CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: LIBRAS EDITAL N o 06/2011-IFAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: LIBRAS EDITAL N o 06/2011-IFAL"

Transcrição

1 PROVA OBJETIVA 1 A língua de sinais brasileira (libras) é reconhecida como meio legal de comunicação da comunidade surda brasileira através da Lei 10436/2002 Pode-se afirmar que essa conquista foi possível devido a à organização e luta da comunidade surda no Brasil, em conjunto com intérpretes, professores e familiares de pessoas surdas b ao reconhecimento internacional da libras como segunda língua da pessoa com surdez c ao bom rendimento escolar dos surdos em decorrência do uso da libras na sala regular e, por isso, a necessidade de legalizá-la d ao interesse do governo Lula que teve como principal característica dar apoio aos movimentos sociais voltados para a defesa da inclusão de pessoas com deficiência e à grande pressão feita por movimentos religiosos a fim de utilizar a libras como meio de catequizar os surdos 2 O Decreto 5626/2005, em seu Art 2º, define as características que a pessoa deve apresentar para ser considerada surda De acordo com esse decreto, a pessoa surda é aquela que a apresenta perda auditiva de 70 a 90 db, apresentando total perda de audição em ambos os ouvidos b é usuária da língua de sinais brasileira em ambas as comunidades: surda e ouvinte c devido à surdez, interage com o mundo por meio de experiências visuais e manifesta sua cultura através da libras d é usuária exclusivamente da língua de sinais brasileira, rejeitando inclusive o uso da língua portuguesa e frequenta a comunidade surda e participa efetivamente das associações e de seus eventos políticos e sociais 3 O Decreto 5626/2005, em seu Art 13, postula que o ensino da língua portuguesa como segunda língua deve ser incluído na grade curricular dos cursos de formação de professores que irão atuar desde o ensino infantil ao superior, assim como nos cursos de licenciatura em Letras com habilitação em Língua Portuguesa Dessa forma, assinale a alternativa que condiz com o método que é utilizado na educação dos surdos para o ensino da língua de sinais como primeira língua (L 1 ) e a língua portuguesa como segunda (L 2 ) a oralista b gestualista c bimodal d comunicação total e bilíngüe 4 A inclusão escolar da pessoa surda só será de fato legítima se houver respeito a sua língua, identidade e cultura Com base nessa afirmação, assinale abaixo qual a vertente teórica que reconhece a língua, a identidade e a cultura surda como elementos fundamentais na formação desse sujeito a Perspectiva clínico-fonoaudiológica b Perspectiva médico-clínica c Perspectiva sócio-antropológica d Perspectiva psico-sócio-clínica e Perspectiva psico-clínica 1 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

2 5 Sobre a língua de sinais brasileira, assinale a questão que não diz respeito às reais características desta língua a A libras é de fato uma língua como qualquer outra língua apresentando assim uma gramática própria b A libras apresenta variações regionais c A libras é uma língua dinâmica que apresenta mudanças ao longo da história, assim como as línguas orais d Enquanto a língua portuguesa é oral-auditiva, a libras é visuo-gestual e A libras não é ágrafa Ela possui uma escrita oficialmente reconhecida no país que é a Escrita em Língua de Sinais 6 No Brasil, desde a década de 1980, há registros da presença de intérpretes de língua de sinais brasileira Inicialmente, esse serviço era prestado por frequentadores de templos religiosos ou por parentes de pessoas surdas Hoje, essa profissão é reconhecida legalmente Assinale a alternativa que corresponde ao papel do profissional intérprete/tradutor a Realizar a interpretação da língua falada para a língua sinalizada e vice-versa, melhorando sua interpretação, e até floreado-a, sempre que a fala da língua fonte estiver, por algum motivo, prejudicada b Realizar a interpretação da língua falada para a língua sinalizada e vice-versa, observando preceitos éticos, como: a confiabilidade, a imparcialidade, a discrição, a distância profissional e, principalmente, a fidelidade do discurso c Realizar a interpretação da língua falada para a língua sinalizada e vice-versa, observando preceitos éticos, como: a confiabilidade, a discrição, mas nunca a imparcialidade, uma vez que tal profissional deve está sempre a favor da pessoa surda, em uma tentativa de remediar todos os danos e prejuízos causados pela comunidade ouvinte d Realizar unicamente a interpretação da língua falada para a língua sinalizada, fazendo-se desnecessária uma interpretação da sinalizada para a falada, pois que os ouvintes conseguem entender bem os surdos quando estes se utilizam de mímicas e Realizar a interpretação da língua falada para a língua sinalizada e vice-versa, observando preceitos éticos, como: a confiabilidade, a imparcialidade, a discrição, a distância profissional e, principalmente, a fidelidade do discurso, bem como nunca se eximir de prestar qualquer tipo de serviço às pessoas surdas, porque essas são as principais responsáveis pelo domínio da língua de sinais que o intérprete/tradutor tem 7 Leia as proposições: I Os sinais na libras é formado por cinco parâmetros, são eles: Configuração de Mão, Ponto de Articulação, Movimento, Orientação e Expressão Facial e/ou Corporal; II Todos os sinais na libras devem ser compostos obrigatoriamente por todos os cincos parâmetros III Nem todos os sinais na libras são formados obrigatoriamente por todos os cincos parâmetros IV São 63 as configurações de mão que podem ser utilizadas na libras V O alfabeto manual pode ser também chamado de alfabeto datilológico Quais as alternativas estão corretas? a I, II e V b II, IV e V c I, III e IV d III, IV e V e I, III e V 2 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

3 8 Quanto ao uso do termo Surdo ou Surdo-Mudo, assinale a alternativa correta a O termo Surdo-Mudo é incorreto porque ele só deve ser utilizado para designar as pessoas que não têm nenhum resíduo auditivo b O uso da denominação Surdo é correto porque além do sistema auditivo não ser ligado ao aparelho fonador, a pessoa surda se expressa através da língua de sinais afastando de si o estigma da mudez c O uso do termo Surdo-Mudo só deve ser aplicado no caso de pessoas que não escutam e nem falam d O termo Surdo-Mudo só deve ser aplicado às pessoas que apresentam perda auditiva a partir de 70 db, enquanto que o termo Surdo só deve ser utilizado para designar as pessoas com deficiência auditiva a partir 50 db e É correto o uso de ambos os termos: Surdo e Surdo-Mudo Quem determina qual termo deve ser utilizado é a comunidade surda local 9 Foi a partir do século XVI que as pessoas surdas passaram a ser vistas como educáveis Na história da educação dos surdos, o primeiro educador de surdos teve, como alunos, filhos de pais abastados que queriam que seus filhos aprendessem a ler e escrever para que tivessem direito a receber herança O nome do considerado primeiro educador era a Pedro Ponce de Leon b Charles Michel De L Epée c Heinicke d Juan Pablo Bonet e Girolamo Cardano 10 Autores como Carlos Skliar e Ronice Müller Quadros nos apontam que o fraco rendimento escolar da pessoa surda incluída nas escolas regulares do Brasil é reflexo da prática da supervalorização da língua e da cultura ouvinte em detrimento da língua e da cultura surda Prova disso são as avaliações e os métodos que tomam como base a língua dos ouvintes Essa relação de poder que determina ser a língua dos ouvintes superior a dos surdos teóricos a denominaram de a oralismo b ouvintismo c surdinismo d grafocentrismo e etnocentrismo 11 As associações de surdos são, para a comunidade surda, um importante artefato cultural É no espaço da associação que os surdos encontram os seus pares e com eles partilham conhecimentos e fortalecem a cultura surda No âmbito nacional, a associação que tem lutado pelos direitos da pessoa surda é a a FENEIDA b FENEIS c INES d ASAL e UFSC 3 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

4 12 A fundação do Instituo Nacional de Educação de Surdos ocorreu em 26 de setembro de 1857 durante o império de D Pedro II O instituto recebeu, na época, o nome de Imperial Instituto de Surdos Mudos e a pessoa que o fundou foi a Ernest Bonnet b Hellen Keller c Hernest Huet d Anne Sullivan e Alexander Graham Bell 13 O II Congresso Internacional sobre a Instrução de Surdos, ocorrido em Milão no ano de 1880, foi um fato marcante na história da educação de surdos por ter determinado o uso do método oralista e a proibição da língua de sinais no processo educacional da pessoa surda Dos nomes listados abaixo, assinale o do considerado criador do método oralista a Samuel Heinicke b Thomas Hopkins Gallaudet c William Stokoe d Edward Miner Gallaudet e Oliver Sacks 14 Analisando os sinais abaixo, podemos concluir que Libras LSC (língua de sinais chinesa) Libras ASL (língua americana de sinais) a as línguas de sinais são exclusivamente icônicas b nas línguas de sinais, não há sinais icônicos, mas sim ligeiros traços da realidade c embora exista um grau elevado de sinais icônicos (BEBER, ÁRVORE, CASA), é importante destacar que essa característica não é exclusiva das línguas de sinais e que a iconicidade é convencional, cada sociedade capta facetas diferentes do mesmo referente d as línguas de sinais são exclusivamente arbitrárias e as línguas de sinais são universais O que muda são apenas alguns movimentos ou orientações das mãos 4 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

5 15 A comunidade surda brasileira, no mês de maio de 2011, realizou uma grande manifestação, na cidade de Brasília, para fazer reivindicações ao ministro da educação sobre a educação de surdos A principal reivindicação era a o direito por uma educação bilíngue em escolas bilíngües e pelo não fechamento do INES b o direito de estudar em uma escola inclusiva junto a pessoas ouvintes e pelo não fechamento da FENEIS c o direito ao livre acesso em viagens interestaduais d o direito por uma melhor qualidade na inclusão no mercado de trabalho e o reconhecimento legal da profissão do Intérprete de libras 16 Baseando-nos na trajetória histórica da educação de surdos no mundo, podemos dizer que a divergência entre Samuel Heinicke e Charles Michel de L Epée se dá pelo fato de a L Epée propor que a educação para surdos, baseada prioritariamente no uso de sinais livre de qualquer influência da gramática da língua oral, enquanto que Heinicke propunha um método combinado, sinais e oralidade, mas que se inclinava mais para o uso da oralidade b L Epée, criador dos sinais Metódicos, uma combinação da língua de sinais que ele considerava incompleta com a gramática da língua oral francesa e com o alfabeto digital, defender o uso desses sinais metódicos para o ensino de pessoas surdas, enquanto que Heinicke utilizava-se somente da linguagem oral c Heinicke e L Epée, apesar de serem adeptos dos sinais metódicos, o alemão se inclinara mais para o uso da escrita no processo de ensino de pessoas surdas, enquanto esse último se dedicara mais ao uso da datilologia d Heinicke e L Epée, apesar de serem adeptos dos sinais metódicos, o alemão se inclinara mais para o uso da escrita no processo de ensino de pessoas surdas, enquanto esse último se dedicara exclusivamente ao uso de sinais, tal qual é ainda trabalhando nos dias atuais e L Epée defender o uso exclusivamente de sinais para o ensino de pessoas surdas, enquanto que Heinicke utilizava-se de sinais metódicos, uma combinação da língua de sinais que ele considerava incompleta com a gramática da língua oral e com o alfabeto digital 17 Podemos afirmar que as publicações do linguista americano William Stokoe, a partir da década de 60 (1960), marcaram profundamente a perspectiva sobre o sujeito surdo, uma vez que a ratificavam veementemente o que propunha a abordagem oralista no processo de educação de surdos, baseando-se, nesse momento, na cientificidade b comprovavam que a língua de sinais, apesar de não atender a todos os critérios linguísticos de uma língua genuína, no léxico, na sintaxe e na capacidade de gerar uma quantidade infinita de sentenças, poderia ser usada para a comunicação plena das pessoas surdas entre si e entre estas e as demais pessoas da sociedade c comprovavam que a língua de sinais possuía uma complexa estrutura interior, mesmo sendo falha em alguns aspectos morfológicos e sintáticos d demonstravam que a língua americana de sinais (ASL) era uma língua com todas as características das línguas orais e isso se estendia às demais línguas de sinais, pois que elas atendem a todos os critérios linguísticos de uma língua genuína 5 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

6 e afirmavam que os surdos eram seres passivos de serem ensinados e poderiam se desenvolver plenamente por meio da filosofia de ensino denominada Comunicação Total, a qual propõe o uso de gestos naturais, da língua de sinais, do alfabeto digital, da expressão facial, da fala e dos aparelhos de amplificação sonora 18 Diante da frase em libras [CASA ANA, (EU) ALUGAR], que poderíamos traduzir por Eu alugo a (uma) casa de Ana, discorremos de forma coerente que a em libras, os verbos muitas vezes selecionam argumentos diversos do português, sendo este um dos motivos de ser absurdo o uso concomitante das duas línguas Verbos como [MATAR] e [MORRER] selecionam argumentos de modo semelhante ao do português, no entanto o verbo [ALUGAR] só o faz na perspectiva que corresponde em português a alugar de e nunca a alugar para b em libras, apesar dos verbos muitas vezes selecionarem argumentos diversos do português, isso não justifica a quebra na estrutura da ordem básica, uma vez que estudos linguísticos na área ainda apontam a ordem SVO (sujeito, verbo e objeto) como sendo a ordem básica também da língua de sinais c a frase demonstra claramente que apesar de ser um meio de comunicação utilizado pelas pessoas surdas entre si e entre os demais, este se ver em falta quando comparado com uma língua genuína como o português Artigos e preposições, por exemplo, não existem em libras, causando certas limitações e inúmeras ambiguidades nas produções d tendo em vista que a frase [CASA ANA, (EU) ALUGAR] desentoa da ordem SVO, ordem essa até então entendida como ordem básica, na maioria das literaturas da área, sua reorganização correta seria [EU ALUGAR CASA ANA] e baseando-nos na frase acima, podemos categoricamente afirmar que, em libras, o verbo [ALUGAR] pode fazer correspondência em português com alugar de ou alugar para, e a única forma de fazer a distinção seria a presença do sinal [PARA] na sentença 19 1) defende o aprendizado apenas da língua oral; 2) defende o aprendizado da língua oral e da língua de sinais, reconhecendo o surdo na sua diferença e especificidade (BERNADINO, 2000, p 29) Quais as filosofias educacionais para surdos correspondentes às descrições do fragmento de texto anterior? a Respectivamente, Oralismo e Bilinguísmo b Respectivamente, Oralismo e Bimodalismo c Respectivamente, Oralismo e Comunicação Total d Respectivamente, Bimodalismo e Bilinguísmo e Respectivamente, Oralismo e os sinais metódicos de L Epée 20 Recuso-me a ser considerada excepcional, deficiente Não sou Sou surda Para mim, a língua de sinais corresponde à minha voz, meus olhos são meus ouvidos Sinceramente nada me falta É a sociedade que me torna excepcional" O vôo da gaivota Emmanuelle Laborrit (1996) Pautados numa política de inclusão e de respeito às especificidades das pessoas surdas, entendemos como uma proposição mais coerente a que afirmar que a a inclusão social depende basicamente de ações inclusivas na escola, uma vez que essa é o principio de toda formação do cidadão b por mais que a sociedade demonstre-se aberta à inclusão, negar a deficiência baseados em um discurso de diferença seria retardar ainda mais o processo de desenvolvimento dos alunos especiais c para que haja inclusão real, basta enxergar a dificuldade do outro e ter consciência da própria desigualdade a que está submetido Tal atitude por si só já resolve a problemática da diferença sem a necessidade de se atentar paras as especificidades técnicas 6 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

7 d a problemática da inclusão concentra-se mais na concepção que a instituição ou o educador tem do aluno a ser incluso do que sobre as próprias especificidades dele, obviamente sem as negligenciar e diante de um aluno especial, a instituição que se propõe à inclusão e o educador que age de forma direta com esse aluno não podem deixar que o discurso utópico da inclusão os alienem da desigualdade existente, pois só reconhecendo essa disparidade fatídica é que o aluno especial poderá desenvolver as habilidades que lhe cabe 21 As discussões até então formuladas sobre o processo de aquisição de linguagem em crianças surdas advogam que ele é o mesmo que em crianças ouvintes, mudando unicamente a modalidade Naquelas, espaço-visual, nestas, oral-auditiva As discussões afirmam também que a o input ao qual uma criança surda, por exemplo, é exposta em casa, supondo que esta criança tenha pais que façam uso da língua de sinais, é insuficiente para o desenvolvimento da linguagem se ela não tiver acesso a esse mesmo input de forma sistemática b independe do estágio no qual a criança fique exposta a uma determinada língua materna Ela possui criatividade suficiente para desenvolver linguagem e ter um perfeito desempenho linguístico c é de suma importância a exposição à língua materna em tenra idade, pois as palavras em contexto às quais as crianças ficam expostas, no início da vida, tornam-se, com o tempo, instrumentos do seu pensamento verbal d como o processo de aquisição de linguagem é o mesmo tanto para crianças surdas como para crianças ouvintes, independentemente dos pais das crianças surdas saberem língua de sinais ou não, estas desenvolvem linguagem plenamente, chegando ao processo escolar em nível de desenvolvimento equivalente às ouvintes e apesar do processo de aquisição de linguagem ser o mesmo tanto para crianças surdas como para crianças ouvintes, os surdos desenvolvem linguagem mais rapidamente, uma vez que a fala nas crianças ouvintes é mais tardia que os gestos nas surdas Porém, ao chegar à escola, a criança ouvinte tem mais amparo, resultando em prejuízo para o surdo 22 A frase: Toda tradução é uma traição é muito recorrente no meio acadêmico De posse desta, e em consonância com ela, poderíamos concluir LEVIANAMENTE que a o intérprete/tradutor, por melhor que seja, jamais alcançará o espírito do que ou quem interpreta/traduz b as línguas são passíveis de serem interpretadas/traduzidas, porém há limitações linguísticas a serem observadas c o intérprete/tradutor recria o que interpreta d as interpretações de consecutivas são mais eficazes que as simultâneas e é necessário sempre levar em consideração o contexto no qual o texto se encontra para que não se perca o sentido mais fidedigno possível dele 23 As figuras abaixo nos reportam a uma afirmativa muito importante acerca da naturalidade das línguas de sinais em oposição à artificialidade de algumas linguagens ou até mesmo línguas Qual seria a resposta mais precisa? 7 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

8 Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Fig 1 TRABALHAR (ASL) / Fig 2 TRABALHAR (LIBRAS) / Fig 3 PAI (ASL) / Fig 4 PAI (LIBRAS) a A libras é uma língua visual-espacial articulada através das mãos, das expressões faciais e do corpo Ela é uma língua natural usada não só pela comunidade surda brasileira, mas por todas as comunidades surdas espalhadas pelo mundo b As línguas de sinais, assim como todas as línguas naturais, possuem os chamados pares mínimos, ou seja, palavras ou frases que se diferenciam umas das outras unicamente por um elemento mínimo da respectiva língua, e é exatamente isso que ocorre na relação entre as figuras acima c As línguas de sinais não são universais Cada país possui sua própria língua de sinais e as mesmas razões que explicam a diversidade das línguas faladas oralmente se aplicam à diversidade das sinalizadas d Apesar de as línguas de sinais serem universais, há algumas variações que são facilmente explicadas por questões culturais e geográficas e A configuração de mão da Figura 1 é uma variação linguística resultante do contato entre as duas línguas em questão O sinal [WORK] em ASL varia do sinal [ESPERAR] em libras, assim como ocorre com a Figura 3, [FATHER], que varia de [AVE], em libras 24 Segundo Brito (1995), e ratificado por Quadros (2004), Stokoe propôs um esquema linguístico estruturado para analisar a formação e a decomposição de sinais na ASL em três principais aspectos que não carregam significado isoladamente, a saber: a Configuração de Mão (CM), Locação da Mão (L) e Expressões Não-Manuais (NM) b Configuração de Mão (CM), Orientação da Palma da Mão (Or) e Movimento da Mão (M) c Configuração de Mão (CM), Locação da Mão (L), Movimento da Mão (M), Expressões Não-Manuais (NM) e Orientação da Palma da Mão (Or) d Locação da Mão (L), Movimento da Mão (M) e Orientação da Palma da Mão (Or) e Configuração de Mão (CM), Locação da Mão (L) e Movimento da Mão (M) 8 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

9 25 Analise as alternativas I A libras é uma língua natural com toda a complexidade que os sistemas linguísticos que servem à comunicação e de suporte de pensamento às pessoas dotadas da faculdade de linguagem possuem II Apesar das inúmeras possibilidades de traços e de combinações de traços dos diferentes parâmetros, cada língua de sinais organiza-se a partir de um número limitado de Configurações, Pontos de Articulação e Movimentos possíveis III A incorporação de informação morfossintática se da pela duplicação da informação lexical somada à informação de ordem sintática (objeto direto, locativo, sujeito) Por exemplo: [COMER] > [COMER MAÇÃ] (Figura 1) IV Mesmo diante de um processo bilíngüe, no qual muitas crianças surdas estão inseridas aqui no Brasil, a exploração de aspectos como o estabelecimento do olhar, a exploração das configurações de mãos, dos movimentos dos sinais e o uso de expressões não manuais gramaticalizadas, por exemplo, atuam de forma negativa na alfabetização dessas crianças Ao invés de falarem o português, elas ficam presas aos sinais Fig 1 Diante das proposições acima, marque a alternativa INCORRETA a Todas estão corretas b I, II e III, estão corretas c Somente IV está incorreta d A II está correta e Todas estão corretas, exceto a IV 26 Marque as opções que completam correta e respectivamente os espaços no fragmento abaixo Os defensores da língua de sinais para os surdos afirmam que é só de posse desta língua que essa comunidade linguística constituirá uma identidade surda, já que ela não é ouvinte Nesse contexto, são elencadas algumas identidades, dentre elas destacamos: a, que se trata de uma identidade fortemente marcada pela política surda São mais presentes em surdos que pertencem à comunidade surda e apresentam características 9 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

10 culturais; há também a Os surdos que nasceram ouvintes, mas que com o tempo o por alguma doença, acidente, etc, ficaram surdos; e, pra finalizar, destacamos também a Nessa enquadramse os surdos que não têm contato com a comunidade surda, mas que viveram em inclusão ou que tiveram contato com o mundo da surdez de forma preconceituosa e não contaram com os benefícios da cultura surda a Identidade Surda, Identidade Surda Híbrida e Identidade Surda Flutuante b Identidade Surda Híbrida, Identidade Surda e Identidade Surda Flutuante c Identidade Surda, Identidade Surda de Transição e Identidade Surda Flutuante d Identidade Surda, Identidade Surda Híbrida e Identidade Surda de Transição e Identidade Surda Híbrida, Identidade Surda de Transição e Identidade Surda Flutuante 27 Há um processo produtivo na língua de sinais brasileira que é a incorporação por negação, no qual, segundo Brito (1995), o item a ser negado sofre alteração em um dos parâmetros, acarretando, assim, o aparecimento de item diferente daquele que é sua base A exemplo disso temos: a b c d 10 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

11 e 28 Os verbos em libras, bem como em ASL, estão basicamente divididos em três classes Quais são elas e seus respectivos exemplos? a Verbos simples, verbos com concordância e verbos espaciais Exemplo: [APRENDER], [DIZER], [IR] b Verbos simples, verbos com concordância e verbos espaciais Exemplo: [APRENDER], [AMAR], [CHEGAR] c Verbos simples, verbos simples com negativa e verbos espaciais Exemplo: [PROVOCAR], [DAR], [IR] d Verbos simples, verbos com concordância e verbos espaciais Exemplo: [CONHECER], [SABER], [CHEGAR] e Verbos simples, verbos com concordância e verbos corporais Exemplo: [SABER], [RESPONDER], [AMAR] 29 Analise a frase e marque a opção correta em relação às mais recentes discussões acerca de nomenclaturas mais adequadas na área da surdez a Prisão de jovem surdo-mudo vira polêmica no Paraná Familiares do jovem excepcional dizem que tudo não passou de um mal-entendido e que o deficiente auditivo, que prioritariamente só se comunica pela linguagem de mímica, não merecia passar cerca de doze (12) dias na cadeia b Prisão de jovem deficiente auditivo (DA) vira polêmica no Paraná Familiares do jovem excepcional, dizem que tudo não passou de um mal-entendido e que o DA, que prioritariamente só se comunica pela linguagem de mímica, não merecia passar cerca de doze (12) dias na cadeia c Prisão de jovem surdo-mudo vira polêmica no Paraná Familiares do jovem especial dizem que tudo não passou de um mal-entendido e que o deficiente auditivo, que prioritariamente só se comunica pela língua de sinais, não merecia passar cerca de doze (12) dias na cadeia d Prisão de jovem surdo vira polêmica no Paraná Familiares do jovem dizem que tudo não passou de um mal-entendido e que o surdo, que prioritariamente só se comunica pela língua de sinais brasileira, não merecia passar cerca de doze (12) dias na cadeia e Prisão de jovem surdo-mudo vira polêmica no Paraná Familiares do jovem deficiente auditivo dizem que tudo não passou de um mal-entendido e que o deficiente auditivo, que prioritariamente só se comunica pela linguagem dos sinais, não merecia passar cerca de doze (12) dias na cadeia 30 A datilologia ou soletramento digital serve para: I Fazer referência a nomes próprios de pessoas ou lugares II Fazer referência a elementos que não possuem um sinal ainda III Fazer referência a elementos linguísticos que a libras não compreende, como preposições, artigos etc IV Fazer referência a siglas Assinale a alternativa correta a I, II, e III, estão corretas b Apenas a I está correta 11 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

12 c Apenas a I e II estão corretas d Todas as alternativas estão corretas e I, II, IV, estão corretas 12 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

13 31 A lei nº 11892, de 29 de dezembro de 2008, além de instituir a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria também os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia Sobre os Institutos Federais, analise as afirmativas abaixo I Os Institutos Federais são instituições de educação superior, básica e profissional, multicurriculares e unicampi, especializadas na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino II Uma das finalidades dos Institutos Federais é ministrar cursos de formação inicial e continuada de trabalhadores, objetivando a capacitação, o aperfeiçoamento, a especialização e a atualização de profissionais, em todos os níveis de escolaridade, nas áreas da educação profissional e tecnológica III Cabe aos Institutos Federais ministrar a educação profissional técnica de nível médio, prioritariamente na forma de cursos integrados, para os concluintes do ensino fundamental e para o público da educação de jovens e adultos IV Os Institutos Federais deverão ofertar cursos de licenciatura, bem como programas especiais de formação pedagógica, com vistas à melhoria da educação básica, sobretudo nas áreas de ciências e matemática, e para a educação profissional V No desenvolvimento da sua ação acadêmica, o Instituto Federal deverá garantir o mínimo de 50% (cinquenta por cento) de suas vagas para atender ao nível técnico e o mínimo de 50% (cinquenta por cento) de suas vagas para atender aos cursos de licenciatura, bem como programas especiais de formação pedagógica A alternativa em que todas afirmativas estão CORRETAS é a I, II e V b II, III e IV c I, II e III d II, III e V e III, IV e V 32 A atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), lei nº 9394/1996, disciplina a educação escolar, que se desenvolve, predominantemente, por meio do ensino, em instituições próprias Em relação a essa legislação, analise os itens a seguir () Os docentes incumbir-se-ão de ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional () O sistema federal de ensino compreende: as instituições de ensino mantidas pela União, as instituições de educação superior criadas e mantidas pela iniciativa privada e os órgãos federais de educação () A educação básica, nos níveis fundamental e médio, será organizada de acordo com as seguintes regras comuns: a carga horária mínima anual será de setecentas e vinte horas, distribuídas por um mínimo de cento e oitenta dias de efetivo trabalho escolar, excluído o tempo reservado aos exames finais, quando houver () O currículo da educação superior deve ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e instituição escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela () A educação de jovens e adultos (EJA) é uma modalidade educacional que visa a atender àqueles que não tiveram acesso ou continuidade de estudos A essa modalidade é assegurado o acesso, no nível fundamental, para os maiores de 15 anos e, no nível médio, para os maiores de 18 anos Indique a alternativa correta a V,V,V,F,F b F,V,V,V,F c V,V,F,F,V d F,V,V,F,V e V,F,F,V,F 13 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

14 33 Diversas tendências pedagógicas orientaram e orientam a formação de professores e, por extensão, o trabalho docente Identifique as tendências pedagógicas e suas características, relacionando a segunda coluna de acordo com a primeira TENDÊNCIA CARACTERÍSTICA 1 Liberal Tradicional () A relação professor e aluno é objetiva em que o professor transmite informações e o aluno vai fixá-las 2 Liberal Renovadora () Parte de uma relação direta da experiência do aluno confrontada com o Progressiva saber sistematizado 3 Liberal Tecnicista () Os conteúdos são estabelecidos a partir das experiências vividas pelos alunos frente às situações problemas 4 Progressista Crítico- () A aprendizagem é receptiva e mecânica, sem se considerar as Social dos Conteúdos características próprias de cada idade Assinale a sequência de associação CORRETA, de cima para baixo a 3, 1, 4 e 2 b 1, 4, 2 e 3 c 4, 3, 1 e 2 d 3, 2, 4 e 1 e 2, 4, 1 e 3 34 Sobre a relação entre trabalho e educação, NÃO é correto afirmar que a a relação trabalho e educação é condição do homem Tal afirmação pauta-se na ideia do trabalho enquanto intrínseco na constituição do homem como ser coletivo que organiza a produção dos bens necessários para sua sobrevivência, e a educação, portanto, é elemento fundamental para a reprodução da força de trabalho enquanto capacidade técnica de exercer o trabalho b a educação é um importante elemento de reprodução das condições de produção, qualificação para o trabalho e reprodução das relações de produção, processo persuasivo de legitimação das relações de produção dominantes numa determinada formação social c o trabalho é o processo de produção da base material da sociedade pela transformação da natureza Sendo assim, a capacidade de dominação sobre a natureza não diferencia homens de animais d a necessidade do capital de uma nova qualificação dos trabalhadores não se refere apenas aos empregados para que esses possam operar os novos instrumentos de trabalho, mas a exigência de qualificar os trabalhadores desempregados para que estes cumpram o papel de exército de reserva da força de trabalho e nas sociedades divididas em classes sociais o Estado é mediador na relação trabalho e educação, organizando, ou não, a formação dos trabalhadores com o objetivo de reproduzir as condições de produção, mas sempre organiza a educação como reprodutora das relações de produção buscando justificar, como legitimas, as relações de dominação e exploração das classes dominantes 14 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

15 35 As TICs na educação não se restringem apenas a promover o acesso à tecnologia e automatizar práticas tradicionais Podem integrar os processos educacionais e, assim, valorar as atividades realizadas tanto por alunos quanto por professores As alternativas abaixo são referentes ao que se faz necessário para que a integração tecnológica ocorra, com EXCEÇÃO de: a Implantar mudanças em políticas, concepções, valores, crenças, processos e procedimentos que são centenários e que certamente exigirão um grande esforço por parte dos educadores e da sociedade como um todo b Alterar a estrutura dos espaços e do tempo da escola, como as salas multiatividades e a flexibilização das tradicionais aulas de 50 minutos c Reestruturar o tempo do professor para que ele possa organizar-se a fim de estudar, planejar e dialogar com os alunos para além do tempo e do espaço da sala de aula, o que implica políticas públicas de valorização desse profissional d Repensar o currículo, entender o que significa aprender e como a escola pode ser geradora (e não só consumidora) de conhecimento, espaço de diálogo, solidariedade, articulação entre o conhecimento local e o global e de intolerância com a diferença e Investir na formação dos professores para que possam atuar como agentes de aprendizagem 36 As discussões acerca de uma educação inclusiva, em nossa sociedade, remontam aos anos 40, do século passado, com a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) e vem se intensificando nas últimas décadas São fruto de um processo de luta rumo à consolidação de uma sociedade inclusiva na qual toma assento a ressignificação dos valores e o respeito à pessoa humana em todas as suas dimensões Analise as seguintes proposições I Corroborando com a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, referendada no Brasil pelo Decreto 6949/2009, está alicerçada nos princípios de não discriminação, respeito à diferença, à dignidade e ao direito de preservar sua identidade, bem como a plena participação e inclusão na sociedade II No sentido de atender ao princípio da educação inclusiva, tem se percebido nas últimas décadas na sociedade brasileira, um movimento no sentido de reconfiguração das ações escolares, sejam elas curriculares, metodológicas, de formação de professores, entre outras, buscando atender ao que preconiza a CF de 1988, quando da compreensão da educação como direito de todos, bem como da LDB 9394/96, quando afirma que os sistemas de ensino assegurarão o necessário à organização do atendimento a esta modalidade preferencialmente na rede regular de ensino III A Declaração de Salamanca (1994), resultante da Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais Especiais, se constitui hoje principal referência no desenvolvimento de políticas educacionais em âmbito nacional e internacional e está pautada pelo princípio da não-segregação das pessoas com deficiência IV Pode-se afirmar que, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN), embora priorizando o atendimento integrado às classes comuns, perpetua o processo de segregação quando prevê a manutenção das classes, escolas ou serviços especializados V A concretização de uma sociedade e de uma escola inclusiva, perpassa pela afirmação do direito e respeito a pessoa humana, materializando-se não somente em políticas e práticas educacionais, mas em ações humanas que numa relação de interdependência vão alicerçando no meio social tal concepção É CORRETO afirmar que a todas as alternativas são verdadeiras b apenas a alternativa I é verdadeira c as alternativas I, II, III e V são verdadeiras d as alternativas III e IV são falsas e as alternativas III, IV e V são falsas 15 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

16 37 Considerando-se a organização e a gestão do trabalho escolar como processo resultante das lutas sociais em busca da consolidação de um modelo de escola pautado nos princípios democráticos, é possível afirmar que I o movimento de redefinição das práticas administrativas, no interior das escolas, é um processo inerente ao próprio movimento de redefinição da sociedade que, partindo de um modelo de escola tradicional, se redefine em busca de práticas que superem as relações de trabalho horizontalizadas e rigidamente prescritas II a concepção de gestão vai além da ideia de administração escolar já que prima pela valorização da ação do gestor como o fio condutor dos processos administrativos e pedagógicos na escola É esse gestor, como líder, tem a condição de definir os rumos da organização escolar III o princípio da gestão democrática tem tomado fôlego na educação brasileira a partir da Constituição Federal de 1988 e da LDB 9394/96, quando institucionalizam tal princípio como próprio das instituições públicas No entanto, tais discussões acerca da escola pública e democrática remontam aos anos de 1930 com o Movimento dos Pioneiros da Educação Nova IV o modelo de gestão educacional, tendo em vista a construção da escola necessária à contemporaneidade, deve ter como inspiração a perspectiva de que os objetivos institucionais são determinados a partir de um processo estabelecido pelos líderes, orientados por uma hierarquia necessária e pautados na racionalidade na tomada de decisões, bem como na definição das responsabilidades de cada um no grupo V o Projeto Político Pedagógico surge como expressão maior dos interesses dos sujeitos que fazem parte da escola São eles que, em uma ação conjunta, partilhada e democrática buscam a leitura da escola como um todo, definem suas necessidades e deixam a cargo do diretor o processo de decisão final, visto ser ele o represente maior desse colegiado Nesse sentido, podemos afirmar que não estão CORRETAS as afirmativas a II, III e V b I, II e III c II e IV d III, IV e V e II, IV e V 38 A Didática, enquanto reflexão sobre o processo de ensino-aprendizagem, consiste em um processo multidimensional pautado nas dimensões técnica, humana e política Em cada momento da história de nossa educação, a didática tomou formatos diferenciados a depender da tendência pedagógica em voga em cada cenário A partir das várias concepções acerca da atuação do professor e das contribuições da didática à formação do professor, identifique a questão verdadeira com a letra V e a questão falsa com a letra F e, em seguida, marque a sequência CORRETA () A supervalorização de uma didática instrumental em detrimento de uma didática fundamental foi a responsável pela perpetuação do modelo de educação tradicional na história da educação brasileira () Na perspectiva da didática fundamental a formação dos educadores, sempre foi concebida como desvinculada da situação político-social e cultural do país, visualizando o professor como um especialista de conteúdo, um facilitador da aprendizagem, um organizador das condições de ensino-aprendizagem ou um técnico da educação () A didática, no seio das tendências de cunho progressista, tem o papel de buscar uma formação de professores voltada para a construção de um sujeito reflexivo e crítico, capaz de contestar o modelo social e contribuir para formação de alunos conscientes e transformadores de sua própria realidade () As tendências liberais foram as responsáveis pela formação de professores com ênfase na técnica, pautada na racionalidade e na eficiência do processo de ensino-aprendizagem, desvinculada de qualquer contestação do modelo social () A dimensão humana presente no fazer docente, na contemporaneidade, constitui-se basilar no processo de formação do professor No entanto, tem sido contestada no modelo social vigente, visto que acaba inviabilizando as ações em sala de aula por conta da horizontalização das relações entre professor e aluno 16 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

17 Com base nas afirmações acima, podemos afirmar que a sequência correta é a V,V,V,V,F b V,F,V,V,V c F,F,V,V,F d V,F,V,V,F e V,F,F,V,F 39 Segundo a LDB 9394/96, em se tratando da Educação Profissional, pode-se afirmar que: I Na Seção IV-A, acrescida à LDB pela Lei nº de 2008, está posto que a educação profissional técnica de nível médio deverá observar os objetivos e definições das diretrizes nacionais, as normas dos respectivos sistemas bem como as exigências de cada instituição de ensino II Em se tratando da educação de jovens e adultos, segundo a LDB 9394/96, em seu Artigo 37, 3º, deverá articular-se, preferencialmente, com a educação profissional III Segundo a LDB 9394/96, o artigo 36-A preconiza que o Ensino Médio, atendida a formação geral do educando, poderá repara-lo para o exercício de profissões técnicas Já no Artigo 39, a LDB 9394/96 trata que a educação profissional e tecnológica, no cumprimento dos objetivos da educação nacional, integra-se aos diferentes níveis e modalidades de educação e às dimensões do trabalho, da ciência e da tecnologia IV A educação profissional vem se reconfigurando, ano após ano, no cenário nacional, e hoje se apresenta como um modelo de educação que busca a integração curricular ancorada nas questões de formação geral e nas questões específicas da formação Essas duas grandes áreas vivem na perspectiva do currículo integrado, um momento ímpar nos Institutos Federais, isto porque já não paira, sobre os docentes, uma resistência seja velada ou explicitada entre essas duas áreas V A LDB 9394/96 aponta no artigo 36-C, que a educação profissional técnica de nível médio será desenvolvida de forma integrada e concomitante, sendo que a educação profissional e tecnológica (Art 39, 2º, incisos I, II e III) abrangerá os cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional, de educação profissional, técnica de nível médio e de educação profissional tecnológica de graduação e pós-graduação Assim sendo, podemos afirmar que a todas as afirmativas estão verdadeiras b todas as afirmativas estão falsas c a única alternativa falsa é a V d as alternativas I,II,III e V são verdadeiras e as alternativas III e IV são falsas 17 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

18 40 Em se tratando das questões concernentes à prática docente, podemos afirmar que I o planejamento, na ação educativa, constitui-se um momento de reflexão sobre a prática docente, sendo elemento norteador do fazer do professor e materializa-se nos planos de ensino II na perspectiva contemporânea, rediscute-se o papel da avaliação no espaço escolar, ultrapassando a dimensão meramente quantitativa rumo à dimensão qualitativa, levando em consideração o processo e não apenas o produto Nesse sentido, tem caráter terminal e não necessita ser retomada, pois, por si só, garante o sucesso do processo ensino-aprendizagem III o currículo, com base nas teorias pós-críticas, tem a finalidade de instrumentalizar os estudantes a partir de práticas pautadas na técnica e na racionalidade, desvinculando-se das questões alheias à escola Sua ação consiste em dar ao sujeito as competências necessárias a sua inserção no mundo do trabalho IV a avaliação, como processo contínuo, constitui-se instrumento que retroalimenta o processo de planejamento, possibilitando ao professor as condições necessárias para observação tanto do andamento de suas ações quanto das aprendizagens efetivadas V o modelo e concepção de planejamento, a partir da perspectiva tradicional, acarretou grandes problemas ao processo de ensino-aprendizagem dada a ausência de uma crítica mais rigorosa sobre esse modelo que, transposto do mundo industrial, foi inserido nas escolas, tornando-as espaços fechados e produtoras de planos técnicos e rigidamente determinados Assim sendo, é possível afirmar que estão CORRETAS as questões a II, III e IV b I, II e III c III, IV e V d I, IV e V e I, III e V 18 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

19 PROVA SUBJETIVA 1 Explique a importância do aprendizado da Língua de Sinais na construção da identidade da pessoa surda e seu desenvolvimento cognitivo: 2 Analise a frase sinalizada em libras a seguir e trace comentários relevantes: Libras = [EU NÃO SABER QUEM É ELE EU NUNCA VER MAIS GORDO!] Português = (Eu não sei quem é ele Eu nunca vi mais gordo!) 19 Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

20 RASCUNHO PARA A PROVA SUBJETIVA NÃO TEM VALIDADE TRANSCREVA SEU RASCUNHO PARA AS FOLHAS DE RESPOSTAS RASCUNHO Área: Libras INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: TOPOGRAFIA EDITAL N o 06/2011-IFAL

CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: TOPOGRAFIA EDITAL N o 06/2011-IFAL PROVA OBJETIVA 1 O valor do ângulo resultante da operação 264º 06 58 + 134º 56 13 88, 44º é igual a a 320º 38 47 b 310º 35 47 c 310º 36 44 d 310º 36 47 e 309º 35 18 2 Sendo Az 0, quantos pontos, no mínimo,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos

(Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos. na Educação de Surdos (Re)pensando o Lugar da Educação em Direitos Humanos na Educação de Surdos Por MARIA DE FÁTIMA DA SILVA CAVALCANTE Resumo: O presente artigo tem por objetivo discutir a Educação em Direitos Humanos como

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão

Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão Modalidade: Comunicação oral/sinais Eixo temático: Tradução/interpretação de língua de sinais: identidades em questão TÍTULO: QUEM É O INTÉRPRETE DE LIBRAS: A PERSPECTIVA DO ALUNO SURDO NO CONTEXTO DO

Leia mais

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF

LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF LIBRAS ON-LINE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: A EXPERIÊNCIA DA PEDAGOGIA A DISTANCIA DA UFJF Introdução Davi Vieira Medeiros; Perola Fátima Valente Simpson Viamonte Com base nas perspectivas atuais propostas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Perguntas mais freqüentes sobre a deficiência auditiva e dúvidas mais comuns relacionadas à surdez

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções

EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS: perspectivas e construções Ana Carolina da Silva Souza Esse trabalho tem como tema a educação bilíngue para surdos, o desafio é levantar uma discussão bastante delicada,

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: EDIFICAÇÕES EDITAL N o 06/2011-IFAL

CONCURSO PÚBLICO DOCENTE ÁREA: EDIFICAÇÕES EDITAL N o 06/2011-IFAL PROVA OBJETIVA 1 Em relação aos tipos de fundações, podemos classificá-las como diretas e indiretas, sendo as fundações diretas subdivididas em rasas e profundas e as fundações indiretas subdivididas em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS KUBASKI, Cristiane UFSM kubaski229@bol.com.br MORAES, Violeta Porto UFSM viomoraes@ibest.com.br Eixo temático: Diversidade e Inclusão Agência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «21. Sabe-se que a cultura surda é o jeito da pessoa surda entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável através das suas percepções visuais,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE

PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PROJETO DE PESQUISA GEOGRAFIA E SURDEZ: DA ESCOLA REGULAR À ESCOLA BILÍNGUE PENA, Fernanda Santos, UFU 1 SAMPAIO, Adriany de Ávila Melo, UFU 2 Resumo: O presente trabalho apresenta o projeto de pesquisa

Leia mais

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS

EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS EMENTÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS BÁSICOS a) FUNDAMENTAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DADOS DO CAMPO DE CONHECIMENTO Filosofia, Ética e 3 1 4 90 EMENTA: Correntes filosóficas da modernidade e seus fundamentos para

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS.

A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. A DESCRIÇÃO DO NOVO PERFIL PROFISSIONAL EXIGIDO EM PROCESSOS SELETIVOS DO RJ A ATUAÇÃO DO PROFESSOR- INTÉRPRETE NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. RENATA DOS SANTOS COSTA BORGES (INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DE

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB

CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA - MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E GESTÃO EDUCACIONAL - UAB Reconhecido pela Resolução CEPE n.º 230, de 16.12.08. Para completar o currículo pleno do curso superior de

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Cogito comparativo sobre a perspectiva de futuro dos alunos surdos e interpretes de LIBRAS nas universidades publicas e privadas

Cogito comparativo sobre a perspectiva de futuro dos alunos surdos e interpretes de LIBRAS nas universidades publicas e privadas Cogito comparativo sobre a perspectiva de futuro dos alunos surdos e interpretes de LIBRAS nas universidades publicas e privadas RESUMO Autor: Carlos Roberto Martins coautor: Ivan Rogério Diesel Professores

Leia mais

Questão 1 - O que é considerado pelo sistema estadual de ensino de Minas Gerais como escola em situação regular de funcionamento?

Questão 1 - O que é considerado pelo sistema estadual de ensino de Minas Gerais como escola em situação regular de funcionamento? Parecer nº 69/06 Aprovado em 25.01.06 Processo n.º 34.198 Examina consulta formulada pela Sra. Luíza Pinto Coelho, Presidente da Federação das APAEs do Estado de Minas Gerais, sobre indagações concernentes

Leia mais

Secretaria de Educação Prefeitura Municipal de Otacílio Costa Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Professor/a de Libras

Secretaria de Educação Prefeitura Municipal de Otacílio Costa Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Professor/a de Libras CONHECIMENTOS GERAIS 12 QUESTÕES 01. O Projeto Político Pedagógico deve retratar a identidade da escola. O PPP exige construção e reconstrução, além da participação de todos os envolvidos no trabalho escolar.

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR Sheila Rodrigues Vieira 1 Andreia Nakamura Bondezan 2 A proposta deste trabalho é a de apresentar algumas causas da surdez e abordar o histórico da

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO Elaine Cristina Paixão da Silva (USP) Cássia Geciauskas Sofiato (USP) Palavras- chave: Atendimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.638, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

O TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL O TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL RIEGER, Camila Paula Effgen (UNIOESTE) DUARTE, Sheila Marques (UFPR) OLIVEIRA, Verônica Rosemary de (SEMED) 1. Introdução O

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CONSELHO PLENO RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 15 DE MAIO DE 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. O Presidente

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03

AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 AULA 09 Profª Matilde Flório Concurso PMSP- 2011 Reflexões Gerais para as dissertativas (recorte...) PARTE 03 DISSERTATIVA - 13 Magali, 07 anos de idade, iniciará sua vida escolar. Seus familiares compareceram

Leia mais

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg.

Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br. Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás rose.cead@ucg. CURSO DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS ON-LINE: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Edna Misseno Universidade Católica de Goiás ednamisseno@ucg.br Rose Mary Almas de Carvalho Universidade Católica de Goiás

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA Rodrigo Janoni Carvalho 1 A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS é uma língua que tem adquirido maior visibilidade na sociedade, na medida em que

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A INSERÇÃO DA DISCIPLINA LIBRAS NA FORMAÇÃO INICIAL DO PEDAGOGO Gabriela Geovana Pinho, Claudia

Leia mais

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 241 Letras Libras INSTRUÇÕES 1. Confira,

Leia mais

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA

DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: DILEMAS E PERSPECTIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MÚSICA Everson Ferreira Fernandes Universidade Federal do Rio Grande do Norte eversonff@gmail.com Gislene de Araújo Alves

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

DIFICULDADES E INSTRUMENTOS DIDATICOS FACILITADORES NO ENSINO DE QUÍMICA PARA ALUNOS DEFICIENTES AUDITIVOS

DIFICULDADES E INSTRUMENTOS DIDATICOS FACILITADORES NO ENSINO DE QUÍMICA PARA ALUNOS DEFICIENTES AUDITIVOS DIFICULDADES E INSTRUMENTOS DIDATICOS FACILITADORES NO ENSINO DE QUÍMICA PARA ALUNOS DEFICIENTES AUDITIVOS Jessica Paranhos ESTÁCIO 1 jessicaestacio2@gmail.com Jorge Raimundo da Trindade SOUZA 2 - jrts@ufpa.br

Leia mais

Prefeitura Municipal de Otacílio Costa - Edital 003 Cargo: Professor de Anos Iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 3º ano e Nivelamento

Prefeitura Municipal de Otacílio Costa - Edital 003 Cargo: Professor de Anos Iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 3º ano e Nivelamento Nome do Candidato Assinatura: CONHECIMENTOS GERAIS (15 questões) 1. Complete com o que consta no artigo 60, do ECA- Estatuto da Criança e do Adolescente/1990. É proibido qualquer trabalho para menores

Leia mais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais

Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais Cursos de Pedagogia têm novas Diretrizes Curriculares Nacionais O Conselho Nacional de Educação baixou a Resolução nº 1, de 15 de maio de2006, publicada no Diário 0ficial da União de 16, instituindo as

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N. 01/2013 CONCURSO PÚBLICO 2013 INSTRUTOR SURDO I ATENÇÃO 17/11/2013 Toda a prova será projetada em libras. Antes de

Leia mais

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.

ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail. MOVIMENTO SURDO E CIDADANIA ELIZANETE FÁVARO TÉCNICO- PEDAGÓGICA SEED/DEEIN DIRETORA REGIONAL FENEIS Pedagoga e Professora da Língua de Sinais netefavaro@hotmail.com Extermínio e abandono social EXISTE

Leia mais

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012

Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Resolução 048/Reitoria/Univates Lajeado, 02 de maio de 2012 Aprova a Política de Inclusão de Discentes com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do Centro Universitário

Leia mais

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos

A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos ARANHA, M.S.F.. A individualização e a flexibilidade na construção de contextos educacionais inclusivos. Resumo de

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

I. GARANTIA DE ACESSIBILIDADE AOS CANDIDATOS SURDOS, OPORTUNIZANDO IGUALDADE DE CONDIÇÕES COM OS DEMAIS CANDIDATOS I.

I. GARANTIA DE ACESSIBILIDADE AOS CANDIDATOS SURDOS, OPORTUNIZANDO IGUALDADE DE CONDIÇÕES COM OS DEMAIS CANDIDATOS I. NOTA TÉCNICA DATA: 20 de agosto de 2013 Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos Filiada a WORLD FEDERATION OF THE DEAF Unidade Pública Municipal Lei N o 2797 de 30/04/99. Utilidade Pública

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 2: ABORDAGENS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DA PESSOA COM SURDEZ

Módulo II - Teórico TEXTO 2: ABORDAGENS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DA PESSOA COM SURDEZ 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 2: ABORDAGENS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO DA PESSOA COM SURDEZ Rosimar Bortolini Poker Ter conhecimento sobre a história, bem como sobre as filosofias e métodos educacionais criados

Leia mais

ISSN: 1981-3031. Resumo. Introdução

ISSN: 1981-3031. Resumo. Introdução ISSN: 1981-3031 Os Diferentes Métodos Utilizados ao Longo da História da Educação dos Surdos no Brasil: Da Fundação do Instituto Nacional de Educação de Surdos aos Dias Nágib José Mendes dos Santos¹ Resumo

Leia mais

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1

A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 A DISCIPLINA DE LIBRAS NA EAD NO CURSO DE PEDAGOGIA DA UFJF: O MOODLE COMO RECURSO DIDÁTICO* 1 Camila Ribeiro Lisboa Ferreira Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO: Neste trabalho, apresentamos como

Leia mais

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas

Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Possibilidades e desafios do Coordenador Pedagógico e a interface das práticas educativas Encontro 2 Coordenadores Pedagógicos CEFOR 05 de Junho 2013 Pauta Acolhimento Leitura deleite Apresentação / entrevista

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: Perspectivas da formação de professores no viés da Gestão de Conhecimento Leonardo Rocha de Almeida Mestrando Profissional em Gestão Educacional Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 261/02-CEE/MT. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Estadual de Ensino O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO, no uso de atribuições que lhe confere os

Leia mais