corrente contínua Ou longe... Belo Monte, a melhor qualidade de vida pode estar perto... Ano XXXII - Nº 228- Setembro/Outubro Eletronorte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "corrente contínua Ou longe... Belo Monte, a melhor qualidade de vida pode estar perto... Ano XXXII - Nº 228- Setembro/Outubro -2009 Eletronorte"

Transcrição

1 Ano XXXII - Nº 228- Setembro/Outubro A REVISTA DA ELETRONORTE Ou longe... Belo Monte, a melhor qualidade de vida pode estar perto... Eletronorte

2 sumário circuito interno Gestão moderna e eficiente Página 34 TECNOLOGIA Linha direta para a energia Página 40 GERAÇÃO Belo Monte EIA/Rima aponta oportunidades para a melhor qualidade de vida GERAÇÃO Belo Monte: EIA/Rima aponta oportunidades para a melhor qualidade de vida Página 3 ENERGIA ATIVA Terra de bois, grãos e peixes Página 45 Audiências públicas reúnem oito mil pessoas em quatro cidades CORRENTE ALTERNADA A energia que supera os desafios para o crescimento do Maranhão Página 14 SISTEMA ELETROBRÁS Internacionalização da Eletrobrás: Setor Elétrico brasileiro chega ao e8 Página 18 TRANSMISSÃO Modernização traz ganhos econômicos e sociais aos sistemas de transmissão Página 27 SCN - Quadra 06 - Conjunto A Bloco B - Sala Entrada Norte 2 CEP: Asa Norte - Brasília - DF. Fones: (61) / site: Prêmios 1998/2001/2003 AMAZÔNIA E NÓS Amapá: do equinócio à pororoca Página 50 CORREIO CONTÍNUO Página 58 FOTOLEGENDA Página 59 Diretoria Executiva: Diretor-Presidente - Jorge Palmeira - Diretor de Planejamento e Engenharia - Adhemar Palocci - Diretor de Produção e Comercialização - Wady Charone - Diretor Econômico-Financeiro - Antonio Barra - Diretor de Gestão Corporativa - Tito Cardoso - Coordenação de Comunicação Empresarial: Isabel Cristina Moraes Ferreira - Gerência de Imprensa: Alexandre Accioly - Equipe de Jornalismo: Alexandre Accioly (DRT 1342-DF) - Bruna Maria Netto (DRT 8997-DF) - Byron de Quevedo (DRT 7566-DF) - César Fechine (DRT 9838-DF) - Érica Neiva (DRT 2347-BA) - Michele Silveira (DRT RS) - Oscar Filho (DRT AP) - Terezinha Félix de Brito (DRT RO) - Assessorias de Comunicação das unidades regionais - Fotografia: Alexandre Mourão - Roberto Francisco - Rony Ramos - Assessorias de Comunicação das unidades regionais - Revisão: Cleide Passos - Arte gráfica: Jorge Ribeiro - Arte da contracapa: Sandro Santana - Impressão: Brasília Artes Gráficas - Tiragem: 10 mil exemplares - Periodicidade: bimestral Alexandre Accioly Corria o ano de 1971, quando Eurico de Souza chegou às margens da rodovia Transamazônica para se instalar num dos assentamentos do Incra. Chegou sozinho. Mas não saiu de São Paulo apenas com Deus no coração. Juntou à família mais quatro amigos e partiu para o então chamado inferno verde. Os colegas fizeram uma pausa em Brasília para pegar um adiantamento e Eurico seguiu com mulher e filhos para Belém. Quatro dias depois estavam todos a caminho do oeste paraense. Mas uma tragédia interrompeu a viagem: na travessia do Rio Tajacuru, que margeia os municípios de Breves e Melgaço, o barco que os transportava virou. Ali terminavam sonhos que recomeçariam. Eurico teve tempo de salvar duas famílias e a si próprio, mas perdeu os entes queridos. Persistiu na viagem e foi um dos primeiros moradores de Brasil Novo, que ajudou a fundar, dar o nome e fazer daquelas terras a sua nova morada. Hoje, aos 72 anos, espera pela construção do Aproveitamento Hidrelétrico Belo Monte na esperança de poder plantar comida para os milhares de trabalhadores da obra. Enquanto não pode plantar porque não tem quem come, trata de cuidar de 28 mil pés de cacau para exportação. Quem é contra nunca viu o desenvolvimento, chegou aqui e ficou preso na selva, longe do Brasil de verdade, daí o nome que demos, de Brasil Novo, conta Eurico (ao lado), que casou novamente e criou dez filhos. Em Brasil Novo foi realizada a primeira das quatro audiências públicas organizadas pelo Ibama, no cumprimento de mais uma etapa do licenciamento ambiental de Belo Monte, empreendimento situado no Rio Xingu, próximo à cidade de Altamira (PA) (foto acima). Outras três audiências aconteceram em Vitória do Xingu, Altamira e Belém, e reuniram cerca de oito mil pessoas em busca de esclarecimentos sobre os estudos socioambientais descritos no Estudo de Impacto Ambiental EIA e no Relatório de Impacto Ambiental Rima. 2 3

3 As principais mudanças que o EIA determinou no projeto de engenharia de Belo Monte para diminuir os efeitos negativos sobre o meio ambiente e as pessoas foram a mudança para a cidade de Vitória do Xingu das casas destinadas aos funcionários das obras, que antes seriam feitas próximas ao local da casa de força principal, em uma vila residencial; a construção de 500 casas, também para funcionários das obras, espalhadas pela cidade de Altamira, e não em uma vila fechada; a construção de um canal ao lado da barragem principal para passagem de peixes; construção de um mecanismo próximo à barragem principal para fazer com que os barcos possam passar de um lado para o outro do Rio Xingu; e a definição de um hidrograma ecológico para o trecho do rio entre a barragem principal e a casa de força, garantindo a navegação e a sobrevivência de espécies de peixes e plantas. O projeto de Belo Monte foi se modificando ao longo dos anos. Entre as principais mudanças está a redução da área inundada de km² para 516 km². Essa área será dividida em dois lagos: o reservatório dos canais, com 134 km², e o reservatório do Xingu, com 382 km². Mas, neste, 228 km² já são, hoje, o canal natural do rio. O EIA/Rima aponta também a não inundação de terras indígenas. Os estudos feitos indicaram que devem ser colocadas em prática ações para a garantia e a defesa dos territórios indígenas e de seus recursos naturais. Isto porque elas já vêm sofrendo pressões ao longo do tempo, que podem aumentar com a implantação de Belo Monte. Entre as propostas está a necessidade de comunicação sobre as etapas do empreendimento; a garantia de condições de transporte; a sustentabilidade econômica; a prevenção de doenças e promoção da saúde; a educação e capacitação de agentes indígenas; e a defesa e resgate das culturas das diversas etnias. Audiências - As audiências públicas, realizadas entre os dias 9 e 15 de setembro de 2009, contaram com ampla participação popular, mas também de técnicos, professores, ONGs, sindicatos, representantes das empresas que desenvolveram os estudos, além dos diretores da Eletrobrás, Valter Cardeal, e da Eletronorte, Adhemar Palocci, e o presidente do Ibama, Roberto Messias. Em todas elas houve discussões acaloradas entre os favoráveis e os contrários ao projeto. As informações foram repassadas à população de forma didática, com o auxílio de painéis, maquetes, material impresso, além dos 38 volumes dos estudos à disposição para consultas. Em Brasil Novo participaram cerca de mil pessoas e foi a que teve menor duração, sete horas. Sob o forte calor amazônico neste dia, com dimensões infernais, participantes enfrentaram a Transamazônica num dos seus melhores trechos asfaltados, percorrendo apenas 46 km a partir de Altamira. Ali, as terras são de boa qualidade, o que permitiu o desenvolvimento da agricultura. A sede municipal, que ocupa as duas margens da rodovia, acabou atraindo a instalação de serrarias, algumas marcenarias, um laticínio e duas cerâmicas. A cidade conta com os serviços de abastecimento de água encanada, vinda de poços. Não existe rede de esgoto. Boa parte das residências tem fossas sépticas, mas, em outras, ainda existem fossas negras. Valter Cardeal fala na audiência de Brasil Novo 4 5

4 O lixo é coletado todos os dias e levado para um lixão que fica a dois km do centro da cidade, perto de algumas casas. A energia elétrica chega à cidade pela linha de transmissão Tramo-Oeste, associada à Usina Hidrelétrica Tucuruí e em operação desde Antes, havia poucas horas de eletricidade por dia, à base de geradores a diesel. Brasil Novo possui cinco escolas na zona urbana, em boas condições de conservação, atendendo alunos da educação infantil e do ensino fundamental e médio. A rede de serviços de atendimento à saúde é bem estruturada, com um centro municipal de saúde pública e boa cobertura do Programa de Saúde da Família - PSF. Passada a audiência, Seu Eurico e a maioria dos cerca de 20 mil habitantes de Brasil Novo aguardam as ações, os planos, programas e projetos ambientais que devem ser colocados em prática nas etapas de construção e operação de Belo Monte. Um dos programas que vão ajudar Seu Eurico e todos os agricultores da região a colher melhores frutos é o de recomposição das atividades produtivas, que pretende desenvolver ações de capacitação dos produtores e trabalhadores rurais, principalmente aqueles dedicados às atividades de pecuária, agricultura e extrativismo. São ações de responsabilidade do empreendedor, que deverá se responsabilizar por fazer contatos e parcerias com instituições como universidades, institutos de pesquisa e de aprendizagem, mas principalmente com as prefeituras municipais e os governos estadual e federal. Inclusive, algumas dessas ações deverão ser mantidas por toda a vida útil do empreendimento. Vitória do Xingu A caminho de Vitória do Xingu, onde mais de pessoas permaneceram no ginásio poliesportivo por dez horas, buscando informações e participando dos debates, o cantor e compositor paraense Nilson Chaves é sintonizado no rádio: Dias do norte/noites do norte/rio cheio, lua cheia/gente do norte/cheiro do norte/peixe assado é santa ceia. Gente do Norte tem fibra, como Manoel Carlos de Abreu (foto à esquerda), que reside no município desde 1970, vindo de Guajará, no Amazonas: Vim trabalhar, plantar cana. Hoje estou aposentado, não tenho mais força, mas meus 12 netos e bisnetos precisam trabalhar e eu acredito que a Hidrelétrica vai trazer emprego e vida melhor para eles. Ele e boa parte dos mais de dez mil habitantes dessa cidade histórica. Conta a lenda que o primeiro branco a pôr os pés ali foi o padre Roque Hunderpfund, em Ajudado pelos índios xipaias e curuaias, abriu uma trilha para transpor a grande volta do Xingu e fundar acima de onde é hoje a cidade de Altamira, a missão Tavaquara. Somente em 1991 tornou-se um município independente. Vitória do Xingu está localizada às margens do igarapé Tucuruí, afluente do Rio Xingu. Tem um porto bem estruturado onde se encontra o terminal hidroviário de passageiros Dorothy Stang, uma das portas de entrada e saída da população da região. O sistema de abastecimento de água é feito por meio de poços semiartesianos e duas caixas de cimento. A água distribuída é bombeada a partir dessas caixas. Nos locais mais altos, os moradores não conseguem ser abastecidos, sendo obrigados a furar seus próprios poços ou buscar água na cidade vizinha. A cidade não possui sistema de drenagem de águas pluviais. O esgoto é jogado nas ruas a céu aberto e desemboca nos córregos mais Em Vitória do Xingú, participação ativa da comunidade 6 7

5 próximos. O lixo coletado é despejado em um lixão. O fornecimento de energia também é feito pelo Tramo-Oeste e atende a todas as residências da cidade. Existem duas equipes completas do PSF, mas não existe hospital, nem acomodações para internação de pacientes. Nesse caso, os doentes são encaminhados para Altamira. No entanto, Vitória do Xingu é o único município da área de influência direta do empreendimento que se esforça para atingir a meta de 100% da população atendida pelo PSF. Os netos e bisnetos do Seu Manoel terão melhores chances de emprego com a construção de Belo Monte. A mobilização e a contratação de mão de obra também podem gerar impactos positivos. Não só porque as próprias obras aumentarão o crescimento da procura por serviços, materiais e mercadorias, como também porque esse crescimento ocorrerá para atender às necessidades das muitas pessoas que chegarão à região. Isto servirá de estímulo para que novas atividades produtivas sejam criadas. Assim, deverá aumentar o número de postos de trabalho em atividades relacionadas direta e indiretamente às obras. Enquanto a audiência transcorre sob o normal e forte calor da região, Cleomessias Cipriano da Silva bebe o suor aumenta uma pinguinha para refrescar. Ele é autor do hino de Vitória do Xingu. Os debates prosseguem acalorados no ginásio, mas do lado de fora é possível ouvir e refletir sobre os versos de Cleo: Em Vitória do Xingu/essa terra varonil/ lindo nosso município/um pedaço do Brasil/ sempre avante no progresso/com uma educação/terras firmes fontes d águas/honrarei de coração/o seu verde é tão lindo/o Xingu a transbordar/o sistema ecológico/pretendemos preservar (...). Altamira - Em Altamira foi realizada a maior audiência pública para um licenciamento ambiental em toda a história do Brasil, quando mais de cinco mil pessoas lotaram o ginásio por 12 horas seguidas. Fazendo um barulho ensurdecedor, os movimentos sociais contrários ao empreendimento deram o seu recado. Cerca de 150 índios de diversas etnias acompanharam os debates, mas se retiraram rapidamente. A forte segurança teve trabalho em alguns momentos, mas nenhum incidente grave foi registrado. Porém, não foi permitida, por exemplo, a entrada de indígenas portando facões e bordunas, para evitar acidentes como o de maio de 2008, quando um engenheiro da Eletrobrás teve o braço cortado. Anos antes, em 1989, outro facão fez história, o da índia caiapó Tuíra, no rosto do atual presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz Lopes. Mas muitos anos antes o facão era usado na labuta da roça. Jaderci César Cardoso foi um dos que chegaram a Altamira no início dos anos 1980 para trabalhar com gado e plantação. Ficou nessa por 12 anos. Depois abriu um supermercado e mais adiante um complexo turístico, o Recanto do Cardoso. No dia 12 de abril de 2009, a barragem que ele construiu numa área já devastada pelo desmatamento, foi uma das muitas que as águas das chuvas romperam e contribuíram para um dos maiores alagamentos da história de Altamira. Não derrubei nenhuma árvore sequer das que sobraram quando comecei a construir o Recanto. Ao contrário, desde 2003 já plantei cerca de quatro mil árvores nas minhas terras. Como o turismo incentiva a preservação Em Altamira, a maior audiência pública do Brasil 8 9

6 da natureza, também sou guarda voluntário de animais silvestres apreendidos pelo Ibama e que precisam de um período de readaptação antes de voltarem ao seu habitat. E sou conselheiro municipal nos conselhos de meio ambiente e de turismo. Hoje, aos 52 anos, casado, quatro filhos, não tenho dúvidas que Belo Monte vai trazer para a nossa gente o que viemos buscar há 30 anos, que é o desenvolvimento, o progresso, uma vida melhor. Grande parte da população de Altamira pensa como o Cardoso (à esquerda). São mais de 100 mil habitantes. A cidade é o maior município do mundo em extensão territorial e está localizada próxima à rodovia Transamazônica e em frente a um dos trechos mais belos do Rio Xingu. É a principal cidade da região. Nos últimos 20 anos cresceu muito rápido e de forma desordenada, com isso, bairros foram se formando ao longo das margens dos igarapés Altamira e Ambé. Nesses aglomerados existem muitas residências, pontos de comércio, bares e serviços de manutenção. Já nas áreas próximas ao igarapé Panelas a ocupação é pequena e algumas pessoas vivem da extração de argila. A maior parte dos habitantes dessas áreas vive em condições críticas, tanto de moradia, quanto de higiene. Não existe rede de esgoto, 18% das casas não têm instalações sanitárias e pouco mais da metade das casas conta com a coleta de lixo. Em Altamira, o abastecimento de água é feito por meio de poços em mais de 74% das residências, que podem estar contaminados, uma vez que se localizam perto de fossas e de áreas que recebem lançamento de esgoto diretamente nos cursos d água. O lixo é despejado em um terreno na margem esquerda da Transamazônica, no sentido de Itaituba, em área voltada para o igarapé Altamira. Nos meses de cheia, período conhecido como inverno, os moradores das margens dos igarapés, que têm suas casas inundadas com as cheias todos os anos, são desalojados pelas águas. No início da época de seca, voltam para as palafitas. A economia de Altamira, o principal mercado da região, é variada e está ligada principalmente à atividade comercial e à prestação de serviços. Destacam-se também olarias, indústrias de transformação e de beneficiamento de produtos agropecuários. O fornecimento de energia elétrica é feito por meio do Tramo-Oeste. Antes da energia limpa e confiável de Tucuruí, eram comuns os problemas com interrupção de energia, o Quando me perguntam sobre as audiências, começo sempre dizendo que foi um sucesso, mas nada fácil. Primeiro veio o grande desafio de conseguir resumir três anos de trabalho em 60 minutos de apresentação e, é claro, sempre existe alguém esperando ouvir aquilo que deixamos de falar. Depois, traduzir um estudo técnico em ações simples, que possam ser entendidas por todos sem se traduzir em medidas simplórias e de pouca profundidade. Por fim, o maior dos desafios: enfrentar um ambiente diversificado onde estão pessoas que querem entender o projeto, mas também aqueles que usam tudo isso para causas pessoais ou até mesmo causas coletivas que extrapolam a competência do empreendimento. Não vejo como papel da equipe do EIA defender o empreendimento como obra estruturante para a região, mas é nossa obrigação esclarecer a realidade do local, os impactos que a obra trará e cada uma das medidas determinadas pelos estudos ambientais como forma de mitigação ou compensação. Quando vemos o número de 35 mil pessoas que perderam trabalho nas madeireiras, fechadas recentemente, devemos entender que boa parte desses trabalhos estava ligada às atividades ilegais de extração da madeira, responsáveis pelo alto grau de desmatamento já presente na região de Altamira. Quando se ouve dizer que o empreendimento será responsável por um grande desmatamento devemos ter claro que não mais que 25% da área a ser desmatada é coberta por florestas e a presença do empreendimento na região será uma forma de controle por meio das unidades de conservação que serão criadas. Mas se era uma tarefa tão difícil, alguém pode se perguntar: como foi um sucesso? A explicação está na motivação. Motivação de querer mostrar às pessoas da região a seriedade do trabalho que foi feito, o compromisso de uma equipe que se debruçou dias e noites para produzir aquilo que estava sendo apresentado e o resultado de ricas discussões dessa equipe com os empreendedores para esclarecer os impactos e mostrar a necessidade das ações propostas. Mas confesso que minha principal motivação em tudo isso é fazer com que aquela população entenda o que está se passando, a importância da sua participação deles nesse processo de reavaliação daquilo proposto por nós e da cobrança das condições colocadas nos estudos, além da oportunidade de se fazer dessa obra uma condição melhor de vida. Cristiane Peixoto Vieira Engenheira da Leme Engenharia que fez a apresentação do EIA/Rima nas audiências públicas de Belo Monte

7 Em Belém, pessoas contrárias ao empreendimento se retiraram do auditório que prejudicava a economia e contribuía para o aumento da violência da cidade. Os serviços de saúde e educação são bem estruturados. Existe uma completa rede de ensino e o melhor polo de saúde da região. A cidade tem uma rede de cinco hospitais públicos e privados vinculados ao SUS. Seu Cardoso é um empreendedor do turismo. Quando Belo Monte estiver pronta, turistas terão uma impressão melhor da cidade. Um programa de intervenção prevê ações como a recuperação urbanística e ambiental da orla do Xingu; amortecimento de cheias; uso de parte da área do igarapé Ambé para atividades como peixarias, fábricas de gelo e estaleiros; construção de pontes adequadas para a travessia do igarapé Altamira; drenagem urbana e esgotamento sanitário; redes de abastecimento de água; áreas de reassentamento e construção do aterro sanitário. Belém A capital do Pará recebeu a quarta e última audiência pública para o licenciamento ambiental de Belo Monte. Quase 800 pessoas estiveram no Centur, onde distúrbios culminaram na retirada espontânea dos opositores do empreendimento do auditório. No entanto, serviu, por exemplo, para que o Governo do Estado do Pará reapresentasse sua principal reivindicação ao longo de todas as audiências: tarifas menores para estados produtores de energia elétrica e maior parcela da energia a ser negociada com os autoprodutores, indústrias eletrointensivas que poderiam aumentar suas plantas em território paraense, gerando mais emprego e renda. Foi também uma oportunidade para que dirigentes do Setor Elétrico brasileiro e do Ibama, dessem seus depoimentos. O diretor de Planejamento e Engenharia da Eletronorte, Adhemar Palocci (abaixo), lembrou que a Empresa, como integrante do Sistema Eletrobrás, está presente desde o início dos estudos da bacia do Xingu, há 30 anos. Em relação às quatro audiências considero um grande passo para viabilizar Belo Monte e acredito que o processo vai caminhar no sentido da obtenção das licenças ambientais. Percebemos que hoje há uma aceitação muito grande na região, apesar de setores dos movimentos sociais e ONGs ainda se colocarem contra o empreendimento. Em que pese as manifestações contrárias, as audiências públicas existem exatamente para que as pessoas possam questionar e tirar dúvidas. Cabe destacar a de Altamira, a maior já realizada no País, com a presença de aproximadamente 150 índios e mais de 350 perguntas respondidas até à madrugada do dia seguinte. Em artigo publicado no jornal O Globo, dias antes, o presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz Lopes, afirmou: O Aproveitamento Hidrelétrico Belo Monte é a terceira melhor relação capacidade instalada x área inundada do País. A tecnologia que resultou na elaboração do projeto, no entanto, não é a única expertise desenvolvida pelo Brasil. Aprendemos ainda, com a experiência, que nossas usinas devem ser viáveis não apenas técnica e economicamente, mas também do ponto de vista socioambiental. A usina é um projeto consistente e equilibrado, que assegurará parte importante do suprimento de energia previsto no Plano Nacional de Energia 2030 do Ministério de Minas e Energia, mas também trará benefícios à população local. Não falamos de um enclave na Amazônia para beneficiar o restante do País. Falamos de alavancar o contexto de desenvolvimento regional, ouvindo as demandas da população local e estudando soluções que, conduzidas com excelência, ética e a participação dos grupos sociais, resultarão na melhoria da qualidade de vida. Finalmente, Roberto Messias Franco (abaixo), presidente do Ibama, que conduziu as audiências de Altamira e Belém, reafirma: O Ibama entende que as audiências públicas, sendo um componente fundamental no processo de licenciamento ambiental, devem ser revestidas de todo cuidado em sua preparação e realização. No processo do Aproveitamento Hidrelétrico Belo Monte todos os cidadãos afetados direta ou indiretamente pelo empreendimento foram informados. As audiências, convocadas e realizadas dentro de plena legalidade, foram importantes na captação dos temores e desinformações que existiam sobre o projeto, tendo, portanto, cumprido sua missão que, em termos objetivos, é ouvir da população e fornecer a ela informações que eventualmente não estejam clarificadas no Relatório de Impacto Ambiental. As análises técnicas prosseguem até que se chegue a uma conclusão sobre a viabilidade ambiental e o Ibama possa apresentar um parecer conclusivo sobre o processo. Quando esta edição de Corrente Contínua estiver circulando podem ter ocorrido duas situações: a licença prévia foi concedida e o leilão acontece até o final do ano, trazendo luz e esperança para o oeste paraense e todo o Brasil; ou o contrário, quando então, talvez de forma definitiva, a região, as cidades, as pessoas, terão escolhido conviver com um mundo que poderia ter sido possível, mas que poderá continuar oferecendo poucas oportunidades para uma vida melhor. Os números das audiências Resumindo, tem-se o seguinte: l Audiência pública de Brasil Novo ( h/19h) Realizada no Clube Esportivo Municipal, com capacidade para 500 pessoas, e arquibancada externa do campo de futebol para 200 lugares com transmissão simultânea. Foram 609 participantes credenciados e uma estimativa de público presente de pessoas. Nessa audiência mobilizou-se também as comunidades de Uruará, Medicilândia e Placas, das quais 74 pessoas viajaram pelos meios de transporte colocados à disposição pela organização do evento (ônibus). Foi distribuído lanche (suco, sanduíche e rapadura) para todos os participantes l Audiência pública de Vitória do Xingu ( h/20h) Realizada no Ginásio Poliesportivo, com capacidade para mil pessoas. Houve credenciamento de 869 participantes e um público estimado de pessoas. Nessa audiência também foram mobilizadas as comunidades de Gurupá, Porto de Moz e Senador José Porfírio, sendo que 59 pessoas viajaram pelos meios de transporte disponíveis (ônibus e barcos). A mais longa viagem teve duração de 16h e a menor de 5h. Todos tiveram direito ao lanche. l Audiência pública de Altamira ( h/2h) Realizada no Ginásio Nicias Ribeiro, com capacidade para cinco mil pessoas. Foram credenciados participantes e a estimativa de público de cinco mil pessoas. Reuniu também os municípios de Pacajá e Anapu, comunidades dos travessões da Transamazônica e ribeirinhos, sendo que algumas viajaram durante 9h. Foram 15 micro-ônibus e 11 voadeiras à disposição. Receberam os volumes impressos do Rima: 210 entidades representantes de sindicatos, associações, presidentes de bairros, ONGs e líderes de comunidades; 11 prefeituras e câmaras de vereadores da Transamazônica; mais a prefeitura e a Câmara de Vereadores de Santarém; 17 escolas municipais, seis estaduais e cinco particulares. Foram distribuídos quatro mil lanches e a população indígena recebeu mais 250 lanches acrescidos de frutas. A rede hoteleira de Altamira ocupou 327 vagas somente com os participantes diretos do evento. l Audiência pública de Belém ( h/2h) Realizada no Teatro Margarida Schiwazzappa/, com capacidade para 500 pessoas, mais espaço externo para público excedente com 500 lugares e transmissão simultânea. Foram credenciados 586 participantes com estimativa de público de 700 pessoas

8 CORRENTE ALTERNADA A energia que supera os desafios para o crescimento do Maranhão Desde 1984 São Luis recebe energia de Tucuruí Arthur Quirino O Maranhão, cuja capital é São Luís, é um dos nove estados brasileiros que tem o privilégio de contar com a energia elétrica gerada e transmitida pela Eletronorte. Depois da chegada da Empresa a terra onde canta o sabiá, em janeiro de 1983, quando incorporou o sistema energético do estado, por meio da Regional de Transmissão do Maranhão, agora é possível ouvir também nos lares mais longínquos, os avanços da globalização, as vozes do rádio, da televisão, da internet, da tecnologia e do progresso. De lá para cá, o Maranhão deu um grande salto de crescimento com a expansão do sistema elétrico, que antes era composto por seis subestações e uma usina térmica (já desativada). Hoje são oito subestações, algumas ampliadas e modernizadas, e, até 2011 serão dez. São Luís era abastecida somente por uma linha de transmissão vinda da Usina Hidrelétrica Boa Esperança, da Chesf, que passava por Teresina (PI). Em 1984, a capital já começou a receber a energia gerada na Usina Hidrelétrica Tucuruí, por meio do primeiro circuito em 500 kv do então Sistema Norte-Nordeste. Em 1988, entra em operação o segundo circuito, deixando o sistema mais confiável para os consumidores. Naquele mesmo ano, a Eletronorte promove um incremento nas subestações da Grande São Luís, que é composta por quatro municípios (São Luís, São José de Ribamar, Paço do Lumiar e Raposa). Em 1994 entra em operação a linha de transmissão Imperatriz/Porto Franco para suprir com maior qualidade a região do extremosul do Maranhão. Em 1999, nasce, a partir de Imperatriz, a Interligação Norte-Sul, que integrou definitivamente os sistemas elétricos brasileiros, hoje o Sistema Interligado Nacional SIN. Em 2003, começa a operar a linha em 230 kv de Presidente Dutra para Peritoró, fechando o anel entre as subestações do Maranhão e garantindo o atendimento às subestações Miranda e Peritoró, que passaram a ter duas fontes de alimentação. Ainda naquele ano, entra em funcionamento a Subestação Açailândia, de propriedade da Eate-Empresa Amazonense de Transmissão de Energia S/A, constituindo o terceiro circuito Tucuruí/Presidente Dutra, de grande importância para o Sistema Maranhão, sendo mais uma opção para o estado receber energia de Tucuruí via Marabá/Açailândia/Presidente Dutra e Açailândia/Imperatriz. Engenharia No Maranhão, a Eletronorte também é representada pela Gerência Regional de Obras Maranhão/Tocantins, que tem a missão de coordenar a implantação das obras de expansão e reforço do sistema elétrico, além de coordenar e executar as atividades relacionadas à preservação do meio ambiente e reintegração social de comunidades do entorno dos empreendimentos, por meio de programas de compensação ambiental e de qualidade de vida. Em 2007 e 2008 entram em operação importantes empreendimentos que deram suporte ao desenvolvimento socioeconômico em diversas regiões do estado, além de proporcionar uma melhora considerável à confiabilidade e estabilidade dos sistemas de transmissão e distribuição. Atualmente, o Maranhão tem uma carga de aproximadamente MW. A Ilha de São Luís é responsável pelo montante de aproximadamente 250 MW. A Eletronorte ainda fornece energia a um dos maiores consumidores industriais do Brasil, o complexo Alumar, empresa produtora de alumínio e alumina, com carga média de 800 MW. Segundo a coordenadora da Qualidade da Divisão de Engenharia de Operação do Maranhão, Denise Malagoni (abaixo), para saber qual o nível de satisfação dos clientes quanto aos serviços prestados pela Eletronorte, o Centro de Operação Regional aplica, anualmente, uma pesquisa que mede o Índice de Satisfação do Cliente Externo - ISCE

9 Relembrando histórias O presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz Lopes é natural do Maranhão. E foi lá que começou a carreira no Setor Elétrico brasileiro. Ele relembra algumas histórias: Brasil, que se chama Mauro Amorim. Carregamos pedras e construímos o sistema, passamos cabos durante à noite, no escuro, tínhamos que acender fogueiras. Hoje eu olho e penso que jamais repetiria o que fizemos naquela época. Carvalho, ao centro, e os Guajajara Os dados são analisados e, em seguida, é feita uma apresentação para cada cliente, mostrando os resultados alcançados, ressaltando os pontos positivos e os que precisam ser aperfeiçoados, definindo, assim, as ações de melhoria por meio de planos de ações e reuniões sistematizadas. Para Denise, a relação Empresa/cliente é salutar, pois, eles veem que estamos dando uma tratativa especial. Essa é a forma de es- Construção do primeiro circuito Imperatriz/Presidente Dutra No final da década de 1970, a Chesf atendia todo o Nordeste, e o Maranhão até São Luís, por Boa Esperança. Mas em Imperatriz a situação não era muito boa, assim como em Belém. Tínhamos que levar uma linha de Sobradinho, passando pelo Piauí e Maranhão para chegar a Belém. Naquela época não havia projeto similar dessa dimensão no mundo. Então o governo determinou que a Chesf cuidasse do trecho entre Sobradinho e Imperatriz, e a Eletronorte, de Imperatriz até Belém, passando por Tucuruí. Os desafios e as dificuldades Foi o nível de tensão, em 500 kv, como planejar e operar um sistema desse porte. Depois, enfrentamos regiões desérticas do Piauí, as florestas no Maranhão, as terras indígenas Guajajara e Krikati, dificuldades imensas na articulação, na negociação, ninguém tinha experiência nisso. Mas conseguimos energizar a linha de Boa Esperança até Imperatriz, passando por Presidente Dutra, e aconteceu mais um fato inédito no mundo, que foi a subestação da Cemar em 69 kv ser alimentada por 500 kv, um caso onde prevaleceu a imaginação, a ousadia e a competência de um dos maiores engenheiros do tarmos sempre buscando atender aos anseios dos clientes, destacando que, desde 2001, exceto 2007, as metas estabelecidas sempre foram superadas, o que demonstra a qualidade dos nossos serviços. Nos bastidores A Empresa não é feita somente de subestações, torres e linhas de transmissão. Por trás de todo esse aparato, existem pessoas, trabalhadores com competência técnica e profissional, mas também com sentimentos e emoções. Trata-se de um quadro de técnicos qualificados que são partícipes da história do Setor Elétrico. Esse trabalho de excelência e qualidade passa pelas mãos habilidosas, ou melhor, das Um caso inusitado A história mais inusitada foi quando fomos discutir com os índios e a Funai a passagem da linha entre Barra do Corda e Imperatriz, na aldeia Toquinho, dos índios Guajajara. O representante da Funai disse que era para ficarmos calados, só eles falariam. Mas os índios começaram a falar da Funai, e eles ficaram sem discurso. Aí eu vi que a coisa estava feia e disse êpa!!, eu vou assumir essa coisa aí, e tomei a frente da conversa. De vez em quando eles iam a uma casinha lá perto do colégio onde estava acontecendo a reunião, e voltavam. Depois eu descobri que o Porfírio Carvalho hoje consultor indigenista da Eletronorte -, estava escondido lá. Os índios iam consultar o Carvalho para rebater meus argumentos. O Carvalho nega isso, mas ele estava escondido lá. Mas correu tudo bem, eles nos deram um crédito de confiança, assinamos os acordos e disseram que eu fui o primeiro branco que cumpriu a palavra com eles. Em 1985, quando já estava na Eletronorte, sofri um grave acidente e quando os índios souberam, foram até Brasília, sob o comando de Toninho Guajajara, e fizeram uma dança pra mim, me colocaram no meio da roda e disseram: Olha, Zé Antonio, se você tivesse morrido, a gente ia lá no cemitério, cavar, pra te ver. Eu já choro por nada, imagina nesse dia!. únicas mãos femininas das equipes de manutenção de linhas e operação de subestação em Imperatriz e Presidente Dutra. Katiana Silva Santos (à esquerda) é a única mulher que integra a equipe de linha viva do Maranhão; na Subestação Peritoró, trabalha Auriléia Dias Silva (ao meio), e na Subestação Coelho Neto, Jacqueline de Azevedo Oliveira (abaixo), as únicas mulheres que integram as equipes de operação. Segundo as belas e feras, elas se sentem orgulhosas de trabalhar entre irmãos: Todos os colegas nos tratam com muito carinho e respeito, mas, sem moleza, pegamos no pesado mesmo, fazemos tudo que eles fazem, aqui não tem esse negócio de sexo frágil. O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Maranhão - Fiema, Edilson Baldez das Neves, fala do crescimento industrial no Maranhão. Como está o setor industrial do Maranhão hoje e quais as perspectivas para os próximos anos? A economia do Maranhão hoje está estruturada sob dois grandes eixos: o agronegócio de alimentos, energia e o complexo minerometalúrgico. O cenário para os próximos cinco anos será ainda moderado, com pequena ampliação do mercado. Mas isso já deve mudar a partir de 2013, com a maior dinamização e a desejada diversificação e ampliação das cadeias produtivas, com maior agregação de valor aos produtos. Qual a importância da Eletronorte para o crescimento do setor industrial do Maranhão? A importância da Eletronorte nós reduzimos numa frase: não podemos pensar em crescimento sem falar em Eletronorte. A Empresa simplesmente é imprescindível, assegurando com qualidade e competência a principal força motriz de um empreendimento, que é a energia. Não resta dúvida sobre esta questão. A Eletronorte foi fundamental não apenas para o crescimento industrial, mas para o desenvolvimento social do Maranhão. Aliás, nem podemos usar esse verbo no passado, pois a Eletronorte é também decisiva para o presente de nossa indústria e em especial, para o novo cenário que se configura a partir de Como o senhor vê a implantação da refinaria da Petrobras em Bacabeira? A refinaria é justamente um dos 12 projetos prioritários do planejamento desenvolvido pela Fiema em parceria com diversos atores sociais. Estamos fazendo a nossa parte para que um projeto dessa magnitude se torne realidade, favorecendo uma produção com valor agregado e não a mera exportação de nossas riquezas naturais. É um investimento que o setor empresarial local se prepara para participar ativamente. Temos como expectativa a possibilidade real de geração de empregos, novas oportunidades de negócios, de desenvolvimento social e do respeito ao meio ambiente. Qual o ranking do Maranhão no setor industrial? O Maranhão é o 16º PIB no ranking nacional. É o 4º da Região Nordeste e responsável por cerca de 20% de toda a riqueza gerada no estado, acima do setor agropecuário, (cuja participação no PIB é de 16,6%), e abaixo do setor de serviços (65%). A contribuição é expressiva, porém ainda está abaixo das médias do Nordeste (25%) e do Brasil (30,11%), isso em dados do IBGE de

10 SISTEMA ELETROBRÁS Foto: Jorge Coelho - Eletrobrás Internacionalização da Eletrobrás: Setor Elétrico brasileiro chega ao e8 Bruna Maria Netto A década de 1980 do século passado já dava indícios do que traria o novo milênio traria. Naquela época, empregados do Sistema Eletrobrás eram convidados a visitar outros países para levar conhecimento em geração e transmissão de energia e auxiliar aqueles que ainda iniciavam a construção de empreendimentos. Em 2008, com a sanção da Lei nº , a capacidade de comercialização do Sistema Eletrobrás ultrapassou as fronteiras brasileiras, dando poderes para a Empresa atuar em todo o mundo. Já em 2009, a Eletrobrás, que é a maior holding da América Latina e uma das dez maiores empresas de energia elétrica do mundo, foi convidada a ser membro do e8 (grupo das 13 maiores empresas de energia elétrica em países do G8 ver box), além de ter projetos avançados para execução de empreendimentos em sete países e estar em fase final de instalação de escritórios de representação no Peru e no Uruguai. Foi dada a largada para a expansão internacional do Sistema Eletrobrás, que se beneficiaria de um conjunto de oportunidades para fortalecer sua posição estratégica na busca de novos mercados e integraria mercados regionais, agregando mais energia ao Brasil e levando qualidade energética ao mundo. O engenheiro eletricista Sinval Zaidan Gama, superintendente de Operações no Exterior da Eletrobrás e vice-presidente do BraCier (o comitê nacional do Cier ver box), é um dos personagens dessa história. Com 35 anos de experiência no Setor Elétrico trabalhou em praticamente todas as empresas do Sistema Sinval acompanhou de perto a evolução do mercado energético brasileiro. Ele explica o motivo pelo qual desde muito tempo os empregados da Eletrobrás e suas subsidiárias fazem essas viagens além das fronteiras tupiniquins: Isso se deve a nossa expertise, mais a experiência acumulada com a construção de grandes empreendimentos. Não é incomum nossos empregados serem requisitados para ajudar na implantação e estruturação de hidrelétricas e sistemas de transmissão. Não é por menos que a necessidade de internacionalização da holding veio por conta da demanda do próprio mercado energético. As empresas do setor ao redor do mundo estão cada vez mais se globalizando, e a Eletrobrás não poderia deixar de evoluir para isso. No Brasil, há cinco dessas empresas estrangeiras concorrendo com o Sistema Eletrobrás em leilões de energia, e agora nós também poderemos concorrer com elas em outros países, afirma Sinval (à esquerda). O projeto de atuação no exterior conta com o suporte de consultorias especializadas e passa por quatro etapas: benchmarking de internacionalização; estratégia e modelo de negócio; modelo organizacional e macroplano de implementação. Um dos grandes defensores da internacionalização, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, enumera as vantagens à revista Corrente Contínua: A internacionalização agregará muito valor à Eletrobrás, que poderá ser uma concorrente internacional de peso, uma national champion, como são a EDF da França, a EDP de Portugal, e E-On da Alemanha, entre muitas outras. Essas empresas aumentaram seus lucros concorrendo em todo o mundo e esse também é o objetivo primordial da Eletrobrás em sua globalização. Foto: Francisco Stuckert - MME Primeiros passos O ministro Lobão (acima) relembra o histórico da Eletrobrás e explica o motivo desse avanço: A empresa já possuía uma atuação internacional, mas de maneira restrita. Ajudou, por exemplo, na estruturação da Electroperu nos anos 80, e é referência mundial na área de eficiência energética, graças ao Procel. Assim, era um caminho natural que uma empresa com toda essa expertise na área elétrica se tornasse uma empresa globalizada, como se tornou a Petrobras, na área de petróleo e gás. Entre os projetos iniciais da internacionalização estão interligar novas fontes de energia da América Latina com o sistema elétrico brasileiro; promover a integração energética entre o Brasil e os países latinos-americano; criar novas oportunidades de investimento em energia elétrica em outros países, beneficiando a economia brasileira por meio da geração de novos mercados para o segmento de fornecedores de bens e serviços; e atuar em projetos específicos de interesse dos acionistas da Eletrobrás. Em cada país que mantém acordo em potencial com a Eletrobrás será seguida a seguinte metodologia: primeiro a análise preliminar de oportunidades, seguindo para os estudos de pré-viabilidade, estudos de viabilidade e, finalmente, a formulação do plano de negócios. A previsão é de instalação de 18 mil MW e a construção de 11 mil km em linhas de transmissão no exterior. Por enquanto, os projetos em andamento serão realizados nos continentes americano e africano. Pela América do Sul e África (pontos amarelos) tem início a internacionalização do Sistema Eletrobrás 18 19

11 Na Nicarágua está sendo elaborado estudo de viabilidade energética da Usina Hidrelétrica Tumarin, com capacidade instalada de 220 MW; a Venezuela tem como projeto a interconexão com o Brasil, visando ao intercâmbio de energia; em Angola e Namíbia está sendo estudada a viabilidade da Usina Hidrelétrica Binacional Baynes, no rio Cunene, localizado na fronteira entre os dois países. Já na Argentina, o projeto da Usina Hidrelétrica Garabi está em fase de estudo de viabilidade, e sua capacidade instalada será de dois mil MW, enquanto na Guiana há o projeto de construção de uma hidrelétrica no rio Mazaruni, com 800 MW de potência. Os estudos citados são apenas alguns dos que estão sendo realizados em pelo menos 15 países em todo o mundo. No entanto, Sinval destaca que as áreas de atuação da Eletrobrás no exterior inicialmente serão mais concentradas nas três Américas. Ele conta que na América do Norte pretende-se explorar a transmissão para atender investimentos em energias renováveis e na interconexão de subsistemas nos Estados Unidos, além de buscar oportunidades de aquisição de novos empreendimentos. Na América Central, o foco está na exploração de projetos de geração com potencial de atendimento regional, bem como participar dos investimentos em integração, enquanto os vizinhos sul-americanos terão contato com o Sistema Eletrobrás por meio dos estudos de projetos de geração em países de grande mercado ou com potencial de exportação de energia, além de aquisições de pequeno e médio portes. O Superintendente explica: A preferência em atuar nas Américas se dá pela proximidade geográfica e cultural com o nosso País. A América do Norte tem grande mercado a ser explorado, tanto em linhas de transmissão quanto nos estudos hidrelétricos. Peru e Colômbia são exemplos de países cujos potenciais elétricos ainda não foram completamente explorados, além das trocas de energia que já são feitas com a Venezuela. Escritórios no exterior - A ação da Eletrobrás nas zonas fronteiriças será executada tanto pela parceria de construção de novos empreendimentos quanto por meio da interconexão das linhas de transmissão, na qual será possível realizar a compra, venda ou troca de energia, como já ocorre com a Venezuela (ver box). De acordo com o ministro Lobão, a atuação nos países vizinhos tem também o objetivo de oferecer opções ao Brasil para garantir seu suprimento de energia elétrica. Alguns dos nossos vizinhos têm capacidade de geração inexplorada em seus territórios, especialmente em termos hidrelétricos. O exemplo mais notório é o do Peru, mas há ainda a Colômbia e a Venezuela, e, um pouco menos, a Bolívia e a Guiana. Também temos o Uruguai, com um grande potencial eólico ainda não desenvolvido. Acordos internacionais para exploração conjunta desse potencial seriam interessantes não só para o Brasil, mas também para os nossos vizinhos. Com tantos investimentos fora do País, a Eletrobrás vai instalar escritórios de representação no exterior. Primeiro em Montevidéu (Uruguai), onde será construída uma linha de transmissão em 500 kv, que ligará o Brasil àquele país; e em Lima (Peru), inicialmente para o projeto de viabilidade da Eletrobrás se junta às melhores para discutir o setor elétrico mundial Décima maior empresa de energia elétrica em patrimônio e maior da América Latina, a Eletrobrás agora integra o grupo e8, formalizando seu prestígio no Setor Elétrico mundial. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, explica que o convite do e8 deve-se tanto à internacionalização do Sistema como também ao fato de a Eletrobrás ser realmente uma das dez maiores empresas do mundo. Creio que ela teria sido convidada sem processo de internacionalização, devido à crescente importância do Brasil nos fóruns internacionais, mas sem dúvida o processo chamou a atenção para a companhia. Para falar sobre mais esse avanço, o presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz, explica o papel da holding e os próximos passos como membro do e8. Foto: Jorge Coelho - Eletrobrás O que o e8 faz? Quando se reúne? Como desdobramento do G8, grupo dos sete países mais ricos e a Rússia, que é o fórum dos presidentes, existe o fórum dos ministros de energia e tem também o que se chama e8, formado pelos CEOs (sigla para Chief Executive Officer: diretor-executivo, diretor-geral, ou presidente de empresa, em português) das agora 13 antes eram dez maiores empresas de energia elétrica desses oito países. O e8 é uma reunião anual, precedida de reuniões técnicas preparatórias, promovidas entre os chamados sherpas (auxiliares técnicos das empresas que preparam os elementos para a reunião para os CEOs). No caso da Eletrobrás, o nosso sherpa é o Luiz Augusto Figueira, coordenador-geral da Presidência. A que se deve o convite e o que ele representa para a empresa? Houve uma discussão inicial se a Eletrobrás continuaria como convidada especial ou se seria formalmente convidada a fazer parte do fórum. Pouco tempo depois, fomos surpreendidos com a formalização do convite. Isso significa que não vamos participar apenas dos trabalhos preliminares, mas fazer parte dos diversos comitês que trabalham os temas consolidados e formalizados. A força intrínseca da Eletrobrás, acoplada ao papel que o Brasil vem desempenhando no mundo, fez com que a empresa fosse reconhecida entre as 13 maiores e mais importantes companhias de energia elétrica do planeta. Como foi a participação da Eletrobrás na reunião realizada em junho de 2009? O tema debatido foi as fontes primárias de geração de energia elétrica do futuro, visando à redução da emissão de gases de efeito estufa e, portanto, à redução do impacto no aquecimento global. Nós nos comprometemos e assinamos um statement, o qual ressalta que as principais fontes primárias de energia elétrica são: a nuclear, as grandes usinas hidrelétricas, o carvão limpo e a captura e estocagem de CO². Vamos trocar experiências para desenvolver, cada vez mais, novas tecnologias em geração de energia elétrica e em eficiência energética. Esses segmentos serão a base da produção de eletricidade no futuro. Para o Brasil também é uma grande conquista, porque as hidrelétricas passaram a ser reconhecidas como uma fonte que não polui. Não podemos esquecer das fontes alternativas, como a eólica e a biomassa, complementares em nossa matriz energética. Também tivemos a oportunidade de apresentar o Complexo Tapajós, um exemplo de como tratamos a questão dos aproveitamentos hídricos, especialmente na Amazônia. Como o senhor vê a presença da Eletrobrás no âmbito empresarial internacional? As participações que a Eletrobrás tem em fóruns internacionais só confirmam o quanto ela é uma empresa diferenciada, no Brasil, na América Latina e no mundo. Na hora em que conseguirmos passar a visão de conjunto, de um Sistema, e não de empresas isoladas, sem dúvida nenhuma teremos a imagem ainda mais fortalecida. Se hoje, por exemplo, Furnas tem papel importante em alguns fóruns, Chesf, por sua vez, tem em outros. Em conjunto, será ainda melhor. A tendência é que a Eletrobrás, a cada dia, se torne mais importante no contexto mundial. Qual o diferencial que a Eletrobrás leva aos fóruns internacionais? O Sistema Eletrobrás implantou as maiores usinas hidrelétricas do mundo, Itaipu e Tucuruí, e é responsável pelo grande sucesso desses empreendimentos, em termos de engenharia e de operação. Também desenvolvemos o Sistema Interligado Nacional, um patrimônio do Brasil. Nós temos a matriz energética mais limpa do planeta e ainda mostramos para o mundo os impactos sociais e ambientais das grandes hidrelétricas no passado, hoje e no futuro; a nossa experiência com a utilização da biomassa como uma importante fonte renovável de energia, principalmente em países pobres e emergentes; o sucesso do nosso Programa Nacional de Conservação de Energia; e como conseguimos levar a energia elétrica e, com isso, a cidadania, para quase dez milhões de brasileiros, por meio do Luz para Todos. *entrevista concedida a Thatiana Martins, da Eletrobrás 20 21

12 Usina Hidrelétrica Inambari, uma das seis que estão previstas naquele país, com capacidade instalada de dois mil MW, com parte da energia gerada alimentando o Sistema Interligado Nacional - SIN. Onde for implementado algum empreendimento do Sistema Eletrobrás haverá um escritório da holding. O olho do dono é fundamental para a prosperidade desses projetos, enfatiza Sinval. Além disso, o escritório em Lima visa a atender às regras da legislação peruana, que só permite a concessão para empreendimentos se a empresa responsável mantiver uma representação local. Os empregados Edimilson Luiz Nogueira, da Eletronorte, e Flávio Márcio de Albuquerque Castelo, da Chesf, foram os selecionados para trabalharem nos escritórios que a Eletrobrás está abrindo em Montevidéu e Lima, respectivamente. O processo de seleção do grupo de trabalho no exterior envolveu empregados das subsidiárias da Eletrobrás interessados em atuar fora do Brasil. No total, 148 técnicos se inscreveram no processo de seleção. Os can- Buenos Aires Montevideo Manágua Caracas Os representantes do e8 (acima) e as cidades onde a Eletrobrás começa a gerar novos negócios 22 23

13 Parceiros da integração energética: Cier Não é possível falar em internacionalização do sistema elétrico brasileiro sem citar a Cier - Comissão de Integração Energética Regional. A Comissão é uma organização internacional sem fins lucrativos, com 45 anos de existência, agregando mais de 200 empresas de energia ao redor do mundo. No Brasil, o braço regional é representado pelo BraCier, que congrega atualmente 30 empresas ou entidades do Setor Elétrico brasileiro, incluindo o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - Cepel, a Eletrobrás e o Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS, sendo presidido pelo presidente da Eletrobrás, José Antonio Muniz. O engenheiro eletricista Plínio Fonseca (foto) é diretor-executivo da Cier, e conversou com a revista Corrente Contínua sobre o papel da Comissão e sobre as vantagens da interligação energética internacional. Qual a função da Cier? O objetivo principal da Comissão é promover a integração dos setores energéticos regionais e apoiar suas empresas e organismos-membros dedicados às atividades e negócios da indústria energética, por meio da cooperação e realização de congressos, estudos, projetos e capacitação. A Cier, em escala internacional, e graças à sua estrutura pluralista relacionada com as distintas atividades da indústria elétrica e dos organismos governamentais do setor, tem alcançado grande prestígio no desenvolvimento de projetos e foros que permitem analisar, estudar e propor soluções objetivas para os problemas comuns das empresas e do Setor Elétrico. Atualmente a Cier trabalha em torno de quatro vetores principais: integração dos sistemas e mercados elétricos; melhoria da eficiência na gestão empresarial; melhoria na qualidade e confiabilidade de fornecimento de energia e desenvolvimento sustentável. Quem faz parte da Comissão? A Cier é composta atualmente por 225 instituições do setor energético da América Latina, entre as quais se encontram empresas do setor público, privado, reguladores, operadores, institutos de pesquisa e associações. A secretaria-executiva da Cier está sediada em Montevidéu (Uruguai), e dispõe de um comitê nacional em cada um dos dez países da América do Sul, além de um membro associado na Espanha, o Grupo Unesa (Iberdrola, Uniõn Fenosa, Endesa, REE). Em julho de 2009, a Cier deu um passo muito importante em sua expansão geográfica, com a criação do Comitê Regional Cier para a América Central e o Caribe - CecaCier, que agrupa 16 empresas. Como a Comissão vê a situação atual do abastecimento de energia elétrica na América Latina? Uma análise da situação energética na região relativa ao ano de 2008 indica que alguns países apresentaram situações de desequilíbrio entre a oferta e a demanda. Também se visualizam situações de déficit que devem ser enfrentadas em curto, médio e longo prazo. Tal fato exige planejamento de ações, hoje afetadas pelos riscos e a incerteza produzida pelas variações da economia e a volatilidade dos preços dos combustíveis, que se refletem diretamente na demanda. De outro lado, para abastecer o mercado, respei- tando as exigências do meio ambiente, é necessário modificar a matriz energética por meio do desenvolvimento de infraestrutura de projetos de centrais hidrelétricas e outras tecnologias renováveis nãoconvencionais, bem como ações para melhorar o consumo da energia por meio do manejo da demanda e da eficiência energética. Para melhorar a segurança do fornecimento nos países da região, também é necessário impulsionar a integração energética. A tendência à integração tem caráter universal e sucede aos processos de consolidação empresarial e setorial que vêm ocorrendo há décadas em diversos setores. A América Latina encontra-se diante de uma oportunidade única de avançar com sucesso na integração energética regional. As condições econômicas e a disponibilidade de energia primária permitem pensar em uma integração progressiva em médio prazo. Como a internacionalização do sistema elétrico brasileiro poderá beneficiar os demais latino-americanos? A internacionalização do sistema brasileiro poderá beneficiar os demais latino-americanos da mesma forma que irá beneficiar os brasileiros, pelo aproveitamento das altas complementaridades existentes e diversidade do potencial energético na América Latina. Intercâmbios bilaterais de oportunidades podem representar o início de um processo de maior integração baseado em ofertas de volume e preço, respeitando as regras de segurança, comerciais e regulatórias de cada país. Quais os próximos passos? Além das interconexões, precisamos viabilizar o aumento das transações de energia, que muitas vezes esbarram em barreiras técnicas, comerciais, reguladoras. É nesse sentido que a Cier está desenvolvendo atualmente o projeto Cier 15. Como próximo e fundamental passo, diria que precisamos caminhar no sentido de dispormos de uma agenda energética regional. Nós firmamos um acordo entre todos os organismos internacionais que atuam nas áreas de integração e energia Cier, Olade, Arpel, Cepal, Aladi, OEA e deveremos iniciar em breve os estudos que levarão, a essa agenda energética regional, com consenso entre empresas e governos. O que mais prevê o projeto Cier 15? Os desafios para o futuro representam a integração total da América. Porém, devemos considerar que existem grandes ameaças, como a dependência energética de um país em relação a outro, a perda de autonomia sobre os recursos e os preços de energia, os conflitos de interesses econômicos, geopolíticos, sociais e ambientais, a falta de instituições para a solução de controvérsias e a cobertura de riscos. O citado projeto Cier 15 permitirá gerar informação de grande valor agregado para os diferentes agentes e atores públicos e privados. Ele incentivará o desenvolvimento de vários produtos, como a regulamentação, tratados e acordos comerciais que permitam incrementar as transações internacionais de energia; estrutura de normas supranacionais básicas para viabilizar os intercâmbios de energia entre países e entre regiões; e produtos e serviços que permitam esse intercâmbio. didatos tiveram seus conhecimentos em língua inglesa e espanhola testados. Ao término, dois finalistas de cada empresa, sendo oito engenheiros, dois advogados e dois economistas participaram de um treinamento sobre a América Latina, com palestras focando integração energética no continente e o contexto político, econômico e cultural. Agora, Edimilson e Flávio (fotos à direita, respectivamente) passarão por um treinamento na Superintendência de Operações no Exterior, da Eletrobrás, e devem iniciar as atividades ainda em outubro de O G8 do Setor Elétrico No planejamento Estratégico , a Eletrobrás traçou como objetivo estruturar a carteira de empreendimentos do Sistema no exterior. O ministro Lobão diz que as prerrogativas vão além das econômicas: Politicamente, pensando em termos de Brasil, ajuda o País a firmar sua liderança regional de maneira não exploratória, pois nos acordos haverá uma convergência dos interesses brasileiros e dos nossos parceiros, especialmente os vizinhos, que precisam se desenvolver economicamente para não haver desequilíbrios regionais que afetem as relações entre os países. Não apenas pela habilidade em tratar da geração e transmissão de energia de forma sustentável, mas também por conta dos fu- turos tratados comerciais a serem selados em breve, a Eletrobrás foi convidada a integrar o e8, grupo das 13 maiores empresas do Setor Elétrico em países do G8 (composto por Estados Unidos, Japão, Canadá, França, Alemanha, Itália, Inglaterra e Rússia), após sua presença na reunião do grupo este ano. Entre as prioridades definidas pelo e8 está o investimento em pesquisa para o desenvolvimento de fontes de energia limpa, a eficiência energética, o uso responsável do carvão como fonte de energia e o combate ao desmatamento, visando à redução da emissão de gases de efeito estufa e à redução do impacto no aquecimento global. A presença no grupo, com poder de decisão nas reuniões anuais do e8, é um exemplo que confirma a participação crescente do Sistema Eletrobrás em fóruns internacionais onde são 24 25

14 discutidos os rumos da oferta e da demanda de energia. A holding participa na Agência Internacional de Energia, no que diz respeito às usinas hidrelétricas, no Fórum de Águas das Américas e no Conselho Mundial de Energia, além de trabalhar com a Olade (Organização Latino-Americana de Desenvolvimento de Energia) e por meio do BraCier (Comitê Nacional Brasileiro do Cier - Comitê de Integração Energética Regional). Foi a primeira vez que a Eletrobrás participou da reunião anual do e8, refletindo no reconhecimento internacional do seu trabalho e, principalmente, na constatação de que o Sistema Eletrobrás terá papel fundamental na gera- Antes do Sistema Eletrobrás atuar no mercado internacional, a Eletronorte já contribuía para a integração energética da América Latina, construindo e operando o linhão de Guri, linha de transmissão de energia entre Brasil e Venezuela que abastece o Estado de Roraima. O drama anteriormente vivido pela população roraimense durante décadas, em virtude da falta do fornecimento de energia elétrica confiável, ficou no passado. Roraima conquistou sua redenção energética a partir da inauguração do sistema de transmissão, em Construído pela Eletronorte, em sua porção brasileira, a linha teve investimentos da ordem de US$ 185 milhões de dólares, sendo US$ 130 milhões do governo venezuelano e US$ 55 milhões do governo brasileiro. A interligação energética Brasil/Venezuela consiste num sistema de transmissão em parceria com a Edelca, empresa venezuelana responsável pela geração de energia hidrelétrica. A linha possui ção de energia elétrica renovável nos próximos anos no Brasil. Além da oportunidade especial de aquisição de novas competências e tecnologias com companhias de grande porte. Os membros do e8 (ver box à página 20) são: American Electric Power e Duke Energy (EUA), Kansai Electric Power Company e Tokyo Electric Power Company (Japão), Eskom (África do Sul), Ontario Power Generation e Hydro- Quebec (Canadá), Electricité de France - EDF (França), RWE (Alemanha), ENEL (Itália), Comision Federal de Electricidad (México), JSC RusHydro (Rússia) e Eletrobrás (Brasil). *Colaborou a Assessoria de Comunicação da Eletrobrás Roraima foi pioneira na interligação internacional 700 km de extensão, ligando Boa Vista (RR) ao complexo hidrelétrico de Guri, em Puerto Ordaz, na Venezuela. O contrato prevê o fornecimento mensal de até 200 megawatts, durante 20 anos. Atualmente, abastece principalmente a cidade de Boa Vista, e beneficia cerca de 350 mil habitantes. São 500 km de linhas em território venezuelano, sendo 310 km entre a Usina Macágua II e a subestação Las Claritas, na tensão de 400 kv; e mais 190 km em 230 kv até Santa Elena de Uairen, na fronteira com o Brasil. Em território brasileiro são 212 km de linhas em 230 kv, até a subestação da Eletronorte em Monte Cristo, próximo a Boa Vista. TRANSMISSÃO Modernização traz ganhos econômicos e sociais aos sistemas de transmissão Érica Neiva As pessoas que possuem conhecimento mais apurado de eletricidade sabem que a função de um transformador na geração é elevar a tensão ao potencial num nível onde as perdas são menores, transmitindo esse potencial a longas distâncias para as subestações. Ao chegar ao final da linha, abaixa-se a tensão para ser entregue ao consumidor. Esses conceitos não são claros para a maioria, mas sabemos que problemas em equipamentos como esses podem prejudicar o abastecimento de energia elétrica numa cidade inteira, afetando diretamente o atendimento em residências, hospitais, escolas, comércio, transportes, enfim, instaura-se o caos. A verdade é que a história de um transformador começa muito antes da sua função básica como componente da indústria eletroeletrônica. Sua origem começa na fabricação, sucedendo-se as fases de transporte, montagem e manutenção. Quem conhece bem esse processo é Alexandre Baptista, cuja rotina de trabalho, como a de tantos outros trabalhadores brasileiros, é com a luta diária de transformar suas vidas e a vida de todo o País. Alexandre nasceu em Jundiaí (SP) e trabalha há 12 anos na Siemens, uma multinacional que presta serviços na área de energia elétrica produzindo equipamentos como transformadores, autotransformadores e reatores. Com sede na Alemanha, a empresa possui uma de suas unidades produtivas no Distrito Industrial 26 27

15 Foto: Arquivo Siemens Foto: Arquivo Siemens de Jundiaí. Alexandre (acima), que trabalha como montador de autotransformadores, é um dos funcionários. Hoje, com 32 anos, o técnico já participou de diferentes etapas na montagem de equipamentos. Sempre tive interesse pela área de energia e quando vim trabalhar aqui esse interesse cresceu. Quando entrei, fui para a área de montagem de transformadores como montador de núcleo, que é a primeira etapa de uma montagem. Depois fui para a montagem de enrolamentos, para a ampliação e disponibilidade de material e, posteriormente, passei a montador de autotransformador, função mais completa que exerço até hoje na área de reparos. A fabricação de um transformador depende de vários fatores, entre eles o tamanho, a complexidade e a carga de fábrica. Desde sua criação, em 1973, a Eletronorte compra equipamentos de geração e transmissão de energia elétrica para equipar seus empreendimentos. Os transformadores, por exemplo, demoram em média quatro meses para serem produzidos. Segundo o técnico de Projetos e Vendas da Siemens, Alexandre Fernando Vieira (abaixo), o transformador é um equipamento fabricado quase de maneira artesanal, pois necessita muito do lado humano e a participação do colaborador é fundamental em todos os processos. Desde o corte das chapas do núcleo até a confecção das bobinas. Para quem trabalha na fábrica e em campo, o serviço de reforma de autotransformadores é muito significativo, pois possibilita maior aprendizado e oportunidade de se conhecer equipamentos de outras épocas, outros fabricantes e nacionalidades. Os ganhos pessoais e profissionais do trabalho são enriquecedores. O ganho profissional é, sem dúvida, o aprendizado. Além de conhecermos o produto como um todo, trabalhamos com equipamentos de outras décadas e a cada dia aprimoramos a técnica. Temos a oportunidade de conhecer novos lugares, culturas e estados, e com isso acabamos fazendo amizades. É conhecer o produto e sua utilização posterior como, por exemplo, abastecer uma cidade com energia, conta Alexandre Baptista. Percurso O autotransformador montado por Alexandre e seus colegas chega a vários destinos, inclusive à Regional de Transmissão de Mato Grosso, da Eletronorte. São equipamentos de grande porte que possuem entre 30 e 150 toneladas. O transporte de um transformador de 30 toneladas demora em média cinco dias. Por sua vez, um de 150 toneladas leva até 15 dias, conduzido a aproximadamente 30 km/h. O transporte é feito em carretas especiais, que têm muitos pneus, apelidadas de centopeias. Necessita-se de aprovação legal do transporte nos órgãos competentes, que decidem horários, estradas e cidades por onde passar. Essa definição é respeitada à risca, uma vez que os equipamentos podem atrapalhar o cotidiano das pessoas. Geralmente o transporte acontece de madrugada, por pessoas bem treinadas e orientadas. Nesse caso, o lado humano também é fundamental, afirma Alexandre Vieira. Na Regional de Mato Grosso, um dos colaboradores da área de comando, controle e automação responsáveis pelo comissionamento desses equipamentos período de testes para a energização -, é o técnico de manutenção da Divisão de Engenharia, Elve Lucas Barbosa Cubas (acima), que trabalha há 13 anos na Empresa. Somos rotineiramente convocados a prestar apoio na manutenção dos sistemas de transmissão. Trabalhamos em subestações que estão sendo ampliadas, participamos do comissionamento dos equipamentos, das reuniões de definições, dos testes dos equipamentos até à energização das novas etapas das subestações, além de atividades de manutenção preventiva, corretiva e emergencial. Quando estamos no escritório, trabalhamos com assuntos mais burocráticos, como o processo de requisição de compras, conta Elve. Geralmente o trabalho das equipes de campo acontece em horários comerciais. No entanto essa regra, às vezes, possui suas exceções e eles precisam trabalhar durante as madrugadas, fins de semana, de acordo com a conveniência operativa do Operador Nacional do Sistema ONS. Para Elve, as atividades em campo sempre rendem histórias interessantes como a energização da etapa de ampliação da Subestação Sinop, cidade do norte do estado, que fez parte do Plano de Ampliações e Reforços na Rede Básica PAR. Foi um serviço complexo, pois qualquer erro ou desligamento involuntário poderia impactar o fornecimento de energia para cerca de 350 mil pessoas. A dificuldade decorreu também das características próprias da região, que tem um sistema radial de fornecimento de energia. Trabalhamos durante várias madrugadas seguidas sob pressão e cobrança, mas a satisfação foi imensa, pois retornamos às nossas famílias com a sensação do dever cumprido, com o sentimento de contribuição para o crescimento da região, do estado, do País, sentimento de atendimento à Missão e à Visão da Eletronorte. As subestações e sistemas de transmissão de Mato Grosso, assim como das demais unidades regionais da Eletronorte, passam por constantes processos de modernização. Conforme o sistema e subestações são ampliados, percebe-se a importância de novas tecnologias. Temos a preocupação de modernizar o nosso parque de equipamentos, no meu caso, relés de proteção elétrica com tecnologia digital em substituição aos relés eletromecânicos, por exemplo. Também os oscilógrafos, equipamentos digitais que registram perturbações ocorridas nas linhas e equipamentos de transmissão, passam pela modernização, afirma Elve. Plano - A modernização de equipamentos tem uma importância inquestionável para o Setor Elétrico devido à economicidade, segurança, eficiência e confiabilidade para o consumidor. Nesse processo há um aliado imprescindível, o Plano de Modernização de Interesse Sistêmico PMIS, que visa a identificar os pontos relevantes no sistema que possam melhorar o desempenho operacional. O PMIS apresenta o conjunto de revitalizações de natureza sistêmica, necessárias ao reforço da segurança operacional elétrica, com suas respectivas justificativas técnicas e econômicas, bem como os benefícios de sua implementação, os critérios utilizados para a 28 29

16 classificação dessas revitalizações por suas características funcionais, e a priorização e cronologia para implantação. O Plano ocorre em todas as instalações das empresas do Setor Elétrico ligadas ao Sistema Interligado Nacional SIN. No caso da Eletronorte, são contempladas as suas unidades regionais, exceto Roraima e Amapá. Exemplo da dinâmica do ciclo são as melhorias que já foram aprovadas pela Aneel e ainda neste segundo semestre de 2009 serão implantadas na Subestação Coxipó (MT). Lá existe um autotransformador instalado há mais de 25 anos. Foi identificado pelo corpo técnico da Regional que as vedações do equipamento deveriam ser substituídas, o óleo isolante tratado para melhorar suas características químicas e elétricas, e modernizados os painéis de ventilação forçada e do comutador equipamento semelhante a um estabilizador de energia que mantém a tensão elétrica estável. O primeiro passo é exatamente a identificação das melhorias pelo corpo técnico da Eletronorte. Em seguida é traçado o diagnóstico conjunto entre a Superintendência de Engenharia de Operação e Manutenção da Transmissão e a unidade regional. Depois de analisadas, as necessidades de revitalizações são encaminhadas ao ONS, que elabora o relatório do plano de modernização e o encaminha à Aneel, que por sua vez emite a minuta da resolução aprovando o plano. De acordo com a Resolução Normativa nº 158 da Aneel, as melhorias referem-se à instalação, substituição ou reforma de equipamentos para manter a regularidade, continuidade, segurança e atualidade do serviço público de transmissão de energia elétrica, compreendendo a modernidade das técnicas e a conservação das instalações, em conformidade com o contrato de concessão do serviço público e os procedimentos de rede. São priorizadas as revitalizações que minimizam ou eliminam deficiências que possam resultar na ocorrência de distúrbios com reflexos sistêmicos ou globais, como blecautes que podem afetar a malha principal de transmissão. Conforme o ONS, a segurança operacional elétrica é influenciada pela funcionalidade dos equipamentos e está condicionada ao seu estado físico - idade, histórico de operação e práticas de manutenção, pela superação da capacidade operativa e por sua obsolescência. Consumidor Em Mato Grosso, cerca de 40 projetos, totalizando investimentos em média de R$ 15 milhões, fazem parte do ciclo do PMIS. Na Regional já foram realizadas melhorias consideráveis em compensador estático, bancos de autotransformadores de Coxipó, e reatores de Rondonópolis e Barra do Peixe. Em toda a Eletronorte foram propostas 254 revitalizações que somam cerca de R$ 77 milhões. O gerente da Divisão de Engenharia e Qualidade da Regional de Transmissão do Mato Grosso, Fábio Otácio de Oliveira (abaixo), ilustra com um caso prático a importância das melhorias no sistema de transmissão: Vamos pensar num carro comprado no ano 2000 que necessita de melhorias. É como se verificássemos o motor, a parte elétrica do carro, pintássemos e tirássemos os amassados para aumentarmos sua vida útil. Com relação às nossas subestações, elas têm sistemas com Audiências Públicas apresentam estudo e relatório ambiental da linha Tucuruí-Macapá-Manaus Em setembro de 2009 tiveram início as audiências públicas com o objetivo de discutir o Estudo de Impacto Ambiental - EIA e respectivo Relatório de Impacto Ambiental Rima, relativos à linha de transmissão em 500kV entre Oriximiná (PA) e Cariri (AM), um dos trechos da interligação Tucuruí-Macapá-Manaus, com extensão aproximada de 550 km. Essa linha passa por três municípios paraenses e nove amazonenses, localizados na margem esquerda do Rio Amazonas, proporcionando o atendimento a cerca de dois milhões de pessoas, além de um expressivo parque industrial. Segundo o superintendente de Meio Ambiente da Eletronorte, Antônio Coimbra, os estudos ambientais identificaram a existência de 23 possíveis impactos ambientais, muitos dos quais ocorrem em fases específicas do empreendimento e podem até mesmo deixar de existir após o término das atividades que os provoca. Para mitigar ou mais de 20 anos, cujos equipamentos de grande porte não podem ser substituídos e a melhor alternativa é revitalizá-los. Fábio complementa o exemplo citando uma situação de campo e mostrando o quanto o consumidor é beneficiado com as revitalizações: O consumidor está diretamente relacionado ao processo. Em Sinop, por exemplo, houve problemas com o compensador estático, responsável pelo controle da tensão. compensar esses impactos, foram previstos 18 programas ambientais que possibilitarão a adequada implantação do empreendimento e serão importantes para a manutenção da qualidade ambiental regional. De acordo com o analista ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama, Antônio Celso Junqueira Borges, as audiências também servem para que o Ibama conheça detalhes da região e as preocupações da população, contribuindo para a análise dos estudos e determinação de medidas a serem adotadas, ou elaboração de condicionantes de licença. As audiências são fundamentais para a população informar ao Ibama sobre peculiaridades da região que eventualmente passem despercebidas no estudo ou nas vistorias. Para a empresa que busca conseguir o licenciamento, a grande vantagem é poder antecipar-se à resolução de problemas que possam gerar conflitos futuros, trazendo um ganho na continuidade do processo. Foto: Márcia Marcelin - Isolux Antônio Coimbra: Os estudos ambientais identificaram a existência de 23 possíveis impactos ambientais. Caso tivéssemos perdido esse equipamento, dependendo do horário, centenas de milhares de habitantes ficariam sem energia. Além do aspecto social, a própria imagem da Empresa sofre com a aplicação de multas e a perda da receita. A modernização é uma forma de garantirmos as essências das melhorias que estão diretamente ligadas à robustez, confiabilidade do sistema e flexibilidade operacional

17 Regime especial reduz carga tributária Sidney, Thaís e Ronaldo: trabalhando para fornecer um produto de melhor qualidade para a sociedade Perda evitada - O Plano de Modernização tem o ganho econômico, ou seja, a possibilidade da remuneração do dinheiro investido por meio da Receita Anual Permitida - RAP específica para o investimento no qual foi realizada a revitalização. Há também o nãodesconto da Parcela Variável (PV) quando os equipamentos são desligados para melhoria, como explica a engenheira eletricista Thaís Barbosa Coelho. As revitalizações inseridas no Plano de Modernização de Interesse Sistêmico estão isentas de desconto da PV, quando do desligamento da função de transmissão para a implantação da revitalização. Assim não somos penalizados ao tirarmos o sistema de operação para realizar as melhorias, a exemplo do desligamento de uma linha, uma subestação ou parte do sistema. A única exceção é a revitalização classificada como melhoria do tipo III: automação, reforma e modernização de subestações. A Aneel também remunera o custo de implantação das revitalizações para as empresas transmissoras por meio da RAP. As melhorias são reembolsadas na revisão tarifária e os reforços são remunerados no reajuste anual das receitas, de forma que a Empresa possa auferir receita. Estima-se que na Eletronorte a economia em termos de PV é, em média, de R$ 8 milhões. Na Regional de Transmissão do Mato Grosso o valor é de aproximadamente R$ 1,5 milhão. O gerente de Contratos da Transmissão, Ronaldo Borges Dornelas, considera que o valor das revitalizações propostas à Aneel é significativo. A receita da Eletronorte na área de transmissão é em média de R$ 800 mi- O Ministério de Minas e Energia aprovou o enquadramento no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura Reidi, de projetos de reforços e melhorias em 20 empreendimentos de transmissão nas unidades regionais do Maranhão Rondônia, Pará e Mato Grosso. O Reidi institui benefícios fiscais para empresas que tenham projetos aprovados para implantação de obras de infraestrutura nos setores de energia, transportes, portos, saneamento básico e irrigação, eliminando a incidência da contribuição do PIS/Pasep e Cofins, no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento PAC. Para o Setor Elétrico, a Portaria nº 319/2008 do MME estabelece o procedimento de aprovação dos projetos de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica ao Reidi. Cabe à Aneel a normatização e regularização dos pedidos de isenção. De acordo com o analista de Planejamento da Assessoria de Gestão e Orçamento da Eletronorte, Antonio Carlos Henrique Biller (ao lado), o Governo Federal instituiu o Reidi no intuito de aumentar a atividade econômica e incrementar a atratividade desse setor. O Reidi desonera parte da carga tributária para os investimentos feitos na aquisição de bens e serviços a serem integrados ao respectivo ativo imobilizado. Na Eletronorte, um grupo de trabalho estuda a viabilidade de adesão ao Reidi, em face das variadas fases de execução dos empreendimentos da Empresa e da análise da situação das obras, levando em consideração o progresso físico-financeiro de cada contrato relacionado e o cronograma de pagamentos. O processo de habilitação envolve, resumidamente, a seleção dos empreendimentos por parte da Assessoria de Gestão e Orçamento e da Superintendência de Planejamento Econômico-Financeiro, com posterior encaminhamento e aprovação, após os trâmites legais, por parte da Aneel e do Ministério de Minas e Energia. Somente após a publicação do Ato Declaratório Executivo ADE, por parte da Receita Federal do Brasil, é que há a suspensão da contribuição. lhões da RAP. O Plano representa cerca de 10% da receita. Se você tem um investidor que aumente 10% da sua receita é muito significativo para qualquer mercado. Hoje, na Empresa, há maior identificação das pessoas com o processo, uma participação efetiva das unidades regionais e das áreas de engenharia e planejamento. Todos estão interagindo muito mais De acordo com o superintendente de Engenharia de Operação e Manutenção da Transmissão, Sidney Custódio Santana Júnior, a partir da entrada da Resolução Normativa n 270, que estabelece as disposições relativas à qualidade do serviço público de transmissão de energia elétrica, associada à disponibilidade das instalações integrantes da Rede Básica, a Eletronorte identificou a necessidade de ter controle mais sistematizado do processo, fato que explica a evolução de revitalizações de 182, em 2005, para 254 no PMIS Para ele, um dos aspectos essenciais é a qualidade do produto oferecido à sociedade. De acordo com Biller, a Eletronorte terá uma economia de mais de R$ 27 milhões num prazo de cinco anos em função do Reidi. Quando o empreendimento estiver habilitado ao Reidi, o impacto total proporcionado pelo benefício será de 9,25% do valor do bem adquirido ou serviço contratado. Pelo princípio da modicidade tarifária, os ganhos obtidos com a redução dos investimentos, decorrentes da aplicação do Reidi, serão transferidos para os consumidores de energia elétrica e para os usuários da rede básica, por meio das correspondentes reduções dos preços de venda de energia elétrica e das máximas receitas anuais permitidas. Há ganho tangível como a melhoria do desempenho do sistema, implicando diretamente fornecimento de um produto de melhor qualidade para a sociedade. O menor tempo para resolver os problemas constatados e o aumento do nível de automação, possibilitam reduzir o custo de operação e manutenção. Esses procedimentos, padrões de trabalho e os ganhos incorporados representam o compromisso da Empresa com o seu contrato de concessão, que é a obrigação de prestar serviço público adequado

18 CIRCUITO INTERNO Gestão moderna e eficiente Reconhecida 24 vezes com o Prêmio Nacional da Gestão Pública, Eletronorte é destaque entre as instituições públicas César Fechine Dá trabalho chegar ao ouro. E muito! É assim em qualquer categoria esportiva olímpica ou paraolímpica, com os atletas dedicando horas, dias, meses, anos (e anos) a fio a uma dura rotina de treinos e sacrifícios. Não seria diferente entre as instituições que buscam o ouro olímpico da administração pública: o Prêmio Nacional da Gestão Pública PQGF. Criado em 1998, o PQGF é uma das ações estratégicas do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Gespública, com o objetivo de incentivar o aprimoramento das práticas de gestão e promover a modernização do Estado brasileiro. Com 24 premiações, a Eletronorte é a maior vencedora entre as instituições participantes, evidenciando o seu moderno e eficiente sistema de gestão. No ciclo 2008/2009, cinco de suas unidades estão entre as dez melhores organizações: na Faixa Ouro, a contemplada foi a Regional de Transmissão de Mato Grosso; na Faixa Prata, foram premiadas a Regional de Transmissão do Maranhão, a Superintendência de Engenharia de Operação e Manutenção da Transmissão e a Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico; e a Regional de Produção e Comercialização de Rondônia foi reconhecida na Faixa Bronze. Além dessas unidades, as regionais de Produção de Tucuruí e de Transmissão do Tocantins também já foram agraciadas em edições anteriores do PQGF. O assistente técnico de engenharia Egner da Silva Grecco, 46 anos, casado, pai de dois filhos, trabalha há 12 na Assessoria Estratégica da Regional de Transmissão de Mato Grosso com a avaliação de gestão e gerenciamento de resultados e indicadores. Nesse tempo, a Regional desenvolveu e aprimorou o seu relatório de gestão, procurando detalhar as boas práticas. O primeiro relatório foi produzido pela Regional em 1997, a partir da inclusão da Eletronorte no então Programa de Qualidade do Governo Federal, relata. O resultado alcançado este ano é, pois, o resultado de um trabalho contínuo de avaliação e melhorias. Em 2003, a Regional obteve a primeira premiação na Faixa Prata do PQGF, obtendo prêmios em todos os anos subsequentes, chegando agora à Faixa Ouro. Isso representa a certeza de que o esforço empenhado para refinar as nossas práticas, revisar os processos, elaborar o relatório, mobilizar a força de trabalho e a liderança para a utilidade das ferramentas de avaliação do PQGF garantiu-nos o destaque entre as organizações, categorizando a unidade como referência em relação ao processo de gestão, destaca Egner (abaixo). Bancas examinadoras - A preparação para o PQGF começa com a capacitação das pessoas. Os voluntários se inscrevem no portal do Gespública e passam a fazer dois cursos na modalidade de ensino a distância. Os aprovados são convidados a fazer uma oficina presencial, composta pelos módulos de análise e escrituração de um relatório de gestão, o documento onde estão descritas as práticas e processos das organizações, e que segue as normas do manual do Instrumento para Avaliação da Gestão Pública, de acordo com modelos de 250, 500 e pontos. Após a inscrição das organizações, as bancas examinadoras são formadas e inicia-se a avaliação dos relatórios de gestão, de modo que se construa um relatório de avaliação que vai pontuar os vencedores. O Conselho do Prêmio avalia e homologa os resultados, com a subsequente cerimônia de premiação, explica Cesar Viana (ao lado), gerente do Prêmio Nacional da Gestão Pública. O gerenciamento e a administração do PQGF são feitos pelo Gespública, sediado no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão MPOG. As organizações são reconhecidas pelas boas práticas de gestão e avaliadas nas dimensões de processos gerenciais e resultados organizacionais, compostos por fatores como enfoque, pró-atividade, aplicação, aprendizado, integração, relevância e tendência. O sistema de pontuação do PQGF procura determinar o estágio de maturidade da gestão da organização. A cada ciclo, bancas examinadoras e juízes desenvolvem o trabalho voluntário de análise da atuação das organizações com duração de 15 mil horas. No ciclo 2008/2009, mais de 1,6 mil pessoas foram treinadas para trabalhar no processo de premiação, com o apoio de 27 organizações parceiras em 17 estados. A banca examinadora avalia as candidatas com base no modelo de excelência em gestão pública, alinhado com os modelos de gestão utilizados pelos setores público e privado em mais de 120 países, de acordo com oito critérios do modelo de excelência da gestão: liderança, estratégias e planos, clientes, sociedade, informações e conhecimento, pessoas, processos e resultados. Certificações na norma ISO 9001:2008 Uma das formas de sistematizar melhorias nos processos empresariais é implantar e aplicar o sistema de certificação da Norma ISO Com esse objetivo, a Eletronorte alcança mais um importante degrau na busca da excelência empresarial, com a certificação de suas nove unidades regionais na norma ISO 9001:2008. A certificação, realizada por auditores da Bureau Veritas Certification BVC e BSI Management Systems, foi feita nos processos de aquisição e financeiro das divisões administrativas da Eletronorte nas unidades regionais do Acre, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Tucuruí. A ISO 9001, atualmente na versão 2008, é uma ferramenta de controle de processos que passa por revisões constantes, adotada há vários anos pela Empresa com o objetivo de garantir a qualidade dos serviços prestados e a melhoria contínua dos processos com foco no cliente. Atualmente, as unidades da Eletronorte possuem 135 processos certificados na ISO 9001, que serão mantidos anualmente, tomando como base os resultados das auditorias realizadas pelas próprias certificadoras. Esse reconhecimento demonstra o compromisso da Eletronorte em seguir os padrões de trabalho elaborados para atender aos requisitos estatutários, à Lei nº 8.666/93, aos acórdãos do Tribunal de Contas da União TCU, bem como aos requisitos dos clientes. As organizações que tiveram o reconhecimento em 2009 fazem parte de um grupo de 35 instituições da administração direta e indireta e cinco da categoria especial Saúde, que chegaram à fase final da premiação. O total de organizações inscritas para o atual ciclo foi de 57. A grande contribuição para o governo e para o País são as organizações melhorarem e modernizarem o seu sistema de gestão, pois o cidadão passa a ser melhor atendido, acrescenta Viana

19 Os melhores em gestão pública são escolhidos pelo Conselho do Prêmio, presidido por Jorge Gerdau Johannpeter e constituído pelos seguintes representantes da sociedade civil: Luiza Helena Inácio Trajano Rodrigues, Cristina Ferreira Serra, Luiz Ernesto Gemignani e Silvio Vaz de Almeida. Aperfeiçoamento - Em 1998, ano de criação do PQGF, a Eletronorte obteve a primeira premiação, na Faixa Prata. Hoje, o planejamento e articulação referentes ao Prêmio cabem à Assessoria de Planejamento Empresarial, que possui quatro macroprocessos: planejamento estratégico, sustentabilidade empresarial, desempenho empresarial e aperfeiçoamento do sistema de gestão. Entre 1999 e 2002 houve a consolidação desse processo por meio de avaliações internas e participações externas, de acordo com a maturidade da unidade e, a partir de 2003, houve a ampliação da base de participação. Atualmente, os clientes do processo são as 57 gerências em nível G1, compostas por superintendências, assessorias, assistentes, coordenações e unidades regionais, informa o analista de planejamento, Sóstenes Aranha Cavalcante. O processo está estruturado conforme os modelos do PQGF e do Prêmio Nacional da Qualidade PNQ, do qual a Eletronorte participa por intermédio da Regional de Produção de Tucuruí, que obteve no ciclo 2002 o Troféu PQGF, a mais alta premiação entre as instituições públicas. A partir de 2003, o processo de avaliação da gestão da Regional migrou do PQGF para o PNQ. Esse processo está alinhado ao objetivo 8 do planejamento estratégico da Eletronorte, que é aperfeiçoar a gestão. Os benefícios da participação da Empresa no PQGF e na busca do aperfeiçoamento são muitos. O autoconhecimento, o envolvimento, a cooperação das equipes e o diagnóstico apurado dos processos para a tomada de decisão possibilitam a implantação de melhorias de forma estruturada e consistente, bem como a consolidação da cultura da excelência empresarial, declara Sóstenes. A Eletronorte também utiliza outras ferramentas como ISO 9001 (ver box), ISO 14001, Manutenção Total Produtiva TPM, Estudo de clima Organizacional ECO, Sistema de Avaliação do Desempenho SAD, Programa Eletronorte de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico PEPD, Painel Integrado da Qualidade PIQ, entre outros, que auxiliam na busca da excelência na gestão empresarial. Exército - As melhores práticas de gestão também são disseminadas entre as instituições parceiras do MPOG. Nós temos diversos parceiros, como a Eletronorte, todo o Sistema Eletrobrás e o próprio Ministério de Minas e Energia. Temos os ministérios das Cidades e da Saúde divulgando essas práticas. Procuramos envolver o governo como um todo. O Exército Brasileiro é outro parceiro, divulgando o Prêmio para todas as suas unidades, acrescenta Cesar Viana. O Exército, visitado pela reportagem de Corrente Contínua, possui 22 unidades agraciadas com o PQGF e criou um sistema de excelência para integrar as informações gerenciais, subsidiando as decisões da alta administração, ampliando as práticas de gestão e possibilitando a melhoria do desempenho organizacional. Uma das ferramentas utilizadas é o Sistema de Excelência do Exército Brasileiro Sispeg, que, pela internet, dissemina informações sobre as atividades de todas as 650 unidades da instituição, em nível regional e estadual. O Laboratório Químico Farmacêutico do Exército Brasileiro LQFEx é uma das unidades premiadas. Em 2008, concluiu o processo de modernização do seu parque fabril e, em 2009, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa incluiu o medicamento difosfato de cloroquina (tamiflu), utilizado no combate ao surto do vírus H1N1, na lista de medicamentos de referência. Hoje, a produção nacional do medicamento é feita pelo LQFEx, informa o co- Pela qualidade dos serviços prestados ao cidadão Entre as principais realizações do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização Gespública, destacam-se a constituição de uma rede de pessoas físicas e de instituições comprometidas com o desenvolvimento e o compartilhamento de conhecimentos, ferramentas e soluções, além da consolidação do Prêmio Nacional da Gestão Pública PQGF. O Portal da Gestão Pública (www.gespublica.gov.br) constitui-se também num fórum de discussão para que cada cidadão possa participar do aprimoramento do Modelo de Excelência em Gestão Pública. Confira mais informações nesta entrevista com Bruno Palvarini, diretor de Programas de Gestão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Quais os principais objetivos do Gespública? A missão do Programa é contribuir para a melhoria da qualidade dos serviços prestados ao cidadão e para o aumento da competitividade do País. Para cumpri-la, nossa estratégia é promover a articulação, a mobilização e o fomento dos agentes comprometidos com a causa da gestão pública, divulgando o conhecimento associado. Como é feita a seleção para o PQGF? As instituições interessadas em participar do ciclo devem observar os critérios do Modelo de Excelência em Gestão Pública e apresentar um relatório com práticas que comprovem seu atendimento. A partir daí são realizadas avaliações por equipes de examinadores e de juízes que, ao fim do processo, encaminham seus resultados para homologação pelo Conselho do Prêmio. As pessoas interessadas em ser voluntárias recebem capacitação nos conceitos do Modelo e contribuem nas análises realizadas. O Portal da Gestão Pública contém os documentos de referência. Que resultados o PQGF tem possibilitado para o Governo? E para as empresas e órgãos vencedores? O PQGF permite que o Governo tenha um diagnóstico bastante consistente dos níveis de gestão de suas instituições, e que possa verificar o cumprimento de suas estratégias. Também representa um canal direto para o fomento de alguns setores da atividade nacional, como por exemplo, setores voltados ao atendimento ao cidadão. Para as instituições, em doze anos de Prêmio podemos observar o avanço significativo da cultura de gestão e dos resultados quantitativos e qualitativos nos seus desempenhos, além de permitir o compartilhamento de experiências e a transformação do conhecimento tácito em explícito. Quais as principais necessidades já detectadas para a melhoria da gestão pública? Tais necessidades estão refletidas no documento Carta de Brasília, cuja adesão por instituições públicas se encontra aberta desde o dia 30 de abril de São elas: gestão de pessoas (profissionalização e capacitação), modelos de gestão (com simplificação de processos), rever instrumentos de gestão (com maior articulação entre planejamento e orçamento), desenvolver e implementar mecanismos de coordenação e de integração, intensificar o uso de tecnologia, rever o marco legal (propiciando condições estruturais), reforçar os instrumentos de prevenção e de combate à corrupção e realizar estudos e pesquisas para subsidiar as políticas e diretrizes para a modernização do Estado e para a melhoria da gestão pública. Como a sociedade pode ajudar nesse processo? Como dissemos, a participação da sociedade é fundamental e o papel central de articulação de redes de gestão, realizado pela Secretaria de Gestão, se utiliza de ferramentas para o compartilhamento de ideias. Qualquer agente interessado (pessoa física ou jurídica) pode acessar o Portal da Gestão Pública ou um de seus canais e verificar a melhor forma de participar dos debates. A melhoria contínua pode ajudar projetos estratégicos? Apesar de ser uma sólida referência, o Modelo de Excelência em Gestão Pública deve ter uma dinâmica que esteja sempre em conformidade com as necessidades da sociedade. Atualmente, podemos citar a existência de grandes projetos estratégicos nacionais como a questão do présal, da habitação e da infraestrutura necessárias a vultosas obras de engenharia como fontes para contínua melhoria dos instrumentos de gestão. A participação de todos torna as soluções mais robustas e de melhor qualidade. ronel Paulo Alexandre Cunha (página ao lado, ao centro), chefe da Seção de Informações Organizacionais e Modernização Administrativa da 2ª Subchefia do Estado Maior do Exército. Além da participação no Gespública, o Exército foi finalista em 2008 do PNQ com o 4º Regimento de Carros de Combate Rosário do Sul (RS), sendo a primeira organização pública da administração direta a obter esse reconhecimento. O PQGF permite que nos atualizemos nas melhores práticas de gestão, com consistência. A instituição está pulverizada por todo o País e é preciso que a gestão aconteça de forma sistêmica e metodológica, ajudando também na área operacional e na atividade fim da instituição, diz o coronel Cunha

20 Foto: Gustavo Carvalho Fiocruz - Na Fundação Oswaldo Cruz Fiocruz, que entrou de forma corporativa e foi premiada este ano no PQGF, o Sistema Informatizado de Integração Gerencial é uma das principais ferramentas de integração dos processos e produtos. Acompanhado por todas as unidades da instituição, permite a avaliação constante da alta administração e das administrações locais. São mais de quatro mil processos e projetos inseridos nas diferentes ações da Fundação, o que envolve produção, pesquisa, ensino, tecnologia da informação, administração, gestão do conhecimento e comunicação, informa Mirian Cohen, secretária-executiva do Comitê Subsetorial Gespública da Fiocruz (ao lado). Toda a gestão da Fiocruz é feita por um coletivo de dirigentes, submetido a um colegiado de gestores. As deliberações são feitas em assembléia realizada por meio de congresso interno, do qual participam os delegados eleitos das unidades. A assembléia define o plano quadrianual, com as diretrizes e análises de cenários interno e externo. Considero ousadia a Fiocruz entrar corporativamente nesse processo, porque, geralmente, as instituições entram com uma unidade ou regional. Entrar de forma corporativa e obter o Prêmio, logo de primeira vez, é uma experiência única e ajudou muito a fortalecer a integração institucional, pois nos permite dar transparência pública aos procedimentos e resultados e há melhorias também nos diversos processos relacionados à gestão, diz Mirian. Na Eletronorte, são várias as melhorias já implementadas. Nós não podemos carimbar determinadas melhorias como oriundas apenas de um programa. Mas, nesse processo de aperfeiçoamento de gestão e de preparação para o PQGF, foram identificadas lacunas que levaram, por exemplo, à integração das informações financeiras no sistema SAP-R3. A organização do ECO e SAD é outra melhoria que decorre desse processo, afirma Sóstenes Aranha (ao lado). O que se busca, afinal, com todas as ferramentas, práticas e programas corporativos é a excelência na gestão. Na Eletronorte, a agenda está em curso para melhorar a eficiência, a eficácia e a efetividade dos processos empresariais. Com uma gestão eficiente, todos ganham: o Estado, os trabalhadores e, sobretudo, a sociedade brasileira. Esses reconhecimentos vêm coroar os esforços diuturnos dos colaboradores das unidades que, no desenvolvimento de suas atividades, buscam alcançar o estabelecido em nossa Visão: com energia e comprometimento, ser uma Empresa sustentável, referencial de excelência e valorizada pela sociedade. Jorge Palmeira Diretor-Presidente Os resultados mostram o nosso compromisso para o atendimento aos requisitos dos clientes, sociedade, acionistas e empregados, refletindo a Visão da Eletronorte. Sydney Custódio Santana Júnior - Superintendente de Engenharia e Manutenção da Transmissão O Prêmio representa efetivamente que a Eletronorte vem evoluindo na liderança, na sua inserção socioambiental, no planejamento estratégico, na operacionalização e no controle. José Martins do Prado - Gerente Regional de Transmissão de Mato Grosso A premiação decorre, entre outras coisas, da continuidade, sistematização e resultados progressivos, pois tudo foi sempre trabalhado para que esse resultado não fosse diferente. Neusa Maria Lobato Rodrigues - Superintendente de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico O Prêmio é consequência dos esforços das equipes que buscam melhorias nos trabalhos diários, seja na área técnica ou administrativa, com foco no cliente e na integração com a sociedade. Edgard Temporim Filho - Gerente Regional de Produção de Rondônia Tudo que conseguimos até aqui é em função do compromisso dos gerentes e de suas equipes, que contribuem para tornar a Empresa referencial de excelência. Parabéns a todos que contribuíram para mais essas conquistas! Wady Charone Júnior - Diretor de Produção e Comercialização O reconhecimento mostra que o trabalho desenvolvido possui organização e resultados. É bom que sempre achemos que precisamos melhorar. Esse é o combustível que nos move para não nos mantermos acomodados, mas para progredir sempre. Mauro Luís Aquino dos Santos - Gerente Regional de Transmissão do Maranhão 38 39

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015

Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015 1 Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015 P - O que significa para a Itaipu Binacional, para Foz do Iguaçu e região trinacional (Argentina,

Leia mais

Para produzir energia elétrica e

Para produzir energia elétrica e Produção de energia elétrica A UU L AL A uma notícia de jornal: Leia com atenção o texto a seguir, extraído de Seca agrava-se em Sobradinho e ameaça causar novo drama social no Nordeste Para produzir energia

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais. IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11

Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais. IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11 Energia para Novos Tempos Ambiente Regulatório e Atração de Recursos Internacionais IV Conferência Anual da RELOP Brasília DF 30/06/11 Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Atuacão

Leia mais

RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE

RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE RELATORIA NACIONAL DO DIREITO HUMANO AO MEIO AMBIENTE MISSÃO XINGU - Violações de Direitos Humanos no Licenciamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte Relatores: Marijane Vieira Lisboa e José Guilherme

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

PROJETO DA USINA HIDRELÉTRICA DE BELO MONTE PERGUNTAS FREQUENTES Fevereiro 2011 A usina hidrelétrica de Belo Monte é um projeto do planejamento energético brasileiro a ser implantado no rio Xingu, no estado

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Energia Elétrica Investimentos e Oportunidades. Junho 2011

Energia Elétrica Investimentos e Oportunidades. Junho 2011 Energia Elétrica Investimentos e Oportunidades Junho 2011 Agenda 1. O Sistema Eletrobras 2. Oportunidades no Brasil 3. Oportunidades no Exterior S/A A Eletrobras Maior empresa de energia elétrica da América

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais

O Globo 09/01/2011 Desmatobrás Construção de 61 hidrelétricas provocará desmatamento de 5,3 mil km2, equivalente à área do Grande Rio Liana Melo e

O Globo 09/01/2011 Desmatobrás Construção de 61 hidrelétricas provocará desmatamento de 5,3 mil km2, equivalente à área do Grande Rio Liana Melo e O Globo 09/01/2011 Desmatobrás Construção de 61 hidrelétricas provocará desmatamento de 5,3 mil km2, equivalente à área do Grande Rio Liana Melo e Henrique Gomes Batista Ogoverno planeja desmatar 5,3 mil

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

Manifesto em Defesa da Renovação das Concessões do Setor de Energia Elétrica Já!

Manifesto em Defesa da Renovação das Concessões do Setor de Energia Elétrica Já! Nosso país possui um dos mais invejáveis sistemas elétricos do mundo, de dimensões continentais. Formado majoritariamente por usinas hidrelétricas, constituise numa das matrizes energéticas mais limpas

Leia mais

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil Dourival de Souza Carvalho Junior EPE Empresa de Pesquisa Energética dourival.carvalho@epe.gov.br Desafios da incorporação de

Leia mais

II Fórum Técnico - "Matriz Energética Brasileira" Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões. Bloco Categoria Subcategoria

II Fórum Técnico - Matriz Energética Brasileira Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões. Bloco Categoria Subcategoria Bloco Categoria Subcategoria II Fórum Técnico - "Matriz Energética Brasileira" Altamira - 21/nov/2007 Categorias para Sistematização de Questões 1. O empreendimento em geral 1.1. Materialização do empreendimento

Leia mais

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA

Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu. Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da Região de Integração Xingu Geovana Pires Diretora de Socioeconomia da FAPESPA RI XINGU PIB de R$ 2,7 bilhões, respondendo por 3% do total do estado. 57.149 empregos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015

SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 SEMINÁRIO EM PROL DO DESENVOLVIMENTO SOCIOECONOMICO DO XINGU TURISMO ALTAMIRA 2015 Telefone: (91) 3110-5000 E-mail: gesturpara@gmaiil.com Plano Ver-o-Pará Plano Operacional de Desenvolvimento SETUR; Macroprograma

Leia mais

Usina Hidrelétrica Jirau

Usina Hidrelétrica Jirau ENERGIA SUSTENTÁVEL DO BRASIL S.A. Usina Hidrelétrica Jirau Outubro de 2009 Dep. Federal MOREIRA MENDES Energia Sustentável do Brasil 2 GDF Suez (50,1%) Contrato de Concessão ANEEL/MME) Financiamento (BNDES)

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA ITAIPU E SUA IMPORTÂNCIA NA MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA Fórum Internacional A Sustentabilidade no Século XXI Joel de Lima - Diretoria Geral Brasileira Pelotas, 11 de novembro de 2010 RETROSPECTO HISTÓRICO:

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Mudanças aumentam atratividade Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Amazônia é essencial para o Brasil

Amazônia é essencial para o Brasil Page 1 of 6 Hidreletricidade: sustentabilidade e desenvolvimento Setor debate maneiras de conciliar construção de usinas hídricas com preservação do meio ambiente, diante da necessidade inevitável de exploração

Leia mais

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia

The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia The Nature Conservancy, Walmart, Marfrig e produtores do sudeste do Pará trabalharão juntos pela pecuária sustentável na Amazônia Cadeia irá trabalhar unida na implementação das melhores práticas socioambientais

Leia mais

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo

Palavra da ABEEólica. Atenciosamente, Elbia Melo BOLETIM ANUAL DE GERAÇÃO EÓLICA - 2012 Palavra da ABEEólica energia eólica tem experimentado um exponencial e virtuoso crescimento no Brasil. De 2009 a 2012, nos leilões dos quais a fonte eó- A lica participou,

Leia mais

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção.

INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL. Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção. INSTITUTO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO DO BRASIL PROJETO AMAPÁ SUSTENTÁVEL Programa de Formação de Lideranças do Amapá FormAção Edital de Seleção Março de 2015 Realização Apoio 2...esgotada a palavra de sua

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

No ritmo da criação OPORTUNIDADE

No ritmo da criação OPORTUNIDADE Shutterstock POR BRUNO MORESCHI No ritmo da criação Nosso país ainda caminha a passos lentos quando o assunto é economia criativa. Mas as incubadoras podem ajudar a recuperar o tempo perdido Da música

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau

I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau I Fórum Sustentabilidade da Cadeia do Cacau Produção e Mercado de Cacau com Responsabilidade Socioambiental: Criação de Capacidades em Boas Práticas e Certificação na Cadeia do Cacau do Brasil. Missão:

Leia mais

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia

Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia Diário do Nordeste 23/01/2015 Consumidor parte para gerar a própria energia http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/negocios/consumidor-parte-para-gerar-apropria-energia-1.1203880 Em um ano

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO

Orçamento ANEXO III ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO DAS EMPRESAS CONTROLADAS PELO ESTADO Governo do Estado de Minas Gerais Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Qualidade do Gasto Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA Prestação de Serviço de Configuração de Portal de Cidade VISÃO GERAL PESM Projeto Eu Sou de Minas tem a satisfação de enviar esta proposta de serviços

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Saneamento Cachoeira Alta - GO

Saneamento Cachoeira Alta - GO ANEXO III INFORMAÇÕES PRELIMINARES DO MUNICÍPIO E DO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL Nome do Município/UF Cachoeira Alta- GO População 10.553habitantes Caracterização do sistema de saneamento Breve descrição

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo

Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo Resumo Técnico: Avaliação técnica e econômica do mercado potencial de co-geração a Gás Natural no Estado de São Paulo São Paulo 2008 1. Introdução. Este estudo tem como finalidade demonstrar a capacidade

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais

Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Avaliação Ambiental Estratégica em Instituições Financeiras Multilaterais Garo Batmanian Banco Mundial Seminário Latino Americano de Avaliação Ambiental Estratégica Brasília, 28 de agosto de 2006 Estratégia

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Metas e Linhas de Ação do CRESESB

Metas e Linhas de Ação do CRESESB Metas e Linhas de Ação do CRESESB Missão do CRESESB Promover o desenvolvimento das energias solar e eólica através da difusão de conhecimentos, da ampliação do diálogo entre as entidades envolvidas e do

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL

LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Artigo LINHÃO DE TUCURUÍ 1.800 km DE IN- TEGRAÇÃO REGIONAL Gabriel Nasser Doyle de Doile Rodrigo Limp Nascimento 58 RESUMO Para integrar o sistema elétrico das regiões de Manaus, Macapá e municípios situados

Leia mais

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva

A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e Renda e Inclusão Produtiva Projeto de Pesquisa - Microcrédito Produtivo Orientado: Inovações de Tecnologia Social e Aperfeiçoamento de Política A Política e a Atividade de Microcrédito como Instrumentos de Geração de Trabalho e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Licenciamento Ambiental de UHEs. Núcleo de Licenciamento Ambiental IBAMA/MG

Licenciamento Ambiental de UHEs. Núcleo de Licenciamento Ambiental IBAMA/MG Licenciamento Ambiental de UHEs Núcleo de Licenciamento Ambiental IBAMA/MG Conceitos O Licenciamento Ambiental Federal é um processo administrativo estabelecido pela Política Nacional do Meio Ambiente

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira

Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas. Deputado Federal Paulo Teixeira Desafios para a energia eólica e outras fontes alternativas Deputado Federal Paulo Teixeira Energias renováveis no Brasil e no mundo Fonte: Coordenação-Geral de Fontes Alternativas do Ministério de Minas

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

Distritos Industriais. e o Desenvolvimento das Cidades

Distritos Industriais. e o Desenvolvimento das Cidades Distritos Industriais e o Desenvolvimento das Cidades Expediente Distritos Industriais e o Desenvolvimento das Cidades Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Wellington Bahnemann São Paulo Mickey Peters, presidente da Duke Energy no Brasil, demonstra entusiasmo ao falar das perspectivas da companhia

Leia mais

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ

17 a 19 de novembro de 2008 Auditório do Clube de Engenharia Rio de Janeiro RJ APRESENTAÇÃO Paralela à necessidade e a previsão de investimentos do Brasil na geração de energia elétrica, que deverá destinar recursos da ordem de R$ 274,8 bilhões nos próximos quatro anos, através do

Leia mais

consultor saneamento ambiental

consultor saneamento ambiental saneamento ambiental A ENGECORPS é uma empresa de engenharia consultiva pronta a responder a todos os desafios da retomada e manutenção de crescimento do país e globalização da economia. Interessada em

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA

Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Mercados Energéticos: Los Desafíos del Nuevo Milenio. Extensión NEA Seminario 18 o Congreso Mundial de la Energía Extensión NEA Posadas 22 y 23 de agosto de 2002 Integração Energética Antonio Otélo Cardoso

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

ESPECIAL EMPRESAS FLORESTAIS RECORREM ÀS CONSULTORIAS PARA NÃO ERRAR, PRINCIPALMENTE EM ÉPOCA DE CRISE NO ALVO. www.referenciaflorestal.com.

ESPECIAL EMPRESAS FLORESTAIS RECORREM ÀS CONSULTORIAS PARA NÃO ERRAR, PRINCIPALMENTE EM ÉPOCA DE CRISE NO ALVO. www.referenciaflorestal.com. ESPECIAL EMPRESAS FLORESTAIS RECORREM ÀS CONSULTORIAS PARA NÃO ERRAR, PRINCIPALMENTE EM ÉPOCA DE CRISE NO ALVO 58 www.referenciaflorestal.com.br MADEIRA SERRADA DE TECA Foto: arquivo N ão há espaço para

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável

Desenvolvimento Sustentável Capítulo III. As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável Capítulo III As Dimensões Ecológica, Espacial e Cultural do Desenvolvimento Sustentável Estamos diante de um momento crítico na história da Terra, numa época em que a Humanidade

Leia mais