Incurável. Celso Rennó Lima

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Incurável. Celso Rennó Lima"

Transcrição

1 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo e percepção coincidam. Ponto de opacidade e de silêncio, nos diz Lacan, que indica o lugar onde poderá se edificar a determinação significante capaz de escrever o fenômeno sintomático, na esperança de se curar a diferença que se instala na contingência deste primeiro encontro. O sintoma é o sinal de que alguma coisa não anda, pois há uma dessemelhança definida como incurável, que se coloca como uma pedra no caminho do sujeito e se explicita no fato de que homens e mulheres estão privados do elemento que poderia propiciar a escritura da relação sexual. É o incurável que promove o sintoma como única possibilidade de fazer laço, ao mesmo tempo em que permite uma leitura, uma vez que ele participa de uma escritura, função da letra. O sintoma é uma verdade mentirosa sobre este incurável, sobre a relação sexual que não existe. É por isso que Lacan pode dizer que é o sintoma que nós colocamos neste lugar da impossibilidade da relação sexual, constitui-se, talvez, no único Outro que existe.

2 2 Há, portanto, um incurável sobre o qual o sintoma se apóia e vai construir seu envelope formal. Incurável que se instala no ponto em que a presença do singular, do recusado e recalcado pelo sujeito vai se manifestar sob a forma de um mal-estar, presença de um excesso que não foi absorvido no processo de identificação, como disse Freud. É este processo de busca de uma identidade entre o que se deseja e o que se encontra que foi definido como pulsão. Em outras palavras a pulsão é o que se apresenta com seu caráter incurável, rebelde e refratário ao laço social, convocando o sintoma como uma forma de inscrever, de fazer coincidir o que insiste como marcas da singularidade do sujeito e de suas fixações. O sintoma, assim como a cena da fantasia, nada mais é do que envelope da pulsão, modalidades de seu exercício, formas que o sujeito busca para apreender um objeto, no campo do Outro, que lhe sirva de parceiro. Este objeto pequeno a, se define a partir dos orifícios do corpo e marcam o ponto por onde o sentido não se deixa apreender nas malhas do discurso. É o pequeno a que apresenta o incurável em torno do qual a pulsão faz seu circuito desenhando uma escritura que situa a repetição do sintoma.

3 3 Lacan nos diz que O Outro é uma matriz com duas entradas 1. O objeto pequeno a constitui uma destas entradas. E a outra é o Um do significante. Desfazer a presença deste Outro é fundamental para que o sujeito possa se livrar das diretrizes que determinam a fixação do circuito pulsional e o faz mola da repetição sintomática. O sintoma, por comportar um efeito de sentido, sofre a ação da interpretação. O seu valor de gozo é antinômico ao sentido, só se deixando apreender pelo equívoco, dai se deduz a função da letra. A redução do sintoma à letra é uma forma de renovar o estatuto do simbólico, resumindo a pulsão à função de furo. Por isso, a interpretação do analista pode apontar o incurável e esclarecer o circuito que delimita o objeto velado pela interpretação que o inconsciente fez do encontro traumático com o Outro sexo. Este objeto, desde o congelamento do sentido na fantasia, passa a ser uma constante, nos dizendo de um ponto de incurável denunciado na atividade pulsional. Ora, a pulsão é sua força real ao mesmo tempo em que denuncia o limite do sintoma à ação do simbólico. O resto que escapa, foge, retorna sob a forma de malestar e relança o vetor pulsional sempre na direção determinada pelo imperativo do supereu. Desfazer este circuito, devolvendo ao 1 Lacan, J. RSI, Lição de 21/01/1975. Inédito

4 4 objeto sua característica de ser qualquer um, mobilizando o seu valor de gozo é um dos objetivos de uma análise. Neste seu objetivo, a estratégia da qual se utiliza a psicanálise consiste em oferecer, a quem a busca como solução, a possibilidade de que esta cena se repita na transferência ao instalar, no ponto de não saber, um sujeito suposto saber da significação de seu sofrimento. Esta estratégia se utiliza do fato de que o inconsciente ex-siste e sua e-xistência ex-sistência se sustenta, exatamente no fato da inexistência da relação sexual e que a sexualidade só se representa no inconsciente pela pulsão. Utilizando-se do objeto pequeno a enquanto agalma podese ter entrada ao Outro, fazendo possível a construção desta cena fundamental, a partir mesmo da determinação de uma constante através da qual o sujeito se relacione ao real do gozo. Balizada por esta construção, uma interpretação pode operar separando S1 do S2 e criar um intervalo deixando transparecer a dessemelhança entre o que se chamou de A Coisa e o seu atributo. Este é o momento em que acontece a produção de um significante que pode indexar a falta, um nome que estabelece novos rumos e fazendo intervir a letra como borda do real. O amor, resposta ao real da não relação sexual, sustenta o trabalho da transferência nesta relação ao Outro do saber, e se esvazia pela ação da interpretação que desfaz o mistério da diferença sexual. Este é o momento em que se abre, para cada

5 5 sujeito, uma nova relação ao saber a partir do consentimento com seu modo próprio de gozo. Esta passagem estabelece uma nova aliança com a pulsão. Nova aliança que só pode acontecer pela revitalização da marca do Nome próprio propiciando um saber aí fazer com o sintoma, uma das fórmulas possíveis da liberdade. Assim o incurável, o resto que persiste passa, após o trabalho que leva ao consentimento com o inconsciente, do maisde-gozar ao estatuto de causa. Desta forma o desencontro entre esses dois investimentos, como nos diz Freud, podem se colocar numa posição de trabalho para que a coincidência entre ambas produza uma nova aliança pulsional. Ou seja, uma aliança onde o resto não se apaga nem se cura, mas persiste como vivificação do objeto-resto não mortificado pela palavra.

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003

Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003 Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003 Perguntas e respostas Sara Perola Fux * Sabemos que toda pergunta já contém em si mesma a resposta. Então, se deduz que a resposta antecede à pergunta é esta a

Leia mais

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 : uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Introdução Nesse trabalho, proponho-me a falar

Leia mais

O real escapou da natureza

O real escapou da natureza Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 Sandra Arruda Grostein O objetivo deste texto é problematizar a proposta feita por J.-A. Miller de que o real emancipado da natureza

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 1 Paola Salinas Este texto visa clarear algumas indagações a respeito do fenômeno psicossomático a partir da noção de sinthome

Leia mais

A devastação: uma singularidade feminina

A devastação: uma singularidade feminina Devastação ISSN 0101-4838 469 A devastação: uma singularidade feminina Malvine Zalcberg* RESUMO Lacan empregou o termo devastação em dois momentos de seu ensino para se referir: seja à relação da filha

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 A clínica do sintoma em Freud e em Lacan Ângela Batista * O sintoma é um conceito que nos remete à clínica, assim como ao nascimento da psicanálise. Freud o investiga

Leia mais

UM PARA ALÉM DA HISTERIA

UM PARA ALÉM DA HISTERIA ANOREXIA - UM PARA ALÉM DA HISTERIA Celso Rennó Lima A clinica sempre nos coloca novas questões, ao mesmo tempo em que re-atualiza antigas. É neste movimento que nos vemos, nesta jornada, a trabalhar em

Leia mais

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos diferentes daquele no qual ela foi originalmente pensada,

Leia mais

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista?

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista? Entrevista com Taciana Mafra Taciana de Melo Mafra - Psicanalista, membro fundadora do Toro de Psicanálise em Maceió, editora da Revista Antígona, autora dos livros Um Percurso em Psicanálise com Lacan,

Leia mais

O real no tratamento analítico. Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado

O real no tratamento analítico. Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado O real no tratamento analítico Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado Aula de 23 de novembro de 2009 Como conceber o gozo? Gozo: popularmente, é traduzido por: posse, usufruto, prazer,

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais

Famílias sintomáticas

Famílias sintomáticas Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 1 Fabian Fajnwaks O desejo de formar família encontrou uma espécie de interpretação na resposta recente de nossos governantes:

Leia mais

Palavras-chave: Sintoma, fantasia, Nome-do-Pai, sinthoma, parceiro_sinthoma.

Palavras-chave: Sintoma, fantasia, Nome-do-Pai, sinthoma, parceiro_sinthoma. Título: Da solução do sintoma ao sinthoma como solução Autor: Leandro Marques Santos Formado no Curso de Psicanálise pelo Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, Psicanalista, Pós-graduado

Leia mais

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD Mariana Rocha Lima Sonia Leite Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de Pós Graduação em Psicanálise da UERJ, cujo objetivo

Leia mais

Violência e corpo: psicopatologia da atualidade

Violência e corpo: psicopatologia da atualidade Violência e corpo: psicopatologia da atualidade Antonio Alexandre Iorio Ferreira alexandre@cesartpai.com Coordenador do Curso de Psicologia e Professor titular da Faculdade de Tecnologia Intensiva, onde

Leia mais

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA?

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? Maurício Eugênio Maliska Estamos em Paris, novembro de 1968, Lacan está para começar seu décimo sexto seminário. Momento

Leia mais

ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE. Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na

ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE. Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE Ingrid de Figueiredo Ventura Roseane Freitas Nicolau Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na universidade.

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL.

Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL. Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL. A insensatez do sintoma: os corpos e as normas será o tema de trabalho da Seção Clínica do Instituto, neste semestre. Sua escolha se

Leia mais

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito O AMOR NA PSICOSE Nancy Greca de Oliveira Carneiro 1 A doutrina da foraclusão generalizada faz ver que há para o sujeito, e não apenas para o psicótico, um objeto indizível, o que estende a foraclusão

Leia mais

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 (Pontuações do livro de Collete Soler A Psicanálise na Civilização ) Sonia Coelho 2 Lendo essa afirmativa Os trabalhos artísticos não são produtos

Leia mais

OS DIFERENTES MANEJOS DA TRANSFERÊNCIA

OS DIFERENTES MANEJOS DA TRANSFERÊNCIA OS DIFERENTES MANEJOS DA TRANSFERÊNCIA Célia Gillio; Denise Leite; Elsa Góis; Elzira Uyeno; Felipe Marchiori; Patrícia Furlan;Renato Chiavassa. Tutora: Claudia Riolfi. Sombra: Maria Helena Barbosa Introdução

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa

Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa Só nos círculos psicanalíticos se debate com calma

Leia mais

SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA

SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA SIGNOS DE PERCEPÇÃO, RESTOS INDIZÍVEIS E MEMÓRIA: A FANTASIA E A ELABORAÇÃO NA EXPERIÊNCIA CLÍNICA Francisco Ramos de Farias 1 Acerca da noção de fantasia A fantasia, os signos de percepção e a memória

Leia mais

O sintoma da criança: produção. desejo e de gozo 1

O sintoma da criança: produção. desejo e de gozo 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 20 julho 2016 ISSN 2177-2673 compósita de desejo e de gozo 1 Júlio Eduardo de Castro & Marina Gabriela Silveira Na Nota sobre a criança 2 Lacan formula, por

Leia mais

O MANEJO DA ANGÚSTIA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA. algo árduo, doloroso, angustiante? Isto se torna paradoxal se considerarmos que as

O MANEJO DA ANGÚSTIA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA. algo árduo, doloroso, angustiante? Isto se torna paradoxal se considerarmos que as O MANEJO DA ANGÚSTIA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA Sentir o que o sujeito pode suportar de angústia os põe [os analistas] à prova a todo instante. (J. Lacan) Quantos de nós já ouvimos falar ou mesmo já dissemos

Leia mais

O gozo: meu bem, meu mal*

O gozo: meu bem, meu mal* O gozo: meu bem, meu mal* Resumo Eny Lima Iglesias** A autora enfatiza o mais-gozar que decorre do excesso de tensão que não é descarregada indicando processos de transgressão de limites que tocam o sofrimento

Leia mais

Delma Maria Fonseca Gonçalves A fantasia precursora dos sintomas

Delma Maria Fonseca Gonçalves A fantasia precursora dos sintomas Delma Maria Fonseca Gonçalves A fantasia precursora dos sintomas A escuta dos histéricos ensinou a Freud que a fantasia podia ser precursora da formação dos sintomas. Esta vertente nos remete a uma dimensão

Leia mais

Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006

Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006 Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006 A ex-sistência do real, a diferença sexual e a dissimetria dos gozos * Tania Coelho dos Santos Márcia Zucchi ** A ascensão do mais de gozar ao lugar dominante na

Leia mais

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD Recorreremos ao texto freudiano: Sobre o narcisismo: uma introdução

Leia mais

A ESCRAVIDÃO. O DISCURSO DA LIBERDADE É MÍTICO

A ESCRAVIDÃO. O DISCURSO DA LIBERDADE É MÍTICO A ESCRAVIDÃO. O DISCURSO DA LIBERDADE É MÍTICO Rachel Rangel Bastos 1 Pretendemos aqui discutir a questão da dominação e servidão, independência e dependência, como noções que vinculam o desejo ao desejo

Leia mais

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS

MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS MÃES QUE SE SEPARAM DE SEUS FILHOS Em primeiro lugar, chamaria a atenção para um fenômeno muito importante e que começa a ser mais conhecido: a persistência até o fim do século XVII do infanticídio tolerado.

Leia mais

O SINTOMA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA: ADVERSÁRIO OU ALIADO? seguintes perguntas: qual a função do sintoma no psiquismo?

O SINTOMA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA: ADVERSÁRIO OU ALIADO? seguintes perguntas: qual a função do sintoma no psiquismo? O SINTOMA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA: ADVERSÁRIO OU ALIADO? Flávia Lana Garcia de Oliveira As questões que pretendo desenvolver neste trabalho são suscitadas pelas seguintes perguntas: qual a função do sintoma

Leia mais

Interpretação: arte poética com alíngua

Interpretação: arte poética com alíngua Interpretação: arte poética com alíngua Andréa Hortélio Fernandes A interpretação na psicanálise convoca certa arte poética, tanto do analisando como do analista, para lidar com o que do inconsciente insiste

Leia mais

Repetição, com Estilo 1.

Repetição, com Estilo 1. O artista é aquele que saiu da trincheira e não cedeu quanto à sua marca diferencial. (Jorge Forbes) Repetição, com Estilo 1. Repetição e o Artista Raymond Queneau, escritor francês, contemporâneo de Lacan,

Leia mais

O Complexo de Édipo e de Electra

O Complexo de Édipo e de Electra O Complexo de Édipo e de Electra 12ºC BÁRBARA Nº4 MARTA Nº16 RAQUEL Nº20 O complexo de Édipo e de Electra, foi o tema escolhido por nós, porque foi aquele com o qual mais nos identificámos, uma vez que

Leia mais

O CARTEL FAZ ESCOLA. Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em

O CARTEL FAZ ESCOLA. Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em O CARTEL FAZ ESCOLA Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em torno do Cartel, org. por Barbara Guatimosin), Rithé Cevasco coloca a seguinte questão: saberemos fazer uso

Leia mais

O CASO CLÍNICO E A CONSTRUÇÃO DA TEORIA EM PSICANÁLISE: UMA ARTICULAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL

O CASO CLÍNICO E A CONSTRUÇÃO DA TEORIA EM PSICANÁLISE: UMA ARTICULAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL O CASO CLÍNICO E A CONSTRUÇÃO DA TEORIA EM PSICANÁLISE: UMA ARTICULAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE MENTAL Emilie Fonteles Boesmans Jonas Torres Medeiros Lia Carneiro Silveira Introdução Neste trabalho, apresentaremos

Leia mais

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições

Sexualidade na infância. Suas etapas e definições Sexualidade na infância Suas etapas e definições Os estudos na área da sexualidade humana desenvolvidos por Sigmund Freud, evidenciam a necessidade de compreensão das diversas fases da construção da sexualidade

Leia mais

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica

Leia mais

AMOR DE TRANSFERÊNCIA E A QUESTÃO DA CURA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA

AMOR DE TRANSFERÊNCIA E A QUESTÃO DA CURA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA AMOR DE TRANSFERÊNCIA E A QUESTÃO DA CURA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA (2006) Virgínia Ferreira Universidade Católica de Petróplois UCP (Brasil) Contactos: virginia-ferreira@uol.com.br RESUMO O presente artigo

Leia mais

Escola Secundária de Carregal do Sal

Escola Secundária de Carregal do Sal Escola Secundária de Carregal do Sal Área de Projecto 2006\2007 Sigmund Freud 1 2 Sigmund Freud 1856-----------------Nasceu em Freiberg 1881-----------------Licenciatura em Medicina 1885-----------------Estuda

Leia mais

O SINTOMA NO CONTEMPORÂNEO: ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS E POLÍTICOS. Em um trabalho muito difundido sobre o mal-estar contemporâneo, Joel Birman

O SINTOMA NO CONTEMPORÂNEO: ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS E POLÍTICOS. Em um trabalho muito difundido sobre o mal-estar contemporâneo, Joel Birman O SINTOMA NO CONTEMPORÂNEO: ASPECTOS EPISTEMOLÓGICOS E POLÍTICOS Rafael R. Gonçalves Em um trabalho muito difundido sobre o mal-estar contemporâneo, Joel Birman (2009) nos mostra alguns momentos da teorização

Leia mais

Devastação, o que há de novo?

Devastação, o que há de novo? Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 21 novembro 2016 ISSN 2177-2673 Maria Luiza Rangel A devastação (ravage) aparece tardiamente em Lacan. No escrito O Aturdito 1 de 1973, ela é articulada à

Leia mais

Revista da Ato Escola de psicanálise Belo Horizonte Angústia Ano I n. 0 pp ISSN:

Revista da Ato Escola de psicanálise Belo Horizonte Angústia Ano I n. 0 pp ISSN: Revista da Ato Escola de psicanálise Belo Horizonte Angústia Ano I n. 0 pp. 1-203 2015 ISSN: 23594063 Revista da Ato Escola de psicanálise Angústia - Ano I n. 0, 2015 Copyright 2015 by Ato Escola de psicanálise

Leia mais

III Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG I Salão de Extensão & I Mostra Científica O SINTOMA E O BRINCAR DA CRIANÇA NA CLÍNICA

III Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG I Salão de Extensão & I Mostra Científica O SINTOMA E O BRINCAR DA CRIANÇA NA CLÍNICA III Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG I Salão de Extensão & I Mostra Científica http://ojs.fsg.br/index.php/pesquisaextensao ISSN 2318-8014 O SINTOMA E O BRINCAR DA CRIANÇA NA CLÍNICA Ana Paula Rabello

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n o 5 Considerações sobre a passagem ao ato, o acting-out e o crime Maria José Gontijo Salum Resumo: Estudo dos atos encontrados na clínica com infratores. Para isso, os conceitos lacanianos de passagem ao ato

Leia mais

Entre as paixões do Outro e do falasser. Sobre o êxtimo e a paixão

Entre as paixões do Outro e do falasser. Sobre o êxtimo e a paixão Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 21 novembro 2016 ISSN 2177-2673 1 Susana Dicker, Patrícia Badari e Heloisa Caldas O registro da extimidade é o registro do sacrifício. A extimidade implica

Leia mais

De ciclones e círculos Ou: do Outro ao objeto 1

De ciclones e círculos Ou: do Outro ao objeto 1 De ciclones e círculos Ou: do Outro ao objeto 1 Tatiane Grova * Mark Twain, o mais famoso pseudônimo do escritor norte-americano Samuel L. Clemens, deixou textos póstumos inéditos, dos quais alguns estão

Leia mais

NEUROSE OBSESSIVA E RELIGIÃO O OBSESSIVO E SUA RELAÇÃO COM O PAI NA RELIGIÃO

NEUROSE OBSESSIVA E RELIGIÃO O OBSESSIVO E SUA RELAÇÃO COM O PAI NA RELIGIÃO NEUROSE OBSESSIVA E RELIGIÃO O OBSESSIVO E SUA RELAÇÃO COM O PAI NA RELIGIÃO Carlos Eduardo Rodrigues Neurose obsessiva: uma religião particular Falar em neurose obsessiva hoje em dia pode parecer ultrapassado,

Leia mais

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina O corpo e os objetos (a) na clínica dos transtornos alimentares Lázaro Elias Rosa Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina Com este título, nomeamos o conjunto de nossos trabalhos, bem como o rumo

Leia mais

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi Escrita e Invenção Doris Rinaldi O poeta Manoel de Barros, em seu livro de memórias sobre a infância, intitulado Memórias Inventadas, abre o trabalho com a seguinte afirmação: Tudo o que não invento é

Leia mais

CARLOS INTERROGA AO ANALISTA: COMO DAR VOZ AO DESEJO? capacidade de simbolização, de historicização, de representação. A reativação do complexo

CARLOS INTERROGA AO ANALISTA: COMO DAR VOZ AO DESEJO? capacidade de simbolização, de historicização, de representação. A reativação do complexo 1 CARLOS INTERROGA AO ANALISTA: COMO DAR VOZ AO DESEJO? Bela Malvina Szajdenfisz A passagem da vida infantil à adulta é uma experiência em que a força pulsional ultrapassa a capacidade de simbolização,

Leia mais

Do mundo da fantasia ao mundo real

Do mundo da fantasia ao mundo real Do mundo da fantasia ao mundo real Olá Mulher empreendedora! Vamos falar um pouquinho sobre os nossos desafios? Nos dias de hoje precisamos ser multitarefas, conciliamos nossa a carreira com outras atividades,

Leia mais

REPETIÇÃO E PULSÃO DE MORTE: um comentário sobre Leila i. A psicanálise, como afirma Lacan no Seminário XI (1964), é uma praxis orientada

REPETIÇÃO E PULSÃO DE MORTE: um comentário sobre Leila i. A psicanálise, como afirma Lacan no Seminário XI (1964), é uma praxis orientada REPETIÇÃO E PULSÃO DE MORTE: um comentário sobre Leila i Doris Rinaldi ii A psicanálise, como afirma Lacan no Seminário XI (1964), é uma praxis orientada para aquilo que no coração da experiência é o núcleo

Leia mais

Branding para a Eletrobras

Branding para a Eletrobras Branding para a Eletrobras por onde passamos: Reunião de kickoff Entrevistas com executivos da Eletrobras e formadores de opinião 1º Comitê - Diagnóstico de Branding º Comitê - Plataforma da Marca 3º Comitê

Leia mais

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Imaginário, Simbólico e Real Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Roteiro: 1) Breve relato sobre a primeira concepção de inconsciente em Freud - o corte epistemológico.

Leia mais

Trauma, uma nova perspectiva sobre um real Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros

Trauma, uma nova perspectiva sobre um real Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 16 março 2015 ISSN 2177-2673 Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros O verdadeiro núcleo traumático é a relação com a língua : quando Lacan diz isso, que

Leia mais

A ESTRANHEZA DE UM NOVO CORPO

A ESTRANHEZA DE UM NOVO CORPO A ESTRANHEZA DE UM NOVO CORPO Mingnon Pereira Lins 1 A adolescência tem o seu campo de estudo bem demarcado no campo sócio histórico. Para a teoria psicanalítica, no entanto, é um tema que traz uma certa

Leia mais

Marcas no corpo: capturas do olhar

Marcas no corpo: capturas do olhar Marcas no corpo: capturas do olhar Yara Amorim Souza Leão A psicanálise surge na modernidade a partir dos conflitos internos do sujeito e da busca de um sentido singular para sua existência. Hoje, se confronta

Leia mais

Para construir o Código de Ética do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae

Para construir o Código de Ética do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae Para construir o Código de Ética do Departamento de Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae Com o objetivo de construir o Código de Ética do Departamento de Psicanálise, sugestão da Jornada sobre o Regulamento

Leia mais

CORPO, ANGÚSTIA E VULNERABILIDADE: O CORPO NA CLÍNICA PSICANALÍTICA CONTEMPORÂNEA

CORPO, ANGÚSTIA E VULNERABILIDADE: O CORPO NA CLÍNICA PSICANALÍTICA CONTEMPORÂNEA CORPO, ANGÚSTIA E VULNERABILIDADE: O CORPO NA CLÍNICA PSICANALÍTICA CONTEMPORÂNEA Lucia Maria de Freitas Perez A temática apresentada pela mesa me conduz a interrogar sobre o lugar conferido ao corpo na

Leia mais

DIANTE DO IMPOSSÍVEL Cristina Drummond

DIANTE DO IMPOSSÍVEL Cristina Drummond DIANTE DO IMPOSSÍVEL Cristina Drummond O caso apresentado nos permite avançar nas questões levantadas nos seminários preparatórios para nossas jornadas em dois sentidos. Primeiramente, ele nos possibilita

Leia mais

Da política dita do amor ao ódio ditado pelo amor: o desejo de fazer o bem pode ser a causa do mal.

Da política dita do amor ao ódio ditado pelo amor: o desejo de fazer o bem pode ser a causa do mal. Da política dita do amor ao ódio ditado pelo amor: o desejo de fazer o bem pode ser a causa do mal. Desde Freud em O mal-estar na cultura, sabemos em psicanálise que um grande problema enfrentado pelo

Leia mais

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a prática clínica. No interior de sua teoria geral, Winnicott redescreve o complexo de Édipo como uma fase tardia do processo

Leia mais

Morte e Luto Mirtha Ramirez

Morte e Luto Mirtha Ramirez Morte e Luto Mirtha Ramirez Deixamos os mortos chegarem até nós; eles amadurecem e se suavizam; eles crescem em nós com raízes póstumas; somos o verdadeiro campo, a verdadeira terra dos mortos; eles querem

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM

O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM O AMOR QUE ILUDE A FALTA EM MIM Baydoun, Mahamoud Medeiros, Melissa Andrea Vieira De Resumo: Ilusoriamente acreditamos que o objeto amado possui o que preenche a nossa falta e apazigua momentaneamente

Leia mais

CARRETÉIS DE IBERÊ, FORT-DA DE FREUD. Ato Psicanalítico Ato de Criação. Jaime Betts. Sem título Iberê Camargo 1975

CARRETÉIS DE IBERÊ, FORT-DA DE FREUD. Ato Psicanalítico Ato de Criação. Jaime Betts. Sem título Iberê Camargo 1975 CARRETÉIS DE IBERÊ, FORT-DA DE FREUD Ato Psicanalítico Ato de Criação Jaime Betts Sem título Iberê Camargo 1975 Sempre busquei a transposição do real, até o momento em que tomei como objeto de meus quadros

Leia mais

O Mal-Estar na Cultura. Felicidade x Civilização

O Mal-Estar na Cultura. Felicidade x Civilização O Mal-Estar na Cultura Felicidade x Civilização O Mal-Estar na cultura, escrito por Sigmund Freud, em 1930 O Mal-Estar na cultura é uma obra de natureza ampla, envolvendo as ciências humanas, sociais e

Leia mais

Situação da Filosofia no Mundo Contemporâneo Alain Badiou (Conferência pronunciada na Universidade de São Carlos,1993)

Situação da Filosofia no Mundo Contemporâneo Alain Badiou (Conferência pronunciada na Universidade de São Carlos,1993) Situação da Filosofia no Mundo Contemporâneo Alain Badiou (Conferência pronunciada na Universidade de São Carlos,1993) Situação da Filosofia: herança conceitual da filosofia (SABER) Mundo Contemporâneo:

Leia mais

Título:A Mostr(Ação) do Real nas Enunciações de sujeitos em Vivência Psicótica 1 Autor: Ivo de Andrade Lima Filho 2

Título:A Mostr(Ação) do Real nas Enunciações de sujeitos em Vivência Psicótica 1 Autor: Ivo de Andrade Lima Filho 2 TRABALHO A SER APRESENTADO EM MESA REDONDA Título:A Mostr(Ação) do Real nas Enunciações de sujeitos em Vivência Psicótica 1 Autor: Ivo de Andrade Lima Filho 2 E-mail: ivoalf@bol.com.br 1- Introduzindo

Leia mais

Aula A CRÍTICA PSICANALÍTICA META OBJETIVOS. Apresentar as ideias que fundamentam a crítica psicanalítica.

Aula A CRÍTICA PSICANALÍTICA META OBJETIVOS. Apresentar as ideias que fundamentam a crítica psicanalítica. A CRÍTICA PSICANALÍTICA META Apresentar as ideias que fundamentam a crítica psicanalítica. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: conhecer a aplicabilidade da teoria psicanalítica à análise do

Leia mais

A verdade e o seu caráter mítico: de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal

A verdade e o seu caráter mítico: de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 16 março 2015 ISSN 2177-2673 enunciado de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal Os escritos freudianos são especialmente caracterizados pela narrativa

Leia mais

Amor, repetição e morte em Leila, de Dariush Merjui

Amor, repetição e morte em Leila, de Dariush Merjui Amor, repetição e morte em Leila, de Dariush Merjui Doris Rinaldi Falar de amor é tarefa para artistas - escritores, poetas, trovadores. Do amor cortês, exercício poético em que a Dama é marcada pela inacessibilidade,

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA O USO DE SUBSTÂNCIAS PSICOATIVAS NA CONTEMPORANEIDADE: UMA VISÃO PSICANALÍTICA Flávia Angelo Verceze (Discente do Curso de Pós Graduação em Clínica Psicanalítica da UEL, Londrina PR, Brasil; Silvia Nogueira

Leia mais

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA

O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA 1 O que se remonta de Espinosa em Pêcheux? Pedro de SOUZA O retorno sugerido pelo título - Remontemos de Espinosa a Foucault - remete muito mais a uma coincidência singular entre Michel Pêcheux e Baruch

Leia mais

O Capital Crítica da Economia Política. Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital

O Capital Crítica da Economia Política. Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital O Capital Crítica da Economia Política Capítulo 4 Transformação do dinheiro em capital 1 Resumo do capítulo III sobre o dinheiro Na análise do dinheiro, Marx distingue: Funções básicas do dinheiro: medida

Leia mais

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos

jurídico; em segundo lugar, mesmo que o perecimento do soberano significasse o perecimento do sistema, ainda assim não seria possível explicar nos 6 Conclusão Foi visto no segundo capítulo que, de acordo com Raz, uma teoria dos sistemas envolve quatro questões diferentes: a questão de sua existência, de sua identidade, de sua estrutura e de seu conteúdo.

Leia mais

Psicanálise e saúde mental

Psicanálise e saúde mental RESENHA Psicanálise e saúde mental Psychoanalysis and mental health Richard Harrison Oliveira Couto Psicólogo formado pela Universidade Federal do Amazonas, com especialização em Psicanálise e Saúde Mental

Leia mais

Entrevista com Jurandir Freire Costa

Entrevista com Jurandir Freire Costa Entrevista com Jurandir Freire Costa Homossexualismo e Homoerotismo Entrevista concedida ao Jornal do Comércio em 1992 Bolsista :Evelyn de Melo Paulo -Química Licenciatura UFLA De que trata o homoerotismo?

Leia mais

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS Henrique Riedel Nunes Miguel Fernandes Vieira Filho Daniel Franco Abordaremos aqui algumas das diversas relações entre

Leia mais

Considerações sobre o conceito de transferência na contemporaneidade: do Sujeito Suposto Saber ao Inconsciente Real.

Considerações sobre o conceito de transferência na contemporaneidade: do Sujeito Suposto Saber ao Inconsciente Real. 1 Clínica Lacaniana de Atendimento e Pesquisa em Psicanálise CLIPP Considerações sobre o conceito de transferência na contemporaneidade: do Sujeito Suposto Saber ao Inconsciente Real. Mayra Kruse de Morais

Leia mais

A Interdição do Crime do Parricídio e a Constituição da Subjetividade Débora Patrícia Nemer Pinheiro Universidade Positivo

A Interdição do Crime do Parricídio e a Constituição da Subjetividade Débora Patrícia Nemer Pinheiro Universidade Positivo 1 A Interdição do Crime do Parricídio e a Constituição da Subjetividade Débora Patrícia Nemer Pinheiro Universidade Positivo A psicanálise freudiana fundamenta a constituição da subjetividade humana e

Leia mais

Psicanálise e dor: concentrada está a sua alma.

Psicanálise e dor: concentrada está a sua alma. Psicanálise e dor: concentrada está a sua alma. Elaine Starosta Foguel 1 Psicanálise e dor: concentrada está a sua alma. O homem é um misto de lodo e água. Por que não há a de a mulher ser feita de orvalho,

Leia mais

ABANDONO AFETIVO: DA URGÊNCIA DO DIÁLOGO ENTRE DIREITO E PSICANÁLISE.

ABANDONO AFETIVO: DA URGÊNCIA DO DIÁLOGO ENTRE DIREITO E PSICANÁLISE. 113 DISSERTAÇÕES DE MESTRADO ABANDONO AFETIVO: DA URGÊNCIA DO DIÁLOGO ENTRE DIREITO E PSICANÁLISE. Autor: Julio Cezar de Oliveira Braga Orientadora: Profa. Dra. Betty Bernardo Fuks Data da defesa: 20 de

Leia mais

O objeto na saúde mental: a utilidade pública da psicanálise ou o uso possível do psicanalista *

O objeto na saúde mental: a utilidade pública da psicanálise ou o uso possível do psicanalista * Latusa digital ano 5 N 33 junho de 2008 O objeto na saúde mental: a utilidade pública da psicanálise ou o uso possível do psicanalista * Paula Borsoi ** A política O que podemos aprender com as experiências

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAI NO DELÍRIO: ENTRE DEUS E O DIABO. Psicossocial CAPS), no município de Santos Dumont, Minas Gerais, deparei-me com

A FUNÇÃO DO PAI NO DELÍRIO: ENTRE DEUS E O DIABO. Psicossocial CAPS), no município de Santos Dumont, Minas Gerais, deparei-me com A FUNÇÃO DO PAI NO DELÍRIO: ENTRE DEUS E O DIABO Rosani Teixeira Maffili Na condição de psicóloga em um serviço de Saúde Mental (Centro de Atenção Psicossocial CAPS), no município de Santos Dumont, Minas

Leia mais

TRABALHO COMPLETO DA MESA INTITULADA: FIGURAÇÕES DO CORPO NA ATUALIDADE: SOFRIMENTO, LINGUAGEM E IDENTIDADE. PATHOS, CORPO E GOZO.

TRABALHO COMPLETO DA MESA INTITULADA: FIGURAÇÕES DO CORPO NA ATUALIDADE: SOFRIMENTO, LINGUAGEM E IDENTIDADE. PATHOS, CORPO E GOZO. TRABALHO COMPLETO DA MESA INTITULADA: FIGURAÇÕES DO CORPO NA ATUALIDADE: SOFRIMENTO, LINGUAGEM E IDENTIDADE. PATHOS, CORPO E GOZO. Roseane Freitas Nicolau 1 O phatos como paixão que afeta o corpo nos remete

Leia mais

Por uma psicanálise porvir For a becoming psychoanalysis

Por uma psicanálise porvir For a becoming psychoanalysis issn 0101-4838 381 For a becoming psychoanalysis Auterives Maciel Júnior* Clarice Arantes Martin** Resenha de: Rozenthal, E. O ser no gerúndio: corpo e sensibilidade na psicanálise. Rio de Janeiro: Cia

Leia mais

Uma Reforma Previdenciária Abrangente

Uma Reforma Previdenciária Abrangente Uma Reforma Previdenciária Abrangente Eqüidade x Redistribuição Se a Previdência Social for entendida como Seguro Compulsório visando garantir renda ao indivíduo ou grupo familiar quando da perda da capacidade

Leia mais

PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Yuri Ximenes Ávila Siqueira Telles Este artigo trata de questões concernentes à minha experiência de um ano de estágio no

Leia mais

AS POSSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA AMBIVALÊNCIA ENTRE AMOR/ÓDIO NO DISPOSITIVO TRANSFERENCIAL

AS POSSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA AMBIVALÊNCIA ENTRE AMOR/ÓDIO NO DISPOSITIVO TRANSFERENCIAL 1 AS POSSÍVEIS IMPLICAÇÕES DA AMBIVALÊNCIA ENTRE AMOR/ÓDIO NO DISPOSITIVO TRANSFERENCIAL Rafaela Santos Kamaroski 1 Nadja Nara Barbosa Pinheiro 2 No tratamento psicanalítico, as comunicações do analista

Leia mais

Resposta: Nesse item só interessa tecnicamente as medidas das peças colocadas no edital, devido a isso NÃO há necessidade de desenho com as medidas.

Resposta: Nesse item só interessa tecnicamente as medidas das peças colocadas no edital, devido a isso NÃO há necessidade de desenho com as medidas. devido a isso NÃO há necessidade de fotos ou desenho com as medidas. Item 17: Mata-Juntas com 19mm de largura 31,8 de comprimento e 31,8 de altura com metal cromado as medidas indicadas não são suficientes

Leia mais

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens

Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Promovendo o engajamento das famílias e comunidades na defesa do direito à saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Jaqueline Lima Santos Doutoranda em Antropologia Social UNICAMP Instituto

Leia mais

Introdução O real e a realidade

Introdução O real e a realidade Introdução O real e a realidade Vai, vai, vai, disse o pássaro: o gênero humano Não pode suportar tanta realidade.1 T.S. Eliot Neste segundo volume de Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan retraço

Leia mais

VI CBCSHS/ABRASCO Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2013

VI CBCSHS/ABRASCO Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2013 VI CBCSHS/ABRASCO Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2013 1. Pontos de partida Proposta: refletir sobre os vínculos entre sofrimento e política como modo de constituir a vida em sociedade - seleção do sofrimento,

Leia mais