O amor e a mulher. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: Daniela Goulart Pestana

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O amor e a mulher. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: Daniela Goulart Pestana"

Transcrição

1 O amor e a mulher O que une os seres é o amor, o que os separa é a Sexualidade. Somente o Homem e A Mulher que podem unir-se acima de toda sexualidade são fortes. Antonin Artaud, Daniela Goulart Pestana O texto procura investigar as dimensões do amor para uma mulher, mais precisamente: Qual é o lugar do amor para uma mulher? E, porque o amor tem uma função tão particular no psiquismo feminino? Procuraremos sustentar o texto com essas interrogações. Sabemos que o amor e a devastação tem uma relação estreita na vida de uma mulher, ambos possuem o mesmo princípio, tendo a ver com o ilimitado do gozo feminino. Queremos dizer, com isso, que o enlaçamento entre gozo e amor é de suma importância para a mulher, porque, aceitar ficar na posição de objeto causa de desejo para um homem, é o que caracteriza a posição feminina. E como é isso? O que significa para uma mulher, aceitar ser colocada, ou colocar-se como objeto causa de desejo para um homem. Tem a vem com passividade? O homem ao se inscrever na fantasia da mulher, toca em seu gozo suplementar, deste modo, ele dá à mulher acesso a seu gozo ao mesmo tempo, que introduz um limite. Essa é uma função mediadora do homem em relação à mulher apontando um limite para o seu gozo, pois, esse em excesso, pode devastá-la. O papel do amor na vida de uma mulher tem seu peso, não é a toa, que as mulheres se prendem ao amor. Existe uma função de amarração desempenhada pelo gozo fálico que faz com que a mulher não se perca no ilimitado de seu gozo suplementar. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: 1

2 Não se está mais sozinho. E é nisso que o amor é precioso,... raramente realizado, como todos sabem... enfim, que se trata não há relação sexual. 1 Assim, a presença fálica torna-se responsável por fornecer uma consistência significativa. Onde, a mulher só pode assumir a sua feminilidade, aceitando ser colocada na posição de objeto na fantasia de um homem. Em contrapartida, o homem só vai assumir a sua masculinidade se for capaz de fazer de uma mulher, objeto em sua fantasia. Tanto a posição masculina, como a posição feminina apresentam como fundamento à razão fálica. Segundo Lacan: O problema do amor é o da profunda divisão que se introduz no interior das atividades do sujeito. A questão de que se trata, para o homem, segundo a própria definição do amor dar o que não se tem -, é dar aquilo que ele não tem, o falo, a um ser que não o é. 2 O amor apresenta uma função particular no psiquismo feminino porque, ele medeia a relação da mulher com o homem, de cuja presença fálica precisa para obter alguma consistência significativa para seu ser. Portanto, prescindir do homem como algumas mulheres pretendem, ao dizerem-se assim, modernas é o que não dá, pois, é, através do amor por um homem, que as mulheres vão se servir dele para dar conta do lado não todo fálico que as caracteriza, esse é o ponto capital. O gozo que o homem tem da mulher, a divide. Em gozo fálico e gozo suplementar, o gozo não fálico. Um homem se torna mediador entre a mulher e seu gozo, quando há um ajustamento, por parte do homem e da mulher, da posição de objeto que ela ocupa. Um homem pode melhor servir uma mulher dando acesso a esse seu gozo, que não permite que ela seja toda sua. Quando uma mulher em posição feminina aceita ser objeto na fantasia de um homem, na verdade, o que ele está oferecendo a ela, é a sua castração 1 LACAN, J. O Seminário, R.S.I. p LACAN< J. O Semin;ario, livro 5, p

3 e o seu gozo fálico. É do gozo fálico do seu parceiro que a mulher faz a causa do desejo. O gozo fálico de seu parceiro é o ponto de abertura, o consentimento ou a recusa de uma mulher de instalar-se nesse lugar de objeto causa de desejo para um homem, que vai diferenciar a solução feminina da solução histérica. Cabe então a pergunta: O que seria a mulher adotar uma posição feminina? A mulher que aceita a posição feminina em sua condição de semblante além, de objeto de gozo na fantasia masculina, não se sente ameaçada em retornar à posição de objeto do desejo que um dia foi para o Outro em sua condição de vivente, é aí, que localizamos a posição feminina. O prestar-se ao semblante sem estar sujeito a ele, implica a dimensão do consentimento, da aceitação, certeza de que por detrás, não há nada. O semblante consiste em fazer crer que ali onde não há nada, há algo. Tem a função de velar o que não há, ele captura o olhar pela imagem, que vai ser ordenada pelo simbólico. A teoria do semblante trás a idéia de parecer, de fazer de conta. A mulher na falta de significante que diga do gozo do Outro sexo, como o parceiro que, não tem, faz alguma coisa desse não ter, é nisso que dizemos que a mulher tem uma afinidade especial com o semblante. No inconsciente, não há inscrição de significantes que poderiam trazer uma elaboração de saber sobre a relação entre um homem e uma mulher. O que há no inconsciente é uma hiância um buraco estrutural, um significante que falta, no lugar dessa falha se inscreve uma função que não varia, tanto para homem quanto para mulher, a função fálica. Homens e mulheres são regidos pelo falo de forma diferente, distinção que influencia a maneira pela qual cada sujeito aborda a relação sexual. Ambos entram nessa relação através de um parecer, ele protegendo seu ter e ela escondendo sua falta. 3 3 LACAN, J A significação do falo, p

4 Cada um dos parceiros desempenha uma parte na comédia dos sexos, o homem está constantemente querendo parecer ter, fazendo de tudo para assegurar-se de sua virilidade, a prova disso, é, que ficam o tempo todo, se cerificando, conferindo a pertinência. Lacan nos diz que não há virilidade a não ser aquela validada pela castração. É somente nessa condição que ele vai ao encontro do desejo da mulher. Segundo Lacan: (...) para o homem, a menos que haja castração, quer dizer, alguma coisa que diga não à função fálica, não há nenhuma chance de que ele goze do corpo da mulher, ou, dito de outro modo, de que ele faça amor... isto não impede que ele possa desejar a mulher de todas as maneiras. 4 Lacan demonstra que o enigma do gozo feminino é algo que não se enquadra nos limites implicados pela função fálica. Ele nos diz que é um gozo que tem a ver com o falo mas, não-todo. Descreve como um gozo que não se submete a norma fálica, sendo enigmático, participa do falo mas, está fora do sentido e do que se pode representar, um significante que falta ao outro. Diz Lacan: As mulheres se atêm, qualquer uma se atêm por ser não-toda, ao gozo de que se trata e, meu Deus, de modo geral, estariam bem erradas em não ver que, contrariamente ao que se diz, de qualquer modo são elas que possuem os homens 5 Para Lacan a dualidade dos gozos é própria do feminino. A feminilidade se revela como dividida diante da castração: o feminino tem uma relação tanto com o significante fálico, como com o significante que falta ao Outro. Podemos dizer que a relação das mulheres com seus amores é paradoxal: se por um lado, se fazem de objeto do gozo do Outro, submetendo-se, por outro lado, são esses amores que as tiram da relação arcaica com a mãe. 4 LACAN, J. O Seminário, livro 20 mais, ainda, p Ibidem, p

5 Colette Soler constata que o lugar da mulher no casal sexual, não tem como causa direta seu desejo próprio, tocando, sempre, o desejo do outro. A mulher se deixa desejar, ficando em suspenso a questão de seu desejo. Nessa lógica, é ela quem fica no lugar daquela que banca ser o objeto para o homem. As mulheres de um modo geral se fazem de escravas de um homem por um bocado de amor. Engodo que podem se perder aí, segundo o modo de relação mestre escravo, cuja alternância vida e morte, é o que impera. Podemos afirmar que a mulher é feita de amor e de aparência, pois ela precisa de um verdadeiro arsenal que sustente a ausência de significante que lhe diria quem é como mulher. A mascarada implica em um saber fazer com a falta que é da estrutura, se coloca para todo sujeito feminino. Por mascarada, entendemos o conjunto de recursos aos quais as mulheres recorrem para dissimular de maneira enganosa, sua falta, a saber; a falta especificamente de uma identidade feminina. Na comédia dos sexos, percebemos, que cabe ao homem mostrar-se homem, em contrapartida, a mascarada evidencia que cabe à mulher, fazer-se mulher. Se a sexuação é a forma pela qual o sujeito subjetiva seu sexo, ela também, é definida por sua relação com o outro sexo. No qual cada sexo tem relação com o significante fálico, sendo que o que se coloca é, ter ou não ter. Homens e mulheres se definem tanto pelo lugar em que cada um destina ao sexo em sua subjetividade, como também pelo lugar fantasmático ocupado na economia psíquica. Segundo Lacan: É por isso que, em qualquer relação do homem com uma mulher a que está em causa é, sob o ângulo do Uma-a-menos que ela deve ser tomada. 6 6 Ibidem, p

6 Aí, que entra o semblante, como a via que melhor conduz a resposta para que a mulher encontre o acesso que conduz a sexualidade feminina. Referências Bibliográficas: FREUD, S. Sexualidade Feminina. (1931). In: Obras Completas. Rio de Janeiro. Imago. LACAN, J. O Seminário, livro 3 as psicoses Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed., O Seminário, livro 20 mais, ainda Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed., O Seminário, R.S.I., livro 22. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed.. Escritos. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Ed MOREL, Geneviève. La loi de La mère, Essai sur Le sinthome sexual Paris, Anthropos. 6

A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA?

A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA? A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA? ROSELI MARIA RODELLA DE OLIVEIRA rrodella@gmail.com A proposta deste trabalho é explicar o sintoma de incompreensão da matemática. Ela está inspirada em uma

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

A devastação: uma singularidade feminina

A devastação: uma singularidade feminina Devastação ISSN 0101-4838 469 A devastação: uma singularidade feminina Malvine Zalcberg* RESUMO Lacan empregou o termo devastação em dois momentos de seu ensino para se referir: seja à relação da filha

Leia mais

Os desdobramentos do gozo feminino na vida amorosa

Os desdobramentos do gozo feminino na vida amorosa Os desdobramentos do gozo feminino na vida amorosa The developments of the feminine enjoyment in the love life Breno Ferreira Pena Resumo Trabalhar a partir do ensino de Lacan com os possíveis desdobramentos

Leia mais

Devastação, o que há de novo?

Devastação, o que há de novo? Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 21 novembro 2016 ISSN 2177-2673 Maria Luiza Rangel A devastação (ravage) aparece tardiamente em Lacan. No escrito O Aturdito 1 de 1973, ela é articulada à

Leia mais

Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1

Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1 Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1 Maria Isabel Fernandez Este título extraí do seminário...ou pior, livro 19, de Jacques Lacan, especificamente do capítulo III, intitulado

Leia mais

AMOR ÓDIO DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA

AMOR ÓDIO DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA AMOR ÓDIO DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA Flavia Bonfim* Desde Freud, a problemática mãe e filha já se inscreve na psicanálise. Na postulação freudiana, amor e ódio marcam a relação da menina para com

Leia mais

Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1

Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1 Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado no Simpósio de Intersecção Psicanalítica do Brasil. Brasília, 2006. Trabalho Publicado no livro As identificações

Leia mais

O pathos na mascarada feminina Danielle Lamarca

O pathos na mascarada feminina Danielle Lamarca O pathos na mascarada feminina Danielle Lamarca Em seu texto Diretrizes para um congresso sobre a sexualidade feminina, Lacan nos fala sobre a posição-chave do falo no desenvolvimento libidinal no que

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura)

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) Arlete Mourão Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 : uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Introdução Nesse trabalho, proponho-me a falar

Leia mais

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA Fernanda Samico Küpper Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Leia mais

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Gabriella Valle Dupim da Silva Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Psicologia(PPGP/UFRJ)/Bolsista CNPq. Endereço: Rua Belizário Távora 211/104

Leia mais

PRODUÇÕES DISCURSIVAS DE PSICANALISTAS SOBRE A SUBJETIVAÇÃO DA DIFERENÇA SEXUAL NA FAMÍLIA HOMOPARENTAL

PRODUÇÕES DISCURSIVAS DE PSICANALISTAS SOBRE A SUBJETIVAÇÃO DA DIFERENÇA SEXUAL NA FAMÍLIA HOMOPARENTAL PRODUÇÕES DISCURSIVAS DE PSICANALISTAS SOBRE A SUBJETIVAÇÃO DA DIFERENÇA SEXUAL NA FAMÍLIA HOMOPARENTAL Anna Luzia de Oliveira Myrna Agra Maracajá Maia A família sofreu mudanças em sua configuração ao

Leia mais

1 Algumas Considerações sobre a Problemática do Falo em Freud e Lacan

1 Algumas Considerações sobre a Problemática do Falo em Freud e Lacan 1 Algumas Considerações sobre a Problemática do Falo em Freud e Lacan 1.1 O conceito de falo O termo falo aparece na teoria psicanalítica primeiramente em Freud e é retomado posteriormente por Lacan. Trata-se

Leia mais

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito O AMOR NA PSICOSE Nancy Greca de Oliveira Carneiro 1 A doutrina da foraclusão generalizada faz ver que há para o sujeito, e não apenas para o psicótico, um objeto indizível, o que estende a foraclusão

Leia mais

Título: Histeria e manifestações na música contemporânea. Este trabalho tem um interesse particular no aspecto da histeria que a

Título: Histeria e manifestações na música contemporânea. Este trabalho tem um interesse particular no aspecto da histeria que a 2 o Semestre 2014 Ciclo III Quinta-feira - Noite Aluno: Raphael Piedade de Próspero Título: Histeria e manifestações na música contemporânea Este trabalho tem um interesse particular no aspecto da histeria

Leia mais

O gozo, o sentido e o signo de amor

O gozo, o sentido e o signo de amor O gozo, o sentido e o signo de amor Palavras-chave: signo, significante, sentido, gozo Simone Oliveira Souto O blá-blá-blá Na análise, não se faz mais do que falar. O analisante fala e, embora o que ele

Leia mais

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Alexandre Rambo de Moura Nosso trabalho se desdobra das questões que emergem a partir do livro Desejos Secretos,

Leia mais

Amar uma questão feminina de ser

Amar uma questão feminina de ser Amar uma questão feminina de ser Flavia Braunstein Markman Desde Freud, sabemos que estamos diante de um conceito psicanalítico bastante complexo, de difícil delineamento e de significados pouco precisos.

Leia mais

Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa

Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa Só nos círculos psicanalíticos se debate com calma

Leia mais

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1 NOME DO PAI E REAL Jacques Laberge 1 Na época em que estava proferindo seu Seminário As formações do inconsciente, Lacan retomou pontos de seu Seminário III, As psicoses em De uma questão preliminar a

Leia mais

Feminilidade e Angústia 1

Feminilidade e Angústia 1 Feminilidade e Angústia 1 Claudinéia da Cruz Bento 2 Freud, desde o início de seus trabalhos, declarou sua dificuldade em abordar o tema da feminilidade. Após um longo percurso de todo o desenvolvimento

Leia mais

Começaremos dando ênfase a uma citação de Lacan no Seminário IV, A relação de objeto:

Começaremos dando ênfase a uma citação de Lacan no Seminário IV, A relação de objeto: A CARÊNCIA DO PAI Sandra Leticia Berta. 1 Resumo: Este trabalho aborda o tema da função paterna focado no conceito de carência do pai tal como foi trabalhados por Lacan nos seus Seminários A relação de

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD Recorreremos ao texto freudiano: Sobre o narcisismo: uma introdução

Leia mais

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada

Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada 2001 Novos fundamentos para a psicanálise: Teoria da feminilidade generalizada Márcio Peter de Souza Leite Conteúdo Argumento...

Leia mais

Amor atravessado pela pulsão de morte

Amor atravessado pela pulsão de morte Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 1 Cleudes Maria Slongo A demanda de amor desempenha um papel incomparável ao papel do homem na vida de uma mulher. Apesar da satisfação

Leia mais

O estatuto do corpo no transexualismo

O estatuto do corpo no transexualismo O estatuto do corpo no transexualismo Doris Rinaldi 1 Lacan, no Seminário sobre Joyce, assinala a estranheza que marca a relação do homem com o próprio corpo, relação essa que é da ordem do ter e não do

Leia mais

Charcot Final Sec.XIX 2

Charcot Final Sec.XIX 2 HISTERIA A CLÍNICA DAS NEUROSES Prof. Ms Valéria Codato 1 Charcot Final Sec.XIX 2 HISTERIA 1ª TÓPICA Freud se desfaz de uma concepção inata (Charcot), adotando a idéia de uma neurose adquirida; Etiologia:

Leia mais

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Imaginário, Simbólico e Real Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Roteiro: 1) Breve relato sobre a primeira concepção de inconsciente em Freud - o corte epistemológico.

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez *

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez * Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental Stella Jimenez * A palavra sinthoma aparece na obra de Lacan relacionada às psicoses, quando ele toma James Joyce como seu exemplo

Leia mais

Famílias sintomáticas

Famílias sintomáticas Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 1 Fabian Fajnwaks O desejo de formar família encontrou uma espécie de interpretação na resposta recente de nossos governantes:

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 A clínica do sintoma em Freud e em Lacan Ângela Batista * O sintoma é um conceito que nos remete à clínica, assim como ao nascimento da psicanálise. Freud o investiga

Leia mais

Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina?

Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina? 1 Amar demais: um destino inevitável na sexuação feminina? Este trabalho faz parte da mesa redonda intitulada Sexuação: amor, desejo e gozo na clínica psicanalítica, coordenada por Tania Coelho dos Santos,

Leia mais

5 (13/5/2015) asexo(ualidade)

5 (13/5/2015) asexo(ualidade) 5 (13/5/2015) asexo(ualidade) Pode-se ler este enunciado, que doravante passaremos a denominar de matema d asexo(ualidade), da seguinte maneira: não há relação sexual. Lacan sempre quis se desvencilhar

Leia mais

CDD: CDU:

CDD: CDU: da autora, 2011 Ágalma, 2011 Projeto gráfico da capa e primeiras páginas Homem de Melo & Troia Design 2ª Edição: maio de 2014 Editor Marcus do Rio Teixeira Direção desta coleção Daniele de Brito Wanderley

Leia mais

O sintoma da criança: produção. desejo e de gozo 1

O sintoma da criança: produção. desejo e de gozo 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 20 julho 2016 ISSN 2177-2673 compósita de desejo e de gozo 1 Júlio Eduardo de Castro & Marina Gabriela Silveira Na Nota sobre a criança 2 Lacan formula, por

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

Do enigma ao cômico. Celso Rennó Lima

Do enigma ao cômico. Celso Rennó Lima O eixo deste trabalho pode ser dado a partir da afirmação de J-A. Miller em SILET: a toda falha simbólica responde uma inserção imaginária. Ao dizer isto, Miller trabalhava o caso, descrito por Lacan no

Leia mais

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno

Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Centro de Estudos Psicanalíticos - CEP Como a análise pode permitir o encontro com o amor pleno Laura Maria do Val Lanari Ciclo II, terça-feira à noite O presente trabalho tem por objetivo relatar as primeiras

Leia mais

As tábuas da sexuação, os gêneros. contemporâneo Vinicius Moreira Lima

As tábuas da sexuação, os gêneros. contemporâneo Vinicius Moreira Lima Opção Lacaniana online nova série Ano 8 Número 23 julho 2017 ISSN 2177-2673 e o contemporâneo Vinicius Moreira Lima As tábuas da sexuação, mais além de gerarem malentendido, servem também para pensarmos

Leia mais

Amor no feminino. Ciça Vallerio. Homens e mulheres têm suas particularidades na maneira de lidar com esse sentimento tão desejado

Amor no feminino. Ciça Vallerio. Homens e mulheres têm suas particularidades na maneira de lidar com esse sentimento tão desejado Amor no feminino Homens e mulheres têm suas particularidades na maneira de lidar com esse sentimento tão desejado Ciça Vallerio Há 20 anos, a psicanalista carioca Malvine Zalcberg dedica-se com afinco

Leia mais

NOBRE BASTARDIA DO FEMININO: NO CORPO SONHADO, O UMBIGO. O corpo humano não está dado, é uma construção atravessada pela linguagem,

NOBRE BASTARDIA DO FEMININO: NO CORPO SONHADO, O UMBIGO. O corpo humano não está dado, é uma construção atravessada pela linguagem, NOBRE BASTARDIA DO FEMININO: NO CORPO SONHADO, O UMBIGO Nelly Lara de Brito 1 O corpo humano não está dado, é uma construção atravessada pela linguagem, como coloca Freud (1905/2006) ao isolar zonas erógenas.

Leia mais

Considerações finais

Considerações finais Considerações finais Para chegarmos ao cerne de nosso tema, fizemos um percurso específico por alguns conceitos da psicanálise por acreditar que se não o fizéssemos, não atingiríamos o entendimento necessário

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1 O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da Arlete Mourão 2 identificação 1 Na formação do analista, o lugar e a função do estudo da psicanálise são conseqüências lógicas da

Leia mais

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 Joseane Garcia de S. Moraes 2 Na abertura do seminário 20, mais ainda, cujo título em francês é encore, que faz homofonia com en corps, em corpo,

Leia mais

Jacques Lacan Seminário 25 - o momento de concluir 10 - aula de 11 de abril de asexo [ualidade] Comentário de Jairo Gerbase em 12/06/00 1

Jacques Lacan Seminário 25 - o momento de concluir 10 - aula de 11 de abril de asexo [ualidade] Comentário de Jairo Gerbase em 12/06/00 1 Jairo Gerbase Jacques Lacan Seminário 25 - o momento de concluir 10 - aula de 11 de abril de 1978 - asexo [ualidade] Comentário de Jairo Gerbase em 12/06/00 1 asexo [ualidade] [( Φ ) // ( )] Pode-se ler

Leia mais

AUSÊNCIA PATERNA E O IMPACTO NA MENTE DA CRIANÇA. Psicanalista - Membro da CSP - ABENEPI RJ Especialista em Gestão Materno-Infantil

AUSÊNCIA PATERNA E O IMPACTO NA MENTE DA CRIANÇA. Psicanalista - Membro da CSP - ABENEPI RJ Especialista em Gestão Materno-Infantil AUSÊNCIA PATERNA E O IMPACTO NA MENTE DA CRIANÇA Maria Prisce Cleto Teles Chaves Psicanalista - Membro da CSP - ABENEPI RJ Especialista em Gestão Materno-Infantil pela FIOCRUZ Mestranda em Psicanálise,

Leia mais

Desejo do analista e a intervenção analítica

Desejo do analista e a intervenção analítica Desejo do analista e a intervenção analítica A função do escrito não constitui então o catálogo, mas a via mesma da estrada de ferro. E o objeto (a), tal como o escrevo, ele é o trilho por onde chega ao

Leia mais

FREUD E OS ENIGMAS DA DIFERENÇA SEXUAL

FREUD E OS ENIGMAS DA DIFERENÇA SEXUAL FREUD E OS ENIGMAS DA DIFERENÇA SEXUAL Carlos Alexandre de Oliveira Antonio Enquanto estudiosos da sexualidade, devemos à psicanálise uma série de esclarecimentos sobre a vida sexual humana. A ambigüidade

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ABREU, T. Perversão generalizada. In: Agente: Revista digital de psicanálise da EBP-Bahia, n. 03. Salvador: EBP-Bahia, 2007. Disponível em: .

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n 18

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n 18 Erguer a cabeça e tomar a palavra: efeitos socioeducativos na adolescência de Malony MARIA JOSÉ GONTIJO SALUM Resumo: O artigo discute o percurso dos adolescentes em conflito com a lei na justiça infanto-juvenil,

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e identificação Lenita Bentes Ondina Machado * Abordaremos alguns aspectos do tema de nossa oficina, que dá título ao texto, através de dois pequenos escritos.

Leia mais

Algumas considerações sobre o complexo de castração e o complexo de Édipo Daniela Goulart Pestana

Algumas considerações sobre o complexo de castração e o complexo de Édipo Daniela Goulart Pestana Algumas considerações sobre o complexo de castração e o complexo de Édipo Daniela Goulart Pestana Esse escrito pretende avançar pensando a diferença e também o vínculo entre o complexo de castração e o

Leia mais

As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo. Sandra Freiberger

As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo. Sandra Freiberger As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo Sandra Freiberger Porto Alegre, 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO: INTERVENÇÃO

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais

Latusa Digital ano 1 N 8 agosto de 2004

Latusa Digital ano 1 N 8 agosto de 2004 Latusa Digital ano 1 N 8 agosto de 2004 Pontuações sobre o tratamento do corpo na psicanálise * Márcia Zucchi ** Gostaríamos de discutir, um pouco, as relações entre o que a psicanálise acolhe como índices

Leia mais

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 (Pontuações do livro de Collete Soler A Psicanálise na Civilização ) Sonia Coelho 2 Lendo essa afirmativa Os trabalhos artísticos não são produtos

Leia mais

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 As propagandas as quais somos expostos diariamente demonstram um mundo

Leia mais

Um cair de amor ou a separação impossível

Um cair de amor ou a separação impossível Um cair de amor ou a separação impossível Ana Paula Carvalho da Costa Apresentação Neste texto abordaremos o tema do amor e seus transtornos a partir de um atendimento realizado em acompanhamento terapêutico.

Leia mais

Caminhando nas fronteiras do natural: aproximações e limites entre psicanálise e gênero

Caminhando nas fronteiras do natural: aproximações e limites entre psicanálise e gênero Caminhando nas fronteiras do natural: aproximações e limites entre psicanálise e gênero Por Marta Quaglia Cerruti* Minha intenção é problematizar a aplicação do conceito de gênero em psicanálise. Afinal,

Leia mais

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise Palavras-chave: Amor de transferência; Escrita; Literatura; Relação Sexual. Márcia de Souza Mezêncio O amor é transferência " Amor será

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais Almanaque On-line n.7 A CASTRAÇÃO E O TEMPO Autora: Renata Lucindo Mendonça Psicóloga, aluna do Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, pós-graduada em saúde mental e psicanálise E-mail: renatalucindopsi@yahoo.com.br

Leia mais

Desejo do Analista : Passe ou impasse entre os analistas?

Desejo do Analista : Passe ou impasse entre os analistas? Desejo do Analista : Passe ou impasse entre os analistas? Arlete Mourão Reunião Lacanoamericana de Montevidéu (novembro de 2007) Por que é tão freqüente os analistas fazerem referência ao desejo do analista

Leia mais

Trabalho Livre: A privação da maternidade / paternidade nas novas gerações

Trabalho Livre: A privação da maternidade / paternidade nas novas gerações 1 Trabalho Livre: A privação da maternidade / paternidade nas novas gerações Goldstein, Mirta Hoje é comum ouvir a recusa de muitos jovens para lidar com a paternidade / maternidade, evitar a procriação

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 1 Paola Salinas Este texto visa clarear algumas indagações a respeito do fenômeno psicossomático a partir da noção de sinthome

Leia mais

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO Altair José dos Santos Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado necessariamente à linguagem, implica

Leia mais

Título. O Amor entre a histeria e a Obsessão. Autor: Waieser Matos de Oliveira Bastos 1. Palavras Chave: Amor, histeria, obsessão SUMÁRIO

Título. O Amor entre a histeria e a Obsessão. Autor: Waieser Matos de Oliveira Bastos 1. Palavras Chave: Amor, histeria, obsessão SUMÁRIO 1 Título O Amor entre a histeria e a Obsessão Autor: Waieser Matos de Oliveira Bastos 1 Palavras Chave: Amor, histeria, obsessão SUMÁRIO Esse artigo pretende discutir os impasses apresentados a partir

Leia mais

DA TENDENCIA HOMOSSEXUAL AO EMPUXO À MULHER

DA TENDENCIA HOMOSSEXUAL AO EMPUXO À MULHER Letícia Balbi DA TENDENCIA HOMOSSEXUAL AO EMPUXO À MULHER Professora Adjunta do Departamento de Psicologia da UFF, psicanalista, membro da Escola Letra Freudiana Edson tinha certeza de que era mulher,

Leia mais

Mesa Redonda: a psicose de Freud a Lacan

Mesa Redonda: a psicose de Freud a Lacan Mesa Redonda: a psicose de Freud a Lacan Título do trabalho: A escrita de Joyce e a suplência na psicose Autor: Maria Lídia Oliveira de Arraes Alencar Na década de 70, Lacan estabelece a Clínica Borromeana,

Leia mais

O Transexualismo e a questão da identidade 1

O Transexualismo e a questão da identidade 1 O Transexualismo e a questão da identidade 1 Doris Rinaldi Virgínia Bustamante Bittencourt Ao refletirmos sobre as relações do sujeito com a sexualidade na sociedade contemporânea, um tema se destaca pela

Leia mais

A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade

A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade A dor no feminino: reflexões sobre a condição da mulher na contemporaneidade Alcione Alves Hummel Monteiro 1 Vanusa Balieiro do Rego 2 Roseane Freitas Nicolau 3 Susette Matos da Silva 4 A arte dá ao artista

Leia mais

Latusa digital ano 6 N 37 junho de Objetos só letra: de Lacan a Freud *

Latusa digital ano 6 N 37 junho de Objetos só letra: de Lacan a Freud * Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009 Objetos só letra: de Lacan a Freud * Jaime Araújo Oliveira ** A influência do positivismo sobre o contexto teórico e cultural em que a psicanálise foi criada obrigou

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

A constituição do sujeito e a análise

A constituição do sujeito e a análise Berenice R. Fontes C. de Morais A constituição do sujeito e a análise Este trabalho parte de um texto de Colette Soler em que ela escreve sobre o sujeito desejante: [...] o sujeito que começa uma análise

Leia mais

A estranheza da psicanálise

A estranheza da psicanálise Antonio Quinet A estranheza da psicanálise A Escola de Lacan e seus analistas Rio de Janeiro Prefácio: Ex-tranha Não ficaria surpreso, diz Freud, em ouvir que a psicanálise, que se preocupa em revelar

Leia mais

O gozo: meu bem, meu mal*

O gozo: meu bem, meu mal* O gozo: meu bem, meu mal* Resumo Eny Lima Iglesias** A autora enfatiza o mais-gozar que decorre do excesso de tensão que não é descarregada indicando processos de transgressão de limites que tocam o sofrimento

Leia mais

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS Henrique Riedel Nunes Miguel Fernandes Vieira Filho Daniel Franco Abordaremos aqui algumas das diversas relações entre

Leia mais

SER UM HOMEM SEGUNDO A TRADIÇÃO? BEING A MAN ACCORDING TO TRADITION? Márcia Rosa RESUMO ABSTRACT

SER UM HOMEM SEGUNDO A TRADIÇÃO? BEING A MAN ACCORDING TO TRADITION? Márcia Rosa RESUMO ABSTRACT SER UM HOMEM SEGUNDO A TRADIÇÃO? Márcia Rosa RESUMO Este estudo teórico analisa o mal-estar masculino no mundo contemporâneo a partir de Freud e Lacan. Esse mal-estar é associado a uma crise de identidade

Leia mais

Núcleo Sephora de Pesquisa sobre o Moderno e o Contemporâneo ISSN X

Núcleo Sephora de Pesquisa sobre o Moderno e o Contemporâneo ISSN X A beleza que vela o feminino Mestre em Pesquisa e Clínica em Psicanálise pela UERJ Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Especialista em Psicanálise e Saúde Mental pela UERJ Universidade do Estado

Leia mais

O GOZO A MAIS DO FEMININO E A FALHA EPISTEMOSSOMÁTICA INTRODUÇÃO

O GOZO A MAIS DO FEMININO E A FALHA EPISTEMOSSOMÁTICA INTRODUÇÃO 1 O GOZO A MAIS DO FEMININO E A FALHA EPISTEMOSSOMÁTICA Vivian Anijar Fragoso Rei 1 Roseane Freitas Nicolau 2 Jamile Luz Morais 3 Ana Carla Silva Pereira 4 INTRODUÇÃO Este trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a

A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a A contribuição winnicottiana à teoria do complexo de Édipo e suas implicações para a prática clínica. No interior de sua teoria geral, Winnicott redescreve o complexo de Édipo como uma fase tardia do processo

Leia mais

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n 17

Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais - Almanaque On-line n 17 Histeria: do matema da fantasia ao discurso Germana Pimenta Bonfioli. Resumo: A histeria é um modo particular do sujeito subjetivar a falta imposta pela castração. No presente artigo, destaca-se dois momentos

Leia mais

Do gozo fálico ao gozo do Outro *

Do gozo fálico ao gozo do Outro * Do gozo fálico ao gozo do Outro * Maria das Graças Leite Villela Dias Psicanalista; doutora em Teoria Psicanalítica pelo Programa de Pósgraduação em Teoria Psicanalítica da UFRJ; professora do Departamento

Leia mais

O Édipo em Lacan. O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo

O Édipo em Lacan. O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo O Édipo em Lacan O uso perverso do falo imaginário no mundo contemporâneo CAMILA DENENO PEREZ São Paulo 2012 Ser completo não tem uma definição, ser completo compete a quem te diz completo. Ser completo

Leia mais

doi: /psicol.argum AO05

doi: /psicol.argum AO05 doi: 10.7213/psicol.argum.34.086.AO05 Feminilidade, amor e devastação: alguns pontos de encontro entre Freud e Lacan Femininity, love and devastation: some coincident points between Freud and Lacan Ana

Leia mais

Miranda da Silva, Aline A devastação e o feminino Psychê, vol. XII, núm. 22, enero-junio, 2008, pp Universidade São Marcos São Paulo, Brasil

Miranda da Silva, Aline A devastação e o feminino Psychê, vol. XII, núm. 22, enero-junio, 2008, pp Universidade São Marcos São Paulo, Brasil Psychê ISSN: 1415-1138 clinica@psycheweb.com.br Universidade São Marcos Brasil Miranda da Silva, Aline A devastação e o feminino Psychê, vol. XII, núm. 22, enero-junio, 2008, pp. 27-34 Universidade São

Leia mais

Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi

Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi O presente trabalho tem a intenção de discutir os impasses

Leia mais

Vingança pornô, versão atualizada. degradação da vida amorosa? 1 Patricia Badari

Vingança pornô, versão atualizada. degradação da vida amorosa? 1 Patricia Badari Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 18 novembro 2015 ISSN 2177-2673 "Vingança Pornô", versão atualizada da degradação da vida amorosa? 1 Patricia Badari Uma mulher tem que ter qualquer coisa

Leia mais

Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006

Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006 Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006 A ex-sistência do real, a diferença sexual e a dissimetria dos gozos * Tania Coelho dos Santos Márcia Zucchi ** A ascensão do mais de gozar ao lugar dominante na

Leia mais

PERÍODO EDIPIANO. Salomé Vieira Santos. Psicologia Dinâmica do Desenvolvimento

PERÍODO EDIPIANO. Salomé Vieira Santos. Psicologia Dinâmica do Desenvolvimento PERÍODO EDIPIANO Salomé Vieira Santos Psicologia Dinâmica do Desenvolvimento Março de 2017 Fases do Desenvolvimento Psicossexual Ao longo do desenvolvimento (bb-adolescente) ocorrem mudanças marcantes:

Leia mais

De Freud a Lacan: um passo de saber sobre as mulheres!

De Freud a Lacan: um passo de saber sobre as mulheres! Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 De Freud a Lacan: um passo de saber sobre as mulheres! Zelma Abdala Galesi A sexualidade feminina em Freud Freud sempre esteve

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA?

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? Maurício Eugênio Maliska Estamos em Paris, novembro de 1968, Lacan está para começar seu décimo sexto seminário. Momento

Leia mais

A ameaça da alta: considerações sobre o amor na psicose 1

A ameaça da alta: considerações sobre o amor na psicose 1 1 A ameaça da alta: considerações sobre o amor na psicose 1 Sâmea Carolina Ferreira Quebra 2 O presente trabalho discute o amor na psicose que para Lacan 3 é considerado um amor morto e suas implicações

Leia mais

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de O que é uma mulher? 1 Entrevista com Marie-Hélène Brousse 2

Latusa Digital Ano 9 N. 49 Junho de O que é uma mulher? 1 Entrevista com Marie-Hélène Brousse 2 1 2 Annick Passelande: Estamos aqui na sexta edição dos encontros do Pont Freudien e é com muito prazer que hoje recebemos Marie-Hélène Brousse, psicanalista francesa, membro da Escola da Causa Freudiana

Leia mais