muno- histoquímic Análise histopatológica e imuno toquímica de rim de ratas gestantes hipertensas (SHRs) submetidas a treinamento físico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "muno- histoquímic Análise histopatológica e imuno toquímica de rim de ratas gestantes hipertensas (SHRs) submetidas a treinamento físico"

Transcrição

1 Débora Tavares de Resende e Silva Abate Análise histopatológica e imuno muno- histoquímic toquímica de rim de ratas gestantes hipertensas (SHRs) submetidas a treinamento físico Tese apresentada ao curso de Pós-Graduação em Patologia, área de concentração Patologia Geral, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, como requisito parcial para obtenção do Título de Doutor. Orientadora: Dra. Marlene Antônia dos Reis Co-orientador: Dr. Lenaldo Branco Rocha Uberaba-MG 2012

2 2 Dedico com muito amor e carinho este trabalho à minha avó Hilda, querida e amada por tantos e tão incompreendida por outros... Você sempre foi uma luz em nossas vidas! Você faz muita falta... Eu sei que vou te amar Por toda a minha vida eu vou te amar Em cada despedida eu vou te amar... Eu sei que vou chorar A cada ausência tua eu vou chorar...

3 3 Agradecimentos... Á minha orientadora, Marlene, com você aprendi tanto, cresci, amadureci e vivi experiências inesquecíveis, muito obrigada por ter me dado a oportunidade de estar a seu lado e com você poder me tornar uma pessoa melhor... Ao meu querido filho Pedro, que aos poucos cresceu e de repente que moço lindo se tornou, tão inteligente e gentil, e com poucas palavras sempre me encantou e me fez ver o mundo por olhos tão seus... Te amo sempre... Ao meu marido Fernando, por estar do meu lado em mais uma jornada, e por saber me conquistar todo dia como se fosse o primeiro... Ao meu pai e minha mãe, pelo apoio e confiança! E aos meus irmãos, cunhadas e sobrinhos, por fazerem parte da minha vida; Ás amigas: Mariana, Juliana e Janaínna e aos demais amigos da pós-graduação, pelas trocas de experiências que pudemos compartilhar e aprender; Aos alunos de iniciação científica, Luiz Gustavo e Brunela, por me ensinar a ensinar; Aos professores e funcionários da disciplina de Patologia Geral e da disciplina de Fisiologia, assim como aos funcionários da secretaria da pós-graduação da UFTM Aos animais, e À Deus Muito obrigada a todos pela oportunidade de conhecê-los e tê-los perto de mim nesta caminhada!

4 4 Este trabalho foi realizado com o apoio financeiro da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico (CNPq), da Fundação de Ensino e Pesquisa de Uberaba (FUNEPU), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG), e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

5 5 O grande obstáculo ao conhecimento não é a ignorância, mas a ilusão do conhecimento. Daniel Boorstein

6 6 Sumário Lista de Abreviaturas e Símbolos...vii Lista de Tabelas...ix Lista de Figuras...x Resumo...xii Abstract...xiii 1. Introdução Hipótese e Objetivos Materiais e Métodos Resultados Discussão Conclusão Referências Bibliográficas Anexos...78

7 7 Lista de Abreviaturas e Símbolos ACOG: American College of Obstetricians and Gynecologists cm: centímetros cm 3 : centímetros cúbicos D: diâmetros DAB: 3 3 diaminobenzidina F: teste de Tukey FC: freqüência cardíaca g: gramas h: altura H: teste de Dunn HAS: hipertensão arterial sistêmica HC: Hipertensão crônica H.E.: hematoxilina eosina HGE: Hipertensão Gestacional HS: Grupo hipertensas gestantes sedentárias HT: Grupo hipertensas gestantes treinadas Hz: Hertz i.p.: intra peritoneal IP: intervalo de pulso kg: quilograma M: Mol MM: matriz mesangial mg: miligrama

8 8 ml: mililitro µl: microlitro µm: micrômetro n: número NaCl: cloreto de sódio NS: Grupo normotensas gestantes sedentárias NT: Grupo normotensas gestantes treinadas PA: pressão arterial PAD: pressão arterial diastólica PAM: pressão arterial média PAS: pressão arterial sistólica PBS: solução salina tamponada com fosfato PE: Pré-eclâmpsia/Eclampsia RCIU: restrição de crescimento intra-uterino SHG: síndromes hipertensivas gestacionais SHR: ratas espontaneamente hipertensas ( spontaneously hypertensive rats ) TG: tufo glomerular UFTM: Universidade Federal do Triângulo Mineiro WKY: ratas normotensas (Wistar Kyoto) X ± epm: média ± erro padrão X ± Dpm: média ± desvio pádrão ºC: graus Celsius

9 9 Lista de Tabelas Tabela 1. Protocolo de treinamento físico por natação Tabela 2. Comparação de PAD, PAS e FC em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...38 Tabela 3. Comparação dos pesos corporais finais e pesos renais em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...39 Tabela 4. Comparação da %FR, área do TG e área da MM em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...41

10 10 Lista de Figuras Figura 1. Treinamento físico por natação: 1A) Pesagem do animal; 1B) Tanque sendo aquecido; 1C) Ratas sendo treinadas por natação; 1D) ratas sendo secadas após treinamento físico por natação...25 Figura 2. Identificação da fase do ciclo estral através da análise do esfregaço vaginal: 2A) Fase Proestro, (800x); 2B) Fase Estro, (800x); 2C) Fase Metaestro, (800x); 2D) Diestro, (800x); 2E) Encontro de Espermatozóides no material do esfregaço vaginal (800x)...27 Figura 3. Cirurgia para canulação da artéria femoral: 3A) Procedimento para anestesia com tiopental sódico (40 mg/kg i.p.); 3B) Animal preparado para o inicio do procedimento; 3C) Introdução da cânula na artéria femoral; 3D) Teste para verificar o funcionamento da cânula; 3E) Passagem da cânula para o dorso do animal; 3F) Animal em recuperação pós cirúrgica...29 Figura 3. Cirurgia para canulação da artéria femoral: 3A) Procedimento para anestesia com tiopental sódico (40 mg/kg i.p.); 3B) Animal preparado para o inicio do procedimento; 3C) Introdução da cânula na artéria femoral; 3D) Teste para verificar o funcionamento da cânula; 3E) Passagem da cânula para o dorso do animal; 3F) Animal em recuperação pós cirúrgica...30 Figura 5. Fibrose túbulo-intersticial e Grade para quantificação da matriz mesangial (MM) e do tufo glomerular (TG): 5A) Região túbulo-intersticial de rim de SHR corado pelo picrossirius (P.S) no aumento final de 800x; 5B) a mesma região túbulo-intersticial de rim de SHR corado pelo P.S. sob a luz polarizada e visualizado no microscópio de luz polarizada; 5C) Imagem do glomérulo em hematoxilina e eosina (H.E) no aumento final de 800x ; e 5D) o mesmo glomérulo com a grade de pontos do programa imagej para a quantificação da MM e TG...33

11 11 Figura 6. Correlação entre porcentagem de fibrose (%F) e PR/PC em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...40 Figura 7. Correlação entre a área de tufo glomerular (TG) e a área da matriz mesangial (MM) em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...42 Figura 8. Correlação entre à área de tufo glomerular (TG) e porcentagem de fibrose túbulointersticial (%F) e à área da matriz mesangial (MM) e a porcentagem de fibrose túbulointersticial (%F) em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...43 Figura 9. Quantificação de células imunomarcadas pelo CD20 (linfócitos B) e pelo CD3 (linfócitos T) em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...44 Figura 10. Expressão de IL-10, TGF- β e TNF- α em ratas gestantes SHRs e WKYs submetidas ou não ao treinamento físico...45

12 12 Resumo Introdução: O desenvolvimento de lesão renal ocorre devido a um processo dinâmico e multifatorial que envolve a participação de células inflamatórias que produzem mediadores. Analisamos os efeitos do treinamento físico por natação em relação às alterações morfológicas no rim de ratas grávidas espontaneamente hipertensas (SHR) e seu grupo de controle (WKY). Métodos: 24 ratas grávidas foram divididas em quatro grupos: hipertensas sedentárias (HS) ou normotensas (NS) e hipertensas treinadas (HT) ou normotensas (NT). No final do treinamento foi analisada a pressão arterial média (MAP), e um fragmento de rim foi corado com picrossirius e feita a quantificação da área da matriz mesangial (MM) e de tufo glomerular (TG), e o percentual de fibrose tubulointersticial (% F), e para a análise do infiltrado inflamatório e para a quantificação da expressão de citocinas, foi realizada a técnica de imuno-histoquímica. Resultados: As ratas que foram submetidos a treinamento físico apresentaram valores mais baixos de pressão arterial diastólica (p=0,835), pressão arterial sistólica (p<0,001) e PAM (p=0,831). As ratas do grupo HT apresentaram uma maior relação de PR/PC (p=0,033). Não houve diferenças significativas quando se comparamos as áreas de TG entre os grupos (p=0,431). A área da MM mostraram-se menores em HT (p=0,018), entretanto, observou-se maior F% (p <0,001) e de maior expressão de citocinas como TGF-β (p <0,001), TNF-α de (p <0,001) e de IL-10 (p <0,001) na s ratas HT. Conclusões: O treinamento físico atenuou a pressão arterial, no entanto, não impediu que ocorressem danos nos rins causado devido à hipertensão arterial. Acreditamos que o treinamento físico feito pode ter sido inadequado às suas condições fisiológicas, justificando os resultados de maiores danos renais nos animais treinados. Palavras-chaves: hipertensão, gravidez, rim, exercício físico, SHR.

13 13 Abstract Background: The development of renal injury occurs due to a multifactorial, dynamic process involving the participation of inflammatory cells that produce mediators. We were analyze the effects of physical training by swimming in relation to hemodynamic and morphological changes in the kidney of pregnant chronic hypertensive rats (SHR) and your control group (WKY). Methods: 24 pregnant rats were divided into four groups: sedentary hypertensive (HS) or normotensive (NS) and trained hypertensive (HT) or normotensive (NT). In the end of training was analyze mean arterial pressure (MAP), and a fragment of kidney was stained with picrossirius and was made quantification of the area of mesangial matrix (MM) and of tufo glomeruli (TG), and the percentage of tubulointerstitial fibrosis (%F) and analysis of inflammatory infiltrate and to quantify the expression of cytokines, we applied the technique of immunohistochemistry. Results: Rats that underwent physical training had lower values of diastolic blood pressure (p=0.835) and systolic blood pressure (p<0.001). Rats that underwent physical training had lower values of MAP (p=0.831). There were no significant differences when comparing the areas of TG between the groups (p=0.431). The HT shower lower area of MM (p=0.018), however, higher %F (p<0.001) and expression of TGF-β (p<0.001), of TNF-α (p<0.001) and of IL-10 (p<0.001). Conclusions: The exercise training attenuated the blood pressure, however, did not prevent kidney damage caused by hypertension. We believe that physical training done have been inadequate to their physiological conditions, justifying the findings of more renal damage in animals trained. Key-words: hypertension, pregnancy, kidney, physical training, SHR.

14 14 1. Introdução 1.1. Hipertensão Arterial Sistêmica A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma doença multifatorial, que resulta de anormalidades dos mecanismos de controle da pressão arterial (PA). Grande número de substâncias biologicamente ativas pode interagir com diferentes sistemas fisiológicos de maneira complexa e com redundância para garantir a homeostasia cardiovascular (IRIGOYEN et al., 2003). A HAS é um importante fator de risco para o desenvolvimento de lesões renais, sendo crucial o papel dos rins na regulação da PA, e este, foi reconhecido há muitos anos (Bühler FR et al., 1994; Souza et al., 2010). No entanto, qualquer indivíduo pode apresentar PA acima de 140x90mmHg sem que seja considerado hipertenso. Apenas a manutenção de níveis permanentemente elevados, em múltiplas medições, em diferentes horários, posições e condições (repouso, sentado ou deitado) caracteriza HAS Histórico: Foi em dezembro de 1733 que ocorreu a primeira descrição de registro da PA, através do experimento do reverendo Stephen Halles, na Inglaterra; a PA foi medida experimentalmente em uma égua, onde foi inserido um tubo de cobre na artéria e depois o conectou a um tubo de vidro vertical, observando a oscilação da coluna de sangue, acima do ventrículo cardíaco do animal (SASS et al., 2006). A HAS foi clinicamente valorizada com o aparecimento dos aparelhos de medida, no início do século, inventados pelo italiano Riva Rocci, em 1896, em Turim (Sociedade Brasileira de Cardiologia, 2007) Epidemiologia: Estudos realizados nos EUA revelaram que 25% de sua população é hipertensa e, algumas pesquisas têm revelado estatísticas semelhantes para o Brasil (MONTEIRO et al., 2004). A prevalência da HAS é maior em países desenvolvidos do que em países em

15 15 desenvolvimento, mas a grande massa populacional em países em desenvolvimento tem contribuído de forma significativa para o número total de indivíduos hipertensos no mundo todo (KEARNEY et al., 2005). Segundo a VI Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial da Sociedade Brasileira de Cardiologia, está definido que a HAS ocorre quando os níveis da PA encontram-se acima dos valores de referência (130x85 mmhg) para a população em geral e compreende estágios: 1 (leve - 140x90mmHg e 159x99mmHg), 2 (moderada - 160x100mmHg e 179x109mmHg) e 3 (grave - acima de 180x110mmHg) (DBHA, 2010) Fisiopatologia A manutenção (componente tônico) bem como a variação momento a momento da PA (componente fásico) dependem de mecanismos complexos e redundantes que determinam ajustes apropriados da freqüência e da contratilidade cardíacas, do estado contrátil dos vasos de resistência e de capacitância e da distribuição de fluido dentro e fora dos vasos. Na hipertensão estabelecida, existem alterações em praticamente todos esses controladores, sendo difícil estabelecer quais os que tiveram papel preponderante no desencadeamento e mesmo na manutenção de valores elevados de pressão arterial. Embora sejam improváveis que todos esses fatores estejam alterados ao mesmo tempo num dado paciente, arranjos múltiplos podem ser encontrados, uma vez que o marcador hemodinâmico da hipertensão primária é o aumento persistente da resistência vascular periférica, o qual pode ser determinado por meio de diferentes associações desses fatores determinantes. Dessa forma, os mecanismos que promovem desequilíbrio entre os fatores pressóricos e depressóricos induzem alteração do calibre das arteríolas e merecem atenção especial. Eles atuam basicamente na contração da musculatura que regula a luz do vaso ou na espessura da musculatura, ocupando maior ou menor parte do lúmen, ou em ambas (MICHELINI L., 1999; KRIEGER EM et al., 1999).

16 Etiopatogênese O desenvolvimento da HAS depende da interação entre a predisposição genética e os fatores ambientais, embora ainda não seja completamente conhecido como estas interações ocorrem. Sabe-se, no entanto, que a HAS é acompanhada por alterações funcionais do sistema nervoso autônomo, renal, sistema renina angiotensina, além de outros mecanismos humorais e disfunção endotelial. Assim, a HAS resulta de várias alterações estruturais do sistema cardiovascular que tanto amplificam o estímulo hipertensivo, quanto causam dano cardiovascular (DBHA, 2007). Fatores neurogênicos podem estar envolvidos, em especial o sistema nervoso simpático (SNS), pois quando ativado este sistema age diretamente aumentando o débito cardíaco, a resistência vascular periférica e a ativação da atividade eferente provocam maior reabsorção de sódio e água no túbulo proximal e diminuição da taxa de filtração glomerular, e o fluxo sanguíneo renal. O sistema renina-angiotensina pode estar ativado tendo um papel importante para o estabelecimento da HAS (CAETANO et al., 2001) Fatores de risco Dentre os fatores de risco para HAS destacam-se: a idade, o excesso de consumo de sódio, a obesidade, o consumo de bebida alcoólica, e o sedentarismo. Em indivíduos sedentários, o risco do desenvolvimento da HAS é de 30% maior comparado àqueles que possuem a prática de atividade física. O exercício aeróbio apresenta efeito hipotensor maior em indivíduos hipertensos que normotensos. (DBHA, 2007) Rim Órgão Alvo da HAS Os rins contribuem para a manutenção do meio interno, juntamente com outros órgãos, sendo responsáveis pela manutenção do volume e da composição do fluido extracelular, dentro de limites fisiológicos compatíveis com a vida. Podem-se observar

17 17 dois órgãos grandes e avermelhados, tendo forma de feijão e bastante vascularizados. Localizam-se na parede abdominal posterior e possuem gordura perirrenal. No pólo superior situa-se a glândula supra-renal (adrenal) (DANGELO & FATTINI, 2007). O mecanismo pelo qual a HAS causa lesão renal pode ser dividido em três categorias: isquemia glomerular secundária à vasoconstrição, glomerulosclerose devido à hipertensão intracapilar e fibrose intersticial. Alguns estudos demonstram a importância do fenômeno inflamatório, como a infiltração leucocitária, na hipertensão experimental. Por outro lado, a HAS pode resultar de um dano renal, como a perda de massa renal encontrada na doença glomerular primária (CAETANO et al., 2001; BIDANI & GRIFFIN, 2004; SANCHEZ-LOZADA et al., 2008) Estrutura renal O rim é um dos órgãos onde é mais evidente a relação entre função e estrutura; este órgão possui o hilo (local onde entram e saem uma série de estruturas como a artéria renal, a veia renal, o ureter, os nervos renais e os vasos linfáticos renais), e a Cápsula (membrana que reveste o órgão - tecido conjuntivo). O rim está dividido em duas zonas: medular e cortical (ou córtex) Na região cortical é possível observar vasos sangüíneos, glomérulos, túbulos proximais e distais de todos os néfrons (unidade morfofuncional do rim), e túbulos proximais e distais de néfrons mais superficiais (DANGELO & FATTINI, 2007). O Glomérulo: Consiste em uma rede de capilares que se anastomosam, revestido por um endotélio fenestrado coberto por duas camadas de epitélio. Constituído por: células endoteliais, Membrana basal (lâmina densa e Colágeno IV), Células mesangiais (contráteis e fagocíticas), Células epiteliais (podócitos). Tem função de filtração seletiva da urina, retenção de proteínas/moléculas grandes no sangue (DANGELO & FATTINI, 2007) Função renal

18 18 O rim possui algumas funções e dentre elas destacamos: filtração, onde são barradas as células sangüíneas e proteínas plasmáticas, passando água e alguns solutos, isto é o filtrado glomerular, reabsorção de substâncias como água, NaCl, glicose, aminoácidos e secreção de moléculas estranhas passam direto do sangue para os túbulos (DANGELO & FATTINI, 2007). Em fase avançada de falência renal, os valores de aldosterona aumentam significativamente com o decréscimo da filtração glomerular devido à ativação do sistema renina-angiotensina-aldosterona secundário a alteração da hemodinâmica glomerular. Isto contribui para lesão de órgãos alvo, afetando, principalmente, rins, cérebro e coração (HOSTETTER & IBRAHIM, 2003; WENZEL, 2008). Rim e Homeostasia: A manutenção do meio interno é feita pelos rins através de processos como: a regulação do volume de H2O no organismo; controle do balanço eletrolítico; regulação do equilíbrio ácido-base; conservação de nutrientes; excreção de resíduos metabólicos; regulação da hemodinâmica renal e sistêmica: Hipertensor: sistema renina-angiotensina-aldosterona: a angiotensina é um potente vasoconstritor, a aldosterona promove a reabsorção renal de Na+ e estimula indiretamente a reabsorção de H2O; Hipotensor: prostaglandinas e cininas renais têm papel vasodilatador; participação na produção de glóbulos vemelhos; participação na regulação do metabolismo ósseo de Ca+2 e fósforo. Nefroesclerose Benigna: Constitui a forma mais comum de doença renal, sendo observada na maioria dos pacientes que apresentam hipertensão primária não complicada. Esta é uma doença vascular que se refere à esclerose vascular e glomerular renal causada pela HAS leve a moderada. Os rins se apresentam atróficos e microscopicamente muitos glomérulos estão normais e outros apresentam alterações isquêmicas. As pequenas artérias

19 19 do rim, principalmente a arteríola aferente, são submetidas a uma série de mudanças patológicas alterando o mecanismo de auto-regulação renal. Inicialmente, evidencia a disfunção endotelial através do dano ao mecanismo de resposta miogênica, retardando a vasodilatação. Com o tempo, esse processo é exacerbado pela presença de alterações histológicas como arterioesclerose hialina. Estas modificações estruturais podem resultar em lesão isquêmica, levando à atrofia tubular que está associada à fibrose intersticial e infiltrados inflamatórios. (PALMER, 2002). Insuficiência Renal Crônica (IRC): É uma síndrome metabólica decorrente da perda progressiva, irreversível e geralmente lenta da função dos rins. A doença renal crônica é definida por lesão renal caracterizada por alterações estruturais ou funcionais dos rins e estudos revelam que a HAS pode levar a insuficiência renal discreta ou grave, gerando glomeruloesclerose e fibrose túbulo-intersticial (MARCUSSEN et al,1995; OFSTAD et al, 2004) sendo a nefroesclerose hipertensiva uma das causas mais comuns de doença renal terminal (DASGUPTA et al, 2006). As características morfológicas típicas da nefroesclerose hipertensiva são espessamento da parede vascular com freqüentes depósitos hialinos arteriolares, graus variados de fibrose intimal e glomerular focal, alterações isquêmicas, glomeruloesclerose global ou mesmo segmentar, além de atrofia tubular e fibrose intersticial (MARCANTONI et al, 2007). Além disso, na nefrosclerose hipertensiva, o glomérulo pode-se apresentar isquêmico com variados graus de colapso capilar e retração do tufo (HILL et al, 2008) HAS, RIM e GESTAÇÃO Os malefícios da HAS são vários e dentre eles, a causa de doenças renais é considerada a maior (SLOAND et al, 2007). A HAS e função renal estão intimamente relacionadas, podendo a hipertensão ser tanto a causa como a consequência de uma doença renal (CIOLAC et al, 2008). Atualmente, existem no Brasil cerca de pacientes

20 20 portadores de insuficiência renal crônica (IRC) e grande parte destes pacientes são mulheres em idade fértil (ROMÃO JUNIOR, 2001). Sabe-se que a capacidade reprodutiva diminui na presença de IRC e que tanto o prognóstico renal quanto o obstétrico diferem em mulheres com diferentes graus de insuficiência (ZIEGEL, 1995). Na hipótese de concepção, menos de 50% das gestações evoluem até a viabilidade fetal, sendo raro ocorrer uma evolução normal, onde o concepto chega ao termo sadio (BAILEY, 1977; LIM, LIN VS et al., 1979). Quando ocorre a gestação, esta pode acarretar e afetar tanto mãe quanto feto em termos fisiológicos. Há alguns anos, IRC era sinônimo de intervir e cessar a gestação por risco de morte materna, pois o prognóstico pode ser agravado e os riscos aumentados. Um grande desafio na gestação de paciente renal é manter o ambiente intra-uterino favorável, pois o feto pode sofrer alterações como prematuridade e restrição de crescimento intra-uterino, sendo que a doença renal evolui com a gestação (MARTINS- COSTA, 2001). Os transtornos causados pela HAS constituem um problema de saúde, sendo a primeira causa de morte materna nos países desenvolvidos e a terceira causa de morte em países em desenvolvimento; sendo estes transtornos os mais freqüentes nas gestações (SOSA et al., 2000). A ocorrência das síndromes hipertensivas gestacionais (SHG) varia de acordo com a população estudada. Em estudos realizados com mulheres gestantes, foi criada uma classificação para melhor diagnosticar e, por sua vez, realizar terapêuticas mais eficientes e, que segue de acordo com o Report of the National High Blood Pressure Education Program Working Group on High Blood Pressure in Pregnancy. As classificações destas síndromes são: Hipertensão crônica (HC), Pré-eclâmpsia/Eclampsia (PE), Pré-eclâmpsia sobreposta à HC e Hipertensão Gestacional (HG) (GIFFORD et al., 2000).

21 21 É de fundamental importância identificar e diferenciar a HAS que antecede a gravidez, daquela que é específico da gestação. Na primeira, a elevação da PA é o aspecto fisiopatológico básico da doença, já as condições para que ocorra a segunda forma de manifestação é apenas um de seus achados. Porém, o impacto destas duas condições, sobre mãe e feto, é bem diferente (PERAÇOLI et al., 2005). De acordo com o National High Blood Pressure Educational Program Working Group on High Blood Pressure, muitas são as complicações associadas à HAS na gestação, tanto do ponto de vista materno, quanto perinatal. Do ponto de vista materno, na gestação de mulheres com HC podem ocorrer encefalopatia hipertensiva, falência cardíaca, severo comprometimento da função renal, hemorragia retiniana, coagulopatias e associação com PE (GIFFORD et al., 2000; TEDESCO et al., 2004). A gestação normal está associada a ajustes fisiológicos e anatômicos que acarretam acentuadas mudanças no organismo materno, incluindo a composição dos elementos figurados e humorais do sangue circulante. Provavelmente, em nenhuma outra fase do ciclo vital exista maior mudança no funcionamento e forma do corpo humano em tão curto espaço de tempo. O conhecimento de tais mudanças é necessário para uma adequada avaliação do "processo-doença" induzido pela gestação (SOUZA et al., 2002). Durante a gravidez de mulheres hipertensas crônicas, os vasos sanguíneos placentários se encontram reduzidos, podendo levar a hipóxia, que pode ser explicado pela precocidade do parto e o baixo peso e estatura dos bebês destas mulheres (SOSA et al., 2000). A ocorrência de gravidez em pacientes com insuficiência renal crônica doença tem sido considerado um evento perigoso tanto para a mãe quanto para o feto. Entretanto, evidências demonstram que a doença renal crônica é o principal fator que possivelmente acelera o declínio da função renal e assim leva à complicações da gravidez (CASTELLANO et al., 2011).

22 22 Na gestação de mulheres portadoras de HC podem ocorrer lesões nos órgão alvo da HAS como em qualquer outro indivíduo portador desta síndrome, portanto, a HAS pode levar ao desenvolvimento de lesões renais crônicas. O crucial papel dos rins na regulação da PA foi reconhecido há muitos anos (LeLEEUW PW et al., 1994). Está bem estabelecido o fato de que os rins são um dos principais órgãos-alvo no processo da hipertensão (RUILOPE LM. et al., 1989; WOOLFSON RG & WARDENER HE, 1996). A nefropatia hipertensiva manifesta-se principalmente pelas mudanças nos vasos renais (alterações na elasticidade intratubular e dilatação das arteríolas aferentes) e nos glomérulos (espessamento da membrana basal e depósitos hialinos no espaço capsular). Mudanças no interstício e disfunção tubular são reconhecidas como secundárias. O aumento da PA, da taxa de filtração glomerular e o fluxo são considerados como importantes mediadores da glomeruloesclerose (OFSTAD J & IVERSEN M., 2005). Por outro lado há estudos focados em outros aspectos tais como o dano tubular, acumulação de colágeno e o aparecimento de células imunes no interstício peritubular. O estágio final da doença renal é caracterizado pelo desenvolvimento de lesões fibróticas principalmente no compartimento intersticial. Histopatologicamente as mudanças podem ser detectadas na fibrose intersticial, na glomeruloesclerose e na atrofia tubular. Até depois da cessação do fator etiológico original, os distúrbios renais crônicos podem continuar a progredir. (MARCUSSEN N., 1995). Essas lesões são definidas pelo acúmulo anormal de matriz extra celular (principalmente colágeno) que substitui a estrutura normal do rim (CHATZIANTONIOU C. et al., 2004) Modelo experimental - SHR Sendo a hipertensão crônica o alvo de nosso estudo, um modelo experimental, merece destaque: o modelo de hipertensão espontânea em ratas (ratas espontaneamente

23 23 hipertensas SHR). Os SHR iniciam o desenvolvimento de HAS com aproximadamente quatro semanas de idade, apresentando níveis tensionais considerados hipertensivos já entre a sétima e a décima quinta semanas, atingindo um platô entre a vigésima semana e a vigésima oitava semana. A partir desta idade a hipertensão se estabiliza até aproximadamente um a 1,5 anos de idade, quando os animais começam a desenvolver um quadro de insuficiência cardíaca congestiva, a qual é associada com uma elevada taxa de mortalidade (YAMORI, 1994) Histórico Os animais SHRs foram desenvolvidos originalmente a partir de endo-cruzamentos seletivos de ratos da cepa Wistar em Kyoto no Japão em 1963 (OKAMOTO & AOKI, 1963). Sua importância tem sido creditada à similaridade da sua patogenia com a HAS humana, embora algumas ressalvas devam ser feitas, tais como o reconhecimento da improbabilidade de que tais formas de hipertensão espontânea tanto no rato como no homem, seja a expressão de uma mesma doença hipertensiva determinada geneticamente; ambas têm origem poligênica e são influenciadas por diversos fatores ambientais; sendo o controle cardio-circulatório multifatorial, certos mecanismos pressores não se expressam, necessariamente, em ambas as situações (TRIPPODO & FROHLICH, 1981) Processo de reprodução das SHRs e Ciclo Estral A reprodução de animais mamíferos é um processo cíclico de alterações hormonais com objetivo de produzir gametas e prepara locais para o desenvolvimento de embriões. Vários hormônios, como hormônio folículo estimulante (FSH) e hormônio luteinizante (LH), participam deste processo, assim como os esteróides sexuais, estrogênios e progesterona. O ciclo estral em rata apresenta correlação ao ciclo menstrual e fêmea humana, compreendendo alterações hormonais em tecidos alvos. O estudo do ciclo estral

24 24 de ratas permite conhecer a fisiologia reprodutiva específica desta espécie (GARCIA et al, 2004). Em virtude do curto período de duração do ciclo estral das ratas, estas constituem um bom modelo para o estudo das alterações que ocorrem nesta fase reprodutiva (MARCONDES et al., 2002). Nos roedores, os ciclos se manifestam em fases distintas por diferenças profundas no útero, ovário e vagina, e a fase pode ser identificada através das células mais superficiais do epitélio vaginal, através do método do esfregaço vaginal (MARCONDES et al, 2002). Os ciclos foram estudados por Stockard e Papanicolau em 1917 na cobaia e mais tarde por Long e Evans em 1920 na rata. Estes autores descreveram por meio de exame microscópico, o esfregaço vaginal dos animais, pois apresentou ser um método exato, sensível e rápido que permite identificar a fase do ciclo em que o animal se encontrava sem a necessidade de eutanasiá-lo (STOCKARD & PAPANICOLAU, 1917; LONG & EVANS, 1920). Na rata o ciclo é dividido em proestro, estro, metaestro e diestro, tendo a duração de quatro a seis dias. No diestro a quantidade de estrogênio é baixa e o trofismo é o menor de todas as fases, ocorrendo poucas células epiteliais e grande quantidade de leucócitos. No proestro há proliferação epitelial pelo aumento da secreção de estrogênio, e observa-se a presença de células nucleadas em evolução. Já no estro observa-se grande quantidade de células queratinizadas, com aspecto de folha seca, que promovem proteção mecânica à parede vaginal durante o coito. Em seguida ao estro há diminuição hormonal e involução, onde se observa restos celulares e praticamente todos os tipos de células, esta fase é o metaestro, que é semelhante à menstruação na mulher, com uma fase de descamação (EVANS et al., 1990).

Análise morfológica de fetos e placentas de ratas gestantes hipertensas (SHRs) submetidas a treinamento físico

Análise morfológica de fetos e placentas de ratas gestantes hipertensas (SHRs) submetidas a treinamento físico 1 Análise morfológica de fetos e placentas de ratas gestantes hipertensas (SHRs) submetidas a treinamento físico DÉBORA TAVARES DE RESENDE E SILVA ABATE Uberaba-MG 2008 2 DÉBORA TAVARES DE RESENDE E SILVA

Leia mais

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...)

Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4. , K +, Mg 2+, etc...) Regulação dos níveis iônicos do sangue (Na +, K +, Ca 2+, Cl -, HPO 4 2-, K +, Mg 2+, etc...) Regulação do equilíbrio hidrossalino e da pressão arterial; Regulação do ph sanguíneo (H +, HCO 3- ); Síntese

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA URINÁRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA URINÁRIO Conjunto de órgãos e estruturas responsáveis pela filtração do sangue e consequente formação da urina; É o principal responsável pela eliminação

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana SISTEMA URINÁRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição janeiro/2007 SISTEMA URINÁRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03 Rins... 04 Localização... 04 Anatomia macroscópica...

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

ANATOMIA HUMANA. Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto ANATOMIA HUMANA Faculdade Anísio Teixeira Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Sistema Urinário Conceito As atividades metabólicas resultam na decomposição de proteínas, lipídeos e carboidratos.

Leia mais

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL

REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL REGULAÇÃO HIDROELETROLÍTICA FUNÇÃO RENAL Bioquímica Profa. Dra. Celene Fernandes Bernardes Referências Bioquímica Clínica M A T Garcia e S Kanaan Bioquímica Mèdica J W Baynes e M H Dominiczack Fundamentos

Leia mais

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística

Materiais e Métodos. 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística 3. MATERIAL E MÉTODOS 3.1. Casuística Foram selecionadas dos arquivos da Seção de Anatomia Patológica do Instituto Lauro de Souza Lima, pertencente à Coordenadoria dos Institutos de Pesquisa da Secretaria

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi

Sistemas Excretores. Professor Fernando Stuchi Sistemas Excretores Definição Para manutenção da vida de um organismo animal, todo alimento e substancia que são digeridas, as células absorvem os nutrientes necessários para o fornecimento de energia.

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados

SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados SISTEMA EXCRETOR (URINÁRIO) RIO) Rins: morfologia e funcionamento Regulação hormonal Distúrbios mais comuns Excreção de compostos nitrogenados Regulação osmótica SISTEMA URINÁRIO HUMANO adrenal Veia cava

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação

Sistema Urinário. Para eliminar estes resíduos, o organismo possui várias vias de eliminação Sistema Urinário Profa Juliana Normando Pinheiro Morfofuncional IV juliana.pinheiro@kroton.com.br O organismo animal depende de várias reações metabólicas para se manter vivo e saudável. Estas reações

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: MARIO NETO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS SÉRIE: 2º ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem 1) Elabore o roteiro de estudos: a. Quais são as vias excretoras do nosso corpo? b.

Leia mais

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO

HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO HISTOFISIOLOGIA SISTEMA URINÁRIO Daniela Brum Anatomia do Sistema Urinário Rins Ureteres Bexiga Uretra Sistema Urinário - Funções Filtrar o sangue removem, armazenam e transportam produtos residuais meio

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Disciplina - Fisiologia Introdução à Filtração Glomerular Regulação do Fluxo Sanguíneo Renal Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO

DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO DISTÚRBIOS DA CIRCULAÇÃO Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÓPICOS ABORDADOS Resumo das alterações já abordadas: Hemorragia Hiperemia Trombose

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio

Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio Estudo Morfofuncional do Sistema Urinário Unidade III Material de Apoio 1 Generalidades As células corporais quando desempenham suas funções: Consome O 2 e nutrientes, Bem como produzem substâncias como

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia

DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia FACULDADE DE MEDICINA FACIMED CACOAL - RO DHEG, Pré Eclâmpsia e Eclâmpsia Prof. Dr. José Meirelles Filho 7º semestre de Medicina Programa de Educação Médica Continuada CRM-MT FACULDADE DE CACOAL MEDICINA

Leia mais

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho

Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Disciplina de Cardiologia Comentários e texto final do Prof. Dr. Antonio Carlos Carvalho Losartan e a Prevenção de Aneurisma de Aorta Habashi

Leia mais

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico.

O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. 1 O corpo humano está organizado desde o mais simples até o mais complexo, ou seja, do átomo microscópico ao complexo organismo humano macroscópico. Note essa organização na figura abaixo. - Átomos formam

Leia mais

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL

CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL Prof. Hélder Mauad CONTROLE FISIOLÓGICO DA FILTRAÇÃO GLOMERULAR E DO FLUXO SANGUÍNEO RENAL São variáveis e sujeitas a controle fisiológico São variáveis e sujeitas a controle fisiológico 1. Sistema Nervoso

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato

INSUFICIÊNCIA RENAL. Profa. Dra.Monica Akemi Sato INSUFICIÊNCIA RENAL Profa. Dra.Monica Akemi Sato REVISÃO DE FISIOLOGIA RENAL FILTRAÇÃO GLOMERULAR TÚBULO PROXIMAL ALÇA DE HENLE CAPILAR GLOMERULAR ARTERÍOLA EFERENTE TUBULO PROXIMAL TUBULO DISTAL ESPAÇO

Leia mais

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica

Diabetes e Insuficiência Renal Crônica Diabetes e Insuficiência Renal Crônica O que é a diabetes? A diabetes mellitus, normalmente conhecida por diabetes (e em alguns países por sugar açúcar) é uma condição que ocorre quando o corpo não fabrica

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira

SISTEMA CIRCULATÓRIO. Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof. Dr. José Gomes Pereira SISTEMA CIRCULATÓRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Sistema cardiovascular transporte sangue - Circuitos pulmonar pulmões sistêmico tecidos do corpo constituídos

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS?

FAZER EXERCÍCIOS NA GRAVIDEZ PREJUDICA O BEBÊ? QUAIS TIPOS DE EXERCÍCIO SÃO INDICADOS? A gestação é um período em que a mulher passa por diversas emoções e é natural surgirem dúvidas principalmente quando se trata do primeiro filho. Segundo o Ginecologista e Obstetra do Hospital e Maternidade

Leia mais

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências

Sistema Urinário. Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências Sistema Urinário Profe. Cristiane Rangel 8º ano Ciências O sistema urinário ANTONIA REEVE / SCIENCE PHOTO LIBRARY O rim foi o primeiro órgão vital a ser transplantado com sucesso em pessoas. Qual a função

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

Como abordar um paciente nefropata

Como abordar um paciente nefropata Como abordar um paciente nefropata Filtra o plasma Reduz o volume do filtrado Altera sua composição!! Secreção / Reabsorção Mantem a homeostase corporal Sódio, potássio e ácidos Clearence da água livre

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal

OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal OSMORREGULAÇÃO um exemplo de regulação hormonal A composição química do nosso meio interno está continuamente sujeita a modificações (principalmente devido ao metabolismo celular), pelo que é importante

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica.

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica. Aula n ọ 05 01. A meiose é um processo de divisão celular que ocorre na natureza e que visa à produção de esporos ou gametas. Esta divisão celular produz células-filhas com a metade dos cromossomos da

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino

Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana - Curso de Medicina Veterinária Disciplina de Histologia e Embriologia Animal II Histologia e Embriologia do Sistema Genital Feminino Daniela dos Santos

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Exercícios e bem estar na gestação

Exercícios e bem estar na gestação na gestação Sete motivos para você exercitar-se durante a gravidez. Aumente sua energia. Melhore a qualidade do seu sono. Reduza o desconforto. Prepare-se para a chegada do bebe. Reduza a ansiedade. Melhore

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução

Nefropatia por IgA. Vega Figueiredo Dourado de Azevedo. 1. Introdução Nefropatia por IgA Vega Figueiredo Dourado de Azevedo 1. Introdução Nefropatia por IgA é uma glomerulonefrite proliferativa mesangial caracterizada pelo depósito de IgA no mesângio 1. A apresentação clinica

Leia mais

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA TREINAMENTO FUNCIONAL PARA PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Profª Msc. Clarissa Rios Simoni Graduada em Licenciatura Plena em Educação Física UFSC 2004 Especialista em Personal Trainer UFPR

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 9.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade de

Leia mais

ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. (A) (B)

ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. (A) (B) ETAPA 2 Figura 11 Efeito da lesão bilateral pré-teste de estriado dorsal no condicionamento clássico de medo ao som. ED = estriado dorsal. (A) Tempo de congelamento por minuto (média + erro padrão) dos

Leia mais

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas.

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas. RESUMO DE AULA Sistema endócrino I O funcionamento e equilíbrio fisiológico do corpo humano dependem em parte da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos denominados de hormônios.

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO

BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO Professor: CRISTINO RÊGO Disciplina: CIÊNCIAS Assunto: SISTEMAS HUMANOS: EXCRETOR E CIRCULATÓRIO Belém /PA BATERIA DE EXERCÍCIOS 8º ANO 1. Coloque C ou E e corrija se necessário: ( ) Os rins recebem sangue

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças!

Bom trabalho! FICHA DE TRABALHO BIOLOGIA 12ºANO. Grupo I ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08. Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ESCOLA SECUNDÁRIA DOM MANUEL MARTINS 2007/08 BIOLOGIA 12ºANO FICHA DE TRABALHO Bom trabalho! Tigres vs. Alunos (Descubra as diferenças! ) Grupo I Nos estudos efectuados nos últimos anos verificou-se a

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Prevenção Diagnóstico Tratamento

Prevenção Diagnóstico Tratamento Prevenção Diagnóstico Tratamento Pré Nupcial Idade Alimentação Drogas Doença de base Vacinas Ácido fólico São fatores de Risco: Características individuais e condições sócio- econômicas Idade Ocupação

Leia mais

BIOLOGIA IACI BELO. www.iaci.com.br. 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 10:

BIOLOGIA IACI BELO. www.iaci.com.br. 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 10: BIOLOGIA IACI BELO www.iaci.com.br ASSUNTO: FISIOLOGIA Série: 2EM 01. Identifique, na figura, as partes indicadas pelos números: 1: 2: 3: 4 5: 6 7: 8 9: 10: 02. Explique por que o ventrículo esquerdo é

Leia mais

Fisiologia Cardiovascular

Fisiologia Cardiovascular Fisiologia Cardiovascular Conceitos e funções do sistema circulatório O coração Eletrocardiograma A circulação Regulação da circulação Conceitos e funções do sistema circulatório Sistema Circulatório O

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA, ADAPTAÇÃO E SAÚDE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior A quebra do Equilíbrio Durante a atividade física ocorre uma quebra do equilíbrio homeostático; O organismo tenta se adaptar

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais