Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura"

Transcrição

1 Custo Total de Exploração para Centro de Dados e Infraestrutura White Paper #6 Revisão 2

2 Resumo Nesta comunicação é descrito um método melhorado para medir o Custo Total de Exploração (TCO) da infraestrutura física de centro de dados e de redes informáticas e relacionar estes custos a toda a infraestrutura de Tecnologias de Informação, com exemplos. Os factores de custo do TCO são quantificados. Mostra-se que maior factor de custo é o custo desnecessário não absorvido que resulta do sobredimensionamento da infraestrutura. 2

3 Introdução Prever e medir o Custo Total de Exploração (TCO) das insfraestruturas físicas de redes informáticas e centros de dados é necessário para uma análise de Retorno do Investimento e outros processos de tomada de decisões. Além disso, a compreensão dos factores de custos do TCO permite conhecer as oportunidades para controlar custos. Muitos utilizadores surpreendem-se quando verificam que o TCO das infraestruturas pode ser igual ou superior ao TCO do equipamento de TI suportado. Neste documento, será descrito um método para determinar o TCO das infraestruturas físicas dos centros de dados e de redes informáticas. Neste contexto, considera-se infraestruturas físicas todos os equipamentos da instalação necessário para fornecer alimentação de energia, arrefecimento e protecção física de equipamento TI, mas não o próprio equipamento de TI. Não há normas reconhecidas para medir o TCO das infraestruturas físicas dos centros de dados. Métodos simples que fazem a soma dos vários itens de capital e despesas operacionais fornecem conhecimento sobre os desembolsos totais de dinheiro, mas não têm em conta a utilização do equipamento. Considere-se o caso de dois centros de dados, ambos com 100kW de capacidade e construção idêntica; num caso o centro de dados é totalmente utilizado a 100% da sua capacidade de espaço e energia; no outro, o centro de dados tem apenas um rack simples com 2kW de equipamento de Tecnologias de Informação. Enquanto o custo operacional em dinheiro destas duas instalações durante a sua vida é comparável, o retorno útil de tal investimento é totalmente diferente. No caso do equipamento totalmente utilizado, o TCO do centro de dados é dividido por uma grande quantidade de equipamento de Tecnologias de Informação fornecendo serviços úteis. No caso do uso ligeiro, todo o peso dos gastos da infraestrutura física dos centros de dados recai sobre o único rack. Quando o TCO da infraestrutura física de centros de dados ou de redes informáticas é medido do ponto de vista do trabalho útil executado, sobretudo quanto equipamento TI é suportado, a subutilização pode aumentar extraordinariamente o custo. Este documento mostrará que quando o TCO é visto a partir do ponto de vista do trabalho útil executado, o maior factor de custo individual de TCO para infraestrutura física de centro de dados e salas de redes informáticas são os custos gerais não absorvidos da infraestrutura subutilizada. O maior retorno de investimento que o operador ou configurador do centro de dados médio pode fazer em relação à infraestrutura física está no seu correcto dimensionamento e só assim será quantificado o retorno financeiro prático e exequível obtido. Relacionar o TCO com o trabalho executado A maioria das tentativas para quantificar o TCO acaba por expressar o TCO por centro de dados, por metros quadrados de centro de dados ou por kw de centro de dados. Estes medidas não são úteis quando se considera o trabalho útil executado, e são inúteis para o pessoal da Tecnologias de Informação na 3

4 determinação do Retorno do Investimento do projecto. Elas não ajudam em nada numa tentativa individual para determinar o TCO associado com a implantação de uma nova aplicação TI num ambiente de centro de dados ou sala de redes informáticas já existente. Uma medida de infraestrutura física, que é comummente compreendida quer pelo pessoal das instalações quer pelo pessoal das TI, é o próprio rack. Os requisitos de alimentação de energia, arrefecimento e área de um rack estão razoavelmente bem normalizadas a partir do ponto de vista das instalações. O número de equipamentos e funções TI que podem caber num rack estão razoavelmente bem compreendidos a partir do ponto de vista das TI. Isto levou ao conceito de expressar a infraestrutura das instalações em termos de Racks ou Unidades de Rack, que está agora a começar a ganhar grande aceitação.1 Para este fim, o termo rack refere-se a um rack de estrutura aberta ou armário de rack, e também se refere armários de fabricantes tais como computadores de grande porte ou grandes sistemas de discos. A pesquisa mostra que o centro de dados típico é apenas utilizado a 30% da sua capacidade. Enquanto alguns centros de dados são utilizados em 90% ou mais da sua capacidade, outros no mesmo número são utilizados em apenas 10% da sua capacidade. Além disso, a utilização do centro de dados varia durante o seu tempo de vida de acordo com um padrão relativamente consistente. A fracção utilizada e a sua variação com o tempo é um dado importante num modelo TCO. Neste documento é utilizado o modelo típico da Figura 1. Para uma discussão mais completa deste tópico, ver o APC White Paper #37, Como Evitar Custos de Sobredimensionamento de Infraestruturas de Centro de Dados e Sala de Redes. Figura 1 Fracção utilizada da infraestrutura de alimentação de centro de dados durante o tempo De utilização 120% 100% Capacidade de potência instalada 80% 60% Requisitos esperados de potência 40% Requisitos de potência actual 20% 0% Anos a partir da instalação 1 Snevely, R., Enterprise Data Center Design and Methodology, Palo Alto: Prentice Hall PTR, 2002, p

5 Quando o TCO é expresso numa base por rack, o custo total do centro de dados ou sala de redes é distribuído pelos dos racks utilizados. Desta forma, não são criados custos gerais não alocados e os custos associados com a infraestrutura física do centro de dados ou sala de redes podem ser imputados à infraestrutura TI directamente e com maior exactidão. Exemplo típico de TCO Calcular o TCO e exprimi-lo numa base por rack exige uma significativa quantidade da dados, incluindo dados de capital, engenharia, instalação e custos operacionais para os vários elementos da infraestrutura física do centro de dados ou da sala de rede, bem como os parâmetros relativos à concepção tais como metros quadrados por rack, watts por rack, horário de utilização, tempo de vida esperado, opções de redundância, etc. Para os dados apresentados nos pontos subsequentes, os cálculos do TCO foram executados utilizando a aplicação de software APC TCO Calculator, que é desenvolvida e gerida pelo Availability Science Center da APC 2. O TCO Calculator foi definido para usar custos médios para capital, instalação, engenharia e custos operacionais do equipamento. Os resultados apresentados reflectem os valores baseados nas médias da industria e dos locais. Assume-se que os dados de utilização ilustram o perfil da Figura 1. Para determinar os dados TCO para um centro de dados típico, sendo o centro de dados típico definido como sendo o que exibe as seguintes características: Potência nominal: 100KW Densidade de potência: 50W/sq ft Ciclo de vida: 10 anos Potência média rack: 1500W Redundância: 2N Os testes confirmam que a alteração destes parâmetros nos intervalos típicos não afectam materialmente os resultados ou conclusões deste documento. 2 Contactar oavailability Science Center para mais informações na aplicação do TCO Calculator em aplicações específicas 5

6 Resultados O Custo Total de Exploração de um rack num centro de dados é aproximadamente de $120K durante o tempo de vida do centro de dados. Em muitos casos este custo é comparável ao custo do equipamento TI que o rack deverá conter durante o tempo de vida do centro de dados. Aproximadamente metade dos $120K de TCO no tempo de vida por rack é despesa em bens e metade é despesa operacional. Estes custos dividem-se em categorias conforme ilustrado na Figura 2. Figura 2 Divisão de custos TCO por componente num rack típico num centro de dados de alta disponibilidade 2N Equipamento de arrefecimento 8% Racks 3% Improve-ments 8% Espaço 9% Equipamentos de alimentação de energia 36% Assistência 17% Electricidade 19% Uma revisão ao custo TCO por componentes permite obter pistas necessárias ao controlo e redução de custos em diferentes áreas. Oportunidades para controlar o TCO É visível uma variedade de estratégias para controlar o Custo Total de exploração durante a vida do equipamento. Estas incluem melhoria da eficiência, do planeamento, dimensionamento correcto do sistema, negociação de custos, assistência autónoma, etc. Utilizando o calculador TCO é possível examinar os efeitos que os diversos cenários têm no TCO, de modo a identificar os mais promissores para investigar e investir. As poupanças inerentes do TCO por rack para uma centro de dados ou sala de redes informáticas típicas com redundância 2N resultante de uma variedade de cenários podem ser assim resumidas: 6

7 Cenário Compra de equipamento de energia com rendimento eléctrica superior em 2% $ TCO economizado por rack $1, % Redução da energia eléctrica em 1 centimo por KW-Hr $3, % Eliminação do chão falso $4, % Aumento do coeficiente do desempenho do arrefecimento em 100% $5, % Obtenção de espaço sem custos $12, % Obtenção de todos bens de equipamento capital com 50% de desconto do normal Dimensionamento correcto do sistema de acordo com as exigências reais através do tempo $15, % $76, % % de TCO poupado As economias do quadro são por rack; por isso, as economias para centro de dados ou sala de rede de qualquer tamanho podem ser determinadas multiplicando pelo número de racks. De notar que em cada caso são possíveis economias substanciais quando comparado com um típico sistema tradicional, mas a exequibilidade na obtenção dos benefícios é incerta. O dimensionamento correcto do sistema é o que fornece o maior benefício potencial entre os vários cenários acima. Isso deve-se ao efeito de sobredimensionamento acima descrito e resumido na anterior Figura 1. Economias maiores são obtidas por um dimensionamento correcto porque A) uma infraestrutura de centro de dados ou sala de redes que nunca é necessária nunca será implantada, e B) uma infraestrutura de centro de dados ou sala de redes que é necessária nunca é construída até ser necessária. Benefícios práticos de um dimensionamento correcto Uma estratégia de desenvolvimento que possa evitar um sobredimesionamento foi mostrada na ponto anterior oferecendo um potencial de redução do custo da infraestrutura em 60%. A arquitectura de centro de dados ou sala de redes ideal deverá ter um dimensionamento correcto e apenas incorrer nos custos de infraestrutura que são verdadeiramente necessários numa dada altura. Para alcançar as economias de custo teoricamente disponíveis, a arquitectura do centro de dados ou sala de redes ideal apenas deveria ter a infraestrutura de alimentação e arrefecimento necessário no momento; deveria ter apenas o espaço necessário no momento, e apenas deveria incorrer nos custos de serviços da capacidade dos bens da infraestrutura que estará realmente a ser utilizando. Deveria ser totalmente escalonável. Se por um lado uma tal arquitectura ideal não é exequível actualmente por outro, é prático e com cobertura dos custos 7

8 considerar uma abordagem a um desenvolvimento de centro de dados e sala de redes escalonável e modular de modo a obter uma parte significativa de economias de custos possíveis através de um dimensionamento correcto. Com a tecnologia actualmente disponível, muitos componentes de um centro de dados ou salas de redes, tais como UPS, distribuição de alimentação e ar condicionado podem ser desenvolvidos com um método modular e escalonável. Um exemplo dessa arquitectura escalonável é a arquitectura InfraStruXure da APC Corp. Quando tais componentes são implementados no tempo para satisfazer as exigências reais, as economias de custo são realizadas não apenas no próprio equipamento, mas também em contratos de manutenção e electricidade. Há muitos componentes do custo total de um centro de dados que são difíceis de prever no tempo e que tipicamente são contabilizados à cabeça, tais como melhoramento no espaço das instalações, quadros eléctricos e custos de engenharia. Quando a tecnologia modular e escalonável é utilizada até ao máximo actualmente praticável, o TCO Calculator estima que aproximadamente 50% das economias teóricas do dimensionamento correcto podem ser obtidas. Este resultados é ilustrado na Figura 3. Figura 3 Custo de Tempo de Vida por Rack para Três Tipos de Infraestruturas de Centro de Dados e Sala de Redes Custos dos Bens durante o Tempo de Vida Custos Operacionais durante o Tempo de Vida Custos ao longo vida útil (K$) Tradicional Economia de 30% relativamente aos tradicionais Praticamente Escalável Perfeitamente Escalável Tipo de Arquitectura de Infraestrutura As economias no exemplo praticamente escalável na Figura 3 não alcançam o nível teórico ou perfeitamente escalável porque ainda não existe tecnologia escalonável em certos componentes de centros de dados tais como combate a incêndios, espaço das instalações ou quadros eléctricos, capazes de serem desenvolvidas num modo modular e escalonável. Além disso, alguns componentes tais como UPS não podem ser minimamente implementadas para satisfazer com exactidão as exigências de carga, 8

9 mas devem ser implementadas por passos incorporando uma margem de segurança. No entanto, são praticáveis economias muitos significativas no TCO durante o tempo de vida. 65% das economias do exemplo praticamente escalável da Figura 3 referem-se a reduções nos custos de equipamento, e 35% a reduções das despesas operacionais. A exigência de cash-flow é reduzido todos os anos ao utilizar a abordagem escalonável, com as maiores economias no primeiro ano. Mais de 90% do capital é tipicamente gasto no ano 1 quando se usam abordagens de sistema tradicional, no entanto esta é a altura em que a utilização da instalação pode ser mais baixa e o conhecimento relativamente às exigências futuras é menor. Isto pode tornar o investimento difícil de justificar baseado no Retorno do Investimento. As economias obtidas numa situação específica variam baseada em hipóteses e constrangimentos de um projecto específico; para uma estimativa mais exacta o TCO Calculator deverá ser executado com dados específicos do local. Conclusões Apresentar TCO para a infraestrutura física de centro de dados ou sala de redes numa base por rack normaliza a medição do TCO, fornecendo uma métrica que pode ser usada para comparar centros de dados / salas de redes e comparar diferentes abordagens de concepção. Foi descrito uma ferramenta de cálculo e um método de TCO. Esta ferramenta permite a avaliação das estratégias de controlo de custos e pode estimar o TCO para instalações específicas. O TCO por rack ao longo da vida útil num centro de dados de elevada disponibilidade é de aproximadamente $120K. O sobredimensionamento da infraestrutura é o maior contribuinte para este custo e, em média, pode ser alcançada uma economia de 30% com a implementação de técnicas de concepção praticáveis usando uma infraestrutura modular e escalonável para centros de dados. 9

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment

IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment IBM Data Center and Facilities Strategy Services data center energy efficiency assessment Num Centro de Dados típico, apenas 30% da energia consumida se deve aos equipamentos de TI. 35 Sistema de Refrigeração

Leia mais

Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center

Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center Diretrizes para a Especificação da Densidade de Potência do Data Center White Paper 120 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os métodos convencionais para especificar a densidade do data center

Leia mais

Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação.

Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação. Inovação e Produtividade em Centros de Dados Pedro Magalhães Atenção! Atendendo à dimensão da apresentação foram retiradas quase todas as imagens. Por favor contacte o autor para mais informação. APC by

Leia mais

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Aplicação Técnica 15 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo Executivo Esta nota ajuda a explicar as diferenças entre Watts e VA e explica de que forma os termos

Leia mais

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética

Implantação de Data Centers com Eficiência Energética Implantação de Data Centers com Eficiência Energética White Paper 114 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo Os custos de utilização da energia elétrica passaram a ser uma fração crescente do

Leia mais

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são

Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são Resumo executivo Os modelos convencionais para estimar a eficiência elétrica em data centers são bem imprecisos em instalações no mundo real. As estimativas de perdas elétricas são feitas normalmente somando

Leia mais

Implementação de data centers eficientes em termos de energia

Implementação de data centers eficientes em termos de energia Implementação de data centers eficientes em termos de energia Traduzido por Schneider Electric, Critical Power and Cooling Services Division - Brazil Relatório APC No. 114 Resumo executivo Os custos da

Leia mais

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores

Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Variações dinâmicas do consumo de corrente em centros de dados e salas de servidores Por Jim Spitaels Aplicação técnica nº 43 Revisão 2 Sumário executivo Os requisitos de alimentação dos centros de dados

Leia mais

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores

Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Tecnologias de alimentação alternativas para centros de dados e salas de servidores Aplicação técnica nº 64 Revisão 1 Sumário Executivo As células de e as micro-turbinas são novas tecnologias alternativas

Leia mais

Calcular requisitos de potência totais para centros de dados

Calcular requisitos de potência totais para centros de dados Calcular requisitos de potência totais para centros de dados Aplicação Técnica 3 Revisão 1 por Victor Avelar > Sumário Executivo Parte do planeamento e concepção do centro de dados reside nos requisitos

Leia mais

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI

Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI Alocação dos Custos de Energia e de Carbono de Data Centers a Usuários de TI White Paper 161 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo São necessários softwares e instrumentos complicados para medir

Leia mais

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers

Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers Determinando Capacidades de Energia, Refrigeração e Espaço ao Consolidar Data Centers White Paper 177 Revisão 1 Por Wendy Torell e Patrick Donovan > Sumário Executivo Ao planejar a consolidação de vários

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XX Indicadores de Segurança um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação

Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação Preparando a Infraestrutura Física de Data Centers de Recebimento para Consolidação White Paper 175 Revisão 1 Por Neil Rasmussen > Sumário Executivo A consolidação de um ou mais data centers em um data

Leia mais

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor

Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor Refrigeração de data centers completos com sistemas por corredor White Paper 139 Revisão 0 Por Jim VanGilder e Wendy Torell > Sumário Executivo A refrigeração em linha está surgindo como uma solução de

Leia mais

Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI

Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI Alocação de Custos Energéticos do Centro de Dados e Carbono aos Utilizadores de TI Aplicação técnica 161 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo executivo O software e a instrumentação complicados são necessários

Leia mais

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados

Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Cálculo da necessidade total de potência para centros de dados Por Victor Avelar Relatório APC N 3 Revisão 1 Resumo executivo Parte do projeto e planejamento de um Data Center consiste em alinhar as necessidades

Leia mais

Infraestrutura Critica Hospitalar Rumo ao Green Datacenter

Infraestrutura Critica Hospitalar Rumo ao Green Datacenter 11ª Edição Infraestrutura Critica Hospitalar Rumo ao Green Datacenter pedro.magalhaes@apcc.com Infra-estrutura Crítica Hospitalar Alargamento das TI a aplicações médicas Criação de Intranet hospitalar

Leia mais

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers

Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Estratégias de Instalação de Servidores Blade em Data Centers Por Neil Rasmussen Relatório interno N 125 Resumo Executivo Os servidores blade funcionam às densidades de potência mais altas que as capacidades

Leia mais

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva

Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Comparando a eficiência dos sistemas centralizados com a dos sistemas VRV por Luis Roriz e Pedro Alves da Silva Resumo: No presente artigo é feita a comparação dos consumos devidos à climatização dum edifício

Leia mais

A falha em alguns destes pontos pode resultar num excessivo e desnecessário investimento/despesa

A falha em alguns destes pontos pode resultar num excessivo e desnecessário investimento/despesa Nuno Melo e Castro Segurança Infra-estruturas Hardware e software Políticas de autenticação Protecção dos dados Algoritmos de cifra Sistemas de detecção e prevenção de intrusões Medidas de segurança Devem

Leia mais

NCRF 19 Contratos de construção

NCRF 19 Contratos de construção NCRF 19 Contratos de construção Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 11 - Contratos de Construção, adoptada pelo texto original do Regulamento

Leia mais

PROJECTO DE INVESTIMENTO

PROJECTO DE INVESTIMENTO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5.º ANO 1.º SEMESTRE ECONOMIA & GESTÃO 2001/2002 3.º TRABALHO ANÁLISE DE UM PROJECTO

Leia mais

O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados. A melhoria de eficiência como garante de redução de custos

O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados. A melhoria de eficiência como garante de redução de custos 2VDatacenter O Verde e a Virtualização nos Centros de Dados A melhoria de eficiência como garante de redução de custos All content in this presentation is protected 2008 American Power Conversion Corporation

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados

Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados Case Study da Cisco TI Como a Cisco TI virtualizou os Servidores de Aplicações dos Centros de Dados A implementação de servidores virtualizados proporciona economias significativas de custos, diminui a

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS I - Introdução à Contabilidade de Gestão 1.5 REVISÃO DE ALGUNS CONCEITOS FUNDAMENTAIS RECLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Custos Industriais e Custos Não Industriais Custos controláveis e não controláveis Custos

Leia mais

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção.

Edifícios. Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. Edifícios Variação de Velocidade com o PumpDrive. Eficiência em Acção. 2 Vantagens Bombas controladas - planeamento controlado. Com o PumpDrive da KSB. Nos anos mais recentes as exigências profissionais

Leia mais

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso

Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Norma Interpretativa 2 Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso Esta Norma Interpretativa decorre da NCRF 12 - Imparidade de Activos. Sempre que na presente norma existam remissões

Leia mais

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais.

Norma contabilística e de relato financeiro 9. e divulgações apropriadas a aplicar em relação a locações financeiras e operacionais. Norma contabilística e de relato financeiro 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 Locações, adoptada pelo texto original

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento);

(a) Propriedade detida por locatários que seja contabilizada como propriedade de investimento (ver NCRF 11 - Propriedades de Investimento); NCRF 9 Locações Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 17 - Locações, adoptada pelo texto original do Regulamento (CE) n.º 1126/2008 da

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia

Introdução. Projecto EDSF / APF. Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Projecto EDSF / APF Manual de Boas Práticas na Utilização da Energia Introdução O custo de produção de um kwh de energia eléctrica depende da hora a que é produzido, tal variação deve-se ao facto de a

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

Norma Interpretativa 2 (NI2) - Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso.

Norma Interpretativa 2 (NI2) - Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso. Tópicos Valor de Uso NCRF12 - Imparidade de activos Norma Interpretativa 2 (NI2) - Uso de Técnicas de Valor Presente para mensurar o Valor de Uso. 4 - Definições Perda por imparidade: é o excedente da

Leia mais

Monitoramento de data centers

Monitoramento de data centers Monitoramento de data centers Os data centers são hoje um ambiente complexo, com inúmeras variáveis para gerenciar. Os métodos usados pelas empresas são específicos e incapazes de fazer comparações adequadas

Leia mais

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009.

República, 2.ª série, n.º 173, de 7 de setembro de 2009. c) Prestação ou receção de serviços; d) Locações; e) Transferências de pesquisa e desenvolvimento; f) Transferências segundo acordos de licenças; g) Transferências segundo acordos financeiros (incluindo

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

ARMÁRIOS PARA SERVIDORES E DE REDE ARMÁRIOS PARTICIONADOS COM SECÇÕES INDEPENDENTES SALAS E CORREDORES FECHADOS DATA CENTER OLIVETEL SA

ARMÁRIOS PARA SERVIDORES E DE REDE ARMÁRIOS PARTICIONADOS COM SECÇÕES INDEPENDENTES SALAS E CORREDORES FECHADOS DATA CENTER OLIVETEL SA ARMÁRIOS PARA SERVIDORES E DE REDE ARMÁRIOS PARTICIONADOS COM SECÇÕES INDEPENDENTES SALAS E CORREDORES FECHADOS DATA CENTER ÍNDICE Contents Informação geral, normas e conformidade CE 1 Apresentação 1 Normas

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

Formação em informática aplicada à agricultura

Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura A G R O G E S T Ã O - M ó d u l o d e C o n t r o l o d e G e s t ã o 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio

PLAYBOOK. Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio PLAYBOOK P A R A M U D A N Ç A Criando uma Infraestrutura de TI que se Adapta ao Seu Negócio Durante décadas, os data centers foram sobre provisionados de duas à três vezes em uma tentativa de planejar

Leia mais

2. Esta Norma se aplica a todas as entidades do setor público exceto às Empresas Estatais.

2. Esta Norma se aplica a todas as entidades do setor público exceto às Empresas Estatais. NBC TSP 11 - Contratos de Construção Alcance 1. Uma construtora que elabora e divulga demonstrações contábeis sob o regime contábil de competência deve aplicar esta Norma na contabilização de contratos

Leia mais

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI

Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Alocação de custos de energia e de emissões de carbono de data centers a usuários de TI Relatório APC Nº 161, revisão 1 Neil Rasmussen > Índice Introdução 2 Qual é a meta? 2 > Resumo executivo Medição

Leia mais

Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers

Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers Gerenciamento da alimentação elétrica e de refrigeração para data centers Relatório 150 Revisão 1 Neil Rasmussen > Resumo executivo Equipamentos de TI de alta densidade exigem maior capacidade de densidade

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização

Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Algumas Noções sobre Desconto e Capitalização Introdução O desconto é um dos mais importantes, e também dos mais difíceis, conceitos em economia. Através das taxas de juro, as questões do desconto atravessam

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

Abr. Mai. Mar. separata. Projecto. Empresa UNIÃO EUROPEIA. Fundo Social Europeu

Abr. Mai. Mar. separata. Projecto. Empresa UNIÃO EUROPEIA. Fundo Social Europeu 106 Abr. Mai. Mar. 09 Projecto Empresa UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Abr. Mai. Jun. 2009 Projecto Empresa Por: J. M. Marques Apolinário - Economista; Membro do Conselho Editorial da Dirigir Hoje

Leia mais

IBM FD Shelter Data Center

IBM FD Shelter Data Center IBM FD Shelter Data Center Site and Facilities Services Fevereiro de 2007 2007 IBM Corporation Data Center IBM FD Shelter Solução chave na mão, desenhada pela IBM, onde estão incluídas as mais avançadas

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 20 RÉDITO Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 18 Rédito, adoptada pelo Regulamento (CE)

Leia mais

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA DECISÃO DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS Alexandra Cardoso 1 OS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA DECISÃO DE FINANCIAMENTO DOS INVESTIMENTOS O CUSTO MÉDIO PONDERADO

Leia mais

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010

Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação. Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Gestão Inteligente e Individualizada da Iluminação Apresentação. SmartLi v1.01 Janeiro de 2010 Percentagens a determinar para cada ponto de luz Visualizar filme em: www.smartli.net Introdução O sistema

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

Maio. Soluções para Centro de Dados Rexel Solutions

Maio. Soluções para Centro de Dados Rexel Solutions Maio Rexel Solutions 2 Indíce 1_Centro de Dados 2_Conceitos 3_Soluções para CD 4_Segurança dos CD 5_A nossa Missão 6_Proximidade com o Cliente 7_Marcas 8_ExpoRexel - Fabricantes 1_Centro de Dados 3 O coração

Leia mais

Aplicações eficientes com motores eléctricos de Elevado Rendimento

Aplicações eficientes com motores eléctricos de Elevado Rendimento Colégio de Engenharia Geológica e de Minas LISBOA 23-03-2011 0 Aplicações eficientes com motores eléctricos de Elevado Rendimento Carlos Ribeiro da Costa Gestor de Projectos carloscosta@weg.net Tel: 229

Leia mais

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS

UFCD 8 Controlo e armazenagem de mercadorias Carga horária 50 horas ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS ARMAZENAGEM DAS MERCADORIAS O que é a armazenagem? A armazenagem é constituída por um conjunto de funções: - de recepção, - descarga, - carregamento, matérias-primas, - arrumação produtos acabados ou semi-acabados

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS

DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS DIRETRIZES PARA ANÁLISES ECONÔMICAS E FINANCEIRAS DE PROJETOS PO-10/2013 Unidade Responsável: PMO Ponto Focal OBJETIVO: Essas diretrizes visam ajudar a equipe e consultores do Funbio a responder às questões

Leia mais

1 Cisco Roadshow 2010. Eficiência Energética no Data Center

1 Cisco Roadshow 2010. Eficiência Energética no Data Center 1 Cisco Roadshow 2010 Maio.2010 EFICIÊNCIA Cisco Roadshow 2010 - Porto 2 Cisco Roadshow 2010 AGENDA 1. Análise do Contexto Actual 2. Abordagem Next Generation DataCenter Facilities 3. Casos de Estudo 4.

Leia mais

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent

Âmbito dos serviços de controlo de saúde da Compellent Descrição do serviço Controlo de Saúde de SAN Dell Compellent Visão geral do serviço A presente Descrição do Serviço ( Descrição do Serviço ) é celebrada entre si, o cliente ( você ou Cliente ), e a entidade

Leia mais

A Virtualização A virtualização e a Infra-estrutura em Cloud Computing Rumo ao Green Datacenter. pedro.magalhaes@schneider-electric.

A Virtualização A virtualização e a Infra-estrutura em Cloud Computing Rumo ao Green Datacenter. pedro.magalhaes@schneider-electric. A Virtualização A virtualização e a Infra-estrutura em Cloud Computing Rumo ao Green Datacenter pedro.magalhaes@schneider-electric.com A Virtualização Virtualização - Simples e Elegante SERVIDORES TRADICIONAIS

Leia mais

Sistema de UPS trifásico MODULYS Green Power de 20 a 240 KVA uma solução UPS modular e expansível para os mais recentes centros de dados

Sistema de UPS trifásico MODULYS Green Power de 20 a 240 KVA uma solução UPS modular e expansível para os mais recentes centros de dados uma solução UPS modular e expansível para os mais recentes centros de dados A tecnologia de informação é um estrato invisível que está a influenciar cada vez mais todos os aspectos das nossas vidas e negócios.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais

Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Gerenciamento de Projetos Técnicas e Ferramentas iniciais Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Fontes PMBOK, 2004. Project

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Infra-estrutura para Data Centres

Infra-estrutura para Data Centres Infra-estrutura para Data Centres Planejando Data Centres de Alto Desempenho. Eng. Eletricista José Luiz De Martini Consultor especializado no planejamento e desenvolvimento de soluções de infra-estrutura

Leia mais

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP

SOLUÇÕES DATA CENTER GROUP SOLUÇÕES DATA CENTER SOLUÇÕES EFICIENTES - PROJECTOS COMPETITIVOS Na SENSYS todos os esforços estão concentrados num elevado grau de qualidade e especialização. Aliada a vários parceiros tecnológicos,

Leia mais

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA

Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA Opções de Alimentação do Rack para Configurações de Alta Densidade em Países de 230 VCA White Paper 28 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Sumário Executivo As alternativas para fornecer energia elétrica para

Leia mais

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados

Definições (parágrafo 9) 9 Os termos que se seguem são usados nesta Norma com os significados Norma contabilística e de relato financeiro 14 Concentrações de actividades empresariais Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Relato Financeiro IFRS 3

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos

Leia mais

Gestão da Produção Planeamento

Gestão da Produção Planeamento Planeamento José Cruz Filipe IST / ISCTE / EGP JCFilipe Abril 2006 1 Tópicos O ciclo geral de planeamento O planeamento agregado O Director da Produção (PDP ou MPS) O Materials Requirement Planning (MRP)

Leia mais

15 de Junho a 7 de Julho Lisboa MOTIVAÇÃO Conhecer a informação que utilizamos diariamente, os seus processos de gestão e procedimentos directamente com ela associados, constituem formas de melhor compreendermos

Leia mais

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2

Sumário. Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões. Testes de Software 2 Testes de Software Sumário Objectivos Técnicas Casos Notáveis Exemplo Conclusões Testes de Software 2 Objectivos Verificação o programa está de acordo com a especificação (construímos bem o produto?) Validação

Leia mais

LNET-SURVEY SITE SURVEY-WIRELESS

LNET-SURVEY SITE SURVEY-WIRELESS LNET-SURVEY SITE SURVEY-WIRELESS INTRODUÇÃO: O Site Survey é uma metodologia aplicada para inspeção técnica e minuciosa do local que será objeto da instalação de uma nova infra-estrutura de rede, na avaliação

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro adopta a Recomendação da Comissão Europeia de 30 de Maio de 2001 respeitante ao reconhecimento,

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS. Objectivo ( 1) 1 Âmbito ( 2 a 8) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 14 CONCENTRAÇÕES DE ACTIVIDADES EMPRESARIAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IFRS 3 Concentrações

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento

NCRF 25 Impostos sobre o rendimento NCRF 25 Impostos sobre o rendimento Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 12 - Impostos sobre o Rendimento, adoptada pelo texto original

Leia mais

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life

Consultadoria e Serviços Energéticos, lda ENERGIA PARA A VIDA. Energy for life ENERGIA PARA A VIDA Energy for life A GREEN SOLUTIONS A ambição de uma empresa não se reflecte nos seus feitos individuais, mas antes na realização de projectos marcantes para sua indústria. O reconhecimento

Leia mais

IDC Business Continuity & Storage. O Impacto da Infra-estrutura na disponibilidade de uma solução de Business Continuity

IDC Business Continuity & Storage. O Impacto da Infra-estrutura na disponibilidade de uma solução de Business Continuity IDC Business Continuity & Storage O Impacto da Infra-estrutura na disponibilidade de uma solução de Business Continuity 1 APC Onde se integra num Plano de Continuidade de Operações Foco da APC PCO (Plano

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI

Gestão. e Organização Industrial. Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial Ficha Técnica PRONACI Ficha Técnica PRONACI Gestão e Organização Industrial João Augusto de Sousa Bastos PRONACI - Programa Nacional de Formação de Chefias Intermédias AEP

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais