Superior. Epigenética em neoplasias hematológicas. no tratamento da LLC. 21 Novembro 6.ª feira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Superior. Epigenética em neoplasias hematológicas. no tratamento da LLC. 21 Novembro 6.ª feira"

Transcrição

1 Publicação de distribuição gratuita 6.ª feira Aceda à versão digital SESSÃO EDUCACIONAL I Avanços na terapêutica dos linfomas indolentes e uma nova linha de investigação na neoplasia blástica de células dendríticas plasmocitoides P.6 Epigenética em neoplasias hematológicas SESSÃO EDUCACIONAL II Novos agentes terapêuticos para o tratamento do mieloma múltiplo e o papel da alotransplantação hematopoiética na leucemia linfoblástica aguda do adulto P.8 A constatação de que as alterações epigenéticas influenciam o comportamento das células dos tumores hematológicos fez surgir uma série de novas investigações, em busca de terapêuticas mais eficazes. Na Lição John Goldman, a Prof.ª Ana Bela Sarmento-Ribeiro e o Prof. António Almeida dão a conhecer alguns resultados obtidos a nível nacional P.10 PUB. Superior no tratamento da LLC Saiba mais na página 5

2 ONTEM Obinutuzumab: novo anticorpo monoclonal para o tratamento da LLC A inovação no tratamento da leucemia linfocítica crónica (LLC) esteve em destaque no simpósio-satélite organizado ontem pela Roche. Foi particularizado o papel do obinutuzumab, um novo anticorpo monoclonal anti- -CD20 de tipo II, enquanto terapêutica de primeira linha. Ana Rita Lúcio Prof. Francesc Bosch, Prof.ª Cristina João e Dr. João Raposo Subordinado ao tema «Inovação no tratamento da LLC», o simpósio- -satélite promovido ontem pela Roche abordou o papel do obinutuzumab no tratamento de primeira linha da LLC. O debate em torno do «único anticorpo monoclonal com superioridade comprovada versus rituximab» teve como chairman o Dr. João Raposo, hematologista no Centro Hospitalar Lisboa Norte/Hospital de Santa Maria, e como co-chairperson a Prof.ª Cristina João, hematologista no Instituto Português de Oncologia de Lisboa. O Prof. Francesc Bosch, diretor do Departamento de Hematologia do Hospital Universitário Vall d Hebron, em Barcelona, foi o orador principal. Números Para doentes com comorbilidades com LLC submetidos à combinação terapêutica obinutuzumab + clorambucilo, o estudo CLL11 revelou: 78,4% de taxa de resposta completa 20% doença residual mínima o aumento de quase um ano na sobrevivência livre de progressão mediana, quando combinado com clorambucilo versus rituximab + clorambucilo (26,7 meses versus 15,2 meses, p<0,001) A abrir a sessão, João Raposo considerou que dispor de um fármaco como o obinutuzumab no tratamento de primeira linha da LLC «é um grande avanço» que poderá trazer «mais esperança» para os doentes com esta patologia. O hematologista aguarda, no entanto, pelo desenvolvimento de mais ensaios clínicos comparativos que permitam aferir «qual o papel exato do obinutuzumab, em comparação com outros fármacos de primeira linha», tal como os subgrupos de doentes para os quais esta opção terapêutica se revela mais adequada. «Isto é só o começo de uma nova e promissora etapa no tratamento dos doentes com LLC», afirmou João Raposo. Cristina João, por seu turno, começou por apresentar o obinutuzumab, um anticorpo monoclonal anti-cd20 tipo II, com manipulação de glico-engenharia. Esta é uma das suas «principais diferenças» relativamente ao rituximab, que é um anticorpo monoclonal anti-cd20 tipo I quimérico. «O obinutuzumab é um anticorpo monoclonal de segunda geração não quimérico, mas sim completamente humanizado», explicou. Estas características aumentam a capacidade de este anticorpo induzir morte celular por apoptose, elevando ainda a citotoxicidade celular associada. A especialista referiu, a este propósito, estudos pré-clínicos de fase I que avaliaram o aumento do fenómeno de citotoxicidade celular mediada pelo anticorpo. E afirmou: «Estes estudos mostram que a citotoxicidade celular do obinutuzumab é cerca de 100 vezes superior à alcançada com o rituximab.» Aprovado este ano, o obinutuzumab «revela já vantagens em termos de sobrevivência livre de progressão e sobrevivência global». «Esta nova arma terapêutica inovadora pode oferecer-nos maior capacidade de tratar doentes com LLC, obtendo um maior número de respostas completas e negativando, em alguns casos, a doença residual mínima» sublinhou Cristina João. Relativamente aos subgrupos de doentes que mais podem beneficiar desta terapêutica, a oradora citou o estudo «Obinutuzumab plus Chlorambucil in Patients with CLL and Coexisting Conditions», publicado no New England Journal of Medicine, que demonstrou o benefício para os doentes com comorbilidades que foram tratados com a combinação obinutuzumab + clorambucilo versus os doentes tratados apenas com clorambucilo ou com combinação rituximab + clorambucilo. A população de doentes incluídos neste estudo reflete bem os doentes típicos de LLC. Na sua intervenção, Francesc Bosch lembrou que o tratamento standard para os doentes com LLC passa pela associação de fludarabina, ciclofosfamida e rituximab em doentes fit. Contudo, «nem todos os doentes são elegíveis para esta terapêutica, pois tem toxicidades associadas que podem comprometer a função renal, por exemplo». A idade é um fator igualmente importante, lembrou o especialista, dado que mais de 75% dos doentes com LLC têm mais de 65 anos. Para estes casos, «existem outras terapêuticas de primeira linha, como a associação do obinutuzumab com clorambucilo». Esta combinação «demonstrou prolongar a sobrevivência global em doentes com boas condições físicas e que não tenham sido sujeitos a tratamento prévio para a LLC», sustentou Francesc Bosch. «Este novo anticorpo monoclonal demonstrou ter eficácia superior ao clorambucilo em monoterapia e à combinação rituximab + clorambucilo, relevando um perfil de segurança bastante aceitável», concluiu Francesc Bosch

3 Flashback A Reunião Anual da SPH 2014 conta com cerca de 440 inscritos, entre enfermeiros e médicos. Embora os congressistas tenham começado a chegar no início da tarde de ontem, a maioria é esperada entre hoje e amanhã O simpósio-satélite organizado pela Celgene teve como tema os desafios do mieloma múltiplo e como orador o Dr. Xavier Leleu (no púlpito), professor no Departamento de Hematologia do Hospital de Lille. Além deste, a Reunião tem mais quatro simpósios-satélite A exposição técnica é um dos pontos de passagem dos congressistas. Este ano, são 15 as empresas da indústria farmacêutica que se fazem representar O jornal Notícias Prévias está em distribuição desde ontem, chamando a atenção para os principais destaques da Reunião, que conta também com dois jornais diários (hoje e amanhã) Ficha Técnica NotíciasDiárias Propriedade Sociedade Portuguesa de Hematologia Secretariado Veranatura - Conference Organizers Rua Augusto Macedo, N.º 12-D - Esc Lisboa Tel.: (+351) (+351) Fax: (+351) Edição Campo Grande, n.º 56, 8.º B Lisboa Tel.: (+351) Fax: (+351) Direção: Madalena Barbosa Coordenação: Luís Garcia Textos: Ana Rita Lúcio, Marisa Teixeira e Sofia Cardoso Fotografia: Rui Jorge Paginação: Susana Vale jornal patrocinado por: NOTA: os textos desta publicação estão escritos segundo as regras do novo Acordo Ortográfico

4 ONTEM Formação no arranque do programa científico O curso «Leitura crítica de artigos científicos» foi ministrado pelo Prof. Ofer Shpilberg O Prof. António Almeida (à direita) foi um dos organizadores do curso «Avaliação diagnóstica de doentes com neoplasias mieloproliferativas» Dedicados especialmente a internos e jovens especialistas, decorreram ontem, em paralelo, dois cursos. As neoplasias mieloproliferativas e a leitura crítica de artigos científicos foram os temas em foco. Marisa Teixeira O objetivo do curso «Leitura crítica de artigos científicos», de acordo com quem o ministrou, o Prof. Ofer Shpilberg, diretor do Instituto de Hematologia do Assuta Medical Center, em Telavive, Israel, «foi fazer uma observação crítica e a avaliação de ensaios clínicos já publicados, com base em princípios e ferramentas sustentadas em evidências». Numa primeira parte, Ofer Shpilberg fomentou o debate sobre os vários tipos de ensaios clínicos existentes, as diferentes fases em que se dividem e os enviesamentos que tendem a ocorrer com mais frequência. Posteriormente, numa vertente bastante prática e interativa desta formação, o palestrante focou-se nas atuais tendências de conceção e análise desses mesmos ensaios, que levou também a um debate sobre o assunto. Por fim, o formador fez a análise crítica de artigos científicos baseados em ensaios clínicos publicados recentemente em jornais e revistas de referência no campo da Hemato-Oncologia. Atualização em neoplasias mieloproliferativas No curso dedicado ao tema «Avaliação diagnóstica de doentes com neoplasias mieloproliferativas», foram abordados Formadores de vários centros O curso dedicado às neoplasias mieloproliferativas foi ministrado por hematologistas que exercem em diferentes locais do País: Do IPO Lisboa: Prof. António Almeida (tema abordado: «Classificação das neoplasias mieloproliferativas Filadélfia-negativas) e Dr.ª Francesca Pierdomenico (tema: «Abordagem do doente com eritrocitose»); Do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra: Dr.ª Margarida Coucelo («Aspetos moleculares das neoplasias mieloproliferativas») e Dr.ª Marta Isabel Pereira («Abordagem do doente com trombocitose»); Do Centro Hospitalar de São João, no Porto: Dr. Rui Bergantim («Abordagem do doente com leucocitose e esplenomegalia») e Dr.ª Fernanda Trigo (organizadora do curso, com o Prof. António Almeida). tópicos como a classificação das neoplasias mieloproliferativas Filadélfia-negativas, os aspetos moleculares e as abordagens dos doentes com trombocitose, eritrocitose, leucocitose ou esplenomegalia. Esta ação formativa foi organizada pelo Prof. António Almeida, hematologista no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, e pela Dr.ª Fernanda Trigo, hematologista no Centro Hospitalar de São João, no Porto. «Além de fazer uma atualização sobre as principais novidades das neoplasias mieloproliferativas, o nosso objetivo foi contribuir para uniformizar a abordagem no que se refere à estratificação do risco e à avaliação do diagnóstico», salientou António Almeida. Por isso, este curso, à partida mais pensado para internos e jovens especialistas, cativou o interesse de um diversificado leque de hematologistas. «Apesar de ter tido um cunho mais educativo do que investigacional, foi uma sessão dirigida a todos os hematologistas pelo seu grau de interesse», sublinhou Fernanda Trigo. E António Almeida acrescentou: «As neoplasias mieloproliferativas são relativamente frequentes, mas o seu diagnóstico nem sempre é óbvio. Há algum tempo que queríamos proporcionar um período de formação com enfoque nestas patologias e agora surgiu essa oportunidade.»

5

6 HOJE Novo olhar sobre linfomas indolentes e neoplasia blástica de células dendríticas plasmocitoides O programa científico de hoje arranca com a Sessão Educacional I, que decorre entre as 9h00 e as 10h30, na sala 1. No centro das atenções estão os avanços na terapêutica dos linfomas indolentes e uma nova linha de investigação na neoplasia blástica de células dendríticas plasmocitoides. Marisa Teixeira Prof. Emmanuel Bachy DR Na primeira de quatro sessões educacionais que marcam o programa da 16.ª Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Hematologia, o debate começa por se centrar nas novas terapêuticas em linfomas indolentes. Quem vai discorrer sobre este tema é o Prof. Emmanuel Bachy, hematologista no Groupement Hospitalier Lyon Sud, em França. A moderação está a cargo do Dr. José Mariz, diretor do Serviço de Onco-Hematologia do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto. Em análise estarão os «notáveis progressos em termos de outcome para os doentes com linfoma indolente», adianta Emmanuel Bachy. Esta patologia «engloba uma série de subtipos, tais como o linfoma de zona marginal, a macroglobulinemia de Waldenström, o linfoma linfocítico de pequenas células ou o mais frequente linfoma folicular». Este último subtipo será, aliás, alvo de particular atenção, visto que «representa entre 20 a 30% do total de casos de linfoma, nos países ocidentais». Prof. Stefano Pileri DR Os avanços mais significativos das terapêuticas para os linfomas indolentes foram observados, sobretudo, na última década. «Primeiro, surgiu o rituximab, um anticorpo monoclonal anti-cd20 que permitiu prolongar a sobrevida dos doentes, depois de muitos anos com resultados dececionantes. Seguiram-se várias terapêuticas dirigidas com base em princípios ativos já aprovados, como o idelalisib; ou ainda em desenvolvimento, como o ibrutinib, o ABT-199 ou a lenalidomida», nota Emmanuel Bachy. Na génese das novas respostas farmacológicas dirigidas aos diferentes linfomas indolentes estão «as descobertas científicas sobre linfomagénese, que rapidamente se traduziram na identificação de alvos terapêuticos potenciais», sublinha este orador. E acrescenta: «A identificação de novos antigénios de superfície para anticorpos monoclonais, a compreensão da dependência das vias de sinalização celular dos recetores de células B e o reconhecimento do papel crucial do microambiente nos linfomas indolentes abriram caminho à descoberta de novas moléculas.» De acordo com Emmanuel Bachy, a expansão do conhecimento sobre linfomas indolentes poderá, a breve trecho, abrir «horizontes promissores», do ponto de vista dos tratamentos. «Num futuro próximo», as novas terapêuticas dirigidas poderão mesmo «conduzir a uma nova era de tratamentos livres de quimioterapia». A este respeito, destacam-se abordagens inovadoras, como «a combinação de anticorpos monoclonais anti- -CD20 com imunomoduladores (IMiDs), com anticorpos monoclonais dirigidos a outros antigénios de superfície como o CD22, com outros anticorpos imunomoduladores como o anti-pd-1 ou ainda com inibidores da tirosina-cinase». Apesar das comprovadas vantagens das novas terapêuticas para os linfomas indolentes, «há questões que continuam sem resposta, nomeadamente a relação custo/benefício e os inesperados níveis de toxicidade imediata e tardia, tipicamente não suscitados pelos tratamentos convencionais com quimioterapia ou imunoquimioterapia», conclui Emmanuel Bachy. Neoplasia pouco explorada A Sessão Educacional I prossegue com a intervenção do Prof. Stefano Pileri, diretor da Unidade de Hematologia da Escola de Medicina da Universidade de Bolonha, em Itália, que vai apresentar uma nova linha de investigação desenvolvida por si e pela sua equipa, com o intuito de conhecer melhor os mecanismos da neoplasia blástica de células dendríticas plasmocitoides (NBCDP). Uma patologia sobre a qual ainda se perspetiva «um longo caminho a percorrer», aponta o Dr. José Cabeçadas, anatomopatologista no IPO de Lisboa e moderador desta intervenção

7 A NBCDP «é rara e tem uma miríade de manifestações clínicas, morfologia ambígua e fenótipo distinto», explica Stefano Pileri. Além disso, é de tal forma agressiva que, nos estudos que este investigador levou a cabo, 95% dos doentes não submetidos a transplante alogénico de células estaminais faleceram em apenas 11 meses. «A evolução da doença não se mostrou sensível a terapêuticas dirigidas às leucemias mieloides agudas, embora a NBCDP tenha sido incluída neste grupo, segundo a classificação dos tumores hematopoiéticos e linfoides da Organização Mundial da Saúde.» Há dois anos, recorda Stefano Pileri, «o National Cancer Institute, dos Estados Unidos, apresentou dados que indicavam que as terapêuticas para a leucemia linfoblástica resultavam em remissões mais prolongadas em crianças com NBCDP, evitando a necessidade de transplante alogénico de células estaminais». Outro estudo da Fundação GIMEMA (grupo italiano que estuda as doenças hematológicas em adultos) demonstrou ainda «que os adultos com NBCDP tendem a ter uma evolução mais favorável quando submetidos a terapêuticas dirigidas a linfomas». Estes dados levaram a comunidade científica a questionar se este tipo de neoplasia poderia derivar de precursores mieloides ou linfoides. Foi precisamente para responder a essa interrogação que se iniciou o estudo de perfil de expressão genética que vai ser apresentado por Stefano Pileri na Sessão Educacional II. Trata-se de um trabalho que, «graças a um esforço multicêntrico internacional», logrou reunir «mais de 50 exemplos desta neoplasia», através da análise de tecido congelado e saliva ou tecido cutâneo recolhido nos mesmos doentes. Novas evidências Os resultados revelam que a «assinatura da NBCDP está próxima às assinaturas das células dendríticas plasmocitoides e dos percursores mieloides». Contudo, os tumores revelaram uma «posição intermédia entre as leucemias mieloides agudas e as leucemias linfoblásticas», relata Stefano Pileri. E acrescenta: «Curiosamente, encontraram-se 46 genes desregulados, em comum com estas duas outras leucemias. Alguns destes genes evidenciaram sensibilidade a fármacos habitualmente incluídos nos protocolos terapêuticos das leucemias linfoblásticas e dos linfomas, como a prednisona, a vincristina ou o metotrexato.» De acordo com Stefano Pileri, existem estudos de sequenciação genética de nova geração que revelam uma série de mutações recorrentes em genes envolvidos na remodelação da cromatina, na regulação epigenética e no splicing. «A maioria destes genes pertence ao polycomb repressor complex», explicita. Com base nos dados recolhidos, «novas experiências têm sido levadas a cabo na linha celular CAL-1, demonstrando elevada sensibilidade a fármacos como a decitabina, a romidepsina ou a 5-azacitidina». «Em associação, estes fármacos desencadearam um elevado efeito sinérgico, com aumento de eficácia mesmo com doses mais reduzidas. O mesmo efeito sinérgico também foi registado com o bortezomib», avança este anatomopatologista e investigador italiano. PUB. PUB. Laboratórios Pfizer, Lda. Sociedade Comercial por Quotas Lagoas Park, Edifício 10, Porto Salvo, Portugal NIPC/Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o nº Capital 2014 Social ,82 7 Euros 0BOSU

8 HOJE Na sessão Educacional II, que decorre entre as 11h00 e as 12h30, vão estar em evidência os novos agentes terapêuticos desenvolvidos para o tratamento do mieloma múltiplo e o papel da alotransplantação hematopoiética na leucemia linfoblástica aguda do adulto. A Dr.ª Fernanda Trigo, hematologista no Centro Hospitalar de São João, no Porto, é a moderadora desta sessão. Sofia Cardoso Atualização em mieloma múltiplo e leucemia linfoblástica aguda Dr.ª Graça Esteves O primeiro tema da Sessão Educacional II «Fundamento biológico para novas terapêuticas no mieloma múltiplo» vai ser apresentado pela Dr.ª Graça Esteves, hematologista no Centro Hospitalar Lisboa Norte/Hospital de Santa Maria. «Elucidar o racional científico para o uso dos novos agentes terapêuticos, com base nos resultados obtidos, e rever a patogénese do mieloma múltiplo» são os dois objetivos principais desta oradora. Na última década, assistiu-se a uma grande evolução no tratamento do mieloma múltiplo, graças ao aparecimento de novos agentes com particulares mecanismos de ação, nomeadamente os imunomoduladores derivados da talidomida e os inibidores do proteassoma. Estes últimos inauguraram uma nova classe terapêutica e resultam de importantes avanços na compreensão da biologia do mieloma múltiplo e do desenvolvimento de novas tecnologias de caracterização genética e molecular. A pertinência deste tema é ainda maior face à miríade dos novos agentes terapêuticos que está em avaliação. «O seu número é tão grande que, na ausência de consenso clínico quanto aos agentes que têm atividade antitumoral relevante, confunde a prática clínica. Além disso, poucos destes novos agentes foram além das fases precoces de investigação clínica (I e II), determinando que o número dos que virão a ser comercializados seja muito reduzido», antecipa Graça Esteves. Avanços na LLA do adulto «Alotransplantação hematopoiética em leucemia linfoblástica aguda [LLA] do adulto» é o segundo tema em análise na Sessão Educacional II. O orador responsável pela sua abordagem é o Prof. Manuel Abecasis, diretor do Departamento de Hematologia e do Programa de Transplantação de Medula Óssea do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa. De acordo com este especialista, a terapêutica da LLA do adulto tem evoluído muito nos últimos anos, nomeadamente com a introdução de protocolos pediátricos no tratamento de adultos. «Embora não haja estudos prospetivos randomizados que sustentem esta observação, a comparação retrospetiva com os resultados de protocolos do adulto sugere que houve uma diminuição das recaídas com a aplicação dos protocolos de tratamento das crianças», explica Manuel Abecasis. Apesar desta novidade, o hematologista sublinha que «a alotransplantação hematopoiética já provou ser o tratamento mais eficaz para a LLA no adulto». No entanto, «é preciso refletir sobre a necessidade de haver uma boa articulação entre a equipa que trata o doente e a equipa de transplante». Durante a sua intervenção, Manuel Abecasis vai levantar as seguintes questões: «Será que a alotransplantação hematopoiética deverá ser conside- rada perante a primeira remissão completa [RC1]. Se sim, em que casos e quando? Ou deverá ser reservada apenas para os doentes que recaem?» Avançando com parte das respostas, este especialista defende que «o alotransplante em RC1 deixou de ser aplicável a todos os casos considerados standard, dado que os casos de alto risco vão sempre para transplante nesta fase». Prof. Manuel Abecasis Por outro lado, a avaliação da resposta à terapêutica através da quantificação da doença residual mínima (DRM) permite «estratificar o grupo heterogéneo de doentes com LLA, consoante o risco de recidiva, e desenhar a melhor estratégia adaptada a cada doente». Esta personalização da terapêutica «é fundamental para o sucesso do alotransplante hematopoiético, que também dependerá de uma avaliação rigorosa da resposta ao tratamento». Esta avaliação «só será possível com a quantificação da DRM a partir da citometria de fluxo ou da PCR [sigla em inglês para polymerase chain reaction]», conclui Manuel Abecasis

9

10 HOJE Aplicação da epigenética aos tumores hematológicos Prof.ª Ana Bela Sarmento-Ribeiro A constatação de que as alterações epigenéticas influenciam o comportamento das células dos tumores hematológicos fez surgir uma série de novas investigações, em busca de terapêuticas mais eficazes. Entre as 12h30 e as 13h30, na Lição John Goldman, fique a conhecer melhor esta ligação entre a epigenética e as células tumorais, e os resultados já obtidos por investigadores nacionais. Sofia Cardoso Investigações recentes mostram que a epigenética determina o comportamento celular de muitos tumores hematológicos. Neoplasias mieloides crónicas, leucemias, linfomas e mielomas são exemplos de doenças que podem ser influenciadas pelas alterações epigenéticas. Na Lição John Goldman, o Prof. António Almeida, hematologista no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa, vai falar sobre o contributo destas alterações epigenéticas no tratamento dos vários tumores hematológicos e sobre os resultados de investigações realizadas recentemente e ainda em curso. «Em neoplasias mieloides crónicas, como as síndromes mielodisplásicas, mas também em leucemias, linfomas e mielomas, as alterações epigenéticas podem tornar as células mais proliferativas e/ou mais sensíveis e/ou resistentes à apoptose», explica António Almeida. Nesta sessão, o hematologista vai referir as alterações epigenéticas mais importantes, porque surgem e de que forma afetam o comportamento das células tumorais. «O estudo das alterações epigenéticas pode ser uma possível abordagem para o tratamento destas neoplasias, no futuro.» Prof. António Almeida Um dos principais objetivos das investigações nacionais que estão a decorrer nesta área, nomeadamente no IPO de Lisboa e na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, é precisamente «tentar descobrir novos mecanismos de tratamento, com base na influência da epigenética». «A nossa esperança é contribuir para o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes e menos tóxicos dos tumores hematológicos», avança António Almeida. Entre as novas terapêuticas dirigidas às alterações epigenéticas que estão em análise, o especialista destaca os inibidores da histona desacetilase (como o vorinostat) para os linfomas cutâneos e os inibidores da DNA-metiltransferase (como a azacitidina) para as síndromes mielodisplásicas e as leucemias mieloblásticas agudas. Investigação portuguesa Segundo a Prof.ª Ana Bela Sarmento- -Ribeiro, hematologista no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) e moderadora da Lição John Goldman, «conhecer os mecanismos que se encontram na base das neoplasias hematológicas, em particular o envolvimento da epigenética, significa um enorme progresso em Hemato-Oncologia. Isto porque, «além de permitir identificar novos biomarcadores de prognóstico e grupos de risco, este conhecimento traz uma nova perspetiva à abordagem terapêutica dos doentes com neoplasias hematológicas». Em colaboração com o Serviço de Hematologia do CHUC, a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra está a desenvolver vários estudos sobre a utilização dos inibidores da histona desacetilase e dos inibidores da DNA-metiltransferase em neoplasias hematológicas. «Além das repercussões das novas abordagens terapêuticas, estamos ainda a avaliar a metilação de alguns genes enquanto biomarcadores relevantes no diagnóstico, no prognóstico e na monitorização das várias terapêuticas, não só ao nível da medula óssea, mas também do sangue periférico», revela Ana Bela Sarmento-Ribeiro. Na Lição John Goldman, António Almeida vai também apresentar dados originais e recentes da investigação em neoplasias mieloproliferativas que está a ser desenvolvida pelo Serviço de Hematologia do IPO de Lisboa. Vantagens dos agentes hipometilantes De acordo com a Prof.ª Ana Bela Sarmento-Ribeiro, os estudos sobre os efeitos dos hipometilantes (uma terapêutica dirigida às alterações epigenéticas) em doentes com síndromes mielodisplásicas provaram os seguintes benefícios: Melhoria da qualidade de vida dos doentes, devido à diminuição da dependência transfusional e do risco de infeções; Diminuição do risco de progressão/transformação para leucemia aguda; Aumento da sobrevivência global dos doentes

11

12 HOJE Avanços no tratamento do linfoma das células do manto e da leucemia linfocítica crónica A perspetiva de novas e mais eficazes respostas farmacológicas estarem a «revolucionar» o tratamento do linfoma das células do manto (LCM) e da leucemia linfocítica crónica (LLC) está no centro do simpósio-satélite que a Janssen organiza, entre as 13h30 e as 14h30, na sala 5. O ibrutinib, um inibidor da tirosina-cinase de Bruton, é a nova abordagem terapêutica comum a estas duas patologias. Ana Rita Lúcio Dr. João Raposo e Prof.ª Maria Gomes da Silva No simpósio-satélite organizado hoje pela Janssen, as atenções estão viradas para o ibrutinib, o primeiro fármaco da classe dos inibidores da tirosina-cinase de Bruton (BTK, na sigla em inglês), uma enzima essencial para a maturação, a proliferação e a sobrevivência dos linfócitos B. O «protagonismo» dado a esta molécula e à sua ação justifica-se pelo facto de as mutações no gene que codifica a BTK estarem na origem de neoplasias hematológicas como o LCM e a LLC. O impacto do ibrutinib enquanto terapêutica de segunda linha para estas duas patologias é, precisamente, o foco deste simpósio que, num primeiro momento, versará sobre o tema «(R)evolução no tratamento do LCM». Esta comunicação está a cargo do Prof. Simon Rule, hematologista no Plymouth Hospitals NHS Trust, no Reino Unido, sendo moderada pela Prof.ª Maria Gomes da Silva, diretora do Serviço de Hematologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa. Não se conhece ainda cura para os linfomas das células do manto, que «têm uma evolução maioritariamente agressiva», começa por enquadrar Maria Gomes da Silva. O tratamento de primeira linha, «para doentes mais jovens e com bom estado geral», tem residido em regimes de quimioterapia «com rituximab, alquilantes, antraciclinas e citosina-arabinosido em alta dose». Já os doentes mais idosos, que representam a maioria, são tradicionalmente tratados com «quimioterapia associada a rituximab», seguida de tratamento de manutenção com o mesmo fármaco. «Em alternativa, existe ainda a associação de rituximab a bendamustina», explica a hematologista. A opção por uma terapêutica de segunda linha depende da idade do doente, do regime eleito inicialmente e da sua tolerância e duração da resposta. Segundo Maria Gomes da Silva, nos últimos meses, assistiu-se «a uma evolução muito significativa dos tratamentos, graças à demonstração de eficácia de vários agentes», abrindo novas perspetivas no combate ao LCM. «O desenvolvimento de novos fármacos eficazes é essencial e pode vir a alterar o curso da doença.» É neste contexto que o ibrutinib se revela «uma excelente opção», segundo a hematologista. A evidência clínica aponta nesse mesmo sentido. «O ibrutinib, tendo um mecanismo de ação diferente da quimioterapia habitual, demonstrou, em ensaios clínicos de fase II, uma excelente atividade: cerca de 70% de taxas de resposta, que se revelaram duradouras e levaram a sobrevivências prolongadas dos doentes em recaída/refratários e já submetidos a múltiplos tratamentos.» Neste momento, está em estudo «a utilização do ibrutinib em primeira linha, quer em combinação com quimioterapia quer em estratégias de manutenção, após o tratamento convencional». É por isso que Maria Gomes da Silva o considera «um tratamento extraordinariamente promissor». «Em conjunto com outros fármacos recentemente aprovados, o ibrutinib poderá levar a um prolongamento significativo da sobrevivência a esta doença de prognóstico muito reservado, sobretudo se aprendermos a usá- -lo da forma mais adequada», conclui. Progressos no tratamento da LLC A segunda parte do simpósio incide sobre as «Novas abordagens terapêuticas dirigidas na LLC», tema apresentado pelo Prof. Clemens Wendtner, diretor do Departamento de Hematologia na Clínica Schwabing da Universidade de Berlim, que enquadrará o papel do ibrutinib no contexto dos tratamentos inovadores dirigidos para esta patologia. A moderação desta intervenção cabe ao Dr. João Raposo, hematologista no Centro Hospitalar Lisboa Norte/Hospital de Santa Maria. «O ibrutinib está aprovado pela Agência Europeia de Medicamentos para o tratamento de doentes com LLC em recaída ou refratária», refere João Raposo. Este fármaco é assim indicado para o tratamento de doentes com LLC que tenham sido alvo de, pelo menos, uma terapêutica prévia e também em primeira linha, na presença de deleção 17p ou mutação no gene TP53, em doentes sem indicação para quimioimunoterapia. Por oferecer uma nova opção para estes casos, o especialista considera o ibrutinib «um avanço no tratamento da LLC, com grande eficácia e menor toxicidade imediata»

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Q & BROCHURA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. VFEND (voriconazol) Oral/Intravenoso

Q & BROCHURA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE. VFEND (voriconazol) Oral/Intravenoso Q & BROCHURA DE PERGUNTAS E RESPOSTAS PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE VFEND (voriconazol) Oral/Intravenoso ÍNDICE 1 Qual a finalidade desta brochura?... 3 2 O que é o VFEND (voriconazol)?... 3 3 O que devo

Leia mais

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Pede-se aos profi ssionais de saúde que notifi quem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notifi cação. concentrado

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente.

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente. Vidaza azacitidina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vidaza pó liofilizado para injeção, está disponível em frasco ampola com 100 mg de azacitidina. USO SUBCUTÂNEO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola

Leia mais

Superior. Diagnóstico genético e fenotípico dos tumores hematológicos. no tratamento da LLC. 21 22 Novembro

Superior. Diagnóstico genético e fenotípico dos tumores hematológicos. no tratamento da LLC. 21 22 Novembro Publicação de distribuição gratuita 21 sábado 6.ª feira Aceda à versão digital SESSÃO EDUCACIONAL III Atualização em anemias diseritopoiéticas congénitas e na doença de von Willebrand P.2 SESSÃO EDUCACIONAL

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Uplyso TM alfataliglicerase. Cartucho com 1 frasco-ampola contendo 200 unidades de pó para solução para infusão.

Uplyso TM alfataliglicerase. Cartucho com 1 frasco-ampola contendo 200 unidades de pó para solução para infusão. Uplyso TM alfataliglicerase I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Uplyso TM Nome genérico: alfataliglicerase APRESENTAÇÕES Cartucho com 1 frasco-ampola contendo 200 unidades de pó para solução

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE

INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA IMPORTANTE para os médicos prescritores de PROTELOS /OSSEOR (Ranelato de estrôncio) 2 g granulado para suspensão oral Estes medicamentos estão sujeitos a monitorização adicional

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO CROMABAK 20 mg/ml, colírio, solução 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Para 100 ml de solução: Cromoglicato de sódio...2,00 g Lista

Leia mais

Anexo I. Titular da autorização de introdução no mercado. Estado Membro. Via de administra ção. Forma farmacêutica. Dosagem

Anexo I. Titular da autorização de introdução no mercado. Estado Membro. Via de administra ção. Forma farmacêutica. Dosagem Anexo I Estado Membro (no EEE) Titular da autorização de introdução no mercado Contacto local DCI Nome de fantasia Dosagem Forma farmacêutica Via de administra ção Fresenius Medical Care Nephrologica Deutschland

Leia mais

Nutrição em Oncologia Formação Avançada

Nutrição em Oncologia Formação Avançada UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Instituto de Ciências da Saúde Nutrição em Oncologia Formação Avançada Enquadramento A Organização Mundial de Saúde prevê, em 2015, o aumento de 75% dos casos de cancro.

Leia mais

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram

Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Informação de segurança muito importante para os profissionais de saúde que prescrevem, dispensam e administram Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Versão 1, março 2014 ATENÇÃO: Risco

Leia mais

ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO

ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO ANEXO III ALTERAÇÕES ÀS SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E DO FOLHETO INFORMATIVO Nota: O resumo das características do medicamento e o folheto informativo podem necessitar

Leia mais

Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa

Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa Materiais educacionais com Informação de Segurança Importante O QUE É SOLIRIS? SOLIRIS é o primeiro anticorpo monoclonal

Leia mais

Conclusões científicas

Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas e fundamentos para a alteração do Resumo das Características do Medicamento, da Rotulagem e do Folheto Informativo apresentados pela Agência Europeia de Medicamentos 7 Conclusões

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

TERAPIAS AVANÇADAS: UMA REALIDADE FARMACÊUTICA? - Desafios do Presente e Perspectivas para o Futuro -

TERAPIAS AVANÇADAS: UMA REALIDADE FARMACÊUTICA? - Desafios do Presente e Perspectivas para o Futuro - III Congresso Científico AEFFUL TERAPIAS AVANÇADAS: UMA REALIDADE FARMACÊUTICA? - Desafios do Presente e Perspectivas para o Futuro - 24 e 25 de Novembro de 2011 (Programa Provisório) Coordenação Científica:

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab)

Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab) Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA (pembrolizumab) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de

Leia mais

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica

Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica 132_Newslab_Informe Científico Alterações citogenéticas na leucemia linfocítica crônica *Monika Conchon médica onco-hematologista Nos últimos anos, vários marcadores de prognóstico foram identificados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Laxido Laranja, pó para solução oral

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Laxido Laranja, pó para solução oral FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Laxido Laranja, pó para solução oral Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido sem receita

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Bisoltussin Tosse Seca, 2 mg/ml, solução oral Bromidrato de dextrometorfano Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Receptal, 0,004 mg/ml solução aquosa injetável destinada a vacas, éguas, porcas e coelhas. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA

Leia mais

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS

CETIRIZINA HISTACET 10 mg COMPRIMIDOS REVESTIDOS FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento -Conserve este folheto: Pode ter necessidade de o reler. -Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. -Este

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola

APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola MODELO DE BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO DACOGEN decitabina APRESENTAÇÃO Pó liofilizado para solução injetável intravenosa em frasco-ampola de uso único. Embalagem com 1 frascoampola com

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais

dicloridrato de betaistina

dicloridrato de betaistina dicloridrato de betaistina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos 16 mg dicloridrato de betaistina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos simples: embalagem

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para reconstituição e diluição para infusão: 1 frasco dose única com 400 Unidades (10 mg).

APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para reconstituição e diluição para infusão: 1 frasco dose única com 400 Unidades (10 mg). I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO VPRIV * Alfavelaglicerase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado para reconstituição e diluição para infusão: 1 frasco dose única com 400 Unidades (10 mg). USO INTRAVENOSO USO ADULTO

Leia mais

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145

Numeração Única: 0145120798114 ou 0798114-29.2012.8.13.0145 NT 25/2012 Solicitante: João Martiniano Vieira Neto Juiz da 2ª Vara de Registros Públicos e Fazenda Pública Municipal de Juiz de Fora/MG Data: 26/11/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro:

O Avastin é utilizado em associação com outros medicamentos contra o cancro no tratamento de adultos com os seguintes tipos de cancro: EMA/175824/2015 EMEA/H/C/000582 Resumo do EPAR destinado ao público bevacizumab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida)

Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) EMA/90006/2015 EMEA/H/C/001104 Resumo do EPAR destinado ao público Vacina pneumocócica polissacárida conjugada (13-valente, adsorvida) Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR)

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe

Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe NOTA TÉCNICA 19 2013 Considerações sobre o medicamento Trastuzumabe Incorporado no SUS para tratamento de câncer de mama HER2 positivo, em fase inicial ou localmente avançado. CONASS, julho de 2013 1 Considerações

Leia mais

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica

CONHECIMENTO GOTAS. neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica CONHECIMENTO EM GOTAS neoplasias hematológicas: leucemia mieloide crônica leucemia é uma doença maligna dos leucócitos (glóbulos brancos). ela pode ser originada em duas linhagens diferentes: a linhagem

Leia mais

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS 1Maria Isabel Ribeiro; 2 Carlos Ferreira; 2 Duarte Loio & 2 Luís Salsas 1Professora do Instituto Politécnico de Bragança, Investigadora do CETRAD e colaboradora

Leia mais

Jaba B12 5 mg/2ml Pó e solvente para solução injectável

Jaba B12 5 mg/2ml Pó e solvente para solução injectável Folheto informativo: Informação para o utilizador Jaba B12 5 mg/2ml Pó e solvente para solução injectável Cobamamida Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém

Leia mais

Recomendações do PRAC relativamente aos sinais para atualização da informação do medicamento

Recomendações do PRAC relativamente aos sinais para atualização da informação do medicamento 22 de janeiro de 2015 EMA/PRAC/63316/2015 Revision 1 published on 23/02/2015 Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância Recomendações do PRAC relativamente aos sinais para atualização da informação

Leia mais

REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA

REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA 1 REQUISITOS PARA A PRESTAÇÃO DE CUIDADOS EM ONCOLOGIA COORDENAÇÃO NACIONAL PARA AS DOENÇAS ONCOLÓGICAS DEZEMBRO DE 2009 2 INTRODUÇÃO O Plano Nacional de Prevenção e Controle das Doenças Oncológicas 2007-2010

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

PROMOTOR. Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROMOTOR. Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROMOTOR Parceria Científica com a UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Apresentação O objetivo deste curso é proporcionar uma formação avançada, bem como a aquisição de competências e conhecimentos, de forma

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária 1 Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos

Leia mais

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p...

ASERCIT dacarbazina. Cada frasco-ampola de ASERCIT(dacarbazina) 200 mg contém: dacarbazina... 200 mg excipientes* q.s.p... Pó liófilo injetável FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES: 100 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. 00 mg. Embalagem com 1 frasco-ampola. USO INTRAVENOSO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO:

Leia mais

MYCAMINE MYCAMINE. micafungina. micafungina. Guia de Prescrição. e Monitorização. de Prescrição. Guia e Monitorização

MYCAMINE MYCAMINE. micafungina. micafungina. Guia de Prescrição. e Monitorização. de Prescrição. Guia e Monitorização MYCAMINE MYCAMINE micafungina micafungina Guia de Prescrição Guia e Monitorização de Prescrição e Monitorização Informação para médicos prescritores Informação Dezembro para de 2011 médicos (versão prescritores

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

Adultos e crianças com mais de 12 anos: 10 ml (2 colheres de chá), 2 vezes por dia.

Adultos e crianças com mais de 12 anos: 10 ml (2 colheres de chá), 2 vezes por dia. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Ambroxol Azevedos 6 mg/ml, Xarope 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada 5 ml de xarope contêm 30 mg de cloridrato de trans-4-[(2-amino-3,5-dibromobenzil)amino]ciclohexanol

Leia mais

Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial

Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial Ensino Secundário Recorrente por Módulos Capitalizáveis Matriz da Prova do Regime de Frequência Não Presencial AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.ª LAURA AYRES Matriz do exame de Biologia - módulos 1,2,3 (12ºano)

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 15 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Fertagyl, 0,1 mg/ml solução injetável para bovinos e coelhos. 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada ml

Leia mais

Um novo tipo de câncer

Um novo tipo de câncer Um novo tipo de câncer Cirurgias menos invasivas e tratamentos personalizados são algumas das apostas da ciência para o câncer de cabeça e pescoço. Em visita ao Brasil, médico especialista na área apresenta

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Esmeron 10 mg/ml solução injetável Brometo de rocurónio

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Esmeron 10 mg/ml solução injetável Brometo de rocurónio FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Esmeron 10 mg/ml solução injetável Brometo de rocurónio Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. Conserve este folheto. Pode ter

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

Meprate Tablets 400mg

Meprate Tablets 400mg Estadomembro UE/EEE Titular da autorização de introdução no mercado Nome de fantasia Dosagem Forma farmacêutica Via de administração Reino Unido Chelonia Healthcare Limited, Boumpoulinas 11, 3rd Floor,

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

Gino-Canesten 1 Comprimido Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como "antifúngicos".

Gino-Canesten 1 Comprimido Vaginal contém a substância ativa clotrimazol pertencente a um grupo de substâncias conhecido como antifúngicos. Folheto informativo: Informação para o utilizador Gino-Canesten 1, 500 mg, Comprimido Vaginal Clotrimazol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação

Leia mais

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg

loratadina Merck S/A Comprimidos revestidos 10 mg loratadina Merck S/A revestidos 10 mg loratadina Medicamento genérico Lei nº 9.797, de 1999 APRESENTAÇÕES revestidos de 10 mg em embalagem com 12 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões

A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões A Introdução dos Biológicos no Tratamento da Psoríase: experiência da Enfermagem em um Centro de Infusões Enfª Resp. Téc. Ana Cristina de Almeida CIP-Centro de Infusões Pacaembú Agente Biológicos Os biológicos

Leia mais

NEWSLETTER Nº 2 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS

NEWSLETTER Nº 2 ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS NEWSLETTER Nº 2 Manteve-se o NEDR em actividade durante os últimos 2 anos. Das suas actividades se reporta resumidamente nesta 2ª Newsletter. Queremos com esta pequena informação estimular uma maior adesão

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

Neurociências. ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA

Neurociências. ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA Tiragem: 33183 País: Portugal Period.: Diária Âmbito: Informação Geral Pág: 31 Cores: Cor Área: 5,66 x 30,41 cm² Corte: 1 de 1 Neurociências

Leia mais

1. NOME DO MEDICAMENTO. Orgalutran 0,25 mg/0,5 ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA

1. NOME DO MEDICAMENTO. Orgalutran 0,25 mg/0,5 ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA 1. NOME DO MEDICAMENTO Orgalutran 0,25 mg/0,5 ml solução injetável 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada seringa pré-cheia contém 0,25 mg de ganirelix em 0,5 ml de solução aquosa. A substância

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

Folheto informativo: informação para o utilizador. Esmeron 10 mg/ml solução injetável Brometo de rocurónio

Folheto informativo: informação para o utilizador. Esmeron 10 mg/ml solução injetável Brometo de rocurónio Folheto informativo: informação para o utilizador Esmeron 10 mg/ml solução injetável Brometo de rocurónio Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e

Coffee Break 10:30hs às 11:30hs Biologia Molecular do Processo de Apoptose Prof. Dr. Roberto César Pereira Lima Júnior Departamento de Fisiologia e II Curso Avançado em Citogenômica do Câncer - realizado pelo Laboratório de Citogenômica do Câncer da Universidade Federal do Ceará. 20 a 23 de novembro no Seara Praia Hotel em Fortaleza - Ceará. Carga

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Tema: Mielofibrose uma doença ainda desconhecida Total atingido de pessoas na sala: 27 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 Perguntas

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015

Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015 Chat com o Dr. Guilherme Perini Dia 15 de setembro de 2015 Tema: Linfoma em busca de novos tratamentos Total atingido de pessoas na sala: 40 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde.

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2016. 1. Objectivos para 2016 no âmbito da actividade central da APCL:

PLANO DE ACTIVIDADES 2016. 1. Objectivos para 2016 no âmbito da actividade central da APCL: PLANO DE ACTIVIDADES 2016 A Associação portuguesa Contra a Leucemia submete à apreciação dos seus Associados reunidos em Assembleia Geral, dia 10 de Novembro de 2015, o Plano de Actividades para o exercício

Leia mais

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio.

Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes: cetrimida 0,1 mg (conservante), sorbitol, edetato dissódico e hidróxido de sódio. VISCOTEARS carbômer 2 mg / g Lágrima artificial Forma farmacêutica e apresentação Gel líquido oftálmico: tubo de 10 g. USO ADULTO E PEDIÁTRICO Composição Cada grama contém: 2 mg de carbômer; Excipientes:

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO - 2015 Prova de Biologia Prova 302 1. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino secundário, a realizar em 2015 pelos alunos que se encontram

Leia mais

Gestão da Comunicação e Informação Médica

Gestão da Comunicação e Informação Médica 1º Curso de Pós Graduação Executiva em Gestão da Comunicação e Informação Médica 2011 50h presenciais + 50h formação à distância MÓDULO I Clínica para não Clínicos 8h presenciais + 12h formação à distância

Leia mais

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado

Monuríl fosfomicina trometamol. Granulado Monuríl fosfomicina trometamol Granulado Forma farmacêutica e apresentação: Caixa com 1 envelope de granulado com 8g. USO ADULTO - USO ORAL Composição: Granulado Cada envelope contém: 5,631 g de fosfomicina

Leia mais

Gestão da Comunicação e Informação Médica

Gestão da Comunicação e Informação Médica 1º Curso de Pós Graduação Executiva em Gestão da Comunicação e Informação Médica 2010-2011 MÓDULO I Clínica para não Clínicos 32h presenciais + 16h formação à distância Ver um doente Meios Complementares

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Myograf filgrastim IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES Solução injetável Myograf 300 mcg/ml: Embalagens contendo 5 frascos-ampola com 1 ml USO SUBCUTÂNEO / INFUSÃO

Leia mais

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 olmesartana medoxomila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos. BETASERC (dicloridrato de

Leia mais