O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise"

Transcrição

1 O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise Palavras-chave: Amor de transferência; Escrita; Literatura; Relação Sexual. Márcia de Souza Mezêncio O amor é transferência " Amor será dar de presente um ao outro a própria solidão? " (Clarice Lispector) "Quem fala só tem a ver com a solidão, no que diz respeito à relação que só posso definir dizendo, como fiz, que ela não se pode escrever. Essa solidão, ela, de ruptura do saber, não somente ela se pode escrever, mas ela é o que se escreve por excelência, pois ela é o que, de uma ruptura do ser, deixa traço". (Lacan) Ao fornecer-nos uma primeira definição da transferência, Freud utiliza a metáfora da imprensa, como veremos desenvolvido a seguir. Remete-nos, de certa forma, a algo que já estava escrito. A transferência ela mesma é uma necessidade do tratamento psicanalítico. Freud esclarece que não foi inventada pela psicanálise, mas encontrou nela sua revelação e sua utilidade terapêutica. O que queremos assinalar é um certo caráter automático do amor para a psicanálise, que nela se revela na forma do amor de transferência, cuja elaboração Freud nos dará anos mais tarde. Para ele, a transferência é uma atualização do inconsciente e uma prova da etiologia sexual das neuroses. O que são as transferências? São reedições, reproduções das moções e fantasias que, durante o avanço da análise, soem despertar-se e tornar conscientes, mas com a característica (própria do gênero) de substituir uma pessoa anterior pela pessoa do médico. (...) Algumas dessas transferências em nada se diferenciam de seu modelo, no tocante ao conteúdo, senão por essa substituição. São, portanto, para prosseguir na metáfora, simples reimpressões, reedições inalteradas. Outras se fazem com mais arte: passam por uma moderação de seu conteúdo, uma sublimação (...) São, portanto, edições revistas, e não mais reimpressões.(freud, 1905) Amor ao saber Para Lacan a transferência também é um fato de amor, amor que se dirige a um saber e que se articula pelo sujeito suposto saber. O amor transferencial não é narcísico, não visa uma imagem, visa o sujeito. O sujeito suposto saber é o amor que introduz o sentido e o saber sobre o real. A questão do amor é assim ligada à do saber e todo amor se baseia na relação entre dois saberes inconscientes. A transferência é a modalidade do encontro amoroso na psicanálise. Trata-se de um amor genuíno, no que ele é estritamente freudiano. 1

2 No seminário, livro 20 : mais, ainda, Lacan faz uso das categorias modais de Aristóteles possível, impossível, necessário e contingente para articular o amor e a escrita que, segundo ele, são decorrências da linguagem, ela mesma uma elucubração sobre alíngua. Em Aristóteles essas categorias se referem ao ato e à potência, Lacan as articula em uma teoria do escrito. Esclarece que a fórmula não existe relação sexual, só se sustenta em um contexto de linguagem e mais especificamente a partir da escrita. Não se pode escrever a relação sexual porque ela não está escrita. Ou seja, não se pode falar de um universal necessário, como uma lei do instinto, quando se trata dos seres falantes. Acrescenta que o amor é a tentativa de escrever a relação sexual inexistente. Através das condições do amor, que funcionam como um já escrito, um necessário, que circunscreve um objeto signo de amor. A metáfora freudiana se esclarece, então, na passagem da contingência à necessidade, ponto de suspensão a que se agarra todo amor. A transferência é a contingência tornada necessidade. Ela se inscreve, se reescreve sobre as marcas dos encontros passados, motivo pelo qual Freud a identifica à repetição. Amor que se escreve Em uma análise, na qual a relação sexual está excluída, o que se pode escrever a partir do amor de transferência? Não quer dizer que através do amor, a relação sexual por fim se escreva, o que se escreve é uma suplência da relação sexual inexistente, ou seja, se inscrevem para um sujeito as marcas de um gozo particular, nascido de um encontro contingente e que se torna, a partir daí necessário. Segundo Lacan, na análise só se lida com o amor e não é por outra via que ela opera. O analista encarna um significante suplementar na cadeia. É uma primeira indicação da escrita que se pode dar à transferência, uma escrita na cadeia simbólica, como um significante suplementar que lhe serve de endereço. Miller ( ) comenta a passagem da Proposição de 9 de Outubro de 1967 sobre o psicanalista de Escola em que Lacan constrói o algoritmo da transferência, articulando ao passe o ponto de basta da significação. Ele diz que, tal como Lacan o propôs, supõe a assimilação da transferência a um algoritmo, quer dizer, a uma fórmula lógica de funcionamento automático, destinada a encontrar seu principio de parada no passe. Pode-se dizer então que o que se pode escrever de uma análise é o que se articula ao seu final? Só se escreve a transferência após sua liquidação? Pode-se falar de liquidação da transferência, ou o passe indica uma mudança de endereço? O que Lacan chama o trabalho de transferência que se converte em transferência de trabalho, segue sendo, pela via de uma elaboração de saber, uma tentativa de tratamento do impossível, do real que não se escreve? Se seguirmos o argumento de Jacques-Alain Miller, o algoritmo da transferência permite introduzir o que ele chama metáfora do real. Partindo da idéia de que a transferência é um efeito de significação de ordem imaginária governado pela articulação simbólica, o que levaria a uma infinitização da cadeia, com o passe introduz-se nela o ponto de basta, em que se supõe que o efeito imaginário é substituído por um efeito real. O sujeito suposto saber é uma significação, não é nada real. É uma significação imaginária determinada pela articulação simbólica e o que permite que isso pare, se constitua, se cristalize, (se escreva?) é a emergência do objeto a, que seria da ordem de um semblante do real. O final da análise se marca pelo saber do que se é no desejo, pura falta ou puro objeto. 2

3 Escrever sem estilo? No livro de Clarice Lispector, a que fizemos menção no caput desse trabalho, os personagens se abstêm do relacionamento sexual até o momento de estarem prontos para gozar do encontro, o que se passa através de uma "aprendizagem", uma preparação para o Um, para o Ser e para o Eu. Programa que parece ultrapassá-los, apesar do que parece, não se termina com um encontro perfeito, se termina com o vazio, o vazio da fala que não se completa, o vazio da escrita que não se consuma, não se transpõe. A escrita em Clarice parece ser da ordem de um arrebatamento, "sou mais forte do que eu", ela diz. Ou faz dizer seu personagem: Nós que escrevemos, temos na palavra humana, escrita ou falada, grande mistério que não quero desvendar com o meu raciocínio que é frio. Tenho que não indagar do mistério para não trair o milagre. Quem escreve ou pinta ou ensina ou dança ou faz cálculos em termos de matemática, faz milagre todos os dias. É uma grande aventura e exige muita coragem e muita devoção e muita humildade. Meu forte não é a humildade em viver. Mas ao escrever sou fatalmente humilde. Todo o texto se orienta a partir da questão do saber. "Pedir? Como é que se pede? E o que se pede? Pede-se vida? Pede-se vida. Mas já não se está tendo vida? Existe uma mais real. O que é real? E ela não sabia como responder." O real, diz Lacan, é o mistério do corpo falante, o mistério do inconsciente. O real de que se trata na psicanálise é um real que não cessa de não se escrever, é o impossível da relação sexual. O artifício de colocar a relação sexual em um horizonte temporal de potencialidade, empresta-lhe um caráter de promessa, de realização, ainda que assintótica, revelando, no entanto, a radical solidão do um, a impossibilidade concernida ao próprio ser. Existe vida mas não saber no real. O que se pede, o que se demanda, Lacan nos ensina não se tratar do Outro, mas dos objetos que vêm substituí-lo como causa de desejo, objeto a. "Nós dois somos um só". É daí que parte a idéia do amor, que é uma maneira de dar à relação sexual o seu significado. Em Freud a função do amor narcísico, amor da própria imagem, traz o problema de saber como pode haver amor por um Outro. Para Lacan o objeto não é especularizável, é o que faz furo na imagem e é o que se busca no Outro, que está implicado na satisfação pulsional e pode ir além: um amar-se através do outro. O desfecho do livro revela a fragilidade da solução, consumado o ato sexual, os parceiros se encontram atingidos em sua solidão e imersos na dor de existir. Ela decide dizer o que calou a vida toda. Ele resolve que enfim terá que escrever seu ensaio. "Escrever sem estilo é o máximo que quem escreve chega a desejar". Para o ser falante, há apenas corpos falantes, o mundo cheio de saber é um sonho. O que quer dizer escrever sem estilo? O personagem quer transpor para uma escrita matemática o que chama de pensamento-sentimento. Ao mesmo tempo em que diz que o pensamento ameaça o milagre. O que é o estilo? Sabemos que para Lacan só a matematização atinge um real, real próprio ao inconsciente e que responde à formula: não há relação sexual. 3

4 Para não se ler O escrito em psicanálise não é para ser lido, não se deve compreendê-lo. O uso das letras matemáticas visa uma transmissão, ainda que não introduza saber no real. O real da psicanálise é distinto do real da ciência. Visa uma demonstração do impossível pela contingência, o que pode mudar o tempo todo. Fala-se de enigma, mistério, milagre, que uma pessoa possa vestir-se com os signos do objeto a e encarnar as condições de gozo para um sujeito. É o que se constrói no amor: uma resposta para o traumatismo sempre presente nos encontros, que são sempre desencontros. Pode-se apenas fazer uma homologia com a situação analítica, em que o contrato entre os parceiros institui de saída a marca do impossível, de um amor destinado a ser destituído. De alguma forma podemos dizer que se trata de uma aprendizagem, ainda que não de uma educação, uma aprendizagem pelo sintoma ou quem sabe pelo sinthoma como sugere Bernard Lecoeur. O sinthoma é a marca de um estilo ou sua destituição? O que quisemos apenas indicar é que a experiência analítica, particularmente em sua vertente do amor de transferência, "realiza" de alguma forma, uma escrita das condições do gozo de um sujeito, ao que se empresta, empresta seu corpo o analista. Não por acaso a saída de uma análise, aquela que produz a passagem de analisante a analista, se articula em termos de um novo amor para o sujeito. Referências bibliográficas: LECOEUR, B. Uma aprendizagem pelo sinthoma. In: Opção Lacaniana Revista Brasileira Internacional de Psicanálise 32, São Paulo, Edições Eólia, dezembro/2001, p FREUD, S. (1905) Fragmento da análise de um caso de histeria : Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas, vol. VII, Rio de Janeiro, Imago, LACAN, J. O seminário, livro 20 : mais, ainda ( ), Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola. In: Opção Lacaniana Revista Brasileira Internacional de Psicanálise 17, São Paulo, Edições Eólia, novembro/1996, p LISPECTOR, C. Uma aprendizagem ou Livro dos prazeres, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, MILLER, J.-A. A teoria do parceiro. In: Os circuitos do desejo na vida e na análise, Rio de Janeiro, Contra Capa, Um real para a psicanálise. In: Opção Lacaniana Revista Brasileira Internacional de Psicanálise 32, São Paulo, Edições Eólia, dezembro/200, p

5 Le lieu et le lien ( ), Curso proferido na Universidade de Paris VIII, inédito. 5

O gozo, o sentido e o signo de amor

O gozo, o sentido e o signo de amor O gozo, o sentido e o signo de amor Palavras-chave: signo, significante, sentido, gozo Simone Oliveira Souto O blá-blá-blá Na análise, não se faz mais do que falar. O analisante fala e, embora o que ele

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1

Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1 Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado no Simpósio de Intersecção Psicanalítica do Brasil. Brasília, 2006. Trabalho Publicado no livro As identificações

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas 98 Referências Bibliográficas ALBERTI, S. Esse Sujeito Adolescente. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 1999. APOLINÁRIO, C. Acting out e passagem ao ato: entre o ato e a enunciação. In: Revista Marraio.

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

O estatuto do corpo no transexualismo

O estatuto do corpo no transexualismo O estatuto do corpo no transexualismo Doris Rinaldi 1 Lacan, no Seminário sobre Joyce, assinala a estranheza que marca a relação do homem com o próprio corpo, relação essa que é da ordem do ter e não do

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez *

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez * Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental Stella Jimenez * A palavra sinthoma aparece na obra de Lacan relacionada às psicoses, quando ele toma James Joyce como seu exemplo

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA?

A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA? A INCOMPREENSÃO DA MATEMÁTICA É UM SINTOMA? ROSELI MARIA RODELLA DE OLIVEIRA rrodella@gmail.com A proposta deste trabalho é explicar o sintoma de incompreensão da matemática. Ela está inspirada em uma

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA?

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? Maurício Eugênio Maliska Estamos em Paris, novembro de 1968, Lacan está para começar seu décimo sexto seminário. Momento

Leia mais

O real no tratamento analítico. Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado

O real no tratamento analítico. Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado O real no tratamento analítico Maria do Carmo Dias Batista Antonia Claudete A. L. Prado Aula de 23 de novembro de 2009 Como conceber o gozo? Gozo: popularmente, é traduzido por: posse, usufruto, prazer,

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 A clínica do sintoma em Freud e em Lacan Ângela Batista * O sintoma é um conceito que nos remete à clínica, assim como ao nascimento da psicanálise. Freud o investiga

Leia mais

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Política do medo versus política lacaniana Mirta Zbrun* Há três sentidos possíveis para entender a política lacaniana 1. Em primeiro lugar, o sentido da política

Leia mais

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES Roberto Lopes Mendonça O tratamento da psicose: impasses iniciais No trabalho clínico com a psicose, torna-se cada vez

Leia mais

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica

Leia mais

AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1

AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1 AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1 Luiz Carlos Nogueira e Helena Bicalho 2 Instituto de Psicologia - USP Jair Abe 3 Instituto de Estudos Avançados - USP Este trabalho trata da relação entre a

Leia mais

A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO

A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO Este trabalho é um recorte do projeto de iniciação científica (PIBIC) Estruturas Clínicas e Discurso: a neurose, no qual trabalhamos o texto do Seminário XVII: O Avesso

Leia mais

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres

Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Um tipo particular de escolha de objeto nas mulheres Gabriella Valle Dupim da Silva Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Psicologia(PPGP/UFRJ)/Bolsista CNPq. Endereço: Rua Belizário Távora 211/104

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura)

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) Arlete Mourão Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e identificação Lenita Bentes Ondina Machado * Abordaremos alguns aspectos do tema de nossa oficina, que dá título ao texto, através de dois pequenos escritos.

Leia mais

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi 1. A política e a clínica A saúde mental é definida

Leia mais

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 (Pontuações do livro de Collete Soler A Psicanálise na Civilização ) Sonia Coelho 2 Lendo essa afirmativa Os trabalhos artísticos não são produtos

Leia mais

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1 O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da Arlete Mourão 2 identificação 1 Na formação do analista, o lugar e a função do estudo da psicanálise são conseqüências lógicas da

Leia mais

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS Curso de Formação em Pasicanálise Ciclo IV 3ª Noite O atravessamento da Psicanálise em meu cotidiano Nathália Miyuki Yamasaki 2014 Chego para análise e me ponho a

Leia mais

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD

O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA. Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD O AMOR, O FEMININO E A ESCRITA Valdelice Nascimento de França Ribeiro Maria Aimée Laupman Ferraz Ana Maria Medeiros da Costa O AMOR EM FREUD Recorreremos ao texto freudiano: Sobre o narcisismo: uma introdução

Leia mais

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA

AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA AMOR SEM LIMITES: SOBRE A DEVASTAÇÃO NA RELAÇÃO MÃE E FILHA E NA PARCERIA AMOROSA Fernanda Samico Küpper Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Leia mais

A constituição do sujeito e a análise

A constituição do sujeito e a análise Berenice R. Fontes C. de Morais A constituição do sujeito e a análise Este trabalho parte de um texto de Colette Soler em que ela escreve sobre o sujeito desejante: [...] o sujeito que começa uma análise

Leia mais

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUTIDO PELA ESCOLA FREUDIANA DA ARGENTINA NOEMI SIROTA O trabalho permite

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas Referências bibliográficas BEZERRIL, C. (relatora). Imagens da letra. Opção Lacaniana Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, n. 41, 2004. COTTET, S. La belle inertie. Note sur la depression en

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS CARGA

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS

Leia mais

Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1

Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1 Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1 Maria Isabel Fernandez Este título extraí do seminário...ou pior, livro 19, de Jacques Lacan, especificamente do capítulo III, intitulado

Leia mais

O real escapou da natureza

O real escapou da natureza Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 Sandra Arruda Grostein O objetivo deste texto é problematizar a proposta feita por J.-A. Miller de que o real emancipado da natureza

Leia mais

QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1

QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1 QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1 Na descoberta do inconsciente Freud apontou que a transferência é um fenômeno espontâneo que adquire status de conceito na psicanálise. Ela é

Leia mais

Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006

Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006 Latusa digital ano 3 N 22 maio de 2006 A ex-sistência do real, a diferença sexual e a dissimetria dos gozos * Tania Coelho dos Santos Márcia Zucchi ** A ascensão do mais de gozar ao lugar dominante na

Leia mais

A devastação: uma singularidade feminina

A devastação: uma singularidade feminina Devastação ISSN 0101-4838 469 A devastação: uma singularidade feminina Malvine Zalcberg* RESUMO Lacan empregou o termo devastação em dois momentos de seu ensino para se referir: seja à relação da filha

Leia mais

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1

O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 O Fenômeno Psicossomático (FPS) não é o signo do amor 1 Joseane Garcia de S. Moraes 2 Na abertura do seminário 20, mais ainda, cujo título em francês é encore, que faz homofonia com en corps, em corpo,

Leia mais

Trata-se de saber o quê, num discurso (analítico) se produz por efeito da Escrita. Vera Lúcia Santana. Escrita,linguagem,discurso, significante

Trata-se de saber o quê, num discurso (analítico) se produz por efeito da Escrita. Vera Lúcia Santana. Escrita,linguagem,discurso, significante Trata-se de saber o quê, num discurso (analítico) se produz por efeito da Escrita. Vera Lúcia Santana Escrita,linguagem,discurso, significante Para Lacan, a escrita é o que se pode ler da erosão da linguagem,

Leia mais

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos.

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. 3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. Yzabelle dos Anjos Almeida (IP-UERJ), Rita Maria Manso de Barros (IP-UERJ) Resumo: Este trabalho pretende tratar da ética

Leia mais

Famílias sintomáticas

Famílias sintomáticas Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 1 Fabian Fajnwaks O desejo de formar família encontrou uma espécie de interpretação na resposta recente de nossos governantes:

Leia mais

7 Referências Bibliográficas

7 Referências Bibliográficas 81 7 Referências Bibliográficas ARRIVÉ, M. Linguagem e psicanálise: lingüística e inconsciente. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1999. BAUMAN, Z. Vida líquida. (2009). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 A transferência e o gozo mudo do sintoma Maria do Rosário Collier do Rêgo Barros * O ponto de partida de minha questão é a dimensão da transferência que não se apóia

Leia mais

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos diferentes daquele no qual ela foi originalmente pensada,

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ABREU, T. Perversão generalizada. In: Agente: Revista digital de psicanálise da EBP-Bahia, n. 03. Salvador: EBP-Bahia, 2007. Disponível em: .

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas

Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN FPS e sinthome. Paola Salinas Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 14 julho 2014 ISSN 2177-2673 1 Paola Salinas Este texto visa clarear algumas indagações a respeito do fenômeno psicossomático a partir da noção de sinthome

Leia mais

Revista da ATO escola de psicanálise Belo Horizonte Inibição, sintoma, angústia: função de nominação Ano II n.1 pp ISSN:

Revista da ATO escola de psicanálise Belo Horizonte Inibição, sintoma, angústia: função de nominação Ano II n.1 pp ISSN: Revista da ATO escola de psicanálise Belo Horizonte Inibição, sintoma, angústia: função de nominação Ano II n.1 pp. 1-124 2016 Revista da Ato Escola de psicanálise Belo Horizonte Angústia Ano I n. 0 pp.

Leia mais

PsicoDom, v.1, n.1, dez

PsicoDom, v.1, n.1, dez PsicoDom, v.1, n.1, dez. 2007 13 Resenha do livro Categorias Conceituais da Subjetividade Jorge Sesarino 1 Fabio Thá, conhecido nome da psicanálise em Curitiba, foi um dos pioneiros no estudo da obra de

Leia mais

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO Altair José dos Santos Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado necessariamente à linguagem, implica

Leia mais

GRAÇA A DEUS NÃO COMI MEU PAI

GRAÇA A DEUS NÃO COMI MEU PAI GRAÇA A DEUS NÃO COMI MEU PAI Rachel Rangel Bastos 1 O interlocutor deve estar pensando ao que remete esse trabalho com um título cujo significado pode ter inúmeras interpretações. Mas pretendo apenas

Leia mais

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1

NOME DO PAI E REAL. Jacques Laberge 1 NOME DO PAI E REAL Jacques Laberge 1 Na época em que estava proferindo seu Seminário As formações do inconsciente, Lacan retomou pontos de seu Seminário III, As psicoses em De uma questão preliminar a

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

Escritores Criativos E Devaneio (1908), vol. IX. Fantasias Histéricas E Sua Relação Com A Bissexualidade (1908), vol. IX. Moral Sexual Civilizada E

Escritores Criativos E Devaneio (1908), vol. IX. Fantasias Histéricas E Sua Relação Com A Bissexualidade (1908), vol. IX. Moral Sexual Civilizada E 6 Bibliografia ANDRÉ, S., A Impostura Perversa, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1995. BROUSSE, M. H., A Fórmula do Fantasma? $ a, in Lacan, organizado por: Gérard Miller, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.,

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

Palavras-chave: Sintoma, fantasia, Nome-do-Pai, sinthoma, parceiro_sinthoma.

Palavras-chave: Sintoma, fantasia, Nome-do-Pai, sinthoma, parceiro_sinthoma. Título: Da solução do sintoma ao sinthoma como solução Autor: Leandro Marques Santos Formado no Curso de Psicanálise pelo Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais, Psicanalista, Pós-graduado

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 : uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Introdução Nesse trabalho, proponho-me a falar

Leia mais

O OBJETO A E SUA CONSTRUÇÃO

O OBJETO A E SUA CONSTRUÇÃO O OBJETO A E SUA CONSTRUÇÃO 2016 Marcell Felipe Psicólogo clínico graduado pelo Centro Universitário Newont Paiva (MG). Pós graduado em Clínica Psicanalítica pela Pontifícia Católica de Minas Gerais (Brasil).

Leia mais

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina O corpo e os objetos (a) na clínica dos transtornos alimentares Lázaro Elias Rosa Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina Com este título, nomeamos o conjunto de nossos trabalhos, bem como o rumo

Leia mais

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira PROGRAMA - Io. SEMESTRE Março/2014 14/03/2014 CONFERÊNCIA INAUGURAL : Contextualização do seminário

Leia mais

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI Rachel Rangel Bastos 1 No meu nascimento Eu não cheguei sendo nada Eu já estava moldado Vestido Cultivado Culturado Antes mesmo de escutar Eu tinha já escutado dizer Antes

Leia mais

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de

O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD. Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de O MASOQUISMO E O PROBLEMA ECONÔMICO EM FREUD Mariana Rocha Lima Sonia Leite Esse trabalho é parte de uma pesquisa de mestrado, vinculada ao Programa de Pós Graduação em Psicanálise da UERJ, cujo objetivo

Leia mais

Transferência e desejo do analista

Transferência e desejo do analista Transferência e desejo do analista Doris Rinald 1 i Originalmente a transferência é descoberta por Freud como um fenômeno espontâneo que, ao ser vinculado ao desenvolvimento da experiência psicanalítica,

Leia mais

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor?

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Rita de Cássia dos Santos Canabarro 1 Eros e Ananke são, segundo Freud (1930/1987), os pais da civilização. De um lado, o amor foi responsável por reunir

Leia mais

Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso.

Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso. Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso. Bárbara Breder 1 Este trabalho surge do diálogo estabelecido sobre a clínica com pacientes

Leia mais

Repetição, com Estilo 1.

Repetição, com Estilo 1. O artista é aquele que saiu da trincheira e não cedeu quanto à sua marca diferencial. (Jorge Forbes) Repetição, com Estilo 1. Repetição e o Artista Raymond Queneau, escritor francês, contemporâneo de Lacan,

Leia mais

Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009

Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009 1 Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009 Dinâmica conceitual na perspectiva do Sinthoma * Maria Angela Maia ** Jacques-Alain Miller inicia a aula V de seu curso Coisas de fineza em psicanálise, perguntando

Leia mais

O amor e a mulher. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: Daniela Goulart Pestana

O amor e a mulher. Segundo Lacan o papel do amor é precioso: Daniela Goulart Pestana O amor e a mulher O que une os seres é o amor, o que os separa é a Sexualidade. Somente o Homem e A Mulher que podem unir-se acima de toda sexualidade são fortes. Antonin Artaud, 1937. Daniela Goulart

Leia mais

O valor d osbjet. Sérgio de Campos 1

O valor d osbjet. Sérgio de Campos 1 O valor d osbjet Sérgio de Campos 1 sergiodecampos@uol.com.br Resumo: No mercado dos sintomas e da fantasia, o objeto ganha um valor de semblante. Qual é o valor de gozo que o sujeito tem para com seu

Leia mais

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito

O AMOR NA PSICOSE. fórmulas da sexuação, entre o homem e a mulher. Já na articulação amor / suplência 3 o sujeito O AMOR NA PSICOSE Nancy Greca de Oliveira Carneiro 1 A doutrina da foraclusão generalizada faz ver que há para o sujeito, e não apenas para o psicótico, um objeto indizível, o que estende a foraclusão

Leia mais

O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA

O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA Por Arlete Mourão Simpósio de Olinda (agosto de 2005) Existem dois tipos de análises termináveis: aquelas cuja saída se dá pela père-version e aquelas cuja saída se dá

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas Referências bibliográficas BARTHES, R. (1980) A Câmera Clara. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1984. BARROS, R. R. (2004 a) O medo, o seu tempo e a sua política. In: A política do medo e o dizer

Leia mais

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi Escrita e Invenção Doris Rinaldi O poeta Manoel de Barros, em seu livro de memórias sobre a infância, intitulado Memórias Inventadas, abre o trabalho com a seguinte afirmação: Tudo o que não invento é

Leia mais

Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009

Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009 1 Latusa digital ano 6 N 37 junho de 2009 Coisas de fineza em psicanálise * Fernando Coutinho ** Apesar de publicado em janeiro de 1966, o escrito A ciência e a verdade 1 é atual para adentrarmos no curso

Leia mais

O CARTEL E O DISCURSO ANALÍTICO. Laureci Nunes

O CARTEL E O DISCURSO ANALÍTICO. Laureci Nunes O CARTEL E O DISCURSO ANALÍTICO Laureci Nunes Lacan, em 1964, quando fundou a Escola Freudiana de Paris, propôs o cartel, como o dispositivo privilegiado, onde ele esperava que o trabalho da Escola se

Leia mais

O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL. Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii.

O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL. Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii. O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii Resumo Este trabalho é parte dos resultados da pesquisa realizada

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 78 6 Referências bibliográficas ALMEIDA PRADO, M. C. Uma Introdução aos Qüiproquós Conjugais. In: FÉRES CARNEIRO T. (org.). Relação Amorosa, Casamento, Separação e Terapia de Casal. Rio de Janeiro: Associação

Leia mais

Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi

Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi O presente trabalho tem a intenção de discutir os impasses

Leia mais

Formação do analista e universidade: dissimetrias 1

Formação do analista e universidade: dissimetrias 1 Opção Lacaniana online nova série Ano 7 Número 21 novembro 2016 ISSN 2177-2673 algumas dissimetrias 1 Marcia Mello de Lima Este artigo foi motivado pela pergunta corrente entre aqueles que ensinam e estudam

Leia mais

Psicanálise: ética, discurso e ensino Psychoanalysis: éthics, discourse and teaching

Psicanálise: ética, discurso e ensino Psychoanalysis: éthics, discourse and teaching 180 issn 0101-4838 Psychoanalysis: éthics, discourse and teaching Rodrigo Afonso Nogueira Santos* RESENHA DE: Castro, J. E.. Curitiba: Appris, 2013. 250 páginas. O livro intitulado se anuncia, desde seu

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 82 5 Referências bibliográficas BAKER, L. R. Attitudes in Action. Separata de: LECLERC, A.; QUEIROZ, G.; WRIGLEY, M. B. Proceedings of the Third International Colloquium in Philosophy of Mind. Manuscrito

Leia mais

Desejo do Analista : Passe ou impasse entre os analistas?

Desejo do Analista : Passe ou impasse entre os analistas? Desejo do Analista : Passe ou impasse entre os analistas? Arlete Mourão Reunião Lacanoamericana de Montevidéu (novembro de 2007) Por que é tão freqüente os analistas fazerem referência ao desejo do analista

Leia mais

UMA POSSÍVEL ÉTICA DO OLHAR 1

UMA POSSÍVEL ÉTICA DO OLHAR 1 www.interseccaopsicanalitica.com.br UMA POSSÍVEL ÉTICA DO OLHAR 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 A pulsão escópica tem importância significativa na teoria psicanalítica. Em 1915, Freud dedicou ao par antitético

Leia mais

Resenha. Considerações sobre a teoria lacaniana das psicoses*

Resenha. Considerações sobre a teoria lacaniana das psicoses* Resenha Considerações sobre a teoria lacaniana das psicoses* SOUZA LEITE, M. P. Questões preliminares à psicanálise de psicóticos, Palestra. Iª Semana de Psicanálise. Novembro-1987, PUC-SP (www.marciopeter.com.br).

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

O amor: esse encontro faltoso

O amor: esse encontro faltoso O amor: esse encontro faltoso Profa. Ms. Célia Ferreira Carta Winter 1 Sumário: 1.Contextualização.2 O amor em Freud e Lacan 3. O amor e a Linguagem. 4. Considerações Finais 1.Contextualização: O tema

Leia mais

A estranheza da psicanálise

A estranheza da psicanálise Antonio Quinet A estranheza da psicanálise A Escola de Lacan e seus analistas Rio de Janeiro Prefácio: Ex-tranha Não ficaria surpreso, diz Freud, em ouvir que a psicanálise, que se preocupa em revelar

Leia mais

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon

Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673. Há um(a) só. Analícea Calmon Opção Lacaniana online nova série Ano 3 Número 8 julho 2012 ISSN 2177-2673 Analícea Calmon Seguindo os passos da construção teórico-clínica de Freud e de Lacan, vamos nos deparar com alguns momentos de

Leia mais

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise Joana Souza Psicanalista. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Especialização

Leia mais

A operação redução e o chiste

A operação redução e o chiste Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 3 Novembro 2010 ISSN 2177-2673 1 Sandra Viola No primeiro capítulo do livro do chiste 2, Freud se preocupa em estudar a técnica através da qual um chiste

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais

Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL.

Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL. Almanaque on-line entrevista Patrício Alvarez, Diretor do VI ENAPOL. A insensatez do sintoma: os corpos e as normas será o tema de trabalho da Seção Clínica do Instituto, neste semestre. Sua escolha se

Leia mais

O SINTOMA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA: ADVERSÁRIO OU ALIADO? seguintes perguntas: qual a função do sintoma no psiquismo?

O SINTOMA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA: ADVERSÁRIO OU ALIADO? seguintes perguntas: qual a função do sintoma no psiquismo? O SINTOMA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA: ADVERSÁRIO OU ALIADO? Flávia Lana Garcia de Oliveira As questões que pretendo desenvolver neste trabalho são suscitadas pelas seguintes perguntas: qual a função do sintoma

Leia mais

Latusa digital ano 3 Nº 26 dezembro de 2006

Latusa digital ano 3 Nº 26 dezembro de 2006 Latusa digital ano 3 Nº 26 dezembro de 2006 Os resultados terapêuticos da psicanálise: novas formas da transferência * Nós que nos amamos tanto Jorge Chamorro ** Introdução É no caminho que Jacques Lacan

Leia mais

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Alexandre Rambo de Moura Nosso trabalho se desdobra das questões que emergem a partir do livro Desejos Secretos,

Leia mais

Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa

Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 6 novembro 2011 ISSN 2177-2673 Potlatch amoroso : outra versão para o masoquismo feminino Graciela Bessa Só nos círculos psicanalíticos se debate com calma

Leia mais

O CARTEL FAZ ESCOLA. Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em

O CARTEL FAZ ESCOLA. Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em O CARTEL FAZ ESCOLA Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em torno do Cartel, org. por Barbara Guatimosin), Rithé Cevasco coloca a seguinte questão: saberemos fazer uso

Leia mais

Latusa Digital ano 1 N 8 agosto de 2004

Latusa Digital ano 1 N 8 agosto de 2004 Latusa Digital ano 1 N 8 agosto de 2004 Pontuações sobre o tratamento do corpo na psicanálise * Márcia Zucchi ** Gostaríamos de discutir, um pouco, as relações entre o que a psicanálise acolhe como índices

Leia mais

De ciclones e círculos Ou: do Outro ao objeto 1

De ciclones e círculos Ou: do Outro ao objeto 1 De ciclones e círculos Ou: do Outro ao objeto 1 Tatiane Grova * Mark Twain, o mais famoso pseudônimo do escritor norte-americano Samuel L. Clemens, deixou textos póstumos inéditos, dos quais alguns estão

Leia mais