Lei de estatais pode gerar problemas na Justiça e travar contratações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei de estatais pode gerar problemas na Justiça e travar contratações"

Transcrição

1 Fonte: Dr. Renato Kloss Seção: Poder Versão: Online Data: 28/06/16 Lei de estatais pode gerar problemas na Justiça e travar contratações Alan Marques/Folhapress O presidente interino, Michel Temer, em reunião com ministros nesta segunda (27) DIMMI AMORA DE BRASÍLIA

2 28/06/ h00 A nova lei de estatais poderá reduzir a capacidade destas companhias de contratar com velocidade, além de dar margem a questionamentos judiciais que poderão dificultar a operacionalização da medida em seu início. A opinião é de especialistas ouvidos pela Folha que analisaram o texto aprovado pelo Senado na semana passada. O presidente interino Michel Temer, que ainda não sancionou a medida, deve vetar alguns trechos da lei. A nova lei foi aprovada como tentativa de resposta aos problemas de contratação na Petrobras detectados pela Operação Lava Jato. Um cartel de empresas se formou para fraudar concorrências e pode ter dado prejuízos de R$ 30 bilhões na companhia, em estimativa feita pelo TCU (Tribunal de Contas da União). A lei aprovada tenta reduzir brecha criada em 1997 quando o governo Fernando Henrique Cardoso fez decreto permitindo à petroleira fazer concorrências simplificadas, sem seguir a lei de contratações vigente na época (8.666/93), considerada burocrática e complexa. Diferentemente do decreto de 1997, agora a lei aprovada valerá para todas as empresas estatais. Renato Kloss, sócio do Escritório Siqueira Castro, lembra que a chamada lei de licitações surgiu também num momento de clamor popular, quando o Congresso apurava corrupção nas empreiteiras. A Constituição de 1988 já previa que as estatais deveriam ter um regime de contratação diferente do usado pelos governos, mas não foi o que ocorreu com a aprovação da nova lei. Segundo ele, o texto é cópia de trechos de outras leis que regulam a concorrência, como a 8.666, a Lei do Pregão e o RDC (Regime Diferenciado de Contratação). "Se a Constituição previa uma lei para as estatais, o que se esperava é que se levasse em conta as especificidades de contratação de uma empresa que compete com outras", disse Kloss apontando que o

3 modelo burocrático dos regimes de governo foram mantidos. "Não se fez o que o Constituinte quis". Para Kloss, um avanço na nova legislação foi a definição mais clara sobre o que é um anteprojeto, algo sem o qual a contratação de uma obra não pode começar. Mas, segundo ele, o nível exigido na lei será muito acima do que é praticado hoje pelas empresas, o que poderá no início ocasionar demora nas contratações. VETO Mesmo com essa nova definição de anteprojeto, há críticas de grupos de empreiteiras e empresas de projetos de engenharia ao Congresso por ter permitido que as estatais possam fazer contratos no modelo integrado, algo já previsto no RDC. Nesse modelo, a mesma empresa pode contratar a obra e o projeto juntos, o que é defendido por grandes empreiteiras e funcionários do governo. O Conselho de Arquitetura e Urbanismo vai pedir o veto a esse artigo da lei por entender que ele é a origem da corrupção na Petrobras. Murilo Jacoby, advogado especialista em direito administrativo, afirma que a nova lei parte da premissa de que o cartel da Petrobras se formou por causa do decreto que permitia a contratação simplificada o que, para ele, não explica todo o problema. "O cartel poderia ocorrer em qualquer dos regimes de licitação existentes", disse. Segundo o advogado, parte das permissões que a Petrobras tinha para contratar de forma simplificada foram mantidas, como o cadastro prévio, mas foi criado um dispositivo para reduzir as chances de formação de cartel: a preferência por pregões eletrônicos. "No pregão, você pode combinar com algumas empresas, mas você não sabe todas que vão entrar na disputa o que tende a tornar o cartel menos eficiente", disse. O problema, segundo Jacoby, é que um outro artigo da lei deixou brecha para que o gestor possa ou não fazer as disputas nessa forma, o que abrirá possibilidade para questionamentos judiciais.

4 "Se fizer pregão, as empresas que não querem pregão vão reclamar. Se não fizer, será o oposto. Vai se abrir margem para órgãos de controle e o Judiciário interferirem no processo", disse. Jacoby destaca ainda que um dispositivo na lei prevê que os contratos de prestação de serviços podem ser feitos por até cinco anos, prazo que pode ser maior se justificado. O formato antigo previa contratos de um ano renováveis por mais quatro. Segundo ele, o ato pode ser positivo para o planejamento de longo prazo das empresas. Entenda os principais pontos da nova lei, que ainda pode ser alterada por Temer: COMANDO DAS ESTATAIS As principais regras para nomeação em empresas públicas, segundo o projeto REQUISITOS PARA NOMEAÇÃO Para membros do Conselho de Administração e cargos de diretor, diretor-geral e diretor-presidente 1) Experiência na área Mínimo de 10 anos na área de atuação da empresa ou conexa ou mínimo de 4 anos ocupando cargos de: a) Chefia na área b) Comissão ou confiança no setor público c) Docência relacionada à área d) Atividade liberal relacionada à área 2) Formação acadêmica compatível com o cargo 3) Não ser inelegível PERFIS VETADOS Para cargos no Conselho de Administração e para a diretoria 1) Representantes de órgão regulador do setor 2) Ministros e secretários de Estado e municípios 3) Senadores, deputados federais, deputados estaduais e vereadores (ainda que licenciados)

5 4) Dirigentes de partidos políticos 5) Funcionários de organizações sindicais 6) Ocupantes de cargos superiores na administração pública que não sejam servidores concursados 7) Contratantes ou contratados da controladora da empresa e pessoas com qualquer outro tipo de conflito de interesses Carência: 3 ANOS é o tempo mínimo exigido para que o nomeado tenha deixado de exercer atividades em partido político ou em campanha eleitoral ABRANGÊNCIA Toda empresa pública e sociedade de economia mista da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios com receita operacional bruta superior a R$ 90 milhões A PARTIR DE QUANDO A partir da sanção da lei. Quem ocupa tais postos atualmente não sofre nenhuma modificação, como por exemplo, ministros que atualmente integram conselhos de administração OUTRAS REGRAS 1) Composição dos conselhos - Formação de 7 a 11 membros, com mandatos de até dois anos (com até três renovações) - 25% de membros independentes (não podem ter sido empregados da empresa nos três anos anteriores nem serem fornecedores ou prestadores de serviço da estatal) 2) Publicidade e patrocínio Despesas não podem ultrapassar 0,5% da receita do ano anterior, salvo com proposta excepcional aprovada pelo conselho 3) Licitações Seguirão o Regime Diferenciado de Contratações Públicas e não mais a Lei de Licitações 4) Transparência As empresas terão que criar uma área de compliance e riscos, diretamente vinculada ao diretor presidente, além de um comitê de auditoria 5) Políticas As estatais terão que divulgar, anualmente, uma declaração das políticas públicas que buscam atender, com os custos necessários a sua realização Fonte: projeto de lei aprovado pelo Senado Federa

Cargo: Efetivo (de carreira ou isolado) adquire estabilidade Em comissão livre exoneração Vitalício adquire vitaliciedade

Cargo: Efetivo (de carreira ou isolado) adquire estabilidade Em comissão livre exoneração Vitalício adquire vitaliciedade CAMPUS Capítulo 5 Administração Pública e Servidores Públicos Disposições Constitucionais 189 Servidor público em sentido estrito (regime estatutário) Cargo efetivo Cargo em comissão Adm. Direta, autárquica

Leia mais

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS XXV CONGRESSO BRASILERIO DE SERVIDORES DE CÂMARAS MUNICIPAIS V ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES Aracajú julho de 2010 LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS François E.

Leia mais

Art 2º Os procedimentos para a seleção de ocupantes dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas serão os seguintes:

Art 2º Os procedimentos para a seleção de ocupantes dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas serão os seguintes: RESOLUÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA Relator: JEANNE LILIANE MARLENE MICHEL Diretoria de Gestão de Pessoas Número: 008 Data: 24/9/2012 Reunião: 7 a Dispõe sobre os procedimentos e os critérios de seleção para

Leia mais

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock Série Provas e Concursos Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock ELSEVIER 5.6. Resumo AGENTES PÚBLICOS (segundo Hely Lopes Meirelles): 1. Agentes políticos Aqueles no alto escalão dos

Leia mais

1ª) São órgãos estatutários da EBSERH: I - o Conselho de Administração; II - a Diretoria Executiva; III - o Conselho Fiscal; e IV - o Conselho

1ª) São órgãos estatutários da EBSERH: I - o Conselho de Administração; II - a Diretoria Executiva; III - o Conselho Fiscal; e IV - o Conselho 1ª) São órgãos estatutários da EBSERH: I - o Conselho de Administração; II - a Diretoria Executiva; III - o Conselho Fiscal; e IV - o Conselho Consultivo. a) Somente I e II estão erradas b) Somente I e

Leia mais

Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família. (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS

Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família. (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS Projeto de Expansão e Consolidação da Saúde da Família (PROESF Fase 2) AQUISIÇÕES de BENS e CONTRATAÇÃO DE OBRAS Aquisições através das Regras do Banco Mundial O Artigo 42 5º da Lei 8.666 permite que os

Leia mais

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO AGE Em, 06 de agosto de 2015. ORDEM DO DIA: Eleição de membro efetivo do Conselho de Administração, por indicação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. - INFORMAÇÕES

Leia mais

O que é terceirização?

O que é terceirização? TERCEIRIZAÇÃO A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (8) o projeto de lei 4330/2004, que regulamenta contratos de terceirização no mercado de trabalho. Agora, o projeto será encaminhado diretamente

Leia mais

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil

Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas. Endesa Brasil Protocolo de Atuação no Relacionamento com funcionários públicos e autoridades públicas Endesa Brasil ÍNDICE 3 3 3 3 4 6 6 1. Objeto 2. Alcance 3. Aplicação 4. Conceitos 5. Conteúdo 6. Responsabilidades

Leia mais

O Que Fazem Deputados Federais, Estaduais, Senadores e o Governador? (competências e âmbito de atuação)

O Que Fazem Deputados Federais, Estaduais, Senadores e o Governador? (competências e âmbito de atuação) O Que Fazem Deputados Federais, Estaduais, Senadores e o Governador? (competências e âmbito de atuação) Patricia Brasil Advogada Delegada do Partido Humanista da Solidariedade Junto ao TRE/SP Especialista

Leia mais

ORGANOGRAMA TRESC TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA

ORGANOGRAMA TRESC TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SANTA CATARINA Gabinete dos Juízes Presidência Corregedoria Regional Eleitoral Coord. de Controle Interno Gabinete -Chefe Direção-Geral CJ4 Ass. de Imprensa, Comunicação

Leia mais

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007

FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. Regimento Interno. 01 de outubro de 2007 FUNDAÇÃO COORDENAÇÃO DE PROJETOS, PESQUISAS E ESTUDOS TECNOLÓGICOS COPPETEC. 01 de outubro de 2007 Regimento elaborado e aprovado pelo Conselho de Administração da Fundação COPPETEC em 01/10/2007, conforme

Leia mais

Os Acordos de Leniência e a quantificação de danos em face de cartéis

Os Acordos de Leniência e a quantificação de danos em face de cartéis Os Acordos de Leniência e a quantificação de danos em face de cartéis Acordo de Leniência A Lei Anticorrupção Empresarial instituiu a possibilidade de realização do chamado acordo de leniência com as pessoas

Leia mais

R E S U L T A D O da Sessão:

R E S U L T A D O da Sessão: R E S U L T A D O da Sessão: Sessão do Congresso Nacional (Deliberativa) QUARTA-FEIRA - 18/11/2015 Iniciada 11h30min - Encerrada 22h44min. Aprovado quatro projetos de lei com créditos orçamentários. Entre

Leia mais

Senador Paulo Paim PT/RS

Senador Paulo Paim PT/RS Senador Paulo Paim PT/RS paulopaim@senador.gov.br Municipais. Registro sobre a PEC 17/2012 Procuradores Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Senadores. Quero compartilhar com os Senhores e as Senhoras

Leia mais

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU

Como contratar TI com riscos baixos. Carlos Mamede Sefti/TCU Como contratar TI com riscos baixos Carlos Mamede Sefti/TCU Contratação de TI Riscos envolvidos na contratação Mitigação dos riscos Como contratar TI com riscos baixos 2 Agenda 1. Contratações públicas

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 170, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 170, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 170, DE 2013 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, que altera a legislação do imposto de renda das pessoas físicas e

Leia mais

AC.1.PGP.EVENTOS PÁGINA: 1 / 7

AC.1.PGP.EVENTOS PÁGINA: 1 / 7 TÍTULO: PADRÃO GERENCIAL DE PROCESSO Nº: 1 / 7 PGP REALIZAÇÃO E APROVAÇÃO DE EVENTOS DATA DE APROVAÇÃO: 30.03.2016 1. INTRODUÇÃO Algumas atividades da Companhia envolvem o estabelecimento de atos, contratos,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO IV DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA Seção I Do Ministério Público Art. 127. O Ministério Público é instituição

Leia mais

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES

REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES REGIME DIFERENCIADO DE CONTRATAÇÕES Susana Filgueiras Brasília, 10 de setembro de 2012 LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Lei nº12.462, de 5 de agosto de 2011. Decreto nº 7.581, de 11 de outubro de 2011. Lei nº 12.688,

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL VEDAÇÕES EM ÚLTIMO ANO DE MANDATO 1 ART. 42 - VEDAÇÕES de 1º de maio a 31 de dezembro: Contrair obrigação de despesa, nos últimos 8 meses, que não possa ser cumprida (paga)

Leia mais

PARECER Nº DE RELATOR: Senador DOUGLAS CINTRA I RELATÓRIO

PARECER Nº DE RELATOR: Senador DOUGLAS CINTRA I RELATÓRIO PARECER Nº DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 276 de 2007, do Senador Valdir Raupp, que acrescenta dispositivos à Lei nº 10.820, de

Leia mais

OS ADMINISTRADORES DAS EMPRESAS ESTATAIS NA LEI /2016

OS ADMINISTRADORES DAS EMPRESAS ESTATAIS NA LEI /2016 OS ADMINISTRADORES DAS EMPRESAS ESTATAIS NA LEI 13.303/2016 Fernão Justen de Oliveira Doutor e mestre em Direito pela UFPR Sócio da Justen, Pereira, Oliveira e Talamini 1. Introdução A Lei das Empresas

Leia mais

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil

Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública. Magno Subtil Planejamento de aquisição de bens e serviços na Administração Pública Magno Subtil Registro de Preços Decreto Estadual 7.437/2011 Sistema de Registro de Preços é o conjunto de procedimentos para registro

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº. 01/2012

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº. 01/2012 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº. 01/2012 SAMIR ALBERTO PERNOMIAN, Prefeito Municipal de Parapuã, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais. TORNA PÚBLICO O presente EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA

Leia mais

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a):

1ª) A lei de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): 1ª) A lei 12.550 de 2011 autorizou a CRIAÇÃO da empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares - EBSERH; pelo (a): A) Poder Legislativo. B) Poder Executivo C) Poder Judiciário D)

Leia mais

Seleção Interna nº 14/2013/SOF Em 26 de fevereiro de Do Objetivo

Seleção Interna nº 14/2013/SOF Em 26 de fevereiro de Do Objetivo Seleção Interna nº 14/2013/SOF Em 26 de fevereiro de 2013. Assunto: Cargo em comissão. Provimento via processo seletivo. Do Objetivo 1. A presente Seleção Interna visa ao provimento do cargo de Assistente

Leia mais

Compras Públicas como Investimento Social

Compras Públicas como Investimento Social Compras Públicas como Investimento Social a) Importância das MPES para a Economia Brasileira Micro e pequenas empresas (MPEs) representam 99% das empresas formalizadas no Brasil, 52% dos empregos formais

Leia mais

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR.

Política de Alçadas. a) Acionistas Controladores: grupo composto pela Votorantim Industrial S.A. e BNDES Participações S.A. BNDESPAR. Fibria Celulose S.A. Política de Alçadas 1. OBJETIVO Esta Política de Alçadas ( Política ) tem como objetivo fixar os limites de alçadas para aprovação pela Diretoria e pelo Conselho de Administração da

Leia mais

A história da criação da lei /2010

A história da criação da lei /2010 1 Seminário de Capacitação do CAU/SP: O CAU que queremos A história da criação da lei 12.378/2010 São Paulo - Junho de 2012 Projeto de Lei n 347/2003 (Senador José Sarney) Tramitação a partir de 19.8.2003

Leia mais

NICOLAU RODRIGUES DA SILVEIRA Advogado OAB/RS nº Mantenedora das Faculdades Integradas de Taquara FACCAT

NICOLAU RODRIGUES DA SILVEIRA Advogado OAB/RS nº Mantenedora das Faculdades Integradas de Taquara FACCAT VIII SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA CONSELHO FISCAL DO RPPS OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADE S NICOLAU RODRIGUES DA SILVEIRA Advogado OAB/RS nº 29383 Presidente do Conselho Deliberativo da

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 329, DE 2010

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 329, DE 2010 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 329, DE 2010 Altera o art. 43, 3º da Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, que dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências Código de Defesa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015. UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos, Planejamento e Orçamento CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003/2015 DISPÕE SOBRE CONTROLE E ACOMPANHAMENTO DOS CONSÓRCIOS. VERSÃO: 01 DATA: 03 de março de 2015. ATO APROVAÇÃO: Decreto 2.370/2015 UNIDADE RESPONSÁVEL: Gerência de Projetos,

Leia mais

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO )

MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAUÁ CAPITAL INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS ( POLÍTICA DE VOTO ) MAIO 2016 OBJETO O presente documento tem por objetivo estabelecer os princípios,

Leia mais

Regimento da Comissão Especial de Sistemas de Informação CESI SBC I. Composição da CESI e seu Comitê Gestor

Regimento da Comissão Especial de Sistemas de Informação CESI SBC I. Composição da CESI e seu Comitê Gestor Regimento da Comissão Especial de Sistemas de Informação CESI SBC I. Composição da CESI e seu Comitê Gestor a. A Comissão Especial de Sistemas de Informação, doravante denominada CESI, é integrante da

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 494, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 494, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 494, DE 2009 Dispõe sobre a utilização do potencial de geração de energia elétrica dos aterros sanitários pelos municípios com mais de 200 mil habitantes. O CONGRESSO

Leia mais

NORMA DE CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL - NOR 317

NORMA DE CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL - NOR 317 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL. APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 080, de 26/05/2014 VIGÊNCIA: 26/05/2014 NORMA DE CONDUTA EM PERÍODO ELEITORAL - NOR 317 1/7 SUMÁRIO

Leia mais

2012/ Ao presidente do partido e ao juiz eleitoral

2012/ Ao presidente do partido e ao juiz eleitoral 2012/2014 2016 20/07 a 05/08 Data das Convenções Partidárias 10/06 a 30/06 (Art. 8º da Lei nº. 9.504/97 e 93, 2º da Lei 4.737/65) Prazo de filiação partidária Comunicação de desfiliação partidária Janela

Leia mais

Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos. VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno

Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos. VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno Controladoria-Geral da União: Zelando pela boa aplicação dos recursos públicos VALDIR AGAPITO TEIXEIRA Secretário Federal de Controle Interno Maio de 2013 O desafio do Controle é do tamanho do Brasil!

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.217, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 1.217, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 1.217, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2013 Altera a Lei Complementar nº 1.111, de 25 de maio de 2010, que institui o Plano de Cargos e Carreiras dos servidores do Tribunal de Justiça do Estado

Leia mais

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público

PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS. DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público PPPs PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS DARCI FERNANDES PIMENTEL Advogada, Especialista em Direito Público 1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, DIRETA E INDIRETA: CONCESSÕES E PERMISSÕES 1.1 FUNDAMENTO CONSTITUCIONAL:

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ

POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ POLÍTICA DE RISCO DE LIQUIDEZ Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Organograma... 3 3. Vigência... 4 4. Abrangência... 4 5. Conceito... 5 5.1 Risco de liquidez do fluxo

Leia mais

Trabalhadores já encaram 'ficha limpa' em concursos e setor privado

Trabalhadores já encaram 'ficha limpa' em concursos e setor privado Page 1 of 5 28/05/2010 06h30 - Atualizado em 28/05/2010 07h47 Trabalhadores já encaram 'ficha limpa' em concursos e setor privado Candidatos a concursos podem ficar sem vaga se condenados. No setor privado,

Leia mais

IMPACTO DAS ALTERAÇÕES IMPOSTAS PELA RESOLUÇÃO Nº 001/2006-CN NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO

IMPACTO DAS ALTERAÇÕES IMPOSTAS PELA RESOLUÇÃO Nº 001/2006-CN NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO RENATO DE ASSUNÇÃO IMPACTO DAS ALTERAÇÕES IMPOSTAS PELA RESOLUÇÃO Nº 001/2006-CN NO PROCESSO ORÇAMENTÁRIO Projeto de pesquisa apresentado em cumprimento parcial às exigências do Curso de Especialização

Leia mais

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas.

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. PORTARIA MF Nº 160, DE 6 DE MAIO DE 2016 DOU de 09.05.2016 Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. O MINISTRO DE

Leia mais

Definição como se transformam votos em poder

Definição como se transformam votos em poder Definição. Sistema eleitoral é o conjunto de regras que define como, em uma determinada eleição, o eleitor pode fazer suas escolhas e como os votos são contabilizados para serem transformados em mandatos.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARMO DA CACHOEIRA ESTADO DE MINAS GERAIS GABINETE DO PREFEITO 1 LEI Nº. 2.232, de 20 de outubro de 2011 Dispõe sobre a criação da Imprensa Oficial do Município de Carmo da Cachoeira-MG, e dá outras providências. A Câmara Municipal de Carmo da Cachoeira, por seus

Leia mais

A Gestão nas Agências Reguladoras Fatos e Repercussões

A Gestão nas Agências Reguladoras Fatos e Repercussões Audiência Pública: Gestão Administrativa, Financeira e de Recursos Humanos das Agências Reguladoras Comissão de Infra-Estrutura do Senado Federal A Gestão nas Agências Reguladoras Fatos e Repercussões

Leia mais

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. da CPFL Energia S.A. de Assessoramento do. Conselho da de Draft Administração. Atual Denominação Social. II Participações S.A. Acordo de Acionistas Regimento da Interno CPFL dos Energia Comitês S.A. de Assessoramento do Atual Denominação Social Conselho da de Draft Administração II Participações S.A. da CPFL Energia S.A. 1 Sumário

Leia mais

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV

Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV Regimento da Fazenda Experimental da UDESC - CAV CAPÍTULO I Da Natureza e Finalidade Art. 1º A Fazenda Experimental da UDESC - CAV (FECAV) é um Órgão Suplementar Setorial do Centro de Ciências Agroveterinárias

Leia mais

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O

C I R C U L A R C Ó D I G O N Ú M E R O D A T A 040/2012 MFZ /06/2012 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL A S S U N T O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima Rua Visconde de Inhaúma, 134 Gr 1005 CEP 20094-900 - Centro - Rio de Janeiro RJ Brasil Tel.: (55 21) 3232-5600 Fax.: (55 21) 3232-5619 E-mail: syndarma@syndarma.org.br

Leia mais

XIV SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS

XIV SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS XIV SINAOP SIMPÓSIO NACIONAL DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS Tribunal de Contas de Mato Grosso TCE/MT Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas (IBRAOP) Planejamento de obras e sustentabilidade

Leia mais

ATA - Exercício Direito Administrativo Exercício Giuliano Menezes Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercício Direito Administrativo Exercício Giuliano Menezes Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercício Direito Administrativo Exercício Giuliano Menezes 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Giuliano Menezes 01)Marque V ou F: a) O

Leia mais

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010

Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Tribunal de Contas do Distrito Federal Luiz Genédio 5ª. Inspetoria de Controle Externo Maio de 2010 Restrições para ano eleitoral Lei de Responsabilidade Fiscal LRF Legislação Eleitoral: Lei nº 9.504/97

Leia mais

VILMÁRIA CAVALCANTE ARAÚJO MOTA

VILMÁRIA CAVALCANTE ARAÚJO MOTA Apresentação O tema Licitações e Contratos, mormente ligado aos aspectos jurídicos das práticas de gestão, encontram-se, interna e externamente na administração pública, de forma nebulosa e cheia de problemas,

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

Regulamento da Revista Thema

Regulamento da Revista Thema Regulamento da Revista Thema Capítulo I - Da finalidade e objetivo Art. 1 o - A Revista Thema é publicada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul) através da Pró-Reitoria

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T16

Apresentação de Resultados 3T16 Estação de Tratamento de Esgoto Arrudas Apresentação de Resultados 3T16 11 de Novembro de 2016 AVISO Eventuais declarações que possam ser feitas durante esta apresentação, relativas às perspectivas de

Leia mais

POLÍTICA DE VOTO CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE VOTO CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS POLÍTICA DE VOTO CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A CA INDOSUEZ WEALTH (BRAZIL) S.A DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS ( Gestora ), gestora de

Leia mais

PROVA DISCURSIVA RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVA DISCURSIVA RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVA DISCURSIVA CESPE/UnB TCDF/ACE Aplicação: 2014 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva)

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N.º 715, DE 2012 (Do Sr. Eleuses Paiva) Susta a aplicação da RDC nº 41/2012 da ANVISA. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA E CONSTITUIÇÃO

Leia mais

4... L BANCO CENTRAL DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BACEN/MTE-SENAES

4... L BANCO CENTRAL DO ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BACEN/MTE-SENAES . ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BACEN/MTESENAES ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO MTE E O BANCO CENTRAL DO BRASIL BACEN COM A INTERVENIÊNCIA DA SECRETARIA

Leia mais

PROJETO DE LEI N 1.159, DE 1999 (Do Sr. Lincoln Portela)

PROJETO DE LEI N 1.159, DE 1999 (Do Sr. Lincoln Portela) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N 1.159, DE 1999 (Do Sr. Lincoln Portela) Dispõe sobre a obrigatoriedade de comprovaçao da propriedade ou o devido termo de responsabilidade de quem põe objetos empenhados

Leia mais

Direito Eleitoral e Regimento Interno TER-SP. Weslei Machado

Direito Eleitoral e Regimento Interno TER-SP. Weslei Machado Direito Eleitoral e Regimento Interno TER-SP Weslei Machado (FCC/TRE-AM/Analista Judiciário/2010) Compete aos TREs processar e julgar originariamente a) os crimes eleitorais cometidos pelos seus próprios

Leia mais

Lei /2016 Lei das Empresas Estatais. Outubro de 2016

Lei /2016 Lei das Empresas Estatais. Outubro de 2016 Lei 13.303/2016 Lei das Empresas Estatais Outubro de 2016 Agenda Evolução Normativa das Licitações no Brasil Âmbito de Aplicação Profissionalização de Gestão Contratação Direta Características Procedimentais

Leia mais

Estado do Pará PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FÉLIX DO XINGU Controladoria Geral do Munícipio PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO

Estado do Pará PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO FÉLIX DO XINGU Controladoria Geral do Munícipio PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO PARECER DE REGULARIDADE DO CONTROLE INTERNO Parecer CGM nº 006/2016 Solicitante: Departamento de Licitação Expediente: Processo Licitatório nº TP010/2015 Modalidade: Tomada de Preço Tratam os autos de

Leia mais

VOTO EM SEPARADO. AUTORIA: Senador RANDOLFE RODRIGUES I RELATÓRIO

VOTO EM SEPARADO. AUTORIA: Senador RANDOLFE RODRIGUES I RELATÓRIO VOTO EM SEPARADO Perante a COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 43, de 2013 (nº 349, de 2001, na Câmara dos Deputados), primeiro signatário o Deputado

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 351, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 351, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 351, DE 2014 Acrescenta o 2º ao art. 15- A da Lei nº 9.096, de 19 de setembro de 1995, acrescenta o 5º ao art. 22 da Lei 9.504 de 30 de setembro de 1997, e altera o inciso XI

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (Do Sr. Fernando de Fabinho) Autoriza o Poder Executivo a criar o Pólo de Desenvolvimento e Turismo da região geográfica Nordeste, com sede na cidade de Paulo Afonso

Leia mais

COMUNICADO SDG Nº 05/2012

COMUNICADO SDG Nº 05/2012 COMUNICADO SDG Nº 05/2012 O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo comunica o calendário para 2012 das providências a cargo das Prefeituras, Câmaras, Fundos, Institutos de Previdência, Autarquias, Fundações

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 2.189, DE 2007 Estabelece normas para a utilização de marca publicitária pelo Governo Federal e para seus investimentos em

Leia mais

Auditoria Externa da Décima Rodada de Licitações

Auditoria Externa da Décima Rodada de Licitações da Décima Rodada de Licitações Superintendência de Promoção de Licitações Vinicius Jorge de Medeiros Outubro 2008 : visão institucional TCU: visão institucional Marco jurídico: Constituição de 1988; O

Leia mais

PRONUNCIAMENTO SOBRE REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

PRONUNCIAMENTO SOBRE REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS PRONUNCIAMENTO SOBRE REGULAMENTAÇÃO DOS DIREITOS DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Senadores, Amigos que nos assistem e nos ouvem pela Rádio Senado e pela TV Senado O Congresso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 1ª REGIÃO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: ADMINISTRATIVA

CONTROLE DE CONTEÚDO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 1ª REGIÃO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: ADMINISTRATIVA CONTROLE DE CONTEÚDO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL 1ª REGIÃO ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA: ADMINISTRATIVA REGIMENTO INTERNO 1 Organização e composição do TRF 1ª Região: órgãos jurisdicionais, Corregedoria-Regional,

Leia mais

28/05/ Trabalho e Previdência - Eleições Considerações

28/05/ Trabalho e Previdência - Eleições Considerações 28/05/2010 - Trabalho e Previdência - Eleições 2010 - Considerações Texto elaborado em 30.04.2010 Sumário 1. Introdução 2. Feriado nacional 2.1 Expediente no dia de eleição 2.2 Empregado - Tempo gasto

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1 RESOLUÇÃO TSE 22.901/2008* 1 * 1 Resolução alterada pelas Resoluções TSE 23.386/2012, 23.477/2016 e 23.497/2016. PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 18.456 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

VALOR TOTAL RECEBIDO 347, ,74 PORTO ALEGRE

VALOR TOTAL RECEBIDO 347, ,74 PORTO ALEGRE VER. VALDIR LIMA DA SILVA RELATORIO DO CURSO XII Seminário de Mesas Diretoras e Comissões Encontro Preparativo de Instruções para a Mesa, vereadores, assessores e diretores com enfoque nas restrições eleitorais,

Leia mais

Modernização da Gestão do Tribunal de Justiça do RS. Omar Jacques Amorim Diretor-Geral TJRS

Modernização da Gestão do Tribunal de Justiça do RS. Omar Jacques Amorim Diretor-Geral TJRS Modernização da Gestão do Tribunal de Justiça do RS Omar Jacques Amorim Diretor-Geral TJRS Porto Alegre, sexta-feira, 19 de agosto de 2011 Tribunal de Justiça do RS 1L EVOLUÇÃO DO PROJETO E PRINCÍPAIS

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Airton Roberto Rehbein Auditor Público MARCO REGULATÓRIO DAS SOCIEDADES CIVIS A Lei Federal 3.204/2015 alterou a

Leia mais

EDITAL DE CARTA CONVITE Nº 013/2016 Tipo de julgamento: menor preço por item Processo Administrativo nº

EDITAL DE CARTA CONVITE Nº 013/2016 Tipo de julgamento: menor preço por item Processo Administrativo nº EDITAL DE CARTA CONVITE Nº 013/2016 Tipo de julgamento: menor preço por item Processo Administrativo nº045.2016 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PSICOLOGO(A) PARA ATUAR JUNTO AO PROGRAMA NAAB- Nucleo De Apoio

Leia mais

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação

CONFERÊNCIA. O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades. O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação CONFERÊNCIA O NOVO MARCO LEGAL DA INOVAÇÃO: Desafios e Oportunidades O impacto do Novo Marco Legal sobre as empresas que se dedicam à Inovação Prof. Dr. Spartaco Astolfi Filho spartaco.biotec@gmail.com

Leia mais

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX:

Sociedade Alphaville Residencial 11 Sede Administrativa - Av. Alpha Norte, 700 PABX: 1. INTRODUÇÃO Código de Ética Este Código de Ética reúne diretrizes que devem ser observadas em nossa ação profissional para atingirmos padrões Éticos no exercício de nossas atividades. Para a Sociedade

Leia mais

70 anos da CLT: Uma história de lutas e conquistas

70 anos da CLT: Uma história de lutas e conquistas Boletim Econômico Edição nº 03 Setembro de 2013 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico 70 anos da CLT: Uma história de lutas e conquistas 1 A Carteira de Trabalho Em 21 de março de

Leia mais

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1

NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/ Rev 1 NORMA DE GESTÃO N.º 4/NORTE2020/2015 1 Rev 1 [Operações públicas FEDER] 1 Não aplicável a operações enquadradas no Sistema de Incentivos às Empresas e a operações cofinanciadas pelo FSE. CONTROLO DO DOCUMENTO

Leia mais

Sumário CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988... 21 PREÂMBULO... 21. TÍTULO III Da Organização do Estado... 39

Sumário CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988... 21 PREÂMBULO... 21. TÍTULO III Da Organização do Estado... 39 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988... 21 PREÂMBULO... 21 TÍTULO I Dos Princípios Fundamentais... 21 TÍTULO II Dos Direitos e Garantias

Leia mais

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade

Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade FECOMERCIO - 21/11 SÃO PAULO Governança Corporativa Transparência e Sustentabilidade LUIZ DE LUCA Coordenador Comissão GC em Saúde - IBGC Superintendente Corporativo Hospital Samaritano Governança Corporativa

Leia mais

RELAÇÃO 14/2008 - Gab. do Min. GUILHERME PALMEIRA -

RELAÇÃO 14/2008 - Gab. do Min. GUILHERME PALMEIRA - Identificação Plenário RELAÇÃO 14/2008 - Gab. do Min. GUILHERME PALMEIRA - Número Interno do Documento GP014-07/08-P Texto RELAÇÃO Nº 14/2008 - Plenário - TCU Gabinete do Ministro Guilherme Palmeira Relação

Leia mais

O que é orçamento público?

O que é orçamento público? O que é orçamento público? É a previsão de arrecadação de receitas e a fixação de despesas para um período determinado. É computar, avaliar, calcular a previsão da arrecadação de tributos e o gasto de

Leia mais

Barra do Garças Estado de Mato Grosso. O Emenda

Barra do Garças Estado de Mato Grosso. O Emenda Rejeitado por OsZ votos CONTRA e '!J votos AFAVOR. Em sessão de OJ /. d o2 /o2oj lf Barra do Garças Estado de Mato Grosso Ano 2014 Poder Legislativo Municipal Plenário das Protocolo N. 0 798, Liv. 24,

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP REGULAMENTO DA COMISSÃO DE BANCAS DA ESCOLA PAULISTA DE POLÍTICA, ECONOMIA E NEGÓCIOS (EPPEN)/UNIFESP Dispõe sobre as atribuições Comissão de Bancas Examinadoras da EPPEN/UNIFESP, sua composição e condução

Leia mais

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004

COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ. Setembro/2004 COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ DIRETORIA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA - DF GERÊNCIA DE CONTRATAÇÕES E COMPRAS - GCP Setembro/2004 Apresentação do tema Objetivo Exposição de planejamento

Leia mais

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional

A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA. Desenvolvimento de Sistemas de Gestão. Comunicação Institucional A PETROBRAS E A GOVERNANÇA CORPORATIVA Desenvolvimento de Sistemas de Gestão Comunicação Institucional A Petrobras já integra o grupo das grandes companhias que adotam as melhores práticas de governança

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2012-AUDIN Assunto: Formalização legal dos processos de dispensa de licitação

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2012-AUDIN Assunto: Formalização legal dos processos de dispensa de licitação ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2012-AUDIN Assunto: Formalização legal dos processos de dispensa de licitação Belém, 05 de dezembro de 2012. Conforme disposto no art. 2º da Lei nº 8.666/93 as obras, serviços,

Leia mais

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores.

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores. TERMO DE REFERÊNCIA DADOS CADASTRAIS 1-IDENTIFICAÇÃO SOLICITANTE 1.1 Diretoria DR 1.2 Unidade SOR-PB 1.3 Endereço completo da unidade solicitante: AV. Presidente Carlos Luz, 1275 1.5 - Cidade: 1.6 - UF:

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 018/ 2016 DSEI KAYAPÓ-PA A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica

Leia mais

SIAFI2016-DOCUMENTO-CONSULTA-CONNE (NOTA DE EMPENHO) 09/03/16 21:04 DATA EMISSAO : 01Mar16 NUMERO : 2016NE000597

SIAFI2016-DOCUMENTO-CONSULTA-CONNE (NOTA DE EMPENHO) 09/03/16 21:04 DATA EMISSAO : 01Mar16 NUMERO : 2016NE000597 SIAFI2016-DOCUMENTO-CONSULTA-CONNE (NOTA DE EMPENHO) 09/03/16 21:04 DATA EMISSAO : 01Mar16 NUMERO : 2016NE000597 : 050001 - SECRETARIA DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTICA : 05926726/0001-73 - MODULO ENGENHARIA,

Leia mais