Calcular requisitos de potência totais para centros de dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Calcular requisitos de potência totais para centros de dados"

Transcrição

1 Calcular requisitos de potência totais para centros de dados Aplicação Técnica 3 Revisão 1 por Victor Avelar > Sumário Executivo Parte do planeamento e concepção do centro de dados reside nos requisitos de potência e arrefecimento do equipamento de TI com a capacidade de fornecimento do equipamento da infra-estrutura. Esta nota apresenta métodos para cálculo dos requisitos de potência e arrefecimento e proporciona directrizes para a determinação da capacidade de potência eléctrica necessária para suportar o centro de dados, incluindo equipamento de TI, equipamento de arrefecimento, iluminação e alimentação de reserva. Conteúdo clique numa secção para aceder directamente Introdução 2 Avaliação de necessidades 2 Determinar a potência necessária Cálculo da capacidade eléctrica final Conclusões Recursos 12

2 Introdução Com a adopção das arquitecturas UPS escalonáveis pague à medida do crescimento, torna-se cada vez mais fácil instalar estes sistemas. Esta estratégia permite ao gestor do centro de dados adicionar módulos à medida que as necessidades do centro de dados aumentam. No entanto, é fácil perder a noção das futuras necessidades de energia eléctrica do centro ou sala de dados quando as instalações adquirem uma grande dimensão. O dimensionamento das necessidades eléctricas de um centro ou sala de dados requer uma boa compreensão da quantidade de energia necessária para alimentar o sistema de arrefecimento, o sistema UPS e as cargas críticas de TI. Os requisitos de potência destes elementos podem variar substancialmente entre si, mas é possível utilizar algumas regras simples para efectuar estimativas com alguma precisão assim que tiverem sido determinados os requisitos da carga de TI prevista. Para além de permitirem antecipar a dimensão do sistema eléctrico, estes elementos podem ser utilizados para prever a capacidade de potência de saída de um gerador diesel de reserva, caso seja necessário para as cargas do centro de dados. Avaliação de necessidades Recursos APC Aplicação Técnica 75 Comparação de configurações de sistemas UPS Qualquer iniciativa para melhorar as capacidades do ambiente do centro de dados, independentemente da sua dimensão ou escala, deve iniciar-se com uma avaliação de necessidades. Basicamente, a avaliação de necessidades permite definir as necessidades de disponibilidade das aplicações de negócios que são processadas pelo equipamento de TI. Um processo de negócios que não seja sensível ao tempo ou que decorra em função da conclusão de projectos pode ditar que potência e o arrefecimento de ar sejam consideradas para a carga numa configuração N, sem necessidade de redundâncias internas para aumentar a disponibilidade. Locais mais sensíveis às questões do tempo podem requerer um grau de redundância nos principais sistemas de componentes ou seja configurações do tipo N+1. Cada elemento do sistema principal necessita de um componente de equipamento redundante de forma a que na eventualidade de se verificar uma falha numa das unidades, o sistema possa continuar a processar a carga de TI crítica. As aplicações mais importantes do centro de dados que requerem uma disponibilidade total (7 x 24) requerem uma topologia do tipo 2N em que os sistemas críticos devem ser totalmente redundantes. Um sistema crítico pode falhar, mas existe um outro que suporta as cargas operacionais. Este procedimento permite ainda manter um elevado grau de disponibilidade, uma vez que se torna possível efectuar a manutenção de um dos sistemas enquanto o outro suporta a carga. Para obter mais informações relativamente aos diferentes tipos de configurações de sistema, deve consultar a Aplicação Técnica 75 da APC, Comparação de configurações de sistemas UPS. Independentemente da configuração do sistema UPS em causa (N, N+1, 2N), a questão principal relativa ao fornecimento de potência suficiente para a carga crítica e mantê-la refrigerada permanece e deve ser cuidadosamente resolvida. Efectuar uma estimativa da capacidade necessária por defeito pode resultar em falhas de potência futuras, sempre que for necessário aumentar a capacidade, ao passo que se essa estimativa for efectuada por excesso pode conduzir a custos de instalação inicial excessivos e despesas de manutenção permanente superiores. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 2

3 Determinar a potência necessária Recursos APC Aplicação Técnica 43 Dynamic Power Variations in Data Centers and Network Rooms A maioria dos centros de dados fazem parte de um edifício de maior dimensão. Os passos para determinar a capacidade eléctrica, descritos em seguida ajudam a prever a capacidade necessária para a zona do edifício reservada ao centro ou sala de dados. A diferença entre a potência nominal e o pico de potência é importante para o cálculo dos requisitos da capacidade de potência e esse facto é assinalado ao longo desta nota. Para obter mais informações acerca da razão porque se verificam variações de potência, deve consultar a Aplicação Técnica 43 da APC, Dynamic Power Variations in Data Centers and Network Rooms (disponível apenas em inglês). No caso das instalações em que os componentes críticos como ar condicionado, chillers ou geradores de são partilhados e utilizados para alimentar outras cargas para além do centro de dados, a dimensão do sistema requer uma análise mais completa da parte de um engenheiro consultor. Na Figura 1 é apresentado um gráfico ilustrativo de como a capacidade eléctrica é dividida entre as diversas cargas de um centro de dados. Este gráfico representa um centro de dados com uma área total de 465 m2 e uma carga crítica nominal de 50 kw, com possibilidade de expandir a carga a mais 50 kw. Parte-se do princípio que o sistema de arrefecimento é de expansão directa (DX) e a tensão eléctrica é de 480 V ac. Figura 1 Gráfico dos requisitos eléctricos do centro de dados Sistema de refrigeração DX 50% Iluminação 3% Ineficácia da UPS/ carregamento da bateria 11% Cargas cruciais 36% Cargas críticas Um exercício de planeamento adequado para o desenvolvimento de um centro de dados, desde um ambiente com um único bastidor até um centro de dados de grande escala iniciase com o dimensionamento da carga crítica que deve ser protegida. A carga crítica representa todos os componentes do hardware de TI que constituem a arquitectura de negócios de TI: servidores, routers, computadores, dispositivos de armazenamento, equipamento de telecomunicações, etc., bem como os sistemas de segurança, prevenção de incêndio e monitorização que os protegem. Este processo inicia-se com a elaboração de uma lista do tipo de dispositivos, respectivos consumos, tensão de alimentação monofásica ou trifásica e outras especificações dos dispositivos que sirvam para melhor ajustar o valor da carga prevista. As especificações do equipamento referem valores de consumo máximos, ou seja mais elevados que o valor do consumo real segundo o Underwriyter s Laboratory. Os estudos efectuados por empresas consultoras de renome e fabricantes de fontes de alimentação indicam que a capacidade de alimentação especificada pela maioria dos dispositivos de TI excede o valor da carga de funcionamento real em pelo menos 33 %. O NEC (U.S. National Electrical Code) e organizações reguladoras mundiais idênticas reconhecem APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 3

4 igualmente este facto e recomendam aos projectistas eléctricos adicionar dados para cargas previstas e multiplicá-los por um factor de diversidade, antecipando desde logo que nem todos os dispositivos funcionam continuamente com a carga total. Em alternativa, pode ser utilizada um calculador de dimensionamento avançado, semelhante ao que existe no website indicado em seguida. Este tipo de calculador recolhe dados relativos ao consumo de potência divulgados por vários fabricantes e indica diversos tipos de configurações para os equipamentos. UPS Selector Neste site um profissional de TI pode configurar um conjunto representativo de servidores montados em bastidor, com base em componentes de marca. Esta ferramenta é utilizada para somar os requisitos de potência conhecidos de cada um dos componentes de uma determinada configuração de servidor. Por exemplo, quando um utilizador especifica um servidor, deve indicar igualmente a quantidade de CPUs e outros pormenores registados no interior da caixa. Tendo em conta as informações fornecidas pelo utilizador, o selector de UPS calcula a potência total requerida pelo bastidor. (A potência é indicada em volt, amps ou VA.) Também foram incluídos na ferramenta factos importantes acerca da voltagem de entrada prevista e da ficha de ligação utilizadas pelo fabricante. Com a lista de componentes previstos que totalizam a carga crítica, a carga base pode ser determinada com a ajuda de um calculador de dimensionamento. No caso do equipamento de TI não abrangido pelos calculadores, bem como dos requisitos de potência para os sistemas de protecção contra incêndio, segurança e monitorização, deve ser utilizado o seguinte processo: 1. Adicione a potência das cargas previstas. Se a potência não se encontrar registada no dispositivo, esta pode ser determinada através da multiplicação da tensão (amps) pela voltagem do dispositivo de modo a obter o valor VA, o qual se aproxima do número de watts que o dispositivo deve consumir. 2. Multiplique o número VA previsto por 0,67 de modo a calcular a potência real, em watts, que a carga crítica representa. 3. Divida o número obtido por 1000 para determinar o nível de carga em Kilowatt (kw) da carga crítica prevista. Recursos APC Aplicação Técnica 37 Evitar custos de infra-estruturas sobredimensionadas em centros de dados e salas de rede Cargas futuras As cargas dos centros de dados não são estáticas. Uma vez montado ou instalado, o equipamento de TI permanece num estado de alteração quase permanente durante a vida útil do centro de dados. O equipamento de TI é actualizado, no mínimo, de três em três anos e durante esse processo são instalados dispositivos novos, mais potentes ou eficazes que podem funcionar em conjunto ou substituir os dispositivos da lista de planeamento inicial. Deve ser desenvolvida pela empresa de TI uma avaliação realista da amplitude e prazos de alterações futuras, de modo a permitir um planeamento adequado aquando do cálculo inicial dos requisitos de potência. Os elementos a jusante do sistema de alimentação e distribuição podem ser dimensionados ou ajustados de acordo com as cargas conhecidas e previstas (consulte a Aplicação Técnica 37 da APC, Evitar custos de infra-estruturas sobredimensionadas em centros de dados e salas de rede), mas o sistema eléctrico que alimenta os componentes NCPI deve apresentar uma dimensão suficiente para transportar a carga inicial e as cargas futuras, ou devem ser feitos esforços no sentido de instalar uma capacidade adicional sem incorrer nos tempos de paragem excessivos que podem afectar adversamente a disponibilidade prevista pelo cliente de TI. Assim que tiver sido feita uma estimativa do valor da carga futura, esta é adicionada às informações da carga base apresentadas anteriormente de modo a permitir a definição de um valor da carga crítica eléctrica em kw. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 4

5 Cargas do UPS Partindo do princípio que a determinação da disponibilidade na avaliação de necessidades, explicada anteriormente, requer a inclusão de uma fonte UPS (este facto é verdadeiro na maioria dos casos), a potência da carga eléctrica total deve incluir um factor para a ineficácia do sistema UPS, bem como a potência adicional necessária para o carregamento da bateria. A eficácia da UPS varia em função dos modelos dos produtos e o mesmo acontece de forma muito vincada em função da carga da UPS. Apenas muito raramente é que são utilizadas UPS nos pontos operacionais onde a sua eficácia anunciada é realmente comprovada. 88 % é um valor realista e suficientemente preciso para a eficácia de uma UPS numa instalação normal. O carregamento de baterias é um factor de consumo de potência significativo mas intermitente. Durante o funcionamento normal com uma bateria carregada, a carga resultante do carregamento da bateria é insignificante. No entanto, quando a bateria se encontrar parcialmente ou totalmente descarregada, a potência de carregamento da bateria pode atingir os 20 % da taxa de carga da UPS. Apesar deste tipo de carga ocorrer muito raramente, o gerador e a entrada de corrente pública devem ser dimensionadas para este valor. Cargas de iluminação As cargas de iluminação são responsáveis por toda a iluminação da zona do edifício onde se encontra o centro de dados e são uma função da área do centro de dados. Uma boa regra a seguir para este tipo de carga é prever um valor de 2 watts por cada 30 cm2 ou 21,5 watts por metro quadrado. Recursos APC Aplicação Técnica 25 Calcular requisitos de arrefecimento totais para centros de dados Cargas de arrefecimento Consulte a Aplicação Técnica 25 da APC, Calcular requisitos de arrefecimento totais para centros de dados, para uma análise detalhada das cargas de calor nos ambientes dos centros de dados. Na nota foram ainda incluídas tabelas que ajudam a calcular o nível de arrefecimento necessário para o calor gerado pelo equipamento de TI. Permite ainda ao responsável pelo planeamento definir o nível de arrefecimento necessário para suportar uma carga crítica prevista. Os sistemas de arrefecimento variam bastante em termos de eficácia, mas podem ser utilizados em sistemas de expansão directa e de água para arrefecimento. Os sistemas de água para arrefecimento são geralmente mais eficazes e uma boa regra a seguir para o consumo de potência é prever que o sistema requer 70 % do pico de carga total suportada. Os sistemas de expansão directa requerem cerca de 100 % do pico de carga total suportada. Tenha em atenção que as cargas de arrefecimento apresentam picos de carga iniciais que ultrapassam os valores estáveis previstos neste cálculo. A tabela 1 desta nota prevê o requisito de potência eléctrica do sistema de arrefecimento através destas regras. Este procedimento ajuda a definir a dimensão do sistema de distribuição eléctrica necessário para suportar a totalidade do centro de dados. Dimensionamento do sistema eléctrico Foram definidos dois números importantes que ajudam a prever a dimensão do sistema eléctrico responsável pela alimentação do ambiente do centro de dados: a carga crítica total e a capacidade de arrefecimento total. Em termos gerais, a alimentação eléctrica deve apresentar uma dimensão suficiente para suportar a soma destes dois valores, juntamente com as cargas de iluminação directamente relacionadas com o centro de dados. O consumo de potência estável das cargas no interior de um centro de dados permite definir o consumo de potência com o objectivo de definir os custos de electricidade. No entanto, o APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 5

6 sistema eléctrico e as fontes de alimentação do gerador que fornecem energia ao centro de dados não podem ser dimensionadas de acordo com os valores estáveis. Estas fontes devem ser dimensionadas de acordo com o consumo máximo das cargas, contando igualmente com quaisquer intervalos de redução ou sobredimensionamento exigidos pelas práticas ou códigos de engenharia normalizados. Em termos práticos, este procedimento faz com que o dimensionamento do serviço eléctrico e do gerador seja substancialmente mais elevado do que o previsto, tal como é indicado na secção seguinte. Cálculo da capacidade eléctrica final Assim que a capacidade eléctrica total for calculada em Kilowatts através do processo descrito anteriormente, torna-se possível definir duas variáveis cruciais: A primeira é uma estimativa do serviço eléctrico necessário para alimentar o centro de dados e a segunda é a dimensão de qualquer capacidade do gerador de energia de reserva que possa ser necessário para atingir a disponibilidade pretendida. Dimensão do sistema eléctrico O sistema eléctrico pode ser calculado da seguinte forma: 1. Multiplique a capacidade eléctrica total em Kilowatts por 125 % de modo a respeitar os requisitos do National Electrical Code e organizações reguladoras semelhantes. 2. Determine a voltagem CA trifásica da entrada de corrente pública fornecida pela empresa distribuidora. Normalmente este valor é de 480 Volts CA nos Estados Unidos e de 230 Volts CA em outros países. 3. Utilize a seguinte fórmula para determinar a dimensão do sistema eléctrico que deve alimentar o centro de dados, em Amps: Amps = (kw x1000) / (Volts x 1.73) Desta forma é possível conseguir uma estimativa da capacidade do sistema eléctrico necessária para suportar a carga crítica, a arrefecimento e as funções do edifício relativas ao centro de dados. Utilizando os valores da Figura 1, a Figura 2 realça a importante distinção entre taxa (pico) de potência e potência estável através da comparação dos requisitos do sistema eléctrico para ambos. Deve tomar-se em consideração que este valor é apenas uma estimativa e que a definição final da dimensão do sistema se encontra extremamente dependente de informações específicas e precisas sobre o local. Recomenda-se vivamente a contratação dos serviços de um engenheiro consultor profissional e certificado para verificar a estimativa inicial e desenvolver o plano de alimentação eléctrica final do centro de dados. A tabela 1, localizada no final da Aplicação Técnica, pode ser utilizada como uma folha de trabalho que sintetiza todas as informações apresentadas anteriormente. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 6

7 Figura Potência nominal vs. estável do sistema eléctrico para uma carga crítica normal de 100 kw. A taxa do sistema eléctrico é quase 4X superior ao valor da carga crítica estável kw Carga do ar condicionado Carga da UPS Carga crucial Carga do ar condicionado Carga da UPS Carga crucial 0 Taxa do sistema eléctrico Valor estável do sistema eléctrico Carga crucial Carga da iluminação Carga da UPS Carga do ar condicionado Valor estável do sistema eléctrico Dimensionamento dos sistemas com geradores de energia de reserva Assim que a dimensão do sistema eléctrico tiver sido definida, pode começar a pensar-se no dimensionamento de um gerador de energia de reserva adequado, o qual permitirá o fornecimento de energia na eventualidade de uma falha do fornecimento público e o aumento da disponibilidade do centro de dados. Na Figura 3 apresentada em seguida descreve-se a instalação de um gerador normal: Figura 3 Sistema de um gerador normal APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 7

8 A primeira coisa em que se deve reparar no esquema apresentado anteriormente é no pressuposto de que o centro de dados representa a única carga e de que se encontra totalmente protegido por energia de reserva. A alimentação pública pode representar apenas uma parte de um sistema de distribuição eléctrica comercial normal, pelo que este esquema faria parte de um subconjunto de um sistema eléctrico de maior dimensão. Este subconjunto é a parte do centro de dados que alimenta as cargas cruciais de TI. Para calcular a dimensão do gerador utilizado para as cargas cruciais, deve utilizar o cálculo que se encontra na zona inferior da tabela 1. No entanto, é necessário ter em consideração as características eléctricas das cargas atribuídas ao gerador através do comutador de transferência. As cargas mecânicas, por exemplo, requerem tensões de arranque mais elevadas e impõem a utilização de correntes harmónicas que colocam problemas à capacidade de um gerador para fornecer a energia necessária. A própria UPS pode contribuir para este problema caso não utilize um factor de potência de entrada elevada e pode mesmo provocar uma falha do gerador caso obrigue o gerador a utilizar um factor de potência elevado. A selecção de um sistema UPS com características de funcionamento favoráveis à utilização de um gerador fiável requer uma análise extensa que não pode ser efectuada nesta Aplicação Técnica. Torna-se suficiente salientar que a UPS deve ser escolhida cuidadosamente de modo a conseguir-se uma fiabilidade end-to-end. Deve evitar-se a utilização de um sistema UPS que apresente características de acumulação demasiado elevadas em condições de carga baixa. Algumas topologias UPS, como a conversão delta, são perfeitas para sistemas com alimentação de gerador e não dão azo às características de funcionamento indesejáveis dos sistemas convencionais de dupla conversão com condensadores de filtragem à entrada. Apenas esta opção na selecção da UPS já pode influenciar significativamente a dimensão do gerador necessário, normalmente por um factor de 3 (a dimensão do gerador teria de ser 1,75 a 3 vezes superior para uma UPS normal de dupla conversão do que para uma UPS de conversão delta). Tal como acontece no caso da potência do sistema eléctrico, a Figura 4 realça a importante distinção entre taxa (pico) de potência e potência estável através da comparação dos requisitos do gerador eléctrico para ambos. Recursos APC Aplicação Técnica 15 Watts and Volt-Amps: Powerful Confusion Quando seleccionar um gerador, baseie a sua escolha na taxa de kw do gerador, de modo a simplificar a sua escolha, mas tenha em atenção que os geradores foram criados para suportar cargas com um factor de potência inferior a 1,0, que é normalmente 0,8. Quer isto dizer que a tensão e a voltagem podem não respeitar a fase prevista e que o gerador deve ser capaz de lidar com essa diferença. Um gerador de 1000 kw, concebido para cargas com um factor de potência de 0,8, deve apresentar uma taxa de 1200 kva. Não confunda a taxa em kva com a real capacidade de potência do gerador, a qual é sempre expressa em kw. Para obter mais informações acerca do factor de potência, deve consultar a Aplicação Técnica da APC, Watts and Volt-Amps: Powerful Confusion. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 8

9 Figura Rated vs. Steady-State electrical generator power for a typical 100kW critical load. Electrical service rating is over 4X the steady state critical load value kw Carga do ar condicionado Carga da UPS Carga do ar condicionado Carga da UPS 50 Carga crucial Carga crucial 0 Taxa do gerador Gerador estável Carga crucial Carga da UPS Sobredimensionamento devido a cargas cruciais Carga da iluminação Carga do ar condicionado Sobredimensionamento devido a cargas de refrigeração APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 9

10 Tabela 1 Folha de cálculo para previsão dos requisitos de potência do centro de dados Item Dados necessários Cálculo Subtotal em kw Requisito de potência eléctrica Valor do calculador do dimensionamento carga crítica existente no website da APC Taxa nominal de cada dispositivo de TI (Total do calculador em VA x 0,67) / 1000 # 1 kw Para equipamento não incluído no calculador de dimensionamento, carga crítica potência Subtotal em VA (inclui os sistemas de protecção contra incêndio, segurança e monitorização) (Subtotal em VA x 0,67) / 1000 # 2 kw Cargas futuras VA da potência de cada dispositivo de TI previsto [(Adicionar a taxa de VA de dispositivos futuros) x 0,67] / 1000 # 3 kw Potência máxima retirada devido à variação das cargas cruciais Ineficácia da UPS e carregamento da bateria Total de potência retirada pela carga crítica estável Carga real + Cargas futuras (em kw) (# 1 + # 2 + # 3) x 1,05 # 4 kw (# 1 + # 2 + # 3) x 0,32 # 5 kw Iluminação Área total associada ao centro de dados 0,002 x área do chão (cm2) ou 0,0215 x área do chão (m2) # 6 kw Potência total para suportar as exigências eléctricas Total de # 4, # 5 e # 6 # 4 + # 5 + # 6 # 7 kw Requisito de potência - Arrefecimento Potência total para suportar as exigências de arrefecimento Total de # 7 Para sistemas com arrefecedor # 7 x 0,7, Para sistemas DX # 7 x 1,0 # 8 kw Requisitos de potência totais Potência total para suportar as exigências eléctricas e de arrefecimento Total de # 7 e # 8 # 7 + # 8 # 9 kw Dimensão prevista do sistema eléctrico Requisitos para respeitar o NEC e outras entidades reguladoras Total de # 9 # 9 x 1,25 # 10 kw Voltagem CA trifásica na entrada de corrente Voltagem CA # 11 kw Fornecimento eléctrico requerido da empresa distribuidora em Amps Total de # 10 e voltagem CA em # 11 (# 10 x 1000) / (# 11 x 1,73) Amps Dimensão do gerador de reserva previsto (quando aplicável) Cargas cruciais que requerem um gerador de reserva Cargas de arrefecimento que requerem um gerador de reserva Total de # 7 # 7 x 1,3* # 12 kw Total de # 8 # 8 x 1,5 # 13 kw Dimensão do gerador necessário Total de # 12 e # 13 # 12 + # 13 kw *AVISO: A variável 1,3 aplica-se a uma UPS com factor de potência totalmente corrigido. Deve ser utilizado um multiplicador de 3,0 sempre que for usada uma UPS de dupla conversão convencional com filtros de entrada harmónicos. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 10

11 Conclusões Avaliar a potência eléctrica necessária para suportar e refrigerar as cargas cruciais existentes no interior do centro de dados é um factor essencial para o desenvolvimento de uma instalação que responda às expectativas de disponibilidade do utilizador final. Através do processo descrito anteriormente, é possível prever com alguma exactidão quais os requisitos de potência. Desta forma torna-se possível definir a dimensão dos componentes da infraestrutura física crítica de rede que permitem atingir a disponibilidade determinada pela avaliação de necessidades. Assim que a definição do dimensionamento se encontrar concluída, torna-se possível avançar com um planeamento conceptual e pormenorizado que conte com a ajuda de um fornecedor de sistemas NCPI competente ou, no caso de centros de dados de grande dimensão, um engenheiro consultor. A estimativa de custos pode então ser efectuada com base na configuração da dimensão e fiabilidade determinada pelo processo de avaliação de necessidades de potência já mencionado. About the author Victor Avelar is a Senior Research Analyst at APC by Schneider Electric. He is responsible for data center design and operations research, and consults with clients on risk assessment and design practices to optimize the availability and efficiency of their data center environments. Victor holds a Bachelor s degree in Mechanical Engineering from Rensselaer Polytechnic Institute and an MBA from Babson College. He is a member of AFCOM and the American Society for Quality.. APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 11

12 Recursos APC Aplicação Técnica 75 Comparação de configurações de sistemas UPS APC Aplicação Técnica 43 Dynamic Power Variations in Data Centers and Network Rooms Procurar todas as aplicações técnicas da APC whitepapers.apc.com APC Aplicação Técnica 37 Evitar custos de infra-estruturas sobredimensionadas em centros de dados e salas de rede APC Aplicação Técnica 25 Calcular requisitos de arrefeci-mento totais para centros de dados APC Aplicação Técnica 15 Watts and Volt-Amps: Powerful Confusion Procurar todas as aplicações TradeOff Tools daapc tools.apc.com Contacte-nos Para feedback e comentários sobre o conteúdo desta aplicação técnica Data Center Science Center, APC by Schneider Electric Se for um cliente e tiver dúvidas específicas do seu projecto de centro de dados Contacte o representante da APC by Schneider Electric APC by Schneider Electric Aplicação Técnica 3 Revisão 1 12

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Por Victor Avelar Relatório APC N 3 Revisão 1 Resumo executivo Parte do projeto e planejamento de um Data Center consiste em alinhar as necessidades

Leia mais

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Aplicação Técnica 15 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo Executivo Esta nota ajuda a explicar as diferenças entre Watts e VA e explica de que forma os termos

Leia mais

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura

Leia mais

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Aplicação técnica nº 64 Revisão 1 Sumário Executivo As células de e as micro-turbinas são novas tecnologias alternativas

Leia mais

UPS. Unidades de Alimentação Ininterrupta

UPS. Unidades de Alimentação Ininterrupta UPS Uma UPS é um dispositivo que, quando em funcionamento correcto, ajuda a garantir que a alimentação dos equipamentos que estão a ela ligados, não sejam perturbados, fornecendo energia, através de uma

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment Num Centro de Dados típico, apenas 30% da energia consumida se deve aos equipamentos de TI. 35 Sistema de Refrigeração

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados. A melhoria de eficiência como garante de redução de custos

O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados. A melhoria de eficiência como garante de redução de custos 2VDatacenter O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados A melhoria de eficiência como garante de redução de custos All content in this presentation is protected 2008 American Power Conversion Corporation

Leia mais

Alimentação de equipamentos com uma única fonte de alimentação num ambiente de circuitos duplos

Alimentação de equipamentos com uma única fonte de alimentação num ambiente de circuitos duplos Alimentação de equipamentos com uma única fonte de alimentação num ambiente de circuitos duplos Por Victor Avelar Aplicação Técnica nº 62 Sumário Executivo A utilização de uma arquitectura de circuitos

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação White Paper 175 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo A consolidação de um ou mais data centers em um data

Leia mais

Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI

Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI Aplicação técnica 161 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo executivo O software e a instrumentação complicados são necessários

Leia mais

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers

Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers Como o Cabeamento Elevado Economiza Energia em Data Centers White Paper 159 Revisão 0 Por Victor Avelar > Sumário Executivo O posicionamento de cabos de energia e de dados do data center em suportes para

Leia mais

EBS ETAP Central Battery Systems

EBS ETAP Central Battery Systems EBS ETAP Central Battery Systems A gama de EBS da ETAP faculta sistemas de bateria centrais para instalações de iluminação de emergência e os seus diversos produtos podem ser utilizados em grandes e pequenos

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima

6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima 6 Passos para selecionar o nobreak adequado para sua aplicação. Um guia prático para adquirir a melhor fonte de alimentação ininterrupta de máxima qualidade. Introdução Se você tem planos para comprar

Leia mais

Serviço HP SupportPlus

Serviço HP SupportPlus Serviço HP SupportPlus HP Care Pack Services O Serviço HP de SupportPlus é composto por serviços completos de hardware e software que lhe permitem melhorar a disponibilidade da sua infra-estrutura de TI.

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica

Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Universidade Eduardo Mondlane FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento de Engª Mecânica Tema: Dimensionamento de uma instalação combinada de energia solar e eólica Autor: Quintino, Bernardo Supervisor: Dr.

Leia mais

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos

Topologias de UPS estático. apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida e mantida em operação, utilizamos equipamentos 36 Capítulo II Topologias de UPS estático Luis Tossi * Para evitarmos que os distúrbios elétricos de tensão DC, que se altera em nível DC em função de apresentados a seguir cheguem à carga a ser protegida

Leia mais

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos

FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos FICHA TÉCNICA Energia Solar Painéis Fotovoltaicos Nº Pág.s: 6 nº 04 20. Novembro. 2006 Painéis Fotovoltaicos 01 Uma das tecnologias renováveis mais promissoras e recentes de geração de energia eléctrica

Leia mais

Suporte Técnico de Software HP

Suporte Técnico de Software HP Suporte Técnico de Software HP Serviços Tecnológicos HP - Serviços Contratuais Dados técnicos O Suporte Técnico de Software HP fornece serviços completos de suporte de software remoto para produtos de

Leia mais

VANTAGENS DAS CORREIAS TRAPEZOIDAIS DENTADAS SOBRE AS CLÁSSICAS LISAS

VANTAGENS DAS CORREIAS TRAPEZOIDAIS DENTADAS SOBRE AS CLÁSSICAS LISAS VANTAGENS DAS CORREIAS TRAPEZOIDAIS DENTADAS SOBRE AS CLÁSSICAS LISAS 1. Introdução... 1 2. Estudo... 3 2.1 Condições do estudo... 3 2.2 Consumo de energia... 3 2.3 Estudo de degradação da tensão com o

Leia mais

A falha em alguns destes pontos pode resultar num excessivo e desnecessário investimento/despesa

A falha em alguns destes pontos pode resultar num excessivo e desnecessário investimento/despesa Nuno Melo e Castro Segurança Infra-estruturas Hardware e software Políticas de autenticação Protecção dos dados Algoritmos de cifra Sistemas de detecção e prevenção de intrusões Medidas de segurança Devem

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

Diferentes tipos de sistemas No-Break

Diferentes tipos de sistemas No-Break Diferentes tipos de sistemas No-Break Relatório interno N 1 Revisão 6 por Neil Rasmussen > Resumo executivo Há muita confusão no mercado acerca dos diferentes tipos de sistemas NO-BREAK e suas características.

Leia mais

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers White Paper 177 Revisão 1 Por Wendy Torell e Patrick Donovan > Sumário Executivo Ao planejar a consolidação de vários

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia

CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Valorizamos a sua energia CATÁLOGO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Valorizamos a sua energia ÍNDICE AUTOCONSUMO FOTOVOLTAICO AR COMPRIMIDO CORREÇÃO FATOR DE POTÊNCIA DIAGNÓSTICO E AUDITORIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO MONITORIZAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA QUALISTAR MODELO CA 8332

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA QUALISTAR MODELO CA 8332 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA QUALISTAR MODELO CA 8332 Especialmente concebido para serviços de controlo e manutenção de edifícios industriais ou administrativos, o Qualistar CA 8332 permite obter

Leia mais

Critérios para a selecção de um dispositivo diferencial

Critérios para a selecção de um dispositivo diferencial Critérios para a selecção de um dispositivo diferencial Utilização de dispositivos diferenciais com SUNNY BOY, SUNNY MINI CENTRAL e SUNNY TRIPOWER Conteúdo Aquando da instalação de inversores, surgem frequentemente

Leia mais

SMART-UPS VT & GALAXY 3500. Data Center Solutions. Marcio Iamamoto Product Marketing Engineer Schneider Electric IT Business.

SMART-UPS VT & GALAXY 3500. Data Center Solutions. Marcio Iamamoto Product Marketing Engineer Schneider Electric IT Business. SMART-UPS VT & GALAXY 3500 Data Center Solutions Marcio Iamamoto Product Marketing Engineer Schneider Electric IT Business Setembro/2013 Smart-UPS VT & Galaxy 3500 Mais de 11 milhões de unidades vendidas

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação.

Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação. Inovação e Produtividade em Centros de Dados Pedro Magalhães Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação. APC by

Leia mais

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira

Data Center : Conceitos Básicos. Alex Martins de Oliveira Data Center : Conceitos Básicos Alex Martins de Oliveira Conceitos e Projetos Disponibilidade, Confiabilidade e Redundância Planejamento de Espaços Distribuição Elétrica e UPS (Uniterruptable Power Supply)

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos.

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos. EWAD~C série para aplicações COMFORTO Todo o ano de grandes dimensões Aquecimento Ar condicionado Sistemas Hidrónicos Refrigeração EWAD~C- Concebida para exceder os requisitos da indústria HVAC relativamente

Leia mais

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico

Performance Ratio. Conteúdo. Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Performance Ratio Factor de qualidade para o sistema fotovoltaico Conteúdo A Performance Ratio é uma das unidades de medida mais importantes para a avaliação da eficiência de um sistema fotovoltaico. Mais

Leia mais

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são Resumo executivo Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são bem imprecisos em instalações no mundo real. As estimativas de perdas elétricas são feitas normalmente somando

Leia mais

Informação Técnica Derating de temperatura para Sunny Boy e Sunny Tripower

Informação Técnica Derating de temperatura para Sunny Boy e Sunny Tripower Informação Técnica Derating de temperatura para Sunny Boy e Sunny Tripower No caso de derating de temperatura, o inversor reduz a sua potência para proteger os componentes contra sobreaquecimento. Este

Leia mais

UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS

UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS UPS CENTRALIZADA E UPS DISTRIBUÍDA: UMA COMPARAÇ Ã O DELTA POWER SOLUTIONS Introdução Onde quer que seja necessária alimentação contínua de energia elétrica, há uma necessidade de Fontes de Alimentação

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cablagem estruturada Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Abril de 2006 Os problemas Porquê organizar as cablagens? É fácil manter a organização

Leia mais

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA

ILUMINAÇÃO DE SEGURANÇA ILUMINAÇÃO DE CIRCULAÇÃO OU DE EVACUAÇÃO Tem como objectivo permitir a evacuação das pessoas em segurança, garantindo ao longo dos caminhos de evacuação condições de visão e de evacuação adequadas e possibilitar

Leia mais

Identificação e extensão das diferenças entre sistemas de arrefecimento cruciais e ar condicionados vulgares

Identificação e extensão das diferenças entre sistemas de arrefecimento cruciais e ar condicionados vulgares Identificação e extensão das diferenças entre sistemas de arrefecimento cruciais e ar condicionados vulgares Aplicação Técnica nº 56 Revisão 2 Sumário Executivo As actuais salas de tecnologia requerem

Leia mais

Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers

Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers Opções Práticas para Implementação de Equipamentos de TI em Pequenos Data Centers White Paper 174 Revisão 0 por Victor Avelar > Sumário executivo Pequenos data centers são geralmente desorganizados, inseguros,

Leia mais

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra SUNNY CENTRAL Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra 1 Introdução Alguns fabricantes de módulos recomendam ou exigem a ligação à terra negativa ou positiva do gerador fotovoltaico

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

IBM FD Shelter Data Center

IBM FD Shelter Data Center IBM FD Shelter Data Center Site and Facilities Services Fevereiro de 2007 2007 IBM Corporation Data Center IBM FD Shelter Solução chave na mão, desenhada pela IBM, onde estão incluídas as mais avançadas

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial.

O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. O que são controladores elétricos? Dispositivo Electronico que melhora a passagem de corrente electrica no circuito Home ou Empresarial. Ligue o controlador Power Saver na primeira tomada mais próxima

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

Serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2

Serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2 Serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2 Serviços HP Dados técnicos O serviço de instalação e arranque HP para HP Superdome 2 foi concebido para fornecer a instalação no local do servidor

Leia mais

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99 5093/98/PT/final WP 17 Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais Recomendação 1/99 sobre o tratamento invisível e automatizado de dados

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio PLAYBOOK P A R A M U D A N Ç A Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio Durante décadas, os data centers foram sobre provisionados de duas à três vezes em uma tentativa de planejar

Leia mais

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS

SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS #3 SECTOR DA FABRICAÇÃO DE ARTIGOS DE BORRACHA E MATÉRIAS PLÁSTICAS INTERVENÇÕES E CASOS DE SUCESSO Intervenções Durante o período de intervenção do projeto efinerg II, constatou-se que as empresas do

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

KITS DE ENERGIA SOLAR

KITS DE ENERGIA SOLAR KITS DE ENERGIA SOLAR Soluções para autoconsumo Energia Eficiência Inovação Produza a sua própria energia gratuitamente e contribua de forma sustentável SISTEMAS DE AUTOCONSUMO UMA SOLUÇÃO À MEDIDA DE

Leia mais

Transformação do data center do Ministério do Meio Ambiente moderniza infraestrutura e reduz riscos

Transformação do data center do Ministério do Meio Ambiente moderniza infraestrutura e reduz riscos Transformação do data center do Ministério do Meio Ambiente moderniza infraestrutura e reduz riscos Perfil O Ministério do Meio Ambiente (MMA), criado em novembro de 1992, tem como missão promover a adoção

Leia mais

Documentação sobre a Tecnologia RAID

Documentação sobre a Tecnologia RAID Documentação sobre a Tecnologia RAID Enquanto especialista no armazenamento de dados, a LaCie reconhece que quase todos os utilizadores de computadores irão necessitar de uma solução de cópia de segurança

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010

Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA - Termos e Política de Manutenção Em vigor a partir de 1 de Setembro de 2010 A Manutenção do Serviço a Pedido ( On Demand ) da CA consiste numa infra-estrutura de disponibilidade

Leia mais

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco

Bureau Veritas Certification. Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Bureau Veritas Certification Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco Responsabilidade Social, a Internacionalização e a Gestão do Risco A introdução da gestão do risco na ISO

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto TEMA: Distribuição eléctrica na FEUP PROBLEMA: Como é feita a distribuição de energia eléctrica na FEUP ALUNOS: Ana Barros, João Carvalho, Maria Ribeiro,

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DA VITÓRIA EEM/DSP 1 117 MWe Central Térmica da Vitória 1 Descrição Geral A Central Térmica da Vitória entrou em funcionamento em 1979, para fazer

Leia mais

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP

Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Guia completo para o profissional sobre a nova Directiva de etiquetagem energética ErP Sistemas de aquecimento Sistemas industriais Sistemas de refrigeração Directiva ErP A directiva ErP introduz a etiquetagem

Leia mais

TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL

TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL TOTAL IMMERSION PROGRAMA D FUSION CONTRATO DE LICENÇA DE UTILIZADOR FINAL Leia atentamente todos os termos e condições do Contrato de licença (doravante referido como o Contrato ) entre a TOTAL IMMERSION

Leia mais

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP SOLUÇÕES DATA CENTER SOLUÇÕES EFICIENTES - PROJECTOS COMPETITIVOS Na SENSYS todos os esforços estão concentrados num elevado grau de qualidade e especialização. Aliada a vários parceiros tecnológicos,

Leia mais

Exactidão da medição

Exactidão da medição Exactidão da medição Valores energéticos e grau de rendimento dos inversores fotovoltaicos do tipo Sunny Boy e Sunny Mini Central Conteúdo Qualquer operador de um sistema fotovoltaico deseja estar o mais

Leia mais

HP NonStop Server Capacity Planning

HP NonStop Server Capacity Planning HP NonStop Server Capacity Planning Serviços HP Dados técnicos Determinar futuros requisitos de capacidade de hardware para sistemas NonStop de processamento de transações online em constante crescimento

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Sede / Main Office Rua Eng. Frederico Ulrich Apartado 3078 4471907 Moreira Maia Portugal Phone. +351 229 402 000 Fax. +351 229 485 428 e mail: se@efacec.pt web: www.efacec.pt Devido ao contínuo desenvolvimento,

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS

Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por UPS 24 Capítulo VIII Aspectos dos projetos elétricos na alimentação de cargas de missão crítica por or Luis Tossi e José tarosta o capítulo anterior, foram apresentadas as premissas relativas aos indicadores

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

EXCELLUM. Sistema de controlo de iluminação e gestão de energia endereçável DALI. Excellum Network

EXCELLUM. Sistema de controlo de iluminação e gestão de energia endereçável DALI. Excellum Network EXCELLUM Excellum Network DALI Sistema de controlo de iluminação e gestão de energia endereçável O EXCELLUM COMBINA POUPANÇA COM CONFORTO NA ILUMINAÇÃO O Excellum é um sistema de controlo de iluminação

Leia mais

Módulo de Formação III.

Módulo de Formação III. Módulo de Formação III. Processo do CDE do Contracto à poupança garantida Projecto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. CDE Basics II. Processo do CDE da Identificação do Projecto

Leia mais

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração

Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço. Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Escola Naval Mestrado em Segurança da Informação e Direito no Ciberespaço Segurança da informação nas organizações Gestão de Configuração Fernando Correia Capitão-de-fragata EN-AEL 14 de Dezembro de 2013

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA

EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398x-R1 UPS 600-1000-1600VA EM398X-R1 - UPS 600-1000-1600VA 2 PORTUGUÊS Índice 1.0 Introdução... 2 1.1 Funções e funcionalidades... 2 1.2 Conteúdo da embalagem... 3 1.3 Ligar a UPS... 3 2.0 Software

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2

Instalação do Aparelho Virtual Bomgar. Base 3.2 Instalação do Aparelho Virtual Bomgar Base 3.2 Obrigado por utilizar a Bomgar. Na Bomgar, o atendimento ao cliente é prioridade máxima. Ajude-nos a oferecer um excelente serviço. Se tiver algum comentário

Leia mais

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30

ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 ANALISADOR DE QUALIDADE DE ENERGIA MODELO PQM-701 CLASSE A SEGUNDO NORMA 6100-4-30 Suporte redes do tipo: Monofásico; Bifásico, com neutro comum; Trifásico com ligação estrela com e sem neutro Trifásico

Leia mais

Resistência de isolamento (R iso ) de sistemas fotovoltaicos não separados galvanicamente

Resistência de isolamento (R iso ) de sistemas fotovoltaicos não separados galvanicamente Resistência de isolamento (R iso ) de sistemas fotovoltaicos não separados galvanicamente com SUNNY MINI CENTRAL 9000TL/10000TL/11000TL Conteúdo Os sistemas fotovoltaicos com inversores sem transformador

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Relatório APC Nº 161, revisão 1 Neil Rasmussen > Índice Introdução 2 Qual é a meta? 2 > Resumo executivo Medição

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Cabeamento Estruturado

Leia mais

Relatório de Progresso

Relatório de Progresso Luís Filipe Félix Martins Relatório de Progresso Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Preparação para a Dissertação Índice Introdução... 2 Motivação... 2 Cloud Computing (Computação

Leia mais