AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO PARANÁ, EM COMPARAÇÃO COM O BRASIL, A PARTIR DOS DADOS DA PNAD/2004. Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO PARANÁ, EM COMPARAÇÃO COM O BRASIL, A PARTIR DOS DADOS DA PNAD/2004. Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS"

Transcrição

1 AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO PARANÁ, EM COMPARAÇÃO COM O BRASIL, A PARTIR DOS DADOS DA PNAD/2004 Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS Categoria: PESQUISA Fernando Nisti Borges Economista pela Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão (FECILCAM) Av. Comendador Norberto Marcondes, 733 Campo Mourão/PR Rosangela Maria Pontili Professora Assistente pela Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão (FECILCAM) Membro do Grupo de Pesquisa: Estudos Regionais: geo-histórico, sócio-cultural, econômico, educacional e ambiental. Av. Guilherme de Paula Xavier, 295 Ap. 202 Campo Mourão/PR Janete Leige Lopes Professora Adjunta pela Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão (FECILCAM) Avenida Irmãos Pereira, 2211, centro, , Campo Mourão PR Telefones: (44) e (44)

2 AS CONDIÇÕES DE SEGURANÇA ALIMENTAR NO PARANÁ, EM COMPARAÇÃO COM O BRASIL, A PARTIR DOS DADOS DA PNAD/2004 Área: CIÊNCIAS ECONÔMICAS Categoria: PESQUISA Resumo O problema da pobreza no Brasil está ligado ao processo de colonização, que foi lento e concentrador de renda e levou à formação de grandes núcleos de pobreza. Para pesquisadores de diversas áreas do conhecimento, a pobreza e a concentração de renda tem sido os causadores da falta de segurança alimentar pelas famílias brasileiras. Em função disso, nos últimos anos, o tema passou a ter lugar de destaque em políticas sociais, por isso o governo tem investido em programas de transferências de renda, diretas e indiretas, como o Bolsa Família e alguns outros. Em vista o exposto, o objetivo deste trabalho foi o de investigar e divulgar a situação da segurança alimentar no Paraná, comparando-se com o Brasil. A metodologia usada para este fim foi o sistema de análise estatística descritiva, a partir dos dados do suplemento sobre Segurança Alimentar da PNAD de Os resultados mostraram que as crianças são as que mais sofrem com a insegurança alimentar; além disso, o percentual de pessoas, que se declarou de cor preta ou parda, que sofre com insegurança alimentar, é maior do que o percentual das pessoas que se declararam de cor branca; ainda também, no Brasil, a população situada nos domicílios rurais sofre mais com a falta de segurança alimentar e; por fim, as famílias com os menores níveis de renda per capita, são as que mais sofrem com a insegurança alimentar. Diante disso concluiu-se que os investimentos em programas, não só de distribuição, mas também de geração de renda, devem ser mantidos e melhorados. Palavras-chaves: distribuição de renda, segurança alimentar, políticas sociais. 1. INTRODUÇÃO A questão da alimentação é diretamente ligada, dentre outros fatores, a renda das famílias. Para entender esta relação é necessário fazer uma recapitulação de todo o processo histórico formador dos atuais níveis de distribuição de renda, que tiveram início no período da colonização. O processo de colonização no país foi lento e sem qualquer objetivo de criar uma sociedade desenvolvida e igualitária, arrastou-se por mais de quatro séculos e baseado na exploração dos recursos naturais e seus benefícios. Os ciclos econômicos da cana-de-açúcar, do ouro, do café, etc., até final do séc. XIX juntamente com outros processos, como o de imigração, foi dividindo o país em diferentes setores populacionais, com características distintas em vários aspectos econômicos e sociais. No séc. XX iniciou-se o processo de industrialização, mas novamente os benefícios não atingiram o país como um todo e apenas uma pequena parcela da população concentrou a renda gerada no processo produtivo. Com isso, apenas uma região teve um grande salto em seu crescimento enquanto outras regiões, desgastadas por um legado de exploração e abandono, formaram grandes núcleos de pobreza [(FURTADO, 1995); (BRUM, 1995)].

3 Em função do modelo concentrador de renda do Brasil, alguns estudos têm apontado que este é um dos maiores responsáveis pelos elevados índices de pobreza. O Brasil possui uma das piores distribuições de renda do mundo e um grande fomentador desta má distribuição é a disparidade regional, oriunda do processo de formação econômica. Isto porque, as diferentes características regionais brasileiras possuem fatores determinantes para formação dos salários e desempenho econômico das firmas. Exemplificando melhor, pode-se dizer que um trabalhador de Curitiba ganha 25,4% a mais que a média enquanto um trabalhador com as mesmas características de emprego e setor, trabalhando em Belém, ganha 10% a menos que a média. Além disso, a eliminação da desigualdade regional reduziria a desigualdade de renda entre 2% e 5% (ARBACHE, 2003). No Paraná, também existe uma grande disparidade de renda entre a população, só que verificada de acordo a divisão em mesorregiões. Quando verificada entre a população residente em área urbana ou rural os resultados diferem do analisado em nível nacional, pois o percentual de famílias e pessoas pobres na área urbana é maior do que as famílias e pessoas pobres residentes na área rural (IPARDES, 2006). Dada a existência de elevados índices de pobreza os pesquisadores, setores governamentais e diversas instituições passaram a se preocupar com a situação da segurança alimentar no país. Após os avanços sobre o tema chega-se a um conceito que abrange o direito do acesso a alimentação saudável, com suficiência de qualidade e em quantidade ininterrupta, fundada em bases sustentáveis. O tema passou a ocupar lugar de destaque em políticas sociais a partir da década de 90 e vem, com o passar dos anos, ganhando uma importância cada vez maior. Isto em função dos atuais níveis de distribuição de renda e do volume de pessoas que sofrem com o problema da fome, comparados a capacidade e potencialidade produtiva agrícola do nosso país. Ou seja, ao estar em um país com abundância de recursos naturais é complexo lembrar-se do volume de pessoas que passam fome. Por isso, o governo tem feito, nos últimos anos, para que a questão da fome pela insuficiência de renda seja combatida, transferências diretas e indiretas, como por exemplo, o Bolsa Família e o programa de incentivo a agricultura familiar [(LEITE, 2005); (MALUF; MENEZES e VALENTE, 1996);(CUNHA e LEMOS, 1997);(TAKAGI, 2007); (IPEA, 2007)] Em vista do acima exposto, o objetivo deste trabalho, é o de investigar e divulgar a situação da segurança alimentar no Paraná, comparando-a com a realidade do Brasil. Assim, para uma melhor interpretação dos resultados, subdividiu-se a população investigada de acordo com idade, sexo, cor ou raça, situação do domicílio e por rendimento domiciliar per capita. A fim de se chegar aos resultados fizeram-se análises estatísticas descritivas, dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estes dados são oriundos do suplemento sobre Segurança Alimentar da PNAD de 2004, que tem como data de referência 25 de setembro de 2004, na qual o morador identificado como preparado foi indagado com 15 perguntas elaboradas de acordo com a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA). Esta escala, procura identificar qual a real situação da insegurança alimentar, nos adultos e crianças, com referência aos noventa dias anteriores a pesquisa, atribuindo uma pontuação para cada nível. Ao se indagar sobre o tema e questioná-lo quanto a sua devida importância algumas hipóteses foram estabelecidas no início do trabalho, as quais motivaram essa pesquisa: Acredita-se que mesmo com uma grande força e potencialidade produtiva o Brasil possui uma quantidade expressiva de pessoas sofrendo com o problema de insegurança alimentar; supõese que a má distribuição da renda é fator condicionante para que haja insegurança alimentar em uma população; acredita-se que os primeiros estudos sobre o tema foram de grande valia

4 para as atuais investigações na área de segurança alimentar e, discutir cada vez mais sobre o tema, contribuirá para que novas iniciativas sejam tomadas neste campo. 2. METODOLOGIA E DADOS A presente pesquisa compõe-se de uma análise estatística descritiva das condições da segurança alimentar das famílias paranaenses. Fonseca e Martins (2008) definem a estatística descritiva como o conjunto de técnicas com o objetivo de descrever, analisar e interpretar dados numéricos sobre a população, mostrando o comportamento de variáveis numéricas, levantadas por pesquisas, através de tabelas, mapas, etc. Toda a coleta, forma de organização e também a descrição dos dados está a cargo da estatística descritiva, que tem por objetivo, também, permitir que se obtenham conclusões que estão além dos dados obtidos. Uma fase importante da estatística descritiva está na coleta dos dados. Neste trabalho, serão utilizados os dados da Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios (PNAD) tendo como ano de referência Esta pesquisa é feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), integrando o Programa Nacional de Pesquisas Contínuas por Amostra de Domicílios desde Tal levantamento é proveniente da necessidade de informações para planejar e acompanhar o desenvolvimento social do País. Antes disso, eram usados os dados decenais oriundos dos censos demográficos, que eram incompletos e muito defasados no tempo. Até 1970, a PNAD era realizada trimestralmente e, atualmente, seus levantamentos são anuais tendo vários propósitos. Sendo assim, investiga características sócio-econômicas em uma amostra de domicílios brasileiros. Pode-se elencar, assim, dois principais objetivos da PNAD: fazer o estudo dos temas não completos ou pouco investigados nos censos demográficos realizados a cada dez anos; obter informações sobre a população do país entre um censo e o próximo. A estrutura da PNAD se divide em pesquisa básica, pesquisas suplementares e pesquisas especiais, a fim de investigar a maior parte dos temas com um intervalo pequeno de tempo, já que não seria possível fazer a pesquisa de todos os temas de interesse de forma contínua. Os temas básicos que integram o questionário são população, educação, trabalho, rendimento e habitação. Os suplementares aprofundam-se na pesquisa dos temas permanentes e assuntos interligados com a pesquisa básica. Já os temas especiais são usados em assuntos de maior complexidade, com um tratamento a parte da pesquisa básica. Através da PNAD de 2004, a situação da segurança alimentar no país, objeto deste trabalho, pode ser observada também através de um questionário dirigido a um morador identificado como preparado para respondê-lo. Desta forma, detectaram-se e dimensionaramse, também, os problemas de insegurança alimentar manifestados de forma mais pesada, ou seja, através da fome. A pesquisa também permitiu classificar os domicílios que estavam em Insegurança Alimentar leve, moderada ou grave. Ao adaptar alguns modelos de questionários usados para avaliar a Segurança Alimentar no Brasil e em outros países como Estados Unidos, Canadá, México foi elaborado e validado a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), para a qual os primeiros estudos foram realizados em São Paulo e em Brasília. Posteriormente, a validade da escala foi confirmada em cinco regiões do Brasil para então ser incorporada na PNAD.

5 Na referida pesquisa realizada em 2004, foram feitas 15 perguntas, sendo que nove eram relativas aos adultos e residentes e as outras seis às crianças. As perguntas eram referentes aos noventa dias anteriores a realização da pesquisa, que se deu no dia 25 de setembro de Somente as alternativas sim e não eram dadas. Se a resposta fosse afirmativa, eram indagados quanto à freqüência em que se ocorriam estes eventos, com as alternativas de: em quase todos os dias, em alguns dias e em apenas um ou dois dias. Na seqüencia, a tabela 1 mostra as perguntas realizadas na pesquisa. Tabela 01 Perguntas incluídas no Suplemento de Segurança Alimentar da PNAD 2004 referentes à escala EBIA. Perguntas Moradores tiveram preocupação de que os alimentos acabassem antes de poderem comprar ou receber mais comida Alimentos acabaram antes que os moradores tivessem dinheiro para comprar mais comida Moradores ficaram sem dinheiro para ter uma alimentação saudável e variada Moradores comeram apenas alguns alimentos que ainda tinham porque o dinheiro acabou Algum morador de 18 anos ou mais de idade diminuiu alguma vez a quantidade de alimentos nas refeições ou deixou de fazer alguma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador de 18 anos ou mais de idade alguma vez comeu menos porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador de 18 anos ou mais de idade alguma vez sentiu fome mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador de 18 anos ou mais de idade perdeu peso porque não comeu quantidade suficiente de comida devido à falta de dinheiro para comprar comida Algum morador de 18 anos ou mais de idade alguma vez fez apenas uma refeição ou ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador com menos de 18 anos de idade alguma vez deixou de ter uma alimentação saudável e variada porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador com menos de 18 anos de idade alguma vez não comeu quantidade suficiente de comida porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador com menos de 18 anos de idade diminuiu a quantidade de alimentos nas refeições porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador com menos de 18 anos de idade alguma vez deixou de fazer uma refeição porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador com menos de 18 anos de idade alguma vez sentiu fome mas não comeu porque não havia dinheiro para comprar comida Algum morador com menos de 18 anos de idade alguma vez ficou um dia inteiro sem comer porque não havia dinheiro para comprar comida Fonte: PNAD/2004 A preocupação com a falta de alimentação em um futuro próximo, provocada por alguma instabilidade socioeconômica, pode ser refletida através do questionário e sua ordem. Caso o problema não se resolva, reduz-se a quantidade consumida de alimentos, primeiramente entre os adultos, em seguida pelas crianças. Esta redução pode ser mais amena no início, mas pode agravar-se, levando até a fome. Esta situação é identificada através de

6 uma escala, que tem como um dos exemplos o fato de um adulto ou criança passar fome por falta de renda para a compra de comida. De acordo com esta escala, podem-se classificar quatro categorias: Segurança Alimentar, Insegurança Alimentar Leve, Insegurança Alimentar Moderada e Insegurança Alimentar Grave, categorias estas definidas pela validação da EBIA. Para obtenção desta classificação é atribuída uma pontuação a cada domicilio de acordo com o número de respostas positivas às perguntas da escala. Para facilitar o entendimento seguem-se os quadros 1 e 2, com as pontuações dadas pela PNAD Categorias Pontuação Segurança Alimentar 0 pontos Insegurança Alimentar leve 1 a 5 pontos Insegurança Alimentar moderada 6 a 10 pontos Insegurança Alimentar grave 11 a 15 pontos Quadro 1 Pontuação para classificação dos domicílios com pelo menos um morador de menos de 18 anos de idade nas categorias de segurança alimentar. Categorias Pontuação Segurança Alimentar 0 pontos Insegurança Alimentar leve 1 a 3 pontos Insegurança Alimentar moderada 4 a 6 pontos Insegurança Alimentar grave 7 a 9 pontos Quadro 2 Pontuação para classificação dos domicílios com somente moradores de 18 anos ou mais de idade, nas categorias de segurança alimentar. As condições para poder estimar a prevalência de segurança alimentar nas unidades familiares está na estrutura da escala, com um agrupamento conceitual adequado e cientificamente testado, de maneira que não se recomenda que se utilize de procedimentos de análise a partir de uma ou mais de suas perguntas, isoladamente, ou de outra maneira. Os resultados que poderiam ser obtidos por abordagens inadequadas poderiam fornecer resultados não-consistentes e não-comparáveis com os que foram apresentados. Com base no material divulgado pelo IGBE, apresentam-se, em seguida, os resultados do presente trabalho. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES Na seqüência, iremos analisar os dados obtidos pela PNAD de 2004 conforme disposto no capítulo anterior quanto à situação da Segurança Alimentar em domicílios particulares do Paraná, em comparação com o Brasil. Estes dados estão dispostos de acordo com a idade, sexo, cor ou raça, domicílios rurais e urbanos e por fim rendimento domiciliar per capita. Do total da população residente no Brasil, observamos que o grupo com maior problema está na faixa etária de 0 a 4 anos de idade, onde mais da metade dessa população teve algum tipo de Insegurança Alimentar (IA), leve, moderada ou grave, no período da pesquisa. O que mais preocupa é que um percentual próximo a 10%, o que equivale a mais de um 1,5 milhões de crianças até cinco anos de idade, passaram fome nos noventa dias

7 anteriores a pesquisa, como pode ser observado na tabela 1. Outro detalhe importante diz respeito à faixa etária dos 18 a 49 anos, pois apesar do percentual com insegurança alimentar grave ser inferior ao das crianças (6,6%), em termos absolutos tem-se aproximadamente 6 bilhões de pessoas. Tabela 01 População residente do Brasil em termos de segurança e insegurança alimentar, de acordo com os grupos de idade. Situação de segurança alimentar existente no domicílio Grupos de Idades Com Com insegurança alimentar segurança alimentar Leve Moderada Grave BRASIL percentual a 4 anos % ,52 21,69 18,41 10,33 5 a 17 anos % ,67 21,01 16,95 10,30 18 a 49 anos % ,03 17,47 12,87 6,60 50 a 64 anos % ,02 13,86 11,85 6,25 65 anos ou % ,85 12,87 10,66 4,60 Fonte: PNAD/2004. Com relação ao Paraná (tabela 2) a faixa etária referente as crianças de 0 a 4 anos também é a mais afetada pela Insegurança Alimentar, só que em menor intensidade, pois o percentual com insegurança alimentar grave é de 5,46%. De toda população nesta faixa etária cerca de 35% da sofreu, nos noventa dias anteriores a pesquisa, com algum tipo de IA. Observando-se todos os intervalos de faixas etárias percebe-se o problema da insegurança alimentar no Paraná é menos grave que no Brasil como um todo, pois sempre é maior o percentual de pessoas com segurança alimentar. Entretanto, dizer que uma pessoa teve problemas de insegurança alimentar leve é semelhante a dizer que esta pessoa passou fome, ou teve receio de ficar sem comer, em algum período do mês. No Paraná, mais de pessoas, com idade entre 18 e 49 anos vivenciou esta condição. Somando-se toda população, tem-se em torno de um milhão e meio de pessoas que, em função deste receio, dão um indicativo de que vivem condições precárias de vida.

8 Tabela 02 População residente do Paraná em termos de segurança e insegurança alimentar, de acordo com os grupos de idade. Grupos de Idades Situação de segurança alimentar existente no domicílio Com segurança alimentar Com insegurança alimentar Leve Moderada Grave PARANÁ percentual a 4 anos % ,44 18,75 12,35 5,46 5 a 17 anos % ,90 18,90 11,54 4,65 18 a 49 anos % ,28 14,23 8,19 3,29 50 a 64 anos % ,91 11,90 9,52 3,68 65 anos ou % ,43 12,25 6,77 3,55 Fonte: PNAD/2004. A tabela 03 mostra a realidade de segurança alimentar, no Brasil e no Paraná, segundo o sexo. De acordo com o que pode ser visualizado não existe diferença de gênero quando se trata tanto da segurança, quanto da insegurança alimentar. No Brasil, cerca de 40% da população de homens e mulheres sofrem com algum tipo de insegurança alimentar e, no Paraná, cerca de 30%. Na tabela 04 pode ser vista a situação de segurança alimentar, segundo a raça ou cor, da população brasileira, em comparação aos paranaenses. Como se pode observar, no Brasil cerca de 30% da população que se auto-declarou de cor ou raça branca, passou por algum tipo de insegurança alimentar no período da pesquisa. Já, mais da metade da população do país, considerada de cor preta ou parda sofreu com a insegurança alimentar no período, o que é equivalente a 45 milhões de pessoas. Neste quociente, mais de dez milhões estavam incluídos na parcela com Insegurança Alimentar grave, representando 11,54% da referida população. No Paraná, mais de 40% da população de cor preta ou parda passou por algum tipo de insegurança alimentar no período já mencionado, em comparação à população branca que, não atinge os 25%. Ressalta-se, ainda, que entre os descendentes da raça negra, 14,72% sofreu com a insegurança alimentar moderada e 6,96% com a grave.

9 Tabela 03 População residente no Brasil e Paraná em termos de segurança e insegurança alimentar, de acordo com o sexo. Homens e Mulheres Situação de segurança alimentar existente no domicílio Com segurança alimentar BRASIL Com insegurança alimentar Leve Moderada Grave Homens % ,11 17,83 14,22 07,80 Mulheres % ,42 18,10 13,93 07,51 Homens e Mulheres Situação de segurança alimentar existente no domicílio Com segurança alimentar PARANÁ Com insegurança alimentar Leve Moderada Grave Homens % ,57 15,39 09,24 03,80 Mulheres % ,43 15,15 09,53 03,89 Fonte: PNAD 2004 Comparando-se os descendentes de brancos e de negros, no Paraná, o percentual de pessoas pretas ou pardas que sofreram com insegurança alimentar grave é 2,45 vezes maior que o percentual de brancos. No Brasil, este percentual é 2,84 vezes maior. Ou seja, o estado reproduz o mesmo problema social percebido no país, de que o percentual de pobres está mais concentrado entre os descendentes de negros, os quais têm sofrido mais com a miséria e a fome. Esta análise permite ir de encontro ao que já foi demonstrado por Furtado, (1995, p. 10), para o qual, uma grande massa de escravos recém libertada, após o processo de abolição, era simplesmente lançada a sua própria sorte, sem que houvesse a mínima distribuição de renda. Os negros e pardos brasileiros são descendentes de um processo de crescimento econômico injusto e desumano, que não foi capaz de distribuir uma parte do rico quinhão a esta parcela da população trabalhadora.

10 Tabela 04 População residente no Brasil e Paraná em termos de segurança e insegurança alimentar, de acordo com a cor ou raça. Cor ou Raça Situação de segurança alimentar existente no domicílio Com Com insegurança alimentar segurança alimentar Leve Moderada Grave BRASIL Branca % ,86 14,93 9,12 4,05 Preta e Parda % ,69 21,27 19,45 11,54 Outras % ,15 13,77 8,48 4,61 PARANÁ Branca % ,43 14,01 7,73 2,84 Preta e Parda % ,96 19,36 14,72 6,96 Outras % ,21 7,94 1,19 2,65 Fonte: PNAD 2004 As condições de segurança alimentar, da população residente do Brasil, em comparação ao Paraná, classificados de acordo com a situação do domicilio, podem ser vistas na tabela 05. Os dados obtidos do total da população residente brasileira revelam que a metade dos domicílios rurais passou por problemas de insegurança alimentar, enquanto o percentual dos municípios urbanos que enfrentaram problemas de insegurança alimentar é inferior a 40%. Estes dados reafirmam a idéia de que a insegurança alimentar é diretamente ligada com a pobreza, pois de acordo com Arbache (2003), a pobreza, no Brasil, está mais concentrada em áreas rurais, principalmente do nordeste do país. Já no Paraná, existe uma proporção menor de domicílios que sofreram com a insegurança alimentar na área rural e maior na área urbana, apesar desta diferença ser muito pequena. Ou seja, cerca de 30% dos domicílios rurais e urbanos do Paraná tiveram, no período da pesquisa, algum tipo de insegurança alimentar. Neste caso, uma maior diferença entre as áreas urbana e rural é percebida no caso da insegurança alimentar grave, pois 4,19% dos domicílios urbanos sofrem com este problema, em comparação a 2,09% dos domicílios rurais. Esta seria uma questão para ser investigada de maneira mais detalhada, pois pessoas pobres e passando necessidade comprometem o desenvolvimento econômico de um estado ou região, uma vez que não estão aptas a produzir. Se a insegurança alimentar é tão grave nas áreas urbanas quanto nas rurais, há um indicativo de que a pobreza está se concentrando nas periferias dos grandes centros, o que geraria problemas de saneamento básico, aumento da

11 violência e do tráfico de entorpecentes, os quais são menos perceptíveis quando se observa a pobreza das áreas rurais. Tabela 05 População residente no Brasil e Paraná em termos de segurança e insegurança alimentar, de acordo com a situação do domicílio. Situação do Domicílio Situação de segurança alimentar existente no domicílio Com Com insegurança alimentar segurança alimentar Leve Moderada Grave BRASIL Urbana % ,35 17,70 12,96 6,94 Rural % ,09 19,25 19,52 11,13 PARANÁ Urbana % ,16 15,25 9,41 4,19 Rural % ,23 15,38 9,29 2,09 Fonte: PNAD/2004 Na tabela 06, vemos os níveis e segurança e insegurança alimentar na população residente do Brasil, classificados de acordo com sete níveis de rendimentos per capita, sendo eles: até ¼ do salário mínimo; mais de ¼ a ½ salário mínimo; mais de 1 a 2 salários mínimos; mais de 2 a 3 salários mínimos; mais de 3 salários mínimos e sem rendimento. Observamos que o maior percentual com algum tipo de insegurança alimentar está entre a população com renda per capita até ¼ do salário mínimo. Vemos que o total de pessoas que passaram por alguma situação de IA no período da pesquisa, no nível de renda per capita acima comentado, chega a mais de 80%. Deste percentual, aproximadamente 30% passou fome, ou seja, declararam ser vítimas da IA grave. A parcela da população residente no país, com renda de mais de 3 salários mínimos, apresenta o menor percentual de pessoas com insegurança alimentar, sendo pouco mais de 4%. Além disso, a insegurança alimentar grave não atinge 0,5%. Mas o que estes percentuais de insegurança alimentar significam em termos de volume populacional? A população com até ¼ do salário mínimo, na qual mais de 80% do total sofre com algum tipo de insegurança alimentar, corresponde a mais de 16 milhões de pessoas. Com a situação de IA grave, chega-se a quase 6 milhões de pessoas. Já a população com renda de mais de 3 salários mínimos por pessoa, na qual aproximadamente 4% teve insegurança alimentar, equivale a 750 mil pessoas e, com IA grave, tem-se pouco mais de 30 mil pessoas.

12 Tabela 06 População residente do Brasil de acordo com a renda domiciliar per capita. População residente do Brasil Situação de segurança alimentar existente no domicílio Rendimento domiciliar Per Capita Com Com insegurança alimentar segurança alimentar Leve Moderada Grave BRASIL domiciliar per capita (1) (2) Até 1/4 do salário mínimo (2) % ,55 21,01 33,73 28,62 Mais de 1/4 a 1/2 salário mínimo (2) % ,99 26,94 25,51 12,51 Mais de 1/2 a 1 salário mínimo (2) % ,33 22,26 13,6 4,76 Mais de 1 a 2 salários mínimos (2) % ,98 14,25 5,18 1,58 Mais de 2 a 3 salários mínimos (2) % ,34 7,19 1,83 0,62 Mais de 3 salários mínimos (2) % ,95 3,26 0,59 0,16 Sem rendimento (2) (3) % ,76 18,71 24,83 27,6 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1) Exclusive os rendimentos das pessoas de menos de 10 anos de idade e das pessoas cuja condição no domicílio era pensionista, empregado domesticam ou parente do empregado doméstico. (2) Exclusive as pessoas cuja condição no domicílio era pensionista, empregado doméstico ou parente do empregado doméstico. (3) Inclusive os domicílios cujos componentes recebiam somente em benefícios. Por estes dados, podemos provar o que já havíamos dito: que a escassez de rendimentos é uma das principais causas da insegurança alimentar nas famílias do Brasil. É preciso levar em conta também, os números expressivos de pessoas que sofrem com a insegurança alimentar, mostrando que a má distribuição de renda do país leva milhões de pessoas a sofrerem com a fome. Além disso, é negado a estas pessoas um direito no qual está fundado o conceito da Segurança Alimentar exposto no capítulo II deste trabalho: a realização do direito de todos a uma alimentação saudável, acessível, de qualidade, em

13 quantidade suficiente e de modo permanente..., e também no artigo 2º da Lei sobre a segurança alimentar: A alimentação adequada é direito fundamental do ser humano, inerente à dignidade da pessoa humana e indispensável à realização dos direitos consagrados na Constituição Federal.... Na tabela 07, analisa-se a situação dos domicílios no Paraná, classificados de acordo com a renda domiciliar per capita. Como se pode observar, o Paraná demonstra os mesmos padrões de insegurança alimentar do país. Novamente, vê-se o quanto os domicílios com os menores níveis de renda per capita são diretamente afetados com a insegurança alimentar. Quase 80% dos domicílios com até ¼ do salário mínimo de renda per capita passou por algum tipo de insegurança alimentar, sendo que quase 20% desde total sofreu com a insegurança alimentar grave, ou seja, passaram fome. Tabela 07 População residente do Paraná de acordo com a renda domiciliar per capita. Situação de segurança alimentar existente no domicílio Rendimento domiciliar Per Capita Com Com insegurança alimentar segurança alimentar Leve Moderada Grave PARANÁ domiciliar per capita (1) (2) Até 1/4 do salário mínimo (2) % ,8 30,1 30,29 18,81 Mais de 1/4 a 1/2 salário mínimo (2) % ,09 25,8 21,34 9,77 Mais de 1/2 a 1 salário mínimo (2) % ,76 19,69 11,43 3,12 Mais de 1 a 2 salários mínimos (2) % ,47 12,4 4,04 1,08 Mais de 2 a 3 salários mínimos (2) % ,06 5,29 1,52 1,12 Mais de 3 salários mínimos (2) % ,89 2,57 0,51 0,03 Sem rendimento (2) (3) % ,65 18,15 22,39 24,82 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa (1) Exclusive os rendimentos das pessoas de menos de 10 anos de idade e das pessoas cuja condição no domicílio era pensionista, empregado domesticam ou parente do empregado doméstico. (2) Exclusive as pessoas cuja condição no domicílio era pensionista, empregado doméstico ou parente do empregado doméstico. (3) Inclusive os domicílios cujos componentes recebiam somente em benefícios. Nos domicílios com renda per capita de até 1 salário mínimo, vê-se uma redução parcial destes índices. Mas, ainda assim, mais da metade da população com este nível de renda passa pela I.A, havendo um percentual de, aproximadamente, 10% na condição de I.A grave. Ao longo da evolução dos percentuais de renda per capita verificamos a redução dos

14 níveis de I.A e a situação de segurança alimentar passa a prevalecer no domicilio. Em domicílios onde a renda per capita é de mais de três salários mínimos, o percentual de insegurança alimentar nos três é baixíssimo, chegando a pouco mais de 40 mil pessoas. É possível comparar as pessoas com mais de 3 salários mínimos, de renda domiciliar per capita, com aquelas que chegam a ¼ do salário mínimo. No segundo caso, chegou-se a um total de quase 500 mil pessoas, o que seria equivalente a uma cidade do tamanho de Londrina-PR, enquanto os indivíduos com mais de três salários equivalem a uma cidade do tamanho de Medianeira-PR. Finalmente, reforçamos o fato de existir uma ligação entre a segurança alimentar e o nível de renda, pois, de acordo com os dados que analisados os maiores níveis de segurança alimentar são vistos entre as pessoas que possuem uma renda domiciliar per capita relativamente elevada. Com a queda deste nível de renda, os indivíduos com S.A vão diminuindo gradativamente, conseqüentemente o nível de I.A passa a ser maior. Isso pode ser observado tanto no âmbito Estadual como no Federal, de acordo com a tabela anterior, ou seja, a renda se mostra como o fator principal da Segurança Alimentar. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS Neste trabalho teve-se por objetivo analisar, investigar e divulgar a situação da segurança alimentar no estado do Paraná e também no Brasil através da estatística descritiva, com dados obtidos pela PNAD de Para poder melhor interpretar os resultados e ter um dimensionamento maior das condições de segurança alimentar no Brasil e Paraná, os dados acima citados foram subdivididos em categorias distintas. Os resultados aqui apresentados mostraram que as crianças são as que mais sofrem com a insegurança alimentar, chegando a 50% daqueles com idade até 4, anos no Brasil. No Paraná, por sua vez, este percentual corresponde a quase 37%. Além disso, percebeu-se que o percentual de pessoas que tem segurança alimentar aumenta com a idade. Concluímos, assim, que é de fundamental importância desenvolver políticas públicas que acompanhem as condições de saúde das crianças, garantindo-lhes a oportunidade de crescer e desenvolver-se, independentemente de sua classe ou renda. Temos conhecimento de projetos desenvolvidos por diversas instituições, como a Pastoral da Criança, que ficou mundialmente famosa por criar uma farinha que, adicionada aos alimentos, reduz a desnutrição infantil. Este e outros projetos merecem acompanhamento e incentivo, tanto moral quanto financeiro. Mas, como mostram os números, ainda são muitos os casos de crianças passando fome em todo país. Podemos tomar como exemplo uma matéria veiculada na TV Globo, no Jornal Hoje, de 10 de outubro de 2008, que mostra a dura realidade de uma criança que vive com quatro irmãos e seus pais na região semi-árida do Nordeste do país. Segundo a própria reportagem, o número de crianças desnutridas, nesta região, é quatro vezes maior que no resto do país. Maria Luiza é uma menina com 8 anos de idade, com aparência franzina, devido ao problema da fome que enfrenta desde o seu nascimento. Ela relata que chega até a comer barro para matar a fome: Não tem comida todo dia na minha casa. Eu fico chateada, choro, vou em todo canto, mas não tem Essas são as palavras da própria Maria Luiza para a repórter. Sua mãe, Claudenice da Silva, também dá uma declaração triste sobre a realidade que enfrentam: É duro a gente ouvir um filho dizer que quer comer e não ter o que dar. Quando eu vejo que não tem, eu já saio à noite para conseguir comida para a manhã.

15 A matéria traz a declaração de uma pediatra, segundo a qual os efeitos da fome na infância são drásticos, pois dependendo da intensidade da desnutrição, a criança irá sofrer com as seqüelas no resto de sua vida. Poderão ocorrer problemas como o comprometimento metabólico, distúrbios metabólicos, redução da imunidade e infecções por conseqüência disso. Afirma, ainda, que a criança poderá tornar-se um adulto com retardo no desenvolvimento psíquico, com sua saúde comprometida por toda a sua vida. São declarações como essas que mostram o quanto é importante que se adote políticas públicas visando o combate a fome. Além de a saciedade ser um direito estabelecido pela constituição, uma pessoa que tem sua infância marcada pela fome irá, com certeza, onerar os cofres públicos futuramente com tratamento de doenças que irão se desenvolver, por existirem problemas em seu desenvolvimento. Este trabalho mostrou, ainda, que mais da metade da população do país, de cor preta ou parda sofre com algum tipo de insegurança alimentar, chegando a mais de 45 milhões de pessoas. No Brasil, após o período de escravidão, grandes bolsões de pobreza foram se formando em algumas regiões, principalmente no nordeste. Como a questão da segurança alimentar também esta diretamente ligada à pobreza, essa parcela da população, pobre e marginalizada, propaga ainda mais a pobreza e a situação da fome no país. Por isso, concluise que é importante investir em políticas sociais, no país, que possam visar o auxílio a esta população que sofre com a marginalização e pobreza. Pode-se citar como exemplo de políticas de redução das diferenças sociais as cotas, em concursos e universidades do país. Estas são iniciativas do poder público que podem melhorar a questão da segregação racial no país, para uma melhor qualidade de vida para todos. Vê-se também, que no Brasil, mais da metade dos domicílios rurais sofrem com a insegurança alimentar. No Paraná, a situação se inverte, pois o número de domicílios com problemas de insegurança alimentar é maior na área urbana. Isso nos faz pensar sobre as políticas de agricultura familiar adotadas no país. Levando-se em conta que os problemas de segurança alimentar são enfrentados, principalmente, por pequenos agricultores, concluímos que os programas de incentivo a agricultura familiar tem importante papel no combate a fome. Temos, ainda, programas como o citado no capítulo II: o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, além do programa de construção de cisternas, para famílias de agricultores nordestinos que sofrem com os problemas da seca, etc. É complexo pensar que em um país com tanta produção agrícola, os próprios produtores rurais sofram com a insegurança alimentar. Novamente, volta-se para a questão da concentração de renda, que, claramente é o que nos faz entender o porque da referida população rural sofrer com os problemas de insegurança alimentar. Vê-se que a concentração de renda, no país, dá-se não somente no meio urbano, mas o mesmo acontece com a população rural. Isto é, para se ter tanta produção e, ao mesmo tempo, tanta gente passando fome neste meio, só pode ser porque a produção está concentrada nas mãos de poucas pessoas. É sobre a população mais pobre da área rural que os programas governamentais já comentados e também outros, como o Programa Nacional de Agricultura Familiar (PRONAF), por exemplo, devem assistir. É claro que a produção atual é importante, não só para a Segurança Alimentar do país como um todo, mas para o superávit primário também. Mas, não se deve esquecer de que alimentar-se é um direito de todos e já que o país é beneficiado com riqueza de recursos naturais, não faz sentido deixar que milhões de pessoas passem fome, ou se alimentem de maneira insuficiente. A constatação de que a concentração de renda é um dos principais causadores da insegurança alimentar no país, foi mais uma vez comprovada, quando se analisou a situação da insegurança alimentar por faixas de renda. Percebeu-se, então, que, na população com até

16 ¼ do salário mínimo, mais de 16 milhões de pessoas estavam em situação de insegurança alimentar e mais de 5 milhões sofriam de insegurança alimentar grave. É como se disséssemos que, aproximadamente, toda a população dos estados do Paraná e Santa Catarina tivesse problemas de insegurança alimentar e, aproximadamente, a população do estado de Goiás passasse fome. No Paraná, a falta de recursos financeiros para comprar comida leva mais de meio milhão de pessoas a passarem fome. Concluí-se, assim, que devem ser mantidos e ampliados os programas de distribuição de renda no Brasil, como o Bolsa-Família, por exemplo. Além disso, é de fundamental importância melhorar a gestão e distribuição dos recursos destes programas. Além deste, programas como o dos restaurantes populares também são importantes para a redução dos níveis de insegurança alimentar no Brasil e Paraná. Mas, também é importante criar condições para que o indivíduo possa ter fontes sustentáveis de rendimento. Ou seja, criar políticas sociais de redução do desemprego, como também programas de capacitação para o trabalho. Os investimentos de curto prazo, para a melhoria na segurança alimentar da população, são importantíssimos, mas relembrando o próprio conceito de sustentabilidade da segurança alimentar, é preciso investir em políticas que desenvolvam um melhor nível de distribuição de renda. Para que isso aconteça, um dos passos é investir na educação, assim como na qualidade educacional do país, a fim de se obter retornos de longo prazo. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARBACHE, J. S. Pobreza e mercados no Brasil: uma análise de iniciativa de políticas públicas. Brasília: CEPAL, BARROS, R. P.; FOGUEL, M. N. ; ULYSSEA, G. Desigualdade de renda no Brasil: uma análise da queda recente. Brasília: IPEA, BRASIL. Casa Civil. Lei n , de 15 de setembro de Dispõe sobre a criação do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - SISAN com vistas em assegurar o direito humano à alimentação adequada e dá outras providências. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/consea/static/eventos/losan.htm> Acesso em 3 jun BRUM, A. J. Desenvolvimento econômico brasileiro. 15. ed. São Paulo: Vozes, Crianças sofrem os efeitos mais perversos da fome no Brasil. Jornal Hoje, São Paulo, 10 out Disponível em: <http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,mul ,00- CRIANCAS+SOFREM+OS+EFEITOS+MAIS+PERVERSOS+DA+FOME+NO+BRASIL.h tml>. Acesso em: 29 out CUNHA, A. R. A. A.; LEMOS, M. B. Segurança alimentar sob o prisma das políticas urbanas de abastecimento. Belo Horizonte: UFMG, FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A. Curso de Estatística. 6ª. ed. São Paulo: Atlas, FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 25. ed. Petrópolis: Companhia Editora Nacional, 1995.

17 IPEA. Assistência social e segurança alimentar. São Paulo, p. LEITE, J. P. A. Políticas municipais de segurança alimentar: o caso do município de campinas p. Dissertação (Mestrado em Planejamento e Desenvolvimento Rural Sustentável) Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, MALUF, R. S.; MENEZES, F.; VALENTE, F. L. Contribuição ao tema da segurança alimentar no Brasil. Cadernos de Debate, São Paulo, v. 4, p , MOREIRA, R. C. M. Políticas sociais, desigualdades pessoais e regionais da renda no Brasil: uma análise de insumo-produto p. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, PADIS, P. C. Formação de uma economia periférica: o caso do Paraná. Curitiba: IPARDES, PONTILI, R. M. A infra-estrutura escolar e as características familiares influenciando a freqüência e o atraso no ensino fundamental p. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, TAKAGI, M. A implantação da política de segurança alimentar e nutricional no Brasil: seus limites e desafios p. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente) Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional

Pnad: Um em cada cinco brasileiros é analfabeto funcional 08/09/2010-10h00 Pesquisa visitou mais de 150 mil domicílios em 2009 Do UOL Notícias A edição 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES 1 CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA:

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento

Censo Demográfico 2010. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Censo Demográfico 2010 Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 2012 As presentes publicações dão continuidade à divulgação dos resultados do Censo Demográfico 2010

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada

Pesquisa Mensal de Emprego PME. Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Pesquisa Mensal de Emprego PME Algumas das principais características dos Trabalhadores Domésticos vis a vis a População Ocupada Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Algumas das principais

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR.

NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR. NÍVEL DE EMPREGO, ESCOLARIDADE E RENDA NO RAMO DE ATIVIDADES FINANCEIRAS, SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS, DE CAMPO MOURÃO-PR Área: ECONOMIA LOPES, Janete Leige PEREIRA, Kelli Patrícia PONTILI, Rosangela

Leia mais

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO:

Fernanda de Paula Ramos Conte Lílian Santos Marques Severino RESUMO: O Brasil e suas políticas sociais: características e consequências para com o desenvolvimento do país e para os agrupamentos sociais de nível de renda mais baixo nas duas últimas décadas RESUMO: Fernanda

Leia mais

INCT Observatório das Metrópoles

INCT Observatório das Metrópoles INCT Observatório das Metrópoles INDICADORES SOCIAIS PARA AS REGIÕES METROPOLITANAS BRASILEIRAS: EXPLORANDO DADOS DE 2001 A 2009 Apresentação Equipe Responsável Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Marcelo Gomes

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA MONETÁRIA NA QUEDA DA DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: uma análise a partir do rendimento domiciliar per capita no período 2001-2006 Juliana Carolina Frigo

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE

Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Um país menos desigual: pobreza extrema cai a 2,8% da população Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) foram divulgados pelo IBGE Brasília, 7 A pobreza extrema no país caiu a 2,8%

Leia mais

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Sumário Executivo. Amanda Reis. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Comparativo entre o rendimento médio dos beneficiários de planos de saúde individuais e da população não coberta por planos de saúde regional e por faixa etária Amanda Reis Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Nota MDS Brasília, 02 de maio de 2011. Assunto: O perfil da Extrema Pobreza no Brasil com base nos dados preliminares do universo do Censo 2010. 1. INTRODUÇÃO O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Leia mais

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal

Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério das Comunicações Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD Suplementar 2013 Acesso à Internet e à televisão e posse de telefone móvel celular

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

erradicar a pobreza extrema e a fome

erradicar a pobreza extrema e a fome objetivo 1. erradicar a pobreza extrema e a fome Para a Declaração dos Direitos Humanos toda pessoa tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem-estar, inclusive

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007. (Do Sr. José Guimarães) Institui feriado nacional no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, data que lembra o dia em que foi assassinado, em 1695, o líder Zumbi,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28

TEMAS SOCIAIS O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 O UTUBRO DE 2000 CONJUNTURA ECONÔMICA 28 TEMAS SOCIAIS Diferentes histórias, diferentes cidades A evolução social brasileira entre 1996 e 1999 não comporta apenas uma mas muitas histórias. O enredo de

Leia mais

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica

Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica Munic 2014: 45% dos municípios tinham política de proteção às mulheres vítimas de violência doméstica A Pesquisa de Informações Básicas Estaduais (Estadic) e a Pesquisa de Informações Básicas Municipais

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2011 Rio de Janeiro, 21/09/2012 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação

Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação Governo de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 06/2013 Acesso ao ensino superior em Mato

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E SUA INFLUÊNCIA SOBRE A RENDA E A ESCOLARIDADE DA POPULAÇÃO TRABALHADORA DO PARANÁ

TRABALHO INFANTIL E SUA INFLUÊNCIA SOBRE A RENDA E A ESCOLARIDADE DA POPULAÇÃO TRABALHADORA DO PARANÁ TRABALHO INFANTIL E SUA INFLUÊNCIA SOBRE A RENDA E A ESCOLARIDADE DA POPULAÇÃO TRABALHADORA DO PARANÁ Janete Leige Lopes Edicleia Lopes da Cruz Souza Rosangela Maria Pontili * 1. Introdução O trabalho

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas

5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas 5 A Usabilidade das Estatísticas Públicas O capitulo anterior descreveu as facilidades de acesso às informações estatíticas e este capítulo descreve, exemplifica e mostra a usabilidade destas informações

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução

V Pedreiros e Vendedores. 1 Introdução V Pedreiros e Vendedores 1 Introdução No contexto da análise dos trabalhadores por conta própria, tendo em vista a destacada participação nos grupamentos de atividades da construção (17,4%) e do comércio

Leia mais

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar

Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Reforma Agrária e Assentamentos Rurais: caminhos para erradicação da pobreza e para a Segurança Alimentar Sonia Maria Pessoa Pereira Bergamasco Feagri/UNICAMP Fórum: Combate à Pobreza e Segurança Alimentar

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico

A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC A invisibilidade do trabalho infanto-juvenil doméstico NOME DA BOLSISTA: Clarice de Sousa Silva ORIENTADOR (A) DO PROJETO: Ana Cristina

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) POLÍTICA SOCIAL NO NORDESTE BRASILEIRO: O USO DOS PROGRAMAS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM ÊNFASE AO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) Márcia Ribeiro de Albuquerque 1 Ana Carolina Alves Gomes 2 A questão das

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS.

VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. VIVENCIANDO A CONJUNTURA SOCIOECONÔMICA DAS FAMÍLIAS EM ESTADO DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO MUNICÍPIO DE MIRACEMA DO TOCANTINS. Tainã Fernandes Doro¹, Profª Drª Célia Maria Grandini Albiero². 1 Aluna do

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Silva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo Pereira Nunes

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia

Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Programas e Políticas Públicas de SAN na Bahia Gestão Equipamentos de SAN Acesso a água Apoio a Agricultura Familiar Inclusão Produtiva Jainei Cardoso Coordenação Rede de San e Cidadania Conselheira CONSEA-BA

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo

Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional no Espírito Santo GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES IJSN NOTA TÉCNICA 31 Relatório Técnico da Palestra: Diagnóstico da Situação Educacional

Leia mais

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Lauro Ramos* Maurício Cortez Reis** 1 INTRODUÇÃO O conjunto de evidências empíricas apresentadas por Ferreira e Veloso (23) mostra

Leia mais

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário

Boletim Econômico. Federação Nacional dos Portuários. Sumário Boletim Econômico Federação Nacional dos Portuários Agosto de 2014 Sumário Indicadores de desenvolvimento brasileiro... 2 Emprego... 2 Reajuste dos salários e do salário mínimo... 3 Desigualdade Social

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.

Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531. População segundo a Distribuição de Domicílios 2010 Situação do Domicílio Abs. % Abs. % Total 16.938 100 10.444.526 100 Urbano 4.808 28,39 8.912.692 85,33 Rural 12.130 71,61 1.531.834 14,66 FONTE: IPARDES/IBGE

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 7º ANO PROFESSOR: MAGDA e ROSI

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

2A educação é o principal catalisador para

2A educação é o principal catalisador para objetivo 2. atingir o ensino básico universal O Estado da Amazônia: Indicadores A Amazônia e os Objetivos do Milênio 2010 o desenvolvimento humano e para a construção de uma sociedade mais justa (Unesco,

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI

Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa de Avaliação do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI Fundação Euclides da Cunha FEC/Data UFF Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação Ministério

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011

Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Seminário do Prêmio Global de Alimentação Des Moines, Estados Unidos 14 de outubro de 2011 Estou muito honrado com o convite para participar deste encontro, que conta

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Boa Vista, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2248,35 km² IDHM 2010 0,651 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5247 hab. Densidade

Leia mais

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ

A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ A MULHER EMPREENDEDORA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ 1.0 Introdução Prof. Dr. Joilson Dias Assistente Científica: Cássia Kely Favoretto Costa Departamento de Economia Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2

Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 2ª Etapa 2014 Disciplina: Geografia Professor (a): Fernando Parente Ano: 7º Turma: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo

Leia mais

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS

ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E POSSIBILIDADES DE RESPOSTAS ATIVIDADES DISCURSIVAS 1 E NED Núcleo de Estudos Dirigidos ED 2/ ED Comunicação e Expressão 2012/2 Prof. Cleuber Cristiano de Sousa ATIVIDADE DISCURSIVA 1 Habilidade: ED 2: Compreender e expressar Temáticas

Leia mais

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL

2.1 DINÂMICA POPULACIONAL DIMENSÃO SOCIAL . DINÂMICA POPULACIONAL Esta seção tem como objetivo expor a evolução e distribuição da população no território paranaense, apontando, em particular, a concentração que se realiza em determinadas

Leia mais