A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO"

Transcrição

1 A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO Este trabalho é um recorte do projeto de iniciação científica (PIBIC) Estruturas Clínicas e Discurso: a neurose, no qual trabalhamos o texto do Seminário XVII: O Avesso da Psicanálise de Jacques Lacan como objeto de leitura, escritura e pesquisa. O interesse por este seminário se deu pelo debateem teoria psicanalítica sobre a formação do analista e sua implicação no contexto social, bem como aproposta lacaniana de retorno ao texto freudiano. Nas primeiras páginas, Lacan (1991) recomenda a releitura do texto freudiano, um retorno a Freud, não impulsionando um movimento de oposição ou de evolução da teoria, mas sim, sua retomada. De acordo com Coelho (2006) o objetivo de Lacan foi retomar o estatuto do sujeito dividido, tomando a psicanálise pelo avesso, e propor uma nova forma de entender o estabelecimento do laço entre os sujeitos [...] (p.107). A ideia, então, formou-se da seguinte maneira: tomar o texto lacaniano como guia para o estudo dos textos freudianos. Dessa forma, o Avesso da Psicanálise (1969/1992) além de nos introduzir neste percurso, também nos lança no campo da linguagem, o qual foi trabalhado a partir da noção de discurso desenvolvida por Lacan (1992). Dessa forma, através da escrita algébrica dosmatemas o discurso é conceituado como uma estrutura que já está no mundo e subsiste mediante certas relações fundamentais que não poderiam se manter sem a linguagem. O campo da linguagem éestruturado a partir da relação fundamental em que um significante (S1) representa o sujeito ($) para outro significante (S2), cujo resultado desta operação produz uma falta (objeto a). Para Lacan (1969/1992) esta articulação lógica corresponde à uma propriedade inerente a toda relação social, proposta pela estruturação discursiva: a incompletude, e basta que saibamos como isto opera para que os outros discursos sejam contemplados. Émantendo as letras fixas e dando a elas ¼ de giro progressivo ou regressivo que isto acontece.

2 Neste trabalho, enfatizamos o Discurso Analítico buscando compreender e responder a questão sobre o que o analista faz e, mais além, como faz. Para isso, privilegiamos o estudo da técnica analítica como percurso indispensável para o estabelecimento da relação entre analista e analisante. É dessa forma que a partir de Lacan, de seu conceito de discurso e da introdução no campo da linguagem mediante a leitura do Seminário XVII retornaremos ao texto freudiano - Artigos sobre a técnica - em busca de definir como se estabelece esta relação. Na sessão Analyticon (p.207) desde seminário, Lacan é confrontado sobre a formação do psicanalista e sua função na sociedade; Buscava-se ali, por se tratar da universidade, os créditos que autorizassem a formação do psicanalista e o que Lacan (1969/1991) defende é que a psicanálise não se presta a uma transmissão de saber, mas sim a uma posição discursiva. Segundo Leite 1 o que o analista faz é estabelecer e administrar um vínculo social discursivo em que uma pessoa procura o analista porque supõe nele um saber. No matema lacaniano, o analista é que é o mestre e isto não corresponde ao domínio a fim de amestrar o outro como no Discurso do Mestre -, mas sim em forma de objeto a como efeito de rechaço. Em seu lado também está presente o saber e em posição de verdade ele corresponde a um enigma, capaz de ser acessado apenas pela metade, por um semi-dizer. Quer adquira esse saber escutando seu analistante, quer seja um saber já adquirido, localizável, isto pode, em certo nível, ser limitado ao savoir-faire (saber fazer) analítico (Lacan, 1969/1992, p.36). Para que haja o estabelecimento do vínculo e o início do tratamento é necessário que estejamos cientes da maneira que o analista deve se posicionar. Para Lacan isto foi traduzido como: objeto a/ S2. A nossa leitura - que se fia no objetivo de traduzir esta operação em termos técnicos aproxima esta estrutura (objeto a/s2) ao método da associação livre, o qual possibilita a interpretação das formações inconscientes. (Faleme tudo que vier em mente/ atos falhos, chistes, sonhos). [...] um outro procedimento para o analista instalar o discurso analítico é fazer o sujeito aplicar a regra fundamental da associação livre. O analista, ao não 1 Os dados referenciais estão omitidos no corpo textual. O acesso ao texto A clínica se deu pela pesquisa no site

3 identificar a sua verdade com a do paciente, encontra essa verdade no próprio paciente. A psicanálise usa o método da associação livre para descobrir a verdade do paciente. (LEITE, p.8) Para Freud (1913/2010) o vínculo entre analista e analisante precisa passar por um período de prova, o qual nomeou ensaio preliminar (p.165). Este período é necessário para que haja uma sondagem em relação ao caso e se é ou não apropriado para análise. Trata-se, portanto, da importância de estruturar as boas vindas ao paciente e concluir sobre o diagnóstico, fazendo com que o analisante se implique em seu discurso. Cabe ao analista, então, dirigir o tratamento, e não o analisante. Para isso, é preciso que ele ocupe esta posição de objeto a, também interpretado como um lugar opaco, em que o analista se coloca como causa do desejo do outro (Lacan, 1969/1992, p.39) convocando o sujeito como suposto saber, como aquele que sabe sem saber que sabe sobre seu sofrimento, enfim, sobre seu sintoma ($). Segundo Freud (1912/2010) o analista tem que ser opaco para o analisante e conduzir o tratamento mais pela aptidão do analisante de que seus próprios desejos e conhecimento. Recomenda que o trabalho analítico se assemelhe ao trabalho cirúrgico, em que os afetos e a compaixão são deixados de lado para que o tratamento se desenvolva de forma satisfatória e competente. A forma que Freud encontrou para instalar tal opacidade foi, inicialmente, recorrendo ao uso do divã. Para ele este artifício proporciona ao analisante se entregar no curso de seus pensamentos espontâneos, reduzindo a influência do analista sobre eles. É preciso que essa queixa se transforme numa demanda endereçada àquele analista e que o sintoma passe do estatuto de resposta ao estatuto de questão para o sujeito, para que este seja instigado a decifrá-lo. Nesse trabalho preliminar, o sintoma será questionado pelo analista, que procurará saber o que esse sintoma está respondendo, que gozo esse sintoma vem delimitar. (Quinet, 1991, p.16). Também cabe ao analista saber de que forma ele ocupa o lugar de investimento do sujeito suposto saber, caminho encontrado pelo manejo da transferência. Sobre este tema indicamos a leitura de Considerações acerca da transferência em Lacan,um outro recorte do projeto de iniciação científica: Estruturas Clínicas e discurso: a neurose.quinet (2011) explica que é pela associação livre que o sujeito se dirige ao

4 analista, o colocando em posição essencial para que o inconsciente apareça; A responsabilidade do analista é, então, montar a cena que favoreça esta aparição. A cena analítica é constituída quando a posição do analista em forma de objeto a, ou seja, como uma função opaca, de semblante, convoca o sujeito suposto saber a falar - em associação livre - sobre seu sofrimento, seu sintoma. A implicação do sujeito corresponde à produção daqueles significantes primordiais que determinam sua história, os significantes mestres ou traço unários como são designados. É no traço unário que tem origem tudo o que nos interessa, a nós, analistas, como saber (Lacan, 1969/1991, p.48). A interpretação analítica e a implicação subjetiva proporcionam a torção do Discurso Analítico, ou seja, a mudança de posição discursiva e consequentemente uma nova relação significante. Segundo Lacan (1969/1992) o que a experiência analítica institui é a histerização do discurso (p.33), ou seja, estruturar o sujeito como agente de discurso e fazer de sua implicação sintomal o vetor para a produção de novos saberes.é válido ressaltar que o Discurso Analítico não corresponde ao melhor ou o mais puro discurso. Trata-se de uma forma de compor o laço entre analista e analisante naquilo que conhecemos como ato analítico, trazendo a certeza da permutação pelos outros três tipos de estruturação discursiva. É, portanto, pela estruturação discursiva,escrita por meio dos matemasque Lacan (1969/1992) transmite seu ensino e o reformula diante da perspectiva vigente na sociedade: a contestação do ensino universitário. Com seus quadrípodes giratórios permite uma releitura do texto freudiano, articulando uma lógica que demonstra a incompletude das relações sociais, o que não as impede seus entrelaçamentos. O discurso é, então, a forma encontrada por Lacan (1969/1992) de compor o laço social que não se pretende absoluto. Assim interpretamos o funcionamento da clínica psicanalítica baseada na elaboração de suas técnicas, já que, embora haja recomendações e caminhos a seguir, não há como padronizar por meio de regras o acesso ao inconsciente.

5 REFERÊNCIAS AMIGO, S. Notas sobre o Discurso do Analista. Em: VEGH, I. Os discursos e a cura. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, COELHO, C. Psicanálise e laço social uma leitura do Seminário 17. Revista Mental, vol. IV, n.6. Barbacena, 2006, p FREUD, Sigmund. Observações psicanalíticas sobre um caso de paranoia relatado em autobiografia ( O caso Schreber ), artigos sobre técnica e outros textos ( ). Tradução de Paulo César de Souza. Vol.10. São Paulo: Companhia das Letras, LACAN, J.O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, LEITE, M. A clínica (www.marciopeter.com.br) QUINET, A. A descoberta do Inconsciente: do desejo ao sintoma. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, SOUZA, A. Os discursos na Psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

6

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica

Leia mais

O Saber em Psicanálise

O Saber em Psicanálise O Saber em Psicanálise Franciny Tenório Cavalcante Maiorano de Lima; Camila de Albuquerque Alves da Silva; Pedro Cerqueira de Almeida; Karla Julliana da Silva Sousa * ;Charles Elias Lang ** Nesse texto

Leia mais

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS Curso de Formação em Pasicanálise Ciclo IV 3ª Noite O atravessamento da Psicanálise em meu cotidiano Nathália Miyuki Yamasaki 2014 Chego para análise e me ponho a

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira PROGRAMA - Io. SEMESTRE Março/2014 14/03/2014 CONFERÊNCIA INAUGURAL : Contextualização do seminário

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X A PSICANÁLISE NO CONTEXTO DA CLÍNICA-ESCOLA Bruna C. de Oliveira Danziger Rafael dos Reis Biazin O que se configura de forma premente no âmbito das práticas clínicas atuantes nas clínicas-escolas é a impossibilidade

Leia mais

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1 O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da Arlete Mourão 2 identificação 1 Na formação do analista, o lugar e a função do estudo da psicanálise são conseqüências lógicas da

Leia mais

AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1

AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1 AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1 Luiz Carlos Nogueira e Helena Bicalho 2 Instituto de Psicologia - USP Jair Abe 3 Instituto de Estudos Avançados - USP Este trabalho trata da relação entre a

Leia mais

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004

Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Latusa digital N 10 ano 1 outubro de 2004 Política do medo versus política lacaniana Mirta Zbrun* Há três sentidos possíveis para entender a política lacaniana 1. Em primeiro lugar, o sentido da política

Leia mais

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUTIDO PELA ESCOLA FREUDIANA DA ARGENTINA NOEMI SIROTA O trabalho permite

Leia mais

PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL

PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL Trabalho apresentado na Letra-Associação de Psicanálise em outubro de 2009. Considerando a grande quantidade de impasses relativos à relação entre a psicanálise e a saúde mental,

Leia mais

SOCIEDADES E ASSOCIAÇÕES DE PSICOTERAPIA PROTOCOLADAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA

SOCIEDADES E ASSOCIAÇÕES DE PSICOTERAPIA PROTOCOLADAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA SOCIEDADES E ASSOCIAÇÕES DE PSICOTERAPIA PROTOCOLADAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA Apresentação da psicoterapia e do(s) modelo(s) teórico(s) subjacente(s) A Associação

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Yuri Ximenes Ávila Siqueira Telles Este artigo trata de questões concernentes à minha experiência de um ano de estágio no

Leia mais

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos.

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. 3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. Yzabelle dos Anjos Almeida (IP-UERJ), Rita Maria Manso de Barros (IP-UERJ) Resumo: Este trabalho pretende tratar da ética

Leia mais

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi

A política do sintoma na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi Opção Lacaniana online nova série Ano 2 Número 5 Julho 2011 ISSN 2177-2673 na clínica da saúde mental: aplicações para o semblante-analista Paula Borsoi 1. A política e a clínica A saúde mental é definida

Leia mais

INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA. Profa. Dra. Laura Carmilo granado

INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA. Profa. Dra. Laura Carmilo granado INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA Profa. Dra. Laura Carmilo granado Pathos Passividade, paixão e padecimento - padecimentos ou paixões próprios à alma (PEREIRA, 2000) Pathos na Grécia antiga Platão

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1

OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 OS TRABALHOS ARTÍSTICOS NÃO SÃO PRODUTOS DO INCONSCIENTE 1 (Pontuações do livro de Collete Soler A Psicanálise na Civilização ) Sonia Coelho 2 Lendo essa afirmativa Os trabalhos artísticos não são produtos

Leia mais

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS Henrique Riedel Nunes Miguel Fernandes Vieira Filho Daniel Franco Abordaremos aqui algumas das diversas relações entre

Leia mais

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise

O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise O amor de transferência ou o que se pode escrever de uma análise Palavras-chave: Amor de transferência; Escrita; Literatura; Relação Sexual. Márcia de Souza Mezêncio O amor é transferência " Amor será

Leia mais

Entretantos, 2014 LACAN COMENTÁRIO DO TEXTO: A DIREÇÃO DO TRATAMENTO E OS PRINCÍPIOS DO SEU

Entretantos, 2014 LACAN COMENTÁRIO DO TEXTO: A DIREÇÃO DO TRATAMENTO E OS PRINCÍPIOS DO SEU Entretantos, 2014 Grupo: DE LEITURA: CASOS CLÍNICOS DE FREUD ACOMPANHADOS DE COMENTÁRIOS DE LACAN Integrantes: Ana Maria Leal, Célia Cristina Marcos Klouri, Claudia Justi Monti Schonberger, Cristina Petry,

Leia mais

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES Roberto Lopes Mendonça O tratamento da psicose: impasses iniciais No trabalho clínico com a psicose, torna-se cada vez

Leia mais

PROJETO AIMEE: A CLÍNICA DA PSICOSE E SEU EFEITO NO SOCIAL

PROJETO AIMEE: A CLÍNICA DA PSICOSE E SEU EFEITO NO SOCIAL PROJETO AIMEE: A CLÍNICA DA PSICOSE E SEU EFEITO NO SOCIAL Autoras: 1 BARRETO, Ellen Kelly Marinho; 2 FERNANDES, Regileide de Lucena; 3 LAVIERI, Maria Beatriz Ferreira; 4 MIGUEL, Isabelle Maria Duarte

Leia mais

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor?

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Rita de Cássia dos Santos Canabarro 1 Eros e Ananke são, segundo Freud (1930/1987), os pais da civilização. De um lado, o amor foi responsável por reunir

Leia mais

OS DIFERENTES MANEJOS DA TRANSFERÊNCIA

OS DIFERENTES MANEJOS DA TRANSFERÊNCIA OS DIFERENTES MANEJOS DA TRANSFERÊNCIA Célia Gillio; Denise Leite; Elsa Góis; Elzira Uyeno; Felipe Marchiori; Patrícia Furlan;Renato Chiavassa. Tutora: Claudia Riolfi. Sombra: Maria Helena Barbosa Introdução

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FREUD ACERCA DA TÉCNICA 1

RECOMENDAÇÕES DE FREUD ACERCA DA TÉCNICA 1 RECOMENDAÇÕES DE FREUD ACERCA DA TÉCNICA 1 RAFAELA THAÍS BORTOLACI Na iminência da transição entre teoria e prática, torna-se fundamental pensar em cada recomendação de Freud acerca da técnica. Ele nunca

Leia mais

O MANEJO DA ANGÚSTIA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA. algo árduo, doloroso, angustiante? Isto se torna paradoxal se considerarmos que as

O MANEJO DA ANGÚSTIA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA. algo árduo, doloroso, angustiante? Isto se torna paradoxal se considerarmos que as O MANEJO DA ANGÚSTIA NA CLÍNICA PSICANALÍTICA Sentir o que o sujeito pode suportar de angústia os põe [os analistas] à prova a todo instante. (J. Lacan) Quantos de nós já ouvimos falar ou mesmo já dissemos

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez *

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez * Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental Stella Jimenez * A palavra sinthoma aparece na obra de Lacan relacionada às psicoses, quando ele toma James Joyce como seu exemplo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS

CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS Escutar a estrutura uma condição para a direção do tratamento FELIPE DE LIMA FAGUNDES CICLO IV 4 a -feira à noite - São Paulo - A função paterna é um lugar que se constitui

Leia mais

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA?

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? Maurício Eugênio Maliska Estamos em Paris, novembro de 1968, Lacan está para começar seu décimo sexto seminário. Momento

Leia mais

Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí

Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí DEBATE Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí A Clínica surge do próprio projeto do curso de Psicologia. Este curso tem como base teórica fundamental as teorias psicanalítica e psicológica.

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 82 5 Referências bibliográficas BAKER, L. R. Attitudes in Action. Separata de: LECLERC, A.; QUEIROZ, G.; WRIGLEY, M. B. Proceedings of the Third International Colloquium in Philosophy of Mind. Manuscrito

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ABREU, T. Perversão generalizada. In: Agente: Revista digital de psicanálise da EBP-Bahia, n. 03. Salvador: EBP-Bahia, 2007. Disponível em: .

Leia mais

A constituição do sujeito e a análise

A constituição do sujeito e a análise Berenice R. Fontes C. de Morais A constituição do sujeito e a análise Este trabalho parte de um texto de Colette Soler em que ela escreve sobre o sujeito desejante: [...] o sujeito que começa uma análise

Leia mais

Transferência e desejo do analista

Transferência e desejo do analista Transferência e desejo do analista Doris Rinald 1 i Originalmente a transferência é descoberta por Freud como um fenômeno espontâneo que, ao ser vinculado ao desenvolvimento da experiência psicanalítica,

Leia mais

SIGMUND FREUD. SPR promove curso de introdução ao pensamento psicanalítico

SIGMUND FREUD. SPR promove curso de introdução ao pensamento psicanalítico O Espaço Sigmund Freud tem o objetivo de introduzir o conhecimento sobre as bases teóricas do pensamento psicanalítico, aos estudantes e profissionais de diversas áreas de interesse. Estão abertas as inscrições

Leia mais

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura)

ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) ISSO NÃO ME FALA MAIS NADA! 1 (Sobre a posição do analista na direção da cura) Arlete Mourão Essa frase do título corresponde à expressão utilizada por um ex-analisando na época do final de sua análise.

Leia mais

CARLOS INTERROGA AO ANALISTA: COMO DAR VOZ AO DESEJO? capacidade de simbolização, de historicização, de representação. A reativação do complexo

CARLOS INTERROGA AO ANALISTA: COMO DAR VOZ AO DESEJO? capacidade de simbolização, de historicização, de representação. A reativação do complexo 1 CARLOS INTERROGA AO ANALISTA: COMO DAR VOZ AO DESEJO? Bela Malvina Szajdenfisz A passagem da vida infantil à adulta é uma experiência em que a força pulsional ultrapassa a capacidade de simbolização,

Leia mais

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Imaginário, Simbólico e Real Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Roteiro: 1) Breve relato sobre a primeira concepção de inconsciente em Freud - o corte epistemológico.

Leia mais

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos

O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos O QUE SE TOCA NO TRATAMENTO PSICANALÍTICO Ednei Soares As atualizações da prática psicanalítica a fazem encarar o desafio de responder a dispositivos diferentes daquele no qual ela foi originalmente pensada,

Leia mais

A Prática Da Escola PSICANÁLISE. Escola Ensino Transmissão 2016 CLÍNICA DE PSICANÁLISE IMPRESSO

A Prática Da Escola PSICANÁLISE. Escola Ensino Transmissão 2016 CLÍNICA DE PSICANÁLISE IMPRESSO CLÍNICA DE PSICANÁLISE A clínica está aberta a cada um que tenha demanda de tratar-se psicanaliticamente. Informações entre 13h e 21h - (21) 2704-8448 / 2710-3522 Consultórios em Niterói e no Rio de Janeiro

Leia mais

Desejo do analista e a intervenção analítica

Desejo do analista e a intervenção analítica Desejo do analista e a intervenção analítica A função do escrito não constitui então o catálogo, mas a via mesma da estrada de ferro. E o objeto (a), tal como o escrevo, ele é o trilho por onde chega ao

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

UMA LEITURA DA OBRA DE SIGMUND FREUD. PALAVRAS-CHAVE Sigmund Freud. Psicanálise. Obras Completas de Freud.

UMA LEITURA DA OBRA DE SIGMUND FREUD. PALAVRAS-CHAVE Sigmund Freud. Psicanálise. Obras Completas de Freud. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( X) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UMA LEITURA

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO

FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO Marcus Kleredis Monteiro Vieira O presente trabalho resulta da pesquisa realizada no Programa de Mestrado em Psicologia

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X A PSICANÁLISE APLICADA EM UMA CLÍNICA-ESCOLA: TRATAMENTO DA HISTERIA Alessandra Elisa Gromowski* Marana Tamie Uehara de Souza Rosane Zétola Lustoza O presente trabalho consiste na apresentação das reflexões

Leia mais

O amor: esse encontro faltoso

O amor: esse encontro faltoso O amor: esse encontro faltoso Profa. Ms. Célia Ferreira Carta Winter 1 Sumário: 1.Contextualização.2 O amor em Freud e Lacan 3. O amor e a Linguagem. 4. Considerações Finais 1.Contextualização: O tema

Leia mais

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005

Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 Latusa digital ano 2 N 13 abril de 2005 A clínica do sintoma em Freud e em Lacan Ângela Batista * O sintoma é um conceito que nos remete à clínica, assim como ao nascimento da psicanálise. Freud o investiga

Leia mais

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3

12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 12. SOCIEDADE DO ESPETÁCULO: A CRIANÇA COMO ALVO Aline Vaneli Pelizoni 1 Geovane dos Santos da Rocha 2 Michaella Carla Laurindo 3 As propagandas as quais somos expostos diariamente demonstram um mundo

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

CHILDREN ADRIFT: REFLECTIONS ON THE CONSTRUCTION, REVIEW OF CASES AND TRANSMISSION OF PSYCHOANALYSIS

CHILDREN ADRIFT: REFLECTIONS ON THE CONSTRUCTION, REVIEW OF CASES AND TRANSMISSION OF PSYCHOANALYSIS Título: Crianças à deriva: reflexões sobre a construção, o comentário de casos e a transmissão da psicanálise Autora: Jeannine Narciso - Psicanalista, responsável pelo Núcleo de Psicanálise e Saúde Mental

Leia mais

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA

INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA Objetivos Definir Psicologia Descrever a trajetória historica da psicologia para a compreensão de sua utilização no contexto atual Definir Psicologia Organizacional A relacão da

Leia mais

O gozo, o sentido e o signo de amor

O gozo, o sentido e o signo de amor O gozo, o sentido e o signo de amor Palavras-chave: signo, significante, sentido, gozo Simone Oliveira Souto O blá-blá-blá Na análise, não se faz mais do que falar. O analisante fala e, embora o que ele

Leia mais

PsicoDom, v.1, n.1, dez

PsicoDom, v.1, n.1, dez PsicoDom, v.1, n.1, dez. 2007 13 Resenha do livro Categorias Conceituais da Subjetividade Jorge Sesarino 1 Fabio Thá, conhecido nome da psicanálise em Curitiba, foi um dos pioneiros no estudo da obra de

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e identificação Lenita Bentes Ondina Machado * Abordaremos alguns aspectos do tema de nossa oficina, que dá título ao texto, através de dois pequenos escritos.

Leia mais

A ÉTICA DA PSICANÁLISE E O EFEITO POLÍTICO DO DIAGNÓSTICO

A ÉTICA DA PSICANÁLISE E O EFEITO POLÍTICO DO DIAGNÓSTICO 7.00.00.00-0 CIÊNCIAS HUMANAS 7.07.00.00-1 PSICOLOGIA A ÉTICA DA PSICANÁLISE E O EFEITO POLÍTICO DO DIAGNÓSTICO REGINA FABBRINI ORIENTADORA Departamento de Psicodinâmica Faculdade de Ciências Humanas e

Leia mais

Revista da ATO escola de psicanálise Belo Horizonte Inibição, sintoma, angústia: função de nominação Ano II n.1 pp ISSN:

Revista da ATO escola de psicanálise Belo Horizonte Inibição, sintoma, angústia: função de nominação Ano II n.1 pp ISSN: Revista da ATO escola de psicanálise Belo Horizonte Inibição, sintoma, angústia: função de nominação Ano II n.1 pp. 1-124 2016 Revista da Ato Escola de psicanálise Belo Horizonte Angústia Ano I n. 0 pp.

Leia mais

A psican lise e a hist ria: possibilidades te ricas

A psican lise e a hist ria: possibilidades te ricas A psicanálise e a história: possibilidades teóricas Alguns historiadores refletiram sobre a interface teórica entre a psicanálise e a história e as possibilidades de discussão existentes entre elas. Elaboro

Leia mais

Nome-do-Pai. Integrantes: Eugénia de Jesus da Neves Francisca Maria Soares dos Reis (11/05/2010)

Nome-do-Pai. Integrantes: Eugénia de Jesus da Neves Francisca Maria Soares dos Reis (11/05/2010) Nome-do-Pai (11/05/2010) Integrantes: Adriana Santos Batista Adriana Santos Batista Eugénia de Jesus da Neves Francisca Maria Soares dos Reis Origens Influenciado por preceitos judaico-cristãos e pelos

Leia mais

O INVERNO POLÍTICO EUROPEU QUE NUNCA ACABOU DE SE PROCESSAR

O INVERNO POLÍTICO EUROPEU QUE NUNCA ACABOU DE SE PROCESSAR O INVERNO POLÍTICO EUROPEU QUE NUNCA ACABOU DE SE PROCESSAR Olimpia MALUF O que Pêcheux chama nesse anexo de uma possível retificação uma pausa iniciada num inverno político europeu são esclarecimentos

Leia mais

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista?

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista? Entrevista com Taciana Mafra Taciana de Melo Mafra - Psicanalista, membro fundadora do Toro de Psicanálise em Maceió, editora da Revista Antígona, autora dos livros Um Percurso em Psicanálise com Lacan,

Leia mais

Psicanálise Integrativa

Psicanálise Integrativa Psicanálise Integrativa ENRIQUE DANIEL TOSI BENTANCUR Psicanalista 1 2 3 Quando você atinge a iluminação não se torna uma nova pessoa. Na verdade, você não ganha nada, apenas perde algo: se desprende de

Leia mais

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Psicopatologia Psicodinâmica Professor(es) e DRTs Fernando Genaro Junior 114071-3 Sandra Fernandes de Amorim

Leia mais

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB

O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB O SIGNIFICANTE NA NEUROSE OBSESSIVA: O SINTOMA E SUA RELAÇÃO COM O DESEJO RILMA DO NASCIMENTO MEDEIROS E MARGARIDA ELIA ASSAD - UFPB É a verdade do que esse desejo foi em sua história que o sujeito grita

Leia mais

QUADRO DE ENSINO APPOA

QUADRO DE ENSINO APPOA QUADRO DE ENSINO 2008 - APPOA Associação Psicanalítica de Porto Alegre APPOA www.appoa.com.br QUADRO DE ENSINO 2008 EIXO DE TRABALHO DO ANO ENCONTROS DE ESTUDO DO SEMINÁRIO A ANGÚSTIA DE JACQUES LACAN

Leia mais

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora:

Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A dor física Obras de J.-D. Nasio publicadas por esta editora: A alucinação E outros estudos lacanianos Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan Como trabalha um psicanalista? A criança do espelho

Leia mais

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado

DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO. Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado DO GOZO À FALTA: O SUJEITO E O ENLAÇAMENTO ENTRE O SINTOMA E O DESEJO Altair José dos Santos Em termos psicanalíticos a referência ao desejo como campo subjetivo ligado necessariamente à linguagem, implica

Leia mais

CONSIDERAÇÒES SOBRE PSICOSE E LAÇO SOCIAL: O FORA-DO-DISCURSO DA PSICOSE

CONSIDERAÇÒES SOBRE PSICOSE E LAÇO SOCIAL: O FORA-DO-DISCURSO DA PSICOSE 1 CONSIDERAÇÒES SOBRE PSICOSE E LAÇO SOCIAL: O FORA-DO-DISCURSO DA PSICOSE Cláudia Maria Generoso Psicóloga clínica e do CERSAM Betim, Supervisora de estágio em residência terapêutica de Betim. Mestrado

Leia mais

A PRÁTICA DA ESCOLA PROGRAMA DE ENSINO E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE

A PRÁTICA DA ESCOLA PROGRAMA DE ENSINO E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE A PRÁTICA DA ESCOLA PROGRAMA DE ENSINO E TRANSMISSÃO DA PSICANÁLISE Em 2017, a Práxis Lacaniana estará em seu 24º ano de trabalho na prática de escola, comprometida com a formação dos analistas. No Seminário

Leia mais

O título do livro de Ana Laura Prates Pacheco nos convoca

O título do livro de Ana Laura Prates Pacheco nos convoca RESENHA RESENHA RESENHA RESENHA RESENHA RESENHA RESENHA Resenha Da fantasia de infância ao infantil na fantasia: a direção do tratamento na Psicanálise com crianças Ana Laura Prates Pacheco São Paulo:

Leia mais

SAMCDA: o discurso cientificista da terapia cognitivo-comportamental 1

SAMCDA: o discurso cientificista da terapia cognitivo-comportamental 1 SAMCDA: o discurso cientificista da terapia cognitivo-comportamental 1 Christiano Mendes de Lima 2 Resumo: Neste texto, pretende-se situar a terapia cognitivo-comportamental (TCC) como uma das formações

Leia mais

A CLÍNICA DO EXCESSO; OU A CLÍNICA DO AMOR EM JACQUES LACAN

A CLÍNICA DO EXCESSO; OU A CLÍNICA DO AMOR EM JACQUES LACAN Edital de inscrição Psicanálise 2008 Estão abertas as inscrições para o Corpo de Formação em Psicanálise, do IPLA Instituto da Psicanálise Lacaniana, 2008 INSTITUTO DA PSICANÁLISE LACANIANA CORPO DE FORMAÇÃO

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

A verdade e o seu caráter mítico: de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal

A verdade e o seu caráter mítico: de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 16 março 2015 ISSN 2177-2673 enunciado de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal Os escritos freudianos são especialmente caracterizados pela narrativa

Leia mais

O lugar da terapêutica na psicanálise: Freud e Lacan *

O lugar da terapêutica na psicanálise: Freud e Lacan * O lugar da terapêutica na psicanálise: Freud e Lacan * The place of therapeutical in psychoanalysis: Freud and Lacan El lugar del terapéutico en psicoanálisis: Freud y Lacan Ednei Soares ** A psicanálise

Leia mais

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann

Do sintoma ao sinthoma: uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 : uma via para pensar a mãe, a mulher e a criança na clínica atual Laura Fangmann Introdução Nesse trabalho, proponho-me a falar

Leia mais

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental

Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Clínica Psicanalítica e Ambulatório de Saúde Mental Trabalho apresentado na IV Jornada de Saúde Mental e Psicanálise na PUCPR em 21/11/2009. A prática da psicanálise em ambulatório de saúde mental pode

Leia mais

UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL

UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL Áreas de atuação: Psiquiatria de Ligação não vou abordar (platéia de psicólogos) Psicologia Hospitalar Futuro é a união Psicologia Médica UM PSICANALISTA NO HOSPITAL GERAL

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

A CLÍNICA DA EXCEÇÃO OU A CLÍNICA DO AMOR EM JACQUES LACAN

A CLÍNICA DA EXCEÇÃO OU A CLÍNICA DO AMOR EM JACQUES LACAN Edital de inscrição Psicanálise 2008 Estão abertas as inscrições para o Corpo de Formação em Psicanálise 2008, do Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA INSTITUTO DA PSICANÁLISE LACANIANA CORPO DE FORMAÇÃO

Leia mais

GRAÇA A DEUS NÃO COMI MEU PAI

GRAÇA A DEUS NÃO COMI MEU PAI GRAÇA A DEUS NÃO COMI MEU PAI Rachel Rangel Bastos 1 O interlocutor deve estar pensando ao que remete esse trabalho com um título cujo significado pode ter inúmeras interpretações. Mas pretendo apenas

Leia mais

Latusa digital ano 3 Nº 26 dezembro de 2006

Latusa digital ano 3 Nº 26 dezembro de 2006 Latusa digital ano 3 Nº 26 dezembro de 2006 A neo-transferência * Maria Angela Maia ** Em primeiro lugar chama a atenção o termo neo-transferência desenvolvido pela Seção clínica de Angers na Convenção

Leia mais

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend

O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu o entend A CLÍNICA DA PSICOSE Profª Ms Sandra Diamante Dezembro - 2013 1 O Psicótico: aspectos da personalidade David Rosenfeld Sob a ótica da Teoria das Relações Objetais da Escola Inglesa de Psicanálise. Expandiu

Leia mais

O PSICANALISTA SÓ SE AUTORIZA DE SI MESMO. O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...) Aquilo que ele

O PSICANALISTA SÓ SE AUTORIZA DE SI MESMO. O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...) Aquilo que ele O PSICANALISTA SÓ SE AUTORIZA DE SI MESMO Inicio com três citações de Lacan: O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...) Aquilo que ele tem de cuidar é que, a autorizar-se por si mesmo, haja

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A NOÇÃO DE DAS DING (A COISA) NOS PRIMÓRDIOS DA PSICANÁLISE FREUDIANA

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A NOÇÃO DE DAS DING (A COISA) NOS PRIMÓRDIOS DA PSICANÁLISE FREUDIANA A NOÇÃO DE DAS DING (A COISA) NOS PRIMÓRDIOS DA PSICANÁLISE FREUDIANA Fábio Brinholli da Silva* (Universidade Estadual de Maringá, Londrina-PR, Brasil) Palavras-chave: das Ding. Representação de coisa.

Leia mais

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi Escrita e Invenção Doris Rinaldi O poeta Manoel de Barros, em seu livro de memórias sobre a infância, intitulado Memórias Inventadas, abre o trabalho com a seguinte afirmação: Tudo o que não invento é

Leia mais

Famílias sintomáticas

Famílias sintomáticas Opção Lacaniana online nova série Ano 4 Número 10 março 2013 ISSN 2177-2673 1 Fabian Fajnwaks O desejo de formar família encontrou uma espécie de interpretação na resposta recente de nossos governantes:

Leia mais

Cartel: um in-cômodo: uma experiência.. O título deste trabalho surgiu num dos encontros do cartel sobre o

Cartel: um in-cômodo: uma experiência.. O título deste trabalho surgiu num dos encontros do cartel sobre o Cartel: um in-cômodo: uma experiência Tereza Oliveira 1. O título deste trabalho surgiu num dos encontros do cartel sobre o Seminário da Identificação, livro 9 que foi provocado por um dos cartelizantes

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO. Sara Guimarães Nunes 1

MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO. Sara Guimarães Nunes 1 MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO Sara Guimarães Nunes 1 1. Aluna Especial do Mestrado em Psicologia 2016.1, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Tipo de Apresentação: Comunicação

Leia mais

Trata-se de saber o quê, num discurso (analítico) se produz por efeito da Escrita. Vera Lúcia Santana. Escrita,linguagem,discurso, significante

Trata-se de saber o quê, num discurso (analítico) se produz por efeito da Escrita. Vera Lúcia Santana. Escrita,linguagem,discurso, significante Trata-se de saber o quê, num discurso (analítico) se produz por efeito da Escrita. Vera Lúcia Santana Escrita,linguagem,discurso, significante Para Lacan, a escrita é o que se pode ler da erosão da linguagem,

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

II SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Universidade Estadual de Maringá 28 a 30 de Novembro de 2012

II SEMINÁRIO DE PRÁTICA DE PESQUISA EM PSICOLOGIA Universidade Estadual de Maringá 28 a 30 de Novembro de 2012 AS CONCEPÇÕES DE PSICÓLOGOS SOBRE ANGÚSTIA/ANSIEDADE DE SEPARAÇÃO E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA CLÍNICA Mayara Lúcia Embercics Calazans (Departamento de Psicologia,, Fundação Araucária, PIBIC); Paulo José

Leia mais

L'INCONSCIENTE, FREUDIANO

L'INCONSCIENTE, FREUDIANO 1 VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE CONVERGÊNCIA, JUNHO DE 2015 Grupo de Trabalho: Lecturas del Seminario XXIV Enrique Tenenbaum (TRILCE / Buenos Aires ) L'INCONSCIENTE, FREUDIANO Se hoje tentou repetir a

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE GRUPO DE ESTUDOS PARA INÍCIO EM 01 DE ABRIL DO ANO VIGENTE

PROPOSTA DE PROJETO DE GRUPO DE ESTUDOS PARA INÍCIO EM 01 DE ABRIL DO ANO VIGENTE IDENTIFICAÇÃO DO DISCENTE NOME: Breno Cunha Leite CURSO: Filosofia ANO: 2010 LINHA DE ESTUDO: Psicanálise e Filosofia Nº MATR: 2g08020035 GRUPO DE ESTUDO: Psicanálise e Filosofia LÍDER DO GRUPO DE ESTUDO:

Leia mais

produções, 27 de outubro de Psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (APPOA) e do Espaço

produções, 27 de outubro de Psicanalista, membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre (APPOA) e do Espaço SUPERVISÃO: ALTERIZAÇÃO DA ESCUTA 1 Lucy Linhares da Fontoura 2 Há alguns anos, quando eu fazia parte do corpo docente do Departamento de Filosofia e Psicologia da UNIJUÍ e do grupo de supervisores da

Leia mais

AUSÊNCIA PATERNA E O IMPACTO NA MENTE DA CRIANÇA. Psicanalista - Membro da CSP - ABENEPI RJ Especialista em Gestão Materno-Infantil

AUSÊNCIA PATERNA E O IMPACTO NA MENTE DA CRIANÇA. Psicanalista - Membro da CSP - ABENEPI RJ Especialista em Gestão Materno-Infantil AUSÊNCIA PATERNA E O IMPACTO NA MENTE DA CRIANÇA Maria Prisce Cleto Teles Chaves Psicanalista - Membro da CSP - ABENEPI RJ Especialista em Gestão Materno-Infantil pela FIOCRUZ Mestranda em Psicanálise,

Leia mais

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos

COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1. Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos COMENTÁRIOS SOBRE A DIREÇÃO DA CURA 1 Alejandro Luis Viviani 2 Muito foi dito, durante esta semana, sobre a ética e a direção da cura, textos importantes na obra de Lacan; falar deles implica fazer uma

Leia mais