INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL: O Poder Brando e a política externa do governo Lula

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL: O Poder Brando e a política externa do governo Lula"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO BELAS ARTES DE SÃO PAULO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS ALINE PAVAN DOS SANTOS INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL: O Poder Brando e a política externa do governo Lula SÃO PAULO 2009

2 ALINE PAVAN DOS SANTOS INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL: O Poder Brando e a política externa do governo Lula Monografia apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Orientador: Prof. Dr. Sidney Ferreira Leite SÃO PAULO 2009

3 O69p Santos, Aline Pavan dos Inserção Internacional do Brasil: o Poder Brando e a política externa do governo Lula / Aline Pavan dos Santos. São Paulo, p. : il.: 21,7 cm Monografia apresentada ao Centro Universitário Belas Artes de São Paulo sob a orientação do Prof. Dr. Sidney Ferreira Leite. 1. Poder Brando 2. Relações Internacionais 3. Política Externa Brasileira. I. Leite, Sidney Ferreira (orientador) II. Centro Universitário Belas Artes de São Paulo III. Título CDU : Ficha Catalográfica elaborada pela Profª MSc. Leila Rabello de Oliveira - CRB

4 INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL: O Poder Brando e a política externa do governo Lula Esta Monografia foi julgada e aprovada para a obtenção do título de Bacharel em Relações Internacionais no Curso de Graduação em Relações Internacionais do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. São Paulo, 09 de dezembro de 2009 BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. SIDNEY FERREIRA LEITE Orientador Prof. Msc. ALCIR DESASSO Prof. Dr. LUIZ EDUARDO RIBEIRO SALLES

5 Dedico este trabalho à professora Maria Cristina que me ensinou a importância do pensamento crítico.

6 AGRADECIMENTOS Ao meu orientador Prof. Dr. Sidney Ferreira Leite, pelo excepcional acompanhamento, dedicação e incentivo. A FEBASP, com todo o seu quadro de professores e funcionários, pelo valor que atribuem à formação acadêmica e ao desenvolvimento das idéias. Ao Coordenador Prof. Demétrius Cesário Pereira pela atenção dispensada a todos os alunos de Relações Internacionais. Aos professores Alcir Desasso e Luiz Salles pela participação em minha banca avaliadora. Ao amigo Marcelo Reston pela boa vontade em contribuir na realização do trabalho, pelos horários de almoço lendo meus rascunhos e pelos questionamentos sempre oportunos. À professora Leila Rabello pelo apoio na formatação do trabalho, bem como a todos os funcionários da biblioteca pelo auxílio na indicação de referências bibliográficas. À minha família e ao Thiago pela paciência, carinho, incentivo e apoio durante todo o curso de graduação. Aos alunos do AN8RI pelos quatro anos bem humorados que passamos juntos, em especial a Bianca, a Camila, a Júlia, a Marina, a Vanessa e a Thábata, com quem construí as histórias da faculdade.

7 RESUMO O Poder Brando (Soft Power) é considerado como uma das fontes para projeção de interesses dos Estados no Sistema Internacional e pauta-se sobre a atração existente nos valores, nas instituições, nas políticas e na cultura. Ao destacar sua vertente política, nota-se que os governos têm papel essencial na formação da opinião externa sobre o país uma vez que formulam e implementam a política externa. Assim, explora-se o potencial explicativo dos fundamentos teóricos dessa esfera de poder e o caso brasileiro é evocado a fim de possibilitar a análise do modelo de inserção internacional da nação no período que vai de 2003 a Nesse marco temporal verifica-se se há existência do Poder Brando na política externa brasileira e pergunta-se se as principais ações em âmbito externo empreendidas pelo governo Lula possuem a finalidade não só de atender às demandas conjunturais como também de reforçar a imagem do País e aumentar sua influência no cenário internacional. Palavras Chave: Poder Brando, Política Externa Brasileira, Lula.

8 ABSTRACT The Soft Power is considered as a source for projection of the States interests on International System and follows on attraction that is on values, institutions, policies and culture. By highlighting the political dimension, it is noted that governments have an essential role in forming public opinion about country s foreign view once that they formulate and implement foreign policy. Thus, it explores the potential impact of the theoretical underpinnings of the sphere of power and the Brazilian case is raised to enable the analysis model of international insertion of the nation in the period 2003 to In that timeframe, we verify if there is Soft Power in Brazilian foreign policy and questions whether the main actions undertaken in the external field by the Lula government have the purpose not only to meet short-term demands but also to raise the profile of the country and increase their influence in the international arena. Key Words: Soft Power, Brazilian Foreign Police, Lula.

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Estados preponderantes e as principais fontes de poder 16 Quadro 2 Os principais tipos de poder 20 Quadro 3 Evolução das exportações brasileiras 31 Quadro 4 Comércio brasileiro por blocos econômicos - exportação 31

10 LISTA DE SIGLAS Alba Alca BNDES BRIC Casa Caspa CPLP CSNU EUA Ibas Mercosul Minustah OMC ONU Sacu Sadc TEC Unasul Aliança Bolivariana das Américas Área de Livre Comércio das Américas Banco Nacional de Desenvolvimento Brasil, Rússia, Índia e China Comunidade Sul Americana de Nações Cúpula América do Sul Países Árabes Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Conselho de Segurança das Nações Unidas Estados Unidos da América Fórum de diálogo Índia, Brasil e África do Sul (também chamado G-3) Mercado Comum do Sul Missão das Nações Unidas para a estabilização do Haiti Organização Mundial do Comércio Organização das Nações Unidas União Aduaneira da África Austral Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral Tarifa Externa Comum União Sul-Americana de nações

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO CAPÍTULO I PODER E POLÍTICA EXTERNA: FUNDAMENTOS TEÓRICOS O PODER NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA FONTES CONTEMPORÂNEAS DE PODER: O PODER BRANDO A POLÍTICA EXTERNA COMO FONTE DE PODER BRANDO CAPÍTULO II - EIXOS TEMÁTICOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA OBJETIVOS DA POLÍTICA EXTERNA DO GOVERNO LULA E OS PARADIGMAS DA INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL NEGOCIAÇÕES COMERCIAIS E FÓRUNS MULTILATERAIS: A BUSCA PELA RECIPROCIDADE RELAÇÕES REGIONAIS: A CONSTRUÇÃO DE UMA LIDERANÇA A DEMOCRATIZAÇÃO DAS ARENAS INTERNACIONAIS: EM BUSCA DA RELEVÂNCIA NA SEGURANÇA INTERNACIONAL CAPÍTULO III - O PODER BRANDO NA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA A PROJEÇÃO DO BRASIL NO SISTEMA INTERNACIONAL A DIMENSÃO MUNDIAL DA AGENDA BRASILEIRA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 59

12 11 1. INTRODUÇÃO Uma das principais vertentes no estudo das relações internacionais diz respeito à análise da política externa, cujo desenvolvimento requer bases teóricas adequadas e a seleção de fatos históricos para pesquisa. De modo geral, o estudo da política externa é voltado para a atuação do Estado no plano internacional, enquanto que os conceitos teóricos podem pertencer a correntes distintas. Dentre as diversas correntes teóricas que se apresentam para análise das relações internacionais as principais são a realista e a liberal. Cada uma destas correntes possui uma definição própria para o poder e a despeito da importância das premissas sobre as quais elas se apóiam as características do Sistema Internacional que emerge ao fim da guerra fria propicia novas discussões sobre essas definições. Assim, Nye (2002) apresenta uma visão conjugada dos meios necessários para o exercício de poder no Sistema Internacional e expõe uma teoria que é aplicável tanto a Estados com amplos recursos bélicos e econômicos, como aos que os tem em menor grau. Nye (2002, p.30) define poder como a capacidade de obter os resultados desejados e, se necessário, mudar o comportamento dos outros para obtê-lo e, com isso, entende-se que os recursos tradicionais, como armas e território, não perdem a importância, bem como os meios cooperativos, como instituições e acordos, também são válidos. Nessa perspectiva de conciliar idéias realistas e liberais, o autor propõe que para assegurar a representação dos interesses no mundo pós-guerra Fria é necessário conciliar a aplicação do Poder Duro (Hard Power) com o Poder Brando (Soft Power). Haja vista que o Brasil é um dos países que procura inserir-se no cenário internacional contemporâneo e que estudos sobre o seu aparato de Poder Duro constituem um tema já bastante explorado, abre-se a perspectiva de verificar a existência de fontes de Poder Brando no Estado. Segundo Nye (2004), essas fontes podem estar dispersas na cultura, nos valores e na política. Sendo a política a arena em que o Estado exerce maior influência entre as possibilidades supracitadas, e,

13 12 sendo na política externa que efetivamente definem-se os procedimentos para a inserção internacional da nação, delimitou-se o objeto desse trabalho. O trabalho realizado parte da problemática de utilização do Poder Brando na política externa brasileira e visa identificar se elementos pertinentes a essa esfera de poder estão presentes no modelo de inserção internacional do Brasil durante o governo do Presidente Luís Inácio Lula da Silva, dado o marco temporal que compreende o período de 2003 a A fim de confirmar ou refutar a hipótese de que as principais ações no âmbito externo empreendidas pelo governo Lula possuem a finalidade não só de atender a demandas conjunturais mas também de reforçar a imagem do País e aumentar sua influência no cenário internacional, em especial, sobre a América do Sul, constituíram-se em objetivos específicos: I. Extrair os conceitos do Poder Brando a partir de uma análise feita dos Estados Unidos; II. Identificar as principais diretrizes e ações da política externa brasileira do período destacado para estudo; III. Aplicar os fundamentos da vertente política do Poder Brando ao modelo de inserção internacional do Brasil durante o governo Lula. Para atender aos objetivos expostos foi realizada uma coleta de dados documentais que se desdobrou em duas etapas. A primeira referiu-se a um levantamento de fontes secundárias (livros e artigos de revistas impressas e eletrônicas) referentes ao Poder Brando. Esta primeira etapa da pesquisa serviu, basicamente, para a definição das características do objeto quanto às ações apresentadas pelos teóricos que levam ao aumento do aparato intangível da nação e o papel da política externa na disseminação e aumento do Poder Brando. Uma segunda etapa do aspecto documental da pesquisa envolveu a análise de artigos, documentos governamentais, discursos e relatórios produzidos sobre a temática da política externa do Brasil no governo Lula. Assim buscou-se identificar

14 13 as diretrizes adotadas pela política externa brasileira no período recortado para estudo. O presente trabalho é composto por três partes. Na primeira parte são apresentados os fundamentos teóricos e feita uma incursão sobre as abordagens contemporâneas de poder nas relações internacionais, de modo que se trabalha essencialmente com os conceitos de Poder Brando desenvolvidos por Joseph Nye Jr. O autor em questão iniciou seus estudos sobre este assunto fazendo uma análise dos Estados Unidos, porém, nesse trabalho propõe-se com base em suas contribuições, extrair conceitos mais densos e aplicáveis a qualquer Estado. Além disso, é importante ressaltar que o termo Poder Brando tem sido vulgarizado, haja vista a sua utilização ostensiva nos meios de comunicação que por vezes não condizem com os estudos acadêmicos sobre o tema, e, por isso, houve a preocupação em resgatar os fundamentos teóricos de fontes bibliográficas seguras enfatizando o uso do livro Soft Power: the means to success in world politics, que contempla o que se tem de mais profundo a esse respeito. Na segunda parte são explicitados os objetivos do Brasil no Sistema Internacional a serem obtidos por meio da política externa e, para tanto são considerados documentos oficiais do governo e discursos proferidos pelos governantes e pelo corpo diplomático do País. Em seguida são resgatados os principais acontecimentos ligados a esses objetivos, com o delineamento da posição do Brasil e a apresentação de vozes de apoio e dissonantes em relação à atuação governamental, de modo a assegurar a imparcialidade no estudo e a fornecer elementos para validar as concepções teóricas no que diz respeito a possíveis ônus arcados em função do fortalecimento da imagem externa do Estado. É, contudo, na terceira parte que se pretende analisar a aplicação dos conceitos teóricos abordados no primeiro capítulo no caso da inserção internacional do Brasil tratada no segundo capítulo. Com esses subsídios, a terceira parte se responsabiliza em definir o perfil de atuação internacional brasileira, qualificando o processo político do País em favor ou contra a valorização dos organismos internacionais, da pluralidade e da democracia.

15 14 Por fim, são apresentadas algumas considerações a respeito das possibilidades que o Poder Brando oferece no combate a cristalização do poder no cenário internacional e se sua utilização ou falta na política externa brasileira estão ligadas apenas a conjuntura do momento eleito para estudo ou se estão relacionados a uma trajetória mais ampla, cujas prospecções de resultados contemplam o médio e o longo prazo.

16 15 2. CAPÍTULO I PODER E POLÍTICA EXTERNA: FUNDAMENTOS TEÓRICOS O cenário internacional tem passado por mudanças profundas desde a formação do Estado Moderno. Essas transformações estão ligadas, predominantemente, aos meios utilizados e aos atores que exercem poder no Sistema Internacional. Como padrão do período histórico identifica-se a presença dos Estados enquanto atores relevantes e uma relação clara entre o exercício de poder e a condução da política externa destes. 2.1 O PODER NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA O exercício do poder e da hegemonia são temas recorrentes no estudo das relações internacionais. Como propõe Lessa (2005) é com o Tratado de Vestfália em 1648 e a consolidação do Estado-nação laico na Europa que afirma-se a supremacia estatal sobre temas domésticos e internacionais. Essa afirmação também no plano externo subsidia a prática hegemônica. A despeito da importância das abordagens clássicas de poder, centradas na coesão interna do Estado e representadas emblematicamente pelas obras de Maquiavel (1969) e Hobbes (2001), o presente trabalho busca elementos de análise existentes no pensamento contemporâneo das relações internacionais. Nesse sentido, as concepções consideradas sobre o poder partem do ponto de vista específico das interações entre os Estados. Na reconstrução histórica feita por Arrighi (1996, p.28) em relação à alternância de Estados hegemônicos ao longo da história, poder é definido como uma combinação entre consentimento e coerção, em que o primeiro implica em liderança moral e o segundo indica o uso da força. Ainda para Arrighi (1996, p. 28), o conceito de hegemonia mundial permeia a capacidade de um Estado exercer funções de liderança e governo sobre um sistema de nações soberanas. Ressalta-se ainda o caráter cíclico do exercício da hegemonia e a disposição de determinadas fontes para obtê-lo.

17 16 Convergente a esse pensamento, Nye (2000) destaca que os recursos de poder possuem importância de acordo com um determinado período histórico. As principais potências mundiais e suas fontes de poder estão sistematizadas no quadro abaixo e evidenciam a alternância na importância dos recursos de poder ao longo do tempo. Período Estado Preponderante Principais Recursos Século XVI Espanha Ouro, comércio colonial, exércitos mercenários, laços dinásticos Comércio, capital, Século XVII Holanda mercados, marinha mercante Século XVIII França População, indústria rural, administração pública, exército Século XIX Inglaterra Indústria, coesão política, finanças e crédito, normas liberais, localização insular Século XX Fonte: Nye (2000) Estados Unidos Escala econômica, liderança técnica e científica, cultura universalista, força e alianças militares, regimes internacionais liberais, eixo das comunicações transnacionais e tecnologia da informação Quadro 1 Estados preponderantes e as principais fontes de poder.

18 17 Reiterando a alternância existente entre os Estados hegemônicos ao longo do tempo é possível citar os estudos de Kennedy (1989) sobre a ascensão e queda das potências e de Duroselle (2000) sobre a regularidade no nascimento e morte dos impérios. Em ambos há a identificação das principais características de um dado momento histórico e a conseqüente importância de um recurso de poder. O século XXI é caracterizado, em especial, pelo aumento das tecnologias de comunicação disponíveis e da circulação de informações em um espaço de tempo cada vez menor. Assim, os Estados não dependem apenas das fontes tradicionais de poder, enumeradas por Fernandes (2001) como: I. Extensão e situação geográfica; II. População e coesão social, política e ideológica; III. Recursos naturais; IV. PNB e desenvolvimento tecnológico; V. Força militar e capacidade estratégica. Segundo Nye (2004), o cenário internacional contemporâneo demanda a inclusão de mais uma esfera de poder que oriente as ações estatais e que está diretamente ligada ao campo político, em especial à articulação de idéias e ganho de aliados em função dos valores emanados. Tendo em vista a proposta de Nye e remetendo-nos a citação anterior do conceito de poder para Arrighi, estaríamos tratando do consentimento na arena política internacional, ou ainda, no que Carr (2001) chamou de poder sobre a opinião (Power over opinion) ao enumerar as três esferas do poder internacional como militar, econômica e poder sobre a opinião. Na mesma linha, Gramsci (2000) já se referia a manifestações de supremacia por parte de um grupo social por meio da dominação e da liderança intelectual e moral, e, mais enfaticamente Duroselle (2000) distingue a persuasão da negociação, da ameaça e do uso da violência, pois a primeira tem caráter quase pessoal entre os líderes e se dá em função de laços de confiança para que se convençam vários poderes públicos de que a sua proposta é a mais viável.

19 FONTES CONTEMPORÂNEAS DE PODER: O PODER BRANDO Em função do momento histórico eleito para estudo, cabe frisar que com o fim da Guerra Fria houve a emergência de novas abordagens no que concerne a discussão teórica em relações internacionais. A maior parte delas foi motivada pelo surgimento de novos atores no Sistema Internacional, tratados por Albuquerque (2006) como sendo os novos Estados que se desmembraram da União Soviética, as novas entidades paraestatais que desafiam a soberania dos Estados (como o crime organizado e os movimentos terroristas) e as novas organizações nãogovernamentais multinacionais (empresariais ou civis). Verificou-se uma mudança na distribuição e meios para exercício do poder, com a limitação da efetividade do poder bélico conforme exposto por Sarfati (2005, p.216): Primeiro, porque o poder nuclear revelou-se tão destrutivo quanto o alto custo de empregar tal arma, que, apenas em circunstancias extremas, se cogitaria utilizar. Em segundo lugar, há um continuo crescimento de movimentos nacionalistas, especialmente depois do colapso soviético. Em terceiro, há uma profunda mudança social no interior das grandes potências, refletido no desejo de bem-estar acima da glória da vitória em guerras. Além disso, os avanços tecnológicos permitiram a criação de múltiplos canais de comunicação o que, em última instância, tornou o poder algo menos coercitivo e menos tangível como assinalam Arquilla e Ronfeldt (1999 apud NYE, 2004, p. 20, tradução nossa) na era da informação, vantagens cooperativas serão cada vez mais importantes. Além do mais, sociedades que melhorarem suas habilidades de cooperação com amigos e aliados conseguirão obter também vantagens competitivas contra seus rivais 1. 1 In the information age, cooperative advantages will become increasingly important. Moreover, societies that improve their abilities to cooperate with friends and allies may also gain competitive advantages against rivals. (ARQUILLA; RONFELDT,1999 apud NYE, 2004, p.20)

20 19 Com a premissa de que os Estados estão inseridos em um Sistema Internacional interdependente e cuja anarquia 2 é mitigada em função da existência de regimes e instituições, para abordar o conjunto de atores e variáveis que condicionam a tomada de decisão política são válidas as formulações sobre o Poder Brando (Soft Power). De acordo com Nye (2004) poder é a capacidade de fazer o que se deseja ou mais especificamente a capacidade de influenciar o comportamento dos demais para atender seus interesses, e, a obtenção e aplicação do poder no século XXI se dão em um tabuleiro tridimensional que requer do Estado-nação recursos bélicos, recursos econômicos e também recursos intangíveis, provenientes de uma política externa bem elaborada e de uma liderança respeitada. O autor propõe conceitualmente a segmentação das fontes do poder em Poder Duro (Hard Power) e Poder Brando (Soft Power). A primeira está ligada a perspectiva de que os Estados norteiam suas ações de acordo com suas capacidades de coerção (sticks) e indução (carrots), impondo sanções diretas a seus opositores por meio da força ou de ameaças. Nessa primeira concepção enquadram-se tanto a esfera militar como a econômica. Já a segunda definição prevê que os Estados priorizam os meios de atração e estabelecimento de agendas comuns, nas quais os cursos emblemáticos de ação passam a ser as instituições, os valores, as culturas e as políticas. A diferença entre os dois espectros ao exercer o poder é vista por Pecequilo (2004) em termos de violência ou racionalidade. Desse modo, a distinção entre eles reside no fato de que o Poder Duro privilegia o uso da força e pode ser sentido com facilidade na prática, além de estar associado às formas tradicionais de poder. Em contrapartida, o Poder Brando é calcado na atração e no convencimento, é intangível e não é percebido claramente na prática. De modo ilustrativo, o quadro abaixo contempla os tipos de poder, meios de afirmação e políticas compatíveis com cada um deles: 2 A palavra anarquia neste contexto refere-se a ausência de um poder soberano sobre os Estados.

21 20 Comportamentos Meios primários Políticas Governamentais Poder Militar Coerção Dissuasão Proteção Ameaças Força Diplomacia coercitiva Guerra Alianças Poder Econômico Indução Coerção Pagamentos Sanções Ajuda Suborno Sanções Valores Diplomacia pública Poder Brando Atração Agendas compatíveis Cultura Políticas Diplomacia bilateral e Instituições multilateral Fonte: Nye (2004) Quadro 2 Os três tipos de poder. A definição de Poder Brando é explicitada por Nye (2004, p. X, tradução nossa) do seguinte modo: A habilidade de conseguir o que você quer através da atração ao invés de coerções ou pagamentos. Isso emerge da atratividade da cultura do país, dos ideais políticos e das políticas. Quando nossas políticas são vistas como legitimas aos olhos dos outros, nosso poder brando está estabelecido. 3 3 Is the ability to get what you want through attraction rather than coercion or payments. It arises from the attractiveness of a country`s culture, political ideals, and policies. When our policies are seen as legitimate in the eyes of others, our soft Power is enhanced. (NYE, 2004, p.x)

22 21 Diferente da influência, persuasão ou argumentação, o Poder Brando também pode ser denominado como Poder Atrativo (Attractive Power) já que considera a existência de uma atração intangível que nos persuade a apoiar alguém mesmo sem uma ameaça explicita ou recebimento de algo em troca. Desse modo, a liderança é exercida no momento em que os demais mudam de preferência e as políticas instauradas possuem autoridade moral. A importância do Poder Brando é relativamente maior quando disperso em outro país e exerce influência sobre as distintas esferas democráticas (parlamento e opinião pública). O Poder Brando por sua vez possui três vertentes: os valores políticos, a política externa e a cultura. Os valores políticos convertem-se em atrativos quando a ideologia que suporta o discurso é verificável em fatores como: economia próspera, robustez das empresas transnacionais e bons indicadores sociais. Para o governo, indicadores positivos de propagação de Poder Brando se concentram na confiança estabelecida pelo eleitorado, no apoio a atividades de Organizações Não-Governamentais e na capacidade de mobilizar indivíduos em torno de ações voluntárias. Em relação à política externa, a obtenção de Poder Brando depende de sua forma e conteúdo. Tanto o modo utilizado para obter vantagens no sistema internacional como o grau de igualdade de benefícios e abstenções nas negociações com os demais Estados influenciam no grau de Poder Brando da nação. Apesar de auxiliar na disseminação do Poder Brando, a cultura popular nem sempre produz os efeitos que o governo gostaria por não estar diretamente subordinada a ele. No entanto, a atração exercida pela cultura mobiliza as novas gerações e propõe uma mudança de longo prazo, atuando como catalisador. Com isso, o ato de convencer alguém a combater algo com o qual se tem uma identificação torna-se mais custoso e os reais efeitos do Poder Brando emanam da influência exercida sobre os principais envolvidos no processo decisório. Do mesmo modo as diferenças culturais e a recepção de demonstrações de Poder Brando estão sujeitas às interpretações dos receptores, que podem não

23 22 sentirem-se atraídos, mais sim repugnar o modo de vida ou sentirem-se ameaçados com o fortalecimento de outro Estado. Vale ressaltar que, na maioria das vezes, os receptores não possuem um ódio explícito sobre determinados valores emanados, e, é na ambivalência que a vertente política do Poder Brando deve atuar com o intuito de consolidar uma visão positiva sobre a nação. Por tratar-se de um recurso de poder cujas fontes são dispersas, o governo não é capaz de estabelecer pleno controle sobre elas. Assim, grande parte dos meios mencionados são capazes de exportar costumes e parâmetros de organização social em situações cotidianas, em que a mensagem política é passada de modo subliminar e transmite o valor e a identidade de um país agregados a uma marca ou costume. Logo, a formação da imagem externa do país depende do modo como o Poder Brando é recebido pelos estrangeiros, além de ter um caráter de fixação progressivo com possibilidade de variações drásticas de acordo com a época e o local. As limitações do Poder Brando se dão no fato dele ser abstrato e, portanto, não propiciar uma contrapartida imediata como ocorre em relação às negociações coercitivas ou indutivas. Além disso, os governos precisam constantemente adotar medidas impopulares, o que em um primeiro momento minimiza seu Poder Brando, podendo esse ser restabelecido se a medida mostrar-se adequada posteriormente. Apesar dos espectros não serem excludentes, estando inclusive intimamente ligados no que seria o aparato de poder de um Estado como um todo, é possível dizer que a aplicação do Poder Brando é mais eficaz e menos custosa do que a do Poder Duro, uma vez que: Quando os países tornam seu poder legitimado aos olhos dos demais, eles enfrentam menos resistência a seus desejos. Se a cultura e ideologia de um país são atrativas, muitos outros o seguirão prontamente. Se um país pode moldar as regras internacionais de modo consistente a seus interesses e valores, suas ações parecerão mais legitimas aos demais. Se ele usar as instituições e seguir as regras para encorajar os outros países a interligarem-se ou limitar suas atividades do modo que ele preferir, não serão necessárias tantas e custosas coerções e induções 4 (NYE, 2004, p.10, tradução nossa). 4 When countries make their power legitimate in the eyes of others, they encounter less resistance to their wishes. If a country`s culture and ideology are attractive, others more willingly follow. If a country can shape

24 23 Do mesmo modo Nye (2004, p.14, tradução nossa) assinala que a atração e a obtenção de aliados se darão com: Os valores vencedores de um governo em seu comportamento interno (por exemplo, democracia), nas instituições internacionais (trabalhando com os demais) e na política externa (promovendo a paz e os direitos humanos), afetarão fortemente as preferências dos demais A POLÍTICA EXTERNA COMO FONTE DE PODER BRANDO O cenário internacional do século XXI faz com que os Estados busquem novas formas de representatividade no plano externo, extrapolando a utilização das figuras emblemáticas do diplomata e do soldado, sem, no entanto, negligenciá-las. Sob essa óptica, o conjunto de interações promovidas para a consolidação da política externa é um meio de fornecer respostas adequadas às novas realidades. Como argumenta Wight (2002, p. 107), a diplomacia é o sistema e a arte da comunicação entre os Estados. O sistema diplomático é a instituição mestra das relações internacionais. A política externa, por sua vez, envolve aspectos mais específicos dentro do conjunto das relações internacionais, enfocando a orientação governamental de determinado Estado a propósito de certos governos, ou ainda regiões, situações e estruturas em dadas conjunturas. De acordo com Souto Maior (2003), a política externa do Estado é condicionada pelo contexto internacional em que se desenvolve, pela posição que ele ocupa ou deseja no Sistema Internacional e os meios de que dispõe para galgar seus objetivos. international rules that are consistent with its interests and values, its actions will more likely appear legitimate in the eyes of others. If it uses institutions and follows rules that encourage other countries to channel or limit their activities in ways it prefers, it will not need as many costly carrots and sticks. (NYE, 2004, p.10) 5 The values a government champions in its behavior at home (for example, democracy) in international institutions (working with others), and in foreign policy (promoting peace and human rights) strongly affect the preferences of others. (NYE, 2004, p.14)

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais

Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais Da coexistência internacional à cooperação multilateral: o papel da ONU e da OMC nas relações internacionais A Cooperação Internacional tem por objetivo conduzir o conjunto de atores que agem no cenário

Leia mais

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA. Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD A INSERÇÃO INTERNACIONAL DO BRASIL E SEUS REFLEXOS PARA A DEFESA Juliano da Silva Cortinhas Instituto Pandiá Calógeras MD Palestra UFMS 05/06/2013 CONTEXTO SISTÊMICO Maior complexidade da agenda internacional

Leia mais

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1

HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 .. RESENHA Bookreview HIERARCHY IN INTERNATIONAL RELATIONS 1 Gustavo Resende Mendonça 2 A anarquia é um dos conceitos centrais da disciplina de Relações Internacionais. Mesmo diante do grande debate teórico

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Os BRICS e as Operações de Paz

Os BRICS e as Operações de Paz Os BRICS e as Operações de Paz Policy Brief #3 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Maio de 2011 Os BRICS e as Operações de Paz

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

A inflexão da política externa brasileira para o Sul e o Fórum IBAS

A inflexão da política externa brasileira para o Sul e o Fórum IBAS A inflexão da política externa brasileira para o Sul e o Fórum IBAS Análise Desenvolvimento / Integração Regional Joana Laura Marinho Nogueira 01 de julho de 2008 A inflexão da política externa brasileira

Leia mais

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la.

4. Trata-se de uma estratégia complementar à cooperação Norte-Sul e que não tem o objetivo de substituí-la. VI REUNIÃO PARDEV 17/5/2012 Fala abertura Laís Abramo 1. A Cooperação Sul Sul é um importante e estratégico instrumento de parceria (partnership) para o desenvolvimento, capaz de contribuir para o crescimento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010

COOPERAÇÃO SUL SUL INSPEÇÃO DO TRABALHO. Brasília, 7 de dezembro de 2010 COOPERAÇÃO SUL SUL SEMINARIO BOAS PRÁTICAS NA INSPEÇÃO DO TRABALHO Brasília, 7 de dezembro de 2010 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O que se entende por Cooperação Sul-Sul 2. Princípios da Cooperação Sul-Sul

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 China pode vetar reforma do Conselho de Segurança O governo brasileiro não considerou um problema diplomático a ameaça chinesa

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1. ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

Agenda Internacional 2009

Agenda Internacional 2009 Agenda Internacional 2009 CNI: estratégia institucional Visão Estratégica Mapa Estratégico Uma visão sobre o futuro do país e da indústria (2007-2015) Identifica prioridades estratégicas Participação de

Leia mais

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa

Mestrados ENSINO PÚBLICO. 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa Mestrados ENSINO PÚBLICO 1-ISCTE Instituto Universitário de Lisboa *Mestrado em Ciência Política O mestrado em Ciência Política tem a duração de dois anos, correspondentes à obtenção 120 créditos ECTS,

Leia mais

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015)

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) O modelo de desenvolvimento da era Lula o tripé composto por

Leia mais

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc

ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc ANEXO I QUADRO COMPARATIVO DOS GOVERNOS LULA E fhc Mercadante_ANEXOS.indd 225 10/4/2006 12:00:02 Mercadante_ANEXOS.indd 226 10/4/2006 12:00:02 QUADRO COMPARATIVO POLÍTICA EXTERNA Fortalecimento e expansão

Leia mais

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 1 MINUTA DE DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, no uso de suas atribuições

Leia mais

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina

Posição dos BRICS diante da questão da Palestina BRICS Monitor Posição dos BRICS diante da questão da Palestina Janeiro de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

brasil, américa latina e a união europeia diante de novas agendas globais

brasil, américa latina e a união europeia diante de novas agendas globais brasil, américa latina e a união europeia diante de novas agendas globais Miriam Gomes Saraiva O Brasil e a União Europeia são ambos fortemente comprometidos tanto com o multilateralismo global quanto

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional

Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Valorização e Globalização da Marca Brasil Plano Aquarela, Megaeventos e Marketing Turístico Internacional Tribunal de Contas da União, 17 de agosto de 2011 Plano Aquarela Desde 2005 é a base metodológica

Leia mais

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS A PARADIPLOMACIA: CONCEITO E INSERÇÃO DO PROFISSIONAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS Ana Carolina Rosso de Oliveira Bacharel em Relações Internacionais pela Faculdades Anglo-Americano, Foz do Iguaçu/PR Resumo:

Leia mais

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense.

As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. 970 As Relações Brasil Oriente Médio (1964-1991): face à rivalidade argentina e sob a égide estadunidense. José Luiz Silva Preiss, Prof. Dr. Helder Gordim da Silveira (Orientador) PPG História - PUCRS

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao

1. Introdução. 1 Segundo Seitenfus: apesar das escassas relações, são numerosos os laços que unem o Brasil ao 1. Introdução O objetivo deste trabalho é analisar o posicionamento brasileiro perante as normas internacionais relacionadas a intervenções humanitárias e missões de paz no período pós-guerra Fria, e como

Leia mais

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior

CESA Comitê de Apoio ao Comércio Exterior A ALCA E OS INTERESSES BRASILEIROS Thomas Benes Felsberg Agnes Borges O Brasil no Mercado Internacional Respondemos hoje por menos de 1% do comércio mundial. Exportações brasileiras não superam a marca

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens.

TERMO DE REFERÊNCIA. Local de atuação: Brasília/DF com disponibilidade para viagens. TERMO DE REFERÊNCIA Denominação: Consultor(a) para atuação na área de política internacional, intercâmbio internacional de experiências em políticas de desenvolvimento rural e atividades de cooperação

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ

EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ EMENTAS DAS DISCIPLINAS ESTUDOS REGIONAIS, TEMAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS E TÓPICOS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS 2 /2015 TURNO MANHÃ Temas em Relações Internacionais I 4º Período Turno Manhã Título da

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE

A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE A ATUAÇÃO BRASILEIRA EM ESTADOS FRÁGEIS COMO NICHO DIPLOMÁTICO DE UMA POTÊNCIA EMERGENTE Introdução Aluno: Enzo Mauro Tabet Cruz Professor: Kai Michael Kenkel O Brasil vem crescentemente ganhando destaque

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra 2 a EDIÇÃO Renan Flumian Coordenador da obra NOS CONCURSOS DA DIPLOMACIA E CHANCELARIA 1 a FASE 1.200 QUESTÕES COMENTADAS Wander Garcia coordenador da coleção SUMÁRIO SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 15 01.

Leia mais

5ª REUNIÃO TEMÁTICA AMÉRICA DO SUL E CARIBE GEOPOLÍTICA E ORGANISMOS MULTILATERAIS

5ª REUNIÃO TEMÁTICA AMÉRICA DO SUL E CARIBE GEOPOLÍTICA E ORGANISMOS MULTILATERAIS ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO 7ª SCH- POLÍTICA E ESTRATÉGIA 5ª REUNIÃO TEMÁTICA AMÉRICA DO SUL E CARIBE GEOPOLÍTICA E ORGANISMOS MULTILATERAIS 01 Julho 15 O PROTAGONISMO BRASILEIRO NO SEU ENTORNO ESTRATÉGICO

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento

Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie Takahasi 17 de Março de 2012 Cooperação Sul-Sul: África e China em busca do desenvolvimento Análise Ásia Raysa Kie

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul

Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Internacional Samuel Pinheiro Guimarães: A União Europeia e o fim do Mercosul Samuel Pinheiro Guimarães postado em: 26/04/2014 Integração regional e acordos de livre comércio 1. A conveniência da participação

Leia mais

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG.

Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Apresentação: Competências da DCE; Atividades recentes: atuação digital e Ciência sem Fronteiras; PEC-G e PEC-PG. Competências da Divisão: Tratamento político dos temas educacionais nos fóruns multilaterais

Leia mais

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE

DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE DECLARACÃO DO CONGRESSO INTERNACIONAL DE REITORES LATINO-AMERICANOS E CARIBENHOS O COMPROMISSO SOCIAL DAS UNIVERSIDADES DA AMÉRICA LATINA E CARIBE UFMG, BELO HORIZONTE, BRASIL 16 a 19 de setembro de 2007.

Leia mais

Conferência na London School of Economics (LSE) Londres, 14 de julho de 2003

Conferência na London School of Economics (LSE) Londres, 14 de julho de 2003 1 Conferência na London School of Economics (LSE) Londres, 14 de julho de 2003 É uma honra ser convidado pela LSE, uma Escola que teve importante papel na história do socialismo na Inglaterra e continua

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Perspectivas de Cooperação em Saúde a partir de Sanya nos BRICS

Perspectivas de Cooperação em Saúde a partir de Sanya nos BRICS BRICS Monitor Perspectivas de Cooperação em Saúde a partir de Sanya nos BRICS Setembro de 2011 Núcleo de Cooperação Técnica e Ciência e Tecnologia BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: REALIDADE S. P. E. BRASILEIRA PROFESSOR: CARLOS ALEX BRIC BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001, pelo economista Jim O'Neill, chefe de

Leia mais

Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana

Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana Declaração de Brasília: Rumo à Cidadania Sul- Americana XI Conferência Sul-Americana sobre Migrações Brasília, de 19 a 21 de outubro de 2011 Declaração de Brasília Rumo à Cidadania Sul-Americana Os representantes

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso em almoço oferecido ao

Leia mais

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil

Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Discurso da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, no seminário Planejamento e Desenvolvimento: Experiências Internacionais e o Caso do Brasil Brasília, 22 de novembro de 2012 É uma honra recebê-los

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012

X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 X CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA DEFESA DAS AMÉRICAS PUNTA DEL ESTE - REPÚBLICA ORIENTAL DO URUGUAI 8 A 10 DE OUTUBRO DE 2012 DECLARAÇÃO DE PUNTA DEL ESTE (10 de outubro de 2012) Os Ministros da Defesa e

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo 3.3 Integração da Economia Regional e Acordos Cooperativos International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Definir

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

DECLARAÇÃO CONJUNTA SOBRE OS RESULTADOS DAS CONVERSAÇÕES OFICIAIS ENTRE O PRESIDENTE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, E O PRESIDENTE DA FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, VLADIMIR V. PUTIN

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

Sua Excelência, Senador Fernando Collor de Melo Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado Brasileiro; Senhores Senadores,

Sua Excelência, Senador Fernando Collor de Melo Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado Brasileiro; Senhores Senadores, 1 Brasil, Africa do Sul e BRICS Ubiratan Castro de Araújo Sua Excelência, Senador Fernando Collor de Melo Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado Brasileiro; Senhores Senadores, Agradeço

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

NOVAS ABORDAGENS ESTRATÉGICAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS

NOVAS ABORDAGENS ESTRATÉGICAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS NOVAS ABORDAGENS ESTRATÉGICAS EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS Fernando Filgueiras, Doutorando em Ciência Política no IUPERJ; Mestre em Ciência Política pela UFMG; Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas

Leia mais

Política comercial no Brasil: características, condicionantes e policymaking

Política comercial no Brasil: características, condicionantes e policymaking Política comercial no Brasil: características, condicionantes e policymaking Pedro da Motta Veiga Agosto 2006 Estrutura do trabalho - fluxos de comércio e política comercial dos últimos 20 anos: evolução

Leia mais

INSERÇÃO INTERNACIONAL: FORMAÇÃO DE CONCEITOS BRASILEIROS 1

INSERÇÃO INTERNACIONAL: FORMAÇÃO DE CONCEITOS BRASILEIROS 1 RESENHA Bookreview INSERÇÃO INTERNACIONAL: FORMAÇÃO DE CONCEITOS BRASILEIROS 1 Diego Marques Morlim Pereira 2 Em Inserção internacional: formação de conceitos brasileiros, o professor Amado Cervo aborda

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades

Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Workshop Cooperação Internacional e rede de cidades Vicente Trevas, Vice-Presidente da RIAD e Subchefe de Assuntos Federativos da Presidência da República do Brasil. Inicialmente, gostaria de colocar algumas

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado

2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado 2013 Global Peace Index: Aumento dramático de homicídios diminuiu a paz mundial no ano passado - Medidas de terrorismo patrocinado por governos e a possibilidade de manifestações violentas foram os indicadores

Leia mais

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y humanidades relações exteriores y Gosto pela diplomacia Cresce o interesse de brasileiros pelos rumos da política externa Carlos Haag Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam que o país está

Leia mais