8. Segue quadro comparativo sobre as alterações trazidas pela MP nº 664/2014, no tocante à pensão deixada pelo servidor público federal Lei 8.112/90: Lei nº 8.112/90 redação anterior à Medida Provisória nº

Leia mais

DICAS DE NOVEMBRO / 2014

DICAS DE NOVEMBRO / 2014 DICAS DE NOVEMBRO / 2014 DICA 01 O segurado especial é o único segurado da previdência social que poderá ter sua inscrição feita após sua morte. DICA 02 O benefício de prestação continuada da Assistência

Leia mais

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de

GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação Internacional de SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DE DOENTES EM GRUPOS DE DIAGNÓSTICOS HOMOGÉNEOS GDH GDH CID-9-MC A CID-9-MC é um sistema de Classificação de Doenças, que se baseia na 9ª Revisão, Modificação Clínica, da Classificação

Leia mais

Tábuas Completas de Mortalidade por Sexo e Idade Brasil 2012

Tábuas Completas de Mortalidade por Sexo e Idade Brasil 2012 Tábuas Completas de Mortalidade por Sexo e Idade Brasil 2012 Breve análise da mortalidade no período 2011-2012 2 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

Esteróides Anabolizantes

Esteróides Anabolizantes Anabolizantes Brasil faixa etária e sexo. (Brasil) Tabela 1 - Anabolizantes distribuído segundo o sexo e a faixa etária. Observado % Intervalo de confiança 95% 12-17 0,4 (*) Masculino 1,0 (*) Feminino

Leia mais

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003

Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 2003 Tendência da Mortalidade em Idosos na Cidade do Rio de Janeiro 1979 a 23 Alcides Carneiro Rosanna Iozzi da Silva Palavras-chave: mortalidade; saúde do idoso; epidemiologia do envelhecimento. Resumo Este

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais