Duelo de Viscondes nas origens da História Contábil Bancária brasileira: uma análise comparativa entre Cairu e Souza Franco ( ).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Duelo de Viscondes nas origens da História Contábil Bancária brasileira: uma análise comparativa entre Cairu e Souza Franco (1808-1857)."

Transcrição

1 Duelo de Viscondes nas origens da História Contábil Bancária brasileira: uma análise comparativa entre Cairu e Souza Franco ( ). 1 Marcus Antônio Croce 2 Mirna Valéria Coimbra Dias 3 RESUMO: O presente artigo busca compreender a evolução do pensamento econômico brasileiro durante a formação de seu sistema bancário e o desenvolvimento da teoria da contabilidade bancária no país. A pesquisa parte do ano de 1808, quando o Visconde de Cairu era a referência na área de contabilidade, e vai até 1857, ano em que o Visconde de Souza Franco começou a se contrapor ao pensamento de Cairu, elaborando uma nova forma de se operar na contabilidade bancária. Na conclusão, pretende-se demonstrar como se deu uma transformação positiva na teoria da contabilidade bancária brasileira, comparando-se pensamentos econômicos opostos num período incipiente desse segmento contábil no país. Palavras chave: Bancos; Contabilidade Bancária; Desenvolvimento. 1 Artigo apresentado ao segundo ECRF coordenado pelo Departamento de Ciências Contábeis da USP e pela equipe da Revista Contabilidade e Finanças, vinculada a esse Departamento. 2 Professor substituto da FACE-UFMG, Doutorando em Economia pelo CEDEPLAR/UFMG Bolsista do CAPES-REUNI, Mestre em História Social pela UFF e graduado em História pela UFJF. 3 Graduada em Matemática pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro UERJ.

2 Introdução Em 1808 acontece no Brasil o evento da chegada da Família Real, que passa a ser um marco na História do Brasil uma vez que foi um momento onde o Brasil começa a ser a sede do império colonial português. Nesse período, os ventos da teoria liberal divulgada por Adam Smith chegavam junto com os membros intelectuais da Corte de Portugal que desembarcavam em terras brasileiras. Tais intelectuais viam a necessidade do Brasil se abrir ao comércio exterior e adotar a teoria da vantagem absoluta smithiana. 4 Conjugando a chegada da Família Real com o pensamento liberal instaurou-se o conceito de que a colônia brasileira, agora sede do Império, teria que se preparar para uma abertura dos portos. Tal abertura seria um mecanismo propulsor em negociação de importação e exportação de manufaturados. Visando então uma instituição que atendesse ao dispêndio governamental da Coroa e também um mecanismo catalisador de recursos para girar um capital para a exportação de manufaturados, se fazia como condição de primeira ordem a criação de uma instituição bancária. Então é dentro desse contexto que D. João VI como príncipe regente, através do alvará de 12 de outubro de 1808, funda o primeiro banco em solo brasileiro, o Banco do Brasil. A instituição começa suas atividades em 1809, mesmo ano em que José Antônio Lisboa, o futuro e conhecido Visconde de Cairu, o mais promissor dos intelectuais liberais que desembarcaram com a Coroa portuguesa como mencionamos acima, é nomeado a ministrar aulas de Comércio no Brasil, se tornando o primeiro professor de Contabilidade no país sendo denominado por muitos estudiosos, patrono da Contabilidade no Brasil. Cairu também ficou caracterizado na história econômica 4 A teoria da vantagem absoluta de Adam Smith coloca que cada país deve concentrar seus esforços no que pode produzir a custo mais baixo e trocar o excedente dessa produção por produtos que custem menos em outros países. Em suma, cada país deve especializar-se no produto que produz de forma mais eficiente. 2

3 brasileira pelo fato de também ter elaborado o Código Comercial Brasileiro, instrumento esse que regulava as atividades econômicas no país. 5 O Visconde de Cairu foi um dos conselheiros de D. João VI e de D. Rodrigo de Souza Coutinho, o Conde de Linhares, esse último idealizador do Banco do Brasil 6. As atividades do banco, elaboradas em seu estatuto por Linhares que se consultava com Cairu, estariam voltadas para o interesse de cobrir as despesas da Coroa, sem nenhum vínculo com um compromisso de desenvolvimento econômico via indústria e setores estratégicos como se deram em países avançados na Europa Central e Estados Unidos da América. Cairu defendia que a economia brasileira só se faria desenvolvida se operasse apenas no setor agrário de exportação. Tal concepção partia da teoria da vantagem absoluta de Adam Smith, como citamos anteriormente, concluindo que cada país deve se especializar e concentrar seus esforços em seu melhor produto para comerciar com outros países. Apesar de como afirmamos anteriormente, o fato do Banco do Brasil ser criado para também ser um mecanismo voltado para operar em exportações e importações e de alguma forma incentivar a produção de manufaturados no país, veremos no decorrer desse artigo que esse interesse passou muito despercebido e com uma atuação insignificante. Na década de 1840, a evolução do pensamento econômico influenciado por um desenvolvimento que acontecia na Europa e E.U.A., onde bancos impulsionavam o crescimento regional numa relação banco/indústria, ganha força em território brasileiro. No Brasil já independente e sob a égide do governo do imperial de D. Pedro II, surge a divulgação do pensamento de Bernardo Souza Franco, futuro Visconde Souza Franco, inserindo premissas inovadoras no campo da contabilidade bancária. As premissas sugeridas por Souza Franco eram divergentes do pensamento de Cairu e buscavam concretizar a relação causa e efeito de banco e indústria. Souza Franco elaborou uma nova contabilidade bancária através de um modelo, alertando sobre a necessidade de que uma estrutura bancária eficiente seria fundamental 5 A respeito dessa colocação ver a dedicatória de Pinto de Aguiar em seu livro A abertura dos portos: Cairu e os ingleses (1958), onde se lê a José da Silva Lisboa, Visconde de Cairu, patrono dos economistas brasileiros... 6 A respeito do Conde de Linhares, é relevante citar aqui que esse membro da Corte foi um dos expoentes na criação de bancos no Brasil. Antes da chegada da Família Real, o Conde de Linhares já havia apresentado projetos significativos para a criação de bancos no Brasil colonial. A respeito de informações mais detalhadas sobre esse assunto ver: AGUIAR, P. Bancos no Brasil Colonial. Livraria Progresso, Salvador. Bahia,

4 para o desenvolvimento do país. Dessa forma, Souza Franco como ministro da Fazenda, demonstrou a eficiência de seu modelo ao enfrentar uma das maiores crises financeiras acontecidas no Brasil, o episódio do pânico de 1857, onde o papel do Banco do Brasil em parceria com o Banco Mauá-McGregor foi decisivo para aniquilar a correria aos bancos que se deu por razões externas, ou seja, uma crise financeira internacional. 7 A fim de demonstrar então essa evolução na teoria da contabilidade bancária no Brasil no período entre , ou seja, em um momento incipiente da inauguração de bancos no Brasil, adotamos a seguinte metodologia: No primeiro tópico buscamos através de uma bibliografia eclética e bem apurada a respeito do tema, de autores como Carlos Manoel Pélaez e Wilson Suzigan, Nícia Vilela Luz, Pinto de Aguiar e dentre outros, analisar a visão econômica de Cairu em relação ao Brasil e sua forma de vincular banco com desenvolvimento. Nesse contexto percebemos como Cairu utiliza-se de teorias que na verdade, apesar de se dizer seguidor em um sentido toma caminhos opostos por outros. É o caso da sua visão no que se refere à teoria bancária de Adam Smith, ou seja, é liberal em sua concepção sem abrir mão de um mercantilismo por outro. A concepção de contabilidade bancária da Escola de Cairu mostra-se na prática ineficiente, onde o resultado da primeira gestão do Banco do Brasil da qual fez parte teve um final desastroso.conforme expõe o historiador Afonso Arinos de Mello Franco: (...) podemos dizer que se encontra, por antecipação, delineado o organismo do primeiro Banco do Brasil, com as suas vantagens e desvantagens e inconvenientes, ao mesmo tempo utilíssimo e inviável, eivado de uma contradição fundamental que, através de turbulentos episódios, e apesar de imensos serviços prestados por ele ao país, o levaria a estrondoso e melancólico fracasso. (FRANCO, 1973: pp ). Percebemos nesse primeiro tópico do trabalho então, como a visão de Cairu no que se referia à contabilidade bancária era totalmente divergente do pensamento de 7 O Banco Mauá-McGregor tinha como seu fundador o Visconde Mauá e é interessante colocarmos aqui que Souza Franco e Mauá possuíam o mesmo pensamento na questão da contabilidade bancária, ou seja, pluraridade do setor bancário e aumento de emissão em prol do desenvolvimento do país. Veremos no segundo tópico desse artigo, como essa relação Souza Franco/Mauá era uma cumplicidade uma vez que, o Banco Mauá-McGregor foi fundado através de uma intervenção de Souza Franco e que esse mesmo banco teve um papel fundamental para que Souza Franco quando ocupava o cargo de ministro da Fazenda superasse uma crise financeira grave em

5 teóricos dos países desenvolvidos localizados na Europa Central e América do Norte, aonde o sistema bancário teve uma relação direta no desenvolvimento industrial. No segundo tópico, além de seguir a mesma linha bibliográfica do primeiro tópico, incluímos também uma bibliografia de estudiosos do desenvolvimento bancário internacional que demonstram o início dos bancos de desenvolvimento. Através das informações obtidas por esses trabalhos percebemos a partir daí então, como tal fato ecoou no Brasil. A consulta desses dados nos levou a enriquecer esse trabalho e perceber que diante desse contexto é nos dada a oportunidade de detectar como o Visconde de Souza Franco trouxe um pensamento inovador à contabilidade bancária brasileira, apenas poucas décadas depois do pensamento econômico de Cairu predominar nos meios acadêmicos da época estudada. O pensamento de Souza Franco como escreve Peláez e Suzigan (1981) é visto como incomum no Brasil nesse período, uma vez que o país vivia sob um regime imperial e o desenvolvimento econômico via banco no país era considerado um fator muito secundário. Através de nossos estudos percebemos que Souza Franco contribuiu significativamente para a evolução da contabilidade bancária no Brasil elaborando um modelo contábil bancário significativo. Tal contribuição rendeu ao Visconde de Souza Franco a oportunidade de ser Ministro da Fazenda e colaborar com diretrizes positivas no Banco do Brasil, justificando sua correlação com o desenvolvimento econômico do país. O objetivo de nosso artigo então é abordar uma comparação entre o pensamento econômico do Visconde de Cairu versus o do Visconde Souza Franco, comparação essa que interfere diretamente na teoria de contabilidade bancária brasileira. Através dessa abordagem esperamos detectar o quanto a teoria da contabilidade bancária no Brasil evoluiu nesses momentos de sua origem, sempre respeitando as especificidades dos períodos analisados. 5

6 1 A visão de Cairu sobre economia brasileira e contabilidade bancária: um retrocesso ao mercantilismo Podemos dizer que a inserção do sistema bancário no Brasil ocorreu através do alvará de 12 de outubro de 1808, expedido pelo príncipe regente D. João VI, na cidade do Rio de Janeiro. Nesse ano, como expõe Ribeiro de Andrada (1923), é aprovada a liberação de funcionamento do Banco do Brasil, e, a partir de 1809, o banco exerce suas atividades junto ao público, prestando serviços bancários, tais como depósitos, desconto e emissão. O Banco do Brasil foi criado com os objetivos de financiar as altas despesas da Coroa Portuguesa e investir no comércio exterior. O objetivo de investir no comércio exterior constituía-se num aspecto positivo, uma vez que a ideia do governo, ao criar um banco na colônia, era promover a exportação de manufaturados nacionais. Para por em prática essa iniciativa, uma instituição bancária seria necessária para geração de um capital de giro abundante. De acordo com o alvará de D. João VI: Sou servido ordenar que nesta capital se estabeleça um Banco Público, que na forma dos Estatutos, que este baixam, assinados por Dom Fernando José de Portugal, do meu Conselho de Estado, ministro Assistente do Real Erário e secretário de Estado dos Negócios do Brasil, ponham em ação os cômputos estagnados, assim em gêneros comerciais como em espécies; Cunhadas, promova a indústria nacional pelo giro, e combinação dos capitais isolados, e facilite juntamente aos meios, e aos recursos, de que as minhas rendas reais e as públicas necessitarem para ocorrer às despesas do Estado. (Acervo Histórico do Banco do Brasil Fazenda Comunicação & Marketing, 2010: p.15). No entanto, a proposta do alvará expedido por D. João VI não encontraria um respaldo significativo com o pensamento do Visconde de Cairu. Cairu influenciou diretamente, através de seus conselhos nas decisões econômicas no Brasil nesse período. Apesar de terem sido elaboradas no alvará de 28 de abril de 1809 medidas baseadas nas idéias de Cairu como: isenção do imposto para manufaturados nacionais, uso obrigatório de manufaturados nacionais pelas tropas reais, direitos exclusivos por 14 anos para inventores e inovadores de nova maquinaria e a distribuição anual de 60 6

7 mil cruzados obtidos em loteria publicam para industriais do ramo têxtil e siderúrgico, tais medidas foram mal sucedidas na promoção do desenvolvimento econômico no Brasil nesse período pela falta de uma melhor estrutura bancária no país. De acordo com Peláez e Suzigan (1981), a filosofia econômica da Escola de Cairu influenciou a forma como o Banco do Brasil direcionaria seus objetivos. O contexto de suas idéias seguia a teoria dos fisiocratas franceses, com propostas de mudanças liberais na política econômica sem abrir mão do mercantilismo. Ainda segundo esses autores, Cairu era fortemente influenciado pela teoria da vantagem absoluta de Adam Smith no que se referia ao comércio internacional e ao bem-estar das populações (ver nota de rodapé 4 desse artigo). Podemos perceber que Cairu seguia também o pensamento dos políticos norteamericanos Thomas Jefferson e Benjamin Franklin, na questão da industrialização nacional. De acordo com seus escritos e sob uma ótica normativa: As fábricas que por ora mais convém no Brasil são as que proximamente se associam à agricultura, comércio, navegação e artes de geral acomodação do povo (LISBOA, 1810: 1-10 In: LUZ, 1975: 22). Vemos então que o pensamento de Cairu coincidia com a visão de Jefferson, sendo que esse último alertava que os Estados Unidos deveria ser uma nação agrícola e não manufatureira. É bom lembrar que Jefferson tinha um grande opositor a seu pensamento em seu país: Alexander Hamilton, que chegou a ser Secretário do Tesouro norte-americano e que propunha ao seu país seguir um caminho de desenvolvimento guiado pela manufatura e comércio. Hamilton considerava também que uma estrutura bancária eficiente seria um mecanismo fundamental rumo ao desenvolvimento econômico. É interessante observar aqui uma comparação feita por David Landes (1998) envolvendo Cairu e Hamilton. De acordo com esse autor, enquanto Hamilton buscava para os E.U.A. o desenvolvimento industrial para nivelar-se com a Europa, Cairu defendia o Brasil baseado em uma economia agrária. No entendimento do conselheiro José da Silva Lisboa, a industrialização no Brasil teria que seguir os seguintes princípios: Não competir com produtos industrializados europeus, devido a estes serem superiores. O Brasil deveria direcionar suas atividades econômicas em torno da lavoura, do comércio exterior (exportação de matérias-primas), do transporte oceânico e dos bens de consumo. 7

8 Uma política de auto-suficiência impediria o Brasil de seguir os caminhos de crescimento abertos pelo comércio internacional Não fornecimento de subsídios para a indústria incipiente no Brasil (nesse contexto não seria função dos bancos financiarem investimentos em setores estratégicos de infra-estrutura). Analisando as propostas de Cairu, e sua forte influência sobre as diretrizes econômicas seguidas pela Coroa Portuguesa no Brasil, percebe-se que o primeiro Banco do Brasil, que lançou as bases para o sistema bancário do país, teve início fundando-se em teorias filosóficas divergentes dos países desenvolvidos. O Banco do Brasil dessa forma não seguia uma dinâmica desenvolvimentista, envolvendo uma relação com a indústria, mas sim numa via de retrocesso, de entesouramento da riqueza em poucas mãos, ou seja, da Coroa e de sua Corte, uma vez que o banco tinha como objetivo central gerir recursos para o dispêndio governamental, demonstrando aí características centrais do mercantilismo. Sabe-se que banco e indústria exercem papéis complementares, de causa e efeito, pois os bancos são o motor de crédito na indústria. 8 Infelizmente, no Brasil essa relação de causa e efeito não se realizou nesse período, uma vez que o Visconde de Cairu, principal referência do pensamento econômico brasileiro nesse momento, não apoiava a idéia de desenvolvimento industrial no Brasil como podemos perceber em seus princípios demonstrados acima. Neste aspecto, Cairu divergia das idéias de Adam Smith, para quem as instituições creditícias têm um importante papel no processo de modernização econômica ao apoiar a dinâmica industrial. 9 Sendo assim, o sistema bancário brasileiro, representado pelo Banco do Brasil nesse período, não se constituiu num mecanismo propulsor do desenvolvimento industrial, como aconteceu na Europa Central e nos Estados Unidos da América. Este banco, depois de 20 anos recebendo privilégios da Coroa e outras formas de subsídios, porém gerando receitas para cobrir o dispêndio governamental, foi liquidado por razões 8 A respeito da questão que envolve o papel desenvolvimentista dos bancos e indústria ver CAMERON R. E., Banking in the Earls Stages of Industrialization (New York: Oxford University Press, A respeito de maiores detalhes sobre essa visão eclética da teoria de Adam Smith utilizada por Cairu ver VIANA V. O Banco do Brasil, sua Formação, seu Engrandecimento, sua Missão Nacional. Rio de janeiro, Tipografia do Jornal do Comércio,

9 que, segundo Souza Franco (1984), envolviam má administração, má qualificação de funcionários e descontrole de capitais, gerando sua insolvência. Para compreendermos mais sobre o início do Banco do Brasil e sua trajetória decadente em seus primeiros 20 anos, temos que conhecer sua estrutura. De acordo com seu Estatuto, o banco era constituído por um capital inicial de contos de réis, divididos em ações no valor de contos de réis cada uma. O Banco iria operar, a princípio, somente com depósitos, descontos e emissão. A Assembléia do banco seria constituída por 40 acionistas majoritários e quatro diretores. Os membros da primeira diretoria seriam nomeados pela Coroa, e, posteriormente, seriam escolhidos pela Assembléia do Banco. A liberação para funcionamento do banco foi concedida em 1808, mas suas atividades só começaram em 1809, como citamos anteriormente. Entretanto, em 1810, tinham sido vendidas apenas 10% de suas ações. Este fato demonstrava o baixo nível de atividade econômica existente no país, marcado por restrições mercantilistas e seguidas por Cairu. Em 1812, como observa Viana (1926), o Marquês de Baependi já levantava suspeitas sobre a longevidade do Banco do Brasil, observando que os subsídios dados pela Coroa à instituição não seriam suficientes para garantir sua sustentabilidade. A Coroa Portuguesa toma então a primeira medida visando garantir a manutenção do Banco do Brasil. É expedida uma Carta Régia, em 22 de agosto de 1812, direcionada ao Conde de Palma, Capitão Geral da Capitania de Minas Gerais. A Carta pedia aos capitalistas, empresários e funcionários públicos locais que comprassem ações do banco, em prol do seu desenvolvimento. Amaro Cavalcanti (1983) comenta que no conteúdo dessa Carta Régia está expresso também que as receitas de novas medidas tributárias seriam depositadas no Banco do Brasil por um período de 10 anos. Em 1814, a Coroa concedeu mais privilégios ao Banco do Brasil, com o objetivo de demonstrar a importância desse empreendimento para a sociedade. O governo esperava, assim, aumentar o capital da instituição em pelo menos contos de réis. O Ato Legislativo de 24 de setembro de 1814 decreta que a dívida do Banco do Brasil passaria a ser uma dívida do Tesouro Real e as atividades do banco, que antes eram restritas somente à praça do Rio de Janeiro, se expandiriam, inaugurando-se uma filial na Bahia. A agência baiana poderia operar com redescontos de letras e operações hipotecárias, e sua dívida também ficaria atrelada ao Tesouro Real. 9

10 Todavia, o atraso na estrutura bancária no Brasil, segundo Viana (1926), e suas medidas burocráticas, como lentidão excessiva de liberar autorização para funcionamento de casas bancárias vinculadas ao Código Comercial elaborado por Cairu era uma realidade desse período. Um exemplo claro da colocação de Viana foi o fato do governo aprovar o funcionamento da filial do Banco do Brasil na Bahia em 1814, sendo que essa agência só começou a operar em 1818, quatro anos depois. De fato, a estrutura bancária do Brasil se mostrava muito precária, sem capacitação adequada e sem o estímulo do investimento na industrialização, como vimos anteriormente. A má administração do Banco do Brasil e a baixa qualificação profissional de seus funcionários para atuar no setor bancário tomam forma nas palavras do próprio Visconde de Cairu, quando este era diretor do Banco do Brasil, segundo o qual houve até prisões envolvendo negociantes e corretores da instituição, que confessaram o mau uso que se fazia dos seus fundos e da prevaricação de seus empregados (SOUZA FRANCO, 1984: 21). A insolvência do Banco do Brasil nesse período se mostra no descontrole em manter suas contas de ativo e passivo niveladas. A Coroa Portuguesa, como controladora do banco e através de medidas elaboradas pelo Conde Linhares e Cairu, exigia da instituição a prática de emissões excessivas, uma vez que a maior premissa do Banco era financiar gastos do governo, mantendo seu patrimônio ativo sempre superior ao passivo. Esse desnivelamento desencadeou uma série de desregulações financeiras, impossibilitando o banco de manter um lastro metálico sólido e incapacitando-o a dar suporte creditício ao investimento industrial. De acordo com a tabela a seguir podemos perceber o grau de insolvência no Banco do Brasil: 10

11 Tabela 1 Balanço de Crédito e Débito do Banco do Brasil em 1821 Crédito do Banco Débito do Banco Efeitos de carteira incluídos 419:311$ de letras processadas :730$000 Moeda metálica na caixa central e filiais :439$000 Total :169$000 Bilhetes emitidos na circulação...8:872:450$000 Quantias recebidas para saques...662:405$000 Depósitos a juros...244:842$000 Letras de Montevidéu a pagar...229:896$000 Dividendos por pagar e outros credores...142:035$000 Depósitos públicos...482:084$000 Total :712$000 Fonte: SOUZA FRANCO, B. Os Bancos do Brasil. Editora Universidade de Brasília, 1984 Segundo os dados apresentados acima, percebe-se que o Banco do Brasil se encontrava com um saldo negativo de 6.015:543$000. Deste fato pode-se concluir que, na contabilidade dessa instituição, seus recursos eram insuficientes para trocar suas notas e seus títulos. Sabe-se também que se o balanço de uma empresa demonstra que seu ativo excede o passivo em certo grau, provocando desregulações constantes, a falência já passa a se configurar como uma realidade, impedindo que a mesma cumpra seus compromissos em dia. Essa era a situação do Banco do Brasil naquele momento: insolvência. Diante desse quadro a crise era inevitável. O Governo Colonial tentou tomar mais uma medida na tentativa de impedir a liquidação do banco: o Decreto de 23 de março de Segundo Ribeiro de Andrada (1923), o decreto estipulava que os adiantamentos do Tesouro Real ao Banco do Brasil constituíam dívida nacional garantida por receitas tributárias. Determinava também que o monopólio real dos metais e todas as jóias da Coroa além de todos os diamantes do Brasil teriam que ser depositados no Banco do Brasil. A inoperância financeira no Brasil Colônia mais uma vez se evidencia com esse episódio. Apenas um mês e três dias depois de baixar esse decreto, mais precisamente no dia 26 de abril de 1821, D. João VI se retira para Portugal, pressionado pela 11

12 Revolução do Porto. Nessa viagem, D. João VI e sua Corte levam consigo todos os metais depositados, ficando as reservas monetárias do Brasil sem nenhum lastro metálico. Peláez e Suzigan (1981) registram que esse panorama deixou a estrutura bancária do Brasil, constituída em 1821 por um banco e suas duas filiais, praticamente falida. É interessante observar também a diferença do pensamento bancário entre Brasil e Estados Unidos da América nesse período. Como aborda Déa Fenelon (1973), o Brasil deu muito azar em ter Cairu como referência de pensamento econômico e os E.U.A. deram muita sorte de ter Hamilton. Através dos dados abaixo podemos perceber nitidamente como o setor bancário na primeira metade do século XIX se expandia nos Estados Unidos, enquanto no Brasil caminhava a passos lentos. Observemos a comparação dos dados abaixo envolvendo a cidade do Rio de Janeiro e Nova York, na década de 1840: Tabela 2 Sistema Bancário do Rio de Janeiro e Nova York entre 1840/1850 Cidades População Bancos Capital do Banco Rio de Janeiro contos de réis Nova York contos de réis Fonte: PELÁEZ, C. M. e SUZIGAN W. História Monetária do Brasil. Editora Universidade de Brasília, 1981 p. 59. As tabelas acima nos fazem entender nitidamente o que Celso Furtado (1959) expressou em sua obra clássica Formação econômica do Brasil, comparando o desenvolvimento entre Brasil e Estados Unidos nos primeiros anos de independência. Ao mesmo tempo, também podemos refletir sobre a disparidade de idéias entre Hamilton e Cairu, influentes conselheiros da área econômica de seus países, E.U.A. e Brasil respectivamente. Ao contrário do pensamento de Cairu, motivado a idealizar o Banco do Brasil como um banco controlado pelo governo, com intuito maior de sanar as despesas governamentais, a visão de Hamilton era amplamente divergente e superior. Em uma carta enviada a Robert Morris, comentando sobre a idéia de um Banco Nacional controlado pelo governo federal, que como comenta Déa Fenelon, era a base 12

13 fundamental para um bem sucedido sistema de finanças (FENELON, 1973: 105), Hamilton escreve: (...) considero a criação de um Banco Nacional, de uma forma ou de outra, como um expediente essencial à nossa segurança e nosso sucesso (...) a tendência de um Banco Nacional é a de aumentar o crédito público e privado. O primeiro dá ao país poderes para a proteção de seus interesses e o último facilita e aumenta as operações de comércio entre os indivíduos. A indústria aumenta, produtos são multiplicados, agricultura e manufaturas florescem, nisto consiste a verdadeira riqueza e prosperidade de um estado. (Letter to Robert Morris, 30/04/1781, Hamilton Papers vol. II, p In: FENELON, 1973: 105) Como podemos notar, o Brasil necessitava urgentemente de transformações no interior de seu pensamento econômico para garantir a sustentabilidade de sua estrutura bancária. Tal transformação se inicia, poucas décadas depois com a contribuição do pensamento econômico de Bernardo Souza Franco como veremos no tópico seguinte. 2 A ótica inovadora de Souza Franco para a Contabilidade Bancária no Brasil: uma possível via de desenvolvimento através do setor bancário Na década de 1830 o cenário bancário europeu atravessa um ciclo evolutivo. É o surgimento do que denominamos nos dias atuais de bancos de investimento. Na Bélgica no início da década citada acima surge o Société Générale pour Favoriser I Industrie Nationale, o primeiro banco inovador em métodos e práticas de operações voltadas para investimentos em setores econômicos estratégicos. 10 Tal banco é considerado por Diamond (1957) o precursor dos bancos constituídos por ações, oferecendo a possibilidade de pequenos depositantes investirem em grandes empreendimentos. 10 Hoje esse banco atende pelo nome de Générale de Banque, conta com mais de 1000 filiais no território belga e mantém operações de investimento em mais 40 países, além de ser o maior banco da Bélgica. 13

14 Este modelo foi também utilizado, a partir de 1852, pelo banco francês Crédit Mobilier. Para alguns estudiosos esse banco também se destacou por um pioneirismo ousado no campo de investimentos, fazendo do crédito um mecanismo crucial de desenvolvimento econômico. De acordo com Fernando Costa: O pioneiro e exemplo clássico de banco dedicado a ajudar a construção de estradas de ferro e a industrialização, então em país em condições especiais de economia relativamente atrasada, foi o banco francês Crédit Mobilier dos irmãos Péreire. A partir da segunda metade do século XIX, o número de bancos que, em diversos países, adotaram o modelo Péreire foi considerável. A diferença existente entre os bancos do tipo do Crédit Mobilier e os bancos comerciais operantes no país avançado da época, ou seja, da Inglaterra, era absoluta. Entre os bancos ingleses, destinados especialmente a servir de fonte de capital em curto prazo, e o banco dirigido ao financiamento das necessidades de investimento em longo prazo existia verdadeiro abismo. Os bancos alemães, que se pode tomar com exemplo do tipo de banco universal ou misto, combinaram com êxito a idéia básica do Crédit Mobilier com as atividades em curto prazo dos bancos comerciais (COSTA, 2009). É importante colocarmos aqui que, após o evento da Revolução Industrial inglesa, onde a indústria passa a ser o fator primordial para o desenvolvimento econômico nas regiões globais, a Europa vive um momento intenso. Os países que pretendem acompanhar o desenvolvimento inglês e se inserir no quadro de países industrializados chamam para si um desafio próprio: através de suas especificidades irão ter que alcançar sua própria revolução industrial, ou seja, por conta própria. Nesse contexto, vemos segundo Gerschenkron (1962), que a Alemanha, por exemplo, diferente da Inglaterra, adquiriu seu status de país industrializado através de uma relação de bancos privados e indústria. Já na Rússia, segundo o mesmo autor, o Estado teve um papel decisivo ao investir em bancos para o desenvolvimento de sua estrutura industrial É interessante nesse contexto analisar o debate que se deu entre os seguidores dos autores Gerschenkron e Rostow. Rostow coloca que o desenvolvimento de países industrializados seguiu um modelo único, ou seja, semelhante ao da Revolução Industrial inglesa, ou seja, uma forma genérica. Já Gerschenkron, que em nosso ponto de vista possui dados mais condizentes, demonstra como países europeus se diferenciaram de acordo com suas características para atingirem o nível de centros industrializados. A respeito da visão de Rostow e Gerschenkron ver: GERSCHENKRON, A. Economic Backwardness in Historical Perspective. Cambridge Harvard University, 1962 e ROSTOW, W. W. A decolagem para o desenvolvimento auto-sustentado. In: Agarwala, A.N. & Singh, S.P. (Eds) A economia do subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Forense A respeito do debate ver: COSTA, F. N. 14

15 A disseminação desses modelos bancários, direcionados para o desenvolvimento chega a ecoar no Brasil. É então que se destaca Bernardo Souza Franco 12, que com seu pensamento, ou seja, de que é possível o Brasil se desenvolver através de uma estrutura bancária eficiente, aborda que: (...) em um país novo e falto de capitais, como o Brasil, é-lhe serviço importantíssimo procurar desenvolver seus trabalhos e lançar mão das instituições de crédito, como o mais poderoso meio de aproveitar capitais desempregados, pô-los a serviço da indústria e como que os duplicar em seu benefício. (SOUZA FRANCO, 1984: 48). Nesse momento acontece um debate na contabilidade bancária do país entre metalistas e papelistas. Do lado dos metalistas ficavam os remanescentes da Escola de Cairu, que eram contra a grande emissão monetária, e de outro, os papelistas apoiavam um maior poder de emissão por parte do setor bancário. Na vertente papelista então se sobressai Souza Franco. Uma das contribuições fundamentais para a evolução do sistema bancário no Brasil parte do pensamento econômico do Visconde Souza Franco. O Visconde critica a estrutura bancária do país naquele período e aponta dois pontos relevantes aos quais os bancos no Brasil precisariam se adaptar: Utilizar saldos ociosos para empréstimos com taxas mais baixas e com tempo de pagamento optativo entre curto e longo prazo Organização de uma empresa financeira sólida que motivasse a compra de suas ações no mercado fornecendo lucro aos seus acionistas. Souza Franco defendia que a praça do Rio de Janeiro, capital brasileira nesse momento, necessitava de uma estrutura bancária mais eficiente e moderna. Em sua Comparando capitalismos financeiros. Texto para discussão. IE/UNICAMP, Campinas n 160, maio de Em 1848, Souza Franco foi Ministro da Fazenda interino, e em 1857 ocupou pela segunda vez a pasta da Fazenda. Executou a Nova Tarifa Alfandegária, e acreditava que a pluralidade bancária e a expansão das emissões fomentavam a indústria e o comércio. A respeito de mais informações sobre Souza Franco consultar a versão eletrônica disponível no site 15

16 visão, o Brasil perdia a chance de criar oportunidades produtivas, uma vez que o mecanismo financeiro de fornecimento de crédito representava um papel insignificante, concedendo apenas empréstimos limitados, em curto prazo, restringindo, assim, a dinâmica de desenvolvimento dos setores agrícola e industrial. Nota-se que as idéias de Souza Franco correspondiam ao que acontecia nos países industrializados, onde o sistema bancário representava um papel de impulsionador da indústria e do comércio através do crédito. De acordo com Peláez e Suzigan (1981), essa era uma visão incomum aos pensadores do sistema bancário no Brasil nesse período. Quanto às relações que envolviam banco e governo, Souza Franco considera a necessidade de se criar leis bancárias e de sociedade anônima específicas, de forma que o sistema financeiro não fosse mais regulado pelo Código Comercial. De acordo com esse autor, tal Código Comercial, era um entrave para a dinâmica da estrutura bancária, devido à lentidão dos procedimentos burocráticos para liberação de documentos. Com base nestas idéias, Souza Franco elaborou uma proposta de reforma do sistema bancário, na qual apresentava três objetivos centrais: 1) Na organização de estabelecimentos de crédito em todas as províncias que os comportem, e de filiais ou caixas de descontos nas outras e nas grandes povoações, desenvolvendo-se-lhe assim os meios de trabalho, e animando a indústria nacional. 2) Na substituição das notas do Tesouro de valor instável, e sujeitas a contínuas oscilações, por notas do banco, realizáveis em metais, e portanto de valor mais fixo e seguro, e menos sujeitas a falsificações. 3) Em que ficando por esta forma aos bancos o fornecimento de moeda precisa aos mercados de seu círculo, dá-se mais regularidade no suprimento e mais certeza de que a quantidade das notas circulantes será a exigida pelo mercado, porque, aliás, o banco emitirá as que faltem, ou vir-lhe-ão ao troco por metais as que sobrem em hipótese contrária. (SOUZA FRANCO, 1984: 95-96). Em sua proposta, Souza Franco focava a questão de lucratividade dos bancos privados e o estabelecimento de um sistema bancário complexo. Peláez e Suzigan apresentam um exemplo montado por Souza Franco para demonstrar a lucratividade bancária do setor privado. 16

17 Suponha-se um banco que iniciasse suas operações com um capital de contos e desse total tivesse que comprar contos em títulos do Governo e contos em metais para constituir suas reservas metálicas, emitindo um total de ações a 0,20 contos cada. Sua receita bruta seria: 8% do Capital Total em Notas Emitidas contos de réis 3% de Contos em Títulos contos de réis Juros de Depósitos e Outras Operações contos de réis Total contos de réis Supondo-se ainda que as despesas de operação fossem de 40 contos, a receita líquida seria de 280 contos e após a dedução das reservas poder-se-ia pagar dividendos de 9% ao ano. Assim, do ponto de vista de um banco privado, o negócio seria bem lucrativo. (PELÁEZ e SUZIGAN, 1981: 66-67) Quanto ao estabelecimento de um sistema bancário complexo, Souza Franco apontava que seria um processo de longo prazo. Com as diferenças econômicas existentes nas províncias brasileiras o autor da reforma esperava um aumento gradual A convergência de pensamento econômico entre Souza Franco e Mauá e o confronto da crise do pânico de Assim como Souza Franco, Irineu Evangelista dos Santos, também conhecido como o Visconde de Mauá, via que uma forma do Brasil atingir seu desenvolvimento econômico seria via banco/indústria através das sociedades anônimas. Para tanto era preciso mudar a legislação vigente, e que os bancos emissores seriam fundamentais para esse avanço. Mauá que também se identificava com a linha papelista como apontamos anteriormente e criticava que a culpa de inflação e crises financeiras no Brasil, de acordo com a concepção dos metalistas, se davam por excesso de emissões dos bancos. Na concepção de Mauá, como o Brasil é um país em que a economia se baseia na agroexportação, as causas da depreciação cambial estão nas manipulações cambiais referentes à exportação e importação do mercado, e não dos bancos de emissão. Mauá 17

18 critica, como já vimos anteriormente, o estoque de moeda puramente metálico e também o monopólio de emissão. No final da década de 1850, Mauá funda o Banco Mauá-McGregor. O objetivo central de Mauá ao fundar esta instituição era transformá-la em um amplo estabelecimento de crédito, abrangendo 20 capitais de províncias com suas filiais e, numa pretensão bem mais ousada, abrindo agências no exterior, em cidades como Londres e Paris. O intuito de Mauá era buscar uma solução para que as empresas brasileiras (...) não precisariam arrastar-se abatidas aos pés da usura desapiedada dos maus elementos financeiros da praça de Londres (LIMA, 1976: 33). Mauá teve a manuntenção de seu novo banco ameaçada por um projeto de lei de autoria do Ministro da Justiça Senador Nabuco de Araújo (1854), que acabou sendo aprovado. A nova lei proibia a abertura de casas bancárias sem autorização expressa do governo, além de conter vários itens que se constituíam em entraves burocráticos para quem se dispusesse a operar nesse setor. Apesar das dificuldades o Banco Mauá-MacGregor & Cia. consolidou seu funcionamento através de seu tamanho e sua ramificação internacional, além de receber o apoio do Visconde Souza Franco, que, em1857, assumira a pasta da Fazenda. Como comenta Ribeiro de Andrada (1923), Souza Franco era a favor da pluralidade de emissão e contrário à lei de Sendo assim, à frente do ministério, concede permissão para a abertura de cinco novos bancos e cede o direito de emissão a seis, dentre os novos e aqueles já operantes no mercado financeiro. Em 1857, o mercado monetário brasileiro se defronta com uma situação difícil, onde, conforme aponta Cavacalnti (1893), as taxas de câmbio e de redesconto flutuam consideravelmente. Em primeiro de novembro desse ano chegam ao Brasil notícias sobre contração econômica nos Estados Unidos, dando início a uma correria de saques na praça, ficando esse momento conhecido como Pânico de Este episódio abala as reformas bancárias construídas por Souza Franco e Itaboraí. O primeiro impacto do Pânico de 1857, de acordo com Peláez e Suzigan (1981), foi a paralisação de quase todas as transações. Nesse momento a taxa de câmbio recuou de 27 dinheiros esterlinos por mil-réis, para 26 e depois para 25,5. O Banco do Brasil suspende a troca de notas por ouro e câmbio. A crise instalada em 1857 é considerada por estudiosos o momento mais difícil da gestão de Souza Franco no Ministério da Fazenda. O resultado desse abalo no 18

19 mercado financeiro foi de 49 falências em 1857 e 90 em 1858, com perdas totais avaliadas em contos. As medidas tomadas pelo governo e suas relações com o Banco do Brasil foram determinantes para conter o pânico, no último trimestre de Souza Franco pede auxílio ao Banco Mauá-MacGregor para socorrer o sistema bancário nacional, e, respondendo aos apelos do Ministro da Fazenda, este banco empresta ao governo um total de contos, através de sua agência em Londres. Esta operação permitiu ao governo contornar a crise cambial e injetar dinheiro no mercado, colocando um ponto final na crise instaurada pelo Pânico de Conclusão A chegada da Família Real no Brasil em 1808 trouxe no campo econômico a teoria liberal de Adam Smith praticada de uma forma peculiar pelo Visconde de Cairu no país. A criação do primeiro Banco do Brasil e seu fracasso na sua primeira gestão se deve a uma formação de um pensamento liberal brasileiro que mesclava liberalismo com pitadas de mercantilismo. Tal contexto se deu num momento em que a Coroa Portuguesa, tendo Cairu como seu principal consultor, priorizava mais um banco voltado para atender uma economia agroexportadora do que praticar uma política semelhante à dos países desenvolvidos, ou seja, direcionar o sistema financeiro para uma relação causa e efeito com o desenvolvimento industrial, como fez por exemplo Alexander Hamilton nos Estados Unidos. Porém, temos que admitir que a criação do Banco do Brasil através de uma ideologia liberal de Cairu foi um dos fatores mais determinantes para uma integração nacional, ou seja, o país que não tinha uma moeda nacional agora passava a ter uma economia mais centralizada. Souza Franco por sua vez já atuou em um período posterior, onde o pensamento econômico já se encontrava em um estágio mais desenvolvido dando a oportunidade de travar um debate significativo entre papelistas e metalistas. A fase da atuação de Souza Franco no cenário econômico brasileiro era uma fase em que a sociedade enxergava 19

20 com mais clareza a necessidade de um sistema financeiro voltado para o desenvolvimento. Em busca de se aproximar do pensamento de grandes personagens coordenadores de política econômica em países avançados, Souza Franco tentou adotar tais modelos na contabilidade bancária, elaborando um modelo de contabilidade bancária que contribuiu significativamente para o desenvolvimento desse setor. As diretrizes tomadas por Souza Franco obtiveram um certo êxito na sua gestão como ministro da Fazenda ao conseguir sufocar uma das maiores crises financeiras registradas na história bancária do Brasil, o pânico de Por fim, esperamos ter demonstrado aqui como as visões de contabilidade bancária de Cairu e Souza Franco, apesar de divergentes foram também um marco de evolução nesse período incipiente do setor bancário no Brasil. BIBLIOGRAFIA: CAMERON R. E., Banking in the Earls Stages of Industrialization (New York: Oxford University Press, DIAMOND, W. Development Banks, Baltimore, United States: Johns Hopkins, University Press, FENELON, D. Cairu e Hamilton: um estudo comparativo. Tese de Doutorado UFMG/FAFICH FURTADO, Celso. Formação Econômica do Brasil. Rio de Janeiro, GERSCHENKRON, A. Economic Backwardness in Historical Perspective. Cambridge Harvard University, GURLEY, J.G.; SHAW, E. S. Money in a theory of finance. Washington, D.C.: Brookings Institution, LANDES D. S. Riqueza e pobreza das nações: por que algumas são tão ricas e outras são tão pobres. Rio de Janeiro, Campus, Elsevier: LIMA, H. M. 3 (três) industrialistas brasileiros: Mauá, Rui Barbosa, Roberto Simonsen. São Paulo, Alfa-Omega,

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com

Prof. Esp. Lucas Cruz. www.proflucas.com Prof. Esp. Lucas Cruz www.proflucas.com O principal discípulo de Smith, David Ricardo, sofisticou um pouco mais essa teoria. Segundo ele, ainda que uma economia fosse mais eficiente em todos os produtos,

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL

DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL DESENVOLVIMENTO E SUBDESENVOLVIMENTO NO BRASIL Luiz Carlos Bresser-Pereira Verbete para o livro Temas clássicos (e não tanto) do Pensamento Social no Brasil, organizado por André Bueno e Lilia Moritz Schwarcz.

Leia mais

A retomada empreendedora do Banco do Brasil

A retomada empreendedora do Banco do Brasil Banco do Brasil 200 anos A retomada empreendedora do Banco do Brasil D Por Rodrigo Bittar epois de arruinado em 1829 pelos gastos exorbitantes de uma Corte perdulária e parasitária, o Banco do Brasil ressurge

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

O jornal Ação inaugura, nesta edição, os fascículos BB 200 anos. Em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil, a ANABB vai publicar a história e os

O jornal Ação inaugura, nesta edição, os fascículos BB 200 anos. Em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil, a ANABB vai publicar a história e os O jornal Ação inaugura, nesta edição, os fascículos BB 200 anos. Em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil, a ANABB vai publicar a história e os acontecimentos mais importantes do BB ao longo desse

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Índice Pg. Sistema Financeiro Nacional... 02 Dinâmica do Mercado... 05 Mercado Bancário... 09 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro

Leia mais

A história da ruína do primeiro Banco do Brasil

A história da ruína do primeiro Banco do Brasil Banco do Brasil 200 anos A história da ruína do primeiro Banco do Brasil Por Rodrigo Bittar S e a criação do Banco do Brasil foi motivada pela vinda da família real portuguesa ao Brasil, em 1808, a manutenção

Leia mais

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas

A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A Revolução Industrial, iniciada na Grà-Bretanha, mudou a maneira de trabalhar e de pensar das pessoas A industrialização mudou a história do homem. O momento decisivo ocorreu no século XVIII com a proliferação

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal

Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Contabilidade bancária no século XIX português: regulamentação, práticas de relato e controlo estatal Luis Ramalho VI Encontro de História da Contabilidade da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas 6 de

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários

Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários Banco Central Bacen Conhecimentos Bancários BANCO CENTRAL DO BRASIL O Banco Central do Brasil, criado pela Lei 4.595, de 31.12.1964, é uma autarquia federal, vinculada ao Ministério da Fazenda, que tem

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO

BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O MERCADO DE CÂMBIO E SEUS AGENTES C.M.N BACEN BANCOS INTERMEDIÁRIOS CORRETORES DE CÂMBIO SISTEMA CAMBIAL VIGENTE NO BRASIL. O regime cambial brasileiro é um regime controlado

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1

PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG): DO MILAGRE ECONÔMICO AO FIM DO SONHO 1 Introdução Márcio Kerecki Miguel dos Santos 2 O Brasil novo que se inicia depois da crise de 1929 e da tomada do poder

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945

Evolução do SFN. 1. Primeiro Período: 1808-1914 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS. 3. Terceiro Período: 1945-1965. 2. Segundo Período: 1914-1945 Evolução do SFN MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Profa. Dra. Andréa Paula Segatto-Mendes apsm@ufpr.br 1. Primeiro Período: 1808-1914 Abertura dos portos - acordos comerciais diretos Criação do Banco do

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito

A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito A Estrutura do FGC Vis-à-vis o Documento Básico do Grupo de Estudos em Seguro Depósito (Abril 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista I Introdução O Grupo de Estudos de Seguro Depósito identificou algumas

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Empreendedorismo Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Panorama histórico Empreendedores medievais Panorama histórico Desde a antiguidade até a Revolução Industrial (Século XVIII), o trabalho sempre foi feito

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 Joseellen Maciel Sousa2 Introdução O ambiente mundial esta passando por um profundo processo de transformação decorrente do alto grau de competitividade

Leia mais

SICOOB NORTE. Resultados

SICOOB NORTE. Resultados SICOOB NORTE Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Norte conseguiu ótimos resultados, numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado financeiro

Leia mais

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio

Renda Fixa. Letra de Crédito do Agronegócio Renda Fixa Letra de Crédito do Agronegócio Letra de Crédito do Agronegócio Diversifique sua carteira de investimentos e obtenha mais rentabilidade O produto Letra de Crédito do Agronegócio () é um título

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA

OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA OITAVO ANO ESINO FUNDAMENTAL II PROFESSORA: ROSE LIMA http://plataformabrioli.xpg.uol.com.br/historiaresumo/2ano/epopeialusitana.pdf http://blog.msmacom.com.br/familia-real-portuguesa-quem-e-quem-na-monarquia/

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Mercado de Ações O que são ações? Ação é um pedacinho de uma empresa Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela Sendo mais formal, podemos definir ações como títulos nominativos negociáveis

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954

LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 2.168, DE 11 DE JANEIRO DE 1954 Estabelece normas para instituição do seguro agrário. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber que o CONGRESSO

Leia mais

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados

SICOOB CREDIROCHAS. Resultados SICOOB CREDIROCHAS Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Credirochas conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no mercado

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro?

Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro? PALESTRA Nº 5-11/09/2015 MONITORA RESPONSÁVEL: CAROLINE PAGLIARINI BALEST TURMA B Aluno: Hugo Mesquita Póvoa Matricula: 130142638 Pergunta: Qual é a necessidade de um sistema regulatório do sistema financeiro?

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em novembro de 2010 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1

A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 A IMPORTÂNCIA DA ECONOMIA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NA EMPRESA COOPERATIVA DE CRÉDITO SICOOB NOROESTE 1 CALDEIRA, Aldair Francisco² OLIVEIRA, Leticia Nascimento³ OYAMA, Denise Harue 4 GUALASSI, Rodrigo

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO

A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO A IMPORTÂNCIA DAS COOPERATIVAS PARA A EXPANSÃO DO CRÉDITO INDICE O Sistema Financeiro Nacional - SFN Instituições de Crédito Cooperativas de Crédito Diferenças entre Bancos e Cooperativas de Crédito O

Leia mais

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07

NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 NBC T 19.4 - Subvenção e Assistência Governamentais Pronunciamento Técnico CPC 07 José Félix de Souza Júnior Objetivo e Alcance Deve ser aplicado na contabilização e na divulgação de subvenção governamental

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.

Fases históricas do sistema bancário brasileiro. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress. Fases históricas do sistema bancário brasileiro Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Fases históricas do sistema bancário brasileiro 2 Fases da

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES

TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES TÍTULO: DE POUPADOR A INVESTIDOR DESPERTANDO O GÊNIO FINANCEIRO DE INVESTIDORES CONSERVADORES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 7 POLÍTICA CAMBIAL Índice 1. Política Cambial...3 1.1. Taxa de câmbio fixa... 3 1.2. Taxa de câmbio flutuante... 3 1.3. Padrão currency board... 3 2. Política de

Leia mais

Investindo em um gigante em expansão

Investindo em um gigante em expansão Investindo em um gigante em expansão Revolução econômica transforma a China no grande motor do crescimento mundial Marienne Shiota Coutinho, sócia da KPMG no Brasil na área de International Corporate Tax

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

Reforming the Global Financial Architecture

Reforming the Global Financial Architecture Comunicações Reforming the Global Financial Architecture Data e local: 20-24 de junho de 2011, London School of Economics, Londres, Reino Unido Evento: Reforming the Global Financial Architecture Representante

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras.

Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Etapas para a elaboração do Balanço Patrimonial e consequentemente, das Demonstrações Financeiras. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog Resumo: Apresenta-se uma breve análise sobre as vinte etapas para

Leia mais

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas.

IPC Concursos CEF 2014. Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. BRB 2011 Cespe Questões I SFN, CMN, BCB e CVM Material com as questões incorretas justificadas. A respeito da estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN),julgue os itens a seguir. 1. Ao Conselho Monetário

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL UM PEQUENO RELATO HISTÓRICO E UMA GRANDE CRISE Semí Cavalcante de Oliveira INTRODUÇÃO Em maio de 2011, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), o francês

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL Uma estratégia para o aumento de receita financeira nas empresas.

RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL Uma estratégia para o aumento de receita financeira nas empresas. RESPONSABILIDADE SOCIAMBIENTAL Uma estratégia para o aumento de receita financeira nas empresas. Clayton Queiroz Coutinho A questão da responsabilidade socioambiental é um tema polêmico e dinâmico no mundo

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações

FUNDO DE COMÉRCIO (GOODWILL) Algumas Considerações FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Natureza Jurídica 3. Como Avaliar o Fundo de Comércio 3.1 - Cálculo do Valor Atual de Negociação do Patrimônio

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA

INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA INSTRUÇÕES PARA MONTAR SUA MICRO OU PEQUENA EMPRESA SUMÁRIO Primeira Parte - Como Registrar sua Empresa Segunda Parte - O Novo Estatuto da Micro e Pequena Empresa PRIMEIRA PARTE COMO REGISTRAR SUA EMPRESA

Leia mais