A APLICAÇÃO DA ISO NO SETOR PÚBLICO: PANORAMA, RESULTADOS E TENDÊNCIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A APLICAÇÃO DA ISO 14001 NO SETOR PÚBLICO: PANORAMA, RESULTADOS E TENDÊNCIAS"

Transcrição

1 A APLICAÇÃO DA ISO NO SETOR PÚBLICO: PANORAMA, RESULTADOS E TENDÊNCIAS RESUMO Os sistemas de gestão ambiental ISO tem sido aplicado principalmente no setor privado, na maioria das vezes em indústrias, mas também em serviços. Uma pequena parte (porém expressiva e diferenciada) dos certificados refere-se a organizações do setor público, incluindo empresas de saneamento básico e de outros serviços públicos, órgãos e governos municipais, autoridades de trânsito, dentre outros. Considerando que críticas contundentes são feitas às empresas que utilizam a ISO como instrumento de marketing, e uma vez que essas instituições não buscam o lucro, acesso a mercados e não precisam atender a exigências de clientes, que tipo de benefícios buscam e quais benefícios têm sido atingidos? Até que ponto fatores tais como influência dos ciclos eleitorais e submissão a legislação específica leva a diferenças nos sistemas de gestão ambiental implantados? Por outro lado, existem também concessionários privados de serviços públicos com sistemas de gestão ambiental certificado. Existem benefícios ambientais ou busca-se somente ganhos de imagem? Por meio de levantamento bibliográfico, uma coleção de casos é analisada buscando identificar a motivação da implantação e certificação de sistemas de gestão ambiental, bem como os resultados obtidos. Entre esses estão programas de incentivo implantados nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha, certificações ocorridas no Japão, no Brasil e em outros países. Discutem-se também os benefícios do uso do poder de compra do Estado para a difusão da ISO entre os seus fornecedores, como discutido no Município de São Paulo. Algumas das visões constatadas são de que o sistema de gestão ambiental agrega valor no tocante ao esclarecimento de responsabilidades, geração de histórico e demonstração de melhoria contínua do desempenho. Outras destacam a melhoria da imagem e da transparência, propiciando elementos para enfrentar questões que possam vir a público, dentro de uma tendência de gestão democrática. Destaca-se também a possibilidade de implantação de sistemas com autodeclaração ao invés de certificação, e suas implicações no contexto das organizações públicas. PALAVRAS-CHAVE Sistemas de gestão ambiental, administração pública, municípios

2 INTRODUÇÃO Os sistemas de gestão ambiental ISO tem sido aplicado principalmente no setor privado, na maioria das vezes em indústrias, mas também em serviços. Uma pequena parte (porém expressiva e diferenciada) dos certificados refere-se a organizações do setor público, incluindo empresas de saneamento básico e de outros serviços públicos, órgãos e governos municipais, autoridades de trânsito, dentre outros. Considerando que críticas contundentes são feitas às empresas que utilizam a ISO como instrumento de marketing, e uma vez que essas instituições não buscam o lucro, acesso a mercados e não precisam atender a exigências de clientes, que tipo de benefícios buscam e quais benefícios têm sido atingidos? Até que ponto fatores tais como influência dos ciclos eleitorais e submissão a legislação específica leva a diferenças nos sistemas de gestão ambiental implantados? Por outro lado, existem também concessionários privados de serviços públicos com sistemas de gestão ambiental certificado. Existem benefícios ambientais ou busca-se somente ganhos de imagem? No caso da gestão ambiental municipal, por exemplo, SILVA FILHO (1999) colocou a aplicabilidade de elementos dos sistemas de gestão ambiental ISO para os municípios. Este artigo retoma e analisa uma coleção de casos buscando identificar a motivação da implantação e certificação de sistemas de gestão ambiental, bem como os resultados obtidos. Entre esses estão programas de incentivo implantados nos Estados Unidos, na Grã-Bretanha, certificações ocorridas no Japão, no Brasil e em outros países. Discutem-se também os benefícios do uso do poder de compra do Estado para a difusão da ISO entre os seus fornecedores, como discutido no Município de São Paulo. METODOLOGIA Foram buscadas informações sobre casos, utilizando os seguintes meios nos quais as pesquisas foram feitas usando palavras-chave: a) Internet, principalmente com o buscador Google b) Bancos de dados de artigos científicos Compendex, Scielo, entre outros c) Bibliotecas pessoais dos autores Foram identificados diversos casos em que órgãos do setor público implantaram sistemas de gestão ambiental com base na ISO 14001, certificados ou não. Os relatos variam muito em sua forma e objetivos: a) relatórios finais de projetos de implantação; b) relatórios de projetos-piloto; c) notícias veiculadas pelos órgãos públicos na internet; c) artigos científicos; d) resenhas críticas; e) legislação e regulamentação. Em seguida, foram extraídas as informações-chave de cada estudo de caso, e as informações foram sistematizadas para fins de comparação e discussão.essas informações se concentraram nos objetivos da implantação, recursos utilizados, dificuldades e benefícios obtidos. Nem todos os textos tinham todas essas informações, portanto elas foram utilizadas conforme estavam disponíveis. Um grande número de referências com informações superficiais, e talvez

3 não atualizadas, foi encontrado, e por isso nem todas foram citadas ou descritas neste trabalho. Por fim, foram realizadas sessões de discussão entre os autores e a conseqüente construção das conclusões. AS BASES DO SISTEMA DE GESTÃO ISO Em 1996 foi publicada a primeira norma da série a ISO No Brasil, a norma foi editada pela ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. No ano de 2004 a norma foi revisada, não havendo mudanças estruturais, mas principalmente esclarecimentos de texto e alinhamento com as normas de gestão da qualidade (ABNT 2004). A norma propõe um modelo de gestão que pretende ser ambientalmente responsável; comprometido com o cumprimento da legislação, com a melhoria contínua e com a prevenção da poluição; baseado no ciclo de melhoria contínua PDCA (planejar-executar-verificar-agir), e adequado a certificação por terceira parte. O motor do sistema de gestão é a política ambiental documentada (vide figura 1), que deve ser implementada e mantida, e deve incluir obrigatoriamente os compromissos com prevenção de poluição, com melhoria contínua e com a conformidade legal. A certificação dos sistemas de gestão ambiental é realizada por meio de auditorias de terceira parte, ou seja, realizada por instituições independentes, que não têm negócios com a organização certificada exceto pelo contrato de certificação propriamente dito. Essas instituições independentes são chamadas organismos certificadores. SRINIVAS (2005) cita como benefícios potenciais para a implementação de sistemas de gestão ambiental em municípios os seguintes benefícios internos: economia de recursos; diminuição de custos; comprometimento do staff, melhoria do moral. Como benefícios externos: demonstrar comprometimento ( face verde ); certificação ISO de uma cidade pode servir de modelo para outras; promover e replicar a certificação no setor privado; foco na ação local para benefícios globais. Mais a frente, na seção de discussão, serão apresentados argumentos para confirmar as expectativas de alguns benefícios, e para discordar de outros. O Quadro 1 mostra uma discussão preliminar dos possíveis benefícios obtidos com a implantação de sistemas de gestão ambiental ISO 14001, destacando aspectos do setor privado e o potencial para o setor público.

4 Quadro 1 Benefícios potenciais para organizações que implementam sistemas de gestão ambiental, segundo a ISO 14004:1996 BENEFÍCIOS POTENCIAIS SETOR PRIVADO (ABNT 1996) Assegurar aos clientes o Em alguns setores a certificação ISO tem se tornado um comprometimento com gestão requisito ou pelo menos um diferencial nos negócios entre ambiental demonstrável empresas. Manter boas relações com o público / Este benefício depende muito da postura da empresa, a norma comunidade em si não contribui de maneira decisiva para isso. Satisfazer os critérios dos investidores O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e e melhorar o acesso ao capital; Social), um dos principais financiadores do setor provado, é signatário do Protocolo Verde, que estabelece que a variável ambiental tem que ser considerada nas condições dos financiamentos. (BNDES 2005) Obter seguro a um custo razoável; Embora na teoria isso possa acontecer, no Brasil ainda não tem sido uma prática clara. Fortalecer a imagem e a participação Em especial em ramos de negócio mais sensíveis a questões no mercado; ambientais e em localizações geográficas ambientalmente mais frágeis a imagem pode ser melhorada com um sistema de Aprimorar o controle de custos; ; Reduzir incidentes que impliquem responsabilidade civil; Demonstrar atuação cuidadosa; Conservar matérias-primas e energia; Facilitar a obtenção de licenças e autorizações; Estimular o desenvolvimento e compartilhar soluções ambientais gestão ambiental O melhor conhecimento dos aspectos ambientais, os controles e atividades realizadas permitem uma visão mais clara dos custos. Com um sistema de gestão ambiental, as posturas preventivas diminuem o risco de acidentes e outros eventos que podem gerar a necessidade de indenizações. Em especial quando há certificação, pode-se demonstrar a partes interessadas que a gestão ambiental é feita de forma responsável. Os sistemas de gestão ambiental, por meio da melhoria contínua, proporcionam a possibilidade de mudanças nos processos de forma a se economizar matérias-primas e energia, inclusive com impactos benéficos nos custos e na competitividade. São praticamente inexistentes os exemplos de facilidades oferecidas para obtenção de licenças e autorizações, para empresas com sistemas de gestão ambiental implementado. Esse benefício depende muito da política adotada e da cultura da organização. SETOR PÚBLICO Os clientes dos órgãos públicos são a população em geral, que não está em geral informada do significado do certificado do sistema de gestão ambiental. Este benefício depende muito da postura da empresa, a norma em si não contribui de maneira decisiva para isso. Instituições multilaterais têm também critérios ambientais, aplicando os Princípios do Equador, que estabelecem critérios para avaliação e monitoramento de projetos financiados. Embora na teoria isso possa acontecer, no Brasil ainda não tem sido uma prática clara. No caso de empresas púbicas ou mistas com controle público, com função de prestação de serviços em setores sujeitos a privatização, o certificado serve também para marcar posição. O melhor conhecimento dos aspectos ambientais, os controles e atividades realizadas permitem uma visão mais clara dos custos. Com um sistema de gestão ambiental, as posturas preventivas diminuem o risco de acidentes e outros eventos que podem gerar a necessidade de indenizações. Em especial quando há certificação, pode-se demonstrar a partes interessadas que a gestão ambiental é feita de forma responsável. Da mesma forma, em organizações do setor público o desempenho ambiental pode ser melhorado, com impacto nos custos. Também não há facilidades oferecidas a instituições públicas para obtenção de licenças e autorizações. Esse benefício depende muito da política adotada e da cultura da organização.

5 PANORAMA CASOS RELATADOS O resumo das informações dos casos identificados de sistemas de gestão ambiental ISO implantados no setor público está colocado de duas formas: uma parte em forma de texto, a outra na Tabela 2. A seguir, são resumidas as informações por países. a) Estados Unidos Programa piloto de implantação de sistemas de gestão ambiental para operações de governos locais foi fomentado pela agência ambiental americana, acompanhando sua crescente consciência e interesse na adoção voluntária de sistemas de gestão ambiental (GETF 2000). A agência ambiental queria saber se os elementos propostos pelo modelo ISO eram relevantes para as operações das municipalidades. O programa piloto foi executado por meio de apoio técnico, treinamento, orientação e fornecimento de ferramentas de gestão. Não houve apoio financeiro direto, nem flexibilização regulatória para os participantes. Os participantes eram nove departamentos ou áreas operacionais bem definidas, em diferentes municipalidades, variando de 15 a 1500 funcionários. Entre as atividades envolvidas estavam departamentos de serviços e obras, serviços de tratamento de esgotos, uma unidade de energia, uma autoridade de trânsito, uma prisão e um departamento de serviços financeiros. Segundo os autores, as expectativas dos municípios estavam em poder tratar questões tais como responsabilidades ambientais, assegurar a eficácia da gestão, fatores organizacionais, preocupações com a imagem pública, melhoria de relacionamento com entidades regulatórias, questões de privatização, gerenciamento do crescimento e papel das municipalidades como líderes. Os principais custos de implantação estiveram relacionados com o tempo dos funcionários envolvidos. As chaves do sucesso Comprometimento e apoio gerencial Usar processos e procedimentos existentes é melhor que criar novos elementos o time de implementação Conscientização, compreensão e envolvimento dos empregados sobre o SGA por toda a organização, com o reconhecimento como uma prioridade Segundo PINERO e GARVEY (2004), mais de 200 organizações do setor público já têm sistemas de gestão ambiental ISO implantados, dos quais 20 certificados. A ordem executiva presidencial 13148, que determina que os órgãos da administração pública devem cumprir com toda a legislação ambiental aplicável (SOKYA e MARSHALL 2005), parece estar contribuindo para o aumento do número de sistemas de gestão implantados

6 Quadro 2 - Resumo de alguns casos relatados em bibliografia, da implantação de sistemas de gestão ambiental no setor público CASO / CONJUNTO OBJETIVOS VANTAGENS / ASPECTOS POSITIVOS / BENEFÍCIOS Estados Unidos Programa piloto para serviços municipais Verificar se os elementos propostos pelo sistema de gestão ISO eram relevantes para as administrações municipais Efeito positivo na conformidade e no desempenho Aumento da conscientização, envolvimento e competência em toda a organização Melhor comunicação interna e externa Melhor contato com agências reguladoras Redução de custos, maior eficiência Japão Não declarados Quantificação de benefícios Custos evitados com multas e indenizações Melhor imagem e potencial para atração de turistas (não medido resultado efetivo) Cesana (abrange gestão municipal) Melhorar a imagem ambiental da cidade Melhor gestão dos processos Melhor comprometimento dos funcionários Manningham (Austrália) Não consta nas referências (Certificado em dezembro de 1998, num projeto de dezoito meses. Abrange o total das atividades) Ethekwini, África do Sul (desde 1994) (Abrange a gesão municipal) Projeto POMAR (Secretaria do Meio Ambiente Estado de São Paulo) Department of Environement, Heritage and Local Government Custom House (Irlanda) Municipalidade de Hamilton- Wentworth autoridade ambiental Forte apoio do conselho local Maior consistência global nos procedimentos da administração municipal Metas ambientais ambiciosas, encorajando ir além do mínimo Certificação obtida Interação com processo Agenda 21 Atender a legislação Atender a compromissos assumidos (Agenda 21) Atender os requisitos do auditor geral (ISO 14001) a recuperação ambiental e revegetação das margens do rio Pinheiros entre o canal de Guarapiranga e a região do Jaguaré Garantir os compromissos estratégicos Não consta nas referências assumidos na direção do desenvolvimento sustentável Demonstrar o cumprimento das estratégias Contribuir para estabelecer a instituição como agência líder na proteção do meio ambiente Forte envolvimento e apoio de programas de instituições internacionais para elaboração de relatórios e troca de informações. Parcerias com empresas, como a empresa de transmissão de energia, empreiteiras, fabricantes de fertilizantes,etc. Ciclo de melhoria contínua Conscientização dos funcionários Inúmeras melhorias simples e rápidas nos procedimentos. DESVANTAGENS / FRUSTRAÇÕES / BARREIRAS Gerenciamento de mudanças Falta de envolvimento e visibilidade da alta administração Questões organizacionais (tempo) Falta de compreensão e de demanda do SGA pelos cidadãos. Instabilidade política (mudança de governo) Custos de análise ambiental inicial, planejamento e serviços técnicos para o projeto, certificação, treinamento e horashomem de pessoal Não consta nas referências Não consta nas referências Falta de informação nas etapas iniciais Desafios devido a estar emergindo de um regime de apartheid Não consta nas referências Não consta nas referências Estabelecer prioridades nos aspectos ambientais Interrupção do projeto em outras unidades onde estava sendo implementado

7 b) Certificações no Japão Aproximadamente um ano após a publicação da ISO 14001, foi registrada a primeira certificação de um governo local no Japão. No final de 2001 eram cerca de 300 certificações e em 2002 o setor público contava com 3,2 % dos certificados (MIZUNO 2002). Segundo MIZUNO, as certificações foram motivadas pelo aumento da consciência ambiental e pela conferência de Kioto ocorrida em 1997 no Japão. Levando em conta os vários tipos de unidades administrativas japonesas (prefeituras, cidades, etc.), 6,1 % das unidades administrativas têm certificado ISO 14001, o que corresponde a 200 unidades. Desde pequenas localidades e vilas, que têm em média habitantes, até grandes centros como Tóquio, com 12 milhões de habitantes. Além disso, 95 organizações afiliadas, tais como escritórios remotos, serviços de água, transporte, saúde e bem-estar são também certificadas. c) Brasil No Brasil não foram localizados órgãos da administração direta que tenham implementado sistemas de gestão ambiental ISO O caso mais próximo seria o do projeto POMAR< implementado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente, em parceria com empresas privadas. Existem, no entanto, inúmeros exemplos de empresas controladas pelo poder público que têm sistemas de gestão ambiental certificado. O principal deles é a PETROBRAS, empresa de capital misto, com controle acionário do governo, que tem todas as suas refinarias com certificação Também empresas das áreas de saneamento, tais como a SANEPAR, no município de Foz do Iguaçu (SANEPAR 2005), e a SABESP, na unidade de tratamento de esgotos das cabeceiras em Salesópolis (SABESP 2005), e a Estação de Tratamento de Água de Santo Antonio de Jesus da EMBASA (EMBASA 2005) obtiveram a certificação. Existe também regulamentação para implantação de sistemas de gestão ambiental baseados na ISO editada pela Diretoria de Portos e Costas da Marinha (MARINHA 2002). Canadá Consulado do Canadá- citado como certificado por QSP (2005), provavelmente como parte do sistema de gestão ambiental do Ministério de Assuntos Exteriores deste país (CANADA 2005) que tem um sistema de Gestão Ambiental construído de acordo com a norma ISO Os assuntos tratados incluem áreas contaminadas; tanques de combustível; substâncias que destróem a camada de ozônio; compras; edificações sustentáveis; uso do solo; água e esgotos; eficiência energética; resíduos sólidos; emergências ambientais; materiais perigosos; veículos; semana do meio ambiente, entre outros. A cidade de Toronto e outras cidades (SRINIVAS 2005, BEKKERING E MCCALLUM 1999) também implementaram ações. A implantação do sistema de gestão ambiental em vários desses municípios se deu num contexto de visão de longo prazo. Na municipalidade de Hamilton-Wentworth o projeto se baseava na visão 2020 (BEKKERING E MCCALLUM 1999) e) Outros casos de interesse

8 SRINIVAS faz referência a inúmeras experiências que incluem diversos países tais como China, Austrália, Canadá, India, México, Dinamarca, Suécia, Egito, entre outros. As entidades certificadas incluem serviços de tratamento de resíduos, escritórios, pelo menos uma universidade, e uma municipalidade. O Município de Cesana, na Itália, será uma das sedes dos jogos inverno de BELTRANO E PANDOLFI comentam os benefícios da certificação (veja também Quadro 2) DISCUSSÃO Nota-se que na maioria dos casos, os sistemas de gestão ambiental são implantados nos níveis locais de governo ou em serviços limitados a áreas e comunidades específicas. É neste nível de governo que os benefícios devem ser mais sentidos, pois as questões ambientais são mais diretas e o porte das organizações permite um melhor gerenciamento. Note-se que não houve nenhum caso identificado de um estado ou país certificado, e as organizações de nível federal certificam unidades individuais primeiro para depois expandir o escopo da certificação para outras unidades. Os benefícios da certificação A maioria dos relatos reforça as melhorias internas, tais como: melhor conhecimento dos processos, engajamento dos funcionários, mudanças de atitude. Um número menor de relatos cita benefícios quantificáveis, tais como economia de água e energia. Isso pode ocorrer tanto porque no caso de implantação em escritórios as questões ambientais não são tão quantitativamente tão importantes, tanto por falta de monitoramento anterior do tamanho dos impactos ambientais das atividades. No caso de empresas controladas pelo governo que prestam serviços de interesse público, há diferentes realidades. Os interesses que movem a PETROBRAS a buscar a certificação são diferentes dos que moveram as empresas de saneamento. Suas questões ambientais são diferentes. A PETROBRAS manipula quantidades grandes de petróleo e seus derivados, e por isso está sujeita a enfrentar questões tais como poluição do solo devido aos seus resíduos e manuseio de seus produtos, poluição das águas devido a suas atividades produtivas e a acidentes, e poluição do ar por enxofre, emissão de gases diversos e efeito estufa. Além disso, apesar de ser controlada pelo governo, ela está nitidamente inserida no mercado global, sofrendo as pressões da concorrência e da opinião pública mundial. Já as empresas de saneamento não têm pressão específica para buscar a certificação. Seriam os interesses políticos, para ganhar a confiança da população? Provavelmente não, uma vez que o grande público ainda não tem acesso a informação sobre a certificação. Seriam interesses políticos internos? Talvez, para demonstrar a eficiência da administração pública, num ambiente em que as pressões pela privatização são cada vez maiores. A certificação, neste caso, serviria tanto para aqueles que defendem a manutenção dos serviços de saneamento nas mãos do poder público, quanto para valorizar a empresa no momento da privatização. A certificação é uma forma, neste caso, de demonstrar aos potenciais compradores a segurança quanto ao gerenciamento de possíveis passivos ambientais. Dificuldades de implantação Pode-se imaginar, por exemplo, as limitações para criação ou modificação de procedimentos estabelecidos por lei. Isto pode levar a uma necessidade de envolvimento do poder legislativo, com necessidade de tempo e habilidade política para serem resolvidos. Além disso, todo tipo

9 de pressão orçamentária pode surgir. Portanto o sistema deveria ser implantado tendo como escopo um núcleo de atividades suficientemente autônomo para governar seus próprios destinos, preferencialmente. Quanto à mudança de cultura e de hábitos, isso já costuma ser uma dificuldade nas empresas privadas que implantam os sistemas de gestão, no poder público a dificuldade é previsivelmente maior. Por outro lado, os benefícios potenciais também são maiores, na medida em que a cultura da eficiência, da eficácia e da integração de sistemas e equipes seja implantada juntamente com o sistema de gestão. Outra dificuldade importante é a instabilidade política, que pode se revelar na mudança do governante ou de dirigentes, que mudando as prioridades poderiam diminuir ou cessar o fluxo de recursos e a priorização da gestão ambiental, com o argumento de ser este um projeto do governo anterior. Para garantir a continuidade, é importante manter uma interação forte com a população, de modo que quando houver mudanças de governo, a própria população atue como elemento de pressão para continuação do sistema de gestão. A utilização de sistemáticas participativas tais como a Agenda 21 Local pode ser extremamente importante para se consolidar o sistema de gestão ambiental.experiências como a de Ethekwini (DURBAN 2005) Ao contrário da maioria das empresas privadas, que preferem manter o seu sistema de gestão ambiental focado na comunicação reativa com a comunidade, é mais importante para os sistemas implantados no setor público reforçar a comunicação externa, de forma a demonstrar para a população os benefícios de qualidade de vida, para tê-la como parceira. O outro lado - Poder de compra do governo Além de terem seus próprios sistemas de gestão ambiental, os governos e seus órgãos podem atuar como consumidores conscientes. De fato, esta é uma forma eficaz de pressão e estímulo a implantação de soluções voltadas ao desenvolvimento sustentável. Como exemplo existe o programa de compras de materiais com maior conteúdo reciclado do governo norte-americano, que exige, por exemplo, que o papel para imprimir e escrever adquirido tenha pelo menos 30% de conteúdo reciclado (GPP 2005). No município de São Paulo, uma licitação na área de transportes incluiu como requisito a certificação ambiental ISO num prazo de cinco anos (SÃO PAULO 2005). Nos casos em que os governos escolhem implantar o sistema de gestão ambiental ISO 14001, torna-se uma obrigação estabelecer requisitos para produtos e serviços adquiridos que tenham aspectos ambientais significativos. (ABNT 2004), e isso pode ter conseqüências na sua relação com a legislação de licitações. Não será aprofundado esse ponto. Dando o exemplo e dando apoio Em relação à possibilidade de os governos e seus órgãos atuarem como exemplos na implementação de sistemas de gestão ambiental, não parece que esta atuação seria eficaz, uma vez que os governos não gozam prestígio suficiente para isso. MIZUNO (2002) cita novos programas de incentivo a pequenas e médias empresas para implantar a certificação, organizando seminários, mão-de-obra de especialistas, financiamento e subsídios para certas despesas. Isso poderia levar empresas a uma atuação mais responsável,

10 minimamente comprometida com o cumprimento da legislação, e que poderia trazer ganhos de competitividade. Um outro ganho possível, especificamente aplicável aos órgãos ambientais, seria o fato de que com os sistemas de gestão ambiental certificáveis as agências ambientais passam a contar com o que funciona praticamente como um sistema de fiscalização privatizada, uma vez que os auditores de certificação verificam, mesmo que de maneira amostral, se a empresa está cumprindo a legislação e se, caso esteja em não-conformidade, existem ações corretivas. CONCLUSÕES. Embora não tenha sido desenhado especificamente para o setor público, o sistema de gestão ambiental ISO pode trazer benefícios para a administração de atividades do setor público tais como administração de parques, departamentos de obras e serviços, saneamento, entre outros. Esse modelo já é uma ferramenta de gestão consolidada para cidades. As cidades com gestão mais pró-ativa estão investindo nele como ferramenta para melhoria da qualidade de vida de sua população. Entre esses benefícios destacam-se alguns muito difíceis de quantificar, tais como o maior compromisso dos funcionários, o melhor conhecimento dos processos gerenciais, a motivação e a mudança de cultura. Ganhos de imagem e cumprimento efetivo da legislação também são ganhos freqüentemente citados nos casos estudados. Em alguns casos benefícios quantificáveis relativos a eficiência energética, economia de recursos e outros também foram relatados. Na maioria dos casos, os sistemas de gestão ambiental implantados em órgãos da administração pública está ligada a órgãos municipais ou seu equivalente como governo local. O contato esses órgãos têm com questões ambientais concretas e mais gerenciáveis pelo seu porte mais localizado torna maior a chance de os sistemas de gestão ambiental implementados nesse nível de governo darem certo. No caso de serviços que do ponto de vista operacional podem ser prestados tanto por órgãos públicos como pelo setor privado, tais como energia, saneamento e sistema viário, já são inúmeros os exemplos de empresas públicas que implantaram sistemas de gestão e estão certificados. Quanto a possível influência da certificação em processos de privatização desses serviços, essa influência não parece ser decisiva, ou seja, o possível comprador não definirá sua compra ou preço baseado na existência ou não de um certificado de gestão ambiental. Resultados práticos e avaliações de passivos são mais importantes, nestes casos. A implantação de sistemas de gestão ambiental nas atividades de serviços públicos pode trazer benefícios importantes tais como redução de resíduos, redução de consumo de materiais, cumprimento de legislação, etc. e de energia, incluindo seus benefícios econômicos. No entanto, a obtenção prática desses benefícios tem que estar atrelada a uma estratégia claramente definida e que tenha continuidade. Essa é uma das principais dificuldades, uma vez que a administração pública está fortemente influenciada por pressões políticas que podem, de uma hora para outra, mudar as prioridades do governo e interromper projetos em andamento. Nesse sentido poderia apoiar a implantação de diretrizes estabelecidas nas agendas 21 locais, quando essas são implementadas incluindo participação da comunidade. Deste modo, os cidadãos tenderiam a cobrar a implantação e manutenção do sistema no longo prazo.

11 Outras dificuldades importantes a vencer incluem a mudança de postura dos funcionários, as mudanças que podem ser necessárias na legislação e regulamentação, uma vez que os órgãos e serviços públicos estão sujeitos a extensa regulamentação para sua atuação. A regulamentação pode ser limitadora de posturas mais pró-ativas e ágeis, por isso uma adequada estrutura institucional deve ser prevista durante a implantação do sistema de gestão. Também a mudança de postura dos funcionários da administração pública pode ser um benefício, em contraposição à cultura de líderes e heróis, podendo dar ênfase a integração entre áreas e trabalho em equipe. Mas isso depende de como o sistema é implantado, existem formas menos integradoras de fazê-lo. Em relação à possibilidade de as instituições governamentais darem o exemplo por meio de sua própria certificação, esse não parece ser um benefício procurado e é pouco provável que trouxesse frutos nesse sentido, uma vez que a administração pública em geral não goza de prestígio para tanto. Por outro lado, as instituições públicas podem influenciar o setor privado por meio de seu poder de compra, incluindo o sistema de gestão ambiental como requisito para suas compras. A inclusão de certificação ISO nos contratos como requisito ou como meta a ser atendida pelo fornecedor pode ser a principal forma de pressionar as empresas privadas a melhorar sua gestão ambiental. Por fim, o sistema de gestão ambiental pode estar inserido num contexto mais amplo de sistema de gestão de sustentabilidade, como fizeram algumas cidades, e neste ponto os ganhos econômicos por redução de custos advindos da implantação do sistema de gestão são menos importantes que o resultado global de qualidade de vida. BIBLIOGRAFIA [ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO Sistemas de Gestão Ambiental - Especificações. Rio de Janeiro: ABNT/ISO; [ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO Sistemas de Gestão Ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio. Rio de Janeiro: ABNT/ISO; AGUIAR, A.O. Sistemas de Gestão Ambiental na Indústria Química: Avaliação, desempenho e benefícios Tese (Doutorado em Saúde Pública) Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo [Anônimo] A framework for financial institutions to manage environmental and social issues in financing. Disponível em: <http://www.equator-principles.com/>. Acesso em 6 Jul BELTRAMO, R.; PANDOLFI, E. Environmental Certification of the Municipality of Cesana: a cost/benefit analysis. Disponível em: <web.econ.unito.it/cresta/ convegni/file/cesana_maribor.pdf>. Acesso em 06 Jul [BNDES] BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. O BNDES e o Meio Ambiente. Disponível em: < Acesso em 09 Jul BEKKERING M., McCALLUM D. ISO 14001: A Tool for Municipal Government to Achieve Sustainability. Greener Management International, Winter 1999 p103. Disponível em:< >. Acesso em: 8 Jul 2005.

12 [CANADA] FOREIGN AFFAIRS CANADA. Environmental Management. Disponível em: Acesso em 6 Jul DURBAN. Sustainability Management System. Disponível em:http://www.durban.gov.za/ethekwini/services/environment/sms. Acesso em 08 Jul 2005 ELLIOTT, C. A WWF perspective on ISO ISO Management Systems December p Disponível em: <www.iso.org/iso/en/iso / addresources/articles/viewpoints.html> Acesso em: 01 jul [EMBASA] EMPRESA BAIANA DE ÁGUAS E SANEAMENTO. Mantida ISO em Santo Antônio de Jesus. Disponível em: <http://www.embasa.ba.gov.br/index.asp?c_cod=350.> Acesso em: 01 Jul 2005 [GETF] GLOBAL ENVIRONMENT AND TECHNOLOGY FOUNDATION. Final Report: The US EPA Environmental Management System Pilot Program for Local government entities. Annadale (Estados Unidos): GETF/USEPA; Disponível em: <www.epa.gov/owm/iso14001/emsrepor.pdf>. Acesso em: 01 jul [GPP] GOVERNMENT PURCHASING PROJECT. Government Purchasing project report. Disponível em: <http://www.gpp.org/gpp.pdf>. Acesso em: 09 Jul INDECO STRATEGIC CONSULTING. The City of Toronto s Environmental Management System An Implementation Strategy Final Report. Toronto: INDECO; Disponível em: <>. Acesso em 6 Jul MARINHA DO BRASIL. DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. Portaria nº 22, de 14 de março de Diário Oficial da União 02/04/2002. Brasília p Disponível em: Acesso em 6 Jul MIZUNO K. Leading by example: local government in Japan adopts ISO and ISO 9000 funds SME implementation. ISO Management Systems May-June p Disponível em: <www.iso.org/iso/en/iso /addresources/articles/pdf/survey_3-02.pdf> Acesso em: 01 jul PINERO, E., GARVEY, W. Implementation of EMS in the federal government: Plan, execution, and lessons learned. Proceedings of the A and WMA's 97th Annual Conference and Exhibition; Sustainable Development: Gearing up for the Challenge. A&WMA; p [QSP] CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE. Empresas Certificadas Iso No Brasil. Disponível em: <http://www.qsp.org.br/>. Acesso em: 01 Jul [SABESP] COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DE SÃO PAULO. Premiações. Disponível em: <http://www.sabesp.com.br/a_sabesp/premiacoes/default.htm>. Acesso em: 01 jul [SANEPAR] COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ. ISO Disponível em: <http://www.sanepar.com.br/sanepar/calandra/calandra.nsf/lr/qualidade/36?opendocument &Squalidade> Acesso em: 01 Jul SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. RESOLUCAO No 15, DE 18 DE MARCO DE Diário Oficial do Estado de São Paulo 19/03/2005. SÃO PAULO (MUNICÍPIO). SECRETARIA DOS TRANSPORTES. Licitação 1 Concessão de Equipamentos de Transferência. Disponível em: < Acesso em: 6 Jul 2005.

13 SILVA FILHO, J. C. L. Sistema de gestão ambiental aplicado a prefeituras: uma nova possibilidade de gestão pública. V Encontro Nacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. 17 a 19 de novembro de FEA/USP. Anais. São Paulo: Plêiade; SOYKA, P. A.; MARSHALL, J. R. Executive Order 13148: Burden or Opportunity? Disponível em <www.ttemi.com/html/execorder.pdf > Acesso em 6 Jul SRINIVAS H. Cities, EMS and everything. Putting up a green front. Disponível em: < >. Acesso em: 8 jul [UNITED KINGDOM] Sustainable Development The Government's approach - delivering UK sustainable development together

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia

Normas ISO 14000. Jonas Lucio Maia Jonas Lucio Maia Agenda Origem das normas Normas ISO 14000 Similaridades GQ e GA Benefícios Críticas Bibliografia Origens das normas Quatro origens relacionadas: Padrões do Business Council for Sustainable

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS

VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS VIII-003 PREPARO DE RECURSOS HUMANOS PARA A IMPLANTAÇÃO DA ISO 14001 EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Andréia Guaracho Ramos (1) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação.

ISO 9001. As três primeiras seções fornecem informações gerais sobre a norma, enquanto as cinco últimas centram-se na sua implementação. ISO 9001 A ISO 9001 é um Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) standard que exige que uma dada organização satisfaça as suas próprias exigências e as dos seus clientes e reguladores. Baseia-se numa metodologia

Leia mais

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL

ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL ISO 14000 GESTÃO AMBIENTAL JOSÉ, Clodoaldo SILVA, Gabriel de Oliveira da PROENÇA, Leandro Gomes JUNIOR, Luiz Antonio Martins RESUMO ISO 14000 é uma norma desenvolvida pela ISO e que estabelece diretrizes

Leia mais

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi

Gestão da Segurança e Saúde no. Angela Weber Righi Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho Angela Weber Righi LEGISLAÇÃO BRASILEIRA PARA SST Legislação brasileira para SST Consolidação das leis do trabalho (CLT) editada em 01/05/1943 Título II das normas

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc.

PUC Goiás. Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. PUC Goiás Prof. Ricardo Resende Dias, MSc. 1 2 3 4 RAZÕES PARA ADOÇÃO DE PRÁTICAS SOCIOAMBIENTAIS AUMENTAR A QUALIDADE DO PRODUTO AUMENTAR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES ATENDER O CONSUMIDOR COM PREOCUPAÇÕES

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 1 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental A auditoria ambiental consiste em processo sistemático de inspeção, análise e avaliação das condições

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-057 - IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO SGI (MEIO AMBIENTE E SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO)

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre

Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta do Departamento de Engenharia Civil, UFPE, Engenheira Civil, Mestre VI-093 SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA NAS ÁREAS DE MEIO AMBIENTE, QUALIDADE, SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL UMA ABORDAGEM PRÁTICA NA INDÚSTRIA PETROFLEX-CABO/PE Maria do Carmo Sobral (1) Professora adjunta

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Pela Sustentabilidade dos Setores Público e Privado CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL Dr. Alexandre Martins Fernandes UNESP Bauru Limeira Outubro 2014 Redução de custos; Atendimento aos requisitos de qualidade dos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ENTENDENDO A ISO 14000

ENTENDENDO A ISO 14000 UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS ENTENDENDO A ISO 14000 Danilo José P. da Silva Série Sistema de Gestão Ambiental Viçosa-MG/Janeiro/2011

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people

Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental. Ivo Neves Gerente de Consultoria. For the benefit of business and people Mini-curso Sistema de Gestão Ambiental Ivo Neves Gerente de Consultoria For the benefit of business and people UNICAMP, Outubro 2005 1 Módulo I MÓDULO I VISÃO GERAL DE TEMAS AMBIENTAIS 2 1 Módulo I Conceitos

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF

XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF XX RAPAL DI 11 Presentado por Brasil Punto agenda 12a SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ SGA/EACF Sistema de Gestão Ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz SGA/EACF

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA ESPECIAL DE PORTOS PORTARIA SEP Nº 104, DE 29 DE ABRIL DE 2009. Dispõe sobre a criação e estruturação do Setor de Gestão Ambiental e de Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004

A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 A Norma Brasileira: ABNT NBR 16001:2004 São Paulo, 17 de junho de 2010 1 Retrospectiva Dezembro de 2003 - Criado o ABNT/GTRS para discutir posição brasileira em relação ao desenvolvimento de uma norma

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE

O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE O que é ISO 14001? Um guia passo a passo para o uso de um Sistema de Gestão Ambiental M EI O AM BI ENTE Índice O que é um SGA e o que é ISO 14001?...2 ISO 14001:1996. Suas perguntas respondidas...3 O sistema

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV

Certificação ISO/IEC 27001. SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação. A Experiência da DATAPREV Certificação ISO/IEC 27001 SGSI - Sistema de Gestão de Segurança da Informação A Experiência da DATAPREV DATAPREV Quem somos? Empresa pública vinculada ao Ministério da Previdência Social, com personalidade

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Empresas se veem numa nova lógica de mercado...

Empresas se veem numa nova lógica de mercado... Empresas se veem numa nova lógica de mercado... 20/04/2010 Acidente com uma plataforma de petróleo que causou o vazamento de 2,2 milhões de barris no mar. - 53,79% ... mas também enxergam novas oportunidades.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.

Curso ITIL Foundation. Introdução a ITIL. ITIL Introduction. Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot. Curso ITIL Foundation Introdução a ITIL ITIL Introduction Instrutor: Fernando Palma fernando.palma@gmail.com http://gsti.blogspot.com Agenda Definição / Histórico Escopo Objetivos Benefícios e Problemas

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS

PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS PRS - Programa de Responsabilidade Social do Crea-RS Gestão de Administração e Finanças Gerência de Desenvolvimento Humano e Responsabilidade Social Junho/2014 Desenvolvimento Sustentável Social Econômico

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

NBR ISSO 14004 Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio

NBR ISSO 14004 Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio Sumário NBR ISSO 14004 Sistemas de gestão ambiental Diretrizes gerais sobre princípios, sistemas e técnicas de apoio 1 Objetivo e campo de aplicação 2 Referências normativas 3 Definições 4 Princípios e

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco

Gestão Ambiental. Aula 5 Prof. Pablo Bosco Gestão Ambiental Aula 5 Prof. Pablo Bosco Proposito da aula ISO 14001 2 ISO 14001 O que é a ISO 14001? A ISO 14001 é uma Norma pertencente a família das ISO 14000 que trata de Sistema de Gestão Ambiental

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados

APRESENTAÇÃO. Direitos Reservados Monteiro Associados APRESENTAÇÃO PROPÓSITO Fazer a DIFERENÇA no DESENVOLVIMENTO saudável e sustentável das PESSOAS e das ORGANIZAÇÕES. VISÃO VISÃO DA EMPRESA TERMOS NOTÓRIO RECONHECIMENTO DA NOSSA COMPETÊNCIA NA GESTÃO DAS

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais