COPYRIGHT Derechos de Autor y Permiso de Reimpresión:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COPYRIGHT Derechos de Autor y Permiso de Reimpresión:"

Transcrição

1

2 COPYRIGHT Derechos de Autor y Permiso de Reimpresión: Se permite extraer partes del libro siempre y cuando se den los créditos a la fuente. Se les permite fotocopiar a las Bibliotecas para su uso privado y a los instructores artículos por separado, sin costo, para fines académicos no comerciales. Para permisos de otras fotocopias, reimpresiones o republicaciones, escriba a IIIS Copyright Manager, West Colonial Dr Suite Winter Garden, Florida 34787, U.S.A. Todos los derechos reservados. Copyright 2015 por el International Institute of Informatics and Systemics. Los artículos de este libro constituyen las memorias de la conferencia mencionada en la portada y en el título. Estos artículos reflejan las opiniones de los propios autores con el propósito de una distribución oportuna, se publican tal y como fueron presentados, sin ningún cambio. La inclusión de dichos artículos en esta publicación no constituye necesariamente respaldo alguno por parte de los editores. ISBN:

3 COMITE DEL PROGRAMA Presidente: Jorge Baralt Abe, Jair Minoro Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Brasil Alanís, José D. Universidad Tecnológica de Puebla México Andrade, Nickolas Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Araujo Díaz, David Instituto Politécnico Nacional México Arocha, Jaime Universidad Nacional de Colombia Colombia Bermúdez, Blanca Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Botelho, Fernando Rigo Universidade Federal do Paraná Brasil Buono, Juan J. Instituto Nacional de Investigación y Desarrollo Pesquero Argentina Camargo, Rubens Universidade de São Paulo Brasil Campos-Freire, Francisco Universidad de Santiago de Compostela España Carreto Arellano, Chadwick Instituto Politécnico Nacional México Castaño, Jairo Universidad de Caldas Colombia Ceja, José R. Universidad Tecnológica de Izúcar de Matamoros México Chaparro Sánchez, Ricardo Universidad Autónoma de Querétaro México Contreras Cueva, Angélica B. Universidad de Guadalajara México Cymrot, Raquel Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil De Oliveira M., Gilson L. Controladoria-Geral da União Brasil Dutra Moresi, Eduardo A. Universidade Católica de Brasília Brasil Farias, Nicandro Universidad de Colima México Fernandes, Panmela Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Flores, Mª de la Sierra Universidad Complutense de Madrid España González Sánchez, Víctor M. Universidad Nacional de Educación a Distancia España Guerrero, Oscar E. Universidad Tecnológica de Izúcar de Matamoros México Guimarães, Alexandre Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Hernández, José L. Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Hernández, Juan Miguel Universidad Autónoma de Baja California México Hernández Rubio, Erika Instituto Politécnico Nacional México Lázaro, Mariano Universidad de Cantabria España Martínez, Valentín A. Universidade da Coruña España Martins, Valéria Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Meneses Escobar, Carlos A. Universidad Tecnológica de Pereira Colombia Muñoz, Giovanni Universidad Nacional de Colombia Colombia Oliveros Magaña, José H. Universidad Autónoma de Baja California México Olvera Ventura, Alfonso Centro de Investigación y de Estudios Avanzados México Paletta, Mauricio Universidad Nacional Experimental de Guayana Venezuela Raunheitte, Luis Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Robles, Horderlin Vrangel Escuela Colombiana de Carreras Industriales Colombia Rodríguez E., Dionisio J. Universidad de Las Palmas de Gran Canaria España Rosas, Gonzalo Universidad Tecnológica de Izúcar de Matamoros México Ruiz Ledesma, Elena F. Instituto Politécnico Nacional México Sánchez, Giovanni Universidad de San Buenaventura Colombia Silva, Débora Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil

4 Silva, Karen M. Universidad Nacional de Colombia Colombia Soriano-Equigua, Leonel Universidad de Colima México Torres, Diego A. Universidad Distrital Francisco José de Caldas Colombia Torres Herrera, Juan P. Universidad Autónoma de Baja California México Torres Rengifo, Saulo de J. Universidad Tecnológica de Pereira Colombia Torres Soto, María D. Universidad Autónoma de Aguascalientes México Valencia Moreno, José M. Universidad Autónoma de Baja California México Vásquez, Leonardo D. Instituto Politécnico Nacional México Viera Santana, José G. Universidad de Las Palmas de Gran Canaria España Villegas, Eva Universitat Ramon Llull España

5 REVISORES ADICIONALES Acosta Díaz, Ricardo Universidad de Colima México Agudelo Giraldo, María A. Universidad de Atlántico Colombia Aguilar Torres, Manuel Á. Universidad de Almería España Alanís, José David Universidad Tecnológica de Puebla México Almeida Santos, Adriano M. Instituto Superior de Engenharia do Porto Portugal Álvarez, Francisco J. Universidad Autónoma de Aguas Calientes México Álvarez, Margarita Mª Universidad Nacional de Santiago del Estero Argentina Andrade González, Edgar A. Universidad Autónoma Metropolitana México Anzures García, Mario Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Aranda, Carmen Universidad de Málaga España Astroza, Carlos CITIA Chile Ávila Urdaneta, Maritza Universidad del Zulia Venezuela Berenguer G., Juan A. Universidad de Ciencias Médica de Santiago de Cuba Cuba Botia V., Diego José L. Universidad de Antioquia Colombia Botia Valderrama, Javier F. Universidad de Antioquia Colombia Bustos, Oscar Universidad Nacional de Córdoba Argentina Cadile, María Silvia Universidad Nacional de Córdoba Argentina Camacho, Héctor Universidad Autónoma de Ciudad Juárez México Cancino de Greiff, Héctor F. Universidad Distrital Colombia Carnero, Carmen Universidad de Castilla-La Mancha España Carpintero, Daniel Diego Universidad Nacional de La Plata Argentina Carrera, Enrique V. Universidad de las Fuerzas Armadas de Ecuador Ecuador Castrillón, Omar D. Universidad Nacional de Colombia Colombia Castro, Maria J. Instituto Superior de Contabilidade e Administraçión do Porto Portugal Castro Lechtaler, Antonio R. Universidad Tecnológica Nacional Argentina Cid Monjaraz, Jaime Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Corcuera, Pedro Universidad de Cantabria España Correa Espinal, Alexander A. Universidad Nacional de Colombia Colombia Covarrubias, Lourdes Universidad de Colima México Czerwonka Sermann, Lucia I. Sermanns Assessoria e Treinamento Brasil Da Silva, Edenilson José Universidade Tecnologica Federal do Paraná Brasil De la Calleja Mora, Elsa M. Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México De los Ríos Sastre, Susana Universidad Pontificia Comillas de Madrid España De Moura Oliveira, Paulo B. Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Portugal Del Blanco, Gustavo Rubén Universidad Nacional de Lomas de Zamora Argentina Díaz, Carlos Instituto Tecnológico de Orizaba México Díaz Pérez, Francisco Universidad Politécnica de Madrid España Domínguez, Javier Universidad Nacional Autónoma de México México Fabbris, Domingo Ariel Universidad Nacional de Catamarca Argentina Fernández, Javier D. Universidad Cooperativa de Colombia Colombia Fernández Jurado, Yolanda Universidad Pontificia Comillas España

6 Ferreira, Deller James Universidade Federal de Goiás Brasil Ferreira da Silva, António J. Instituto Superior de Engenharia do Porto Portugal Flores, Carola Victoria Universidad Nacional de Catamarca Argentina Fonseca, Jaime Universidade do Minho Portugal Fonseca i Casas, Pau Universidad Politécnica de Cataluña España Fonseca Pérez, Juan José Centro Universitario de Las Tunas Cuba Fúster-Sabater, Amparo Consejo Superior de Investigaciones Científicas España Galvis, Jhon Jairo Universidad Distrital Colombia Gama Torres, Gustavo Serviço Federal de Processamento de Dados Brasil Gamarra Rosado, Víctor O. Universidade Estadual Paulista Brasil García Alcaraz, Pedro Centro de Bachillerato Tecnológico Agropecuario 148 México García Carreño, Ingrid Universidad Autónoma de Madrid España García Pérez-Schofield, José Universidad de Vigo España Gómez Miranda, Pilar Instituto Politécnico Nacional México Guimarães, Alexandre Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Harari, Ivana Universidad Nacional de La Plata Argentina Helayel-Neto, José A. Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Brasil Hernández Franco, Carlos Universidad Politécnica de Valencia España Hernández Fusilier, Donato Universidad de Guanajuato México Hidalgo Izquierdo, Violeta Universidad de Extremadura España Huapaya Camacho, Juan Á. Pontificia Universidad Católica del Perú Perú Imaña, José Luis Universidad Complutense de Madrid España Infante Carbó, César Universidad de Ciencias Pedagógicas Cuba Isola, Alfredo Eduardo Senado de la Provincia de Buenos Aires Argentina Juárez-Toledo, Carlos Universidad Autónoma del Estado de México México Korol, Ana M. Instituto de Física Rosario Argentina Kurihara, Takato Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Lambertt, Ángel Universidad Anáhuac del Norte México Ledesma Orozco, Sergio E. Universidad de Guanajuato México Lima Silvain, Graciela Universidad Nacional de San Luis Argentina Lorca, Pedro Universidad de Oviedo España Madrid V., José I. Universidad Tecnológica de Pereira Colombia Madruga, Francisco Javier Universidad de Cantabria España Magadán-Salazar, Andrea Centro Nacional de Investigación y Desarrollo Tecnológico México Marcon Gomes V., Maria S. Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil Martínez Peiro, Marcos A. Universidad Politécnica de Valencia España Martins, Fábio C. Universidade Estadual de Londrina Brasil Martins, Valéria Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Masero Vargas, Valentín Universidad de Extremadura España Metrolho, José Instituto Politécnico de Castelo Branco Portugal Monzón, Ricardo Universidad Nacional del Nordeste Argentina Mora, Ana Patricia Servicio Geológico Mexicano México Moraes de Almeida, Fabrício Universidad Federal de Rondônia Brasil Moreno Cañón, Julio César CODENSA S.A. ESP Colombia Moreno Rodríguez, Rosendo Universidad Central de Las Villas Cuba Muñoz G., Ana C. Universidad de Los Andes Venezuela Narciso, Flor Universidad de Los Andes Venezuela Navarro, Miguel Universidad Pedagógica de Durango México Nunes, Luiz Eduardo N. do P. Universidade de Taubaté Brasil Núñez, Trinidad Universidad de Sevilla España Oliveira dos Santos, Ednaldo Unión Nacional de Estudiosos en Meteorología Brasil

7 Oliver Salazar, Marco A. Centro Nacional de Investigación y Desarrollo Tecnológico México Pacios, Luis Centro de Investigaciones Energéticas Medioambientales España Páez, Haydée G. Universidad de Carabobo Venezuela Palma, Jandira Guenka Universidade Estadual de Londrina Brasil Pardo, Aldo Universidad de Pamplona Colombia Pechliye, Magda Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Pereira, María de Lourdes Universidade de Aveiro Portugal Pereira Fariña, José Universidad de Santiago de Compostela España Pérez de Celis, Concepción Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Ponce, Julio C. Universidad Autónoma de Aguascalientes México Quadro, Martín Ernesto Universidad Nacional de Córdoba Argentina Rafael, Faraco Universidade do Sul de Santa Catarina Brasil Rairán Antolines, José Danilo Universidad Distrital Francisco José de Caldas Colombia Ramírez Jiménez, Armando Universidad Autónoma de Nayarit México Rasoto, Vanessa Ishikawa Universidade Tecnológica Federal do Paraná Brasil Revuelta D., Francisco I. Universidad de Extremadura España Ribeiro Carvalho, Deborah Pontifícia Universidade Católica do Paraná Brasil Riera de Montero, Eddy Universidad de Carabobo Venezuela Riquelme, Bibiana D. Instituto de Física Rosario Argentina Rodríguez, Antonio Universidad Autónoma del Estado de Morelos México Rodríguez, Rocío A. Universidad Nacional de La Matanza Argentina Romero, Luis Felipe Universidad de Sonora México Rudge Barbosa, Felipe Universidade Estadual de Campinas Brasil Ruiz Ojeda, Nicolás E. Universidad Simón Bolívar Venezuela Sánchez-Gálvez, Luz A. Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Santana Antunes, Julio Universidade Estadual Paulista Brasil Santos da Silva, José G. Universidade do Estado do Rio de Janeiro Brasil Sarmiento, Henry Politécnico Colombiano Jaime Isaza Cadavid Colombia Serra Barreto, Alexandre Ministério da Fazenda Brasil Silva Silva, Alicia E. Universidad de Carabobo Venezuela Souza, Jocarly Patrocinio Universidade de Passo Fundo Brasil Suárez Garaboa, Sonia María Universidade da Coruña España Teixeira, Leonor Universidade de Aveiro Portugal Torres Vargas, Georgina A. Universidad Nacional Autónoma de México México Trevisan, Emilio Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil Vázquez González, José Luis Universidad de las Américas Puebla México Vera, Pablo Martín Universidad Nacional de La Matanza Argentina Vivanco, Verónica Universidad Politécnica de Madrid España Wachowicz, Marcos Universidade Federal de Santa Catarina Brasil Wataya, Roberto Sussumu Centro Universitário Adventista de São Paulo Brasil

8

9 REVISORES ADICIONALES PARA LA REVISIÓN NO-CIEGA Abe, Jair Minoro Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Brasil Almeida Santos, Adriano M. Instituto Superior de Engenharia do Porto Portugal Arce, Roberto Delio Instituto de Física del Litoral Argentina Arteta, Carlos Fundación Cardio Infantil Colombia Baly, Luis Centro de Aplicaciones Tecnológicas y Desarrollo Nuclear Cuba Barceló Valenzuela, Mario Universidad de Sonora México Barros, Rodolfo Miranda de Universidade Estadual de Londrina Brasil Belalcazar, Luis Universidad Nacional de Colombia Colombia Berrio-Zapata, Cristian Universidade Estadual Paulista Colombia Bolancé Losilla, Catalina Universidad de Barcelona España Cadile, María Silvia Universidad Nacional de Córdoba Argentina Castello Branco Júdice, Andrea Universidade de Brasília Brasil Ceballos, Ana Universidad Tecnológica Nacional Argentina Contreras, María Universidad Tecnológica Nacional Argentina Covarrubias, Lourdes Universidad de Colima México Da Gama Torres, Gustavo Serviço Federal de Processamento de Dados Brasil Da Rocha, José Carlos F. Universidade Estadual Ponta Grossa Brasil Da Silva, Anaxsuell Fernando Universidade da Integração Latino-Americana Brasil De Assis Rodrigues, Fernando Universidade Estadual Paulista Brasil De Lima Lúcio, Magda Universidade de Brasília Brasil Dimitrov, Luciana Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Do Nascimento, Niraldo J. Universidade de Brasília Brasil Duque Méndez, Néstor D. Universidad Nacional de Colombia Sede Manizales Colombia Fajardo Sua, Diana Astrid Universidad de la Salle. Colombia Figueredo Torres, Yordanis FCMM Haydée Santamaría Cuadrado Cuba Flechas Becerra, Hilda Y. Universidad Nacional Abierta y a Distancia Colombia Galeno, Alexsandro Universidade Federal do Rio Grande do Norte Brasil García Alcaraz, Pedro Centro de Bachillerato Tecnológico Agropecuario 148 México Gois, Lourival Aparecido de Universidade Tecnologica Federal do Paraná Brasil Gonçalves Santana, Ricardo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil González Morales, María O. Universidad de La Laguna España Gutiérrez Santisteban, Eduardo Universidad de Ciencias Médicas Granma Cuba Helayel-Neto, José Abdalla Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Brasil Hernández, Iliana Pontificia Universidad Javeriana Colombia Infante Carbó, César Universidad de Ciencias Pedagógicas Capitán Silverio Blanco Cuba Ishikawa, Eliana C. Mayumi Universidade Tecnológica Federal do Paraná Brasil Kalume Maranhão, Ana C. Universidade de Brasília Brasil Kuyven, Neiva Larisane Faculdade de Tecnologia Tecbrasil Brasil Lastayo Bourbón, Lourdes H. FCM Dr. Salvador Allende Cuba Leguizamón Páez, Miguel Á. Universidad Distrital Francisco José de Caldas Colombia Llosas, Yolanda Universidad de Oriente Cuba

10 Maldonado, Carlos Universidad del Rosario Colombia Marcano, Alejandro Universidad Pedagógica Experimental Libertador Venezuela Martins, Paulo Roberto Instituto de Pesquisas Tecnológicas Brasil Mazoni, Marcos Vinicius F. Serviço Federal de Processamento de Dados Brasil Miranda de Barros, Rodolfo Universidade Estadual de Londrina Brasil Monsalve, Julian Universidad Santo Tomas Colombia Monteiro de Castro, Adriano Universidade Presbiteriana Mackenzie Brasil Moraes de Almeida, Fabrício Universidad Federal de Rondônia Brasil Moschim, Edson Universidade Estadual de Campinas Brasil Nocua Sarmiento, Efraín Alonso Fundación Tecnológica Autónoma de Bogotá Colombia Oramas Leuro, Joaquín E. Escuela Colombiana de Ingeniería Colombia Paletta, Mauricio Universidad Nacional Experimental de Guayana Venezuela Parra, Froilán Departamento de Periodismo Cuba Pedraza Vega, María Cruz Universidad Autónoma de Baja California México Pérez Cota, Manuel Universidad de Vigo España Pérez de Celis H., Concepción Benemérita Universidad Autónoma de Puebla México Pérez Soltero, Alonso Universidad de Sonora México Pérez Yero, Carlos Manuel FCM Dr. "Salvador Allende" Cuba Querol, Francis Université Toulouse 1 Capitole Francia Quintero Corzo, Josefina Universidad de Caldas Colombia Ramírez Duque, Andrés Alberto Universidad Agraria de Colombia Colombia Ramírez Jiménez, Armando Universidad Autónoma de Nayarit México Ramírez Moreno, Hilda Beatriz Universidad Autónoma de Baja California México Ramos Queiroz, Timóteo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Brasil Ravelo, Justo Centro de Aplicaciones Tecnológicas y Desarrollo Nuclear Cuba Rivera, Fredy Alexander Universidad de Antioquia Colombia Rodríguez, Mayra Universidad de Oriente Venezuela Rodríguez Flores, Jazmín Universidad Politécnica de Pachuca México Rodríguez Niño, María C. Universidad Nacional Abierta y a Distancia Colombia Rodríguez Rodríguez, Jorge E. Universidad Distrital Francisco José de Caldas Colombia Sanz, Araceli Universidad de Guadalajara México Scriptore de Carvalho, Fabiano Universidade Tecnológica Federal do Paraná Brasil Silva Modesto, Maria A. Instituto Federal da Bahia Brasil Sirvente, Francisco Universidad Nacional de San Juan Argentina Tamanini Andrade, Maria T. Instituto Federal da Bahia Brasil Vera, Pablo Martín Universidad Nacional de La Matanza Argentina

11 PRESIDENTE Nagib Callaos PRESIDENTE DEL COMITÉ DE PROGRAMA Jorge Baralt CO-PRESIDENTES DE COMISIÓN ORGANIZADORA Belkis Sánchez Andrés Tremante GERENTE DE PRODUCCIÓN DE LAS MEMORIAS EN PAPEL María Sánchez GERENTE DE PRODUCCIÓN DE LAS MEMORIAS EN CD Juan Manuel Pineda DESARROLLO, MANTENIMIENTO E IMPLEMENTACIÓN DE SISTEMAS Dalia Sánchez Bebzabeth García ASISTENTE DE OPERACIONES Marcela Briceño ORGANIZADA POR International Institute of Informatics and Systemics: IIIS (Miembro de la International Federation for Systems Research, basada en Viena)

12

13 Número de Artículos por País Publicados en estas Memorias (De acuerdo a los países del primer autor de la ponencia) País # Ponencias % TOTAL Brasil México Colombia España Ecuador Francia

14

15 Prólogo Las relaciones conceptuales e instrumentales entre las áreas de Complejidad, Informática y Cibernética están continuamente creciendo, en forma acelerada, y están emergiendo sinergias teóricas, tecnológicas y metodológicas como consecuencia de las fertilizaciones cruzadas que se están produciendo entre esas tres áreas, y entre ellas y las áreas de aplicación de las mismas. Conceptos similares están dando soporte científico e intelectual a las Ciencias de la Complejidad y la Cibernética. Informática y Cibernética están cada vez más relacionadas a través de la computación, comunicación y control (Tecnologías de Información y Comunicación: TIC); incluso algunos autores conciben que se trata de lo mismo pero con diferentes nombres. Por otro lado, las Ciencias de la Complejidad y la Informática han estado dándose soporte recíproco en lo conceptual, metodológico y instrumental. El siguiente diagrama resume las importantes relaciones, potencialmente muy sinérgicas existentes entre estas áreas.!!"#$!%#&&'''##(&&))) # *+,%-!!./ 01#!! *+,%-!!./ 1+#!!7!68 #9# :;8(52%-!!71%-!!76 &&'#'##&&&& <<<524# *+,%-!!./ Como consecuencia de ello, el propósito de la Comisión Organizadora de la Quinta Conferencia Ibero-Americana en Complejidad, Informática y Cibernética: CICIC 2015 ha sido la de reunir académicos y profesionales, investigadores y expertos de las tres áreas

16 mencionadas para que presenten el resultado de sus investigaciones y experiencias en un ámbito disciplinario y en un foro multidisciplinario para los efectos de un intercambio ideas y opiniones que pueda posibilitar la emergencia de analogías (fuente del pensamiento analógico y punto de entrada del pensamiento lógico), y promover la comunicación interdisciplinaria, de manera de crear las condiciones para la formación del humus intelectual requerido para la emergencia de sinergias inter-disciplinarias y de las fertilizaciones cruzadas y de la creación de analogías creativas. Hay varias conferencias buenas y específicamente enfocadas en una disciplina determinada en cada una de las tres áreas generales de CICIC También hay buenas conferencias generales, con una perspectiva más general. Ambos tipos de conferencias, las específicas y las generales, tienen audiencias típicas, con fines probablemente diferentes. Entre los objetivos del Comité Organizador de CICIC 2015 ha estado el de reunir en un mismo foro participantes de ambos tipos de audiencias, de manera que un académico, investigador o profesional en alguna o varias de las áreas de la conferencia pueda participar en una determinada disciplina y/o intercambiar conocimientos, experiencias y opiniones con participantes de otras disciplinas en un ambiente de comunicación inter-disciplinaria para los efectos de posibilitar investigaciones colaborativas entre académicos de diferentes disciplinas. En consecuencia, se invitó a participar en CICIC 2015 a: 1. La comunidad académica y de investigadores científicos de habla hispana y portuguesa para que presenten resultados de sus investigaciones. 2. Expertos y consultores para que presenten artículos relacionados con sus experiencias profesionales, estudios de casos y diversas metodologías utilizadas en la práctica. 3. Gerentes, directores y consultores en el ámbito industrial y corporativo para que presenten trabajos relativos a estudio de casos y a soluciones concretas creadas por ellos, así como a problemas que requieren de soluciones. 4. A las empresas de desarrollo de software o de sistemas de información para que presenten sus innovaciones tecnológicas (productos, procesos y metodologías). Por las mismas razones mencionadas arriba se decidió organizar CICIC 2015 en el contexto de la 6th International Multi-Conference on Complexity, Informatics, and Cybernetics: IMCIC 2015, de manera que los participantes ibero-americanos puedan hacer sus presentaciones en sus respectivos idiomas y puedan interactuar con los autores de presentaciones similares en inglés, atender cualquier sesión en inglés que estimen importante, útil, o interesante para ellos, y asistir a las ponencias plenarias en inglés, las cuales están a cargo de investigadores, académicos y profesionales de larga trayectoria. En nombre del Comité Organizador extiendo nuestro cordial agradecimiento a los miembros del Comité de Programa, a los 169 evaluadores adicionales, de 11 países, que hicieron las revisiones en forma doblemente anónima, y a los 77 evaluadores, de 9 países, adicionales que evaluaron trabajos en forma no anónima. Gracias a ellos se hizo posible la calidad alcanzada en CICIC (Algunos revisores hicieron tanto evaluaciones doblemente anónimas, como no anónimas)

17 Hemos recibido 71 artículos y resúmenes, para ser considerados en cuanto a su aceptación para ser presentados en CICIC 2015, y un total de 223 artículos para los tres eventos organizados simultáneamente, en el mismo sitio y durante el mismo tiempo. En total, 246 revisores (que revisaron al menos un trabajo enviado a CICIC 2015) hicieron 499 evaluaciones de esos 71 artículos recibidos para CICIC 2015, lo cual equivale a un promedio de 7.03 evaluaciones por artículo recibido. Todos los autores inscritos en la conferencia han recibido una clave que les dio acceso a las evaluaciones de sus artículos por parte de los revisores que recomendaron las respectivas aceptaciones de los mismos, así como a los comentarios y a la crítica constructiva que hicieron tales evaluadores. De esta manera, todos los autores de los artículos de estas memorias han tenido la oportunidad de mejorar la versión final de sus respectivos artículos en base a esas evaluaciones, comentarios y críticas constructivas. En estas memorias hemos incluido 32 artículos que han sido aceptados para su presentación en la conferencia. Los trabajos que fueron enviados a CICIC 2015 han sido cuidadosamente revisados con las restricciones de tiempo del caso, lo cual no nos permite una revisión similar a la que se hace en el caso de las revistas especializadas. Esperamos que la mayoría de los mismos aparezcan en una forma más acabada y completa en revistas científicas. Extendemos nuestras felicitaciones a los autores de los artículos publicados en estas memorias por la alta calidad lograda en los mismos. La tabla siguiente resume los datos arriba mencionados de CICIC 2015 junto a las otras conferencias que se realizaron simultáneamente en inglés, en el mismo sitio y durante el mismo tiempo y a cuyas sesiones tienen acceso todos los participantes de CICIC 2015 Conferencia # de trabajos recibidos # de revisores que han hecho al menos una revisión # total de revisiones hechas Promedio del número de revisiones hechas por revisor Promedio de revisiones hechas por cada trabajo recibido # de artículos incluidos en las respectivas memorias % de los trabajos recibidos que han sido incluidos en las respectivas memorias CICIC % ICSIT % IMCIC % IMCIC&ICSIT % TOTAL % Extendemos nuestra gratitud a los co-editores de estas memorias, por el trabajo, la energía y el entusiasmo demostrado en la preparación de sus respectivas sesiones. Nuestra inmensa gratitud al profesor Jorge Baralt Presidente del Comité de Programa su enérgico dinamismo, sus pro-activos consejos, sus constantes estímulos y su capacidad de convocatoria. Gracias profesor Jorge Baralt por contribuir a esta conferencia con su gran y merecido prestigio internacional.

18 También queremos expresar especial agradecimiento a los profesores Andrés Tremante y José Ferrer por co-presidir la Comisión Organizadora. De igual manera extendemos nuestro más profundo agradecimiento a la profesora Belkis Sánchez por presidir tan brillante y responsablemente al comité de aceptaciones, por sus eternos desvelos por elevar la calidad de la conferencia y por el sacrificio académico y personal que hizo para dedicarse de alma y cuerpo a la organización de la conferencia. Como dijimos arriba, CICIC 2015 se organizó en el contexto de la 6th International Multi- Conference on Complexity, Informatics, and Cybernetics: IMCIC 2015 y sus eventos colocados, los cuales comparten las mismos eventos plenarios que se dan en inglés. Es por ello que queremos también extender nuestro agradecimiento a los académicos, investigadores, y profesionales que aceptaron dar los talleres plenarios así como las ponencias de sesiones plenarias. Conservamos el siguiente texto en inglés porque las ponencias plenarias y sus títulos son en inglés. Detalles respecto a los eventos plenarios (resúmenes y CVs breves) se encuentran en el folleto del programa de la conferencia y en la página web Workshops: Más detalles (resúmenes y breves CVs) han sido incluidos en folleto relativo al programa de la conferencia y en Professor T. Grandon Gill, University of South Florida, USA, Educational Innovations and Entrepreneurship Dr. Jeremy Horne, President-emeritus, Southwest Area Division, American Association for the Advancement of Science (AAAS) and CEO of the Inventor Assistance League, USA, How the Inventor Fares from a Systems Perspective in order to transform an invention into an Innovation Plenary Keynote Speakers: Más detalles (resúmenes y breves CVs) han sido incluidos en folleto relativo al programa de la conferencia y en Professor Leonid Perlovsky, Harvard University and The Air Force Research Laboratory, USA, Cognitive Deep Learning Technology for Big Data Professor Jonathan Feinstein, Yale University, USA, Creativity & Complexity Professor David J. Waters, Purdue University, USA, On the Art of Possibility: Philosophy, Linguistic Readiness, and the Attitudes of Science Professor T. Grandon Gill, South Florida University, USA, The Interdisciplinary Business Doctorate for Executives: A novel way to bridge academic research and practice. Professor Stefan Wolfgang Pickl, Universität der Bundeswehr München, Germany, Adaptive Intelligent Management Systems for IT-Based Decision Support within Complex

19 Reachback Processes Dr. Jeremy Horne, President-emeritus, Southwest Area Division, American Association for the Advancement of Science (AAAS), USA, Language as invention transformed in Innovation by its effective use by human beings Dr. John W. Coffey, University of West Florida. USA, "Concept Mapping and Knowledge Modeling: A Multi-Disciplinary Information and Communication Technology" Dr. Suzanne Lunsford, Wright State University, USA, Multi-disciplinary Research Experiences Integrated with Industry-Field Experiences Professor Detlev Doherr, University of Applied Sciences, Offenburg, Germany, Humboldt's idea of interconnectedness and its relationship to inter-disciplinarity and communication. Professor T. Grandon Gill, South Florida University, USA, The Interdisciplinary Business Doctorate for Executives: A novel way to bridge academic research and practice. Dr. Randy K. Avent, Florida Polytechnic University, USA, "Apply Pasteur's Quadrant to Innovation and Technology." Dr. Matthew Mullarkey, South Florida University, USA, Integrating Academy with Industry. Dr. Martin Gellerstedt, University West, Sweden, Work integrated learning and learning integrated work - a love story between academia and working life? Professor Jan Klakurka, University of Toronto, Canada, and Dr. Bill Irwin, University of Western Ontario, Canada, Consulting, Research and Higher Education. Dr. Risa Blair, Grantham University, USA, E-learning and E-Consulting. Dr. Erzsebet Dani, University of Debrecen, Hungary, The HY-DE Model: An Interdisciplinary Attempt to Deal with the Phenomenon of Hyperattention Dipl.-Ing. Manuel Moritz, Helmut-Schmidt-University, University of the Federal Armed Forces in Hamburg, Germany, Open up or Close down Why openness might be the key factor to future success Ponentes planarios de la Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética: CICIC Más detalles (resúmenes y breves CVs) han sido incluidos en folleto relativo al programa de la conferencia y en

20 Profesora Victoria Eugenia Valencia Maya, Universidad Nacional de Colombia, Colombia, Expresión de Emociones en Entornos de Enseñanza Aprendizaje Híbridos Dr. Miguel Ángel Oropeza Tagle y Dr. Jesús Salvador Vivanco Florido, Universidad Autónoma de Aguascalientes, México, El Uso de la Innovación y de las TICs como bases para el desarrollo de las PYME (El Caso de Aguascalientes de México) Profesor José David Alanís Urquieta, Benemérita Universidad Autónoma de Puebla, México, Simulación con visualización: Un problema multi- e inter-disciplinario integrado en la actividad académica Asimismo extendemos nuestra gratitud a la Ing. María Sánchez, Ing. Juan Manuel Pineda, Ing. Dalia Sánchez, TSU Bebzabeth García, y la Sra. Marcela Briceño por el soporte en los sistemas computarizados y por la elaboración de las memorias impresas y electrónicas; así como a Freddy Callaos, Kiesten Loewenthad y al resto del personal de apoyo y de soporte secretarial, operativo y administrativo. Profesor Nagib C. Callaos, Ph.D. Presidente de CICIC 2015

21 Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética: CICIC 2015 CONTENIDO Contenido Linguagem, Comunicação, Educação e TIC Sesión Invitada Organizador: Alexandre Guimarães y Valéria Martins (Brasil) Costa, Thiago (Brasil): ''Do Livro Impresso ao Digital: Comunicação, Transposição e Linguagens'' 1 Figueiredo, Afonso; Dupas, Danilo; Silva, José; Prestes, Norberto; Martins, Rogério; Melo, Rogério (Brasil): ''As Relações entre Linguagem e Cultura Organizacional: Uma Análise do Discurso do Empreendedorismo na Internet Brasileira em 2014'' 6 Franghieru, Tainah; Martins, Valéria (Brasil): ''Formação Docente Inicial, Comunicação, Linguagens e Transposição Didática'' 11 Guimarães, Alexandre (Brasil): ''(RE)velando, nas Capas de Revistas, a Violência Midiáticofotográfica da Revolução dos Cravos'' 17 Lima, Katarine; Guimarães, Alexandre (Brasil): ''A Relação Professor-Aluno no Ensino- Aprendizagem de Língua Inglesa em Centros de Idiomas'' 23 Luciani, Luciana; Guimarães, Alexandre (Brasil): ''O Texto Pela Imagem: Análise das Capas de O Cortiço no Século XXI'' 29 Martins, Valéria (Brasil): ''A Utilização do Facebook no Processo de Formação Docente: Linguagem, TIC, Comunicação e Educação'' 34 Muraro, Marlon (Brasil): ''Propaganda de Ideais e a Força do Anúncio'' Paula, Regiane; Guimarães, Alexandre (Brasil): ''Os Programetes Televisivos como Instrumento do Processo de Ensino-Aprendizagem em Língua Inglesa'' 46 Santo, Emanuela; Martins, Valéria (Brasil): ''Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência e Formação Docente: Comunicação e Linguagens'' Souza, Cinthia; Gonçalves, Gabriela; Carrara, Rebeca; Guimarães, Tatiana; Guimarães, Alexandre (Brasil): ''O Cordelista como Mediador da Informação: Do Cordel ao Documentário Jornalístico'' 57 Vasconcelos, Maria; Bridi, Marlise (Brasil): ''Professor Personagem: As Imagens do Professor em Os Teclados de Teolinda Gersão'' 63 Verwiebe, Débora; Rinaldi, Júlia; Guimarães, Alexandre (Brasil): ''Entre Velas e Varinhas: Uma Viagem com Camões e J.K. Rowling'' 67 i

22 Aplicaciones de Informática y Cibernética en Ciencia e Ingeniería Alanís, José D.; Bermúdez, Blanca; Hernández Rebollar, José L. (México): ''Solución de Ecuaciones Diferenciales tipo Bilaplaciano para la Simulación de MEMS tipo Acelerómetro'' 72 Carnero, María Carmen (España): ''Auditoría de Sostenibilidad Medioambiental en Organizaciones Sanitarias'' 76 Gómez, Andrés; Carnero, María Carmen (España): ''Diseño de un Sistema de Apoyo a la Decisión de la Política de Mantenimiento en un Quirófano'' 82 Guevara Pérez, Miguel Ángel; Hernández González, Marisela; Sandoval Carrillo, Ivett Karina; Pérez Hernández, Marai (México): ''LondresPC: Programa Computacional que Evalúa la Planeación'' Jiménez Hernández, Mario F.; Quiñones Quiñones, Armando A.; Juez Castillo, Graciela (Colombia): ''Método Computacional para la Medición Automática del área de Quistes del Parásito Toxoplasma Gondii'' Quiñones Quiñones, Armando A.; Jiménez Hernández, Mario F.; Juez Castillo, Graciela (Colombia): ''Procesamiento y Análisis Digital de Imágenes Biológicas para el Reconocimiento Automático de Quistes de Toxoplasma Gondii'' Rios, Claudio F.; Guimarães, Gil E. (Brasil): ''Robô Pneumático, uma Alternativa Econômica para a Automação Industrial'' 103 Cibernética (Comunicación y Control) Benítez, Víctor H.; Pacheco, Jesús; Armas-Flores, Ramón V. (México): ''Propuesta para la Implementación de una Red Inalámbrica de Sensores Inteligentes para un Sistema de Concentración Solar con Tecnología de Torre Central'' 107 Ciencias de la Complejidad Almeida Neto, Antônio Clodoaldo de; Ribeiro, Núbia Moura (Brasil): ''O Modelo de Gestão dos 8R s e Algumas Correlações que o Validam'' 113 Benítez-Baltazar, Víctor H.; Iriarte-Cornejo, Cuitlahuac; Enríquez-Montoya, Elberth A. (México): ''Diseño de un Banco de Pruebas para un Sistema de Control de Seguidor Solar'' 119 Contreras Cueva, Angélica Beatriz (México): ''Capital Humano en México. Análisis del Ingreso y la Inserción en el Mercado Laboral'' 125 Finatti, Luiz Augusto; Pechliye, Magda Medhat (Brasil): ''Teoria da Complexidade e suas Abordagens no Ensino de Ciências Naturais em Trabalhos Acadêmicos de 2000 a 2014'' 131 Haro, Arquímides X. (Ecuador): ''Predicción de Datos Meteorológicos en Cortos Intervalos de Tiempo en la Ciudad de Riobamba Usando la Teoría del Caos'' 137 ii

23 Lima, Eliomar A.; Molinaro, Luis F.; Garrossini, Daniela F.; Soares, Cleids M. (Brasil): ''Complexidade Sistêmica: Uma Proposta de Construto de Visão Multidimensional'' 143 Ética, Informática y Cibernética Tilli, Nicolás (Francia): ''La Voluntad Legislativa Hegemónica Europea sobre el Ciberespacio: El Caso Particular del IVA al Comercio Electrónico Directo'' 149 Informática Botia, Diego J. L.; Charry, Andrés F.; Tirado, Jesús D.; Mejia, Anderson A. (Colombia): ''Evaluación de Sistemas de Infraestructura como un Servicio bajo el Esquema de Computación en la Nube'' 155 Talavera Chávez, Raquel; Plazola Rivera, María Soledad; Ojeda Orta, Elizabeth; Apodaca del Ángel, Lourdes (México): ''Estrategia de Acreditación: La Guía de Ceneval'' 161 Tecnologías de la Información y Globalización Académica Cerinza, Daniel R.; Ospina, Victoria E. (Colombia): ''Tecnologías de Información como Apoyo a la Estrategia de las Instituciones Prestadoras de Salud en Colombia'' 167 Valencia-Maya, Victoria Eugenia (Colombia): ''Las TIC como Instrumentos para Pensar e Interpensar en Procesos de Enseñanza y Aprendizaje'' 171 Índice de Autores 177 iii

24

25 DO LIVRO IMPRESSO AO DIGITAL: COMUNICAÇÃO, TRANSPOSIÇÃO E LINGUAGENS. Thiago COSTA Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO O presente artigo busca discutir a passagem do texto impresso para um meio digital. Portanto, discute-se os procedimentos de que o escritor se vale em seu texto e as possibilidades pensadas no percurso da transposição para um livro hipermidiático (ebook), combinando diferentes visões de seu texto e o gênero que a obra constitui. Para tanto, busca Roger Chartier, posteriormente estudos de design e de hipermídia, na medida em que esses recursos tornam a obra mais hesitante e instigante ao navegador. Também considera os processos de convergência das linguagens tendo como base os escritos de Lúcia Santaella. Discute-se a codificação digital e a transposição do texto que ampliam o universo literário, ampliam o público-alvo de uma mesma obra e criam novos nichos de mercado, trazendo um grande impacto social no universo da comunicação. Nessa nova era dos textos eletrônicos e interativos, todos esses elementos contribuem para que a literatura seja potencializada e possam emergir daí novos meios. Palavras-Chave: Livro; transposição; e-book; linguagem. 1. INTRODUÇÃO O presente texto discute alguns elementos que caracterizam a passagem do texto impresso para a tela digital, levando em consideração que a programação digital é uma forma específica de codificação. A natureza social dessa transposição e do surgimento de uma nova mídia, aborda alguns tópicos de reflexão sobre a relação entre o texto digital na tela interativa e o leitor, medidas pela linguagens da representação gráfica e por considerações enunciadas por Chartier em A Aventura do livro: do leitor ao navegador. Para Chartier, a interação entre texto/leitor é influenciada pelo suporte textual que varia em função de sua forma de difusão e da percepção individual do texto no ato da leitura. [1] Santaella [2], por sua vez, discute em um de seus textos, três princípios baseados na obra de Betty Leiner: o princípio da sonoridade, da visualidade e da discursividade verbal, de modo que se apresentem diante de nossos olhos e consigam nos transportar para outras fronteiras da realidade, do passado e do futuro. Dentro dessas interfaces e interpretações, podemos notar que as matrizes nunca são puras. Não há linguagens puras, afirma Santaella [3]: A visualidade, mesmo nas imagens fixas, também é tátil, além de que observe a lógica da sintaxe, que vem do domínio sonoro. A verbal é a mais misturada de todas, pois absorve a sintaxe do domínio sonoro e a forma do domínio visual. O designer é peça fundamental e de grande importância para o desenvolvimento desses processos de transposição para a linguagem do e-book, dessa forma para que não restem dúvidas sobre o entendimento do termo design, nos apropriamos da formulação de Adrian Forty, que o define como [...] [transmissora de] ambos os sentidos, a conjunção deles em uma única palavra expressa no fato de que são inseparáveis: a aparência das coisas é, no sentido amplo, uma consequência das condições da sua produção. [4] É importante esclarecer que a lógica da matriz verbal não se manifesta necessariamente por palavras, tampouco a lógica da sonora necessariamente com um som, uma vez que ambas podem aparecer de uma maneira otimizada. Assim, as três matrizes da linguagem e pensamento não são mutuamente excludentes, ao contrário, para Santaella [5] elas comportam-se como vasos intercomunicantes, num intercâmbio permanente de recursos e em transmutações incessantes. 2. ENTRE LINGUAGENS A codificação computadorizada pode parecer algo bem recente, todavia é importante notar que a comunicação humana por meio de códigos é um processo fundamental de toda comunicação. Conforme Flusser [6], notamos que um dos elementos de extrema importância e essencial para codificação consiste nas cores. Timothy Samara descreve a psicologia da cor em sua obra Guia de Design Editorial [7], suas observações leva-nos a crer que somos envolvidos o tempo todo por cores dotadas de significados; somos guiados por cores, que são um aspecto do mundo em que vivemos. A seleção de uma cor, de palavras ou imagens específicas formam uma composição e pode também acrescentar sentido e criar associações com a mensagem verbal. Esse componente emocional da cor opera em um nível instintivo, porém é influenciado pela cultura. O design, leva-nos a elaborar uma outra visão, dentro de sua característica e área de conhecimento, ou seja, a analisar e considerar algumas manifestações predominantes na três matrizes da linguagem (verbal, visual e sonora). Devemos, porém, analisar em paralelo os elementos textuais e os elementos intratextuais. Na retórica tradicional, baseada em textos, isto é, linguagem, em suas manifestações específicas em forma de figuras linguísticas, o objeto da análise e o instrumental analítico pertencem à mesma dimensão. É obvio que só com o texto é possível falar e escrever sobre textos. A retórica 1

26 baseada em textos lida somente com uma variável, ou seja, as manifestações linguísticas escritas. A retórica clássica também lidava com aspectos extratextuais; porém, só maquinalmente, como fenômenos secundários; por exemplo, a entonação num discurso, gesticulação e expressão faciais. Técnicas tipográfica também fazem destaques com tipos em negrito ou itálico, funcionando como equivalências para entonação; todavia, só de maneira secundária. [8] Retomando o pensamento de codificação de Flusser [9], o autor ressalta que, mesmo depois da invenção da escrita, o leitor da tela guarda certos traços de semelhança com o leitor da antiguidade. A inscrição do texto na tela cria uma distribuição, uma organização, uma estruturação do texto que não é de modo algum a mesma com a qual se defrontava o leitor do livro em rolo da antiguidade ou leitor medieval, moderno e contemporâneo do livro manuscrito ou impresso, onde o texto é organizado a partir de sua estrutura em cadernos, folhas e páginas. O fluxo sequencial do texto na tela, a continuidade que lhe é dada, o fato de que sua fronteiras não são mais tão radicalmente visíveis, como no livro que encerra, no interior de sua encadernação ou de sua capa, o texto que ele carrega, a possibilidade para o leitor de embaralhar, de entrecruzar, de reunir textos que são inscritos na mesma memória eletrônica: todos esses traços indicam que a revolução do livro eletrônico é uma revolução nas estruturas de suporte material do escrito assim nas maneiras de ler. [10] O fato de a humanidade ser programada por superfícies (imagens) pode ser considerado, no entanto, como uma novidade revolucionária, porém, a necessidade de leitura e compreensão servem de base para os aspectos visuais de diversas publicações, mesmo com um grande volume de texto e, ainda, publicações baseadas em imagens. Porém, é de extrema importância estabelecer hierarquias claras entre os componentes do texto, imagens e ícones, para que o público seja capaz de identificá-las e utilizá-las quando em um e-book e sua navegação. Temos que lembrar que antes da invenção da escrita, as imagens eram meios decisivos de comunicação, pelas quais, aproximadamente oito mil anos atrás, os homens das cavernas comunicavam-se. E, mesmo depois da invenção da escrita, os códigos de superfície, como afrescos e mosaicos, tapetes e vitrais de igrejas, mantiveram-se importantes para toda essa evolução, tendo em vista que somente após a invenção da imprensa o alfabeto começou realmente a se impor. Flusser, [11] faz uma comparação entre a Idade Média (e inclusive a Renascença) com a tão colorida Idade Moderna: Nesse sentido, nossa situação pode ser interpretada como retorno à Idade Média, ou seja, como uma volta avant la lettre Flusser [12] apresenta-nos esse processo da seguinte forma: as imagens pré-modernas são produtos elaborados por artesões e realizados de formas mais manuais obras de arte, enquanto as obras pré-modernas são produtos da tecnologia. Dessa forma, podemos perceber pela palavra do autor que, por trás das imagens, podemos constatar uma teoria científica, porém não se pode dizer o mesmo das imagens pré-modernas. Um texto possibilita a produção de outro, e todas as traduções de um texto conectam-se com o texto original; por mais que cada tradução esteja inserida em um dado sistema e que tenha suas particularidades, é inegável que todas elas carreguem consigo o original. Alguns autores questionam, por exemplo, se a emergência e permanência de mídias diversas implicará no apagamento do livro. Sobre o assunto, Pierre Lévy [13] nos mostra que: Um pensamento se atualiza num texto e um texto numa leitura (numa interpretação). Ao retomar essa encosta da atualização, a passagem ao hipertexto é uma virtualização. Não para retornar ao pensamento do autor, mas para fazer do texto atual uma das figuras possíveis de um campo textual disponível, móvel, reconfigurável à vontade, e até para conectá-lo e fazê-lo entrar em composição com outros corpus hipertextuais e diversos instrumentos de auxílio à interpretação. Com isso, a hipertextualização multiplica as ocasiões de produção de sentido e permite enriquecer consideravelmente a leitura. Podemos dizer que o hipertexto, hipermídia ou multimídia interativo levam adiante um processo já antigo, levantado também por Flusser, que é a artificialização da leitura, de modo que, se ler consiste em construir uma rede de remissões internas ao texto e associar a outros dados, temos também os dispositivos hipertextuais que constituem de fato em uma espécie de objetivação, de exteriorização e de virtualização dos processos da leitura. Além de permitir a mistura de variadas modalidades de três matrizes da linguagem e de pensamento, Santaella [14] ainda nos ensina que em vez de um fluxo linear de texto, o hipertexto quebra essa linearidade em unidades ou módulos de informação consistindo de parte ou fragmentos de textos. Sendo assim, a complexificação da realidade midiática dá-se a partir da existência de múltiplos canais de criação, recriação e propagação de conteúdos. Por serem distintos, cada um desses canais apresenta características especificas que influenciam não só na criação ou transposição do conteúdo, mas, também, no posicionamento do conteúdo referente ao público. A intercomunicação entre textos não é algo recente. Há mais de 20 anos, a previsão de Kinder era que esses super sistemas transmídia se tornariam cada vez maiores e mais abrangentes e que, consequentemente, o público passaria a ter mais envolvimento com o processo de contar histórias. Na atualidade, a precisão desse raciocínio é confirmada com o surgimento de mídias e gadgets que vão evoluindo nessa era digital, surgindo, assim, novas culturas, como a Cultura Digital. Santaella [15] adverte que cultura é tudo o que o ser humano produz no sentido mais amplo, sem tendêncialidade. Hoje, o termo criado por Marsha Kinder é frequentemente complementado pela palavra narrativa. Temos, então, 2

27 narrativas transmídia, ou seja, mais do que pensar em mídias agrupadas, pensa-se em mídias que se complementam, cada uma com igual importância, a fim de contar e/ou propagar uma história. Há quem defenda que o texto literário propriamente dito tenha nascido de uma relação de empréstimos e trocas com obras anteriores ou contemporâneas a ele. A Bíblia, por exemplo, serviu de referência para a confecção de textos como A Divina Comédia e Os Lusíadas, e até mesmo alguns tipos de discursos menos nobres acabaram por influenciar produções literárias posteriores. [16] Os contos são um ótimo exemplo do conceito de interrelacionamento entre textos ao longo dos tempos. Quando ainda pertencentes exclusivamente à oralidade, eles já eram moldados de acordo com quem os contava, com quem os ouvia ou de acordo com a região onde estavam inseridos, assim trazendo diferente interpretações; desde essa época, um mesmo conto já era propagado em diferentes versões. Desta forma, a transição do conceito das matrizes da linguagem e pensamento para o designer, nos permite apropriar do conceito de Tradução Intersemiótica, desenvolvido na obra do pesquisador, professor e artista Julio Plaza, contemporâneo de Lucia Santaella e também influenciado pela obra teórica de Charles Sander Peirce. Essa inspiração peirciana, nos leva em busca de alguns problemas de uma poética da tradução criativa, que podemos agora expandi-la para o campo da arte, mídia e da literatura. Podemos perceber que Plaza [17], em sua obra, apropria-se dessa teoria geral dos signos de Peirce, distante de funcionar como algo que engesse a ambiguidade dos fenômenos analisados, a teoria é, ao contrário, utilizada como mapeamento que vai orientando a visão da tradução do pensamento em signos, como transcriação das formas até as operações sígnicas que se processam no interior de um ato tradutor. O estudo dos processos comunicativos devem depreender as diferentes linguagens e sistemas sígnicos que se configuram dentro dos veículos em consonância com potencial e limites de cada veículo. Dessa forma, a mistura entre essas linguagens se evidencia nos veículos híbridos (hipermídia) como a televisão, o cinema, os vídeo games, entre outros. Devemos pensar que diversas versões de um texto, quando conectadas, auxiliam na compreensão global. Plaza afirma que, como se pode ver, o próprio pensamento já é intersemiótico, [18] apontando também para uma conjuntura que une pensamento e linguagem. Esse pensamento nos leva a seguir por essa caminho, pois Plaza buscou na tradução intersemiótica elementos teóricos na obra de Roman Jakobson, onde se lê que aquele tipo de tradução consiste na interpretação dos signos não-verbais, ou de um sistema de signos para outro, por exemplo, da arte verbal para a música, a dança, o cinema ou a pintura ou vice-versa. [19] Este tipo de interpretação, de transposição para um ambiente midiático contemporâneo, é o mais novo desafio dos designers diante dos e-books e, como já dito anteriormente, onde ainda há a predominância do código verbal na concepção dos livros. O pensamento desse processo de tradução formulado por Roman Jakobson, consiste na interpretação de um sistema de signos para outro e, de que todo pensamento, por si, já é um processo de tradução sígnica, em que: Pela mediação da linguagem como terceiro universo entre o real e a consciência, temos um pivô que define as relações do homem com o real. Como sistema-padrão organizado culturalmente, cada linguagem nos faz perceber o real de forma diferenciada, organizando nosso pensamento e constituindo nossa consciência. A mediação do mundo pelo signo não se faz sem profundas modificações na consciência, visto que cada sistema-padrão de linguagem nos impõe suas normas, cânones, ora enrijecendo, ora liberando a consciência, ora colocando a sua sintaxe como moldura que se interpõe entre nós e o mundo real. A expressão de nossos pensamentos é circunscrita pelas limitações da linguagem. Ao povoar o mundo de signos, dá-se sentido ao mundo, o homem educa e é educado por ele, o homem pensa com os signos e é pensado pelos signos, a natureza se faz paisagem e o mundo uma floresta de símbolos. [20] Tanto Plaza com Flusser percebem e comentam a importância do profissional designer e de quando ele projeta algo, pois temos o designer como um operador de signos, como já escrito na própria palavra design. Flusser investiga a tradução juntamente de seus aspectos poéticos, pois hoje, para ele, o design adquiriu a posição central no discurso cotidiano, e porque estamos começando (e provavelmente com razão) a perder a fé na arte e na técnica como fontes de valores. Porque estamos começando a entrever o design que há por trás delas [21]. E entende que: Essa explicação pretende desenganar. Mas também não pode se impor. E aqui se deve confessar uma coisa. Este ensaio segue design determinado: ele que traz à luz aos aspectos pérfidos e ardilosos da palavra design, que normalmente costumam ser ocultados. Se ele tivesse seguido outro design, talvez pudesse ter insistido no fato de que design está associado a signo (Zeichn), indício (Anzeichen), presságio (Vorzeichen), insígna (Abzeichen); e nesse caso poderia surgir uma explicação distinta mas igualmente plausível para a situação atual da palavra. Mas é exatamente assim: tudo depende do design. [22] Dessa forma, cria-se um entendimento em relação a história do design e a linguagem, baseado no entendimento convergente de Jakobson e Walter Benjamim, Uma poética histórica ou uma história da linguagem verdadeiramente compreensiva é uma superestrutura a ser edificada sobre uma série de descrições sincrônicas sucessivas. [23] Podemos perceber, então, que nosso presente está minado de contradições e Plaza em seu discurso por meio da radicalidade benjaminiana apresenta que: por meio dessa contradição entre a intensa consciência do presente que, por querer se afirmar como tal, tende à negação do passado e à impossibilidade de negar o tempo, pois somos seres habitados pelo tempo. A visão sincrônica da história não seria senão a conciliação sempre provisória dessa contradição. A consciência da história, que data do século XX e que traz 3

28 consigo inalienavelmente a noção de progresso no tempo, carrega dentro de si a negação dessa noção. A visão sincrônica é a evidência dessa negação e a arte foi a primeira a materializar essa negação no que ela foi imediatamente seguida pela moda. Mas, se está recuperada a história ao nível do consumo, arte recupera a história ao nível da produção. Assim, toda produção que se gera no horizonte da ciência da história problematiza a própria no tempo presente. Desse modo, a radicalização da sincronia como processo embutido na operação tradutora traz, no seu bojo, a crítica da história e a consciência de que a obra, longe de ser uma consequência teleônomica de uma linha evolutiva, é, ao contrário, instauradora da história, projetando-se na história como diferença. Se, num primeiro momento, o tradutor detém um estado do passado para operar sobre ele, num segundo momento, reatualiza o passado no presente e vice-versa através da tradução carregada de sua própria historicidade, subvertendo a ordem da sucessividade e sobrepondo-lhe a ordem de um novo sistema e da configuração com o momento escolhido. [24] Temos que destacar que algumas questões são importantes em relação à sincronia sob o advento e-book, pois, hoje, os designers pretendem estabelecer essa transposição do livro impresso ao digital de um modo mais sincrônico do que diacrônico. De forma geral, os designer geram e operam os signos e consequentemente linguagens. Desta forma, a Tradução intersemiótica, cumpre papel fundamental na orientação do designer no momento do desenvolvimento do e-book. De uma maneira poética, Flusser escreve sobre a importância dos designers ao traduzirem esses códigos, e assim despertar uma nova geração de consumo, mesmo de forma cognitiva. Da atitude oriental surgiu uma aproximação estética e pragmática da vida que nós ocidentais nunca podemos compreender completamente. Agora, essas duas atitudes excludentes entre si podem (ou devem) fundir-se uma na outra. Elas já produziram diversos códigos novos (os códigos dos computadores), que conectam os dois lados do abismos. E de sua fusão podem surgir uma ciência e uma tecnologia inclassificável cujos produtos estão desenhados com espírito que não se enquadra nas antigas categorias. [25] Assim como Flusser, para Plaza, traduzir signos também é conceitual e cognitivo, porém sua compreensão tem início no momento em que o signo é analisado e também está relacionada as sentimento que essas formas podem trazer. O pensamento tradutor não é uma mera sucessão de ideias atraídas umas as outras, mas a associação de formas. Ou seja, não há como separar as representações e as relações entre elas, os materiais e a qualidade do pensamento. [26]. Desse modo, além de conduzir signos e linguagens, Flusser afirma que, quando se conseguiu superar a separação entre a arte e a técnica, abriu-se um horizonte dentro do qual podemos criar designs cada vez mais perfeitos, liberar-nos cada vez mais de nossa condição e viver de modo cada vez mais artificial (mais bonito). [27] Portanto, esse é o preço que pagamos por tirar de órbita tudo que é verdadeiro e renunciar a verdade e a autenticidade. Além da universalização da linguagem, a digitalização possui ainda dois outros méritos: a compressão de dados e a independência da informação digital em relação ao meio de transporte. Suas formulações estão relacionadas ao código verbal, porém, podem ser transpostas para a linguagem hipermidiática. Existe uma série de variáveis importantes que vão influir fortemente sobre as operações as quais o leitor irá se entregar, enfim, o suporte digital permite novos tipos de leituras (e de escritas) coletivas. Um pensamento se atualiza num texto e um texto numa leitura (numa interpretação). Ao remontar essa encosa da atualização, a, passagem ao hipertexto é uma virtualização. [28] Desta forma, a contribuição possível da Tradução intersemiótica para a prática do design voltada ao livro digital, e-book, é marcada por certas semelhanças e dessemelhanças dentro da linguagem poética e da codificação que nos leva a hipermídia. 3. CONCLUSÃO Linda Hutcheon formula uma teoria que prevê três modos diferentes de engajamento com os conteúdos: contar, mostrar e interagir. Hutcheon determina que todas as formas de engajamento envolvem uma ação direta do público, porém o modo de interagir é o que proporciona uma participação mais ativa para a autora. Nem o ato de olhar e interpretar palavras ou anotações em uma folha branca, e nem o ato de perceber e interpretar a representação direta de uma história em palcos ou nas telas de cinema são atos passivos; ambos se tornam ativos por conta da imaginação, da cognição e das emoções. Mas o salto para um modo interativo que depende também do nosso engajamento físico com a história e com seu universo seja em jogos violentos de ação, de dinâmica teatral ou de teste de habilidades é certamente ativo de uma maneira bastante diferente. [29] Para Plaza [30], cada tradução intersemiótica produzida e propagada por meio de uma determinada mídia ou sistema semiótico, proporciona ao público um determinado grau de engajamento e integra uma ampla rede de conteúdos, assim, possibilitando que a mesma obra de um autor possa alcançar públicos diferentes. Essa rede de conteúdos em mídias diversas é uma amostra da complexificação da realidade. Referências [1] R. Chartier. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, [2] L. Santaella. Matrizes da Linguagem e Pensamento: Sonora, Visual e Verbal. São Paulo: Imulinuras, [3] L. Santaella. Matrizes da Linguagem e Pensamento: Sonora, Visual e Verbal. São Paulo: Imulinuras,

29 [4] A. Forty. Objeto do desejo: design e sociedade desde São Paulo: Cosac Naify, [5] L. Santaella. Matrizes da Linguagem e Pensamento: Sonora, Visual e Verbal. São Paulo: Imulinuras, [6] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [7] T. Samara. Grid: Construção e Desconstrução. São Paulo: Cosac Naify, [8] G. Bonsiepe. Design, Cultura e Sociedade. São Paulo: Blucher, [9] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [10] R. Chartier. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, [11] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [12] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [13] P. Lévy. O que é virtual. São Paulo: Editora 34, [14] L. Santaella. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, [15] L. Santaella. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, [16] L. P. Moises. Inútil poesia. São Paulo: Companhia das Letras, [17] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, [18] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, [19] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, [20] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, [21] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [22] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [23] R. Jakobson. Linguística e Comunicação. São Paulo: Cultrix, [24] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, [25] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [26] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, [27] V. Flusser. O mundo codificado. São Paulo: Cosac Naify, [28] P. Lévy. O que é virtual. São Paulo: Editora 34, [29] HUTCHEON, Linda. The theory of adaptation. New York: Routledge, [30] J. Plaza. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva,

30 AS RELAÇÕES ENTRE LINGUAGEM E CULTURA ORGANIZACIONAL: UMA ANÁLISE DO DISCURSO DO EMPREENDEDORISMO NA INTERNET BRASILEIRA EM Afonso FIGUEIREDO Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Danilo DUPAS Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil José SILVA Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Norberto PRESTES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Rogério MARTINS Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Rogério MELO Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO Este trabalho tem por objetivo analisar uma reportagem jornalística acerca do contexto do empreendedorismo na cultura brasileira. A referida reportagem foi publicada no jornal O Estado de São Paulo no ano de Os resultados da análise apontam para o fato de que a lógica da carnavalização pode ser vista como estratégia discursiva. O principal ponto a ser destacado da análise é o fato de que mesmo a cultura organizacional sendo pautada pela imagem da seriedade pode ser divulgada pela estética da carnavalização, principalmente no Brasil cuja alcunha é país do carnaval. Palavras-Chave: Carnavalização; Linguagem; Empreendedorismo; Internet. 1- INTRODUÇÃO ÀS QUESTÕES SOBRE A RETÓRICA ARISTOTÉLICA E A CARNAVALIZAÇÃO. Aristóteles é considerado um dos grandes pensadores da Antiguidade que, dentre outros tem sustentado a cultura ocidental, no que diz respeito à lógica, à ética e também à questão da linguagem, pois, apesar de as ideias de Aristóteles terem sido criadas há 2000 anos, muito de seu pensamento ainda encontra-se presente e mesclado a ideias de outros pensadores em contextos diversos. Este trabalho, por exemplo, busca tratar das relações e convergências entre o pensamento Aristotélico acerca da Retórica e das ideias de Mikhail Bakhtin sobre os processos de carnavalização. Sobre a questão da linguagem, Aristóteles, na Arte Retórica, divide o discurso persuasivo, assim como tinha feito com a dramaturgia da Tragédia, em três partes: introdução, desenvolvimento e conclusão. Aristóteles discute as figuras retóricas chamando assim a introdução de exórdio. No capítulo XIV da Arte Retórica, há a definição do exórdio: uma abertura do discurso, seguida de outras etapas no desenvolvimento da exposição e apresentação das provas, até que se chegue à conclusão. Explica, ainda, Aristóteles, que assim como nos poemas épicos, o exórdio indica do que se trata o assunto do discurso. Logo após este Exórdio, Aristóteles diz que a narração deve tomar lugar no discurso. Esta parte corresponderia ao desenvolvimento do assunto. Aristóteles recomenda que o orador não seja prolixo nesta narração. Logo em seguida, como contexto desta narração, tem-se a apresentação das provas. Como estes discursos tinham como objetivo persuadir a plateia presente no auditório, esta apresentação de provas constituía-se parte fundamental do processo narrativo. O epílogo, ou peroração, seria uma espécie de retorno ao exórdio, de modo que se criasse uma circularidade no discurso que o tornasse linear e harmônico. Estas quatro etapas do discurso deveriam ser cumpridas, caso o orador desejasse uma performance com êxito. Neste contexto, encontram-se os textos publicitários, que segundo Carvalho [1] possuem características de convencimento e persuasão como o claro objetivo de predispor o observador da propaganda na direção de aceitar os argumentos da mesma. As figuras retóricas aristotélicas são amplamente utilizadas na linguagem publicitária atual, como argumenta Carracoza [2]. Do outro lado, encontram-se os textos jornalísticos, que também operam sob a lógica argumentativa, porém com o intuito de 6

31 informar seus leitores sobre algo relacionado à realidade. Sob tal aspecto, Traquina [3] debate que texto jornalístico, a partir de suas características típicas deve possuir certa dose de credibilidade, uma vez que notícias notadamente possuem caráter informativo de fatos que, a menos que se comprove em contrário, tenham ocorrido. Desta maneira, na pós-modernidade, compreendida como o período atual em que, dentre outras características, os processos culturais são marcados pela desterritorialização e hibridização das linguagens [4] passa a ser recorrente a estratégia de convergir características de contextos diversos entre si, como por exemplo, o gênero jornalístico e publicitário em um mesmo texto, fator que pressupõe a potencialização da persuasão daquele texto. Se na época de Aristóteles a pós-modernidade era algo distante, hoje em termos de retórica, a convergência de linguagens passa a natureza dos textos e seus discursos, caso do jornalismo que muitas vezes passa a incorporar aspectos persuasivos da linguagem publicitária, por exemplo, reforçando os processos de hibridização que ocorrem na pós-modernidade. Nesta perspectiva, o texto de analise deste trabalho A história da empresária que virou Mulher-Gato, reportagem de Renato Jakitas [5] publicada no Caderno Estadão Pequena e Medias Empresas (PME) do Jornal O Estado de São Paulo, está inserido em um caderno destinado ao público leitor do jornal O Estado São Paulo com interesse em empreendedorismo. No entanto, mesmo sendo um texto jornalístico com trechos que se mostram bastante informativos, trazendo inclusive dados quantitativos relativos a história relatada, há também a presença de características de textos publicitários, observadas tanto de forma implícita no todo do texto com o aparente intuito de vender a ideia de que empreender é algo bastante positivo, como de forma explícita, por exemplo, na frase de abertura do texto objeto, que será mencionada na parte 3 deste trabalho. 31 de outubro de h 40 A história da empresária que virou Mulher- Gato Ela nasceu Josefa, se tornou Sylvia e venceu como a empreendedora mais irreverente do varejo de móveis RENATO JAKITAS, ESTADÃO PME Epitácio Pessoa/Estadão Sylvia Design é dona de cinco lojas de móveis que carregam seu nome em São Paulo Assim que desembarcou em São Paulo, Sylvia Design a empresária que ganhou fama vestindo-se de Mulher-Gato e gritando miau na TV para liquidar estoques de sofás conta que foi arrebatada por duas sensações: o frio e a curiosidade. Após três dias e quase 2,5 mil quilômetros comendo frango com farinha dentro de um ônibus, ela chegou à rodoviária do Tietê de minissaia e com o termômetro apontando a metade da temperatura de sua Barro, cidade no interior do Ceará, que por aquela época andava na casa dos 30 graus. Naquele tempo fazia frio, né? Mas aí eu logo vi o desenho do elefantinho do Jumbo Eletro e fiquei apaixonada por aquilo. Queria conhecer e trabalhar na loja, relembra. O problema era que, em 1986, Sylvia Design ainda era Josefa e, aos 16 anos de idade, só convenceu os pais a viajar sozinha para a cidade grande com a promessa de seguir sem escalas da porta do ônibus para a casa da irmã mais velha, que estava grávida e precisava de ajuda com os outros filhos. Seis meses depois, entretanto, o contratempo estava solucionado. A cearense conseguiu afrouxar a vigilância da família e celebrou a conquista da carteira de trabalho assinada pelo departamento de RH da extinta rede de lojas Jumbo. Contratada para a vaga de empacotadora especial, ela ainda comemorou mais um episódio antes de assumir, efetivamente, o posto. Quando fui pedir o crachá, perguntei se poderia colocar o nome que eu amava. O rapaz falou, pode, mas a gente tem de colocar pelo menos o primeiro nome certinho. Eu disse, tem problema não, bote Josefa Sylvia. Pedi para colocar o Josefa bem pichichuzinho e o Sylvia grandão, com y. Bote com y que eu vou brilhar moço. Não dá para dizer que ela tenha se equivocado na previsão. Além do Jumbo, a moça passou por outros quatro empregos, entre eles duas lojas de móveis, onde estabeleceu contato com fornecedores, aprendendo a dinâmica do setor. Atualmente dona de cinco lojas de móveis que carregam seu nome em São Paulo, ela emprega diretamente 280 pessoas e fatura, por mês, R$ 5 milhões. De quebra, criou um personagem que caiu no gosto não apenas do mercado publicitário, como da audiência cativa das atrações populares de televisão. Prova disso é que, com ou sem a roupa de Mulher-Gato, Sylvia Design é hoje personagem recorrente em programas de entretenimento que ocupam da faixa da tarde ao horário nobre de alguns canais. Garota-propaganda. É por isso que, hoje, a empresária também se proclama atriz. Um caminho que ela jura ter trilhado por puro acaso, fruto de um orçamento apertado para a divulgação da empresa. Quando abri minha primeira loja eu tinha R$ 8 mil no banco. 7

32 Consegui todo o estoque e a mídia para pagar em 120 dias. E quando fui fazer propaganda, eu pensei, meu horário é tarde e o dinheiro, curto. Tenho de tomar uma posição, eu preciso inovar. O plano de Sylvia foi apostar em seu estilo extrovertido. Fez uma primeira tentativa fantasiada de Mulher-Maravilha, outra de personagem da novela Rebeldes e mais uma como Emília do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Até que eu coloquei a roupa da Mulher-Gato e, meu filho, ai o pato piou. A loja lotou. Todo mundo fazendo miauuuuuuu. Bombou tanto que tive de abrir um estacionamento e encher de móveis. No primeiro mês, eu consegui pagar meu estoque e pagar toda a mídia, lembra hoje a empreendedora. Um acerto Sylvia Design acertou em cheio ao preparar uma estratégia de diferenciação em seu plano de mídia. A imagem inusitada da própria empresária fantasiada de Mulher-Gato foi fundamental para divulgar a imagem da empresa. Ela também treina a equipe de vendas a repetir, ao menos quatro vezes, Sylvia Design. O cliente sai da loja com a marca na cabeça. Um erro A empresária adota como regra não tratar publicamente os problemas corporativos. Mas, sem dúvida, eles existem. Uma pista é o abre e fecha de pontos de venda nos últimos 12 anos, tempo de existência da marca. Isso corrobora para plantar na cabeça do mercado, e também de alguns clientes, uma dúvida sobre o desempenho de algumas operações. Uma dica Adquirida na prática diária como gestora de empresas da área, a comunicação e as ações sazonais de Sylvia Design são voltadas para posicionar a marca com uma empresa que adota a política de preço justo. Duas vezes por ano a empresária vai para a TV e, por 15 dias, pede para os clientes não comprarem nada, esperando pelo saldão do empreendimento. Em aspectos gerais, o texto de analise relata resumidamente a vivência da nordestina Josefa, que passa a encarnar a personagem Sylvia, desde o seu desembarque na cidade de São Paulo em 1986, passando por sua inicial experiência profissional no ramo ao qual veio a se dedicar até o presente momento, se utilizando de uma retórica a qual se pretende analisar sob a cosmovisão de Bakhtin, no desenvolvimento deste trabalho. Barros & Fiorin [6]. O conceito de Intertextualidade concerne ao processo de construção, reprodução ou transformação do sentido. Tal aspecto também fica evidente na análise do texto objeto. 2- A LINGUAGEM DO JORNALISMO PÓS- MODERNO SOB A ÓTICA DO CARNAVALIZAÇÃO. O texto de analise possui traços de descontração, apesar do gênero jornalístico, o que lhe confere certo descomprometimento, abrindo espaço para a comicidade, a partir da forma do relato da história contada até às transcrições de expressões da protagonista da história relatada. O estilo pessoal e característico da protagonista, Sylvia, confere à sua história empreendedora o uso de estratégias de comunicação apelativas e popularescas, contestando os padrões mais refinados de comunicação jornalística. Este estilo pessoal de Sylvia é destacado na reportagem, mesclando-se, de certa forma, com o estilo da comunicação desenvolvida no texto, havendo um paralelo entre a estratégia publicitária da história de empreendedorismo relatada e a estratégia de comunicação do próprio texto informativo que conta esta história. Assim, poderia se entender o texto em questão como um discurso jornalístico retórico inserido na pós-modernidade e que ainda apresenta aptidão para a carnavalização. Sobre o Carnaval, é preciso mencionar que trata-se de uma espécie de festa caracterizada pela liberação temporária das leis cotidianas, como aponta Bahkthin [7]: Ao contrário da festa oficial, o carnaval era o triunfo de uma espécie de liberação temporária da verdade dominante e do regime vigente, de abolição provisória de todas as relações hierárquicas, privilégios, regras e tabus. Era a autêntica festa do tempo, a do futuro, das alternâncias e renovações. Opunha-se a toda perpetuação, a todo aperfeiçoamento e regulamentação, apontava para um futuro ainda incompleto. Do ponto de vista do carnaval e da carnavalização, portanto, tanto para retratar a estratégia do texto, como para denunciar as características do mesmo, faz-se relevante retomar o título do texto de analise A história da empresaria que virou Mulher- Gato. Observa-se aqui, a ideia de transformação, de mudança de personalidade sugerida por este título. Transformação para uma personagem fictícia, pertencente ao universo do personagem Batman, que por sua vez integra o contexto da cultura de massas, o que segundo Morin [8] é um processo que interpela o imaginário do público. Claramente percebe-se o intuito apelativo do título como estratégia publicitária, fazendo referência ao processo de carnavalização. O objetivo deste trabalho é analisar o discurso persuasão do texto de análise, pela predominância de um conceito Bahktiniano a carnavalização - em sua estrutura, assim como a convergência daquele conceito com a ideia de discurso Aristotélico. Assim o presente trabalho busca debater, pontualmente, a convergência de alguns aspectos da linguagem publicitária na linguagem jornalística, apontando ainda que o texto de análise também apresenta intertextualidade, observada à medida que se apresentam transcrições de expressões usadas pela protagonista da história do texto objeto. Como argumentam 8

33 Figura 1: O personagem Mulher Gato. Fonte: Acesso em Abril de O DISCURSO CARNAVALIZADO DO JORNAL EM RELAÇÃO À LÓGICA DAS FIGURAS RETÓRICAS. Dentro da lógica das figuras retóricas, na sequência da análise inicial, observa-se a frase de abertura do texto, que junto com o título da reportagem funciona como Exórdio trazendo a ideia de transformação para a emergência de outro personagem, assim como de artifício de possível exagero, outra caracterização da carnavalização: Ela nasceu Josefa, se tornou Sylvia e venceu como a empreendedora mais irreverente do varejo de móveis. categoria analítica para Bahkthin, que segundo Sodré & Paiva: [...] gira em torno do corpo-grotesco, isto é, uma corporalidade inacabada, aberta às ampliações e transformações... É o corpo da gestação, mas igualmente dos desdobramentos, dos orifícios, dos excrementos e da vitalidade. Neste sentido, cabe ressaltar que a personagem do texto objeto é uma mulher, logo, um signo ligado ao universo da gestação. Sendo que a reportagem em si, parece querer gestar a ideia do empreendedorismo em seus leitores, tentando persuadir o mesmo quanto aos aspectos transformadores do mesmo, através da (...) história da empresária que virou Mulher-Gato, sendo o gato um signo que já carrega tanto a ideia de astúcia (uma característica necessária à ideologia do empreendedorismo), quanto a ideia de multiplicação por se tratar de um animal com natureza para procriação numerosa. Na sequencia, o texto relata a vinda de Sylvia do nordeste para São Paulo, sem negligenciar informações mais precisas para fazer jus a qualidade de texto jornalístico, contudo trazendo a reboque a carnavalização por meio da comicidade trágica, do grotesco, num relato que ensaia inicialmente traços do épico mas que logo confirma-se como tragicômico, conforme transcrição: Após três dias e quase 2,5 mil quilômetros comendo frango com farinha dentro de um ônibus, ela chegou à rodoviária do Tietê de minissaia e com o termômetro apontando a metade da temperatura de sua Barro, cidade no interior do Ceará, que por aquela época andava na casa dos 30 graus. Mais adiante, o texto relata parte da experiência de Sylvia em seu primeiro trabalho no varejo, contando como ela transformou seu nome, fazendo uso das frases proferidas pela própria Sylvia, que trazem consigo características da carnavalização, a exemplo de: Pedi para colocar Josefa bem pichichuzinho e o Sylvia grandão, com y. Bote com y que eu vou brilhar moco. Em termos de Peroração, o texto caminha para a conclusão, explicando como Sylvia se serviu de seu estilo extrovertido para atingir seus objetivos empreendedores. O texto relata, de maneira cômica, o uso que Sylvia fez de outros personagens conhecidos pelo público, até acertar com o personagem Mulher- Gato, usando mais uma vez frase proferida pela própria Sylvia: Até que eu coloquei a roupa de Mulher-Gato e, meu filho, aí o pato piou. A loja lotou. Todo mundo fazendo miauuuuuuu. Bombou tanto que tive de abrir um estacionamento e encher de móveis. Figura 2: Sylvia vestida de Mulher Gato. Fonte:http://www.abril.com.br/noticia/comportamento/segredossucesso-empacotadora-virou-empresaria shtml Acesso em Abril de 2014 Em termos de Narração e Apresentação das Provas, a continuidade da leitura do texto, o aposto colocado para qualificar Sylvia a empresária que ganhou fama vestindo-se de Mulher-Gato e gritando miau na TV... - traz uma impressão grotesca e cômica. Neste sentido, cabe argumentar que o carnaval é um contexto com aptidão para o exagero que cria um segundo mundo, caracterizado por um realismo grotesco como comentam Sodré & Paiva [9] ao analisar que o carnaval é um segundo mundo com regras opositoras à cultura oficial. Neste contexto, o realismo grotesco é a principal A imagem integrante do texto traz Sylvia vestida a caráter, em postura altiva e ao mesmo tempo escrachada, aparentemente gargalhando ou bradando. Novamente a carnavalização se faz premente no intertexto não verbal. O que se percebe no final, é que a Peroração faz a lógica do texto voltar para seu Exórdio, materializando a circularidade do discurso da reportagem, atestando, portanto, a lógica Aristotélica. 4- CONSIDERAÇÕES FINAIS. Como pode ser percebido nesta breve análise, a questão da disseminação da ideologia do empreendedorismo envolve o contexto dos processos retóricos e pós-modernos. No caso especifico em análise neste trabalho, a Carnavalização se mostrou como aspecto discursivo fundamental para a composição do texto. Em tempos de pós-modernidade, contexto que Stuart Hall [10] define como a época atual que pressupõe um descentramento do sujeito, ou seja, uma predisposição para que os indivíduos estejam mais abertos às convergências 9

34 culturais, das linguagens em um processo que tira, portanto, o sujeito de seu centro. Mesmo se tratando de uma lógica desenvolvida há muitos séculos, é possível perceber a influência das ideias de Aristóteles quanto às figuras retóricas em inúmeras linguagens da atualidade pós-moderna. Ao que tudo indica a conexão entre as ideias retóricas aristotélicas da antiguidade grega junto com o pensamento sobre a carnavalização Bakhtiniana, parece ser um aspecto que traduz e fortalece, no caso estudado, a ideia de que o jornal em questão parece fazer jus aos processos de hibridização de linguagens e ideias que tem participado da construção da cultura ocidental, que estão presentes na pósmodernidade. REFERÊNCIAS [1] N. Carvalho. Publicidade. A linguagem da sedução. São Paulo: Ática, [2] J. A. Carrascoza. A evolução do texto publicitário: a associação de palavras como elemento de sedução na publicidade. São Paulo: Futura, [3] N. Traquina. Teorias do Jornalismo. Insular: Florianópolis, 2002 [4]. L. Santaella. Porque as comunicações e as artes estão convergindo? Paullus: São Paulo, 2004 [5] R. Jakitas. A história da empresária que virou Mulher- Gato. Estadão PME do Jornal O Estado de São Paulo em 31 de outubro de [6] D. L. P. de Barros e J. L. Fiorin. Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade. Em Torno de Bakhtin. São Paulo: EDUSP, [7] M. Bahktin. Cultura Popular na idade media e no renascimento: O contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, [8] E. Morin. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, [9] M. Sodré e R. Paiva. O império do grotesco. Rio de Janeiro: Mauá, [10] S. Hall. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Loyola,

35 Formação docente inicial, comunicação, linguagens e transposição didática Tainah FRANGHIERU Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143, 2 o. andar, São Paulo, São Paulo, Brasil Valéria MARTINS Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143, 2 o. andar, São Paulo, São Paulo, Brasil RESUMO Há algum tempo, a crise pela qual passa a Educação Básica brasileira é foco de estudo nos bancos universitários. O mundo modernizou-se em um ritmo muito acelerado e os jovens acompanharam tais mudanças. A escola, por sua vez, parece manter-se imóvel diante de tais transformações e, infelizmente, isso tem feito com que muitos educandos não se desenvolvam da forma satisfatória. Obrigados a assistirem a aulas maçantes e monótonas, são vários os estudantes que afirmam não compreenderem por qual razão têm de estudar alguns conteúdos que, inicialmente, parecem estar muito distantes de suas realidades de vida. Ademais, há grande aversão pela leitura e pelos estudos literários. Assim, trabalhos com múltiplas linguagens ficam esquecidos e a real comunicação não é desenvolvida no ambiente escolar. Tudo isso fica em segundo plano e, às vezes, não são poucos os professores formadores nos cursos de licenciatura em Letras que preferem ignorar tal situação. Foi a partir desse difícil quadro que surgiu a ideia geradora desta pesquisa. Objetiva-se demonstrar como o tradicionalismo dos cursos de licenciatura em Língua Portuguesa influencia a formação docente e a atuação de futuros professores em sala de aula da Educação Básica, além de discutir o impacto desse processo nesse nível de ensino. Por fim, pretende-se sugerir possibilidades de aproximação, nos cursos de formação inicial de professores, do saber científico e do saber pedagógico - transposição didática. Palavras-Chave: Formação docente; Transposição Didática; Linguagens; Comunicação. 1. INTRODUÇÃO A Educação Básica brasileira passa por momentos de insatisfação. Índices, mídia e cotidiano mostram-nos que essa afirmação é irrefutável. Exames como o Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo), por exemplo, aplicado anualmente nas escolas mantidas pelo governo paulista, indicam que 39,6% dos alunos do Ensino Médio têm nível insatisfatório em relação à interpretação de textos jornalísticos ou publicitários com gráficos. O Brasil apresenta péssimas condições de ensino público para sua população e as escolas privadas também enfrentam, muitas vezes, dificuldades parecidas com as das escolas mantidas pelo governo: docentes mal preparados, aulas maçantes e conteúdo voltado, exclusivamente, para os exames vestibulares. Ser professor no Brasil é uma árdua missão. A classe não encontra apoio de autoridades e enfrenta o desrespeito dos cidadãos, que encaram essa profissão, frequentemente, como um hobby, sem pensar na complicada e necessária tarefa de estar em sala de aula. Essas questões cotidianas tornam o trabalho dos profissionais da área da Educação Básica desestimulador e penoso: A qualidade da educação pressupõe um professor bem formado. No entanto, pressupõe também a qualidade de muitos outros fatores mais ligados à gestão, à infraestrutura e às políticas públicas voltadas para a área, do que à sala de aula propriamente dita. O professor e seus alunos, ainda que sejam figuras nucleares do processo de ensino-aprendizagem, não são, isoladamente, nem a causa nem a solução para os problemas que levam a educação brasileira a obter os resultados negativos que vem alcançando nas avaliações que é submetida [1]. Os cursos de licenciatura pecam em questões fundamentais para o bom desenvolvimento de um futuro professor. Não há diálogo ou ligação entre o Ensino Superior e a Educação Básica. Assim sendo, o que é ensinado aos alunos de Letras, por exemplo, pode não ter conexão com os conteúdos predominantes em sala de aula de escolas públicas e privadas de Ensino Fundamental e Ensino Médio. Além de não haver conexão entre esses níveis de ensino, há muito pouca possibilidade de exercício da prática por parte dos alunos de licenciatura: As Licenciaturas são responsáveis pela formação inicial dos professores para a educação básica. Ainda que os documentos legais [...] se preocupem com a necessária interação entre ensino superior - locus de formação de futuros professores - e educação básica - locus de seu futuro exercício profissional -, o que se vê é um grande distanciamento entre esses dois níveis de ensino [2]. Percebemos que esse distanciamento é um vácuo entre níveis de ensino que deveriam complementar um ao outro, uma vez que a Educação Básica será, a princípio, a área de atuação dos graduandos. Uma outra questão a ser ressaltada é o fato de que professores recém-formados no curso de Letras precisam ter em mente que o ensino da Língua Portuguesa, hoje, não deve mais se restringir à gramática, mas deve buscar relações com atividades sociocomunicativas. Deve-se mostrar aos alunos o que estes encontrarão fora da esfera da instituição em que estudam: é nesse ponto que aparece a questão do letramento, definido por Bagno, Stubbs e Gagné [3] como o [...] estado ou condição de quem não só sabe ler e escrever, mas exerce as práticas sociais de leitura e de escrita que circulam na sociedade em que vive, conjugando-as com as práticas sociais de interação oral. Azeredo [4] complementa afirmando que ensinar a língua é ensinar a lidar com sinais, seja na construção de nossos textos, seja na compreensão de textos alheios. O profissional de Letras 11

36 precisa ter essa concepção clara e discernida em mente, a fim de realizar um trabalho coerente com o alunado. Levar em conta questões arraigadas nas raízes históricas da educação brasileira pode nos fazer entender melhor o porquê da formação de professores ser alvo de estudos e críticas: os docentes de muitos cursos superiores ainda têm visões imutáveis e obsoletas a respeito do ensino de língua. Formados de maneira impositiva e normativa, transmitem suas ideias aos alunos e estes, futuros professores, chegarão às salas de aulas também com essas mesmas concepções. Com isso, há um ciclo vicioso presente na formação de novos educadores. Investigar por meio do tema específico desta pesquisa a formação de professores e o seu impacto na Educação Básica brasileira acrescentará à bagagem cultural e profissional dos estudantes de Letras, principalmente, conhecimentos e ideias para serem melhores profissionais e entenderem os caminhos que poderão levá-los a um destino de sucesso, realizações e contentamento. Uma das questões a ser desenvolvida será a relativa à transposição didática, que deveria integrar as preocupações e os planos de ensino de todos os docentes formadores de futuros professores. Transposição didática é a maneira como o profissional - no caso, o professor de Língua Portuguesa ensina, para os alunos, os conhecimentos obtidos na graduação, de modo didático e compreensível. Esta pesquisa pretende sugerir possibilidades de aproximação, nos cursos de formação inicial de professores, do saber científico e do saber pedagógico - transposição didática -, isto é, da teoria e da prática da sala de aula. A ideia em questão promoverá um breve conhecimento a respeito da base acadêmica que os professores brasileiros tiveram ao longo da licenciatura: exemplos positivos e negativos, prática nas aulas universitárias, além da postura tradicional/irredutível dos docentes e, consequentemente, apontará sugestões para o bom desenvolvimento dos novos professores de Língua Portuguesa no dia a dia da sala de aula. O objetivo geral deste projeto é demonstrar como o tradicionalismo dos cursos de licenciatura em Língua Portuguesa influencia a formação e a atuação de futuros professores em sala de aula da Educação Básica, além de discutir o impacto desse processo nesse nível de ensino. Os objetivos específicos são: - Descrever o que se entende por Educação Básica e pontuar as diferenças e semelhanças dos ensinos público e particular. - Argumentar a respeito da prática dos docentes nas aulas do curso de Letras. - Entender os motivos que provocaram distanciamento entre o Ensino Básico e o Ensino Superior. - Propor ideias para a realização de trabalho coerente e eficaz nas salas de aula da Educação Básica: da transposição didática à elaboração de atividades. 2. A EDUCAÇÃO BÁSICA Segundo o Ministério da Educação (MEC), a Educação Básica brasileira zela pela Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. A inserção da criança e do adolescente nesse nível de ensino é imprescindível para sua formação e para o adequado exercício futuro do seu papel de cidadão. A educação cidadã engloba tanto o ingresso no mercado de trabalho como o prosseguimento das etapas de estudos. Etimologicamente, a palavra base vem do grego básis, que possui como um de seus significados a palavra suporte. A união dos termos educação e base significa o ensino sequencial dividido em etapas educacionais, as quais são responsáveis pelo suporte dado ao estudante no decorrer dos anos escolares: da Educação Infantil e Ensino Fundamental I ao Ensino Médio, passos anteriores, portanto, ao ingresso no Ensino Superior. A importância de uma educação qualificada e eficaz nos anos iniciais de estudo é indispensável e, assim sendo, os projetos de políticas públicas deveriam priorizar o ingresso e a permanência dos brasileiros na Educação Básica, uma vez que dela provém o conhecimento necessário para o desenvolvimento das capacidades cognitiva, lógica e do senso crítico. Segundo o PNAD 2009 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), 86,9% dos estudantes com quatro anos de idade ou mais estudavam na rede pública de ensino e apenas 13,1% estudavam na rede particular. Evidencia-se, dessa forma, a urgência de atenção e investimentos na rede pública, principalmente, já que abarca grande parte dos estudantes brasileiros. No decorrer do tempo, a Educação Básica sofre mudanças. Fatores como economia, políticas sociais, projetos de leis e programas nacionais são responsáveis pelas modificações sofridas ao longo dos anos e atualmente. Por isso, analisá-la requer conhecimento a respeito desses condicionantes, para não estudá-la superficialmente, sem conhecer os precedentes que ocasionaram as transformações. Para tanto, a apresentação de um breve histórico da educação no Brasil é um modo de situar as questões que permeiam a atualidade da Educação Básica brasileira. A história da educação brasileira inicia-se no período colonial, quando, por meio dos jesuítas, começam as relações entre Estado e educação. Os jesuítas portugueses trouxeram o modelo de educação europeu, o qual impuseram aos indígenas, de forma a não reconhecerem que eles tinham um modelo próprio de educação, ainda que não estruturado e sistematizado. Passaram-se anos até a educação ser ponto de discussão para os intelectuais. Desde a chegada dos jesuítas e, posteriormente, da Família Real Portuguesa, a educação não era centro de interesse, mas de domínio. Foi durante a Era Vargas que a ideia de Escola Nova, vinda dos Estados Unidos, surgiu na educação brasileira: esse conceito priorizava estimular o interesse das crianças em relação a jogos e exercícios, desenvolvendo, assim, a motricidade e a percepção. A primeira vez em que as políticas educacionais brasileiras foram colocadas no papel ocorreu, também, na Era Vargas. Aparecem na Constituição de 1934 e no Manifesto dos Pioneiros de Após a Era Vargas e o Populismo - primeiro movimento em que há debates acerca da criação de uma Lei de Diretrizes Básicas para a educação - o Regime Militar de 1964 baniu organizações estudantis, inaugurou os vestibulares classificatórios e retirou a 12

37 obrigatoriedade do Ensino Profissionalizante e do ingresso no Ensino Médio. Com a retomada democrática, a educação ganhou destaque na Constituição de A nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) surgiu em 1996 e, em 1990, foi organizado o Sistema de Avaliação do Ensino Básico (SAEB), o qual tem por objetivo avaliar, nacionalmente, a Educação Básica e o rendimento escolar. Após a apresentação resumida de alguns pontos a respeito da educação brasileira, volta-se a atenção para os documentos que regem a Educação Básica no Brasil. Há documentos em especial que norteiam a Educação Básica brasileira. De forma resumida, são: a Lei 9.394, a qual estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Básica e os Parâmetros Curriculares Nacionais. Este tem por objetivo orientar docentes em suas respectivas áreas de atuação. Além dos documentos citados, há outros que exercem importantes funções, caso da Constituição da República Federativa do Brasil e do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Em 1996, o Ministério da Educação (MEC) divulgou o documento denominado Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), a fim de orientar os professores em suas atividades docentes, assim como já mencionado: Os PCN foram elaborados procurando, de um lado, respeitar diversidades regionais, culturais, políticas existentes no país e, de outro, considerar a necessidade de construir referências nacionais comuns ao processo educativo em todas as regiões brasileiras. Com isso, pretende-se criar condições, nas escolas, que permitam aos nossos jovens ter acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessários ao exercício da cidadania [5]. Entende-se a importância dos PCN para o exercício do professor em sala de aula. Os PCN de Língua Portuguesa preocupam-se em mostrar ao aluno que sua cultura, suas peculiaridades - sejam na fala ou no modo de se relacionar com os demais - são objetos de estudo. O aluno é incluído no aprendizado e passa a ser o protagonista das questões que permeiam as aulas. O caráter sociointeracionista da linguagem verbal aponta para uma opção metodológica de verificação de saber linguístico do aluno, como ponto de partida para a decisão daquilo que será desenvolvido, tendo como referência o valor da linguagem nas diferentes esferas sociais [6]. A língua materna, portanto, deve ser discutida por meio de reflexões sobre o uso e a prática social. Nota-se aqui a importância da utilização das linguagens múltiplas presentes na vida dos educandos e dos educadores. O que se vê em grande parte das aulas de Língua Portuguesa, porém, não estabelece relação alguma com o uso diário da língua. Um amontoado de regras gramaticais, somado a tabelas de conjugações verbais e concordâncias nominais predomina no ensino da Língua Portuguesa. Isso não é comunicação. Isso não é trabalhar com linguagens. Os próprios PCN, na parte de conhecimentos da Língua Portuguesa no Ensino Médio, já apontam para a afirmação anterior: A perspectiva dos estudos gramaticais na escola, até hoje centra-se, em grande parte, no entendimento da nomenclatura gramatical como eixo principal, descrição e norma se confundem na análise da frase, essa deslocada do uso, da função e do texto [7]. Ainda no Ensino Médio, a gramática não é a única matéria que é transmitida aos estudantes erroneamente: a literatura também frequentemente é reduzida à explicação de características principais de obras clássicas, juntamente com a comparação de poemas e prosas, a fim de encontrar características que comprovem o que foi dito pelo professor. Dessa maneira, um ciclo vicioso surge: os alunos saem da Educação Básica carregando conhecimentos superficiais de língua e literatura, não compreendem a nomenclatura da língua materna e criam aversão à leitura. A comunicação verdadeira fica, assim, esquecida. Os alunos anseiam por novidades, conteúdos que façam sentido para a vida e que despertem o interesse ao longo dos anos. Por isso, já não há mais lugar para o professor simplistamente repetidor [8]. Além da gramática e da literatura, um tópico que pode ser explorado pelos professores e que está presente nos Parâmetros Curriculares Nacionais é o dos temas transversais. Nele, são abordados assuntos de cunho social: Ética, Meio-Ambiente, Pluralidade Cultural, Saúde, Orientação Sexual, Trabalho e Consumo [9]. O trabalho com Temas Transversais requer reflexão e debate por parte de professores e alunos. A proposta é discutir os assuntos com os estudantes e deixá-los à vontade para fazer perguntas e questionamentos. Tem-se como objetivos dos Temas Transversais: Ao lado do conhecimento de fatos e situações marcantes da realidade brasileira, de informações e práticas que lhe possibilitem participar ativa e construtivamente dessa sociedade, os objetivos do ensino fundamental apontam a necessidade de que os alunos se tornem capazes de eleger critérios de ação pautados na justiça, detectando e rejeitando injustiça quando ela se fizer presente, assim como criar formas não violentas de atuação nas diferentes situações da vida. Tomando essa ideia central como meta, cada um dos temas traz objetivos específicos que os norteiam [10]. Além dos PCN, é necessário comentar a respeito de outro importante documento que orienta a educação brasileira: a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Considerada a lei geral e mais significativa da educação brasileira, a LDB dita as diretrizes e as bases do sistema educacional, assim como seu nome sugere. Houve três momentos importantes para a sanção dessa lei: primeiramente, quando foi criada, no ano de 1961; depois, quando uma nova versão foi aprovada no ano de 1971 e a terceira versão, vigente no Brasil até hoje, sancionada em

38 Uma das características principais da LDB diz respeito ao acesso gratuito à Educação Básica, ou seja, do Ensino Fundamental ao Ensino Médio, para os cidadãos brasileiros. Durante muitos anos, o conhecimento ficou restrito aos cidadãos mais abastados. O ingresso nas escolas era inviável para grande parte da população. Por isso, garantir esse direito foi um salto dado por nossa sociedade. Reiterando o que já foi mencionado, sabemos que o modelo brasileiro de educação existe há tempos, desde a chegada dos jesuítas ao nosso território. Esse modelo é similar a um banco financeiro, em que o gerente empresta dinheiro ao correntista e este precisa pagar-lhe o quanto antes. Freire [11] nomeou essa maneira de transmitir conhecimentos como educação bancária : Eis aí a concepção bancária da educação, em que a única margem de ação que se oferece aos educandos é a de receberem os depósitos, guardá-los e arquivá-los. O professor deposita seus conhecimentos e pede aos alunos que devolvam os saberes no momento da prova. Há troca, mas com um simples objetivo: cobrar do aluno, sem reflexão e entendimento, os conteúdos trabalhados. A educação bancária está presente nas salas de aula. Todavia, o que os professores devem buscar está relacionado ao desenvolvimento da consciência crítica dos alunos: fazê-los pensar, refletir, discordar, debater. Antunes [12] afirma que o novo perfil do professor é aquele do pesquisador, que, com seus alunos (e não, para eles), produz conhecimento, o descobre e o redescobre. Sempre. Dessa forma, os alunos poderão compreender seu papel social e o professor de Língua Portuguesa - aquele que busca levar o conhecimento até seus alunos, analisa com eles os caminhos a serem seguidos, é inspirador - será peça-chave nesse contínuo processo de aprendizagem. A compreensão do aluno a respeito de sua importância social é ação transformadora de cidadãos conscientes e ativos, uma vez que sociedade e educação estão intrinsicamente relacionadas, pois a educação transforma as pessoas e pessoas transformam as sociedades. Investir no ensino é mais do que uma saída: é o caminho para o triunfo de uma sociedade. 3. COMO SE FORMA O PROFESSOR DE LÍNGUA PORTUGUESA No século XX, mais precisamente nos anos de 1930, foram criados os cursos de licenciatura, nas antigas Faculdades de Filosofia, com o objetivo de formar especialistas para as séries finais da Educação Básica, pois havia preocupação com o preparo dos docentes atuantes nas escolas secundárias. Desde os primórdios, a licenciatura iniciou-se seguindo a fórmula conhecida como 3 + 1, em que disciplinas pedagógicas, voltadas, de fato, para a docência, estavam sobrepostas às disciplinas de conteúdo específico, sem integração entre ambas. A questão é: atualmente, percebe-se que o modelo citado ainda não foi superado, já que as disciplinas de conteúdo costumam preceder as pedagógicas e pouco se relacionam com elas. Antes de começarmos a entender e explicar como se dá a formação de professores de Língua Portuguesa, devemos atentar-nos ao fato da extensão territorial brasileira e suas diferentes necessidades. Vasconcelos [13] aponta que a realidade da formação de professores para a Educação Básica na região Sudeste não é exatamente a mesma que a da região Norte, por exemplo. Após feitas as explicações necessárias, passemos para as licenciaturas específicas de Língua Portuguesa. Vê-se, ainda hoje, formações tradicionais. Uma hipótese a ser levantada, a fim de justificar o tradicionalismo da licenciatura, é a postura arcaica e imutável de muitos docentes. Parece não haver interesse em atualizar a prática e as aulas são, por conta disso, marcadas por amontoados de teorias, leituras sem debates, priorização da gramática normativa e possiblidades praticamente nulas de prática pedagógica dos futuros professores nas aulas. Os cursos de Letras devem destacar a importância de formar professores embasados teoricamente para aplicarem, da melhor maneira e coerentemente, as teorias. O problema encontra-se na falta de explicações práticas e direcionamentos de como aplicar os conteúdos na licenciatura aprendidos, transpondo-os para a Educação Básica. Assim, muitos docentes universitários ensinam as orações subordinadas mas não explicam maneiras didáticas e eficazes de aplicação em sala de aula. Na literatura, o mesmo processo renasce. Ideais midiáticas, projetos intertextuais e teatrais não são trabalhados na licenciatura e o resultado é visível no dia a dia dos estágios: aulas de literatura baseadas em elencar características de períodos literários. Empobrece-se a riqueza de se trabalhar literatura de forma próxima aos alunos e, assim, projetos que poderiam envolver os educandos e levá-los ao prazer da leitura são deixados de lado. Apenas 30% da carga horária das licenciaturas em Letras - no máximo - é voltada para disciplinas específicas sobre a docência, ou seja, menos do que a metade da carga horária é destinada a matérias que condizem com a docência efetivamente e, com isso, percebe-se que as teorias imperam no curso. Dessa forma, a formação tradicional da maioria dos docentes implica em uma série de novos professores inseguros e despreparados. Logo, o impacto causado na Educação Básica é inevitável: aulas maçantes, puramente teóricas, descontextualizadas e que não chamam a vivência do aluno para a aula são replicadas nas escolas da Educação Básica. Uma questão que deve ser ressaltada, quando o assunto da formação de professores é exposto, diz respeito ao fato de que existem professores universitários, docentes das licenciaturas, que não passaram pela experiência da docência na Educação Básica, mas lecionam matérias voltadas para esse nível educacional. Assim, não há experiências e conhecimentos reais por parte deles. Esses docentes não têm vivência e exemplos concretos para falar sobre crianças e adolescentes, pois não tiveram contato diário com a realidade de ser professor em escolas públicas e particulares. Outro ponto que deve ser destacado, quando se fala a respeito da licenciatura, está na apresentação e discussão dos já citados Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN). Há uma mera introdução do que vem a ser esse documento e seu objetivo de reestruturar estratégias de ensino, especialmente no que concerne ao trabalho com gêneros textuais e práticas sociais. 14

39 Contudo, existe um contraponto: muitos alunos da graduação desconhecem a natureza do documento, não se interessam em fazer a sua leitura e, consequentemente, não o utilizarão adequadamente em sua vida profissional futura. Deve-se agregar às situações citadas ao longo deste texto o tema da transposição didática, ação que faz a diferença na condução do trabalho do professor. A transposição didática diz respeito à maneira como o professor transpõe, como o próprio nome indica, o saber científico, acadêmico - as teorias estudadas ao longo da licenciatura - para o saber prático, ou seja, o saber que será apresentado aos alunos na sala de aula. Esse processo de transformação faz-se necessário porque os funcionamentos didático e científico do conhecimento não são os mesmos. A partir desse ponto ocorre um entrave: certos conhecimentos acadêmicos não foram, necessariamente, elaborados para serem ensinados na Educação Básica. O docente universitário, por essa razão, precisa encontrar mecanismos para transpor a teoria acadêmica de forma didática a seus alunos, futuros professores. Estes apresentarão a transposição do que lhes foi ensinado no Ensino Superior. Outra grande questão que ronda a formação primeira dos professores de Língua Portuguesa encontra-se na falta de diálogo entre os níveis de ensino (graduação e Educação Básica). Há uma lacuna a ser preenchida, pois não se sabe o que ocorre na realidade da Educação Básica brasileira e, com isso, não há planejamentos e conhecimentos reais por parte daqueles que, em breve, assumirão o papel de professores. Apesar de estarmos mencionando problemáticas que envolvem os docentes universitários e as próprias instituições de ensino, não devemos esquecer de apontar as defasagens dos professores em formação. A prática de leitura, escrita e produção de gêneros textuais na escola aparece deturpada na Educação Básica. Os futuros professores passaram pela escola antes de ingressarem na graduação e enfrentaram questões problemáticas no que diz respeito ao ensino da Língua Portuguesa. Portanto, muitos chegam ao universo universitário com falhas básicas na escrita e desacostumados a ler, mesmo estando em um curso baseado em teorias e práticas textuais e de leitura. A questão recai sobre o fato de que, na universidade, não se aprende a escrever um texto passo a passo, mas pressupõe-se que o aluno, que foi aprovado no vestibular, esteja apto a produzir textos e internalizar teorias. Defasado desde a escola, o futuro docente encontra dificuldades de aprendizagem e de como transpor o pouco que sabe aos futuros alunos. Logo, o nível de letramento de estudantes de Letras recai sobre o que desempenharão como professores atuantes. A universidade, especialmente o curso de Letras, deveria incentivar o estudante dessa graduação a praticar leitura e escrita, pois são âncoras de extrema necessidade durante a atividade docente. Feiras de livros, concursos de prosa e poesia, debates literários e estímulo por parte dos próprios professores universitários deveriam aparecer com frequência na grade curricular, assim como propostas em que as diversas linguagens (cinematográfica, televisiva, imagética, sonora, musical) do nosso dia a dia cruzar-se-iam. Ganharia, assim, a comunicação real. A maioria das universidades brasileiras possui o bacharelado e a licenciatura dentro do mesmo curso e isso faz com que tenham de assumir as prioridades de formar professores e, além desse objetivo, formar pesquisadores, com maior ênfase, muitas vezes. A responsabilidade de formar docentes e pesquisadores pode ser um entrave no curso de Letras, porque dificilmente há articulação entre pesquisa e ensino, até mesmo por parte dos próprios docentes universitários. O que se deve observar é a perspectiva de que o professor será um pesquisador. Por muitas vezes privilegiar o bacharelado, as instituições de ensino superior cometem o equívoco de não se atentarem para o fato de que, na realidade, o professor também terá como missão pesquisar, aprofundar-se como pesquisador atento e ativo. Passemos, agora, para a questão do estágio. Durante a graduação, o futuro docente deve cumprir com as horas do Estágio Curricular Supervisionado, a fim de concluir o curso. Essa prática é um dos poucos momentos em que o graduando tem contato com a realidade do sistema educacional brasileiro. O estágio, quando mal orientado, passa de uma experiência enriquecedora e reflexiva a uma obrigatoriedade sem fundamentos. O estudante de Letras deveria absorver as experiências vividas nessa etapa e guardá-las para a vida. Após o término do Estágio Curricular Supervisionado, o estagiário deve redigir um relatório e destacar os pontos positivos e negativos das práticas docentes acompanhadas. O documento deveria ter maior destaque para a revisão dos cursos de formação de professores e deveria servir, também, como ferramenta para melhoria da Educação Básica, pois foi produzido por aquele que acompanhou o professor em ação na sala de aula e terá essa mesma função após a conclusão do curso de Letras. Com olhar crítico e enxergando mudanças que poderiam ocorrer, o estagiário pode, juntamente com outros métodos e políticas educacionais, solucionar questões embaraçosas recorrentes na sala de aula. Todavia, não é isso que acontece. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante de todas as questões que foram aqui elencadas, pode-se concluir inicialmente que é emergencial uma mudança profunda nos currículos universitários dos cursos de Letras. Se a escola de Educação Básica mudou, assim como o seu aluno, as licenciaturas não podem se manter estáticas há anos. É a partir dessa realidade que é necessário pensar na inserção de novas práticas didático-metodológicas também no curso de Letras. Ensinar as classes morfológicas hoje em dia, por exemplo, não pode mais se resumir a procurar a morfologia nos dicionários. A partir de agora, o educando deve ser levado a refletir sobre a utilidade dos substantivos, adjetivos e assim por diante. Não basta, da mesma forma, o estudante saber o que é o sujeito indeterminado. Mais importante do que isso é saber o efeito de sentido que a utilização desse tipo de sujeito pode prover em um texto. Frequentemente, somos obrigados a ocultar os sujeitos em nossas falas. É essa realidade, é essa funcionalidade que o aluno da Educação Básica tem de ter nas aulas de Língua Portuguesa. 15

40 Entretanto, para que o discente tenha esse modelo de aula, é imprescindível, em um primeiro momento, que os cursos de formação docente formem profissionais reflexivos e criativos. Além disso, os docentes universitários devem também se atentar para o fato de ser fundamental desenvolver nos futuros professores a importância de se utilizar a linguagem mais adequada possível para que os alunos da Educação Básica entendam seus professores, até mesmo porque, infelizmente, às vezes, o estudante pode se sentir subestimado pelo professor em função da linguagem de ambos ser muito distanciada. O reconhecimento na linguagem do outro pode ser o primeiro passo para a aproximação entre professor e alunos. Referências [1] M. L. M. C. Vasconcelos. Formação docente e qualidade da educação: um binômio inseparável. São Paulo: Verbum Cadernos de pós-graduação, [2] M. L. M. C. Vasconcelos. Formação docente e qualidade da educação: um binômio inseparável. São Paulo: Verbum Cadernos de pós-graduação, [3] M. Bagno, M. Stubbs, G. Gagné. Língua materna: letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola, [4] J. C. Azeredo. Ensino de Português: fundamentos, percursos, objetos. Rio de Janeiro: Jorge Zaahar, [5] BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos nacionais: Ao professor. Brasília: MEC/SEF, [6] BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio: Conhecimentos de Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, [7] BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio: Conhecimentos de Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF, [8] I. Antunes. Aula de Português encontro e interação. 8. ed. São Paulo: Parábola Editorial, [9] BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: Temas transversais. Brasília: MEC/SEF, [10] BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: Temas transversais. Brasília: MEC/SEF, [11] P. Freire. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, [12] I. Antunes. Aula de Português encontro e interação. 8. ed. São Paulo: Parábola Editorial, [13] M. L. M. C. Vasconcelos. Educação Básica. São Paulo: Contexto,

41 (RE)VELANDO, NAS CAPAS DE REVISTAS, A VIOLÊNCIA MIDIÁTICO- FOTOGRÁFICA DA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS. Alexandre GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO A fotografia é linguagem mais que centenária e que, muitas vezes, registrou momentos importantes da história moderna do homem e de sua sociedade. O presente artigo pretende trabalhar questões que envolvem a fotografia jornalística e sua relação com o registro da violência. Mais à frente, pretende estudar quatro capas de revistas, duas da revista portuguesa O Século Ilustrado e duas da revista brasileira Veja, publicadas posteriormente a Revolução dos Cravos que ocorreu em abril de 1974 em Portugal. Por fim, intenciona um breve pensar sobre a relação entre a fotografia, a violência e a antropologia visual tendo como mote o evento revolucionário português. Palavras-Chave: Fotojornalismo; Violência; Revolução dos Cravos; Antropologia Visual; Capa de Revista. 1. INTRODUÇÃO A fotografia retratou, intensamente, a violência. Sabe-se que em 1855, Roger Fenton, com sua câmera fotográfica, cobriu a Guerra da Criméia, inaugurando, por assim dizer, a possibilidade de informar jornalisticamente por meio da fotografia. Contudo, não se pode dizer que seu intento tenha trazido mais que um retrato parcial do ocorrido, já que a ele haviam sido encomendadas fotografias que não mostrassem os verdadeiros horrores da Guerra. Em contrapartida, Mattew B. Brady, durante entre os anos 1861 e 1865, fotografou, por conta própria, a Guerra de Secessão americana. Suas imagens e as de alguns colaboradores exibem o horror concretamente. As sucessivas guerras foram se caracterizando como um laboratório do fotojornalismo. Primeiro porque elas rendiam fotografias diferentes e de maior impacto que as tomadas nas ruas. Segundo porque as guerras eram assuntos de interesse permanente da população, ansiosa por acompanhar seus desdobramentos. Assim foi também durante a guerra francoprussiana, de 1870, e, mais tarde, com a Primeira Guerra Mundial ( ). [1] Sobre a violência e a fotografia, pode-se constatar em uma das notas de rodapé de La fotografa. Ilusione o rivelazione?, o seguinte dizer: [...] il primo vero libro fotográfico della storia è stato Record of the Deathbed of C. M. W., la documentazione fotográfica degli ultimi istanti di vita di una donna, Catherine M. Walter, realizzata sempre da Talbot agli inizi Del 1844, alcuni mezzi prima di The Pencil of Nature. Si trattava di um piccolo libriccino di 33 pagine, che recava nel frontespizio anche una foto scattata dal primo assistente di Talbot, Nichole Hennerman. [2] 2. FOTOGRAFIA: ENTRE O DISPARO E A REALIDADE A fotografia nasce na primeira metade do século XIX, época marcada por rápidos e importantes progressos ocorridos nas mais diversas áreas, desde a agricultura até os transportes e a indústria. Apesar de se atribuir o título de criador da fotografia a Niepce, muitos já se empenhavam em estudar os modos de escrever por meio da luz. Um desses estudiosos contemporâneos, Boris Kossoy inicia seu livro Realidades e ficções na trama fotográfica da seguinte maneira: Desde seu surgimento e ao longo de sua trajetória, até os nossos dias, a fotografia tem sido aceita e utilizada como prova definitiva, testemunha da verdade do fato ou dos fatos. Graças a sua natureza físico-química e hoje eletrônica de registrar aspectos (selecionados) do real, tal como estes de elevado status de credibilidade. [3] Presume-se, pelo raciocínio do pesquisador, que mesmo que a fotografia seja, na maior parte dos casos, aceita como verdade, como prova dos fatos, como um documento histórico, ela pode também ser utilizada com fins questionáveis. Tomar, contudo, a afirmação superior como norma, indica apenas uma postura radical e distante de uma postura científica. Há de se considerar cada um dos fotogramas, seus contextos e suas utilizações de forma ampla e multidisciplinar. O mesmo Kossoy [4], em Fotografia e história, afirma: O mundo tornou-se de certa forma familiar após o advento da fotografia; o homem passou a ter um conhecimento mais preciso e amplo de outras realidades que lhe eram, até aquele momento, transmitidas unicamente pela tradição escrita, verbal e pictórica. Com o advento da fotografia e, mais tarde, com o desenvolvimento da indústria gráfica, que possibilitou a multiplicação da imagem fotográfica em quantidades cada vez maiores através da via impressa, iniciou-se um novo processo de conhecimento do mundo, porém de um mundo em detalhe, posto que fragmentário em termos visuais e, portanto, contextuais. Era o início de um novo método de aprendizagem do real, em função da acessibilidade do homem dos diferentes estratos sociais à informação visual direta dos hábitos e fatos dos povos distantes. Micro aspectos do mundo passaram a ser cada vez mais conhecidos através de sua cópia ou 17

42 representação. O mundo, a partir da alvorada do século XX, se viu, aos poucos, substituído por sua imagem fotográfica. O mundo tornou-se, assim, portátil e ilustrado. Kossoy [5] propõe que a fotografia seja tratada como os demais documentos, contextualizando-a em seus desdobramentos sociais, políticos, econômicos, religiosos, artísticos, culturais que envolvem o tempo e o espaço do registro. Para Philippe Dubois [6], o qual apresenta no primeiro capítulo de seu livro, escrito em colaboração com Geneviève Van Cauwenberge, O ato fotográfico, três posições epistemológicas diferentes relacionadas ao realismo fotográfico e ao valor documental da fotografia. Na primeira posição, a fotografia é tomada como uma reprodução mimética do real, sendo concebida, por conseguinte, como espelho do mundo, como um ícone (representação por semelhança) no sentido Peirciano. Na segunda posição, a fotografia não pode representar o real empírico, sendo analisada como um conjunto de códigos, como uma interpretação-transformação do real, como um símbolo (representação por convenção geral) Peirciano. E na terceira posição, mais favorável pela ótica do autor, a imagem fotográfica torna-se inseparável do ato em que ela se institui. Portanto, sua realidade primordial nada diz além de uma afirmação de existência, daí ela é primeiramente índice (representação por contiguidade física do signo com seu referente), depois pode tornar-se ícone (parecida) e símbolo (adquirir sentido). Baseado em Ch. S. Peirce, assim como Kossoy, Dubois não se desvencilha do contexto e, citando seu suporte teórico, escreve: Não é com certeza um mérito menor de Ch. S. Peirce ter conseguido analisar, já em 1895, o estatuto teórico do signo fotográfico, superando a concepção primária e ofuscante da foto como mimese, ou seja, rejeitando esse verdadeiro obstáculo epistemológico da semelhança entre imagem e seu referente. E, se ele conseguiu rejeitar esse obstáculo, foi porque levou em consideração não apenas a mensagem como tal, mas também e principalmente o próprio modo de produção do signo. Com Peirce, percebemos que não é possível definir o signo fotográfico fora de suas circunstâncias : não é possível pensar a fotografia fora de sua inscrição referencial e de sua eficácia pragmática. A questão da fotografia tomada como real, portanto, se esvai, e o autor ainda sublinha a mudança de ponto de vista imposta por Peirce que se debruça sobre o nascimento da fotografia e não apenas sobre o resultado: Se quisermos compreender o que constitui a originalidade da imagem fotográfica, devemos obrigatoriamente ver o processo bem mais do que o produto e isso num sentido extensivo: devemos encarregar-nos não apenas, no nível mais elementar, das modalidades técnicas de constituição da imagem (a impressão luminosa), mas igualmente, por uma extensão progressiva, do conjunto dos dados que definem, em todos os níveis, a relação desta com sua situação referencial, tanto no momento da produção (relação com o referente e com o sujeitooperador: o gesto do olhar sobre o objeto: momento da tomada ) quanto no da recepção (relação com o sujeito-espectador: gesto do olhar sobre o signo: momento da retomada da surpresa ou do equívoco). Para cada imagem, portanto, entra em jogo todo o campo da referência. Nesse sentido, a fotografia é a necessidade absoluta do ponto de vista pragmático. [8] Para Barbosa e Cunha [9], sob o ponto de vista da antropologia visual, é por meio de signos que a comunicação se estabelece e estes mesmos signos vão se transformar culturalmente em significações que têm como manifestações exteriores as representações sendo que esta representação não é uma realidade observável, mas um conjunto abstrato que só conhecemos por certas manifestações exteriores que reconstruímos mediante relatos, imagens e narrativas. 3. FOTOGRAFIA JORNALÍSTICA E VIOLÊNCIA A documentação fotográfica pode revelar o passado da mesma forma que outras formas imagéticas já o fizeram, no entanto, alguns pontos devem ser resgatados na utilização da fotografia, no caso específico, a de imprensa. O repórter fotográfico exerce a função de jornalista, com a diferença de que ele escreve por imagens. Existe uma discussão acadêmica, tratada por Boni [10], que encara a fotografia jornalística sob dois ângulos: um julga que toda e qualquer fotografia publicada num veículo de comunicação é considerada fotografia de imprensa`, sendo, portanto, caracterizada como trabalho jornalístico. Outro, atribui este caráter apenas as fotografias que estejam diretamente atreladas à informação, denúncia, reportagem, excluindo, portanto, desta modalidade as sociais, reproduções e registros meramente ilustrativos. Os repórteres fotográficos, aqueles que exercem a profissão, em sua grande maioria, compactuam com a segunda vertente. O fotojornalista, em verdade, enquanto jornalista, assume o dever de informar o leitor e, pelo menos utopicamente, de comprometer-se com a verdade. Usando o raciocínio de Sérgio Sade, fotógrafo que lhe concedeu entrevista, Boni [11] considera: Sade ressalta o compromisso do fotojornalismo com a verdade, sobretudo na cobertura de realidades do cotidiano que envolvam informação de interesse público, informações que possam, inclusive, influenciar o leitor a assumir postura favorável ou contrária a determinado fato ou pessoa fotografada. Contudo, em algumas situações, desde que o compromisso com a verdade permaneça, destaca que a interferência consentida pode ser aceita e, por vezes, até muito bem vinda na fotografia. Existe, portanto, como já discutido anteriormente, uma intencionalidade na grafia dos fotógrafos: A intencionalidade de comunicação é parte inerente do trabalho do repórter fotográfico. Por assumir a função de um jornalista, inclusive do ponto de vista legal, ele sai à rua em busca de 18

43 informações visuais. A finalidade de seu trabalho é informar ao leitor os acontecimentos de maior e menor relevância do cotidiano. Ao fotografar, é como se estivesse escrevendo um texto da forma e com a linguagem que lhe é peculiar, a fotográfica. [12] Todavia, Alinovi e Marra iniciam o capitolo primo de seu livro com o seguinte fragmento de Duane Michals, autor de Real Dreams: La gente crede nella realtà della fotografia, ma non in quella della pittura; il che dà un enorme vantaggio ai fotografi. Sfortunatamente, però, anche i fotografi credono nella realtà della fotografia. [13] Deve-se trazer à memória o fato de que muitas vezes e, principalmente em casos de manifestações, revoluções, confrontos e guerras, o fotojornalismo recorre às imagens violentas, que, na visão de alguns teóricos, contribui para a sua banalização, transformando-as em uma normalidade que habita o cotidiano do leitor [14]. Seguindo este prisma, Eugênio Bucci define notícia: É bom lembrar que, a despeito de qualquer outra definição, notícia é aquilo que atrai a atenção do público. Uma informação pode ser crucial: se ninguém ligar para ela, não será notícia. [15] Sob este arrimo, busca-se Ramos: Manifesto é que: É também nesse campo que devemos situar a discussão da utilização da imagem intensa/traumática pela mídia contemporânea. Pois essa intensidade vem constituir um espaço de fruição do espectador que deve ser tematizado em seu aspecto ético. [...] Digamos que há toda uma parcela da mídia nacional e internacional que se dedica a explorar o gosto pelo estampar da intensidade com tonalidades macabras, constelada nas formas da imagemcâmera como sensacionalismo. [16] Quando se fala da imprensa jornalística, fala-se de um amplo aparato multidimensional englobando fatos que vêm antes, depois ou fora da notícia, tais como a infraestrutura de produção, equipamentos, tecnologia de aparelhos informacionais, redações, financiamentos, anunciantes, contexto políticosocial, reações dos eleitores, crítica, etc. O jornal é apenas uma parte nisso tudo e nele a fotografia, que acompanha a notícia, é apenas um fragmento, um subproduto, constituído a partir de uma determinada montagem, na qual pode-se identificar seu caráter jornalístico ou pertencente ao discurso referencial. Entretanto, este caráter fragmentário não desqualifica seu papel e sua importância como registro documental e meio de comunicação. [17] E esta, obviamente, encontra um paralelo entre seu público: O consumidor, cada vez mais exigente, quer que o que lhe é oferecido seja cada vez melhor. Esta premissa do mundo capitalista vale para produtos e serviços. Vale também, é claro, para o fotojornalismo. A concorrência entre jornais e revistas pela preferência do consumidor exige que, a cada dia, eles ofereçam serviços mais especializados e produtos mais bem acabados. Na esteira desse processo, o fotojornalismo pode, tanto quanto outros aspectos do jornalismo, ser um importante diferencial. [18] Todavia, em virtude da controvérsia da presença ou não da violência no fotojornalismo, a World Press Photo Foundation chegou a um consenso a respeito do assunto. O mote da discussão foi o debate de se dever ou não publicar a fotografia do monge que, em protesto à perseguição dos budistas em Saigon, ateou fogo a suas vestes. O editor do The New York Times recusou-se a publicá-la, pois acreditou que a imagem não fosse apropriada para os olhos dos norteamericanos às suas mesas no café da manhã. [19] Ampliada a discussão para a Sociedade Americana de Editores de Jornais, um editor de Syracuse disse que um editor que não usasse aquela imagem não teria publicado uma fotografia de Jesus crucificado. [20] Em Angrimani descobre-se um caminho explicativo para esta polêmica: O veículo informativo comum é preciso deixar claro só adota o sensacionalismo em casos excepcionais, quando há interesse do publisher em dar uma conotação emocional a um acontecimento [...] a linguagem sígnica demarca um distanciamento entre o sujeito e o objeto. Os meios de comunicação não-sensacionalistas utilizam principalmente a linguagem sígnica para passar seu conteúdo informativo, podendo ocorrer em alguns casos isolados derrapagens que conduzem a contaminações pelo clichê. Já o veículo sensacionalista opera principalmente com a linguagem-clichê e é esta a característica primordial que o distingue do informativo comum. [21] Entretanto, é ainda o consumidor que pode delimitar estas derrapagens, pois: Hoje não se estampa simplesmente a imagem obscena. De per se, em sua gratuidade, ela incomoda. Embora o gosto popular assimile sem traumas, a boa consciência de classe média progressista desenvolve algo como um colchão para amaciar o choque de sua crueza. Choque duplo, no entanto, de difícil e instável elaboração, que lida simultaneamente com a justificativa do fator mercado (essa imagem, antes de tudo, vende bem e, portanto, realiza o valor de mercadoria do jornal) e a justificativa ética do traço grotesco-obsceno. Justificativa tão necessária quanto o fato de que, por sua intensidade, essa imagem pode provocar reações também instáveis no público a que se destina. No ponto máximo de intensidade, o ponto de insignificância traumática a que se referia Barthes, o espectador é deslocado de sua posição espectorial e atingido em sua posição de fruição 19

44 da imagem, retirando-se do campo do princípio do prazer em que está imerso. [22] Embora muito conhecido, e talvez não tanto pelo espírito jornalístico, Sebastião Salgado assim declara Jornalismo, quando a revista Bravo [23] comentou a chegada de sua mostra fotográfica Êxodos à cidade de São Paulo, já que Se há algum mérito em seu trabalho, diz, é pelo valor documental dele. 4. FACES DA VIOLÊNCIA Muitos pensadores dedicaram-se e dedicam-se ao estudo da violência, entretanto, quando se anseia buscar, entre suas pesquisas, uma definição de violência, o que se encontra é um longo corpus cheios de disposições e óticas distintas sobre o tema. Alguns a tratam sob um prisma social, outros, pelo político, abrindo-se, assim, um leque de possibilidades que aponta a esfera institucional, histórica, filosófica, militar, terrorista, educacional, entre tantos outros haveres. Como se pode perceber a definição da violência coloca sérios problemas, pois se trata de algo que não se pode medir exatamente, que não é regulado ou proibido por nenhuma legislação, nem de direito nacional, nem de direito internacional. [24] Como definir o que não tem regularidade nem estabilidade, um estado inconcebível no qual, a todo momento, tudo (ou qualquer coisa) pode acontecer? [25] Mesmo diante da problemática, os pesquisadores acabam remetendo-se a uma definição e, grosso modo, o que se apreende delas é que a violência pode se expressar através do ataque ou da defesa, e, em geral, mas não sempre, alicerçada pelo emprego da força, que ou impõe ou vai contra uma pressão, um excesso calcado na ausência contrária à razão e à justiça da liberdade, gerando danos, os quais podem ser físicos e/ou morais, que se representem nas posses ou nos planos simbólicos e culturais de um homem, de um grupo, de uma sociedade, de uma ou várias nações. Mesmo sendo possível almejar uma definição, faz-se oportuno buscar a diferença entre o ato e o estado de violência. Thiebant [26] conceitua ato como o resultado de um processo realizado por um agente ou ator com possibilidade para tal. Compreendese, portanto, sob esta ótica, o ato de violência como uma manifestação de algo maior que seria o estado de violência. Todavia, este último não encontra uma definição sagaz, já que não é pontual, determinado, e, em vista disso, mais preocupante do que o ato. Em um primeiro momento, observando os limites da violência na sociedade contemporânea, há a possibilidade de não se distinguir um ato violento de um ato natural [27], porém, ao perceber o ato violento, crê-se estar diante de algo mais forte e crítico, justamente em virtude deste poder ser visto e definido. Mas o ato é produto de um estado, assim, mesmo que o primeiro chame mais atenção, o segundo é sua gênese. Um fragmento que pontua claramente esta divisão encontra-se em Dalto Caram: A violência como ato pode caracterizar a violência direta e por isso pode ser identificada, determinada, reconhecida e julgada sem muita dificuldade, porém a violência como estado caracteriza sobretudo a violência indireta. [...] que se pode sentir, perceber, mas não se pode determinar, identificar ou julgar especificamente; devido à multiplicidade de seus fatores, complexidade e dilemas que lhe são implícitos, dificilmente se poderia responsabilizar uma só pessoa ou causa como preponderante. Como ato poderia ser definida como o emprego de meios de ação que atentasse contra a integridade física, psíquica e moral da pessoa. Como estado é mais um clima em que se vive e se respira, clima pleno de incertezas, inseguranças, terror, etc. Por não estar ligado diretamente a um único objeto ou pessoa, não adianta simplesmente revoltar-se, o que seria fazer o jogo da própria violência direta. O que está em jogo não seriam as próprias instituições que geram esse estado? Dificilmente poder-se-ia delimitar sua legitimidade e ilegitimidade porque o próprio estado de violência torna ambígua a definição do ato de violência. Dentro de um estado de violência ela é usada pelos setores dominantes como pelos setores dominados. [28] Assim, tanto o ato quanto o estado de violência podem ser julgados a partir de óticas diferentes, o que remete a violência a um contexto, a um conjunto de circunstâncias que possibilitam o seu surgimento. A história, em seu curso, não pode ser simplificada em épocas em que vigorou o bem e épocas em que vigorou o mal. Pode-se pensar, sim, em períodos mais violentos do que outros, entretanto esta análise necessita embasar-se nos costumes, nas tradições, nas leis de uma dada sociedade em um determinado tempo, pois a violência ganha contornos divergentes em sociedades distintas. 5. A REVOLUÇÃO DOS CRAVOS NAS CAPAS DE REVISTAS À meia-noite do dia 25 de abril de 1974, com a música de Zeca Afonso, Grândula, Vila Morena, surgiu a senha na rádio Renascença para o início da Revolução dos Cravos em Portugal. Sob o regime ditatorial desde 1926, Antônio de Oliveira Salazar, em 1932, tornou-se primeiro-ministro das finanças do país, onde, inspirado no Fascismo, instalou um regime em que a liberdade de expressão, de reunião e de organização foi suprida a partir da Constituição de Em 1968, Salazar, acometido por um derrame cerebral, foi substituído por Marcelo Caetano, ex-primeiro ministro. A essa época, envolto em problemas de ordem econômica e nas questões de libertação das colônias africanas, Portugal convivia com o descontentamento de sua população e de suas Forças Armadas, que incitou o surgimento de um movimento contrário à ditadura. 20

45 Memorias de la Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética (CICIC 2015) Em busca do reestabelecimento da democracia e das transformações sociais do país, eclodiu, em abril de 1974, a Revolução dos Cravos assim nomeada pelo fato da saída da população portuguesa às ruas distribuindo cravos aos soldados rebeldes como forma de comemoração e agradecimento. Esse evento foi registrado jornalisticamente em várias mídias, dentre elas, a revista portuguesa O Século Ilustrado (de 27 de abril e 4 de maio) e a revista brasileira Veja (de 01 e 08 de maio). Para Fátima Ali, Os mais brilhantes poetas, escritores, artistas, jornalistas, fotógrafos e cientistas têm usado as páginas das revistas para transmitir ideias, opiniões, interpretações, protestos, denúncias, beleza e diversão, formando assim o pensamento e o estilo de vida das sociedades. [29] Nas duas edições não há a presença do ato de violência, mas a comemoração, tal qual a segunda capa da revista O Século Ilustrado, pelo fim do regime ditatorial. A capa da revista Veja de 01 de maio é similar em composição com a capa da revista portuguesa do dia 04 de maio, já que é estruturada em linhas diagonais que geram um ponto de fuga no pequeno fragmento do horizonte. A revista portuguesa apresentou as seguintes capas: Para Arnheim [31] A orientação oblíqua é provavelmente o recurso mais elementar e efetivo para se obter tensão dirigida. Percebe-se a obliquidade espontaneamente como uma dinâmica que se afasta, ou em direção da estrutura espacial básica da vertical e horizontal, ou para longe da mesma. Já a capa da revista Veja de 08 de maio é, também, similar em composição com a capa da revista portuguesa do dia 04 de maio, porém pela questão temática, uma vez que retrata o grupo de manifestantes portando faixas nas ruas. Para a mesma Fátima Ali, Uma revista tem cinco segundos para atrair a atenção do leitor na banca. Nessa fração de tempo, a capa tem de transmitir a identidade e o conteúdo da publicação, deter o leitor, levá-lo a pegar o exemplar, abri-lo e comprá-lo. [30] A capa dessa edição é significamente mais tensa que as demais, tendo em vista a composição formada por linhas que dirigem o olhar para variadas direções e pelo fato da ausência total de horizonte. 6. Vê-se que a mídia portuguesa, na publicação do dia 27 de abril, valeu-se fotograficamente do retrato, sem crédito para o autor, da Junta de Salvação Nacional, com destaque para seu presidente, o General António Spínola que garante a imagem da institucionalização do novo poder. CONCLUSÃO A capa de revista, para Ali [32], é um anúncio que, quando competente, faz o leitor comprar o exemplar da revista; é o elemento isolado mais importante para estabelecer a sua imagem; é provavelmente a primeira e a melhor oportunidade de atrair o leitor na banca, fazer o assinante abri-la no meio da correspondência, ou despertar o interesse de um novo anunciante; tem um papel importante no lucro da publicação, porque boa parte da compra de revistas acontece por impulso. Na edição subsequente, a de 4 de maio, também sem crédito para o autor da fotografia, a imagem é composta pela multidão que tomou as ruas portuguesas, hasteando bandeiras pátrias e faixas. Diferentemente da capa da edição anterior, essa imagem fotojornalística já é marcada por uma forte diagonal criando um ponto de fuga no pequeno espaço que resta do horizonte. Em ambas as capas não estão registrados atos de violência, mas estados posteriores ao ato do dia 25 de abril, consequências do estado gerado pela ditadura que Portugal enfrentou por quarenta e oito anos. A empresa jornalística, mesmo comprometida com a divulgação das noticias, mesmo comprometida com a verdade, tem interesse e necessidades comercias, assim, a capa de uma revista é de extrema importância. Na revista brasileira, fato semelhante ocorre: 21

46 Sabe-se que o desenvolvimento das linguagem fotográfica ocorreu paralelamente à construção dos métodos antropológicos clássicos. Sabe-se, também que a antropologia valeu-se e valese das imagens e da fotografia de forma colaborativa. Entretanto, Se é verdade que a antropologia sempre teve grande interesse pelo visual, é também evidente sua dificuldade quanto à maneira de lidar com ele na prática antropológica, o que se expressa na própria dificuldade de definir um estatuto claro para esse campo. [33] De qualquer forma, seguindo o raciocínio dos mesmos autores, em função do caráter polissêmico da imagem, a problematização dos modos de ver impõe-se como uma tarefa que possibilita a expansão do olhar e a delimitação de novos problemas, permitindo a passagem de um exercício de construção de conhecimento baseado na imagem como objeto para outro, em que as imagens podem ser pensadas como modos de ver, olhar e pensar, ampliando as possibilidades de análise dos domínios do visível. [34] As quatro fotografias jornalísticas escolhidas para representar a Revolução dos Cravos nas capas das revistas selecionadas atraem a atenção do público leitor e passam a mensagem sintetizada do momento posterior ao final da ditadura portuguesa que rompeu um estado de violência sem a propagação de atos de violência. Referências [1] P. C. Boni. O discurso fotográfico: a intencionalidade de comunicação no fotojornalismo Tese (Doutorado) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, P [2] F. Alinovi e C. Marra. La fotografia. Illusione o rivelazione? Bologna: Società editrice il Mulino, P.16. [3] B. Kossoy. Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê Editorial, P.19. [4] B. Kossoy. Fotografia e História. São Paulo: Ática, P.15. [5] B. Kossoy. Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê Editorial, P.22. [6] P. Dubois. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, P.53. [7] P. Dubois. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, [8] P. Dubois. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, P.66. [9] A. Barbosa e E. T. da Cunha. Antropologia e imagem. Rio de Janeiro: Zahar, P.59. [10] P. C. Boni. O discurso fotográfico: a intencionalidade de comunicação no fotojornalismo Tese (Doutorado) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, [11] P. C. Boni. O discurso fotográfico: a intencionalidade de comunicação no fotojornalismo Tese (Doutorado) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, P.257. [12] P. C. Boni. O discurso fotográfico: a intencionalidade de comunicação no fotojornalismo Tese (Doutorado) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, P.263. [13] F. Alinovi e C. Marra. La fotografia. Illusione o rivelazione? Bologna: Società editrice il Mulino, P.15. [14] Y. Michaud. A violência. São Paulo: Ática, [15] E. Bucci. O fator Leo Minosa ou uma das possibilidades de violência nos meios de comunicação. Imagens, Campinas, ano 1, n. 2, P.67. [16] F. P. Ramos Imagem traumática e sensacionalismo: a intensidade da imagem-câmera em sua adesão ao transcorrer e sua tematização ética. Imagens, Campinas, ano 1, n. 2, P.22. [17] A. J. Severino. O campo do conhecimento pedagógico e a interdisciplinaridade. INTER-AÇÃO Revista da Faculdade de Educação, Vol. 21, n.1/2, jan./dez P [18] P. C. Boni. O discurso fotográfico: a intencionalidade de comunicação no fotojornalismo Tese (Doutorado) Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, p.246. [19] H. Evans. Testemunha ocular: as fotos que fizeram história. In: Testemunha ocular: 25 anos através das melhores fotos jornalísticas. São Paulo: Círculo do Livro, P.7-8. [20] H. Evans. Testemunha ocular: as fotos que fizeram história. In: Testemunha ocular: 25 anos através das melhores fotos jornalísticas. São Paulo: Círculo do Livro, P.8. [21] D. Angrimani. Espreme que sai sangue: um estudo do sensacionalismo na imprensa. São Paulo: Summus, P.152. [22] F. P. Ramos Imagem traumática e sensacionalismo: a intensidade da imagem-câmera em sua adesão ao transcorrer e sua tematização ética. Imagens, Campinas, ano 1, n. 2, P.23. [23] N. Beirão. O estrangeiro. Bravo, São Paulo, ano 3, n. 31, abr [24] D. Caram. Violência na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Vozes, P.91. [25] Y. Michaud. A violência. São Paulo: Ática, P.12. [26] C. Thiebaut. Conceptos fundamentales de Filosofía. Madrid: Alianza Editorial, [27] N. Odalia. O que é violência. São Paulo: Nova Cultural/Brasiliense, [28] D. Caram. Violência na sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Vozes, P.94. [29] F. Ali. A arte de editar revistas. São Paulo: Cia Editora Nacional, P.17. [30] F. Ali. A arte de editar revistas. São Paulo: Cia Editora Nacional, P.67. [31] R. Arnheim. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira, P.417. [32] F. Ali. A arte de editar revistas. São Paulo: Cia Editora Nacional, P.68. [33] A. Barbosa e E. T. da Cunha. Antropologia e imagem. Rio de Janeiro: Zahar, P.49. [34] A. Barbosa e E. T. da Cunha. Antropologia e imagem. Rio de Janeiro: Zahar, P

47 A relação professor-aluno no ensino-aprendizagem de Língua Inglesa em centros de idiomas. Katarine LIMA Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Alexandre GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO A presente pesquisa consiste em analisar os processos que permeiam a construção da relação docente-discente em centros educacionais específicos, as escolas de línguas estrangeiras. Busca-se estudar ainda, a maneira pela qual se efetiva o processo de aprendizagem de Língua Inglesa nesses ambientes e como o estabelecimento de relações de proximidade entre professor e aluno contribui de forma positiva para a otimização do aprendizado. Por meio da apresentação detalhada do histórico de ensino de Língua Inglesa no Brasil e a discussão a respeito dos métodos existentes no seguimento, e uma pesquisa de campo realizada com alunos de um centro de línguas pré-determinado, o objetivo principal do trabalho é observar e refletir a respeito de como se estabelece a relação professor-aluno nos centros de línguas, que possuem especificidades as quais diferem esses centros de ensino das chamadas escolas de Educação Básica regulares. A pesquisa de campo justifica-se à medida que o aluno expressa suas impressões a respeito de seu processo de aprendizagem. Entender de que maneira as relações humanas afetam a aquisição do conhecimento possibilita a constante busca por caminhos de aproximação entre educador e educando, bem como a modernização dos métodos de ensino, visando o contínuo desenvolvimento do ensino da Língua Inglesa e dos profissionais inseridos nesse contexto. Palavras-Chave: Professor, aluno, ensino-aprendizagem, centros de línguas, Língua Inglesa, relações humanas. 1. INTRODUÇÃO Data de 1808, com a chegada da família real ao território brasileiro, o primeiro indício da necessidade do ensino da Língua Inglesa no país. Os laços comerciais entre Inglaterra e Portugal fortaleceram-se e a vinda de comércios ingleses para o Brasil tornou imprescindível que os trabalhadores dominassem o idioma. Foi nesse período que ocorreu a criação do primeiro curso de Inglês em terras brasileiras, e, de acordo com Chaves [1], É muito provável que os primeiros professores de inglês tenham surgido nesse momento. Já no ano de 1809, em 22 de junho, D. João VI assina o decreto que ordena a criação de duas escolas de Língua Estrangeira, sendo uma de Francês e a outra de Inglês. O ensino de Língua Inglesa se torna formal em território nacional brasileiro. E, sendo, outrossim, tão geral e notoriamente conhecida a necessidade de utilizar das línguas francesa e inglesa, como aquelas que entre as vivas têm mais distinto lugar, e é de muita utilidade ao estado, para aumento e prosperidade da instrução pública, que se crie na Corte uma cadeira de língua francesa e outra de inglesa. [2] Em 1837, a fundação do Colégio D. Pedro II insere no currículo das escolas regulares as aulas destas duas línguas. Porém, o ensino apresentava deficiências devido à falta de uma metodologia adequada. A metodologia para o ensino das chamadas línguas vivas era a mesma das línguas mortas: tradução e análise gramatical. [3] Passado quase um século, na década de 1930 houve a grande ascensão do ensino de Língua Inglesa no Brasil, com a criação de diversos cursos de idiomas livres. O contexto histórico trazia o governo de Getúlio Vargas e um momento político conturbado motivado pela II Guerra Mundial. Segundo Shütz [4]: A língua inglesa era difundida como necessidade estratégica para contrabalançar o prestígio internacional da Alemanha devido à imigração alemã ocorrida no século anterior. No mesmo período foi criado o Ministério da Educação, e, com ele, ocorreu a reforma Francisco de Campos, que introduziu significativas mudanças no conteúdo, mas principalmente na metodologia do ensino de línguas estrangeiras. Acontece também nesse momento da história a oficialização do ensino de língua estrangeira por meio da própria língua, que recebe o nome de método direto, o qual, a partir de agora, seria amplamente utilizado nos centros de ensino. Foi na década de 1960 que tornou-se efetiva a grande popularização do ensino de Inglês, período histórico em que começam a serem criados os grandes e mais conhecidos centros de idiomas brasileiros especializados no ensino da língua. Houve, devido à ineficiência do ensino de línguas estrangeiras em colégios e a necessidade cada vez maior do domínio do Inglês, a proliferação dos cursos comerciais operando em redes de franquia. [5] Ainda, segundo Schütz, atualmente o Brasil oferece três tipos de cursos livres de Língua Inglesa: os cursos franqueados, os institutos binacionais e as escolas independentes. A realização da presente pesquisa contribui para a área educacional à medida que estudar os processos que permeiam a 23

48 relação professor-aluno e ensino-aprendizagem possibilita a otimização do trabalho docente, a busca por constantes caminhos de aproximação entre educador e educando e a consequente inovação dos métodos de ensino da Língua Inglesa. 2. REFERENCIAL TEÓRICO É sabido que de maneira distinta é construída a relação entre o professor e o aluno nos centros de ensino de línguas, objeto principal de estudo dessa pesquisa. Teoricamente, a função do docente nessas instituições de ensino seria puramente a transmissão dos conhecimentos, visto que o aluno paga pela retenção de um conteúdo que lhe é necessário. Não há, por exemplo, a obrigação moral existente na escola regular do educador de formar cidadãos que intervenham positivamente no mundo em que habitam, da qual nenhum docente pode eximirse. Porém, como é citado por Paulo Freire em sua obra Pedagogia da Autonomia, ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção. [6] O autor alerta ainda: se se respeita a natureza do ser humano, o ensino dos conteúdos não pode dar-se alheio à formação moral do educando. [7] É evidente que estes princípios mostram-se perfeitamente aplicáveis em qualquer âmbito educacional, inclusive nos centros de línguas, ainda que a questão do ensino seja abordada de maneira distinta do que ocorre nas escolas de Educação Básica. São muitas as evidências que nos levam a observar que a relação construída entre docente e discente nos centros de ensino de idiomas edifica-se de forma distinta do que ocorre nas escolas regulares. Por se tratar de um ensino particular, é restrito àqueles que podem arcar com o investimento. Tal dado reflete diretamente no número de alunos por sala de aula, que gira em torno de 15 estudantes no máximo. Uma realidade como essa possibilita ao docente efetiva maior aproximação junto aos alunos, e a oportunidade viável de dar a cada um deles atenção especial. Quando se leciona em uma classe com um pequeno número de alunos, o professor tem a chance de avaliar mais adequadamente o reflexo de seu trabalho e, ainda, a maneira como os alunos reagem aos estímulos propostos e são motivados por eles. É fato que o trabalho do professor acontece em conjunto com os alunos. O docente aprimora continuamente sua prática pedagógica, pois o dia a dia em sala de aula é repleto de descobertas a cada instante. O educador nunca é o dono do saber, é, sim, aquele que desperta nos estudantes a ânsia da busca incessante pelo conhecimento, e, deste modo, não apenas ensina, também aprende com os alunos na medida em que a relação estabelecida entre estes dois agentes do processo educativo é permeada por trocas constantes não só de conhecimentos, mas de experiências pessoais e vivências trazidas por ambas as partes. Não há docência sem discência, as duas se aplicam e seus sujeitos apesar das diferenças que os conotam, não se reduzem à condição de objeto um do outro. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. [8] O estabelecimento de laços e uma relação saudável entre professor e aluno favorece o aprendizado dos conteúdos programáticos apresentados pelo educador. Observar e relatar que, mesmo tratando-se de um âmbito de ensino distinto como caracterizam-se as escolas de línguas, com regras e preceitos completamente divergentes quanto aos pregados nas escolas tradicionais, esse princípio também aplica-se, e muitas vezes de maneira ainda mais eficaz do que se pode pensar. A força e responsabilidade do papel docente é explícita em qualquer ambiente educacional, como coloca Freire: Às vezes, mal se imagina o que pode passar a representar na vida de um aluno um simples gesto do professor. O que pode um gesto aparentemente insignificante valer como força formadora ou como contribuição moral à do educando por si mesmo. [9] É de fundamental importância ressaltar que, da mesma forma que o processo de aproximação entre professor e aluno nos centros de idiomas pode ocorrer de maneira mais viável, possibilitando assim um maior aproveitamento do aprendizado pelos estudantes, também a criação deste vínculo pode ser de certo modo dificultada, justamente pelos encargos de que é incumbido o professor de idiomas de apenas transferir seus conhecimentos linguísticos ao alunado. É nesse território que reside um dos maiores desafios do professor. Criar meios para que essa aproximação e identificação com a turma aconteça de forma natural, espontânea e prazerosa. Procurar a união do grupo, respeitando as diferenças e limitações de cada um dos membros favorece a criação de um ambiente agradável em sala de aula, que comprovadamente auxilia na condução do trabalho docente e dos futuros resultados positivos que se busca alcançar. O respeito aos educandos e a permanente reflexão crítica sobre a prática pedagógica devem ser parte da postura docente. 3. MÉTODO Ao pensar sobre o dever que tenho, como professor, de respeitar a dignidade do educando, sua autonomia, sua identidade em processo, devo pensar também, como já salientei, em como ter uma prática educativa em que aquele respeito, que sei dever ter ao educando, se realize em lugar de ser negado. Isso exige de mim uma reflexão crítica permanente sobre minha prática através da qual vou fazendo a avaliação do meu próprio fazer com os educandos. [10] Contemporaneamente, os cursos livres de idiomas dominam o mercado de ensino particular de línguas estrangeiras e são cada vez mais procurados por um número grande de alunos em busca de uma melhor capacitação profissional por meio do domínio de um segundo idioma além de sua língua materna. Ocorre que os centros de idiomas trabalham cada um segundo sua própria metodologia e perspectiva de ensino, adotando livros didáticos já padronizados. Isso possibilita ao aluno a escolha da metodologia que mais lhe agrada, e que na visão dele tornará mais proveitoso seu aprendizado, ainda que na maioria absoluta dos casos, outros fatores são levados em consideração no momento de escolher o centro de línguas em que estudar. 24

49 Existem basicamente três tipos de metodologia possíveis de serem encontradas no histórico do ensino de línguas: Tradução e Gramática, Método Direto e Audiolingual, seguido posteriormente da chamada Abordagem Comunicativa. O método Tradução e Gramática, existente desde o século XVII, é composto da memorização de vocabulários e regras gramaticais, bem como da tradução de textos, sem nenhum interesse na prática oral. Esse era o método utilizado para o ensino das línguas clássicas, como Latim e Grego, por isso focado nas regras normativas, com longos exercícios gramaticais apresentados completamente fora de qualquer contexto situacional. É importante salientar uma característica peculiar à metodologia também denominada tradicional: o foco absoluto é colocado no docente, que exerce, portanto, papel central no ensino. Para Martinez, [11] O professor constitui um modelo de competência linguística que deve ser imitado. Saber uma língua é mais ou menos conhecer o sistema tanto quanto o professor. No século XIX, criado por Charles Berlitz, surge o Método Direto, o qual considerava que o aprendizado de uma segunda língua concretizar-se-ia de maneira mais efetiva se comparado e aproximado ao modo como se adquire a língua materna, ou seja, por meio da exposição à determinada língua. O procedimento estabelece associação direta de palavras e frases com objetos e ações; o uso da língua materna e a tradução são praticamente proibidos nessa concepção. Ênfase maior é dada à pronúncia e à gramática corretas, essa última ensinada de maneira intuitiva. [12] O método Audiolingual iniciou-se nos Estados Unidos e começou a ser difundido no Brasil a partir da década de O audiolingualismo considera a proximidade latente entre a estrutura da língua estrangeira e o contexto em que ela é usada. Por isso, privilegia a expressão oral, ou seja, a utilização da própria língua no processo de aprendizagem. A teoria considera que o ensino de línguas ocorre por meio de um processo de condicionamento de uso do idioma. Nesse método, a repetição e memorização são amplamente exploradas, a fim de que o aluno adquira automatismo na língua estudada. O ensino da gramática é efetuado de maneira gradativa, e o vocabulário é apresentado inserido sempre em situações contextualizadas de uso do idioma. As demais competências (leitura e escrita) são exploradas apenas após a aquisição de uma consistente base vocabular e gramatical. É inserido o recurso audiovisual em sala de aula, com retroprojetores, CD s e DVD s, além da constante prática no laboratório de línguas, buscando alcançar perfeição na pronúncia, a maior preocupação do método. A separação da língua por competências passa a vigorar também nesse momento em que se apresentam as quatro habilidades a serem desenvolvidas no ensino de língua estrangeira: audição, fala, leitura e escrita, da mesma maneira como se estabelece o aprendizado da língua materna do falante. Segundo Richards e Rodgers (1990), o método Audiolingual é resultado do interesse em repensar as metodologias do ensino de línguas; eles anotam que é nesse período que nasce o que chamaram de uma das maiores indústrias americanas voltadas para as pesquisas em linguística aplicada, com comparações sistemáticas do inglês com outras línguas, acompanhadas de publicações que visavam à resolução de problemas fundamentais desse aprendizado. [13] Estudos desenvolvidos a partir de 1950 mostraram o interesse cada vez mais crescente em desenvolver as habilidades linguísticas no ensino de idiomas. Por isso, em meados de 1970, surge uma nova abordagem denominada Abordagem Comunicativa, que parte da teoria da língua como prioritariamente um meio de comunicação entre falantes. A abordagem comunicativa é a que está sendo utilizada atualmente no ensino de Língua Inglesa na maior parte dos centros de línguas. O ensino do idioma a partir de agora é guiado por objetivos voltados ao uso da fala, portanto, o docente busca em sala de aula atividades didático-pedagógicas que possibilitem a efetiva comunicação dos alunos e desenvolvimento cada vez maior da fluência linguística. Segundo Hanna: Analisar a Abordagem Comunicativa no Ensino de Línguas e delinear os princípios que a norteiam significa compreender o significado de uma metodologia pragmática em que a comunicação real é o centro das atividades. [14] É importante atentar que, apesar de privilegiar a comunicação no processo de aprendizado, o ensino de gramática não é desconsiderado. Ele torna-se parte integrante do ciclo, deixando apenas de ser o foco da aula de língua estrangeira. O ensino comunicativo visa o contínuo uso e prática da língua em sala de aula, considerando contextos situacionais reais de comunicação. Nesse sentido, Hanna destaca que: Os constitutivos norteadores de uma aula comunicativa opõem-se aos de um ensino fragmentado, no que diz respeito a uma real preocupação em promover um aprendizado com caráter mais duradouro e não somente para o uso imediato em tarefas de sala de aula. [15] A abordagem comunicativa vem sendo amplamente utilizada nos centros de idiomas para o ensino de línguas justamente por privilegiar a comunicação e possibilitar com isso que os alunos estabeleçam contato com a língua e frequentem um ambiente voltado à prática do idioma desde o primeiro dia de aula. A exposição à língua mostra-se uma técnica efetiva de incentivar a prática e desenvolvimento contínuo das quatro habilidades desenvolvidas nos cursos de línguas estrangeiras, adquirindo assim, completo domínio do idioma estudado. A escolha da mais adequada metodologia pelo aluno é parte primordial do processo de aprendizagem. São comuns falhas no decurso de aquisição do conhecimento devido à falta de adaptação/adequação do estudante ao método. Muitas vezes, os alunos escolhem o centro de idiomas em que estudarão pelo preço do curso, e não por questões metodológicas ou pedagógicas, o que pode ocasionar em frustração e consequente desistência futura dos estudos. Por isso, é essencial que o aprendiz faça uma pesquisa e conheça a organização das aulas 25

50 nos mais diversos centros de idiomas existentes, para que realize uma escolha acertada do método de aprendizagem. Verificar como se dá a criação dos vínculos entre docente e discente, a forma como é conduzida a aprendizagem e retenção de conteúdo nesses conhecidos centros de idiomas que estão alcançando cada dia mais visibilidade no mercado, e ainda o levantamento e análise dos resultados positivos de todo esse percurso educacional complementam as razões da apresentação do projeto. Propõe-se debater acerca de qual é o real papel do professor de Inglês nos centros de idiomas, e em que medida a construção de uma relação afetuosa entre educador e educando pode contribuir positivamente no processo de aquisição do conhecimento e, por conseguinte, de que modo as diferenças existentes na condução do ensino nestes estabelecimentos escolares favorecem a construção do saber. Para isso, a metodologia utilizada é uma pesquisa de campo quantitativa com alunos de uma rede de centro de línguas específica, localizada em Barueri, zona Oeste do estado de São Paulo. A coleta de dados busca identificar características e comportamentos que os alunos admiram em seus professores, e como eles enxergam a construção dessa relação afetuosa com o docente. Identificar-se-ão ainda, as preferências dos estudantes com relação às metodologias de ensino e didática aplicadas pelos professores em sala de aula. Após a devida análise do perfil econômico/social dos alunos desta região, somados a todos os dados coletados durante a pesquisa de campo, utilizando-se do método de amostragem torna-se possível inferir se os resultados obtidos durante este processo de pesquisa podem ser estendidos para outras localidades. PESQUISA PARA ANÁLISE DOS RESULTADOS 1) Qual das características abaixo você considera que um bom professor deve possuir? a) Simpatia b) Domínio do conteúdo c) Dinamismo d) Todas as anteriores e) Outras: 2)Sobre ser próximo de seus professores de língua estrangeira: 4) Você gosta de trabalhos com materiais diferenciados propostos pelo professor em sala de aula como músicas e jogos? Por quê? a) Sim b) Não Observações: 5) Qual momento da aula de língua estrangeira é o mais interessante para você? Por quê? a) Listening b) Speaking c) Reading Observações: 6) Você percebe a evolução do seu aprendizado? Como? a) Sim b) Não 7) Qual o grau de importância da simpatia do professor de idiomas para você? Por quê? a) Alto b) Baixo c) Indiferente d) Mediano e) Outro: O referido questionário foi aplicado a 50 alunos com idade entre 17 e 35 anos, regularmente matriculados em uma conhecida rede de ensino de idiomas, que utiliza o método Audiolingual somado à abordagem comunicativa no processo de ensinoaprendizagem de Língua Inglesa. A seguir, apresentar-se-ão os resultados numéricos obtidos pela pesquisa de campo, com valores convertidos em porcentagem. a) Sempre fui b) Nunca fui c) O professor não permitia d) Nunca quis e) Outros: 3) Você acredita que ser próximo do professor de línguas: a) Facilita o aprendizado b) Dificulta o aprendizado c) Torna o aprendizado mais prazeroso d) Não interfere no aprendizado e) Outros: 26

51 CONCLUSÃO Após a tabulação dos dados, foi possível tecer reflexões que confirmam a ideia previamente defendida de que a proximidade entre docente e discente favorece o processo de aprendizagem. Dos 50 estudantes entrevistados, 39 acreditam que um bom professor deve possuir essencialmente simpatia, dinamismo e demonstrar domínio do conteúdo, além de criatividade, citada por um dos alunos. No que tange à proximidade entre professor e aluno, percebe-se que para a maioria deles esse contato torna o aprendizado da língua estrangeira mais prazeroso. É extremamente positivo constatar também que boa parte dos estudantes buscou estabelecer essa relação com seus professores ao longo dos anos de estudo de línguas. Outro resultado importante apontado pela pesquisa é que os alunos apreciam significativamente o trabalho com técnicas diferenciadas em sala de aula como, por exemplo, o uso de músicas e jogos no ensino de língua estrangeira. Cem por cento deles dizem que esse tipo de atividade diversifica o estilo de aula, foge à rotina tradicional, torna dinâmico e mais divertido o aprendizado, além de permitir a interação entre os colegas de classe e também dos alunos com o docente, criando uma atmosfera agradável à aprendizagem. Os estudantes consideram o momento da prática oral como a parte mais interessante da aula de Língua Inglesa, pois é nesse período que, segundo eles, é possível praticar o que foi aprendido, fixar o conteúdo de forma definitiva, estabelecer contato com as outras pessoas e, ainda, aprender novas palavras por meio da colaboração do professor. Alguns citaram também que a fala é a parte da aula em que há a certeza com relação 27

52 àquilo que lhes foi apresentado anteriormente, ou seja, adquirese a confiança para se expressar em língua estrangeira. A parte destinada à leitura e audição foi citada por uma minoria, sob o argumento de que ao ouvir, há o contato direto com o modo de fala de nativos no idioma, e ao ler, ocorre a efetiva prática da pronúncia dos vocabulários apresentados durante o curso. A maioria esmagadora dos entrevistados afirmou ter a percepção de seu aprendizado por conseguir realizar os exercícios propostos pelo curso, entender conversas entre nativos em filmes, seriados, e compreender também a letra de músicas, linguagens com as quais os alunos possuem imenso contato em seu cotidiano. Um dos dados mais significativos é o grau de importância da simpatia do professor para os educandos. Quarenta e dois dos estudantes consideram a simpatia muito importante no professor de idiomas. Dentre as razões citadas para justificar tal opinião, os alunos explanam que um professor simpático cativa a turma e torna o processo de aprendizado mais leve. Alguns acreditam que a simpatia do professor colabora para o estabelecimento de uma relação próxima com o docente, e o aluno sente-se mais confortável em sala de aula para tirar dúvidas. Foi dito ainda que um professor carismático possibilita que os alunos interessem-se de maneira mais profunda pelos estudos e consequentemente, aprendam mais. Os resultados apresentados mostram que os alunos de língua estrangeira valorizam a proximidade com o docente, à medida que uma relação afetuosa entre eles colabora de forma extremamente positiva na condução satisfatória do processo de ensino-aprendizagem. A pesquisa mostrou ainda que os alunos observam todas as posturas adotadas pelo professor em sala, no que diz respeito ao domínio do conteúdo, técnicas de ensino utilizadas, trato com os estudantes e a própria apresentação física do docente, o que corrobora com a fala de Freire, patrono da Educação brasileira, quando diz: A responsabilidade do professor, de que as vezes não nos damos conta, é sempre grande. A natureza mesma de sua prática eminentemente formadora sublinha a maneira como a realiza. Sua presença na sala é de tal maneira exemplar que nenhum professor ou professora escapa ao juízo que dele ou dela fazem os alunos. [16] REFERÊNCIAS [1] C. Chaves. O ensino de inglês como língua estrangeira na educação infantil: para inglês ver ou para valer? Monografia (Especialização em Educação Infantil). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Disponível em: <http://www.leffa.pro.br/ensinole.pdf>. Acesso em: 30 de janeiro de [2] L. E. M. Oliveira. A historiografia brasileira da literatura inglesa: uma história do ensino de inglês no Brasil ( ) p. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária). Faculdade de letras, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, Disponível em: <http: //www.unicamp.br/iel/memoria/projetos/teses.hmtl>. Acesso em: 30 de janeiro de [3] V. L. Leffa. O ensino de línguas estrangeiras no contexto Nacional. Contexturas, Disponível em: Acesso em: 30 de janeiro de [4] R. A. Schulz. Second language acquisition theories and teaching practice: how do they fit? The Modern Language Journal, 75: New Jersey, Wiley-Blackwell [5] R. A. Schulz. Second language acquisition theories and teaching practice: how do they fit? The Modern Language Journal, 75: New Jersey, Wiley-Blackwell [6] P. Freire. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [7] P. Freire. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [8] P. Freire. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [9] P. Freire. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [10] P. Freire. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [11] P. Martinez. Didática de Línguas Estrangeiras. São Paulo: Editora Parábola [12] V. L. H. Hanna. Línguas Estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. São Paulo: Mackenzie, [13] V. L. H. Hanna. Línguas Estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. São Paulo: Mackenzie, [14] V. L. H. Hanna. Línguas Estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. São Paulo: Mackenzie, [15] V. L. H. Hanna. Línguas Estrangeiras: o ensino em um contexto cultural. São Paulo: Mackenzie, [16] P. Freire. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, Os dados confirmam que alunos de centros de idiomas buscam adquirir fluência na língua estrangeira de forma prazerosa, divertida, arrojada, pois apreciam técnicas de ensino inovadoras, dinâmicas, que possibilitem a interação e comunicação entre as pessoas. Trata-se de um perfil de alunado que valoriza a criatividade, dinamismo e modernização do trabalho docente. Como citado pelos estudantes, a proximidade entre educador e educando permeia o processo de aquisição do conhecimento de experiências positivas, tornando o ambiente de sala de aula afável, amoroso e mais alegre. Por tudo o que foi explanado e comprovado pela pesquisa de campo realizada, é evidente que a troca contínua de conhecimentos dar-se-á de maneira extremamente significativa e proveitosa para ambas as partes integrantes do processo educativo o professor e o aluno agentes complementares e imprescindíveis ao ciclo educacional. 28

53 Memorias de la Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética (CICIC 2015) O texto pela imagem: análise das capas de O Cortiço no século XXI. Luciana LUCIANI Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Alexandre GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO literário e o imagético, isto é, entre o signo verbal e o signo não verbal. O presente projeto consiste em analisar os sentidos construídos nas imagens de capas utilizadas no mercado editorial brasileiro, entre os anos de 2010 e 2014, para a obra O Cortiço (1890), de Aluísio Azevedo ( ), a fim de estabelecer relações entre o texto verbal e o não verbal. A relação entre forma e conteúdo presente na imagem imputa o estudo da estrutura por meio de índices para compreensão e justificativa da percepção total, sendo que a base desse estudo pode ser obtida por meio dos pressupostos teóricos da escola Gestalt. Este trabalho, por meio dos estudos imagéticos, oferece, assim, outra possibilidade metodológica de compreensão dessa importante obra de Aluísio Azevedo, que, no meio literário atual, figura ainda com grande expressividade, uma vez que se trata de um clássico da literatura amplamente adotado na Educação Básica; leitura obrigatória desde 2010 pela FUVEST e UNICAMP (vestibulares mais concorridos no Brasil) e texto livre para uso comercial (domínio público). Os fundamentos gestaltistas, que surgiram em oposição ao subjetivismo, apoiam-se na fisiologia do sistema nervoso, tendo como propósito estudar a percepção da forma, organizando-a em todos coerentes e unificados. E, com o objetivo de perceber e estabelecer relações entre o texto literário e as imagens das capas de O Cortiço, apresenta-se este projeto que selecionou treze, das oitenta e uma capas pesquisadas, para serem analisadas, no período de um ano, com base nos fundamentos gestaltistas. Recorre-se para tal estudo, portanto, aos fundamentos teóricos da escola Gestalt que fornece meios concretos para que se proceda a leitura visual. Recorre-se, ainda, aos pressupostos da tradução intersemiótica que possibilita compreender como ocorre o processo de transformação de uma linguagem construída através de um sistema semiótico em outra linguagem. Também é necessário, para este estudo, entender de que forma a capa, enquanto paratexto textual, e, portanto um hipotexto, estabelece conexões com o hipertexto e pode (ou não) despertar no leitor a decisão pela leitura. Palavras-Chave: Intersemiótica. 1. O Cortiço; Capa; Gestalt; O critério adotado para a escolha das treze capas, ordenadas cronologicamente como segue abaixo, contemplou os seguintes pontos: 1) capas utilizadas a partir do ano de 2010 para ilustrar a obra; 2) capas do mercado editorial brasileiro; 3) capas cuja ilustração remete ao meio ou ao homem. Paratexto; INTRODUÇÃO Considerado o melhor romance naturalista da Literatura brasileira e obra-prima de Aluísio Azevedo, um autor expoente de nossa ficção urbana nos moldes do tempo (BOSI, 2012, p. 200), é natural que O Cortiço tenha sido publicado por diversas editoras ao longo dos anos e continue, ainda no século XXI, apresentando um grande número de publicações. O grande número de publicações acarretou uma variedade de capas para apresentar esse livro, inclusive, no universo de uma mesma editora. Em uma pesquisa de campo, realizada no primeiro semestre de 2014, em livrarias e bibliotecas, foi levantado um total de oitenta e uma diferentes capas, utilizadas para traduzir imageticamente a obra O Cortiço, entre os anos de 1948 a Essa variedade de capas gera, portanto, um amplo corpus para análise em diversas perspectivas, sendo que uma delas pode ocorrer com o objetivo de estabelecer relações entre o texto 29 Figura 1 Núcleo, Figura 2 Scipione, Figura 3 Ática, Figura 4 Expressão Popular, Figura 5 FTD, Figura 6 Melhoramentos, 2011.

54 Memorias de la Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética (CICIC 2015) de Aluísio, quadram bem ao clima de purismo que marcaria a língua culta brasileira até o advento dos modernistas. Sobre a importância dessa obra naturalista, têm-se, também, as considerações de Antonio Candido [2]: Figura 7 Scipione, Figura 8 Ateliê Editorial, Figura 9 DCL, Figura 10 Lafonte, Figura 11 Martin Claret, Figura 12 Bestbolso, Em nenhum outro romance do Brasil tinha aparecido semelhante coexistência de todos os nossos tipos raciais, justificada na medida em que assim eram os cortiços e assim era o nosso povo, é claro que visto numa perspectiva pessimista, como a dos naturalistas em geral e a de Aluísio em particular. [...] E como solução literária foi excelente, porque graças a ele o coletivo exprime a generalidade do social. Embora exista uma ampla literatura que trata das obras de Aluísio Azevedo e, em especial, d O Cortiço, pela relevância do autor e desse romance para o contexto literário brasileiro, este trabalho propõe um estudo focado no texto não verbal, comumente menos analisado que o verbal, mas igualmente importante quando se intenciona contribuir com o universo da Letras. 3. Com enfoque teórico nos fundamentos da escola Gestalt, o objetivo geral deste projeto é analisar a produção de sentidos presentes nos textos imagéticos das capas de O Cortiço, e neste artigo em particular, a capa produzida pela da Editora Ática, publicada em 2011 (Figura 3). Figura 13 L&PM Pocket, OBJETIVOS JUSTIFICATIVA Como pontos específicos deste artigo, destacam-se os itens abaixo: Aluísio Azevedo, após desistir de se dedicar ao desenho sua grande e declarada paixão, aos 21 anos inicia na Literatura, fortemente influenciado pelas obras de Émile Zola e Eça de Queirós. a. b. Incentivado pela repercussão e pelo dinheiro obtido com a venda de dois mil exemplares do seu segundo romance, O mulato (1881), o autor volta-se integralmente à Literatura, firmando-se como escritor e tornando-se o mais importante representante do Naturalismo no Brasil. E, reconhecendo nas palavras de seu biógrafo, Jean-Yves Mérian (2013, p. 17), em finais do século XIX, Aluísio Azevedo foi o escritor mais lido no Brasil. c. 4. Foi o primeiro autor brasileiro a viver do seu ofício, mas nem por isso dedicou-se a ele por toda sua vida. Apesar de reconhecido pela comunidade literária, não tinha segurança material ao depender da escrita naquele tempo, então decide ingressar no serviço público em 1896, abandonando a literatura. Examinar se os sentidos produzidos na capa retratam a estética naturalista e o momento sócio histórico do romance; Compreender as correspondências semânticas entre o não verbal e o verbal, ou seja, entre a capa e o texto literário; Observar o livro como produto mercadológico e de que forma a identidade construída na capa pode influenciar na decisão de compra do leitorconsumidor. FORMA DE ANÁLISE DOS RESULTADOS Gerárd Genette, em seus estudos, denomina de paratextos todos os outros elementos (capas, anexos, página de rosto, títulos, dedicatórias, prefácios, etc.) necessários para que um texto se torne livro e se proponha como tal aos seus leitores. Para o teórico francês, o paratexto e, portanto, a capa, compõe-se, pois, empiricamente, de um conjunto heteróclito de práticas e de discursos de todos os tipos e de todas as idades [...] [3]. Antes, porém, de partir para carreira diplomática, Aluísio Azevedo publica em 1890 aquele que é considerado o melhor romance naturalista da Literatura brasileira e sua obra-prima: O Cortiço. Como exprime Alfredo Bosi [1]: A capa de um livro é, ainda, uma promessa feita pela editora, em nome do autor, para o leitor [4], cujas funções englobam proteção, apelo comercial e identidade. Assim como qualquer produto, o livro precisa de uma embalagem que o proteja; e aproveitar o espaço dessa embalagem para promover um apelo comercial é uma oportunidade para as editoras estimularem a compra de suas publicações. No entanto, em um nível mais complexo, está a função que concerne à identidade, ou seja, o [...] O Cortiço foi um passo adiante na história da nossa prosa. O léxico é concreto, o corte do período e da frase sempre nítido, e a sintaxe, correta, tem ressaibos lusitanizantes que, embora se possam explicar pela origem luso-maranhense 30

55 conceito do livro que a editora pretende transmitir ao seu público leitor. De acordo com essas concepções, pode-se, então, considerar que ao criar uma identidade para a capa, o designer (ou capista) carrega o texto de discursos que influenciarão na concepção axiológica por parte do público-leitor, uma vez que: Não se pode construir uma enunciação sem modalidade apreciativa. Toda enunciação compreende antes de mais nada uma orientação apreciativa. É por isso que, na enunciação viva, cada elemento contém ao mesmo tempo um sentido e uma apreciação [5] O fato de haver múltiplas capas para uma mesma obra implica a construção de diversos sentidos e apreciações. Segundo Dondis [6], captamos a informação visual de muitas maneiras. Dessa forma, ao examinar as capas criam-se possibilidades para compreender os diferentes discursos presentes em consonância ou não com o texto literário e seus efeitos. Por ser um corpus bastante amplo para análise, há várias possibilidades de estudos disponíveis para entendimento das relações de sentidos construídas no texto não verbal. Uma possibilidade é a Gestalt, cuja fundamentação teórica diz respeito ao campo da percepção visual da forma, e que será o fio condutor deste trabalho. A Gestalt é uma escola da psicologia experimental que surgiu no fim do século XIX, tendo como precursor o filósofo austríaco Christian von Ehrenfels. Entretanto, foi por volta de 1910 com Max Wertheimer, Wolfgang Kohler e Kurt Koffa que o movimento gestaltista teve seu início mais efetivo. Segundo Gomes Filho, em Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma, a atuação gestaltista ocorre principalmente no campo da teoria da forma, com contribuição relevante aos estudos da percepção, linguagem, inteligência, aprendizagem, memória, motivação, conduta exploratória e dinâmica de grupos sociais [7]. Ainda de acordo com o mesmo autor, a Gestalt explica o fenômeno da percepção visual, estabelecendo uma primeira divisão geral entre forças externas e forças internas: [...] cada imagem percebida é o resultado da interação dessas duas forças. As forças externas sendo os agentes luminosos bombardeando a retina, e as forças internas constituindo a tendência de organizar, de estruturar, da melhor forma possível, esses estímulos. [8] A ordem, ou força de organização é o que os gestaltistas nomeiam como princípios básicos ou também leis de organização da forma perceptual, as quais explicam porque um receptor vê as coisas de uma maneira determinada. Recorrendo a Rudolf Arnheim [9], em Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora, o pesquisador é categórico ao afirmar, logo à primeira página, que a capacidade de entender pelos olhos, inata ao ser humano, está adormecida e necessita ser despertada, buscando para tanto, na Gestalt, a possibilidade de leitura e compreensão da arte. Essa possibilidade proposta pela Gestalt instrumentaliza a interpretação e leitura visual da forma e, portanto, permite compreender as relações de sentidos dos textos imagéticos escolhidos como corpus desta pesquisa. Busca-se, por conseguinte, entender o enfoque de uma ou mais características através da qual a identidade foi criada para as capas. Tendo em vista essa constatação e para que se possa compreender a tradução intersemiótica do texto literário em imagens, serão levantados os seguintes problemas, acerca do corpus escolhido, como forma de análise dos resultados: a. Quais sentidos são transmitidos ao público leitor por meio de cada capa atribuída ao principal romance de Aluísio Azevedo? b. Os sentidos produzidos retratam o momento sócio histórico e as características literárias presentes em O Cortiço? 5. ÁTICA 2011 A capa publicada pela Editara Ática em 2011 (Figura 3) privilegiou o uso das cores preta, branca e cinza e, traz como tema imagético a somatória de pés descalços que vão perdendo a individualidade no ambiente construído por João Romão: A pouco e pouco, vai adquirindo terrenos à volta de sua tasca e lá erigindo pocilgas onde abriga e espolia a ralé e os trabalhadores de sua pedreira, situada nos fundos do cortiço. Assim, vão sucedendo os dramas anônimos daquele conglomerado de marginais: Rita Baiana, mulata faceira, Pombinha, menina inocente que se prostitui, Jerônimo, português brioso que cede aos dengues da mulata, Florinda, Leocácia, etc. [10] E o fato é que aquelas três casinhas, tão engenhosamente construídas, foram o ponto de partida do grande cortiço de São Romão. Hoje quatro braças de terra, amanhã seis, depois mais outras, ia o vendeiro conquistando todo o terreno que se estendia pelos fundos da sua bodega; e, à proporção que o conquistava, reproduziam se os quartos e o número de moradores. [11] Azevedo foi o inaugurador da estética naturalista no Brasil, que se caracteriza como uma radicalização do Realismo em direção à fiel observação da realidade, ao retrato da mediocridade da rotina, à influência do meio social sobre o indivíduo, à hereditariedade, às leis da natureza, ao fatalismo, à linguagem falada, ao sexo tratado de maneira aberta. Na visão de Helena Bonito Pereira [12], Os naturalistas seguiram os escritores realistas, que haviam desencadeado a reação contra a idealização romântica. Entretanto, o Naturalismo iria mais longe, fazendo sair de cena não só as mocinhas risonhas do Romantismo como também as burguesas enfastiadas do Realismo. Os Naturalistas foram influenciados pelo Positivismo, pelo Determinismo e pela teoria Darwinista da Evolução das Espécies. A partir de suas influências, pretendiam uma 31

56 composição objetiva e imparcial, que, para tanto, valia-se mais da descrição detalhada do que da narração dos acontecimentos. A imagem desenvolvida pelo capista confere uma descrição detalhada de uma realidade subumana, em que as condições de higiene e individualidade perdem-se em meio ao cotidiano de modo a, por vezes, suas personagens serem tratadas literariamente por meio da zoormorfização. A condição subumana também é descrita por Aluísio de Azevedo em O Cortiço, chegando, inclusive a se valer, por diversas vezes da zoormorfização, figura de linguagem que coloca o ser humano em condições animalescas. [13] A imagem da capa remete a, dentre outras, passagem do amanhecer no cortiço em que há a inteira consonância deste ser humano com o ambiente degradado que habita: Entretanto, das portas surgiam cabeças congestionadas de sono; ouviam-se amplos bocejos, fortes como o marulhar das ondas; pigarreava-se grosso por toda a parte; começavam as xícaras a tilintar; o cheiro quente do café aquecia, suplantando todos os outros; trocavam-se de janela para janela as primeiras palavras, os bons-dias; reatavam-se conversas interrompidas à noite; a pequenada cá fora traquinava já, e lá dentro das casas vinham choros abafados de crianças que ainda não andam. No confuso rumor que se formava, destacavam-se risos, sons de vozes que altercavam, sem se saber onde, grasnar de marrecos, cantar de galos, cacarejar de galinhas. De alguns quartos saíam mulheres que vinham pendurar cá fora, na parede, a gaiola do papagaio, e os louros, à semelhança dos donos, cumprimentavam-se ruidosamente, espanejandose à luz nova do dia. Daí a pouco, em volta das bicas era um zunzum crescente; uma aglomeração tumultuosa de machos e fêmeas. Uns, após outros, lavavam a cara, incomodamente, debaixo do fio de água que escorria da altura de uns cinco palmos. O chão inundava-se. As mulheres precisavam já prender as saias entre as coxas para não as molhar; via-se-lhes a tostada nudez dos braços e do pescoço, que elas despiam, suspendendo o cabelo todo para o alto do casco; os homens, esses não se preocupavam em não molhar o pêlo, ao contrário metiam a cabeça bem debaixo da água e esfregavam com força as ventas e as barbas, fossando e fungando contra as palmas da mão. As portas das latrinas não descansavam, era um abrir e fechar de cada instante, um entrar e sair sem tréguas. Não se demoravam lá dentro e vinham ainda amarrando as calças ou as saias; as crianças não se davam ao trabalho de lá ir, despachavam-se ali mesmo, no capinzal dos fundos, por detrás da estalagem ou no recanto das hortas. [14] A degradação do homem fica evidente na capa produzida pela editora Ática composta por pés negros sobre fundo branco. Percebe-se que no processo sintático de composição da imagem os pés estão postados em diferentes direções, fato que direciona o olhar do leitor para pontos diferentes, não concedendo a oportunidade de uma leitura direta, simples e calma. A multidão de pés, mais espaçados nos quatro cantos da imagem, ganha maior volume e menos definição no centro da imagem, traduzindo a questão da ausência de individualidade e da condição subumana de existência. Para Arnheim [15], perspectiva central continua a interessar o artista em três aspectos. Ela oferece uma imagem rigorosamente realística do espaço físico; proporciona um padrão compositivo rico e aprimorado; e a concepção de um mundo que converge, comunica sua própria expressão característica. 6. CONCLUSÃO A captação da rotina, da agressividade, da violência, da influência do meio sobre o ser humano, dos desvios de comportamento, das anomalias, dos desequilíbrios, da exploração do ser humano, tão constantes no Naturalismo integrado também por Raul Pompéia (O Ateneu) e Júlio Ribeiro (A Carne) apresentam-se como um argumento paratextual que traduz semioticamente as questões do momento social, histórico, cultural e literário da obra O Cortiço. Referências [1] A. Bosi. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, p [2] A. Cândido. De cortiço a cortiço. In: A. Azevedo. O cortiço. São Paulo: Expressão Popular, P.22. [3] G. Genette. Paratextos editoriais. Cotia: Ateliê, p. 10. [4] A. Haslam. O livro e o designer II: como criar e produzir livros. São Paulo: Rosari, p [5] M. Bakhtin. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, p.140. [6] D. A. Dondis. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, p. 03. [7] J. Gomes Filho. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, P

57 [8] J. Gomes Filho. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, P. 25. [9] R. Arnheim. Arte & percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Cengage Learning, [10] M. Moisés. A literatura brasileira através dos textos. Cultrix: São Paulo, p. 24. [11] A. Azevedo. O Cortiço. São Paulo: Círculo do Livro, p. 10. [12] H. B. Pereira. Literatura: toda a literatura portuguesa e brasileira. FTD: São Paulo, p [13] A. H. T. Guimarães. Literatura e fotografia: um diálogo pertinente. In: M. L. M. C. Vasconcelos e H. B. C. Pereira. Linguagens na sala de aula do ensino superior. Niterói: Intertexto, São Paulo: Xamã, [14] A. Azevedo. O Cortiço. São Paulo: Círculo do Livro, p. 30. [15] R. Arnheim. Arte & percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Cengage Learning, p

58 A utilização do Facebook no processo de formação docente: linguagem, TIC, comunicação e educação Valéria MARTINS Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO A formação docente vem à tona com uma frequência cada vez maior na medida em que diminui, pelo menos no Brasil, o número de jovens que escolhem exercer sua atividade profissional na área da educação. Ademais, no início da formação, o graduando, muitas vezes, é desestimulado já que muitos professores que atuam na Educação Básica brasileira não encorajam os estagiários a entrar na profissão. Foi a partir desse desanimador contexto educacional brasileiro que surgiu a prática geradora desta pesquisa que objetiva refletir sobre o papel do estágio curricular supervisionado na formação do profissional da área de Letras. Este trabalho busca, também, oferecer aos professores da Licenciatura em Letras uma alternativa mais atraente e significativa de acompanhamento para o Estágio Curricular Supervisionado. Para tanto, é descrita a experiência de se acompanhar os estágios por meio de uma rede social. Por fim, pondera-se sobre a necessidade de se repensar os cursos de formação dos docentes de Língua Portuguesa, de se alterar os objetivos e a forma de execução dos estágios supervisionados e a importância da constante atualização também dos professores que formam outros docentes. Palavras-Chave: Formação docente; Letras; Estágio Curricular Supervisionado; Rede social. 1. INTRODUÇÃO Atualmente, no ambiente acadêmico, discute-se cada vez mais a formação de professores no Brasil, na medida em que diminui o número de profissionais que escolhem trabalhar na área da educação. Baixos salários, péssimas condições de trabalho, jornada semanal exaustiva, baixa estima social, indisciplina e violência por parte dos alunos. Além disso, é comum ouvir relatos de que, de forma geral, o universo da educação formal encontra-se distante da realidade midiática e tecnológica dos alunos que, hoje, estão conectados muitas horas à internet. Tal fato distancia docentes de discentes, tirando a atenção dos estudantes das aulas, frequentemente apenas expositivas, em que predominam maçantes conteúdos programáticos e que desestimulam os jovens a optarem pela profissão docente [1]. Tal situação piora quando se analisa o universo da área de Letras. É grande o número de pessoas que se espantam quando um jovem afirma que escolhera cursar a graduação em Letras, para tornar-se, futuramente, um professor de Língua Portuguesa ou de Língua Estrangeira, sendo que, na maioria das vezes, questiona-se o porquê da escolha e atesta-se que os profissionais dessa área sempre são mal remunerados. Depois de cursados alguns semestres da graduação em Letras, a situação de falta de estímulo pode agravar-se. O graduando é obrigado a fazer o estágio curricular supervisionado para receber, ao final do curso, a habilitação para ministrar aulas. O Conselho Nacional de Educação, por meio da Resolução CNE/CP n o 01, de 18 de fevereiro de 2002, no 3 o do Art. 13, estabelece que: esse estágio deve se realizar em escola de Educação Básica; um regime de colaboração entre os sistemas de ensino deve ocorrer e todo o processo deve ser avaliado conjuntamente pela instituição superior formadora e pela escola na qual se concretiza o estágio. Entretanto, além do parco diálogo entre as instituições envolvidas, observa-se, por meio das discussões que ocorrem em sala de aula e por meio dos relatórios de estágio produzidos pelos discentes do Curso de Letras que descrevem as experiências vivenciadas ao longo de todo o processo, que há, com certa frequência, uma incoerência entre o que defendem os docentes formadores e o que os futuros professores veem nas salas de aula do Ensino Fundamental II e do Ensino Médio. Foi a partir desse precário e desestimulante contexto educacional brasileiro de formação de professores que surgiu a ideia geradora desta pesquisa. Este trabalho objetiva refletir sobre o papel do Estágio Curricular Supervisionado na formação do profissional da área de Letras. Propõe-se, dessa forma, averiguar como o estágio transcorre, como ele é orientado pelos professores nas instituições formadoras e nas instituições da Educação Básica, como ele interfere na formação do futuro professor e se ele pode fazer germinar nos graduandos o gosto pela profissão docente. Sendo fruto de uma experiência profissional voltada para a formação docente, este artigo busca, também, oferecer aos professores da Licenciatura em Letras uma alternativa mais atraente e significativa de acompanhamento para os estágios. É nesse momento que surge a rede social Facebook, ferramenta digital que foi utilizada para a concretização da proposta estudada nesta pesquisa. Em um mundo em que os artefatos tecnológicos invadem a vida da maioria das pessoas, alteram a comunicação das informações e criam novos espaços de conhecimento, as redes sociais podem auxiliar no processo de ensino-aprendizagem, na medida em que, frequentemente, dinamizam trocas de experiências entre professores e alunos e entre os próprios alunos [2]. É evidente que a aprendizagem dá-se por meio das habilidades cognitivas do ser humano, não por meio, unicamente, da tecnologia. Entretanto, uma ferramenta tecnológica bem utilizada, sem sombra de dúvida, pode favorecer e enriquecer o processo de aprendizado [3]. 2. O ACOMPANHAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES POR MEIO DO FACEBOOK 2.1 O SURGIMENTO DA PROPOSTA Depois de fazer leituras atentas de relatórios de estágios por dois anos, a professora e pesquisadora deste trabalho chegou a algumas constatações ao perceber que embora, legalmente, ou 34

59 em termos de discurso, o estágio curricular seja apresentado como elemento de integração entre teoria e prática, na realidade ele continua sendo um mecanismo de ajuste que busca solucionar ou acobertar a defasagem entre elementos teóricos e práticos [4] estudados ao longo da graduação. Em primeiro lugar, ficou evidente que muitos alunos sentiam-se desmotivados pelo fato de seus relatórios de estágio serem lidos, basicamente, por apenas uma pessoa: a professora que ministrava a disciplina ligada ao estágio. Em segundo lugar, muitos alunos diziam que seria muito rica a experiência de compartilhar algumas experiências do estágio que poderiam ser gravadas por meio de vídeos em celulares. O relatório de estágio em papel não possibilitaria tal prática. Alguns vídeos poderiam ser exibidos nas aulas, mas a exibição de todos os vídeos seria improvável. Em terceiro lugar, em uma das instituições de Ensino Superior, que ofereceu os relatórios de estágio para a concretização desta pesquisa, também não era permitida a inserção de fotos nos relatórios de estágio para que os documentos não ficassem pesados e fosse possível a gravação de todos os relatórios de estágio de uma mesma turma em um único CD. Obviamente, eram muitas as situações que os estagiários gostariam de fotografar, como ensaios, brincadeiras, gincanas, apresentações teatrais. Mais uma vez, o relatório impresso limitava o relato. Por fim, durante as aulas, sempre surgiam momentos em que os alunos queriam dividir com os outros graduandos, em função da dificuldade de se conseguir o estágio, dicas de escolas que recebiam bem os estagiários ou que ainda tinham vagas. Muitos mandavam para os s dos colegas de sala tais informações ou postavam as dicas em suas páginas pessoais no Facebook. Além disso, vários alunos que cumpriam o estágio e que, predominantemente, chegavam aos bancos universitários profundamente desmotivados com o que viam nas salas de aula de Educação Básica, passaram, também, a postar informações sobre as escolas ou situações que vivenciaram em sala de aula, na página pessoal do Facebook da própria pesquisadora deste trabalho, sendo que não eram só postagens pessimistas ou que só reclamavam de determinadas práticas docentes. Na página pessoal da pesquisadora, também começaram a ser recorrentes relatos de dificuldades seguidas de descrições apaixonadas pelo curso de Letras. Embora o estágio frequentemente desestimule os alunos a abandonarem o curso pelas inúmeras dificuldades encontradas durante a execução do estágio, eles tinham estímulos nos bancos universitários, mais especificamente nas aulas das disciplinas pedagógicas. Os futuros professores também postavam na página pessoal da professora exemplos de escolas com boas práticas pedagógicas. Ademais, passaram a divulgar dicas de escolas que aceitavam os estagiários sem restrições inexplicáveis. E, por fim, começou a aumentar dia a dia o número de mensagens inbox sobre dúvidas gerais sobre os estágios. Foi a partir desse momento que surgiu a ideia de criar um mecanismo coletivo de ensino-aprendizagem. Surgiu, assim, a ideia de usar o Facebook como instrumento metodológico de troca de informações e de vivências. O próximo item descreve todo o processo de utilização do recurso por parte dos licenciandos. 2.2 A PROPOSTA No dia 06 de agosto de 2012, foi criado um perfil no Facebook específico para acompanhar os relatos dos graduandos que tinham de cumprir o Estágio Curricular Supervisionado em escolas públicas ou privadas de Educação Básica. O mais revelador da experiência foi que, logo de início, um número grande de alunos passou a enviar postagens para o perfil ora com dúvidas, ora com sugestões de escolas; ora com pedidos de ajuda para conseguir vaga em alguma escola, ora para contar alguma experiência vivenciada nas instituições de Educação Básica. Como a página foi criada quando o semestre letivo começou, inicialmente, surgiram muitas postagens que tratavam da dificuldade de se conseguir uma vaga nas escolas. Outro problema também relatado com frequência envolve o fato dos diretores aceitarem estagiários, mas os professores não. O discurso dos alunos retratava as várias negativas de professores que os graduandos recebiam. Infelizmente, a maior parte dos professores sente-se muito incomodada com a presença de um estagiário. Entretanto, se a aula é bem preparada, se o docente cumpre a sua parte como educador, não há o que temer. Mais uma questão que merece atenção envolve o fato de muitas instituições serem extremamente desorganizadas. Os relatos no Facebook demonstraram que os estagiários chegam à instituição em que gostariam de fazer estágio e nela, rotineiramente, são mal orientandos em relação a com quem devem falar e para onde devem ir. Também foi frequente a postagem de relatos de diretores que queriam uma carta de recomendação da faculdade antes de aceitarem os estagiários, sendo o Termo de Compromisso de Estágio a única obrigatoriedade legal que o estagiário teria de apresentar aos gestores. Ademais, foi grande o número de graduandos que publicaram posts relatando que os gestores ficavam pouco tempo nas escolas e que viajavam bastante, não deixando nenhum funcionário responsável por sua função. Às vezes, uma viagem pode ser necessária por questões profissionais ou até mesmo pessoais. Todavia, é indispensável encontrar um funcionário na escola que possa assumir as funções de gestão durante a ausência do diretor. Outra situação recorrente na página do Facebook envolveu a recusa dos diretores assinarem o Termo de Compromisso de Estágio com a informação de que não assinariam o documento porque eles não o conheciam. Alguns alunos também mandavam mensagem inbox pedindo ajuda, solicitando dicas de escolas que aceitavam os estagiários de forma tranquila e respeitosa. Foi em função de todas as dificuldades elencadas anteriormente que surgiu a ideia dos alunos veteranos postarem no perfil do Facebook uma lista com os nomes das escolas que recebiam de forma tranquila e respeitosa os futuros professores. A docente universitária que cuidava dos estágios publicara um post pedindo ajuda e, minutos depois, começaram a ser visualizados vários comentários com as indicações das escolas. Além disso, sobrava mais tempo na aula para a reflexão acerca 35

60 das questões práticas do estágio, não se perdendo, assim, tempo com situações puramente burocráticas como essa. O Facebook funcionou como uma nova ferramenta pedagógica que facilitou o processo de formação docente [5]. Nesse sentido, a principal função do professor não pode ser mais a difusão dos conhecimentos que agora é feita de maneira mais eficaz por outros meios, como por meio das redes sociais [6]. Talvez também por isso, naturalmente, os alunos passaram a publicar posts culturais no perfil. Um grande número de estagiários publicava dicas de filmes que tinham relação com a área da educação, ou seja, os alunos passaram a postar no Facebook links com dicas de filmes e documentários que surgiam nas discussões em sala de aula em função de algum assunto que vinha à tona por causa das experiências vivenciadas nas escolas de Educação Básica. Naturalmente, os alunos passaram a ser protagonistas da própria formação, indivíduos autônomos que publicavam coletivamente informações relevantes e, muitas vezes, inspiradoras: De modo bem direcionado e trabalhado, os vídeos podem acelerar o processo de ensinar e aprender [7]. Os futuros professores também passaram a postar fotos e vídeos que poderiam gerar ótimas reflexões nos bancos universitários e dicas de materiais que poderiam ser usados com outras turmas de Licenciatura. Os papéis de professor e alunos, então, misturaram-se e os próprios discentes passaram a ajudar a pesquisadora e docente a montar as suas aulas dos próximos semestres oferecendo ótimas sugestões de materiais [8]. O Facebook transformou, dessa forma, o universo do processo de ensino-aprendizagem: Chamo a atenção para o fato de que se instauram nessa nova configuração de cultura aprendizagens permanentes e personalizadas de navegação em que a orientação dos estudantes e professores passa a ser dirigida para um espaço do saber flutuante e destotalizado [9]. É a partir desse saber flutuante e destotalizado que cada vez mais os alunos postavam relatos sobre os estágios. Além disso, eles passaram a publicar materiais que não podiam ser publicados nos relatórios que eram entregues em papel. Em uma das instituições formadoras, por exemplo, o setor, que recebe e arquiva, ao final dos semestres, os relatórios de estágio, solicita que os alunos não anexem, em seus relatórios, informações escaneadas que possam deixar os relatórios muito pesados. Assim, era recorrente a reclamação de que os alunos não tinham a chance de anexar provas, atividades, fotos e imagens relacionadas ao estágio. O setor criava esse impedimento para que todos os relatórios de uma mesma turma fossem gravados apenas em um único CD, gravação esta executada pela própria docente que supervisiona os estágios. No Facebook, este problema não existia. Foi, então, que os discentes passaram a publicar fotos e vídeos de momentos vivenciados ao longo do Estágio Curricular Supervisionado. Tais materiais enriqueceram de forma intensa as discussões em sala de aula na universidade, pois a imagem, o som e o movimento oferecem informações mais realistas em relação ao que está sendo ensinado [10]. A partir de então, semanalmente, havia posts por meio dos quais era possível visualizar alunos da Educação Básica trabalhando em sala de aula, ensaiando para apresentações teatrais e produzindo trabalhos que seriam expostos nas feiras escolares. Também houve a publicação de relatos de várias escolas que utilizavam, em vez do tradicional barulho do sinal que indica o final de uma aula e o começo de outra, uma música, prática esta muito relaxante e divertida. No segundo semestre de 2013, uma aluna chegou a postar para os colegas informações sobre o Programa Residência Educacional, que acabara de ser criado. Paralelamente, entretanto, continuavam a aparecer relatos de experiências negativas que afetavam o bom andamento das aulas. A falta de material, por exemplo, era muito recorrente, mesmo em meses do segundo semestre do ano letivo. Eram comuns, também, fotos demonstrando que a infraestrutura das escolas, principalmente das públicas, não estava de acordo com o que os alunos merecem. Grades eram frequentemente fotografadas nos ambientes escolares. Da mesma forma que nos relatórios impressos, continuavam os relatos de falas de professores que desestimulavam os estagiários. Fig. 1 Postagem que comprova como os alunos recebem palavras de total desestímulo de muitos professores da Educação Básica. No caso, acima, entretanto, já é possível perceber um tom de que a mudança é possível, de que a educação pode, sim, melhorar, pois o aluno que relata sua experiência fala da importância dos docentes serem profissionais pacientes e determinados no ambiente escolar, insistindo em práticas que possam, verdadeiramente, fazer a diferença na vida dos alunos. Isso leva, então, à comprovação de que os alunos passaram, com o tempo e por meio de um processo de amadurecimento acadêmico e científico, a fazer relatos muito mais reflexivos com o transcorrer do semestre. Naturalmente, no início do semestre, a maior parte dos relatos trazia práticas pedagógicas insatisfatórias ou sentimentos ruins frente ao estágio. Depois, por meio das trocas de ideias entre o professor e os alunos e entre os próprios alunos, um tom mais leve tomou conta do perfil criado no Facebook. Os textos deixaram de ser feitos só para a atribuição de uma nota e ganharam um caráter público, tornaram-se coletivos. O Facebook passou a representar um diário coletivo das experiências, das angústias, das dúvidas, mas, também, das possíveis soluções para os problemas apresentados. Todos os colegas viam o que os outros escreviam e comentavam [11]. É importante ressaltar que a responsabilidade sobre o ato da escrita aumentou, assim como ampliou-se também a responsabilidade do professor que orientou essa nova experiência. O Facebook não poderia transformar-se, por exemplo, em um ambiente de apenas reclamações. Buscavamse, primordialmente, soluções para os problemas apresentados. É por isso, também, que relatos sobre experiências positivas e 36

61 estimulantes passaram a ser descritos no Facebook. Um tom de esperança imperava, assim, da metade do semestre em diante. Seguem alguns exemplos: passaram a produzir o próprio conhecimento [12] e os relatos não estavam mais baseados em simples observações das aulas assistidas. Havia a partir de agora análises mais sólidas do ambiente educacional da Educação Básica, além de uma vontade grande de mudar o que não estava satisfatório e adequado: Fig. 2 Postagem na qual uma aluna narra um situação engraçada pela qual passou durante o estágio. Fig. 3 Postagem em que uma estagiária narra uma prática pedagógica satisfatória na aula de gramática de Língua Portuguesa. Fig. 4 Postagem na qual uma estagiária descreve sua experiência de estágio, ressaltando que ficara espantada com um retorno tão positivo dado pelos alunos diante de oportunidades e incentivos. Destaque deve ser dado, ainda, a um relato por meio do qual o estagiário explica que, ao final do processo de observação das aulas, a professora que o acompanhara na escola de Educação Básica solicitara um relatório feito por ele mesmo, analisando a prática pedagógica da docente: Fig. 5 Postagem na qual o estagiário expõe que ainda existem no mercado professores preocupados em melhorar sua prática pedagógica. Além disso, ao término dos estágios, muitos alunos diziam que acabavam ficando emocionados ao saber que não veriam mais os rostos daqueles determinados alunos: Fig. 6 Postagem na qual a universitária relata o final do seu Estágio Curricular Supervisionado. Por meio desses relatos, nota-se, portanto, que os alunos Fig. 7 Postagem na qual uma estagiária analisa com criticidade os estágios pelos quais passou. De forma geral, o relato acima retrata como a maior parte dos alunos chega ao final do estágio depois de passarem o semestre dividindo quase que diariamente experiências no Facebook: realistas, mas esperançosos. Eles detectam problemas, questões difíceis de serem solucionadas no dia a dia escolar, mas não perdem a vontade de fazer algo diferente por aquela árdua realidade [13]. Assim, eles fazem várias reflexões ao longo de todo o estágio [14]. Entretanto, se só houvesse o relatório escrito impresso, prática que ocorre na maioria das instituições de ensino que possuem cursos de Licenciatura, parte desse processo de reflexão, todo aqui relatado, não teria se efetivado. Os relatórios impressos são mais descritivos e menos reflexivos. A impressão que se tem é que o papel é limitador e que, muitas vezes, por diversas questões já aqui levantadas, o aluno filtra grande parte das informações que possui. Os relatos no Facebook, por sua vez, eram francos e questionadores. Dessa forma, constata-se que quando bem orientados, os estagiários podem, sim, aproveitar o estágio de forma bem intensa: Assim, o supervisor/orientador de estágio será encarado como o promotor de estratégias que irão desenvolver nos futuros professores o desejo de reflectirem e, através da reflexão, a vontade de se desenvolverem em continuum [15]. Na prática, o que ocorreu foi que as discussões e interações na página do Facebook foram levadas para o contexto educacional universitário e, depois de um tempo, as reflexões virtuais tomaram as aulas presenciais. O Facebook, portanto, provocou debates e discussões profundas e auxiliou no processo de entendimento de diferentes visões sobre um mesmo tema, percurso orientado de perto pela docente que ministrava as disciplinas que faziam a supervisão do Estágio Curricular Supervisionado [16]. Houve, assim, a criação de um ciberespaço, de um hipertexto mundial interativo, onde cada um pode adicionar, retirar e 37

62 modificar partes dessa estrutura telemática, como um texto vivo, um organismo auto-organizante [17]; de um ambiente de circulação de discussões pluralistas, reforçando competências diferenciadas e aproveitando o caldo de conhecimento que é gerado dos laços comunitários, podendo potencializar a troca de competências, gerando a coletivização dos saberes [18]. Ademais, os relatos de um semestre serviam como estímulos para os alunos que iniciavam os estágios no curso de Licenciatura. Muitos agradeciam pelos relatos anteriores, pelas dicas de escolas que recebiam bem os universitários e pelas práticas pedagógicas que inspiravam. Diante de todas essas possibilidades, mais uma vez, afirma-se que o docente tem um papel importante no processo de ensino-aprendizagem: O professor poderá redimensionar sua autoria, modificando a base comunicacional potencializada pelas tecnologias digitais [19]. Apesar de todas as dificuldades vivenciadas durante o estágio, o professor/supervisor do Estágio Curricular Supervisionado pode transformar, por meio de estratégias múltiplas, os obstáculos em estímulos. O docente universitário, quando consciente e envolvido com sua tarefa, pode fazer brotar no futuro professor a vontade de mudar, de melhorar o que não está bom na área educacional. Embora a internet e as redes sociais propiciem um ambiente de aprendizado mais livre, no qual o ritmo individual de aprendizado é mais respeitado, o papel do professor como mediador, como guia, como facilitador, continua sendo insubstituível [20]. Da mesma forma, o comprometimento docente mantém-se essencial no ambiente escolar. 3. CONCLUSÃO Na verdade, talvez, muito se tenha discutido e pouco se tenha feito pela formação de professores no Brasil. Embora o Conselho Nacional de Educação, por meio da Resolução CNE/CP n o 01, de 18 de fevereiro de 2002, no 3 o do Art. 13, estabeleça que o Estágio Curricular Supervisionado deve se realizar em escola de Educação Básica, que um regime de colaboração entre os sistemas de ensino deve ocorrer e que todo o processo deve ser avaliado conjuntamente pela instituição superior formadora e pela escola na qual se concretiza o estágio, constatou-se que não é isso que ocorre na prática. De forma geral, não há um regime de colaboração entre as universidades formadoras e as escolas de Educação Básica que recebem os graduandos. Além disso, o estágio não é avaliado conjuntamente pelas instituições envolvidas. Isso mostra que não basta existir inúmeros documentos legais se a realidade está muito longe de corresponder ao que está instituído nos documentos. Em primeiro lugar, os alunos universitários têm grande dificuldade para conseguir uma escola para estagiar. Em segundo lugar, os relatórios de estágio, que normalmente são entregues impressos aos professores universitários que fazem a supervisão do estágio na instituição formadora, comprovam que, depois de conseguir a vaga com dificuldade, os estagiários observam uma grande quantidade de aulas que apresentam muito mais exemplos insatisfatórios do que satisfatórios de práticas docentes. Além de se sentirem intrusos nas salas de aula dos professores observados, já que a maioria dos docentes da Educação Básica não se preocupa com o estagiário e deixa claro que a sua presença não é bem vinda, os graduandos passam 700 horas observando práticas que transformam o ambiente escolar em algo maçante, cansativo e desestimulante. Embora surjam relatos de professores comprometidos, impera a prática de não se preparar aula, de se repetir a mesma atividade durante várias aulas, de se passar uma aula inteira apenas passando matéria na lousa, de basicamente fazer os alunos decorarem longas listas de conteúdos. A educação continua tradicional e repressora quando deveria ser libertadora [21]. Questiona-se, então, qual seria o papel do Estágio Curricular Supervisionado na formação do profissional da área de Letras nos dias de hoje na medida em que a maioria dos estagiários sai com uma péssima impressão do dia a dia docente. Os próprios relatórios de estágio são alvos de críticas por parte dos graduandos, pois eles, normalmente, são lidos apenas pelo professor ao término do período letivo. É imprescindível destacar que o docente que supervisiona o Estágio Curricular Supervisionado pode solicitar, em sala de aula, uma troca de experiências entre os colegas, mas, levandose em consideração a quantidade média de alunos por turma, 30 graduandos, tal prática torna-se difícil. Em um mundo tão colaborativo como o de hoje, pouco se consegue com um material que é lido apenas por uma única pessoa. Uma mudança é necessária. O mais curioso é que, naturalmente, como 1h30min de aula por semana e os relatórios em papel não davam conta de funcionarem como espaço de troca e de reflexão de informações sobre as aulas da Educação Básica observadas, os graduandos passaram a usar a página pessoal da professora (no Facebook) que supervisionava o estágio para contar as experiências que mais geravam inquietações. Com o tempo, os universitários também passaram a utilizar a página pessoal para tirar dúvidas sobre o estágio, para oferecer dicas aos colegas de escolas públicas e privadas que bem recebiam os futuros professores. Assim, a docente que ministrava a disciplina que supervisionava o Estágio Curricular Supervisionado aprendeu, com os alunos, a usar a rede social como uma ferramenta didático-metodológica. Os papéis de professor e alunos misturaram-se e os próprios discentes passaram a ajudar a pesquisadora a buscar novos caminhos para melhorar o processo de formação docente. Foi a partir dessa prática natural que surgiu a proposta de criar um mecanismo coletivo para facilitar a troca de informações entre os estagiários; para propiciar discussões; para permitir desabafos e questionamentos; para dividir boas e más experiências pedagógicas vivenciadas ao longo do cumprimento do Estágio Curricular Supervisionado. Acompanhar os Estágios Curriculares Supervisionados por meio de uma rede social foi a opção. Docentes malformados, pouco informados, sem entusiasmo e sem comprometimento usam ferramentas tecnológicas sem nenhum propósito evidente, situação que não caracteriza a experiência aqui descrita. A presente pesquisa trouxe, então, à tona, reflexões sobre o uso da Internet e das redes sociais no 38

63 mundo moderno e no ambiente educacional dos cursos de formação docente. Depois de criada a página, em 06 de agosto de 2012, os resultados vieram a cada dia. Logo de início um grande número de alunos passou a enviar postagens para o perfil com dúvidas, com sugestões de escolas, com pedidos de ajuda para conseguir vaga em alguma escola; para contar alguma experiência vivenciada nas escolas de Ensino Fundamental II e Ensino Médio; para indicar aos outros graduandos dicas culturais de filmes que tratavam do tema educação; para compartilhar vídeos e fotos, captados pelos celulares, também sobre o tema educação, prática que era impossível nos relatórios impressos. É o celular, tão temido nas salas de aulas de alguns professores, a favor do processo de aprendizagem colaborativa. Várias vozes estavam presentes ao mesmo tempo em um mesmo ambiente. Alunos de uma mesma sala e mesma disciplina ajudavam-se, mas ajudavam também alunos de semestres e de disciplinas diferentes. Veteranos ajudavam calouros. Calouros ajudavam veteranos. Surgia, portanto, um ambiente colaborativo. O Facebook funcionou como uma nova ferramenta pedagógica que facilitou o processo de formação docente e o docente não perdeu sua importância, receio de muitos. Apenas é possível perceber que a principal função do professor, nos dias de hoje, na escola híbrida, não pode ser mais simplesmente a difusão dos conhecimentos, que agora é feita de maneira mais eficaz por outros meios, como por meio das redes sociais. Os alunos passaram, com o tempo e por meio de um processo de amadurecimento acadêmico e científico, a fazer relatos muito mais reflexivos com o transcorrer do semestre. Não que isso não ocorresse com os relatórios impressos. Mas é fundamental dizer que no Facebook esse processo deu-se de forma muito mais intensa, significativa e coletiva. Os futuros professores passaram a produzir, coletivamente, o próprio conhecimento. Evidentemente, é importante ressaltar que o professor formador, diante de novas práticas de formação docente, deverá ter disponibilidade para acompanhar, por exemplo, as páginas criadas, comentar os posts dos alunos, responder a dúvidas e publicar conteúdos. Contudo, mais uma vez, percebe-se que tal prática não representa um tempo perdido na formação docente, mas, sim, um real exercício educacional, talvez, um novo modelo que dialoga com a contemporaneidade. [3] P. Freire e S. Guimarães. Educar com a mídia: novos diálogos sobre educação. São Paulo: Paz e Terra, [4] N. Alves. Formação de professores: pensar e fazer. São Paulo: Cortez, 2011, p. 68. [5] M. de L. Peña, M. e E. F. S. Masini. Aprendendo Significativamente: uma construção colaborativa em ambientes de ensino presencial e virtual. São Paulo: Editora Vetor, [6] P. Lévy. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, [7] F. C. A. Carvalho. Tecnologias que educam: ensinar e aprender com tecnologias da informação e comunicação. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010, p. 40. [8] J. M. MORAN. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, [9] M. da G. Setton. Mídia e educação. São Paulo: Contexto, 2010, p [10] V. M. Kenski. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Papirus, 2007, p. 45. [11] M. de L. Peña e S. M. Allegretti. Escola Híbrida: aprendizes imersivos. Revista Contemporaneidade Educação e Tecnologia, v. 01, n. 02. Disponível em: htt p://revistacontemporaneidadeeducacaoetecnologia02.files.word press.com/2012/05/edutechi_puc20121.pdf, Acesso em: 02 dez [12] P. Freire. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [13] P. Freire. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, [14] V. M. Candau. A didática em questão. Petrópolis: Vozes, [15] I. Alarcão. Formação reflexiva de professores: estratégias de supervisão. Porto: Porto Editora, 2010, p. 91. [16] M. de L. Peña, M. e E. F. S. Masini. Aprendendo Significativamente: uma construção colaborativa em ambientes de ensino presencial e virtual. São Paulo: Editora Vetor, [17] A. Lemos, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002, p [18] A. Lemos, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002, p [19] W. Freire. Tecnologia e educação: as mídias na prática docente. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2008, p. 82. [20] P. Freire e S. Guimarães. Educar com a mídia: novos diálogos sobre educação. São Paulo: Paz e Terra, [21] P. Freire. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, O Facebook funcionou como uma nova ferramenta pedagógica que facilitou o processo de formação docente. Sem sombra de dúvida, a tecnologia, quando bem utilizada, potencializa o caráter coletivo da aprendizagem. Todavia, não é ela que melhorará a qualidade da educação brasileira. Só o educador bem formado, criativo e comprometido pode fazer isso. Referências [1] D. Saviani. Formação de professores no Brasil: dilemas e perspectivas. Poíesis Pedagógica, v. 09, n o. 1, [2] M. de L. Peña e S. M. Allegretti. Escola Híbrida: aprendizes imersivos. Revista Contemporaneidade Educação e Tecnologia, v. 01, n. 02. Disponível em: htt p://revistacontemporaneidadeeducacaoetecnologia02.files.word press.com/2012/05/edutechi_puc20121.pdf, Acesso em: 02 dez

64 Propaganda de ideais e a força do anúncio. Marlon MURARO Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO Nos últimos anos, em salas e corredores acadêmicos ou no diaa-dia de trabalho com clientes observamos que muito tem se debitado na conta da propaganda. Mas, afinal, qual seria a essência dessa atividade? Seria a propaganda como linguagem de sedução, culpada ou inocente? Até que ponto a propaganda tem o compromisso com a educação e a formação do caráter do cidadão? Este artigo procura refletir sobre estas questões e, apoiado em elementos da análise do discurso de linha francesa apresenta aspectos deste processo elucidativo, entre eles, as relações entre a linguagem verbal e o não verbal, a carga ideológica, o dialogismo intradiscursivo e o ethos. A Propaganda de Ideias e Ideais ainda que utilize os mesmos princípios e técnicas da propaganda de bens de consumo difere desta, pois discute assuntos de relevância para o todo, muito além da parte (questões de interesse global e menos específico), abordando temas importantes como meio ambiente violência doméstica, mão-de-obra infantil entre outros. Assim, o compromisso da propaganda com questões desta relevância auxilia sobremaneira na divulgação, no combate e na diminuição de problemas de natureza sócio-econômicoambientais. Palavras-Chave: Discurso Publicitário; Propaganda; Publicidade; Ethos; Ideias e ideais. 1. INTRODUÇÃO Carvalho [1] lembra que ao se analisar a linguagem publicitária quase sempre se fala em manipulação. Devemos considerar que, na realidade, a linguagem publicitária usa recursos estilísticos e argumentativos da linguagem cotidiana, ela própria voltada para informar e manipular. Falar (insiste Carvalho) é argumentar, é tentar impor. O mesmo conceito de manipulação pode ser aplicado à linguagem jornalística, aos discursos políticos (sobretudo em época eleitoral), à linguagem dos tribunais (especialmente nas entrelinhas) e até ao discurso amoroso. Em todos estes casos, há uma base informativa que, manipulada, serve aos objetivos do emissor. A diferença está no grau de consciência quanto aos recursos utilizados para o convencimento e, neste sentido, a linguagem publicitária se caracteriza pela utilização racional de tais instrumentos para mudar (ou conservar) a opinião. A publicidade é uma mensagem paga, veiculada nos meios de comunicação, com o objetivo de se vender um produto ou serviço, sob a forma de uma marca comercial, para um públicoalvo (consumidor), utilizando-se de recursos e estratégias linguísticos e estilísticos de ordenação, persuasão e sedução, por meio de apelos racionais e emocionais. Embora possa ter a forma de diálogo, possui uma relação assimétrica, na qual o enunciador, apesar de assumir um tom imperativo, transmite uma expressão alheia a si própria. O verdadeiro enunciador permanece ausente do circuito da fala; o enunciatário, contudo, é atingido pela atenção desse enunciador oculto em relação ao objeto. O apelo à emoção, na verdade, é um apelo por valores, aquilo que os consumidores valorizam e que estão procurando nos produtos. O oferecimento de provas é uma afirmação das razões ou evidências de por que o produto fará os benefícios que promete; é uma afirmação das características do produto. O apelo à credibilidade do comunicador é um apelo à honestidade e à integridade do anunciante. A mensagem publicitária se constrói por meio da integração da linguagem verbal e não-verbal, utilizando-se de palavras e imagens com consciência linguística, que, combinadas, produzem sentidos, pois, fundamentalmente, são elaboradas com um senso comum carregado de valores e representações sociais, culturais, estéticas e políticas, que estão em consonância com a capacidade cognitiva interpretativa de um determinado receptor. A publicidade produz, agencia valores, saberes e naturaliza os desejos de consumo, tornando-os necessidades básicas, simbolizando-os por meio da ideologia de aceitação e pertencimento, compartilhada por todos como um ideal de existência. Para ser é preciso ter; consumir o que a publicidade afirma como o que é certo. Toscani [2] vai mais longe. O premiado fotógrafo e responsável por campanhas publicitárias no mínimo inovadoras e surpreendentes usa a publicidade como meio para fazer suas críticas sociais, seja apresentando em seus anúncios um uniforme de soldado vítima da guerra da Bósnia, uma auto ironia com uma marca de roupas (no caso, Benetton) que convive em um mundo com uniformes de guerra, seja a crítica à Igreja, em que noviços e noviças para realizar seus desejos de ingressar e permanecer na vida religiosa católica, são obrigados a renunciar ao amor carnal, a impossibilidade de que padres e freiras se apaixonem e vivam também o amor entre homem e mulher. Mas estas críticas ao discurso publicitário não nos intimidam no sentido de encontrar respostas e apelos para a manutenção de sua prática. Acreditamos que o discurso publicitário, em que pese seus ônus críticos (manipulação, distorção e inverdades) pode sim, ser utilizado para o bem, para causas justificadas e de forma ética e verdadeira. O anúncio a seguir, pago e veiculado pelo Conselho Nacional de Auto-Regulamentação Publicitária (CONAR) é um bom ponto de partida: 40

65 Figura 1: Anunciante CONAR Fonte: Publicado na revista Veja, agosto 2003 O anúncio (figura1) foi publicado na revista Veja em 2003 e enfatiza o compromisso da propaganda com a ética e com a verdade. Assinado pelo CONAR, a peça busca separar a propaganda profissional, daquela feita de má-fé e que não deve ser considerada publicidade enquanto atividade séria e reconhecida. Foi assim, na tentativa de criar parâmetros éticos na propaganda e regulamentar a atividade, que surgiu em cinco de maio de 1980, o CONAR, como estímulo à conscientização social no que se refere às mensagens publicitárias. O CONAR é o instrumento criado, gerido e sustentado pela cadeia que representa a atividade publicitária no país, funcionando como uma espécie de tribunal em que abusos são julgados e, nos casos mais graves, penaliza anunciante e agências com pagamentos de multas e retirada da mensagem publicitária do ar. Este anúncio foi a inspiração para definir e selecionar um anúncio impactante, valendo-nos, aqui, da força do anúncio impresso em revistas nacionais. Nossa escolha recaiu sobre o meio Revista porque as mesmas representam em seu conjunto entre 7 e 10% do total de investimentos publicitários, tendo como principal característica a extrema seletividade do público consumidor, uma vez que existem centenas de títulos voltados para os mais diversos segmentos da população; além disso, representam um canal de publicidade por excelência. No anúncio analisado podemos verificar a colagem de recursos e a integração entre as linguagens verbal e não verbal. Para Carvalho [3]: Em termos de mensagem publicitária, o outdoor e o anúncio ocupam lugar de destaque, por se basearem na palavra escrita [...]. Um dos fatores que se deve levar em conta no caso dos anúncios, por exemplo, é que o papel da revista permite reproduções e fotos de qualidade superior à do jornal, favorecendo procedimentos gráficos mais sutis e eficazes, como nuances de cor, tipos de letra e detalhes de foto. De fato, a qualidade editorial das publicações (revistas) favorece a compreensão por parte do leitor, uma vez que os diversos recursos publicitários podem ser aplicados com resultados superiores (aos do jornal, por exemplo). Outra característica importante do meio Revista é a forte identificação que se estabelece entre ela e o leitor, já que este só adquire a primeira em função de assuntos de seu interesse. Além disso, dificilmente, uma revista é lida por apenas uma pessoa e um mesmo leitor pode folhear e ler a revista mais de uma vez, durante certo tempo. Por isso, a audiência dos anúncios em revistas é sempre superior à sua circulação e nas palavras de Sampaio [4] sua permanência entre os consumidores é a maior de todos os meios de comunicação. Neste estudo, analisamos anúncios que, com a finalidade de informar, chamar a atenção e despertar para uma realidade, procuram fazer com que a sociedade responda ao que se está comunicando em busca de uma vida melhor e mais justa. Tudo isto seria utopia, se, por diversas oportunidades, a propaganda não houvesse se revelado um importante aliado às causas sociais e ambientais. A vacinação em idosos contra a gripe, o uso de camisinhas no período das festas carnavalescas, o uso do cinto de segurança nos automóveis são exemplos de como a propaganda atuou e contribuiu para que idosos aderissem à vacinação gratuita, jovens se protegessem contra as doenças sexualmente transmissíveis e a população adotasse o cinto de segurança como norma e prática comum. Passaremos à análise das peças que abordam um importante tema social e de relação direta entre homens e seu habitat: a preocupação com o meio-ambiente. 2. ANÁLISE DA PEÇA SELECIONADA O anúncio publicitário selecionado transmite a chamada propaganda de ideias e ideais, temas essenciais e que precisam ser conhecidos, reconhecidos e discutidos por toda a sociedade. É neste sentido que, por meio da propaganda, as autoridades, órgãos públicos, iniciativa privada e organizações não governamentais têm a chance de fazer sua voz chegar às pessoas por toda a parte. A peça a seguir procura representar esta capacidade da propaganda em servir como alerta. Conforme Marcondes [5]: O anúncio, formato habitual na mídia impressa nasce de uma colagem de recursos e manifestações preexistentes e conhecidos. Da literatura e do jornalismo, a publicidade importou o texto; do desenho e da pintura, trouxe as ilustrações dando origem a algo diverso e novo, mas de certa forma já incorporado ao universo conhecido das pessoas. Ainda sobre o anúncio, vale ressaltar seus dois universos formadores: a linguagem verbal e a visual. Nas palavras de Carrascoza [6]: Título, texto e slogan e tudo mais que se relaciona com o código linguístico compõem seu campo verbal. O corpo visual é composto pelos códigos morfológico (mais comumente conhecido como layout), tipográfico (as famílias de letras escolhidas para dar forma ao conteúdo do código linguístico), cromático (as combinações de cores adotadas) e fotográfico, que poderíamos melhor definir como figurativo (uma vez que comporta fotos e ilustrações diversas como a logomarca, vinhetas etc). (p. 99) No entanto, se as características do anúncio e de sua construção devem primar por requisitos como criatividade, inovação, adequação e diferenciação, devem, também, propiciar ao leitor um entendimento do que se quer dizer. Em outras palavras, a publicidade precisa ser decodificada por seu público-alvo sob 41

66 pena de tornar-se gasto e não investimento; se o enunciatário não compreende o que vê ou aquilo que é comunicado, o enunciado se perde e, com ele, o investimento realizado pelo enunciador. A análise do anúncio escolhido procura refletir sobre aspectos como a associação de ideias, imagens e palavras, a carga ideológica, as linguagens verbal e não verbal (como itens complementares para compreensão da mensagem) e a relação intertextual para a produção de sentidos na leitura e compreensão dos anúncios. Além disso, o ethos será focalizado na análise das peças selecionadas. Também a voz do texto será ouvida e decodificada na análise. O ethos, sua construção e significado, sua presença e sua multiplicidade de vozes será alvo também de nossas análises a partir das peças selecionadas. Dividimos a análise em dois grupos: (1) Aspectos Estruturais, subdivididos em Fixos e Interpretativos; e (2) Aspectos Conteudísticos. Nos Aspectos Estruturais Fixos compreendemos o esquema estrutural de cada anúncio, englobando itens como título, assinatura, slogan, texto e imagem; nos Aspectos Estruturais Interpretativos, definimos tópicos como cores, fontes (tipologia), grafismos, fundo, quadrante onde se insere a imagem e outros contrastes. Nos Aspectos Conteudísticos, analisamos o ethos, a ideologia e aspectos da integração das linguagens verbal e não verbal. 3. POR CAUSA DO DESMATAMENTO, MUITAS ESPÉCIES NÃO TÊM MAIS ONDE MORAR. Figura 2: Anunciante SPVS Fonte: Publicado na revista Top Magazine, julho 2005 Aspectos estruturais fixos Título Por causa do desmatamento, muitas espécies não têm mais onde morar. O título revela, de forma direta, uma relação de causa-efeito: o desmatamento provoca a diminuição de áreas escoadoras de água (menos terra, mais asfalto), o que acaba por gerar inundações nos centros urbanos e justifica que diversas espécies estão ficando sem seu habitat natural por conta do desmatamento desenfreado e inconsequente; o uso da expressão muitas espécies deixa claro que não se trata de problema localizado, de uma minoria. Ainda que a imagem priorize o ser humano, o plural no título em espécies deixa entrever a questão de que as mudanças climáticas causadas pelo desmatamento consequentemente afetarão a vida dos seres humanos e de toda fauna e flora. Texto Entre outras coisas, as florestas ajudam a conter enchentes. Preserve a natureza. O texto surge como um apêndice, um apoio ao título, complementando com a informação de que a manutenção das florestas ajuda a combater enchentes, pois é do conhecimento prévio do leitor que a terra absorve a água, diferentemente do asfalto e do concreto. A expressão entre outras coisas, assim como no caso de muitas espécies, aparece para ampliar a discussão: a floresta é importante para a vida como um todo, para a manutenção do equilíbrio entre as espécies e o problema das enchentes é um triste sinal, um ângulo para análise, a constatação daquilo que o desequilíbrio pode gerar e, por fim, como todos os seres vivos sofrem as consequências disto. Vale chamar a atenção para o uso do verbo preservar no modo imperativo (marcando a função conativa), um recurso típico do discurso publicitário, sempre que este deseja criar ação, movimento, atitude; no caso, o modo imperativo não gera reflexão, mas gera ação e é disso que a natureza necessita. Assinatura A natureza é nossa vida. O anúncio traz uma assinatura que não possibilita indagações: é uma afirmação para a qual não se espera contestação ou discordância, pois funciona como um refrão que deve soar sempre que o assunto desmatamento vier à tona e, como refrão, tem por finalidade auxiliar no processo de memorização. A sua repetição faz com que a mensagem não se perca e esta é a função da assinatura neste anúncio. Imagem Uma foto em preto e branco revela sete pessoas carregando uma geladeira por sobre as águas de uma enchente. O lixo, mais adiante, e a proporção da água com relação ao teto das casas deixa claro que não se trata de um rio, mas sim de área urbana vitimada por enchente. O recurso da imagem em preto e branco é usado para conferir maior dramaticidade; com a fotografia em preto e branco, vemos a realidade sem truques ou retoques, recurso igualmente muito utilizado em documentários e na imprensa escrita. Segundo Flusser [7]: Não pode haver, no mundo lá fora, cenas em preto-e-branco. O branco é presença total de todas as vibrações luminosas; o preto é a ausência total [...]. De maneira que cenas em preto e branco não existem. Mas fotografias em preto-e-branco, estas sim, existem. As fotografias em preto e branco são a magia do pensamento teórico, conceitual, e é precisamente nisto que reside o seu fascínio. Revelam a beleza do pensamento conceitual abstrato. Assim, este pensamento, codificado em fotografias em preto e branco, mostra o verdadeiro significado dos símbolos fotográficos: o universo dos conceitos. Este universo cada vez mais explorado nos dias atuais como afirma Manguel [8]: As imagens ganham novamente preeminência sobre a palavra escrita [...]. Temos permitido que a propaganda e a mídia eletrônica privilegiem a imagem para transmitir 42

67 informações instantaneamente ao maior número de pessoas. A fotografia, neste anúncio, é emblemática, traduz o que se pretende dizer: ainda que não houvesse título e texto, o leitor seria capaz de compreender a mensagem final, a partir, apenas, da fotografia. O ritual das pessoas carregando um bem que lhes é precioso traz, analogicamente, a visualização de um enterro, um cortejo fúnebre, (onde familiares carregam seu parente próximo) neste caso, carregam o que conseguiram salvar. Não há como identificar o rosto das pessoas, que estão de costas para o leitor, com seus rostos ocultos; desta forma, a imagem consegue criar a sensação de inclusão, ou seja, o efeito de, ao não identificar os fotografados, incluir o leitor: poderia ser com qualquer um de nós e isto faz com que a sensibilidade à imagem aumente, uma vez que não se trata de um problema só dos outros. Aqui, o ato de salvamento da geladeira é um pedido de socorro, é o fio de esperança de quem sofre com as enchentes, mas não sucumbe, não desiste, não se entrega. Aspectos estruturais interpretativos Cores Há um claro jogo de cor/não-cor em contraste com o verde onde estão título, texto e assinatura. O uso da imagem em preto e branco enfatiza o conteúdo dramático do tema sério, preocupante, trazendo à tona o embasamento conceitual do que se pretende mostrar. Entre o preto e o branco há tons de cinzas, ou seja, uma escala de tons que vai do branco total ao preto total. Mais uma vez, recorremos a Flusser [9] que define o mundo como um universo de cores, onde o preto e o branco não existem, mas se existissem o intermediário seria cinzento, desagradável: as fotografais em preto-e-branco são cinzentas: imagens de teorias a respeito do mundo. No contexto ficaria a pergunta: existe solução? Existe uma possibilidade, a de se parar com o desmatamento agora, explicitada no box inserido no quadrante inferior direito, que aparece em verde, porque esta é a cor que o repertório comum associa às arvores e florestas. Tipologia Há um padrão de uso da caixa alta, ou seja, letras maiúsculas especialmente no título. É uma forma direta de atrair o leitor e isto se faz necessário uma vez que a imagem escolhida é extremamente realista. No discurso publicitário, o tamanho da fonte (letra) muitas vezes é um recurso utilizado para chamar a atenção; normalmente, quanto maior a tipologia escolhida, maior será o impacto junto ao leitor. Segundo o mesmo raciocínio, títulos em maiúsculas têm maior chance de serem percebidos que títulos em minúsculas e isso é fundamental na medida em que todo o leitor está exposto a inúmeras mensagens publicitárias durante um dia e lembrando que o tempo médio para que um anúncio desperte interesse é inferior a cinco segundos. Quadrantes A análise neste e nos demais anúncios em termos de quadrantes, se faz traçando sempre as quatro linhas imaginárias, duas horizontais e duas verticais, de modo a estabelecer uma divisão da imagem em nove quadrantes. Neste exemplo, a fotografia toma o anúncio por inteiro, utilizando todo o espaço disponível, procurando ampliar a dramaticidade do conteúdo da cena registrada. O anúncio mostra a magnitude de uma enchente, uma vez que a água está presente em todos os quadrantes. O centro, em geral, não é o melhor lugar para se enquadrar o assunto, mas, como não há elementos que concorram com as pessoas, estas ganham destaque, pois são o que há de diferente no universo de água e paredes. Segundo Arnheim [10] geometricamente, o centro é definido apenas pela localização como o ponto equidistante de todos os pontos homólogos de uma figura regular. A imagem principal neste anúncio encontra-se geometricamente no centro do mesmo, apenas com paredes em sua volta, que limitam e impedem qualquer possibilidade de haver uma linha de horizonte, o que aumenta a tensão, traduzindo imageticamente, a falta de perspectiva e de uma saída. O cortejo se dirige a uma parede de tijolos, como se fosse bater e voltar, o que analogamente, insinua uma maneira de dizer: isto vai acontecer outras vezes. Há apenas um ponto de fuga, uma passagem estreita, mas que também não possui horizonte; ou seja, este ponto de fuga, no canto superior esquerdo da imagem, parece nos dizer que não há uma saída, apenas mais e mais áreas igualmente vítimas das enchentes. Aspectos estruturais conteudísticos Ethos O enunciador faz da enunciação um discurso direto apoiado no conhecimento prévio do leitor, sabedor de que a mudança no meio-ambiente tem como consequência imediata a extinção das espécies. Isto é fortalecido pela escolha do veículo de divulgação da mensagem, qual seja, a revista Top Magazine, cujo perfil de leitor é adulto, classe AB e nível superior, portanto, apto a trazer consigo uma carga de informações necessárias para associar causa e consequência, desmatamento e enchentes. Ideologia O cuidado com o meio-ambiente e a sua preservação tem sua marca ideológica neste anúncio a partir do que pode e já está ocorrendo: pessoas (que podem ou não ser familiares) atravessando uma enchente, buscando salvar seus pertences, o que não é algo natural. A imagem permite observar paredes inacabadas, o que constitui uma representação possível de um bairro, rua ou lugar mais humilde, talvez um bairro de periferia. Isto revela que problemas como este, via de regra, não ocorrem nos bairros e locais privilegiados, atingindo a parcela da população mais desfavorecida. A SPVS, anunciante que assina este anúncio, é uma ONG, com sede em Curitiba (PR), que, desde 1984 trabalha pela conservação da natureza brasileira por meio de proteção de áreas nativas, de ações de educação ambiental e de desenvolvimento de modelos de uso racional dos recursos naturais. Sendo assim, este anúncio pode ser inserido no contexto de ação de educação ambiental, pois trabalha na relação causa e efeito: a água invade o habitat humano porque florestas estão desaparecendo; ou seja, o homem está, com sua atitude predatória, sendo predador de si mesmo. 4. CONCLUSÃO: A IMPORTÂNCIA DA PROPAGANDA DE IDEIAS E IDEAIS Não é apenas de produtos e serviços de consumo que se pode fazer publicidade: também se faz propaganda de ideias com qualidade, talento e técnica. Nos anúncios analisados vê-se, claramente, o poder de sedução e de persuasão da propaganda a serviço de outro tipo de produto final que não aqueles que 43

68 podemos adquirir em supermercados ou lojas em centros de compras: ideias e ideais. A importância de estudos desta natureza pode ser medida pelo fato de que ética e responsabilidade social já não são facultativas, mas sim obrigações empresariais. Muito em breve, a gestão da responsabilidade social, numa visão estratégica das empresas, também será obrigatória, tendo em vista a crescente capacidade de o consumidor analisar as atitudes empresariais e decidir comprar de empresas que somam à sua atividade envolvimento e comprometimento incondicionais com a sociedade. Já se torna comum nos países mais desenvolvidos o boicote a produtos ou serviços oferecidos por empresas que, por exemplo, empreguem mão-de-obra infantil ou que utilizem animais no desenvolvimento de suas mercadorias. Portanto, o que aqui foi abordado não se trata de uma propaganda de caridade ou de benevolência de última hora; é, e será, questão de sobrevivência para as empresas e suas marcas o completo envolvimento com questões mais abrangentes que, de algum modo, influenciam os destinos da sociedade. Com isso, é hora de executivos das áreas de comunicação e marketing pensarem e realizarem o seu trabalho sob uma perspectiva mais responsável e sustentável. Este movimento denominado por Kotler como Marketing Responsável baseia-se nas transformações sociais e nas necessidades dos povos, para reafirmar que uma empresa isoladamente e sem controle de sua intervenção jamais poderá produzir valores, sejam eles econômicos, sejam sociais: [...] a orientação de marketing societal sustenta que a tarefa da organização é determinar as necessidades, os desejos e os interesses dos mercados-alvo e fornecer as satisfações desejadas mais eficaz e eficientemente do que a concorrência, de uma maneira que preserve ou melhore o bem-estar do consumidor e da sociedade. [11] O termo marketing societal designa a atividade mercadológica tal qual sempre a conhecemos (busca pelo lucro e rentabilidade), porém com o diferencial de que esta busca pelo lucro e rentabilidade deve estar condicionada à preservação das relações éticas e de cidadania entre empresa e consumidores. Dessa forma, munido de uma peça publicitária, qualquer consumidor terá respaldo legal para exigir seus direitos e os direitos do planeta em que habita. Se a gestão da responsabilidade social começa a ganhar importância para as organizações, até por uma questão de sobrevivência, estaria a propaganda, o texto publicitário contemplado como uma estratégia que levaria aos objetivos da empresa que pretende ser cidadã ou, ao contrário, seria a propaganda apenas uma ferramenta necessária de exposição da marca e dos conceitos? Conforme Marques [12], [...] a conduta ética nos negócios e o respeito aos valores sociais poderiam ser oferecidos pelas empresas aos consumidores com o mesmo entusiasmo, positivismo, poesia e valor oferecidos aos atributos e aos benefícios dos produtos. No momento em que as empresas rediscutem o seu papel social, o discurso publicitário merece análise e aprofundamento teórico em sua vertente responsável. Foi este o desafio que se buscou enfrentar na elaboração deste trabalho. É inegável a evolução dos direitos do consumidor em nosso país. Além do Conar, dos postos de atendimento do Procon, o Código de Defesa do Consumidor foi uma ferramenta importante para que, a partir de uma postura mais exigente por parte do consumidor, as empresas passassem a respeitá-lo em seus direitos por ele garantidos em lei. Essa nova postura e a necessidade de respeitar leis de mercado chegaram, naturalmente, ao discurso publicitário, de maneira a exigir do mesmo uma série de cuidados ao divulgar qualidades, resultados e promessas dos anunciantes. Mas estes cuidados por vezes podem se tornar impedimentos ou amarras à liberdade criativa da atividade publicitária. Vemos hoje em dia muitas exigências e cada vez menos liberdade nas propagandas, o que nos parece por vezes rígido demais, mas que também nos parece necessário durante certo tempo de aprendizado. Afinal, há poucas décadas saímos de um estágio em que tudo podia e até atingir o equilíbrio, teremos que ser bem mais prudentes e a propaganda mais fiscalizada como um todo. Observa-se, ainda, que o que é válido para a propaganda tradicional de produtos e serviços, vale também para a propaganda de ideias e ideais. Ambas estão a serviço de um anunciante e, portanto, têm objetivos a cumprir e seguem a ideologia destes; como se sabe, não há texto neutro e assim, logicamente, o componente ideológico sempre se faz presente no discurso publicitário. Além disso, usam as mesmas técnicas de sedução e persuasão no sentido de, com o uso de recursos das linguagens verbal e não-verbal, chamam a atenção, geram reflexão, propiciam e ensejam atitudes favoráveis ao que propõem. Se a propaganda de determinada marca de automóvel quer chamar a atenção do leitor, fazê-lo pensar, seduzi-lo e levá-lo a experimentar e claro, adquirir aquele produto também a propaganda que aborda questões ambientais ou de violência doméstica deseja atrair o leitor para um problema real, fazê-lo pensar, seduzi-lo e levá-lo a ajudar, seja por meio de doações, seja por meio de denúncias ou mesmo por meio de uma mudança de comportamento. Em qualquer um dos casos, produtos ou ideais, a propaganda e seu discurso precisam de plateia, no sentido de que o que se quer dizer precisa repercutir o máximo possível; a plateia é fundamental na vida e obra de qualquer discurso e no discurso publicitário, ainda mais, pois é a ação dessa plateia que garantirá o sucesso, ou não, daquilo que o anunciante se propôs a divulgar (seja pela aquisição, por experimentação ou pela ação de se fazer alguma coisa). De modo geral, destaca-se na análise o compromisso do discurso publicitário com a ética e com a verdade nua e crua ; e neste ponto é possível estabelecer uma diferença entre as propagandas de produtos e ideais. Enquanto a primeira permite o trabalho com imagens do mundo ideal, como um café da manhã em que toda a família acorda cedo e de bom humor, sabendo que terão um dia inteiro de trabalho e estudos, a segunda praticamente exige, por sua natureza, que o mundo 44

69 retratado seja o real. Enquanto a primeira oferece produtos e serviços que podem tornar o dia das pessoas melhor, mais gostoso, mais feliz, a segunda mostra que as coisas já não vão bem, que o dia real está ruim, que o planeta precisa de ajuda, que as florestas estão desaparecendo, que as enchentes estão se repetindo e que as crianças estão sendo vítimas de diferentes formas de exploração. Entretanto, em ambos os casos, em ambas as situações, o discurso se vale das mesmas técnicas, das mesmas associações de imagens, palavras e recursos paralinguísticos. Se o desejo do discurso publicitário é fazer com que as pessoas se sintam felizes, os caminhos podem ser diferentes (mundo ideal x mundo real), mas o destino tem que ser o mesmo (comprei x ajudei). Com base neste artigo procurou-se responder à questão: seria a propaganda culpada ou inocente pelo estado atual das relações interpessoais e pela perda de valores e princípios de vida a dois, vida familiar e mesmo, convívio em sociedade? Na verdade, a propaganda jamais reivindicou para si estas responsabilidades. Pelo contrário, o discurso publicitário sempre se assumiu a serviço de um anunciante para assim vender seus produtos e serviços. Mas, mesmo assim, a propaganda pode e dever ir além. Neste sentido, assuntos como o meio-ambiente, a violência doméstica, a alimentação saudável, os exames de saúde, a prevenção contra doenças, a denúncia contra abusos às crianças e adolescentes, os cuidados na condução de veículos são alguns exemplos dos benefícios que a propaganda de ideias e ideais pode proporcionar. Cabe às nossas instituições de ensino, bem como demais redutos de aprendizado, como o círculo familiar e o religioso, a preparação, a desmistificação e a interpretação das promessas do discurso publicitário. Quanto mais esclarecido for o consumidor, maior será a sua capacidade de optar por uma compra, escolher determinada marca e agir em benefício de uma causa social por escolha, vontade e consciência própria; do contrário, sem esse conhecimento, muitas de suas atitudes são determinadas por impulso e, claro, disso se aproveita e muito, o discurso publicitário. ideais que acreditamos, majoritariamente, seja dirigido por mãos puras, idôneas e que efetivamente, anseiam por um mundo melhor. É certo que a propaganda de produtos precisa lidar com o imaginário, com o ideal, com o aspiracional; de outro modo, a propaganda de ideias e ideais lida com o mundo real e busca modificá-lo com as armas de que dispõe: informação, persuasão e sedução. É deste tipo de discurso publicitário de que trata este artigo que, espera-se, abra perspectivas para estudos futuros. Referências [1] N. de Carvalho. Publicidade. A linguagem da sedução. São Paulo: Ática, [2] O. Toscani. A publicidade é um cadáver que nos sorri. Rio de Janeiro: Ediouro, [3] N. de Carvalho. Publicidade. A linguagem da sedução. São Paulo: Ática, [4] R. Sampaio. Propaganda de A a Z. Rio de Janeiro: Editora Campus, [5] P. Marcondes. Uma história da propaganda brasileira. Rio de Janeiro: Ediouro, [6] J. A. Carrascoza. Redação Publicitária: estudos sobre a retórica do consumo. São Paulo: Futura, [7] V. Flussen. Filosofia da caixa Preta: ensaio. Rio de Janeiro: Relume Dumará, [8] A. Manguel. Lendo Imagens. São Paulo: Companhia das Letras [9] V. Flussen. Filosofia da caixa Preta: ensaio. Rio de Janeiro: Relume Dumará, [10] R. Arnheim. O poder do centro. Lisboa: Edições70, [11] P. Kotler. Administração de marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Pearson/Prentice Hall, [2] A. C. Marques. Propaganda Responsável. São Paulo: Senac, Entretanto não cabe ao discurso publicitário revelar sua técnica e assim criar barreiras gratuitas aos propósitos para o qual é remunerado. A propaganda, assim como o jornalismo, não é culpada ou inocente por utilizar suas técnicas de sedução; apenas seus discursos procuram se adaptar aos seus interlocutores, ou seja, apenas busca fazer chegar a quem de direito (consumidor e leitor respectivamente) uma determinada mensagem na sintonia certa. Assim, parece-nos claro a esta altura que a propaganda é um tipo de discurso que não pode ser visto sob um ponto de vista maniqueísta. A propaganda não é boa ou ruim; não é positiva ou negativa; não é culpada ou inocente. A propaganda é apenas uma técnica que pode ser usada para fins nobres ou não. Podemos crucificar a invenção do avião, pelo fato de ele ser utilizado em guerras? Podemos criticar a invenção da pólvora por ser ela o estopim da bala que mata? O que faz definitivamente a diferença é a mão que a manipula e neste sentido, temos um discurso na propaganda de ideias e 45

70 Os programetes televisivos como instrumento do processo de ensino-aprendizagem em Língua Inglesa. Regiane PAULA Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Alexandre GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO O ensino de línguas estrangeiras passou por inúmeras mudanças no Brasil, muitas delas impregnadas por questões políticas e sociais. Tal instabilidade foi imprimindo na Educação Básica brasileira uma inabilidade em se ensinar efetivamente tais línguas. O ensino de Língua Inglesa que perpetua desde a primeira reforma educacional no país, ainda enfrenta questões importantes no que tange a qualidade e solidificação do processo de ensino e aprendizagem. Diante da variedade de metodologias e abordagens que, ao longo das décadas, foram teorizadas e aplicadas, tomaremos a abordagem comunicativa como base teórica para uma ação educacional, cujo objetivo é proporcionar aos alunos uma experiência com o uso comunicacional da língua inglesa utilizando um recurso midiático de grande influência em suas vidas a televisão. Pretende-se com a criação de programetes, um recurso televisivo, conduzir os discentes ao sentido verdadeiro de se aprender uma língua estrangeira, ou seja, conquistar a capacidade de utilizá-la para a comunicação dentro de uma situação real. Palavras-chave: ensino e aprendizagem, comunicabilidade, recurso televisivo. 1. INTRODUÇÃO: A LÍNGUA INGLESA NO BRASIL O ensino da língua inglesa no Brasil foi introduzido na época do Império devido ao relacionamento comercial que a Inglaterra havia estabelecido com o país após as guerras napoleônicas, as quais tornaram premente a necessidade de explorar novos mercados. Em 1806, após o domínio continental estar aparentemente assegurado, a Inglaterra resistiu a Napoleão, favorecida pela sua posição insular e sua supremacia naval, sobretudo depois da batalha de Trafalgar, 1805, em que a França foi privada de sua marinha de guerra. Para a Corte de Lisboa colocou-se a seguinte situação: permanecer em Portugal e sucumbir ao domínio napoleônico ou retirar-se para o Brasil. Esta última foi a solução apoiada pela Inglaterra. Desse modo, para evitar um conflito, D. João VI, Príncipe Regente de Portugal, decidiu fugir com sua família para o Brasil em Com a mudança da corte portuguesa para terras brasileiras, a Inglaterra teve a permissão para aqui se estabelecer. Com isso, o ensino formal da língua inglesa teve início com o decreto de 22 de junho de 1809 assinado pelo Príncipe Regente de Portugal e com a nomeação do Padre irlandês Jean Joyce como professor de inglês. O Príncipe Regente mandou criar uma escola de francês e uma de inglês, pois, até o momento, as línguas estrangeiras ensinadas nas escolas eram o latim e o grego. O ensino de inglês visava capacitar os profissionais brasileiros para a demanda de trabalho que surgia devido ao amplo domínio do inglês e ao surgimento de vagas para engenheiros e técnicos em geral, ocasionando a urgência em se aprender a língua inglesa para se entender as instruções e receber os treinamentos. A fundação do Colégio D. Pedro II, em 1837, teve um papel muito importante no processo de solidificação do ensino de línguas estrangeiras no Brasil, pois, desde sua fundação, havia o ensino de inglês, francês, latim e grego. Esse colégio imperial era destinado à formação secundária e seus currículos apresentavam-se com uma feição dominantemente literária. Àquela época, a importância da língua francesa era maior que a da inglesa, pois até aquele momento histórico, ela era considerada a língua universal e obrigatória para ingresso nas universidades da Europa. A importância da língua francesa na formação básica do aluno se dava em dois eixos: proficiência linguística e manuais de disciplinas escritos nessa língua. O Brasil passou por várias reformas educacionais a partir de então, e isso trouxe ao ensino de línguas estrangeiras para escola brasileira, uma diversidade de línguas e uma instabilidade de grade curricular, que nos faz pensar quão benéfico e eficaz poderia ter sido uma escola com ênfase no ensino de várias línguas clássicas e modernas. Porém, diante de tantas reformas e tantas mudanças, perdeu-se o alinhamento do ensino e gerou-se um processo de ensino-aprendizagem sem solidez e raízes que poderiam ter seus resultados positivos fincados na nossa sociedade até nos dias de hoje. Em 1961, a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) muda os currículos da Educação Básica. Surge o 1º. e 2º. graus e se estabelece que 46

71 uma língua estrangeira é obrigatória. Dez anos após a primeira LDB, em 1971, o 1º.grau passa a ter 11 anos e não mais 12. Dessa forma, o 1º.grau possuía 8 anos e o 2º.grau somente 3 anos. Consequentemente, houve redução de carga horária em certos componentes curriculares incluindo línguas estrangeiras. Em 23 de dezembro de 1996, durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, a atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei no.9.394, LDB, passa a vigorar. Essa nova LDB substitui os 1º. e 2º. graus por Ensino Fundamental e Médio, respectivamente, determinando que no Ensino Fundamental há a obrigatoriedade de se ensinar uma língua estrangeira e no Ensino Médio, obrigatoriedade de uma e a uma outra em caráter opcional. No 5º do artigo 26, fica clara a determinação legal da inclusão de LE (língua estrangeira) no Ensino Fundamental: Na parte diversificada do currículo será incluído, obrigatoriamente, a partir da quinta série, o ensino de pelo menos uma língua estrangeira moderna, cuja escolha ficará a cargo da comunidade escolar, dentro das possibilidades da instituição. [1] Em relação ao Ensino Médio, a lei dispõe que: Será incluída uma língua estrangeira moderna, como disciplina obrigatória, escolhida pela comunidade escolar, e uma segunda, em caráter optativo, dentro das disponibilidades da instituição (Art. 36, Inciso III). [2] Na década de 1990, no Brasil, discutia-se muito sobre a necessidade de parâmetros para uma educação sólida no país. Os anseios sobre o mundo globalizado almejando produtividade para se tornar competitivo no mercado mundial levou o Brasil a pensar em definir propostas curriculares em um contexto nacional, buscando qualidade e igualdade educacional. De uma forma geral, a educação parecia estar, naquele momento histórico, ligada à preparação do indivíduo para o exercício da cidadania e preparação para sua vida profissional. Lê-se no Artigo 2º, que trata dos Princípios e Fins da Educação Nacional, o seguinte texto: Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. [3] Contudo, a LDB não era suficiente para atender as necessidades impostas pela sociedade moderna. Como complemento à LDB, a partir de 700 propostas com a intenção de organizar o currículo nas escolas de Ensino Fundamental, o MEC apresentou uma preliminar dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e em 1999, o documento oficial foi elaborado em 10 volumes, cada compêndio abordando conteúdos das áreas de conhecimento do Ensino Fundamental I e assim se consolida a intenção do MEC em tornar a educação eficaz. A Os Parâmetros Curriculares Nacionais foram elaborados procurando, de um lado, respeitar diversidades regionais, culturais, políticas existentes no país e, de outro, considerar a necessidade de construir referências nacionais comuns ao processo educativo em todas as regiões brasileiras. Com isso, pretende-se criar condições, nas escolas, que permitam aos nossos jovens ter acesso ao conjunto de conhecimentos socialmente elaborados e reconhecidos como necessários ao exercício da cidadania. [4] Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional explicita que o Ensino Médio é a etapa final da educação básica (Art.36), [5] o que favorece a construção de sua identidade. O Ensino Médio sendo parte integrante da Educação Básica do indivíduo, passa a ter a característica da terminalidade, assegurando ao cidadão a chance de consolidar e aprofundar os conhecimentos adquiridos no Ensino Fundamental. Lê-se no PCNEM a seguinte colocação: [...] aprimorar o educando como pessoa humana; possibilitar o prosseguimento de estudos; garantir a preparação básica para o trabalho e a cidadania; dotar o educando dos instrumentos que o permitam continuar aprendendo, tendo em vista o desenvolvimento da compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos (Art.35, incisos I a IV). [6] Podemos entender que os PCNs propõem uma construção do conhecimento levando em consideração a realidade externa à escola e observando as capacidades individuais e necessidades sociais do corpo docente e, também, do corpo discente. Infelizmente, muito enxergamos de utopia nesse conceito que o documento nos traz. Sabemos que a construção de conhecimento real é valiosa para o educando, vai além da presença de um professor à frente da sala de aula. As competências básicas serão desenvolvidas a partir de um professor qualificado e de um aluno inserido numa atmosfera que lhe favoreça o aprendizado. A citação abaixo nos faz refletir sobre a situação atual da educação que vivemos atualmente no país. Cabe ao Estado e aos profissionais da Educação, conscientes de que somos peças fundamentais para a concretização dessa situação, buscar essa construção de conhecimento. O Ensino Médio, portanto, é a etapa final de uma educação de caráter geral, afinada com a contemporaneidade, com a construção de competências básicas, que situem o educando como sujeito produtor de conhecimento e participante do mundo do trabalho, e com o desenvolvimento da pessoa, como sujeito em situação cidadão. [7] O ensino de línguas estrangeiras modernas, de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais, está inserido na grande área Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, assumindo, assim, sua função intrínseca de ser um veículo fundamental na comunicação entre os homens. De acordo com a declaração abaixo encontrada na página 26 do PCNEM, (2000), isso se confirma: 47

72 Pelo seu caráter de sistema simbólico, como qualquer linguagem, elas funcionam como meios para se ter acesso ao conhecimento e, portanto, às diferentes formas de pensar, de criar, de sentir, de agir e de conceber a realidade, o que proporciona ao indivíduo uma formação mais abrangente e, ao mesmo tempo, mais sólida. [8] O documento em questão deixa claramente explícita a ideia de que o ensino da língua inglesa não pode estar simplesmente firmado em aspectos metalinguísticos e no domínio de regras gramaticais. Consequentemente, sugere uma abordagem que leve o aluno a comunicar-se de maneira adequada em situações diversas em seu cotidiano. Embora a legislação da primeira metade do século já mostrasse o caráter pratico do ensino da Língua Inglesa, isso nunca ocorreu efetivamente. O reduzido número de aulas no currículo escolar e a escassez de profissionais capacitados para o ensino da mesma levaram ao comprometimento da eficácia do ensino. Infelizmente, essa característica de ineficiência nos acompanha até hoje na maioria das escolas brasileiras. Os objetivos práticos ler, escrever, falar e ouvir, a que a legislação faz menção, nem sempre são realidades possíveis para o trabalho prático em sala de aula. Com isso, ao longo do tempo, o papel formador do professor de LE tem sido retirado da escola regular e transferido para as escolas de ensino livre de idiomas. Devemos pensar nos motivos relevantes que existem para que exista o ensino de LE nas escolas de Educação Básica. Não podemos restringir a aprendizagem a habilidades linguísticas e, sim, utilizá-las a favor das competências a serem dominadas. Encontramos nos PCNEM (2000) [9] um esboço das competências que contribuem efetivamente para a aquisição da LE. As competências são: a) Saber diferenciar as variantes linguísticas; b) Escolher o registro adequada à situação; c) Escolher vocabulário adequado à ideia; d) Compreender enunciados; e) Utilizar mecanismos de coerência e coesão na comunicação oral ou escrita; f) Utilizar estratégias para compensar uma possível falha na comunicação. Através desse esboço, compreendemos que a sugestão do Ministério da Educação sobre o ensino de língua estrangeira está calcada em abordagens sócio interacionais com ênfase na habilidade de leitura. Os PCNs não definem uma metodologia exata a ser adotada, contudo a ênfase na competência comunicativa é clara. 2. A REALIDADE BRASILEIRA Em grande parte das escolas brasileiras, o ensino fica restrito a explicações de regras gramaticais, exercícios de repetição e memorização. Infelizmente, isso contrapõe com o que encontramos nos Parâmetros Curriculares do país. O professor de língua estrangeira no ensino médio deve lançar mão de conhecimentos linguísticos e metalinguísticos dos alunos, estabelecer pontos de convergência e de contraste, assim como colocar o aluno frente a situações reais de uso do idioma, que ultrapassem o teórico e o metalinguístico. Ainda que em situação de simulação, a mobilização de competências e habilidades para as atividades de uso do idioma ler manuais de instrução, resolver questões de vestibular, solicitar e fornecer informações, entender uma letra de música, interpretar um anuncio de emprego, traduzir um texto, escrever um bilhete, redigir um , entre outras deve ocorrer por meio de procedimentos intencionais de sala de aula. [10] A noção de competências veiculada pela legislação educacional, no Brasil, propõe que o currículo seja flexível, pois a sociedade encontra-se num contexto em que as informações e a produção tecnológica são processadas de maneira muito rápida, demandando o perfil de um novo cidadão, polivalente, adaptativo e competitivo. Dessa forma, fica evidente a concepção de que educar é promover o ajustamento do aprendiz a uma determinada realidade. Uma escola democrática teria de preocupar-se com a avaliação rigorosa da própria avaliação que faz de suas diferentes atividades. A aprendizagem escolar tem que ver com as dificuldades que eles enfrentam em casa, com as possibilidades de que dispõem para comer, para vestir, para dormir, para brincar, com as facilidades ou com os obstáculos à experiência intelectual. Tem que ver com sua saúde, com seu equilíbrio emocional. A aprendizagem dos educandos tem que ver com a docência dos professores e professoras, com sua seriedade, com sua competência científica, com sua amorosidade, com seu humor, com sua clareza política, com sua coerência, assim como todas as estas qualidades têm que ver com a maneira mais ou menos justa ou decente com que são respeitados. [11] Ao analisar algumas de nossas escolas, tanto particulares quanto públicas, percebemos que muitas delas estão longe de alcançarem tais objetivos. Criticamente, podemos defender a ideia de que seria ideal termos aulas de língua estrangeira como os documentos legais, aqui analisados, idealizaram. Diante da citação: Daí ser de fundamental importância conceber-se o ensino de um idioma estrangeiro objetivando a comunicação real (PCNEM, 2000, p. 31), chegamos à conclusão de que muito falta para essa realidade ser encontrada em nossas escolas. A comunicação real baseia-se na oportunidade de usar a língua efetivamente nas diversas situações da vida cotidiano. Como será isso possível ao adentrar uma sala de aula com aproximadamente 40 alunos? Como será isso possível tendo 40 alunos com conhecimentos linguísticos variados na mesma sala? O educador, por muitas vezes, tem o desejo e busca realizar o melhor para concretizar seu objetivo maior ensinar uma língua estrangeira para a vida adulta do educando e não uma língua para ficar registrada somente nos livros, porém diante de 48

73 recursos escassos e por muitas vezes, deparando-se com alguns alunos desmotivados, ele pouco avança na árdua tarefa de ensinar, contudo não pode esmorecer. Afinal, um educador desanimado, em nada contribuirá, e muito pouco mesmo, alcançará de seus objetivos com seus alunos. 3. UMA FORMA DE AÇÃO O antropólogo Hymes foi o primeiro a incorporar o conceito de competências, demonstrando a preocupação com o uso da língua. Para ele o aprendiz não basta saber sintaxe e léxico, ele deve saber a língua em termos comunicativos. Demonstra possuir competência, o falante que aplica os elementos linguísticos em função do momento da comunicação. As competências envolvem aspectos estruturais e sociais, afinal uma língua é um sistema que vai além do código escrito e da habilidade de decodificar suas palavras. As competências que existem são: gramatical, sociolinguística, discursiva e estratégica. Almeida Filho dedicou-se a questão de explicar o que a abordagem comunicativa gera no processo de ensino/aprendizagem de uma língua estrangeira. Ele acredita que as competências comunicativas dependem do desempenho do falante, que por sua vez, depende do grau de acesso a conhecimentos disponíveis. Almeida Filho [12] coloca que Adquirir uma nova língua não é um processo simples e fácil. Mas há outro grande alvo que não o gramatical na disciplina Língua Estrangeira prevista nos currículos da escola, faculdades tecnológicas e universidades uma capacidade de uso comunicacional do novo idioma pretendido. Diante de tal colocação, acreditamos ser esse o caminho efetivo para a aquisição da nova língua. Enquanto as competências permanecem em um nível abstrato do processo, a aferição das mesmas somente é obtida no nível do desempenho. Concluindo, não há desempenho efetivo sem as competências requeridas e vice-versa. Na abordagem comunicativa, as quatro habilidades são vistas de maneira integrada e fazem parte das competências gramatical, sociolinguística, discursiva e estratégica. Algumas características dessa abordagem mostram-nos quão preocupada e direcionada ela está para uma aquisição de língua social. A seguir as características mais importantes, pois são elas fundamentos de tal abordagem [13]: 1. As atividades e tarefas são os principais meios no processo de aprendizagem. 2. Os textos utilizados são autênticos. 3. O professor é um facilitador e não o detentor da língua. 4. A proficiência se desenvolve gradativamente. 5. Não há uma única metodologia. Vários recursos são adotados para enriquecer o processo de ensino/aprendizagem. 6. A explicação gramatical surge conforme a necessidade do momento de comunicação. 7. A sala de aula é uma ilha cultural proporcionando ao aluno a imersão da língua em possíveis contextos culturais. Percebemos que tal abordagem é complexa e que trouxe relevantes pressupostos para mudar maneiras de ensinar e de aprender. Muitos acreditam que essa forma de ensinar aboliu o ensino de gramática, o que não é verdade. Simplesmente, ela privilegia o uso e não a forma, porque o aprender não é um exercício consciente de formas codificadas em uma sequência lógica por todo o tempo. Diante do novo e da situação inusitada, muitos aprendizes não conseguem atingir o nível de comunicação adequado para solucionar a situação problema por estarem tão atados a regras e fórmulas gramaticas. 4. PROPOSTA DE ENSINO. Diante dessa problemática, e tendo em vista o papel social, cultural e comunicativo que a televisão exerce sobre os alunos do Ensino Médio, optou-se por trabalhar os seguintes conteúdos em forma de programe-te televisivo; Conteúdos: Tempos verbais variados (simple present, simple past, present perfect, past perfect, continuous tenses) Infinitivo e Gerúndio Verbos modais (can, could, should, must, may, might, have to) Para o desenvolvimento do projeto, foram ofertadas e discutidas com os alunos as seguintes informações sobre a confecção de um programete televisivo: PROGRAMA TIPO DE PROGRAMA NOME DA MATÉRIA EXIBIÇÃO TEXTO REPORTAGEM EDIÇÃO IMAGENS PRODUÇÃO NOME E CRÉDITO DOS CONVIDADOS COLOQUE NOME DO PROGRAMA PROGRAMETE DEFINA UM NOME PARA O PROGRAMETE CRIE UM NOME QUE FACILITE A IDENTIFICAÇÃO. SEJA CRIATIVO! EX: FALTA EDUCAÇÃO NO BRASIL, PARADO NO TRÂNSITO, ETC. CANAL, TV ABERTA OU FECHADA, PROGRAMA, HORÁRIO, NÚMERO DE INSERÇÕES/ REDE SOCIAL/ ETC. CRÉDITOS - EQUIPE O TEXTO NA TOTALIDADE. QUEM FEZ O QUÊ? (ESSES MESMOS DEVEM APARECER NOS CRÉDITOS DO PROGRAMETE) SE HOUVER CRÉDITOS ENTREVISTADOS - SE HOUVER ESSES MESMOS DEVEM APARECER NOS CRÉDITOS DO PROGRAMETE (NOME, FUNÇÃO/PROFISSÃO, FACULDADE, EMPRESAS, ETC.) MATERIAL EXTRA A SER PRODUZIDO OU PROVIDENCIADO INDICAÇÃO DE MATERIAL EXTRA QUE DEVERÁ SER PRODUZIDO E/OU PROVIDENCIADO PARA A FILMAGEM (figurino, mapas, cenários, etc.). FOCO NARRATIVO E ABORDAGEM SITUAÇÃO DRAMÁTICA A SER DESENVOLVIDA. (resumo da trama) ABORDAGEM: comédia, suspense, melodrama, tragédia, etc. 49

74 PLOT CONFLITO CENTRAL DA TRAMA ESCALETA IMAGEM CENA 1 ****Descrição das imagens/ NO LADO ESQUERDO SÃO ANOTADAS AS INFORMAÇÕES SOBRE AS IMAGENS E TÉCNICAS QUE SERÃO USADAS (EX: CLOSES, FLASHBACKS, DESLOCAMENTO DE TEMPO, CENA 2 - Imagens de crianças brincando e sorrindo. A cena não pode revelar ainda o local onde as imagens foram gravadas. As crianças não podem estar vestidas como pacientes. Privilegiar closes e detalhes. CENA 3 CENA 4 CENA 5 CENA 6 Tempo (em segs) : 2,5 segundos por linha. (MÉDIA) tempo 0 LOCUÇÃO ****Texto para apresentação**** O texto deve contemplar as exigências de estruturas gramaticais solicitadas na apresentação do projeto. NO LADO DIREITO - O TEXTO PARA NARRAÇÃO. NA COLUNA DO CENTRO - UMA PREVISÃO EM SEGUNDOS DO TEMPO QUE CADA CENA IRÁ TOMAR. Obs.: CADA LINHA DE TEXTO NA PARTE DIREIRA EQUIVALE A + / 2,5 SEGUNDOS. VEJA os exemplos abaixo: 10 Toda criança merece ser feliz... Porque poucas coisas na vida são tão maravilhosas quanto o sorriso de uma criança. O futuro de cada uma vale a pena ser preservado. [6] BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, [7] BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, [8] BRASIL. Secretaria de Educação. Parâmetros curriculares nacionais: bases legais. Ensino Médio. Brasília. 2000a. [9] BRASIL. Secretaria de Educação. Parâmetros curriculares nacionais: bases legais. Ensino Médio. Brasília. 2000a. [10] BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, [11] FREIRE, Paulo. Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. 2. ed. São Paulo: UNESP, [12] ALMEIDA FILHO, J.C.P. Fundamentos de abordagem e formação no ensino de PLE e outras línguas. Campinas: Pontes, [13] PEDREIRO, Silvana. Ensino de línguas estrangeiras: métodos e seus princípios. Especialize: IPOG, jan Disponível em: <http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:vz5h Yx35uA8J:www.ipog.edu.br/aluno/revistaipog/download/ensino-de-linguas-estrangeiras-metodos-e-seusprincipios+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br.Acesso em: 19 maio Como resultado, dentre vários apresentados, obteve-se: 5. CONCLUSÃO A influência midiática, em especial a televisiva, no cotidiano dos alunos de Educação Básica proporciona, ao processo de ensino e aprendizagem, a vantagem de ser um recurso apropriado a ser explorado pelo docente no ensino de Língua Inglesa. A aplicação dos programetes enriqueceu a aquisição do idioma e tornou possível a comunicabilidade do uso da língua estrangeira em contextos reais. Referências [1] BRANDÃO, Carlos da Fonseca. LDB: passo a passo Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Avercamp, [2] BRANDÃO, Carlos da Fonseca. LDB: passo a passo Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Avercamp, [3] BRANDÃO, Carlos da Fonseca. LDB: passo a passo Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Avercamp, [4] BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF, [5] BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF,

75 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência e formação docente: comunicação e linguagens Emanuela SANTO Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143, 2 o. andar, São Paulo, São Paulo, Brasil Valéria MARTINS Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie Rua Piauí, 143, 2 o. andar, São Paulo, São Paulo, Brasil RESUMO O presente trabalho tem por meta analisar, de acordo com as experiências obtidas por um grupo de licenciandos em Letras no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), como a relação professor-aluno influencia o processo de ensino-aprendizagem dos estudantes de todos os níveis da educação e de que maneira essa relação pode ser utilizada pelos docentes a favor da ampliação do conhecimento de seus alunos. O objetivo primordial deste trabalho é verificar por meio das reais vivências no ambiente de uma escola da educação básica da capital paulista como a relação estabelecida entre os professores integrantes do PIBID e os discentes de uma sala de 7º ano do Ensino Fundamental II difere completamente do relacionamento existente entre os estudantes e seus professores da instituição. Esta pesquisa tem como pressupostos teóricos os estudos de Paulo Freire, uma vez que o autor analisa em seus livros o papel do professor e as várias maneiras com que pode e deve se portar para que, ouvindo seus alunos, saiba moldar suas aulas de modo criativo e interessante, e manter a consciência de que deve estar em constantes mudanças e atualizações para melhor atender às necessidades dos estudantes. Da mesma forma, são essenciais para a pesquisa os estudos de Rubem Alves, professor e pensador que questiona os formatos da atual educação brasileira e a postura rígida e autoritária adotada por grande parte do corpo docente de todas as instituições escolares. Com base nas obras dos dois autores, serão analisadas e comparadas as atitudes e posturas adotadas pelos estudantes universitários no PIBID e pelos professores da escola regular, apresentando os resultados divergentes obtidos por cada um. Palavras-Chave: Formação docente; Letras; Estágio Curricular Supervisionado; Rede social. INTRODUÇÃO No primeiro semestre do ano de 2014, vinte graduandos do curso de Letras de uma tradicional instituição de ensino da capital de São Paulo, no Brasil, participaram do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), patrocinado pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), uma fundação do Ministério da Educação (MEC) que desempenha importante papel nos processos de pós-graduação em todos os estados da Federação Brasileira e que atua, ainda, na formação de professores da Educação Básica, introduzindo-os no universo escolar, qualificando-os para o mercado de trabalho. O PIBID concede bolsas a alunos das graduações que cursam a Licenciatura. Os projetos são desenvolvidos por Instituições de Ensino Superior em parceria com escolas públicas brasileiras de Educação Básica. Os graduandos, por sua vez, são orientados e supervisionados por um professor da Instituição de Ensino Superior para que se desenvolvam atividades didáticometodológicas na escola escolhida. Entre os principais objetivos do programa estão a inserção dos licenciandos no ambiente real de sala de aula, bem como na preparação e estruturação dos planos didáticos-metodológicos para cada uma delas, o incentivo à formação docente, a valorização do magistério, a elevação da qualidade de formação dos professores, além da contribuição da articulação entre teoria e prática necessárias à formação dos docentes. 1. O INÍCIO DO PROJETO Inicialmente, no mês de fevereiro de 2014, por meio de entrevistas realizados no âmbito universitário, vinte alunos de graduação em Letras foram selecionados para participar do programa que oferece uma bolsa mensal de R$ 400,00. Posteriormente, ocorreram diversas reuniões semanais de preparação e orientação, também na universidade, para que os licenciandos preparassem-se para a aplicação de propostas didático-metodológicas na escola também selecionada para o projeto. Ao longo dessa fase inicial, foi feita uma divisão em três grupos, sendo cada um deles trabalhou com uma turma diferente e um assunto específico. A série escolhida foi o 7 o. ano. As propostas, por sua vez, foram três: a avaliação do SARESP, avaliação oficial aplicada aos alunos da Educação Básica paulista; questões gramaticais e ortográficas; leitura, produção e interpretação textual. Este artigo tratará especificamente da proposta que se pautou no trabalho com leitura, produção e interpretação de textos com, aproximadamente, trinta e cinco alunos. Destaca-se, ainda, que este relato de experiência, ademais, almeja realizar uma reflexão acerca da importância da relação próxima e amigável entre professores e alunos. 2. DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES Durante as reuniões semanais, os licenciandos apresentavam, ao professor orientador na universidade, o plano de aula que seria aplicado na escola de Educação Básica e elaboravam também as atividades que seriam utilizadas durante a aula em questão. A 51

76 seguir, estão descritas as seis primeiras aulas do projeto. 2.1 Primeira aula A primeira aula preparada e aplicada na escola foi planejada em torno do tema Copa do Mundo, que estava em evidência no início do ano. O intuito da aula era introduzir aos alunos o tema por meio dos gêneros textuais notícia e charge. Depois da apresentação do PIBID e dos professores licenciandos aos alunos do 7 o. ano da Educação Básica, o desenvolvimento da atividade didático-metodológica, preparada nos bancos universitários, foi iniciado. Objetivou-se levar os alunos a: desenvolverem acrósticos para que ocorresse maior integração entre docentes e discentes; compartilharem conhecimentos e curiosidades acerca do tema Copa do Mundo; realizarem uma produção textual a partir de uma proposta que se relacionasse à realidade dos alunos e que utilizasse a imaginação e a criatividade dos mesmos. Dessa forma, inicialmente, os estudantes do 7 o. ano foram estimulados a produzirem acrósticos com os nomes dos colegas para que os licenciandos de Letras pudessem conhecer os alunos da turma de forma mais divertida. A seguir, foi solicitado que os discentes falassem livremente sobre a Copa do Mundo Nesse momento, foi possível checar a habilidade verbal oral dos alunos. Por fim, eles produziram uma história em quadrinhos sobre a Copa do Mundo. Nesta primeira aula, os alunos foram muito receptivos com os professores e sentiram-se aliviados aos descobrirem que, por uma das seis aulas de Língua Portuguesa da semana, não teriam aulas com a professora responsável pela disciplina. Infelizmente, os estudantes afirmavam serem constantemente destratados e humilhados pela docente. Com o passar de algumas aulas, inclusive, ficou evidente que a participação e a interação dos alunos com os licenciandos dependiam diretamente da presença da professora de Língua Portuguesa que ministrava aulas para a turma em que o projeto era aplicado. Assim, quando ela estava presente, os estudantes restringiam-se a ouvir e tentar realizar as atividades, ao passo que, nos momentos em que ela se ausentava das aulas - para preencher diários, por exemplo - os alunos mostravam seu real interesse no assunto e sentiam-se livres para discutir os assuntos e fazer perguntas. É importante frisar que da mesma forma que a CAPES espera que os alunos sejam orientados pelo professor universitário responsável pelo projeto, na elaboração das aulas que aplicarão na escola de Educação Básica, também se espera que o professor que ministra as aulas para as turmas na escola escolhida para o projeto participe e oriente a aplicação das atividades. 2.2 Segunda aula A segunda aula foi desenvolvida a partir da correção das atividades produzidas pelos estudantes na primeira aula. Foi detectado um grande déficit na parte ortográfica, de coesão e coerência. Os objetivos da atividade dessa aula eram fazer com que os alunos: grafassem corretamente algumas palavras de acordo com a norma padrão da Língua Portuguesa; fixassem questões de acentuação e ortografia; compreendessem os termos coesão e coerência por meio de jogos; tornassem-se capazes de ordenar textos, produzindo redações com início, meio e fim. A proposta foi iniciada com a divisão dos alunos em pequenos grupos. Algumas palavras, grafadas de forma incorreta por vários alunos na primeira aula, eram lidas pelos licenciandos que solicitavam que os grupos de discentes escrevessem os vocábulos de forma correta em um papel. O grupo que escrevia corretamente ganhava pontos. Como alguns não conseguiam grafar corretamente a palavra lida, o vocábulo da vez era exposto na lousa, para que fosse possível a fixação da ortografia da palavra por meio da visão. Em um segundo momento da aula, os grupos de alunos foram mantidos e realizou-se uma atividade com fábulas. Cada um dos grupos recebia um texto diferente, cortado em pedaços. Os alunos eram estimulados a organizá-los na ordem correta em função da ordem cronológica dos fatos. Cada um dos grupos era acompanhado por um dos professores licenciandos, para que fosse ofertada toda a assistência necessária. Após essa aula, foi possível verificar que os alunos voltaram a cometer os mesmos equívocos, mas com uma frequência bem menor e, de maneira gradual, apresentaram melhores resultados no desenvolvimento de suas produções textuais até mesmo porque não queriam entregar atividades mal feitas aos graduandos. Assim, era possível perceber que a relação entre docentes e discentes só se estreitava. 2.3 Terceira aula A terceira aula iniciou uma proposta de trabalho com o gênero textual notícia que durou quatro semanas. Com a primeira atividade, objetivou-se que os alunos fossem capazes de: comparar textos, buscando semelhanças e diferenças quanto às ideias e à forma; debater temas propostos pelos textos e desenvolver habilidades de expressão, opinião e argumentação orais; conhecer a estrutura e especificamente cada parte que compõe o gênero textual notícia; conhecer, observar e produzir uma notícia, levando em conta as características do gênero e as condições de produção; consultar outras fontes em busca de informações complementares, como revistas, jornais e Internet. Com a primeira atividade sobre o gênero, foram mantidos os 52

77 grupos divididos na aula anterior com o intuito de tornar a aula mais dinâmica e fazer com que os estudantes sentissem-se mais livres para debater sobre o assunto. Na primeira aula sobre notícia, trabalharam-se o título e o subtítulo com suas especificidades. A proposta da atividade era realizar a explicação teórica sobre ambos e mostrar como são apresentados nos jornais impressos e digitais. Após a explanação e discussão, os alunos exercitaram o conteúdo por meio de atividades com notícias reais. A atividade principal do dia foi desenvolvida com notícias da própria semana e consistia em entregar aos estudantes o texto da notícia completo, sem o título e o subtítulo. Dessa forma, de acordo com aquilo que havia sido discutido, eles desenvolveram título e subtítulo próprios. Mais uma vez, deve-se ressaltar que a relação entre os graduandos e os alunos da Educação Básica tornava-se cada vez mais próxima e significativa. 2.4 Quarta, quinta e sexta aulas A quarta aula desenvolvida com os estudantes foi uma continuação da aula anterior e, portanto, também abordou o gênero textual notícia. Devido à continuidade, os grupos de alunos foram mantidos. Nessa aula, ainda com os mesmos objetivos da anterior, realizaram-se discussões sobre o lide e o desenvolvimento geral da notícia. Os estudantes participaram ativamente dos debates e conseguiram identificar corretamente as informações que deveriam estar presentes no gênero para que se caracterizasse a notícia. A partir disso, os alunos tiveram de realizar a produção de uma notícia e usufruíram de duas aulas para tal. Para que não houvesse tempo desperdiçado na criação do tema da notícia, os professores sugeriram temas recorrentes na semana, mas deixaram os alunos livres para escreverem sobre o assunto que melhor dominassem. 2.5 Sétima, oitava e nona aula A partir da sétima aula, a proposta foi alterada e trabalhou-se o gênero textual fanfic, pois o mesmo se encontra mais próximo da realidade dos estudantes, uma vez que trabalha com o enredo de filmes, livros, desenhos e histórias em quadrinhos em geral. Os objetivos dessa aula eram que os alunos tivessem condição de: conhecer e compreender o gênero textual fanfic; compartilhar experiências sobre filmes, desenhos e livros; produzir textos a partir de uma proposta que despertasse a imaginação dos estudantes; estabelecer relação entre seus conhecimentos sobre o tema, a língua e noções de texto para a produção de uma fanfic. O gênero fanfic foi apresentado aos alunos por meio de discussões teóricas e estruturais. Para exemplificar, ocorreram as leituras de cinco fanfics escolhidas pelos professores e lidas pelos mesmo. Foram escolhidas as seguintes fanfics: Meus queridos brinquedos (sobre o filme Toy Story); Okay okay (sobre o filme A Culpa é das estrelas); Mario e Luigi (sobre o personagem Mario dos famosos jogos de videogames); Scooby-doo: o começo Harry Potter A partir disso, solicitou-se uma produção inicial, na qual eles poderiam escolher qualquer história que os desagradasse e recriar o início, o meio ou o final, ou ainda, poderiam dar uma continuidade à trama. Por ser a escrita de um texto complexo, os alunos tiveram a oportunidade de usarem duas aulas para a produção. Em uma, criaram o roteiro do que iriam escrever e, na outra, escreveram o texto em si. 2.6 Décima aula A décima e última aula deu sequência à anterior no exercício com o gênero fanfic. Por conseguinte, os objetivos foram os mesmos da sétima, oitava e nona aulas. Como a proposta era fazer os alunos interessarem-se pelo gênero e procurarem-no fora da sala de aula, foi preparada uma atividade de contação de histórias. Cada um dos professores selecionou uma fanfic próxima à realidade dos alunos e levou impressa para eles. Desse modo, em vez de a leitura ser feita pelos licenciandos, os estudantes tiveram a oportunidade de ler o texto em voz alta, para toda a sala. Foi visível o interesse deles na aula. Não ocorreu nenhuma conversa paralela e a ausência da docente responsável pela classe colaborou para a maior interação deles no momento de responderem algumas questões acerca de cada um dos textos lidos. Entretanto, antes de a aula acabar, a professora responsável retornou à sala de aula e, assim, começou a gritar e maltratar os alunos, o que desmotivou vários deles a finalizar a atividade proposta. Embora atribuir uma nota não fosse objetivo dos licenciandos, ao final da aula, a professora responsável pela turma ainda fez questão de solicitar na frente de todos os alunos que os futuros professores corrigissem a atividade e atribuíssem uma nota para cada um deles. Dessa maneira, não seria necessário que ela preparasse sua própria avaliação para a classe. 3. A IMPORTÂNCIA DA RELAÇÃO PROFESSOR- ALUNO O questionamento pessoal, por parte do profissional da educação, deve ser uma constante, aliás, salientada na LDB, que preconiza, no inciso III, do artigo 63, e no inciso II, do artigo 67, a formação continuada dos professores: Art. 63. Os institutos superiores de educação manterão: I - cursos formadores de profissionais para a educação básica, inclusive o curso normal superior, destinado à formação de docentes para a educação infantil e para as primeiras séries do ensino fundamental; 53

78 II - programas de formação pedagógica para portadores de diplomas de educação superior que queiram se dedicar à educação básica; III - programas de educação continuada para os profissionais de educação dos diversos níveis. [...] Art. 67. Os sistemas de ensino promoverão a valorização dos profissionais da educação, assegurando-lhes, inclusive nos termos dos estatutos e dos planos de carreira do magistério público: I - ingresso exclusivamente por concurso público de provas e títulos; II - aperfeiçoamento profissional continuado, inclusive com licenciamento periódico remunerado para esse fim; III - piso salarial profissional; IV - progressão funcional baseada na titulação ou habilitação, e na avaliação do desempenho; V - período reservado a estudos, planejamento e avaliação, incluído na carga de trabalho; VI - condições adequadas de trabalho. [1] Curiosidade crítica e formação continuada podem levar o profissional a conhecer e enfrentar as mudanças sociais. Ciente das transformações que ocorrem nas relações sociais, o docente necessita ter consciência de que a relação professor-aluno, por respeitar o aluno - sujeito do processo de aprendizagem - deve estar calcada no diálogo. [2] Infelizmente, porém, a postura adotada pela docente responsável pela turma em que o projeto efetivou-se foi de total desrespeito com os alunos e também com os licenciandos que estavam presentes na posição de professores. Repetidas vezes, ela gritou e exaltou-se com os alunos, atribuindo-lhes nomes desrespeitosos. Assim, o respeito ao aluno ficava distante do ambiente escolar. A presença da docente, lamentavelmente, tornou-se um empecilho no desenvolvimento das aulas, uma vez que, toda vez que se fazia presente e prestando atenção na atividade, brigava com um aluno diferente, mesmo que ele estivesse apenas erguendo a mão para tirar uma dúvida durante a realização de um exercício. Nos momentos em que a professora ausentava-se, entretanto, os estudantes sentiam-se aliviados e livres para tecer seus próprios comentários acerca do assunto que estava sendo abordado pelos graduandos. Na escola tradicional, a ausência do diálogo era vista como uma situação normal no cotidiano escolar. Aliás, o silêncio, desejo maior da maioria dos mestres, era visto como sinônimo de respeito por parte dos alunos. Uma ilusão já que, muitas vezes, o silêncio representa medo, desinteresse ou uma situação de submissão em relação ao professor que, muitas vezes, vê-se como o detentor absoluto do saber. Assim sendo, embora a escola se denominasse como uma instituição preocupada com a interação do indivíduo no meio social no qual está inserido, visando a um bom convívio em grupo e em sociedade, o que aliás também está previsto nos Parâmetros Curriculares Nacionais [3], o diálogo não era uma prática constante entre docentes e discentes. Freire [4] afirma que viver a abertura respeitosa aos outros e, de quando em vez, de acordo com o momento, tomar a própria prática de abertura ao outro como objeto da reflexão crítica deveria fazer parte da aventura docente. O professor, por maior que seja o seu conhecimento e a sua experiência, não pode fechar-se em um mundo sem diálogo: O fechamento ao mundo e aos outros se torna transgressão ao impulso natural da incompletude. O sujeito que se abre ao mundo e aos outros inaugura com seu gesto a relação dialógica em que se confirma como inquietação e curiosidade, como inconclusão em permanente movimento na História. [5] Saber ouvir os educandos é fundamental para conhecer o contorno geográfico, social e econômico dos aprendizes e, também, da escola. Essa prática reflete respeito pelos educandos e gera o desenvolvimento de uma relação intercomunicativa que pode conseguir grandes progressos ao longo do processo ensinoaprendizagem. [6] Não era essa a realidade escolar vivenciada pelos alunos participantes do PIBID na escola em questão. E não se trata aqui de diálogos vazios, cheios de pena ou consolo. Freire [7] fala de diálogos capazes de desocultar verdades escondidas, de desmistificar a farsa ideológica, espécie de arapuca atraente em que facilmente caímos, de enfrentar o extraordinário poder da mídia, da linguagem da televisão, de sua sintaxe que reduz a um mesmo plano o passado e o presente. Dentro desse contexto educacional, o educador, portanto, não pode apenas ouvir os seus educandos. Mais do que isso, ele precisar saber ouvir, melhor dizendo, estar disposto a ouvir: A existência, porque humana, não pode ser muda, silenciosa, nem tampouco pode nutrir-se de falsas palavras, mas de palavras verdadeiras, com que os homens transformam o mundo. Existir, humanamente, é pronunciar o mundo, é modificá-lo. O mundo pronunciado, por sua vez, se volta problematizado aos sujeitos pronunciantes, a exigir deles novo pronunciar. Não é no silêncio que os homens se fazem, mas na palavra, no trabalho, na ação-reflexão. [8] Ganhando esta nova dimensão, o diálogo também cria laços de afetividade na relação professor-aluno. O educando sente-se valorizado ao ser ouvido e aproxima-se do docente. [9] Chega a ser até mesmo estranho para alguns alunos quando um professor demonstra-se aberto para o diálogo, porque, frequentemente, eles são calados pela dinâmica da aula. Poucos professores estão realmente dispostos a ouvir seus alunos. Muitos fazem de tudo para que suas aulas terminem com o sinal para que perguntas não sejam feitas. Vários são os docentes que entregam suas avaliações corrigidas ao término do período para que questionamentos não surjam. Talvez seja por isso que os alunos do 7 o. ano tenham se envolvido tanto com os universitários: eles percebiam envolvimento, amor pelo ato de ensinar e preocupação na preparação das atividades. Segundo Freire [10], os indivíduos transformam-se e ganham significação enquanto homens, quando reconquistam o direito de dialogar. Dialogar, muitas vezes, é libertar-se de uma 54

79 situação de opressão. É por esse motivo que o professor não pode reduzir sua profissão à rotina de depositar informações e conhecimentos no outro, a não ser que queira manter a situação opressora entre mestres e aprendizes que, constantemente, instala-se no ambiente escolar. Nessa situação, impera apenas a educação bancária, termo também consagrado por Paulo Freire. [11] Um verdadeiro diálogo e uma real troca de ideias tornam-se fundamentais em um ambiente que busca a formação da cidadania. [12] Entretanto, nem todos os professores estão preparados ou pré-dispostos a dialogar com seus discentes. Em primeiro lugar, muitos não desenvolveram tal habilidade nos cursos de formação, ou seja, não receberam informações concretas sobre a importância dessa prática no contexto educacional. Eles não sabem que o diálogo pode representar uma ferramenta importantíssima na busca por uma aprendizagem significativa, estreitando relações de afetividade entre educadores e educandos, ato que gera um clima de confiança ao longo do processo ensino-aprendizagem. [13] Em segundo lugar, ainda de acordo com Freire [14], não há diálogo sem amor ao mundo e aos homens: Sendo fundamento do diálogo, o amor é, também, diálogo. Daí que seja essencialmente tarefa de sujeitos e que não possa verificar-se na relação de dominação. Nesta, o que há é patologia de amor: sadismo em quem domina; masoquismo nos dominados. Amor, não. Porque é um ato de coragem, nunca de medo, o amor é compromisso com os homens. Onde quer que estejam estes, oprimidos, o ato de amor está em comprometer-se com sua causa. A causa de sua libertação. Mas, este compromisso, porque é amoroso, é dialógico. Nesse caso, a realidade que se observa torna-se mais complexa na medida em que não são todos os docentes que carregam o sentimento amor para as suas salas de aula. Na fala de Freire, percebe-se o profundo vínculo entre o diálogo e a afetividade, além do respeito ao educando na figura não só do aluno, mas, também, no papel de indivíduo em processo de formação. Logo, nota-se que a educação intelectual deve caminhar junto da educação afetiva. [15] O professor deve levar em consideração tanto os aspectos cognitivos quanto os aspectos afetivos, porém é importante ressaltar que o desenvolvimento de uma boa afetividade pode fazer com que o indivíduo tenha uma vida mais plena, equilibrada e sadia e o diálogo é uma das peças mais fundamentais nesse processo. Por fim, o diálogo também se torna determinante para o docente que reflete constantemente sobre sua prática, pois, conversando com os alunos e discutindo as propostas desenvolvidas em sala, o professor pode ter um retorno crítico dos discentes sobre as atividades e perceber a necessidade de variar as estratégias metodológicas para um melhor aproveitamento do próprio educador e dos educandos. CONCLUSÃO O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência foi extremamente relevante para a formação acadêmica dos vinte graduandos envolvidos, pois foi responsável por apresentar outra vivência de sala de aula, diferente da experiência obtida por meio do Estágio Curricular Supervisionado, obrigatoriedade legal de todos os cursos de Licenciatura no Brasil. Marc Weisser, citado por Albuquerque [16], explica essa realidade dizendo que os saberes não são o fruto de uma transmissão, mas de uma apropriação e de uma produção; eles são ligados ao autor profissional e à sua pessoa. A formação do professor tomará não o aspecto de uma transferência de conhecimentos descontextualizados, mas uma reinterpretação de um discurso pedagógico próprio a cada um dos formados. Assim, o PIBID representa o momento em que o licenciando pode afastar-se apenas da observação do cotidiano escolar para agir. A inversão de papéis, de graduando que apenas observa para professor, nesse caso, foi fundamental, sadia e benéfica. Evidentemente, desafios e obstáculos surgiram a cada ida à escola, mas estes só serviram para aprofundar ainda mais a reflexão sobre a prática docente, gerando, também, um licenciando mais consciente de seu papel no espaço educacional e na vida de milhares de jovens. [17] O trabalho com as diversas propostas elaboradas pelos vinte universitários, em processo de formação docente, também colaborou para a percepção de como atividades inovadoras e relevantes dão certo no ambiente de sala de aula. Destaca-se, ainda, que se desenvolveram, por meio das propostas que levavam em consideração o mundo dos alunos da Educação Básica, habilidades criativas e isso podia ser percebido a cada semana. Conclui-se, portanto, que um programa como o PIBID faz-se necessário no cenário atual da formação professoral do Brasil, visto que esse une, direta ou indiretamente, instituições - a instituição formadora e a escola de Educação Básica -, muitas vezes, distantes. Surge, portanto, com o projeto, uma afinidade entre instituições fundamentais para a formação de bons professores. Por fim, é importante destacar que cada um reinterpreta, ou pelos menos deveria reinterpretar, o discurso pedagógico que recebe nos cursos de formação para encontrar a própria e mais adequada forma de ministrar a sua aula, levando em consideração a realidade escolar na qual se está inserido. [18] Para um maior resultado formativo, recomenda-se ao docente em formação flexibilidade para mudar o rumo da ação, já que estratégias, por si, têm o caráter de incerteza e imprevisibilidade, próprios dos processos humanos presentes no cotidiano escolar e extraescolar. O PIBID oferece isso ao futuro professor e, por isso, tem grande valia. REFERÊNCIAS [1] C. da F. Brandão. LDB: passo a passo Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. São Paulo: Avercamp, [2] R. Alves. Estórias de quem gosta de ensinar. Papirus: São Paulo, [3] S. de E. F. Brasil. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF,

80 [4] P. Freire. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [5] P. Freire. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [6] V. Brito. PCN de língua portuguesa: a prática em sala de aula. São Paulo: Arte & Ciência, [7] P. Freire. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [8] P. Freire. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, [9] V. M. Candau. (org.) A didática em questão. Petrópolis: Vozes, [10] P. Freire. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, [11] P. Freire. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, [12] R. Alves. A alegria de ensinar. Papirus: São Paulo, [13] R. Alves. A alegria de ensinar. Papirus: São Paulo, [14] P. Freire. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, [15] R. Alves. A alegria de ensinar. Papirus: São Paulo, [16] E. B. C. de Albuquerque. Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino da língua portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica, [17] C. Antunes. Professores e professauros: reflexões sobre a aula e práticas pedagógicas diversas. Petrópoles: Vozes, [18] A. Nóvoa. Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote,

81 O cordelista como mediador da informação: do cordel ao documentário jornalístico. Cinthia SOUZA Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Gabriela GONÇALVES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Rebeca CARRARA Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Tatiana GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Alexandre GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO O presente trabalho tem em vista valorizar a cultura brasileira e, para isto, faz um recorte na literatura de cordel, tomando como base o cordelista como personagem principal, através de um embasamento teórico que visualiza o lado sensível do jornalista. Pretendeu-se chegar a uma reflexão que priorize o poeta como um emissor de informação e o seu produto literário como meio. O enfoque do trabalho se dá na comparação do cordelista como um representante da sua terra e o cordel como uma peça rica em representações. Entende-se que as obras devam ser analisadas de maneira profunda, levando em consideração as entrelinhas e as subjetividades. Levando em consideração que uma das funções do jornalista é ser o porta-voz da informação, este trabalho tem como objetivo destacar um viés diferenciado do cordelista e seu cordel. Como base teórica, foram utilizados autores como Cremilda Medina, Jesús Martin Barbero e intelectuais que trabalham com o cordel como Aderaldo Luciano. Palavras-Chave: Cordel; Literatura; Documentário; Jornalismo; Notícia. 1. INTRODUÇÃO Por tratar-se de um país de grande extensão territorial, colonizado por portugueses e ter recebido diversos imigrantes europeus, o Brasil destaca-se por seu multi regionalismo. Cada uma de suas regiões passou por um processo histórico, que influenciou e influencia na formação de costumes e tradições locais e nacionais, também derivadas de raízes africanas e indígenas. O presente trabalho desenvolve-se em torno de uma dessas tradições: a literatura de cordel. Esta faz parte, principalmente, da cultura popular de estados como Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do norte. Sua influência na região nordeste é maior, pois é o local onde foi inserido e surgiram as primeiras publicações. O objetivo é entender a construção e o papel do cordelista escritores que se dedicam e vivem com a renda gerada por seus livretos como mediador de informação, através dos cordéis. Dentro dos cordéis, é possível observar diversas formas de escrever sobre a terra, o povo e a própria linguagem, característica esta que pode ser comparada com elementos existentes também no universo jornalístico. Assim como as notícias, os cordéis contam histórias e representam o cotidiano e dificuldades enfrentadas pelo povo. Como um instrumento midiático, a literatura de cordel merece atenção pelas tantas funções que consegue exercer dentro de um mesmo processo: o da comunicação. O cordelista é por vezes emissor, mediador, receptor, além de cumprir todo o processo de criação da obra, impressão, distribuição e venda. O cordel encontra assim um papel de mídia alternativa às ditas hegemônicas, que têm maior alcance e público [1]. Ao propagar informações, o cordel também traz em suas páginas a memória de alguém, a interpretação de fatos e as marcas culturais de um povo. A pesquisa foi desenvolvida no nordeste e sudeste brasileiro, mais especificamente nas cidades de Campina Grande, João Pessoa, Roliúde Nordestina, Cabaceiras, Recife, Natal, São Paulo e Rio de Janeiro. Tais cidades são polos de concentração de cordelistas e instituições importantes neste universo, a Academia Brasileira de Literatura de Cordel, localizada no Rio de Janeiro e a Casa do Cordel presente em Natal justificam a escolha das cidades para a realização do trabalho. Os dados e informações gerados pela pesquisa foram compilados em forma de documentário. 2. CORDEL A palavra cordel de acordo com o Dicionário Aurélio, significa cordão. Empregada com o mesmo sentido, o termo cordel está presente na Bíblia e refere-se a uma unidade de medida. Já a 57

82 expressão Literatura de Cordel provém da península ibérica, local onde os folhetos eram exibidos e vendidos pendurados em cordões. E cordões, em língua provençal, quer dizer cordel [2]. A partir desse cordão que serve de suporte para a venda das pequenas brochuras nos mercados e outros lugares públicos, a palavra compõe uma série de expressões designando o produto vendido: farsas de cordel, entremezes de cordel ou teatro de cordel, que se referem somente às produções teatrais vendidas na rua, livraria de cordel, que se restringe a um tipo de comércio de livraria, literatura de cordel, enfim, cuja aceitação se estende a toda obra literária de origem popular, exposta à venda sobre um cordão [3] Pesquisadores, como Maxado [4], acreditam que o cordel chegou ao Brasil pelas mãos dos colonizadores portugueses. Apesar de terem sido trazidos pelos portugueses, o cordel ibérico e o brasileiro são distintos quanto a sua linguagem e estrutura dos poemas. Para o Doutor em Ciência da Literatura, Aderaldo Luciano, o cordel é uma produção brasileira e o fato de ser exposto em cordões do mesmo modo como o folheto português, não é o suficiente para ser classificado no mesmo estilo literário. Para o autor há precipitação ao equivaler o cordel de Portugal ao do Brasil. O nome literatura de cordel é de origem lusa, mas mal empregado em relação aos nossos folhetos de cordel, visto que são fenômenos distintos, havendo mais divergências do que semelhanças entre eles [5]. No Brasil, não se tem provas concretas de qual foi o primeiro cordel a ser publicado. Franklin Maxado reuniu em seu livro O que é Cordel, a opinião de três conceituados escritores brasileiros com relação ao tema, como Câmara Cascudo, Ariano Suassuna e Horácio de Almeida. Considerada a versão tipografada de uma longa tradição oral [6], o cordel é visto como literatura popular e, muitas vezes, os cordelistas não são reconhecidos como escritores. Por esse motivo, Aderaldo Luciano escreveu o livro Apontamento para uma história crítica do cordel brasileiro. Além de defender a brasilidade do cordel, Aderaldo luta para que os poetas de cordel sejam reconhecidos como os escritores de outras vertentes literárias. Essa distinção, segundo percebemos, reside na forma preconceituosa e excludente com que as elites intelectuais sempre trataram as produções que não saíssem de suas lides ou que não seguissem os seus ditames. Popular seria aquela poesia produzida pelo povo, os não letrados, os trabalhadores rurais, os habitantes do gueto. Erudita seria aquela produzida pela elite intelectual, frequentadora da escola e detentora do poder econômico. [7] Um dos fatores que caracteriza os livretos de cordel são os temas abordados por eles. De modo geral, há dois tipos de cordel, o chamado modo lírico, por meio do qual o autor expressa no texto sua opinião sobre questões políticas, sociais, morais, etc. e o modo épico, no qual o autor conta histórias inventadas ou reais misturadas a fantasias. Segundo Oliveira [8], o objetivo do cordel é: contar uma história, um acontecimento ou mesmo um embate entre dois oponentes, seja em forma de peleja poética ou simples discussões reais ou inventadas. Com o passar dos anos, a tradição oral do cordel foi sendo modificada, e com o surgimento do rádio e da televisão, o folheto foi sofrendo alterações. Com a internet não é diferente. Uma coisa é certa: houve e está havendo uma profunda modificação em todos os círculos que tangem à produção, difusão e consumo de cordel no Brasil [9]. Acredita-se que assim como outras mídias impressas, o cordel passará por uma transformação, de modo a se reinventar e conquistar outros públicos. A internet, usada como aliada, tem servido para a disseminação dessa tradição cultural através dos sites e redes sociais, onde muitos escritores publicam não apenas a parte escrita, mas, também, investem na divulgação dos vídeos com a narrativa declamada. 3. JORNALISMO O jornalismo é uma das maneiras encontradas pela sociedade de se atualizar e entender o que acontece ao redor. Em formato de notícia, o jornalismo transmite informações que podem ser entendidas como um recorte da realidade. A notícia, segundo Walter Limpann [10], não pode ser considerada um espelho das condições sociais, afinal ela é transmitida por um profissional, que seja de forma consciente ou inconsciente, contextualiza a informação e coloca suas percepções. Outro autor que defende tal questão é Luís Motta: As notícias não contam as histórias na sua integralidade, elas são apenas pedaços escolhidos do real. Tomamos aqui as notícias como obras abertas, fragmentos da realidade que deixam lacunas de significados, solicitando aos leitores a ação cooperativa de complementação de sentidos [11]. Assim, as reportagens e técnicas jornalísticas são construídas com base em um conjunto de valores de notícia, que consistem em priorizar a veracidade dos fatos. Os valores-notícia são um elemento básico da cultura jornalística que os membros desta comunidade interpretativa partilham. Servem de óculos para ver o mundo e para o construir [12]. Por envolver também questões de interesses políticos e econômicos, cada veículo de comunicação possui sua linha editorial que define e influencia diretamente em suas publicações e nos assuntos abordados nas notícias. Nelson Traquina apresenta os chamados critérios de noticiabilidade, ou seja, os fatores que definem o que é considerado notícia e o que não é. As notícias são o resultado de um processo de produção, definido como a percepção, seleção e transformação de uma matéria-prima (os acontecimentos) num produto (as notícias). A seleção do que irá ser tratado, ou seja, na escolha do que se julga ser matéria-prima digna de adquirir a existência pública de notícia, em uma palavra ter noticiabilidade [13]. A seleção dos fatos, segundo o autor, segue critérios como: objetividade, instantaneidade, periodicidade, novidade, proximidade e relevância. Tais itens são os representantes do 58

83 jornalismo tradicional, presente nos jornais e em revistas que seguem tal linha. Na teoria jornalística, esses valores são presentes e estudados como fundamentais para uma boa formação profissional e bons produtos resultantes da apuração de notícias. Porém, a prática é dada de outra forma. No momento de entrevista, por exemplo, a bagagem cultural, que o comunicador traz consigo, pode influenciar o modo de se relacionar com a fonte, o que se contrapõe com a teoria jornalística. Diante de circunstâncias trágicas por exemplo, a impassibilidade e um olhar distante se tornam um desafio a imparcialidade buscada pelo jornalista. Embora seja necessário que o lado profissional seja mais presente que suas impressões pessoais, nestes momentos, o jornalista pode sensibilizar-se. Nota-se, então, que a sensibilidade e humanidade tornam-se presentes na profissão. Segundo a autora Cremilda Medina [14] o jornalista pode ser visto como um artesão da notícia, capaz de ir além de um produtor de informações, e ser um agente mediador de um conjunto de códigos de relações humanas relacionadas ao presente e ao real. Os autores Fabiana Alves e Raphael Sebrian discutem o contraponto entre o jornalismo convencional e o humanizado e compreendem que a perspectiva os difere. O jornalismo humanizado, portanto, não se propõe apenas a produzir textos diferenciados, com linguagem que usufrui dos recursos da literatura, que valoriza personagens. Mais que isso, busca a essência das ações humanas é um olhar, uma perspectiva, um ponto de partida diferenciado. [15] Ainda de acordo com os autores, o jornalismo humanizado elucida as ações e relações humanas, de modo a trazer isso para a construção jornalística, ou seja, as pessoas e seus contextos devem fazer parte das narrativas. Isso permitiria ao jornalismo uma proposta mais marcante e real. [...] propõe-se a fomentar a recuperação do prazer e do desejo de descobrir as pessoas, o contexto social em que vivem, no qual a narrativa teria uma marca autoral, inovadora. Trata-se de humanizar as técnicas profissionais em prol da vitalidade do cotidiano, uma vez que a gramática jornalística atual não dá conta das demandas coletivas. [16] De acordo com Medina, a aproximação do jornalista com a cultura e a imersão no que está reportando e analisando, ultrapassa a fronteira profissional e acrescenta em sua experiência pessoal também. Essa relação é essencial para que haja uma identificação de discurso e de símbolos de um povo. Além disso, a autora vê o jornalista como um leitor cultural. Ainda sobre a anatomia do ato crítico, o rigor da leitura cultural exige princípios. O que não exige são camisas de força metodológicas [17]. Sendo assim, vê-se um jornalismo diferente do que é retratado em sua teoria. É a partir desse entendimento de jornalismo sensível que os conceitos literários e poéticos aparecem. Luiz Motta, argumenta sobre as características literárias que estão presentes no discurso jornalístico. Segundo o autor, a notícia é mais que um conjunto de informações, é também composta por um embasamento dinâmico que sugere aspectos subjetivos em meio à objetividade jornalística. A mensagem em si carrega não-ditos que podem influenciar o leitor a ter diferentes interpretações. Em todo ato comunicativo, o emissor transmite parte do seu conteúdo de forma explícita, parte de forma implícita. Da mesma maneira, o destinatário interpreta a mensagem parcialmente através dos seus conteúdos explícitos, parcialmente através de estímulos implicitamente sugeridos pelo enunciado. Mas, o destinatário acrescenta e recria através das suas próprias perspectivas. [18] A forma que a notícia é interpretada também dependente da visão e da bagagem cultural do receptor. A mensagem é interpretada de acordo com os filtros que o indivíduo possui. Sendo eles religiosos, familiares, culturais e temporais. [19] Assim, a interpretação do receptor pode representar, em seus signos, saberes de uma linguagem provida de polifonia, pluralidade de vozes, ou polissemia, multiplicidade de significados. Saber consiste, pois, em referir a linguagem à linguagem. Em restituir a grande planície uniforme das palavras e das coisas. Em fazer tudo falar. Isto é, em fazer nascer, por sobre todas as marcas, o discurso segundo do comentário. O que é próprio do saber não é nem ver nem demonstrar, mas interpretar. [20] Segundo Motta, o receptor interpreta a notícia não apenas através das palavras ali apresentadas, mas também por expressões que vão além da escrita. Ao emitir uma mensagem, o jornalista pode sofrer a interferência das funções sensoriais. O que se enxerga, ouve-se, toca-se pode influenciar na transmissão da informação, através da subjetividade na construção e apresentação dos fatos. [21] Considerando esta linha de pensamento, o jornalista se afasta da imparcialidade e objetividade proposta na teoria jornalística ao retratar os acontecimentos e tendo sido influenciado por suas percepções pessoais. A relação observação-observado-percebido depende, por um lado, do grau de congruência entre o sujeito-comunicador e o momento histórico social, ou ainda, depende da visão de mundo [repertório, cognitivo e sensorial], do nível de consciência sobre o fenômeno que se apresenta. Essa congruência desejável, em outros termos, significa a disposição ou o desejo do observador-jornalista para a necessária sintonia e cumplicidade com o mundo histórico-social. [22] Segundo os conceitos citados por Medina [23], a narrativa tem o poder de trazer sentido à realidade atual. As experiências adquiridas influenciam na forma de comunicar, desenvolvendo a sensibilidade do profissional. [...] Quando puder haver a humanização do relato que a façam, sem receios de tangenciar 59

84 o pieguismo. Pieguismo maior é pensar que o homem pode deixar de humano ser, ao assumir o papel de jornalista. [24] Deste modo, o jornalismo humanizado expande sua dimensão para além da exposição de fatos, representando uma vertente ligada à pessoalidade e cultura em questão. 4. RELAÇÃO CORDELISTA E JORNALISTA Através das notícias, reportagens e derivados, o jornalismo comunica a sociedade sobre os acontecimentos de determinada região. Além disso, o jornalista assume a responsabilidade no quesito formação de opinião, afinal, tal profissão é responsável por contextualizar e atualizar a sociedade, sendo ele o encarregado por definir o que é ou não notícia, como citado anteriormente. O jornalista tem uma função social e possui credibilidade perante o consumidor da informação. Da mesma forma é considerado o cordelista pelo seu leitor. Ambos influenciam a formação da opinião pública, mas atuam de maneira distinta. Apesar de também informar, o cordelista não segue os mesmos critérios noticioso que o jornalista. O poema de cordel não precisa ser a respeito de uma história real, pode ser composta por narrativas criadas pelo próprio autor. Ao transformar um acontecimento em história, a narrativa opera uma diferenciação daquele fato no contínuo do tempo e atribui a ele um significado. Isso quer dizer que contar histórias é organizar a experiência, localizando ocorrências naturais e ações humanas na compreensão de mundo de indivíduos e sociedades, papel desempenhado tanto pela ficção quanto pelas narrativas não ficcionais. [25] A relação do jornalista e do cordelista com a imparcialidade não é a mesma. Embora o jornalista saiba que a imparcialidade não é tangível, ele busca alcança-la. Já o cordelista, não se tem a obrigação de lutar por ela. Muito do que é dito pelo poeta não é factual, mas, carregado da opinião do autor e, em sua maioria, o cordel aborda temas polêmicos como política, questões sociais e morais. [26] Percebe-se que o comprometimento do jornalismo com a apuração dos fatos é maior que a de literatura de cordel. O jornalista deve procurar todos os envolvidos em um acontecimento para que sua notícia, recorte da realidade, seja relatada o mais próximo possível do que de fato aconteceu. Já o cordelista tem a liberdade de inserir em sua poesia o que julgar mais relevante. Ao adotarmos a noção de que o jornalismo é comunhão entre humanos, podemos então entendê-lo como o compartilhar dos desejos coletivos. Se é assim, a busca do comunicador não é um objeto a verdade mas a compreensão sobre as ações dos sujeitos da comunicação a expressão dos sentidos de sua consciência. Cabe à imprensa, portanto, o dever de produzir relatos verazes, versões verossímeis, uma visão particular sobre as ações humanas, que reúne o real discursivo jornalístico, o simbólico e o imaginário. [27] Enquanto o jornalismo adota uma linguagem padrão, o cordel propõe uma escrita popular, fácil de ser compreendida e interpretada por seu público-alvo, que muitas vezes usam da oralidade do cordel para comunicar aqueles que ainda não se libertaram do analfabetismo. O jornalista tem o papel social de apresentar os fatos à população. É uma figura que, dentre outras funções, media a informação. E por este aspecto, é possível aproximar o cordelista do jornalista, ambos são mediadores em suas devidas proporções. Desde a época do surgimento das escolas literárias em língua portuguesa, como o trovadorismo, havia a questão de transmitir uma mensagem, de lugar em lugar. Neste caso, o poeta era visto como um mediador entre o povo e as informações, sejam elas ficcionais ou não, que de alguma forma levavam a uma reflexão que permitia o exercício de pensar. O agente da notícia envolve-se com as fontes e imerge em diferentes culturas e realidades. A parcela humana do jornalista e o seu caráter investigativo como forma de serviço social e denúncia, assemelha-se com a literatura de cordel. Afinal, o cordelista também procura aproximar seus leitores dos acontecimentos através da sua obra. A construção de um sentido narrativo e a linearidade dos fatos são características jornalísticas, também encontradas nos cordéis. As notícias só constroem um sentido narrativo pleno no ato de recepção, quando os significados são interpretativamente concluídos pelos sujeitos receptores que refiguram as estórias temáticas compreensíveis. Essa refiguração ocorre quando os receptores juntam os fragmentos, criam sequências e enredos coerentes, e compõem estórias-sínteses. Inevitável e impulsivamente eles confrontam os difusos modelos de mundo sugerido por essas narrativas imaginárias com o senso comum. Realiza-se então a fusão de horizontes de expectativas da fragmentada narrativa jornalística com as expectativas dos leitores, ouvintes, telespectadores. [28] Entre semelhanças e diferenças, os canais de comunicação apresentados buscam uma melhor comunicação com o povo. Ambos trazem a função de mediar uma informação, mas a forma que executam essas funções os distancia, uma vez que têm abordagens e público distintos. 5. A PEÇA JORNALÍSTICA Segundo Bill Nichols [29], é através de imagens reais que o documentário se diferencia da ficção. Afinal, o que é ficcional trata de um fruto da imaginação daqueles que o produzem. Já o documentário apresenta um olhar e ponto de vista de uma situação real. O autor Sergio Puccini [30] argumenta a respeito do docudrama, que consiste em fatos da realidade retratados num recurso narrativo em busca de concretizar através das imagens aquilo que foi realmente presenciado durante as filmagens. Segundo Puccini, a cena deve ser fiel ao fato ocorrido, porém, nada impede de torná-la maior em suas intenções de promover alguma reflexão, ou seja, de impactar, questionar. Este conceito 60

85 é colocado em prática, principalmente, em dois momentos: na criação do enredo (roteiro) e na edição. O documentário buscou ser integralmente concebido ao ritmo da poesia para assemelhar-se à métrica presente no cordel. Neste contexto, a edição do produto final apresentou grande importância, pois foi a responsável pela intersecção dinâmica e ritmada entre imagem e som. O intuito foi a criação de um documentário com personalidade e pessoalidade. Cada documentário tem sua voz distinta. Como toda voz que fala, a voz fílmica tem um estilo ou uma natureza própria, que funciona como uma assinatura ou impressão digital [31] O presente trabalho passou por diversas transformações durante seu desenvolvimento. Desde o início, tinha-se como objetivo final a produção de um documentário, entretanto, o tema do mesmo foi modificado, filtrado no decorrer da pesquisa teórica. Entende-se que o levantamento bibliográfico e o estudo mais aprofundado sobre o cordel, amadureceram a ideia da direção a ser tomada no trabalho. Sabia-se que o produto final não precisava necessariamente ter uma ligação direta com o jornalismo, apenas o fato de ser um documentário, peça jornalística, era suficiente. Por tal razão, em um primeiro momento, o objetivo da obra era relatar sobre a literatura de literatura de cordel como um todo. Apresentá-la ao público desde suas origens até os dias de hoje, passando pelos principais personagens referências na área, por esclarecimentos sobre sua métrica, influências, vertentes lírico e épico e outros. Entretanto, ao analisar a trajetória do relatório inicial, notou-se que o tema literatura de cordel era algo muito amplo. Em um segundo momento o objeto do trabalho em questão foi o cordel com viés noticioso. O intuito era comparar o jornalismo regional com livretos de cordel que, de alguma maneira, desempenhavam a mesma função do jornal: transmitir um fato ou notícia. Como o amadurecimento da pesquisa, a ideia ganhou nova forma, limitando-se a retratar o cordelista como mediador da informação através do cordel. Considera-se como informação, no caso, tanto notícias e críticas quanto conteúdo educacional. Traçou-se, então, o objetivo de trabalhar a peça com uma abordagem humanizada, apresentando outras facetas do mediador da informação, sem ser a engessada, normalmente utilizada na escola tradicional. E isto seria alcançado com a utilização de diversas câmeras, mostrando diferentes ângulos e detalhes dos entrevistados. Foi nesta fase de amadurecimento que tema do trabalho acabou por se constituir e realmente ganhar forma. Apresentar o cordelista como mediador da informação, de maneira poética e informativa, foi o recorte encontrado para unir as duas grandes peças que compunham o trabalho: literatura de cordel e jornalismo humanizado. Para que o documentário alcançasse as expectativas, fez-se necessário a realização de uma pesquisa aprofundada sobre o cordel, a sensibilidade no jornalismo e a composição de um documentário com viés poético. Para o estudo sobre o cordel foram utilizadas obras de autores como Mark Curran e Joseph Luyten, que apesar de não serem brasileiros citam em suas obras o encantamento pelo Brasil e, principalmente, pelo cordel. Ambos falam sobre o não reconhecimento do cordel como literatura e o pouco valor dado aos folhetos. Foram utilizadas também, as teses de doutorado de Carlos Oliveira, Jorge Oliveira e José Profiro; e o mestrado de Geraldo M. Menezes. Além de livros de Aderaldo Luciano, Franklin Maxado, Câmara Cascudo e outros. Todos estes livros serviram como referências bibliográficas para o aprofundamento sobre o cordel, sua origem, desenvolvimento e situação atual. Já para o entendimento da sensibilidade no jornalismo, a autora Cremilda Medina [32] e sua obra Povo e Personagem, serviram como fonte de conhecimento e inspiração para a realização do trabalho. Afinal, a autora fala de um jornalismo humanizado e ainda aponta a literatura como uma das maneiras de alcançar essa humanização. A percepção, observação e lida cotidiana se enriquecem, amplia-se a cosmovisão, assim como se ampliam as narrativas. Acima de tudo, a literatura ajuda o jornalismo a que este se torne mais humano. Para fortalecer o conhecimento sobre a realização de um documentário, utilizou-se da teoria de Sérgio Puccini, presente no livro Roteiro de Documentário, da pré-produção à pósprodução e da obra Introdução ao documentário de Bill Nichols. Assim, a produção de um documentário pôde ser estudada a partir de da importância do roteiro, da realização de entrevistas, utilização das câmeras e seus diversos ângulos, até a definição do tema, do formato e das inspirações do produto audiovisual. Para apresentar o lado sensível do jornalismo, por meio do documentário, optou-se por trabalhar a sensibilidade com o jogo de câmeras, a dinâmica das imagens e os ângulos explorados durante a captação, tentando demonstrar, assim, que o jornalista não precisa, necessariamente, aparecer junto às fontes para mostrar sua proximidade e humanidade quanto à história. Com o intuito de assimilar planos, sequências, cenários, erros e acertos, utilizou-se como referência para este trabalho a seleção de documentários e a história dos documentaristas. Entretanto, foram as obras audiovisuais citadas acima que exerceram maior influência nas percepções deste trabalho. Foi necessário entender como seria possível elucidar a relação construída entre as jornalistas e as fontes sem que isso fosse trazido com imagens. Além de entender como mostrar a história dos cordelistas de modo transparente Mesmo conhecendo as limitações referentes a equipamentos, imprevistos e desencontros com fontes, o objetivo primordial era de produzir um documentário de cunho jornalístico, mas que simultaneamente fosse um produto poético em sua abordagem, mediado de forma detalhada formato defendido pela jornalista Cremilda Medina. [33] A narrativa, baseia-se no que a autora Cremilda Medina [34] diz que é a partir de três princípios que ele poderá se tornar um mediador relevante e ter o destaque em suas abordagens. São eles a ética, técnica e estética. Considerando os conceitos elaborados pela autora, justifica-se a narrativa do cordel. De outro modo, a responsabilidade imposta ao comunicador impera na sua missão de transmitir algo exclusivo, único. 61

86 Desse modo, com o intuito de expandir as fronteiras do papel de comunicadoras exercido pelas integrantes do projeto, torna-se exclusiva e essencial a narrativa off do documentário em forma de cordel para completá-lo. A opção pela ausência dos integrantes do grupo no vídeo, entretanto, não deve ser entendida como um afastamento da relação entre o jornalista com a fonte, e, sim, como uma aproximação diferenciada, que objetiva aproximar a fonte do receptor, que seria o telespectador. Buscou-se tal aproximação por meio dos cortes e diferentes angulações. Na abertura do trabalho, não foram explicadas as intenções do mesmo, pois se considerou necessário e mais interessante que o receptor digerisse as informações no decorrer no documentário e não ter acesso a ela logo no início. Esta opção está baseada na ideia de que a informação não está apenas no tema, ou no que é dito no trabalho, mas também está inserida na maneira com que foram as imagens foram captadas e organizadas quanto a enquadramento, ângulos, cenas e até a própria edição. Afinal, mesmo que não haja a explicação sobre o documentário logo no seu começo, há a narrativa em off de cordel, o que torna a narrativa do trabalho e o próprio documentário com o ritmo e métrica característicos dessa literatura. Para alcançar a sensibilidade desejada, o roteiro foi idealizado em função de três câmeras, objetivando o maior alcance de detalhes, estejam eles presentes em gestos, olhares, movimentos ou contextualização das cenas. Esta escolha contradiz linhas de roteirização que exigem a função pré-estabelecida de repórteres, câmeras e editores 6. CONCLUSÃO Através da filmagem do documentário e do estudo sobre a Literatura de Cordel, ocorreu a descoberta de novos olhares sobre o assunto e a cosmovisão, levando a uma produção de sentidos, linguagem e subjetividades que fugiram do padrão presente no jornalismo tradicional. Referências [1] M. G. C. Fonseca. A literatura de cordel no processo de comunicação: os poetas como mediadores. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal RN, Disponível em: <http://www.intercom.org.br/sis/2012/resumos/r pdf> Acesso em: 12 mar [2] F. Maxado. O que é literatura de cordel. Rio de Janeiro: Codecri, [3] C. J. D. Oliveira. A formação da literatura de cordel brasileira. Faculdade de Filologia, [4] F. Maxado. O que é literatura de cordel. Rio de Janeiro: Codecri, [5] A. Luciano. História crítica do cordel brasileiro. São Paulo: Editora Luzeiro, [6] A. F. Costella. Introdução à xilogravura e história da xilogravura. Campos do Jordão: Mantiqueira, [7] A. Luciano. História crítica do cordel brasileiro. São Paulo: Luzeiro, [8] C. J. D. Oliveira. A formação da literatura de cordel brasileira. Faculdade de Filologia, [9] J. M. Luyten. A notícia na literatura de cordel. São Paulo: Estação Liberdade, [10] W. Lippmann. Opinião Pública. Rio de Janeiro: Vozes, [11] L. G. Motta. Narrativa Jornalística e Conhecimento Imediato de Mundo: Construção cognitiva da história presente. Porto Alegre: Comunicação&Política, [12] N. Traquina. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, [13] N. Traquina. Teorias do Jornalismo: porque as notícias são como são. Florianópolis: Insular, [14] C. Medina. Povo e Personagem. Canoas: Ulbra, [15] F. A. Alvee e R. N. N. Sebrian. Jornalismo humanizado: o ser humano como ponto de partida e de chegada do fazer jornalístico. Disponível em: < > Acesso em 10 maio [16] F. A. Alvee e R. N. N. Sebrian. Jornalismo humanizado: o ser humano como ponto de partida e de chegada do fazer jornalístico. Disponível em: < > Acesso em 10 maio [17] C. Medina. Povo e Personagem. Canoas: Ulbra, [18] L. G. Motta. Narrativa Jornalística e Conhecimento Imediato de Mundo: Construção cognitiva da história presente. Porto Alegre: Comunicação&Política, [19] J. Martín-Barbero e J. Polito. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UERJ, [20] M. Foucault. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, [21] F. Pena. O jornalismo Literário como gênero e conceito. Disponível em: <http://www.uff.br/contracampo/index.php/revista/article/viewf ile/349/152> Acesso em: 22 fev [22] J. K. Ijuim. Jornal e vivências humanas: um roteiro de viagem. Disponível em: < Acesso em: 02 de julho de [23] C. Medina. Povo e Personagem. Canoas: Ulbra, [24] J. K. Ijuim. Jornal e vivências humanas: um roteiro de viagem. Disponível em: < Acesso em: 02 de julho de [25] C. Lemos. Jornalismo e Ficção. Belo Horizonte: Em Tese [26] C. J. D. Oliveira. A formação da literatura de cordel brasileira. Faculdade de Filologia, [27] J. K. Ijuim. Jornal e vivências humanas: um roteiro de viagem. Disponível em: < Acesso em: 02 de julho de [28] L. G. Motta. Narrativa Jornalística e Conhecimento Imediato de Mundo: Construção cognitiva da história presente. Porto Alegre: Comunicação&Política, [29] B. Nichols. Introdução ao Documentário. São Paulo: Papirus, [30] S. Puccini. Roteiro de Documentário, da pré-produção à pós-produção. São Paulo: Papirus [31] B. Nichols. Introdução ao Documentário. São Paulo: Papirus, [32] C. Medina. Povo e Personagem. Canoas: Ulbra, [33] C. Medina. Povo e Personagem. Canoas: Ulbra, [34] C. Medina. Povo e Personagem. Canoas: Ulbra,

87 Professor Personagem: as Imagens do Professor em Os Teclados de Teolinda Gersão. Maria VASCONCELOS Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Marlise BRIDI Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO O presente estudo toma como base o romance Os Teclados, de Teolinda Gersão, uma das escritoras portuguesas que se destacaram a partir da Revolução dos Cravos em Portugal, ocorrida em Sua obra, iniciada em 1981, com o romance O Silêncio, conta com treze livros de ficção até o presente momento. De maneira bastante importante para a constituição dessa narrativa, conjuga-se a presença de tipos diversos de atuação de professores, pois, em referência ao título do romance, um dos elementos da obra é o ensino de piano. A obra, como romance de formação, coloca em evidência tanto a formação individualizada como a educação formal que, no século XX, universalizou-se como coletiva. Uma obra ficcional como Os Teclados propicia uma oportunidade privilegiada para reflexões acerca da condição do professor, do seu papel, de como pode ou deve ser a relação professor / aluno e, sobretudo, de que marcas os professores, personagens tão importantes na vida dos jovens, deixam na memória de seus alunos. A literatura (ou a arte) tem essa potencialidade: inquietar e apontar outros sentidos. Palavras-Chave: personagem-professor; literatura portuguesa; papel do professor; relação professor/aluno 1. INTRODUÇÃO Teolinda Gersão é uma das escritoras portuguesas que se destacaram a partir da Revolução dos Cravos em Portugal, ocorrida em Sua obra, iniciada em 1981, com o romance O Silêncio, conta com treze livros de ficção até o presente momento, dentre os quais Os Teclados, de 1999, objeto deste estudo. Se é que se pode reduzir a uma temática a obra de Teolinda Gersão, diríamos ser, senão única, uma de suas maiores preocupações a questão da comunicação humana que, obviamente, implica em seu contrário: a incomunicabilidade entre as pessoas. Observa, portanto, a dificuldade de comunicação em várias situações, desde as que apontam para as relações interpessoais mais estreitas como, por exemplo, as estabelecidas entre marido e mulher, até as mais abrangentes fundadas nas relações sociais de maior amplitude. Como estratégia estética, Teolinda Gersão trabalha o binômio comunicação / incomunicabilidade a partir do estrato linguístico de sua obra, investindo fortemente no plano da linguagem para exprimi-lo. 2. Os Teclados Em Os Teclados, é ainda o par (comunicação/incomunicabilidade) que surge como questão de fundo para a elaboração da trama. Romance de formação, a narrativa em terceira pessoa, mas muito próxima à protagonista, ou seja, apropriando-se em grande estilo da técnica do discurso indireto livre, coloca o leitor diante da sensação de máxima proximidade em relação à jovem Júlia que, na abertura do romance, é apresentada numa frase: Em criança ela rezava por Mozart. [1] O que caracteriza o romance de formação, como se sabe, é o acompanhamento do indivíduo normalmente desde a infância até o desabrochar de uma personalidade específica (seja ela positiva ou negativa, interessante ou inexpressiva) de uma figura individual que, por alguma razão, tenha despertado o interesse do romancista para constituir-se no centro de uma narrativa ficcional. Parece-nos óbvia a similaridade entre o romance de formação, como gênero, e o processo que se estabelece no âmbito da educação, ou seja, no escopo da relação professor-aluno como a entendemos atualmente. Cabem, entretanto, duas reflexões prévias. A primeira delas no que respeita ao desenvolvimento e transformação do romance, em geral, e do romance de formação, em particular, ao longo do tempo. Como apontam vários teóricos e historiadores, o romance moderno, como forma, surge intimamente ligado à ascensão da burguesia, o que vale dizer como um dos instrumentos de sua formação, seja qual for o sentido que se queira atribuir ao termo. Casos considerados paradigmáticos na transformação de indivíduos (como já se disse, modelares para o bem ou para o mal) justificam plenamente a busca de sua gênese e, portanto, o surgimento do romance de formação como gênero. Naquele momento, diga-se de passagem, o ensino que, como todas as instituições, demora a incorporar as mudanças estruturais da sociedade e da História, seguia ainda o modelo vigente anteriormente, a saber, o que se prestava à educação aristocrática. Nesse sentido, o romance de formação quase sempre se reporta à formação e ao estudo individualizado que famílias burguesas 63

88 abastadas ofereciam a seus rebentos num arremedo à educação dos príncipes ou, ao menos, à dos nobres. A título de exemplo, poderíamos lembrar apenas alguns poucos romances em que tal situação se apresenta. Para ficarmos apenas no âmbito das literaturas de língua portuguesa, são notáveis como romances de formação a primeira parte de Os Maias (1888) de Eça de Queirós em que a educação de Carlos da Maia fica a cargo do avô e, entre nós, o Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915) de Lima Barreto nosso malfadado Quixote nacional e ainda Amar, Verbo Intransitivo (1927) de Mário de Andrade. A rigor, em nenhum desses casos trata-se de educação aristocrática, mas burguesa: se o modelo é ainda o da educação dos nobres, as personagens são todas elas advindas e atuantes no espaço de sociedades burguesas. Sua educação (ou autoeducação no caso de Policarpo) é individual e personalizada, obedecendo a ditames de uma lógica particular e retrógrada de ascensão individual, de aparelhamento do indivíduo como herdeiro para melhor se haver com sua condição e papel social. Talvez a grande exceção nesse universo seja O Ateneu (1888), de Raul Pompéia, em que o cenário muda da educação individualizada para a grupal, ainda que, em última instância, seja ainda a elite economicamente privilegiada a protagonista do romance. O século XX, entretanto, caracterizar-se-á pela expansão e pela tendência à universalização do ensino o que redundou no progressivo abandono, como regra, do ensino individualizado e no incremento de métodos e de instituições para o ensino coletivo, ou seja, na constituição da escola como hoje a conhecemos (e que, talvez, vejamos declinar). Já no âmbito da segunda reflexão preliminar, o século XX, em acompanhamento à essa mudança estrutural e substantiva do papel da educação nas sociedades, tem visto o surgimento mais frequente, ainda que sub-reptício, de personagens professores, ou seja, personagens cuja caracterização e identidade estejam intimamente vinculada à sua condição de professor e, portanto, atuem no plano da narrativa como tal. Seria inapropriado destacar aqui como a presença do professor personagem se amplia ao longo do século XX e neste início de século XXI, mas podemos afirmar que sim; há, de fato, esse incremento. Ele acompanha o fato social de mais pessoas, com a institucionalização progressiva do ensino, exercerem a profissão de professor e, portanto, poderem ser personagens de obras ficcionais. No caso de Teolinda Gersão, é de sua biografia oficial o fato dela própria ser professora (Teolinda foi, ao longo da vida, professora universitária de Literatura Alemã e Literatura Comparada na Universidade Clássica de Lisboa), como de resto tem acontecido a várias outras escritoras portuguesas que, muitas vezes, têm como profissão de origem a de professora: Irene Lisboa, Lídia Jorge e Ana Luísa Amaral são exemplos deste fato. Ou seja, com a ampliação da categoria do professor na sociedade, lentamente se amplifica a presença de personagens que participam do enredo das narrativas justamente como professores, atuando em escolas públicas ou privadas, em um regime de relações interpessoais que incluem professor e alunos em espaço de sala de aula e em que o segundo elemento da equação aparece no coletivo (alunos). Normalmente, como não poderia deixar de ser, a relação é abrigada, na narrativa ficcional, sob a ótica de uma personagem individualizada, mas com um contexto coletivo e grupal, pois esta passa a ser a forma mais comum do relacionamento professor e aluno. Em Os Teclados, de maneira bastante importante para a constituição da narrativa, entretanto, conjuga-se a presença de tipos diversos de atuação de professores, pois, em referência ao título do romance, um dos elementos da obra é o ensino de piano. A obra, como romance de formação, coloca em evidência tanto a formação individualizada como a educação formal que, como já foi dito, no século XX, universalizou-se como coletiva. É mais comum, quando pensamos no professor como personagem, imaginá-lo exercendo suas funções num dos espaços onde se realiza a educação formal, institucionalizada, no espaço das instituições de ensino e suas salas de aula. No entanto, todos sabemos que a educação formal não dá conta dos múltiplos interesses e das variadas necessidades apresentadas pelo coletivo de sujeitos de um dado grupo social. Em Os Teclados, Teolinda Gersão nos apresenta cinco professores, personagens que cruzam a vida da pequena personagem Júlia, marcando-a de diferentes maneiras, mas todos com a importância daqueles indivíduos que, mesmo inconscientemente, auxiliaram-na/interferiram em seu processo de amadurecimento e na conquista de sua autonomia. Desses cinco professores, de quem falaremos mais adiante, apenas um, o professor de Matemática, lecionava regularmente no Liceu. Um outro, o tio de Júlia, tentou fazer as vezes de um professor, ensinando-lhe, desastradamente, música, num processo ocasional e não planejado, mas nem por isso menos importante porque definidor dos rumos de sua aprendizagem, causando-lhe, no entanto, mais sofrimento que prazer. Os demais estes sim profissionais do ensino não formal - eram professores de piano. Dois deles ministravam aulas particulares, nos domicílios de seus alunos, e o terceiro era professor de um Conservatório Musical, instituição que oferta cursos livres, voltados para a formação de músicos. Teolinda Gersão conta que, quando Júlia naquela altura autodidata toca ao piano, pela primeira vez, o tango Camiñito, seu tio, Octávio, assustado, percebe o inesperado talento da menina e passa a ensinar-lhe notas, acordes, escalas. Imbui-se, então, do papel de mestre e, no espaço doméstico, assume a condição de típico professor tradicional a quem mais importava o ensinar do que o aprender. Ele era o modelo a ser seguido, ele era o grande conhecedor de música e a Júlia, nessa sua condição de aprendiz, não cabia sugerir ou argumentar. Iniciava-se, assim, o aprendizado de Júlia, desde menina, uma amante sensível da música e do piano. É nesse momento que o acaso traz Madame Ortega à cena, [...] a professora mais conhecida da cidade, por cujas lições, segundo 64

89 se dizia, se pagavam fortunas [2]. Sem nunca ter sido professora de Luiza, essa professora, ao organizar uma audição de piano na qual seus alunos apresentavam-se para uma plateia composta, basicamente, por familiares e à qual Júlia compareceu para assistir, marcou as escolhas e a decisão da menina quanto a (não) tocar em público. Não conseguia compreender porque teria que, um dia, apresentar-se a um público que, ruidosamente, aprovaria ou não a sua arte. Não teria o músico o direito de existir sozinho, [...] sem depender das reações dos outros? [3]. Aquela apresentação formal, organizada por Madame Ortega, e que levou às lágrimas seus alunos fragilmente expostos, pareceu-lhe uma invasão e Júlia começou a preservar para si a sua relação com a música e com os teclados. Perdeu completamente a vontade de tocar. E quando o tio insistia, ela errava tudo. [4] A formalidade pomposa da audição, um rito típico da escola tradicional, mais voltada para o conteúdo e para o sucesso do professor do que para a aprendizagem e para a compreensão dos reais anseios dos alunos, afastou Júlia, ainda que temporariamente, do instrumento que tanto lhe dava prazer, como de sorte acontece, ainda hoje, com todos os alunos que a própria escola, indiferente, permite que se evadam. A partir daí, a contrariedade de seu tio/professor transformou-se em ira, diante de sua incompreensível (para ele) recusa em tocar. Inconformado com o que lhe parecia um desperdício imperdoável de talento, mandava-a treinar escalas, as quais ela errava sempre, de propósito ou sem querer, até que depois de [...] um tempo de perplexidades, hesitações e fúrias [...] o tio Otávio se desinteressou finalmente e desistiu de ensiná-la. [5] Passado algum tempo, por insistência da tia, Júlia é levada a retomar seus estudos de piano e começa a ter aulas com Claudemiro Palrinha, este sim aquele que ela viria a considerar seu verdadeiro professor, que [...] andava de porta em porta, dando lições de piano como se amolasse tesouras, consertasse guarda-chuvas ou vendesse pífaros de lata. [6] O professor Palrinha, respeitando seu talento, deixava-a tocar sem interrupções, a não ser quando entendia que um staccato ou legato devessem ser melhor sublinhados. Havia sempre depois [da aula] lugar para conversa [7], quando o professor lhe apresentava as nuances da teoria musical, saciando, assim, sua curiosidade e atraindo-a, cada vez mais, para os teclados. Esse deixá-la tocar do professor Palrinha, nada mais era do que uma estratégia de ensino, habilmente utilizada para desenvolver nela o gosto pelo instrumento, já que seu talento e potencialidade estavam demasiado evidentes para ele. A sensibilidade desse professor transformava-o em parceiro nesse processo de descoberta pelo qual ela passava. A seu lado, mesmo que estivesse apenas lendo uma partitura, ela se sentia segura para saborear a experiência da música. É neste ponto da narrativa que surge a figura de um outro professor, Rogério Souto, este sim ligado à educação formal, que ministrava aulas de Matemática no Liceu. Era um professor diferente: O que quer que dissesse, parecia dizê-lo sempre alegremente. Gostava de rir, e por vezes, se os alunos estavam cansados, suspendia a aula e mandava-os falar à toa, do que quisessem, só por falar. A certa altura interrompia-os, no meio de uma frase, e aí estavam de novo concentrados, prontos a seguir o seu raciocínio, para onde quer que ele agora os levasse. [8] E foi esse professor, instigador da curiosidade de seus alunos, com quem dividia o espaço da ação educativa numa relação mais democrática e horizontal, que lhe deixou [...] na mão uma chave, uma fórmula que abria o universo [...] [9], preenchendo de sentido o espaço caótico de suas ideias ao revelar-lhe a relação existente entre a Matemática e a Música. Unir a Música sua paixão aos conhecimentos matemáticos que a escola lhe propiciava serviu para alavancar seu interesse pelo processo de aprendizagem, tomado, agora, de um novo sentido. Do ponto de vista narrativo, essa cena em que o professor apresenta para a jovem Júlia e seus colegas uma especulação de ordem filosófica acerca das relações entre o número e o cosmos, entre a estrutura do cosmos e a da música [10], em particular para a personagem, constitui-se em uma verdadeira epifania, ampliando de maneira muito intensa sua percepção intuitiva de que algo havia, na Música, que ultrapassava o que até então lhe haviam ensinado. Sua reação às revelações do professor é, nesse sentido, reveladora: Aqui em baixo na terra só o ouvido subtil a podia alcançar: através de tudo o que existia podia ouvir-se, com esse ouvido interior, a harmonia superior que governava o mundo. Que se passa, Júlia? Porque ela deixara cair a pasta com estrondo e todos os livros se espalharam no chão. Algo a atingira, como uma pancada. O coração batia-lhe desordenadamente e não conseguia levantar-se da cadeira, embora a aula acabasse e todos começassem a sair em tropel. [11] É muito revelador que seja um professor especial, verdadeiramente interessado em que os alunos se transformem, que possibilite tal revelação a uma de suas alunas. No currículo engessado da educação formal, onde nem mesmo as disciplinas afins conversam entre si e a interdisciplinaridade é uma conversa sem sentido, esse professor, com sua ação centrada na aprendizagem de seus alunos, consegue romper barreiras e levar ao verdadeiro conhecimento, construído ativamente pela curiosidade epistemológica de Júlia que, de posse dessa nova perspectiva, abre-se, ainda mais, para a fruição de novos saberes. Seguindo em sua narrativa, Teolinda Gersão deixa-nos saber que, com o professor Palrinha, as aulas de piano se seguiram até o dia em que ele sofreu uma trombose [...] e o corpo lhe ficou tolhido de um dos lados [...] [12], não podendo, portanto, mais dar aulas. Os anos de convivência e de parceria afetuosamente estabelecida fizeram de Palrinha um professor respeitado por Júlia e um amigo querido a quem ela reverenciou e acompanhou até o fim de sua vida, visitando-o no lar de velhos, quando tudo o que podia fazer era ler com ele uma partitura. [13] E assim, com a perda do professor Palrinha, a quem ela era grata por tê-la reaproximado da música e do piano, Júlia, para prosseguir em seus estudos, vê-se diante de um teste com o 65

90 temido professor Mendonça, condição para que fosse aceita como aluna no Conservatório. Severino Mendonça, conhecido pelas partituras revistas e dedilhadas [14] por ele e que eram a base de seus cursos no Conservatório, era o verdadeiro modelo de um professor tradicional por excelência. Sujeito do processo de ensinoaprendizagem, a ele não importava o aluno, tratado como objeto. Era o todo-poderoso que decidia quem podia, ou não, estudar no Conservatório e fazia desse momento de avaliação um verdadeiro ritual que (equivocadamente) mais servia para reforçar sua reputação de grande professor. A tal ponto isso era verdadeiro, que se dava o direito de rejeitar, a priori, qualquer candidato a aluno seu, que tivesse estudado com Palrinha, professor a quem desprezava. Júlia, no entanto, acostumada a vencer algumas batalhas até mais difíceis do que essa (como as que desde menina foi levada pelo tio a enfrentar), não negou seu verdadeiro mestre Palrinha e forçou, mesmo assim, o poderoso Mendonça a ouvi-la tocar. Foi aceita. Decidiu que frequentaria as aulas [...] porque não tinha alternativa [15], mas com a certeza de que Mendonça jamais seria seu mestre, porque mestre é aquele que, além de ensinar o que o seu dever de ofício lhe pede, toca o coração e a inteligência de seu aluno, despertando-o para o prazer de aprender. Muito embora Os Teclados de Teolinda Gersão não se resuma a esse desfilar de professores formais e informais, e, ao contrário, seja uma obra com muitas e muitas reflexões significativas acerca de outros aspectos da formação de uma pessoa, representada pela personagem Júlia, não nos parece casual a presença tão marcante dessa outra categoria de personagens: o professor. 3. CONCLUSÃO Se o professor nesta obra de Teolinda Gersão não é o protagonista, já que este papel é reservado a menina Júlia, pudemos perceber pelo número e pela qualidade da construção das personagens professores a sua importância crucial para o desenvolvimento da narrativa. Cabe aos professores, neste caso, o papel principal naquilo que indicamos como central nos romances de formação. É importante ressaltar que este papel formador, em obras do gênero, nem sempre é cumprido por professores, mas muitas vezes por outros elementos de variada ordem, como os livros (muitas vezes sem qualquer referência a quem teria oferecido ao leitor a possibilidade de os ler, ensinando-o a fazê-lo), a vida mundana, a viagem ou até mesmo a sexualidade. Por outro lado, também são as personagens professores que estabelecem o fio condutor de Os Teclados, pois a narrativa é inteiramente pontuada por reflexões acerca do que é ser professor, ao lado do papel da arte, do significado da vida e do sentido das relações humanas. São os exemplos positivos e negativos dos professores, formais ou informais, que possibilitam o desenvolvimento da personagem que está em formação justamente como observadora e fruidora da arte, como quem busca o significado da vida e o sentido das relações humanas. Se outras personagens, como colegas e familiares, também participam do enquadramento da personagem protagonista, poderíamos contraditoriamente afirmar o protagonismo dos professores no todo da narrativa, que, se tecnicamente não são personagens protagonistas, são de importância fundamental para a formação da protagonista da narrativa. Cabe por fim ressaltar, que é em torno da Música que a formação da personagem Júlia se dá, mas que essa formação está longe de se restringir ao domínio dos teclados, pois vai muito além. Alcança sua maneira de ver e estar no mundo, posicionando-se como pessoa crítica, capaz de fazer valer suas opiniões e vontades, possuidora de um pensamento reflexivo a respeito de si e daqueles com quem é levada a se relacionar. Uma obra ficcional como Os Teclados de Teolinda Gersão propicia, então, uma oportunidade privilegiada para uma série de reflexões acerca da condição do professor, do papel que pode exercer sobre seus alunos, de como pode ou deve ser a relação professor / aluno e, sobretudo, de que marcas seus professores, personagens tão importantes por sua presença na vida dos jovens, deixam na tenra memória de seus alunos por terem partilhado com eles momentos tão intensos e fortes. A literatura (ou a arte) tem essa potencialidade: inquietar e apontar outros sentidos. Referências [1] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 09. [2] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 21. [3] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 23. [4] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 28. [5] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 28. [6] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 35. [7] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 32. [8] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 52. [9] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 54. [10] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 53. [11] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 58. [12] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 59. [13] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 59. [14] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p. 61. [15] T. Gersão. Os Teclados. Três Histórias com Anjos. Porto: Sextante, p

91 Entre velas e varinhas: uma viagem com Camões e J.K. Rowling. Débora VERWIEBE Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil Júlia RINALDI Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Alexandre GUIMARÃES Centro de Comunicação e Letras, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO O presente trabalho pretende discutir e apresentar uma proposta de trabalho que tem como público-alvo alunos do primeiro ano do Ensino Médio da rede particular de ensino da cidade de São Paulo. A proposta didático-pedagógica pretende estabelecer relações entre a obra clássica da Literatura Portuguesa, Os Lusíadas de Luiz de Camões, e a série clássica da literatura juvenil contemporânea, Harry Potter de J. K. Rowling, por meio de conceitos presentes nas epopeias como o herói, a viagem e o nacionalismo. Para tanto, far-se-á uma breve apresentação da escola em que se pretende aplicar o projeto; a área em que as aulas serão ministradas; a identificação e a justificativa do tema; a descrição das atividades realizadas em ambientes escolar e, por fim, o embasamento teórico que concede o suporte para a idealização da proposta. Palavras-Chave: Os Lusíadas; Harry Potter; Ensinoaprendizagem; Proposta pedagógica; Intermidialidade. 1. INTRODUÇÃO A escola escolhida para a aplicação deste trabalho é um colégio particular, localizado no bairro do Mandaqui, na Zona Norte de São Paulo. Os alunos que frequentam o mesmo pertencem, de modo geral, à classe média, possuindo assim maior acesso a diferentes formas de entretenimento, inclusive as que serão expostas neste trabalho: cinema e literatura. A escola possui uma biblioteca através da qual disponibiliza diferentes títulos aos alunos, entre eles os principais livros da série literária que será estudada neste trabalho: Harry Potter, de J. K. Rowling e a obra escolhida para trabalhar o Classicismo, Os Lusíadas, de Luís de Camões. O colégio disponibiliza aparelhos de multimídia e Data Show em algumas de suas salas de aula, também possuindo um espaço destinado ao uso desses aparelhos fora dessas salas específicas. Para a realização de nossa proposta, estes recursos serão necessários para a apresentação dos vídeos e trechos das adaptações cinematográficas da obra de referência. Os alunos-alvo deste trabalho estariam cursando a 1ª série do Ensino Médio, e considera-se que alguns deles já possuam conhecimento prévio sobre a série Harry Potter. Espera-se que estes alunos já tenham assistido aos filmes, ou que ao menos conheçam o enredo da saga - seriam alunos com maior acesso a cinemas e vídeo locadoras que disponibilizam títulos, e também à televisão, que transmite filmes. Caso nunca tenham tido contato com a série, esta será introduzida juntamente ao trabalho proposto. Entre estes alunos-alvo, acredita-se que existirão alguns que já cultivam o interesse por leitura, mas que a maioria tratar-se-á de alunos que possuem oportunidades de acesso a esse tipo de entretenimento, não possuindo, entretanto, o hábito de acessá-lo. 2. ÁREA E DISCIPLINA EM QUE A AULA SERÁ MINISTRADA Nosso projeto será desenvolvido nas aulas de Língua Portuguesa do colégio e manter-se-á principalmente em torno da área de Literatura Portuguesa, sendo que as aulas de português voltadas para literatura ocorrem uma vez por semana, conforme consta no currículo obrigatório da escola. 3. IDENTIFICAÇÃO E JUSTIFICATIVA DO TEMA O tema escolhido é "O ensino de Os Lusíadas, de Camões, a partir de um estudo da série Harry Potter". Nossa escolha foi baseada A escolha de Os Lusíadas deu-se devido à grande relevância dada ao tema em sala de aula: há grande foco no ensino do período clássico para os alunos do Ensino Médio no Brasil. O problema é que, na maior parte das vezes, eles não têm interesse e encontram grande dificuldade em entender os assuntos sobre os quais falam os textos, e a maneira em que são escritos em si, nesse período literário. Deslocar-se para uma realidade distante a fim de compreender melhor os temas utilizados pode ser complicado para adolescentes que não costumam ter muito interesse em ir além. Justificamos nossa escolha de tema pela nossa tentativa de despertar nos alunos outra visão do Clássico: mostrar que ser Clássico não quer dizer ser velho, que naquilo que para ele é atual também podemos encontrar essas mesmas características - e é essa reincidência que, inclusive, justifica o nome do período em si. Ao mostrarmos esse outro modo de ver para os alunos, 67

92 esperamos que o aprendizado seja menos complicado e mais significativo. Os temas relacionados a Os Lusíadas e ao período clássico, por consequência, que receberão maior enfoque durante nossas análises foram definidos levando em consideração, aquilo que consideramos mais importante para a compreensão geral do aluno sobre essa obra e momento literário. Embora pretendamos apontar diversas características, não há tempo hábil para desenvolver todos os temas envolvidos e, por isso, pretendemos dar enfoque às características épicas presentes no livro de Camões e de J.K. Rowling.. Acreditamos que a saga Harry Potter seja um bom modo de estabelecer as relações necessárias entre a literatura básica que os alunos realmente precisam conhecer e aquilo que gostam e que neles desperta interesse. A partir daí, esperamos que trabalhar o conteúdo torne-se uma tarefa muito mais simples e prazerosa. 4. ATIVIDADES DE AULA As aulas serão organizadas de modo a permitir a compreensão dos alunos de modo mais natural. Primeiramente será apresentado o conteúdo através dos vídeos da série Harry Potter, de J.K. Rowling, buscando estabelecer relações com a história de Portugal, sua identidade e sua sociedade. Uma análise geral de Os Lusíadas, de Luís de Camões, será feita a partir disso, sendo que apresentaremos aos alunos a estilística usada na construção da obra e os elementos básicos da sua história. Com essa relação intertextual estabelecida entre as obras, pretende-se que o conteúdo seja compreendido a partir das diferenças e das semelhanças entre as mesmas, bem como que os alunos percebam a importância de Os Lusíadas como grande representante e reflexo do período. A relação entre as duas obras será mostrada através de diversas mídias, sendo a principal delas a exibição de vídeos elaborados com trechos dos filmes da saga Harry Potter, os quais resumirão os conteúdos que serão trabalhados para e com os alunos. Com eles serão introduzidas características épicas e clássicas para os alunos. Os livros também serão utilizados nesse processo, considerando-se importante estabelecer contato dos estudantes com a literatura em sua forma mais original. Após as comparações apresentadas (por meio das diversas mídias), haverá sempre uma conversa com a turma sobre as mesmas (mesmo que o tempo restante após exibir os vídeos, por exemplo, seja curto, essas discussões deverão existir para que os alunos não deixem de ser estimulados quanto aos temas trabalhados). O professor deverá tomar o cuidado, logo na primeira aula, de perceber se há algum tipo de preconceito dos alunos com a obra de J.K. Rowling - caso esse seja o caso, o docente poderá explicar que, mais adiante, cada aluno trabalhará com os temas que mais lhe parecerem adequados e interessantes. Os principais temas abordados serão o herói, a viagem, o destino, o nacionalismo e o amor. Essas relações serão apresentadas para os alunos da seguinte forma: O conceito de herói, a viagem e o nacionalismo Esse será um importante ponto a ser discutido com os alunos. Na saga Harry Potter, por exemplo, há vários heróis, mas focaremos no personagem principal para explicar o conceito mais claramente. O Dicionário Houaiss da língua portuguesa apresenta algumas definições para o termo herói, dentre as quais: herói: 3. p. ext. indivíduo notabilizado por suas realizações, seus feitos guerreiros, coragem, abnegação, magnanimidade etc. 4. p. ext. indivíduo capaz de suportar exemplarmente uma sorte incomum (p. ex., infortúnios, sofrimentos) ou que arrisca a vida pelo dever ou em benefício de outrem [...] 7. p. ext. principal personagem de uma obra de literatura, dramaturgia, cinema, etc. [1] Hilário Franco Júnior apresenta o herói clássico de forma similar à terceira definição, dizendo que este seria "um ser glorioso, lembrado pelas gerações futuras devido a seus feitos e sobretudo à maneira pela qual os realizou." [2] A definição número sete traz a ideia mais comum que se tem sobre o que é um herói. Será importante mostrar para os alunos algumas das características próprias do herói clássico: são personagens altruístas capazes de se doar e agir em prol de sua pátria ou de um bem maior. O herói é, também, capaz de lidar com diversas situações consideradas, muitas vezes, inviáveis como nos confirma a quarta definição do dicionário Houaiss. Finalmente, é importante que se mostre aos alunos que o herói, como afirmado por Franco Júnior e descrito na terceira definição do dicionário, difere-se dos demais indivíduos de uma história em geral devido a realizações grandiosas e, por isso, apesar de representar um indivíduo humano comum, acaba por sobrepor-se e destacar-se dos demais personagens envolvidos na trama. O herói clássico representa, de modo geral, um símbolo para determinadas nações e é aí que se encaixa o nacionalismo já citado como característica heroica: esse indivíduo lutará não só por aquilo que acredita mas por aqueles que deve proteger. Em Harry Potter, o personagem principal luta por aqueles que ama e chega a sacrificar sua própria vida em nome da nação bruxa durante a batalha final, quando rende-se ao Lorde Voldemort. Em Os Lusíadas, embora não vejamos uma batalha tão claramente, as viagens de Vasco da Gama destinam-se à conquista de territórios para sua pátria, Portugal. Em ambos os casos, as aventuras que se desenrolam, derivam de certa devoção às origens e às crenças de cada personagem. O ensino da visão de o que é um herói deve mostrar, também, a presença de um caminho que será percorrido pelo mesmo: sempre haverá uma trajetória repleta de obstáculos que deverão ser superados pelo personagem heroico. No vídeo que será apresentado aos alunos como introdução ao tema, estará resumida a história de Harry Potter e, consequentemente, a viagem por ele percorrida e os obstáculos por ele enfrentados. Comparar-se-á essa situação à viagem marítima de Vasco da Gama, repleta de empecilhos que acabam por ser, também, superados. Espera-se estabelecer uma relação direta, portanto, entre Harry Potter e Vasco da Gama, expondo as semelhanças entre ambos os heróis e facilitando o processo de aprendizagem dos alunos. 68

93 O destino Embora o destino possa parecer um tema bastante relacionado à viagem em si, seu conceito precisará ser explicado de forma diferenciada. Para o herói clássico, o destino desenvolve papel fundamental na trama ocorrida. Embora possa-se argumentar que uma pessoa poderia simplesmente fazer algo diferente daquilo que supostamente estaria previsto, os personagens clássicos vivem aventuras repletas de detalhes que se interligam a ponto de não gerar outros finais plausíveis pelo menos não à primeira vista. Como explicitado por Jeremy Pierce em seu artigo O destino no mundo dos Bruxos, presente no livro A versão definitiva de Harry Potter e a Filosofia: Hogwarts para os trouxas: Essas circunstâncias advindas da sorte parecem por demais fáceis se não há alguém guiando os acontecimentos na direção de certos resultados. Essa visão pode não se encaixar no que Rowling pretendeu dizer quando negou o destino e o que Dumbledore diz quando insiste que Harry ou Voldemort poderiam ter feito algo contrário à profecia. [...] a história faz mais sentido se houver uma explicação mais profunda, providencial das ocorrências fortuitas. Do contrário, Harry e seus amigos têm apenas uma sorte incrível! [3] Ou seja, ainda que a existência do destino na trajetória dos heróis possa ser discutida, de modo geral ele acaba sendo a única explicação para a ligação presente entre os acontecimentos de uma trama - e isso aplica-se tanto à série Harry Potter quanto a Os Lusíadas. No caso da primeira série, comentaremos a existência das profecias, que guardam visões daquilo que estaria predestinado a acontecer; já no caso da obra de Camões, mostraremos aos alunos o episódio do velho do Restelo, e as advertências por ele feitas - advertências essas que também pressupõe a existência de um destino pré-definido. O amor O amor quase sempre manifesta-se de forma bem intensa durante o período clássico, mesmo que brevemente - e em Harry Potter isso também ocorre. Podemos observar na série diversas manifestações do amor: o amor de casal (Harry Potter e Gina Wesley; Severo Snape e Lílian Potter etc.) e o próprio amor nacionalista, por exemplo. Em comparação a esses exemplos, contaremos a história de Inês de Castro aos alunos: a dama fora coroada depois de morta e, embora apareça de modo bem distinto, ainda podemos mostrar para os alunos a relevância desse tema em obras clássicas. Como atividade avaliativa, será pedido aos alunos uma comparação de algum conteúdo (de livre escolha) com a obra de Camões. Para realizá-las, os mesmos poderão fazer colagens, gráficos, esquemas visuais ou vídeos, por exemplo. A realização desse trabalho poderá ser em trios ou em um número próximo, de acordo com a quantidade exata de alunos por sala (totalizando um total de cerca de dez grupos) e, inicialmente, os mesmos deverão apenas organizar os grupos e definir uma comparação que agrade à todos os seus membros. O professor deverá escutar as ideias propostas para definir se as comparações feitas realmente relacionam-se ao Classicismo e, caso isso não aconteça, para auxiliar os alunos a encontrar outra comparação, explicando-lhes o porquê do tema que escolheram não poder ser utilizado. Após esse auxílio inicial, o professor deverá predispor-se a ajudar os alunos sempre que necessário no final/começo de suas aulas antes da data de entrega dos trabalhos, caso surjam novas dúvidas. Os estudantes terão duas semanas para finalizarem suas ideias, durante as quais o professor começará o conteúdo seguinte presente em seu planejamento, já que provavelmente haverá outros conteúdos a serem ministrados no mesmo bimestre. 5. REFERENCIAL TEÓRICO Professores em sala de aula devem se preocupar em transmitir conhecimento sem valorizar apenas a memorização mas, também, a aplicabilidade daquilo que está sendo lecionado. A aplicação do conteúdo a ser trabalhado em sala de aula deve ser feita de modo a despertar o interesse dos alunos, pois é a partir disso que o mesmo conseguirá, de fato, compreender para que serve aquele conhecimento e, só então, será capaz de aprendê-lo de fato de forma mais efetiva. Um conteúdo bem trabalhado pelo professor pode ampliar a visão de mundo dos alunos, podendo tornar-se um assunto prazeroso a estes de modo, até, a cultivar seu interesse por diferentes áreas relacionadas ao assunto em questão. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais, ressalta-se: A compreensão da arbitrariedade da linguagem pode permitir aos alunos a problematização dos modos de ver a si mesmo e ao mundo, das categorias de pensamento, das classificações que são assimiladas como dados indiscutíveis. [4] Ou seja, um assunto pode ser capaz de ampliar a visão do aluno com relação a si mesmo e, por consequência, com relação ao mundo. Mas para que isso seja possível, é fundamental que a escola auxilie seus alunos na compreensão de temas, a fim de permitir que cresçam se desenvolvendo também intelectualmente. O professor deve ser capaz de mostrar possíveis usos para os conteúdos determinados pela escola, pois isso contribuirá para que o aluno perceba a utilidade do que está aprendendo, evitando com isso que entenda a aula apenas como o ensino de conteúdo obrigatório que não terá utilidade em sua vida. Para que isso ocorra de maneira satisfatória, o profissional da educação precisa conhecer e compreender o universo em que seus alunos estão inseridos e utilizar-se daqueles elementos presentes no dia a dia dos mesmos que venham a ter relação com o conteúdo que se deseja ensinar. Se o professor tiver essa visão, poderá fazer uso de diferentes linguagens e mídias para transmitir esse conteúdo aos seus alunos. Algumas mídias podem ser trabalhadas em sala de aula, como o videoclipe, o cinema e a televisão. Sua utilização pode ser bastante satisfatória, uma vez que são capazes de entretê-los durante um maior período de tempo, já que nelas emprega-se uma linguagem constante na vida dos estudantes. Os autores Alexandre Huady Torres Guimarães, José Maurício Conrado Moreira Silva e Marcos Nepomuceno Duarte trazem a questão no livro Linguagens na sala de aula do ensino superior, organizado por Helena Bonito Couto Pereira e Maria Lucia Carvalho Marcondes Vasconcelos: 69

94 A educação brasileira passou, nas ultimas décadas, em todos os seus níveis, por uma série de transformações. Saímos, depois da década de 70, de uma visão de ensino tecnicista e fechada, entre as paredes das diretrizes ditatoriais, para uma educação que convive [...] com um mundo habitado por tecnologias que já tomaram o gosto dos educandos. [5] É muito importante que o professor preocupe-se com o modo de ser dos alunos, pois os mesmos trazem essa maneira de agir e de pensar para a sala de aula, e essas características devem ser respeitadas, como defende Paulo Freire em seu livro Pedagogia da Autonomia: Por isso mesmo pensar certo coloca ao professor ou, mais amplamente, à escola, o dever de não só respeitar os saberes com que os educandos, sobretudo os da classes populares, chegam a ela - saberes socialmente construídos na prática comunitária - mas também, como há mais de trinta anos venho sugerindo, discutir com os alunos a razão de ser de alguns desses saberes em relação com o ensino dos conteúdos. [6] O ensino deve voltar-se à agregação de novos conteúdos ao conhecimento já existente em cada um deles; desse modo, o aluno seguirá aprendendo sem precisar abrir mão daquilo que já conhece e gosta (ou não). A adaptação aos novos gostos dos alunos dependeu e ainda depende dos métodos de ensino utilizados pelos professores, que precisaram ser alterados para que acompanhassem o ritmo dos educandos e dos tempos. Com o avanço da tecnologia cada vez mais presente na vida cotidiana, o professor teve que encontrar um modo de despertar a atenção dos jovens, que perdem o foco constantemente devido ao maior interesse em usufruir destas tecnologias o tempo todo. Uma das alternativas para isso foi a inserção das mídias em sala de aula. Diante desta busca por ferramentas que inovem a educação, os autores do livro Linguagens na sala de aula do ensino superior dizem que a questão metodológica, [...] esbarra, entre outras questões, nas próprias diretrizes da escola, na parca formação de alguns profissionais [...], dentre outros haveres [7]. Há de se ressaltar que alguns professores não estão preparados para sair do método tradicional de ensino e adaptar-se a esta nova realidade dos alunos, cercada de tecnologia. Além da falta de preparo de alguns professores, muitos docentes que, por sua vez, estão abertos a estas transformações na educação, enfrentam as vertentes das escolas, tanto do corpo administrativo quanto do corpo docente e discente, que ainda são centradas na educação tradicional. O professor que acredita nestas inovações deve mostrar os benefícios destas diferentes mídias, já tão presentes no cotidiano dos alunos. Deve-se ressaltar que utilizar material distinto e mais interativo permite que o aluno aprenda de uma maneira diferente, não focada apenas no material escolar, mas sim naquilo que está presente na vida dele fora da escola. Os autores afirmam que, O videoclipe é apenas mais uma ferramenta, próxima da realidade do discente da educação básica, que pode tornar o cotidiano escolar mais prazeroso, menos repetitivo, mais questionável [8]. Esta afirmação reforça a ideia de trazer para a sala de aula elementos presentes no dia a dia dos alunos que contribuirão para que estes consigam identificar-se com o conteúdo e encontrem prazer naquilo que estão aprendendo na escola. Segundo os mesmos pesquisadores, A partir deste ponto de vista, uma análise cultural do videoclipe pode ser considerá-lo como parte de uma cultura, sendo impossível de ser desconectado de outros contextos [9]. Esta afirmação pode ser trazida como argumento para a inserção desta e de diferentes mídias no ambiente escolar, ou seja, apontar estes meios de comunicação como pertencentes à cultura, pois refletem o meio social em que o aluno está inserido, além da sala de aula, através de um código visual e por meio de sons que permitem diferentes sensações e emoções de acordo com aquilo que está sendo mostrado e, também, sentido pelos próprios espectadores. Para aplicar essa teoria nas aulas sobre Classicismo, decidimos elaborar um videoclipe que resumisse a série Harry Potter, tema principal que será utilizado para a explicação do conteúdo desejado. A motivação para organizar o vídeo com esse tema foi o fato de que não seria possível passar os oito filmes da série para os alunos, mas consideramos importante introduzir o tema de forma rápida e ao mesmo tempo abrangente, para que os alunos que não conhecem a história possam perceber o contexto em que se passa e, os que já conhecem, possam relembrá-la de um modo não cansativo. Essa introdução é importante para que seja possível para eles compreender o Classicismo a partir de Harry Potter. Outra ferramenta que pode ser uma alternativa na busca de inovação à educação é o cinema, linguagem que, bem como o videoclipe, envolve o texto imagético, o texto sonoro, o texto verbal e que é capaz de transmitir diferentes realidades por meio de sua narrativa. Para estender um pouco mais o trabalho com os alunos para os quais aplicaremos nosso projeto, escolhemos mostrar as características clássicas a partir de trechos da saga que acreditamos se relacionar melhor com o Classicismo. Desse modo, antes de apresentar o texto clássico escrito, esperamos que os alunos já tenham compreendido de que se trata determinada característica, para que possam identificá-la na escrita. A professora Helena Bonito Couto Pereira, na mesma obra citada anteriormente, traz, em seu capítulo Em confluência: literatura, cinema e ensino, a ideia da inclusão desta linguagem como ferramenta para o ensino nas aulas de literatura na educação básica: [...] as aproximações entre linguagens literária e linguagem cinematográfica, possibilitaram a expansão dessa herança a conceitos críticos como o de texto, realçado pela força com que o dialogismo e a intertextualidade impregna atualmente [10] A utilização de diferentes mídias e artes como instrumento didático-metodológico pode possibilitar questionamentos formulados pelos educandos, participação essa que contribui para a formação de um cidadão crítico, que não aceita um conceito somente porque este foi dito a ele, mas porque foi trabalhado por meio de diferentes pontos de vista para que a opinião dele pudesse ser construída. 70

95 Napolitano descreve a importância deste meio artístico para a cultura e para a educação: Trabalhar com o cinema em sala de aula é ajudar a escola a reencontrar cultura ao mesmo tempo cotidiana e elevada, pois o cinema é o campo no qual a estética, o lazer, a ideologia e os valores sociais mais amplos são sintetizados numa mesma obra de arte. [11] Retomando o pensamento da professora Helena Bonito que descreve acerca da formação de cidadãos críticos, capazes de fazer diferentes leituras, Napolitano diz: A diferença é que a escola, tendo o professor como mediador, deve propor leituras mais ambiciosas além do puro lazer, fazendo a ponte entre emoção e razão de forma mais direcionada, incentivando o aluno a se tornar um espectador mais exigente e crítico. [12] Ou seja, além de aplicar um recurso agradável ao olhar dos alunos, a utilização de mídias pode e deve estimular a leitura intertextual de diferentes apresentações dos conteúdos que serão aprendidos na escola. 6. CONCLUSÃO A inserção de mídias na sala de aula não é importante só para que o aluno assimile melhor o conteúdo. Como dito por Louis Porcher, e transcrito no livro Educar com a mídia: novos diálogos sobre a educação, de Paulo Freire e Sérgio Guimarães: [...] É que as pessoas, permanentemente, isto é, desde que acordam até a hora de dormir, enviam mensagens curtas umas às outras para dizer qualquer coisa: que o tempo está lindo, que eu te amo, que Balzac é um grande homem, o que for; e, ao mesmo tempo, fazem outra coisa. Afinal, isso é surpreendente, não? É uma espécie de dominação. [13] Os alunos fazem parte dessa nova geração em que se manda mensagem ao mesmo tempo que se faz outra coisa, e é preciso que o docente conviva e aprenda a lidar com isso. Um dos maiores desafios é tornar a aula interessante para eles, que costumam se distrair muito facilmente, e trabalhar com a mídia é uma forma bastante interessante de manter a atenção do aluno naquilo que está sendo explicado. projeto. As teorias de utilização da mídia em sala de aula em conjunto com os conceitos teóricos relacionados às obras clássicas deverão ser utilizadas em conjunto para que os alunos compreendam o tema de maneira indutiva e, também, descontraída. Referências [1] A. Houaiss e M. de S. Villar. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, p [2] H. Franco Júnior. A Eva Barbada. São Paulo: EDUSP, p [3] W. Irwin e G. Bassham. A versão definitiva de Harry Potter e a filosofia: Hogwarts para os Trouxas. São Paulo: Madras, p. 56. [4] Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. 2. ed. Rio de Janeiro: DP & A Editora, p. 5. [5] A. H. T. Guimarães, J. M. C. M da Silva e M. N. Duarte. O videoclipe na sala de aula. In H. B. C. Pereira e M. L. M. C. Vasconcelos. Linguagens na sala de aula do ensino superior. 2. ed. Niterói: São Paulo: Intertexto; Xamã, p [6] P. Freire, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 41. ed. São Paulo: Paz e Terra, p. 16. [7] A. H. T. Guimarães, J. M. C. M da Silva e M. N. Duarte. O videoclipe na sala de aula. In H. B. C. Pereira e M. L. M. C. Vasconcelos. Linguagens na sala de aula do ensino superior. 2. ed. Niterói: São Paulo: Intertexto; Xamã, p [8] A. H. T. Guimarães, J. M. C. M da Silva e M. N. Duarte. O videoclipe na sala de aula. In H. B. C. Pereira e M. L. M. C. Vasconcelos. Linguagens na sala de aula do ensino superior. 2. ed. Niterói: São Paulo: Intertexto; Xamã, p [9] A. H. T. Guimarães, J. M. C. M da Silva e M. N. Duarte. O videoclipe na sala de aula. In H. B. C. Pereira e M. L. M. C. Vasconcelos. Linguagens na sala de aula do ensino superior. 2. ed. Niterói: São Paulo: Intertexto; Xamã, p [10] H. B. C. Pereira. Em confluência: literatura, cinema e televisão. In H. B. C. Pereira e M. L. M. C. Vasconcelos. Linguagens na sala de aula do ensino superior. 2. ed. Niterói: São Paulo: Intertexto; Xamã, p. 71. [11] M. Napolitano. Como Usar o Cinema em Sala de Aula. 4. ed. São Paulo: Contexto, p. 11. [12] M. Napolitano. Como Usar o Cinema em Sala de Aula. 4. ed. São Paulo: Contexto, p. 15. [13] P. Freire e S. Guimarães. Educar com a mídia: novos diálogos sobre a educação. São Paulo: Paz e Terra, P A aplicação do conteúdo por meio de relações entre diferentes meios também é importante para que o estudante consiga lembrar desse conteúdo posteriormente. Por isso optou-se por utilizar os vídeos da saga Harry Potter, e não apenas os livros, pois as imagens e o som colaboram para a manutenção da mínima atenção do estudante aos acontecimentos, atenção essa fundamental para a compreensão do conteúdo escolar ministrado - além de tornar a aula mais agradável e interativa. A proposta aqui apresentada, parte da importância em se desenvolver relações intertextuais e midiáticas durante as aulas, com o fim de ampliar o conhecimento e a visão do aluno. É a partir da imersão do aluno no conteúdo aplicado que planejamos ministrar o conteúdo relacionado ao Classicismo durante esse 71

96 Solución de Ecuaciones Diferenciales tipo Bilaplaciano para la Simulación de MEMS tipo acelerómetro José D. ALANIS División de Tecnologías de la Información y Comunicación, Universidad Tecnológica de Puebla Puebla, Puebla, 72300, México Blanca BERMUDEZ Facultad de Ciencias de la Computación, Benemérita Universidad Autónoma de Puebla Puebla, Puebla, 72570, México y José L. Hernández Rebollar Facultad de Ciencias de la Electrónica, Benemérita Universidad Autónoma de Puebla Puebla, Puebla, 72570, México RESUMEN En este artículo se presenta la solución numérica de una ecuación diferencial parcial del tipo bilaplaciano para simular el comportamiento de la deformación de un MEMS (Micro Electro Mechanical Systems, por sus siglas en inglés) del tipo acelerómetro. El modelo físico de este dispositivo es una placa rectangular simplemente apoyada, sujeta por los cuatro extremos y se le aplica una fuerza inicial sobre toda la superficie de forma sinusoidal y como resultado de la vibración se tiene una deformación. Seguidamente se obtiene un modelo matemático que resulta ser una ecuación diferencial parcial que tiene un laplaciano elevado al cuadrado, es decir un bilaplaciano. La solución numérica de la ecuación diferencial parcial tipo bilaplaciano se realizó usando el lenguaje de programación Java, mediante el método de diferencias finitas aprovechando las ventajas del paradigma orientado a objetos y la potencia del lenguaje de programación. Los resultados de la simulación numérica resultan aceptables para este problema en particular y son un primer paso hacia la simulación con visualización mediante la técnica de simulación denominada modelado basado en física. Este mismo método se puede utilizar como base para la simulación de otro tipo de dispositivos, tomando como base este método. Palabras Claves: MEMS tipo acelerómetro Ecuaciones Diferenciales Parciales, EDP tipo Bilaplaciano. Modelado Basado en Física. 1. INTRODUCCIÓN Se puede definir a los MEMS (Micro Electromechanical Systems: por sus siglas en inglés) como una forma de diseñar y desarrollar sistemas electrónicos y mecánicos en una escala en el orden de los micrómetros [2] Los efectos de la aplicación de los MEMS en dispositivos más complejos ó adaptarlos como sensores, actuadores, narices electrónicas, se pueden percibir incluso a gran escala. Lo anterior es utilizado para instrumentar soluciones que generalmente son utilizadas en aparatos electrónicos que obtienen medidas o parámetros del mundo real[2][4][1].en la Figura 1 se puede observar un uso común del MEMS tipo acelerómetro dentro de la industria de los dispositivos móviles para controlar la orientación de la pantalla. Figura 1 Aplicaciones del MEMS tipo Acelerómetro en la Industria de los dispositivos móviles. Existen en la literatura acerca del comportamiento de placas y los materiales que las conforman, conocimientos que si bien no son nuevos, aportan un entendimiento particular del tema en cuestión, entre los que más se ha apoyado esta teoría esta Timoshenko [6], en su obra el autor señala que es necesario conocer la física, más precisamente la mecánica del comportamiento de los placas que involucran fuerzas, tensiones y presiones que se aplican sobre el material. De esta forma se puede describir un MEMS tipo acelerómetro de forma general, como una placa, similar a un plato elástico delgado y forma rectangular, simplemente apoyada sujeta por ambos extremos, la deformación del material se da en el plano perpendicular es decir el eje Z. Esto es debido a que se tiene una función de deformación en dos dimensiones x y y, por lo tanto la deformación se mide en dirección de z [2][6]. La obtención de la deformación del material es importante para la construcción de dispositivos del tipo acelerómetro e implementar soluciones electrónicas más complejas. La simulación de este fenómeno ahorra costos en la construcción especializada de materiales, ahorro en tiempo y esfuerzos necesarios para lograr buenos resultados. Actualmente se cuenta con software especializado para realizar la simulación de la deformación de materiales, sin embargo son costosos computacionalmente hablando, y el pago de licencias, aplicaciones adicionales y capacitación han vuelto prohibitivo contar con esta clase de herramientas para modelar y simular los materiales ó los dispositivos [2][5]. Por todo lo anterior y mediante el uso de la técnica de simulación del modelado basado en física, utilizando software libre para generar una propuesta de solución que abata los costos computacionales, pago de licencias y esfuerzos, logrando así una implementación que simule la deformación con visualización del problema planteado. 72

97 Para lograr la simulación ya descrita, es necesario obtener un modelo matemático derivado del estudio de la deformación del acelerómetro sujeto a una fuerza bidimensional. Este modelo matemático es generalmente una ecuación diferencial parcial [4] [6] En este trabajo se presenta la solución numérica de una ecuación diferencial parcial del tipo bilaplaciano, mediante el método de diferencias finitas, implementado en Java. Primeramente se describe un modelo matemático representado por una ecuación diferencial parcial y de la cual se tiene un resultado analítico con el que se puede comparar los resultados obtenidos numéricamente. En la Sección 2 se presenta el modelo matemático que es la ecuación diferencial parcial que describe la deformación del acelerómetro, con las condiciones iniciales para dicho dispositivo. En la Sección 3 se describe el método de diferencias finitas aplicado a esta ecuación diferencial, como base para la simulación numérica de la mencionada ecuación y sus parámetros que son necesarios para la solución numérica. En la Sección 4 se presentan los resultados obtenidos en la simulación numérica, dada la instrumentación de la solución realizada en la sección anterior. En la Sección 5 se presentan las conclusiones y trabajos actuales y futuros del trabajo que se está realizando. 2. MODELO MATEMATICO Un acelerómetro es una placa indeformable que puede ser rectangular ó cuadrada, que se sujeta en un extremo ó en todos sus extremos [1] [2] [6]. Para entender un acelerómetro sujeto por todos sus extremos y que recibe un impulso eléctrico que lo hace vibrar, de tal forma que ese impulso provoca la deformación en el eje de las z, que es el principal objeto de estudio para casi todos los MEMS [1][2][6] como se puede apreciar en la Figura 1 la cual representa un acelerómetro simulado. Figura 2. Placa de un acelerómetro simulada con COMSOL A continuación, en la Figura 3, se ilustra algunas de las fuerzas que intervienen en un acelerómetro, que en este caso van a provocar la deformación de la placa en cuestión, dada la aplicación de un impulso electrónico en el eje Z. De esta manera la ecuación que gobierna la deformación del movimiento de un MEMS de tipo acelerómetro, como el que se ha mencionado viene dada como [1][6]: Donde es la deformación del material y q es la intensidad de la fuerza que se aplica a la placa. Dicha fuerza se puede describir en términos de la siguiente ecuación[4][6]: Donde es la fuerza en el centro del plato, el parámetro, es la rigidez que el material opone a la flexión, y está determinado como sigue[6]: De la ecuación (3), tenemos los siguientes significados [6]: E es el modulo de Young ó modulo de tracción, es una medida de caracterización de los materiales que mide el grado de rigidez de un material elástico. I es el momento de inercia, esto es la resistencia de un material a la flexión, de acuerdo a esto, el mayor momento de inercia se da antes de que el material se doble por completo. v es el radio de Poisson, que es la relación de contracción a la tensión transversal al eje donde se ejerce la tensión o impulso. Para este problema utilizaremos los siguientes parámetros para la solución de la ecuación diferencial, merece la pena mencionar que no son resultado de otras simulaciones, sino más bien proceden de la experimentación en el ICBUAP 1, y a continuación se presentan en la tabla1 [1][2][6]: Silicio Modulo de Young 13 x10 10 Momento de Inercia 2330 Radio de Poisson 0.28 Tabla 1. Medidas iniciales para el cálculo del parámetro D, en el lado derecho de la ecuación (1) Dadas las ecuaciones anteriores, ahora se muestran las condiciones iniciales y de frontera del problema en cuestión, primeramente se sabe que el acelerómetro está sujeto por los cuatro extremos, lo que describe las siguientes condiciones de frontera para una placa simplemente apoyada [6]: Figura 3. Fuerzas que intervienen en acelerómetro en dos dimensiones En este caso las dimensiones de los lados están denotadas como a y b, luego los extremos son x=a y y=b, como ya se dijo lo anterior denota que la placa esta simplemente apoyada y sujeta en sus extremos [1] [6]. 1 Los autores agradecemos al Dr. Salvador Alcántara los datos proporcionados en su tesis doctoral y su experimentación con estudiantes del ICBUAP, CIDS (Centro de Investigación en Dispositivos Semiconductores) 73

98 Las condiciones de frontera vienen dadas como sigue: Donde son los momentos de flexión que se observan cuando el material es sometido a la fuerza que ya se mencionó en el sentido del eje z [6] [1]. 3. INSTRUMENTACIÓN POR DIFERENCIAS FINITAS Sea y sea. Sea I el momento de inercia dado por:, donde t es el grosor (thickness) del material que se trate y tomando en consideración que [1] [6] realizando los cálculos el correspondientes el valor de, es el siguiente: (11) El lado derecho queda de la siguiente forma: (12) Sea el número de puntos en el eje, el número de puntos en el eje, dada la discretización ya mencionada se tiene que,, por último. En Timoshenko et al. [6], se presenta la solución exacta a este problema que viene dada por: (13) Para el dominio la solución analítica está dada por: (14) Figura 1. Discretización del Dominio para usarlo en diferencias finitas. Para la discretizacion, se usan las siguientes fórmulas: (7) (8) (9) La ecuación (1) discretizada entonces, queda como sigue: (6) 4. RESULTADOS Una vez que se tiene el sistema de ecuaciones lineales se resuelve para =1/16 mediante SOR, y se compara con la solución analítica en Matlab[3][1], obteniendo la siguiente tabla: h Error Error ( Absoluto Relativo 1/ Tabla 2 Cálculo del error para los resultados que se obtienen mediante el uso del tamaño de paso Se puede observar que el error relativo es del 30% aproximadamente. Tomando en consideración la función exacta de la ecuación (1) y (2) se tiene la siguiente gráfica: (10) Resulta entonces un sistema de ecuaciones lineales de la forma Ax=b, donde A tiene la siguiente forma: Figura 4 Forma de la matriz A Figura 5 Gráfica de la Solución Exacta realizada por Matlab [4] 74

99 Luego se muestra en la Figura 6 la gráfica de la solución numérica obtenida mediante la implementación en diferencias finitas como se ve a continuación: Figura 8 Gráfica de la Solución Numérica de la instrumentación de Java, con [4] Figura 6 Gráfica de la Solución Numérica de la instrumentación de Java en Matlab con [4] Con el objetivo de disminuir el error se tomó obteniendo los siguientes resultados: h Error Error ( Absoluto Relativo 1/ Tabla 3 Cálculo del error para los resultados que se obtienen mediante el uso del tamaño de paso Como se puede observar mediante la disminución proporcional en el tamaño de paso produce una reducción de un margen de error del 1%, se prevé que una disminución en el tamaño de paso en mayor medida se obtengan mejores resultados. La Figura 7 muestra la solución exacta: 5. CONCLUSIONES En este trabajo se ha presentado la solución numérica de una ecuación diferencial del tipo bilaplaciano, que representa el comportamiento de un MEMS tipo acelerómetro obteniendo buenos márgenes de error aceptables para este problema en particular, mediante el método de diferencias finitas. Al disminuir en forma proporcional el tamaño de paso, los márgenes de error disminuyen en una cantidad igualmente proporcional. La implementación del método se ha realizado explotando en mayor manera las capacidades del software libre, en particular de la programación orientada a objetos que provee elementos flexibles, adaptables y que ayudan en el manejo de la memoria principal. Estos resultados se utilizarán en los trabajos subsecuentes para lograr la simulación con visualización mediante modelado basado en física y constituyen el primer paso para lograr renderizar los resultados por medio de esta técnica. El método de diferencias finitas resulta adecuado para resolver numéricamente esta clase de ecuaciones. Se considerará realizar este mismo problema mediante el método de elemento finito, con el fin de estudiar la variación del error con respecto al número de elementos utilizados. 6. REFERENCIAS Figura 7. Gráfica de la Solución Exacta realizada mediante Matlab[4] Por último se muestra la gráfica de la solución obtenida mediante Java en la Figura 8, que se presenta a continuación: [1] Alanís José D., Bermúdez B., Hernández José L., Solución de Ecuaciones Diferenciales Parciales tipo Bilaplaciano en la Simulación numérica de MEMS tipo acelerómetro, 1 Conferencia Iberoamericana de Instrumentación y Ciencias Aplicadas 2013 SOMI XXVIII CCADET UNAM, Campeche, Campeche, México, ISBN Pendiente. [2] Maluf, Nadim, An Introduction to Microelectromechanical Systems Engineering, Artech House Publishers, USA [3] Matworks and Simulink Manuales y Ayuda en Línea para desarrollo en Matlab disponible en: [4] Pelesko, John A., Berstein David H., Modeling MEMS and NEMS, Chapman & Hall/CRC Press Company, USA, 2003 [5] Reddy, J.N., An Introduction to the Finite Element Method 3rd Edition, McGraw-Hill; USA [6]Timoshenko, S, Woinowsky Krieger, Theory of Plates and Shells, McGraw hill International Book Company, USA

100 Auditoría de Sostenibilidad Medioambiental en Organizaciones Sanitarias María Carmen CARNERO Escuela Técnica Superior de Ingenieros Industriales, Universidad de Castilla-La Mancha Ciudad Real, 13071, España RESUMEN La preocupación medioambiental, centrada típicamente en las plantas industriales generadoras de residuos y contaminantes, se ha ampliado en la actualidad a otras organizaciones menos controladas, pero no menos perjudiciales para el medioambiente como son las organizaciones sanitarias. A pesar de la numerosa literatura existente sobre la temática medioambiental, no existe un modelo que permita evaluar de forma objetiva la sostenibilidad medioambiental en una organización sanitaria. En esta contribución se presenta una auditoría construida mediante Fuzzy Analytic Hierarchy Process (FAHP) para evaluar la sostenibilidad medioambiental en organizaciones sanitarias. El modelo ha sido aplicado a un Hospital de reciente creación. Con ello, se pretende favorecer la aplicación de sistemas de control medioambiental en este tipo de organizaciones. Palabras Claves: Auditoría, Medioambiente, Organizaciones sanitarias, Sostenibilidad y FAHP. 1. INTRODUCCIÓN Las tomas de decisiones en el marco medioambiental incorporan diferentes cuestiones de tipo técnico, socioeconómico, medioambiental y político, que se encuentran en conflicto; además, debe añadirse la presencia de diferentes puntos de vista de los stakeholder. Estas condiciones son idóneas para, la aplicación de técnicas de decisión multicriterio, ya que permiten obtener soluciones de compromiso aceptables [15], proporcionan una mejora relevante en el proceso de decisión y pueden garantizar la aceptación pública de una determinada solución [9]. industria, por ejemplo, industria textil [1], energías renovables [8], industria electrónica [10], tratamiento de residuos [11], industria extractiva [12], fabricación [13], industria química [16] o industria alimentaria [20]. Sin embargo, en el ambiente hospitalario las contribuciones son prácticamente inexistentes, a pesar que son también instalaciones generadoras de residuos y contaminantes perniciosos para el medioambiente. A pesar de la numerosa literatura existente sobre la temática medioambiental, no existe un modelo multicriterio que permita evaluar de forma objetiva la sostenibilidad medioambiental en una organización sanitaria. En esta contribución se presenta una auditoría multicriterio que emplea Fuzzy Analytic Hierarchy Process (FAHP) para evaluar la sostenibilidad medioambiental en organizaciones sanitarias. El modelo ha sido aplicado a un Hospital de reciente creación. Con ello, se pretende favorecer la aplicación de sistemas de control medio ambiental avanzados en organizaciones sanitarias. Con este modelo no se pretende realizar una auditoría medioambiental completa y exhaustiva en el ambiente hospitalario, ya que requeriría controlar parámetros económicos, técnicos, legales, etc. sino proporcionar a un Hospital un modelo fácil de aplicar, con criterios específicos del medio sanitario y que permita controlar la sostenibilidad ambiental a lo largo del tiempo. A continuación en la sección 2 se exponen algunas particularidades de las organizaciones sanitarias en materia medioambiental; en la sección 3 se describe la auditoría de sostenibilidad medioambiental desarrollada; en la sección 4 se muestran los resultados de la aplicación de la auditoría multicriterio en una organización sanitaria; en la sección 5 se exponen las conclusiones, en la sección 6 los agradecimientos y finalmente en la sección 7 las referencias. Existen una gran cantidad de contribuciones que aplican técnicas de decisión multicriterio para analizar diferentes cuestiones medioambientales en distintos tipos de 76

101 2. PARTICULARIDADES MEDIOAMBIENTALES EN ORGANIZACIONES SANITARIAS Los residuos se pueden clasificar en: residuos generales (sin riesgo), residuos sanitarios asimilables a urbanos, residuos sanitarios potencialmente infecciosos, cadáveres y restos humanos, residuos químicos peligrosos, residuos de medicamentos citotóxicos y citostáticos y residuos radioactivos. Una organización sanitaria se diferencia de otras empresas en que es el único tipo de organización que tiene todos los tipos de residuos. Por tanto, los departamentos de Medioambiente y los Servicios Técnicos de una organización sanitaria deben trabajar coordinadamente para supervisar las instalaciones y equipamiento que pueden originar problemas medioambientales. Tampoco se deben olvidar los proveedores, que pueden contribuir a la mejora medioambiental por ejemplo mediante la recepción de pedidos y envío de presupuestos por , acumulación de pedidos con el consiguiente ahorro de combustible al realizarse el transporte, minimizar la cantidad de embalajes, etc. Los objetivos de una política ambiental en hospitales deberían ser establecidos inicialmente y, a partir de ellos, la dirección de un hospital debe aprobar objetivos y metas medioambientales exigibles y cuantificables, de manera que se establezca un proceso de mejora continua en la organización; además, los objetivos establecidos deberían ser revisados periódicamente. La implicación ambiental de un hospital se lleva a cabo mediante el cumplimiento de la normativa vigente, así como implantando de un Sistema de Gestión Medioambiental (SGA) según la norma ISO Un SGA es una herramienta de aplicación voluntaria que permite a las empresas controlar las actividades de los productos o procesos que podrían causar impactos ambientales, minimizando los efectos de sus operaciones sobre el medioambiente. Para implantar un SGA una organización sanitaria puede apoyarse o no en una norma, sin solicitar ningún reconocimiento o, podría solicitar una certificación del cumplimiento de esa norma, por ejemplo a través de Eco-Management and Audit Scheme (EMAS) o Reglamento (CE) nº 761/2001, de aplicación oficial a países miembros de la UE, o bien la norma ISO 14001:2004, de aplicación internacional. 3. AUDITORÍA DE SOSTENIBILIDAD MEDIOAMBIENTAL Los criterios se han seleccionado después de analizar numerosos documentos de declaración ambiental publicados por diferentes hospitales (véase [3], [7], [14], [17] y [19]), así como la información sobre indicadores ambientales publicada por el Ministerio de Agricultura, Alimentación y Medio ambiental español [21]. Los criterios que se han seleccionado son los siguientes [5]: 1) Ratio de residuos que pueden generar infecciones por paciente (RR). Se trata de residuos biosanitarios de riesgo, sólidos y líquidos que, si se eliminan directamente como residuos urbanos, suponen un riesgo para el personal sanitario expuesto a ellos, así como para el resto de la comunidad. Se incluyen residuos procedentes de pacientes con infecciones especialmente peligrosas por su facilidad de contagio o por su virulencia como la tuberculosis, difteria, hepatitis B y C, VIH, cólera, disentería amebiana, lepra, ántrax, peste, poliomielitis, enfermedad de Creutzfeldt-Jakob, etc. En el caso de hospitales, el ratio máximo de residuos cuya recogida y eliminación es objeto de requisitos especiales para prevenir infecciones, es de 0,90 kg/paciente. Cuanto menor sea el valor de este criterio, mejor es la sostenibilidad ambiental del hospital; el valor óptimo es la no generación de este tipo de residuos. 2) Ratio de medicamentos citostáticos y citotóxicos por tratamiento (RM). Los citostáticos son fármacos empleados para inhibir el crecimiento desordenado de células, alterar la división celular y destruir las células que se multiplican rápidamente. Los medicamentos citostáticos incluyen una serie de sustancias químicas que se utilizan en quimioterapia o asociados a otras medidas como cirugía, radioterapia, inmunoterapia y hormonoterapia. Los residuos que generan estos medicamentos deben recibir un tratamiento medioambiental diferente y diferenciado al del resto de medicamentos. El valor máximo permitido de este ratio es de 0,70 kg/tratamiento oncológico, mientras que el valor óptimo es la no generación de este tipo de residuos. 3) Ratio de productos químicos que contienen sustancias peligrosas (RQ). Estos productos químicos incluyen disolventes halogenados y no halogenados, líquidos con níquel, plata, selección, mercurio, cobre, etc., líquidos radiográficos y soluciones de autoanalizadores. Todos estos compuestos son tóxicos o degradantes del medioambiente. El valor máximo permitido de este ratio, es de 0,1 kg/análisis, mientras que el valor óptimo es la no generación de este tipo de residuos. 4) Residuos acuosos que contienen sustancias peligrosas (RA). En hospitales, el valor máximo permitido en este criterio es 0,15 kg/análisis, mientras que el valor óptimo es la no generación de este tipo de residuos. 5) Cantidad de medicamentos caducados generado por paciente (MC). Los medicamentos caducados deben ser tratados como un residuo especial, ya que, contienen compuestos que si se liberan en el agua de una manera descontrolada, se pueden comportar de 77

102 forma imprevista y pueden afectar de forma negativa a la salud humana o al medioambiente. El valor máximo permitido en hospitales para este criterio es 0,1 kg/paciente ingresado, mientras que el valor óptimo es la no generación de este tipo de residuos. 6) Ruido en las zonas interiores/exteriores del hospital (R). La contaminación acústica es la presencia en el ambiente de ruidos o vibraciones que impliquen molestia, riesgo o daño para los pacientes o trabajadores de la organización sanitaria en el desarrollo de sus actividades o para los bienes de cualquier naturaleza, o que causen efectos significativos sobre el medioambiente. Este criterio se compone de dos subcriterios: Ruido en el interior del Hospital (RI). El ruido en las zonas interiores no debe superar los 30 dba, considerándose como ruido óptimo entre los 15 y los 25 dba. Ruido en zonas próximas exteriores al Hospital (RE). El nivel de ruido en estas zonas no debe superar los 55 dba, considerándose como ruido óptimo entre los 35 y los 45 dba. 7) Consumo de agua (CA). El agua es un recurso natural indispensable para la actividad humana y el desarrollo socioeconómico, por lo que el control de su consumo es imprescindible, especialmente en países con carencias de agua por sus características climatológicas. En las organizaciones sanitarias se recomienda que el consumo sea menor que el año anterior. 8) Consumo de electricidad (CE). La producción y el consumo de energía de energía procedente de los combustibles fósiles es el principal responsable del cambio climático y contribuye a otros problemas de contaminación atmosférica (acidificación y contaminación por ozono troposférico, calidad del aire, etc.). Además, también es responsable del consumo de una gran cantidad de recursos. Se ha establecido que para una organización sanitaria el consumo de electricidad debe ser menor que el año anterior. 9) Consumo de gasóleo/gas natural (CG). Las emisiones de gases de efecto invernadero es un aspecto de gran impacto medioambiental. En un hospital este consumo se destina fundamentalmente a calefacción y refrigeración. Su consumo debe ser menor que el año anterior. Para los criterios consumo de agua, consumo de electricidad y consumo de gasóleo/gas natural se considera la situación óptima si el consumo ha disminuido un 5% o más con respecto al año anterior, mientras que la peor situación se ha estimado si el consumo se incrementa un 5% o más con respecto al año anterior. La jerarquía se muestra en la figura 1. RR AUDITORIA DE SOSTENIBILIDAD MEDIOAMBIENTAL EN ORGANIZACIONES SANITARIAS RM RQ Figura 1. Jerarquía. Para la obtención de la matriz de comparaciones por parejas entre los criterios de decisión se ha empleado un experto en temas ambientales que ha trabajado en el ámbito de hospitales. El centro decisor evaluó la importancia de los criterios aplicando la escala borrosa que se muestra en la in tabla 1 [4]. Un número difuso del tipo triangular se representa como (l, m, u) donde m se corresponden con el valor medio y l y u, con los límites inferior y superior respectivamente. Preferencia de las comparaciones por parejas Números borrosos Igual importancia (1, 1, 1) Importancia débil (1/2, 1, 3/2) Bastante más importante (1, 3/2, 2) Sumamente más importante (3/2, 2, 5/2) Fuertemente más importante (2, 5/2, 3) Absolutamente más importante (5/2, 3, 7/2) Tabla 1. Escala. La matriz de comparación por parejas de los criterios obtenida es la siguiente: (1,1,1) RR (1,1,1) RM RQ (1,1,1) RA (1,1,1) MC (1,1,1) R (0,7,1,2) CA (0,5,0,7,1) CE (0,5,0,7,1) CG ( (0,5,0,7,1) RR RM RQ RA MC (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (0,7,1,2) (0,7,1,2) (0,7,1,2) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,1,1,5) (0,5,1,1,5) (0,5,1,1,5) (0,5,1,1,5) (0,5,1,1,5) (1,1,1) (0,7,1,2) (0,7,1,2) (0,7,1,2) RA (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) (0,7,1,2) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) (0,5,0,7,1) R CA CE CG (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (0,5,1,1,5) (0,5,1,1,5) (1,1,1) (0,7,1,2) (1,1,1) MC RI (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) R RE CA (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (1,1,5, 2) (0,5,1,1,5) (1,1,1) (1,1,1) (1,1,1) ) CE RR RM RQ RA MC R CA CE CG CG 78

103 La extensión sintética borrosa con respecto a un criterio i se define en la Ec. (1) [6]. m j S i = a gi j=1 n m j [ a gi i=1 j=1 j Con g i los criterios de la jerarquía y a gi triangular borroso de la matriz decisional A. ] 1 (1) un número En esta auditoría los valores obtenidos para los criterios aplicando la Ec. (1) a partir de las comparaciones por parejas incluidas en la matriz anterior son [5]: S RR = (0,079, 0,146, 0,187) S RM = (0,079, 0,146, 0,187) S RQ = (0,079, 0,146, 0,187) S RA = (0,079, 0,146, 0,187) S MC = (0,079, 0,146, 0,187) S R = (0,054, 0,125, 0,232) S CA = (0,057, 0,102, 0,150) S CE = (0,057, 0,102, 0,150) S CG = (0,057, 0,102, 0,150) A continuación se calculan los grados de posibilidad de S j = (l j, m j, u j ) S i = (l i, m i, u i ) a partir de la Ec. (2) [6]. V(S j S i) = μ S j(d) = 1 Si m j m i 0 Si l i u j = l i u j en otro caso (2) {(m j u j ) (m i l i ) Con d la abscisa del punto de corte de S i y S j. Para comparar S i y S j es necesario calcular V(S j S i) y V(S i S j), Obteniéndose los resultados que se muestran en la tabla 2. V(S j S i) S RR S RM S RQ S RA S MC S R S CA S CE S CG V(S RR S i) V(S RM S i) V(S RQ S i) V(S RA S i) V(S MC S i) V(S R S i) 0,880 0,880 0,880 0,880 0, V(S CA S i) 0,617 0,617 0,617 0,617 0,617 0, V(S CE S i) 0,617 0,617 0,617 0,617 0,617 0, V(S CG S i) 0,617 0,617 0,617 0,617 0,617 0, El grado de posibilidad mínimo de V(S j S i) para i, j=1, 2,, n se obtiene de la Ec. (3). V(S j S 1, S 2,, S n) = min V(S j S i) i = 1,2,, n (3) Como resultados se obtienen: min V(S RR S i) = 1, min V(S RM S i) = 1, min V(S RQ S i) = 1, min V(S RA S i) = 1, min V(S MC S i) = 1, min V(S R S i) = 0,880, min V(S CA S i) = 0.617, min V(S CE S i) = 0,617, min V(S CG S i) = 0,617 Se calcula el vector de ponderaciones borroso W a partir de la Ec. (4). W = (min V(S 1 S i), min V(S 2 S i),, min V(S n S i)) T = 1,2,, n (4) Para después de normalizar, se obtiene el siguiente vector de ponderaciones no borroso: W = (0,129, 0,129, 0,129, 0,129, 0,129, 0,114, 0,080, 0,080, 0,080) Se calcula el ratio de consistencia (RC) a partir del cociente entre el índice de consistencia (IC) (véase la Ec. (5)) y el índice de consistencia aleatorio (ICR). ICR es calculado por Saaty [18] mediante matrices de diferentes dimensiones con juicios aleatorios. Si RC tiene un valor inferior a 0,1 los juicios son consistentes; en caso contrario, el centro decisor debe volver a emitir los juicios de la matriz de comparaciones por parejas. CI (λmax n) ( n 1) (5) RC = 0,003 en los juicios emitidos en la matriz de comparación por parejas de los criterios y RC = 0,000 en el caso de los subcriterios relativos al ruido, por tanto, los juicios emitidos son consistentes. Finalmente, se han construido funciones de utilidad normalizadas de cada criterio. En la figura 2 se muestra a modo de ejemplo la función de utilidad empleada en el criterio de medicamentos caducados. Tabla 2. Grados de posibilidad S j S i. 79

104 Utilidad Este artículo muestra un modelo de auditoría multicriterio que emplea Fuzzy Analytic Hierarchy Process junto con funciones de utilidad para evaluar la sostenibilidad medioambiental en una organización sanitaria. Medicamentos caducados (kg/paciente y año) Figura 2. Funciones de utilidad. 4. EJEMPLO DE APLICACIÓN El modelo ha sido aplicado a un Hospital de reciente creación ubicado en España. Es reconocido como uno de los cinco mejores hospitales del país [2], atendiendo a una población de habitantes. Es referencia a nivel autonómico en las áreas asistenciales de Medicina Nuclear, Trastornos de la conducta alimentaria y Hospitalización breve Infanto-Juvenil. Los resultados del modelo multicriterio propuesto indican que el Hospital evaluado tiene una utilidad de 0,764 (sobre 1.000), por lo que los resultados son buenos, aunque mejorables. Donde existe una peor utilidad es en el ruido interior, aunque también debe trabajarse en el ruido exterior, así como en los residuos que pueden generar infecciones. Debe destacarse el excelente comportamiento del Hospital en la reducción en el consumo de gasóleo/gas natural y electricidad, así como en el consumo de productos químicos que contienen sustancias peligrosas. El modelo multicriterio se incorporó en el SGA del Hospital como parte del proceso de certificación en la norma ISO obtenido en 2011; la inclusión de un modelo multicriterio fue valorada muy positivamente por el equipo auditor por su innovación. La certificación ISO 9001 fue obtenida también para el área responsable de medioambiente. Las evaluaciones posteriores del Hospital aplicando el modelo multicriterio han proporcionado utilidades de 0,879 y 0, CONCLUSIONES La cantidad de contribuciones que aplican técnicas de decisión multicirterio a organizaciones sanitarias es prácticamente inexistente, a diferencia de lo que ocurre en otros sectores industriales. El modelo ha sido aplicado a un Hospital de reciente creación, obteniéndose inicialmente una utilidad de 0,764 lo que demuestra el compromiso del Hospital con el medioambiente, aunque aún se pueden desarrollar otras buenas practicas. La utilización de un modelo multicriterio puede resultar muy positiva durante el proceso de certificación según normativa ISO AGRADECIMIENTOS El autor agradece a la Junta de Comunidades de Castilla- La Mancha y a los fondos FEDER por su financiación para la realización del proyecto PPII P. 7. REFERENCIAS [1] P. Aragonés-Beltrán, J. A., Mendoza-Roca, A., Bes- Pía, M., García-Melón, E. Parra-Ruiz, Application of multicriteria decision analysis to jar-test results for chemicals selection in the physical chemical treatment of textile wastewater, Journal of Hazardous Materials, Vol. 164, 2009, pp [2] L. M. Ariza, Hospitales con buena salud. El País Digital, html, Consultado en 3 febrero de [3] J. V. Bon-García, Declaración ambiental año Consorci Hospital General Universitari Valencia, [4] F. T. Bozbura, A. Beskese, Prioritization of organizational capital measurement indicators using fuzzy AHP. 11 th International Fuzzy Systems Association World Congress, 2005, pp [5] M. C. Carnero, Model for Sustainability in Health Care Organizations, Encyclopedia of Business Analytics and Optimization, Volume III, Chapter 141, IGI Global, Hershey, [6] D.Y. Chang, Applications of the extent analysis method on fuzzy AHP, European Journal of Operational Research, Vol. 95, 1996, pp [7] J. A. García, S. Sierra, V. Giordani, F. J. Gutiérrez, M. Márquez, R. Casañas, L. Pachón, N. Triano, M. García, I. Vázquez, S. Barranco, B. González, J. O. Génave, A. J. Peña, R. Luque, I. Ríos, R. J. Cerrato, EMAS Declaración ambiental EP Hospital Costa del Sol, Consejería de Salud de la Junta de Andalucía, 2010, ISBN [8] G. Higgs, R. Berry, D. Kidner, M. Langford, Using IT approaches to promote public participation in renewable energy planning: Prospects and challenges, Land Use Policy, Vol. 25, 2008, pp

105 [9] I. B. Huang, J. Keisler, I. Linkov, Multi-criteria decision analysis in environmental sciences: Ten years of aplications and trends, Science of the Total Environment, Vol. 409, 2011, pp [10] H. Y. Kang, O. Ogunseitan, A. A. Shapiro, J. M. Schoenung, A comparative hierarchical decision framework on toxics use reduction effectiveness for electronic and electrical industries, Environmental Science & amp; Technology, Vol. 41, 2007, pp [11] R. Lahdelma, P. Salminen, J. Hokkanen, Locating a waste treatment facility by using stochastic multicriteria acceptability analysis with ordinal criteria, European Journal of Operational Research, Vol. 142, 2002, pp [12] M.T. Lamelas, O. Marinoni, A. Hoppe, J. de la Riva, Suitability analysis for sand and gravel extraction site location in the context of a sustainable development in the surroundings of Zaragoza (Spain), Environmental Geology, Vol. 55, 2008, pp [13] C. N. Madu, C. Kuei, I. E. Madu, A hierarchic metric approach for integration of green issues in manufacturing: a paper recycling application, Journal of Environmental Management, Vol. 64, 2002, pp [14] F. Mata, J. A. García, S. Sierra, V. Giordani, F. J. Gutiérrez, M. Márquez, R. Casañas, L. Pachón, N. Triano, M. Rodríguez, M. García, I. Vázquez, S. Barranco, B. González, J. O. Génave, A. J. Peña, R. Luque, I. Almellones, R. J. Cerrato, EMAS Declaración ambiental EP Hospital Costa del Sol. Consejería de Salud de la Junta de Andalucía, 2011, ISBN [15] G. Munda, P. Nijkamp, P. Rietveld, Qualitative multicriteria evaluation for environmental management, Ecological Economics, Vol. 10, 1994, pp [16] P. A. Pilavachi, A. I. Chatzipanagi, A. I. Spyropoulou, Evaluation of hydrogen production methods using the analytic hierarchy process, International Journal of Hydrogen Energy, Vol. 34, 2009, pp [17] E. Rodríguez, M. Carmona, J. Soto, Memoria sostenibilidad del Hospital clínico San Carlos, Comunidad de Madrid, M , [18] T. L. Saaty, The Analytic Hierarchy Process, New York: McGraw Hill, [19] J. Tejedor, HM Hospitales. Declaración ambiental Enero de 2011-Diciembre de Madrid: HM Hospitales, [20] K. J. van Calker, P. B. M. Berentsen, C. Romero, G. W. J. Giesen, R. B. M. Huirne, Development and application of a multi-attribute sustainability function for Dutch dairy farming systems, Ecological Economics, Vol. 57, 2006, pp [21] G. Yanguas, Perfil ambiental de España. Informe basado en indicadores. Ministerio de Agricultura, Alimentación y Medio Ambiental Español. Consultado 6 de febrero de

106 Diseño de un Sistema de Apoyo a la Decisión de la Política de Mantenimiento en un Quirófano Andrés GÓMEZ SESCAM, Hospital General Universitario de Ciudad Real, Ciudad Real, 13005, España y María Carmen CARNERO Escuela Técnica Superior de Ingenieros Industriales, Universidad de Castilla-La Mancha Ciudad Real, 13071, España RESUMEN El objetivo de este artículo es seleccionar las políticas de mantenimiento más adecuadas en los diferentes subsistemas que constituyen un quirófano. Para ello, se va a desarrollar un modelo multicriterio mediante la técnica MACBETH. El modelo emplea diferentes criterios relacionados con la seguridad, de tipo funcional y técnicoeconómicos entre los que se encuentra la disponibilidad. Para la evaluación de este criterio se ha medido la disponibilidad media para sistemas reparables empleando cadenas de Markov a partir de los datos obtenidos durante tres años de los subsistemas de un quirófano del Hospital. Con todo ello se pretende incrementar la disponibilidad del quirófano y, como consecuencia, incrementar la seguridad física en las intervenciones a los pacientes y disminuir el número de retrasos de intervenciones por disfunciones técnicas. Palabras Claves: Mantenimiento, Quirófano, MACBETH y Sistema de apoyo a la decisión. 1. INTRODUCCIÓN Los hospitales actuales están experimentando un incremento en la automatización y la monitorización de las instalaciones y el equipamiento y, en general, una mayor complejidad de los activos a mantener [16]. Para adaptarse al nuevo medio, los departamentos de mantenimiento de las organizaciones sanitarias deben adecuarse a las modernas estrategias y herramientas de gestión, que, sin embargo, ya llevan tiempo funcionando en otros tipos de industria. Las instalaciones y equipamiento médico de un hospital son de una gran variedad y complejidad y se encuentran interrelacionados; por tanto, es necesario agruparlos constituyendo subsistemas. Así, por ejemplo, una sala de rayos X consta de varios elementos: generador, mesa, tubo de emisor de rayos, sistema de tratamiento de imagen, etc. Cada uno de ellos tiene un nivel de importancia distinto, respecto al funcionamiento del conjunto. Por ello, se analiza en este artículo la interrelación entre los distintos equipos e instalaciones de un quirófano agrupados en subsistemas desde el punto de vista funcional. Para obtener las políticas de mantenimiento óptimas de cada subsistema se utilizan frecuentemente técnicas de optimización de costes en función de las distintas políticas de mantenimiento a aplicar, a través de algoritmos matemáticos. Así, se utilizan técnicas de optimización de periodicidad de las revisiones de forma analítica, mediante funciones de utilidad [14] o, mediante técnicas de optimización minimizando la función coste resultante de tener en cuenta diferentes variables [9] y [6]. En [12] y [8] se utiliza un algoritmo para analizar el deterioro de un sistema y detectar el momento óptimo de revisión del sistema y tipo de intervención en función del estado, considerando las condiciones de servicio o el efecto de las operaciones de mantenimiento sobre los equipos [10]. En [5] se analiza mediante un algoritmo de simulación de deterioro por fatiga térmica, la periodicidad óptima de las revisiones de equipos de una central nuclear. En [7] se desarrolla un modelo de optimización de fiabilidad en el mantenimiento de detectores de incendio y gas. [11] y [17] utilizan algoritmos matemáticos para decidir la política de mantenimiento a aplicar: correctivo, preventivo a tiempo fijo en distintos niveles o predictivo, según las tasas de avería y reparación de los equipos. En el mantenimiento de equipos e instalaciones médicas, se han de tener en cuenta otros factores además del coste, tales como la seguridad del paciente y profesionales, el impacto sobre la actividad asistencial y el medio ambiente. Las técnicas de decisión multicriterio constituyen un instrumento racional y objetivo, para mejorar la comprensión de los procesos de decisión que subyacen en 82

107 los procesos sistémicos y, para ayudar a los grupos decisores a realizar la comparación entre alternativas [13]. Aunque estos métodos se han aplicado ampliamente en el ambiente sanitario, sin embargo, no se han encontrado referencias en la literatura actual sobre la aplicación de técnicas multicriterio a la selección de las políticas de mantenimiento más adecuadas para un Hospital. La elección del método Measuring Attractiveness by a Categorical Based Evaluation Technique (MACBETH) [1] se ha realizado debido a que los juicios emitidos son cualitativos, lo que supone que los expertos que los emiten no necesariamente deben tener conocimientos específicos de mantenimiento. Una descripción de MACBETH se puede consultar en [1], [2], [3] y [4]. El objetivo de este artículo es seleccionar las políticas de mantenimiento más adecuadas en los diferentes subsistemas que constituyen un quirófano. Para ello, se va a desarrollar un modelo multicriterio mediante la técnica MACBETH. El modelo emplea diferentes criterios relacionados con la seguridad, de tipo funcional y técnicoeconómicos entre los que se encuentra la disponibilidad. Para la evaluación de este criterio se ha medido la disponibilidad media para sistemas reparables empleando cadenas de Markov a partir de los datos obtenidos durante 2 años de los subsistemas de un quirófano del Hospital. Con todo ello se pretende incrementar la disponibilidad del quirófano y, como consecuencia, incrementar la seguridad física en las intervenciones a los pacientes y disminuir el número de retrasos de intervenciones por disfunciones técnicas. A continuación en la sección 2 se expone un ejemplo de aplicación de las cadenas de Markov para sistemas reparables estables; en la sección 3 se describe el modelo multicriterio para la selección de políticas de mantenimiento desarrollado para los subsistemas de un quirófano; en la sección 4 se muestran los resultados de la aplicación del método MACBETH; en la sección 5 se exponen las conclusiones, en la sección 6 los agradecimientos y finalmente en la sección 7 las referencias. 2. CADENAS DE MARKOV muestra un ejemplo de aplicación para el subsistema de alimentación eléctrica. Similares desarrollos se han realizado sobre el resto de subsistemas de un quirófano hospitalario. El subsistema de alimentación eléctrica incluye los elementos que proporcionan alimentación eléctrica ininterrumpida a los equipos de asistencia vital e iluminación quirúrgica, cuando tiene lugar un de fallo de la alimentación eléctrica principal. Los elementos que lo componen son los siguientes: transformador de aislamiento, interruptores automáticos de protección, sistema de alimentación ininterrumpida, sistema de detección de fuga eléctrica y lámpara quirúrgica. El suministro eléctrico se realiza a través de un Sistema de Alimentación Ininterrumpida (SAI), que se encuentra alimentado mediante transformador de aislamiento. Los estados del subsistema son los siguientes: 0. En este estado el suministro eléctrico es el proporcionado a través del centro de transformación correspondiente, por la compañía suministradora de energía eléctrica. Este suministro pasa por el cuadro de protección y aislamiento del quirófano y por el SAI, antes de alimentar a los equipos quirúrgicos. 1. En caso de fallo de aislamiento, se produce una alarma audible dentro del quirófano que indica la existencia de fuga eléctrica en una fase. 2. Este estado se produce cuando aparece una segunda derivación en otra fase, con riesgo de electrocución de pacientes o profesionales, si se produce una fuga eléctrica. 3. Fallo en el suministro principal. Toda la carga se alimenta a través de las baterías del SAI, con una autonomía de 120 minutos. 4. Fallo en el SAI. Se pone el SAI en by-pass y, por tanto, no se alimentan los equipos si se produce un fallo en el suministro principal. Se considera que el subsistema falla cuando se encuentra en los estados 2 y 4. El sistema se considera operativo mientras esté en los estados 0, 1 ó 3. En este sistema de apoyo a la decisión los subsistemas incluidos dentro del sistema quirófano son: alimentación eléctrica, climatización, iluminación del campo quirúrgico, alimentación agua estéril e instalación de gases medicinales. Para poder estudiar el comportamiento de cada subsistema es necesario modelizarlos según los estados de funcionamiento, teniendo en cuenta las diferentes contingencias que se pueden presentar. En esta sección se Figura 1. Diagrama de estados Markov. 83

108 La disponibilidad total operativa D M es la que se muestra en la Ec. (1). D M = D 0 + D 1 + D 3 (1) La matriz de transición entre estados resultante es la que se muestra en la Ec. (2). ( 1 2 3) ( 2 1) ( ) MODELO MULTICRITERIO PARA LA SELECCIÓN DE POLÍTICAS DE MANTENIMIENTO EN UN QUIRÓFANO Para la aplicación del método MACBETH en este artículo se ha constituido un grupo decisor integrado por diferentes responsables de áreas del Hospital. El grupo decisor ha sido coordinado por el responsable de los Servicios Técnicos. Cada integrante del grupo decisor ha cumplimentado un cuestionario para la emisión de juicios. Definición de Alternativas En los quirófanos se realiza diariamente una ruta preventiva, al inicio de la jornada laboral por parte de los técnicos de mantenimiento. Esta ruta preventiva consiste en la medición de parámetros: humedad, temperatura, presión de gases, revisión de funcionamiento de alumbrado quirúrgico, etc. Además, se realiza mantenimiento preventivo técnico-legal sobre los equipos de seguridad y alimentación eléctrica de forma semanal, mensual y anual. Con esta política de mantenimiento se utiliza un 15% del tiempo del turno de noches del personal de mantenimiento y se resuelven el 100% de las incidencias detectadas en las revisiones diarias. Un 10% del tiempo del personal técnico cualificado se asigna al mantenimiento legal realizado los fines de semana. Con estas políticas de mantenimiento no se garantiza la detección de fallos ocultos que puedan originar graves consecuencias (recalentamientos en bornas de conexión internas de las lámparas quirúrgicas, falsos contactos intermitentes debido al uso en la red de equipotencialidad, etc.); por ello se pretende mediante los resultados del modelo propuesto optimizar las políticas de mantenimiento a los subsistemas del Hospital. Dicho modelo se ha realizado a partir de datos obtenidos en los tres años de aplicación de diferentes políticas de mantenimiento. Para determinar las políticas de mantenimiento a aplicar, se ha constituido un grupo de trabajo integrado por los (2) responsables técnicos implicados, siendo las alternativas consideradas las siguientes: 1) Mantenimiento correctivo (C). 2) Mantenimiento preventivo junto con mantenimiento correctivo mediante rutas diarias, semanales, mensuales y anuales (C+Prev). 3) Mantenimiento predictivo periódico junto con correctivo (C+Pre). 4) Mantenimiento correctivo junto con preventivo y predictivo (C+Prev+Pred). Criterios e indicadores La definición de los criterios e indicadores se han establecido en dos fases. En la primera fase se han fijado, por parte de los responsables de los Servicios Técnicos y el equipo directivo, los aspectos generales de los criterios a considerar y la definición de dichos criterios. En la segunda fase se realiza la evaluación de los impactos dentro de cada criterio, interviniendo los responsables de cada área implicada. A continuación se definen los diferentes criterios de decisión y los descriptores asociados empleados: 1) Disponibilidad (D). Se considera la disponibilidad media prevista a lo largo de su vida operativa, teniendo en cuenta los datos históricos obtenidos y aplicando el modelo markoviano, según se muestra en la sección 2; por tanto el descriptor es el valor medio obtenido de la disponibilidad utilizando las cadenas de Markov para sistemas reparables. 2) Impacto de la actividad (IA). Se define como el grado de afectación a la función operativa última, que en este ejemplo es la intervención quirúrgica. El descriptor es el porcentaje de suspensión prevista de la actividad quirúrgica, como consecuencia de un fallo en el subsistema. 3) Tiempo de detección del fallo (TF). Es la oportunidad del momento en el que se detecta el fallo, por las implicaciones que puede tener. El descriptor es la estimación sobre el momento de detección del fallo de forma progresiva, siendo el margen de la escala entre antes del comienzo de la actividad y después, variando en porcentaje sus valores intermedios. 4) Coste (C). Los recursos necesarios para aplicar cualquiera de las políticas de mantenimiento contempladas, se contemplan de forma genérica ya que en la práctica intervienen recursos propios y subcontratados; por tanto, se ha estimado que el indicador asociado sea el tipo de complejidad de los recursos requeridos. 5) Riesgo para los trabajadores (RT). Se define como el riesgo al que están sometidos los trabajadores que se encuentran situados en el área quirúrgica. El 84

109 descriptor mide el grado de riesgo eléctrico dentro del quirófano. 6) Riesgo para los usuarios (RU). Se define como el riesgo al que está sometido el usuario, entendido éste como el solicitante de servicios médicos. El descriptor asociado es el nivel de proximidad y gravedad de los posibles daños ocasionados al paciente. Para cada descriptor se ha definido una escala de valores, en la que se ha determinado aquellos niveles considerados neutro y bueno. Para la determinación de los niveles de impacto en el criterio de disponibilidad, se ha utilizado las cadenas de Markov de sistemas estables, disponiendo de un histórico de averías y reparaciones de tres años para cada subsistema de un quirófano. Ponderación de criterios Para desarrollar el proceso de ponderación entre niveles de un mismo criterio, así como para el establecimiento de la ponderación entre criterios, se ha creado un grupo decisor constituido por diferentes responsables de mantenimiento y de servicios asistenciales. Este grupo ha sido moderado por el responsable de los Servicios Técnicos del hospital. En la Ec. (3) se muestra la matriz de los juicios emitidos para la comparación entre criterios. Hay que tener en cuenta que para la construcción de esta matriz se ha empleado la escala de valores que se muestran en la tabla 1. RT RU D IA TF C RT 0 1 RU 0 D IA TF C ( ) Preferencia de las comparaciones por parejas Valor No existe diferencia 0 Diferencia muy débil 1 Diferencia débil 2 Diferencia moderada 3 Diferencia fuerte 4 Diferencia muy fuerte 5 Diferencia extrema 6 Tabla 1. Escala para la emisión de juicios de comparación por parejas. Las ponderaciones de los criterios obtenidas para todos los subsistemas son las siguientes: W RT = 25,31; W RU = 24,05; W D = 21,52; (3) W IA = 16,46; W TF = 11,39; W C = 1,27; Se obtienen las mismas ponderaciones para todos los subsistemas, ya que el estudio se realiza en el entorno de un quirófano, donde la importancia de cada criterio es la misma independientemente del subsistema considerado. 4. RESULTADOS En la tabla 2 se muestran las valoraciones obtenidas de las diferentes políticas de mantenimiento en los diferentes subsistemas analizados del sistema quirófano. Alternativa C C+Prev C+Pred C+Prev+Pred Subsistema Climatización 3,96 60,53 84,01 98,23 Alimentación de agua estéril 83,97 85,47 85,47 85,47 Alimentación electricidad -16,62 41,70 73,27 76,46 Alimentación gases 26,26 95,12 98,73 98,73 medicinales Iluminación del campo 2,39 84,70 82,93 86,84 quirúrgico Tabla 2. Valoraciones de las políticas de mantenimiento en los diferentes subsistemas del quirófano. Se han considerado satisfactorios los resultados obtenidos del análisis de sensibilidad ya que no existen modificaciones en la clasificación de alternativas en ningún subsistema cuando se modifican las ponderaciones, considerando rangos lógicos de modificación en los pesos en los diferentes criterios. 5. CONCLUSIONES En esta investigación se expone un caso práctico de integración de las cadenas de Markov para sistemas reparables y técnicas multicriterio para la selección de la política de mantenimiento más adecuada en los de un quirófano. Por tanto, se trata de una aplicación innovadora al integrar estas herramientas, así como al ser aplicadas al medio sanitario. En la actualidad las políticas de mantenimiento aplicadas a los subsistemas contemplados en este artículo son las de mantenimiento correctivo y preventivo, con periodicidad diaria. En el estudio realizado, se observa un aumento considerable de las preferencias en aplicar las políticas de 85

110 mantenimiento correctivo más preventivo y predictivo en los subsistemas alimentación eléctrica y climatización, con respecto a la política aplicada actualmente; en el resto de subsistemas es prácticamente insignificante la relevancia del mantenimiento predictivo. Además, se puede observar que en el subsistema alimentación de agua estéril, incluso el mantenimiento correctivo, tiene una preferencia prácticamente igual al resto de políticas. 6. AGRADECIMIENTOS Los autores agradecen a la Junta de Comunidades de Castilla-La Mancha y a los fondos FEDER por su financiación para la realización del proyecto PPII P. 7. REFERENCIAS [1] C. Bana e Costa, J. C. Vansnick, The MACBETH approach: basic ideas, software and an application. In: Meskens, N., Roubens, M (eds.), Advances in Decision Analysis. Kluwer Academic Publishers, Dordrecht, [2] C. Bana e Costa, F. Nunes da Silva, J. C. Vansnick, Conflict dissolution in the public sector: a casestudy, European Journal of Operational Research, Vol. 130, 2000, pp [3] C. A. Bana e Costa, Multicriteria Decision analysis: State of the art surveys, chapter 10, Figueira, Greco and Ehrgott Ed., Springer, 2006, pp [4] C. A. Bana e Costa, M. L. Da Costa-Lobo, I. A. Ramos, J. C. Vansnick, Multicriteria Approach for Strategic Town Planning: The Case of Barcelos, International Journal of Management Science, Vol. 30, No. 3, 2002, pp [5] M. Cepin, Optimization of safety equipment outages improves safety, Reliability Engineering and System Safety, Vol. 77, 2002, pp [6] A. Chelbi, D. Ait-Kadi, A optimal inspection strategy for randomly failing equipment, Reliability Engineering and System Safety, Vol. 63, No. 2, 1999, pp [7] P. Hokstad, P. Flotten, S. Holmstrom, F. McKenna, T. Onshus, A reliability model for optimization of test schemes for fire and gas detectors, Reliability Engineering and System Safety, Vol. 47, 1995, pp [8] Y. Lin, R.Yam, M. Zuo, Optimal replacement policy for a deteriorating production system with preventive maintenance, International Journal of Systems Science, Vol. 32, No. 10, 2001, pp [9] H. Löfsten, Management of industrial maintenanceeconomic evaluation of maintenance policies. International Journal of Operations & Production Management, Vol. 19, No. 7, 1999, pp [10] S. Martorell, A. Sánchez, V. Serradell, Agedependent reliability model considering effects of maintenance and working conditions, Reliability Engineering and System Safety, Vol. 64, No. 1, 1999, pp [11] K. Mckone, E. Weiss, Guidelines for implementing predictive maintenance, Production and operations management, Vol. 11 No. 2, 2002, pp. [12] S. M. Abdel-Hameed, Optimal Predictive Maintenance Policies for a Deteriorating System: The Total Discounted Cost and the Long-Run Average Cost Cases, Communications in Statistics. Theory and Methods, Vol. 33, No. 3, 2004, pp [13] C. Romero, Análisis de Decisiones Multicriterio. Monografías de Ingeniería de Sistemas, 1ª Edición, [14] A. Teixeira de Almeida Repair contract decision model through additive utility function, Journal of Quality in Maintenance Engineering, Vol. 7, No. 1, 2001, pp [15] J.J. Turri, Program cases decision making. Health Progress, Vol. 69, No. 8, 1988, pp [16] M. Wolf, Strategic management of medical equipment. Starting and operating a TSC. 20th Congress of the International Federation of Hospital Engineering, Barcelona, October [17] T. You-Tern, W. Kuo-Shong, T. Lin-Chang, A study of availability centered preventive maintenance for multi-component systems, Reliability Engineering and System Safety, Vol. 84, No. 3, 2004, pp

111 LondresPC: programa computacional que evalúa la planeación Miguel Ángel Guevara Pérez Marisela Hernández González, Ivett Karina Sandoval Carrillo y Marai Pérez Hernández Instituto de Neurociencias, CUCBA, Universidad de Guadalajara. México. RESUMEN La planeación es una de las funciones ejecutivas que forman parte esencial del desempeño independiente y socialmente aceptable del individuo; una de las pruebas más utilizadas para medirla es la de Torres de Londres. Ya que el estudio de los procesos cognoscitivos requiere de instrumentos de medición precisos que permitan minimizar los errores de aplicación y de calificación, en este trabajo se presenta el programa denominado LondresPC, una versión computarizada de dicha prueba. El programa tiene requerimientos mínimos para su ejecución y permite la aplicación de la prueba y el registro de los resultados de manera automatizada; obtiene de forma rápida el archivo de resultados con registro de respuestas correctas e incorrectas, así como de los tiempos de ejecución. Además, los resultados se presentan en formato ASCII, por lo que es compatible con paquetes comerciales para su manejo estadístico. De esta forma, LondresPC puede constituir una herramienta útil en la evaluación de la función de planeación en diversas poblaciones de sujetos normales y patológicos, tanto en la investigación básica como clínica. [2]. Shallice [4] desarrolló la prueba de Torres de Londres (TOL por sus siglas en inglés), para evaluar el deterioro de la habilidad de planeación en pacientes cerebro-lesionados y encontró que dicho deterioro está asociado a lesiones de los lóbulos frontales. Actualmente esta prueba constituye una herramienta útil en la evaluación neuropsicológica para detectar alteraciones del funcionamiento de esta región cerebral, aunque igualmente, puede ser utilizada en otras áreas de conocimiento. Las versiones computarizadas de métodos de evaluación, como LondresPC permiten medir la calidad y el tiempo de las respuestas de manera precisa y por tanto, representan una ventaja sobre los métodos manuales, al minimizar los errores de aplicación y obtener mediciones objetivas. 2. LondresPC: VERSIÓN COMPUTARIZADA DE LAS TORRES DE LONDRES En el Instituto de Neurociencias de la Universidad de Guadalajara hemos desarrollado una versión computarizada de la prueba TOL: LondresPC (Figura 1). Palabras clave Torres de Londres, planeación, funciones ejecutivas, evaluación cognoscitiva. 1. INTRODUCCIÓN El concepto de funciones ejecutivas (FE) comprende un conjunto de habilidades cognoscitivas necesarias para la planeación, iniciación, secuenciación y monitoreo de conductas complejas dirigidas a una meta [1]. La planeación es un concepto esencial en las FE, específicamente se refiere a la capacidad de identificar y organizar la secuencia de los pasos necesarios para realizar una tarea a partir de una meta preestablecida [2]. La deficiencia en llevar a cabo FE compromete la capacidad de una persona para mantener una vida independiente, ya que éstas permiten experimentar diversos tipos y combinaciones de funciones motoras, sensoriales y cognoscitivas, y mantener la dirección de la propia vida [3]. De aquí la importancia de su evaluación tanto en el campo de la investigación, como en los ámbitos clínico, laboral, social y educativo. Algunas de las pruebas más empleadas para evaluar las FE, y de manera particular la planeación, son los laberintos y las pruebas de torres -como las de Hanoi o de Londres- Figura 1. Total de posiciones válidas durante la ejecución de la prueba. La posición inicial para esta versión del programa es la número 7. 87

112 A diferencia de la versión original y de la comercial de Culbertson & Zillmer [5], en donde se tiene un máximo de 10 metas, el programa LondresPC se ha preparado para trabajar con hasta 35 metas. LondresPC plantea una serie de ejercicios (metas), en donde la persona evaluada, partiendo de una posición inicial, debe llegar a una nueva colocación de tres esferas de diferentes colores (azul, verde y roja) en tres postes de diferente tamaño. El evaluado observa las esferas en la posición inicial en la parte inferior de la pantalla y se le permite ver durante todo el ejercicio la imagen que muestra la posición meta en la parte superior del monitor. Al realizar la tarea, deben además respetarse las siguientes reglas [5]: a) no se pueden poner más esferas de las que caben en un poste (en el primer poste caben tres esferas, en el segundo dos y en el tercero una); b) sólo se puede mover una esfera a la vez. Cada ejercicio se termina cuando se cumple alguna de las siguientes tres condiciones: a) se alcanza la meta, b) se termina el tiempo asignado (normalmente son 2 minutos) o c) se llega al máximo de movimientos permitidos. En la figura 1 se muestran las 36 posibles posiciones válidas de las esferas en los postes. En la tabla 1 se presentan todas las metas posibles ordenadas de acuerdo al número asignado en el programa (ver figura 1); también se indica el número mínimo de movimientos con que se puede alcanzar la meta. Método computacional y teoría Para cada esfera en cada una de las 36 posiciones se consideran 2 posibilidades de movimiento; una a cada uno de los dos postes restantes (se considera inválido querer moverse al poste actual). En LondresPC se tienen 3 matrices de datos, llamadas vecinov, vecinor y vecinoa (esfera verde, roja y azul, respectivamente) de 36 renglones por 3 columnas cada una, indican las posibilidades de movimiento. La columna uno indica la posición de la esfera (una de las 36 posiciones posibles) y la columna2 el número del poste. De esta manera, por ejemplo, si la esfera verde se encuentra en la posición 7 (de acuerdo a la figura 1); se tiene que esta esfera no se puede mover hacia ningún poste: vecinov[7,1]=0; vecinov[7,2]=0 y vecinov[7,3]=0. La figura 2 muestra a una de las matrices de datos. Tabla 1. Se muestran las 35 metas con que puede trabajar LondresPC (la 7 es la posición de inicio). La primera columna indica el número secuencial de la meta y la segunda el número mínimo de movimientos requeridos para alcanzar la meta. Número de la meta en LondresPC Mínimo de movimientos Número de la meta en LondresPC Mínimo de movimientos Figura 2. Para la esfera verde se muestran todas las posibles peticiones de movimientos hacia uno de los postes (la columna 2, de la matriz, corresponde al número del poste solicitado) a partir de una posición actual (dada por la primera columna). El número cero después del signo = indica que la posición solicitada es inválida. Los valores diferentes a cero indican la nueva posición ya que el movimiento solicitado es correcto. Para saber si la nueva posición solicitada es correcta, el programa evalúa si corresponde a alguna de las posiciones vecinas con valor diferente a cero; si así es, se realiza el movimiento. La nueva posición, de una esfera, es solicitada 88

113 mediante el teclado numérico de la computadora o tocando el color de la esfera, en el poste correspondiente, en la pantalla sensible al tacto. Descripción del programa Para ejecutar el programa se requiere de una computadora compatible con PC; se requiere como mínimo de un procesador Pentium de 512 megabytes de memoria RAM, trabaja con sistema operativo Windows y fue escrito en el lenguaje de programación Delphi (versión 5). El programa ejecutable se llama LondresPC.EXE y los archivos de salida están en código ASCII, por lo que pueden ser fácilmente manipulados para aplicar análisis estadísticos. Se sugiere contar con una pantalla sensible al tacto o un miniteclado numérico conectado al puerto USB (aunque un teclado normal también funciona). Se emplean 9 teclas del miniteclado, 3 de ellas serán marcadas con color rojo, 3 serán verdes y 3 serán azules; con estas teclas se simulan los 3 postes (figura 3). También se puede utilizar un monitor sensible al tacto, en cuyo caso el evaluado tiene que tocar los cuadros de colores de la parte inferior de la pantalla, para emular el cambio de esferas de un poste a otro (figura 5). Figura 4. Ventana inicial. Se observan las opciones para asignar tiempo límite de ejecución de la prueba, el nombre del archivo de salida, así como el botón para iniciar. También se debe seleccionar un archivo de texto que contiene las metas que se desea aplicar en la sesión, con la opción Elegir archivo de secuencia. Después de presionar el botón Comenzar la tarea aparece la segunda pantalla (figura 5). Figura 3. Los números 1, 4 y 7 corresponden a las 3 esferas del poste 1; los números 2, 5 y 8 a las esferas del poste 2; y finalmente los números 3, 6 y 9 a las esferas del poste 3. Al iniciar el programa aparece una pantalla (figura 4) en la cual se debe seleccionar el tiempo máximo en segundos, que será establecido como límite para alcanzar cada meta (por omisión se asignan 120 segundos). Con el botón Elegir archivo para resultados, es posible asignar el nombre al archivo de resultados. Figura 5. Pantalla que muestra las instrucciones para ejecutar LondresPC. Cuando se hayan comprendido las instrucciones se debe presionar alguna de las teclas asignadas a los postes, al hacerlo aparece la siguiente pantalla (figura 6) e inicia el conteo del tiempo. LondresPC indica a la persona evaluada mediante un mensaje hablado y otro escrito en la pantalla, con la palabra incorrecto, cuando ha intentado un movimiento no permitido. El programa permite 20 movimientos como máximo. 89

114 3. CONCLUSIONES Figura 6. La pantalla despliega en la parte inferior la imagen de las tres esferas y postes en la posición inicial; y en la parte superior la posición que será la meta del ejercicio (aquí se muestra un monitor sensible al tacto). El programa finaliza al alcanzar la última posición meta, al intentar el número máximo de movimientos, o al terminarse el tiempo asignado a la tarea. Se genera el archivo de resultados ejemplificado en la figura 7. LondresPC es una prueba computarizada que permite la evaluación de la planeación cognoscitiva, necesaria para el logro de metas y objetivos. Por la relación que esta función tiene con el funcionamiento de los lóbulos frontales, esta prueba puede ser utilizada en evaluaciones clínicas. La precisión y flexibilidad de LondresPC para registrar los tiempos y el desempeño de las respuestas, así como la facilidad para el manejo de los resultados, representa una ventaja importante sobre la versión de escritorio. Los requerimientos para ejecutar el programa son mínimos, por lo que éste puede ser fácilmente utilizado diversas áreas del conocimiento. REFERENCIAS [1] Royal, D.R., Lauterbach, E.C., Cummings, J.L, Reeve, A., Rummans, T.A., et al. (2002). Executive control function: A review of its promise and challenges for clinical research. The Journal of Neuropsychiatry and Clinical Neurosciences, 14, 4, [2] Lezak, M.D., Howieson, D.B. & Loring D.W. (2004). Neuropsychological assessment. Nueva York: Oxford University Press. [3] Lezak, M.D. (1982). The problem of assessing executive functions. International Journal of Psychology, 17, [4] Shallice, T. (1982). Specific impairments of planning. Philosophical Transactions of the Royal Society of London, B 298, [5] Culbertson W.C. & Zillmer E.A. (1999). Tower of London Drexel University (TOL DX): Examiner s Manual (Research Version). Nueva York: Multi- Health Systems Inc (MHS). Figura 7. Parte de un archivo de resultados. En el primer renglón se encuentra el número secuencial correspondiente, el número asignado por LondresPC (ver tabla 1) y el número mínimo de movimientos para la meta (mm= X). La primera columna indica el número del movimiento; la segunda, la posición a la que se intentó el movimiento; la tercera indica si el movimiento es correcto (C) o incorrecto (I) y la última, el tiempo en que se realizó el movimiento. Al final del archivo aparecen los datos acumulados de toda la sesión. 90

115 Método Computacional para la Medición automática del área de Quistes del parásito Toxoplasma gondii Mario F. Jiménez Hernández Grupo de Investigación BIOAXIS, Programa de Bioingeniería, Universidad El Bosque Bogotá, Colombia Armando A. Quiñones Quiñones Grupo de Investigación BIOAXIS, Programa de Bioingeniería, Universidad El Bosque Bogotá, Colombia y Graciela Juez Castillo Grupo de Investigación BIOAXIS, Programa de Bioingeniería, Universidad El Bosque Bogotá, Colombia RESUMEN Toxoplasma gondii, es un organismo intracelular que puede causar infecciones parasitarias, afectando al ser humano e invadiendo tejidos como el cerebro. En pacientes inmunocomprometidos entre ellos con VIH- SIDA, T. gondii es capaz de reactivar la infección y causar encefalitis toxoplásmica. La infección crónica por T. gondii, se caracteriza por la formación de un quiste que le permite al patógeno, mantenerse en el huésped por largos periodos e incluso por todo el tiempo de vida del mismo. En ocasiones el quiste sufre rupturas y libera bradizoitos, quienes tienen la capacidad de formar nuevos quistes, de ahí la variedad en el tamaño de los mismos. La medición del tamaño de un quiste contribuye con información sobre la relación del parásito y la respuesta immune del huésped, esto permitirá la búsqueda de sustancias que inhiban el proceso de formación quístico. Este trabajo tuvo como objetivo desarrollar un algoritmo para la determinación del área de quistes de T. gondii provenientes de material biológico de consumo humano, mediante el Toolbox Image Processing del software Matlab El algoritmo determinó el área de varios quistes del parásito, indicando la medida específica en pixeles y posteriormente la trazabilidad a una medida dimensional dada en micrómetros cuadrados (µm 2 ). Palabras Claves: Toxoplasma gondii, Quiste, Área, procesamiento digital de imagines, elipsoide. 1. INTRODUCCIÓN Toxoplasma gondii es un parásito protozoario intracelular miembro del filum apicomplexa que posee una amplia variedad de hospederos con importancia humana y veterinaria. Este patógeno es altamente prevalente debido a que su infección puede perdurar a través de toda la vida en el cerebro de aproximadamente el 30% de los humanos [1]. T. gondii es de amplia distribución gracias a su ciclo de vida que le permite la reproducción sexual en animales de la familia felinidae y la asexual en varios animales vertebrados. La infección en los huéspedes intermediarios entre ellos el hombre se da por diferentes vías, la ingestión de bradizoitos directamente presentes en carne poco cocida, ooquistes en vegetales y agua destinada al consumo [2]. Aunque se caracteriza por producir enfermedades congénitas en humanos, T. gondii es particularmente perjudicial en tejidos que no tienen regeneración celular entre ellos el cerebro, ojos y músculo esquelético o cardiaco [3]. Este parásito es de amplia importancia clínica por las enfermedades que causa en el feto como muerte cerebral o severas secuelas neurológicas entre ellas hidrocefalia, microcefalia, ceguera y como infección oportunista en personas immunocomprometidas con cáncer, trasplante de órganos y VIH causando un alto porcentaje de mortalidad y morbilidad [4]. Por ejemplo alrededor del 30 al 50% de personas con VIH que han sido infectadas crónicamente con T. gondii presentan encefalitis toxoplásmica y aproximadamente la mitad de las infecciones agudas durante el embarazo conllevan a enfermedades congénitas del neonato [5]. La infección crónica generada por T. gondii se caracteriza por la formación de un quiste de membrana delgada en el cual se replican lentamente los bradizoitos, como respuesta a este proceso el tamaño del quiste aumenta y mantiene las condiciones de vida para que el patógeno permanezca allí por largos periodos de tiempo [6]. Actualmente se tiene limitada información respecto a los procesos específicos que le permiten al patógeno formar el quiste evadiendo el sistema inmune, sin embargo se ha reportado que los mecanismos de interacción huéspedpatógeno están mediados por la ruptura de algunos 91

116 quistes, formación de nuevos quistes y por procesos que involucran células del sistema immune [6]. En organismos inmunocompetentes que presentan infección crónica, los quistes de manera espontánea sufren rupturas y liberan los bradizoitos, éstos invaden células vecinas y se convierten en taquizoitos que pueden ser controlados por el sistema immune, sin embargo T. gondii tiene la capacidad de formar nuevos quistes, por ello se puede encontrar variedad en el tamaño de los mismos [6]. La medición del tamaño de un quiste contribuye con información sobre mecanismos involucrados entre la relación del parásito y la respuesta immune del huésped. En Colombia se han encontrado cepas exóticas de T. gondii, estas cepas se caracterizan por ser avirulentas y formar quistes en cerebro de ratón [7, 8]. Esto indica que este estado de desarrollo del parásito tiene prevalencia en nuestro país lo que puede sugerir que la población humana infectada con T. gondii posiblemente este siendo afectada por este tipo de cepas, de ahí la importancia de continuar con estudios que permitan caracterizar el estado quístico del patógeno. Debido a la alta prevalencia de este parásito en varias regiones de Colombia, este trabajo tuvo como objetivo desarrollar un algoritmo para la determinación del área de quistes de T. gondii provenientes de material biológico de consumo humano con presencia de una cepa avirulenta del parásito, mediante el Toolbox Image Processing del software Matlab El algoritmo determinó el área de varios quistes del parásito, indicando la medida específica en pixeles y posteriormente la trazabilidad a una medida dimensional dada en nanómetros cuadrados (nm 2 ), teniendo en cuenta parámetros como zoom óptico y circularidad del quiste. En un trabajo posterior se propone estimar el volumen que ocupa un quiste de T. gondii en el cerebro de su hospedero, a partir de la definición del área del mismo. 2. MATERIALES Y MÉTODOS Este trabajo estuvo dividido en dos partes, el primero definido por el desarrollo experimental realizado para la obtención de los quistes de T. gondii apartir de cerebro de ratón infectado con cepa avirulenta JUEZ1 nativa de Colombia. El proceso inicio con la recolección de las muestras, tejidos de corazón y lengua de cerdos destinados al consumo de la población Colombiana. Las muestras fueron procesadas y analizadas utilizando técnicas moleculares, posteriormente se inocularon ratones para permitir el desarrollo y obtención de los quistes del parásito, se siguieron de manera estricta las normas de bioética y protección animal. Los ratones infectados fueron sacrificados y su cerebro aislado para realizar procesos histoquímicos y moleculares. El proceso histoquímico fue desarrollado con reactivo Giemsa, el cual permitió fácilmente la tinción de las estructuras quísticas, este proceso se llevo a cabo en los laboratorios BBMP de la universidad de los Andes. El estudio histoquímico permitió la visualización de los quistes de T. gondii a diferentes escalas, usando un microscopio Olympus CX31RTSF y posterior captura de imágenes de microscopía óptica, mediante cámara Panasonic DMC-FH2. La segunda parte de la metodología se caracterizó por el análisis de las imágenes obtenidas mediante el toolbox Image Processing, el cual permitió determinar el área de cada quiste visualizado. Algoritmo El tratamiento digital de imágenes actualmente se está implementando para la detección de características de patógenos que ocasionan enfermedades [9,10], como por ejemplo, tamaño, cantidad, forma, entre otras. Por medio del Toolbox de imágenes del software Matlab 2013, se procesaron 30 fotografías con presencia de quistes de T. gondii, para finalmente establecer el área de cada uno de ellos. Las imágenes fueron capturadas con una cámara fotográfica de referencia Panasonic DMC-FH2 directamente sobre el lente del microscopio. Por otro lado, un sistema de procesamiento de visión esta compuesto por las siguientes etapas: preprocesamiento, segmentación, etiquetado, extracción de principales características, y clasificación [11]. Generalmente el criterio elipsoidal es constante en la morfología de los quistes de T. gondii [6], factor que contribuyó para la segmentación y posterior cálculo del área del quiste (Fig. 1A). Segmentación de Color En la segmentación se utilizan principalmente 2 procesos: - Filtro de la imagen - Segmentación de la imagen. En el algoritmo se utilizó un filtro promedio para minimizar el ruido de la imagen (Fig. 1B) y posteriormente se segmentó la tonalidad roja. Para esto se seleccionó la escala RGB de la imagen original y al color rojo se le sustrajo por medio de un filtro promedio el componente verde y azul. Binarización La binarización es el proceso en donde por medio de un umbral se separa la información de primer plano de la imagen y se elimina lo que queda en segundo plano. En este caso, luego de binarizar la imagen y convertir los pixeles en un rango de [0,1], se utilizó un umbral: U! = 0.65, para binarizar y segmentar la imagen, logrando eliminar el ruido y obteniendo la sección de interés ( Fig. 2A). Luego de tener binarizada la imagen 92

117 fue necesario realizar un proceso de encerramiento, para definir los objetos restantes en la imagen o aquellos que tienen pixeles vecinos y etiquetarlos a través de la asignación de un color (Fig. 2B). A. B. Fig. 1. (A) Quiste de T. gondii. Cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido de cerebro de ratón con 10 meses de infección. (B) Segmentación de color. Zoom óptico 40x. Cámara PANASONIC DMC-FH2. A. B. Fig. 2. (A) Imagen binarizada. (B) imagen etiquetada. Quiste de T. gondii. Cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido de cerebro de ratón con 10 meses de infección. Zoom óptico 40x. Cámara PANASONIC DMC-FH2. Determinación del área de quistes de T. gondii. Como ya se tienen definidos los diferentes objetos que se encuentran en la imagen, es necesario determinar la frontera de los mismos, y luego, por medio de un umbral de área establecer el objeto de interés en la imagen (Fig. 4 ). El área del quiste de T. gondii es calculada en pixeles, y luego por medio de una imagen patrón se realizó la trazabilidad espacial, debido a que se conoce con anterioridad las coordenadas en unidades reales entre un pixel y otro (Fig. 5A y B). De esta forma el área en pixeles fue trazada a una unidad de área en nanómetros cuadrados (nm! ). Con la imagen patrón y teniendo en cuenta el zoom del microscopio, se cálculo el número de pixeles que se tenia en una distancia de 1mm. Posteriormente se cálculo la distancia de un pixel sin zoom en metros (D p ) (Ec.1). Número de pixeles en 1mm a 10x = x 10 3 pixeles. D! =!!!!ú!"#$!"!!"#$#%!"!!! Distancia de un pixel en metros (Dp)= µm x100 Ec. 1 93

118 Fig. 3 Detección de un Quiste de T. gondii. Cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido de cerebro de ratón con 10 meses de infección. Zoom óptico 40x. Cámara PANASONIC DMC-FH2. A. B. Fig. 4. Imágenes de microscopía óptica. (A) Imagen patrón, hoja de papel milimetrado, zoom 4x. (B) Imagen patrón, hoja de papel milimetrado, zoom 10x. Microscopio Olympus CX31RTS. Cámara Panasonic DMC- FH2 3. RESULTADOS El método de tinción histoquímica con Giemsa permitió la visualización de diversos quistes de T. gondii en cerebro de ratón, éstos presentaron formas elipsoides como es referenciado por Sullivan, A et al., 2013, los cuales están rodeados por una pared relativamente delgada (Fig 1A). Algunos estudios reportan resultados respecto a la determinación del tamaño de un quiste de T. gondii basado en la medición del diámetro y volumen del mismo [6], el método computacional de este trabajo, permitió calcular por medio de procesamiento digital de imágenes el área de los quistes, a partir del diámetro mayor y diámetro menor de la elipse característica de la estructura quística. Para la implementación del algoritmo se determinó el área de 30 quistes de T. gondii, obtenidos a través de los métodos descritos anteriormente, algunas de las imágenes se observan en la Fig 7. Reconocimiento e interpretación El quiste de T. gondii en su estructura celular tiene una forma elipsoide (Fig 5), cuya fórmula para calcular el área se define por: d D Fig 5. Área de una elipsoide. Donde: D = Diámetro mayor d = Diámetro menor Cálculo del área A!"#$%&#'! = π. d. D Ec. 2 Para determinar el área de los quistes de T. gondii, el algoritmo calculó la distancia en cantidad de pixeles del diámetro mayor y el diámetro menor de la elipse propia del quiste (Fig. 6). Dichos valores calculados por el método computacional son: D.img = x103 pixeles. (Diámetro mayor de la elipse del quiste). d.img = x103 pixeles. (Diámetro menor de la elipse del quiste). Teniendo la distancia del diámetro mayor (D), y del diámetro menor (d) en número de pixeles, se realizó la trazabilidad a una unidad real, teniendo en cuenta el resultado de la Ec. 1 y el zoom al que fue tomada la fotografía, posteriormente se calculó el área del quiste. Este procedimiento se realizó para las 30 muestras diferentes de quistes de T. gondii cepa JUEZ1, nativa de Colombia, tomadas con un zoom de 40x. Para la Fig. 6, el cálculo del área fue: 94

119 El área del quiste T. gondii es: Área!.!"#$%% = nm Área!.!"#$%% = D. d. π Fig. 6. Extracción de quiste de T. gondii de la imagen. Zoom 40x. D.!"#$. Dp D = Zoom optico microscopio = µμm. Ec. 3 d.!"#$. Dp d = = μm. Zoom optico microscopio A. B. Fig. 7. A, B. Área de quistes de T. gondii. Cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido de cerebro de ratón con 10 meses de infección. Zoom 40x. Cámara PANASONIC DMC-FH2. 4. CONCLUSIONES El algoritmo de tratamiento digital de imágenes diseñado para el cálculo del área de quistes de la cepa JUEZ1 de T. gondii, nativa de Colombia, presentó óptimos resultados al momento de comparar las mediciones reales otorgadas por el desarrollo computacional y los métodos tradicionales, siendo este algoritmo, un método capaz de acelerar los procesos de medición y cálculo para la caracterización de quistes. Por otro lado, los diámetros determinados por el algoritmo son coherentes con los encontrados en la literatura, se validaron 30 muestras de diferentes quistes de la cepa JUEZ1, y los resultados presentaron una precisión mayor a los arrojados por los métodos tradicionales (microscopía óptica con micrómetro), debido a que el método computacional logró medir centésimas de micrómetro. En un trabajo posterior se prepone estimar el volumen que ocupa un quiste de T. gondii en el cerebro de su hospedero, a partir de la definición del área del mismo. Algunos reportes de la literatura han relacionado la presencia de T. gondii con desórdenes cerebrales entre ellos esquizofrenia [12], no obstante este parásito tiene alta prevalencia en tejido cerebral, por ello es de gran importancia el estudio de los mecanismos asociados a la infección crónica. Este trabajo contribuyó con información respecto a la determinación del área de quistes de T. gondii, aislados de muestras biológicas nativas de Colombia, fortaleciendo la caracterización del estado quístico de T. gondii. Agradecimientos Juan Miguel Escobar, Director del Programa de Bioingeniería de la Universidad El Bosque. Barbara H. Zimmermann, Directora del grupo de investigación BBMP de la Universidad de Los Andes. 5. REFERENCIAS. [1]. D.J. Ferguson, F.L. Henriquez, M.J. Kirisits, S.P. Muencih, S.T. Prigge, D.W. Rice, W.R. Craig, y R.M. McLeod. Maternal inheritance and stage-specific variation of the apicoplast in Toxoplasma gondii during development in the intermediate and definitive host, Eukaryot Cell, Vol. 4, No. 4, 2005, pp [2]. M.D. Cleary, U. Singh, I.J. Blader, J.L. Brewer, J.C. Boothroyd, Toxoplasma gondii asexual development: identification of developmentally regulated genes and distinct patterns of gene expression, Eukaryot Cell, Vol. 1, No. 3, 2002, pp [3]. J.K. Frenkel, Pathophysiology of toxoplasmosis. Parasitol Today, Vol. 4, No. 10, 1988, pp

120 [4]. D.M. Israelski, J.S. Remington, Toxoplasmic encephalitis in AIDS, Clin Infect Dis, Vol. 15, No. 2, 1992, pp [5]. L.D. Sibley, J.C. Boothroyd, Virulent strains of Toxoplasma gondii comprise a single clonal lineage, Nature, Vol. 359, No. 6390, 1992, pp [6]. A. Sullivan, Z. Zhao, Suzuki, Y. Ochiai, Crutcher, S., Gilchrist, M. Evidence for Finely-Regulated Asynchronous Growth of Toxoplasma gondii Cysts Based on Data-Driven Model Selection, PLoS Comput Biol. Vol. 9, No. 11, [7]. B.H. Zimmermann, G. Juez, A. Hortúa, Aislamiento de una nueva cepa avirulenta de Toxoplasma gondii nativa de Colombia. Biomédica. Instituto Nacional de Salud. Vol 31, 2011, Pág 356. [8]. H.J. Lora, J.E. Aricapa, L.E. Pérez, S.E. Arias, D. Idarraga, J. Gómez, Detección de Toxoplasma gondii en carnes de consumo humano por la técnica de reacción en cadena de la polimerasa en tres ciudades del eje cafetero. Infection, Vol. 11, 2007, pp [9]. C. A. Castañon, J. S. Fraga, S. Fernandez, A. Gruber, L. Costa, Biological shape characterization for automatic image recognition and diagnosis of protozoan parasites of the genus Eimeria, Pattern Recognition, Vol. 40, 2007, pp [10]. J. E. Arco, J. M. Górriz, J. Ramírez, I. Álvarez, C.G. Puntonet, Digital image analysis for automatic enumeration of malaria parasites using morphological operations. Experts Systems With Applications. Vol. 42, 2014, pp [11]. E. Saenz, M. F. Jiménez, A. A. Ramírez, Strawberries Collecting Robot Prototype in Greenhouse Hydroponic Systems, IEEE Xplore, Image Signal Processing, and Artificial Vision (STSIVA), 2013 XVIII Symposium of, 2013, pp 1-4. [12]. J.L. Xiao, R.H. Yolken, Strain hypothesis of Toxoplasma gondii infection on the outcome of human diseases. Acta Physiol (Oxf),

121 Procesamiento y Análisis digital de imágenes biológicas para el reconocimiento automático de quistes de Toxoplasma gondii Armando A. Quiñones Quiñones Grupo de Investigación BIOAXIS, Programa de Bioingeniería, Universidad El Bosque Bogotá, Colombia Mario F. Jiménez Hernández Grupo de Investigación BIOAXIS, Programa de Bioingeniería, Universidad El Bosque Bogotá, Colombia y Graciela Juez Castillo Grupo de Investigación Ciencias Básicas Aplicadas, Departamento de Ciencias Básicas, Universidad EAN Bogotá, Colombia RESUMEN La Toxoplasmosis es una parasitosis humana causada por Toxoplasma gondii, un patógeno de prevalencia en varias especies de animales de sangre caliente. Este parásito es clínicamente importante debido a las enfermedades que puede causar, entre ellas, correoretinitis, microcefalia, hidrocefalia y retardo mental. También afecta a pacientes inmunocomprometidos, aquellos con algún tipo de cáncer, trasplante de órganos y VIH. La infección crónica por T. gondii, se carateriza por la formación de quistes en la célula hospedera que permiten la sobrevivencia del parásito, de ahí la importancia de detectar y analizar las estructuras quísticas para evidenciar mecanismos de interacción entre microorganismo y huésped. El objetivo de este trabajo fue desarrollar un algoritmo matemático de procesamiento digital de imagen, para el reconocimiento morfológico de varios quistes de T. gondii en un solo campo visual. Esta herramienta usó el Toolbox Image Processing del software Matlab El algoritmo desarrollado proporcionó una alta sensibilidad y especificidad para la detección automática de un solo quiste en un campo visual, sin embargo no se obtienen los mismos resultados para el caso de dos estructuras quísticas en el mismo campo visual, para ello se requiere mejorar el protocolo histoquímico que redunde en una mejor resolución de la imagen. Keywords: Toxoplasma gondii, Excentricidad, Coocurrenccia 1. INTRODUCCIÓN Toxoplasma gondii es un parásito intracelular miembro del filum Apicomplexa. Es un importante patógeno de una variedad de animales incluyendo humanos. La infección en hospederos intermediarios, incluyendo la especie humana, ocurre a través de diferentes vías, transmisión de madrea a feto, transmisión de taquizoitos en trasplante de órganos, ingestión de taquizoitos o bradizoitos presentes en carnes preparadas con mínimas condiciones de cocción [1] e ingestión de ooquistes presentes en agua destinada para el consumo humano [2]. T. gondii es un patógeno de alta significancia en epidemiología debido a las enfermedades que causa en el feto en caso de ser transmitido durante la gestación, sus manifestaciones clínicas se asocian con encefalitis, eritroblastocis, correoretinitis, microcefalia, hidrocefalia, retardo mental, entre otras [3,6]. Además, este parásito oportunista puede generar infección crónica en pacientes inmunocomprometidos con algún tipo de cáncer [4] y con trasplante de órganos [3]; adicionalmente, las personas con VIH son extremadamente vulnerables al desarrollo de encefalitis toxoplásmica [5], se reporta que alrededor del 30 al 50% de los individuos infectados presentan esta patología. Por otra parte, la seropositividad of T. gondii ha sido asociada con la manifestación clínica de otras infecciones crónicas como hepatitis B, diabetes mellitus, neoplasma, squizofrenia y artritis [7]. T. gondii predomina fuertemente debido a su fuerte capacidad de interconversión entre los estados taquizoito y bradizoito, la cual le permite resistir efectivamente al sistema immunológico. Este parásito tiene un complejo ciclo de vida que incluye la reproducción sexual y asexual dependiendo de su estado de desarrollo biológico. El ciclo sexual ocurre solamente en el intestino de los gatos, los cuales se consideran los huéspedes definitivos [8], mientras que el ciclo asexual se presenta en la mayoría de huéspedes intermediarios [9]. Cuando el huésped desarrolla inmunidad, la cantidad de taquizoitos libres disminuye y su multiplicación intracelular se hace lenta. Dentro de pocas semanas, el parásito se interconvierte del estado taquizoito (fase proliferative o aguda) al estado bradizoito (fase 97

122 crónica o latente), el cual forma el quiste tisular para mantenerse en el hospedero posiblemente por toda la vida. Los quistes de T. gondii crecen en algunos tejidos, especialmente en el cerebro protegiendo el parásito del sistema inmune [8]. Una de las complejas estrategias de este parásito para sobrevivir es su capacidad para afectar los huéspedes inmunocomprometidos y reactivar la infección, causando potencialmente encefalitis fatal [9]. El aumento en el interés de las consecuencias de la interconversión de T. gondii, ha conducido a diversas investigaciones en la recrudescencia de la Toxoplasmosis, por ejemplo en individuos infectados con VIH, los bradizoitos que se encuentran en los tejidos se diferencian a taquizoitos, los cuales llegar a generar abscesos cerebrales conduciendo al problemas fatales para el paciente [5]. El estado quístico de T. gondii aún no ha sido exhaustivamente caracterizado, por lo cual se considera importante la continuidad en estudios de los mecanismos que utiliza el patógeno para establecerse en la célula hospedera por meses, años e inclusive por toda la vida [10]. La zoonosis en Colombia actualmente es un tema de alta importancia epidemiológica debido a las vías de transmisión y desarrollo de la patogénesis, algunos estudios reportan la presencia de cepas avirulentas de T. gondii en aislados de carne destinada al consumo humano proveniente de algunas regiones de Colombia [12]. Para profundizar en el estudio de la Toxoplasmosis es necesaria la investigación en la caracterización de los estados de desarrollo del parásito, lo cual contribuirá con el entendimiento de los eventos involucrados en el desarrollo de la patología, en este caso el presente trabajo está enfocado en la detección y análisis de estructuras quísticas de T. gondii, aisladas de tejidos de cerdos destinados al consumo humano y provenientes de una región Colombiana en la cual se conocen algunos reportes de prevalencia del parásito. El objetivo de este trabajo fue desarrollar un algoritmo matemático de procesamiento digital de imagen, para el reconocimiento morfológico de varios quistes de T. gondii en un solo campo visual. Esta herramienta usó el Toolbox Image Processing del software Matlab El algoritmo desarrollado proporcionó una alta sensibilidad y especificidad para la detección automática de un solo quiste en un campo visual, sin embargo no se obtienen los mismos resultados para el caso de dos estructuras quísticas en el mismo campo visual, para ello se requiere mejorar el protocolo histoquímico que redunde en una mejor resolución de la imagen. 2. MATERIALES Y MÉTODOS El estudio experimental de los quistes de T. gondii fue realizado en cerebro de ratón infectados con cepa avirulenta JUEZ1 nativa de Colombia. Inicialmente se tomaron muestras de tejidos de corazón y lengua de cerdo destinados para consumo de la población Colombiana. Estas muestras fueron procesadas y analizadas mediante técnicas moleculares, posteriormente para mantener la viabilidad del patógeno y permitir el desarrollo del estado quístico, parte de estas muestras fueron inoculadas en ratones con ciertas especificaciones y teniendo en cuenta las normas de bioética. Posteriormente los ratones fueron sacrificados y su cerebro fue aislado para realizar procesos histoquímicos y moleculares. El análisis histoquímico fue desarrollado con reactivos Periodic-Acid-Schiff (PAS) y Giemsa, en los laboratorios BBMP de la universidad de los Andes. Este estudio permitió la visualización de los quistes de T. gondii a diferentes escalas, usando un microscopio Carl Zeiss AX10sKop 40 y posterior captura de imágenes de microscopía óptica, mediante cámara Nikon Carl Zeiss SONY DSC-S85. Las imágenes obtenidas fueron sometidas al procesamiento digital mediante la aplicación del algoritmo matemático desarrollado. Algoritmo Para llevar a cabo el análisis de los quistes de T. gondii, las imágenes fueron procesadas usando etapas específicas (Fig.1) a través de la herramienta computacional Matlab 2014, toolbox Image Processing. El algoritmo permitió segmentar las imágenes resaltando ciertas características esenciales de la imagen biológica, tales como la circularidad, cuyo parámetro morfológico se mantiene constante en todas las imágenes de los quistes de este parásito, de ahí que se utilizó para la detección el parámetro de la escentricidad como medida de circularidad, (Fig. 2a, 2b). Finalmente, mediante una matriz de co-ocurrencia (fórmulas 1, 2) el análisis de textura fue realizado utilizando el índice de homogeneidad (fórmula 3), el cual es considerado un parámetro fundamental que proporciona información respecto a la regularidad local de la textura (Fig. 3) y detección propia del quiste (Fig. 4A, B, C). 98

123 Fig. 1. Diagrama de flujo de las etapas del procesamiento digital de la imagen del quiste de T. gondii. Fig. 2a. Parámetro de Circularidad [11]. Fig. 2b. Índice de escentricidad. Matlab Quistes de T. gondii. Cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido cerebral de ratón con 8 meses de infección. Quiste de 55um de diámetro, 10x (A, B). Quistes de 77um de diámetro, 10x (C). Microscopio Carl Zeiss AX10sKop

124 Fig. 3. Parámetro de homogeneidad de la imagen del quiste de T. gondii. Matlab Matriz de Co-occurrence (1) Homogeneidad (2) Cif Homogeneity = = 2 1+ ( i+ j) i f (3) Los índices de rendimiento del algoritmo son los siguientes: Classification accuracy!! Sensitivity =!"# $%&!!"!!"!#$%!!"##$!%&!!"#$$%&% "(!"#$%!!"# $%&!!"!!"!#$%!"#$!!"#$%$& #!!"!"#$!!"#$%$& #!!"#$%!!"#$%& "(!!"!"!! (4)!"!! = 1 (5) Specificity=!"#$!!"#$%& "(!!!"!"#$!!"#$%& "(!!"#$%!!"#$%$& #!"!!!! (6) Error = Falsenegatives+Falsepositives Truenegatives + Trupositives = 0 60 =0 (7) Algoritmo para Detección de dos quistes de T. gonddii en el mismo campo visual Para el reconocimiento morfológico de varios quistes de T. gondii en un solo campo visual, primero se ecualizaron las imágenes debido a que todas carecían de intensidades bajas y altas de grises, esto permitió mejorar la calidad de la imagen y por ende resaltar la morfología del quiste. Posteriormente las imágenes fueron binarizadas, erosionadas para eliminar pixeles no significativos y por último, se utilizó la circularidad como índice para la detección de los quistes, cuyo parámetro matemático se muestra en la figura 3. La identificación automática de dos quistes en el mismo campo visual se puede observar en la figura 6A. 100

125 3 RESULTADOS Detección de un quiste de T. gondii en un campo visual Para la identificación de quistes de T. gondii (Fig. 6A, B, C) en imágenes de microscopía óptica, el algoritmo de detección automática se basó principalmente en dos parámetros: uno definido como el índice de circularidad, el cual inicialmente permitió identificar las formas circulares de los organelos presentes en la imagen biológica y la segunda determinada por el análisis de textura, cuyo parámetro fue la homogeneidad (entendido como la regularidad local de la intensidad de pixeles distribuidos en el área del círculo detectado). De esta manera puede deducirse que el algoritmo proporcionó una alta sensibilidad y especificidad como herramienta computacional para la detección automática de quistes de T. gondii en muestras biológicas. El algoritmo usa un umbral de área, considerando que existen varias estructuras celulares con forma circular, esto con el fin de descartar estructuras celulares circulares muy pequeñas. Aplicando técnicas de procesamiento digital a las imágenes de microscopía óptica, se logró mejorar la detección de quistes de T. gondii (Figs. 6A, B, C). A B C Fig. 6. Procesamiento de imagen con Matlab Quistes de Toxoplasma gondii de cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido de cerebro de ratón con ocho meses de infección. Quiste de 55um de diámetro, 10x (A). Quiste de 97um de diámetro, 100x (B). Quiste de 75um de diámetro, 10x (C). Microscopio Carl Zeiss AX10sKop 40. Detección de dos quistes de T. gondii en el mismo campo visual El algoritmo desarrollado reconoció morfológicamente dos quistes de T. gondii en el mismo campo visual (Fig 7A), sin embargo para algunas imágenes no se obtienen los mismos resultados en términos de la sensibilidad comparada con la detección de un solo quiste, debido a que la calidad de la imagen se vió afectada por los procesos histoquímicos que no resaltaron de manera óptima la estructura quística del parásito (Fig 7B). Fig.7 A B Detección de quistes de T. gondii en un campo visual. Procesamiento de imagen con Matlab Quistes de Toxoplasma gondii de cepa JUEZ1 nativa de Colombia. Tinción Giemsa, tejido de cerebro de ratón con 8 meses de infección. Detección de dos quistes en el mismo campo visual, 10x (A). Detección de un solo quiste, pero presencia de dos en el mismo campo visual, 10x (B)., 10x. Microscopio Carl Zeiss AX10sKop

126 4. CONCLUSIONES El algoritmo aplicado a partir de imágenes microscopía óptica para la cepa avirulenta JUEZ1 de T.gondii, permitió la detección automática de quistes del patógeno con alta sensibilidad y especificidad, esto indica que la herramienta computacional desarrollado es capaz de acelerar los procesos de identifición y conteo de quistes de T. gondii en una muestra biológica. Para mejorar las condiciones de detección en el caso de 2 quistes en un miscmo canpo visual, es necesario mejorar la calidad de la imagen a través de la mejora del proceso histoquímico que permit resaltar el quiste con respecto al fonde de la imagen. El algoritmo fue validado con 60 imágenes biológicas, en cada una de ellas se visualizó por campo visual un quiste de T. gondii mediante el uso de microscopía óptica, estas estructuras celulares se presentaron de diferente tamaño pero todas provenientes de muestras estudiadas bajo las mismas condiciones experimentales. Este trabajo proporciona una herramienta computacional eficiente para el estudio de la Toxoplasmosis en Colombia a través de la detección automática y precisa de los quistes de T. gondii en muestras biológicas. En trabajos futuros se espera continuar con el análisis de un mayor número de imágenes biológicas obtenidas de diversas cepas del patógeno, así como la detección de varios quistes en el mismo campo visual óptico, esto permitirá validar la eficiencia del algoritmo contribuyendo con la rapidez en la detección de patógenos presentes en muestras biológicas. Agradecimientos Juan Miguel Escobar, Director del Programa de Bioingeniería de la Universidad El Bosque. Eduardo Ramírez, Director del Departamento de Ciencias Básicas de la Universidad EAN. Barbara H. Zimmermann, Directora del grupo de investigación BBMP de la Universidad de Los Andes. 5. REFERENCIAS [1]. A.M. Tenter, A. R. Heckeroth, L.M, Toxoplasma gondii: from animals to humans, Int J. Parasitol, Vol 31, No 2, 2001, pp [2]. D. Aubert, I. Villena, Detection of Toxoplasma gondii oocysts in water: proposition of a strategy and evaluation in Champagne-Ardenne Region, France, Mem Inst Oswaldo Cruz, Vol. 2, No 104, 2009, pp [3]. F. Derouin, H. Pelloux, Prevention of toxoplasmosis in transplants patients, Clin Microbiol Infect, Vol. 14, No 12, 2008, pp [4]. Z. Yuan, S. Gao, Q. Liu, X. Xia, X. Liu, B. Liu, R. Hu, Toxoplasma gondii antibodies in cáncer patients,, Vol 1, No 254, 2007, pp [5]. D.M. Israelski, J.S. Remington, Toxoplasmic encephalitis in AIDS, Vol 15, No 2, 1992, pp [6]. L.D. Sibley, J.C. Boothroyd, Virulent strains of Toxoplasma gondii comprise a single clonal lineage, Nature, Vol 359, No 6390, 1992, pp [7]. D.W. Shin, D.Y. Cha, Q.J. Hua, Y.H. Lee, Seroprevalence of Toxoplasma gondii infection and characteristics of seropositive patients in general hospitals in Daejeon, Korea, Korean J Parasitol, Vol 2, No. 47, 2009, pp [8]. J.P. Dubey, D.S. Lindsay, C.A. Speer, Structures of Toxoplasma gondii Tachyzoites, Bradyzoites, and Sporozoites and Biology and Development of Tissue Cysts, Clinical Microbiology Reviews, Vol 11, 1998, pp [9]. I.D. Manger, A. Hehl, S. Parmley, L.D. Sibley, M. Marra, L. Hillier, R. Waterston, J.C. Boothroyd, Expressed sequence tag analysis of the bradyzoite stage of Toxoplasma gondii: identification of developmentally regulate genes, Infect Immun, Vol 4, No 66, 1998, pp [10]. L.M. Weiss, K. Kim, The development and biology of bradyzoites of Toxoplasma gondii, Front Biosci, Vol 1. No 5, 2000, pp [11]. E. García, C. Avilés, Detección y Clasificación de objetos dentro de un salón de clases empleando técnicas de procesamiento digital de imágenes. Universidad Autónoma Metropolitana, 2008, pp 80. [12]. B.H. Zimmermann, G. Juez, A. Hortúa, Aislamiento de una nueva cepa avirulenta de Toxoplasma gondii nativa de Colombia. Biomédica. Instituto Nacional de Salud. Vol 31, 2011, Pág

127 Robô Pneumático, uma alternativa econômica para a automação industrial. Claudio F. Rios 1, Gil E. Guimarães 2 (1) Centro Superior de Tecnologia Tecbrasil Ltda. Ftec. Coordenação da Engenharia Mecânica, Rua: Gustavo Ramos Sehbe, 107, CEP: Caxias do Sul RS, Brasil. (2) Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI - Engenharia Mecânica, Campus Panambi, Rua Prefeito Rudi Franke, 540. Panambi, RS, Brasil. Resumo este trabalho tem como objetivo verificar se um robô comandado por válvulas de comutação rápida e custo reduzido, controlado pela técnica baseada em modos deslizantes (Slide Mode Control), tem desempenho adequado para permitir sua aplicação em processos industriais. Os resultados dos testes de seguimento de trajetória indicam que o robô mostrou-se eficiente no posicionamento final em relação os valores definidos pela camada limite assim comprovou-se a sua eficiência para desenvolver tarefas em que é necessário um posicionamento final dentro desta camada, como podem ser as atividades de montagem e armazenamento de peças. Palavras-chave: Controle por modos deslizantes; Automação Industrial; Robô Pneumático. I. INTRODUÇÃO Mesmo com a diminuição de custos dos robôs industriais elétricos é comum encontrar nos países em desenvolvimento empresas empregando mão de obra humana para desempenhar trabalhos repetitivos que, em muitos casos, podem causar lesões físicas ao trabalhador. Há inúmeros processos industriais que podem ser automatizados, porém o elevado custo dos sistemas de automação disponível na atualidade não possibilita essa atividade. Para aumentar o nível de automação industrial torna-se necessário reduzir seus custos. Isto pode ser conseguido implementando soluções que operem com formas de energia alternativas à elétrica, e que tenham componentes de custo mais baixo. Recentemente, com o avanço da computação e da eletrônica industrial, surgiram teorias de controle que, em tese, possibilitariam o controle de atuadores pneumáticos dentro de limites aceitáveis de precisão de movimentação para aplicações em ambiente industrial. A proposta deste trabalho é relacionar os elementos componentes de um robô industrial pneumático, indicando soluções mais econômicas que os servomotores elétricos e apresentar resultados reais da movimentação de um atuador pneumático controlado pela configuração proposta. II.Características do emprego da pneumática para automação. A pneumática é um tipo de energia limpa abundante na maioria das indústrias, seus atuadores são de baixo custo se comparados com os motores elétricos que equipam atualmente os robôs e a força que produzem é proporcional à área do seu êmbolo e à pressão do ar, não precisando dos caros e precisos redutores de velocidade empregados nos robôs elétricos empregados para adequar a velocidade do atuador às atividades do robô e para elevar o torque a valores compatíveis com a aplicação. Os equipamentos pneumáticos são robustos, duráveis, leves e resistentes ao ambiente industrial quando comparados com atuadores elétricos. Por outro lado o ar é um fluido compressível o que torna necessário um controle preciso de posição é velocidade de deslocamento, só possível recentemente dado a alta velocidade de processamento das equações de controle atingida pelos computadores. Outro limitante do controle dos atuadores pneumáticos e o tempo de acionamento das eletroválvulas direcionais, um atuador pneumático chega com facilidade a velocidades de deslocamento superiores a 1 m/s, tornando essencial acionamentos rápidos para obter posicionamentos precisos. III. Considerações construtivas A. Parte física. Os robôs pneumáticos, como é desejado nos equipamentos de movimentação, devem ter uma elevada relação entre rigidez estrutural e peso, conseguido pela escolha de materiais leves como ligas de alumínio, por exemplo, e a forma das peças que sofram menores deformações quando solicitadas a carregamentos, conforme é tratado na Resistência dos Materiais. Deve se considerar que parte da energia fornecida pelo atuador será empregada para movimentar a própria estrutura do robô. Outro ponto importante na construção do robô é a escolha dos atuadores. Comercialmente os atuadores pneumáticos são divididos em dois grupos, os atuadores lineares conhecidos também como cilindros pneumáticos e os atuadores rotativos. Estes últimos possuem um movimento giratório definido pelo seu modelo construtivo chegando a valores limites de 270 (fonte SMC). Um elemento chave do projeto do robô pneumático é a escolha das válvulas direcionais. Estas válvulas são as que controlam o fluxo de ar no atuador pneumático já que por serem acionadas e desligadas rapidamente permitem o controle do volume de ar que entra nas câmaras dos cilindros, consequentemente a sua posição e velocidade, fazendo a função de válvula reguladora de fluxo. Como foi mencionado uma das características desejadas da válvula é a sua rapidez 103

128 da acionamento, já que este tempo está diretamente relacionado à precisão de movimentação do equipamento. O tipo de válvula mais indicada para este tipo de acionamento é a válvula proporcional de fluxo. A vazão desta válvula é controlada por um sinal de entrada analógico de tensão ou uma corrente elétrica de 4 a 20 ma, dependendo do modelo da válvula. Outra característica deste equipamento é o seu preço elevado se comparado com as válvulas de comutação rápida como a Festo MHE4-MS1H-3/2G-1/4K com um tempo mínimo de acionamento de 5ms e, aproximadamente um décimo do preço. As válvulas de comutação rápida somente possibilitam dois estados de operação, o aberto e o fechado, mas devido ao seu baixo tempo de acionamento possibilitam o controle do fluxo de ar comprimido que movimenta o atuador através de acionamentos intermitentes, conhecidos como chaveamento. Para o controle do atuador podem ser usadas três tipos de configurações descritas a seguir: a) A de empregar uma válvula proporcional quatro vias duas posições; b) A de colocar duas válvulas de comutação rápida para movimentar o atuador; c) A de adotar a configuração proposta por Hogdson, S.; Le M. Q.; Tavakoli, M e Pham M. T. (2011) que é a de colocar duas válvulas de comutação rápida em cada extremidade do atuador, uma trabalhando como admissão e a outra como escapamento e um sensor de pressão em cada extremidade. Dessa forma trabalhando com três estados conseguiram posicionamento precisos com menor chaveamento de válvulas, aumentando desta forma sua vida útil. Como o objetivo deste trabalho é o de apresentar uma solução de baixo custo Foi escolhida para implementar a configuração b. Já na parte de comando é necessário possuir um sensor que indique a posição do atuador, pelo custo acessível, a possibilidade de usá-lo diretamente em juntas rotativas ou com duas polias sincronizadoras e uma correia foi escolhido um encoder incremental de 5000 pulsos por volta que uma vez decodificado pelo decodificador de quadratura do leitor de encoder aumenta em quatro vezes a contagem, fornecendo pulsos por volta. Para tratar este sinal podem ser escolhidos diferentes fornecedores, no caso deste trabalho mantendo a linha de baixos investimentos foi escolhido a placa Phidget Encoder High Speed 4 - Input que possibilita a sua conexão por USB com a placa de entrada e saída Phidget Interface Kit 888 w/6 Port Hub que, por sua vez, possibilita sua conexão por USB com o computador. Esta placa Phidget Interface Kit 888 w/6 Port Hub possui 8 entradas analógicas, 8 entradas digitais, 8 saídas digitais que são usadas para acionar as válvulas de comutação rápida, mas para isso é necessário colocar um transistor entre a saída da placa e a alimentação da válvula já que a corrente fornecida pela placa é de 16mA e a necessária para ativar a válvula é de 1 A e 6 portas USB onde é conectado o cabo do leitor de encoder. B. Parte Computacional. A parte computacional será dividida em sistema de controle e no programa computacional. B.1. Sistema de controle. Entre os vários sistemas de controle existentes foi escolhido o de modos deslizantes (Sliding Mode Control) por vários motivos, entre os quais podem ser relacionados como os mais importantes: a) Ser uma técnica de controle robusta capaz de manter um desempenho elevado do sistema na presença de condições variáveis de operação e não linearidades. b) Ser capaz de controlar o sistema com razoável precisão, ser simples de dimensionar, fácil de implementar, praticamente não necessita de um modelo matemático do sistema e ter baixa sensibilidade para distúrbios., conforme Situm Z. et al c) Possuir uma robustez intrínseca no controlador por modos deslizantes que facilita a escolha dos ganhos de chaveamento do controlador e, como neste tipo de controle o estado permanece na superfície de deslizamento o movimento do cilindro é muito suave. Isto indica uma grande aplicabilidade dos cilindros pneumáticos como atuadores para robôs manipuladores, conforme Paul Arun K. et al. d) Que resultados de experimentos demonstram que um controlador por modos deslizantes apropriadamente desenhado é capaz de chegar a precisões da ordem de 0,2 mm no posicionamento de atuadores lineares pneumáticos, conforme Surgenor B. e Vaugham N. O método de controle por modos deslizantes baseia-se no chaveamento entre leis de realimentação com o objetivo de conduzir a trajetória dos estados do sistema em direção a uma superfície arbitrária no espaço de estados definida em projeto (conhecida como superfície de deslizamento ou superfície de chaveamento). Conforme mostrado na Figura 1. S = 0 x ~ Superfície de deslizamento Figura 1. Interpretação gráfica da região de resultado de um chaveamento não ideal, fonte: x~ 104

129 Uma vez atingida a superfície de deslizamento, o chaveamento das leis de controle deve confinar a trajetória do sistema de forma que ela deslize sobre a superfície até o equilíbrio (Figura. 1). Mais detalhes podem ser encontrados em Surgenor (1995), Perondi e Guenther (2000), Yang Xia (2001), Perondi (2002) e. A lei de controle usada, baseada na técnica dos modos deslizantes, foi a sugerida por Nguyen et al. (2007) e será reproduzida a seguir, Caso alguma força externa for aplicada na haste do cilindro e esta sofrer um deslocamento, este será percebido pelo encoder e realimentará o circuito para retornar à posição inicial. A Figura 3 mostra o seguimento de uma trajetória de avanço de 100 mm que o atuador deveria executar, com velocidade constante, em 2s. (1) sendo a superfície de deslizamento, variação do erro no tempo, ë a derivada da variação do erro no tempo, natural. A superfície é uma escala de S dada por. Este artifício foi introduzido para facilitar a escolha de ( B.2. Programa Computacional. O programa é o conjunto de instruções que possibilitam ao computador determinar as trajetórias que o robô deve estabelecer e que através da placa de entrada e saída ler chaves, sensores e encoders e acionar as válvulas pneumáticas para movimentar o atuador. O programa é específico para cada aplicação, dependendo da função do robô e do número de graus de liberdade que devem ser acionados e controlados. Como a placa de entrada e saída de dados sugerida é comercial a Phidget Interface Kit 888 w/6 Port Hub, ela pode ser acionada através de um grande número de linguagens de programação, o que facilita a implementação de robôs pneumáticos por não necessitar de programadores específicos e altamente treinados IV. Resultados experimentais. Para verificar a fundamentação teórica para o uso de robôs pneumáticos na indústria foi construído um modelo experimental com um atuador linear de diâmetro 63 mm e curso 200 mm, conforme mostrado na Figura 2, e foram efetuados alguns testes. Neste trabalho será mostrado na Figura 3 a movimentação do atuador seguindo uma trajetória definida e na Figura 4 os sinais enviados para acionamento das válvulas. Cabe ressaltar que quando o sinal e positivo o atuador avança, quando é negativo o atuador recua e quando não há sinal as válvulas não são acionadas. Figura 2. Esquema do modelo experimental Fonte: Próprio Autor Figura 3 Teste de seguimento de trajetória pelo atuador. Fonte: RIOS, C. F. (2009) A Figura 4 mostra o sinal de saída do acionamento das válvulas para o movimento registrado na Figura 3. Figura 4 Sinal de saída do acionamento das válvulas. Fonte: RIOS, C. F. (2009) A Figura 3 mostra que o atuador conseguiu acompanhar a trajetória estabelecida para o teste, são percebidas pequenas oscilações devidas ao tempo necessário para acionar as válvulas, experimentalmente este atraso foi de 0,024s para este tipo de válvula. Estes resultados são encorajadores principalmente se o que se deseja é substituir um ser humano no trabalho já que a precisão deste é inferior á conseguida pelo atuador testado. III. Conclusão Apesar da principal desvantagem do uso industrial da pneumática é o controle flexível de posição e velocidade já que o ar é um fluido compressível, as válvulas pneumáticas têm atrasos no seu acionamento, a movimentação dos seus atuadores é influenciada por forças de atrito este trabalho mostrou que a pneumática, com os recursos de componentes 105

130 rápidos e baratos e tecnologias de controle modernas, pode ser usada como uma alternativa econômica para a robotização de processos industriais. O resultado dos testes mostra que com as técnicas de controle e os componentes pneumáticos modernos algumas operações industriais, principalmente as que dependem somente de precisão no posicionamento final da trajetória podem ser automatizadas a custos mais baixos, como a automação de montagens de conjuntos, alimentação de peças em máquinas, armazenamento, etc. Em casos de processos onde a trajetória desenvolvida também é importante, como é o caso de soldas contínuas, corte por plasma e laser, é necessário que seja feito um estudo mais apurado sobre as necessidades de precisão no deslocamento para cada aplicação, verificando se a movimentação dos atuadores atinge as necessidades mínimas para garantir a qualidade do produto. REFERÊNCIAS FESTO CORPORATION. Em 31/08/2014, 20:25h. HADGSON, S; LE, M, Q; TAVAKOLI, M.; PHAM, M. T., 2011, Sliding-Mode Control of Nonlinear Discrete-Input Pneumatic Actuators IEEE/RSJ International Conference on Intelligent Robots and Systems. September 25-30, 2011, San Francisco, CA, USA. NGUYEN, T.; LEAVITT, J.; JABBARI, F.; BOBROW, J., 2007, Accurate Sliding-Mode Control of Pneumatic Systems Using Low-Cost Solenoid Valves. IEEE/ASME Transactions on Mechatronics, Vol. 12, Nº 2. PAUL, A. K.; MISHRA J. K.; RADKE M. G., Reduced Order Sliding Mode Control for Pneumatic Actuator. IEEE Transactions on Control Systems Technology, Vol.2, Nº 3, pp PERONDI, E. A., Controle não-linear em Cascata de um Servoposicionador Pneumático com Compensação de Atrito. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica, Universidade Federal de Santa Catarina. PERONDI, E. A.; GUENTHER, R., Controle de um Servoposicionador Pneumático por Modos Deslizantes. Congresso Nacional de Engenharia Mecânica. PHIDGETS INC. RIOS, C. F Projeto e Construção de um Robô Cartesiano com Acionamento Pneumático. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica, Universidade Federal do Rio Grande do Sul., Sliding Mode Control Applied to Pneumatic Servo Drive. Proceedings of 11th Mediterranean Conference on Control & Automation,Rhodes, Greece.., Identification and Control of Pneumatic Servodrives. Proceedings of the 9th Mediterranean Conference on Control and Automation, Dubrovnik, Croácia. ESSERT, M., High Speed Solenoid Valves in Pneumatic Servo Applications. Proceedings of 2007 Mediterranean Conference on Control & Automation, Athens, Greece. SMC CORPORATION. Em 31/08/2014, 20:15h SURGENOR, B. W.; VAUGHAN, N. D.; UEBLING, M., Continuous Sliding Mode Control of a Pneumatic Positioning System. Proceedings of Eighth Bath International Fluid Power Workshop, pp SURGENOR, B. W.; VAUGHAN, N. D., Continuous Sliding Mode Control of a Pneumatic Actuator. Journal of Dynamic Systems, Measurement, and Control, Vol. 119 pp YANG XIA., Continuous Sliding Mode Control of a Cartesian Pneumatic Robot. Master thesis, Department of Ontario, Canada. 106

131 Propuesta para la implementación de una red inalámbrica de sensores inteligentes para un sistema de concentración solar con tecnología de torre central Víctor H. Benítez Dpto. Ingeniería Industrial, Universidad de Sonora Hermosillo, Sonora, México Jesús Pacheco Dpto. Ingeniería Industrial, Universidad de Sonora Hermosillo, Sonora, México Ramón V. Armas-Flores Dpto. Ingeniería Industrial, Universidad de Sonora Hermosillo, Sonora, México RESUMEN Los sistemas de transformación de energía solar en potencia eléctrica han emergido en las últimas décadas como una fuente viable de energía limpia y renovable. La tecnología de planta de torre central solar es un buen ejemplo de este tipo de sistemas, la cual consiste en varios espejos móviles, llamados helióstatos, que reflejan la radiación del Sol hacia un mismo punto, localizado en la cima de una torre al centro del campo de helióstatos, para su recolección o transformación en otro tipo de energía. El presente trabajo se enfoca en el desarrollo, implementación y validación de un sistema de comunicación inalámbrica, por medio de sensores inteligentes, para ser aplicado en un campo de helióstatos localizado en la periferia de la ciudad de Hermosillo, Sonora, México, el cual está dedicado a la investigación, y que actualmente carece de una instrumentación apropiada. Para lograr lo anterior se propone una metodología que permita el desarrollo de este proyecto, y se muestran algunos resultados obtenidos de pruebas preliminares que apoyan la viabilidad de su implementación en el campo. Palabras claves: Energía solar, helióstatos, comunicación inalámbrica, redes de sensores y sensores inteligentes. 1. INTRODUCCIÓN En las últimas décadas, los sistemas de energía solar han emergido como una fuente viable de energía limpia y renovable, por lo que su uso en aplicaciones domésticas e industriales es cada vez mayor. La función de estos sistemas, consiste en recolectar la energía proveniente del Sol y transformarla en otro tipo de energía, como puede ser eléctrica o térmica [1]. Los sistemas de comunicación que se basan en sensores inteligentes pudieran suponer un avance en las investigaciones dentro de los campos de heliostatos al facilitar la transferencia de información haciendo más efectiva y rápida la ejecución de pruebas para el desarrollo de nuevas tecnologías de energía solar, esto gracias a las características con las que cuentan este tipo de sistemas [10]. Debido a la creciente importancia de este tipo de tecnologías, se propone en este trabajo una metodología para el desarrollo, implementación y validación de un sistema de comunicación en un campo de pruebas de helióstatos, dedicado al desarrollo de nuevas tecnologías solares. En la siguiente sección se describen algunos conceptos de lo que son la tecnología de torre central solar, las redes inalámbricas de sensores y algunos trabajos de investigación anteriores relacionados a la temática. En la sección tres se describe el entorno donde se pretende implementar la presente propuesta y se explica el problema de manera más detallada. Posteriormente se define la solución propuesta en la sección cuatro. Por último se enumeran los resultados que se espera obtener al final del proyecto, así como algunas conclusiones en las secciones cinco y seis respectivamente. 2. MARCO TEÓRICO Y TRABAJO PREVIO Tecnología de Torre Central Solar Con la finalidad de capturar la energía solar y transformarla en energía útil, actualmente se han desarrollado dos métodos principales que han sido comercializados: sistemas fotovoltaicos y sistemas foto-térmicos [3]. En los sistemas fotovoltaicos, las celdas fotovoltaicas o celdas solares, pueden generar energía eléctrica directamente de la luz del Sol. Los sistemas termo-solares son un método de recolección de energía solar, en los cuales se convierte la radiación proveniente del Sol en energía térmica. Dicha energía puede ser utilizada directamente, o puede ser transformada en otra diferente, como energía eléctrica o química [4]. Aunque la energía se genera solamente durante el día, es posible recolectar y almacenar energía térmica adicional, generalmente en un medio de cambio de fase como sal fundida [5]. Este calor puede ser utilizado durante la noche para generar energía. Un buen ejemplo de sistema de transformación de energía solar a térmica, es la tecnología de planta de torre central solar, la cual consiste en varios espejos móviles, llamados helióstatos, que reflejan la radiación del Sol directamente hacia un solo punto, localizado en la cima de una torre que se encuentra al centro del campo de helióstatos (Figura 1). En este punto, componentes dentro de la torre, convierten la energía solar en térmica y posteriormente en electricidad [2]. 107

132 Rayos solares Receptor Rayos solares Análisis Almacenamiento Extracción Procesamiento Internet WSN 1 WSN 2 BS Sensor Torre Helióstatos Figura 1. Esquema de un sistema de concentración de torre central solar [7] En un Sistema de Torre Central Solar, para que los helióstatos puedan reflejar la radiación del Sol hacia el mismo punto de la torre en todo momento, es necesario que estos se muevan de acuerdo al movimiento del Sol. Para lograrlo, se utilizan sensores y controladores que regulan el movimiento de los seguidores y se comunican con una computadora central que los controla. Tal como mencionan Her-Terng y Chieh-Li [6], pueden encontrarse varios estudios en la literatura donde se intenta resolver el problema del seguimiento solar desde diferentes aproximaciones o puntos de vista, para lograr la máxima obtención de energía del sistema. Sin embargo, todos estos trabajos se enfocan solamente al control individual de los seguidores solares. Redes Inalámbricas de Sensores Una Red Inalámbrica de Sensores (WSN, por sus siglas en inglés) se crea cuando varios sensores monitorean un ambiente físico grande de manera cooperativa, utilizando comunicación inalámbrica, [8]. Los diferentes nodos dentro de la red se comunican entre ellos, pero también se comunican con una Estación Base (BS) por medio de sus radios inalámbricos, lo que les permite diseminar los datos detectados y así poder procesar la información, visualizarla, analizarla y almacenarla. En la Figura 2 se muestra el esquema de dos WSN diferentes, que monitorean ambientes físicos separados, pero que a su vez se encuentran conectadas entre sí por medio de internet. La posición de los nodos, o topología de la red, puede ser establecida para obtener la óptima comunicación, tal como mencionan Cuomo, Abbagnale y Cipollone [9]. Las investigaciones en el área de las WSN han tenido gran atención en los últimos años, esto debido a los beneficios y las características únicas que presentan como su capacidad de autoconfigurarse, bajo costo, facilidad para su implementación y su capacidad de detección distribuida, por mencionar algunas. Una WSN está compuesta de una gran cantidad de sensores, los cuales se encuentran desplegados dentro o muy cerca del fenómeno o área a observar [10]. Spencer, Ruiz-Sandoval y Kurata [11] establecen que los sensores inteligentes tienen cuatro características importantes: unidad central de procesamiento integrada, pequeño tamaño, comunicación inalámbrica y bajo costo. Figura 2. Redes Inalámbricas de Sensores [8] En muchos casos, la información obtenida por los nodos de la red es utilizada para llevar a cabo posteriormente acciones correctivas que permitan el control de un proceso o ambiente. Estas redes de sensores inteligentes, donde se emula el comportamiento cíclico de percepción-razonamiento-acción, son útiles para una gran cantidad de aplicaciones. Lo que hacen es recolectar y diseminar información de los sensores en tiempo real, procesar la información a través de tareas colaborativas entre los diferentes sensores, y propagar señales de control a los actuadores correspondientes para controlar el comportamiento de los sistemas físicos [12]. Las redes de sensores inteligentes son útiles para una amplia variedad de aplicaciones, como pueden ser: industriales, militares, médicas, domóticas, etc. Trabajo Previo Un trabajo en el que se implementa una red de comunicación en un sistema de energía solar, es el que se llevó a cabo por Papageorgas, et al. [13], en el cual se diseñó una metodología para monitorear el funcionamiento de varios paneles fotovoltaicos, utilizando una red de sensores inalámbrica para la comunicación, control y supervisión del sistema. En este trabajo se pueden apreciar las bondades de la implementación de redes inalámbricas en la comunicación, sin embargo es distinto a lo que sería el diseño de una metodología para el control y monitoreo de helióstatos, ya que en estos últimos se deben tomar en cuenta factores, variables, funcionamiento e información, diferentes a los que se requiere considerar para paneles fotovoltaicos. En el trabajo realizado por Pfahl, et al. [14] se presenta una propuesta para el diseño de seguidores solares, enfocada en la optimización de recursos. Para esto se implementan materiales y dispositivos que reducen los costos de producción de los helióstatos y que a la vez son más ligeros y eficientes para el funcionamiento de los seguidores. Otro aspecto en el que se enfocan los autores para la reducción de recursos necesarios, es en lo que corresponde a la energía necesaria para la comunicación y funcionamiento de los seguidores solares, para lo cual proponen un sistema de comunicación dedicado, el cual utiliza tecnología inalámbrica para la transmisión de información. 108

133 3. ANTECEDENTES Y DESCRIPCIÓN DEL PROBLEMA Debido a la abundancia de radiación solar que se tiene en la región, la Universidad de Sonora, junto con otras instituciones, llevaron a cabo un proyecto donde se construyó la Plataforma Solar de Hermosillo (PSH, antes conocida como Campo de Pruebas de Helióstatos) [15], ubicada en la ciudad de Hermosillo, Sonora, México. Esta plataforma consiste en un campo donde se cuenta con un número creciente de helióstatos, desarrollados por la misma universidad y otras instituciones de investigación, así como una torre central de 36 metros de altura, cuarto de control y laboratorio electrónico, la finalidad de los cuales es la generación de energía y realización de pruebas experimentales (Figura 3). Para solucionar lo anterior se pretende instalar en las unidades la instrumentación requerida, sin embargo no es posible llevar esto a cabo con el sistema de comunicación que se tiene actualmente en la plataforma, debido a que la trasmisión de información por medio de Ethernet no sería suficiente, a causa de la gran cantidad de datos y el alto número de nodos de comunicación que se tendrían una vez instalado el instrumental en los helióstatos. Adicionalmente, la arquitectura e instalación de la red en la PSH, hace costoso y prácticamente imposible incorporar sensores a las unidades. Para poder efectuar la instrumentación de los helióstatos, se propone el diseño de un sistema de comunicación inalámbrica, de bajo costo, que pueda transmitir información de manera eficiente sobre las condiciones de operación de los helióstatos, y que pueda ser implementado en la plataforma, tomando en cuenta todos los factores que pueden interferir con la comunicación en este entorno, como son: factores ambientales, interferencias y ruido eléctrico, interferencias por los materiales, etcétera. 4. PROPUESTA DE SOLUCIÓN Con la finalidad de que los helióstatos en la PSH puedan contar con la instrumentación que se requiere, se propone el desarrollo y la implementación de un sistema de comunicación inalámbrica, utilizando sensores inteligentes, para la transmisión eficiente de información que permita un control efectivo del sistema de concentración solar. A continuación se describe la metodología propuesta para la realización de este proyecto. La Figura 4 muestra un diagrama con las diferentes fases en que se divide la metodología del trabajo y la secuencia en que se llevarán a cabo. Figura 3. Planta Solar de Hermosillo [16] La PSH es una infraestructura que permite la evaluación de heliostatos aplicados a plantas solares de generación de energía de torre central. El control del campo de helióstatos se realiza con equipo de la marca National Instruments con hardware Compact Rio (crio) y la plataforma de desarrollo de software LabVIEW, con un sistema de control supervisorio y adquisición de datos (SCADA) implementado inicialmente para el proyecto del Horno Solar de Alto Flujo Radiactivo (HSAFR) [16]. Todo el sistema de seguidores solares se controla de manera general desde una Unidad Central de Control (UCC). La UCC solo obtiene cierta información sobre el funcionamiento de los helióstatos y controla el estado en que estos se encuentran. La comunicación entre los helióstatos y la UCC, se lleva a cabo por medio de tecnología Ethernet, y se limita solamente a la comunicación de la UCC con cada seguidor de manera individual, es decir, no existe comunicación entre helióstatos. Actualmente los helióstatos en la PSH carecen de los sensores e instrumentación necesaria para analizar o determinar su desempeño considerando las condiciones de operación en que se encuentran. Esto representa un problema para el desempeño del campo de heliostatos, debido a que no se miden las variables bajo las que operan estos, y que pueden afectar al funcionamiento de los mismos, como pueden ser la temperatura, velocidad del viento, humedad, entre otras variables. Al carecer de información sobre estos factores, el desarrollo de estudios, experimentos y el funcionamiento de las unidades, se ven comprometidos, y se dificulta el desarrollo de nuevas tecnologías. Figura 4. Metodología propuesta Fase 1: Marco de Referencia Primeramente se requiere de un análisis lo más completo posible de la literatura, para encontrar y estudiar todos los trabajos de investigación que sean referentes al tema de este proyecto o que puedan servir como base para el mismo. Esto con la finalidad de recolectar los fundamentos teóricos en los que se apoyará este trabajo. Para esto se deben analizar todos los trabajos de investigación posibles, que sean referentes a las áreas de energía solar y redes de sensores inteligentes (Figura 5). Fase 2: Análisis de los Requerimientos de la PSH La segunda fase del proyecto consiste en una definición de la situación actual de la PSH y de las características bajo las que 109

134 operan los helióstatos, y que por lo tanto son bajo las que debe operar el sistema de comunicación que se pretende implementar. En esta etapa se revisan las instalaciones para encontrar los factores, condiciones o elementos que puedan tener algún efecto sobre el funcionamiento del sistema de comunicación inalámbrico. La base para esta revisión será lo planteado en el marco de referencia, es decir, se buscarán los factores de la PSH que puedan ser relevantes o afectar de alguna manera las señales de radio del sistema de comunicación (Figura 6). de la PSH que se determinaron en la fase anterior y bajo las cuales deberá funcionar el sistema de comunicación. Además de las características del campo, otros factores que se deben tomar en cuenta son la disponibilidad de las tecnologías económicamente y en cuanto a conocimientos y habilidades requeridos para su aplicación. De ser necesario puede requerirse volver a la fase anterior para identificar otros factores que no se detectaron antes (Figura 7). Figura 7. Revisión y evaluación de tecnologías disponibles Figura 5. Marco de referencia Fase 4: Diseño de Prototipo Una vez determinadas las tecnologías que sea factible implementar en la PSH, el siguiente paso es el diseño y elaboración de un prototipo del sistema de comunicación, el cual utilice estas tecnologías y que sea fácil de instalar en el campo de helióstatos, con la finalidad de realizar pruebas preliminares que permitan identificar la eficiencia de las tecnologías que se eligieron (Figura 8). Figura 8. Diseño de prototipo Figura 6. Análisis de la PSH Fase 3: Revisión y Evaluación de Tecnologías Disponibles El objetivo de esta fase es el análisis de las diferentes opciones que se tienen en cuanto a tecnologías, que puedan implementarse como solución al problema presentado. Esto incluye las tecnologías para comunicación inalámbrica, y también las de sistemas embebidos, las cuales se integrarán para formar el sistema de comunicación. La base de este análisis es lo revisado en el marco de referencia. Una vez identificadas las tecnologías disponibles se debe determinar cuáles pueden utilizarse, tomando en cuenta las características y limitaciones Fase 5: Pruebas Preliminares En la quinta etapa se implementará el prototipo elaborado en la fase anterior, llevando a cabo pruebas en la PSH en las cuales se realicen transferencias de información entre helióstatos y la UCC. Las pruebas se enfocarán en la medición de la tasa de errores en los envíos de información, la intensidad de la señal y la ubicación de los nodos de la red. Se medirá la efectividad con que se transfieren los datos en las pruebas realizadas y en base a los resultados se pasará a la siguiente fase o, de ser necesario, se regresará al diseño de un nuevo prototipo, a la selección de otras tecnologías o a la identificación de los requerimientos del campo que podrían causar malos resultados en las pruebas; repitiendo después todas las fases necesarias hasta tener un prototipo que funcione de manera efectiva. Fase 6: Instrumentación de Sensores Como se mencionó anteriormente, actualmente los helióstatos no cuentan con instrumentación que permita realizar 110

135 mediciones, por lo que es necesaria la implementación de sensores que permitan medir las condiciones en que funcionan los seguidores. La información obtenida por los sensores servirá para realizar pruebas con el sistema de comunicación que permitan determinar la efectividad final del sistema propuesto. La cantidad y el tipo de sensores que se implementarán dependerán de los recursos económicos con que se cuente, de los materiales y equipos disponibles, y del tiempo restante para la culminación del proyecto. de envíos y la intensidad de la señal de radio, como se muestra en la Figura 9. Fase 7: Pruebas Finales Finalmente, cuando se tengan instalados los sensores, se implementará el sistema de comunicación, basado en el prototipo antes diseñado. Después se procederá a realizar las pruebas finales que permitan validar la efectividad del sistema propuesto, el logro de los objetivos planteados y determinar si se resuelve el problema formulado al inicio del proyecto. Los resultados obtenidos de estas pruebas determinarán que tan viable es la propuesta de solución para ser implementada en la PSH o si es necesario realizar ajustes en la propuesta para poder dar el proyecto por terminado. Para determinar su efectividad, se realizarán pruebas en las que se transmita información de los sensores instalados en los helióstatos, midiendo la tasa de errores que se produzca y la fuerza y calidad de la señal que se tenga. 5. RESULTADOS PRELIMINARES Después de llevar a cabo las primeras fases de la metodología, realizando un análisis de la literatura existente, determinando las características y limitaciones de la PSH, y seleccionando tecnologías para el desarrollo de un sistema de comunicación, se realizaron algunas pruebas preliminares en el campo, que pueden apoyar la viabilidad de la implementación de dicho sistema. En base a la revisión literaria realizada, se determinó que los helióstatos del campo son los principales obstáculos que pueden afectar un sistema de comunicación que funcione a base de ondas electromagnéticas, debido a que el metal y los espejos de los seguidores pueden reflejar las señales de radio, obstruyendo su paso y causando fallas en la comunicación. Se determinó también que la existencia de otras señales inalámbricas que están presentes en el campo, no representan una amenaza relevante para un sistema de comunicación. Tomando en cuenta las características del campo, los factores que pueden afectar la comunicación, y los recursos con que se cuenta para el proyecto, se optó por el uso de un prototipo del sistema que utilice tecnología ZigBee para la comunicación inalámbrica, junto con microcontroladores basados en la plataforma Arduino, para el procesamiento y el control de la información. Se eligieron estas tecnologías debido a su accesibilidad económica, a su facilidad de aplicación y sus características y especificaciones en cuanto a funcionamiento, las cuales se considera que deben ser suficientes para desarrollar un sistema de comunicación efectivo en la PSH. Utilizando un prototipo que utiliza las tecnologías mencionadas, se realizaron pruebas en la PSH, colocando dos radios (nodos) a diferentes distancias alrededor de un helióstato, con la posición del espejo en su punto más bajo, que es donde este crea la mayor interferencia. Las pruebas se realizaron utilizando el software X-CTU, el cual permite el análisis de la tasa de error Figura 9. Gráficas de error e intensidad de señal, utilizando el software X-CTU Colocando uno de los nodos en el helióstato y moviendo el otro alrededor, se realizaron mediciones enviando paquetes de datos entre ellos, aumentando cada vez más la distancia entre radios. En la Figura 10 se muestra una gráfica donde se representan las mediciones obtenidas, aumentando la distancia entre nodos en dirección al sur (donde el espejo del helióstato obstruye más la señal), y aumentando cada vez más la distancia. Se puede observar que la tasa de errores conserva valores altos, al igual que la fuerza de la señal, la cual tiene siempre un valor aceptable en relación a las especificaciones de redes de comunicación que utilizan tecnología ZigBee. Los errores que se tuvieron fueron mínimos, y tomando en cuenta las necesidades de la PSH y la robustez de la tecnología ZigBee, se concluye de los datos obtenidos que la implementación de un sistema de comunicación que utilice esta tecnología inalámbrica funcionaria de una manera efectiva, y podría solucionar el problema planteado en este proyecto. Para una validación de estas conclusiones se requiere llevar a cabo la instrumentación de los seguidores y la transferencia de datos en base a estos, lo cual se pretende realizar en las siguientes fases del proyecto. 6. RESULTADOS Y BENEFICIOS ESPERADOS La implementación en la PSH de un sistema de comunicación inalámbrica a base de sensores inteligentes, permitirá contar con la instrumentación requerida en los seguidores para la valoración y el análisis de su funcionamiento bajo diferentes condiciones. Con esto será posible la obtención de una mayor cantidad y variedad de datos, y así considerar nuevas variables para optimizar el funcionamiento de los seguidores y del desarrollo de pruebas experimentales. 111

136 Intensidad de señal (dbm) Tasa de errores de envío Memorias de la Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética (CICIC 2015) Distancia entre radios (m) Distancia entre radios (m) Figura 10. Valores de la tasa de errores e intensidad de señal en una de las pruebas realizadas en la PSH, aumentando la distancia entre los radios en dos metros cada vez, en dirección al sur (donde existe mayor bloqueo de señal por el helióstato) Otras ventajas que se obtendrán de la instrumentación de los helióstatos de la PSH con la red de sensores inteligentes son: facilidad de instalación y reducción de costos en instalación y mantenimiento, así como mayor robustez en la comunicación. La metodología y diseño que resulten de este proyecto, serán desarrollados posteriormente en una empresa dedicada a la producción de tecnología termosolar. 7. CONCLUSIONES En este artículo se propuso una metodología para el desarrollo, la implementación y validación de un sistema de comunicación inalámbrica. La aplicación de la misma, y el uso de las tecnologías seleccionadas, se encuentra en ejecución. Al momento de la redacción de este artículo se ha realizado hasta la fase 5 de la metodología propuesta. Las pruebas preliminares realizadas hasta el momento, apoyan la validación de la efectividad de implementar tecnologías inalámbricas para la comunicación entre los seguidores. Este trabajo de investigación continúa actualmente en la implementación de las siguientes fases de la metodología señalada. Los resultados obtenidos son alentadores para continuar con la aplicación de la metodología. [3] Mojiri, A., Taylor, R., Thomsen, E., Rosengarten, G., Spectral Beam Splitting for Efficient Conversion of Solar Energy - A Review. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 28, pp [4] Weinstein, L., Kraemer, D., McEnaney, K., Chen, G., Optical cavity for improved performance of solar receivers in solar-thermal systems. Solar Energy, 108, pp [5] Krothapalli, A., Greska, B., Solar Concentrators. En: Chen, W. Y., Seiner, J., Suzuki, T., Lackner, M., ed. Handbook of Climate Change Mitigation. Springer US, pp [6] Her-Terng, Y., Chieh-Li, C., Fuzzy sliding mode controller design for maximum power point tracking control of a solar energy system. Transactions of the Institute of Measurement and Control, 34(5), pp [7] Kalogirou, S. A., Solar thermal collectors and applications. Progress in Energy and Combustion Science, 30(3), pp [8] Dargie, W., Poellabauer, C., Motivation for a Network of Wireless Sensor Nodes. En: Shen, X., Pan, Y., ed. Fundamentals of Wireless Sensor Networks, Theory and Practice. Reino Unido: Wiley, pp.3-15 [9] Cuomo, F., Abbagnale, A., Cipollone, E., Crosslayer network formation for energy-efficient IEEE /ZigBee Wireless Sensor Networks. Ad Hoc Networks, 11(2), pp [10] Akyildiz, I. F., Su, W., Sankarasubramaniam, Y., Cayirci, E., Wireless sensor networks: a survey. Computer Networks, 38, pp [11] Spencer, B., Ruiz-Sandoval, M., Kurata, N., Smart sensing technology: opportunities and challenges. Structural Control and Health Monitoring, 11(4), pp [12] Lim, A., Smart Sensor Networks. In: V. Cutsuridis, A. Hussain and J.G. Taylor, eds., Perception-action cycle models, architectures and hardware. New York ;;London :: Springer. [13] Papageorgas, P., Piromalis, D., Antonakoglou, K., Vokas, G., Tseles, D. and Arvanitis, K.G., Smart Solar Panels: In-situ Monitoring of Photovoltaic Panels based on Wired and Wireless Sensor Networks. Energy Procedia, 36, pp [14] Pfahl, A., Randt, M., Holze, C., Unterschütz, S., Autonomous light-weight heliostat with rim drives. Solar Energy, 92, pp [15] LACYQS, Campo de Pruebas de Helióstatos (CPH). [Online] Disponible en: o-de-pruebas-de-heliostatos [16] Iriarte-Cornejo, C., Automatización de Sistema de Control para Campo de Helióstatos. MC. Instituto Tecnológico de Chihuahua 8. REFERENCIAS [1] Lee, C.-Y., Chou, P.-C., Chiang, C.-M., Lin, C.-F., Sun tracking systems: a review. Sensors (Basel, Switzerland), 9(5), pp [2] García-Sobrinos, G., Salvador-Villa, I., Serradilla-Echarri, J., Tower of power. Civil Engineering ( ), 77(October), pp

137 O Modelo de Gestão dos 8R s e algumas correlações que o validam Antônio Clodoaldo de ALMEIDA NETO Campus Salvador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) Salvador, Bahia, CEP , Brasil e Núbia Moura RIBEIRO Campus Salvador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA) Salvador, Bahia, CEP , Brasil RESUMO Este trabalho apresenta o Modelo de Gestão dos 8R s, que inclui variáveis e dimensões necessárias à dinâmica da gestão organizacional da modernidade, e é aderente ao modelo do PDCA, enquanto metodologia de gestão largamente utilizada nas organizações. Os 8R s que fundamentam o modelo aproveitam a evidência simbólica e mnemônica de oito palavras que ilustram as dimensões que são objeto da gestão. Ademais o trabalho busca evidenciar correlações entre o modelo aqui proposto e outras teorias e conceitos. Palavras-Chave: Modelagem, Gestão, Modelo de gestão, PDCA. 1. INTRODUÇÃO Este artigo fundamenta-se na Teoria Geral dos Sistemas e nos conceitos de Modelagem e Modelos para apresentar um modelo de gestão alinhado com as demandas complexas da modernidade. Segundo a Stanford Encyclopedia of Philosophy [1], apesar de haver uma distinção entre modelo e modelagem, a palavra modelo passou a ser relacionada a estas duas acepções. Em latim, modellus era um dispositivo de medição, por exemplo, um dispositivo para medir o volume de água ou de leite. Porém quando a palavra latina foi traduzida para o inglês foram geradas três palavras: molde, módulo e modelo. No final do Século 17, a palavra modelo passou a ser relacionada com a representação da forma de objetos do mundo real através de uma teoria. Neste sentido, modelagem seria a construção de tal teoria. Conforme a supracitada enciclopédia, modelar um fenômeno é construir uma teoria formal que o descreve e explica. Neste sentido, você modela um sistema ou estrutura que você pretende construir, fazendo uma descrição do mesmo. Estes são sentidos muito diferentes de modelo daqueles da teoria de modelo: o modelo do fenômeno ou o sistema não é uma estrutura, mas uma teoria, muitas vezes em uma linguagem formal [1]. Para Suppes, Pavel e Falmagne, a representação de alguma coisa é uma imagem, modelo, reprodução desta coisa. [...] Referências de representações são familiares e frequentes em expressões comuns e científicos [2]. Segundo esses autores, a representação normalmente melhora a nossa compreensão do objeto representado (a exemplo de uma planta arquitetônica que favorece a compreensão de uma determinada construção), sendo o uso de modelos na ciência muito frequente, ao fornecer múltiplos exemplos de representações. [...] a representação é normalmente definida no sentido restrito como uma descrição de uma estrutura empírica em uma linguagem científica conveniente. Este entendimento de representação está intimamente relacionado com o conceito de um modelo [2]. Dye, por sua vez, considera modelo como uma representação simplificada de algum aspecto do mundo real [3]. Assim, modelo pode ser uma representação física real um protótipo ou maquete, ou pode ser um diagrama um mapa ou o fluxograma, por exemplo. São milhares os tipos de modelos, geralmente instrumentos visuais utilizados em várias áreas e com várias funções, tais como análise, gestão, comunicação. Fluxogramas, tabelas, figuras, gráficos, equações, esquemas, mapas conceituais são exemplos de modelos, usados como recursos cognitivos de uso generalizado na representação e descrição de uma dada situação ou contexto, na busca do entendimento dos conceitos utilizados na geração e difusão do conhecimento. Um simples gráfico de y versus x é um modelo que nos ajuda a entender a relação entre duas variáveis [4]. A utilização de modelos em nosso dia-a-dia dá-se mesmo sem a percepção de que os estamos usando. Modelos são concepções mentais utilizados para permitir o entendimento de situações complexas [...] São utilizados em análise e síntese para melhorar as condições de planejamento e reduzir as incertezas no processo de tomada de decisões [...] Um modelo é uma replica ou 113

138 representação de uma ideia, um objeto ou de um sistema. Um modelo descreve, aproximadamente, como um sistema se comporta [4]. Com base no exposto, cabe-nos destacar que um modelo que tenta reproduzir uma dada realidade é apenas uma representação mental da mesma, apesar de ajudar na sua compressão e gestão. Neste artigo, é apresentado um modelo de gestão, baseado no PDCA e em outros conceitos, e são feitas algumas correlações do modelo aqui apresentado com outros conceitos correlatos. 2. MODELO DE GESTÃO DOS 8R s O Modelo de Gestão dos 8R s busca aportar novas variáveis e dimensões que merecem destaque na dinâmica da gestão organizacional da modernidade. Esta denominação aproveita a evidência simbólica e mnemônica de oito palavras que ilustram dimensões adicionais como objeto da gestão, estando plenamente aderente ao modelo subjacente do PDCA, enquanto metodologia de gestão. O denominado ciclo PDCA é um método científico de gestão, sintetizado nas palavras em inglês Plan, Do, Check, Action (planejar, fazer, avaliar, agir). Assim, corresponde à operação das atividades administrativas de Planejamento, Execução (Desempenho), Checagem (Verificação/Avaliação) e Ação Corretiva (Aprendizado), girando-as sempre para obter melhoria contínua e incessante agregação de valor aos processos produtivos e, consequentemente, aos seus produtos. Este modelo foi elaborado por Walter Shewart na década de 1920 e difundido por Willian Edward Deming, a partir dos anos 1950 [4]. Neste texto, busca-se demonstrar, ainda, a convergência dos 8R s com o Modelo de Excelência em Gestão (MEG), dos diversos Prêmios de Excelência em Gestão. O exercício de modelagens de gestão proposto ressalta a íntima relação entre os conceitos de gestão e produção. A Produção implica na utilização de Recursos (Entradas), transformando-os, via Trabalho (variação de energia), em Produtos, bens ou serviços, tangíveis e/ou intangíveis (Saídas ou Resultados). Gestão caracteriza-se como ato de planejar, organizar, dirigir, controlar, sistematizar, enfim, a produção, visando a melhor equação/relação entre o uso dos Recursos e a ampliação/aumento dos Resultados, levando em conta as diferentes necessidades implícitas das diversas partes partícipes do processo de produção, as assim denominadas partes interessadas, os stakeholders [5]. A gestão e a produção estruturaram diferentes cenários ou formas de organizações produtivas no decorrer do tempo, necessariamente mutantes e adaptativas para sobreviverem e desenvolverem-se, realimentando-se e modificando-se mutuamente. Forma-se, portanto, um ciclo dinâmico, produtivo, que endogenamente se autoalimenta, localizando-se este ciclo de produção/consumo-organização-gestão em um contexto universal. Daí a necessidade de se enfocar a qualidade dessa Transformação dos insumos em bens, que caracteriza, de fato, o que se entende como Produção. Na Figura 1 é mostrada uma visão sistêmica da produção e sua relação com o Modelo de Gestão dos 8R s, a saber (R1) Resultados, (R2) Recursos, (R3) Rendimento, (R4) Relacionamento, (R5) Rede, (R6) Resíduo, (R7) Responsabilidade, (R8) Rapidez. A interrelação destas oito dimensões é discutidas nos próximos parágrafos desta seção. Na perspectiva dos 8R s, ilustrada na Figura 1, Recursos são transformados em Resultados, segundo um dado Rendimento, visando gerar Resultados ou produtos (bens e serviços, P/S) para atender a um determinado tipo de necessidade de clientes/usuários demandantes destas necessidades. Para sobreviver no ambiente gerador de contínuas mudanças e desafios que é a sociedade contemporânea, as organizações precisam se reinventar dinâmica e continuamente. Sob a ótica da gestão da informação, as Organizações podem ser entendidas como uma Rede de Aprendizado, teias multifuncionais interligadas que integram dados e informações, gerando melhorias e inovações que a tornem mais aptas à sobrevivência no longo prazo, mais competitivas. O enfoque de Redes de aprendizado tem grande ascensão nos estudos organizacionais atuais. A título de exemplo, Stoker trata de um modelo de Governança em Rede (Networked Governance, NG) [6], como uma coleção de decisões caracterizadas pela tendência de um espectro muito grande de participantes vistos como legítimos membros do processo de decisões, em um contexto complexo e incerto. A visão da organização como rede também se aplica à uma rede de Relacionamentos, em que é fundamental a gestão dos interesses (às vezes antagônicos) de cada parte ou ator organizacional, os assim denominados stakeholders: os cidadãos usuários ou clientes dos produtos, os controladores da organização (acionistas, governantes, executivos), os colaboradores (funcionários, servidores ou empregados e terceirizados que constituem a força de trabalho) e seus respectivos sindicatos, os fornecedores dos diversos recursos ou insumos, a sociedade (incluindo a comunidade do entorno e o mercado empregador), os órgão governamentais (administradores, reguladores, fiscalizadores etc.), e ainda a mídia que costuma operar como fiscalizador da e para a opinião pública. Todos estes entes, atores com interesses no ambiente organizacional produtivo, têm demandas típicas e autênticas no seio da gestão e dela precisam de respostas ou produtos específicos a serem supridos e, portanto, gerenciados. Tanto os processos de produção quanto a gestão são feitos por pessoas, com pessoas e para pessoas. Assim, necessariamente, um processo de gestão exige intensos relacionamentos horizontais e verticais entre o gestor e os stakeholders envolvidos nesta organização. Portanto, esta teia de 114

139 relacionamento é um elemento fundamental em um processo de gestão, sendo irrigada por informação através da interação entre as partes. Gerir e intensificar essa variável torna-se indispensável a uma gestão moderna das organizações. A visão desta fruição de relações e informações entre os diversos agentes envolvidos no processo produtivo reforça a ótica da organização enquanto Rede. Toda organização entendida como uma rede produtiva, uma teia de interações múltiplas, contínuas que leva a consequências, a decisões, a rumos, a direcionamentos que resultam em produtos e serviços para atender algum usuário. Figura 1: Uma Visão Sistêmica da Produção e o Modelo das oito Dimensões da Gestão (8R s) Fonte: Almeida Neto, 2013, p Ao saber que todo usuário ou cliente de um processo produtivo é ente demandante, as organizações vão sistematizar a produção de bens e serviços, ou seja, o Resultado deste processo produtivo, para atender as supostas necessidades, objetivas e subjetivas, deste sujeito carente que, em suma, deveria ser a razão de ser toda organização produtiva. O grau de satisfação desse cliente configura-se como o Benefício obtido, que retorna como retroalimentação ao processo produtivo, significando a medida da Eficácia da produção. Este foco finalístico nos clientes e usuários dos produtos e serviços, públicos e privados, deve reger toda prática de gestão, sincronizada e sintonizada com as demandas sociais, econômicas, políticas, tecnológicas e ambientais das comunidades onde estão inseridas e do mercado empregador. Ademais, este cliente, ao menos teoricamente, tem o poder da escolha, tanto na seleção dos governantes, numa democracia, quanto do fornecedor, numa economia aberta e competitiva. Na perspectiva sistêmica apresentada, os resultados ou produtos são efeitos ou saídas de um processo de transformação de algumas entradas ou Recursos: tanto os de caráter natural, físicos, quanto os mais abstratos. Eles são múltiplas matérias-primas, o meio ambiente, o capital, o trabalho das pessoas e das máquinas, a informação, o conhecimento, a tecnologia, a energia etc. O grau de satisfação dos stakeholderes é uma medida ou informação significativa e deve ser entendida, também, como uma entrada, objeto do feedback ou retroalimentação na perspectiva produtiva sistêmica, como um todo. Esses recursos entram neste processo produtivo e são transformados em resultados, bens e serviços para suprir necessidades. A qualidade desta 115

140 transformação caracteriza o Rendimento desse processo produtivo. Merece, também, um foco especial, carecendo ser bem administrada, uma vez que essa variável está associada aos Custos do processo produtivo. Sua medida revela a Eficiência do sistema produtivo. Do ponto de vista econômico, o desejo é que haja geração de riqueza ou agregação de valor: deseja-se que o valor de saída seja maior que o valor de entrada. Essa relação, em termos produtivos, mede a produtividade deste processo produtivo ou organizacional, que deveria ser sempre maior que 1, ou seja o valor dos benefícios, superando os valor dos custos. Assim produzir, em termos teóricos, seria a busca contínua e sempre otimizada da agregação de valor. Essa capacidade de agregar valor, tanto no processo produtivo em si, quanto nas organizações como um todo, é medida como produtividade. Como os recursos (associados aos custos) são cada vez mais escassos e os resultados esperados (associados aos benefícios) cada vez maiores, todo governante, empresário ou gestor vive sobre uma pressão da máxima, quase um mantra: Fazer mais, com menos. Esta busca pela produtividade, em função da racionalidade do processo produtivo, preme a todos. Inegavelmente ela vem sendo obtida no decorrer da história ou pela exacerbação da mais valia ou pela via da tecnologia, conhecimento aplicado, que inova e cria formas mais racionais e até inéditas de produção. Dentre as tecnologias, pode-se considerar a gestão organizacional uma delas. Do ponto de vista organizacional, de uma estrutura de trabalho produtivo e numa abordagem na gestão da produção, é fundamental considerar a qualidade da transformação. Esta deve ser uma variável significativa no contexto produtivo e pode ser entendida como o Rendimento (não no sentido econômico, mas, sim, no sentido físico do termo) de qualquer máquina de transformação de energia. O Rendimento da transformação é diretamente proporcional à qualidade da produção [5]. Nem toda energia que entra no sistema produtivo é transformada em energia útil, que gera trabalho. Ademais, não se pode ignorar que todo processo de transformação deixa também no meio ambiente Resíduos, de múltiplas ordens, que não podem ser ignorados. Um processo produtivo energeticamente perdulário terá menos rendimento na transformação, gerando em decorrência mais resíduos. Neste sentido, justifica-se, um cuidado na evidência e tratamento desta questão nos campos econômico e administrativo [5]. Tais considerações são basilares na criação do Modelo de Gestão dos 8R s, em que a gestão dos Resíduos e a Responsabilidade Social, incluindo seus aspectos ambiental, cultural e econômico, devam ser sistemática e estruturalmente gerenciados pelas organizações produtivas, na direção de um futuro sustentável. Como vivemos num ambiente mutante e competitivo, a gestão está sob uma forte pressão temporal, não podendo dissociar-se deste compasso que exige dela decisões rápidas, ajustes contínuos tanto no seu processo estratégico quanto no de rotina. Então, a Rapidez é uma variável que precisa ser administrada continuamente. No mundo das organizações produtivas, as do primeiro, segundo e terceiro setores (tradicional e respectivamente considerados as organizações públicas, as de mercado e as do terceiro setor), a variável tempo foi, é e sempre será fundamental. O setor público, tradicionalmente, privilegia a variável espaço (área de trabalho como um dos símbolos de poder) e, geralmente, considera a variável tempo na perspectiva eleitoral e não no atendimento efetivo às necessidades e demandas dos cidadãos e contribuintes. Já o segundo setor, é altamente dependente do tempo, da rapidez como elemento de competitividade e sobrevivência. Fazer, bem feito e rapidamente, antes que um concorrente o faça! Nesse mundo moldado pela Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) um mundo mais que líquido, gasoso [7], a rapidez fez-se imprescindível. Ademais, as novas (mas, nem por isso, melhores) exigências da sociedade pressionam as Organizações produtivas como novas demandas, que deveriam redundar em distintos serviços como respostas ao diferente contexto. Novos conhecimentos, tecnologias, valores, hábitos, produtos, serviços e demandas, sociais, políticas, econômicas e ambientais, exigem novos cursos, ou atualização dos existentes de forma célere. Tal vetor pode ir de encontro à forma costumeira e, às vezes, um tanto inercial e reativa, das instituições públicas e privadas educacionais. A velocidade de ação, reação ou inovação precisa ser acompanhada e monitorada pela gestão nestes tempos de pós-modernidade. Ressalta-se, ainda, que a variável Rapidez está associada à administração do tempo, enquanto recurso raro, imaterial, fluídico, fundamental aos gestores da atualidade. Tal dificuldade em muito perpassa a inexistência de uma gerência da rotina devidamente sistematizada e otimizada, que é significativamente diferente de apenas burocratizada. 3. ALGUMAS CORRELAÇÕES COM O MODELO DE GESTÃO DOS 8R s Buscando-se aprofundar a consistência conceitual do Modelo dos 8R s, evidencia-se, na Figura 2, mais uma correlação com o Modelo de Excelência em Gestão Pública (MEGP), explicitada num duplo PDCA. Na Figura 2 está explicitada uma conexão com o MSAG, outro modelo proposto, enquanto sistema para Avaliação da Gestão [5]. 116

141 Figura 2: Correlação entre as Oito Dimensões da Gestão (8R s) e os Critérios de Excelência dos MEG/MEGP, na configuração do PDCL Fonte: Almeida Neto, 2013, p. 419 O modelo dos 8R s está embasado na Teoria Geral dos Sistemas. Tudo neste mundo é um sistema. Os sistemas interagem entre si em maior ou menor grau e tudo está interligado. Não há como gerenciar uma organização desconhecendo estas relações. Este é o pensamento sistêmico [4]. Levando em conta esta teoria e visando corporificar ainda mais esse modelo buscou-se associar cada um dos R s a determinados tipos de gestão em curso nas organizações. (R1) Resultados: Gestão da Qualidade; Estratégica; da Rotina; Financeira... (R2) Recursos: Gestão dos Custos; do Espaço; da Logística... (R3) Rendimento: Gestão de Processo; da Tecnologia; da Inovação... (R4) Relacionamento: Gestão de Pessoas; do Relacionamento com Stakeholders... (R5) Rede: Gestão do Conhecimento; do Aprendizado; do Capital Intelectual... (R6) Resíduo: Gestão Ambiental; das Perdas / Entropia; Logística Reversa... (R7) Responsabilidade: Gestão Social; Cultural... (R8) Rapidez: Gestão do Tempo; de Oportunidades; das Decisões... Ressalte-se que a correlação acima segue uma perspectiva da Teoria Geral de Sistemas, em que cada parte de um todo é função das demais. Assim, o Modelo explicita relações matriciais em que a gestão de cada R 117

142 é interdependente com os demais: se cruza, perpassa, interpenetra, interagindo mutuamente entre si [8]. R1 = f (R2 + R3 + R4 + R5 + R6 + R7 + R8) R2 = f (R1 + R3 + R4 + R5 + R6 + R7 + R8) R3 = f (R1 + R2 + R4 + R5 + R6 + R7 + R8) R4 = f (R1 + R2 + R3 + R5 + R6 + R7 + R8) R5 = f (R1 + R2 + R3 + R4 + R6 + R7 + R8) R6 = f (R1 + R2 + R3 + R4 + R5 + R7 + R8) R7 = f (R1 + R2 + R3 + R4 + R5 + R6 + R8) R8 = f (R1 + R2 + R3 + R4 + R5 + R6 + R7) O modelo dos 8R s, tal como a TGS, entende que uma organização é um sistema constituído de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, devem formar um todo, com determinado objetivo e função [5]. Segundo a TGS, cada um dos elementos componentes comporta-se, por sua vez, como um sistema cujo resultado é maior do que o resultado que as unidades poderiam ter se funcionassem independentemente [8]. 4. CONCLUSÕES Pelo exposto, pode-se afirmar que o Modelo de Gestão dos 8R s, enquanto exercício de modelagem inicialmente direcionada à Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, pode ser customizado para diferentes Organizações, segundo uma perspectiva proativa e moderna. Além de estar aderente à Teoria Geral dos Sistemas (TGS) e nos conceitos de Modelagem e Modelos [5], busca sistematizar a experiência prática de mais de 30 anos do autor neste ramo profissional. O Modelo dos 8R s evidencia, assim, relações consequentes e possíveis causalidades entre variáveis interdependentes, presentes nos diferentes contextos organizacionais. A despeito do seu caráter naturalmente reducionista, o Modelo de Gestão dos 8R s intenta ampliar o foco e enriquecer a prática da gestão, favorecendo uma visão sistêmica que facilite a implantação de melhorias na ação cotidiana das suas operações e estratégias. 5. REFERENCIAS [1] Stanford Encyclopedia of Philosophy, Citação da p. 12, tradução nossa. Disponível em: <http://plato.stanford.edu/entries/model-theory/>. Acesso em 15/01/2013. [2] P. Suppes, M. Pavel, J. C. Falmagne. Representations and Models in Psychology. Annual Review of Psychology, by Annual Reviews Inc. v. 45, p , Citações das p. 518 e 519, tradução nossa. Disponível em: <www.annualreviews.org>. Acesso em 22 out [3] T. R. Dye. Models of politcs; some help in thinking about public policy. In: Unserstandig public policy.1. ed. New Jersey: Prentice-Hall, 2005, p [4] V. F. Campos. O Verdadeiro Poder: Práticas de Gestão que Conduzem a Resultados Revolucionários. Nova Lima: INDG, Citações das p. 28 e 129, grifos nossos. [5] A. C. Almeida Neto. Modelagens sobre gestão organizacional em uma perspectiva multidisciplinar e sistêmica: proposições para a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica RFEPCT. Tese (Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento) Programa de Pós-Graduação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, CDD: Citações das p. 151, 406, 409, 415, 416 e 443. [6] G. Stoker. Public Value Management: A New Narrative for Nertworked Governanace?. Americam Review of Public Administration v. 36, no.1, p Bovaird, Public Governance [7] Z. Bauman. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, [8] L. von Bertalanffy. Teoria Geral dos Sistemas. Rio de Janeiro: Ed. Vozes ª edição revista,

143 Diseño de un Banco de Pruebas para un Sistema de Control de Seguidor Solar Victor H. Benitez-Baltazar Dpto-Ingeniería Industrial, Universidad de Sonora Hermosillo, Sonora, México Cuitlahuac Iriarte-Cornejo Dpto-Ingeniería Industrial, Universidad de Sonora Hermosillo, Sonora, México Y Elberth A. Enriquez-Montoya Dpto-Ingeniería Industrial, Universidad de Sonora Hermosillo, Sonora, México RESUMEN Un campo de helióstatos está conformado por una torre central, donde se transforma energía solar en eléctrica; y un número finito de seguidores, cuyo objetivo es el redireccionamiento del rayo solar hacia el blanco en la torre. El desempeño del sistema de control de helióstatos está sujeto a diversas condiciones de operación y a factores de perturbación, que pueden afectar la gestión de las operaciones del seguidor y ocasionar daños graves al equipo. El objetivo del artículo, es proporcionar una metodología, la cual apoye a la realización de un banco de pruebas de helióstatos, que evalué los helióstatos en base a factores de perturbación y estados de operación. El banco de pruebas será diseñado para emplearse en la Plataforma Solar de Hermosillo (PSH) [1], con el fin de realizar mejoras para futuros diseños de sistemas de control de helióstatos. Este documento muestra avances sobre las pruebas que se incluirán en el banco, que son: pruebas térmicas, que simulan las condiciones estresantes de calor a las que se encuentra el campo; prueba de viento, evaluando diferentes intensidades del viento a la estructura del seguidor; y prueba del error del controlador, calculando el error que existe en la posición del seguidor. Palabras claves: helióstato, microcontrolador, perturbación y sistema de control. 1. INTRODUCCIÓN Un campo de helióstatos se conforma por un número finito de seguidores (helióstatos), cuyo objetivo es el seguimiento solar y redireccionamiento del rayo de luz hacia el receptor en la cima de la torre. Para lograr esto, es necesario del sistema de control, el cual es capaz de realizar diferentes operaciones específicas. El sistema de control del seguidor está sujeto a una serie de factores de perturbación, los cuales se pretende analizar; estos pueden causar un inapropiado funcionamiento de los estados de operación, y a su vez, generar daños a los componentes electrónicos y mecánicos del mismo, por lo que, muchas veces, impacta en gastos de mantenimiento. De acuerdo a esto, factores ambientales, mecánicos y eléctricos, se han tomado en cuenta para el diseño del banco de pruebas; así como las condiciones normales de operación. El proyecto se realizará dentro de la Plataforma Solar Hermosillo, donde diferentes grupos de investigación se encuentran desarrollando investigaciones acerca de tecnología de concentración solar mediante el uso de helióstatos. El artículo presenta una metodología, que será clave para la realización de un banco de pruebas para helióstatos. Dicha metodología incluye los siguientes componentes: la búsqueda de información (investigaciones relacionadas a helióstatos, pruebas de confiabilidad, factores de perturbación, sistemas de control); la aplicación de criterios de evaluación (criterios de confiabilidad y robustez), la selección de pruebas específicas, la evaluación, la realización de banco de pruebas y por último una guía de evaluación que será usada en la PSH. En este documento se muestran resultados sobre una de las pruebas que se le ha aplicado al sistema de control del helióstato. La prueba térmica consiste en someter al controlador a situaciones estresantes de calor, donde se simulan las características térmicas del campo de helióstatos. El controlador se evaluó en diferentes aspectos, los cuales fueron tomados en cuenta en base a las condiciones de operación y de control que el seguidor desempeña: procesamiento de información, conversión de señales analógica a digital, comunicación serial, y sus entradas y salidas periféricas. Por último una evaluación general del sistema está dada en términos de confiabilidad y robustez del controlador, con el fin de conocer el comportamiento del mismo bajo las condiciones de temperatura extrema de condiciones desérticas. A continuación se mostrarán las secciones que proporciona el documento, iniciando por el marco teórico del artículo, donde se presentará la teoría en relación a la temática de la investigación; los antecedentes y descripción del problema, presentando la problemática que se desea abordar; la metodología, en la cual se definirán los pasos a seguir para la resolución de la problemática; los avances de aplicación, aplicando dicha propuesta metodológica, y mostrando resultados de la aplicación de esta; por último se encuentran las conclusiones, trabajo futuro y las referencias del artículo. 119

144 2. MARCO TEÓRICO sistema de control supervisorio y adquisición de datos SCADA [8]. En la figura 2 se puede observar una imagen de la PSH. La tecnología de torre central hace uso de seguidores solares o helióstatos para la generación de energía eléctrica [2]. Como menciona Pavlović [3] las plantas de energía solar, están compuestas de concentradores, turbinas y generadores eléctricos. Un campo de helióstatos (figura 1) está conformado por una torre central rodeada por un número finito de seguidores capaces del rastreo solar, los cuales hacen uso de espejos para redireccionamiento de los rayos solares hacia el blanco en torre [2][4]. Figura 2. Plataforma solar de Hermosillo (UNISON) Figura 1. Plantas de concentración térmica desarrolladas por Abengoa y BrightSource Energy. Un sistema de tecnología de torre central realiza un proceso térmico, donde se calientan sales y agua a presión dentro del reactor, haciéndolas fluir a través de generadores de vapor convirtiendo, a su vez, la energía mecánica en energía eléctrica [2][5]. El sistema de control es implementado en la mayoría de los casos por tecnología embebida de microcontroladores. Estos dispositivos puede trabajar de forma independiente o puede formar parte de un sistema más complejo, es decir como un componente [6]; además, en comparación a una computadora, son mucho más económicos (se pueden encontrar con precios desde los 5 dólares). Estos dispositivos son fácilmente configurables, permitiendo cambiar o adaptar los parámetros en su programación mediante software de programación [7]. Dentro de la PSH los seguidores cumplen con una serie de operaciones específicas, las cuales son dirigidas por el controlador del sistema. Es necesario conocer los estados normales de operación del helióstato para el diseño de pruebas en base al desempeño de estos (tabla 1). Tabla 1. Estados de operación en los que actúa el helióstato Home (E1) Seguimiento (E2) Estado de operación donde el helióstato se encuentra normalmente por las noches (90 grados al horizonte); dependiendo de la estructura del helióstato, su descanso es horizontal o vertical. Es el estado más recurrente en que opera el helióstato. Mediante un vector de posición (especificación de posición del blanco) y los cálculos del vector solar, se obtiene las posiciones en acimut y elevación para redirigir el rayo al blanco seleccionado. Plataforma Solar de Hermosillo La PSH es una instalación, ubicada en el campus agrícola de la Universidad de Sonora (UNISON), donde trabajan diferentes grupos de investigación pertenecientes a diversas universidades y centros de investigación y desarrollo de energía solar en México. Dicha instalación permitirá iniciar las investigaciones científicas y tecnológicas de los sistemas termosolares de potencia eléctrica basados en la arquitectura de torre central. La PSH es el primer proyecto de un Sistema de Concentración Solar de Potencia de Torre Central realizado en toda Latinoamérica, inaugurado el día 28 de octubre de 2011, cuenta con: 13 helióstatos concentradores de 36 m2, uno de 3 m2 y 1 cluster de 9 mini-helióstatos, una torre central de 36 metros de altura, cuarto de control y laboratorio de propósito general. Posición manual (E3) Posición segura (E4) Por medio de un operador, se selecciona manualmente las posiciones del helióstato, en acimut y elevación. Esta operación es más usada para calibraciones y reparación de fallas. La posición segura entra en acción automáticamente, cuando los vientos sobrepasan ciertos límites de operación (mayores a 60 km/hr); el helióstato se desplaza hacia la posición más cercana donde lleva acabo una menor resistencia al viento. El control del campo de helióstatos se realiza con equipo de la marca National Instruments con hardware Compact Rio (crio) y la plataforma de desarrollo de software LabVIEW, con un Una representación gráfica de los estados de operación del helióstato se representa por la figura 3, donde se ilustran las restricciones coaccionadas por el viento (mayores a 60 km/h). 120

145 esto, es crucial en sistemas embebidos industriales dirigir o desarrollar pruebas de operación en el ambiente de trabajo en tiempo real, para conocer el comportamiento del sistema bajo escenarios ejecutables o repetibles [13]. Para el diseño y elaboración de una buena prueba, es necesario tomar en cuenta varios conceptos, que serán la base de todas las evaluaciones a realizar, los cuales van asociados a los sistemas de control embebidos; conocidos como Robustez y Confiabilidad. Figura 3. Gráfico de estados del helióstato (elaboración propia) Factores de perturbación Según Bananos [2], existen varias fuentes de errores que reducen el rendimiento ideal del sistema de concentración. El sistema de control de heliostatos está sujeto a varios errores comunes, como: la inclinación del eje rotacional, los efectos gravitatorios en la estructura, espejos desalineados, inclinación y desplazamiento de posición de referencia. Como menciona Verle [9], un factor que puede llegar a dañar al microcontrolador es el ruido eléctrico, muy común en ambientes industriales, variando el voltaje de alimentación por un momento y cayendo por debajo del mínimo. Otro factor que puede afectar al sistema de control del seguidor, es la temperatura. Estudios recientes han demostrados que el 50% de las fallas eléctricas son relacionadas al sobre calentamiento de los componentes. Temperaturas seguras para los componentes se encuentran de grados centígrados para mantener el tiempo de vida del sistema; mayores a estos, podrían aumentar el promedio de fallas, por esto es importante mantener en condiciones ideales al sistema [10]. El viento puede ser otro tipo de factor importante en el comportamiento del seguidor. Grandes intensidades del viento afectan el desempeño del mecanismo y la puntería del heliostato, además de generar vibración durante las operaciones de control, donde ciclos de estrés ocurren frecuentemente bajo vientos de gran intensidad, provocando fallas relacionadas a la fatiga en los componentes mecánicos del seguidor [11]. Para esto, es necesario, predecir intensidades del viento para diseñar un helióstato en términos de un buen desempeño. Diseño de una prueba Para conocer los factores que pueden afectar el comportamiento del sistema de control de helióstato, que está implementado por tecnología embebida de microcontroladores, es necesario diseñar pruebas que puedan evaluar el comportamiento del mismo. Según Almog y Heart [12], para el diseño de pruebas se han tomado en cuenta tres fases, las cuales son: Preparación. Consta del plan, el diseño y la construcción de la prueba Ejecución. Poner en marcha la prueba o aplicar la prueba Verificación. Verificar los resultados obtenidos contra la respuesta esperada Confiabilidad y Robustez: es el grado en el cual un sistema o componente puede trabajar correctamente en la presencia de entradas inválidas o condiciones ambientales de estrés. La idea principal de las pruebas de robustez, es investigar cómo el sistema reacciona ante diferentes tipos de problemas, los cuales pueden ser definidos como eventos inexplicables del ambiente y algunas situaciones estresantes [14]. La confiabilidad es la ausencia de fallas, por lo que se dice que es confiable un sistema, si este carece de fallas cuando se encuentra operando normalmente [15]. 3. ANTECEDENTES Y DESCRIPCIÓN DEL PROBLEMA La empresa Pirámide Estructural del Golfo S.A de C.V, localizada en Veracruz, se dedica al diseño y fabricación de bombas para aplicaciones especializadas, así como componentes mecánicos. Ha incursionado en años recientes en el desarrollo de helióstatos para plantas solares de potencia. Dicha empresa ha requerido el apoyo de la Plataforma Solar Hermosillo, para el desarrollo de esta tecnología. En estas instalaciones se ha desarrollado tecnología termo solar para la producción de potencia eléctrica. El control ha sido implementado de dos maneras: por medio de tecnología embebida y usando tecnología embebida de National Instruments (compaqrio). Al trabajar con dispositivos electrónicos, es necesario cumplir con una serie de factores para el desempeño en la comunicación del sistema y las operaciones específicas. El sistema de control de helióstatos cuanta con las siguientes operaciones: Home, posición segura, posición manual, seguimiento, las cuales se encuentran definidas en la tabla METODOLOGÍA La metodología que se utilizará dentro de este documento se ilustra en la figura 4, la cual está compuesta por una serie de fases: el análisis del sistema de control de helióstatos de la PSH, el diseño y la aplicación de pruebas específicas, la evaluación de las pruebas, la determinación de mejoras al sistema y el desarrollo de una guía de evaluación para la PSH. Cuando se va a evaluar un sistema embebido, es más importante desarrollar pruebas en tiempo real en su campo de operación, que realizar pruebas individuales para cada unidad del sistema. Por 121

146 Fase 3 Se recopilan los datos obtenidos y se someten a evaluación, aplicando criterios de confiabilidad y robustez. Debido a que se realiza un número finito de pruebas específicas, basándose en los estados de operación y los factores de perturbación, se debe de concluir de manera individual cada una de estas, donde se proporcione un análisis detallado de la evaluación; además de una conclusión general del experimento (figura 7). Figura 4. Metodología para el diseño e implementación de un banco de pruebas para helióstato (elaboración propia) Fase 1 La fase uno o antecedentes teóricos, es la etapa de documentación e investigación. Con el fin de realizar buenas pruebas de evaluación (figura 5), se contemplarán todos los componentes, dispositivos, software y hardware que son utilizados dentro del sistema de control. Es necesario investigar: el estado del arte en relación helióstatos, factores de perturbación; además de manuales, formatos, códigos y cualquier otro elemento que vaya relacionado con el sistema y las operaciones de control que el seguidor desempeña. Fase 7. Fase tres de la metodología Fase 4 La proposición de medidas de mejora que aumente la confiabilidad y la robustez del sistema (figura 8). Por medio de la evaluación y la revisión literaria o estado del arte, se podrán definir mejoras en el sistema, que se vean reflejadas en el comportamiento de los estados de operación de los seguidores. Estas mejoras impactarán de manera importante en los trabajos de investigación llevados a cabo en la PSH y servirán de guía para el diseño de nuevos prototipos de helióstatos. Figura 5. Fase uno de la metodología Fase 2 Fase de diseño e implementación de pruebas específicas de desempeño (figura 6). Se debe evaluar el controlador basados en las operaciones en que desempeña, por lo que es prudente diseñar las pruebas en base a criterios como: procesamiento de señales, transmisión de datos, entradas y salidas periféricas, conversión analógico-digital, criterios de sistemas de control, entre otros. Los sistemas van expuesto a perturbaciones o factores no controlables que minimizan el desempeño del controlador, por lo que de igual manera, se debe caracterizar las pruebas en base a dichas perturbaciones. Figura 8. Fase cuatro de la metodología Fase 5 El desarrollo de una guía de evaluación (figura 9), es un documento que resume las fases anteriores: análisis del sistema de control, diseño e implementación de pruebas específicas, evaluación y medidas de mejoras para el sistema. Figura 9. Fase cinco de la metodología 5. RESULTADOS DE LA APLICACIÓN Figura 6. Fase dos de la metodología Por medio de la metodología, se han propuesto tres pruebas que serán contenidas dentro del banco de pruebes para helióstato, donde una de ellas se ha implementado y evaluado (fase 3), mientras que las otras dos se encuentran en la fase 2 o de implementación. Las pruebas son: Prueba térmica Prueba de viento Prueba del error del sistema de control 122

147 Prueba térmica 1: Evaluación térmica del contenedor Esta prueba analiza la relación voltaje/temperatura de un contenedor térmico, con el fin de obtener resultados para una evaluación al sistema de control embebido. La prueba consiste en introducir un sensor capaz de tomar lecturas de la temperatura dentro del contenedor, para después medir el voltaje que fue requirió para mantener dicha temperatura; los valores de temperatura que son evaluados, son: 30,35,40, 45, 50, 55, 60, 65, 70, 75, 80 ; y el valor máximo de temperatura del contenedor térmico, con el fin de conocer la capacidad máxima que este puede alcanzar. En esta prueba es necesario herramientas y materiales, como son: contenedor térmico, multímetro, termopar y variador de voltaje (variac). Resultados obtenidos de la prueba térmica 1: los resultados que se muestran en la tabla 2, son los valores de voltaje que se obtuvieron para cada valor de temperatura descrito con anterioridad; además se muestra el tiempo en que estos valores permanecieron estables. Tabla 2. Relación voltaje/temperatura del contenedor térmico. Temperatura ( C), Voltaje (Volts) Tiempo en el que con tolerancia de + en corriente el contenedor se 0.8 alterna mantuvo estable min min min min min min min min min min min Los resultados obtenidos, simularán los valores térmicos que puede alcanzar la PSH, y con esto poder someter al sistema de control del seguidor al factor de perturbación de temperatura. En relación al valor máximo del contenedor, se le aplicó la 220 volt (máximo voltaje), dando como resultado 144 C. Prueba térmica 2: Evaluación térmica del microcontrolador Se evaluó el sistema embebido Arduino, con el fin de optar por la adaptación de tecnologías más económicas, en lugar del uso de los crio, que se encuentra en operación y son más costosos. En la implementación de dicha prueba, se tomó en cuenta la evaluación realizada en la prueba anterior, donde se recopiló las lecturas de voltaje/temperatura y tiempos de estabilización de cada temperatura dentro del recipiente. Dichos valores serán los rangos en los que se evaluará el sistema embebido (30 a 80 C), por lo que es de suma importancia haber realizado correctamente la evaluación de la prueba 1 y dar pie a la evaluación del microcontrolador por estrés térmico. Las herramientas que se requirieron, son las mismas que en la prueba 1, con la adición del microcontrolador. Se evaluaron una serie de características que el microcontrolador debe desempeñar, y que van relacionadas a los estados de operación del helióstato. Las características evaluadas son las siguientes: El convertidor analógico-digital del sistema, el procesamiento, sus salidas periféricas y la entrega de datos por puerto serial. Para la conversión analógica-digital se aplicó un patrón, cuya señal de voltaje fue constante; esta se evaluó por medio de un gráfico en una computadora (figura 10). El procesamiento son los cálculos internos que realizar el microcontrolador; por esto, se seleccionó procesar un patrón de señal coseno, el cual fue representó por medio de un gráfico, que contiene además, el tiempo de respuesta del procesamiento. La evaluación de las salidas periféricas, se verificaron con la ayuda de un indicador visual (diodo Led). Por último, la comunicación serial se ilustra por parte de las dos primeras evaluaciones (procesamiento, conversión analógico-digital). Resultados obtenidos de la prueba térmica 2: los resultados indican que el sistema opera correctamente en sus cuatro características (figura 10), mostrando que es capaz de resistir altas temperaturas en su medio ambiente. De igual manera, no se observaron retrasos en el tiempo de procesamiento de la señal, ni en la transmisión de datos por el puerto serial. La evaluación del indicador visual fue satisfactoria, por lo que las señales de salida periférica del sistema funcionan correctamente a temperaturas de 80 C. a) b) Figura 10. a) Señal coseno en el tiempo y b) patrón de señal analógica 5 volts en el tiempo 123

148 Los resultados mostrados en la prueba revelaron que: el microcontrolador es capaz de soportar altas temperaturas, como las encontradas en la PSH. Por lo que se recomienda cambiar a tecnologías más económicas, como es el uso del sistema Arduino. Prueba de viento La prueba de viento se encuentra en la fase 2 (figura 6) y consiste en realizar experimentos en campo, para conocer el comportamiento que tome el seguidor bajo ciertas intensidades del viento, colocando sensores que proporcionen seguimiento sobre vibración de la estructura, velocidad y dirección del viento. Para esto, se colocarán acelerómetros en secciones estratégicas de la estructura y un anemómetro a una posición por encima del seguidor. Los acelerómetros mostrarán el comportamiento de la vibración de la estructura; por otro lado, el anemómetro dará retroalimentación de las intensidades y las direcciones del viento. Con el fin de observar si se encuentra comprometido o no el seguidor a las cargas de viento y en qué operación se tuvo una mayor vibración en la estructura, se sugiere realizar pruebas con vientos de 20, 30, 40, 50 y 60 Km/Hr, llevando a cabo todas las operaciones del Helióstato (tabla 1), tomando lecturas del acelerómetro y el anemómetro, para identificar los límites de operación; además, para el diseño de una nueva estructura, que sea capaz de soportar vientos mayoras en comparación a la que se tiene actualmente. Prueba del error del sistema de control El objetivo de la prueba, que se encuentra en la fase 2 (figura 6), es el de conocer cómo se comporta el controlador, en base al error generado entre la posición calculada del helióstato y la posición real del seguidor. Por lo anterior, para conocer la posición calculada del seguidor, es necesario adentrarse en el algoritmo de control que éste tiene, para poder obtener el valor de la posición; por otro lado, la posición real, estará dada por la posición en acimut y elevación de los actuadores (motores), que se encargan de desplazar el helióstato a sus objetivos de tiro. Se tomarán en cuenta criterios para la evaluación del error, como son: La integral del error cuadrado (ISE), la integral del error absoluto (IAE), la integral del tiempo multiplicado por el error absoluto (ITAE) y la integral del tiempo multiplicado por el error cuadrado (ITSE); de acuerdo a estos, se podrá conocer si el controlador es robusto y confiable. 6. CONCLUSIÓN La implementación de pruebas, es una etapa crucial en cualquier sistema en general; estas ayudarán en la evaluación de la eficiencia de los estados de operación en los que se desempeña el helióstato. El artículo presenta un proceso ingenieril flexible donde se aborda metodológicamente los pasos para la realización de un banco de pruebas para helióstatos. Dicha metodología está explicada y presentada en forma organizada, clara y completa. Incluye investigaciones relacionadas a helióstatos, pruebas realizadas, aplicación de criterios de evaluación, aplicación concreta de la metodología con análisis de los resultados de tal experiencia. El documento muestra avances de los resultados de las pruebas térmicas y las que se encuentran en proceso de implementación. Las pruebas térmicas indican que, es posible introducir tecnología económica de microcontroladores, en lugar del sistema que se encuentra operando actualmente para los seguidores. Arduino es una opción viable, capaz de soportar temperaturas de hasta 80 C. La prueba de viento y de error del sistema de control, se encuentran en proceso de implementación como trabajos futuros. REFERENCIAS [1] LACYQS, Campo de Pruebas de Helióstatos, [Online]. Available: ampo-de-pruebas-de-heliostatos. [2] A. M. Bonanos, Error analysis for concentrated solar collectors., J. Renew. Sustain. Energy, vol. 4, no. 6, p , Nov [3] T. M. Pavlović, I. S. Radonjić, D. D. Milosavljević, L. S. Pantić, and D. S. Piršl, ASSESSMENT AND POTENTIAL USE OF CONCENTRATING SOLAR POWER PLANTS IN SERBIA AND REPUBLIC OF SRPSKA., Therm. Sci., vol. 16, no. 3, pp , Sep [4] K.-K. Chong and M. H. Tan, Comparison Study of Two Different Sun-Tracking Methods in Optical Efficiency of Heliostat Field., Int. J. Photoenergy, pp. 1 10, Jan [5] D. Tuite, SOLAR ENERGY GOES BEYOND PHOTOVOLTAICS., Electron. Des., vol. 58, no. 3, pp , Mar [6] M. Vagia and A. Tzes, Design of a robust controller and modeling aspects of a micro cantilever beam with fringing and squeezed gas film damping effects., Mechatronics, vol. 23, no. 1, pp , Feb [7] A. M. Howlader, N. Urasaki, A. Yona, T. Senjyu, and A. Y. Saber, Design and Implement a Digital H Robust Controller for a MW-Class PMSG-Based Grid- Interactive Wind Energy Conversion System., Energies ( ), vol. 6, no. 4, pp , Apr [8] C. I. Cornejo, Automatización de sistema de control para campo de helióstatos, Instituto Tecnológico de Chihuahua, [9] M. Verle, Pic microcontrollers : programmin in c. [S.l.]: Mikroelectronika, [10] X. Fu, X. Wang, and E. Puster, Simultaneous thermal and timeliness guarantees in distributed real-time embedded systems, J. Syst. Archit., vol. 57, no. 6, pp , Jun [11] D. T. Griffith, C. Ho, P. Hunter, J. Sment, A. Moya, and A. Menicucci, Modal Analysis of a Heliostat for Concentrating Solar Power, in Topics in Modal Analysis I, Volume 5 SE - 39, R. Allemang, J. De Clerck, C. Niezrecki, and J. R. Blough, Eds. Springer New York, 2012, pp [12] D. Almog and T. Heart, What Is a Test Case? Revisiting the Software Test Case Concept, pp , [13] M. Lochau and U. Goltz, Feature Interaction Aware Test Case Generation for Embedded Control Systems, Electron. Notes Theor. Comput. Sci., vol. 264, no. 3, pp , Dec [14] J. Fernandez, L. Mounier, and C. Pachon, A Model- Based Approach for Robustness Testing, in Testing of Communicating Systems, 2005, pp [15] W. Wang, J. Loman, and P. Vassiliou, Reliability importance of components in a complex system, Reliability and Maintainability, 2004 Annual Symposium - RAMS. pp. 6 11,

149 Capital humano en México. Análisis del ingreso y la inserción en el mercado laboral. Angélica Beatriz Contreras Cueva Departamento de Métodos Cuantitativos CUCEA-Universidad de Guadalajara. Guadalajara, Jal Zapopan, Jalisco ~ México. Resumen En este trabajo se analiza la empleabilidad y el ingreso diferenciado por área de estudio considerando algunos aspectos sociodemográficos del trabajador. El análisis se realiza a partir de los datos de la Encuesta Nacional de Ocupación y Empleo (ENOE) Los resultados se estiman con el modelo de autoselección de Heckman seguido con dos modelos de salarios para los hombres y las mujeres, finalmente se utiliza el modelo probit para estimar la probabilidad de estar ocupado por área de formación y sexo. A partir del análisis se concluye que las mujeres autoseleccionan más la opción de no trabajar. Otro resultado que se muestra es que las áreas profesionales con mayores oportunidades de empleo para los hombres son las de ciencias de la computación y de la información, artes y seguridad industrial, y para las mujeres ciencias de la computación, formación docente, veterinaria, negocios y administración. Los mejores ingresos para los hombres son los de servicios de transporte, ciencias físicas, químicas y de la tierra, servicios de seguridad; para las mujeres matemáticas y estadística, salud, formación docente e Ingeniería industrial, mecánica, electrónica y tecnología; se destaca también, que los ingresos en el caso de las mujeres son mayores con respecto a los hombres para las casadas, jefes de familia y mejora notablemente con mayor nivel escolar. Palabras clave: empleabilidad, ingreso, género. Introducción La teoría del capital humano sostiene que para el trabajador, la educación es una inversión que tendrá efecto positivo en su ingreso y potenciará la probabilidad del empleo, es por tanto, que los estudios universitarios ofrecen grandes beneficios a sus egresados. En contraparte, el empleador al contar con un capital humano cualificado garantiza la productividad de sus empresas además de que un tercer beneficio será que la sociedad se beneficia de la calidad de productos y servicios que genera el sistema productivo lo cual repercutirá en la economía de un país. Para los egresados universitarios, la decisión de participar o no en el mercado laboral tiene un mayor costo, que significa renunciar a mayores ingresos, además del desperdicio en la inversión realizada para la formación del capital humano. El presente artículo tiene como objetivo analizar a partir de los datos desagregados por el campo específico de formación académica y por género de la Población Económicamente Activa (PEA), la inserción del capital humano en el mercado laboral mexicano y el comportamiento del ingreso que se percibe por el desempeño del trabajo. Esto con el propósito, de detectar, por una parte, las oportunidades que por campo específico de formación académica e ingreso son las óptimas para el universitario potencial de acuerdo a su género: y por otra, que las instituciones educativas conozcan las oportunidades que sus egresados tienen en el mercado laboral. Metodología En este trabajo se utilizan diversas metodologías econométricas para estimar los resultados, primeramente para determinar el ingreso se utiliza la tasa de retorno a la educación planteada por Jacob Mincer (1974) ajustando el modelo mediante el método control function propuesto por Card (1999), el cual consiste incluir variables de control al modelo de Mincer, que en este caso serán además: estado civil, si es jefe de familia, nivel de estudio, campo de formación profesional, si es empleado o trabaja por cuenta propia. Para determinar la tasa de retorno, es menester considerar que podría presentarse autoselección de los individuos, es decir, la población ocupada forma parte de un segmento de la población total que pasa por un proceso de decidir ingresar al mercado laboral, de tal forma que al estimar los coeficientes directamente por MCO estos presentarían sesgo ya que también reflejarían el impacto de las variables que influyen en la selección de estar ocupado o no, y que no están incluidas en la especificación del modelo. Por lo anterior se utiliza el modelo bietápico de corrección de selección de Heckman que permite aislar el sesgo de selección muestral cuando se utilizan modelos de ingresos o modelos para horas de trabajo. 125

150 El modelo sugerido por Heckman, conocido como método bietápico, en el que se estima una ecuación previa que incluya las variables que influyen en la decisión de emplearse o no, por ejemplo, el estado civil, el ser jefe de familia entre otras. La finalidad del modelo de selección es primero ubicar si el individuo decide estar ocupado y después se determinan los ingresos. El método bietápico consiste en estimar un primer modelo tipo probit para calcular la probabilidad de que el entrevistado decida o no estar ocupado, de esta estimación se genera (λ) conocida como la Razón Inversa de Mills que captura la magnitud del sesgo de autoselección. Posteriormente (λ) se incluirá al modelo de MCO propuesto por Mincer para controlar la presencia de autoselección. Para las estimaciones se utilizó el programa estadístico de STATA. Primera etapa: Modelo probit para estimar la ecuación de participación laboral es el siguiente:} P i = β 0 + β 1 Sexo+β 2 do.civil+β 3 Jefe+β 4 NivelFormación + β 5 Campoformación + ξ i Ecuación 1 P i índica si el entrevistado participa o no en el mercado laboral es decir si pertenece a la PEA o a la NPEA. Las variables independientes son tanto cualitativas como continuas y son: Sexo, Estado civil, Jefe (si es jefe de familia), Nivel escolar (profesional, maestría y doctorado); campo de formación, se refiere a los 22 grupos de profesiones. Ocupación y Empleo (ENOE) , desagregando a aquellos entrevistados de la población económicamente activa (PEA) 2 de la ENOE que reportan estudios mínimos de licenciatura y diferenciados en 8 grupos según la clasificación mexicana de programas de estudio por campos de formación académica 2011 (CMPE) (INEGI;). En el CMPE 3 se clasifican 8 campos amplios de formación académica, considerados según el ámbito de conocimiento que puede ser teórico, práctico o ambos, de acuerdo como se enseñe en un plan o programa de estudio académico, 22 campos específicos y 88 campos detallados 4, Los campos amplios son: educación; artes y humanidades; ciencias sociales, administración y derecho; ciencias naturales, exactas y de la computación; ingeniería, manufactura y construcción; agronomía y veterinaria; salud; servicios. Resultados Primeramente para contextualizar el campo de estudio se describen las características de los datos, y posteriormente se aproximan los resultados con los modelos mencionados. En la tabla 1 se resumen los principales descriptivos diferenciados por sexo de las variables de la PEA, que serán consideradas posteriormente para el análisis. Se destaca que 47.5% de la PEA son hombres, con edad promedio de 38 años, obtienen $5935 de ingreso promedio y 45 horas en promedio ocupadas a la semana. Tabla 1. Características sociodemográfica de la población económicamente activa Segunda etapa: Modelo general de la ecuación de Mincer: In Υ i = P i = β 0 + β 1 Aes+ β 2 Exper+ β 3 Exper 2 + ξ i Ecuación 2 Modelo modificado: se estimaran dos modelos uno para hombres y otro para mujeres, esto debido a que se esperan diferente impacto por género de las variables independientes. Los modelos se estiman con la siguiente expresión: In Υ i = β 0 +β 1 Aes+β 2 Exper+β 3 Exper 2 +β 4 Edo.Civil+β 5 jefe+β 6 HrsOcupadas+β 7 NivelEsts+β 8 Campoformación + β 9 Asalariado+ β 10 Empleador+λ+ ξ i Ecuación 3 Los Datos Para estimar la ocupación y del ingreso, se analizan los datos del tercer trimestre de la Encuesta Nacional de 1 La ENOE es una encuesta trimestral aplicada a los hogares por el Instituto Nacional de estadística y Geografía, (INEGI), que contiene información nacional de las personas residentes de viviendas seleccionadas 2 La PEA contiene información de las personas entrevistadas que en el período de referencia tuvieron una actividad económica (población ocupada) o buscaron activamente realizar una en algún momento del mes anterior al día de la entrevista (Población desocupada) 3 A partir del tercer trimestre de 2012, la ENOE aplica la CMPE que sustituye al Catalogo de Codificación de carreras, la CMPE es una clasificación estandarizada de los campos de formación académica, que surge del ajuste del Censo de Población y Vivienda 2010 y en el Formato 911 de educación superior de la SEP En este trabajo solo se mencionan 5 de los campos detallados por ser los involucrados en la investigación. 126

151 Grafico 3. PEA por campo específico de formación académica y sexo. Fuente: Elaboración propia a partir de micro-datos de la ENOE 3er trimestre El grafico 2 representa la distribución de la PEA por campo específico de formación académica. Gráfico 2. PEA por campo específico de formación académica. Fuente: Elaboración propia a partir de micro-datos de la ENOE 3er trimestre 2013 Del gráfico se observa que la mayor proporción de profesionales son los de negocios y administración seguida por las de Ingeniería industria, mecánica, electrónica y tecnología, y en tercero el campo de derecho. El gráfico 3 refleja la distribución de la PEA por campo específico de formación académica y por sexo, en el cual se resalta que prevalece la preferencia por sexo en estudiar determinadas formaciones. Fuente: Elaboración propia a partir de las bases de datos de la ENOE 3º.Trimestre Estimación de la ecuación corregir el sesgo de autoselección. Modelo (0). A continuación se presentan los resultados del modelo que captura la variable de autoselección para determinar si tiene influencia en el modelo de ingresos que se estimará posteriormente por MCO; estos resultados fueron estimados a partir del modelo probit para identificar la probabilidad de que el entrevistado pertenezca a la Población Económicamente Activa, o no. El signo del coeficiente de la variable explicativa se interpreta como si dicha variable aumenta (positivo) o disminuye (negativo) la probabilidad de formar parte de la PEA, independientemente de que en el momento de la recogida de información estuviera trabajando o no. Los resultados apuntados en la tabla 2, reflejan que los estadísticos del modelo son adecuados según su significancia; además se observa que la mayoría de los parámetros, excepto nivel de estudio profesional, las formaciones de humanidades, ciencias naturales, ciencias física, química y de la tierra, matemáticas y estadística, arquitectura y construcción, además de las de servicio de transporte, industrial y de seguridad, en todos los demás casos son estadísticamente significativos como se demuestra con el estadístico z.; Las demás variables independientes que tiene un efecto positivo a la probabilidad de pertenecer a la población ocupada, los hombres tiene 64.3% mayor probabilidad que las mujeres, los casados 27.8% por ciento sobre los solteros, los que son jefe de familia 53.2% sobre los que no. Por otra parte se observa con respecto al nivel de estudios se aumenta la probabilidad de tener un trabajo, aproximadamente, 11.6% los que tienes estudios de licenciatura, 34.7% los que tienen maestría y 39.4% los de doctorado con respecto a los que no tienen el nivel de estudio al que se refiere cada aspecto. Con este modelo se calculó la variable que captura el efecto de autoselección λ conocida como razón inversa de Mills que resultó ser significativa, lo cual quiere decir, que existe sesgo de selección entre pertenecer al mercado laboral ocupado y el salario, por lo tanto λ será incluida en el modelo de MCO como un regresor adicional. 127

152 Tabla 2. Resultados de la estimación del modelo Probit. Tabla 3. Resultados de la estimación del modelo MCO para los hombres Fuente: Elaboración propia a partir de los datos de la ENOE 3º trimestre Estimación del modelo modificado con corrección de sesgo de autoselección. Modelo (2). Para estimar la tasa de retorno de la educación, se utilizó, por separado, el modelo de mínimos cuadrados ordinarios (MCO), para hombres y las mujeres, esto con el propósito de identificar los factores que influyen en la diferencia de los salarios por sexo en México con estudios como mínimo de licenciatura, para lograr esto, se tomaron en cuenta a aquellos entrevistados de la ENOE con estudios mínimos de profesional y que reportaron obtener ingresos. Tabla 4. Resultados de la estimación del modelo MCO para las mujeres. El estadístico de Wald el cual es útil para probar la significancia conjunta de los coeficientes estimados es mayor que tanto para el modelo para hombres como para el de mujeres, por lo que se concluye que las variables independientes introducidas en el modelo tienen relación con la variable dependiente, además se puede considerar que los resultados de la muestra son generalizables a la población a la que pertenece. El modelo estimado presenta variables dicotómicas mezcladas con variables continuas. Por lo tanto no podremos interpretar el valor del término constante en la mayoría de los casos, pero los parámetros de las variables dicotómicas (valiendo éstas 0 y 1) sí serán interpretables como en términos de unidades se incrementa la variable dependiente cuando se da el caso de que en el que toman valor 1. En vista de los resultados de las tablas 3 y 4, se observa que los años de estudios la experiencia, la experiencia al cuadrado y las horas ocupadas, sus resultados son aproximadamente iguales para los hombres y las mujeres. Con el propósito de realizar una correcta interpretación de las variables cualitativas integradas en los modelos como dicotómicas, se presenta en la tabla 5 los coeficientes de los parámetros transformados. 128

153 Tabla 5. Coeficientes transformados para los hombres y las mujeres negativo para los hombres, esto implica para los hombres una alta probabilidad de estar desocupado, en cambio para las mujeres es positivo lo que indica una baja probabilidad de estar desocupadas y tiende a estar asociado con mayores salarios. Finalmente, se estimaron las probabilidades para hombres y mujeres de estar ocupados con el modelo probit expresado en la ecuación (3), los principales resultados se resumen en la gráfica 4. Gráfica 4. Probabilidad de estar ocupado por campo especifico de formación académica y sexo Fuente: elaboración propia a partir de los parámetros de las tablas 3 y 4. En vistas de la tabla 5 se observa que con respecto al estado civil y ser jefe de familia no son significativas para los hombres y para las mujeres solo el ser jefe de familia, lo que representa percibir 18.1% más que las que no son. Con respecto al nivel de estudios, se observa tanto para hombres como para las mujeres el contar con estudios de licenciatura o más presupone un mayor ingreso, observándose mayor rentabilidad para las mujeres en los casos de estudios de maestría y doctorado. Respecto a campos de formación los resultados reflejan que para los hombres es más rentable contar con las formaciones en servicios de transporte, servicios de seguridad, ciencias físicas, química y de la tierra, matemáticas y estadísticas, formación docente, arquitectura y construcción, salud, manufactura y procesos, ciencias naturales, Ingeniería industria, mecánica, electrónica y tecnología y servicios personales; mientras que para las mujeres tienen ingresos positivos en la mayoría de los campos excepto seguridad industrial y ciencias naturales. El coeficiente de la Razón Inversa de Mills (λ) es significativo para hombres y no para las mujeres; por otra parte, para los hombres el coeficiente es negativo, cabe mencionar que el signo del coeficiente lambda ofrece la relación entre pertenecer al mercado laboral ocupado y el salario, esto quiere decir que la covarianza entre el error del modelo Probit y el modelo de MCO es positivo para las mujeres, pero no significativo, y Fuente: Elaboración propia a partir de los coeficientes del modelo probit. En el gráfico se puede apreciar que las ocupaciones por campo especifico de formación académica que tienen mayor probabilidad de estar ocupados por los hombres son: ciencias de la computación y de la información, artes, y seguridad industrial, en ese orden y para las mujeres son: ciencias de la computación, formación docente, veterinaria, negocios y administración económico administrativas en ese orden. Conclusiones Tras analizar los datos de la PEA de las ENOE 2013, se reitera que en México, se cumple lo que señalan las teorías del rendimiento de la educación que sostienen que a mayor nivel escolar implica mejores ingresos y mayor probabilidad de tener un trabajo. Con respecto a la población con estudios superiores y los que no los tienen, se detectaron marcadas diferencias, para los profesionistas el ingreso aumenta con respecto a la edad y es aproximadamente el mismo para hombres y mujeres, el hecho de que las mujeres con estudios superiores perciban más o menos el mismo ingreso que los hombres, confirma según las teorías acerca de rendimiento en la educación afirman, que la inversión en educación es más rentable para las mujeres. 129

154 Otro aspecto que es importante señalar, es que se demostró tras aplicar el modelo probit para corregir el sesgo de autoselección, que las mujeres con estudios de licenciatura o más, tienen mayor probabilidad de pertenecer a la población ocupada; además con respecto a la ocupación las mujeres profesionistas se autoseleccionan mayormente que los hombres para no trabajar. Se detecta que las oportunidades de empleo, campo específico de formación académica para los hombres son prácticamente en todas las áreas, excepto, ciencias naturales, servicios de seguridad, matemáticas y estadísticas y formación docente. En cuanto a los ingresos son mayores servicios de transporte, de seguridad ciencias físicas, químicas y de la tierra. Por otra parte, las oportunidades de empleo por campo específico de formación académica para las mujeres son las relacionadas a las ciencias de la computación, formación docente, veterinaria, negocios y administración; en cuanto a los ingresos la probabilidad de que sean mayores que los de los hombres son en el campo de matemática y estadística, salud, formación docente, de educación, ciencias exacta y arquitectura. Las que presentaron menor probabilidad de estar ocupadas son los campos de ciencias físicas químicas y de la tierra y servicios de seguridad. Finalmente, podemos puntualizar que en el periodo observado, para el capital humano en México existen diferencias en la inserción al mercado laboral dependiendo del sexo de los trabajadores siendo 0,05% mejor para los hombres debido a que las mujeres autoseleccionan más la opción de trabajar; sin embargo, con respecto al ingreso que se percibe por hora de trabajo es aproximadamente el mismo, aunque se diferencian algunos aspectos que favorecen en unos casos a los hombres y en otros a las mujeres, por ejemplo, las mujeres casadas perciben 6.8% más, las que tienen estudios de maestría 79.7% mas y las que tienen estudios de doctorado 86.2% más. Referencias bibliográficas Card, D. E. (1999). The causal effect of education on earnings. (H. o. Economics, Ed.) Elsevier Science, 3 (3), 63. Carnoy, M. (2006). Economía de la educación. (M. Castells, Ed.) Barcelona, España: UOC pdf Becker, G. S. (1983). El capital humano. Madrid, España: Alianza Editorial. Gujarati, D. (2010). Econometría (5ta. edición ed.). México: McGraw-Hill. Hernández, L., Pastor, J. M., Serrano, L., Soler, Á., & Zaera, I. (2012). Jornadas de la Asociación de Económia de la educación. Recuperado el 29 de octubre de 2013, de Aede: /040.pdf INEGI;. (s.f.). Catálogo de Clasificación de Carreras. Recuperado el 27 de agostp de 2013, de logias/enoe/clasificadores/carreras.pdf Mincer, J. A. (1974). schooling, experience and earnigs. (C. U. Press, Ed.) Massachusetts, USA: National Bureau of Economic Research. Morales-Ramos, E. (septiembre de 2011). Banco de México. (B. d. Méxcio, Ed.) Recuperado el 27 de agosto de 2013, de banxico.org.mx: B12C-6F55EB399EF7%7D.pdf. Navarro Chávez, J. C., & Favila Tello, A. (6 de febrero de 2013). La desigualdad de la educación en México, : el caso de las entidades federativas. Revista Electrónico de Investigación educativa. Ordaz, J. L. (2007). México: capital humano e ingresos. Retornos a la educcion (N. Unidas, Ed.) Serie de estudios Y perspectivas (90), 70. Universidad, U. y., Pérez-García, F., & Serrano- Martínez, L. (Julio de 2012). Fundación BBVA. (R. Editorial, Ed.) Recuperado el 27 de agosto de 2013, de vpc/documents/monografia_universidades_2012_web _cerrado.pdf Wooldridge, J. (2010). Introducción a la Econometría. Un enfoque moderno (4ta edición ed.). México: Cengage Learning. Contreras-Cueva, A. B., & Cuevas-Rodríguez, E. (Julio de 2010). Asociación de economía de la educación. (M. J.-T.-d.-E.-S. Esteban, Ed.) Obtenido de 130

155 TEORIA DA COMPLEXIDADE E SUAS ABORDAGENS NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS EM TRABALHOS ACADÊMICOS DE 2000 a 2014 Luiz Augusto FINATTI Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil e Dra. Magda Medhat PECHLIYE Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, São Paulo, , Brasil RESUMO Diversos autores apontam uma mudança no paradigma da ciência, que transita do modelo clássico para o complexo. Entretanto essa mudança raramente tem sido pouco no campo da educação, de forma que os conteúdos sejam trabalhados de maneira fragmentada e sem contexto, criando dificuldades de aprendizagem. O objetivo deste trabalho é analisar como a Teoria da Complexidade vem sendo discutida e aplicada ao ensino de ciências naturais, a partir do ano Para isso, foi realizado um levantamento bibliográfico em revistas e anais de congressos, e selecionados 21 artigos, de acordo com critérios preestabelecidos. 71% do total de artigos são voltados a aspectos teóricos, e apenas 29% a pratica, o que indica uma dificuldade em se pensar em ações coerentes com o referencial. A relação de artigos selecionados trabalhou com diversos níveis escolares na mesma frequência A interdisciplinaridade é apontada como o caminho a ser seguido pelos professores para se alcançar um ensino de ciências mais integrador e coerente com o pensamento complexo, dentro de um sistema educacional resistente a mudanças. Palavras Chave: Teoria da Complexidade, Edgar Morin, Ensino de Ciências Naturais e Interdisciplinaridade. 1. INTRODUÇÃO A Teoria da Complexidade é um conjunto de ideias que propõe uma nova visão para a ciência, de forma a integrar conceitos que estão cada vez mais fragmentados. Os alvos de estudo são os sistemas complexos, o conjunto de elementos que se relacionam entre si, formando uma unidade que possui determinadas características. Partindo deste pressuposto, uma célula, um ser humano, uma sociedade, e até o universo podem ser classificados como sistemas complexos [1,2]. Segundo Edgar Morin [3], uma das maiores referências sobre o tema, a Teoria da Complexidade é uma nova abordagem para problemas que não puderam ser respondidos pelo modo simplista e fragmentador que a ciência moderna adota. Dessa abordagem complexa, surgem não só respostas, mas também novas perguntas, incertezas, dificuldades e motivações. A teoria da Complexidade abrange em seu extenso arcabouço teórico diversas outras teorias e correntes, como a Teoria dos Sistemas, a Teoria das Estruturas Dissipativas, e a Teoria do Caos [4]. A Teoria da Complexidade também se relaciona com a área da educação, uma vez que defende uma nova forma de se olhar o conhecimento, principalmente por criar interligações entre disciplinas que perderam seu elo, conforme Morin descreve: Deveríamos, portanto, ser animados por um princípio de pensamento que nos permitisse ligar as coisas que nos parecem separadas umas em relação às outras. Ora, o nosso sistema educativo privilegia a separação em vez de praticar a ligação. A organização do conhecimento sob a forma de disciplinas seria útil se estas não estivessem fechadas em si mesmas, compartimentadas umas em relação às outras; assim, o conhecimento de um conjunto global, o homem, é um conhecimento parcelado [3]. O sistema educacional atual fragmenta os conteúdos, e não permite que os alunos criem relações entre o que foi aprendido em disciplinas diferentes. Uma forma de vencer esse desafio se dá a partir da interdisciplinaridade, defendida por Morin [3]. A interdisciplinaridade representa a integração entre os conhecimentos, não só entre disciplinas diferentes, mas também entre o conhecimento do senso comum e o conhecimento cientifico. Essa integração de elementos de áreas distintas é realizada para a resolução de problemas em comum, de forma que diferentes abordagens são contempladas. [5]. A interdisciplinaridade não é novidade nas escolas, porém na maior parte dos casos é aplicada de forma modista. De tempos em tempos alguns modismos, influenciados pelo viés histórico e social, invadem os ambientes escolares, e muitas vezes não há profundidade nos estudos de tais teorias, o que leva a um entendimento superficial e a não aplicação na prática, de algo que seja efetivo [6]. A abordagem transdisciplinar também contribui para o problema em questão, representando uma nova forma de organização do conhecimento, indo além da interdisciplinaridade. Segundo a Carta da Transdisciplinaridade documento escrito por diversos autores no I Congresso Mundial de Transdisciplinaridade, o conhecimento deve reconhecer a existência de diversos níveis de realidade e lógicas diferentes [7]. Porém essa nova forma de organização do conhecimento é raramente aplicada por escolas, nas quais o modelo tradicional é predominante. 131

156 Teorias adjacentes, como a Teoria do Caos, também podem contribuir para as discussões na área educacional. Para Colom [4], essa teoria oferece a possibilidade de reconstrução do conhecimento, revelando as características do um processo educativo: é um fenômeno irreversível temporalmente, complexo, caótico, não linear, e que possui uma sensibilidade às condições iniciais, que podem afetar todo o processo. A escola é então um sistema não linear, sujeito então ao acaso, ao desconhecido e ao complexo. A educação assim está diretamente relacionada a Teoria da Complexidade, no entendimento da escola como um sistema complexo como qualquer outro encontrado na natureza. E ao ser entendido dessa forma, podemos pensar em novos meios de se proporcionar uma educação mais integradora, prestando atenção aos elementos e as conexões, assim como ao todo. O objetivo deste trabalho é analisar como a Teoria da Complexidade vem sendo discutida e aplicada ao ensino de ciências naturais, em artigos publicados no Brasil desde os anos MÉTODOS Para realização deste trabalho, foi realizado um levantamento de trabalhos acadêmicos publicados entre 2000 a 2014, em revistas e anais de congressos publicados no Brasil. A busca foi realizada nas plataformas Google Acadêmico e a Plataforma de Periódicos da CAPES, utilizando como palavra-chave ensino de ciências e Teoria da Complexidade. Para a seleção dos artigos que seriam analisados, utilizamos como critério o fato de terem trabalhado com a Teoria da Complexidade não apenas como meras citações, mas como referencial importante ao longo do trabalho. A relação de todos os 21 artigos selecionados para a análise deste trabalho segue no quadro 1. Para a análise, foi realizado um fichamento de cada um dos artigos utilizados. Cada ficha (quadro 2) continha informações básicas, como nome dos autores, ano de publicação, e o resumo do artigo, que em muitos casos foi editado, para incluir informações importantes não incluídas pelos autores originais, como metodologia, discussão, etc. Também incluímos nessas fichas categorias, como a orientação do trabalho em ser mais voltado à teoria ou a pratica, o nível escolar trabalhado, as disciplinas referentes ao tema, e o ano de publicação. A análise dos fichamentos de cada artigo foi feita a partir das ideias dos autores citados em nosso referencial. Quadro 1 Relação dos artigos selecionados para a análise. Relação dos artigos analisados Dificuldades do ensino e da aprendizagem das ciências no século XX, desafios para os professores do século XXI [8]. Trajetórias e perspectivas da interdisciplinaridade ambiental na pós-graduação brasileira [9]. Complexidade e a utilização de ferramentas computacionais no ensino e pesquisa [10]. O ensino e a aprendizagem de ciências e matemáticas, a transversalidade, a interdisciplinaridade e a contextualização [11]. A teoria da complexidade e o ensino-aprendizagem de ciências e matemática via modelagem matemática [12]. Edgar Morin: a complexidade subsidiando o ensino de ciências [13]. A tríade distinção união incerteza- os pensamentos de Edgar Morin e de Ilya Prigogine como contribuição à área de ensino de ciências [14]. Traçando relações entre o conhecimento ecológico tradicional e a teoria da complexidade [15]. Metáforas da nova ciência para educar em tempos de pós humanidade [16] As estruturas dissipativas: possíveis contribuições para o ensino de ciências a partir do pensamento de Ilya Prigogine [17]. Educação ambiental e ensino de ciências - a transversalidade e a mudança de paradigma [18]. Currículo e transversalidade: a complexidade no ensino de ciências [19]. O método científico - algumas relações entre ciência, tecnologia, sociedade e ambiente [20]. O simples e o complexo na educação científica: da ciência à formação docente [21]. Teoria do caos no ensino médio: caminhos para inserção da física moderna e da educação ambiental [22]. Complexidade e formação de professores de ciências: diálogos preliminares [23]. Hortas em escolas urbanas, complexidade e transdisciplinaridade: contribuições para o ensino de ciências e para a educação em saúde [24]. A natureza reencantada: o ensino de ciências a partir do referencial das ciências da complexidade [25]. Abordagem CTS no ensino de ciências: contribuições da teoria da complexidade [26]. Ciências e arte no sambaqui: uma experiência à luz das teorias da complexidade e do sócio-interacionismo [27]. Cineclube na perspectiva CTS: uma proposta de alfabetização científica analisada à luz da teoria da complexidade [28]. 132

157 Memorias de la Quinta Conferencia Iberoamericana de Complejidad, Informática y Cibernética (CICIC 2015) Quadro 2 Modelo da ficha usada para escrever o resumo de cada artigo usado na análise. Título Título do artigo Autores Nome do(s) autor(es) do artigo Revista Nome do meio pelo qual o artigo foi publicado. Voltado para Teoria (voltado a aspectos teóricos, discussão de referenciais, etc.) ou Prática (estudos de caso, e propostas para atividades pedagógicas). Nível escolar Em qual grupo de alunos e/ou professores o artigo foi fundamentado, trabalhado (Ensino fundamental, Ensino médio, Ensino superior). Disciplinas Ciências, Biologia, Física, Química, Matemática, Educação Ambiental.. Ano Ano de publicação do artigo Tema Tema geral do artigo. Resumo do Artigo Resumo publicado no artigo, acrescentado com mais informações obtidas a partir da leitura do mesmo. Procuramos deixar claro que todos os resumos contenham objetivos, métodos, resultados, discussão e conclusão. Alguns artigos não continham um resumo, e nesse caso ele foi elaborado, a partir dos mesmos critérios citados acima. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Após as buscas nas plataformas escolhidas, selecionamos 21 artigos cujos temas mais se enquadravam na proposta de investigação de como a complexidade vem sendo abordada no ensino de ciências naturais. Apresentamos a seguir os resultados juntamente com a discussão, subdividido por algumas das categorias do fichamento. Frequência anual e tendências Conforme observado na figura 1, o gráfico que mostra a frequência anual dos artigos analisados, entre 2000 a 2005 o número de trabalhos publicados sobre o assunto foi de apenas dois. A partir de 2006, a frequência de trabalhos é maior e mais constante, embora nos anos de 2012 e 2014 não houve artigos publicados. Também pudemos observar algumas tendências a partir dos temas trabalhados ao longo dos anos. Dois artigos tiveram como tema o uso de modelos matemáticos em ferramentas eletrônicas para o estudo de sistemas complexos não lineares em sala de aula [10, 12]. Ambos os artigos valorizam o caráter exploratório dessa atividade, algo pouco observado nos currículos escolares. Os primeiros artigos de nossa lista foram referentes a propostas utilizando os conceitos da matemática. Acreditamos que o uso da matemática, ao invés de outra disciplina como biologia, seu deu pelo fato de que foi justamente na área das ciências exatas que as primeiras discussões a cerca da complexidade surgiram. Segundo Abreu Junior [29], o avanço tecnológico dos computadores ao longo do séc. XX permitiu aos físicos se dedicarem a problemas complexos, de difícil resolução. Assim, a pesquisa em torno da complexidade se dá há mais tempo nessas disciplinas, em relação à biologia, cujos estudos ainda são recentes Figura 1 Frequência anual de publicação dos artigos analisados, entre A partir de 2005, temas voltados a biologia foram trabalhados com maior frequência, em especial o ensino de ecologia. Barenho, Copertino e Calloni, em seu artigo ressaltam a importância do conhecimento ecológico tradicional (CET), um tipo de conhecimento não validado cientificamente e que é ignorado nas aulas, embora tenha grande importância para as populações inseridas em determinados ambientes [15]. A Teoria da Complexidade foi usada como referencial que justifica a importância do CET nas aulas de ciências. Já Santos Neto e Latini destacam em seu trabalho a relação entre o ensino de ecologia e física com a Teoria do Caos [22]. Os autores, por meio de um trabalho em sala de aula, concluíram que os alunos não tem noção de que pequenas ações podem causar consequências significativas no futuro, conceito este trabalhado na Teoria do Caos [4], que faz parte do arcabouço teórico da Teoria da Complexidade. A analogia com o ensino de ecologia se dá pela falta da percepção pelos alunos de que simples atitudes no dia a dia podem ajudar significativamente na preservação do meio ambiente. A ecologia segundo Morin é uma disciplina da área biológica que tem em si um caráter complexo, já que seu alvo de estudo são as relações entre os elementos bióticos e abióticos de um sistema [2]. O ensino de ecologia é fundamental para a formação de cidadãos atuantes e conscientes da problemática ambiental que enfrentamos. Outro tema observado em dois artigos foi o Sistema Ciência- Tecnologia-Sociedade-Ambiente (CTSA) [26,28]. Os autores utilizam a Teoria da Complexidade novamente como um referencial que justifica a discussão sobre as relações entre as quatro vertentes que compõem esse sistema, o que também contribui significativamente para formação critica dos alunos. Acreditamos que esta relação descrita pelos autores entre o sistema CTSA e a Teoria da Complexidade é coerente, já que ambas correntes defendem a retomada de discussões no ensino sobre os problemas enfrentados pelo homem na modernidade, em suas diversas dimensões. Para Morin, a ruína do home se dá pela ignorância crescente em relação aos problemas de seu destino [2]. 133

158 % 71% Teoria Pratica Figura 2 Porcentagem dos artigos analisados segundo sua orientação teórica ou prática, Teoria e prática Do total de artigos analisados, 71% são voltados à teoria, ou seja, análise de referenciais, comparação entre ideias de diferentes autores, levantamento de concepções, etc. Já os outros 29% dos artigos selecionados são voltados a práticas, descrevendo propostas ou analisando estudos de caso (figura 2). O número reduzido de artigos referentes a propostas práticas pode indicar que os professores ainda desconhecessem esse referencial. Um indicativo para esta hipótese se dá pelo artigo de Ferreira, Guterres e Santos, que realizaram uma pesquisa com professores do ensino médio, e revelaram que a maioria dos professores entrevistados não sabe o que é transversalidade, e os que sabem não conseguem aplicar esta abordagem de forma interdisciplinar [19]. Uma das hipóteses para este resultado é justamente a falta de um referencial que contemple uma integração maior de conceitos [6]. Observamos uma tendência dos artigos voltados à prática publicados entre 2011 e 2013, de ações interdisciplinares fora do ambiente escolar. Os exemplos dados variam desde a realização de hortas escolares, cineclubes a saídas a campo. Em todas as atividades propostas, professores de outras disciplinas participaram das atividades. Acreditamos que isto se deu porque, uma vez que o sistema educacional é rígido no sentido de mudanças em seu formato, propostas interdisciplinares, mais integradoras, seriam mais fáceis de serem realizadas fora da sala de aula. Segundo Abreu Junior [29], a interdisciplinaridade permite uma aproximação do conhecimento sem alterar o modo de organização das disciplinas, mas ao mesmo tempo permite novas parcerias entre os professores de diferentes áreas, algo observado nas práticas descritas anteriormente. Nível escolar Com relação ao nível escolar especificado nos artigos (figura 3), 11 deles não apontaram um nível escolar para situar seu trabalho. O ensino médio veio a seguir, sendo citado em seis artigos. Já o ensino fundamental foi citado em quatro artigos, o ensino superior foi citado em cinco. Lembramos que em alguns artigos, foram referenciados mais de um nível escolar. 0 Ensino Fundamental Ensino Médio Ensino Superior Não Especificado Figura 3 Distribuição dos artigos analisados segundo o nível escolar especificado em cada trabalho, Por este resultado, podemos sugerir que a Teoria da Complexidade tem sido trabalhada no ensino de ciências em todos os níveis escolares. Destacamos aqui dois artigos que se aprofundaram neste tema: Caluzi e Rosella [13] sugerem uma mudança nos currículos escolares, de forma a introduzir temas integradores logo nas primeiras séries do ensino fundamental, ao invés das disciplinas tradicionais. Segundo os autores, as crianças mais novas tem uma capacidade maior de assimilar o conhecimento dessa forma, ao contrario de estudantes mais velhos que passaram anos estudando de forma tradicional ; Já Shaw [21] sugere uma mudança mais radical e coerente com a Teoria da Complexidade deva ocorrer no ensino superior, que seria mais flexível, e por ser o ambiente de formação de professores, que dessa forma poderiam aprender a relacionar os conteúdos de forma mais efetiva e didática [21]. Por este resultado, podemos sugerir que a Teoria da Complexidade tem sido trabalhada no ensino de ciências em todos os níveis escolares. Destacamos aqui dois artigos que se aprofundaram neste tema: Caluzi e Rosella [13] sugerem uma mudança nos currículos escolares, de forma a introduzir temas integradores logo nas primeiras séries do ensino fundamental, ao invés das disciplinas tradicionais. Segundo os autores, as crianças mais novas tem uma capacidade maior de assimilar o conhecimento dessa forma, ao contrario de estudantes mais velhos que passaram anos estudando de forma tradicional ; Já Shaw [21] sugere uma mudança mais radical e coerente com a Teoria da Complexidade deva ocorrer no ensino superior, que seria mais flexível, e por ser o ambiente de formação de professores, que dessa forma poderiam aprender a relacionar os conteúdos de forma mais efetiva e didática [21]. Porém falar em mudanças no campo da educação, especialmente nessa área da docência é um assunto delicado. Segundo Najmanovich [30], diversas reformas educacionais já foram feitas, mas todas não tiveram sucesso, pois elas pouco contemplam a diversidade e as necessidades de cada local, e privilegiam as instituições da forma que estão. Ela salienta ainda que uma mudança significativa é uma tarefa dinâmica na qual toda a sociedade deve se envolver. A Teoria da Complexidade é um importante referencial teórico para se pensar em mudanças, principalmente na formação de professores, conforme já tem sido algo de pesquisa. 134

159 Figura 4 - Distribuição dos artigos analisados segundo as disciplinas trabalhadas em cada trabalho, entre Disciplinas Dos artigos analisados, observamos a partir da figura 4 que 19 artigos trabalham com o ensino de ciências. Também contabilizamos quais outras disciplinas foram citadas, sendo que o ensino de matemática foi citado em quatro, seguido por Educação Ambiental (três artigos), biologia e física (dois artigos cada) e química e ecologia (um artigo cada). Temos que ter cuidado ao analisar estes dados, pois o fato de todos os artigos se tratarem do ensino de ciências mostra que a pesquisa realizada foi efetiva em sua busca, conforme o objetivo desse trabalho. Por outro lado, acreditamos que esse resultado é positivo, haja em vista as características da Teoria da Complexidade. Para Morin [2], o pensamento complexo aspira ao conhecimento multidimensional, multidisciplinar. O ensino de ciências naturais também tem um caráter que abrange muitas disciplinas, porém só é explorado nas séries finais do ensino fundamental. A partir daí, ocorre a fragmentação em biologia, química e física. Portanto, achamos positivo que os autores prefiram trabalhar com o ensino de ciências, fazendo um movimento de resgate, para uma maior articulação entre as disciplinas que se encontram tão isoladas. Esse movimento é coerente com as ideias da Teoria da Complexidade. 4. CONCLUSÃO Com base em nosso objetivo, de analisar como a Teoria da Complexidade vem sendo abordada no ensino de ciências naturais desde os anos 2000, podemos concluir que ainda são poucos os artigos que tratam sobre o tema, no ensino de ciências. No entanto as abordagens que têm sido trabalhadas são coerentes com arcabouço teórico do pensamento complexo, pois dentre vários fatores, Edgar Morin continua sendo o principal referencial para os pesquisadores. Não detectamos erros teóricos em relação a Complexidade em nossa amostra de artigos, sendo um resultado positivo. Os artigos de temas teóricos trabalharam, entre os diversos temas, assuntos tradicionalmente não relacionados ao ensino de ciências, como forma de enriquecer a aprendizagem com novas abordagens a determinados temas. Alguns artigos também discutiram a fundo as contribuições dos referenciais teóricos de Morin e Prigogine. Já os artigos referentes a práticas educacionais foram encontrados num número menor, e servem de inspiração para que professores utilizem essas ideias em suas aulas, principalmente em relação a atividades em ambientes não formais, que permitem o aprendizado a partir de novas formas, diferentes do tradicional. Destacamos a transdisciplinaridade como a principal abordagem a ser seguida pelo ensino de ciências, porém não em curto prazo, já que diversas mudanças na organização das disciplinas devem ser feitas. As práticas interdisciplinares vêm sendo destacadas como uma abordagem coerente com o pensamento complexo e são possíveis de serem aplicadas dentro do modo engessado que o ensino se encontra. Acreditamos que a Teoria da Complexidade pode influenciar mais a pesquisa sobre o ensino de ciências naturais. Entretanto, são necessárias diversas modificações em vários níveis escolares, a começar pela formação de professores. Este é um momento de mudança de paradigmas na ciência, e como toda mudança, há de se ter coragem para mudar, interromper as práticas viciadas e partir para o novo. Quanto maior for a divulgação, pesquisa, e estudo dos referenciais do pensamento complexo, mais professores terão a convicção da importância dessa mudança. 5. REFERÊNCIAS [1] F. Heylighen, Building a Science of Complexity Annual Conference of the Cybernetic Society, Vol. 1, No.1, 1988, pp [2] E. Morin, Ciência com consciência. Edição revisada e modificada pelo autor, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, [3] E. Morin, Da necessidade de um pensamento complexo. In J. Machado, Para navegar no século XXI, Porto Alegre: Sulina, [4] A.J. Colom, A (des)construção do conhecimento pedagógico: novas perspectivas para a educação. Porto Alegre: Artmed, [5] I.C. Fazenda, Práticas interdisciplinares na escola, São Paulo: Cortez, [6] J.T. Klein, Ensino interdisciplinar: didática e teoria. In I.C. Fazenda, Didática e interdisciplinaridade, Campinas: Papirus, [7] L. Freitas, E. Morin, B. Nicolescu, Carta da Transdisciplinaridade. Cadernos de Educação, No.8, 1995, pp 7-9. [8] G.S. Nunes. Dificuldades do ensino e da aprendizagem das ciências no século XX, desafios para os professores do século XXI, Augusto Guzzo Revista Acadêmica, Vol. 2, No.1, 2000, pp [9] C.M.A. Gurgel, Trajetórias e perspectivas da interdisciplinaridade ambiental na pós-graduação brasileira, Anais do VI Congreso Internacional sobre Investigación en la Didáctica de las Ciencias, 2001, pp [10] A.C.K. Santos, Complexidade e a utilização de ferramentas computacionais no ensino e pesquisa, Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Vol. especial, 2004, pp

160 [11] L.F. Levy, A.O. do Espírito Santo, O ensino e a aprendizagem de ciências e matemáticas, a transversalidade, a interdisciplinaridade e a contextualização, Amazônia Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, Vol.1, No.1, 2004, pp [12] L.F. Levy, A.O. do Espírito Santo, A Teoria da Complexidade e o ensino-aprendizagem de ciências e matemática via modelagem matemática, Unión: revista iberoamericana de educación matemática, No. 6, 2006, pp [13] J.J. Caluzi, M.L.A. Rosella, Edgar Morin: a complexidade subsidiando o ensino de ciências, Anais do IV ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação nas Ciências, 2006, pp [14] L.F. Levy, A.O. do Espírito Santo, A Tríade Distinção União Incerteza- Os Pensamentos de Edgar Morin e de Ilya Prigogine como contribuição à área de ensino de ciências, Acta Scientiae, Vol.9, No.2, 2007, pp [15] C.P. Barenho, M. Copertino, H. Calloni, Traçando relações entre o conhecimento ecológico tradicional e a teoria da complexidade, Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Vol. 20, 2008, pp [16] I.A. Guerrini, R.S. Spagnuolo, Metáforas da nova ciência para educar em tempos de pós humanidade, Revista Internacional Interdisciplinar Interthesis, Vol.05, No.2, 2008, pp [17] M. Costa, L. Cunha, E. Ghedin. As estruturas dissipativas: possíveis contribuições para o ensino de ciências a partir do pensamento de Ilya Prigogine, Anais do VII ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2009, pp [18] E.C. Santos, Educação ambiental e ensino de ciências - A transversalidade e a mudança de paradigma, Anais do VII ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2009, pp [19] L.C. Ferreira, K.S. Guterres, E. Santos, Currículo e transversalidade: a complexidade no ensino de ciências, Anais do II SENEPT - Seminário nacional de educação profissional e tecnológica, 2009, pp [20] L.C.L. Silva, O Método Científico - Algumas relações entre Ciência, Tecnologia, Sociedade e Ambiente, Kínesis, Vol. II, No.3, 2010, pp [21] G.L. Shaw. O simples e o complexo na educação científica: da ciência à formação docente, Revista de Educação do Vale do São Francisco REVASF, Vol.1, No. 1, 2010, pp [22] R.S. Santos Neto, R.M. Latini, Teoria do caos no ensino médio: caminhos para inserção da física moderna e da educação ambiental, REMPEC - Ensino, Saúde e Ambiente, Vol.3 No. 2, 2010, pp [23] S.S.M. Guimarães, Complexidade e formação de professores de ciências: diálogos preliminaries, Anais do IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino, 2011, pp [24] E.C.R. Silva, A.B. Fonseca, Hortas em escolas urbanas, complexidade e transdisciplinaridade: contribuições para o ensino de ciências e para a educação em saúde, Anais do Colóquio Educação, Alimentação e Cultura, 2011, p [25] T.E.A. Severo, A natureza reencantada: o ensino de ciências a partir do referencial das ciências da complexidade, Anais do IX ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2013, pp [26] A.C. Gonçalves, M.F.V. Silva, Abordagem CTS no Ensino de Ciências: Contribuições da Teoria da Complexidade, Anais do 3º SECAM Simpósio de Educação em Ciências da Amazônia, 2013, pp [27] M.P. Carvalho, Ciências e Arte no Sambaqui: Uma Experiência à luz das Teorias da Complexidade e do Sócio- Interacionismo, Anais do IX ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2013, pp.1-8. [28] K.K. Ribero, A.D. Sgarbi, Cineclube na perspectiva CTS: uma proposta de alfabetização científica analisada à luz da teoria da complexidade, Anais do IX ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2013, pp [29] L. Abreu Junior, Conhecimento Transdisciplinar: O cenário epistemológico da complexidade. Piracicaba: Unimep, [30] D. Najmanovich, O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano, Rio de Janeiro: DP&A,

161 PREDICCIÓN DE DATOS METEOROLÓGICOS EN CORTOS INTERVALOS DE TIEMPO EN LA CIUDAD DE RIOBAMBA USANDO LA TEORIA DEL CAOS Arquímides X. HARO Facultad de Ciencias, Escuela Superior Politécnica de Chimborazo Riobamba, Chimborazo, Ecuador RESUMEN El caos estudia todo aquello que es o parece ser desordenado, desorganizado, confuso, incoherente, matemáticamente el caos estudia los sistemas dinámicos gobernados por ecuaciones diferenciales no lineales. Podríamos definir al caos como el comportamiento impredecible que aparecen los sistemas dinámicos debido a la sensibilidad que tienen a las condiciones iniciales. Un sistema caótico típico, es la atmósfera, hecho que limita en general el conocimiento sobre su comportamiento. Con el avance en las computadoras, los resultados que se obtienen con la teoría del caos han mejorado significativamente y se ha extendido a muchos campos de la ciencia, como la economía, salud, etc. El objeto de este trabajo fue determinar predecir los datos meteorológicos de Riobamba en cortos intervalos de tiempo usando la teoría del caos, con datos meteorológicos de la estación meteorológica de la ESPOCH (Grupo de Energías Alternativas), de un año (2010), datos que fueron procesados con los modelos TISEAN. Resultados que determinan, una predicción que se correlaciona con los datos reales, excepto para la precipitación, en cortos intervalos de tiempo (24h00 a 72h00). Palabras claves: Teoría del Caos, geometría fractal, parámetros atmosféricas, coeficientes de Lyapunov, Predicción. 1. INTRODUCCIÓN La teoría del caos es la denominación popular de la rama de las matemáticas, la física y otras ciencias que trata ciertos tipos de sistemas dinámicos muy sensibles a las variaciones en las condiciones iniciales. Pequeñas variaciones en dichas condiciones iniciales pueden implicar grandes diferencias en el comportamiento futuro, imposibilitando la predicción a largo plazo. Esto sucede aunque estos sistemas son en rigor determinísticos, es decir; su comportamiento puede ser completamente determinado conociendo sus condiciones iniciales [1,6]. El caos y los fractales son parte de un tema mayor, la dinámica. La dinámica empezó a mediados de 1600, cuando Isaac Newton inventó las ecuaciones diferenciales, descubrió las leyes de movimiento y la gravitación general. Newton resolvió problemas de dos cuerpos, pero lo que de verdad le llamaba la atención era el movimiento de la Luna y su generalización conocida con el nombre de problema de los tres cuerpos. Las siguientes generaciones de matemáticos y físicos trataron problemas de tres cuerpos, pero se dieron cuenta que resultaban mucho más difíciles que los problemas de dos cuerpos, hasta el punto de darlos como imposibles. El comienzo de la historia del caos podemos situarlo cuando se inventaron los ordenadores de alta velocidad (sobre 1950) y se desarrollaron algunas intuiciones sobre cómo eran los sistemas no lineales. Esto es, cuando se vieron las primeras gráficas sobre el comportamiento de estos sistemas mediante métodos numéricos. En 1963 Edward Lorenz trabajaba en unas ecuaciones (las ecuaciones mundialmente conocidas como ecuaciones de Lorenz) que esperaba predijeran el tiempo en la atmósfera, y trató mediante los ordenadores ver gráficamente el comportamiento [2,3]. La década de 1970 fue el boom del caos. En 1971 David Ruelle y Takias propusieron una nueva teoría para la turbulencia de fluidos basada en un atractor extraño. Años después May encontró ejemplos del caso en repetidos mapas del aumento de población. Y a continuación vino el más sorprendente descubrimiento de todos de la mano de Feigenbaum. Él descubrió que hay leyes universales concretas que diferencian la transición entre el comportamiento regular y el caos. Esto es, si es posible que dos sistemas evolucionen en un comportamiento caótico igual. Los datos meteorológicos son muy sensibles a los cambios en las variables iniciales, es un sistema transitivo y también sus órbitas periódicas son densas, lo que hace un sistema apropiado para trabajarlo con matemática caótica. La precisión de las predicciones meteorológicas es relativa, y los porcentajes anunciados tienen poco significado sin una descripción detallada de los criterios empleados para juzgar la exactitud de una predicción [1]. Al final del siglo XX se ha vuelto común atribuirles una precisión de entre 80 y 85% en plazos de un día. Los modelos numéricos estudiados en la teoría del caos han introducido considerables mejoras en la exactitud de las previsiones meteorológicas en comparación con las predicciones anteriores, realizadas por medio de métodos subjetivos, en especial para periodos superiores a un día [4]. En estos días es posible demostrar la confiabilidad de las predicciones específicas para periodos de hasta cinco días gracias a la densidad entre las órbitas periódicas del sistema, y se han logrado algunos éxitos en la predicción de variaciones anormales de algunas variables para periodos de hasta 30 días. Antes de la aparición de la Teoría del Caos, se pensaba que para que el tiempo llegara a predecirse con exactitud newtoniana no era más que una cuestión de introducir más y más variables en un ordenador lo suficientemente potente como para procesarlas. Sin embargo, de unas pocas variables de hace tan sólo unas décadas se ha pasado a considerar cientos de miles de variables sin conseguir la predictibilidad esperada. El clima, como sistema caótico, ha de entenderse como un sistema impredecible dentro de un atractor que le confiere cierto orden a través de las estaciones. Más recientemente se ha probado que el carácter caótico del tiempo atmosférico tiene que ver con las propieda- 137

162 des geométricas del grupo de evolución del sistema climático terrestre, en concreto dicho grupo puede dotarse de la estructura de una variedad de Riemann de dimensión infinita con curvatura negativa, lo cual implica que curvas arbitrariamente cercanas acaban divergiendo en el tiempo. Estos resultados sugieren una imposibilidad práctica predecir el tiempo atmosférico a medio y largo plazo. El clima es sensible a pequeñas variaciones en las condiciones iniciales y la determinación de las condiciones iniciales con exactitud está abocado al fracaso a causa del Principio de incertidumbre de Heisenberg. Se ha estimado que una predicción a dos meses vista requeriría conocer las condiciones iniciales con una precisión unas 100 mil veces superior a la precisión obtenida por dicha predicción. Particularmente se conoce que mientras menor es el tiempo de predicción más preciso será, por esta razón y para aplicaciones que se requieren en cortos intervalos de tiempo, se ha realizado esta aplicación en la ciudad de Riobamba, (2750 m respecto al nivel del mar, con una posición geográfica 1 58`58 ``S de latitud y 78 39`33 ``O de longitud, en el callejón Interandino de la Serranía Ecuatoriana) que cuenta con la particularidad de encontrarse muy cercana a la línea Ecuatorial y a una altura significativa respecto al nivel del mar que hace que sus características dinámicas sean muy particulares. 2. MATERIALES Y MÉTODOS Sistemas caóticos Generalmente un sistema dinámico esta descrito por la Ec (1). dx = f (x) (1) dt Pero es conocido que este tipo de ecuaciones se puede presentar en términos de un mapa (Poicaré).Ec. (2) x(n+l)=g(x(n)) (2) Lo cual es muy útil para visualizar las características cualitativas de un comportamiento caótico o no caótico, Así, podemos reducir una ecuación a un mapa de Poincaré, Ec. (4). P(n+l)=g(P(n)) (3) De esta manera, es fácil comprender los varios comportamientos de un sistema [1]: a. Si la trayectoria del sistema es periódica, sobre la sección de Poincaré se tiene un conjunto finito de puntos aislados. b. Si el movimiento es casi periódico, se tendrá una figura regular cerrada. c. Si es un movimiento caótico, formará una mancha no estructurada. El paso de la ecuación diferencial al mapa no cambia la naturaleza regular o caótica del sistema estudiado. Atractor: Es una representación dinámica de un sistema en el espacio de las fases. Una vasta clase de sistemas dinámicos disipativos, tienen la notable propiedad de poseer un atractor, el cual es el lugar de los puntos recorridos luego de una trayectoria suficientemente larga. En el caso de los sistemas caóticos, en las cuales se tiene una fuerte dependencia de las coordenadas iniciales, el atractor no es en efecto un objeto regular, sino más bien tiene una estructura muy complicada, entonces se lo llama atractor extraño (Rulle), el cual puede tener una estructura fractal [7,8]. Dimensión fractal: Para calcular la dimensión fractal, se puede considerar un mapa cuya ley de evolución es dada por el mapa x( 1), x(2), L, x( M ) x(l), con M >> 1, se divide luego en el espacio de las fases en elementos de lado 1, de modo que al menos contengan uno de los puntos de la serie, obteniendo así, N(l), se repiten para diversos valores de 1, obteniendo un gráfico de ln(n(l)) en función de ln(l), obteniendo aproximadamente una recta cuya pendiente es D aunque este f método es conceptualmente simple en la práctica calcularlo resulta complejo, especialmente por la excesiva memoria que ocupan los programas que lo calculan [5,10]. Afortunadamente existe un método debido a Grassberger y Procaccia (1983) Ec (5), que permite calcular con buena aproximación a través de una función de correlación la dimensión fractal D. f ν C l = 2 ( ) θ ( l x( i) x( j) ) l (5) M ( M 1) i, j Con X(i) y X(j) número de puntos pares con distancia menor que l de una sucesión x(l),x(2),...,x(m), que en el caso de ecuaciones diferenciales se sustituye por x(τ),x(2τ),...x(mτ), donde t es el intervalo de correlación (pariamiento), que conviene no tomarlo muy grande, donde τ se llama tiempo de retardo y m dimensión de encaje [13]. Si el objeto es regular el v es entero y coincide con D, f mientras si la distribución no es uniforme el ν< D [6,13]. Pero se puede demostrar que, éstos coinciden cuando, se cumple la Ec. (6). C( l) DF ν = lim l 0 log l (6) Tiempo de retardo: Es el paso más importante en el análisis del espacio de fases, es la técnica de reconstrucción del sistema, formando vectores y ejecutando una proyección en el espacio de fases, que es un espacio físico que permite detectar variables dinámicas [11]. Dimensión de encaje: Aquí se determinan las dimensiones apropiadas para las matrices creadas, buscando vecinos a un punto fijo y que estén contenidos dentro de una bola de radio centrada en ese punto, de esta forma se calcula la distancia interactiva y se computa. Si la relación de la distancia de la interacción y del vecino más cercano excede a un valor determinado, el punto se marca como un vecino equivocado. Exponentes de Lyapunov: El caos surge del crecimiento exponencial de las perturbaciones infinitesimales, para garantizar el análisis de esta inestabilidad están los exponentes de Lyapunov, que cuantifican cuanto dos trayectorias se alejan Ec. (7). 1 l( t) λ = ln (7) t r f 138

163 Con l(t) semieje mayor de una elipse, r radio pequeño y t tiempo grande, en general se establece: λ λ L 1 Variables que permiten caracterizar un atractor, así: a) Para un punto fijo todos los λ i son negativos. b) En un ciclo límite = λ d λ y λ < 0 por > 1 i i. c) En el movimiento de un toro n dimensiónal, λ 1 = λ2 = L = λ n y λ i < 0 por i > n. d) En un sistema caótico al menos un exponente de Lyapunov es negativo. Entropía de Kolmogórov-Sinai: se define como principio que mide la pérdida de información a lo largo de la evolución del sistema Ec, (8). También es definida como la suma de exponentes positivos de Lyapunov. Tiene una gran importancia, en su principal aplicación a sistemas de los cuales no se dispone más que de series temporales de valores de determinada variable, la cual se considera poseedora de significado. h = λ (8) i i= #λ> 0 Dimensión de Kaplan-Yorke: es un método para determinar la dimensión de un atractor, usando exponentes de Liapunov Ec. (9). Mediante la disposición de los exponentes de Lyapunov en orden de mayor a menor λ λ... λ 1 2 n ij representa el índice, para el qué, la dimensión del atractor se puede determinar como sigue: j λi j i= 1 D F = j +, con λ i < 0 (9) λ i= 1 j+ 1 Con j coeficientes positivos de Lyapunov [ ]. Predicción de la serie de tiempo: Usando lo que se sabe de las coordenadas global y local de la dinámica, y trabajando en el espacio determinado por y(t), es posible hacer modelos locales para describir la evolución desde una vecindad (con verdaderos vecinos) hacia otra vecindad de la órbita y(t+1). El modelo más simple es plantear una evolución lineal Ec. (10) y( t + 1) = A B y( t) t (10) para ir de y(t) a y(t+1), donde los coeficientes A t y B t son obtenidos por mínimos cuadrados de los puntos entre las vecindades. Haciendo esto para todo el conjunto de la serie podemos inferir la evolución para cada nuevo dato. Como puede apreciarse la predicciones caen de tanto en tanto en algunas regiones, pero luego vuelve a recuperarse. Mediante la aplicación de la teoría de estabilidad lineal a las órbitas y(t), puede determinarse que el error en la precisión en las t + ( t /14 s ) τ mediciones del desplazamiento en x crece como con lo cual predicciones más allá de 10 τ están fuera del límite de predictibilidad del sistema [14, 12]. e Este modelo nos permite el cálculo de los valores predichos a través de la Ec. (11): Y n+ 1 = A 0 + A ifi ( Yn ) i= 1Ln (11) con Y n es el n-ésimo vector y f i es la función gaussiana centrada en el i-ésimo centro [5]. Métodos de control: Explota las propias técnicas de reconstrucción del espacio de fases se basan en el control de los parámetros del sistema agregándole nuevos grados dinámicos de libertad al mismo. En general el truco consiste en que al hacer ésto se lleve la dinámica desde estructuras inestables a estructuras estables. Tiempo de retardo 3. RESULTADOS Y DISCUSIÓN TABLA 1. Primeros mínimos de las funciones de correlación de retardo. PARAMETROTiempo de Retardo Temperatura 7 Presión 6 Humedad 7 Precipitación 7 Presión 6 Dimensión de encaje (embending) TABLA 2. Resultados de los tiempos de retardo de los datos de los diferentes parámetros sin reducción del ruido. PARAMETROTIEMPO DE RETARDO Temperatura 7 Humedad 7 Velocidad -- Precipitación 6 Presión -- Tiempo de retardo con reducción del ruido TABLA 3. Tiempo de retardo determinados de la función de retardo (primer mínimo). PARAMETRO TIEMPO DE RETARDO Temperatura 6 Humedad 6 Velocidad del viento 6 Precipitación 8 Presión 5 Dimensión de encaje con reducción del ruido 139

164 TABLA 4. Dimensiones de encaje determinadas con reducción del ruido. PARAMETRO DIMENSIÓN DE ENCAJE TEMPERATURA 21 HUMEDAD 10 VELOCIDAD 25 PRECIPITACIÓN 16 PRESIÓN 7 Entropía del Sistema Para determinar la entropía del sistema se procede a determinar los coeficientes de Lyapunov sumándose aquellos positivos, que indican la inestabilidad del sistema. TABLA 5. Valores de la dimensión fractal y la entropía de cada uno de los parámetros. DIMENSIÓN FRACTAL ENTROPIA DEL SISTEMA VELOCIDAD 3, , TEMPERATURA 3, , PRESION 3, , HUMEDAD 3, , PRECIPITACION Predicción Temperatura (ºC) DATOS DE TEMPERATURA PREDICHOS DURANTE 24 HORAS Horas predichas Real Predicha Fig 1. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de temperatura ambiente durante 24. Temperatura (ºC) DATOS DE TEMPERATURA PREDICHOS DURANTE 72 HORAS Horas predichas Real Predicha Fig 2. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de temperatura ambiente durante 72 horas. TABLA 6. Correlación de los datos reales y predichos. Real Pred24 Real Pred72 Real 1 Real 1 Pred24 0, Pred72 0, Las figuras 1 y 2, con la tabla 6, nos indican la correlación que existe entre los datos de temperatura predichos y reales, como la variación de su tendencia a en diferentes horas, pudiéndose observar una buena correlación y tendencia entre ellos. Humedad (%) DATOS DE HUMEDAD PREDICHOS DURANTE 24 HORAS r Horas predichas Real Predicha Fig 3. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de humedad durante 24. Humedad (%) DATOS DE HUMEDAD PREDICHOS DURANTE 72 HORAS r Horas predichas Real Predicha Fig 4. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de humedad durante 72 horas. TABLA 7. Correlación de los datos reales y predichos. Humedad Pred24 Humedad Pred72 Humedad 1 Humedad 1 Pred24 0,876 1Pred72 0, Las figuras 3 y 4, con la tabla 7, nos indican la correlación que existe entre los datos de humedad predichos y reales, como la variación de su tendencia en diferentes horas, pudiéndose observar una buena correlación, aunque menor que en la temperatura, pero la tendencia mejora entre ellos. Velocidad del Viento (m/s) DATOS DE VELOCIDAD DE VIENTO PREDICHOS DURANTE 24 HORAS Horas predichas Real Predicha Fig. 5. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de velocidad de viento durante

165 Velocidad del Viento (m/s) DATOS DE VELOCIDAD DE VIENTO PREDICHOS DURANTE 72 HORAS Horas predichas Real Predicha Fig. 6. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de velocidad de viento durante 72 horas. TABLA 8. Correlación de los datos reales y predichos. Real Pred24 Real Pred72 Real 1 Real 1 Pred24 0, Pred72 0, correlación, se observa una buena tendencia en el comportamiento entre reales y predichos. Precipitación (mm) 0,0035 0,003 0,0025 0,002 0,0015 0,001 0, ,0005 DATOS DE PRECIPITACION PREDICHOS DURANTE 24 HORAS r Horas predichas Real Predicha Fig. 9. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de precipitación durante 24 horas. DATOS DE PRECIPITACION PREDICHOS DURANTE 72 HORAS Las figuras 5 y 6, con la tabla 8, nos indican la correlación que existe entre los datos de velocidad de viento predichos y reales, donde se puede observar una mayor correlación a las 24 horas que a las 72, observándose una tendencia entre ellos que no se ajusta como en los casos anteriores, sin embargo se mantiene. Precipitación (mm) 0,0035 0,003 0,0025 0,002 0,0015 0,001 0, , Horas predichas 67 Real Predicho Presión (mb) DATOS DE PRESION PREDICHOS DURANTE 24 HORAS r Horas predichas Real Predicha Fig. 7. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de presión durante 24 horas. Presión (mb) DATOS DE PRESION PREDICHOS DURANTE 72 HORAS r Horas predichas Real Predicha Fig. 8. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de presión durante 72 horas. TABLA 9. Correlación de los datos reales y predichos. Real Predicha24 Real Predicha72 Real 1 Real 1 Predicha24 0,86 1Predicha72 0,72 1 Los datos de presión de las figuras 7 y 8, con la tabla 9, se observan similares a los de humedad, sin tener una alta Fig. 10. Gráfico de comparación entre datos reales y predichos de precipitación durante 72 horas. TABLA 10. Correlación de los datos reales y predichos. Real Predicha24 Real Predicha72 Real 1 Real 1 1,15E- Predicha24-4,0751E-18 1Predicha Para el caso de las figuras 9 y 10, con la tabla 10, nos indican que no existe correlación entre los datos, resultando, los datos más irregulares de los tomados, sin embargo, si se aplicara en promedios diarios o mensuales podría mejorar, dado que las lluvias son muy esporádicas en la zona, lo cual dificulta una predicción en tan corto intervalo de tiempo, usándolos como series de tiempo, lo que no sucede con las otras series de datos TABLA 11. Prueba de hipótesis con distribución Z para media cero con nivel de significancia 0,01 a dos colas ( Z teórico esta entre 2.58 y 2.58) PARAMETRO Z TEMPERATURA -0, HUMEDAD 0, PRESION -2, VELOCIDAD 2, PRECIPITACION -2, Los datos son estadísticamente son iguales, y dado los resultados vistos anteriormente se puede decir que tienen el mismo comportamiento. 141

166 4. CONCLUSIONES La precipitación no presenta correlación entre sus datos, por lo que no se puede establecer su dimensión ni entropía y los resultados de la predicción consecuentemente son no correlacionados. El nivel de caoticidad calculado (valor de entropía) alcanza valores más altos en los parámetros de humedad, disminuyendo paulatinamente hacia la presión, temperatura y velocidad del viento respectivamente Las dimensiones de los parámetros son fraccionarias, que en el mismo orden de la entropía van disminuyendo desde la humedad (3,765), presión (3.461), temperatura (3,177) y velocidad del viento (3,155). Se puede predecir los diferentes parámetros atmosféricos con correlación alta y desviaciones absolutas bajas entre datos predichos y reales, con excepción de la precipitación que no muestra correlación. Las series de datos predichos en general tienden a diferir mucho más en el tiempo respecto a los datos reales. Del análisis la prueba de hipótesis realizada se observa que los datos son estadísticamente iguales a un nivel de significancia de 0,01. AGRADECIMIENTO.- Al grupo de Energía Alternativa y Ambiente de la ESPOCH, por la información meteorológica proporcionada de la estación que está a su cargo. 5. REFERENCIAS [1]. Kathleen T. Alligood, Chaos an introduction to dynamical systems, Springer Verlag, New York, [2].Hugo L. D. De Souza Cavalcante, Marcos Oria, Didier Sornette, Edward Ott, Daniel J. Gauthier; Predictability and suppression of extreme events in complex systems, Arxiv [3]. David Ruelle, Early chaos theory, Physics Today, May [4]. C. B. Field, V. Barros, T. F. Stocker, And Q. Dahe, Managing the Risks of Extreme Events and Disasters to Advance Climate Change Adaptation, Cambridge University Press, [5]. Mandelbrot B, La Geometría Fractal de la Naturaleza, Tusquets Editores SA. Barcelona, [6]. Freedman, David H, Chaos Theory, Inc; Boston; Oct 20, [7]. H. Takayasu, Fractals in the physical sciences, Manchester University Press, [8]. W. L. Ditto, M. L. Spano, H. T. Savage, S. N. Rauseo, J. Heagy, And E. Ott, Experimental observation of a strange nonchaotic attractor, Phys. Rev. Lett. 65, 533 Published 30 July [9]. Rasband, Chaotic Dynamics of nonlinear systems, Jhon Wiley & Sons, [10]. Patiño Jf, Caos y complejidad: las ciencias del siglo XXI. Lecturas de Nutrición 6, 2000 [11]. Alligood, K, T.; Sauer, T.; Yorke, J. A, Chaos: Am Introduction to Dynamical Systems, Springer-Verlag. New York, [12]. A. E. Motter, D. K. Campbell; Chaos at Fifty, Physics Today 66(5), (2013). [13]. F. Aceff Sánchez, Fractales, Pro Mathematica Vol. XIV. Nos [14]. A. M. Albano, J. Muench, C. Schwartz, A. I. Mees, And P. E. Rapp; Singular-value decomposition and the Grassberger- Procaccia algorithm, Phys. Rev. A 38, 3017 Published 15 September [15]. Palmer, T., And R. Hagedorn, Predictability of Weather and Climate, Cambridge University Press,

167 Complexidade Sistêmica: Uma Proposta de Construto de Visão Multidimensional Eliomar A LIMA Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade de Brasília Brasília, Distrito Federal /Asa Norte, Brasil Luis F. MOLINARO Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade de Brasília Brasília, Distrito Federal /Asa Norte, Brasil Daniela F. GARROSSINI Departamento de Desenho Industrial, Universidade de Brasília Brasília, Distrito Federal /Asa Norte, Brasil Cleids M. SOARES Departamento de Engenharia Elétrica, Universidade de Brasília Brasília, Distrito Federal /Asa Norte, Brasil RESUMO Na modernidade, o desenvolvimento organizacional depende fundamentalmente dos sistemas de informação. Estes, por sua vez, estão imbricados em cenários complexos, especialmente porque envolvem domínios de atividade humana e porque sofrem com a emergência dos pressupostos da imprevisibilidade, da instabilidade e da incerteza. Com o propósito de buscar uma alternativa de avaliação para tais cenários, este estudo apresenta uma proposta de construto de visão multidimensional para orientar o desenvolvimento de sistemas de informação e servir de parâmetro de avaliação para prospecção de contexto. Palavras Chaves: multidimensionalidade, complexidade sistêmica, desenvolvimento organizacional, sistemas de informação. 1. INTRODUÇÃO Pensar a complexidade sistêmica envolve um conjunto de pressupostos, teorias, modelos e práticas, discutidos tanto no âmbito das Ciências como no âmbito das organizações e arranjos sociais. Pensar a complexidade ou pensar sistemicamente é acima de tudo uma visão paradigmática da realidade. Para D. Snowden e M. Boone, [...] a complexidade é mais uma maneira de pensar sobre o mundo do que uma nova forma de trabalhar com modelos matemáticos. O pressuposto da complexidade é absorver e não simplificar fenômenos da realidade. [...] [21]. Um dos problemas cruciais que as Ciências enfrentam é a capacidade de lidar com a complexidade, seja porque ela invalida a predição, seja porque a complexidade não é algo préexistente num mundo independente do observador [15][18] [25]. Os modelos conceituais que descrevem o mundo real, as relações e componentes do sistema de atividades, bem como, o grau de complexidade são informados pela visão de mundo de quem descreve a situação de interesse [5][25]. Quando um engenheiro ou analista de sistemas se depara com situações que se mostram complexas, ou simplesmente confusas, então o pensamento sistêmico pode ser usado para entender a situação sistemicamente. Isso o ajudará a ter uma visão ampliada da realidade, para ver a conectividade entre os elementos da situação, de modo a atingir as ações conjuntamente, considerando o sistema de atividade humana ali existente [5]. Com o intuito de tornar factível a investigação em cenários complexos, onde não se tem garantias de previsibilidade, certezas e estabilidade, esta pesquisa se propõe a discutir uma proposta de visão multidimensional que compreenda parâmetros de avaliação ortogonais capazes de descrever os aspectos preponderantes para o desenvolvimento organizacional. A principal contribuição deste estudo é estimular reflexões sobre situações problemáticas em cenários complexos para um fazer acontecer mais criativo e inovador, com a formação de sistemas de informação de aprendizagem [27]. É uma tentativa de ir além do desenvolvimento organizacional exclusivamente com abordagens analíticas e estabelecer outras abordagens sistêmicas complementares às abordagens tradicionais para lidar com a maior complexidade dos projetos de engenharia e processos de mudança, utilizando-se de uma concepção multidimensional e multimetodológica. O estudo inicia com a revisão de faces da complexidade sistêmica, destacando algumas abordagens práticas para o desenvolvimento organizacional. Na metodologia de pesquisa é feita uma breve descrição da estratégia adotada, para em seguida abordar as dimensões e os parâmetros de avaliação suscitados pela literatura. Para possibilitar a discussão dos resultados alcançados, uma seção delphi foi realizada com o intuito de discutir e repercutir com especialistas de negócio e de tecnologia da informação a configuração de um construto de visão multidimensional. O trabalho é concluído com algumas considerações preponderantes sobre a pesquisa, incluindo as limitações e o alento para novas investigações. 143

168 2. ABORDAGENS COMPLEXAS PARA O DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Há um crescente reconhecimento tanto no meio acadêmico como entre os profissionais de engenharia que a engenharia de sistemas complexos de grande escala é inerentemente diferente da engenharia de sistemas tradicional, essencialmente previsível e bem delimitada [22]. Esta, aliás, não está preparada para ciclos de mudanças mais rápidos e o nível de complexidade dos sistemas [6]. Há uma importante evolução na análise de sistemas, influenciada principalmente pelo paradigma da engenharia de sistemas tradicional. No entanto, está claro que os resultados alcançados não estão satisfatórios, além do fato de não conseguirem lidar com novos paradigmas, como aqueles encontrados nos processos de negócio, sistemas de informação, sistemas biológicos e emergentes e paradigmas de sistemas complexos [14][30]. A complexidade decorre de número de estados (níveis) de um sistema, número de enlaces de realimentação e natureza não linear das interações entre os enlaces. As principais características são: estrutura, atrasos e amplificações [18]. Nesse contexto, a complexidade pode ser vista em termos objetivos e subjetivos [12]. Na medida em que a complexidade existe na natureza dos sistemas e de seus ambientes, uma vez que eles ficam maiores, mais dinâmicos e entram em contato entre si em um ambiente cada vez mais turbulento tem-se o viés objetivo. Por outro lado, a complexidade subjetiva surge porque há uma diversidade muito grande de pontos de vista, filosofias e visões de mundo dos observadores. Os princípios das relações de sistema complexo dizem respeito à interação circular em que o todo é explicado pelas partes e as partes em função do todo, a interação circular entre a unidade e diversidade, em que as unidades complexas são constituídas a partir da diversidade e a diversidade é resultante da unidade [1]. Não obstante a existência de várias teorias da complexidade, ainda não se estabeleceu uma Teoria Geral da Complexidade [3]. Há muitos desafios na compreensão, caracterização e garantia de sistemas complexos, especialmente os que envolvem um grande corpo integrado de hardware, software, regras e agentes humanos [14]. Os sistemas complexos apresentam um enraizamento contextual profundo que dificulta aos pesquisadores compreendê-lo. Isso porque a retroalimentação e as interações de incorporação de novos domínios podem se espalhar casualmente, como restrições contextuais, ampliando, assim, o domínio do sistema em questão e propagando imprevistos incontrolavelmente [32]. A conectividade entre as partes de um sistema complexo tem crescido de forma significativa, impulsionando a imprevisibilidade e a incerteza. Reconhece-se que a relação entre as partes em sistemas complexos é não linear. Estes são sensíveis às condições iniciais [11]. Projetos de larga escala em energia, infraestrutura tecnológica ou de telecomunicações, são um fator central da economia globalizada. São caracterizados por múltiplos elementos interrelacionados, múltiplos stakeholders, escopo global e longos horizontes temporais [11], exigindo a assimilação da complexidade sistêmica. É mais útil considerar projetos complexos e de organizações que operam em ambientes que mudam rapidamente e utilizar abordagem de sistemas adaptativos complexos [6]. Diferentes modos de compreensão da gestão de stakeholders, incluindo partes internas e externas, partem da perspectiva de sistemas complexos, onde simples soluções falham porque não são holísticas ou criativas o suficiente [12]. A partir das contribuições da Teoria Geral de Sistemas, as Ciências da complexidade encontram campo para se desenvolverem, assumindo novos preceitos paradigmáticos, superando as premissas do pensamento mecanicista e incluindo o princípio da emergência, para se estabelecerem como quadro de referências para estudos e modelos de sistemas de informação e de gestão [3]. É por meio da evolução das Ciências da complexidade que algumas abordagens sistêmicas na gestão puderam se viabilizar. Por meio de um estudo de revisão amplo sobre teorias e Ciências da complexidade, a tese de Borgatti Neto é uma fonte inspiradora para discutir a complexidade enquanto Teoria e enquanto Ciência, além de tratar apropriadamente da complexidade sistêmica [3]. Quanto maior a complexidade do sistema, maior é a possibilidade de desordem, e, portanto, maior é o perigo da crise. Paradoxalmente, é também maior a capacidade do sistema para vencer suas dificuldades e tirar proveito delas para o seu desenvolvimento [19]. Portanto, pensar sistemicamente é um meio adequado ao gerenciamento da complexidade [12]. Pensar o desenvolvimento organizacional requer uma abordagem fundamentada nos princípios da complexidade sistêmica. Na prática, vários são os construtos, arquétipos, frameworks e abordagens baseadas na noção geral de sistemas, que não é uma atividade nova, conforme pode ser observado no trabalho de Borgatti Neto [3]. O paradigma de sistema de sistemas oferece atributos arquitetônicos e operacionais que apresentam condições apropriadas para lidar com problemas em larga escala e com características globais [14]. A multidimensionalidade é um dos princípios da complexidade sistêmica mais apropriado na definição de construtos ou abordagens organizacionais [7]. Dentre as várias abordagens práticas para lidar com problemas complexos em contextos de desenvolvimento organizacional, três delas são discutidas neste estudo, seja porque apresentam uma concepção sistêmica capaz de ampliar os horizontes de avaliação, seja porque buscam absorver a complexidade em vez de simplificá-la Framework Conceptagon Conceptagon é um construto fundamentado no paradigma sistemas de interesse (do inglês, system of systems SoS). Seu objetivo é formar uma base para o debate inteligente e possibilitar a colaboração efetiva entre os sistemas sociais humanos de todas as esferas da vida. Proporciona uma visão holística de toda a missão assegurando que quaisquer que sejam as partes específicas os especialistas deverão contemplar de modo que o próprio todo seja coerente, eficiente e adequado para a finalidade [2]. O Conceptagon fornece uma ferramenta específica para oferecer uma visão multidimensional, aplicado a uma variada gama de situações. Como não existem métodos prescritivos para usar o Conceptagon, especialistas de domínio desfrutam a liberdade de pensar em novas maneiras sobre o SoS, escolher sua própria navegação do conjunto de triplos que se torna óbvia e intuitiva para fazê-lo. São estes os triplos: 1) comunicação, comando e controle; 2) emergência, hierarquia e capacidade receptiva, 3) transformação, entrada e saída; 4) função, estrutura e processo; 5) fronteira, interior e exterior; 6) harmonia, variedade e parcimônia; e 7) relacionamento, todo e parte [2]. 144

169 2.2. Framework De Arquitetura De Negócio A proposta de plataforma de negócio de J. Gharajedaghi é baseada na visão multidimensional para criar um único sistema indagador sobre contexto e stakeholders, função, processo e estrutura. A lógica de constituição da plataforma prevê a existência de um processo de desenvolvimento baseado em múltiplas iterações, formando uma espiral de avaliação do sistema indagador [7] [8], conforme representado na Figura 1. Para assentar sua proposta de plataforma para gerenciar a complexidade e o caos, o autor enumera os seguintes princípios sistêmicos: capacidade receptiva, senso de propósito, multidimensionalidade, propriedade emergente e comportamento contraditório [7]. A multidimensionalidade é, provavelmente, um dos princípios mais poderosos do pensamento sistêmico. É a capacidade de ver relações complementares em tendências opostas e criar conjuntos viáveis com partes inviáveis [7] [18] Framework Profiler A noção de definir o contexto do problema ao longo de múltiplas dimensões fornece a base intelectual para o framework Profiler [22]. O conceito de combinar técnicas de resolução de problemas a um determinado contexto de problemas é subjacente aos esforços para compreender quais os processos e técnicas de engenharia de sistemas tradicionais ainda se aplicam ao mundo de problemas de larga escala [30], aos sistemas de alta complexidade e para iniciar o processo de definição de novos problemas, onde essas questões estão presentes. Figura 1 Processo de investigação iterativo para compreender a complexidade [8] O framework Profiler consiste, portanto, na definição de quatro quadrantes, contendo os seguintes contextos de avaliação multidimensional: contexto de sistema, contexto das partes interessadas, contexto estratégico e contexto de implementação. No contexto de sistema a preocupação está voltada para os resultados desejados e o comportamento do sistema. Em relação ao contexto das partes interessadas, o objetivo é avaliar o relacionamento e o envolvimento com os públicos de interesse. O contexto estratégico aborda o ambiente de missão e o escopo de esforço, enquanto que o contexto de implementação está interessado em avaliar o ambiente de aquisição e a escala de esforço. A descrição completa do framework encontra-se disponível em [22]. 3. METODOLOGIA DE PESQUISA Esta pesquisa é fruto de um estudo desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica (PPGEE) da Universidade de Brasília 1. A estratégia adotada baseou-se na implementação de duas etapas de pesquisa. Primeiramente, empreendeu-se uma revisão bibliográfica com o propósito de caracterizar os aspectos centrais da complexidade sistêmica, para depois realizar uma investigação exploratória junto a especialistas, empregando-se o método policy Delphi. O método delphi foi concebido pioneiramente para prever eventos futuros da empresa RAND Corporation, em Tal designação inspirou-se no antigo oráculo de Delfos - Grécia, dedicado a Apolo. A técnica empregada foi chamada de método Delphi. Seus precursores foram Dalkey & Helmer, que apresentaram seus fundamentos teóricos [24]. O método delphi consiste no uso de pesquisas e feedback de opinião controlada para coletar informações, mantendo-se o anonimato dos participantes e o uso de votação para reduzir a necessidade de longas discussões e debates diretos [23]. Diferentemente do método delphi tradicional, o policy delphi não pretende obter consenso entre os participantes. No fundo, buscará oportunizar a todos os participantes partilharem suas opiniões sobre o assunto em questão, gerando uma infinidade de pontos de vista e possíveis alternativas de solução [24][23]. Com isso, o método policy delphi serve para evitar o problema de estrangulamento do método delphi clássico, proporcionando uma análise mais aprofundada das questões divergentes, ao invés de buscar consenso. 4. PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO BASEADOS NA VISÃO MULTIDIMENSIONAL Na acepção da palavra 2, o vocábulo dimensão denota sentido em que se mede a extensão para avaliar, podendo também significar medida ou tamanho. Na matemática, por exemplo, a dimensão de um espaço é o número de parâmetros necessários para identificar um ponto desse espaço. O vocábulo dimensão refere-se também a um aspecto de uma situação, ou problema, cujo termo derivado dimensional corresponde a um número específico de dimensões. Para lidar com a complexidade em sistemas de atividade humana [5], um dos recursos mais poderosos é a capacidade de pensar o sistema sob várias perspectivas ou por meio de múltiplas dimensões de avaliação. Seja como um dos fundamentos do pensamento complexo [18], seja como um dos princípios de sistemas sócio-culturais [7][16], a multidimensionalidade define tanto as características essenciais e o comportamento de um sistema amorfo antes de sua distinção como o modo de observar, aprender, conhecer e compreender os aspectos multifacetados do sistema depois de sua distinção. A confluência dos temas de interesse que deram origem a este projeto de pesquisa e a assimilação dos estudos sobre o pensamento complexo de Edgar Morin [18], o princípio sistêmico de multidimensionalidade de J. Gharajedaghi [7] e M. Jackson [12] e o pensamento eco-sistêmico de Maria Cândida Moraes [16], além de outras referências importantes que lidam com o pressuposto da multidimensionalidade, contribuíram para 1 Este artigo é um substrato da Tese de Doutorado do primeiro autor, vinculado ao (PPGEE) da Universidade de Brasília. 2 Dicionário Aurélio. Disponível em: <Dicionário Aurélio - versão completa para Smartphone>, Acesso em: 05 Fev

170 a distinção de alguns parâmetros de avaliação, compreendidos em múltiplas dimensões organizacionais. A complexidade é multidimensional e, portanto, requer abordagens diferentes para resolver os seus diferentes aspectos [12]. Para assimilar as circunstâncias contextuais e as condicionantes do ambiente, múltiplas dimensões devem ser consideradas para ampliar os horizontes de avaliação de situações problemáticas que emergem do negócio e das estruturas organizacionais [7]. Para examinar as organizações como sistema, alguns pressupostos são reconhecidos e assumidos por parte da literatura: obter visão holística dos processos [12] [30]; compreender a relação todo-parte [2][29]; crítica de fronteira, interior e exterior [2] [11] [26]; dinâmica de sistemas agir localmente sem se esquecer do global [27][28]. A dimensão de sistemas considerada na proposta de P. Checkland remete a autores clássicos, como Ludwing Von Bertalanffy, Edgar Morin, Humberto Maturana e West Churchman, encarando a questão da complexidade sistêmica [5]. A dimensão de sistemas permite integrar melhor a mudança na complexidade do real [18]. Por mais que a lógica cartesiana seja um instrumento valioso para se raciocinar utilizando linguagem simbólica, possibilitando a construção de silogismos e estruturas argumentativas sobre elementos da realidade formalmente estabelecidos e coerentemente representados, quando se trata de um sistema social humano, que depende fundamentalmente da condição humana de ser e de se estabelecer individual e coletivamente, não é razoável ou suficiente esperar que qualquer tipo de associação entre conceitos impliquem deduções lógicas, sem que antes se compreenda o nível de interdependência entre eles. Para reforçar o aspecto nocional de sistema, pensar de maneira complexa é não fragmentar a realidade, nem dividir o que é relacional, mas compreender a multidimensionalidade dos processos, tanto no que se refere ao indivíduo como à sociedade [17]. De igual modo, E. Morin assevera que ao admitir o pensamento complexo, não se pode isolar os objetos uns dos outros. Logo, a complexidade pressupõe a integração e o caráter multidimensional de qualquer realidade [18]. O paradigma cartesiano define a lógica do raciocínio analítico, focalizando as partes em detrimento do todo. Em um sistema organizacional, por exemplo, ora se evidencia o aspecto funcional, ora o processual, ora o estrutural. Para J. Gharajedaghi esse tipo de reflexão pressupõe que a compreensão da estrutura é suficiente para entender um sistema, ou que a função no pensamento sintético é a chave para ver o todo, ou mesmo que a lógica comportamental, por outro lado, fixa no processo, para responder a questão 'como', com a intenção de definir o todo. Cada lógica dominante tem sido adotada como conceito central de um sistema indagador diferente, produzindo uma quantidade enorme de informação e conhecimento [7]. Com o intuito de reunir em um único sistema indagador os aspectos supracitados, de modo que se possa tratar o caos e a complexidade, o autor propõe uma plataforma para concepção de arquitetura de negócio com enfoque sistêmico [7] vide Seção 2.3. A plataforma consiste na definição de conceitos e objetos de conhecimento que sintetizam as informações obtidas em iterações sucessivas de avaliação dos fatores externos à organização para compreender o contexto, os interesses dos stakeholders e o modelo de negócio que define o propósito do sistema e dos fatores internos, que compreendem as lógicas dominantes por função, processo e estrutura. A atual conjuntura econômica, social e política mundial sofre com os efeitos dos avanços tecnológicos experimentados nos últimos tempos. Não é diferente para os negócios, cujas incertezas do ambiente inviabilizam aqueles que estão presos a uma única forma de capturar e entregar valor para o mercado. J. Gharajedaghi ressalta que em vez disso, o sucesso depende de uma capacidade de autor-renovação para criar espontaneamente funções, processos e estruturas que respondem a um cenário de negócios flutuante [7]. Uma temática recorrente no mundo corporativo é a viabilização de estruturas de alinhamento estratégico. Para fundamentar seu modelo de alinhamento estratégico de negócio e TI, J. Henderson e N. Venkatraman distinguiram três dimensões indissociáveis [9]: alinhamento dos domínios internos e externos de TI; integração dos domínios de negócio e TI; e definição da lógica do alinhamento estratégico. Tal modelo serviu como base para a Professora Brodbeck sustentar sua proposta de mecanismo de alinhamento de negócio e TI, tendo como principal novidade a incorporação da dimensão tempo que habilita a avaliação da dinâmica do sistema organizacional para assegurar o alinhamento estratégico longitudinal [4]. A compreensão da complexidade sistêmica pode envolver a dimensão temporal, seja para lidar com o presente, passado e futuro, seja para regressar ou repercutir algo em curto, médio e longo prazo. H. Maturana e F. Varela argumentam que o passado como referência de interações já ocorridas e o futuro como referência a interações a ocorrer, são dimensões valiosas para que, como observadores, nos comuniquemos e nos relacionamentos mutuamente [15]. Há que se considerar também que toda organização está inserida em diversos contextos, dependendo das condições ambientais e das circunstâncias as quais é submetida. Ao propor um arquétipo para tomada de decisão, D. Snowden e M. Boone classificam os problemas enfrentados pelos coordenadores em quatro dimensões, definidas de acordo com a natureza da relação de causa e efeito, quando esta existir: simples, complicado, complexo e caótico. Os três primeiros contextos exigem o exame das circunstâncias situacionais para depois agir de modo apropriado com a situação-problema. Enquanto que o contexto caótico é evidenciado quando não está claro o enquadramento em nenhum dos contextos anteriores, não sendo possível estabelecer qualquer tipo de relação de causalidade linear [21]. O contexto inovador, tão comum nas organizações contemporâneas, exige horizontes de tempo muito curtos para as organizações se ajustarem, agravado por um contexto de baixa previsibilidade que tipicamente assolam empresas fortemente orientadas ao conhecimento e aprendizagem organizacional [13]. Nenhum problema ou solução é válida sem a presença do contexto, pois este estabelece a natureza das relações que encerram aqueles [7] [10]. Na busca de um framework de governança de TI, M. Simonsson e P. Johnson confrontaram parte da literatura específica com práticas de governança de TI para definir um modelo para tomada de decisão centrado em três dimensões: domínio, escopo e tomada de decisão [20]. O domínio contempla as unidades dimensionais vinculadas à política, processos, pessoas e tecnologias. O escopo compreende os cursos de ação tático e estratégico, tradicionalmente considerados como instâncias de direcionamento e desenvolvimento organizacionais [13][31]. 146

171 Por fim, a dimensão tomada de decisão está dividida nas unidades de compreensão, decisão e monitoramento. Com efeito, o tomador de decisão é passível de receber informações de diversas fontes, sob os mais diversos formatos e sem uma tessitura adequada. Se não bastasse, a maneira de observar, de julgar e de agir de um decisor, depende de fatores motivacionais que nem sempre estão presentes diante de certas circunstâncias contextuais. Nem todos os líderes conseguem alcançar os resultados desejados quando se deparam com situações que exigem uma série de decisões e respostas em cenários com múltiplas dimensões de avaliação [21]. Para esse fim, é preciso buscar a definição de uma nova dimensão de arquiteturas para expressar de forma mais clara possível as necessidades e os desejos dos tomadores de decisão. Isso vale tanto para seu próprio entendimento como para a comunicação com outros stakeholders, bem como para os desenvolvedores de sistemas, usuários finais e gestores em geral. Pelo fato de não existir, até o momento, uma linguagem padrão para descrever arquiteturas corporativas de uma forma precisa, a ponto de conectar os domínios linguísticos existentes, a heterogeneidade dos métodos e técnicas utilizadas para documentar as arquiteturas, torna muito difícil determinar como os diferentes domínios estão interligados. 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os achados da pesquisa possibilitaram a distinção de múltiplas dimensões, que suportam os parâmetros de avaliação em cenários de complexidade sistêmica. Partindo da pesquisa exploratória, que culminou com os fatores habilitadores de gestão do conhecimento, e mediante a realização de seminários e estudos orientados, que permitiu expandir os horizontes de avaliação sobre a complexidade sistêmica, foi possível definir os temas de interesse da pesquisa pensamento e prática sistêmica, desenvolvimento de sistemas de informação, subsistema de coordenação e domínios de arquitetura que em última análise foram responsáveis pela proposta de visão multidimensional. Promoveu-se uma seção de discussão em grupo por meio da técnica de policy delphi, com a participação de pesquisadores e peritos da área de negócio e de TI, atuando como coordenadores ou analistas em Órgãos estratégicos da Administração Pública Federal Brasileira. O desenvolvimento da seção de policy delphi exigiu o atendimento a critérios de viabilização, para tornar as discussões mais produtivas e participativas [23]. Com isso, a seção foi realizada de acordo com uma configuração adequada ao número de participantes. A técnica foi aplicada no segundo semestre de 2012, contando com dez participantes, dos quais três eram professores-pesquisadores, quatro eram especialistas de TI e três atuavam como coordenadores da área de negócio de Órgãos Públicos Federais, instalados na cidade de Brasília. Utilizou-se o espaço físico do Laboratório Núcleo de Multimídia e Internet da UnB, com duração aproximada de 3h00min. A seção de discussão no formato policy delphi foi conduzida por um dos pesquisadores, desempenhando o papel de facilitador. Iniciou-se com uma breve exposição sobre a proposta de visão multidimensional, com os respectivos parâmetros de avaliação, seguida de discussões abertas dos especialistas e pesquisadores presentes. Em relação à dimensão sistêmica, todos concordaram que ela deveria fazer parte da proposta. No entanto, houve uma importante discussão sobre a pertinência de seus parâmetros de avaliação, tendo em vista a complexidade inerente à modelagem do contexto real, para não correr o risco de encerrar a análise na totalidade do sistema de interesse. No passo seguinte, ao abordar as perspectivas interna e externa da organização, a grande maioria dos especialistas se manifestaram favoravelmente à inclusão dessa dimensão, reforçando as suposições iniciais da pesquisa. Subsequentemente, houve um entendimento geral de que o domínio sistêmico contribuiria para a compreensão das perspectivas interna e externa. Ao discutirem a dimensão escopo e tempo, os especialistas de negócio levantaram a possibilidade de incluir um parâmetro de avaliação em termos político, somando-se aos já existentes estratégico e tático. No entanto, após esclarecimentos dos pesquisadores quanto à definição da dimensão escopo, enquanto curso de ação, houve um entendimento geral de que o aspecto político seria um dos subsistemas de viabilização e não um parâmetro dimensional. A dimensão tomada de decisão sofreu críticas quanto à possibilidade de agregar uma grande quantidade de informações na fase de compreensão, dificultando à análise decisória. No entanto, não houve objeção quanto aos aspectos considerados para avaliação. Por fim, o domínio de arquiteturas foi discutido, tendo em vista a relevância dessa dimensão para o processo de comunicação do tomador de decisão. Além dos parâmetros de avaliação, baseados nas arquiteturas técnica, de negócio e de informação, os especialistas propuseram a inclusão de uma arquitetura social para melhor descrever a estrutura de pessoal, e a cultura organizacional. Com isso, a discussão aberta entre os especialistas de negócio e de TI, juntamente com os pesquisadores, acerca da proposta dos parâmetros de avaliação para composição do construto de visão multidimensional, propiciou o fortalecimento das suposições iniciais do construto, e trouxe contribuições novas que permitiu a sua reconfiguração conforme ilustrado na Figura abaixo. Modelo do mundo real : prospecção e percepção da realidade Modelo de sistemas: distinção do sistema determinado pelo problema (SoS) Escopo: estratégico e tático Horizontes temporais: curto, médio e longo prazos Domínio sistêmico Escopo e Tempo Perspectivas interna e externa Domínio de arquiteturas e Tomada de decisão Figura 2 Proposta de construto de visão multidimensional (Os Autores, 2014) 6. CONCLUSÃO Interna: função, processo e estrutura Externa: contexto, stakeholders e modelo de negócio Arquiteturas: técnica, negócio, social e de informação. Decisão: compreender, decidir e monitorar Como vimos, pensar um modelo de desenvolvimento organizacional capaz de suportar a complexidade sistêmica não é uma tarefa trivial, nem tampouco óbvia. Para discernir os aspectos relevantes para a modelagem de um sistema de informação, deve-se ampliar os horizontes de avaliação. Uma alternativa às abordagens analíticas, reducionistas e baseadas nas premissas do paradigma cartesiano, que atenda àqueles 147

172 requisitos, foi proposta, discutida e fortalecida a partir das contribuições de especialistas de negócio e de tecnologias da informação. Embora seja incipiente admitir que este seja o construto adequado para compreender as múltiplas dimensões e parâmetros de avaliação de uma organização, ao menos se espera que ele sirva de referência para os estudos e as análises em cenários complexos. Diante de cenários complexos, os problemas são mal estruturados e de difícil resolução. Não obstante a adoção de métodos, técnicas e ferramentas tradicionalmente aplicadas pela engenharia, pesquisa operacional e ciências da administração na resolução de problemas sob condições determinísticas e controladas, a mesma capacidade de resolução não é observada nos problemas encontrados em ambientes turbulentos, instáveis, imprevisíveis, com multiobjetivo, com alto grau de incertezas e complexidade. Uma forma de lidar com a complexidade é assimilando o princípio da multidimensionalidade para absorvêla. Para se ter essa noção, é preciso discutir as faces da complexidade sistêmica à luz do marco teórico presente nas abordagens do pensamento sistêmico e das ciências da complexidade. 7. REFERÊNCIAS [1] P. M. Allen, A Complex Systems Approach to Learning in Adaptative Networks, International Journal of Innovation Management, 5(2), 2001, pp [2] J. T. Boardman and et. al, The Conceptagon: A Framework for Systems Thinking and Systems Practice, International Conference on Systems, Man and Cybernetics, IEEE, [3] R. Borgatti Neto, Perspectivas da Complexidade Aplicadas à Gestão de Empresas, Tese de Doutorado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 2008, 309p. [4] A. F. Brodbeck, Alinhamento estratégico entre os planos de negócio e de tecnologia de informação: um modelo operacional para a implementação, Tese de Doutorado em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, [5] P. B. Checkland, Systems Thinking, Systems Practice, Wiley, Chichester, England, [6] J. Findlay and A. Straus, Resolvendo Problemas de Gerenciamento de Stakeholder Utilizando Abordagem de Sistemas Adaptativos a Complexidade Revista Mundo Project Management, 50 (9), abr/mai, 2013, pp [7] J. Gharajedaghi, Systems Thinking: Managing Chaos and Complexity: A Platform for Designing Business Architecture, 3rd. Ed., Morgan Kaufmann Publishers, San Francisco, USA, [8], Systems methodology: A Holistic Language of Interaction And Design Seeing Through Chaos and Understanding Complexities University of Pennsylvania, Managing Complexity in Defence Projects, [9] J. C. Henderson and N. Venkatraman, Strategic Alignment: Leveraging Information Technology for Transforming Organizations, IBM Systems Journal, 32(1), 1993, pp [10] R. L. Ison, Systems thinking and practice for action research, In: P. W. Reason and H. Bradbury, The Sage Handbook of Action Research Participative Inquiry and Practice, 2ª ed., Sage Publications, Londres, Inglaterra, 2008, pp [11] M. C. Jackson, Pensamento Sistêmico Holístico: Prática Essencial em Projetos de Larga Escala, Revista Mundo Project Management, 50 (9), abr/mai, 2013, pp [12], Systems Thinking: Creative Holism for Managers, Wiley, Chichester, England, [13] G. Johnson, K. Scholes and R. Whittington, Explorando a Estratégia Corporativa, Porto Alegre, 7ª. ed., [14] N. Karcanias and A. G. Hessami, System of Systems and Emergence, Fourth International Conference on Emerging Trends in Engineering & Technology, IEEE Computer Society, 2011, pp [15] H. R. Maturana and F. J. Varela, A Árvore do Conhecimento: As Bases Biológicas da Compreensão Humana, Palas Athena, São Paulo, [16] M. C. Moraes, Pensamento Eco-Sistêmico: Educação, Aprendizagem e Cidadania no Século XXI, Vozes, Petrópolis, Rio de Janeiro, [17] M. C. Moraes and J. Valente, Como pesquisar em educação a partir da complexidade e da transdisciplinaridade?, Paulus, São Paulo, [18] E. Morin, Introdução Ao Pensamento Complexo, Sulina, Porto Alegre, RS, 4ª Ed., [19] M. J. Pereira and J. G. Fonseca, Faces da Decisão: Abordagem Sistêmica do Processo Decisório, LTC, Rio de Janeiro, [20] M. Simonsson and P. Johnson, Assessment of IT Governance - A Prioritization of Cobit, Proceedings of Conference of Systems Engineering Research (CSER), Los Angeles, April 7-8, [21] D. J. Snowden and M. E. Boone, A leader s framework for decision making, Harvard Business Review, Nov [22] R. Stevens, Profiling Complex Systems, SysCon 2008, IEEE International Systems Conference, Montreal, Canada, Abril 7-10, [23] M. Turoff, The Policy Delphi, In: H. A. Linston and M. Turoff (eds.), Delphi method - Techniques and Applications, 1975, pp [24], The design of a policy Delphi, Technological Forecasting and Social Change, 2(2), 1970, pp [25] M. J. Vasconcellos, Pensamento Sistêmico: O Novo Paradigma da Ciência, Papirus, Campinas, 10ª ed., [26] W. Ulrich, Critical Heuristics of Social Systems Design, European Journal of Operational Research, 1987, pp [27] P. M. Senge and J. D. Sterman, Systems Thinking and Organizational Learning, Conference on Transformation Organizations, Sloan School of Management, MIT, 1990, pp [28] J. D. Sterman, Business Dynamics: Systems thinking and modeling for a complex world, Mcgraw-Hill, Sloan School of Management, MIT, USA, [29] R. L. Ackoff and J. Gharajedaghi, Reflections on Systems and Their Models, Systems Research, Vol. 13, No. 1, March 1996, pp [30] A. G. Rummler and A. P. Brache, Melhores Desempenhos das Empresas Uma abordagem Prática para Transformar as Organizações através da reengenharia, Editora Makron Books, São Paulo, Brasil, [31] H. Mintzberg, Safari de Estratégia, Editora Bookman, São Paulo, Brasil, [32] A. Juarreiro, Complex Dynamical Systems Theory, Cognitive-edge, 2010, disponible in: 148

173 La voluntad legislativa hegemónica europea sobre el ciberespacio : el caso particular del IVA al comercio electrónico directo Nicolás TILLI IDETCOM (Instituto de Derecho del Espacio, de los Territorios, de la Cultura y de la Comunicación) Université Toulouse 1 Capitole Toulouse, 31000, Francia RESUMEN Sin soberanía jurídico-política el Estado no existe. Sabemos que el Estado puede ejercer una autoridad exclusiva dentro de su territorio pero el carácter extraterritorial, internacional e inmaterial de la comunicación electrónica perturba esta máxima. El ciberespacio se define sin fronteras ni territorios. La confrontación en Internet de soberanías iguales e independientes estableciendo la aplicación o la no aplicación del IVA refleja justamente la complejidad de la situación que los intervinientes en estas operaciones comerciales deben enfrentar. Si embargo, la Unión europea ha manifestado su voluntad de querer normar unilateralmente ciertas actividades comerciales en la red. Utopía y realidad se enfrentan ferozmente en el ciberespacio. Esta obstinación propia a un paradigma desfasado se refleja en la legislación que prevé la aplicación del IVA al comercio electrónico directo internacional. Esto pone al ciudadano en una situación de incertidumbre por no comprender con que fundamento se le aplica tal norma jurídica (ineficaz, ineficiente e ilegitima). La teoría del cambio de paradigma creada por KUHN nos dice que un día se producirán anomalías que provocarán su cuestionamiento. Estimamos que este día ya llegó, y forma parte de nuestro presente, en el cual Internet ha vencido a la norma jurídica según su concepción clásica. Palabras Claves: Internet, Comunicación electrónica, Norma Jurídica, Impuesto, Paradigma, Unión Europea, Estado. 1. INTRODUCCIÓN En abstracto, Internet es el ciberespacio ; en concreto, es una red mundial de interconexiones de ordenadores. Esta red de redes hace intervenir todas las soberanías político-jurídicas existentes en el planeta, generando conflictos nunca antes pensados por HOBBES [1]. Internet esta en todos lados y al mismo tiempo no esta en ninguno y de esta manera logra escapar la mayoría del tiempo al control tradicionalmente ejercido por el soberano. Este ciberespacio pone en jaque la concepción social, geográfica, jurídica y política clásica al mismo tiempo que manifiesta la inadaptación del modelo territorial y piramidal constitutivo de la concepción misma del Estado moderno. La compleja situación planteada por Internet es nueva solamente en su aspecto extraterritorial, internacional e inmaterial. En esta encrucijada política, social, geográfica y tecnológica algunos países (y bloques de integración regional) han tomado una postura normativa unilateral (fuente de conflictos) y otros no lo han hecho aún. Los primeros chocan con la imposibilidad fáctica de querer legislar este fenómeno y mantienen la ilusión de una voluntad hegemónica legislativa ; y los segundos son catalogados como paraísos informáticos por los primeros. Europa ha manifestado su voluntad (utópica) de querer normar ciertas actividades comerciales en la red contrariamente a muchos países y bloques de integración regional (realistas). Utopía y realidad se enfrentan ferozmente en el ciberespacio, último espacio de nostalgia de una era pasada y nuevo espacio de reflexión para una nueva. Esta obstinación de querer aferrarse a un modelo de regulación propio a un paradigma desfasado se refleja en la legislación adoptada que prevé la aplicación del IVA a las operaciones internacionales comerciales de descarga (llamadas : comercio electrónico directo internacional). Esta disposición normativa tambalea entre la melancolía hegemónica, la esperanza legislativa y la dura realidad (aunque no aceptada) de su ineficacia e inefectividad ; al mismo tiempo que genera nefastas consecuencias colaterales de legitimidad : violación del principio de igualdad de los Estados (declarado por la ONU) e inseguridad jurídica para los intervinientes en este tipo de actividad comercial. En efecto, diversos aspectos específicos son representativos de este malestar : -dificultad de determinación de la naturaleza de la operación comercial ( prestación de servicios o entrega de bienes?) - imposición inflexible o exoneración a la exportación? (reglas de territorialidad) - cuales son las prerrogativas normativas de la administración fiscal en caso de no cumplimiento de la obligación fiscal? - cómo garantizar el reconocimiento y el respeto de las garantías del supuesto contribuyente? - existe la eventualidad de una cooperación fiscal internacional? Por un lado, este tema pone de manifiesto la importancia de la teoría de Thomas S. KUHN [2] reveladora de la situación actual de crisis, de cambio y de ajuste reflejada por las anomalías constatadas y los hechos de observación que no encuadran con el modelo explicativo imperante poniendo en tela de juicio el paradigma hasta entonces dominante : el del Estado territorial, su jerarquía de valores institucionales y modelo piramidal clásico. Por otro lado, la etapa que estamos atravesando pone al ciudadano en una situación de pesadilla kafkiana caracterizada por no comprender ni saber porqué, con cual y con que fundamento se le aplica o no tal o cual norma jurídica. De esta manera podemos decir (haciendo alusión a la obra de Dante ALIGHIERI La divina comedia ) que esta área de interés ( Leyes para el ciberespacio ) es representativa de tres etapas : -el infierno jurídico : incapacidad (técnica-jurídicapolítica) para el Estado territorial de legislar en ciberespacio 149

174 -el purgatorio jurídico : reconocimiento de la crisis de paradigma -el paraíso jurídico : cambio de paradigma dominante 2. EL INFIERNO JURÍDICO 1er ACTO : UN PUNTO DE PARTIDA ARCAICO Históricamente, HOBBES llamaba al Estado Léviathan (en referencia al animal bíblico citado en el libro de JOB [3]) y manifestaba que en la tierra, nadie es su superior [4]. De esta manera la teoría del contrato social comienza científicamente a manifestarse en la época de HOBBES [5]. Gracias a su teoría, un nuevo orden vio la luz y formó el nuevo pensamiento político-jurídico. La teoría de HOBBES modernizó la manera de analizar el poder y la coerción separando la confusión antigua entre la teología, la moral y la política [6]. La tesis del origen contractual del poder según la cual se genera el nacimiento del Estado apareció en el siglo XVI. KELSEN completa esta visión y desarrolla su aspecto jurídico : el Estado es la encarnación del poder de crear y de aplicar la norma jurídica en un territorio, a destinación de un pueblo y recurriendo a la fuerza en caso de necesidad. Es decir, solamente el Estado tiene el poder de exigir, mismo con la utilización de la fuerza, el respeto de sus normas jurídicas : el Estado es soberano, es superior a toda otra entidad (interna o externa). Ahora bien, para que este Estado (orden normativo) exista, las normas constitutivas de dicho orden deben existir también, ser validas y legitimas (Estado de derecho). Para esto podemos remarcar ciertos aspectos importantes siguiendo las enseñanzas de KELSEN [7] y de HART [8] : -norma válida : si la norma es efectiva y eficaz. -norma legítima : norma dictada por la autoridad competente y de acuerdo a un procedimiento previsto para su creación. -norma eficaz : la norma logra su cometido. Es decir, que el destinatario de la norma adapta su conducta al contenido de la norma (la eficacia es una de las condiciones de la valides de la norma). -norma efectiva : la norma jurídica debe ser aceptada y aplicada conforme a su contenido (la efectividad es una de las condiciones de la valides de la norma). Es decir que solo el Estado, a través del órgano pertinente, puede dictar una norma jurídica (legitimidad) según un procedimiento específico (legitimidad) y la norma debe ser aplicada (efectividad) y cambiar la conducta de los destinatarios (eficacia) para ser válida. En este caso estamos frente a un derecho real, legítimo, que existe, que se aplica y respeta. Desde hace varias décadas la concepción clásica del Estado como realidad jurídica-social debe enfrentar un triple desafío : la internacionalización de la potencia política, la voluntad de la sociedad civil de autogobernarse y, en lo que nos concierne, el ciberespacio. Sus características constitutivas como las nociones de territorio y de soberanía (eje racional y material) reflejan una grave crisis de legitimación. En este contexto, como entender el Léviathan de HOBBES en esta nueva era? a- Binomio Estado y Soberanía La soberanía es absoluta (pero no sin limites), perpetua, inalienable, indivisible, unilateral y obligatoria nos explico Jean BODIN con su conocido Seis libros de la República. Vista de esta manera, la soberanía representa el monopolio de la fuerza física que caracteriza la «summa potestas» (el poder mas grande y la autoridad suprema). De esta manera HOBBES creo la noción moderna de Estado para la cual la soberanía es un elemento vital ya que sin soberanía el Estado no existe. Hablar de soberanía nos invita a hablar de soberano (limite de validez material de la norma). En efecto, el soberano, el gobierno o la potencia publica (según el autor) debe poseer el poder político y ejercer una autoridad exclusiva dentro de un territorio y sobre su población. Esta soberanía posee dos aspectos : interno y externo. Desde una perspectiva interna (dentro del territorio del Estado), la soberanía es originaria e ilimitada. Desde un ángulo externo (fuera del territorio del Estado), la soberanía choca con la soberanía de los demás Estados verdadero freno a su ejercicio. Esto se explica ya que los Estados son iguales e independientes y deben respetar el principio de derecho internacional de no injerencia (cf. Carta de igualdad soberana de los Estados de la ONU y la Resolución nro del 24/10/1970 de la Asamblea General de la ONU). Es necesario indicar que si la soberanía se adquiere y se mantiene únicamente a través de su ejercicio, la ausencia de ejercicio implica su perdida y su extinción. Este es el punto neurálgico que el Estado debe enfrentar : a pesar que la soberanía fiscal es exclusiva a cada Estado, el carácter extraterritorial e internacional de la comunicación electrónica perturba esta situación. b- Binomio Estado y Territorio El territorio es uno de los componentes esenciales del Estado. Si existen territorios sin Estado, no existen Estados sin territorio. Justamente el territorio marca una dualidad del poder público al momento de aplicar sus normas jurídicas : un in y un out. Adentro, sus normas se aplican sin limitaciones ni restricciones extranjeras (salvo acuerdos internacionales) : dentro de sus fronteras (poco importa su tipo) el Estado es el único a ejercer el monopolio de la fuerza. Afuera, su poder choca contra el territorio (y soberanía) de sus pares : los demás Estados miembros de la sociedad internacional. Esta manera de ver el territorio (limite de validez espacial de la norma) permite comprender la imposibilidad fáctica (pero no teórica) para un Estado de aplicar una de sus normas jurídicas dentro del territorio de otro Estado (salvaguardando el caso de particular de guerra bélica). El territorio se presenta entonces como el perímetro pacífico y democrático de acción de la potencia pública. El territorio delimita entonces el perímetro de ejercicio de la autoridad política nacional llamada soberanía (cf. art. 2 4 de la Carta de Naciones Unidas). c- Binomio Estado y Pueblo La noción de pueblo nos reenvía a la idea de una comunidad humana ubicada dentro del territorio de un Estado, sometida a su autoridad y a su derecho. Esta comunidad esta compuesta por los habitantes de un territorio determinado (elemento objetivo : residencia) y por los nacionales (elemento subjetivo : nacionalidad). En definitiva, debemos interpretar esta noción simplemente como la persona destinataria de la norma. De esta manera, el pueblo representa el límite de validez personal de la 150

175 norma en el sentido que las normas jurídicas solo son válidas para los sujetos que constituyen esta comunidad. El inconveniente es que el ciberespacio se define sin fronteras ni territorios ni personas individualizadas (es un espacio indefinido, un territorio virtual ), sin poderes piramidales ni exclusividades coactivas. Frente a esta extraterritorialidad e internacionalidad, las características constitutivas clásicas (cf. Binomios supra descriptos) sobre las cuales reposa la idea misma del Estado moderno son inadaptadas para dar una respuesta jurídica unilateral adecuada al contexto creado por la comunicación electrónica internacional. 3. EL INFIERNO JURÍDICO 2do ACTO : INCAPACIDAD TEÓRICA DEL ESTADO PARA LEGISLAR EL CIBERESPACIO Con Internet, de manera imprevisible, el universo jurídico comenzó a moverse. De esta manera el derecho tuvo que afrontar una nueva perspectiva. Con el ciberespacio, los espacios se deterritorializaron, las fronteras se volvieron porosas y reversibles, los individuos se volvieron anónimos, las separaciones se mezclaron y las distancias se flexibilizaron. Lo racional y lo material debe adaptarse a una realidad extraterritorial, internacional, inmaterial y difícilmente individualizable. Analizado in se y per se, Internet refleja una inadaptación a las figuras jurídico-fiscales y a las políticas normativas clásicas. In se, su estructura (internacional, inmaterial y extraterritorial) crea nuevos interrogantes hoy en día sin respuesta. Per se, la particularidad de sus actores (dificultad de localización, cf. infra) frente a los sistemas jurídicos actuales genera serios problemas de seguridad jurídica y cuestiona las bases propias de la existencia de la norma jurídica (problema de efectividad, de eficacia y por ende de validez). Diferentes aspectos llaman la atención del jurista : por un lado, el hecho que se trate de un universo extraterritorial trastorna la concepción clásica del derecho y su dimensión internacional multiplica las soberanías susceptibles de invocar su potencia normativa (problema de legitimidad). Por otro lado, la casi (?) imposible identificación y localización en línea y en tiempo real de la persona destinataria de la norma cuestiona toda previsión optimista. La inadaptación de estas características al contexto extraterritorial e internacional creado por las particularidades técnicas de la comunicación electrónica es evidente : las transacciones internacionales de comercio electrónico directo se desmaterializan y se vuelven difícilmente identificables. En efecto la comunicación electrónica crea un contexto inmaterial dividido en paquetes (datagramas) los que separadamente no tienen una significación de conjunto. En la red mundial las computadoras unidas por el protocolo TCP/IP comunican a través de los routers una multiplicidad de paquetes que transitan de IP en IP pudiendo seguir caminos distintos (según el trafico y el congestionamiento). La utilización de VPN, de otros protocolos y de TOR (The Onion Router) aumentan las dificultades de aplicación de la norma jurídica. Esta situación deterritorializa los espacios físicos, situación inimaginable para el derecho. Internet ha creado un territorio hostil para el Estado, para la soberanía y para la noción misma de norma jurídica clásica fuente de importantes problemas teóricos y pragmáticos. La perturbación del elemento territorial es tan evidente que es posible afirmar que la comunicación electrónica hace entrar en juego : un territorio virtual que escapa a todo Estado, o una coexistencia de territorios propios a una multiplicidad de Estados independientes (problema de legitimidad). La deslocalización producida por Internet, ha creado un espacio extraterritorial que esquiva toda reglamentación clásica del ciberespacio. El elemento material también sufre las perturbaciones provocadas por la red de redes. En efecto, el poder político, el poder coactivo y el poder público (que reinaron en singular los siglos pasados) ya no pueden estudiarse mas separadamente pero en conjunto. La particularidad es que este conjunto es fuente de contradicciones ya que en Internet las soberanías chocan entre sí, se atribuyen individuamente el derecho de aplicar la norma (problema de legitimidad) y las consecuencias para el ciudadano son nefastas (inseguridad jurídica). Finalmente, el elemento personal no escapa a esta crisis. Los criterios objetivos o subjetivos no logran responder a los innumerables interrogantes jurídicos teóricos y prácticos que los Estados deben enfrentar al momento de ejercer su poder coercitivo y aplicar sus normas jurídicas. Justamente, los problemas de individualización y de determinación de la situación personal frente a la Administración fiscal de los intervinientes a una transacción comercial de comercio electrónico directo ponen en jaque toda voluntad legislativa. La aplicación de la norma jurídica a las descargas internacionales son la primera gran limitación común a todos los Estados del mundo. A pesar que los Estados continúan siendo los únicos detentores de la soberanía al interior de sus fronteras, en el ciberespacio ninguno puede atribuirse de manera exclusiva su ejercicio. Justamente, la confrontación en Internet de soberanías iguales e independientes estableciendo la aplicación del IVA o su no aplicación a las transacciones internacionales de descarga refleja la complejidad de la situación que los intervinientes (empresas y ciudadanos) a estas operaciones comerciales deben enfrentar. Para ser claros : el ciberespacio es el territorio (virtual) donde las soberanías fiscales se cruzan, donde una multitud de ordenes normativas estatales se mezclan los unos con los otros y donde las reglas clásicas de delimitación de los poderes soberanos de coerción producen incertidumbres jurídicas. La comunicación electrónica internacional cuestiona las características internas y externas de todo poder coercitivo y lleva la noción de soberanía fiscal nacional a una noción de soberanía fiscal supra-nacional. Internet ha revelado los limites jurídicos del Estado moderno. Como no existe una soberanía normativa mundial, la soberanía fiscal propia de cada uno de los Estados se encuentra limitada por un nuevo contexto. El ejemplo de la situación europea es revelador de esta múltiple crisis. 4. EL INFIERNO JURÍDICO 3er ACTO : INCAPACIDAD PRÁCTICA PARA LEGISLAR EL CIBERESPACIO La soberanía fiscal se manifiesta a través de dos poderes : legislativo (creación de la norma : impuesto) y ejecutivo (afectar el producto del impuesto). La legislación 151

176 europea en la materia, contrariamente a la situación de los Estados Unidos de América donde -a pesar que no exista un sistema único de IVA- se tomó la decisión sensata de exonerar del impuesto al consumo al comercio electrónico (Framework for global electronic commerce, 1997), refleja una voluntad unilateral y hegemónica de aplicar el derecho fiscal de los estados miembros. Por un lado esta divergencia de política fiscal agrava considerablemente la situación y por otro lado la voluntad europea es fuente de numerosos inconvenientes teóricos y prácticos. Para las transacciones internacionales de comercio electrónico directo la Unión Europea ha respondido afirmativamente a la aplicación del IVA. De esta manera la legislación europea impone las reglas siguientes : -quedan sometidas al IVA las prestaciones de servicios efectuadas, a titulo oneroso y en el interior de un Estado miembro, por un responsable inscripto (establecimiento de la obligación de aplicar el IVA a esta operación comercial) art. 2 C de la Directiva 2006/112/CE-, -el lugar geográfico de la realización de la prestación de servicio realizada en favor de un consumidor final será el lugar donde el prestador tiene su sede social art. 45 de la Directiva 2008/8/CE-, y -en el caso que las prestaciones de servicio sean por vía electrónica ( descargas o sea nuestro caso de estudio), en favor de un consumidor final no responsable establecido o que tenga su domicilio o residencia habitual en uno de los Estados miembros y que sean realizadas por un responsable inscripto con su domicilio, residencia, sede o establecimiento estable (desde el cual se realiza la prestación) establecido en un Estado no miembro : el lugar geográfico de esta prestación es el lugar donde el consumidor final no responsable esta establecido, tiene su domicilio o su residencia habitual -art. 57 de la Directiva 2008/8/CE- (aquí se establece artificialmente el elemento territorial de la norma). De esta manera, el prestador establecido fuera de la Unión europea se encuentra sometido a la soberanía fiscal de cualquiera de los estados miembros en caso que desee realizar, por ejemplo, transacciones comerciales de descarga con los habitantes de algún Estado europeo. Mismo si, el Estado donde el prestador se encuentra establecido (USA, por ejemplo) no aplica el IVA a este tipo de operación comercial, el prestador se encuentra sometido al IVA (francés, por ejemplo) lo que produce graves desigualdades e inquietudes jurídicas. Como consecuencias importantes consecuencias legales se presentan. De acuerdo con la legislación europea, el prestador esta obligado de efectuar en tiempo real y en línea : -la localización geográfica el consumidor ( en que Estado miembro se encuentra?), -la identificación de su situación frente al IVA ( es un consumidor final no inscripto o es un responsable inscripto?, y -la aplicación de la tasa de IVA propia al Estado donde el consumidor final no inscripto se encuentra ( cual de las 27 existentes : Hungría 27%, Francia 20%, Luxemburgo 17%, Malta 18%, Dinamarca 25%, etc.?). Además de estas obligaciones legales, el prestador debe inscribirse voluntariamente en uno de los portales en línea de su elección (cada uno de los 27 Estados miembro posee uno) art. 360 de la Directiva 2006/112-. Esta inscripción le permitirá declarar cada 3 meses art. 360 de la Directiva 2006/112/CE- el IVA recolectado y acompañar a esta declaración el pago en euros a la administración fiscal concerniente del IVA. Además, debe hacer aparecer su número de identificación personal en sus facturas y acompañar a su declaración un listado detallando la totalidad de descargas discriminadas por Estado europeo de consumo (donde se encuentra el consumidor final no responsable) y por tasa aplicada (existen 27 Estados miembros por lo tanto 27 tasas diferentes). De esta manera se ha puesto en un pie de igualdad (?) a los prestadores de servicios por vía electrónica situados dentro y fuera de la UE (en lo que respecta sus obligaciones legales). Sin embargo existe una seria desigualdad respecto de los derechos que debieran beneficiar también en pie de igualdad. Es decir que por un lado el prestador no europeo debe aplicar el IVA (para evitar una situación de discriminación ventajosa) pero por otro lado como no se encuentra en la Unión Europea no puede pretender los mismos derechos en un procedimiento o régimen declarativo fiscal (derecho de deducción del IVA pagado, por ejemplo). A pesar de esta ilusión normativa la realidad es otra : una operación de descarga es considerada una operación imponible para la UE y sus Estados miembros, mientras que no lo es para otros países : USA, Argentina, etc. Entonces, que hacer cuando la normativa de un Estado es diferente a la de otro Estado? Y sobre todo Cuál es el interés de un prestador de servicios por vía electrónica en respetar estas obligaciones? En realidad este prestador debe enfrentar una pesadilla Kafkiana en la cual no entiende la soberanía jurídica que se le esta aplicando A pesar de estas aclaraciones, las obligaciones para los prestadores establecidos fuera de la Unión Europea son difícilmente considerables como normativas ya que ninguna sanción es realmente posible. Podemos imaginar los agentes de la Administración fiscal francesa efectuar una inspección en la sede de una empresa en USA? Una respuesta afirmativa es mas que improbable En realidad esta legislación refleja una voluntad política de protección local de un sector comercial en potencia. Teniendo en cuenta, como hemos evocado supra, que los Estados (miembros de la comunidad internacional) son iguales, que ninguno tiene el poder de injerencia en los asuntos de otro Estado y que la soberanía y el territorio poseen una delimitación externa como se puede explicar que la Unión Europea permita a sus Estados miembros de imponer sus poderes coercitivos a través de una norma jurídica dirigida un ciudadano miembro de otro Estado (no miembro de la UE) sometido a su propio poder jurídicopolítico? Esto es irrazonable ya que ningún Estado esta obligado ni a aplicar una norma jurídica que emana de otro estado ni a cooperar con otro Estado. Toda posición concreta política y jurídica contraria violaría todos los principios establecidos en materia de Derecho Internacional Publico. En efecto, las reglas que derivan de la concepción de los binomios clásicos Estado-Soberanía, Estado- Territorio y Estado-Pueblo no son aplicables a la situación aquí presentada. Jaque. Las características técnicas de la comunicación electrónica internacional hace imposible pensar en la aplicación de reglas territoriales (como el caso de la legislación europea). En efecto la localización y la individualización (en línea y en tiempo real) de las personas 152

177 intervinientes a una transacción internacional de comercio electrónico directo bien que fundamentales son sobre todo neurálgicas. Si no es posible localizar ni individualizar la persona objeto de la aplicación de la norma jurídica, titular de derechos y de obligaciones fiscales, es entonces imposible de localizar la operación comercial misma que dará nacimiento a la aplicación eventual del IVA. La única localización e individualización posible en línea y en tiempo real no es suficiente para tener todos los elementos que justifiquen la aplicación o la no aplicación de la norma jurídica (IVA). Es evidente que esta legislación es completamente inadaptada a Internet, refleja una voluntad jurídica incompatible con las características técnicas de la comunicación electrónica y refleja una voluntad hegemónica europea incapaz de lograr su cometido. Jaque mate. En este sentido, parece necesario pensar un nuevo sentido de territorio, de soberanía, de norma y de soberano. La tarea es ardua y compleja. El purgatorio jurídico es justamente representativo de esta etapa de reflexión. 5. EL PURGATORIO JURÍDICO : LA CRISIS DEL PARADIGMA ACTUAL El contexto técnico y organizacional producido por Internet lleva al fracaso a toda voluntad unilateral de aplicar el IVA a las transacciones internacionales de descarga. Esto nos lleva a reconocer una brecha entre la norma jurídica y la comunicación electrónica internacional. La teoría del cambio de paradigma creada por KUHN nos dice que un día se producirán anomalías, hechos de observación que no encuadrarán mas en el modelo explicativo y que provocarán el cuestionamiento del paradigma hasta entonces dominante. Estimamos que este día ya pasó, y forma parte de nuestro presente, un presente en el cual la comunicación (Internet) ha vencido a la norma jurídica clásica. Uno de los factores centrales que perturban la concepción misma de Estado, de derecho y de soberanía es que Internet no esta administrado de manera central por nadie, su estructura no es piramidal (sino mas bien en forma de tela de araña) y que atraviesa las fronteras sin ningún control. Justamente, la constatación mas problemática es que hay plétora de normas jurídicas y de soberanías aplicables. El hecho que Internet no tiene un centro fijo, nos invita a pensar de manera diferente, a través del principio de movilidad de centros [9]. El IVA se funda por excelencia en el paradigma piramidal y centralizado del Estado territorial dotado de una soberanía que le permite regular todas las conductas de consumo dentro de su territorio. La red de redes nos invita a pensar la norma (y en particular el IVA) de manera diferente : en total desconexión con los modelos territoriales de poder. Esta crisis del paradigma clásico, refleja una crisis de identidad del impuesto, de la norma jurídica y permite medir las transformaciones propias al Estado, a la sociedad y al derecho. La situación actual refleja una situación de crisis característica de un contexto de transición de un paradigma jurídico-político a otro emergente. A pesar que no podemos afirmar que esta situación refleja el nacimiento de un nuevo paradigma, si podemos afirmar que en la medida en que el derecho no ofrece todavía una solución, estamos en una fase de aprendizaje o de ajuste. Esta última etapa puede ser reveladora de importantes cambios institucionales en la forma habitual de legislar y por consiguiente en la manera en la cual el ciberespacio podrá ser encuadrado: - reconocimiento de capacidades de autorregulación de los intervinientes? - consagración de capacidades de co-regulación de las comunidades intervinientes? - creación de una nueva entidad fiscal internacional e innovación en el ejercicio de sus potestades globales? - abandono de la voluntad político-legislativa de controlar las actividades internacionales de comercio electrónico directo? Justamente, el reconocimiento de la crisis actual y el abanico de posibilidades de soluciones alternativas nos invita a reflexionar sobre el nuevo paradigma reformador de nuestra manera de ver el mundo. La fase de ajuste pone de manifiesto el cuestionamiento de la jerarquía de valores de estabilidad institucional y permite pensar en una nueva jerarquía global. Parecería que de esta crisis piramidal surgiría un nuevo paradigma representativo de la idea de derecho global. Pensar en un nuevo paradigma nos abre en fin las puertas del paraíso jurídico. 6. EL PARAÍSO JURÍDICO : CAMBIO DE PARADIGMA DOMINANTE Estamos frente a un nuevo paradigma que nos impone pensar la norma jurídica en total desconexión con los modelos territoriales de gobierno. La realidad establecida por Internet es difícilmente compatible con el pensamiento de LAURÉ creador del IVA. Para ser aplicable, el derecho debería tener una dimensión internacional. Entonces, cual debería ser la arquitectura de esta nueva regulación? : -el reconocimiento de capacidades de autorregulación de los intervinientes no se adapta a la magnitud de los intereses en juego. Además, es difícil pensar en una autorregulación para pagar un impuesto -la consagración de capacidades de co-regulación de las comunidades intervinientes puede ser posible en una óptica de creación de una nueva entidad fiscal internacional e innovación en el ejercicio de sus potestades globales : la alternativa mas adaptada. -el abandono de la voluntad político-legislativa de controlar las actividades internacionales de comercio electrónico directo parece ser difícil ya que implicaría una marcha atrás de, en nuestro caso, la UE en su política fiscal internacional y provocaría fuertes consecuencias negativas respecto del principio de neutralidad tecnológica. A un fenómeno global, le corresponde una respuesta global. Esta idea implica dos posibilidades : o bien renunciar globalmente a la aplicación del IVA a las operaciones internacionales de comercio electrónico directo; o bien reorganizar los territorios y las soberanías (los fenómenos de integración regional son el primer paso). Sin embargo nuestro derecho no se concibe sin territorio y justamente Internet hace posible la premisa de territorio (virtual) sin derecho. El nuevo paradigma debería proponer de manera global una respuesta efectiva, eficaz y legítima para las relaciones entre el Estado, el derecho, la comunicación 153

178 electrónica y los individuos. Si pensamos a la dualidad manifestada por KELSEN entre el deber ser y el ser, podemos afirmar que la norma europea que pretende establecer una obligación jurídica es violatoria de las bases mismas del paradigma actualmente en crisis. Tolerar esta situación implica aceptar una situación de ficción que esconde graves problemas de seguridad jurídica. El establecimiento de un sistema fiscal global inspirado en la utopía Kantiana [10] es una opción. Esta alternativa refleja una delegación de competencia por parte de los Estados miembros de la comunidad internacional a un, por ejemplo, organismo fiscal internacional ( dentro de la ONU?) encargado de crear y de aplicar la norma en el ciberespacio. Esto implicaría generalizar este impuesto, situación políticamente compleja pero no imposible. Por consiguiente, crear esta zona global virtual de imposición permitiría encontrar el equilibrio perdido. Esta alternativa podría inspirarse (cf. TILLI : 2011) [11] en UNITAID [12] (financiamientos innovantes) OMS- y en la puesta en marcha de una ayuda publica al desarrollo [13] para luchar contra la fractura digital. Cual es entonces la mejor opción? Responder a esta pregunta es una tarea difícil por el momento. Sin embargo, es evidente que debemos estar atentos a los fenómenos que nos rodean para poder analizar sus adaptaciones y movimientos. A pesar de esto, podemos avanzar una certitud : mientras estamos a la espera de llegar al paraíso jurídico, el éxito o el fracaso de la voluntad hegemónica europea de querer aplicar el IVA a las operaciones internacionales de comercio electrónico directo depende y dependerá del respeto y de la sumisión voluntaria de los prestadores de servicio por vía electrónica. [8] Cf. Herbert Lionel Adolphus HART, Le concept de droit, (Traduction française par Michel VAN DE KERCHOVE), Bruxelles, Facultés universitaires Saint- Louis, [9] Pierre TRUDEL, Droit du Cyberespace, Québec, Thémis, 1997, ch. 2, p. 13. [10] Cf. Emmanuel KANT, Vers la paix perpétuelle ; Que signifie s'orienter dans la pensée? ; Qu'est-ce que les Lumières? : et autres textes, (Traduction française par Jean-François POIDIER et Françoise PROUST), Paris, Flammarion, 1991, p [11] Nicolás TILLI, La taxation indirecte du commerce électronique direct: La taxation indirecte du commerce électronique direct: interpellations juridiques à partir des exemples de l'union européenne et du Mercosur, Editions Universitaires Europeennes, [12] [13] Sobre las «A.P.D.» Cf. 7. REFERENCIAS [1] Thomas HOBBES, Léviathan, (Traduction française par François TRICUAD), Paris, Sirey, [2] Thomas Samuel KUHN, La structure des révolutions scientifiques, Manchecourt, Flammarion, 1983, p [3] La BIBLE, Livre de Job, La Rochelle, Les Héritiers de Hierofme Haultin, 1606, Ch. XL, 20, p. 270 et Ch. XLI, 24, p [4] Cf. Fulcran VIGOUROUX, Dictionnaire de la bible, Paris, Letouzey et Ané, 1912, Tome 4, p [5] Georg JELLINEK, L Etat moderne et son droit, Deuxième partie, Théorie juridique de l Etat, (Traduction française par Georges FARDIS), Paris, Editions Panthéon- Assas, Tome I, 2005, p [6] Cf. Norberto BOBBIO, L Etat et la démocratie internationale, (Traduction française par Nicola GIOVANNINI, Paul MAGNETTE et Jean VOGEL), Bruxelles, Complexe, 1998, p. 20. [7] Cf. Hans KELSEN, Théorie pure du droit, (Traduction française par Charles EISENMANN), Paris, L.G.D.J., 1999, y Cf. Hans KELSEN, Théorie générale du droit et de l Etat, (Traduction française par Béatrice LAROCHE et Valérie FAURE), Paris, L.G.D.J.,

179 Evaluación de Sistemas de Infraestructura como un Servicio bajo el esquema de Computación en la Nube Diego J. L. BOTIA Docente Facultad de Ingeniería, Universidad de Antioquia. Medellín, Colombia Andrés F. CHARRY Est. Ingeniería de Sistemas Universidad de Antioquia. Medellín, Colombia Jesús D. TIRADO. Est. Ingeniería de Sistemas Universidad de Antioquia, Medellín, Colombia Anderson A.MEJIA. Est. Ingeniería de Sistemas, Universidad de Antioquia. Medellín, Colombia RESUMEN La computación en la nube es un nuevo paradigma que está actualmente siendo desarrollado e implementado en todos los dominios. Gracias a las ventajas y características que ofrece: implementación, seguridad, capacidad de almacenamiento y procesamiento ilimitado, asi como gran cantidad de recursos disponibles; cada vez más empresas lo adoptan como parte de sus planes de actualización de plataformas de IT o de sistemas de información. El objetivo principal de estre trabajo es presentar los resultados de la evaluación en un entorno de pruebas, que se realizó través de la metodología QSOS - Qualification and Selection of Opensource Software - a las plataformas basadas en IaaS (Infraestructure as a Service): OpenNebula, Ubuntu Enterprise Cloud y Amazon Elastic Compute Cloud. Asi mismo, se presentan los resultados del analisis obtenido y propuestas de aplicación de acuerdo con los criterios evaluados. Palabras Claves: Cloud Computing, IaaS, OpenNebula, Plataforma, QSOS. 1. INTRODUCCIÓN El rápido desarrollo de la tecnología ha introducido nuevos modelos y paradigmas que hacen parte de la evolución informática, en búsqueda de nuevas soluciones y servicios que generen valor a las necesidades de las organizaciones, empresas y usuarios. Aunque el concepto de computación en la nube no es nuevo, es una tendencia reciente en las tecnologías de la información, que no sólo se refiere a brindar aplicaciones en Internet, sino también la entrega de recursos de hardware, software, almacenamiento y de telecomunicaciones, disponibles en los grandes centros de datos, al cual se llama nube. La idea es poder implementar centros de datos de próxima generación para hacer plataformas de recursos más flexibles, con gran capacidad de cómputo, y con facilidades de gestión, operación y mantenimiento; y todo lo anterior dado por el Internet. La principal característica es que los datos y la información no se encuentran alojados localmente, sino, en grandes servidores en diferentes partes del mundo, los cuales brindan disponibilidad en cualquier momento, gran capacidad de alojamiento, integración continúa entre aplicaciones, disminución de costos y muchas otras particularidades. Debido a las muchas ventajas y aplicaciones que ofrece, las organizaciones y empresas, se encuentran acogiendo este modelo y adoptando dentro de sus estrategias de modernización de su infraestructura de IT, la inclusión de plataformas virtuales bajo el esquema de computación en la nube. Grandes empresas como Google, Amazon, IBM, Microsoft, Yahoo y muchas otras ya cuentan con este modelo y promueven su adopción en las demás. Sin embargo, entre tantas plataformas existentes, surge la gran pregunta de qué características se deben tener en cuenta para la elección y adopción en una determinada empresa en la implementación de un modelo de Cloud Computing?. Este artículo realiza la evaluación a tres plataformas de sistemas de infraestructura como un servicio (IaaS) bajo el esquema de computación en la nube: Open Nébula, Ubuntu Enterprise Cloud y Amazon Elastic Compute Cloud. Al indagar en el estado del arte, no se encontró ningún trabajo que realizara dicha valoración, para ello, se escogió el método Qualification and Selection of Opensource Software QSOS, el cual permite calificar y evaluar sistemas de software acorde al análisis de las necesidades y restricciones (técnicas, funcionales y estratégicas). Este paper en la sección 2 explica el concepto de cloud computing, sus principales características, plataformas y clases. En la sección 3 se presenta la metodología QSOS, empleada para evaluar las plataformas IaaS seleccionadas, en la sección 4 se presentan los resultados obtenidos y su discusión, y por ultimo se presentan las principales conclusiones y trabajos futuros. 2. ANTECEDENTES 2.1 Computación en la Nube Según el National Institute of Standards and Technology (NIST), la computación en la nube es un modelo para habilitar el acceso a Internet en todas partes, conveniente y bajo demanda sobre un 155

180 conjunto compartido de recursos informáticos (ej. redes, servidores, almacenamiento, aplicaciones y servicios) que pueden ser rápidamente accedidos con un mínimo esfuerzo de gestión o intervención del proveedor del servicio [1]. Entendido como un nuevo paradigma [2] el cloud computing o computación en la nube, se está desarrollando como una tecnología que permita a las organizaciones reducir costos asociados a sus procesos y servicios informáticos, aumentando la flexibilidad y escalabilidad al encontrarse almacenados en servidores a los que se tiene acceso a través de Internet [3]. Para la Cloud Security Alliance (CSA el uso de una serie de servicios, aplicaciones, información e infraestructura compuesta por reservas de recursos de computación, redes, información y almacenamiento. Y estos componentes pueden orquestarse, abastecerse, implementarse y desmantelarse rápidamente, y escalarse en función de las dimensiones para ofrecer unos servicios de tipo utilidad [4] Características Son muchas las características generales y técnicas que posee la computación en la nube como se describen en [5] y [6]. A continuación se presenta un breve resumen destacando algunas de ellas [7]. Gran capacidad de adaptación al cambio, disponibilidad y desempeño. Integración continúa entre organizaciones y servicios. Almacenamiento y procesamiento ilimitado, definido según las necesidades del cliente en un momento dato. Sistemas distribuidos con multiusuarios al compartir recursos: aplicaciones, servidores, memoria, almacenamiento y ancho de banda. Accesibilidad desde cualquier computador conectado a Internet. No se depende de un sistema operativo en concreto. Información disponible siempre. Herramientas de monitorización y control de los diferentes aspectos del servicio y optimización de los recursos. Automatización de las actualizaciones sin afectar negativamente a los recursos tecnológicos. Uso eficiente de la energía, al consumir sólo la necesaria. Disminución de costos en contratación de personal especializado. Igualdad de condiciones para grandes y pequeñas empresas. Alto nivel de seguridad y privacidad (nubes privadas) al poseer datos cifrados, firewall y componentes especializados Plataformas A continuación se destacan algunas de las plataformas más conocidas, difundidas y propagadas: Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2). Cloud Sigma. Clear Corp. Rack Space Cloud Server. Google Cloud. Windows Azure. OpenNebula. Eucalyptus. Ubuntu Enterprise Cloud. OpenStack. En Colombia, empresas como ETB, UNE, Diveo-Colombia y Claro-Colombia han empezado a ofrecer los primeros servicios de computación en la nube para los sectores empresariales desde PYMES hasta grandes Empresas de envergadura nacional [8] Clases Como se visualiza en la figura 1, existen diferentes modelos de negocio que se pueden desarrollar sobre las tres principales capas del cloud (IaaS, PaaS y SaaS), según la disposición y disponibilidad de los servicios ofrecidos [10]. Los modelos de negocio más conocidos son las nubes públicas y privadas, pero de igual manera existen las comunitarias e híbridas [11]. Nube Pública: Servicios disponibles para cualquier persona, empresa u organización. Infraestructura compartida por todos, los clientes contratan y hacen uso del mismo. Nube Privada: Acceso a los servicios exclusivo de un cliente, empresa u organización, a quienes se les considera propietarios. Posee características de control como autorizar el acceso a determinados usuarios a sus servicios. Se recomienda cuando se requiere alta protección de información. Figura 1. Computación en la Nube [9]. Nube Híbrida: Se adoptan características de las nubes descritas anteriormente, con algunos servicios compartidos y otros reservados. Permite tener nubes separadas pero con portabilidad de datos y aplicaciones entre ellas en función de las necesidades que tengan los clientes. Nube Comunitaria: Compartida por un determinado grupo de organizaciones. Generalmente la infraestructura en la nube es la misma, lo que permite un mejor soporte a las aplicaciones. Asimismo, la figura 1 divide en tres componentes las plataformas en la nube, las cuales se dividen en grupos según los servicios que ofrecen [12]. SaaS: Software as a Service, software como un servicio, se destaca como un modelo en el cual mediante su infraestructura, el proveedor de la nube proporciona acceso a una aplicación o software a través de la red y varios usuarios hacen uso de ella. Paas: Platform as a Service, plataforma como un servicio, proporciona el entorno de desarrollo a los usuarios, los cuales pueden centrarse en el ciclo e implementación de software sin preocuparse en el mantenimiento de la infraestructura. Pueden incluir motores de bases de datos, servidores de aplicaciones, entre otros. Iaas: Infrastructure as a service, infraestructura como un servicio, representa servicios en plataforma de hardware, almacenamiento y redes de telecomunicaciones, en el cual los usuarios a través de servicios estandarizados, pagan por espacio en discos virtuales, escalabilidad, seguridad, fiabilidad, gestión de bases de datos, entre otros. 156

181 3. METODOLOGÍA Para la elaboración de este trabajo se seleccionaron tres plataformas de infraestructura como un servicio (IaaS), ampliamente utilizados en ambientes empresariales: Open Nébula, Ubuntu Enterprise Cloud y Amazon Elastic Compute Cloud. El objetivo principal es la realización de una evaluación profunda a dichas plataformas, y una posterior recomendación a las organizaciones que deseen la implementación de alguna de ellas en su entorno de IT. A menudo la consideración y evaluación de una solución de software incorpora un trabajo grande, complejo y costoso; y dicha responsabilidad encierra diferentes aspectos en el modelo organizacional, por lo tanto, la decisión de su implementación generalmente se toma acorde al análisis de las necesidades y restricciones (técnicas, funcionales y estratégicas) que éste software puede representar. utilizó el complemento Sunstone para gestionar gráficamente la nube a través de una interfaz web y por este medio se crearon los hosts, redes virtuales, clusters y plantillas de máquinas virtuales a ser desplegadas en los hosts, como se observa en la figura 2. Las máquinas virtuales fueron creadas bajo el hipervisor KVM y fueron desplegadas en diferentes hosts para evaluar el rendimiento de los nodos y así generar los informes y estadísticas que proporciona esta plataforma, como se observa en la figura 3. La instalación y configuración es relativamente sencilla, sin embargo, la configuración de los nodos por medio de SSH (Secure Shell) para la transmisión y despliegue de las máquinas virtuales tiene un nivel mayor de complejidad. Para evaluar y medir las posibilidades, características y generalidades de las plataformas seleccionadas, fue necesario optar por un método que estableciera los criterios ponderados en base a los cuales calificar y hacer una selección final de carácter objetivo y favorable [13]. Qualification and Selection of Opensource Software QSOS [14], es el método o metodología elegida y que se considera la más apropiada para realizar la evaluación en este trabajo. Esta metodología es de origen francés y fue concebido para calificar, seleccionar y comparar herramientas y plataformas basadas en software libre. Se encuentra disponible bajo los términos de la GNU Free Documentation License y con él, se puede trazar, argumentar y documentar objetivamente la selección entre las plataformas elegidas. Este método ha sido empleado en los últimos años para evaluar una gran variedad de sistemas de software libre [21][24][25][26]. Se encuentra conformado por cuatro etapas: definición, evaluación, calificación y selección. Según Díaz et.al [23] en la etapa de evaluación del software se contemplan 3 ejes: cobertura funcional, riesgo del usuario y los riesgos de los desarrolladores. El puntaje definido por QSOS para cada ítem a evaluar puede ser 0 (funcionalidad no cubierta), 1 (funcionalidad parcialmente cubierta) ó 2 (funcionalidad totalmente cubierta), ofreciendo además, gráficos para la apreciación de resultados. Según Deprez et.al[22], esta metodología contiene un total de 41 criterios de evaluación entre los que se destacan madurez del producto, adopción en la industria, usabilidad, funcionalidad, aseguramiento de la calidad del sistema, empaquetamiento e instalación, licenciamiento, mantenibilidad, entre otros. Cada criterio puede ser evaluado según la experiencia de la comunidad de software libre o de los mismos usuarios, siempre siguiendo los parámetros propuestos por la metodología. 4. EVALUACIÓN La primera plataforma escogida fue Open Nébula [15], un proyecto Open Source desarrollado para dar soluciones de creación y gestión de centros de datos empresariales virtualizados y nubes privadas. Comenzó como proyecto de investigación en el año 2005 y su primer release fue en Es usado por grandes compañías comerciales, financieras y gubernamentales alrededor de todo el mundo, como por ejemplo Telefónica I+D en España o la Biblioteca Nacional Central de Florencia en Italia. Para la instalación se utilizó OpenNebula 3.8 y cinco máquinas virtuales, siendo una el FrontEnd (maquina encargada de la gestión de la nube privada) y las cuatro restantes los nodos o hosts. Se Figura 2. Hosts de la nube OpenNebula. Fuente: Los Autores Figura 3. Estadísticas de rendimiento OpenNebula. Fuente: Los Autores La segunda plataforma seleccionada fue Ubuntu Enterprise Cloud [16] en su versión Este sistema operativo es una distribución de Canonical, empresa reconocida por sus productos de software libre, con una amplia gama de productos tanto de software de escritorio, como para servidores. Dicha versión ha sido una de las primeras que aplica el concepto de arquitectura de nubes privadas. En el análisis de esta herramienta, se empleó un Cloud Controller o server y un nodo cliente, éste último fue complementado con la instalación de la interfaz gráfica de usuario con el fin de poder acceder a la administración del nodo cliente, como se observa en la figura 4. Para la virtualización de las maquinas se utilizó Oracle Virtual Box, y para cada máquina, se realizó la siguiente configuración: Server: CPU: 1 Ghz 157

182 Nodo: Memoria: 1 GB Espacio de disco: 8GB Configuración de red: Adaptador puente. CPU: 1 Ghz Memoria: 850 MB Espacio de disco: 8GB Configuración de red: Adaptador puente. Para la instalación se siguió un asistente virtual que indicó cada paso a seguir, hay ciertos puntos que se deben tener en cuenta, como el rango de direcciones IPs locales que se quieren usar para los nodos, el nombre del servidor, el nombre de cada cliente, y configuración de las imágenes. Al terminar la instalación, se configuran los adaptadores de red y luego se inicia el servidor y el cliente. Posteriormente se inicializa una cuenta de administrador que permite gestionar las cuentas de los futuros nodos clientes, la cual tiene el permiso de aprobar o rechazar solicitudes para usar el servidor. reducir la capacidad según se necesite, lo que facilita pagar sólo por lo que realmente se utilice. Posterior al registro en Amazon EC2, el objetivo fue configurar una instancia a través de la consola de administración de la plataforma - AWS Management Console el primer paso fue elegir la ubicación de la región en el mundo, una decisión bastante importante, porque algunos recursos de la nube se comparten entre regiones, mientras que otros no. Luego de obtener una dirección IP y generar un par de claves públicas y privadas, las cuales permitirán acceder al sistema, se creó la primera máquina virtual, para ello, Amazon brinda una lista de configuraciones básicas llamada Amazon Machine Images (AMI). Un AMI tiene todo lo requerido como se observa en la figura 6, algunas son gratuitas y otras generan cobro. Se creó la instancia a través de las opciones para ello habilitadas como se observa en la figura 7, seleccionando previamente la configuración según los gustos y necesidades. Se destaca la selección del Security Groups, el cual define el conjunto de reglas de seguridad del firewall a emplear. Como se observa en la figura 5, el usuario administrador posee diferentes opciones y caracteristicas para administrar la nube, algunas son: exportar credenciales de seguridad, importar imágenes que pueden ser usadas por otros clientes, almacenamiento, usuarios para aprobar o rechazar, configuracion general, entre otros. Figura 6. Listado de imágenes disponibles a instalar en Amazon EC2. Fuente: Los Autores Figura 4. Aprobación de usuarios y opciones de administración. Fuente: Los Autores Amazon ofrece una gran cantidad de servicios según las necesidades de cada persona, grupo o empresa, basta con estudiar a fondo los requerimientos e implementarlos en la nube. Figura 5. Listado de imágenes disponibles a instalar en Ubuntu Enterprise Cloud. Fuente: Los Autores Finalmente se podría ayudar a gestionar un listado de archivos que los nodos pueden visualizar y usar, así como la posibilidad de instalarlos y llevar una trazabilidad y registro de ellos [17]. La última plataforma evaluada fue Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) [18], un servicio privado de servidores virtuales, que permite correr varias instancias de servidores para aumentar y Figura 7. Listado de instancias creadas. Fuente: Los Autores Continuando con la segunda etapa del método QSOS, se definieron los criterios de evaluación acorde a las técnicas, funcionales y estratégicas más destacadas para una organización: recursos, administración, seguridad, genéricos y datos. Los resultados de la calificación y cuantificación realizados durante la tercera etapa [19], para cada una de las plataformas se muestran en la tabla

183 El primer grupo de características evaluadas se agruparon en genéricas, el propósito era conocer la experiencia en años de cada plataforma, referencias de adopción en el mundo, independencia que brindan de los desarrollos, soporte, instalación y documentación existente. Al observar los resultados obtenidos para este ítem, es claro que Open Nébula y Amazon EC2 alcanzan resultados similares mientras que, Ubuntu Cloud queda un pequeño escalón por debajo en cuanto a referencias y experiencias en el mundo principalmente. El segundo gran ítem se basó en los recursos, se evaluaron los servicios de red, las máquinas, plataformas y Sistemas Operativos que soportan, la identificación de fallas y seguimiento de aplicativos, actualizaciones, contratos de servicios y plataformas libres o pagadas. Como se observa en la figura 8, Open Nébula fue claramente la plataforma con mejor calificación, esto en parte debido a que Amazon EC2 es la única de las plataformas seleccionadas que requiere pago por sus servicios y uso, sumado a que Ubuntu Cloud no cuenta con identificadores de fallas ni detección de topologías de red. Tabla 1 Resultados de la evaluación de 3 plataformas Cloud Criterios de Evaluación Open Nébula Ubuntu Cloud Amazon EC2 1. Genéricos Sostenibilidad Madurez Experiencia en años Adopción Referencias Industrialización Independencia Independencia de desarrollos de desarrollos Servicios Soporte Instalación Instalación Documentación Documentación Recursos Servicios Topología Conectividad Red Fallas Elementos activos Máquinas SO Componentes Aplicativos Seguimiento Incidentes Actualización Actualizacion es Pagado Servicios Contratos Negocios Disposición de Ambientes de recursos prueba 3. Datos Capacidad Almacenamie nto Tipo Tipos de datos Administración Informes Estados Configuración Configuración Arquitectura Acciones Errores Seguridad Configuración Configuración Protección Firewall Total La característica del tercer grupo buscó evaluar uno de los principales ítems que presenta una infraestructura como servicio: los datos y su capacidad de almacenamiento. La calificación obtenida en esta sección dio una pauta determinante en la forma del gráfico de la figura 8, las tres plataformas evaluadas obtuvieron el mismo valor, resultado que no sorprende al ser componentes del modelo Iaas. La Administración se destaca como un elemento de gran peso a la hora de disponer una plataforma en la nube en las organizaciones. En esta sección la experiencia como empresa, plataforma y producto de Amazon EC2 se destacó altamente sobre las demás, al proveer a los usuarios herramientas ágiles de configuración, arquitectura, actualizaciones automáticas y recuperación de posibles errores. Figura 8. Resultado de la evaluación general de las características principales definidas en QSOS. Fuente: Los Autores Por último, se evaluó una de las principales y más importantes características en una plataforma en la nube: la seguridad. En la nube, los datos se encuentran distribuidos independientemente de la ubicación del repositorio de la base de datos [20], además, las empresas buscan mediante diferentes tecnologías, y técnicas, la protección de la información de los usuarios. Las plataformas presentaron una calificación igual respecto a esta característica. Figura 9. Resultado final de la evaluación a las plataformas. Fuente: Los Autores Al contrastar los resultados finales obtenidos en esta evaluación, como se observa en la figura 9, las plataformas Open Nebula y Amazon EC2 alcanzaron calificaciones muy cercanas, resultado enmarcado por las diferentes herramientas y características que dichas plataformas ofrecen a las organizaciones. Ubuntu Enterprise Cloud se reseña como una plataforma con menos posibilidades frente a los resultados alcanzados. 5. CONCLUSIONES Este trabajo realizó la evaluación de tres plataformas IaaS, enfocándose en sus principales características y cualidades. Se 159

184 partió de la descripción del concepto de computación en la nube y se resaltaron las principales plataformas, clases y componentes. Sin duda, existen numerosas implementaciones y desarrollos que pueden brindar grandes posibilidades de adopción, reducción de costos, aumento de ganancias y construcción en las organizaciones. Debido a su facilidad de uso y flexibilidad, la evaluación se realizó con las plataformas Open Nébula, Ubuntu Enterprise Cloud y Amazon Elastic Compute Cloud, mediante la metodología QSOS. Basados en las calificaciones y resultados obtenidos, se denota que, de las plataformas evaluadas, la menos adecuada para brindar soluciones en la nube es Ubuntu Enterprise Cloud. Sin embargo, la determinación y selección se toma acorde al análisis de las necesidades y restricciones, por lo tanto, se recomienda que si se desea obtener mejores herramientas y funcionalidades para mantener y administrar la nube, sin duda, la opción a utilizar es Amazon EC2, al contrario, si se busca aprovechar mejor los recursos de hardware y software, la plataforma es Open Nébula. 6. TRABAJOS FUTUROS En el marco de la evaluación realizada en este trabajo, se propone la investigación, instalación y apreciación de estas tres plataformas en sistemas integrados en el desarrollo y crecimiento de las PYMES (pequeñas y medianas empresas), con el objetivo de fortalecer y evaluar el desempeño obtenido en la implementación de esta tecnología en el ambiente productivo. Se enfatiza el análisis de características como la reducción o aumento de costos, rendimiento, seguridad, capacidad y disponibilidad. Además se recomienda evaluar otros sistemas similares así como evaluar plataformas como un servicio, aplicando la misma metodología empleada en este trabajo. 7. REFERENCIAS [1] Rengifo, E. La computación en la nube. Universidad Externado de Colombia [2] Leenes, R. Quién controla la nube?. VI Congreso Internet, Derecho y Política. Cloud Computing: El Derecho y la Política suben a la Nube [3] Sabahi, F. Cloud Computing Security IEEE Threats and Responses. Faculty of Computer Engineering, Iran [4] Computación en la nube en Costa Rica. Capitulo 5: Hacia la Sociedad de la Información y el Conocimiento en Costa Rica. 2010, Pag 2. [5] Chunye. J, Qiang. Z, Haitao. C, Zhenghu. G. The Characteristics of Cloud Computing. IEEE 39th International Conference on Parallel Processing Workshops [6] Shuai Z, Shufen Z, Xuebin C, Xiuzhen H. The Comparison Between Cloud Computing and Grid Computing. IEEE International Conference on Computer Application and System Modeling [7] Yashpalsinh. J, Kirit. M. Cloud Computing - Concepts, Architecture and Challenges. IEEE International Conference on Computing, Electronics and Electrical Technologies [ICCEET] [8] Umbarila, D. Computación en la nube. Universidad Nacional de Colombia. Diciembre de [9] Rodríguez. W. Computación en la Nube. Universidad de los Andes, Venezuela [10] Maqueira. J, Bruque. S. Agentes impulsores de la adopción de Cloud Computing en las empresas. Quién mueve la nube? Universia Businee Review, ISSN: Mayo [11] Yashpalsinh. J, Modi. K. Cloud Computing - Concepts, Architecture and Challenges. IEEE International Conference on Computing, Electronics and Electrical Technologies [ICCEET] [12] Biocic. B; Tomic. D; Ogrizovic. D. Economics of the Cloud Computing. IEEE MIPRO 2011, May 23-27, [13] Galo. J. Análisis del método para calificación de software QSOS para la selección de software aplicable a procesos educativos [14] Comunidad Virtual QSOS. Qualification and Selection of Opensource Software. [online] Disponible en [15] Proyecto Open Nebula. Open Source Data Center Virtualizaction. [Online] Disponible en: [16] Ubuntu Server Guide. Ubuntu Documentation Project. Ubuntu [online] Disponible en: https://help.ubuntu.com/10.04/serverguide/index.html [17] Das. A. Build your own private cloud using Ubuntu Eucalyptus Enterprise Cloud Computing Plataform, Guía de instalación [18] Amazon web services. [online] Disponible en : [19] Botia, D, Mejia. A, Charry. A, Tirado. J. Cuadro comparativo con los resultados de le evaluación de las 3 plataformas, [online] Disponible en: https://mega.co.nz/#!m0q1wrpa!zk4-umg- 6pAtP9TNlcqhpkkjmnht528HUAlfMvSau_k [20] Muhammad. D, Kazi. R, Sikder. S. Next Generation of Computing through Cloud Computing Technology. IEEE Canadian Conference on Electrical and Computer Engineering [21] Kumar.V. Best Practices For Open Source Technology Management In Library And Information Centres Second National Conference on Recent Advancements in Science a nd Humanities, United Institute of Technology, Coimbatore, India. [online].http://eprints.rclis.org/15485/1/bestpractices%20for%20op ensource%20technology.pdf [22] Deprez. J, Alexandre. S. Comparing Assessment Methodologies for Free/Open Source Software: OpenBRR and QSOS. Centre la Communication (CETIC), Charleroi, Belgium. [online] RRQSoS.pdf [23] Díaz. F, Banchoff. C, Rodriguez. A, Soria. V. Evaluación de herramientas Free/Open Source para pruebas de software. Laboratorio de Investigación de Nuevas Tecnologías Informáticas, Facultad de Informática, Universidad de La Plata, Buenos Aires, Argentina.[online]http://www.linti.unlp.edu.ar/uploads/docs/evalua cion_de_herramientas_open_source_para_pruebas_de_software.pdf [24] Stol. K, Babar. M. A Comparison Framework for Open Source Software Evaluation Methods. 6th Int IFIP WG 2.13 Conf. on Open Source Systems, OSS 2010, Notre Dame, IN, USA, May 30 June 2, Proceedings. pp [25] Majchrowski. Annick,Deprez. J. An Operational Approach for Selecting Open Source Components in a Software Development Project. Software Process Improvement. 15th European Conference, EuroSPI 2008, Dublin, Ireland, September 3-5, Proceedings. pp [26] Raza. A, Capretz. L, Ahmed. F. source usability: an empirical study. Journal Engineering with Computers- Volume 28, Issue 2, pp

185 ESTRATEGIA DE ACREDITACIÓN: LA GUÍA DE CENEVAL Autores Dra. Raquel Talavera Chávez M.A. María Soledad Plazola Rivera Dra. Elizabeth Ojeda Orta Dra. Lourdes Apodaca del Ángel Modulo Sistemas/Tecnologías de Información y sus Aplicaciones Resumen. Alcanzar la acreditación de los procesos de evaluación requiere de estrategias integradoras entre las áreas sustantivas y los procesos de gestión, la Guía de CENEVAL es una herramienta electrónica y es una acción que se implementan en la FCA para apoyar en la formación del estudiante próximo a egresar de la licenciatura en Contaduría para la preparación del examen de EGEL, contiene el temario de contenidos curriculares del Plan de estudios , permitiendo acceder con prontitud a la información para el logro de su meta y el instructivo de uso. Palabras claves: CENEVAL, evaluación, calidad. INTRODUCCIÓN Ante la dinámica de un entorno cambiante las organizaciones enfrentan el reto de mantener su posicionamiento en una sociedad que accede a un infinito de posibilidades de información a través de la tecnología, la comunicación y la valoración del conocimiento como elemento de productividad. Este escenario no difiere para una institución de educación superior (IES) donde los proceso de globalización y la economía actual conducen a un cambio de paradigmas que movieron los modelos de producción en serie hacia un modelo de redes flexibles (Martínez 2006 p.11). El ambiente ha exigido para la Asociación Nacional de Universidades e Instituciones de Educación Superior (ANUIES), integral una visión en común [ las IES en México integran un vigoroso sistema de educación superior, que forman profesionales e investigadores de alto nivel, genera y aplica conocimientos, extiende y preserva la cultura, tarea que realiza con calidad, pertinencia, equidad y equiparables con los estándares internacionales (ANUIES, 2000: ). Como miembro de ANUIES Universidad Autónoma de Baja California (UABC) se adhiere a la Visión 2020 realizando un proceso de transformación interna y un compromiso con la calidad y a partir del Plan de Desarrollo Institucional (PDI) donde se enfatiza que [ ] Brindar una educación de calidad así como en el PDI [ ] de fortalecer la colaboración con los diversos sectores sociales; y de hacer todo ello con niveles de calidad y desempeño y para PDI , en la estrategia: El asegurar la buena calidad de los programas educativos de licenciatura. (UABC, 2011). Si bien obtener y mantener la calidad institucional ha requerido de sincronía de cada una de las partes que conforman la estructura de la UABC, hoy los indicadores 161

186 muestran que un total de 75 programas educativos reconocidos por su buena calidad, de los cuales 87 son evaluables, representando el 86% del total, de los que se atiende al 89% de la matrícula de nivel licenciatura. (UABC, 2012). La Facultad de Contaduría y Administración (FCA) se mantiene en estos indicadores con acreditados por parte del Consejo de Acreditación de la Enseñanza en Contaduría y Administración (CACECA) como programas de buena calidad de las siguientes licenciaturas: Contaduría, Administración de Empresas e Informática (Campus Tijuana, Mexicali y Ensenada), y Negocios Internacionales (Tijuana y Mexicali). Así mismo para dar constancia a la sociedad del cumplimiento de los procesos educativos y gestión que se realizan con calidad, al egresado de los programas acreditados participan en los Exámenes Generales para el egresado de la Licenciatura (EGEL) que permite identificar el nivel de logro alcanzado, respecto a los conocimientos y habilidades fundamentales del perfil de egreso de la propia licenciatura por el Centro Nacional de Evaluación para la Educación Superior, A.C. (CENEVAL). El trabajo describe una acción como estrategia para la acreditación, la Guía de CENEVAL, herramienta electrónica para los estudiantes próximos a egresar de la licenciatura en Contaduría de la FCA para la preparación del examen de EGEL, la guía contiene los contenidos curriculares y bibliografía del Plan de estudios de la Licenciatura en Contaduría, para alcanzar su meta, así como la instrucción de su uso a través de un manual. ANTECEDENTES En los planes y programas de estudio descansa principalmente la formación del profesionista, de ahí su importancia del medio en que se dé, debe ser una de sus principales características para que dé respuesta a las necesidades del sector productivo y social, así como a los avances en materia científico-tecnológica que le permitan a los egresados solucionar problemas de forma eficaz y eficiente ante la vida cotidiana de su entorno. (Guía metodológica para la creación y modificación de los programas educativos de la Universidad Autónoma de Baja California.2010 p.8.) Por lo que se hace necesarios en el contexto actual una constancia para la sociedad y del público demandante de los servicios del cumplimiento de los Procesos Educativos y gestión que se realicen con calidad un juicio de valor que resulta de contrastar el resultado de la medición de una realidad empírica con un parámetro normativo previamente definido (Martínez, 2012). La certificación a los Programas Educativos por CACECA y el examen de EGEL es el compromiso que tiene FCA con la formación de los estudiantes con calidad al realiza en el proceso educativo. Alcanzar la acreditación de los procesos de evaluación requieren de estrategias integradoras entre las áreas sustantivas y los procesos de gestión en la FCA, esta herramienta de Guía de CENEVAL es una de las muchas acciones que se implementan para la formación de profesionista y la inserción en el mundo el trabajo y den solución de forma eficaz y eficiente ante la vida cotidiana. DESARROLLO Se hizo una invitación extensiva a los estudiantes potenciales a egresar por parte de la coordinación de la carrea de Contaduría a que se prepararan para el 162

187 examen de CENEVAL por la trascendencia de los resultados que este tiene para su ámbito profesional, siendo una indicador a nivel nacional que permite identificar el nivel de logro alcanzado, respecto a los conocimientos y habilidades fundamentales con otras instituciones de educación superior de la propia licenciatura. Así mismo se les extiende el apoyo por parte de los coordinadores de las áreas formación de la carrera de Contaduría: Contabilidad, Costos, Finanzas Fiscal y Auditoria a orientarlos en su preparación y el uso de la herramienta didáctica digital denominada Guía de CENEVAL que se desarrolló integrando los contenidos curriculares del Programa Educativo de la FCA con la estructura de conocimiento que tiene el EGEL. La Guía del CENEVAL está compuesta por los semestres y el nombre de la materia(s) en que se dio el conocimiento, la unidad de aprendizaje con los contenidos temáticos por materia y el semestre donde se ubica dentro del Mapa curricular, bibliografía que soporta el conocimiento y el Mapa del Plan de Estudios. Estructura de la Guía de CENEVAL Descripción del Procedimiento de operación La guía se elaboró con el fin de apoyar a los estudiantes en su preparación para el examen CENEVAL, es por ello que contiene los temas que serán evaluados dentro del mismo siendo éstos relacionados con los temas vistos a lo largo de la carrera mostrando su ubicación en las asignaturas correspondientes al programa vigente. Cada hoja del documento se encuentra dividido en dos partes, contenido EGEL y programa FCA. Y se subdivide cinco áreas fundamentales: Contabilidad, Administración de Costos, Administración Financiera, Fiscal y Auditoría. El contenido del programa de la Facultad de Contaduría y Administración muestra tanto el semestre y la asignatura relacionada con el tema que evalúa EGEL como los temas dentro de esa asignatura que se relacionan con el tema del examen CENEVAL. La exploración del documento se puede realizar página por página, o bien, acceder a cada área (Contabilidad, Administración de Costos, Administración Financiera, Fiscal y Auditoría) descrita en la segunda hoja acompañada de una breve introducción del documento. Al dar clic en cada uno de estos botones te lleva al contenido temático de dicha área. 163

188 unidad de aprendizaje, donde se señala el semestre, el nombre de la asignatura y las unidades dentro de las que se estudió en el programa de la carrera correspondientes al tema evaluado por el CENEVAL. Una vez localizado en el área aparecerá una pantalla la cual muestra: En la parte superior izquierda el área en la que se encuentra, En la parte superior derecha se ubica un botón para regresar al menú principal y En la parte inferior izquierda está el botón avanzar página el cual te lleva a la siguiente hoja del documento correspondiente al área solicitada. Dentro de la tercera columna, junto al nombre de las unidades de las asignaturas de la carrera de la Licenciatura en Contaduría, aparecerá un cuadro con la imagen de una nube de diálogo donde al hacer clic se desplegará la lista de los subtemas correspondientes a las unidades señaladas que servirán de apoyo para su estudio. En caso de encontrarse en la última página correspondiente a esa área el botón te llevará al inicio de esa sección, es decir, te llevará a la primera hoja del área examinada. Para poder visualizar el resto de los temas dentro del recuadro debe deslizar el cursor a través de la línea que se encuentra del lado derecho. En el centro de la pantalla se ubica un recuadro con de tres columnas, la primera señala la subárea que se está evaluando, la segunda columna enlista los temas específicos de cada subárea que se examinarán de acuerdo al contenido EGEL y la tercera columna programa FCA se subdivide en dos columnas, semestre y Para cerrar el recuadro solo es necesario hacer clic en el botón que aparece en la parte superior derecha del mismo. 164

189 CONCLUSIONES La implementación de la Guía de CENEVAL facilita al estudiante próximo a egresar el acceso a la información, permitiendo tener de forma inmediata los contenidos del Plan de Estudios de la Carrera de Contador Público como su bibliografía, la guía es sencillo de utilizar y proporciona información clave que permite tener una ventaja competitiva para el diseño de estrategias de mejora a través de los resultados obtenidos. REFERENCIAS ANUIES, La Educación Superior en el Siglo XXI: línea estratégica de desarrollo, ANUIES, México. ANUIES, Consolidación y avance de la educación superior en México. Elementos de diagnóstico y propuesta. ANUIES, México Martínez Lobatos Lilia (2006). Flexibilización Curricular: El Caso de la UABC. México, p.11. ANUIES, La Educación Superior en el Siglo XXI: línea estratégica de desarrollo, ANUIES, México. Consejo de Acreditación en la Enseñanza de la Contaduría y la Administración, (http://www.caceca.org.mx/web20/index.p hp/sample-sites). Martínez Lobatos Lilia (2006). Flexibilización Curricular: El Caso de la UABC. México, p.11 Suárez Zozaya Campus Milenio Núm. 516 [ ] Universidad Autónoma de Baja California (2003). Plan de Desarrollo Institucional Recuperado de / / (2007). Plan de Desarrollo Institucional Recuperado de / / (2010). Guía metodológica para la creación y modificación de los programas educativos de la Universidad Autónoma de Baja California. Recuperado de ca/documentos/c15.pdf (2012). Informe de Rectoría Recuperado de orme/informe2012/informe2012.pdf (2011). Plan de Desarrollo Institucional Recuperado de / / (2012a). Informe de Rectoría Recuperado de orme/informe2012/informe2012.pdf (2011). Plan de Desarrollo Institucional Recuperado de / Autores: 1 Dra. Raquel Talavera es coordinadora del área de Auditoria de la Facultad de Contaduría y Administración, Campus Tijuana. 2 M.A Soledad Plazola Rivera, es coordinadora de la carrera de Licenciado en Contaduría de la Facultad de Contaduría y Administración, campus Tijuana, 165

190 3 Dra. Elizabeth Ojeda Orta coordinadora del Seguimiento a la Acreditación de la Facultad de Contaduría y Administración, Campus Tijuana, 4 Dra. Lourdes E. Apodaca del Ángel sub directora de la Facultad de Ingeniería y Negocios, 166

191 Tecnologías de Información como apoyo a la Estrategia De las Instituciones Prestadoras de Salud en Colombia Daniel R CERINZA Maestría Gestión de Información, Escuela Colombiana de Ingeniería Bogotá, Cundinamarca , Colombia Victoria E OSPINA Maestría Gestión de Información, Escuela Colombiana de Ingeniería Bogotá, Cundinamarca , Colombia RESUMEN La tecnología al servicio del negocio, no el negocio al servicio de la tecnología. Es importante tener clara esta relación para que las tecnologías de Información (TI) son un generador de beneficios en las organizaciones. En este artículo se habla de la importancia de las tecnologías de información en las instituciones prestadoras de salud, la arquitectura empresarial (AE) en este sector. Este tipo de proyectos es bastante ambicioso por lo cual surge la necesidad de mostrar una manera de identificar y medir los posibles beneficios que se pueden llegar a generar. Finalmente se plantea una posible metodología para construir un modelo que identifique y mida los beneficios del uso de las TI en una organización prestadora de servicios de salud. Palabras Claves: Arquitectura empresarial, TOGAF, gestión de beneficios, gestión de valor, COBIT, Modelo de evaluación arquitecturas, valor del negocio 1. INTRODUCCIÓN La alineación de la tecnología de información con la estrategia del negocio es la única opción de asegurar la generación de los beneficios esperado por las organizaciones con la inversión en tecnología. Es por esto que la arquitectura empresarial provee una visión holística de los procesos de negocio, sistemas de información e infraestructura tecnológica [1]. Al brindar una alineación estratégica con la organización, la arquitectura empresarial debe producir diferentes tipos de beneficios para los interesados en la organización y para ella misma. Para realizarla existen diferentes marcos de referencia como Zachman, TOGAF, DODAF entre otros. Un proyecto de esta magnitud puede traer grandes beneficios, pero también puede ser un fracaso si no se muestran y no es clara la manera de comprobar como este puede ayudar a mejorar la productividad de la organización. Actualmente las organizaciones ven la tecnología como un factor diferenciador, es aquí donde la definición de la arquitectura empresarial, articula los diferentes esfuerzos organizacionales y dar las bases para realizar las inversiones adecuadas y oportunas en tecnología para apoyar los objetivos estratégicos de la organización. Es por eso que surge la necesidad de proponer una metodología para verificar si la AE está cumpliendo con los objetivos propuestos, para tomar medidas y cumplir el objetivo inicial: La tecnología al servicio del negocio. 2. TECNOLOGÍAS DE INFORMACIÓN COMO APOYO A LAS INSTITICIONES DE SALUD EN COLOMBIA El Ministerio de Tecnologías de Información y Telecomunicaciones MinTic en el marco de su agenda estratégica de Vive Digital, pretende generar escenarios apropiados para la preparación de estándares nacionales y normalización en asuntos de Informática Médica. Esta iniciativa pretende realizar la arquitectura empresarial hospitalaria en el contexto colombiano, la cual deben contar con la representación de las principales entidades del Sector Salud de Colombia. La generación de este tipo de propuesta pretende definir directrices tanto tecnológicas como procedimentales, bajo esquemas que garanticen la integridad, la confidencialidad y la disponibilidad de la información en interoperabilidad para la historia clínica electrónica, telesalud y msalud. En este entorno cambiante actual se hace cada vez más necesario el acceso rápido y fiable a la información para la toma de decisiones eficiente. A nivel país, Colombia ha tomado conciencia de la necesidad de vincular el uso estratégico de la TI en el sector salud del país y desde el 2008 con el lanzamiento del Plan Nacional de TIC, se formalizó esta vinculación. El plan define el siguiente objetivo general, para este sector: "Lograr altos niveles de calidad y cubrimiento de los servicios de salud a partir de la instalación de infraestructura tecnológica y apropiación y uso eficaz de la TI". Adicionalmente, el plan establece objetivos específicos, a continuación se enuncian los más relevantes: 1) Hacer un uso eficaz de la TI para lograr altos niveles de calidad y cubrimiento de los servicios de salud para todos los colombianos, que permita mejorar la calidad de vida, prevenir errores médicos, reducir costos, aumentar la eficiencia administrativa y masificar el acceso al cuidado de la salud. 167

192 2) Proveer acceso a la infraestructura de la TI con estándares de niveles de servicio de clase mundial e interoperabilidad, para el sector de la salud a lo largo y ancho del país, que le permita la entrega de servicios médicos eficientes e igualitarios. 3) Crear un ambiente favorable que estimule el aprovechamiento de escenarios digitales, con las siguientes características: a. Que conecte iniciativas y conocimientos, y así mismo optimice las exigencias e intercambios de información. b. Que permita que la información fluya oportunamente y con la calidad y confiabilidad necesaria, entre los diferentes actores del sistema, para garantizar una rápida y excelente atención de los pacientes. c. Que realice investigación aplicada y benchmarking sobre nuevas metodologías y tecnologías que permitan mejorar las acciones que realiza el país en la aplicación de la TI en el sector salud. De esta manera el plan establece que cualquier acción sobre el sector salud, deberá contemplar el uso estratégico de la TI a fin de mejorar los procesos del sector en las áreas de promoción, prevención y atención, tanto en la parte científica y de cuidado de los pacientes como en la parte de gestión. 3. ARQUITECTURA EMPRESARIAL PARA INSTITCIONES PRESTADORAS DE SERVICIOS DE SALUD La definición de la Arquitectura Empresarial (AE) en un Instituto Prestador de Servicios de Salud (IPS) espera obtener (1) un diagnóstico real de la organización (misión, visión, principios, valores y objetivos, metas, indicadores, estrategia y proyectos.), que garantiza un buen conocimiento de los diferentes componentes y la relación entre ellos; además de proporcionar la correcta definición de todos los procesos y su integración, evidenciando el soporte que pueden ofrecer las herramientas de tecnología. Este apoyo tecnológico permitirá contar oportunamente con información suficiente y necesaria para la exitosa toma de decisiones asegurando su competitividad, la generación de valor basada en la correcta prestación de servicios, la optimización de sus recursos y la correcta planificación de su evolución. (2) un ajuste a los procesos que requieran un trabajo de mejora buscando mejorar su productividad y eficiencia; y (3) una propuesta de la acertada organización y divulgación de la información interna y externa a la comunidad, así como del adecuado soporte de las herramientas de Tecnologías de Información (TI) a los procesos institucionales. Estos aspectos permitirán fortalecer a las IPS y alcanzar eficientemente los objetivos misionales, mediante la oportuna toma de decisiones, basados en la ejecución de los planes propuestos a partir de las necesidades y oportunidades que se descubran con este ejercicio, permitiendo a la IPS ser una organización competitiva, innovadora y líder en el mercado. La Arquitectura Empresarial es la respuesta a la necesidad de la Alta Gerencia de las organizaciones de contar con un contexto estratégico para la evolución de los sistemas de información teniendo en cuenta que la efectiva gestión y utilización de la información, a través de la TI, es un elemento clave para el éxito del negocio y un medio indispensable para obtener ventajas competitivas. La información es un recurso fundamental y estratégico en cualquier organización. Se constituye en el modelo conceptual que define la estructura y la operación de una organización con el objetivo de determinar el cómo ella logrará, lo más efectivamente posible, los objetivos y el cumplimiento de los propósitos misionales. Cualquier organización, es un sistema complejo con muchos tipos de componentes incluidos los procesos y funciones del negocio, la alta dirección, la estructura organizacional, la distribución física, los recursos de información y de computación, los recursos financieros, la tecnología y las estrategias, planes, políticas y estructuras de gobierno que tiene la organización. La Arquitectura Empresarial puede mostrar cómo todas estas componentes y otras están integradas para alcanzar los objetivos presentes y futuros y desarrollar los propósitos misionales. 4. GESTIÓN DE BENEFICIOS El valor se define como la mejora del comportamiento de la organización frente a las métricas de negocio (que miden lo que reciben aquellos para quienes existe y a quienes presta servicios la organización), y el aumento neto de los ingresos disponibles para prestar dichos servicios, que surgen de la inversión. [2] Lo cual generar beneficios tanto a nivel interno de la organización como al entorno donde esta funciona. Desde el punto del área de TI, la generación de beneficios no es tangible como en otras áreas de la organización. Se puede comparar con los premios que se dan al área de ventas por los resultados económicos, pero es difícil encontrar una felicitación a una persona de TI. Esto ha sido consecuencia a la mala gestión de los gerentes de TI al no alinear las metas de TI con las metas de negocio [3]. Para afrontar esta falencia se han desarrollado marcos de referencia como Val IT, que Val IT provee principios de gestión de valor probados, procesos y prácticas que le permiten a las organizaciones maximizar la entrega de valor de negocio de las inversiones en TI [2]. Al TI ser parte del negocio, empieza a ser transversal a cualquier parte de la organización, que tiene que ir desde la prestación del servicio, el recursos humano, la estrategia, las metas corporativas, la infraestructura, la gestión, la ley y ética, lineamientos legales, entre otras. Las organizaciones necesitan estar alineadas entre TI y negocio, por eso surge COBIT 5 que un marco de trabajo integral ayudando a las empresas a alcanzar sus objetivos de gobierno y gestión de las TI corporativas [4], mostrando una visión holística de la organización, asignando funciones específicas a TI como apalancamiento del negocio. Es muy importante tener en cuenta la gestión del portafolio de proyectos y la consolidación de la oficina de proyectos, de tal manera que todo proyecto realizado en la organización este alienado con las metas específicas del negocio. Cuando se habla de generación de valor se hace una promesa que genera diferentes tipos de expectativas para los involucrados. Es por eso que se debe plantear un proceso estructurado de beneficios que permita seguir un flujo de trabajo claro y organizado. 168

193 Este proceso permite encontrar los beneficios que se pueden llegar a obtener de los proyectos de TI luego de su implementación. Es muy importante recordar que un beneficio se obtiene cuando se genera valor. 5. GENERANDO BENEFICIOS DESDE UNA ARQUITECTURA EMPRESARIAL Un proyecto de arquitectura empresarial al ser transversal para la organización debe tener en cuenta a todos los colaboradores de la organización. Si estos no están satisfechos con el ejercicio de arquitectura, este solo será archivado como un proyecto más. Este tipo de proyectos duran demasiado tiempo (Depende del tamaño de la organización) generando un riesgo bastante grande, pues lo que se puede llegar a proponer, tal vez ya no sea lo que necesita la organización. Es por eso que se deben recordar las metodologías agiles de desarrollo de software cuando sugieren trabajar por pequeñas fases e iteraciones, generando resultados más rápidos y tangibles. Dentro del marco de referencia TOGAF 9.1, en su metodología habla del ADM (Architecture Development Method) el cual es un manual de buenas prácticas para desarrollar el contenido de la arquitectura y llevar a cabo la realización de las arquitecturas planteadas [5]. Luego de revisar ese método, se ha llegado a la conclusión que hace falta incluir la gestión de beneficios desde la definición del proyecto de arquitectura, el desarrollo del mismo y el post proyecto pues dada su naturaleza, el valor intrínseco de una AE no será experimentado por sus grupos de interés directamente, sino sólo indirectamente [6] Al existir esta necesidad, se desarrollará un modelo de medición de beneficios para una arquitectura empresarial basada en TOGAF 9.1. Tomando como punto de partida los aportes de Andreas Dietzsch, Christian Kluge y Michael Rosemann el cual está reflejado en el artículo How to Realise Corporate Value from Enterprise Architecture [6] y el artículo de Niemi Eutu Enterprise Architecture Benefits: Perceptions from literature and Practice [1]. Generando un modelo que tenga en cuenta los beneficios que pueden generarse para los interesados y evaluar si un proyecto de arquitectura empresarial está aportando realmente a la productividad organizacional. Para generar este modelo se han propuesto los siguientes pasos: 1) Definir los beneficios esperados con el proyecto: Trabajo conjunto que se realiza con los interesados de alto nivel de la organización para conocer los beneficios esperados. 2) Definir un conjunto de indicadores de los beneficios esperados: Los beneficios se deben medir, para ello se define un conjunto de indicadores, para hacer un comparativo entre el estado actual y el deseado. También es importante revisar cada uno de los componentes de la arquitectura (Documentos, artefactos, fases de TOGAF, habilidades del equipo de proyecto, gestión del cambio, entre otras) [7] 3) Re-definir los indicadores y beneficios, basados en las metas de gobierno de TI de COBIT 5 y el estado colombiano: COBIT 5 es el compendio de buenas prácticas de gobierno corporativo y gobierno de TI, es por eso que los indicadores que se definan, al igual que los beneficios deben estar relacionados con esas buenas prácticas. 4) Establecer el estado actual de los indicadores: Para determinar si se cumple o no con los beneficios, es necesario diseñar una serie de instrumentos que permitan conocer el estado actual, para en un futuro realizar los comparativos necesarios y generar planes de mejora a partir de los resultados obtenidos. 5) Construir modelo de medición para cada uno de los indicadores: Un modelo de arquitectura empresarial debe apuntar hacia una mayor aceptación general como un pre-requisito para su uso real [6], es por eso que cada indicador se debe evaluar por aparte. El modelo será construido tomando como referencia los modelos: Éxito de un sistema de información y realización del valor de una arquitectura empresarial. Realizando una adaptación para el marco de referencia TOGAF 9.1 6) Definir un cuadro de mando para realizar seguimiento: Donde se mostrará el estado de cada indicador mediante una aplicación para Office

COPYRIGHT Derechos de Autor y Permiso de Reimpresión:

COPYRIGHT Derechos de Autor y Permiso de Reimpresión: COPYRIGHT Derechos de Autor y Permiso de Reimpresión: Se permite extraer partes del libro siempre y cuando se den los créditos a la fuente. Se les permite fotocopiar a las Bibliotecas para su uso privado

Leia mais

VII CONGRESSO IBÉRICO DE DIDÁTICA DA GEOGRAFIA

VII CONGRESSO IBÉRICO DE DIDÁTICA DA GEOGRAFIA VII CONGRESSO IBÉRICO DE DIDÁTICA DA GEOGRAFIA INVESTIGAR PARA INOVAR NO ENSINO DA GEOGRAFIA Alicante, Espanha - 20 e 21 de Novembro de 2015 INRODUÇÃO Convite a todos os professores O Grupo de Didática

Leia mais

Capacitación de Docentes en la Zona «Central Este»

Capacitación de Docentes en la Zona «Central Este» Programme de Recherche et d Enseignement en Statistique Appliquée Capacitación de Docentes en la Zona «Central Este» Talleres Pedagógicos III Ciclo de Capacitación de Docentes Conferencia Internacional

Leia mais

Projetos compartilhados

Projetos compartilhados espaço ibero-americano espacio iberoamericano Projetos compartilhados OEI inicia o Programa Arte-educação, Cultura e Cidadania e o Projeto Ibero-americano de Teatro Infantojuvenil A aprendizagem da arte

Leia mais

EMA2 Lote 7 SUD-UE Lista oficial de candidatos en reserva// Reserve list

EMA2 Lote 7 SUD-UE Lista oficial de candidatos en reserva// Reserve list EMA2 Lote 7 SUD-UE Lista oficial de candidatos en reserva// Reserve list UID Home university Host university Country SUDU1400004 SUDU1400007 Universidad Nacional de Córdoba Univeristá degli Studi di Perugia

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UN SELLO DE CALIDAD EN LAS RELACIONES BILATERALES FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UM SELO DE QUALIDADE NAS RELAÇÕES BILATERAIS FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL diseño

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos

161718 - Agrupamento Escolas Castro Daire 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Castro Daire. Relação de Alunos 343717 - Escola Básica dos 2.º e 3.º s de Castro Daire Turma : A 1498 1 Ana Catarina Costa Esteves 14920 2 Ana Francisca da Silva Fernandes 16292 3 Beatriz Monteiro Andrade 14409 4 Camila Almeida Oliveira

Leia mais

SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2

SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2 SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2 A IMPORTÂNCIA DO CONTEXTO GEOECONÔMICO DE FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO DE POBREZA PARA A GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA-FAMÍLIA... 3 QUÉ

Leia mais

Centro de Pesquisas Interdisciplinares

Centro de Pesquisas Interdisciplinares Centro de Pesquisas Interdisciplinares em Ciências e Humanidades Universidade Nacional Autônoma do México A Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) é considerada a mais importante universidade

Leia mais

Por la Comisión Organizadora Local: Lorenzo J. Blanco Nieto (Coordinador General) Ricardo Luengo González (Coordinador de Actas)

Por la Comisión Organizadora Local: Lorenzo J. Blanco Nieto (Coordinador General) Ricardo Luengo González (Coordinador de Actas) INTRODUCCIÓN En el XI Simposio de la Sociedad Española de Educación Matemática, celebrado en la Universidad de La Laguna en Septiembre de 2007, se acordó la celebración en Badajoz del XII SEIEM. Su ubicación

Leia mais

Universidades Participantes 2011

Universidades Participantes 2011 Argentina Instituto Tecnológico Buenos Aires (ITBA) Pontificia Universidad Católica Argentina (UCA) Universidad Austral Universidad de Buenos Aires (UBA) Universidad del Norte Santo Tomás de Aquino (UNSTA)

Leia mais

1 of 5 04/24/2012 03:16 PM

1 of 5 04/24/2012 03:16 PM inicio países del mundo ranking mundial ranking por país ranking europeo ranking latino americano > inicio > top Latino América Datos del Ranking Top Latino América Universidades 1 a 100 de 100 Acerca

Leia mais

2ª REUNIÓN DEL CAPITULO EMERGENTE DEL PRME IBÉRICO (ESPAÑA Y PORTUGAL) 2ª REUNIÃO DO CAPÍTULO EMERGENTE DO PRME IBÉRICO (ESPANHA E PORTUGAL)

2ª REUNIÓN DEL CAPITULO EMERGENTE DEL PRME IBÉRICO (ESPAÑA Y PORTUGAL) 2ª REUNIÃO DO CAPÍTULO EMERGENTE DO PRME IBÉRICO (ESPANHA E PORTUGAL) 2ª REUNIÓN DEL CAPITULO EMERGENTE DEL PRME IBÉRICO (ESPAÑA Y PORTUGAL) 2ª REUNIÃO DO CAPÍTULO EMERGENTE DO PRME IBÉRICO (ESPANHA E PORTUGAL) Fecha / Data: 10 de febrero de 2015 Lugar / Lugar: Universidad

Leia mais

III Encuentro de las Ciencias Humanas y Tecnológicas para la integración de la América Latina y el Caribe

III Encuentro de las Ciencias Humanas y Tecnológicas para la integración de la América Latina y el Caribe Simpósio 38 HISTORIA, CULTURA E NATUREZA A história ambiental é um campo historiográfico relativamente novo. Apesar do debate entre história e natureza não ser algo distante dos estudos históricos, a história

Leia mais

Tópicos relevantes (não excludentes): Pesquisa Educacional e Tecnologias: Experiências de uso educacional de tecnologias.

Tópicos relevantes (não excludentes): Pesquisa Educacional e Tecnologias: Experiências de uso educacional de tecnologias. Chamada de Trabalhos Nona Conferência Latino-Americana de Objetos e Tecnologias de Aprendizagem 20-24 Outubro 2014 Manizales, Colômbia http://www.laclo.org/laclo2014 A América Latina está imersa atualmente

Leia mais

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ

11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 11º GRANDE PRÉMIO DE S.JOSÉ 1 FRANCISCO PEREIRA 36 SENIOR MASC. VITÓRIA S.C. 20.23 2 ANDRE SANTOS 48 SENIOR MASC. C.A.O.VIANENSE 20.27 3 JORGE CUNHA 3 SENIOR MASC. S.C.MARIA DA FONTE 21.14 4 DOMINGOS BARROS

Leia mais

IMAGENS NO ENSINO DE MATEMÁTICA

IMAGENS NO ENSINO DE MATEMÁTICA IMAGENS NO ENSINO DE MATEMÁTICA Simone da Silva Soria Medina, Ana Maria Petraitis Liblik, Zuleica Faria de Medeiros moni@ufpr.br, ampliblik@gmail.com, zmedeiro@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil

Leia mais

5 to Congreso Latinoamericano de Investigación Turística

5 to Congreso Latinoamericano de Investigación Turística 5 to Congreso Latinoamericano de Investigación Turística Tema: Fortalecimiento e Integración de la Investigación en Turismo en América Latina Objetivo del evento: Contribuir a estrechar los lazos entre

Leia mais

COMITÉ ACADÉMICO DE ENERGÍA

COMITÉ ACADÉMICO DE ENERGÍA COMITÉ ACADÉMICO DE ENERGÍA PROGRAMA GENERAL REUNIÓN DEL COMITÉ ACADÉMICO DE ENERGÍA E XV SEMINARIO INTERNACIONAL DE ENERGÍA Y BIOCOMBUSTIBLES ORGANIZACIÓN: LOSE LABORATÓRIO DE OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS ENERGÉTICOS

Leia mais

Um estudo da cultura na formação de professores de E/LE na modalidade EaD

Um estudo da cultura na formação de professores de E/LE na modalidade EaD Um estudo da cultura na formação de professores de E/LE na modalidade EaD Ricardo Paulo Costa dos Anjos (UNEB) 1 Resumo: Na contemporaneidade é imprescindível que o professor de Língua Estrangeira (LE)

Leia mais

Jurisdições internacionais e evolução da ordem internacional

Jurisdições internacionais e evolução da ordem internacional COMITÉ CIENTÍFICO Presidente Honorário Manuel Pérez González Universidad Complutense de Madrid Wladimir Brito Universidade do Minho Castor Díaz Barrado Universidad Juan Carlos I de Madrid Pablo Antonio

Leia mais

NOVO EDITAL - ALUNOS ERASMUS 2011/2012

NOVO EDITAL - ALUNOS ERASMUS 2011/2012 NOVO EDITAL - ALUNOS ERASMUS 2011/2012 UNIVERSITAT DE VALÈNCIA (E VALENCI 01) Odontology Sara Marilyn Pereira de Jesus 4º João Ricardo Oliveira Ferreira de Moura - 4º Psychology Sara Lúcia Maia Murillo

Leia mais

Apresentação Eixos temáticos Comitês Participação Inscrição Programa Calendário Contato Sede Organização

Apresentação Eixos temáticos Comitês Participação Inscrição Programa Calendário Contato Sede Organização Apresentação Eixos temáticos Comitês Participação Inscrição Programa Calendário Contato Sede Organização APRESENTAÇÃO A Organização de Estados Iberoamericanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI),

Leia mais

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ.

3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. 223 3º ECOM.EDU Encontro de Comunicação e Educação de Ponta Grossa O TUTOR NA EAD: QUEM É E O QUE FAZ. Andréia Bulaty 70 GT2: Mídia e Educação à Distância Modalidade: Pôster Resumo: O presente trabalho

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

internacional MBA hispano-luso

internacional MBA hispano-luso internacional MBA hispano-luso MBA, sello de calidad Un MBA es el programa más cursado en todo el mundo, y goza del mayor r e c o n o c i m i e n t o y p r e s t i g i o internacional. Ofrece las mejores

Leia mais

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016

Escola sede: Escola Secundária de S. Pedro do Sul Alunos Matriculados - 2015/2016 13948 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Gabriela Pedro Fernandes Escola Básica n.º 2 de São Pedro do Sul 13933 5 A 2.º Ciclo do Ensino Básico Ana Júlia Capela Pinto Escola Básica n.º 2 de São Pedro do

Leia mais

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes Universidade Federal de Goiás brasucaya@yahoo.com.br A partir del primer semestre

Leia mais

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y

ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y ENTRE LA CASA DA AMÉRICA LATINA Y La CASA DA AMÉRICA LATINA, es una institución de derecho privado sin ánimo de lucro, con sede en la Avenida 24 de Julho, número 1188, en Lisboa, Portugal, representada

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011

Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superio Resultados da 1ª Fase do Concurso Nacional de Acesso de 2011 14286394 ALBANO LUIS ANDRADE PEREIRA Não colocado 14388714 ANA BEATRIZ MARTINS MACHADO Colocada em 3133 9104 14371141 ANA CATARINA MOREIRA LEAL Colocada em 7003 14319342 ANA CATARINA SOUSA RIBEIRO Colocada

Leia mais

CRONOGRAMA PARA APLICAÇÃO DAS PROVAS

CRONOGRAMA PARA APLICAÇÃO DAS PROVAS CRONOGRAMA PARA APLICAÇÃO DAS PROVAS Alberto Gomes da Silva Junior 19/02/2014: (4ª feira) - Prova oral de inglês = 9h Prova oral de espanhol = 9h20 André Luiz Bispo Oliveira 19/02/2014: (4ª feira) - Prova

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 ISSN 1852 8538 El Comité de Procesos Cooperativos y Asociativos - PROCOAS -, de la Asociación de Universidades

Leia mais

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1

Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Programas de Formação Docente em Educação Musical na América Latina 1 Teresa Mateiro Universidade do Estado de Santa Catarina Silvia Málbran Universidad de La Plata Edith Cisneros-Cohernour Universidad

Leia mais

Sumário / contents / contenido

Sumário / contents / contenido Sumário / contents / contenido EDITORIAL Perspectivas e comemorações na produção intelectual 415 de política e administração da educação Perspectives and celebrations in educational policies and administration

Leia mais

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1

RESULTADOS. Nome Global ( /100) PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840719 ADÃO AZEVEDO MALHEIRO MATOS BARBOSA 94 B1 PT1840720 ADRIANA MORAIS SOUSA 52 A1 PT1840721 ADRIANA XAVIER DA SILVA FERNANDES 38 Pré-A1 PT1840722 ALEXANDRA FILIPA AZEVEDO SANTOS 52 A1 PT1840723

Leia mais

Bolsas IBERO-AMERICANAS de Licenciatura Santander Universidades

Bolsas IBERO-AMERICANAS de Licenciatura Santander Universidades Bolsas IBERO-AMERICANAS de Licenciatura Santander Universidades Este Programa resultou de um convénio específico de colaboração entre a Universidade de Coimbra e o Banco Santander Totta que possibilita

Leia mais

América Latina: cidade, campo e turismo

América Latina: cidade, campo e turismo América Latina: cidade, campo e turismo Amalia Inés Geraiges de Lemos Mónica Arroyo María Laura Silveira [organizadoras] América Latina: cidade, campo e turismo / compilado por Amalia Inés Geraiges de

Leia mais

Secção Regional do Porto da Ordem dos Farmacêuticos. 1as Jornadas Atlânticas (Norte de Portugal-Galiza) de Cuidados Farmacêuticos

Secção Regional do Porto da Ordem dos Farmacêuticos. 1as Jornadas Atlânticas (Norte de Portugal-Galiza) de Cuidados Farmacêuticos SPCFar Secção Regional do Porto da Ordem dos Farmacêuticos 1as Jornadas Atlânticas (Norte de Portugal-Galiza) de Cuidados Farmacêuticos I Jornadas Atlânticas (Galicia-Norte de Portugal) de Atención Farmaceutica

Leia mais

Ensinar com TIC: Aprendizagem disruptiva, realidade aumentada e tecnologia wearable no ensino superior

Ensinar com TIC: Aprendizagem disruptiva, realidade aumentada e tecnologia wearable no ensino superior Ensinar com TIC: Aprendizagem disruptiva, realidade aumentada e tecnologia wearable no ensino superior Curso de Março a Abril de 2015 INSCRIÇÕES aceites por ORDEM DE CHEGADA workshops presenciais: até

Leia mais

MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA

MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA MEMORIA VISUAL DEL VIEJO OESTE PAULISTA: HISTÓRICO Y PRESERVACIÓN DE ACCIONISTAS DE VANGUARDIA

Leia mais

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião

COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA. Ata da Quarta Reunião ELEIÇÃO PARA OS ÓRGÃOS SOCIAIS DA ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO COMISSÃO ELEITORAL REDUZIDA Ata da Quarta Reunião Ao sexto dia do mês de novembro de dois mil

Leia mais

III Encuentro de las Ciencias Humanas y Tecnológicas para la integración de la América Latina y el Caribe

III Encuentro de las Ciencias Humanas y Tecnológicas para la integración de la América Latina y el Caribe Simpósio 28 Tecnologias da Informação e Comunicação, Linguagens Audiovisuais e Práticas Educativas na América Latina: experiências envolvendo a formação docente Este simpósio temático carrega o objetivo

Leia mais

BOLETÍN GENERAL DE LA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANPEPP RELATORÍA DE LA MESA DE HISTORIA DE LA PSICOLOGÍA

BOLETÍN GENERAL DE LA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANPEPP RELATORÍA DE LA MESA DE HISTORIA DE LA PSICOLOGÍA I ENCUENTRO BINACIONAL DE INVESTIGADORES BRASIL COLOMBIA: BOLETÍN GENERAL DE LA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS- GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA ANPEPP RELATORÍA DE LA MESA DE HISTORIA DE LA PSICOLOGÍA Participantes:

Leia mais

Problematizar os temas da sociedade, da cultura e da interculturalidade a partir do estudo e análise de obras cinematográficas.

Problematizar os temas da sociedade, da cultura e da interculturalidade a partir do estudo e análise de obras cinematográficas. Objectivos A Conferência Internacional de Cinema de Viana é um espaço de reflexão e de partilha de experiências visando a construção de uma comunidade internacional de interesses e de divulgação de projetos

Leia mais

Presidente Ignacio Sánchez - Reitor Universidade Católica de Chile - Chile. 1. María Heleza Nazaré - Universidade de Aveiro - Portugal

Presidente Ignacio Sánchez - Reitor Universidade Católica de Chile - Chile. 1. María Heleza Nazaré - Universidade de Aveiro - Portugal Programação: 27/07/2014 08h00 Universia Run 19h30 - Coquetel de boas-vindas no Morro da Urca 28/07/2014 09h00 - Abertura do evento 10h00 - Início da sessão plenária 12h00 - Almoço e networking 14h00 Debates

Leia mais

Pontificia Universidad Católica del Ecuador

Pontificia Universidad Católica del Ecuador I 1. DADOS INFORMATIVOS FACULTAD: FCLL CARRERA: Asignatura/Módulo: PORTUGUÉS III Código:10871 Plan de estudios: Nivel: III Prerrequisitos: Aprovado nível II Correquisitos: Período académico: II SEMESTRE

Leia mais

PROGRAMA. Colóquio Internacional Utreque 1715-2015: Diplomacia, Cultura e Fronteiras. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 15-17 de Junho de 2015

PROGRAMA. Colóquio Internacional Utreque 1715-2015: Diplomacia, Cultura e Fronteiras. Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 15-17 de Junho de 2015 PROGRAMA Colóquio Internacional Utreque 1715-2015: Diplomacia, Cultura e Fronteiras Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 15-17 de Junho de 2015 DIA 15 10:30-11:00 - BOAS VINDAS E ACTO INAUGURAL 11:00-12:00

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51 Nº Horário: 51 4625160693 Sofia Margarida Santos Ferreira Admitido 7197226139 Mónica Sofia Jesus Mateus Admitido 6392341730 Gonçalo Jorge Fernandes Rodrigues Fiúza Admitido 7816555741 Dora Maria Gonçalves

Leia mais

IV CONGRESSO INTERNACIONAL EM PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PYDES 2015 PROGRAMAÇÃO GERAL

IV CONGRESSO INTERNACIONAL EM PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PYDES 2015 PROGRAMAÇÃO GERAL IV CONGRESSO INTERNACIONAL EM PATRIMÔNIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PYDES 2015 PROGRAMAÇÃO GERAL Localidade: UNESP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais/ campus de Franca 01/12 (terça-feira) Tarde

Leia mais

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: Estágio 2 (espanhol) PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

Leia mais

IV REUNIÃO IBÉRICA DE PASTAGENS E FORRAGENS

IV REUNIÃO IBÉRICA DE PASTAGENS E FORRAGENS IV REUNIÃO IBÉRICA DE PASTAGENS E FORRAGENS 3-6 Maio de 2010 PASTAGENS - FONTE NATURAL DE ENERGIA PROGRAMA Zamora Miranda do Douro COMISSÃO ORGANIZADORA COMITÉ ORGANIZADOR ADELAIDE MIRANDA FERNANDES Direcção

Leia mais

Discapacidad Argentina, Brasil y Paraguay

Discapacidad Argentina, Brasil y Paraguay Prueba Piloto Conjunta sobre Discapacidad Argentina, Brasil y Paraguay Comitê do Censo Demográfico, IBGE Brasil Taller de Cierre y Conclusiones del Grupo de Trabajo Ronda Censos 2010 de la CEA-CEPAL CEPAL

Leia mais

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos

151713 - Agrupamento de Escolas de Mosteiro e Cávado 346652 - Escola E.B.2,3 do Cávado. Relação de Alunos 3452 - Escola E.B.2,3 do Cávado : A 137 1 Adriana Manuela Gomes Pinheiro 14 S S 20 2 Alexandra Pereira Ferreira 28 3 Ângelo Rafael Araújo Gomes S 28 4 Beatriz da Costa Oliveira S 2 5 Domingos Gonçalo Ferreira

Leia mais

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS

CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL LISTA PROVISÓRIA DE ALUNOS SELECIONADOS CURSO: ANIMADOR SOCIOCULTURAL Adriana da Conceição Palhares Lopes Alexandra Rodrigues Barbosa Ana Salomé Lopes Queirós Andreia Dias da Costa Bianca Patricia Gonçalves Ramos Carina Filipa Monteiro Rodrigues

Leia mais

Sobre os autores. Ucy Soto Mônica Ferreira Mayrink Isadora Valencise Gregolin (orgs.)

Sobre os autores. Ucy Soto Mônica Ferreira Mayrink Isadora Valencise Gregolin (orgs.) Sobre os autores Ucy Soto Mônica Ferreira Mayrink Isadora Valencise Gregolin (orgs.) SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros SOTO, U., MAYRINK, MF., and GREGOLIN, IV., orgs. Linguagem, educação e

Leia mais

Introdução: Português e Espanhol na Tríplice Fronteira

Introdução: Português e Espanhol na Tríplice Fronteira Área temática: Comunicação; VALORES LINGUÍSTICOS NA TRÍPLICE FRONTEIRA Thiago Bolivar 1 Daniela Martello 2 Keren Victoria Oviedo Wright 3 Palavras chave: sociolinguística, acomodação comunicativa, tríplice

Leia mais

João dos Anjos CBPF. João dos Anjos - CBPF

João dos Anjos CBPF. João dos Anjos - CBPF João dos Anjos CBPF 33a Reunión Ordinaria del Consejo Directivo del Centro Latino Americano de Física (CLAF) 05 y 06 de diciembre de 2012 en Varadero, Cuba. 1959: organizada por Marcos Moshinsky no México

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014

ESCOLA E.B. 2,3 DE LAMAÇÃES 2013-2014 5º1 1 ANA CATARINA R FREITAS SIM 2 BEATRIZ SOARES RIBEIRO SIM 3 DIOGO ANTÓNIO A PEREIRA SIM 4 MÁRCIO RAFAEL R SANTOS SIM 5 MARCO ANTÓNIO B OLIVEIRA SIM 6 NÁDIA ARAÚJO GONÇALVES SIM 7 SUNNY KATHARINA G

Leia mais

MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO

MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO MEDIADORES TECNOLÓGICOS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. CARTOGRAFIA DE UM CASO FRENTE AOS DESAFIOS NO CONTEXTO AMAZÔNICO Jucimara Canto Gomes, Zeina Rebouças Corrêa Thomé Universidade Federal do Amazonas jucimaracanto@hotmail.com

Leia mais

Cooperação entre instituições de ensino superior portuguesas e cubanas

Cooperação entre instituições de ensino superior portuguesas e cubanas Cooperação entre instituições de ensino superior portuguesas e cubanas Instituição Portuguesa Instituição Cubana Objectivos / áreas de cooperação Validade Universidade do Algarve Universidade de Pinar

Leia mais

Projeto BABEL Buenos Aires, São Paulo, Belo Horizonte. 1995, 1994, 1993

Projeto BABEL Buenos Aires, São Paulo, Belo Horizonte. 1995, 1994, 1993 Projeto BABEL Buenos Aires, São Paulo, Belo Horizonte. 1995, 1994, 1993 Apresentação Projeto na Embajada Brasileira_ Buenos Aires Apresentação Projeto na Embajada Brasileira_ Buenos Aires Conceito_Participantes

Leia mais

REDEMPRENDIA: UMA APOSTA NO EMPREENDEDORISMO UNIVERSITÁRIO

REDEMPRENDIA: UMA APOSTA NO EMPREENDEDORISMO UNIVERSITÁRIO REDEMPRENDIA Dossier de informação 2013 REDEMPRENDIA: UMA APOSTA NO EMPREENDEDORISMO UNIVERSITÁRIO A RedEmprendia (www.redemprendia.org) é uma rede universitária ibero-americana que visa promover a transferência

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 16/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 16/2015 Campus São João del-rei Tema 01: GÊNERO E TIPOLOGIA TEXTUAL Para Luiz Antônio Marcuschi (2002), os gêneros textuais são artefatos culturais construídos historicamente pelo ser humano, textos materializados que usamos em nosso

Leia mais

Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra. Data final da candidatura : 2014-02-03. Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57.

Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra. Data final da candidatura : 2014-02-03. Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57. Nome da Escola : Agrupamento de Escolas Ruy Belo, Sintra Data final da candidatura : 2014-02-03 Disciplina Projeto: Higiene, Saúde e Segurança no trabalho Ficheiro gerado em : 06/02/2014 17:02:57 Nº Candidato

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

Amanda Cardoso de Melo

Amanda Cardoso de Melo Aime Pinheiro Pires participou da palestra: Empreendedor De Sucesso, Amanda Cardoso de Melo Amanda Loschiavo Amoiré Santos Ribeiro Ana Carolina Pereira Pires Ana Carolina Pioto Magalhães Ana Cristina Angelo

Leia mais